Prof. Vanderlei I Paula -

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Vanderlei I Paula -"

Transcrição

1 Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Gabarito 3 a lista de exercícios 01 Alimentos desidratados apresentam maior durabilidade e mantêm a maioria das propriedades nutritivas. Observe o diagrama de fases da água, abaixo, sabendo-se que as setas verticais indicam processos isotérmicos e as horizontais, processos isobáricos. Com base no gráfico, o processo de remoção de água do alimento consiste na sequência de quais etapas? Justifique. Há várias respostas possíveis, pois não foi delimitado as condições físico-químicas para o processo. A vaporização (ebulição) da água é uma das formas que se utiliza quando o alimento é estável a temperaturas por volta de 100 C. Um exemplo típico é a confecção de doce de goiaba caseiro. O processo indicado pela seta 5 também é plausível em um processo isotérmico. Em geral para evitar a degradação de alimentos coma a temperatura utiliza-se a solidificação da água: seta 2 (processo isobárico) seguido de sublimação da água: seta 7 (processo isotérmico). 02 O dióxido de carbono tem diversas e importantes aplicações. No estado gasoso, é utilizado no combate a incêndios, em especial quando envolvem materiais elétricos; no estado sólido, o denominado gelo seco é utilizado na refrigeração de produtos perecíveis, entre outras aplicações. A figura apresenta um esboço do diagrama de fases para o CO2. Com base nas informações fornecidas pelo diagrama de fases para o CO2, é correto afirmar que a) o CO2 estará no estado líquido para qualquer valor de temperatura, quando sob pressão igual a 67 atm. Prof. Vanderlei I Paula -

2 b) o CO2 pode passar diretamente do estado sólido para o gasoso, quando a pressão for menor que 5,1 atm. c) haverá equilíbrio entre os estados líquido e gasoso para qualquer valor de pressão, quando sob temperatura igual a 25 C. d) as curvas representam as condições de temperatura e pressão em que existe uma única fase do CO2. e) há mais de um conjunto de condições de pressão e temperatura em que coexistem as três fases em equilíbrio. [B] Com base nas informações fornecidas pelo diagrama de fases para o CO2, ele pode passar diretamente do estado sólido para o gasoso, quando a pressão for menor que 5,1 atm: Na temperatura de -56 o C e pressão de 5,1 atm, o ponto triplo do CO2 é atingido, no qual coexistem os três estados de agregação (sólido, líquido e gasoso). CO 2(s) CO 2( ) (curva 1) CO 2( ) CO 2(g) (curva 2) CO 2(s) CO 2(g) (curva 3) CO 2(s) CO 2( ) CO 2(g) (4 ponto triplo)

3 Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Gabarito 3 a lista de exercícios 03 O estado de um gás é caracterizado pelo valor de três grandezas físicas: o volume, V, a pressão, P, e a temperatura, T, que são denominadas variáveis de estado de um gás. A figura a seguir representa o diagrama de fases da água. Considerando as informações, responda ao que se pede. a) Com base na figura, estabeleça a diferença entre gás e vapor. As linhas do gráfico representam pontos de T e P nos quais fases diferentes coexistem em equilíbrio. Acima do ponto crítico (à direita da linha vertical pontilhada), o gás não pode coexistir com a fase líquida, mesmo em situações de alta pressão. Abaixo do ponto crítico (à esquerda da linha vertical pontilhada), as fases líquida e gasosa podem coexistir. Essa é a principal diferença entre os conceitos de gás ou vapor. b) Explique a diferença entre aquecer o gelo acima e abaixo de 4,579 mmhg de pressão. Pela análise do gráfico pode-se afirmar que acima da pressão citada ocorre o fenômeno de fusão e abaixo desse valor ocorre a sublimação. 04 Trezentos gramas de metano estão confinados em um reservatório de trezentos litros de capacidade. Mediante a abertura de uma válvula o gás escapa para a atmosfera até sua pressão igualar se à pressão externa. Determinar: a) a pressão inicial do metano; PV = nrt P =? Os cálculos serão realizados imaginando-se o metano como gás ideal. Destarte, a equação a ser usada é a seguinte: pv = nrt. No início, com as 300 g de metano contidas no reservatório, os parâmetros desta equação têm os seguintes valores: V = 300 litros = 0,300 m3 ; T = 311 K; R = 8,31 J/mol.K e n = m/m = 300/16,04 = 18,70 mol. Assim, obtém-se para a pressão inicial do metano: p = nrt/v = 18,70 x 8,31 x 311 / 0,300 = 1,61 x 10 5 Pa = 1,61 bar. Prof. Vanderlei I Paula -

