PERCEPÇÕES DAS GESTANTES EM RELAÇÃO À FISIOTERAPIA NA SAÚDE DA MATERNA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERCEPÇÕES DAS GESTANTES EM RELAÇÃO À FISIOTERAPIA NA SAÚDE DA MATERNA"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA PERCEPÇÕES DAS GESTANTES EM RELAÇÃO À FISIOTERAPIA NA SAÚDE DA MATERNA Jaqueline Muttoni Zambiazzi Lajeado, novembro de 2012

2 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA PERCEPÇÕES DAS GESTANTES EM RELAÇÃO À FISIOTERAPIA NA SAÚDE DA MATERNA Jaqueline Muttoni Zambiazzi Monografia apresentada ao Curso de Fisioterapia, do Centro Universitário UNIVATES, como exigência parcial para a obtenção do título de Bacharel em Fisioterapia. Orientadora: Profa. Ms. Lydia Christmann Espíndola Koetz Lajeado, novembro de 2012

3 2 AGRADECIMENTOS Inicialmente, agradeço a Deus, que me guiou nesta longa caminhada, me deu a oportunidade de iniciar este curso e as forças para concluí-lo. À minha mãe Cecilia e ao meu pai Anestor, que sempre me incentivaram e se dedicaram a mim com amor e carinho, trabalhando e sacrificando seus sonhos em favor dos meus. Não foram apenas pais, foram amigos e companheiros, mesmo nas horas mais difíceis, proporcionando as condições necessárias para que eu estudasse. Ao meu irmão Jacó e à minha cunhada Juçamara, que sempre colaboraram comigo, incentivando-me a nunca desistir dessa caminhada, mesmo nos momentos mais difíceis. Ao meu filho Pedro Augusto, que foi o presente mais especial que eu recebi durante essa trajetória, todo o meu amor e carinho, essa luta é dedicada especialmente a você. À minha orientadora, Lydia Koetz, pela paciência e pelo incentivo, pelo apoio e pela inspiração para o amadurecimento dos meus conhecimentos, pela disponibilidade sempre que necessitei, ao longo da trajetória acadêmica e agora, na conclusão desta monografia.

4 3 Aos professores e supervisores, pelas orientações e pelo empenho como auxiliares da educação, cada um contribuindo de uma maneira, transmitindo seus conhecimentos e suas experiências, e apoiando para que as dificuldades fossem superadas. À Secretária de Saúde, que gentilmente me acolheu e deu suporte. Às gestantes voluntárias, que foram fundamentais para a realização desta pesquisa. A todas as pessoas que se fizeram presentes, preocuparam-se, foram solidárias e torceram por mim. Recebam o meu muito obrigada por tudo, repleto de amor e carinho.

5 4

6 5 Desejo que hoje você experimente a paz dentro de você, que confie que você está exatamente onde você deve estar, que não se esqueça das infinitas possibilidades que nascem da confiança em você mesma e nos outros, que utilize os dons que você recebeu e que transmita aos outros o amor que recebeu. Espero que você esteja feliz consigo mesma por quem você é. Deixe sua alma cantar, dançar e amar livremente. Ela está aí para cada um de nós.

7 6 RESUMO No decorrer da gestação, diversas modificações ocorrem no corpo da mulher. Um dos sistemas que sofre diversas alterações é o musculoesquelético, gerando compensações que, muitas vezes, levam a dores, devido a mudanças como aumento de peso, deslocamento do centro de gravidade, aumento da flexibilidade, diminuição da força muscular e da circulação sanguínea. A presente pesquisa teve o objetivo de verificar o impacto de um programa de intervenção fisioterapêutica na prevenção e/ou melhora de sintomas relacionados às alterações musculoesqueléticas provenientes da gestação. O estudo caracterizou-se como exploratório, na forma de pesquisa-ação, transversal, quantitativo e qualitativo. A amostra foi composta por quatro gestantes que participavam de um grupo de promoção em saúde de gestantes em uma unidade de saúde, no interior do Rio Grande do Sul. O estudo foi realizado nos meses de setembro e outubro de 2012, totalizando quatro encontros, com a participação de gestantes com idade entre 18 e 36 anos. Para a coleta de dados foram utilizados dois questionários, o primeiro buscou avaliar o conhecimento acerca das alterações da gestação, os principais sintomas referentes a este período e a reflexão das gestantes em relação à atenção fisioterapêutica; o segundo teve como objetivo investigar a percepção das gestantes em relação às rodas de conversa, dos exercícios e qual a sua percepção em relação à fisioterapia. Conclui-se que o profissional da fisioterapia deve compor as equipes de saúde, desenvolvendo um trabalho de reabilitação, manutenção e, principalmente, de prevenção e de promoção à saúde, em todas as áreas dominadas por este profissional. Palavras- chave: Fisioterapia. Saúde Materna. Processo Gravídico.

8 7

9 8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AVD Atividade de Vida Diária CRAS - Centro de Referência de Assistência Social EIAS Espinha Ilíaca Anterior Superior EIPS Espinha Ilíaca Posterior Superior ESF Estratégia de Saúde da Família PSF Programa de Saúde da Família TCLE - Termo de Consentimento Livre e Esclarecido

10 9 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 01 Percepção das gestantes antes e após a intervenção fisioterapêutica segundo a EVA e o período gestacional (em semanas)... 38

11 10 LISTA DE QUADROS Quadro 01 Relação entre as semanas de gestação e o grau de dor Quadro 02 Frequência de dor por segmento corporal referida pelas 32 gestantes...

12 11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A gestação Alterações fisiológicas em decorrência da gravidez Alterações do sistema musculoesquelético provenientes da gravidez PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Delineamento do estudo Local do estudo e população Critérios de inclusão e exclusão Coleta de dados Aspectos éticos RESULTADOS E DISCUSSÕES Apresentação das participantes e seu conhecimento referente às principais alterações musculoesqueléticas e atenção fisioterapêutica neste período Impactos das ações realizadas: percepções das gestantes frente à atuação fisioterapêutica CONSIDERAÇÕES FINAIS... 41

13 12 REFERÊNCIAS APÊNDICES... ANEXO

14 13 1 INTRODUÇÃO O organismo da mulher sofre diversas alterações atribuídas aos hormônios gravídicos e ao crescimento do feto e do útero que iniciam desde o momento da concepção. Essas adaptações acontecem com o intuito de manter adequadamente as funções fisiológicas da mulher, e também suprir todas as necessidades para o desenvolvimento e crescimento do feto (OLIVEIRA, 2005). Em um estudo realizado por Lima (2006) para verificar a qualidade de vida relacionada à saúde de mulheres gestantes com baixo nível socioeconômico, constatou-se que, numa amostra de 202 gestantes, 85,1% relatou algum tipo de queixa como lombalgia, dor embaixo do ventre e em membros inferiores. Como o corpo da mulher sofre diversas alterações durante a gestação, a mesma necessita de um programa de exercícios específicos para que as adaptações posturais ocorram com o menor número de sintomas dolorosos possíveis. Os exercícios físicos vão atenuar as alterações estéticas e os transtornos metabólicos, agindo na diminuição de dores ocasionadas pela hiperdistenção dos músculos abdominais e do assoalho pélvico (BIM, PEREGO; PIRES, 2002). Conti (2003), por sua vez, propôs atividades educativas, fisioterápicas de cinesioterapia e de interação para um grupo de 71 gestantes. Desse modo, constatou que as técnicas fisioterápicas são de extrema importância para a diminuição da intensidade, da frequência e da duração de sintomas dolorosos, tendo melhor evolução dos desconfortos musculoesqueléticos durante a gestação.

