O QUE É E COMO FUNCIONA O BEHAVIOR SCORING

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O QUE É E COMO FUNCIONA O BEHAVIOR SCORING"

Transcrição

1 O QUE É E COMO FUNCIONA O BEHAVIOR! O que é o gerenciamento do crédito através do behavior scoring?! Como construir o behavior scoring?! Como calcular a função discriminante usando o Excel?! Como implantar o behavior scoring? Autor: Leopoldo Costa Junior Graduado em Administração de Empresas pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo FGV. Mestrando em Economia de Empresas pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo FGV. Atualmente é consultor financeiro na área de formulação de estratégia para reequacionamento financeiro, projeção de cenários futuros em modelo de simulação e análise da situação financeira e de mercado da empresa. 1

2 ÍNDICE PÁG APRESENTAÇÃO 03 O GERENCIAMENTO DO CRÉDITO 04 O GERENCIAMENTO DO CRÉDITO ATRAVÉS DO BAHAVIOR 05 CONSTRUINDO O BEHAVOIR 07 A FUNÇÃO DISCRIMINANTE 09 CALCULANDO A FUNÇÃO DISCRIMINANTE USANDO O EXCEL 10 APLICANDO A FUNÇÃO DISCRIMINANTE 15 IMPLANTADO O BEHAVIOR 19 CONCLUSÃO 20 2

3 APRESENTAÇÃO No Up-To-Date 83 mostramos a importância da utilização de escores pelas instituições financeiras para avaliar os seus clientes e, eventualmente, conceder benefícios a eles. Naquela ocasião vimos como funciona o escore de crédito, também chamado de credit scoring. Mostramos de que maneira se pode construir um escore de crédito a partir de uma técnica estatística conhecida como análise discriminante, que procurava separar, na análise de crédito, os bons e os maus pagadores. Com a implantação do escore de crédito podemos: agilizar a concessão de crédito; diminuir os riscos de perda de crédito (concessão de crédito a um mau pagador); e, incrementar as vendas. Como foi dito, o credit scoring é apenas uma das possíveis aplicações da análise discriminante para a área financeira, particularmente para a área de crédito. Neste Up-To-Date vamos falar a respeito de outra aplicação, que é o behavior scoring. O behavior scoring é um dos instrumentos usados no gerenciamento de crédito para se avaliar o risco dos atuais clientes. A maneira como elaboramos o behavior scoring é muito semelhante à que foi utilizada no caso do credit scoring; por essa razão, recomendamos ao leitor que dê uma lida no Up-To-Date 83 para se familiarizar com os conceitos. 3

4 O GERENCIAMENTO DO CRÉDITO Quando uma pessoa ou uma empresa vai adquirir um produto e não tem ou não quer dispor dos recursos necessários para comprá-lo à vista, ela tentará obter um crédito para realizar a compra. Na análise de crédito vamos verificar se esse potencial cliente é ou não merecedor de crédito. Esse tipo de análise pode ser feito a cada transação. Isso acontece quando se trata de uma compra não freqüente, de valor elevado ou sujeita a condições especiais. Nesse caso, cada nova transação que precisar ser realizada vai demandar uma nova análise de crédito. Mas a análise de crédito pode ser feita para se conceder um certo limite de crédito para o cliente, que vai poder utilizá-lo sob certas condições durante um certo período de tempo. Posso conceder um limite de crédito de, digamos, R$ 10mil a um cliente, válido pelo período de um ano para compra das mercadorias X e Y, desde que ele não tenha créditos em atraso por mais de 15 dias. Esse tipo de concessão é mais vantajoso quando se trata de transações rotineiras, de valor não muito elevado e sujeitas a condições padronizadas. Nesse caso o custo da análise de crédito é diluído por um número maior de transações, pois ela passa a valer por um certo período de tempo, desde que não haja variações substanciais na situação do comprador, do vendedor ou do produto. O behavior scoring é usado justamente para avaliar a evolução do risco do demandante de crédito. É um instrumento que auxilia o analista ou gerente de crédito a decidir o que fazer dependendo da avaliação de risco do cliente. 4

5 O GERENCIAMENTO DO CRÉDITO ATRAVÉS DO BEHAVIOR A análise da concessão de crédito é feita, em geral, em duas etapas. Na primeira etapa é feita uma análise inicial do cadastro dos clientes, com a finalidade de verificar se eles: têm os nomes negativados em algum serviço de proteção ao crédito; são menores de idade; têm renda inferior a um certo mínimo, etc. Após essa análise inicial, podemos usar certas informações cadastrais do cliente (sexo, renda, estado civil etc.) e construir um escore de crédito, que, a partir das informação de que dispomos, vai nos dar uma pontuação que permite classificar os clientes em bons pagadores (merecedores de crédito) e maus pagadores (não merecedores de crédito). Se a análise servir para a concessão de crédito por um determinado período de tempo, ou seja, para um determinado número de transações realizadas dentro desse período de tempo, temos que acompanhar a situação do nosso cliente para verificar se não ocorreram mudanças que estão colocando em risco a recuperação do crédito concedido. Uma maneira de monitorar essas alterações é justamente através do behavior scoring. Usaremos um procedimento semelhante àquele adotado para a construção do escore de crédito, mas nesse caso estaremos monitorando a situação do cliente para verificarmos se as suas condições de crédito precisam ser alteradas. 5

