Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 1 INTRODUÇÃO «Se não está seguro do local onde quer IR CORRE O RISCO de se encontrar EM OUTRO SÍTIO (e não se dar conta disso)» Campbell (1974) A eficácia de um programa educativo em ciências da saúde dependerá da sua adequação às necessidades da população ou ao tipo profissional que se quer formar. FALTA COMPLETAR O PROLOGO, PROCESSO de EA, a Introdução às necessidades.

2 2 TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES 2.1. Reunião de Especialistas Tratase da técnicas mais utilizada tradicionalmente. Baseiase na reunião de um grupo de pessoas, consideradas especialistas no tema, que definirão o que eles crêem que são as necessidades. Limitações: A opinião do grupo pode não coincidir com as necessidades reais. A opinião pode ser enviesadas por diversas circunstâncias ou crenças pessoais. Os especialistas adequados podem não ser os indicados.

3 Técnica de DELPHI (O. HELMER e N. RESCHNER (1959) On the Epistemology of the Inexact Sciences, Manag. Sci., 6, 25) Construída pela RAND Corporation, aplicada frequentemente na planificação de programas ou de curricula. ETAPAS: 1.º Criação de um Comité de Especialistas Identificam os temas a tratar durante o programa a realizar. 2.º Selecção de Pessoal colaborador ± 20, que estejam interessados no tema e sejam considerados especialistas em uma ou várias áreas do programa concreto a elaborar.

4 3.º Entrevista individual Oral ou escrita, ao grupo de pessoal colaborador com o objectivo de: Assinalar, dentro dos temas identificados pelo comité de especialistas, as áreas gerais necessárias para a prática satisfatória da profissão ou para cobrir as necessidades da população. OBJECTIVOS GERAIS Identificar aquelas competências requeridas para cobrir essas áreas gerais ou os conteúdos que se deverá incluir. OBJECTIVOS INTERMÉDIOS

5 Realizar um desdobramento das competências de forma operativa e específica OBJECTIVOS ESPECÍFICOS (O grupo comunicará as suas respostas de forma anónima) 4.º Compilar uma lista única com os resultados obtidos Enviar a lista ao comité de especialistas para que façam as modificações que considerem oportunas. 5.º A lista confeccionada voltará a ser enviada ao grupo colaborador Deverá fazerse uma lista mais reduzida.

6 6.º A lista volta ao comité de especialistas Para análise e assim sucessivamente. * O processo pode repetirse as vezes que se considere necessário até alcançar um consenso. Sug.: Cada membro pode indicar (15), na sua opinião, a importância de cada competência identificada. As competências ou problemas identificados servirão de base para a elaboração dos programas. A técnica de Delphi também se utiliza para identificar o tipo de profissional necessário ou as tarefas concretas que este tem que realizar ou os conteúdos que devem incluirse num programa.

7 EXEMLO: 1 Suponhamos que reunimos um Comité de TRÊS especialistas com o fim de determinar as necessidades de formação contínua de um grupo de enfermeiros generalistas. 2 Cada especialista elaborou uma lista com os problemas que considera mais habituais: Especialista 1 Politraumatizado Redução de fracturas Shock EAM Síndrome de abstinência Especialista 2 Queimaduras Feridas EAM Politraumatizado Shock Crise de asma Especialista 3 Asma EAM Shock Queimado grave Síndrome de abstinência

8 EXEMLO: 3 As listas distribuemse ao grupo colaborador que depura os temas e ordenaos segundo a sua importância: EAM Shock Politraumatizado Queimaduras Crise de Asma Síndroma de Abstinência

9 EXEMLO: 4 A lista é de novo enviada ao Comité de especialistas onde cada membro valoriza cada uma das opções de 5 a 1. Problemas n i n i n i N p EAM Shock Politraumatizado Queimaduras Crise de Asma Síndroma de abstinência ,93 0,73 0,86 0,80 0,73 0,46

10 EXEMLO: 5 Com os resultados confeccionase uma lista definitiva por ordem de importância: EAM Politraumatizado Queimaduras Schok Crise de Asma Síndroma de Abstinência

11 EXERCÍCIO: Aplicar a técnica de Delphi a um programa educativo (programa de formação contínua para pessoal de saúde, um curriculum de uma faculdade ou escola, uma disciplina concreta, ). Considere: (a) Responsável pela elaboração do programa REP; (b) Comité de especialistas CE; (c) Pessoal colaborador PC. 1.º Delimitar uma área (REP) Considerada de interesse para trabalho (e.g., sistema cardiocirculatório, problemas geriátricos, prevenção de acidentes, ) e as pessoas a que se dirige o programa (médicos, enfermeiros, AAM, estudantes, população em geral, grupo particular, )

12 ÁREA GrupoAlvo 2.º Elaborar uma lista COMITÉ DE ESPECIALISTAS com 10 opções, temas, necessidades, que considerem que devem incluirse no programa. 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 10:

13 3.º Distribuir a lista ao GRUPO COLABORADOR para depuração e ordenação...

14 4.º CE: Valorizar cada item. Temas IMPORTÂNCIA

15 5.º CE: Valorizar cada item. Temas MEMBROS 2 3 TOTAL

16 5.º Com a pontuação obtida pode elaborarse uma lista definitiva por ordem de prioridades: 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º. O NÚMERO DE ÁREAS QUE SE PODEM COBRIR DEPENDERÁ DOS RECURSOS DISPONÍVEIS

17 2 TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES 2.2. Questionários de Opinião É umas das técnicas mais utilizadas em todo o mundo. Consiste em perguntar a opinião através de um questionário oral ou escrito Questionário: Resposta aberta Resposta fechada.