15 14 Na maioria das vezes os sintomas dolorosos são de alta intensidade e acabam atingindo diretamente o bem estar físico, mental, social e emocional, diminuindo significativamente a qualidade de vida das gestantes. O presente estudo teve como objetivo principal verificar o impacto de um programa de intervenção fisioterapêutica na prevenção e/ou melhora de sintomas relacionados às alterações musculoesqueléticas provenientes da gestação. Como objetivos específicos foram estabelecidos os seguintes aspectos: descrever o perfil social referente à gestação das mulheres; identificar o conhecimento das gestantes referente às mudanças que a gestação gera e como a fisioterapia pode minimizá-las; promover rodas de conversas sobre as principais alterações decorrentes da gestação e como a fisioterapia pode intervir; desenvolver um programa de intervenção fisioterapêutica na percepção das gestantes referente às alterações fisiológicas provenientes da gestação; refletir sobre o papel do fisioterapeuta na atenção à saúde da mulher, em especial, no período gestacional. Tendo em vista esse momento tão importante na vida de uma mulher, considera-se importante compreender qual o entendimento dessas gestantes em relação às alterações da gestação e como a fisioterapia pode atuar, minimizando os sintomas musculoesqueléticos. Assim, o profissional da saúde poderá definir estratégias de promoção e prevenção à saúde, melhorando a qualidade de vida nessa população. O presente estudo está dividido em cinco capítulos. O primeiro apresenta a introdução, os objetivos e a justificativa da pesquisa. O segundo capítulo contém a fundamentação teórica, baseada em autores relevantes ao tema. O terceiro capítulo apresenta a trajetória metodológica; e o quarto, a análise e a discussão dos resultados obtidos através de tabelas. No quinto e último capítulo, são apresentadas as considerações finais referentes ao assunto abordado.

16 15 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo são abordados os referenciais teóricos que abordam o processo da gestação. Iniciamos falando sobre a gestação, em seguida as alterações fisiológicas da gravidez, finalizando com as alterações fisiológicas no sistema musculoesquelético provenientes da gravidez. 2.1 A gestação A gestação é um fenômeno fisiológico quem tem início na concepção do feto, (momento em que o óvulo entre em contato com o espermatozoide), ocorrido 48 horas após o coito (OLIVEIRA, 2005; FREITAS, 2001). A suspeita de uma gestação é confirmada através de exames laboratoriais, de imagem e de achados clínicos, que inclui sintomas e sinais como cessação da menstruação, náusea, aumento na frequência de micção, fadiga, sonolência, percepção de movimentos fetais, alterações das mamas, ausculta de batimentos fetais, alterações nas secreções do colo uterino e aumento do volume uterino (BARROS, 2006). Exames laboratoriais rastreiam a presença do hormônio gonadotrofina coriônica humana (HCG) presente somente em gestantes, sendo identificado a partir do exame de sangue. Esse hormônio só será identificado através do exame laboratorial a partir do oitavo dia de gestação ou, por exame de urina, após o vigésimo sexto dia (OLIVEIRA, 2005). A ultra-sonografia da cavidade uterina é outra ferramenta utilizada para detecção da gestação, esse exame proporciona

17 16 visualização da imagem do feto. Pode ser realizada por via transvaginal - no início da gestação, por permitir melhor visualização -, ou por via transabdominal (BARROS, 2006). A confirmação da gravidez altera todos os aspectos da vida da mulher e das pessoas que a cercam. Todas essas mudanças devem ser levadas em conta no planejamento da assistência que será ofertada para essa gestante dentro da equipe de saúde, buscando a melhor qualidade de vida para a mulher, o feto e quem a cerca (BARROS, 2006). Para ser ter um acompanhamento obstétrico adequado é necessário determinar a idade gestacional, a qual é contada a partir do último dia da menstruação. A data prevista do parto será determinada pelo seguinte cálculo: somam-se sete dias ao primeiro dia da última menstruação e subtraem-se três ao mês que ocorreu a última menstruação (FREITAS, 2001). A confirmação desse cálculo deve ser correlacionada com a altura uterina e o exame de ultrassonografia (FREITAS, 2001; OLIVEIRA, 2005). A duração da gestação é de aproximadamente 280 dias, ou 40 semanas, e divide-se em três trimestres. As 13 semanas iniciais correspondem ao primeiro trimestre, entre 14 e 27 semanas o segundo e acima de 28 semanas, o terceiro (BRASIL, 2000; OLIVEIRA, 2005). 2.2 Alterações fisiológicas em decorrência da gravidez O organismo da mulher sofre diversas alterações que são atribuídas aos hormônios gravídicos e ao crescimento do feto e do útero, os quais iniciam desde o momento da concepção do feto. Essas adaptações acontecem com o intuito de manter adequadamente as funções fisiológicas da mulher, e também para suprir todas as necessidades para o desenvolvimento e o crescimento adequado do feto (OLIVEIRA, 2005).

18 17 Segundo Barros (2006), o útero começa a modificar-se logo após a concepção do feto. Essas alterações ocorrem na consistência, na forma, no peso, na posição, na coloração e no volume. O útero possui forma piriforme no início da gestação, evoluindo para globosa e, após cilíndrica no decorrer da gestação, tendo sua capacidade de volume aumentada em até cinco litros e, em casos especiais, até dez litros. Sua posição é na região intrapélvica, sendo que após a décima semana de gestação já se pode realizar a palpação sobre a sínfise púbica e acompanhar o crescimento uterino através da medida estabelecida entre a sínfise púbica e o fundo uterino. Em torno da 22ª a 24ª semana de gestação, o fundo uterino chega à altura da cicatriz umbilical e depois cresce cerca de um centímetro por mês (BARROS, 2006; OLIVEIRA, 2005). A vascularização do útero aumenta de vinte a quarenta vezes para poder suprir as necessidades do feto, sendo realizada pelas artérias uterinas, que são ramos das artérias ilíacas internas, mais um conjunto de arteríolas e veias. O aumento do fluxo sanguíneo ocasiona edema e congestão pélvica, tornando a consistência do útero amolecida, tanto na cérvix quanto no istmo (BARROS, 2006). Em torno da décima oitava semana de gestação, podem ser percebidos os movimentos fetais e também as contrações uterinas de forma irregular, indolores e intermitentes (BARROS, 2006; OLIVEIRA, 2005). Pelo aumento da vascularização, os ovários e as trompas têm um discreto aumento em seu tamanho e de sua posição, a qual se torna mais elevada. A vagina e a vulva tornam-se arroxeadas e edemaciadas pelo aumento da vascularização. Também ocorre o aumento das secreções vaginais que são de cor esbranquiçada e de odor leve, lembrando cheiro de mofo. As mamas também têm sua consistência alterada: o tamanho e o fluxo

