MODALIDADE: Suspensão Integrado / Suspensão Fornecimento Mercado Interno / Suspensão Embarcação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODALIDADE: Suspensão Integrado / Suspensão Fornecimento Mercado Interno / Suspensão Embarcação"

Transcrição

1 MODALIDADE: Suspensão Integrado / Suspensão Fornecimento Mercado Interno / Suspensão Embarcação Características principais Suspensão de Impostos nas importações e aquisições no mercado interno. Planejamento com fornecedor na aquisição no mercado interno diferenciando compras para Drawback. Obrigatoriedade de exportação/venda equiparada exportação do produto acabado. Comprovação Posterior ao compromisso assumido. Obrigatoriedade de uso de LI. Aprovação automática de LI. SUB-MODALIDADES Exportador Comum Utiliza sub-modalidade Comum, onde é obrigatório especificar na abertura do Ato Concessório cada material que será adquirido (Importado/Mercado Interno) e exportado com as devidas quantidades e valores. Beneficiário faz a exportação diretamente ou repassa para unidade exportadora/trading. Voltado para empresas que têm certeza do volume de exportações previamente e que produzam produtos com menor variação de configuração. Ato Concessório criado através de modulo especifico na WEB. Uso de sistema gerenciador de Drawback para correto controle. Voltado para empresas que têm certeza do volume de exportação previamente. Pode ser utilizado para importação de matéria prima utilizados no cultivo dos produtos agrícolas ou criação de animais. Características principais: Impostos...: Suspensos AFRMM...: Suspenso INFRAERO...: Redução Aquisição no Mercado Interno...: Permite Venda no Mercado Interno...: Não Permite Detalhar no Ato Materias a serem Comprados...: Necessário Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Comprados..: Necessário Detalhar no Ato Materias a serem Exportados...: Necessário Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Exportados..: Necessário

2 Exportador Genérico Utiliza sub-modalidade Genérica, onde é obrigatório especificar na abertura do Ato Concessório apenas os materiais a serem exportados com as devidas quantidades e valores. Já para os materiais adquiridos somente o valor total por tipo de aquisição (Importado/Mercado Interno). Beneficiário faz a exportação diretamente ou repassa para unidade exportadora/trading. Voltado para empresas que têm certeza do volume de exportações previamente e que produzam produtos com maior variação de configuração. Intermediário Comum Utiliza sub-modalidade Comum, onde é obrigatório especificar na abertura do Ato Concessório cada material que será adquirido (Importado/Mercado Interno) e exportado com as devidas quantidades e valores e quais os parceiros exportadores. Beneficiário vende internamente no Brasil seu produto acabado para outra empresa que efetivará a Exportação (podendo ser também um beneficiário Drawback), sendo este o responsável pela exportação do produto e posterior comprovação para o beneficiário. Voltado para empresas que forneçam produtos intermediário a outras empresas que tenham certeza do volume de exportação e que a produção desses produtos tenha menor variação de configuração. Intermediário Genérico Características principais: Impostos...: Suspensos AFRMM...: Suspenso INFRAERO...: Redução Aquisição no Mercado Interno...: Permite Venda no Mercado Interno...: Não Permite Detalhar no Ato Materias a serem Comprados...: Não Necessário Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Comprados..: Não Neces. Detalhar no Ato Materias a serem Exportados...: Necessário Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Exportados..: Necessário Características principais: Impostos...: Suspensos ICMS...: Pago AFRMM...: Suspenso INFRAERO...: Redução Aquisição no Mercado Interno...: Permite Venda no Mercado Interno...: Permite Detalhar no Ato Materias a serem Comprados...: Necessário Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Comprados..: Necessário Detalhar no Ato Materias a serem Exportados...: Necessário Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Exportados..: Necessário

3 Utiliza sub-modalidade Genérica, onde é obrigatório especificar na abertura do Ato Concessório apenas os materiais a serem exportados com as devidas quantidades e valores. Já para os materiais adquiridos somente o valor total por tipo de aquisição (Importado/Mercado Interno) e quais os parceiros exportadores. Beneficiário vende internamente no Brasil seu produto acabado para outra empresa que efetivará a Exportação (podendo ser também um beneficiário Drawback), sendo este o responsável pela exportação do produto e posterior comprovação para o beneficiário. Voltado para empresas que forneçam produtos intermediário a outras empresas que tenham certeza do volume de exportações previamente e que a produção desses produtos tenha maior variação de configuração. Fornecimento Mercado Interno Utiliza sub-modalidade Comum, onde é obrigatório especificar na abertura do Ato Concessório cada material que será importado e exportado com as devidas quantidades e valores. Beneficiário vende internamente no Brasil seu produto acabado em decorrência de licitação internacional, contra pagamento em moeda conversível proveniente de financiamento. Voltado para empresas que participem de licitações internacionais para fornecimento de produtos a empresas estatais. Ao entrar no processo de licitação, a empresa já deverá considerar o regime de Drawback na formação de preço. Embarcação Comum Características principais: Impostos...: Suspensos ICMS...: Pago AFRMM...: Suspenso INFRAERO...: Redução Aquisição no Mercado Interno...: Permite Venda no Mercado Interno...: Permite Detalhar no Ato Materias a serem Comprados...: Não Necess. Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Comprados..: Não Necess. Detalhar no Ato Materias a serem Exportados...: Necessário Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Exportados..: Necessário Características principais: Impostos...: Suspensos AFRMM...: Suspenso INFRAERO...: Redução Aquisição no Mercado Interno...: Não Permite Venda no Mercado Interno...: Permite Detalhar no Ato Materias a serem Comprados...: Necessário Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Comprados..: Necessário Detalhar no Ato Materias a serem Exportados...: Necessário Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Exportados..: Necessário