18 QUESTIONÁRIO DE RESPOSTA FECHADA 1 Quais dos seguintes problemas do idoso lhe parece que deveria incluir num programa de formação contínua para enfermeiros do Centro de Saúde? (Marque na coluna da esquerda se considera que deve incluirse, e em caso positivo, qualifique a sua importância de 3 a 1: 3 = muito importante; 2 = importante; 1 = pouco importante). SIM NÃO O idoso incapacitado 2 Demências senis 3 O idoso maltratado 4 Problemas respiratórios 5 Problemas cardiovasculares

19 QUESTIONÁRIO DE RESPOSTA ABERTA 1 Indique os problemas que o idoso apresenta que deveriam incluirse num programa de formação permanente dirigido a enfermeiros dos Centros de Saúde. Pode incluir uma valorização de3 a 1 para cada um deles, segundo a sua importância: 3 = muito importante; 2 = importante; 1 = pouco importante.

20 Os questionários devem ser dirigidos a: Pessoal a quem vai ser aplicado o programa (PúblicoAlvo) Especialistas em distintas áreas Utentes Em casa situação concreta é necessário determinar a QUEM se quer dirigir o questionário, dependendo dos resultados que se queiram obter e dos objectivos do mesmo. Utilizar sempre uma amostra que seja representativa.

21 EXERCÍCIO (tema anterior) 1 QUAL é o objectivo do questionário? 2 A QUE profissionais, ou pessoas, se dirige o programa educativo? 3 A QUEM se dirige o questionário? 4 Será de RESPOSTA ABERTA ou de RESPOSTA FECHADA? Porquê? 5 Incluemse ESCALAS DE VALORIZAÇÃO? Porquê? 6 Se utilizam escalas de valorização, QUAL utiliza? QUE componentes terá?

22 EXERCÍCIO (tema anterior) 7 Escreva algumas perguntas que incluirá o questionário A C E G B D F H

23 2 TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES 2.3. Análise de Tarefas D. C. MCCLELLAND (1976) A Guide to Job Competency Assessment, Boston, McBer Co. Baseiase na OBSERVAÇÃO sistemática e atenta da actuação numa área concreta de uma amostra representativa da população (profissionais, população em geral, etc.). O investigador regista a actuação da amostra estudada e mediante a comparação de listas obtidas determina as funções básicas. Quando melhor seleccionada seja a amostra, mais adequada será a lista confeccionada.

24 EXEMPLO Observamos a toma do pulso jugular realizado por 10 pessoas num hospital. Sete delas colocam o paciente em decúbito supino com um ângulo de 45º. Uma delas colocou o paciente em decúbito supino completo. Determinamos que para medir o pulso venoso jugular o paciente deve estar colocado em ângulo de 45.º Observamos a toma da pressão arterial realizada por 5 pessoas. Comprovamos que 4 delas colocam o centro da braçadeira sobre a artéria braquial e uma a coloca lateralizado. Chegamos à conclusão de que o centro da braçadeira deve ser colocada sobre a artéria. Se as 5 pessoas insuflam a braçadeira até uma pressão de 160 mmhg, concluiremos que a braçadeira deve ser insuflada até 160 mm Hg

25 A análise da tarefas SERVE UNICAMENTE para delimitar as acções concretas que o profissional tem de realizar, e não o porquê das mesmas.

26 2 TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES 2.4. Análise de Incidentes Críticos J. C. FLANAGAN (1954) The Critical Incident Thechniques, Psychol. Bull, 5, 327. A.I.R. AMERICAN INSTITUTE FOR RESEARCH (1960) Classification of Critical Incidents InterResident Performance, Pittsburg. J. M. BLUM e R. FITZPATRICK (1965) Critical Performance Requirements for Orthopedic Surgery, Chicago, Chigaco University of Illinois College of Medicine. Consiste em recolher dados que caracterizam a eficácia ou ineficácia do exercício profissional.

27 INCIDENTE: Actividade observável suficientemente completa que permite deduzir a priori os efeitos da acção. Para recolher estes dados perguntase a indivíduos qualificados por aqueles incidentes que lhes ocorreram a eles, ou que observaram em outras pessoas, que podem reflectir uma boa ou má prática. Permite obter um conjunto de linhas mestras que se possam utilizar como base para a construção de um programa. Ênfase naquelas actividades que conduzem a uma boa prática e corrigindo as que levam a uma má prática.

28 PERGUNTA (a dois médicos): Poderia relatar algum caso no qual a sua atitude como profissional sanitário influenciou decididamente (em sentido positivo ou negativo) no resultado final do mesmo? «Há alguns dias fui solicitado para atender uma Senhora de 60 anos que apresentava uma dor abdominal há cerca de 4 horas, e cujo estado geral se deteriorava progressivamente. A primeira impressão que me deu, pela exploração e pela anamnese, foi a de um abdómen agudo, pelo que a remeti para um centro hospitalar. O diagnóstico foi de pancreatite aguda, estando 15 dias internada. Preferi não dar analgésicos, nem nada parecido, para não mascarar o quadro e perder umas horas preciosas».