19 18 sanguíneo são aumentados, podendo ter mais sensibilidade e dor ao toque. Os mamilos e as aréolas ficam maiores, a fim de preparar o seio para o aleitamento, sendo que no final do segundo trimestre já se pode ter a presença do colostro (BARROS, 2006; OLIVEIRA, 2006). No sistema circulatório, o coração tem um aumento do seu tamanho em razão do acentuado volume de sangue, além de um pequeno deslocamento para cima e para a esquerda, devido à elevação do músculo diafragma. No segundo trimestre, a frequência cardíaca aumenta entre dez e quinze batimentos por minuto, podendo apresentar uma arritmia não patológica. Pela diminuição da resistência vascular periférica e aumento dos batimentos cardíacos, no terceiro trimestre o débito cardíaco aumenta de trinta a cinquenta por cento (BARROS, 2006). O aumento do fluxo sanguíneo na pele causa obstruções nasais, parestesia e aumento da sudorese. A veia cava pode ser comprimida, gerando a diminuição do retorno venoso quando a gestante deita em decúbito dorsal, ocorrendo a síndrome da hipotensão supina, apresentando sinais de tontura, sudorese, náuseas, queda da pressão e desmaios. Para reverter o quadro, a gestante deve deitar-se em decúbito lateral esquerdo, estimulando, assim, o retorno venoso adequado (OLIVEIRA, 2005). O aumento do útero gravídico gera compressão sobre as veias abdominais, diminuindo o retorno venoso, propiciando o aparecimento de edemas e varizes em membros inferiores (FREITAS, 2001). A pressão arterial tem uma diminuição no primeiro trimestre, acentuando-se mais no segundo; no terceiro tende a normalizarse e voltar aos níveis pré-gravídicos (KNUPPEL; DRUKKE, 1995). Em relação ao sistema respiratório, destaca-se que a respiração resulta basicamente de dois processos: o da inspiração, quando o oxigênio é inalado; e a expiração, quando ocorre a eliminação de dióxido de carbono. Na gestação, ocorrem alterações para que essas demandas sejam adequadas (KNUPPEL, 1995), pois ocorre um aumento da exigência de oxigênio devido à aceleração do metabolismo e ao desenvolvimento do feto que realiza as suas trocas gasosas através da mãe

20 19 (BARROS, 2006). O diafragma eleva-se em torno de quatro centímetros, diminuindo a extensão do pulmão. Já a respiração passa de abdominal para torácica, ocorrendo o aumento da expansibilidade torácica em até dois centímetros, isso ocorre pela ação dos hormônios que causam relaxamento ligamentar. A frequência respiratória tem aumento de até duas respirações por minuto, tornando-se mais profunda e resultando em um aumento de 40% do volume respiratório por minuto (BARROS, 2006; OLIVEIRA, 2005). Pela compressão que o útero gera sobre a bexiga, bem como o aumento de sua sensibilidade faz com que a gestante tenha diminuição da capacidade vital e consequente aumento da frequência de micções, principalmente no início e no final da gestação (BARROS, 2006; FREITAS, 2001). No que se refere às ações hormonais no sistema urinário, destaca-se a dilatação dos ureteres em torno da décima semana de gestação, favorecendo a estase da urina e, assim, a infecções urinárias recorrentes (OLIVEIRA, 2005). No sistema tegumentar, a estimulação dos hormônios gravídicos nos melanócitos - células responsáveis pela pigmentação - ocasiona o aparecimento de melasmas, que são manchas acastanhadas de contorno irregular que geralmente aparecem na face, também ocorre o escurecimento da linha Alba, esta linha divide o abdômen longitudinalmente do esterno até a sínfise púbica. Essas alterações costumam desaparecer após o parto (BARROS, 2006; FREITAS, 2001). A hiperpigmentação também pode ser observada nas axilas, na vulva, no períneo, nos mamilos e nas aréolas. Essa pigmentação excessiva é mais visível em gestantes que se expõem mais aos raios solares. O aumento da circulação também pode gerar o aparecimento de eritema palmar e crescimento excessivo dos pêlos, alterações que também tendem a desaparecer depois do parto (BARROS, 2006).

21 20 Com a distensão da pele, pode ocorrer a ruptura de suas fibras elásticas, de modo que apareçam as estrias. Geralmente, surgem após um período de prurido, sendo inicialmente de cor violácea, evoluindo para branca. Aparecem principalmente no abdômen, flancos, mamas e região lombar. Observa-se ainda, no decorrer da gestação, a hipertrofia das glândulas sudoríparas e sebáceas, favorecendo a hipersecreção sebácea e a transpiração excessiva, sintomas que desaparecem após parto (BARROS, 2006; FREITAS, 2001). Pela ação hormonal ocorre um relaxamento da elasticidade do tecido conjuntivo e colagenoso presente nos ligamentos, principalmente nas articulações sacroilíacas e sínfise púbica. Esse relaxamento favorece o aumento da mobilidade, facilitando as adaptações maternas (BARROS, 2006). Pelos fatores hormonais torna-se comum as gestantes, no início da gravidez, terem aumento de saliva, náuseas e vômitos. Esses sintomas dificilmente persistem após o segundo trimestre. Pela compressão do útero e pela ação dos hormônios pode ocorrer constipação, diminuindo a motilidade intestinal e, consequentemente, o seu funcionamento fica prejudicado (FREITAS, 2001). Também é comum o aparecimento de pirose (azia), a qual se deve ao refluxo gastroesofágico gerado pela compressão do estômago pelo útero (FREITAS, 2001). A ação hormonal também pode ocasionar hiperemia, sangramento e edema nas gengivas, por isso deve-se ter um cuidado especial com a saúde dental no período gravídico (BARROS, 2006). 2.3 Alterações do sistema musculoesquelético provenientes da gravidez A fisioterapia em obstetrícia atua diretamente nas mudanças do sistema musculoesquelético, no sentido de tentar evitar os distúrbios e, caso já existam, para tratá-los. Dessa forma, os fisioterapeutas são profissionais da área da saúde aptos para aconselhar sobre a saúde física de uma mulher antes, durante e após

