Universidade São Francisco Curso de Fisioterapia. Perfil da Lombalgia em Acadêmicos de Fisioterapia da Universidade São Francisco

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade São Francisco Curso de Fisioterapia. Perfil da Lombalgia em Acadêmicos de Fisioterapia da Universidade São Francisco"

Transcrição

1 Universidade São Francisco Curso de Fisioterapia Perfil da Lombalgia em Acadêmicos de Fisioterapia da Universidade São Francisco Bragança Paulista 2008

2 2 Pádua José Barizon Gustavo Araújo da Silva Perfil da Lombalgia em Acadêmicos de Fisioterapia da Universidade São Francisco Monografia apresentada à disciplina Trabalho de Conclusão de Curso, do Curso de Fisioterapia da Universidade São Francisco, sob orientação do Profº Ms. Rafael Davini como exigência da graduação de fisioterapeuta Bragança Paulista

3 3 BARIZON, Pádua José; SILVA, Gustavo Araújo; Perfil da Lombalgia em Acadêmicos de Fisioterapia da Universidade São Francisco. Monografia defendida e aprovada na Universidade São Francisco em 4 de dezembro de 2008 pela banca examinadora constituída pelos professores: Prof. Ms. Rafael Davini USF Orientador Temático Profª. Drª. Rosimeire Simprini Padula USF Orientadora Metodológica Prof Ms. Cláudio Fusaro USF Examinador 3

4 4 DEDICATÓRIAS Dedico este estudo com todo meu carinho e amor aos meus pais João e Sônia que abdicaram de seus sonhos para que eu estudasse e me tornasse alguém na vida. Aos meus irmãos Thiers Francisco e João Bento que ao ensino dos meus pais lutaram e batalharam na vida. À minha namorada Vanessa Aparecida Orcini pelo apoio, dedicação, lágrimas, carinho, amor e compreensão apostando tudo em mim e nunca me permitiu desistir. Aos meus amigos João Paulo Moreira, William Costa, Rafael Cipoleta e Celso Margotti que juntos descobrimos o valor da amizade e aos meus amigos de faculdade, os quais jamais irei esquece-los. Pádua José Barizon A memória de minha querida mãe Olinda Palma da Silva que não teve a oportunidade de vivenciar este momento. A meu pai Expedito pelo encorajamento durante o tempo de minha formação. A minhas tias Maria e Geralda que me ajudaram tanto que sem elas eu não estaria vivendo este momento. A pessoas especiais como minha namorada Alessandra e meus irmãos Reinaldo e Vanessa, que me alegraram e deram atenção e coragem durante momentos importantes e momentos difíceis da minha vida. Gustavo Araújo da Silva 4

5 5 AGRADECIMENTOS A Deus por sua imensidão e ser sempre a luz que rege nossas vidas Aos nossos Pais pelo apoio e amor incondicional Ao nosso Orientador Professor Mestre Rafael Davini, que em meio a risos nos ensinou e orientou com paciência nosso estudo A Professora Doutora Rosimeire Simprini Padula pelos preciosos conselhos Ao Professor Mestre Cláudio Fusaro por ter aceito gentilmente fazer parte da banca examinadora de nosso estudo Aos nossos amigos e futuros fisioterapeutas que em dia de avaliação de setor responderam o questionário de nosso estudo e acreditaram em nós. 5

6 6 Vim, Vi e Venci (Júlio César) 6

7 7 BARIZON, Pádua José; SILVA, Gustavo Araújo; Perfil da Lombalgia em Acadêmicos de Fisioterapia da Universidade São Francisco f. Monografia Curso de Fisioterapia da Unidade Acadêmica da Área da Saúde da Universidade São Francisco, Bragança Paulista, defendida e aprovada em 4 de dezembro de 2008 sob orientação do Professor Mestre Rafael Davini. RESUMO Introdução: A lombalgia é um dos mais comuns problemas da sociedade moderna, podendo ter diversos fatores predisponentes. Os fisioterapeutas estão entre os profissionais da área de Saúde que mais apresentam este distúrbio, pois exercem suas atividades, as quais exigem a realização de movimentos repetitivos e de força, em postos de trabalhos inadequados e numa postura indesejável. Objetivo: Avaliar a incidência de lombalgia em cada setor do estágio nos alunos do 4º ano do curso de fisioterapia da USF. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo de série de casos que foi desenvolvido através da aplicação de um questionário com 56 alunos que estagiavam na clínica de fisioterapia da USF. Resultados: Foi verificado um alto índice de lombalgia nos pesquisados, chegando a um total de 62% dos alunos. Conclusão: No presente estudo verificamos que a maioria dos acadêmicos possuem dor lombar de intensidade média. A queixa de lombalgia é maior na posição em pé e o sexo feminino tem a maior incidência. Foi verificado também que o setor de geriatria foi o setor de maior queixa e o principal fator de influência foi a manutenção da mesma postura por longos períodos. A maioria da população estudada não pratica atividade física e uma pequena porcentagem procurou atendimento médico e fisioterapêutico sendo que a maior parte deles que procuraram atendimento fisioterapêutico obtiveram melhora dos sintomas. Palavras-chave: incidência; lombalgia; fisioterapeutas. 7