29 «O outro dia acompanhei um doente da minha aldeia ao hospital distrital para que lhe realizassem análises sanguíneas e umas radiografias ao tórax. O doente, que nunca tinha saído da sua aldeia, não se atrevia a ir sozinho ao hospital. O facto de o ter acompanhado significou, também que fora atendido com mais rapidez no hospital. TIPOS DE FORMAS DE ANÁLISE DE IC Análise sobre a actuação profissional (McClelland, 1976) Estudo de erros na prática *

30 A análise sobre a actuação profissional consiste em obter informação de um conjunto de profissionais, considerados entre OS MELHORES, acerca das situações críticas que lhes surgiram durante o exercício da sua profissão, e como as solucionaram. LISTA DE SITUAÇÕES E DE ACTUAÇÕES O estudo dos erros na prática consiste em analisar os erros que se produzem na actuação profissional. PAPEL EPISTEMOLÓGICO DO ERRO

31 Análise de Incidentes Críticos vs. Técnica de Actuação Profissional A análise fazse com base em registos de actuação, e não em apreciações pessoais. Pode realizarse, ainda, através de um questionário anónimo dirigido aos profissionais (ou mediante um questionário dirigido aos utentes).

32 Identificar deficiências (Programas, Curricula) Perguntar aos licenciados, ou formandos, que tenham frequentado o programa, entre 6 MESES1 ANO depois da realização do mesmo, que indiquem aquelas áreas em que elas considerem que o curriculum tenha sido deficiente, e aquelas que não são úteis para o exercício profissional. Rectificar os curricula * A identificação dos erros permite desenhar estratégias que possam corrigilos, sobretudo quando estes são devidos a defeitos de formação e não a negligência.

33 EXERCÍCIO Procure escrever TRÊS INCIDENTES CRÍTICOS que tenham ocorrido durante o seu exercício profissional: Discutaos com os seus colegas de grupo.

34 EXERCÍCIO Procure recordar TRÊS ou QUATRO situações nas quais se sentiu inseguro devido a uma deficiente formação durante a sua carreira Discutaos com os seus colegas de grupo.

35 2 TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES 2.5. Estudos Epidemiológicos A. Ahlbom e S. Norell (1988) Fundamentos de EpidemiologÍa, Madrid, Siglo Veintiuno. E. G. Knox (1981) La Epidemiología en la Planificación de la Atención a la Salud, Madrid, Siglo Veintino. Uma das formas mais adequadas para definir necessidades num plano de cuidados de saúde ou campanha sanitária e, por conseguinte, o PLANO DE ACTIVIDADES EDUCATIVAS.

36 Análise da Mortalidade Análise da Morbilidade de uma determinada área (O programa de doenças infecciosas e parasitárias desenhado para os países como o Brasil ou a Índia não pode ser igual ao que se desenvolve para a Suécia ou para Portugal)

37 MORTALIDADE Informa acerca das doenças mortais. Não proporciona informação sobre os indivíduos doentes ou sobre a importância das doenças que não conduzem necessariamente à morte (Pineault e Daveluy, 1989) Indicadores demográficos (2003/2004) Taxa de crescimento efectivo: 0,5% (0,0% no Alentejo) Taxa de mortalidade: 9,7% (13% no Alentejo) Taxa de natalidade: 10,4% (9,2% no Alentejo) Taxa de mortalidade infantil: 3,8% (3,4% no Alentejo) Esperança média de vida: 77,79 ( 80,98; 74,53) INE (2005)

38 Principais causas de morte (2003) Doenças do aparelho circulatório: 37,6% Tumores (neoplasias): 21,3% Sinais, sintomas e resultados anormais de exames clínicos de laboratório não classificados em outra parte: 10% Doenças do sistema respiratório: 8,8% Doenças endócrinas nutricionais e metabólicas: 4,8% Doenças do sistema digestivo: 4,2% Causas externas de mortalidade: 5,2% INE (2005)

39 FROM THE HEART Adelphi International Research and AstraZeneca Leif Erhardt (Univ. Lund) et al. Paris, 12 de Outubro de 2005 S. Rodrigues (2005, 15 de Outubro) Portugueses são os que mais ignoram risco das doenças cardiovasculares, Público, (XVI), p. 25. * Estudo que envolveu 10 países (Bélgica, Brasil, Coreia do Sul, Dinamarca, Finlândia, França, México, Portugal, Reino Unido, Singapura) pacientes 750 médicos de família

40 FROM THE HEART 60% dos pacientes desconhecem que as doenças cardiovasculares são a primeira causa de morte nos países desenvolvidos. 66% dos pacientes portugueses com níveis elevados de colesterol desconhecem que as doenças cardiovasculares são a primeira causa de morte nos países desenvolvidos. 44% dos finlandeses 47% dos ingleses 46% dos pacientes acredita que o cancro é o mais mortal. 56% dos pacientes receia mais vir a sofrer de doença oncológica do que o EAM ou um AVC.

41 FROM THE HEART 29% dos pacientes (29% em Portugal) teme ter um EAM ou um AVC. 40% dos pacientes nunca ouviram falar em «bom» (LDL) ou «mau» (HDL) colesterol. 19% dos pacientes (24% em Portugal) não é capaz de identificar problemas de saúde relacionados com colesterol elevado. 33% dos pacientes não está preocupado com colesterol em excesso. 51% dos pacientes ignora o nível de colesterol do seu sangue.