22 21 uma gestação (POLDEN; MANTLE, 2005). Durante a gestação, é necessário que o corpo da mulher adapte-se a sua postura para compensar a mudança do centro de gravidade, sendo que cada uma terá uma compensação individual que dependerá de outros fatores como força muscular e flexibilidade das articulações (POLDEN; MANTLE, 2005). O deslocamento do centro de gravidade ocorre para frente e para cima (STEPHENSON; O'CONNOR, 2004). O ganho de peso faz com que ocorram mudanças na deambulação e na postura da gestante. A pelve sofre uma inclinação anterior que, associada à diminuição do tônus da região abdominal, faz a coluna se realinhar, gerando uma compensação nas curvaturas da coluna vertebral, sendo comum o aparecimento de dores nessa região (BARROS, 2006). A coluna se ajusta no decorrer da gestação, aumentando as curvaturas cervicais e lombares. O aumento do peso das mamas faz com que a curvatura cervical aumente e que os ombros curvem-se para frente. Como compensação para que a cabeça não penda para frente, a musculatura da região posterior do tronco age intensificamente para tentar manter a posição. A gestante também tende a pender-se para trás, deslocando peso para os calcanhares com o objetivo de contrabalancear o peso que está sendo deslocado para frente com o aumento do útero e das mamas (STEPHENSON; O'CONNOR, 2004). Ocorre fraqueza muscular na parte anterior do pescoço, superior das costas, abdominais inferiores e encurtamento da musculatura flexora de quadril, peitorais e região lombar (KENDALL, 1983, apud STEPHENSON; O'CONNOR, 2004). Esses desvios posturais podem ser intensificados durante o trabalho e as atividades domésticas, sendo de extrema importância uma avaliação da postura também nessas posições para, a partir disso, desenvolver um programa de exercícios para corrigir os encurtamentos e as fraquezas musculares (STEPHENSON; O'CONNOR,

23 ). É comum, nas gestantes, o aparecimento de espasmos e pontos-gatilhos na região do músculo trapézio, medial e superior da cervical, gerando limitação do movimento de flexão lateral, rotação e dores nos movimentos de flexão e extensão da cabeça. Essa dor pode ser minimizada com aplicação de calor ou massagem na região. Secundária a essas alterações pode ocorrer o aparecimento de síndrome do desfiladeiro torácico, que por uma compressão de fibras nervosas, geralmente da oitava vértebra cervical (C8) até a primeira vértebra torácica (T1) e também de artérias e veias subclávias, gera vários sintomas característicos (POLDEN; MANTLE, 2005; STEPHENSON; O'CONNOR, 2004). O aumento do edema nas gestantes pode levar a compressão do nervo mediano e, consequente, a síndrome do túnel do carpo. Os principais sintomas referidos são dor na região no nervo mediano, parestesia, diminuição dos movimentos e, em estágios mais avançados, atrofia muscular das mãos. Geralmente, esses sintomas desaparecem após o parto devido à diminuição do edema (STEPHENSON; O'CONNOR, 2004). A síndrome do túnel do carpo é causada pela compressão do nervo mediano ao passar no túnel do carpo sob os flexores do punho, ocasionando diminuição da função nervosa sensorial e motora. O nervo mediano é responsável pelo sensorial dos dedos polegares, indicadores e dedos médios e pelo suprimento dos músculos tênares (POLDEN; MANTLE, 2005). Outro aspecto que merece atenção é a diástase do reto abdominal, trata-se da separação deste músculo na região da linha Alba, pode ser desenvolvida durante a gestação ou durante o parto normal, quando a gestante realiza a manobra de valsalva para empurrar o feto. Nota-se um abaulamento na região mediana do abdômen, indicando a separação dos músculos (STEPHENSON; O'CONNOR, 2004).

24 23 A separação do músculo reto abdominal pode variar entre dois a três centímetros na lacuna vertical e doze a quinze centímetros de comprimento em um espaço medindo de doze a vinte centímetros de largura, com isso toda a região abdominal fica enfraquecida. As gestantes que ficam inativas ou que não praticam exercício físico terão seus músculos abdominais enfraquecidos e provável diástase desse músculo no pós-parto (POLDEN; MANTLE, 2005). Um estudo realizado com 27 gestantes em uma cidade de médio porte do interior do Rio Grande do Sul mostrou que 88,8% das estudadas obtiveram diástase do reto abdominal, sendo que duas eram primíparas e vinte e duas, multíparas (PIFFER, 2009). No primeiro trimestre da gestação, a articulação sacroilíaca pode tornar-se dolorosa pela ação hormonal e pelas alterações fisiológicas e musculoesqueléticas que o corpo da mulher sofre nesse período. Por exemplo, a lassidão ligamentar decorrente da gravidez pode provocar um movimento repetitivo em uma ou ambas as articulações sacroilíacas, ocasionando dor. Também é comum o aparecimento de dor localizada sobre as espinhas ilíacas postero-superior (EIPS), sendo que em ortostase a EIPS do lado envolvido é mais baixa quando comparada a espinha ilíaca ântero-superior (EIAS) do mesmo lado (POLDEN; MANTLE, 2005; STEPHENSON; O'CONNOR, 2004). Segundo Stephenson e O'Connor (2004), o aumento da lordose, do peso, da frouxidão ligamentar, além do deslocamento do centro de gravidade e a fraqueza muscular fazem com que a dor lombar seja um sintoma frequente apresentando pelas gestantes. Para Polden e Mantle (2005), a dor na região lombar geralmente é uma dor contínua que se intensifica mais ao final do dia e após algum esforço físico. Piffer (2009) realizou um estudo com 27 gestantes e constatou que 48,2% apresentaram dor lombar, sendo que das sete primíparas, cinco sentiam dor; entre as vinte multíparas, oito relatavam dor nessa região. O músculo piriforme pode tornar-se encurtado ou entrar em espasmo, sendo fonte de dor, ocasionando dor irradiada para os membros inferiores na localização do nervo ciático (STEPHENSON; O'CONNOR, 2004). Segundo Polden e Mantle

25 24 (2005), a compressão do nervo ciático pode estar acompanhada de dores nas costas, geradas pelo aumento da lordose e pelas disfunções da articulação sacroilíaca, pois as raízes da quarta e quinta vértebras lombares passam logo a sua frente; sendo assim, qualquer reação inflamatória da região pode atingir o nervo ciático. O aumento de peso durante a gravidez gera sobrecarga nos joelhos e patelas, podendo levar a disfunções. Agindo em conjunto com a ação dos hormônios, pode gerar instabilidades e condromalácia nessa articulação (STEPHENSON; O'CONNOR, 2004). Os músculos do assoalho pélvico provavelmente irão ficar mais fracos após o parto, pois sofrem estiramento e traumatismos durante o parto normal e pela sustentação do peso abdominal e extra pélvico durante toda a gestação (POLDEN; MANTLE, 2005).