6 Uma questão muito importante que cabe responder antes de continuarmos é a seguinte: se o credit scoring procura avaliar se o cliente (ou potencial cliente) vai ser um bom ou mau pagador, por que não se usa ele mesmo para avaliar o risco do cliente ao invés de construirmos o behavior scoring? As razões mais importantes para termos o behavior scoring são as seguintes: existem variáveis que não se encontram disponíveis no momento em que se constrói o credit scoring e que podem ser úteis quando construímos o behavior scoring, como por exemplo, o saldo financiado, dias médios de atraso, entre outras; nem sempre temos condições de fazer toda a análise de crédito novamente (preenchimento de cadastro, solicitação de documentos etc.) porque é um processo que demanda tempo e tem um custo. Isso faz com que existam variáveis que não podem ser facilmente acompanhadas como estado civil, salário, etc. o universo que está sendo estudado é diferente, não são mais potenciais clientes demandando crédito, mas clientes atuais que estão usando um certo limite de crédito e com um histórico de relacionamento com a empresa. Na seção seguinte iremos mostrar de que maneira se pode construir o behavior scoring. 6

7 CONSTRUINDO O BEHAVIOR O primeiro passo a ser dado para construir o behavior scoring é definir claramente a população a ser estudada. É claro que estamos falando dos nosso atuais clientes, mas nem todos podem ser elegíveis para o estudo porque queremos trabalhar, por exemplo, com aqueles que adquirem um certo valor mensal de mercadorias, ou apenas determinadas mercadorias, etc. Clientes eventuais e encomendas especiais devem ser tratados como casos à parte. O segundo passo na construção do behavior scoring é a escolha das variáveis a serem utilizadas. Essas variáveis devem ser úteis para avaliar o perfil de risco do cliente (relevantes) e devem ser acessíveis (práticas). A consulta a alguém com experiência na área pode ser usada como ponto de partida na escolha dessas variáveis. Um analista de crédito, a partir da sua experiência prática, pode afirmar, por exemplo, que o risco do cliente está aumentando quando: aumenta o valor do saldo que o cliente está refinanciando ( rolando ); o tempo médio de atraso vem aumentando de forma constante; os valores de crédito utilizados, mesmo que honrados, têm crescido de forma muito expressiva, etc. Uma vez tendo sido definidas a população e as variáveis, devemos selecionar uma amostra desses clientes com um tamanho adequado para que possam ser analisados estatisticamente. 7

8 No nosso caso iremos selecionar uma certa quantidade de clientes atuais e a mesma quantidade de ex-clientes, ou seja, clientes que se mostraram maus pagadores, não importando que tais clientes sejam apenas um quinto do cadastro, por exemplo. O analista selecionará o tamanho dessa amostra de acordo com as características das variáveis selecionadas (médias, desvios-padrão etc.) e o grau de precisão desejado. Finalmente, podemos escolher os indivíduos que irão fazer parte da amostra e obter os dados que iremos utilizar para elaborar o behavior scoring. O passo seguinte é descobrir uma função discriminante que consiga separar adequadamente os dois grupos de indivíduos que temos, os clientes atuais e os ex-clientes (que se mostraram maus pagadores). 8

9 A FUNÇÃO DISCRIMINANTE Uma das possibilidades de se obter uma regra de classificação para determinar se um indivíduo vai continuar honrando seus compromissos ou não é através de um método estatístico conhecido como regressão linear. Esse é o método mais empregado na prática por sua simplicidade, apesar de existirem outros métodos mais sofisticados. A regressão linear vai tentar combinar variáveis independentes (aquelas que estamos tentando usar para explicar o comportamento do cliente, como sexo, percentual refinanciado, atraso médio etc.) e uma variável dependente, que é o fato do indivíduo honrar ou não seus compromissos. A idéia da regressão linear é construir um modelo tal que Y = f (x 1,x 2,..., x n ) = a+b 1.x 1 +b 2.x b n.x n, no qual x 1, x 2,..., x n são as variáveis que selecionamos anteriormente e que julgamos ser capazes de nos dizer se aquele cliente vai honrar os seus compromissos (Y=1) ou não (Y=0). Os coeficientes de cada uma das variáveis independentes (b 1, b 2,..., b n ), ou, no nosso caso, o peso atribuído a cada variável é determinado pela regressão linear. Maiores detalhes podem ser obtidos em um bom livro de Estatística. Existem diversos pacotes estatísticos que geram essas funções. O Excel, inclusive, dispõe da função PROJ.LIN que permite fazer regressões lineares simples e múltiplas. Vamos, a seguir, construir um exemplo bem simples para mostrar como se pode calcular o behavior scoring usando-se o Excel. 9

10 CALCULANDO A FUNÇÃO DISCRIMINANTE USANDO O EXCEL Antes de iniciar essa parte, sugerimos que o leitor procure acompanhar passo a passo a construção do behavior scoring abrindo a sua planilha eletrônica. Temos uma cópia da pasta utilizada nos cálculos em anexo a esse documento. Vamos imaginar, inicialmente, que tenhamos tomado uma amostra com 10 clientes bom pagadores e 10 maus pagadores e que tenhamos escolhido como variáveis independentes o percentual do saldo que o cliente está refinanciando e o atraso médio em dias dos pagamentos efetuados. Os valores dessas variáveis foram obtidos com dados dos últimos 12 meses do histórico desses clientes. Os dados desses 20 clientes estão representados na tabela a seguir. Lembramos que usaremos 1 para verdadeiro (ser bom pagador, ou seja, o cliente que honra os seus compromissos) e 0 para falso (ser mau pagador, ou seja, o cliente que não honra os seus compromissos): 10