4 b) a massa de metano que ao final restará no reservatório. Admitir a temperatura constante e igual a 38 C. Tomar a pressão atmosférica igual a 1,01 bar. PV = nrt Após a abertura da válvula e o gás escapar para atmosfera, a pressão no interior do reservatório reduzir-se-á a 1,01 bar (1,01 x 10 5 Pa) e o número de moles de metano ainda presente no reservatório poderá ser calculado por: n = pv/rt = 1,01 x 10 5 x 0,300 / 8,31 x 311 = 11,72 mol, a que corresponderá a seguinte massa: m = nm = 11,72x16,04 = 188 g. Escapam, portanto, para atmosfera l88 = 112 g de metano 05 9,1 litros de monóxido de carbono (medidos em CNTP) são introduzidos em um recipiente de volume constante e igual a 100 litros. Neste mesmo recipiente colocam-se 26,6 litros de hidrogênio (medidos a 25 C e 1 bar). A mistura, assim obtida, é mantida a 27 C. A que pressão estará submetida? Qual será sua massa específica? Sendo dados a temperatura (27 C) e o volume do recipiente que ao término conterá a mistura de CO e H2 (100 litros), para o cálculo da pressão a que a mistura estará submetida basta determinar os números de mol dos gases que se misturam. Determina-se pelas condições em que cada volume inicial é medido. Para o monóxido de carbono (em CNTP: 0 C e 1 atm): nco = pv/rt p = 1 atm = 1,01 x 10 5 Pa, V = 9,1 litros = 9,1x10-3 m 3, T = 273 K e R = 8,31 J/mol.K. Logo, nco = 1,01 x 10 5 x 9,1 x 10-3 / 8,31 x 273 = 0,405 mol. Para o hidrogênio (a 25 C e 1 bar): nh2 = pv/rt p = 1 bar = 10 5 Pa, V = 26,6 litros = 26,6x10-3 m 3, T = 298 K e R = 8,31 J/mol.K Portanto, nh2 = 10 5 x 26,6 x 10-3 / 8,31 x 298 = 1,07 mol. Agora calcula-se a pressão da mistura: p = ntrt/v, T = 300 K, V = 100 litros = 0,100 m 3 e nt = nco + nh2 = 0, ,07 = 1,475 mol, p = 1,475 x 8,31 x 300 / 0,100 = 0,368 x 10 5 Pa = 0,368 bar. A massa específica da mistura gasosa pode ser calculada pela simples determinação da razão entre a massa total e o volume da mistura, d= mt/v, em que a massa total da mistura sai dos números de moles, já determinados: mt = mco + m H2 = nco MCO + n H2 MH2 = 0,405x28,01 + 1,07x2,02 = 13,5 g = 13,5x10-3 kg. Tem-se, então: d = 13,5x10-3 /0,100 = 0,135 kg/m 3

5 Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Gabarito 3 a lista de exercícios 06 A composição de uma mistura de gases ideais, em percentagem ponderal, é a seguinte: 5% de hidrogênio, 10% de dióxido de carbono, 30% de nitrogênio e 55% de monóxido de carbono. Determinar a composição da mistura em fração molar e percentagem volumar. Calcular a pressão a que estão submetidas 5 g desta mistura, encerradas num recipiente de 7 litros, na temperatura de 25 C. Em mistura de gases ideais a percentagem volumar guarda a seguinte relação com a fração molar: (%)volumar,i = 100Xi. Serão determinadas primeiramente as frações molares. Para os gases misturados a razão entre seus números de mol é igual à razão entre suas frações molares. Isto é, Xi /Xj = ni /nj = (mi /mj)x(mj /Mi ), Como a razão entre as massas dos gases é igual à razão entre as respectivas percentagens ponderais, obtêm-se: Xi /Xj = (Mj /Mi ).[(%)ponderal,i /(%)ponderal,j]. A seguir explicita-se a obtenção da relação entre a fração molar do dióxido de carbono e a do hidrogênio, na mistura em análise: XCO2 = (MH2 /MCO2 ).x H2 [(%)ponderal CO2 /(%)ponderal H2, XCO2 = (2,02/44,0).(10/5) XH2 = 0,092 XH2 XN2 = (2,02/28,0).(30/5) XH2 = X H2 XCO = (2,02/28,0).(55/5) XH2 = 0,793 XH2 XH2 + XCO2 + XN2 + XCO = 1 XH2 (1 + 0, , ,793) = 1 XH2 = 1/2,318 = 0,431. Sabendo o valor da fração molar do hidrogênio, logo se obtêm as frações molares dos outros gases: XCO2 = 0,092 x 0,431 = 0,040 XN2 = 0,433 x 0,431 = 0,187 XCO = 0,793 x 0,431 = 0,342 Como (%)volumar i = 100Xi as percentagens volumares dos gases misturados são as seguintes: (%)volumar H2 = 43,1 (%)volumar, CO2 = 4,0 (%)volumar, N2 = 18,7 (%)volumar, CO = 34,2. Prof. Vanderlei I Paula -

6 O cálculo da pressão exercida pelas cinco gramas desta mistura, em recipiente de 7 litros de capacidade e a 25 C, é facilmente realizado mediante o conceito de massa molecular média. Para a mistura em análise esta média determina-se pela relação: <M> = XH2 MH2 + XCO2 MCO2 + XN2 MN2 + XCO MCO <M> = 0,431 x 2,0 + 0,040 x 44,0 + 0,187 x 28,0 + 0,342 x 28,0 = 17,45 g/mol = 17,45x10-3 kg/mol. Finalmente, por substituição dos dados na equação de estado, p = mt RT/<M>V, obtém-se a pressão da mistura: p = 5x10-3 x 8,31 x 298 / 17,45 x 10-3 x 7 x 10-3 = 1,01 x 10 5 Pa = 1,01 bar. 07 Massa de 12,76 g de pentacloreto de fósforo é introduzida em recipiente de 3,5 litros de capacidade. Sabendo que o aquecimento do sistema levará à dissociação do PCl5 em PCl3 e Cl2, determinar o grau de dissociação ( ), a partir das seguintes informações: a) a 200 C observa-se que a pressão no recipiente, após atingir valor constante, mantém-se igual a 753,5 mm Hg; O aquecimento do pentacloreto de fósforo leva-o a dissociar-se, segundo a reação: PCl5 (g) = PCl3 (g) + Cl2 (g). no x x x em que no é o número de mol inicial de PCl5 (no = 12,76/208,2 = 0,0613 mol) e x é o número de mol de PCl5 que reage até a reação alcançar o equilíbrio. O número total de mol no equilíbrio será a soma dos números de mol dos três participantes, cujo resultado é: no + x. Pode se escrever para o número total de mol do equilíbrio em qualquer das temperaturas: nt = no + x = pv/rt, x = (pv/rt) no Com esta equação acha-se o número de moles que reage (x) e, pelo x, determina-se a grau de dissociação, pois, = x/no = (pv/no RT) - 1. A 200 C: p = 753,5 mm Hg = (753,5/750) bar = 1,00 bar = 105 Pa, V = 3,5 litros = 3,5x10-3 m 3, R = 8,31 J/mol.K, T = 200 C = 473 K, = (1,00 x 10 5 x 3,5 x 10-3 / 0,0613 x 8,31 x 473) - 1 = 0,452 b) a 250 C a pressão estabiliza-se em 102l,5 mmhg. p = 1021,5 mmhg = (1021,5 / 750) bar = 1,36 bar = 1,36 x 10 5 Pa, V = 3,5 litros = 3,5x10-3 m 3, R = 8,31 J/mol.K, T = 250 C = 523 K, = (1,36 x 10 5 x 3,5 x 10-3 /0,0613 x 8,31 x 523) - 1 = 0,787