26 25 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Para melhor entendimento, esse capítulo foi divido em delineamento do estudo, amostra e local, critérios de inclusão e exclusão, coleta de dados e aspectos éticos. 3.1 Delineamento do estudo Para a realização dessa pesquisa, o estudo é do tipo exploratório, na forma de pesquisa-ação, transversal, quantitativa e qualitativa. 3.2 Local do estudo e população A pesquisa foi realizada em uma Unidade Básica de Saúde (USB) no setor do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), de um município do interior do Rio Grande do Sul, com gestantes que participavam de um grupo de promoção em saúde na gestação, após o encontro semanal em que as mesmas participavam nas tardes de quintas-feiras.

27 26 Foram convidadas a participar deste estudo quatro gestantes que estavam em acompanhamento na USB e participavam no grupo de gestantes do CRAS. Todas aceitaram participar. Entretanto, destaca-se que em função de uma ter tido parto prematuro, três gestantes concluíram as intervenções. 3.3 Critérios de inclusão e exclusão Foram incluídas gestantes a partir do segundo trimestre de gestação, maiores de 18 anos que participavam do grupo de promoção à saúde da USB do interior do Rio Grande do Sul, que aceitaram participar dessa pesquisa e assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (APÊNDICE A), que tiveram autorização por escrito do seu médico ginecologista/obstetra para a realização dos exercícios físicos. Foram excluídas as gestantes que tinham gravidez de risco, com préeclâmpsia, diabetes mellitus gestacional ou pré-existente não controlada, hipertensão arterial pré-existente não controlada, trombose venosa profunda ou qualquer outra doença que colocasse em risco a gestante e/ou o bebê. 3.4 Coleta de dados Uma semana antes do início da intervenção, a pesquisadora participou do encontro com as gestantes, quando apresentou a pesquisa e os objetivos, convidando-as para participarem do estudo. Nesse momento, foi ressaltado que se tratava de um convite, podendo a gestante optar por sua participação ou não, bem como foi um momento para esclarecer dúvidas que pudessem ser apontadas pelas gestantes no momento do convite. Neste dia foi fornecido às gestantes o Questionário de Avaliação (APÊNDICE B) desenvolvido pela pesquisadora, com o qual se buscou identificar o perfil das

28 27 participantes, avaliar o conhecimento acerca das alterações que a gestação impacta no sistema musculoesquelético, os principais sintomas referentes a este e a reflexão delas em relação à atenção fisioterapêutica no período gestacional. O encontro iniciou às 16 horas e a duração prevista foi de trinta minutos, tempo máximo estimado para as gestantes responderem o questionário. A partir das respostas dos questionários, foi construído um programa de exercícios que teve como objetivo atenuar os sintomas de dor nas gestantes que relatam ter algum tipo de desconforto e prevenir nas gestantes que não possuíam dor. As intervenções e as rodas de conversa foram realizadas no período de um mês. O programa de atividades teve duração de 45 minutos, sendo dividido em dois momentos. O primeiro momento foi composto por uma roda de conversa, com o objetivo abordar as dúvidas sobre a gravidez que as mulheres indicaram. Este foi elaborado a partir das dúvidas apontadas pelas gestantes no Questionário de Avaliação (APÊNDICE B). No segundo momento, a pesquisadora implantou o programa de atividades de reforço e alongamento para as gestantes, baseado nas respostas destas no Questionário de Avaliação (APÊNDICE B), considerando ainda as principais alterações musculoesqueléticas apontadas por diferentes autores como Barros, (2006), Stephenson e O'Connor, (2004), Polden e Mantle, (2005). A proposta de atividades segue descrita abaixo. Com as participantes em bipedestação foram realizados os seguintes alongamentos e reforços: - Alongamento ativo dos músculos peitorais, realizando abdução de ombro e flexão de cotovelo a 90 contra uma parede, deslocando o peso do tronco contra, duas vezes de vinte segundos; - Alongamento ativo dos músculos flexores/extensores de punho, realizando a flexão de ombro a 90 com extensão após flexão de punho e mão contralateral, forçando o movimento, duas vezes de vinte segundos; - Alongamento ativo de grande dorsal, entrelaçando os dedos com flexão de

Alterações. Músculo- esqueléticas

Alterações. Músculo- esqueléticas Alterações Músculo- esqueléticas Sistema Neurológico Alteração no tempo de reação e equilíbrio. A instabilidade articular. Alteração da visão Sensibilidade da córnea. c Aumento ou diminuição dos sentidos

Leia mais

TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS

TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

HIDROTERAPIA PARA GESTANTES

HIDROTERAPIA PARA GESTANTES HIDROTERAPIA PARA GESTANTES Profa. Ms. DANIELA VINCCI LOPES ANATOMIA DO ABDOME E DA PELVE ÚTERO 3 camadas de músculos. NÃO GESTANTE GESTANTE FORMA ESFÉRICA CILÍNDRICA VOLUME 500 ml 5000 ml MASSA 70 g 1100

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO PERFIL GESTACIONAL DE PUERPERAS, PARA APLICAÇÃO ADEQUADA DA FISIOTERAPIA EM OBSTETRÍCIA

IMPORTÂNCIA DO PERFIL GESTACIONAL DE PUERPERAS, PARA APLICAÇÃO ADEQUADA DA FISIOTERAPIA EM OBSTETRÍCIA IMPORTÂNCIA DO PERFIL GESTACIONAL DE PUERPERAS, PARA APLICAÇÃO ADEQUADA DA FISIOTERAPIA EM OBSTETRÍCIA Introdução: KARINA OLIVEIRA MARTINHO, FERNANDA SILVA FRANCO, MEIRELE RODRIGUES GONÇALVES, ADELSON

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-1 O USO DA OXIGENIOTERAPIA DOMICILIAR NO PACIENTE DPOC Autora: ROSA, Ana Carolina

Leia mais

CORPOMENTE E MOVIMENTO: A PRÁTICA DA FISIOTERAPIA E DA YOGA COMO PROMOÇÃO DE BEM-ESTAR EM GESTANTES

CORPOMENTE E MOVIMENTO: A PRÁTICA DA FISIOTERAPIA E DA YOGA COMO PROMOÇÃO DE BEM-ESTAR EM GESTANTES CORPOMENTE E MOVIMENTO: A PRÁTICA DA FISIOTERAPIA E DA YOGA COMO PROMOÇÃO DE BEM-ESTAR EM GESTANTES DUARTE 1, Myrna Deirdre Bezerra LEITE 2, Nathaly Santiago LIMA 3, Vânia Cristina Lucena MONTEIRO 4, Sthefany

Leia mais

FAZER EXERCÍCIOS NA GRAVIDEZ PREJUDICA O BEBÊ? QUAIS TIPOS DE EXERCÍCIO SÃO INDICADOS?