11 Tabela 1 - Dados da amostra A B C 1 Refinanciamento (%) Atraso médio (dias) Bom Pagador? 2 9,20 1, ,75 2, ,50 0, ,65 3, ,00 4, ,20 1, ,50 2, ,50 2, ,50 1, ,50 2, ,20 4, ,80 2, ,00 4, ,80 4, ,10 5, ,00 3, ,10 4, ,50 3, ,50 6, ,50 5,75 0 Para rodarmos a regressão vamos digitar na célula A23 a seguinte função "=PROJ.LIN(C2:C21;A2:B21;1;1)". C2:C21 são os valores conhecidos de Y, ou seja, o fato dos clientes serem bons pagadores (Y=0) ou não (Y=1). A2:B21 são os valores conhecidos de X, ou seja, o percentual de refinanciamento e o atraso médio de cada um dos clientes. Os dois "uns" seguintes indicam, respectivamente, que a função deve considerar a existência de uma constante para calcular a regressão e que deve nos fornecer a estatística da regressão. 11

12 Digitamos a função em A23, pressionamos ENTER. Ao fazermos isso, irá aparecer o valor -0,1974 (se estivermos usando 4 casas decimais) na célula A23. Em seguida, marcamos com o mouse as células A23:C27, pressionamos F2 para editar a célula e pressionamos CONTROL+SHIFT+ENTER. Fazendo isso obteremos o resultado abaixo: Tabela 2 - Resultados da função PROJ.LIN A B C 23-0,1974-0,0668 1, ,0413 0,0191 0, ,7293 0,2821 #N/D 26 22, ,0000 #N/D 27 3,6467 1,3533 #N/D Devemos adotar esse procedimento porque a função PROJ.LIN opera com matrizes (consultar o manual do Excel ou a Ajuda no próprio Excel para maiores detalhes). Os números na linha 23 indicam os coeficientes das variáveis X, sendo que a célula C23 tem o valor da constante. Dessa maneira a equação de regressão linear estimada pelo Excel é a seguinte: Y=1,6958-0,1974X 1-0,0668X 2. Na célula A25 temos 0,7293 que é o R 2, uma medida do quanto uma equação de regressão múltipla pode explicar variações na variável independente. Quanto mais próximo de 1 for esse valor melhor vai ser o modelo. O R 2 calculado indica que o resultado obtido é bom, embora possa ser melhorado. O resultado obtido deve ser analisado para se verificar a sua coerência e outros testes estatísticos devem ser efetuados para se checar se o modelo está consistente. É possível que certos palpites nossos sobre a importância de certas variáveis não tenham fundamento ou, pelo menos, não sejam bem representados por uma função linear. 12

13 O analista de crédito deve estar preparado para fazer tais testes e verificar se a função estimada pode ser considerada consistente. Feito isso, usa-se descartar a constante e utilizar apenas os coeficientes das variáveis, uma vez que o acréscimo da mesma constante, tanto para o bom quanto para o mau pagador, não vai afetar o resultado. Outra alteração que normalmente é feita é multiplicar os coeficientes por um certo número de forma a tornar a equação mais fácil de ser manipulada. Isso também não modifica o resultado porque todos os coeficientes são multiplicados pelo mesmo fator. No nosso caso, vamos multiplicar os coeficientes por 100 para facilitar o manuseio da equação. Eliminando-se a constante e multiplicando-se os coeficientes das variáveis por - 100, a nossa função discriminante fica: Y=19,74 x REFINANCIAMENTO + 6,68 x ATRASO. Em seguida, basta calcular o behavior scoring. Para fazermos isso, basta digitarmos na célula D2 a seguinte fórmula: =19,74*A2+6,68*B2. O resultado do cálculo será 192 (=19,74 x 9,2 + 6,68 x 1,5 = 181, ,02 = 191,62). Em seguida, copiamos a célula D2 e colamos nas células D3 até D21, conforme ilustrado na tabela a seguir: 13

14 Tabela 3 - Cálculo do behavior scoring A B C D 1 Refinanciamento (%) Atraso médio (dias) Bom Pagador? Behavior Scoring 2 9,20 1, ,75 2, ,50 0, ,65 3, ,00 4, ,20 1, ,50 2, ,50 2, ,50 1, ,50 2, ,20 4, ,80 2, ,00 4, ,80 4, ,10 5, ,00 3, ,10 4, ,50 3, ,50 6, ,50 5,

15 APLICANDO A FUNÇÃO DISCRIMINANTE Da maneira como construímos o behavior scoring sabemos que quanto maior a pontuação que o cliente obtiver maior será o risco dele não honrar com seus compromissos. Basta olhar a fórmula para confirmar: Y=19,74 x REFINANCIAMENTO + 6,68 x ATRASO. Portanto, quanto maior o refinanciamento e o atraso maior será a pontuação e o risco do cliente. O nosso problema consiste em determinar, para diferentes níveis de pontuação Y, o que devemos fazer em termos de gerenciamento de crédito do cliente. Para determinarmos esses níveis de pontuação não existem regras práticas. Sabemos apenas que à medida que o escore aumenta, cresce a possibilidade daquele cliente não conseguir mais honrar os seus compromissos. Uma solução possível é tentar estabelecer esses parâmetros a partir das médias e dos desvios padrões do behavior scoring dos clientes bons e maus pagadores. Se efetuarmos tais cálculos iremos obter média de 142 e desvio padrão de 61 para os bons pagadores. Repetindo o mesmo cálculo para os maus pagadores, iremos obter 239 de média e 46 de desvio-padrão. Com base nesse critério sugerimos as seguintes medidas de risco: 15