2. Considere um bloco de gelo de massa 300g á temperatura de 20 C, sob pressão normal. Sendo L F

2. Considere um bloco de gelo de massa 300g á temperatura de 20 C, sob pressão normal. Sendo L F 1. Considere um bloco de gelo de massa 300g encontra-se a 0 C. Para que todo gelo se derreta, obtendo água a 0 C são necessárias 24.000 cal. Determine o calor latente de fusão do gelo. 2. Considere um

Leia mais

1ª Parte: Questões resolvidas

1ª Parte: Questões resolvidas ANÁLISE ELEMENTAR QUANTITATIVA DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL / TURMA: 1º ano Ensino Médio 1ª Parte: Questões resolvidas Nota: A massa molecular de um composto, pode ser calculada em função da densidade de

Leia mais

Capítulo 3: Propriedades de uma Substância Pura

Capítulo 3: Propriedades de uma Substância Pura Capítulo 3: Propriedades de uma Substância Pura Substância pura Princípio de estado Equilíbrio de fases Diagramas de fases Substância Pura Substância pura é a aquela que tem composição química invariável

Leia mais

QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 22 RELAÇÕES NUMÉRICAS FUNDAMENTAIS - PARTE 2

QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 22 RELAÇÕES NUMÉRICAS FUNDAMENTAIS - PARTE 2 QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 22 RELAÇÕES NUMÉRICAS FUNDAMENTAIS - PARTE 2 Fixação 1) (UNESP) O volume de uma massa fixa de gás ideal, a pressão constante, é diretamente proporcional à: a) concentração do gás.

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 09/04/11

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 09/04/11 P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 09/04/11 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Dados R = 0,0821 atm L mol -1 K -1 T (K) =

Leia mais

1ª QUESTÃO Valor 1,0 = 1. Dados: índice de refração do ar: n 2. massa específica da cortiça: 200 kg/m 3. 1 of :36

1ª QUESTÃO Valor 1,0 = 1. Dados: índice de refração do ar: n 2. massa específica da cortiça: 200 kg/m 3. 1 of :36 1ª QUESTÃO Valor 1,0 Uma lâmpada é colocada no fundo de um recipiente com líquido, diretamente abaixo do centro de um cubo de cortiça de 10 cm de lado que flutua no líquido. Sabendo que o índice de refração

Leia mais

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO 1- Um aluno de química, ao investigar as propriedades de gases, colocou uma garrafa plástica (PET), contendo ar e devidamente fechada, em um freezer e observou

Leia mais

Resolução UNIFESP 2015

Resolução UNIFESP 2015 Resolução UNIFESP 2015 1-Utilizando o aparato indicado na figura, certo volume de solução aquosa de sulfato de cobre(ii) hidratado foi colocado dentro do béquer. Quando o plugue foi conectado à tomada

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 03/12/05

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 03/12/05 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 03//05 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 0,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol - K - = 8,34 J

Leia mais

Exercícios: gases (2)

Exercícios: gases (2) Química Ficha 8 2 os anos Rodrigo abril/12 Nome: Nº: Turma: Exercícios: gases (2) 1) (Unicamp) Após a limpeza do banheiro, Rango foi à sala e removeu todos os móveis e, de tão feliz e apaixonado, começou

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 04/04/08

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 04/04/08 P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 04/04/08 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Dados R = 0,081 atm L mol -1 K -1 T (K) = T ( C) + 73,15

Leia mais

TERMOQUÍMICA Folha 3.2 Prof.: João Roberto Mazzei 01- (ufrs-2004) Considere as seguintes reações, na temperatura de 25 C.

TERMOQUÍMICA Folha 3.2 Prof.: João Roberto Mazzei 01- (ufrs-2004) Considere as seguintes reações, na temperatura de 25 C. 01- (ufrs-2004) Considere as seguintes reações, na temperatura de 25 C. H (g) + 1/2 O (g) ë H O(Ø) (ÐH) H (g) + 1/2 O (g) ë H O(s) (ÐH) A diferença entre os efeitos térmicos, (ÐH) - (ÐH), é igual a) a

Leia mais

TERMODINÂMICA APLICADA CAPÍTULO 2

TERMODINÂMICA APLICADA CAPÍTULO 2 TERMODINÂMICA APLICADA CAPÍTULO 2 PROPRIEDADES DAS SUBSTÂNCIAS PURAS SUMÁRIO Neste capítulo o conceito de substância pura é introduzido e as várias fases, bem como as propriedades físicas dos processos

Leia mais

Equação de estado de um gás ideal e misturas gasosas

Equação de estado de um gás ideal e misturas gasosas Equação de estado de um gás ideal e misturas gasosas 01. Prove que a soma das frações molares de uma mistura gasosa é igual a 1. 02. Defina a pressão parcial de um gás. 03. Defina o volume parcial de um

Leia mais

Capítulo 3: Propriedades de uma Substância Pura

Capítulo 3: Propriedades de uma Substância Pura Capítulo 3: Propriedades de uma Substância Pura Substância pura Princípio de estado Equilíbrio de fases Diagramas de fases Equação de estado do gás ideal Outras equações de estado Outras propriedades termodinâmicas

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 13/04/2013

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 13/04/2013 P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 13/04/2013 Nome: Gabarito Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Dados R = 0,0821 atm L mol -1 K -1 T (K)

