Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 1 INTRODUÇÃO «Se não está seguro do local onde quer IR CORRE O RISCO de se encontrar EM OUTRO SÍTIO (e não se dar conta disso)» Campbell (1974) A eficácia de um programa educativo em ciências da saúde dependerá da sua adequação às necessidades da população ou ao tipo profissional que se quer formar. FALTA COMPLETAR O PROLOGO, PROCESSO de EA, a Introdução às necessidades.

2 2 TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES 2.1. Reunião de Especialistas Tratase da técnicas mais utilizada tradicionalmente. Baseiase na reunião de um grupo de pessoas, consideradas especialistas no tema, que definirão o que eles crêem que são as necessidades. Limitações: A opinião do grupo pode não coincidir com as necessidades reais. A opinião pode ser enviesadas por diversas circunstâncias ou crenças pessoais. Os especialistas adequados podem não ser os indicados.

3 Técnica de DELPHI (O. HELMER e N. RESCHNER (1959) On the Epistemology of the Inexact Sciences, Manag. Sci., 6, 25) Construída pela RAND Corporation, aplicada frequentemente na planificação de programas ou de curricula. ETAPAS: 1.º Criação de um Comité de Especialistas Identificam os temas a tratar durante o programa a realizar. 2.º Selecção de Pessoal colaborador ± 20, que estejam interessados no tema e sejam considerados especialistas em uma ou várias áreas do programa concreto a elaborar.

4 3.º Entrevista individual Oral ou escrita, ao grupo de pessoal colaborador com o objectivo de: Assinalar, dentro dos temas identificados pelo comité de especialistas, as áreas gerais necessárias para a prática satisfatória da profissão ou para cobrir as necessidades da população. OBJECTIVOS GERAIS Identificar aquelas competências requeridas para cobrir essas áreas gerais ou os conteúdos que se deverá incluir. OBJECTIVOS INTERMÉDIOS

5 Realizar um desdobramento das competências de forma operativa e específica OBJECTIVOS ESPECÍFICOS (O grupo comunicará as suas respostas de forma anónima) 4.º Compilar uma lista única com os resultados obtidos Enviar a lista ao comité de especialistas para que façam as modificações que considerem oportunas. 5.º A lista confeccionada voltará a ser enviada ao grupo colaborador Deverá fazerse uma lista mais reduzida.

6 6.º A lista volta ao comité de especialistas Para análise e assim sucessivamente. * O processo pode repetirse as vezes que se considere necessário até alcançar um consenso. Sug.: Cada membro pode indicar (15), na sua opinião, a importância de cada competência identificada. As competências ou problemas identificados servirão de base para a elaboração dos programas. A técnica de Delphi também se utiliza para identificar o tipo de profissional necessário ou as tarefas concretas que este tem que realizar ou os conteúdos que devem incluirse num programa.

7 EXEMLO: 1 Suponhamos que reunimos um Comité de TRÊS especialistas com o fim de determinar as necessidades de formação contínua de um grupo de enfermeiros generalistas. 2 Cada especialista elaborou uma lista com os problemas que considera mais habituais: Especialista 1 Politraumatizado Redução de fracturas Shock EAM Síndrome de abstinência Especialista 2 Queimaduras Feridas EAM Politraumatizado Shock Crise de asma Especialista 3 Asma EAM Shock Queimado grave Síndrome de abstinência

8 EXEMLO: 3 As listas distribuemse ao grupo colaborador que depura os temas e ordenaos segundo a sua importância: EAM Shock Politraumatizado Queimaduras Crise de Asma Síndroma de Abstinência

9 EXEMLO: 4 A lista é de novo enviada ao Comité de especialistas onde cada membro valoriza cada uma das opções de 5 a 1. Problemas n i n i n i N p EAM Shock Politraumatizado Queimaduras Crise de Asma Síndroma de abstinência ,93 0,73 0,86 0,80 0,73 0,46

10 EXEMLO: 5 Com os resultados confeccionase uma lista definitiva por ordem de importância: EAM Politraumatizado Queimaduras Schok Crise de Asma Síndroma de Abstinência

11 EXERCÍCIO: Aplicar a técnica de Delphi a um programa educativo (programa de formação contínua para pessoal de saúde, um curriculum de uma faculdade ou escola, uma disciplina concreta, ). Considere: (a) Responsável pela elaboração do programa REP; (b) Comité de especialistas CE; (c) Pessoal colaborador PC. 1.º Delimitar uma área (REP) Considerada de interesse para trabalho (e.g., sistema cardiocirculatório, problemas geriátricos, prevenção de acidentes, ) e as pessoas a que se dirige o programa (médicos, enfermeiros, AAM, estudantes, população em geral, grupo particular, )

12 ÁREA GrupoAlvo 2.º Elaborar uma lista COMITÉ DE ESPECIALISTAS com 10 opções, temas, necessidades, que considerem que devem incluirse no programa. 1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9: 10:

13 3.º Distribuir a lista ao GRUPO COLABORADOR para depuração e ordenação...