16 Tabela 4 Classificação de risco usando-se o behavior scoring Behavior Scoring Menor que 80 De 80 a 140 De 140 a 200 De 200 a 240 De 240 a 280 Maior que 280 Classificação Risco muito baixo Risco baixo Risco moderado/ baixo Risco moderado/ alto Risco alto Risco muito alto Existem diversas outras possibilidades de se fazer a classificação de risco. Podemos, por exemplo, associar o limite de crédito com o behavior scoring, fazendo com que ele seja ampliado ou diminuído de acordo com essa pontuação. Se adotarmos a proposta de classificação de risco que foi feita, iremos gerar a seguinte classificação para a amostra selecionada: 16

17 Tabela 5 Classificação de risco usando-se o behavior scoring A B C D E 1 Refinanciamento Atraso médio Bom Behavior Classificação de (%) (dias) Pagador? Scoring risco 2 9,20 1, Moderado/ baixo 3 9,75 2, Moderado/ alto 4 5,50 0, Baixo 5 1,65 3, Muito baixo 6 2,00 4, Muito baixo 7 6,20 1, Baixo 8 8,50 2, Moderado/ baixo 9 4,50 2, Baixo 10 11,50 1, Moderado/ alto 11 6,50 2, Moderado/ baixo 12 9,20 4, Moderado/ alto 13 12,80 2, Alto 14 6,00 4, Moderado/ baixo 15 11,80 4, Alto 16 10,10 5, Moderado/ alto 17 9,00 3, Moderado/ alto 18 12,10 4, Alto 19 14,50 3, Muito alto 20 11,50 6, Alto 21 9,50 5, Moderado/ alto Para cada um dos níveis de risco estabelecidos, podem ser estabelecidas políticas específicas para gerenciar o crédito do cliente, no sentido de estimular a realização de novos negócios (se o perfil de risco do cliente é considerado bom) ou de evitar ou diminuir perdas de crédito (se o perfil de risco do cliente não for adequado). 17

18 Se o cliente apresentar um perfil de risco baixo devem ser adotadas medidas que permitam aproveitar melhor o potencial deles como, por exemplo, a concessão de: créditos maiores; prazos mais longos; juros mais baixos; e, outras condições vantajosas. Por outro lado, se o perfil de risco apresentado pelo cliente for elevado, é preciso tomar medidas que reduzam ou evitem os riscos de perda de crédito, como: corte de crédito; redução de prazos; elevação da taxa de juros; e, outras medidas restritivas. 18

19 IMPLEMENTANDO O BEHAVOIR Ao tentarmos implementar o behavior scoring surge um problema. Para construir tal escore pegamos o nosso cadastro de clientes atuais e o cadastro de clientes que estão em cobrança. Acontece que não sabemos ainda qual é o comportamento do nosso cadastro de atuais clientes, alguns deles, apesar de hoje serem bons pagadores, podem se tornar maus pagadores. Colocando o problema em outros termos, estamos tentando separar um grupo que sabemos que é composto apenas por maus pagadores de outro grupo que pode ter tanto bons como mau pagadores. O resultado obtido pela função discriminante pode não ser eficiente. A melhor atitude nesse caso é agir com prudência. Como o critério adotado permite distinguir melhor os maus clientes deve-se adotar uma postura conservadora, mesmo quando o escore for baixo (indicando um possível baixo risco) medidas liberais devem ser tomadas com cautela. Com relação à periodicidade, novas estimativas do behavior scoring devem ser feitas sempre que houver alguma mudança significativa na economia, no negócio da empresa ou nos seus clientes Na ausência de tais mudanças, o escore precisa ser reconstruído com uma freqüência compatível com a importância do crédito para o negócio e que permita captar pequenas mudanças que se somam ao longo de períodos maiores. De qualquer maneira esse período nunca deve ser superior a um ano e, em geral, não é menor que um mês. 19

20 CONCLUSÃO O papel do behavior scoring é funcionar como um mecanismo auxiliar para se estruturar as políticas de crédito e cobrança da empresa. Ele deve servir para balancear as ações de forma que se minimizem as perdas de crédito e se possa aproveitar melhor o potencial de cada cliente. A utilização ou não do behavior scoring vai depender da natureza do negócio. Como foi dito antes, a sua utilização é mais vantajosa quando são realizadas transações rotineiras, de valor não muito elevado e sujeitas a condições padronizadas. Se tais transações não forem relevantes para o negócio em termos de quantidade ou de volume financeiro, a utilização de uma análise de crédito a cada transação e a aplicação do credit scoring pode ser mais interessante. Para concluir, lembramos que o objetivo desse trabalho é dar noções gerais do que é e de como se pode usar o behavior scoring. Não foi nossa intenção aprofundar o assunto porque isso demandaria certos conhecimentos específicos. De qualquer forma, não é recomendável tentar aplicar tais técnicas sem estar assessorado por um profissional capacitado, sob pena de se obter resultados indesejáveis. 20

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II! Como implementar o escore de crédito?! Como avaliar o escore de crédito?! Como calcular a função discriminante usando o Excel?! Como aplicar a função

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I! A utilização de escores na avaliação de crédito! Como montar um plano de amostragem para o credit scoring?! Como escolher as variáveis no modelo de credit

Leia mais

Construção de Modelos de Previsão de Risco de Crédito Utilizando Técnicas de Estatística Multivariada

Construção de Modelos de Previsão de Risco de Crédito Utilizando Técnicas de Estatística Multivariada MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Construção de Modelos de Previsão de Risco de Crédito Utilizando Técnicas de Estatística Multivariada Equipe

Leia mais

Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I

Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I! Como fazer a análise de mercado?! Qual a diferença entre análise de mercado e análise da indústria?!