Leia mais

Apostila de Química 01 Estudo dos Gases

Apostila de Química 01 Estudo dos Gases Apostila de Química 01 Estudo dos Gases 1.0 Conceitos Pressão: Número de choques de suas moléculas contra as paredes do recipiente. 1atm = 760mHg = 760torr 105Pa (pascal) = 1bar. Volume 1m³ = 1000L. Temperatura:

Leia mais

17/08/ /08/2011 Prof. Dr. Ricardo A. Mazza 3

17/08/ /08/2011 Prof. Dr. Ricardo A. Mazza 3 Propriedades de Uma Substância Pura Prof. Dr. Ricardo A. Mazza DE/FEM/UNICAMP 17/08/2011 Prof. Dr. Ricardo A. Mazza 1 Substância Pura Substância pura é a aquela que tem composição química invariável e

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre)

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) 4ª Série de Exercícios EQUILÍBRIO QUÍMICO Tomar (2003) 1 Equilíbrio

Leia mais

5ª LISTA - EXERCÍCIOS DE PROVAS Lei de Raoult

5ª LISTA - EXERCÍCIOS DE PROVAS Lei de Raoult Pg. 1/6 1 a Questão Metanol, CH 4 O, e etanol, C 2 H 6 O, são dois álcoois voláteis a 25 C. Ambos podem ser usados como solvente ou combustível e muitas vezes a mistura dos dois é empregada em processos

Leia mais

Todo gás exerce uma PRESSÃO, ocupando um certo VOLUME à determinada TEMPERATURA

Todo gás exerce uma PRESSÃO, ocupando um certo VOLUME à determinada TEMPERATURA Todo gás exerce uma PRESSÃO, ocupando um certo VOLUME à determinada TEMPERATURA Aos valores da pressão, do volume e da temperatura chamamos de ESTADO DE UM GÁS Assim: V 5 L T 300 K P 1 atm Os valores da

Leia mais

Física Geral e Experimental III. Dilatação

Física Geral e Experimental III. Dilatação Física Geral e Experimental III Dilatação 6. Em um dia quente em Las Vegas um caminhão-tanque foi carregado com 37.000 L de óleo diesel. Ele encontrou tempo frio ao chegar a Payson, Utha, onde a temperatura

Leia mais

Estudo Físico-Químico dos Gases

Estudo Físico-Químico dos Gases Estudo Físico-Químico dos Gases Prof. Alex Fabiano C. Campos Gás e Vapor Diagrama de Fase Gás Vapor Gás: fluido elástico que não pode ser condensado apenas por aumento de pressão, pois requer ainda um

Leia mais

02)Numa reação endotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a

02)Numa reação endotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a 01)Numa reação exotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a variação de entalpia é [3] que zero. Completa-se corretamente essa frase substituindo-se

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Química Fase III (Etapa 1 nacional)

Olimpíada Brasileira de Química Fase III (Etapa 1 nacional) Page 1 of 5 Olimpíada Brasileira de Química - 2001 Fase III (Etapa 1 nacional) Questão 1 (48 th Chemistry Olympiad - Final National Competition - 2001 - Estonia) Exame aplicado em 01.09.2001 Os compostos

Leia mais

O que você deve saber sobre

O que você deve saber sobre O que você deve saber sobre Podemos conhecer as grandezas que regem a quantificação dos fenômenos químicos identificando o comportamento da massa, do número de partículas e do volume de diferentes substâncias.

Leia mais

Aula 14 Equilíbrio de Fases: Substâncias Puras

Aula 14 Equilíbrio de Fases: Substâncias Puras Aula 14 Equilíbrio de Fases: Substâncias Puras 1. A condição de estabilidade Inicialmente precisamos estabelecer a importância da energia de Gibbs molar na discussão das transições de fase. A energia de

Leia mais

A) Se a massa molar do composto C é 76 g.mol 1, determine as fórmulas químicas para os compostos A, B, C, D e E.

A) Se a massa molar do composto C é 76 g.mol 1, determine as fórmulas químicas para os compostos A, B, C, D e E. VTB 2008 2ª ETAPA Solução Comentada da Prova de Química 01. Na análise de 5 (cinco) diferentes compostos (A, B, C, D e E) formados apenas por nitrogênio e oxigênio, observou-se que as relações de massas

Leia mais

NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM)

NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM) NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM) 1. Nos motores de explosão existentes hoje em dia utiliza-se uma mistura de gasolina

Leia mais

DISCIPLINA AMB30093 TERMODINÂMICA - Aula 4 Capítulo 3 Propriedades de uma Substância Pura 24/10/2013

DISCIPLINA AMB30093 TERMODINÂMICA - Aula 4 Capítulo 3 Propriedades de uma Substância Pura 24/10/2013 DISCIPLINA AMB30093 TERMODINÂMICA - Aula 4 Capítulo 3 Propriedades de uma Substância Pura 24/10/2013 Prof. Robson Alves de Oliveira robson.aoliveira@gmail.com.br robson.oliveira@unir.br Ji-Paraná - 2013

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 09/05/08

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 09/05/08 2 - ROVA DE QUÍMICA GERAL - 09/05/08 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Quão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes: R 8,314 J mol -1 K -1 0,0821 atm L

Leia mais

- Exotérmico: ocorre com liberação de calor - Endotérmico: ocorre com absorção de calor

- Exotérmico: ocorre com liberação de calor - Endotérmico: ocorre com absorção de calor Fala gás nobre! Tudo bem? Hoje vamos para mais um assunto de química: A termoquímica. Você sabia que as reações químicas absorvem ou liberam calor, e desta forma, ocorre uma troca de energia? Pois é, a

Leia mais

Física Geral e Experimental III. Exercícios Temperatura e Dilatação

Física Geral e Experimental III. Exercícios Temperatura e Dilatação Física Geral e Experimental III Exercícios Temperatura e Dilatação 1. Em um dia quando a temperatura alcança 50ºF, qual é a temperatura em graus Celsius e Kelvins? R: 10ºC; 283 K. 2. O ouro tem um ponto