14 4.º CE: Valorizar cada item. Temas IMPORTÂNCIA

15 5.º CE: Valorizar cada item. Temas MEMBROS 2 3 TOTAL

16 5.º Com a pontuação obtida pode elaborarse uma lista definitiva por ordem de prioridades: 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º. O NÚMERO DE ÁREAS QUE SE PODEM COBRIR DEPENDERÁ DOS RECURSOS DISPONÍVEIS

17 2 TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES 2.2. Questionários de Opinião É umas das técnicas mais utilizadas em todo o mundo. Consiste em perguntar a opinião através de um questionário oral ou escrito Questionário: Resposta aberta Resposta fechada.

18 QUESTIONÁRIO DE RESPOSTA FECHADA 1 Quais dos seguintes problemas do idoso lhe parece que deveria incluir num programa de formação contínua para enfermeiros do Centro de Saúde? (Marque na coluna da esquerda se considera que deve incluirse, e em caso positivo, qualifique a sua importância de 3 a 1: 3 = muito importante; 2 = importante; 1 = pouco importante). SIM NÃO O idoso incapacitado 2 Demências senis 3 O idoso maltratado 4 Problemas respiratórios 5 Problemas cardiovasculares

19 QUESTIONÁRIO DE RESPOSTA ABERTA 1 Indique os problemas que o idoso apresenta que deveriam incluirse num programa de formação permanente dirigido a enfermeiros dos Centros de Saúde. Pode incluir uma valorização de3 a 1 para cada um deles, segundo a sua importância: 3 = muito importante; 2 = importante; 1 = pouco importante.

20 Os questionários devem ser dirigidos a: Pessoal a quem vai ser aplicado o programa (PúblicoAlvo) Especialistas em distintas áreas Utentes Em casa situação concreta é necessário determinar a QUEM se quer dirigir o questionário, dependendo dos resultados que se queiram obter e dos objectivos do mesmo. Utilizar sempre uma amostra que seja representativa.

21 EXERCÍCIO (tema anterior) 1 QUAL é o objectivo do questionário? 2 A QUE profissionais, ou pessoas, se dirige o programa educativo? 3 A QUEM se dirige o questionário? 4 Será de RESPOSTA ABERTA ou de RESPOSTA FECHADA? Porquê? 5 Incluemse ESCALAS DE VALORIZAÇÃO? Porquê? 6 Se utilizam escalas de valorização, QUAL utiliza? QUE componentes terá?

22 EXERCÍCIO (tema anterior) 7 Escreva algumas perguntas que incluirá o questionário A C E G B D F H

23 2 TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES 2.3. Análise de Tarefas D. C. MCCLELLAND (1976) A Guide to Job Competency Assessment, Boston, McBer Co. Baseiase na OBSERVAÇÃO sistemática e atenta da actuação numa área concreta de uma amostra representativa da população (profissionais, população em geral, etc.). O investigador regista a actuação da amostra estudada e mediante a comparação de listas obtidas determina as funções básicas. Quando melhor seleccionada seja a amostra, mais adequada será a lista confeccionada.

24 EXEMPLO Observamos a toma do pulso jugular realizado por 10 pessoas num hospital. Sete delas colocam o paciente em decúbito supino com um ângulo de 45º. Uma delas colocou o paciente em decúbito supino completo. Determinamos que para medir o pulso venoso jugular o paciente deve estar colocado em ângulo de 45.º Observamos a toma da pressão arterial realizada por 5 pessoas. Comprovamos que 4 delas colocam o centro da braçadeira sobre a artéria braquial e uma a coloca lateralizado. Chegamos à conclusão de que o centro da braçadeira deve ser colocada sobre a artéria. Se as 5 pessoas insuflam a braçadeira até uma pressão de 160 mmhg, concluiremos que a braçadeira deve ser insuflada até 160 mm Hg

25 A análise da tarefas SERVE UNICAMENTE para delimitar as acções concretas que o profissional tem de realizar, e não o porquê das mesmas.

26 2 TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES 2.4. Análise de Incidentes Críticos J. C. FLANAGAN (1954) The Critical Incident Thechniques, Psychol. Bull, 5, 327. A.I.R. AMERICAN INSTITUTE FOR RESEARCH (1960) Classification of Critical Incidents InterResident Performance, Pittsburg. J. M. BLUM e R. FITZPATRICK (1965) Critical Performance Requirements for Orthopedic Surgery, Chicago, Chigaco University of Illinois College of Medicine. Consiste em recolher dados que caracterizam a eficácia ou ineficácia do exercício profissional.

27 INCIDENTE: Actividade observável suficientemente completa que permite deduzir a priori os efeitos da acção. Para recolher estes dados perguntase a indivíduos qualificados por aqueles incidentes que lhes ocorreram a eles, ou que observaram em outras pessoas, que podem reflectir uma boa ou má prática. Permite obter um conjunto de linhas mestras que se possam utilizar como base para a construção de um programa. Ênfase naquelas actividades que conduzem a uma boa prática e corrigindo as que levam a uma má prática.