Leia mais

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I! Como o risco influi na análise de crédito?! O risco e o Cs do crédito! O modelo matricial de crédito! A importância da elaboração dos cenários

Leia mais

COMO USAR O EXCEL PARA PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA DIÁRIO

COMO USAR O EXCEL PARA PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA DIÁRIO COMO USAR O EXCEL PARA PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA DIÁRIO! Como projetar uma linha de tendência no Excel?! Como escolher a curva que melhor se ajusta a uma determinada origem de dados?! Como

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Aplicações de Behavior Scoring Roteiro - Introdução - Diferença entre Credit scoring e

Leia mais

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor 1. Em relação ao módulo para Atribuição de Limites, entendemos que Banco do Brasil busca uma solução para o processo de originação/concessão de crédito. Frente a essa necessidade, o Banco do Brasil busca

Leia mais

Projeto Supervisionado

Projeto Supervisionado Projeto Supervisionado Caio Almasan de Moura ra: 095620 Indice 1. Introdução 2. Principal Projeto: Modelo de Score 2.1. Objetivo... pg 3 2.2. Agentes Envolvidos... pg 3 2.3. Contextualização... pg 3 2.4.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS ESTATÍSTICOS AVANÇADOS DO EXCEL PREVISÃO

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS ESTATÍSTICOS AVANÇADOS DO EXCEL PREVISÃO UTILIZAÇÃO DE RECURSOS ESTATÍSTICOS AVANÇADOS DO EXCEL PREVISÃO! Fazendo regressão linear! Relacionando variáveis e criando uma equação para explicá-las! Como checar se as variáveis estão relacionadas!

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO - (Parte III)

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO - (Parte III) ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO - (Parte III)! Como calcular o retorno esperado de uma carteira?! O que é um peso em uma carteira?! Como calcular o risco de uma carteira? Autores: Francisco

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela Aula 01 - Formatações prontas e Sumário Formatar como Tabela Formatar como Tabela (cont.) Alterando as formatações aplicadas e adicionando novos itens Removendo a formatação de tabela aplicada Formatação

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 8. Introdução ao Excel

Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 8. Introdução ao Excel Introdução ao Excel Esta introdução visa apresentar apenas os elementos básicos do Microsoft Excel para que você possa refazer os exemplos dados em aula e fazer os projetos computacionais solicitados ao

Leia mais

Capítulo 7 Medidas de dispersão

Capítulo 7 Medidas de dispersão Capítulo 7 Medidas de dispersão Introdução Para a compreensão deste capítulo, é necessário que você tenha entendido os conceitos apresentados nos capítulos 4 (ponto médio, classes e frequência) e 6 (média).

Leia mais

Noções Básicas de Excel página 1 de 19

Noções Básicas de Excel página 1 de 19 Noções Básicas de Excel página 1 de 19 Conhecendo a tela do Excel. A BARRA DE FÓRMULAS exibe o conteúdo de cada célula (local) da planilha. Nela podemos inserir e alterar nomes, datas, fórmulas, funções.

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

2. ENTRADA DE DADOS 2.1. TEXTOS

2. ENTRADA DE DADOS 2.1. TEXTOS 2. ENTRADA DE DADOS Os dados digitados em uma célula são divididos em duas categorias principais: constantes ou fórmulas. Um valor constante é um dado digitado diretamente na célula e que não é alterado.

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Controle Financeiro. 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz. Emerson Machado Salvalagio. www.guiadomicroempreendedor.com.

Controle Financeiro. 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz. Emerson Machado Salvalagio. www.guiadomicroempreendedor.com. Controle Financeiro 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz Emerson Machado Salvalagio Quando abrimos uma empresa e montamos nosso próprio negócio ou quando nos formalizamos, após algum tempo

Leia mais

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA O que é risco? Quais são os tipos de riscos? Quais são os tipos de análises? Qual a principal função do Excel para gerar simulações aleatórias? O que é distribuição

Leia mais

REGRESSÃO LINEAR SIMPLES

REGRESSÃO LINEAR SIMPLES REGRESSÃO LINEAR SIMPLES O que é uma regressão linear simples. Fazendo a regressão "na mão". Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV. É Sócio-Diretor da

Leia mais

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos 4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos Neste capitulo iremos apresentar a metodologia escolhida para a elaboração do estudo de caso que incorpora a análise quantitativa dos riscos financeiros.