Leia mais

Termodinâmica Química Prova P1, Eng. Materiais, Noturno, 2º Sem/2005 Resolução comentada Prof. Fabrício R. Sensato

Termodinâmica Química Prova P1, Eng. Materiais, Noturno, 2º Sem/2005 Resolução comentada Prof. Fabrício R. Sensato Termodinâmica Química Prova P1, Eng. Materiais, Noturno, 2º Sem/2005 Resolução comentada Prof. Fabrício R. Sensato 1) (1,0 ponto) a) Como é definido o fator de compressibilidade, Z, de um gás? b) Qual

Leia mais

Diagramas termodinâmicos e Propriedades das substâncias. Prof. Bogdan

Diagramas termodinâmicos e Propriedades das substâncias. Prof. Bogdan Diagramas termodinâmicos e Propriedades das substâncias Prof. Bogdan Objetivos Apresentar relações de propriedades relevantes à Termodinâmica voltada para a engenharia; Utilizar as propriedades e relações

Leia mais

TAREFA DA SEMANA DE 24 a 28 DE FEVEREIRO

TAREFA DA SEMANA DE 24 a 28 DE FEVEREIRO TAREFA DA SEMANA DE 4 a 8 DE FEVEREIRO QUÍMICA 3ª SÉRIE. (Upe) Um dos contaminantes do petróleo e do gás natural brutos é o H S. O gás sulfídrico é originário de processos geológicos, baseados em diversos

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 30/11/13

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 30/11/13 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 30//3 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 0,0 Constantes e equações: F = 96500 C mol - 273,5 K

Leia mais

IME º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

IME º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR IME - 2003 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Química Questão 01 Uma fonte de vanádio é o mineral vanadinita, cuja fórmula é Pb 5 (VO 4 ) 3 Cl. DETERMINE: A) A porcentagem em massa de vanádio

Leia mais

PROPRIEDADES COLIGATIVAS DAS SOLUÇõES

PROPRIEDADES COLIGATIVAS DAS SOLUÇõES PROPRIEDADES COLIGATIVAS DAS SOLUÇõES Propriedades coligativas são propriedades de uma solução que dependem exclusivamente do número de partículas do soluto dissolvido e não da sua natureza. Cada uma dessas

Leia mais

AULA 13 CALORIMETRIA. 1- Introdução

AULA 13 CALORIMETRIA. 1- Introdução AULA 13 CALORIMETRIA 1- Introdução Neste capítulo estudaremos o calor e suas aplicações. Veremos que o calor pode simplesmente alterar a temperatura de um corpo, ou até mesmo mudar o seu estado físico.

Leia mais

Caracterização das Chamas:

Caracterização das Chamas: Caracterização das Chamas: A combustão da mistura ar/combustível dentro do cilindro é um dos processos que controlam a potência, eficiência e emissões dos motores. Os processos de combustão são diferentes

Leia mais

AULA 15 GASES PERFEITOS 1- INTRODUÇÃO

AULA 15 GASES PERFEITOS 1- INTRODUÇÃO AULA 5 GASES PERFEIOS - INRODUÇÃO Neste caítulo, vamos estudar as transformações gasosas e as leis elaboradas or Boyle e ariotte, Claeyron, Gay-Lussac e Charles, que regem estas transformações. Vamos considerar

Leia mais

Lista Prova - Gás Ideal

Lista Prova - Gás Ideal Lista Prova - Gás Ideal 1) Se 2 mols de um gás, à temperatura de 27ºC, ocupam um volume igual a 57,4 litros, qual é a pressão aproximada deste gás? Considere R=0,082 atm.l/mol.k (Constante dos Gases) a)

Leia mais

Propriedades de uma Substância Pura

Propriedades de uma Substância Pura Propriedades de uma Substância Pura Nesta aula, nossa atenção estará voltada para substâncias puras, consideraremos algumas das fases em que uma substância pura pode existir, o número de propriedades independentes

Leia mais

Professor: Rodrigo Rocha Monteiro

Professor: Rodrigo Rocha Monteiro Professor: Rodrigo Rocha Monteiro Pressão Máxima de Vapor Definição Vamos imaginar um cilindro munido de um êmbolo totalmente apoiado em um líquido puro contido no seu interior. Se elevarmos o êmbolo,

Leia mais

Pressão (mmhg) T (K) x 12 5

Pressão (mmhg) T (K) x 12 5 GASES IDEAIS 1- (UNIFOR) Para que a relação matemática P 1 V 1 = P 2 V 2, conhecida como Lei de Boyle para as transformações gasosas, seja válida é necessário que: I. A massa do gás seja constante II.

Leia mais

Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial. Termoquímica

Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial. Termoquímica Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial Termoquímica Bolsista: Joyce de Q. Barbosa Tutor: Dr. José Ribamar Silva Termodinâmica Conceitos Básicos Termoquímica

Leia mais

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 13/11/07

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 13/11/07 P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 3//07 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão Dados gerais: G = - n F E o a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 0,0 RT ΔE = ΔE lnq nf G

Leia mais

Propriedades Coligativas. Tecnologia de Alimentos Prof a. Msc. Fernanda Caspers Zimmer

Propriedades Coligativas. Tecnologia de Alimentos Prof a. Msc. Fernanda Caspers Zimmer Propriedades Coligativas Tecnologia de Alimentos Prof a. Msc. Fernanda Caspers Zimmer Propriedades Coligativas: São mudanças que ocorrem no comportamento de um líquido. Quando comparamos, em análise química,

Leia mais

Unimonte, Engenharia Física Aplicada, prof. Marco Simões Comportamento Térmico dos Gases. Exercícios selecionados do Sears & Zemanzki, vol.

Unimonte, Engenharia Física Aplicada, prof. Marco Simões Comportamento Térmico dos Gases. Exercícios selecionados do Sears & Zemanzki, vol. Unimonte, Engenharia Física Aplicada, prof. Marco Simões Comportamento Térmico dos Gases. Exercícios selecionados do Sears & Zemanzki, vol. 2 Nos exercícios abaixo adotar! = 8,315!!"#! = 0,08206!!"#!"#!