42 FROM THE HEART 82% dos pacientes revela elevados níveis de satisfação com o tratamento que recebem para o colesterol. As doenças cardiovasculares provocam a morte de 17 milhões de pessoas por ano (OMS) Barreiras em torno do tratamento do colesterol Necessidade de tomar diariamente estatinas (pouco comparticipação em alguns países) Cultural (o doente tem o direito de perguntar mais, e o médico de responder com termos adequados)

43 MORBILIDADE Proporciona informação sobre a presença de doenças num indivíduo ou numa população: Taxa de incidência: reflecte os casos novos que surgem numa doença (Relação entre o n.º de novos casos durante um determinado período e a população exposta) Taxa de prevalência: indica a presença de uma doença e inclui todos os casos. (Relação entre o n.º de casos de uma doença num determinado período e a população em estudo)

44 INCIDÊNCIA Usase para doenças de curta duração ou para estudos etiológicos. PREVALÊNCIA Considerase como o peso da morbilidade sobre a qual há que intervir. Varia em função da incidência e da duração. Se elevada INCIDÊNCIA ELEVADA LONGA EVOLUÇÃO

45 2 TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES 2.5. Determinação de Prioridades Não é somente importante a determinação de necessidades, mas também a determinação das prioridades de actuação. Grelha de análise Método de Hanlon Sistema de variáveis pareadas. Sistema de comparação entre os distintos problemas através da utilização de certos parâmetros ou critérios: A importância do problema A capacidade de intervenção As possibilidades de actuação

46 As prioridades de actuação estão condicionadas por VALORES SOCIAIS, AMBIENTAIS, ECONÓMICOS, e de ORGANIZA ÇÃO Grelha de Análise R. Pineault e D. Daveluy (1989) La Planificación Sanitaria, Barcelona, Masson. Quatro elementos A Importância do problema B Relação entre factores de risco e o problema C Capacidade técnica de resolução D Factibilidade da intervenção ou do programa

47 Em cada elemento assinalamos VALORES POSITIVOS, VALO RES NEGATIVOS ou VALORES PONDERADOS para casa uma das doenças e dos elementos a considerar. O coeficiente de ponderação de cada um deles varia fortemente de uma população para outra.

48 Suponhamos que temos TRÊS doenças: Cancro do Pulmão, Cancro do Colo Uterino, e Cárie Dentária. OBJECTIVO: Determinar as prioridades. Identificar FACTORES POSITIVOS () ou FACTORES NEGATIVOS () de cada uma delas. A B C D Cancro do pulmão a nível primário Cancro do colo uterino a nível primário Cárie dentária a nível primário

49 A B C D 1.º C. pulmão C. pulmão C. pulmão 2.º 1.º Cancro do pulmão Cancro do útero Cárie dentária Problema C. pulmão C. útero Cárie Cárie C. útero Cárie 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 2.º A selecção de (importante) e (pouco importante) nos quatro factores determinantes dános a ordem de prioridade. C. útero 12.º 3.º C. útero Cárie 13.º 14.º 15.º 16.º

50 EXERCÍCIO 1 Liste os três problemas mais importantes identificados na actividade que envolveu o método de Delphi

51 A B C D 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º Problema 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º

52 Método de Hanlon J. J. Hanlon e G. E: Pickett (1984) Public Health Administration and Practice, J. Dent. Educ., 41, 239. Quatro componentes A Magnitude do problema B Severidade do problema C Eficácia da solução D Factibilidade do programa de intervenção MH = (AB)(CxD)

53 MAGNITUDE DO PROBLEMA: Número de pessoas afectadas em relação à população total. Por cada habitantes < 5 Pontuação

54 SEVERIDADE DO PROBLEMA: Difícil de definir devido às variáveis: sanitárias, sociais, administrativas, mortalidade, incapacidade temporária ou permanente, dias de trabalho perdido, incómodo para o sujeito e para a comunidade, custos associados, evolução. Decidir em função dos dados que se tem e atribuir um valor de 110 para cada uma das situações valorizadas, calculando depois a médias das pontuações obtidas.

55 EFICÁCIA DA SOLUÇÃO: Depende da existência de recursos e tecnologia disponíveis. Pontuar os problemas: Difíceis de solucionar: 0,5 De duvidosa solução: 1 De possível resolubilidade: 1,5 (Aumentase, mantémse ou diminuise a componente A B)

56 FACTIBILIDADEDA INTERVENÇÃO PERLA (PEARL) P Pertinência E Factibilidade económica R Recursos disponíveis L Legalidade A Aceitabilidade Escala: SIM = 1; NÃO = 0.

57 EXERCÍCIO A Cancro do pulmão: 4 Cancro do colo do útero: 2 Cárie dentária: 8 B Factores Mortalidade Incapacidade Custo laboral Custo sanitário Propagação Afectação familiar Total Média CP ,6 PONTUAÇÃO CCU Cárie ,8

58 EXERCÍCIO C Eficácia da Solução Cancro do pulmão: 0,5 Cancro do colo do útero: 1,5 Cárie dentária: 1 D Factores Pertinência Factibilidade económica Recursos Legalidade Aceitabilidade CP PONTUAÇÃO CCU Cárie

59 EXERCÍCIO Resultado Problemas A B C D (AB)(CxD) Cancro do pulmão Cancro do Útero Cárie dentária ,6 3 0,8 0,5 1, ,3 7,5 8,8 A eficácia da solução é a que determina o resultado final, independentemente da magnitude ou da severidade do problema.

60 Variáveis Pareadas Para determinar a importância de um problema ou seleccionar entre as várias opções. EXEMPLO Queimaduras, EAM, Politraumatizado, Schok, Embolia cerebral Queimaduras EAM X Politrauma X EAM X Politrauma Schok

61 Queimaduras EAM X Politrauma X Politrauma X Schok Embolia cerebral Queimaduras EAM X Schok X Schok X Embolia Embolia cerebral Queimaduras Embolia cerebral X

62 Ordenar segundo o número de vezes escolhido. Queimaduras EAM Politraumatizado Schock Embolia cerebral Por ordem: EAM, Politrauma, Embolia, Schock, Queimaduras.