Leia mais

A metodologia ARIMA (Auto-regressivo-Integrado-Média-Móvel),

A metodologia ARIMA (Auto-regressivo-Integrado-Média-Móvel), nfelizmente, o uso de ferramentas tornais de previsão é muito pouco adotado por empresas no Brasil. A opinião geral é que no Brasil é impossível fazer previsão. O ambiente econômico é muito instável, a

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil UFCG Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil Arthur Silva Freire Caio César Meira Paes Carlos Artur Nascimento Vieira Matheus de Araújo Maciel Tiago Brasileiro Araújo Engenharia

Leia mais

DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS - PARTE lli

DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS - PARTE lli DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS - PARTE lli! Entendendo melhor a duração modificada! Como utilizar a duração modificada?! O que é imunização?! Qual o efeito da mudança do cupom

Leia mais

Plano de Vantagens Itaú Uniclass

Plano de Vantagens Itaú Uniclass Plano de Vantagens Itaú Uniclass Conheça o Plano de Vantagens Itaú Uniclass para correntistas. O Plano de Vantagens Itaú Uniclass oferece benefícios de acordo com o seu relacionamento com o banco e conforme

Leia mais

Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto

Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto A econometria é o laboratório dos economistas, que busca reproduzir o funcionamento do mundo de forma experimental, como se faz nas ciências naturais. Os modelos

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

1 Revisão: Construção de fórmulas

1 Revisão: Construção de fórmulas 1 Revisão: Construção de fórmulas Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução...3 Como efetuar uma operação...3 Construindo

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

EXCEL 2013 INTERMEDIÁRIO 2. EFETUANDO CÁLCULOS E PREENCHIMENTOS AUTOMÁTICOS 2.1 CRIANDO FÓRMULAS

EXCEL 2013 INTERMEDIÁRIO 2. EFETUANDO CÁLCULOS E PREENCHIMENTOS AUTOMÁTICOS 2.1 CRIANDO FÓRMULAS 2. EFETUANDO CÁLCULOS E PREENCHIMENTOS AUTOMÁTICOS 2.1 CRIANDO FÓRMULAS Como você sabe, o Microsoft Excel não é apenas um grande papel quadriculado. Uma de suas principais características é a enorme capacidade

Leia mais

NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE

NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE Resumo: NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE O artigo trata sobre a estratégia financeira de curto prazo (a necessidade de capital

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Mozart de Melo Alves Júnior

Mozart de Melo Alves Júnior 2000 Mozart de Melo Alves Júnior INTRODUÇÃO O Excel 7.0 é um aplicativo de planilha desenvolvido para ser usado dentro do ambiente Windows. As planilhas criadas a partir desta ferramenta poderão ser impressas,

Leia mais

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Excel 2000 Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Índice 1.0 Microsoft Excel 2000 3 1.1 Acessando o Excel 3 1.2 Como sair do Excel 3 1.3 Elementos da

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL TABELA

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL TABELA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL TABELA! Fazendo simulações rapidamente! Comparando resultados na análise de sensibilidade! Relacionando variáveis e gerando valores para uma tomada de decisão!

Leia mais

Caixa de Nome Barra de Fórmulas. Célula Ativa Cabeçalho Coluna Cabeçalho Linha

Caixa de Nome Barra de Fórmulas. Célula Ativa Cabeçalho Coluna Cabeçalho Linha O software Microsoft Excel97 é uma planilha de cálculos bastante aprimorada no que diz respeito a elaborar documentos fáceis de entendimento e formatação altamente sofisticada. Inicialmente vamos aprender

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira e Estatística para APOFP/SEFAZ-SP/FCC/2010 realizada no último final de semana. A prova foi enviada por um aluno e o tipo é 005. Os

Leia mais

Neste método o cálculo é efetuado de maneira exponencial, ou seja, juros são computados sobre os juros anteriormente calculados.

Neste método o cálculo é efetuado de maneira exponencial, ou seja, juros são computados sobre os juros anteriormente calculados. Microsoft Excel Aula 4 Objetivos Trabalhar no Excel com cálculos de juros simples e compostos Trabalhar com as funções financeiras VF e PGTO do Excel Trabalhar com a ferramenta Atingir Meta Apresentar

Leia mais

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010 Tutorial do Iniciante Excel Básico 2010 O QUE HÁ DE NOVO O Microsoft Excel 2010 é um programa de edição de planilhas eletrônicas muito usado no mercado de trabalho para realizar diversas funções como;

Leia mais

EXCEL 2013. Público Alvo: Arquitetos Engenheiros Civis Técnicos em Edificações Projetistas Estudantes das áreas de Arquitetura, Decoração e Engenharia

EXCEL 2013. Público Alvo: Arquitetos Engenheiros Civis Técnicos em Edificações Projetistas Estudantes das áreas de Arquitetura, Decoração e Engenharia EXCEL 2013 Este curso traz a vocês o que há de melhor na versão 2013 do Excel, apresentando seu ambiente de trabalho, formas de formatação de planilhas, utilização de fórmulas e funções e a criação e formatação

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte II

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte II Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte II! Como ponderar os cenários?! Como criar um rating de crédito?! O preenchimento da matriz de crédito?! A importância da análise setorial

Leia mais

OGRINES. Também iremos dar algo completamente novo: acesso premium quando você quiser, onde você quiser!

OGRINES. Também iremos dar algo completamente novo: acesso premium quando você quiser, onde você quiser! OGRINES Pontos-por-serviços ANKAMA Sistema de troca O novo sistema de Ogrines irá revolucionar suas trocas, serviços e Kamas, e é um novo caminho que irá facilitar sua vida como deixando você administrar

Leia mais

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO! Sistemas de amortização de empréstimos! Sistema Price! SAC! Fórmulas do Excel! Planilha fornecida Autores: Francisco Cavalcante(cavalcante@netpoint.com.br) Administrador

Leia mais

A Estação da Evolução

A Estação da Evolução Microsoft Excel 2010, o que é isto? Micorsoft Excel é um programa do tipo planilha eletrônica. As planilhas eletrônicas são utilizadas pelas empresas pra a construção e controle onde a função principal