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/05/13

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/05/13 P - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/05/13 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Dados: T (K) = T ( C) + 73,15 R = 8,314 J mol -1 K -1

Leia mais

Hipótese de Avogadro e Volume Molar

Hipótese de Avogadro e Volume Molar Hipótese de Avogadro e Volume Molar EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (UFES-ES) Três balões contêm H, N e O, conforme ilustrado abaixo: Considerando-se que os gases estão sob pressão de 1 atm e à mesma temperatura,

Leia mais

a) 0,60 M e 0,20 M b) 0,45 M e 0,15 M c) 0,51 M e 0,17 M d) 0,75 M e 0,25 M

a) 0,60 M e 0,20 M b) 0,45 M e 0,15 M c) 0,51 M e 0,17 M d) 0,75 M e 0,25 M ª série E.M. - APE 1. (Vunesp) Medicamentos, na forma de preparados injetáveis, devem ser soluções isotônicas com relação aos fluidos celulares. O soro fisiológico, por exemplo, apresenta concentração

Leia mais

Atividade extra. Questão 1 Cecierj Questão 2 Cecierj Ciências da Natureza e suas Tecnologias Química

Atividade extra. Questão 1 Cecierj Questão 2 Cecierj Ciências da Natureza e suas Tecnologias Química Atividade extra Questão 1 Cecierj - 2013 Desenhe uma esfera de ferro e outra de chumbo que tenham massas iguais. Para isso, considere as seguintes densidades: densidade do ferro = 7,9 g/cm3 densidade do

Leia mais

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP Agosto, 2005

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Equilíbrio Químico EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (PUC-RS) Dada a expressão da constante de equilíbrio em termos de concentração de produtos e reagentes a equação química que pode ser representada por essa

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO: Atenção: Esteja atento à numeração das páginas Questão 1

IDENTIFICAÇÃO: Atenção: Esteja atento à numeração das páginas Questão 1 Atenção: Esteja atento à numeração das páginas Questão 1 Determine o volume molar (em unidades de L mol 1 ) e o fator de compressibilidade Z do vapor saturado de água à pressão de 1,00 bar e temperatura

Leia mais

Entalpia. O trabalho realizado por esta reação é denominado trabalho de pressão-volume (trabalho PV)

Entalpia. O trabalho realizado por esta reação é denominado trabalho de pressão-volume (trabalho PV) Entalpia As reações químicas podem absorver ou liberar calor e também podem provocar a realização de trabalho. Quando um gás é produzido, ele pode ser utilizado para empurrar um pistão: Zn(s) + 2H + (aq)

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano Aula 26 Temperatura Adiabatica de Chama Calor de Reacção Combustão completa nos sistemas C/H/N/O Combustão completa de sistema H/N/O Temperatura Adiabática Da Chama

Leia mais

Modelos Atômicos. Niels Bohr propôs um modelo baseado em postulados:

Modelos Atômicos. Niels Bohr propôs um modelo baseado em postulados: Modelos Atômicos Niels Bohr propôs um modelo baseado em postulados: Os elétrons giram, ao redor do núcleo, somente em determinadas órbitas permitidas e com energia quantizada. ONDAS ELETROMAGNÉTICAS Os

Leia mais

01 O chumbo participa da composição de diversas ligas metálicas. No bronze arquitetônico, por

01 O chumbo participa da composição de diversas ligas metálicas. No bronze arquitetônico, por 01 O chumbo participa da composição de diversas ligas metálicas. No bronze arquitetônico, por exemplo, o teor de chumbo corresponde a 4,14% em massa da liga. Seu isótopo radioativo 210 Pb decai pela emissão

Leia mais

TEMPERATURA E ESCALAS TERMOMÉTRICAS - TEORIA

TEMPERATURA E ESCALAS TERMOMÉTRICAS - TEORIA TEMPERATURA E ESCALAS TERMOMÉTRICAS - TEORIA Freqüentemente, usamos a temperatura para indicar quando um corpo está mais quente ou mais frio que outro. Para entender o conceito de temperatura, vamos pensar

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05.

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05. P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05. Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes e Fatores de Conversão R = 8,314

Leia mais

4.1. Propriedades físicas e propriedades químicas dos materiais

4.1. Propriedades físicas e propriedades químicas dos materiais Ciências Físico-químicas - 7º ano de escolaridade Unidade 4 O MUNDO MATERIAL 4.1. Propriedades físicas e propriedades químicas dos materiais - Propriedades físicas e químicas dos materiais - Densidade

Leia mais

RELAÇÕES DE MASSA E MOL

RELAÇÕES DE MASSA E MOL RELAÇÃO DE MASSA E MOL A relação entre massa e quantidade Em uma gota de água de 0,05 ml há 1,67 sextilhão (1,67 x 10 21 ) de moléculas de água. A relação entre massa e quantidade A unidade de massa atômica

Leia mais

Química Fascículo 03 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida

Química Fascículo 03 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Química Fascículo 03 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Índice Estequiometria...1 Exercícios...2 Gabarito...4 Estequiometria Balanço de massas e de quantidades

Leia mais

ficou no torpedo 6

ficou no torpedo 6 PROA DE FÍSICA º ANO - ª MENSA - º RIMESRE IPO A 0) Uma amostra de gás erfeito foi submetida às transformações indicadas no diagrama a seguir. Nessa seqüência de transformações, os estados de maior e de

Leia mais

Diagramas de equilíbrio ternário

Diagramas de equilíbrio ternário Diagramas de equilíbrio ternário Noções básicas de diagrama ternário Número de componentes C = 3 Componentes podem ser: três matérias-primas, três óxidos, três fases cerâmicas Representado por um triângulo