4 Utiliza sub-modalidade Comum, onde é obrigatório especificar na abertura do Ato Concessório cada material que será importado e a serem vendidos no mercado interno (equiparada a xportação) com as devidas quantidades e valores. Beneficiário faz a produção e o processo de industrialização de embarcação e realiza a venda no mercado interno. Voltado para empresas que produzam embarcações para o mercado nacional e que tenham visão mais precisa dos componentes que utilizarão na produção de suas embarcações. Embarcação Genérico Utiliza sub-modalidade Genérica, onde é obrigatório especificar na abertura do Ato Concessório apenas os materiais a serem vendidos no mercado interno (equiparada a xportação) com as devidas quantidades e valores e para importação somente o valor total a ser importado. Beneficiário faz a produção e o processo de industrialização de embarcação e realiza a venda no mercado interno. Voltado para empresas que produzam embarcações para o mercado nacional e que não tenham visão precisa dos componentes que utilizarão na produção de suas embarcações. Características principais: Impostos...: Suspensos AFRMM...: Suspenso INFRAERO...: Redução Aquisição no Mercado Interno...: Não Permite Venda no Mercado Interno...: Permite Detalhar no Ato Materias a serem Comprados...: Necessário Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Comprados..: Necessário Detalhar no Ato Materias a serem Exportados...: Necessário Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Exportados..: Necessário Características principais: Impostos...: Suspensos AFRMM...: Suspenso INFRAERO...: Redução Aquisição no Mercado Interno...: Não Permite Venda no Mercado Interno...: Permite Detalhar no Ato Materias a serem Comprados...: Não Necessário Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Comprados..: Não Necessário Detalhar no Ato Materias a serem Exportados...: Necessário Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Exportados..: Necessário MODALIDADE: Isensão Características principais

5 Isenção de Impostos nas importações para reposição de estoques que compõe produtos exportados. Não obrigatoriedade de novas exportações do produto acabado. Comprovação anterior ao compromisso assumido. Aprovação manual de LI (através do Banco do Brasil). Ato Concessório enviado para analise no Banco do Brasil. Uso de sistema gerenciador de Drawback para correto controle. Voltado para empresas que não têm certeza do volume de exportação previamente. SUB-MODALIDADES Exportador Obrigatório especificar na abertura do Ato Concessório cada material que será importado com as devidas quantidades e valores. Beneficiário faz a exportação diretamente. Voltado para empresas que não têm certeza do volume de exportação previamente e que façam exportação direta do material produzido. Intermediário Características principais: Impostos...: Isento ICMS...: Pago AFRMM...: Isento INFRAERO...: Redução Aquisição no Mercado Interno...: Permite Venda no Mercado Interno...: Não Permite Detalhar no Ato Materias a serem Comprados...: Necessário Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Comprados..: Necessário Detalhar no Ato Materias a serem Exportados...: Necessário Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Exportados..: Necessário

6 É obrigatório especificar na abertura do Ato Concessório cada material que será importado com as devidas quantidades e valores. Beneficiário vende internamente no Brasil seu produto acabado para outra empresa que efetivará a Exportação (podendo ser também um beneficiário Drawback), sendo este o responsável pela exportação do produto e posterior comprovação para o beneficiário. Voltado para empresas que façam venda intermediária de produtos a serem utilizados na produção de bens por empresas que façam exportação direta e não tenham certeza do seu volume de exportação previamente. Embarcação É obrigatório especificar na abertura do Ato Concessório cada material que será importado com as devidas quantidades e valores. Beneficiário faz a produção e o processo de industrialização de embarcação e realiza a venda no mercado interno. Voltado para empresas que produzam embarcações para o mercado nacional e que não têm prévia certeza do fornecimento interno usufruindo do benefício de Drawback. Sendo assim, após a produção e venda interna se estiver dentro das regras do benefício a empresa pode solicitar a isenção de impostos suas próximas aquisições de matérias primas. Características principais: Impostos...: Isento ICMS...: Pago AFRMM...: Isento INFRAERO...: Redução Aquisição no Mercado Interno...: Não Permite Venda no Mercado Interno...: Permite Detalhar no Ato Materias a serem Comprados...: Necessário Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Comprados..: Necessário Detalhar no Ato Materias a serem Exportados...: Necessário Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Exportados..: Necessário Características principais: Impostos...: Isento ICMS...: Pago AFRMM...: Isento INFRAERO...: Redução Aquisição no Mercado Interno...: Não Permite Venda no Mercado Interno...: Permite Detalhar no Ato Materias a serem Comprados...: Necessário Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Comprados..: Necessário Detalhar no Ato Materias a serem Exportados...: Necessário Detalhar no Ato Qtde dos Materiais a serem Exportados..: Necessário

REGIME ADUANEIRO ESPECIAL DE DRAWBACK

REGIME ADUANEIRO ESPECIAL DE DRAWBACK Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior - SECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Coordenação-Geral de Exportação e Drawback

Leia mais

Secretaria de Comércio Exterior - SECEX. Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX DRAWBACK INTEGRADO

Secretaria de Comércio Exterior - SECEX. Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX DRAWBACK INTEGRADO DRAWBACK INTEGRADO Secretaria de Comércio Exterior - SECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX DRAWBACK INTEGRADO Entendendo os procedimentos do Drawback, um estímulo a mais para exportar.