28 PERGUNTA (a dois médicos): Poderia relatar algum caso no qual a sua atitude como profissional sanitário influenciou decididamente (em sentido positivo ou negativo) no resultado final do mesmo? «Há alguns dias fui solicitado para atender uma Senhora de 60 anos que apresentava uma dor abdominal há cerca de 4 horas, e cujo estado geral se deteriorava progressivamente. A primeira impressão que me deu, pela exploração e pela anamnese, foi a de um abdómen agudo, pelo que a remeti para um centro hospitalar. O diagnóstico foi de pancreatite aguda, estando 15 dias internada. Preferi não dar analgésicos, nem nada parecido, para não mascarar o quadro e perder umas horas preciosas».

29 «O outro dia acompanhei um doente da minha aldeia ao hospital distrital para que lhe realizassem análises sanguíneas e umas radiografias ao tórax. O doente, que nunca tinha saído da sua aldeia, não se atrevia a ir sozinho ao hospital. O facto de o ter acompanhado significou, também que fora atendido com mais rapidez no hospital. TIPOS DE FORMAS DE ANÁLISE DE IC Análise sobre a actuação profissional (McClelland, 1976) Estudo de erros na prática *

30 A análise sobre a actuação profissional consiste em obter informação de um conjunto de profissionais, considerados entre OS MELHORES, acerca das situações críticas que lhes surgiram durante o exercício da sua profissão, e como as solucionaram. LISTA DE SITUAÇÕES E DE ACTUAÇÕES O estudo dos erros na prática consiste em analisar os erros que se produzem na actuação profissional. PAPEL EPISTEMOLÓGICO DO ERRO

31 Análise de Incidentes Críticos vs. Técnica de Actuação Profissional A análise fazse com base em registos de actuação, e não em apreciações pessoais. Pode realizarse, ainda, através de um questionário anónimo dirigido aos profissionais (ou mediante um questionário dirigido aos utentes).

32 Identificar deficiências (Programas, Curricula) Perguntar aos licenciados, ou formandos, que tenham frequentado o programa, entre 6 MESES1 ANO depois da realização do mesmo, que indiquem aquelas áreas em que elas considerem que o curriculum tenha sido deficiente, e aquelas que não são úteis para o exercício profissional. Rectificar os curricula * A identificação dos erros permite desenhar estratégias que possam corrigilos, sobretudo quando estes são devidos a defeitos de formação e não a negligência.

33 EXERCÍCIO Procure escrever TRÊS INCIDENTES CRÍTICOS que tenham ocorrido durante o seu exercício profissional: Discutaos com os seus colegas de grupo.

34 EXERCÍCIO Procure recordar TRÊS ou QUATRO situações nas quais se sentiu inseguro devido a uma deficiente formação durante a sua carreira Discutaos com os seus colegas de grupo.

35 2 TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES 2.5. Estudos Epidemiológicos A. Ahlbom e S. Norell (1988) Fundamentos de EpidemiologÍa, Madrid, Siglo Veintiuno. E. G. Knox (1981) La Epidemiología en la Planificación de la Atención a la Salud, Madrid, Siglo Veintino. Uma das formas mais adequadas para definir necessidades num plano de cuidados de saúde ou campanha sanitária e, por conseguinte, o PLANO DE ACTIVIDADES EDUCATIVAS.

36 Análise da Mortalidade Análise da Morbilidade de uma determinada área (O programa de doenças infecciosas e parasitárias desenhado para os países como o Brasil ou a Índia não pode ser igual ao que se desenvolve para a Suécia ou para Portugal)

37 MORTALIDADE Informa acerca das doenças mortais. Não proporciona informação sobre os indivíduos doentes ou sobre a importância das doenças que não conduzem necessariamente à morte (Pineault e Daveluy, 1989) Indicadores demográficos (2003/2004) Taxa de crescimento efectivo: 0,5% (0,0% no Alentejo) Taxa de mortalidade: 9,7% (13% no Alentejo) Taxa de natalidade: 10,4% (9,2% no Alentejo) Taxa de mortalidade infantil: 3,8% (3,4% no Alentejo) Esperança média de vida: 77,79 ( 80,98; 74,53) INE (2005)

38 Principais causas de morte (2003) Doenças do aparelho circulatório: 37,6% Tumores (neoplasias): 21,3% Sinais, sintomas e resultados anormais de exames clínicos de laboratório não classificados em outra parte: 10% Doenças do sistema respiratório: 8,8% Doenças endócrinas nutricionais e metabólicas: 4,8% Doenças do sistema digestivo: 4,2% Causas externas de mortalidade: 5,2% INE (2005)

39 FROM THE HEART Adelphi International Research and AstraZeneca Leif Erhardt (Univ. Lund) et al. Paris, 12 de Outubro de 2005 S. Rodrigues (2005, 15 de Outubro) Portugueses são os que mais ignoram risco das doenças cardiovasculares, Público, (XVI), p. 25. * Estudo que envolveu 10 países (Bélgica, Brasil, Coreia do Sul, Dinamarca, Finlândia, França, México, Portugal, Reino Unido, Singapura) pacientes 750 médicos de família

40 FROM THE HEART 60% dos pacientes desconhecem que as doenças cardiovasculares são a primeira causa de morte nos países desenvolvidos. 66% dos pacientes portugueses com níveis elevados de colesterol desconhecem que as doenças cardiovasculares são a primeira causa de morte nos países desenvolvidos. 44% dos finlandeses 47% dos ingleses 46% dos pacientes acredita que o cancro é o mais mortal. 56% dos pacientes receia mais vir a sofrer de doença oncológica do que o EAM ou um AVC.