FAZER EXERCÍCIOS NA GRAVIDEZ PREJUDICA O BEBÊ? QUAIS TIPOS DE EXERCÍCIO SÃO INDICADOS? A gestação é um período em que a mulher passa por diversas emoções e é natural surgirem dúvidas principalmente quando se trata do primeiro filho. Segundo o Ginecologista e Obstetra do Hospital e Maternidade

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES Prof.ª Msc. Clarissa Rios Simoni Mestre em Atividade Física e Saúde UFSC Especialista em Personal Trainer UFPR Licenciatura Plena em Educação Física UFSC Doutoranda

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

REPERCUSSÕES DA GRAVIDEZ NO ORGANISMO MATERNO

REPERCUSSÕES DA GRAVIDEZ NO ORGANISMO MATERNO REPERCUSSÕES DA GRAVIDEZ NO ORGANISMO MATERNO São as alterações decorrentes da gravidez que ocorrem no organismo da mulher e que desaparecem após o parto. São alterações fisiológicas inevitáveis, temporárias

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE EXAME DO QUADRIL E DA PELVE Jefferson Soares Leal O quadril é composto pela articulação coxofemural e a pelve pelas articulações sacroilíacas e pela sínfise púbica. O exame do quadril e da pelve devem

Leia mais

DESCONFORTO OSTEOMUSCULAR E QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES EM DIFERENTES FASES DA GESTAÇÃO

DESCONFORTO OSTEOMUSCULAR E QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES EM DIFERENTES FASES DA GESTAÇÃO 142 DESCONFORTO OSTEOMUSCULAR E QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES EM DIFERENTES FASES DA GESTAÇÃO Valeria Andrea Alegria Larrua, Jessica Jessica Ribeiro, Letícia Endsfeldz Teixeira, Nathália Savian Elisa Bizetti

Leia mais

Gravidez e Exercício. Prof. Norberto Pereira da Silva

Gravidez e Exercício. Prof. Norberto Pereira da Silva Gravidez e Exercício Prof. Norberto Pereira da Silva Segurança x Gravidez Ainda posso fazer exercícios agora que estou grávida? Não me exercitava antes, mas agora que estou grávida quero começar um programa

Leia mais

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos CAROLINE GONSALEZ FLAVIO PILOTO CIRILLO JULIANA THIEMI IMANO KAMILLA FERNANDES LINS SP 2009 DEFORMIDADES

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

Alterações da Estrutura Corporal

Alterações da Estrutura Corporal Alterações da Estrutura Corporal Exercícios e Postura milenadutra@bol.com.br Os Exercícios Realmente Mudam a Postura? Vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora Desvio

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO Cristina Bertochi 1 Alcy Aparecida Leite Souza 2 Daiane Morilha Rodrigues 3 INTRODUÇÃO A gravidez é um período de mudanças físicas e emocionais, que cada mulher vivência

Leia mais

FISIOTERAPIA APLICADA À GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA PHISYITHERAPY IN GENECOLOGY AND OBSTETRIC

FISIOTERAPIA APLICADA À GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA PHISYITHERAPY IN GENECOLOGY AND OBSTETRIC 57 Iniciação Científica Cesumar mar.-jul. 2002, Vol. 04 n.01, pp. 57-61 FISIOTERAPIA APLICADA À GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA Cintia Raquel Bim 1 Alline Lilian Perego 1 Bacharelado em Fisioterapia Hugo Pires-Jr.

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

CARTILHA DA GRÁVIDA 1

CARTILHA DA GRÁVIDA 1 CARTILHA DA GRÁVIDA 1 2 SUMÁRIO SOBRE A FEBRASGO 4 PRIMEIROS SINTOMAS 5 ETAPAS DA GESTAÇÃO 6 IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL 8 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO À MÃE 9 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO AO BEBÊ 10 OBJETIVOS

Leia mais

Parabéns!! Você está grávida!

Parabéns!! Você está grávida! Parabéns!! Você está grávida! Você está grávida e mudanças acontecerão no seu corpo e nas suas emoções. É um caminho, um tempo e uma experiência ímpar, que você não perceberá, mas fará de você uma nova

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A?

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A? EXERCÍCIOS E POSTURA OS EXERCÍCIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? 1 Um vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora, um desvio postural pode ser corrigido com exercícios

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

A gerente de marketing Luna Weyel, 28, realizou automassagem durante a gestação de seu filho Davi, que nasceu no último dia 5

A gerente de marketing Luna Weyel, 28, realizou automassagem durante a gestação de seu filho Davi, que nasceu no último dia 5 Page 1 of 5! IARA BIDERMAN colaboração para a Folha de S.Paulo A gravidez é, sem dúvida, um momento muito especial, mas tem lá os seus desconfortos. Mesmo quando tudo está dentro do programa, em termos

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004)

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Flikweert S, Wieringa-de Waard M, Meijer LJ, De Jonge A, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

ANÁLISE E TRATAMENTO FISIOTERÁPICO DA LOMBALGIA GESTACIONAL ASSOCIANDO CINESIOTERAPIA E ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA NERVOSA TRANSCUTÂNEA (TENS).

ANÁLISE E TRATAMENTO FISIOTERÁPICO DA LOMBALGIA GESTACIONAL ASSOCIANDO CINESIOTERAPIA E ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA NERVOSA TRANSCUTÂNEA (TENS). ANÁLISE E TRATAMENTO FISIOTERÁPICO DA LOMBALGIA GESTACIONAL ASSOCIANDO CINESIOTERAPIA E ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA NERVOSA TRANSCUTÂNEA (TENS). Autora: Fernanda Cristina Sposito G INESUL FISIOTERAPIA LONDRINA

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Existem 2 tipos de artic. encontradas

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Fisioterapia DEPARTAMENTO: Fisioterapia DISCIPLINA: Fisioterapia Uroginecológica e Obstetrica SÉRIE: 4º. Ano PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido Avaliação Postural e Flexibilidade Priscila Zanon Candido POSTURA A posição otimizada, mantida com característica automática e espontânea, de um organismo em perfeita harmonia com a força gravitacional

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA

OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA WELLINTON GONÇALVES DO SANTOS ¹ RICARDO BASÍLIO DE OLIVEIRA CALAND² LUCIANA ALVES BRANDÃO³ SONNALE DA SILVA ARAÚJO4 RESUMO A dor lombar é um mal recorrente

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

CUIDADOS ESTÉTICOS PARA A GESTANTE

CUIDADOS ESTÉTICOS PARA A GESTANTE CUIDADOS ESTÉTICOS PARA A GESTANTE INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonati Hormônios da gravidez ESTROGÊNIO PROGESTERONA GONADOTROPINA CORIÔNICA PROLACTINA OCITOCINA PROSTAGLANDINA HORMÔNIO

Leia mais

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA Fernanda Cristina Pereira 1

Leia mais

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna Guia de Exercícios preventivos para a Coluna Vertebral Dr. Coluna 01 Helder Montenegro Fisioterapeuta Guia de Exercícios Dr Coluna 2012.indd 1

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA Karina de Sousa Assad * Layana de Souza Guimarães ** RESUMO A proposta desse artigo é demonstrar que algumas alterações posturais podem levar a distúrbios