Leia mais

DRAWBACK INTEGRADO DRAWBACK INTEGRADO

DRAWBACK INTEGRADO DRAWBACK INTEGRADO DRAWBACK INTEGRADO Secretaria de Comércio Exterior - SECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX DRAWBACK INTEGRADO Normas, Procedimentos e DúvidasD DRAWBACK INTEGRADO MODALIDADES DE DRAWBACK

Leia mais

DRAWBACK. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010.

DRAWBACK. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. DRAWBACK CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidente Dilma Vana Rousseff Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Fernando Damata Pimentel Secretário Executivo Alessandro Golombiewski Teixeira Secretária

Leia mais

REGIME DE DRAWBACK. Atualmente existem três modalidades de Drawback: Restituição, Isenção e Suspensão.

REGIME DE DRAWBACK. Atualmente existem três modalidades de Drawback: Restituição, Isenção e Suspensão. REGIME DE DRAWBACK Criado no Brasil em 1966, o Regime Aduaneiro Especial de Drawback é hoje uma das maiores ferramentas de competitividade para as exportações. Trata-se de um autêntico benefício para as

Leia mais

Carlos Biavaschi Degrazia. São Paulo, SP, 14 de julho de 2015

Carlos Biavaschi Degrazia. São Paulo, SP, 14 de julho de 2015 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior - SECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Coordenação-Geral de Exportação e Drawback

Leia mais

SISCOMEX DRAWBACK ISENÇÃO WEB

SISCOMEX DRAWBACK ISENÇÃO WEB MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR DEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR SISCOMEX DRAWBACK ISENÇÃO WEB RAFAEL ARRUDA DE CASTRO Coordenador-Geral

Leia mais

Faculdade Morumbi Sul Alexandra Lisboa Samanta Rocha Neriane Bianchi Édipo Chaves Leandro Silva Rafael Carvalho Francis Bitaraes

Faculdade Morumbi Sul Alexandra Lisboa Samanta Rocha Neriane Bianchi Édipo Chaves Leandro Silva Rafael Carvalho Francis Bitaraes Faculdade Morumbi Sul Alexandra Lisboa Samanta Rocha Neriane Bianchi Édipo Chaves Leandro Silva Rafael Carvalho Francis Bitaraes DRAWBACK O que é? Objetivos. NORMAS Disciplina as aquisições de matérias-primas,

Leia mais

Programa Portal Único de Comércio Exterior

Programa Portal Único de Comércio Exterior Programa Portal Único de Comércio Exterior Drawback Isenção Web Regime que isenta de tributos a reposição do estoque insumos que foram utilizados na produção de bens exportados; Sistema reduzirá tempos

Leia mais

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE Profa. Lérida Malagueta Unidade IV SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Importação Importar consiste em uma operação de compra de produtos no mercado exterior e sua respectiva entrada em um país Necessidade

Leia mais

Regime Especial de Drawback O fomento das exportações por meio das operações de Drawback

Regime Especial de Drawback O fomento das exportações por meio das operações de Drawback Regime Especial de Drawback O fomento das exportações por meio das operações de Drawback PRIMEIRA PARTE O REGIME ESPECIAL DE DRAWBACK AS VANTAGENS E A IMPORTÂNCIA DO DRAWBACK PARA O COMÉRCIO EXTERIOR DRAWBACK

Leia mais

Pós Graduação. Engenharia de Suprimentos III. Projeto de Conclusão de Curso. Ano: 2011. Drawback Suspensão Intermediário e seus Benefícios

Pós Graduação. Engenharia de Suprimentos III. Projeto de Conclusão de Curso. Ano: 2011. Drawback Suspensão Intermediário e seus Benefícios Pós Graduação Engenharia de Suprimentos III Projeto de Conclusão de Curso Ano: 2011. Drawback Suspensão Intermediário e seus Benefícios Aluna: Tânia Pickler Drawback Suspensão Intermediário e seus Benefícios

Leia mais

9/5/2013 O QUE É DRAWBACK?

9/5/2013 O QUE É DRAWBACK? O QUE É DRAWBACK? É UM REGIME ESPECIAL QUE TEM POR OBJETIVO DESONERAR IMPORTAÇÕES E/OU AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS NO MERCADO INTERNO, EQUIVALENTE À EMPREGADA, VINCULADAS A UM COMPROMISSO DE EXPORTAÇÃO. ABRANGE

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

Regime Aduaneiro Especial de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado

Regime Aduaneiro Especial de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado Definição do Regime Regime Aduaneiro Especial de Entreposto t Industrial sob Controle Informatizado Esse regime permite à empresa importar com suspensão dos impostos federais e adquirir no mercado nacional,

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

ECOMEX Suite. Plataforma Integrada para Gestão de Comércio Exterior

ECOMEX Suite. Plataforma Integrada para Gestão de Comércio Exterior ECOMEX Suite Plataforma Integrada para Gestão de Comércio Exterior Plataforma Plataforma Integrada Integrada para para Gestão Gestão para de Gestão de Comércio de Comércio Exterior. Exterior. Exterior.