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

1. Uma situação na qual um comprador e um vendedor possuem informações diferentes sobre uma transação é chamada de...

1. Uma situação na qual um comprador e um vendedor possuem informações diferentes sobre uma transação é chamada de... 1. Uma situação na qual um comprador e um vendedor possuem informações diferentes sobre uma transação é chamada de... Resposta: Informações assimétricas caracterizam uma situação na qual um comprador e

Leia mais

TUTORIAL COM OS PROCEDIMENTOS DE

TUTORIAL COM OS PROCEDIMENTOS DE TUTORIAL COM OS PROCEDIMENTOS DE GERAÇÃO DE BOLETOS BRADESCO NO FINANCE 2 Índice Como gerar Boleto Bancário pelo Bradesco... 3 Como gerar os arquivos de Remessa para o Banco pelo Finance... 14 Como enviar

Leia mais

Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt*

Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt* Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt* Quando falamos de captação de recursos para uma organização, podemos estar falando em captação de dinheiro, de materiais, de produtos,

Leia mais

Prática e Gerenciamento de Projetos

Prática e Gerenciamento de Projetos Universidade de São Paulo Escola de Artes, Ciências e Humanidades Prática e Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos do Projeto Equipe: Jhonas P. dos Reis Marcelo Marciano Mário Januário Filho

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos

Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos 2010 Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos Nota Técnica 02 Diretoria de Investimentos Previ-Rio 09/2010 NOTA TÉCNICA 02 1 - Introdução Esta nota técnica, desenvolvida pela Equipe da, tem por

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

SUMÁRIO 1. INFORMAÇÕES IMPORTANTES... 2

SUMÁRIO 1. INFORMAÇÕES IMPORTANTES... 2 SUMÁRIO 1. INFORMAÇÕES IMPORTANTES... 2 1.1. Conceitos... 2 1.2. Como funciona... 2 1.3. Convênios disponíveis para Portabilidade... 2 1.4. Documentação Para Liberação da Proposta... 2 2. PROCEDIMENTOS

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Informática Básica Módulo: Planilha Eletrônica Excel. Exercícios

Informática Básica Módulo: Planilha Eletrônica Excel. Exercícios Informática Básica Módulo: Planilha Eletrônica Excel Exercícios Sumário INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA... 1 MÓDULO: PLANILHA ELETRÔNICA EXCEL... 1 1 EXERCÍCIO 01 - BAZAR... 4 2 EXERCÍCIO 02 CONTROLE DE ESTOQUE...

Leia mais

Planilha Eletrônica Excel

Planilha Eletrônica Excel COLÉGIO LA SALLE CANOAS Técnico em Informática Planilha Eletrônica Excel Excel Prof. Valter N. Silva Colégio La Salle Canoas Página 2 1. NOÇÕES BÁSICAS O Microsoft Excel 7.0 é um programa de planilha eletrônica,

Leia mais

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida GEBD aula 2 COMPRAS Profª. Esp. Karen de Almeida Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa; b) Aquisição; c) Administração; d) Diversos. Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa: Estudo

Leia mais

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé?

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé? 1 INTRODUÇÃO As empresas, inevitavelmente, podem passar por períodos repletos de riscos e oportunidades. Com a complexidade da economia, expansão e competitividade dos negócios, tem-se uma maior necessidade

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

O Excel é um programa de computador desenvolvido para gerenciar dados na forma de planilhas.

O Excel é um programa de computador desenvolvido para gerenciar dados na forma de planilhas. O que é o Excel? O Excel é um programa de computador desenvolvido para gerenciar dados na forma de planilhas. Ele possibilita ao usuário desenvolver planilhas que efetuem cálculos, dos mais simples aos

Leia mais

Sistema Simulador de Negócios

Sistema Simulador de Negócios Sistema Simulador de Negócios Manual do Usuário Versão 1.4.1 INFORMAÇÕES Setor: Tipo de Documento: CTT Centro de Treinamento Tecnocred Manual de Sistema Última Revisão: 21/09/2012 Versão do Template: 1.0

Leia mais

CRÉDITO IMOBILIÁRIO HSBC Novembro 2010. 2010 Brasil Brokers Todos os Direitos Reservados

CRÉDITO IMOBILIÁRIO HSBC Novembro 2010. 2010 Brasil Brokers Todos os Direitos Reservados CRÉDITO IMOBILIÁRIO HSBC Novembro 2010 2010 Brasil Brokers Todos os Direitos Reservados Crédito Imobiliário O Crédito Imobiliário é uma modalidade de financiamento que viabiliza a compra de um imóvel usado

Leia mais

Prof. Dr. Iron Macêdo Dantas

Prof. Dr. Iron Macêdo Dantas Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN MESTRADO EM CIÊNCIAS NATURAIS Prof. Dr. Iron Macêdo Dantas

Leia mais

Questão - 01. Essência do Excel 2003...

Questão - 01. Essência do Excel 2003... Valdir Questão - 01 Como deve proceder o usuário do Microsoft para que sejam atualizados os cálculos das funções ou fórmulas utilizadas nas planilhas? a) Pressionar a tecla F9 no teclado b) Pressionar

Leia mais

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 10

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 10 ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 10 Índice 1. Gerenciamento da qualidade do projeto...3 2. Gerenciamento de recursos humanos do projeto...3 3. Gerenciamento das comunicações do projeto...4 2 1.