63 EXERCÍCIO 1 Recordar os 5 temas que foram prioridade ao aplicar a técnica de Delphi

64 2 Emparelhar e marcar os que considera de maior importância

65 3 Somar as vezes que cada um dos temas foi considerado como importante: 1: 2: 3: 4: 5: 4 Confrontar os resultados com os obtidos com a técnica de Delphi.

66 OBJECTIVOS Neste momento o formando deverá ser capaz de: Seleccionar a técnica de identificação de necessidades mais adequada para os seus fins; Aplicar uma técnica de Delphi; Produzir um questionário de opinião; Realizar uma análise epidemiológica.

Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses

Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses Managing Director _ Executive Researcher_ António Gomes [antonio.gomes@gfk.com] João Costa [joao.costa@gfk.com] Contexto O estudo foi desenvolvido no âmbito do

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

Departamento de Epidemiologia (DEP)

Departamento de Epidemiologia (DEP) O Dia do INSA 27 de Setembro de 2010 Auditório do Centro de Genética Médica Doutor Jacinto de Magalhães PORTO A Observação: função colaborativa Atribuições, actividades e perspectivas de colaboração Departamento

Leia mais

Rede de Teleassistência de Minas Gerais. Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG

Rede de Teleassistência de Minas Gerais. Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG Rede de Teleassistência de Minas Gerais Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG Outubro de 2014 até Setembro/2014 Número de akvidades 50.000 45.000 ECGs (821 pontos) e Teleconsultorias online e

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva Vigilância Epidemiológica Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva EPIDEMIOLOGIA Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos condicionantes e determinantes dos estados ou eventos

Leia mais

Programa da Diabetes das FAA

Programa da Diabetes das FAA Programa da Diabetes das FAA Sabrina Coelho da Cruz Diabetologista do Hospital Militar Principal/Instituto Superior Coordenadora da Comissão da Diabetes do HMP/IS Coordenadora do Programa da Diabetes nas

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

SInASE <> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues

SInASE <<TITULO APRESENTAÇÃO>> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues Lisboa 28 28 de Junho 2011 Museu do Oriente Qualidade Risco em Saúde Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues 1º Estudo Nacional 11,1% admissões

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

Assistência Médica e Saúde

Assistência Médica e Saúde Assistência Médica e Saúde O Governo da RAEM define e prossegue as linhas de acção governativa de Tratamento seguro e adequado com prioridade para a prevenção em correspondência à directriz de elevar a

Leia mais

DOENÇAS RELACIONADAS COM O TABACO

DOENÇAS RELACIONADAS COM O TABACO DOENÇAS RELACIONADAS COM O TABACO BOCA E FARINGE Cancro CÉREBRO Acidente vascular cerebral LARINGE E TRAQUEIA Cancro Inflamação CORAÇÃO Doença coronária/ Enfarte ESÓFAGO E ESTÔMAGO Cancro Úlcera PÂNCREAS

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Avaliação de indicadores. Maio de 2010

Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Avaliação de indicadores. Maio de 2010 Plano Nacional de Saúde -2010 Avaliação de indicadores Maio de 2010 0 das Regiões (NUT II do D.L. de 1999) em relação ao do... 2 Evolução dos indicadores em relação à Meta para 2010... 9 1 das Regiões

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional

Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional João Crisóstomo Pereira Borges Universidade de Coimbra - Faculdade de Medicina ARS de Centro, IP Especialista em Saúde Pública e em Medicina do Trabalho

Leia mais

Envelhecimento da população realidade portuguesa. Unidade de Neurologia Vânia Almeida

Envelhecimento da população realidade portuguesa. Unidade de Neurologia Vânia Almeida Envelhecimento da população realidade portuguesa Unidade de Neurologia Vânia Almeida 21 de Setembro de 2015 Sumário Definição de Demência Incidência Global de Demência Prevalência Global de Demência Realidade

Leia mais

Planificação anual de Saúde- 10ºano

Planificação anual de Saúde- 10ºano CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Turmas: 10ºI Professora: Ana Margarida Vargues Planificação anual de Saúde- 10ºano 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Saúde do Curso

Leia mais

A INTERVENÇÃO DAS ACTIVIDADES ARTÍSTICAS NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE CRIANÇAS COM CANCRO

A INTERVENÇÃO DAS ACTIVIDADES ARTÍSTICAS NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE CRIANÇAS COM CANCRO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO ÍNDICE A INTERVENÇÃO DAS ACTIVIDADES ARTÍSTICAS NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE CRIANÇAS COM CANCRO Denise Martins Rocha 1 Graça Simões

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09)

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09) R.N.C.C.I. Execução física até 31/12/2008 Capacidade da Rede Tipologia 2007 2008 Taxa Cresc. Convalescença 403 530 32,00% Média Duração e Reabilitação 646 922 43,00% Longa Duração e Manutenção 684 1325

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

1 - Estrutura e Finalidades da disciplina

1 - Estrutura e Finalidades da disciplina CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de SAÚDE 10º ano 014/015 Turma K Professora: Maria de Fátima Martinho. 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Saúde

Leia mais

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P NÍVEIS DE PREVENÇÃO Conceito e Relação com as Funções do Médico de Saúde PúblicaP Ana Catarina Peixoto R. Meireles Médica Interna de Saúde Pública P Unidade Operativa de Saúde Pública P de Braga Reunião

Leia mais

XIX JORNADAS DE CARDIOLOGIA DE SANTARÉM

XIX JORNADAS DE CARDIOLOGIA DE SANTARÉM XIX JORNADAS DE CARDIOLOGIA DE SANTARÉM ESCALA DE AUTO-CUIDADO PARA A PESSOA COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA C. Marques, E. Rebola, M. Lopes, T. Pequito Porquê? A IC constitui-se como um grande problema de

Leia mais

das Doenças Cérebro Cardiovasculares

das Doenças Cérebro Cardiovasculares Programa Regional de Prevenção e Controlo das Doenças Cérebro Cardiovasculares Índice Siglas e Acrónimos... 2 1. Contextualização... 3 2. População Alvo... 3 3. Objectivos... 4 4. Indicadores para Avaliação

Leia mais

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Memorias Convención Internacional de Salud. Cuba Salud 15 ISBN 78-5-1-63-4 ID:177 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Andrade Rios, Marcela; Rodrigues

Leia mais

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Este guia tem como objetivo fornecer aos Utentes, desta unidade, informações sobre os serviços disponíveis, para que os possam utilizar de forma equilibrada e racional.