Leia mais

MARIA MADALENA DO CARMO

MARIA MADALENA DO CARMO MARIA MADALENA DO CARMO Brasileira, divorciada, 04-Agosto-74 Avenida Alfredo Zunkeller, nº 141 Apto. 12 Mandaqui - São Paulo - SP Cel: (11) 7312-5445 Res: (11) 3569-1071 mada.carmo@hotmail.com ; mada.carmo74@gmail.com

Leia mais

ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 46/2015

ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 46/2015 ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 46/2015 IPI O FRETE NA BASE DE CÁLCULO DO IPI... Pág. 422 ICMS RJ DRAWBACK... Pág. 423 IPI O FRETE NA BASE DE CÁLCULO DO IPI Sumário 1.

Leia mais

REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS Parte II

REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS Parte II São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Belo Horizonte Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS Parte II Luis Guilherme B. Gonçalves 05 de Agosto de

Leia mais

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES Ser Júnior é ser gigante pela própria natureza. Brasil Júnior Mensagem do presidente Capacitar membros, promover o Movimento Empresa Júnior e causar impacto da sociedade,

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO. Declaração de Informações Econômico Fiscais DIEF Comércio Exterior

MANUAL DE ORIENTAÇÃO. Declaração de Informações Econômico Fiscais DIEF Comércio Exterior Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação Executiva de Controle de Mercadorias em Trânsito Portos e Aeroportos MANUAL DE ORIENTAÇÃO Declaração de Informações Econômico Fiscais DIEF Comércio Exterior

Leia mais

DRAWBACK IMPORTAÇÃO APRESENTAÇÃO BRACELPA

DRAWBACK IMPORTAÇÃO APRESENTAÇÃO BRACELPA DRAWBACK IMPORTAÇÃO APRESENTAÇÃO BRACELPA 21 DE OUTUBRO DE 2009 Por Evandro Ap. Moreira DRAWBACK IMPORTAÇÃO O QUE É? O regime aduaneiro especial de drawback, instituído em 1966 pelo Decreto Lei nº 37,

Leia mais

MANUTENÇÃO RÁPIDA DOS CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO

MANUTENÇÃO RÁPIDA DOS CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO MANUTENÇÃO RÁPIDA DOS CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO Para uma empresa se destacar em relação à outra, um fator é muito importante, o conhecimento do seu negócio. Conhecer o negócio, não basta apenas saber

Leia mais

Sim. O fato de operações caracterizadas como industrialização, pela legislação do IPI, se

Sim. O fato de operações caracterizadas como industrialização, pela legislação do IPI, se 001 Estão sujeitos ao IPI os produtos resultantes de operações caracterizadas como industrialização, quando essas são também consideradas serviços sujeitos ao ISS, relacionados na lista anexa à Lei Complementar

Leia mais

3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas

3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas 3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

COMUNICADO DE ATUALIZAÇÃO DO SISTEMA INFINITRI NF-E

COMUNICADO DE ATUALIZAÇÃO DO SISTEMA INFINITRI NF-E COMUNICADO DE ATUALIZAÇÃO DO SISTEMA INFINITRI NF-E Conteúdo Objetivo... 3 O que há de novo no Infinitri NF-e... 3 1. Identificação de Operação Interna, Interestadual ou com Exterior... 3 2. Finalidade

Leia mais

RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF

RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF Breve conceito de Regime Aduaneiro Regime especial de Admissão Temporária Casos Práticos Regime Aduaneiro deve ser entendido como o tratamento aplicável às mercadorias submetidas

Leia mais

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E-

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E- 2014 ÍNDICE 1. Cadastros básicos 2. Módulos básicos (Incluso em todas as versões) CMC BASE 3. Agenda 4. Arquivos 5. Empresas ou Cadastros de empresas 6. Pessoas ou cadastro de pessoas 7. Módulos que compõem

Leia mais

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO PROCEDIMENTOS DE IMPORTAÇÃO 1º Passo - Habilitação Legal A inscrição no Registro de Exportadores e Importadores (REI) da Secretaria de Comércio Exterior constitui condição preliminar

Leia mais

Manual Conectus NF-e 3.10

Manual Conectus NF-e 3.10 Manual Conectus NF-e 3.10 Modificações e Implementações no Conectus ERP para a versão 3.10 da Nota Fiscal Eletrônica NF-e Obrigatoriedade para uso da NF-e 3.10: Fica obrigatório o uso da Versão 3.10 da

Leia mais

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2012 ASSUNTOS DIVERSOS ICMS - RS

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2012 ASSUNTOS DIVERSOS ICMS - RS ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2012 ASSUNTOS DIVERSOS TRADING COMPANY - CONSIDERAÇÕES Introdução - Conceito - Requisitos, Condições e Obrigações Tributárias Acessórias

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO REPETRO

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO REPETRO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO REPETRO Ulhôa Canto, Rezende e Guerra Advogados Seminário Jurídico-Fiscal da Quinta Rodada de Licitações C&V Exportação Ficta COMPRADOR US$ US$ Contrato de Arrendamento / Afretamento

Leia mais

Regimes aduaneiros. Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. SEGRE, German. Manual Prático de Comércio

Regimes aduaneiros. Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. SEGRE, German. Manual Prático de Comércio Regimes aduaneiros CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: SOUZA, José Meireles de. Gestão do Comércio Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. SEGRE, German. Manual

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS CONSULTA PÚBLICA RFB Nº 01 /2015. Brasília, 03 de março de 2015. Assunto: Melhoria no ambiente de negócios com a alteração da Instrução Normativa SRF nº 1.291, de 19 de setembro de 2012, que dispõe sobre