Leia mais

ATMOSFERA Temperatura, pressão, densidade e volume molar

ATMOSFERA Temperatura, pressão, densidade e volume molar ATMOSFERA Temperatura, pressão, densidade e volume molar As camadas na atmosfera são: Troposfera. Estratosfera. Mesosfera Termosfera Exosfera A variação da temperatura com a altitude permite definir 5

Leia mais

P R O V A D E Q U Í M I C A I I

P R O V A D E Q U Í M I C A I I 20 P R V A D E Q U Í M I C A I I QUESTÃ 46 Na fabricação de pães, a glicose contida na massa se transforma em álcool etílico e gás carbônico com a ajuda da enzima zimase, de acordo com a seguinte reação,

Leia mais

Gás Ideal (1) PMT2305 Físico-Química para Metalurgia e Materiais I César Yuji Narita e Neusa Alonso-Falleiros 2012

Gás Ideal (1) PMT2305 Físico-Química para Metalurgia e Materiais I César Yuji Narita e Neusa Alonso-Falleiros 2012 Gás Ideal (1) Para um gás, uma equação de estado é uma relação entre pressão (P), volume (V), temperatura (T) e composição ou número de mols (n). O primeiro passo para a determinação de uma equação de

Leia mais

Fotossíntese das plantas, o sol fornece energia

Fotossíntese das plantas, o sol fornece energia Unidade 6 - Conteúdo 13 - Termoquímica As transformações físicas e as reações químicas quase sempre estão envolvidas em perda ou ganho de calor. O calor é uma das formas de energia mais comum que se conhece.

Leia mais

Física 3 aulas 11 e 12

Física 3 aulas 11 e 12 www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br/cei Mudança de Estado Processos Q > 0 Q < 0 Calor e Mudança de Estado Curva de Aquecimento Temperatura e Calor Exercício 1 Um calorímetro ideal possui em

Leia mais

Física e Química A 10º ANO FICHA DE APOIO N.º 3

Física e Química A 10º ANO FICHA DE APOIO N.º 3 Física e Química A º ANO FICHA DE APOIO N.º 3 TEMA: MOLE, MASSA MOLAR E VOLUME MOLAR I A mole Quando estamos a estudar uma porção de matéria, seja ela no estado sólido, líquido ou gasoso, eiste um número

Leia mais

Composição Densidade (g/mol) Carvão 0,3 0,6 Ossos 1,7 2,0 Areia 2,0 2,4 Solo 2,6 2,8 Pedras 2,6 5,0

Composição Densidade (g/mol) Carvão 0,3 0,6 Ossos 1,7 2,0 Areia 2,0 2,4 Solo 2,6 2,8 Pedras 2,6 5,0 QUÍMICA Arqueologistas usam diferenças de densidade para separar as misturas que eles obtêm por escavação. Indique a opção correta para uma mostra que contém a seguinte composição: Composição Densidade

Leia mais

Ob. As questões discursiva deve ser apresentado os cálculos.

Ob. As questões discursiva deve ser apresentado os cálculos. GOIÂNIA, 16_ / _11 / 2016 PROFESSOR: Jonas Tavares DISCIPLINA: Física SÉRIE: 2ª ALUNO(a): L2 4º Bimestre Data da prova: 16/11/16 No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia

Leia mais

Concentração de soluções e diluição

Concentração de soluções e diluição Concentração de soluções e diluição 1. Introdução Uma solução é uma dispersão homogênea de duas ou mais espécies de substâncias moleculares ou iônicas. É um tipo especial de mistura, em que as partículas

Leia mais

Figura 1: Potencial químico de um solvente na presença de um soluto.

Figura 1: Potencial químico de um solvente na presença de um soluto. Propriedades Coligativas 1. Introdução Algumas propriedades do solvente mudam quando um soluto é dissolvido nele para formar uma solução. O ponto de congelamento da água salgada, por exemplo, é menor que

Leia mais

Estudo dos gases. Profa. Kátia Aquino

Estudo dos gases. Profa. Kátia Aquino Estudo dos gases Profa. Kátia Aquino Vapor ou Gás? O CO2 um gás Vapor de água Industrias em Yokohama-Japão: O homem injeta somente 3% de todo CO2. (foto:paul Davdson) O calor liberado na condensação do

Leia mais

3ª Série / Vestibular _ TD 08 _ 19 de abril

3ª Série / Vestibular _ TD 08 _ 19 de abril 3ª Série / Vestibular _ TD 08 _ 19 de abril 01. A corrosão de um metal é a sua destruição ou deterioração, devida à reação com o meio ambiente. O enferrujamento é o nome dado à corrosão do ferro: Fe(s)

Leia mais

Prof. Renato. EME Prof. Vicente Bastos SESI Carrão. Física 2ª. Série Aula 13

Prof. Renato. EME Prof. Vicente Bastos SESI Carrão. Física 2ª. Série Aula 13 Aula 13 Medindo o calor 1. Mudança de estado físico (solidificação) (liquefação) Sólido - Líquido - Gás (fusão) (ebulição) 2. Curvas de aquecimento Gráfico de Temperatura x Quantidade de calor: T x Q Exemplos:

Leia mais

RESUMO EXERCÍCIO DE REVISÃO

RESUMO EXERCÍCIO DE REVISÃO Química Frente IV Físico-química Prof. Vitor Terra Lista 03 Gases Misturas Gasosas RESUMO Todas as misturas gasosas são HOMOGÊNEAS! Não importa a natureza nem a quantidade dos gases misturados. Número

Leia mais

CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO. Prof.: Andrey kleber Migliorini

CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO. Prof.: Andrey kleber Migliorini CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO Prof.: Andrey kleber Migliorini Introdução Estequiometria: Stoikheîon = elemento metron = medida É o estudo das relações quantitativas (átomos, moléculas, massa, volume) entre as

Leia mais

Balanço de Energia em Combustão

Balanço de Energia em Combustão Balanço de Energia em Combustão O primeira lei da termodinâmica traduzida pelo balanço de energia permite analisar dois conceitos importantes na combustão: temperatura adiabática e poder caloríico que