Leia mais

Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência

Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência Angela Valença médica Neurologista Este tema é muito actual. A situação de dependência não é exclusiva de pessoas idosas mas o

Leia mais

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Área de Formação: 762. Trabalho Social e Orientação O Técnico Auxiliar de Geriatria é o profissional com múltiplas competências para poder desempenhar as suas funções

Leia mais

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S).

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho Público-Alvo Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). OBJECTIVOS Formação direccionada para cumprimento da legislação em matéria de higiene,

Leia mais

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL Regulamento EMAS (EC Nº. 761/2001) A organização deve estabelecer e manter um ou mais procedimento para identificar os aspectos ambientais das suas actividades, produtos

Leia mais

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 *

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Maria Elizete Gonçalves Alexandar de Brito Barbosa Palavras-chave: mortalidade;

Leia mais

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA SERVIÇO DE MEDICINA PALIATIVA (HOSPITAL DO FUNDÃO) DE REGULAMENTO 1. DEFINIÇÃO O (SMP) do Centro Hospitalar da Cova da Beira SA, sediado no Hospital do Fundão, desenvolve

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE A AR E A DM TIPO II. Agenda: 1. INTRODUÇÃO 2. OBJECTIVOS 3. METODOLOGIA 4. PLANIFICAÇÃO DO PROJECTO

AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE A AR E A DM TIPO II. Agenda: 1. INTRODUÇÃO 2. OBJECTIVOS 3. METODOLOGIA 4. PLANIFICAÇÃO DO PROJECTO AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE A ARTRITE REUMATÓIDE E A DIABETES MELLITUS TIPO 2 Análise da Base de Dados de Doenças Reumáticas Norte-Americana National Data Bank for Rheumatic Diseases PROJECTO DE TESE

Leia mais

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

O SERVIÇO DE ENGENHARIA SANITÁRIA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE

O SERVIÇO DE ENGENHARIA SANITÁRIA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE O SERVIÇO DE ENGENHARIA SANITÁRIA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE 1. INTRODUÇÃO Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o conceito Saúde e Ambiente abarca as consequências para a saúde, das interacções entre

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS ÍNDICE Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais Preâmbulo...05 Artigo 1.º - Objecto...07 Artigo 2.º - Finalidades...07 Artigo 3.º - Conceitos...08 Artigo 4.º - Domínios das

Leia mais

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA Universidade do Minho 2007 Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA RIA Fernando Costa Silva UOSP - Braga Definição Monitorizar Sistema dinâmico que permite

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

III CONGRESSO DE TRAUMA DO VALE DO PARAÍBA

III CONGRESSO DE TRAUMA DO VALE DO PARAÍBA TRAUMA 2010 III CONGRESSO DE TRAUMA DO VALE DO PARAÍBA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS TRAUMA FAST TRACK ORGANIZAÇÃO DOS CUIDADOS HOSPITALARES URGENTES AO DOENTE TRAUMATIZADO - UMA VIA VERDE PARA O TRAUMA Carlos Mesquita

Leia mais

Projecto de Lei nº 501/X

Projecto de Lei nº 501/X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 501/X Altera a portaria n.º 1474/2004, de 21 de Dezembro, no que concerne ao escalão de comparticipação dos medicamentos destinados às pessoas que sofrem de Doença

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 86/X/1 CONSAGRA A INTEGRAÇÃO DA MEDICINA DENTÁRIA NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE E A CARREIRA DOS MÉDICOS DENTISTAS

PROJECTO DE LEI N.º 86/X/1 CONSAGRA A INTEGRAÇÃO DA MEDICINA DENTÁRIA NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE E A CARREIRA DOS MÉDICOS DENTISTAS PROJECTO DE LEI N.º 86/X/1 CONSAGRA A INTEGRAÇÃO DA MEDICINA DENTÁRIA NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE E A CARREIRA DOS MÉDICOS DENTISTAS Exposição de motivos O presente projecto de lei consagra a integração

Leia mais

INTERNATO MÉDICO ANO COMUM

INTERNATO MÉDICO ANO COMUM Coordenação do Internato Médico de Medicina Geral e Familiar Coordenação do Internato Médico de Saúde Pública INTERNATO MÉDICO ANO COMUM OPERACIONALIZAÇÃO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO BLOCO FORMATIVO EM

Leia mais

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM Paula Bogalho S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Hosp. Curry Cabral, Lisboa, 20.2.2010 Diabetes Crescimento nos países em desenvolvimento Diabetes

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE E ESTATÍSTICAS VITAIS I. Epidemiologia 2

INDICADORES DE SAÚDE E ESTATÍSTICAS VITAIS I. Epidemiologia 2 INDICADORES DE SAÚDE E ESTATÍSTICAS VITAIS I Epidemiologia 2 Fórmulas, conceitos notícias de EPI2 Acesse do seu celular, tablet ou computador Indicadores de saúde São medidas que descrevem as características