41 FROM THE HEART 29% dos pacientes (29% em Portugal) teme ter um EAM ou um AVC. 40% dos pacientes nunca ouviram falar em «bom» (LDL) ou «mau» (HDL) colesterol. 19% dos pacientes (24% em Portugal) não é capaz de identificar problemas de saúde relacionados com colesterol elevado. 33% dos pacientes não está preocupado com colesterol em excesso. 51% dos pacientes ignora o nível de colesterol do seu sangue.

42 FROM THE HEART 82% dos pacientes revela elevados níveis de satisfação com o tratamento que recebem para o colesterol. As doenças cardiovasculares provocam a morte de 17 milhões de pessoas por ano (OMS) Barreiras em torno do tratamento do colesterol Necessidade de tomar diariamente estatinas (pouco comparticipação em alguns países) Cultural (o doente tem o direito de perguntar mais, e o médico de responder com termos adequados)

43 MORBILIDADE Proporciona informação sobre a presença de doenças num indivíduo ou numa população: Taxa de incidência: reflecte os casos novos que surgem numa doença (Relação entre o n.º de novos casos durante um determinado período e a população exposta) Taxa de prevalência: indica a presença de uma doença e inclui todos os casos. (Relação entre o n.º de casos de uma doença num determinado período e a população em estudo)

44 INCIDÊNCIA Usase para doenças de curta duração ou para estudos etiológicos. PREVALÊNCIA Considerase como o peso da morbilidade sobre a qual há que intervir. Varia em função da incidência e da duração. Se elevada INCIDÊNCIA ELEVADA LONGA EVOLUÇÃO

45 2 TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES 2.5. Determinação de Prioridades Não é somente importante a determinação de necessidades, mas também a determinação das prioridades de actuação. Grelha de análise Método de Hanlon Sistema de variáveis pareadas. Sistema de comparação entre os distintos problemas através da utilização de certos parâmetros ou critérios: A importância do problema A capacidade de intervenção As possibilidades de actuação

46 As prioridades de actuação estão condicionadas por VALORES SOCIAIS, AMBIENTAIS, ECONÓMICOS, e de ORGANIZA ÇÃO Grelha de Análise R. Pineault e D. Daveluy (1989) La Planificación Sanitaria, Barcelona, Masson. Quatro elementos A Importância do problema B Relação entre factores de risco e o problema C Capacidade técnica de resolução D Factibilidade da intervenção ou do programa

47 Em cada elemento assinalamos VALORES POSITIVOS, VALO RES NEGATIVOS ou VALORES PONDERADOS para casa uma das doenças e dos elementos a considerar. O coeficiente de ponderação de cada um deles varia fortemente de uma população para outra.

48 Suponhamos que temos TRÊS doenças: Cancro do Pulmão, Cancro do Colo Uterino, e Cárie Dentária. OBJECTIVO: Determinar as prioridades. Identificar FACTORES POSITIVOS () ou FACTORES NEGATIVOS () de cada uma delas. A B C D Cancro do pulmão a nível primário Cancro do colo uterino a nível primário Cárie dentária a nível primário

49 A B C D 1.º C. pulmão C. pulmão C. pulmão 2.º 1.º Cancro do pulmão Cancro do útero Cárie dentária Problema C. pulmão C. útero Cárie Cárie C. útero Cárie 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 2.º A selecção de (importante) e (pouco importante) nos quatro factores determinantes dános a ordem de prioridade. C. útero 12.º 3.º C. útero Cárie 13.º 14.º 15.º 16.º

50 EXERCÍCIO 1 Liste os três problemas mais importantes identificados na actividade que envolveu o método de Delphi

51 A B C D 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º Problema 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º

52 Método de Hanlon J. J. Hanlon e G. E: Pickett (1984) Public Health Administration and Practice, J. Dent. Educ., 41, 239. Quatro componentes A Magnitude do problema B Severidade do problema C Eficácia da solução D Factibilidade do programa de intervenção MH = (AB)(CxD)

53 MAGNITUDE DO PROBLEMA: Número de pessoas afectadas em relação à população total. Por cada habitantes < 5 Pontuação

54 SEVERIDADE DO PROBLEMA: Difícil de definir devido às variáveis: sanitárias, sociais, administrativas, mortalidade, incapacidade temporária ou permanente, dias de trabalho perdido, incómodo para o sujeito e para a comunidade, custos associados, evolução. Decidir em função dos dados que se tem e atribuir um valor de 110 para cada uma das situações valorizadas, calculando depois a médias das pontuações obtidas.