Leia mais

Matemática Financeira Módulo 2

Matemática Financeira Módulo 2 Fundamentos da Matemática O objetivo deste módulo consiste em apresentar breve revisão das regras e conceitos principais de matemática. Embora planilhas e calculadoras financeiras tenham facilitado grandemente

Leia mais

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL Importância PDCA Diretriz para a organização; Aproveitamento de novos espaços e layout; Redução e controle de riscos; Gerenciamento dos recursos com maior eficiência,

Leia mais

PREVISÃO DE DEMANDA - O QUE PREVISÃO DE DEMANDA - TIPOS E TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA - MÉTODOS DE PREVISÃO - EXERCÍCIOS

PREVISÃO DE DEMANDA - O QUE PREVISÃO DE DEMANDA - TIPOS E TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA - MÉTODOS DE PREVISÃO - EXERCÍCIOS CONTEÚDO DO CURSO DE PREVISÃO DE DEMANDA PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - O QUE PREVISÃO DE DEMANDA - TIPOS E TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA - MÉTODOS DE PREVISÃO - EXERCÍCIOS - HORIZONTE

Leia mais

APOSTILA DE EXCEL 2007

APOSTILA DE EXCEL 2007 APOSTILA DE EXCEL 2007 1. Introdução Quando você cria uma planilha nova, a tela do computador é dividida em linhas e colunas, formando uma grade. A interseção de uma linha e de uma coluna é chamada de

Leia mais

Plano de Vantagens Itaú

Plano de Vantagens Itaú Plano de Vantagens Itaú Conheça o Plano de Vantagens Itaú para correntistas. O Plano de Vantagens Itaú oferece benefícios de acordo com o seu relacionamento com o banco e conforme sua utilização de serviços.

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

MÓDULO - III Manual Prático Microsoft Excel 2007

MÓDULO - III Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - III Manual Prático Microsoft Excel 2007 1 MÓDULO - III CÁLCULOS... 3 Fazer contas... 3 Fórmulas com operadores básicos... 3 Fórmulas com funções... 4 Funções mais usadas... 8 Soma... 8 Media...

Leia mais

COMO CALCULAR E PROJETAR A DEPRECIAÇÃO PELO MÉTODO DA LINHA RETA COM O AUXÍLIO DO EXCEL

COMO CALCULAR E PROJETAR A DEPRECIAÇÃO PELO MÉTODO DA LINHA RETA COM O AUXÍLIO DO EXCEL COMO CALCULAR E PROJETAR A DEPRECIAÇÃO PELO! O que é Depreciação?! Quais os problemas da Depreciação?! O problema da Vida Útil?! Como calcular o valor da depreciação pelo Método da Linha Reta no Excel?

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A Matemática Financeira como elemento de contextualização crítica no Ensino Fundamental - Prof. Ilydio Sá 1 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 1º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital Página 1 de 15 Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital O cadastro de produtos permite organizar as informações relativas a produtos e serviços, como grupo, marca, peso, unidades e outros, que

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA

PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA CAVALCANTE & PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA! O conceito de econômico e financeiro! Como concluir com base em indicadores! Construção de índices

Leia mais

Presenteie parentes ou amigos em qualquer lugar do Brasil.

Presenteie parentes ou amigos em qualquer lugar do Brasil. Compras de Final de Ano Veja as vantagens e como é prático comprar pela internet: Você não sai de casa para comprar; Recebe o produto no conforto do seu lar; Filas? Esqueça; Não precisa bater perna atrás

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

Gestão de crédito: como estamos cuidando da nossa saúde financeira? 1

Gestão de crédito: como estamos cuidando da nossa saúde financeira? 1 Gestão de crédito: como estamos cuidando da nossa saúde financeira? 1 *Matheus Alberto Consoli *Luciano Thomé Castro *Lucas Sciencia do Prado *Marcelo Henrique Consoli A gestão de crédito nas empresas

Leia mais

DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS PARTE l

DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS PARTE l DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS PARTE l! Breve revisão do conceito de risco! O risco de mudança na taxa de juros! O que ocorre com o preço de um ativo de renda fixa quando muda

Leia mais

MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007

MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007 LEIAME Nenhuma informação da APOSTILA - MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007 poderá ser copiada, movida ou modificada sem autorização prévia e escrita do autor. MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007 Efetue cálculos, analise

Leia mais

COMO DESTACAR RESULTADOS COM A FERRAMENTA FORTAMAÇÃO CONDICIONAL DO EXCEL

COMO DESTACAR RESULTADOS COM A FERRAMENTA FORTAMAÇÃO CONDICIONAL DO EXCEL COMO DESTACAR RESULTADOS COM A FERRAMENTA FORTAMAÇÃO CONDICIONAL DO! Como utilizar a Formatação Condicional para agilizar análise de dados?! Como destacar dados e valores negativos?! Como agilizar a interpretação

Leia mais

FLEXPAG - Política de Privacidade

FLEXPAG - Política de Privacidade FLEXPAG - Política de Privacidade A infocusweb/flexpag tem um compromisso com o respeito à sua privacidade. Política de Privacidade Nós reconhecemos que ao optar por nos informar alguns de seus dados pessoais,

Leia mais

Alterações/Desenvolvimento - Sistema OnixNet / TrucksNet

Alterações/Desenvolvimento - Sistema OnixNet / TrucksNet Alterações/Desenvolvimento - Sistema OnixNet / TrucksNet Comercial Cadastros o (202) Cadastro de Vendedores Flag Enviar Previsão: Flag Enviar Previsão: Foi inserido um novo flag no cadastro de vendedores.

Leia mais