Leia mais

Programa de Formação do Internato Complementar de Medicina Interna aprovado pelo Colégio

Programa de Formação do Internato Complementar de Medicina Interna aprovado pelo Colégio Programa de Formação do Internato Complementar de Medicina Interna aprovado pelo Colégio 1 Duração do internato 60 meses. 2 Definição e âmbito: 2.1 A Medicina Interna ocupa-se da prevenção, diagnóstico

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 ÁREA DE ACTIVIDADE - SAÚDE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS)

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis PORTO

Leia mais

2009/2010 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DE ANESTESIA

2009/2010 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DE ANESTESIA 2009/2010 COMISSÃO CIENTÍFICA Celínia Antunes Cristina Baião Fernanda Príncipe Henrique Dias Jorge Coelho José Alberto Martins José David Ferreira Marcos Pacheco Nuno Tavares Lopes Paulo Amorim Paulo Figueiredo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

Tem dores? Vamos agir juntos! Gerir a dor é a nossa prioridade

Tem dores? Vamos agir juntos! Gerir a dor é a nossa prioridade Tem dores? Vamos agir juntos! Gerir a dor é a nossa prioridade Introdução Sabia isto? Estudos realizados demonstram que uma boa gestão da dor diminui as complicações da operação e favorece a recuperação.

Leia mais

A SAÚDE DOS PORTUGUESES

A SAÚDE DOS PORTUGUESES A SAÚDE DOS PORTUGUESES A Saúde dos Portugueses A propósito do DIA DO DOENTE, a Direção-Geral da Saúde publica dados sumários sobre a SAÚDE DOS PORTUGUESES. Em termos de evolução 2008-2014 1, o quadro

Leia mais

A LUTA CONTRA A TB, UMA ABORDAGEM HOLÍSTICA PARA UM COMBATE GLOBAL

A LUTA CONTRA A TB, UMA ABORDAGEM HOLÍSTICA PARA UM COMBATE GLOBAL A LUTA CONTRA A TB, UMA ABORDAGEM HOLÍSTICA PARA UM COMBATE GLOBAL Maria Conceição Gomes, Pneumologista Coordenadora do CDP da Alameda Consultora da DGS Secretaria-Geral ANTDR, Perito ONDR Lisboa, 19 de

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo DEMOGRAFIA População Total 15.690 População por Gênero Masculino 8.314 Participação % 52,99 Feminino 7.376

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves DEMOGRAFIA População Total 92.860 População por Gênero Masculino 47.788 Participação % 51,46 Feminino 45.072 Participação

Leia mais

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si A função da insulina é fazer com o que o açúcar entre nas células do nosso corpo, para depois poder

Leia mais

MEXA SE PELA SUA SAÚDE

MEXA SE PELA SUA SAÚDE MEXA SE PELA SUA SAÚDE No dia 8 de Setembro comemora-se o Dia Mundial da Fisioterapia. i i Este dia foi instituído pela Confederação Mundial de Fisioterapia (WCPT), organização que representa mais de 300

Leia mais

ALTERAÇÃO. Data EXCLUSÃO. Data CLIENTE / TOMADOR DE SEGURO. Nome: Plano (s): N.º Apólice

ALTERAÇÃO. Data EXCLUSÃO. Data CLIENTE / TOMADOR DE SEGURO. Nome: Plano (s): N.º Apólice DECLARAÇÃO INDIVIDUAL DATA DE ENTRADA SEGURO DE SAÚDE INCLUSÃO da Aprovação Visto ALTERAÇÃO EXCLUSÃO CLIENTE / TOMADOR DE SEGURO : Plano (s): Apólice PARTICIPANTE Pessoa Segura 1 ( PS1 ) Preencher apenas

Leia mais

vivem cada vez mais tempo,

vivem cada vez mais tempo, Portuguesas vivem cada vez mais tempo, mas com menos saúde Têm uma esperança de vida que é das maiores do mundo, mas desfrutam de muito menos anos saudáveis do que as mulheres dos países mais bem classificados

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo de Biologia e Geologia. Escola Secundária de Valongo. As Professoras:

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo de Biologia e Geologia. Escola Secundária de Valongo. As Professoras: Escola Secundária de Valongo Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo de Biologia e Geologia As Professoras: Cláudia Rocha Fátima Garcia Tema Organizador: Viver Melhor na Terra 1º PERÍODO

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará DEMOGRAFIA População Total 7.475 População por Gênero Masculino 3.879 Participação % 51,89 Feminino

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Marabá DEMOGRAFIA População Total 233.669 População por Gênero Masculino 118.196 Participação % 50,58 Feminino 115.473

Leia mais

Promoção da saúde e Serviços de Saúde 21º Encontro Nacional da APPSP

Promoção da saúde e Serviços de Saúde 21º Encontro Nacional da APPSP Promoção da saúde e Serviços de Saúde 21º Encontro Nacional da APPSP Departamento de Saúde Pública/ARS Centro ENSP Lisboa 7/12/2012 1 Declaração de Alma-Ata (1978) OMS lançou o movimento em 1977 Estratégias

Leia mais

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra DEMOGRAFIA População Total 20.183 População por Gênero Masculino 10.292 Participação % 50,99 Feminino 9.891

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba DEMOGRAFIA População Total 97.493 População por Gênero Masculino 49.681 Participação % 50,96 Feminino 47.812

Leia mais

Gripe e os Estudantes da área da Saúde Estudo de crenças e comportamentos face à doença