55 EFICÁCIA DA SOLUÇÃO: Depende da existência de recursos e tecnologia disponíveis. Pontuar os problemas: Difíceis de solucionar: 0,5 De duvidosa solução: 1 De possível resolubilidade: 1,5 (Aumentase, mantémse ou diminuise a componente A B)

56 FACTIBILIDADEDA INTERVENÇÃO PERLA (PEARL) P Pertinência E Factibilidade económica R Recursos disponíveis L Legalidade A Aceitabilidade Escala: SIM = 1; NÃO = 0.

57 EXERCÍCIO A Cancro do pulmão: 4 Cancro do colo do útero: 2 Cárie dentária: 8 B Factores Mortalidade Incapacidade Custo laboral Custo sanitário Propagação Afectação familiar Total Média CP ,6 PONTUAÇÃO CCU Cárie ,8

58 EXERCÍCIO C Eficácia da Solução Cancro do pulmão: 0,5 Cancro do colo do útero: 1,5 Cárie dentária: 1 D Factores Pertinência Factibilidade económica Recursos Legalidade Aceitabilidade CP PONTUAÇÃO CCU Cárie

59 EXERCÍCIO Resultado Problemas A B C D (AB)(CxD) Cancro do pulmão Cancro do Útero Cárie dentária ,6 3 0,8 0,5 1, ,3 7,5 8,8 A eficácia da solução é a que determina o resultado final, independentemente da magnitude ou da severidade do problema.

60 Variáveis Pareadas Para determinar a importância de um problema ou seleccionar entre as várias opções. EXEMPLO Queimaduras, EAM, Politraumatizado, Schok, Embolia cerebral Queimaduras EAM X Politrauma X EAM X Politrauma Schok

61 Queimaduras EAM X Politrauma X Politrauma X Schok Embolia cerebral Queimaduras EAM X Schok X Schok X Embolia Embolia cerebral Queimaduras Embolia cerebral X

62 Ordenar segundo o número de vezes escolhido. Queimaduras EAM Politraumatizado Schock Embolia cerebral Por ordem: EAM, Politrauma, Embolia, Schock, Queimaduras.

63 EXERCÍCIO 1 Recordar os 5 temas que foram prioridade ao aplicar a técnica de Delphi

64 2 Emparelhar e marcar os que considera de maior importância

65 3 Somar as vezes que cada um dos temas foi considerado como importante: 1: 2: 3: 4: 5: 4 Confrontar os resultados com os obtidos com a técnica de Delphi.

66 OBJECTIVOS Neste momento o formando deverá ser capaz de: Seleccionar a técnica de identificação de necessidades mais adequada para os seus fins; Aplicar uma técnica de Delphi; Produzir um questionário de opinião; Realizar uma análise epidemiológica.

Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses

Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses Managing Director _ Executive Researcher_ António Gomes [antonio.gomes@gfk.com] João Costa [joao.costa@gfk.com] Contexto O estudo foi desenvolvido no âmbito do

Leia mais

Assistência Médica e Saúde

Assistência Médica e Saúde Assistência Médica e Saúde O Governo da RAEM define e prossegue as linhas de acção governativa de Tratamento seguro e adequado com prioridade para a prevenção em correspondência à directriz de elevar a

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional

Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional Exposição ao Amianto Problemática em Saúde Ocupacional João Crisóstomo Pereira Borges Universidade de Coimbra - Faculdade de Medicina ARS de Centro, IP Especialista em Saúde Pública e em Medicina do Trabalho

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL 1. ENVELHECIMENTO ACTIVO A Organização Mundial da Saúde e a Comissão da União Europeia consideram de grande importância todas as medidas, políticas e práticas, que contribuam para

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Dia Mundial da diabetes 14 de novembro 1983-2013 EMBARGO ATTÉ 13 DE NOVEMBRO DE 2014,, ÀS 11 HORAS Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Em 2013, as doenças endócrinas,

Leia mais

Cefaleia Cefaleia tipo tensão tipo tensão

Cefaleia Cefaleia tipo tensão tipo tensão Cefaleia tipo tensão Cefaleia tipo tensão O que é a cefaleia tipo tensão? Tenho dores de cabeça que duram vários dias de cada vez e sinto-me como se estivesse a usar um chapéu muito apertado - mais como

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Programa da Diabetes das FAA

Programa da Diabetes das FAA Programa da Diabetes das FAA Sabrina Coelho da Cruz Diabetologista do Hospital Militar Principal/Instituto Superior Coordenadora da Comissão da Diabetes do HMP/IS Coordenadora do Programa da Diabetes nas

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva Vigilância Epidemiológica Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva EPIDEMIOLOGIA Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos condicionantes e determinantes dos estados ou eventos

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

das Doenças Cérebro Cardiovasculares

das Doenças Cérebro Cardiovasculares Programa Regional de Prevenção e Controlo das Doenças Cérebro Cardiovasculares Índice Siglas e Acrónimos... 2 1. Contextualização... 3 2. População Alvo... 3 3. Objectivos... 4 4. Indicadores para Avaliação

Leia mais

Estudos de Coorte: Definição

Estudos de Coorte: Definição Estudos de Coorte: Definição São estudos observacionais onde os indivíduos são classificados (ou selecionados) segundo o status de exposição, sendo seguidos para avaliar a incidência de doença. São conduzidos