Leia mais

U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O

U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Primeira Parte Reação Reversivel Exotérmica de Primeira Ordem ( H = -18.000 cal/mol) Os exercícios a seguir são para uma reação exotérmica reversível de primeira ordem e devem ser resolvidos com o auxílio

Leia mais

QiD 1 1ª SÉRIE PARTE 3 FÍSICA

QiD 1 1ª SÉRIE PARTE 3 FÍSICA QiD 1 1ª SÉRIE PARTE 3 FÍSICA 1. (1,0) Estime a ordem de grandeza do numero de passos que um atleta dá durante uma prova de maratona, sabendo que seu deslocamento é cerca de 42km e que um passo de um atleta

Leia mais

Atividade complementar. Substâncias e transformações químicas, entendendo os aspectos quantitativos

Atividade complementar. Substâncias e transformações químicas, entendendo os aspectos quantitativos Atividade complementar Substâncias e transformações químicas, entendendo os aspectos quantitativos Esta atividade tem como objetivo complementar e aprofundar os estudos sobre as transformações químicas,

Leia mais

L E I S D A S R E A Ç Õ E S Q U Í M I C A S PROF. AGAMENON ROBERTO < 2011 >

L E I S D A S R E A Ç Õ E S Q U Í M I C A S PROF. AGAMENON ROBERTO < 2011 > L E I S D A S R E A Ç Õ E S Q U Í M I C A S PROF. AGAMENON ROBERTO < 2011 > Prof. Agamenon Roberto LEIS DAS REAÇÕES QUÍMICAS www.agamenonquimica.com 2 LEIS DAS REAÇÕES QUÍMICAS Um trabalho muito complicado

Leia mais

Determinaçao Indireta do Calor De Reaçao

Determinaçao Indireta do Calor De Reaçao Box 6 Determinaçao Indireta do Calor De Reaçao Vimos anteriormente que a variação de entalpia de uma reação é determinada experimentalmente no calorímetro. Existem, no entanto, maneiras indiretas de determinação

Leia mais

QUÍMICA 1 1º ANO RELAÇÕES DE MASSA

QUÍMICA 1 1º ANO RELAÇÕES DE MASSA QUÍMICA 1 1º ANO RELAÇÕES DE MASSA PROFª ELAINE CRISTINA 1. UNIDADE DE MASSA ATÔMICA A escala de massas atômicas está baseada no isótopo do carbono com número de massa igual a 12, ao qual foi atribuída

Leia mais

Texto para as questões 31 e 32.

Texto para as questões 31 e 32. QUÍMICA Texto para as questões 31 e 32. Um sinal de que o bico do queimador do fogão está entupido é o aparecimento de chama amarela, quando o fogo é aceso. Nessa situação, ocorre a formação de carbono

Leia mais

Aluno(a): nº: Turma: Data: / /2016. Matéria: Química Valor: 15,0

Aluno(a): nº: Turma: Data: / /2016. Matéria: Química Valor: 15,0 Aluno(a): nº: Turma: Nota Ano: 2º Ano EM Data: / /2016 Trabalho Recuperação Professor(a): Willian Novato Matéria: Química Valor: 15,0 PARA TODAS AS QUESTÕES, AS RESPOSTAS DEVERÃO CONSTAR DE RACIOCÍNIO

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS FÍSICA GRUPO CV 0/009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO : O problema pode ser dividido em três partes: um lançamento vertical, uma explosão e os movimentos posteriores à explosão, que são lançamentos horizontais.

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE QUÍMICA 1 o BIMESTRE DE 2016

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE QUÍMICA 1 o BIMESTRE DE 2016 ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE QUÍMICA 1 o BIMESTRE DE 2016 Nome: N o 9 o Ano Data: / / 2016 Professor(a): Andreza / Priscila Nota: ( Valor: 1,0 ) I. Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0

Leia mais

CAPÍTULO 5: CONDUÇÃO DE ENERGIA

CAPÍTULO 5: CONDUÇÃO DE ENERGIA Tabela 5.1 - Condutividade térmica de alguns materiais CAPÍTULO 5: CONDUÇÃO DE ENERGIA 5.1 CONDUTIVIDADE TÉRMICA Além da transferência de energia por radiação, uma outra forma de calor (transferência de

Leia mais

Balanço de Massa e Energia Aula 4

Balanço de Massa e Energia Aula 4 Gases e Vapores Na maioria das pressões e temperaturas, uma substância pura no equilíbrio existe inteiramente como um sólido, um líquido ou um gás. Contudo, em certas temperaturas e pressões, duas ou mesmo

Leia mais

Massas e Volumes Iguais de Gases

Massas e Volumes Iguais de Gases Massas e Volumes Iguais de Gases Pércio Augusto Mardini Farias Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

Na Atmosfera da Terra: Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2

Na Atmosfera da Terra: Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2 Sumário Na : Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2 Atmosfera: temperatura, pressão e densidade em função da.. - Transferência de energia. - Principais características das camadas da atmosfera.

Leia mais

UFU 2008/2-1ª FASE. 1-A substância, representada pela fórmula estrutural abaixo, é bastante utilizada como analgésico (aspirina).

UFU 2008/2-1ª FASE. 1-A substância, representada pela fórmula estrutural abaixo, é bastante utilizada como analgésico (aspirina). UFU 2008/2-1ª FASE 1-A substância, representada pela fórmula estrutural abaixo, é bastante utilizada como analgésico (aspirina). Com base nessas informações, marque a alternativa correta. A) Uma massa

Leia mais

Uma fase é definida como uma quantidade de matéria homogênea.

Uma fase é definida como uma quantidade de matéria homogênea. Aula 02 Estado e fase. Propriedades, processos e Ciclo Se considerarmos uma dada massa de água, reconhecemos que ela pode existir sob várias formas (fases). Se ela é inicialmente líquida pode-se tornar

Leia mais