Gripe e os Estudantes da área da Saúde Estudo de crenças e comportamentos face à doença Gripe e os Estudantes da área da Saúde Estudo de crenças e comportamentos face à doença Autores André Coelho Ana Margarida Costa João Dias Pedro Teresa Guimarães Escola Superior de Tecnologia da Saúde

Leia mais

C O M P E T Ê N C I A S A D E S E N V O L V E R :

C O M P E T Ê N C I A S A D E S E N V O L V E R : AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA ANO LETIVO 2015-2016 CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE DISCIPLINA: HIGIENE, SEGURANÇA E CUIDADOS GERAIS 11º ANO TURMA F DOCENTE:

Leia mais

Plano Regional de Saúde 2009-2012 Região Autónoma dos Açores

Plano Regional de Saúde 2009-2012 Região Autónoma dos Açores Plano Regional de Saúde 2009-2012 Região Autónoma dos Açores Índice Lista de Quadros e Gráficos... 2 Siglas e Acrónimos... 8 Nota Introdutória... 9 Capítulo I... 11 Estado de Saúde dos Açorianos: Potencial

Leia mais

ACES Vale Sousa Sul. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar

ACES Vale Sousa Sul. Perfil Local de Saúde 2009. Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 Modelos de Serviços de Saúde Ocupacional existentes. A Convenção

Leia mais

Folha Informativa nº 121

Folha Informativa nº 121 Folha Informativa nº 121 VISITA À FUNDAÇÃO CHAMPALIMAUD A AACDN organizou, no passado dia 14 de Junho, mais uma visita Cultural à Fundação Champalimaud. Chegámos à hora marcada: 15H00. Fomos recebidos

Leia mais

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 Percentual de NV filhos de mães adolescentes. Belo Horizonte, 1996-2002.

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS DIAGNÓSTICO SÓCIOAMBIENTAL E MONITORIZAÇÃO DA DOENÇA DIARREICA AGUDA EM MORADORES DE UMA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CAMPO GRANDE/MS RESUMO: Sabrina Piacentini O presente trabalho

Leia mais

MORBILIDADE HOSPITALAR

MORBILIDADE HOSPITALAR MORBILIDADE HOSPITALAR SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE 2006 DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA Outubro de 2008 Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direcção de Epidemiologia e Estatísticas de Saúde. Divisão de Estatísticas

Leia mais

Projecto de Lei nº 504/X

Projecto de Lei nº 504/X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 504/X Criação de um esquema de protecção social, em condições especiais, a atribuir às pessoas que sofrem de Doença de Parkinson (DP) Exposição de motivos A Doença

Leia mais

RE-INTEGRATE Consulta aos Empregadores PORTUGAL

RE-INTEGRATE Consulta aos Empregadores PORTUGAL RE-INTEGRATE Consulta aos Empregadores PORTUGAL Retorno ao Trabalho Ambiente Integrado de e-learning Projecto Leonardo: 2007 a 2009 Objectivo da Sessão Recolher opiniões sobre website e ferramentas de

Leia mais

A Gestão dos Recursos Humanos em Saúde:Situação e Perspectivas (*)

A Gestão dos Recursos Humanos em Saúde:Situação e Perspectivas (*) A Gestão dos Recursos Humanos em Saúde:Situação e Perspectivas (*) Covilhã, 18 de Maio de 2007 (*) Manuel Delgado 1 AGENDA I Breve Caracterização dos Recursos Humanos da Saúde II As Despesas com Pessoal

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

MONITORIA - 2012 PONTOS PARA A PROVA

MONITORIA - 2012 PONTOS PARA A PROVA MONITORIA - 2012 PONTOS PARA A PROVA OTORRINOLARINGOLOGIA Otites Exames Audiológicos Labirintopatias Rinossinusites Doenças da Faringe Hipertrofia Tonsilar Larinites ÉTICA E RELAÇÕES PSICOSSOCIAIS I, II

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

Direção geral. Tem dores? Vamos agir juntos!

Direção geral. Tem dores? Vamos agir juntos! Direção geral Tem dores? Vamos agir juntos! Tem dores? Tem receio de sofrer por causa duma intervenção cirúrgica ou de um exame? Um dos seus familiares está preocupado com este problema? Este folheto informa-o

Leia mais

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes I International Symposium on Patient Safety and Quality Segurança do Paciente: Cenário Nacional Walter Mendes O que é segurança do paciente? Um fenômeno mundial Índia Portugal EUA Brasil Uma das dimensões

Leia mais

HOSPITAL DA LUZ 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS

HOSPITAL DA LUZ 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS RADIOEMBOLIZAÇÃO 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS 1 RADIOEMBOLIZAÇÃO A radioembolização é uma radioterapia selectiva administrada por via intra-arterial

Leia mais

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA PROJECTO DE MELHORIA CONTÍNUA SABER CUIDAR UM DIREITO CANTANHEDE, Janeiro de 2011 HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

Leia mais

Perceção de valor das análises clínicas

Perceção de valor das análises clínicas Perceção de valor das análises clínicas Maio Abril 2013 OBJETIVOS DA INVESTIGAÇÃO» Grau de preocupação com os cuidados de saúde;» Hábitos/ comportamentos de procura de informação sobre saúde;» Hábitos

Leia mais

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe Saúde Informa Nº 2 Distrito Sanitário Centro DSCe Agosto/211 Apresentação Esta é a segunda edição do informativo do DSCe e o dedicamos a discussão das atividades de educação permanente, ao monitoramento

Leia mais

RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007

RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007 Estado de Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE HERVAL D OESTE RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007 CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E/OU PROVAS E TÍTULOS, PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO:

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: Diagnóstico e Classificação da Diabetes Mellitus Diabetes ; Diagnóstico Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde Departamento

Leia mais