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto OFICINA PRÁTICA Aprenda a ministrar aulas de ginástica laboral GINÁSTICA LABORAL - Objetivos e benefícios do programa - Formas de aplicação atualmente - Periodização

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ALONGAMENTO MUSCULAR NA POSTURA SENTADA DE ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA 1

INFLUÊNCIA DO ALONGAMENTO MUSCULAR NA POSTURA SENTADA DE ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA 1 INFLUÊNCIA DO ALONGAMENTO MUSCULAR NA POSTURA SENTADA DE ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA 1 Luciana de Oliveira Forte 2 Inês Alessandra Xavier Lima 3 Resumo Este estudo teve como objetivo analisar a influência

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

Gravidez e Exercício. cio. Prof. Roberto Vinícius Zogbi

Gravidez e Exercício. cio. Prof. Roberto Vinícius Zogbi Gravidez e Exercício cio Prof. Roberto Vinícius Zogbi Segurança x Gravidez Ainda posso fazer exercícios agora que estou grávida? Não me exercitava antes, mas agora que estou grávida quero começar um programa

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

companhia! semanas da gestação ao pós-parto [14] por Juliana Menezes amaioria das mulheres sonha em ser mãe. Ostentar

companhia! semanas da gestação ao pós-parto [14] por Juliana Menezes amaioria das mulheres sonha em ser mãe. Ostentar Em auxilia a mulher da gestação ao pós-parto boafisioterapia companhia! por Juliana Menezes Fotos - Juliana Menezes 10 [14] amaioria das mulheres sonha em ser mãe. Ostentar a barriga de grávida é um motivo

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA PARA GRUPOS ESPECIAIS-GESTANTES

ATIVIDADE FÍSICA PARA GRUPOS ESPECIAIS-GESTANTES ESPECIALIZAÇÃO EM ATIVIDADE FÍSICA NA SAÚDE COLETIVA ATIVIDADE FÍSICA PARA GRUPOS ESPECIAIS-GESTANTES Prof. Msc. Moisés Mendes Universidade Estadual do Piauí- Teresina www.moisesmendes.com professormoises300@hotmail.com

Leia mais

O MÉTODO PILATES NA DIMINUIÇÃO DA DOR LOMBAR EM GESTANTES

O MÉTODO PILATES NA DIMINUIÇÃO DA DOR LOMBAR EM GESTANTES O MÉTODO PILATES NA DIMINUIÇÃO DA DOR LOMBAR EM GESTANTES Cristiana Gomes Machado 1, Thelma Garcia Araújo 2, Renato Alves Sandoval 3, Cristina Aparecida Neves Ribeiro Machado 4, Marislayne de Sousa Freitas

Leia mais

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO POSTURA INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO *Antigamente : quadrúpede. *Atualmente: bípede *Principal marco da evolução das posturas em 350.000 anos. *Vantagens: cobrir grandes distâncias com o olhar, alargando seu

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DA HIDROTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DA GESTANTE RESUMO

A IMPORTÃNCIA DA HIDROTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DA GESTANTE RESUMO A IMPORTÃNCIA DA HIDROTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DA GESTANTE Bruna Raphaela Marques dos Santos - b_raphaela@hotmail.com Caroline Rossinoli - carolinerossinoli@hotmail.com Ana Claudia de Souza Costa -

Leia mais

Saúde. Karina Fusco Especial para Metrópole especial.metropole@rac.com.br

Saúde. Karina Fusco Especial para Metrópole especial.metropole@rac.com.br Saúde Grávida de nada Problema real: ainda hoje existem mulheres que vivenciam uma gestação imaginária, inclusive com as transformações esperadas do corpo Karina Fusco Especial para Metrópole especial.metropole@rac.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof.

Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof. MASSAGEM PARA GESTANTE E SHANTALA Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof.ª Daniella Koch de Carvalho SHANTALA

Leia mais

Abdução do quadril Posição inicial Ação Extensão do quadril em rotação neutra Posição inicial Ação

Abdução do quadril Posição inicial Ação Extensão do quadril em rotação neutra Posição inicial Ação 12) Abdução do quadril - músculos comprometidos da articulação do quadril: glúteo médio, glúteo mínimo, tensor da fascia lata e os seis rotadores externos; da articulação do joelho: quadríceps (contração

Leia mais

Assistência Pré-Natal. 1. Captação precoce das gestantes com realização da primeira consulta de pré-natal até 120 dias da gestação;

Assistência Pré-Natal. 1. Captação precoce das gestantes com realização da primeira consulta de pré-natal até 120 dias da gestação; Assistência Pré-Natal OBJETIVO DO PRÉ-NATAL Garantir o bom andamento das gestações de baixo risco e também o de identificar adequada e precocemente quais as pacientes com mais chance de apresentar uma

Leia mais

Assistência ao parto

Assistência ao parto Assistência ao parto FATORES DE RISCO NA GESTAÇÃO Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis: Idade menor que 15 e maior que 35 anos; Ocupação: esforço físico excessivo, carga

Leia mais

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações Ósseas DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO:

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

Este Caderno contém 34 questões de Conhecimentos Específicos: quatro discursivas e trinta de múltipla escolha, respectivamente.

Este Caderno contém 34 questões de Conhecimentos Específicos: quatro discursivas e trinta de múltipla escolha, respectivamente. Leia estas instruções: 1 2 3 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Será que estou grávida?

Será que estou grávida? A UU L AL A Será que estou grávida? - Alzira tá diferente... Tá com a cara redonda, inchada. Está com cara de grávida! - Não sei o que eu tenho. Toda manhã acordo enjoada e vomitando. - A Neide engordou

Leia mais

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE).

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE). PRIMEIRA CONSULTA DE PRÉ NATAL. HISTÓRIA: Entrevista (nome, idade, procedência, estado civil, endereço e profissão) História familiar de problemas de saúde. História clínica da gestante. História obstétrica.