Leia mais

O papel do Banco do Brasil na exportação de produtos agropecuários. Maicon Bertuol

O papel do Banco do Brasil na exportação de produtos agropecuários. Maicon Bertuol O papel do Banco do Brasil na exportação de produtos agropecuários Maicon Bertuol Passo Fundo, 26/05/2011 Vantagens da Exportação diversificação de mercados e de riscos; melhoria da qualidade e produtividade;

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 07/02/2014. Capítulo XX - IPI 2014

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 07/02/2014. Capítulo XX - IPI 2014 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 07/02/2014 Capítulo XX - IPI 2014 001 Estão sujeitos ao IPI os produtos resultantes de operações caracterizadas como industrialização, quando essas são também consideradas serviços

Leia mais

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS 1 LEGISLAÇÃO Portaria SECEX Nº 23/11 - Tratamento Administrativo Portaria DECEX nº 08/91 - Material Usado Decreto nº 6.759/09

Leia mais

Serviços de Comércio Exterior. Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior GECEX São Paulo III

Serviços de Comércio Exterior. Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior GECEX São Paulo III BANCO DO BRASIL Serviços de Comércio Exterior Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior GECEX São Paulo III Programação 1) Acesso ao Gerenciador Financeiro 2) Criação de Chave de Acesso 3) Autorização

Leia mais

O REGIME ADUANEIRO DE DRAWBACK COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA: UM ESTUDO SOBRE A INDÚSTRIA METALÚRGICA DO GRANDE ABC

O REGIME ADUANEIRO DE DRAWBACK COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA: UM ESTUDO SOBRE A INDÚSTRIA METALÚRGICA DO GRANDE ABC O REGIME ADUANEIRO DE DRAWBACK COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA: UM ESTUDO SOBRE A INDÚSTRIA METALÚRGICA DO GRANDE ABC Pâmella Caroline Cuba Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS) Paolo Edoardo

Leia mais

Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA

Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA 1. O Que é? O Importa Fácil Ciência é destinado a pesquisadores/entidades de pesquisa cientifica ou tecnológica, devidamente credenciadas no

Leia mais

22/08/2013. Conceitos e aplicações básicas

22/08/2013. Conceitos e aplicações básicas 22/08/2013 Conceitos e aplicações básicas Palestrantes: Álvaro Cerqueira dos Anjos - Diretor Técnico responsável por toda a área operacional e de treinamento da CUSTOM; José Izidro Riba - Despachante Aduaneiro

Leia mais

CIRCULAR ICMS / IPI : Atualização / 2003 ( Anula a Anterior) ÍNDICE

CIRCULAR ICMS / IPI : Atualização / 2003 ( Anula a Anterior) ÍNDICE ÁREA FISCAL Escrituração Fiscal. Assessoria geral de escrituração fiscal. Assessoria e atualização das legislações Federal, Estadual e Municipal. Assessoria nas Fiscalizações. CIRCULAR ICMS / IPI : Atualização

Leia mais

PORTARIA Nº 35, DE 24 NOVEMBRO DE 2006 (Publicada no DOU de 28/11/2006)

PORTARIA Nº 35, DE 24 NOVEMBRO DE 2006 (Publicada no DOU de 28/11/2006) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR PORTARIA Nº 35, DE 24 NOVEMBRO DE 2006 (Publicada no DOU de 28/11/2006) O SECRETÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR DO

Leia mais

Paulo Sérgio Sodré. Departamento de Credenciamento e Financiamento

Paulo Sérgio Sodré. Departamento de Credenciamento e Financiamento 1 Paulo Sérgio Sodré Departamento de Credenciamento e Financiamento Máquinas áqu as e equipamentos equ pa e tos 2 BNDES Missão Promover o desenvolvimento sustentável e competitivo da economia brasileira,

Leia mais

CURSO CANAL REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS PROFESSOR: LUIZ ROBERTO MISSAGIA

CURSO CANAL REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS PROFESSOR: LUIZ ROBERTO MISSAGIA CURSO CANAL REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS PROFESSOR: LUIZ ROBERTO MISSAGIA 01 (AFRFB/2009) O regime aduaneiro especial que contempla a estocagem de partes, peças e materiais de reposição

Leia mais

1.1. Como criar um Ato Concessório Suspensão Integrado...01 1.2. Como alterar um Ato Concessório já enviado para análise...10 1.3.

1.1. Como criar um Ato Concessório Suspensão Integrado...01 1.2. Como alterar um Ato Concessório já enviado para análise...10 1.3. 1.1. Como criar um Ato Concessório Suspensão Integrado...01 1.2. Como alterar um Ato Concessório já enviado para análise...10 1.3. Como excluir um Ato Concessório...12 1.4. Como prorrogar um Ato Concessório...14

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR BLAURO CARDOSO DE MATTOS FASERRA ROMALIO AQUINO NONATO SOUZA

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR BLAURO CARDOSO DE MATTOS FASERRA ROMALIO AQUINO NONATO SOUZA 0 INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR BLAURO CARDOSO DE MATTOS FASERRA ROMALIO AQUINO NONATO SOUZA O IMPACTO DOS INCENTIVOS FISCAIS NO LUCRO DE EMPRESAS IMPORTADORAS E EXPORTADORAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS NO ESTADO

Leia mais

I. Amostra Grátis... 17. I.1 Isenção do IPI...17. I.2 Isenção do ICMS...18. I.3 Valor da operação...19. I.4 Exemplo...19. II. Armazém Geral...