Leia mais

Perceção de valor das análises clínicas

Perceção de valor das análises clínicas Perceção de valor das análises clínicas Maio Abril 2013 OBJETIVOS DA INVESTIGAÇÃO» Grau de preocupação com os cuidados de saúde;» Hábitos/ comportamentos de procura de informação sobre saúde;» Hábitos

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P NÍVEIS DE PREVENÇÃO Conceito e Relação com as Funções do Médico de Saúde PúblicaP Ana Catarina Peixoto R. Meireles Médica Interna de Saúde Pública P Unidade Operativa de Saúde Pública P de Braga Reunião

Leia mais

REGuLAMENTO DE RECRuTAMENTO, SELECçãO E CONTRATAçãO DE FORMADORES

REGuLAMENTO DE RECRuTAMENTO, SELECçãO E CONTRATAçãO DE FORMADORES REGuLAMENTO DE RECRuTAMENTO, SELECçãO E CONTRATAçãO DE FORMADORES Regulamento n.º 743/2010 OA (2.ª série), de 19 de Julho de 2010 / Conselho Geral da Ordem dos Advogados - Regulamento de Recrutamento,

Leia mais

A INTERVENÇÃO DAS ACTIVIDADES ARTÍSTICAS NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE CRIANÇAS COM CANCRO

A INTERVENÇÃO DAS ACTIVIDADES ARTÍSTICAS NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE CRIANÇAS COM CANCRO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO ÍNDICE A INTERVENÇÃO DAS ACTIVIDADES ARTÍSTICAS NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE CRIANÇAS COM CANCRO Denise Martins Rocha 1 Graça Simões

Leia mais

Rede de Teleassistência de Minas Gerais. Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG

Rede de Teleassistência de Minas Gerais. Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG Rede de Teleassistência de Minas Gerais Antonio Ribeiro Hospital das Clínicas da UFMG Outubro de 2014 até Setembro/2014 Número de akvidades 50.000 45.000 ECGs (821 pontos) e Teleconsultorias online e

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

Worldwide Charter for Action on Eating Disorders

Worldwide Charter for Action on Eating Disorders Worldwide Charter for Action on Eating Disorders - CARTA MUNDIAL DE ACÇÃO PARA AS PARTURBAÇÕES ALIMENTARES- DIREITOS E EXPECTATIVAS PARA PESSOAS COM PERTURBAÇÕES ALIMENTARES E AS SUAS FAMÍLIAS PREÂMBULO

Leia mais

- Critérios- 1. Introdução. 2. Procedimentos da Prova de Discussão Curricular

- Critérios- 1. Introdução. 2. Procedimentos da Prova de Discussão Curricular Avaliação Final do Internato Médico de Medicina Geral e Familiar - Critérios- 1. Introdução O presente documento tem como finalidade dotar os júris constituídos para a Avaliação Final do Internato Médico

Leia mais

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Perspectivas da OCDE www.oecd.org/edu/evaluationpolicy Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Seminário, Lisboa, 5 de Janeiro de 2015

Leia mais

NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE

NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE FICHA TÉCNICA NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal Tema 1 - Conhecimento de si próprio como Condutor; Tema 2 - Atitudes e Comportamentos

Leia mais

OPQ Perfi l OPQ. Relatório para as Vendas. Nome Sra. Exemplo 3

OPQ Perfi l OPQ. Relatório para as Vendas. Nome Sra. Exemplo 3 OPQ Perfi l OPQ Relatório para as Vendas Nome Sra. Exemplo 3 Data 28 Agosto 2014 www.ceb.shl.com www.transformece.com.br INTRODUÇÃO O Relatório para as Vendas da SHL ajuda a compreender a adequação potencial

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA III MESTRADO EM BIOÉTICA PROGRAMAS DE CUIDADOS CONTINUADOS: A DIGNIDADE HUMANA NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE ENFERMAGEM Maria João Santos Rodrigues

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte À PROCURA DE UM INSTRUMENTO PARA A AVALIAÇÃO DO IMPACTO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE NA SAÚDE Grupo de Trabalho da Avaliação do Impacto dos Serviços de Saúde na

Leia mais

Envelhecimento da população realidade portuguesa. Unidade de Neurologia Vânia Almeida

Envelhecimento da população realidade portuguesa. Unidade de Neurologia Vânia Almeida Envelhecimento da população realidade portuguesa Unidade de Neurologia Vânia Almeida 21 de Setembro de 2015 Sumário Definição de Demência Incidência Global de Demência Prevalência Global de Demência Realidade

Leia mais

Análise de conteúdo dos programas e planificações António Martins e Alexandre Ventura - 1

Análise de conteúdo dos programas e planificações António Martins e Alexandre Ventura - 1 1 Domínio perceptivo-cognitivo Visão global dos fenómenos Análise de uma situação Identificação de problemas Definição de estratégias para a resolução de problemas Pesquisa e selecção da informação Aplicação

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES. 10 de 0utubro - DIA MUNDIAL DA SAÚDE MENTAL Portugal um país à Beira do abismo

SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES. 10 de 0utubro - DIA MUNDIAL DA SAÚDE MENTAL Portugal um país à Beira do abismo SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES SEDE: Av. 24 de Jul ho, 132-1350-346 Li sboa - Tel ef.: 213920350 - Fax: 213968202 Geral: E- mail: sede @sep. pt - sit e: www.sep. org. pt - CDI: E- mail: cdi @sep.