Leia mais

A importância da Atividade Física

A importância da Atividade Física A importância da Atividade Física Introdução Mas o que é atividade física? De acordo com Marcello Montti, atividade física é definida como um conjunto de ações que um indivíduo ou grupo de pessoas pratica

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

CUIDADOS COM A COLUNA

CUIDADOS COM A COLUNA SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A COLUNA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a coluna 3 apresentação As dores na coluna vertebral são um grande transtorno na vida de muita gente, prejudicando os movimentos

Leia mais

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FLEXIBILIDADE EM GESTANTES DO ÚLTIMO TRIMESTRE GESTACIONAL

AVALIAÇÃO DA FLEXIBILIDADE EM GESTANTES DO ÚLTIMO TRIMESTRE GESTACIONAL 112 AVALIAÇÃO DA FLEXIBILIDADE EM GESTANTES DO ÚLTIMO TRIMESTRE GESTACIONAL Jessica Jessica Ribeiro, Letícia Endsfeldz Teixeira, Nathalia Ulices Savian, Elisa Bizetti Pelai, Alessandra Madia Montovani,

Leia mais

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F RPG 1. DEFINIÇÃO A Reeducação Postural Global é um método fisioterápico de correção e tratamento da dor, que trabalha sobre as cadeias de tensão muscular utilizando posturas de alongamento excêntrico ativo

Leia mais

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10 DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS www.doresnascostas.com.br Página 1 / 10 CONHEÇA OS PRINCÍPIOS DO COLETE MUSCULAR ABDOMINAL Nos últimos anos os especialistas

Leia mais

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO Éder Cristiano Cambraia 1 Eduardo de Oliveira Melo 2 1 Aluno do Curso de Pós Graduação em Fisiologia do Exercício. edercambraiac@hotmail.com 2 Professor

Leia mais

Exercícios e bem estar na gestação

Exercícios e bem estar na gestação na gestação Sete motivos para você exercitar-se durante a gravidez. Aumente sua energia. Melhore a qualidade do seu sono. Reduza o desconforto. Prepare-se para a chegada do bebe. Reduza a ansiedade. Melhore

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA.

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. Um atendimento pré-natal de qualidade é fundamental para a saúde da gestante e de seu bebê. Logo que você constatar que está grávida, deve procurar

Leia mais

Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1

Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1 1 Atividades Recreativas Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1 Educador Físico, Pós graduação: Fisiologia do exercício(unifesp) MBA em Gestão e Estratégia Empresarial, Membro de 2 grupos

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO

O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO Esta investigação tem como enfoque o atendimento às gestantes adolescentes primigestas nas equipes de ESF. Visa conhecer o universo destas gestantes

Leia mais

LESÕES OSTEOMUSCULARES

LESÕES OSTEOMUSCULARES LESÕES OSTEOMUSCULARES E aí galera do hand mades é com muito orgulho que eu estou escrevendo este texto a respeito de um assunto muito importante e que muitas vezes está fora do conhecimento de vocês Músicos.

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

INCIDÊNCIA DE DOR LOMBAR EM GESTANTES¹

INCIDÊNCIA DE DOR LOMBAR EM GESTANTES¹ INCIDÊNCIA DE DOR LOMBAR EM GESTANTES¹ MACHADO, Bruna La Roque; SILVA, Franciely; BRAUNER, Greice da Silva Ries; REFATTI, Jessica Ribeiro; GARLET, Patricia; GUEDES, Priscilla Fonseca Guedes²; VAUCHER,Daniela

Leia mais

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA Maria Lucia Ziroldo 1 ; Mateus Dias Antunes 2 ; Daniela Saldanha Wittig 3 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 4 RESUMO: A dor lombar é uma das

Leia mais

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL *

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * A. POSTURA DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * 1 POSTURA LORDÓTICA Trabalho realizado por: Karina Mothé Bianor Orientador: Prof. Blair José Rosa Filho Caracterizada por um aumento no ângulo lombossacro (o

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Para um bom acompanhamento pré-natal, é necessário que a equipe de saúde utilize correta e uniformemente as técnicas de exame clínico e obstétrico.

Para um bom acompanhamento pré-natal, é necessário que a equipe de saúde utilize correta e uniformemente as técnicas de exame clínico e obstétrico. 1 A N E X O S I. Técnicas Padronizadas para o Exame Clínico e Obstétrico Para um bom acompanhamento pré-natal, é necessário que a equipe de saúde utilize correta e uniformemente as técnicas de exame clínico

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 42 QUESTÃO 26 No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: a) Alteração do posicionamento dos membros superiores.

Leia mais

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES Utilizando os Princípios do Pilates Contemporâneo para atingir um nível ótimo de condição física. Por Moira Merrithew, STOTT PILATES Executive Director, Education

Leia mais

7 Resultados da pesquisa de campo: tabulação dos dados e análise

7 Resultados da pesquisa de campo: tabulação dos dados e análise Resultados da pesquisa de campo: tabulação dos dados e análise 93 7 Resultados da pesquisa de campo: tabulação dos dados e análise 7.1. Questionário de perguntas abertas e fechadas O questionário de perguntas

Leia mais

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira Plano de Exercícios Para Segunda-Feira ALONGAMENTO DA MUSCULATURA LATERAL DO PESCOÇO - Inclinar a cabeça ao máximo para a esquerda, alongando a mão direita para o solo - Alongar 20 segundos, em seguida

Leia mais

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TÉCNICAS

Leia mais

OS MÉTODOS PILATES E RPG NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA NA GRAVIDEZ: UMA REVISÃO DE LITERATURA

OS MÉTODOS PILATES E RPG NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA NA GRAVIDEZ: UMA REVISÃO DE LITERATURA 22 OS MÉTODOS PILATES E RPG NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA NA GRAVIDEZ: UMA REVISÃO DE LITERATURA Clarice Amarante Scipiao 1 Joelma Gomes da Silva 2 RESUMO O período gestacional, é marcado por profundas modificações

Leia mais

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior COLUNA VERTEBRAL 7 vértebras cervicais 12 vértebras torácicas 5 vértebras lombares 5 vértebras sacrais 4 vértebras coccígeas anterior

Leia mais

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE?

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? Dicas Gerais para uma Boa Postura 1) Manter o topo da tela ao nível dos olhos e distante cerca de um comprimento de braço (45cm ~ 70cm); 2) Manter a cabeça e pescoço

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

ORIENTAÇÃO GERAL LOMBALGIA DR.ROBERTO ANTONIO ANICHE CRM 54.132 TEOT 04.626 MÉDICO ORTOPEDISTA NOVEMBRO/2008

ORIENTAÇÃO GERAL LOMBALGIA DR.ROBERTO ANTONIO ANICHE CRM 54.132 TEOT 04.626 MÉDICO ORTOPEDISTA NOVEMBRO/2008 ORIENTAÇÃO GERAL LOMBALGIA DR.ROBERTO ANTONIO ANICHE CRM 54.132 TEOT 04.626 MÉDICO ORTOPEDISTA NOVEMBRO/2008 LOMBALGIA O QUE É? Vulgarmente conhecida como dor nas costas, é a dor que acomete a coluna vertebral

Leia mais

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO O método pilates é um trabalho que se baseia em exercícios de força e mobilidade utilizando para tal técnicas e exercícios específicos. Este método permite

Leia mais

TRATAMENTO PARA AS DORES. DA GESTAÇão e MUSCULOESQUELÉTICAS

TRATAMENTO PARA AS DORES. DA GESTAÇão e MUSCULOESQUELÉTICAS TRATAMENTO PARA AS DORES MUSCULOESQUELÉTICAS DA GESTAÇão e do PUERPério BIOMECÂNICA GESTACIONAL TRATAMENTO PARA AS DORES MUSCULOESQUELÉTICAS DA GESTAÇÃO E DO PUERPÉRIO Estima-se que 45% das gestantes e

Leia mais