I. Amostra Grátis... 17. I.1 Isenção do IPI...17. I.2 Isenção do ICMS...18. I.3 Valor da operação...19. I.4 Exemplo...19. II. Armazém Geral... S U M Á R I O A I. Amostra Grátis... 17 I.1 Isenção do IPI......17 I.2 Isenção do ICMS.........18 I.3 Valor da operação.........19 I.4 Exemplo.........19 II. Armazém Geral...... 23 II.1 Suspensão do IPI......23

Leia mais

Comércio Exterior no Brasil

Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior Fluxograma para empresa brasileira exportar Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, http://www.mdic.gov.br/sistemas_web/aprendex/default/index/conteudo/id/235

Leia mais

SUSPENSÃO ISENÇÃO RESTITUIÇÃO

SUSPENSÃO ISENÇÃO RESTITUIÇÃO SUSPENSÃO ISENÇÃO RESTITUIÇÃO DRAWBACK 1. CONCEITO Drawback é o regime especial que consiste na importação com suspensão, isenção ou restituição dos tributos, de insumos destinados a integrar produtos

Leia mais

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos Luiz Campos 1 Livro de Apuração do IPI - CFOP CFOP DESCRIÇÃO 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESPECIAL DE ESTADO DE GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA DA FAZENDA CECOMT DE PORTOS E AEROPORTOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESPECIAL DE ESTADO DE GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA DA FAZENDA CECOMT DE PORTOS E AEROPORTOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESPECIAL DE ESTADO DE GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA DA FAZENDA CECOMT DE PORTOS E AEROPORTOS DIEF Comércio Exterior 1 - Comércio Exterior ICMS Importação 1.1 - Impostos

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais

Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais Diretoria de Negócios Internacionais Setembro/2013 Banco do Brasil. Do Brasil para o mundo. Do mundo para o Brasil O Banco do Comércio

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

S i a g r i Sistemas de Gestão Evidence Assessoria & Treinamentos CGF - Custo Gerencial com Financeiro

S i a g r i Sistemas de Gestão Evidence Assessoria & Treinamentos CGF - Custo Gerencial com Financeiro 3. Custo Gerencial com Financeiro O que é, Como Funciona e como Implementar? 3.1. O que é e como funciona? Conceito: É o custo calculado pelo método de avaliação das mercadorias em estoque (saldo pertencente

Leia mais

Informações Gerenciais de Compras e Contratações Públicas: Micro e Pequenas Empresas

Informações Gerenciais de Compras e Contratações Públicas: Micro e Pequenas Empresas Informações Gerenciais de Compras e Contratações Públicas: Micro e Pequenas Empresas janeiro a novembro de 2012 Sumário Executivo MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Até novembro de 2012, foram gastos R$ 29,1 bilhões

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO (SISCOMEX)

FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO (SISCOMEX) FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO (SISCOMEX) FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO A determinação do preço de exportação é um dos aspectos mais importantes e decisivos para a conquista e

Leia mais

DECRETO Nº 63.404, DE 10 DE OUTUBRO DE 1968.

DECRETO Nº 63.404, DE 10 DE OUTUBRO DE 1968. DECRETO Nº 63.404, DE 10 DE OUTUBRO DE 1968. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Promulga o Acôrdo Básico de Cooperação Técnica e Cientifica, com a França havendo o Congresso Nacional aprovado pelo Decreto Legislativo

Leia mais

2 Bloco K: Controle da Produção e do Estoque

2 Bloco K: Controle da Produção e do Estoque Bloco K - Inventário Físico e Controle de Produção Desenvolvido o processo de geração do Bloco K para o EFD. DLL: fiscal.dll Comando: Ex_F_ApuracaoIcmsIPI 1 Apuração ICMS e IPI No cadastro de Apuração

Leia mais

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - SICONV Inclusão e Envio de Proposta Manual

Leia mais

PROGRAMA DE RECOMPENSA SICREDI EMPRESARIAL ANEXO AO CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DOS CARTÕES SICREDI EMPRESARIAL

PROGRAMA DE RECOMPENSA SICREDI EMPRESARIAL ANEXO AO CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DOS CARTÕES SICREDI EMPRESARIAL PROGRAMA DE RECOMPENSA SICREDI EMPRESARIAL ANEXO AO CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DOS CARTÕES SICREDI EMPRESARIAL 1. O Programa de Recompensa Sicredi Empresarial é um programa de incentivo ao uso do(s)

Leia mais

CFOP/CST POR OPERAÇÃO

CFOP/CST POR OPERAÇÃO venda venda de produção 5,101 00 50 Contribuinte do ICMS e IPI venda venda de mercadoria adquirida 5,102 00 53 n/t Contribuinte do ICMS venda c/ Cupom Fiscal registros relativos a ECF 5,929 art 135 2º

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO FORNECEDOR PARA PARTICIPAÇÃO EM

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO FORNECEDOR PARA PARTICIPAÇÃO EM MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO FORNECEDOR PARA PARTICIPAÇÃO EM COTAÇÕES E PREGÕES ELETRÔNICOS Sumário 1. Introdução... 2 2. Procedimento para cadastro... 2 3. Conhecendo o Sistema de Compras Eletrônicas da

Leia mais

Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira - CEPLAC Centro de Pesquisas do Cacau - CEPEC Seção de Sócio-Economia - SESOE

Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira - CEPLAC Centro de Pesquisas do Cacau - CEPEC Seção de Sócio-Economia - SESOE Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira - CEPLAC Centro de Pesquisas do Cacau - CEPEC Seção de Sócio-Economia - SESOE Análise da Importação de Cacau Via Drawback no Brasil e sua influência para

Leia mais

Pergunte à CPA. Exportação- Regras Gerais

Pergunte à CPA. Exportação- Regras Gerais 13/03/2014 Pergunte à CPA Exportação- Regras Gerais Apresentação: Helen Mattenhauer Exportação Nos termos da Lei Complementar nº 87/1996, art. 3º, II, o ICMS não incide sobre operações e prestações que

Leia mais

3.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS.