Leia mais

A LUTA CONTRA A TB, UMA ABORDAGEM HOLÍSTICA PARA UM COMBATE GLOBAL

A LUTA CONTRA A TB, UMA ABORDAGEM HOLÍSTICA PARA UM COMBATE GLOBAL A LUTA CONTRA A TB, UMA ABORDAGEM HOLÍSTICA PARA UM COMBATE GLOBAL Maria Conceição Gomes, Pneumologista Coordenadora do CDP da Alameda Consultora da DGS Secretaria-Geral ANTDR, Perito ONDR Lisboa, 19 de

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

Medicamentos que contêm dextropropoxifeno com Autorização de Introdução no Mercado na União Europeia. Romidon 75mg/2ml Solução injectável

Medicamentos que contêm dextropropoxifeno com Autorização de Introdução no Mercado na União Europeia. Romidon 75mg/2ml Solução injectável ANEXO I LISTA DAS DENOMINAÇÕES FORMAS FARMACÊUTICAS, DOSAGENS, VIA DE ADMINISTRAÇÃO DOS MEDICAMENTOS, DOS TITULARES DAS AUTORIZAÇÕES DE INTRODUÇÃO NO MERCADO NOS ESTADOS-MEMBROS 1 Medicamentos que contêm

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

vivem cada vez mais tempo,

vivem cada vez mais tempo, Portuguesas vivem cada vez mais tempo, mas com menos saúde Têm uma esperança de vida que é das maiores do mundo, mas desfrutam de muito menos anos saudáveis do que as mulheres dos países mais bem classificados

Leia mais

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe Saúde Informa Nº 2 Distrito Sanitário Centro DSCe Agosto/211 Apresentação Esta é a segunda edição do informativo do DSCe e o dedicamos a discussão das atividades de educação permanente, ao monitoramento

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Área de Formação: 762. Trabalho Social e Orientação O Técnico Auxiliar de Geriatria é o profissional com múltiplas competências para poder desempenhar as suas funções

Leia mais

Técnicas de fecho de vendas

Técnicas de fecho de vendas Técnicas de fecho de vendas Índice Estratégias para a conversão de prospectos em clientes... 3 Algumas estratégias e técnicas de fecho de vendas... 4 Recolha de objecções... 4 Dar e depois 5rar o rebuçado

Leia mais

Anexo VII (A que se refere o artigo 3.º)

Anexo VII (A que se refere o artigo 3.º) Anexo VII (A que se refere o artigo 3.º) AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO Instruções de preenchimento das fichas de avaliação, de reformulação e de monitorização de desempenho dos dirigentes intermédios e dos trabalhadores

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 16 de Outubro de 2012 18:05 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL DO ENTREVISTADOR Março 2008 2

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma. Uma Abordagem Qualitativa

Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma. Uma Abordagem Qualitativa OS CENTROS DE SAÚDE EM PORTUGAL Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma Uma Abordagem Qualitativa Instituição promotora e financiadora Missão para os Cuidados de Saúde

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010 REGULAMENTO

Leia mais

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09)

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09) R.N.C.C.I. Execução física até 31/12/2008 Capacidade da Rede Tipologia 2007 2008 Taxa Cresc. Convalescença 403 530 32,00% Média Duração e Reabilitação 646 922 43,00% Longa Duração e Manutenção 684 1325

Leia mais

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Forças Armadas Angolanas Estado Maior General Direcção dos Serviços de Saúde SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Capitão de M. Guerra/ Médico Isaac Francisco Outubro/2014 Caracterização de Angola Capital:

Leia mais

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Coordenação do Internato Médico de Saúde Pública PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA (Aprovado pela Portaria 47/2011, de 26 de Janeiro) Internato 2012/2016 ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO 1 1. DURAÇÃO

Leia mais

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002)

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) TÍTULO: Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) FUNDAMENTOS A nível dos países

Leia mais

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL Resultados Quantitativos Outubro 2008 1 METODOLOGIA FICHA TÉCNICA Total da Amostra: 606 Entrevistas telefónicas, realizadas por CATI (computer assisted telephone interview).