3.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU 2.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU 3.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL,

Leia mais

Relatório. Data 17 de março de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF

Relatório. Data 17 de março de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 74 - Cosit Data 17 de março de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A IMPORTAÇÃO - II DRAWBACK VERDE-AMARELO. DRAWBACK INTEGRADO.

Leia mais

Informações Gerenciais de. Contratações Públicas de Bens. e Serviços de Tecnologia da. Informação

Informações Gerenciais de. Contratações Públicas de Bens. e Serviços de Tecnologia da. Informação Informações Gerenciais de Contratações Públicas de Bens e Serviços de Tecnologia da Informação janeiro a novembro de 2012 Sumário Executivo MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Entre janeiro e novembro de 2012,

Leia mais

2º O regime de drawback integrado isenção aplica-se também à aquisição no mercado interno ou à importação de mercadoria equivalente à empregada:

2º O regime de drawback integrado isenção aplica-se também à aquisição no mercado interno ou à importação de mercadoria equivalente à empregada: Portaria SECEX s/nº, de 15.02.2010 - DOU 1 de 16.02.2011 Dispõe sobre drawback integrado isenção. A Secretária de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior no uso

Leia mais

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1º Passo: Registro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão

Leia mais

Configuração de Acumuladores

Configuração de Acumuladores Configuração de Acumuladores Os acumuladores são cadastro usados pelo Módulo Domínio Sistemas Fiscal para permitir a totalização dos valores lançados nos movimentos de entradas, saídas, serviços, outras

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA COMPROVAÇÃO DE OPERAÇÕES DIFERENCIADAS:. Cópia da nota fiscal emitida nos termos do inciso II do Art.

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA COMPROVAÇÃO DE OPERAÇÕES DIFERENCIADAS:. Cópia da nota fiscal emitida nos termos do inciso II do Art. DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA COMPROVAÇÃO DE OPERAÇÕES DIFERENCIADAS: 1) BRINDES: Possíveis CFOP S: 2.910 Entrada de bonificação, doação ou brinde 6.910 Remessa em bonificação, doação ou brinde Art. 652 "Considera-se

Leia mais

Conjuntura do Comércio Exterior - Crise Mundial

Conjuntura do Comércio Exterior - Crise Mundial BANCO DO BRASIL S/A Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior Belo Horizonte MG Conjuntura do Comércio Exterior - Crise Mundial América do Norte Miami Nova Iorque Chicago Los Angeles Washington México

Leia mais

Financiamento ao comércio exterior e apoio aos negócios internacionais

Financiamento ao comércio exterior e apoio aos negócios internacionais Financiamento ao comércio exterior e apoio aos negócios internacionais Bento Gonçalves RS Novembro de 2012 Participação de mercado (janeiro a outubro de 2012) Grandes números Adiantamento sobre Contrato

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

ATELEIR DE SENSIBILIZAÇÃO SOBRE A TARIFA EXTERNO COMUM DA CEDEAO (A TEC CEDEAO) BISSAU, 15 JULHO 2014

ATELEIR DE SENSIBILIZAÇÃO SOBRE A TARIFA EXTERNO COMUM DA CEDEAO (A TEC CEDEAO) BISSAU, 15 JULHO 2014 ATELEIR DE SENSIBILIZAÇÃO SOBRE A TARIFA EXTERNO COMUM DA CEDEAO (A TEC CEDEAO) BISSAU, 15 JULHO 2014 SUMARIO 1) Definição da Tarifa Externa Comum (TEC) 2) A Tarifa Externa Comum (TEC CEDEAO) 3) Aplicação

Leia mais

Entendendo e Configurando CFOP UDERSON LUIS FERMINO

Entendendo e Configurando CFOP UDERSON LUIS FERMINO Sumario: Neste trabalho, dando continuidade ao tema em questão, serão relacionados os CFOP utilizados nas operações de saídas de mercadorias ou bens e nas realizações de serviços de transporte (interestaduais

Leia mais

CRÉDITOS DE ICMS: ALTERNATIVAS E SOLUÇÕES PARA EMPRESAS

CRÉDITOS DE ICMS: ALTERNATIVAS E SOLUÇÕES PARA EMPRESAS CRÉDITOS DE ICMS: ALTERNATIVAS E SOLUÇÕES PARA EMPRESAS Melhoria de fluxo de caixa, através de regimes especiais que visem a desoneração do ICMS nas importações, aquisições de fornecedores e utilização

Leia mais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Introdução Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Fundamentos de Comércio Exterior Prof. Marco A. Arbex As exportações geram entrada de divisas para o país exportador e saída de divisas

Leia mais

Roteiro Básico para Exportação

Roteiro Básico para Exportação Roteiro Básico para Exportação As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria

Leia mais

DIFERIMENTO DO ICMS - Recolhimento do Imposto pelo Contribuinte Substituto

DIFERIMENTO DO ICMS - Recolhimento do Imposto pelo Contribuinte Substituto DIFERIMENTO DO ICMS - Recolhimento do Imposto pelo Contribuinte Substituto Matéria elaborada com base na legislação vigente em 14.05.2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - DIFERIMENTO - SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

MUDANÇAS NO LIVRO DE REGISTRO DE INVENTÁRIO

MUDANÇAS NO LIVRO DE REGISTRO DE INVENTÁRIO MUDANÇAS NO LIVRO DE REGISTRO DE INVENTÁRIO por Carlos Barbosa O Livro Registro de Inventário, modelo 7 (FATU2053C do módulo Escrita Fiscal) foi reestruturado para atender as exigências da legislação (Convênio

Leia mais

18- SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO 18.1- QUADRO DE INDICADORES. Superintendência de Gestão

18- SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO 18.1- QUADRO DE INDICADORES. Superintendência de Gestão CÓD PESO (%) 18- SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO 18.1- QUADRO DE INDICADORES Superintendência de Gestão QUADRO DE INDICADORES OBJETIVO ESTRATÉGICO NOME DO INDICADOR Unidade de Medida Valores de Referência (VR)

Leia mais

Seguro Garantia. Um novo nicho?? O que devemos saber para comercializar Evolução e Produtos. Brasília, 25 de Novembro de 2011.

Seguro Garantia. Um novo nicho?? O que devemos saber para comercializar Evolução e Produtos. Brasília, 25 de Novembro de 2011. Seguro Garantia Um novo nicho?? O que devemos saber para comercializar Evolução e Produtos Brasília, 25 de Novembro de 2011 Rogério Vergara Seguro Garantia Segurado Contrato Tomador Apólice Contragarantia

Leia mais

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2 3

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2 3 KARIN CRISTINA IKOMA Consultora Impostos IOB Thomson CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL A) ENTRADAS: NOVOS ANTIGOS GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2

Leia mais

As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente.

As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente. Capitulo 10: Tipos de exportação As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente. Diretamente: quando o exportador fatura e remete o produto ao importador, mesmo

Leia mais

PORTARIA Nº 23, DE 14 DE JULHO DE 2011

PORTARIA Nº 23, DE 14 DE JULHO DE 2011 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR PORTARIA Nº 23, DE 14 DE JULHO DE 2011 (D.O.U. de 19 de julho de 2011, Seção 1, p. 65-92) (Retificada no D.O.U.

Leia mais

16. PROCESSOS ALFANDEGÁRIOS LOGÍSTICOS

16. PROCESSOS ALFANDEGÁRIOS LOGÍSTICOS 16. PROCESSOS ALFANDEGÁRIOS LOGÍSTICOS DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. SOUZA, José Meireles de

Leia mais

Fiscal Configurar Impostos Fiscais

Fiscal Configurar Impostos Fiscais Fiscal Configurar Impostos Fiscais Objetivo Configurar todos os impostos que refletirão na Nota Fiscal de Saída. Pré- Requisitos As Taxas Tributárias dos Produtos devem ser devidamente cadastradas ( Fiscal

Leia mais

1. Como criar um Ato Concessório Suspensão Integrado...02 2. Como alterar um Ato Concessório já enviado para análise...13 3. Como excluir um Ato

1. Como criar um Ato Concessório Suspensão Integrado...02 2. Como alterar um Ato Concessório já enviado para análise...13 3. Como excluir um Ato 1. Como criar um Ato Concessório Suspensão Integrado...02 2. Como alterar um Ato Concessório já enviado para análise...13 3. Como excluir um Ato Concessório...15 4. Como prorrogar um Ato Concessório...17

Leia mais

NÚCLEO DE METALMECÂNICAS

NÚCLEO DE METALMECÂNICAS NÚCLEO DE METALMECÂNICAS Incentivos fiscais e regimes especiais de tributação. Conceito de insumos para: ICMS, IPI, COFINS e PIS. REGULARIDADE, CONTROLES ELETRÔNICOS & INCENTIVOS FISCAIS DOIS conceitos

Leia mais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Nicola Minervini Santa Catarina, 02-05/12/2014 Sumario Desafios da empresa Ferramentas para a competitividade O porque das alianças Formas de alianças

Leia mais

Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins

Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins 29/05/2012 1 O Sped fiscal e Pis/Confins é uma arquivo gerado através do sistema da SD Informática, onde este arquivo contem todos os dados de entrada e saída

Leia mais

Módulo(s): Financeiro e Compras e Estoque

Módulo(s): Financeiro e Compras e Estoque REF. Procedimento para Lançamentos de Compras Compror Sistema: Siagri Agribusiness Módulo(s): Financeiro e Compras e Estoque Data: 30/11/2007 Descrição: O Compror é uma modalidade de crédito que permite

Leia mais

CONTROLE DE CÂMBIO. Laercio Pellegrino, Jr. Veirano & Advogados Associados Março 2002

CONTROLE DE CÂMBIO. Laercio Pellegrino, Jr. Veirano & Advogados Associados Março 2002 CONTROLE DE CÂMBIO Laercio Pellegrino, Jr. Veirano & Advogados Associados Março 2002 Por Que o Brasil Controla o Câmbio? Moeda forte é um item escasso no Brasil. Tanto o Governo Brasileiro como as empresas

Leia mais