Leia mais

Resultados. Estudo Piloto de Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais Portugueses. 21. Novembro. 2011

Resultados. Estudo Piloto de Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais Portugueses. 21. Novembro. 2011 Resultados Estudo Piloto de Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais Portugueses 21. Novembro. 2011 Características do questionário Hospital Survey on Patient Safety Culture (HSPSC) Agency

Leia mais

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Mário Jorge Silva (psicólogo clínico) e Marli Godinho (psicóloga clínica)

Leia mais

Fundo de Garantia Automóvel. Fundo de Garantia Automóvel

Fundo de Garantia Automóvel. Fundo de Garantia Automóvel INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Rigor e Transparência Rigor e Transparência COSTUMAMOS DIZER NO FGA QUE O UTENTE, AINDA QUE NÃO TENHA RAZÃO, É A RAZÃO DA NOSSA EXISTÊNCIA E DIZEMOS TAMBÉM QUE UM PROCESSO

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Avaliação de indicadores. Maio de 2010

Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Avaliação de indicadores. Maio de 2010 Plano Nacional de Saúde -2010 Avaliação de indicadores Maio de 2010 0 das Regiões (NUT II do D.L. de 1999) em relação ao do... 2 Evolução dos indicadores em relação à Meta para 2010... 9 1 das Regiões

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

CONTRIBUIR PARA A MELHORIA DO MODELO DE ARTICULAÇÃO A NÍVEL DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS NO ÂMBITO DA TUBERCULOSE. Resumo

CONTRIBUIR PARA A MELHORIA DO MODELO DE ARTICULAÇÃO A NÍVEL DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS NO ÂMBITO DA TUBERCULOSE. Resumo CONTRIBUIR PARA A MELHORIA DO MODELO DE ARTICULAÇÃO A NÍVEL DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS NO ÂMBITO DA TUBERCULOSE Bárbara Mendes, Carmen Herraéz, João Rodrigues, Natalia Bande. Resumo Tema: O presente

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Escola E.B. 2,3 de Lousada Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Maria do Céu Belarmino ceubelarmino@sapo.pt Rui Mesquita rui.jv.mesquita@sapo.pt Dezembro

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

Projecto de Lei nº 501/X

Projecto de Lei nº 501/X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 501/X Altera a portaria n.º 1474/2004, de 21 de Dezembro, no que concerne ao escalão de comparticipação dos medicamentos destinados às pessoas que sofrem de Doença

Leia mais

Águas de Gondomar considerada novamente uma das Melhores Empresas para Trabalhar. A Águas de Gondomar, de acordo com os resultados publicados na

Águas de Gondomar considerada novamente uma das Melhores Empresas para Trabalhar. A Águas de Gondomar, de acordo com os resultados publicados na info Gondomar Newsletter N.º14 Julho 2012 Semestral Águas de Gondomar considerada novamente uma das Melhores Empresas para Trabalhar A Águas de Gondomar, de acordo com os resultados publicados na revista

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S).

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho Público-Alvo Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). OBJECTIVOS Formação direccionada para cumprimento da legislação em matéria de higiene,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 251 31 de Dezembro de 2007 9141. Portaria n.º 1633/2007

Diário da República, 1.ª série N.º 251 31 de Dezembro de 2007 9141. Portaria n.º 1633/2007 Diário da República, 1.ª série N.º 251 31 de Dezembro de 2007 9141 Portaria n.º 1633/2007 de 31 de Dezembro A Lei n.º 66 -B/2007, de 28 de Dezembro, que estabelece o sistema integrado de gestão e avaliação

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO Preâmbulo O presente Código contém as normas éticas que devem ser seguidas pelos Técnicos de Segurança e Higiene do Trabalho e os Técnicos

Leia mais

FINESSE II. Escala de Avaliação de Serviços dirigidos a Famílias em Contextos Naturais

FINESSE II. Escala de Avaliação de Serviços dirigidos a Famílias em Contextos Naturais FINESSE II Escala de Avaliação de Serviços dirigidos a Famílias em Contextos Naturais R. A. McWilliam 2011 Siskin Children s Institute, Chattanooga, Tennesse, EUA Versão original de 2000 Instruções: Ao

Leia mais

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si A função da insulina é fazer com o que o açúcar entre nas células do nosso corpo, para depois poder

Leia mais

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes;

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes; Gerir - Guias práticos de suporte à gestão A análise SWOT A Análise SWOT é uma ferramenta de gestão muito utilizada pelas empresas para o diagnóstico estratégico. O termo SWOT é composto pelas iniciais

Leia mais

Critérios para Avaliação do Desempenho

Critérios para Avaliação do Desempenho Critérios para Avaliação do Desempenho Índice AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO...5 INFORMAÇÃO...5 O QUE É A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO?...5 OBJECTIVOS DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO...5 A ENTREVISTA DE AVALIAÇÃO...6 OBJECTIVOS

Leia mais

Carta de Princípios de Coimbra

Carta de Princípios de Coimbra Carta de Princípios de Coimbra Ficou concluído em Novembro de 2008, durante o Congresso Nacional de Oncologia, um processo que se iniciou em Abril de 2006, numa reunião promovida em Coimbra sob o impulso

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Este guia tem como objetivo fornecer aos Utentes, desta unidade, informações sobre os serviços disponíveis, para que os possam utilizar de forma equilibrada e racional.

Leia mais

Agência Europeia para a Segurança da Aviação

Agência Europeia para a Segurança da Aviação Apêndice ao Parecer n.º 05/2007 PreRIA 21.040 Agência Europeia para a Segurança da Aviação AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO IMPACTO REGULAMENTAR Documentação sobre ruído das aeronaves 1. Finalidade e efeito pretendido

Leia mais

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo 1 - Em que consiste a prevenção? Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo eliminar ou reduzir

Leia mais