8 8 BARIZON, Pádua José; SILVA, Gustavo Araújo; Perfil da Lombalgia em Acadêmicos de Fisioterapia da Universidade São Francisco f. Monografia Curso de Fisioterapia da Unidade Acadêmica da Área da Saúde da Universidade São Francisco, Bragança Paulista, defendida e aprovada em 4 de dezembro de 2008 sob orientação do Professor Mestre Rafael Davini. ABSTRACT Introduction: The low back pain is one of the most common problems of modern society, may have different predisposing factors. The physiotherapists are among the professionals in the area of Health show that over this disorder, because performing its activities, which require the execution of repetitive movements and strength in the jobs and an inadequate posture undesirable. Objective: To evaluate the incidence of low back pain in every sector of the placement of students in the 4th year of the physiotherapy course, USF. Materials and Methods: This is a study of the number of cases that was developed by the application of a questionnaire with 56 students who staged the physiotherapy clinic of the USF. Results: We found a high rate of low back pain in your search, reaching a total of 62% of students. Conclusion: This study found that most scholars have average intensity of back pain. Complaints of low back pain is greater in the standing position and the female has the highest incidence. It was also noted that the department of geriatrics was the largest sector of complaint and the main factor of influence was to maintain the same posture for long periods. The majority of the population does not carry physical activity and a small percentage sought medical care and physical being that those who sought care received most physical improvement of symptoms. Key words: incidence; low back pain, physiotherapists. 8

9 9 SÚMARIO 1. Introdução Objetivo Metodologia Resultados e Discussão Conclusão Considerações Finais Referências Bibliográficas Anexos Anexo Anexo2 34 9

10 10 1. Introdução A coluna lombar promove suporte para a porção superior do corpo e transmite o peso dessa área para a pelve e os membros inferiores. Os movimentos de flexão anterior, extensão, flexão lateral e rotação ocorrem graças às articulações facetárias e essas por sua vez, suportam de 20 a 25% da carga axial, mas pode atingir 70% com a degeneração do disco, além de prover 40% das forças rotacionais e de cisalhamento (MAGEE, 2005). A lombalgia é um dos mais comuns problemas da sociedade moderna. Dados epidemiológicos sugerem que nos Estados Unidos da América a lombalgia seja a causa mais freqüente de incapacidade física para o trabalho em pessoas com menos de 45 anos (SILVA et al., 2004). Na Noruega a prevalência de dores lombares crônicas, tanto para homens como para mulheres é de 2,4% e 1,2%, respectivamente (SILVA et al., 2004). Estima-se que o gasto anual relacionado a esse problema envolvendo custos médicos e indenizações chegaram a 20 bilhões de dólares durante a década de 90. A previsão para a próxima década é de que esses gastos superem 50 bilhões de dólares (KOLYNIAK et al., 2004) A dor lombar é uma das alterações músculo-esqueléticas mais comuns nas sociedades industrializadas afetando 70 a 80% da população adulta em algum momento da vida, tendo predileção por adultos jovens em fase economicamente ativa, sendo uma das razões mais comuns para a aposentadoria por incapacidade total ou parcial (ANDRADE, 2005). O afastamento de trabalhadores representa um significativo gasto para os cofres públicos, pois o governo e as indústrias arcam com as despesas (SILVA et al., 2004) As patologias da coluna vertebral constituem um importante fator responsável pelo afastamento do trabalho. Em comum, as doenças da coluna vertebral são responsáveis por alterações em sua estrutura e função, comumente associadas com dor predominantemente na coluna lombar (BARBOSA et al., 2007). A dor lombar crônica não decorre de doenças específicas e sim de um conjunto de causas de fatores sócio-demográficos (idade, sexo, renda), comportamentais (fumo e sedentarismo) e atividades cotidianas (trabalho, vibração, posição viciosa, movimentos repetitivos) (SILVA et al., 2004). 10

11 11 Segundo PEREIRA et al. (2006) a dor lombar pode ter diversos fatores predisponentes. Um deles é o esforço laboral. Tal estudo focou na atividade laboral de coletores de lixo os quais constituem um grupo que apresenta alta incidência de dor lombar, sendo a dor resultante da manipulação de grandes volumes de lixo e de movimentos abruptos de flexão, extensão e rotação da coluna. O ato de levantar um peso está incluído muitas vezes nos movimentos que realizamos durante todo o dia. Mesmo que sua massa seja pequena, realizamos este levantamento manual de carga muitas vezes automaticamente, sem que tenhamos consciência dos mecanismos de exigência necessário sobre o organismo para que esta carga possa ser elevada ou sustentada. Devido ao fato de ser uma atividade de vida diária e, na grande maioria das vezes, sem consciência da melhor forma de executar este movimento, em nossos dias, existe uma porcentagem significativa da população que sofre das conseqüências da execução modificada deste ato (GONÇALVES, 1998). Outro fator que é predisponente para causar dor lombar é o sedentarismo. Dor lombar pode ser caracterizada também como doença de pessoas com vida sedentária; a inatividade física estaria relacionada, direta ou indiretamente, com dores na coluna; a maior parte da atenção dirige-se a considerá-la um sub-produto da combinação da aptidão músculo-esquelética deficiente e uma ocupação que force essa região (TOSCANO et al., 2001). Segundo MORAES et al. (2003) a lombalgia não atinge somente indivíduos sedentários. A dor lombar pode ser influenciada pelo tipo de esporte praticado. Os efeitos podem atingir até 30% dos atletas que o praticam. Foi encontrada uma alta taxa de prevalência de lombalgias em atletas jovens, praticantes, principalmente, de ginástica, patinação e dança. Geralmente, ocorre um desequilíbrio entre a carga funcional, que seria o esforço requerido para atividade do trabalho e da vida diária e a capacidade funcional, que é o potencial de execução para essas atividades (ANDRADE et al., 2005). Segundo SIQUEIRA et al. (2008) os profissionais da área da Saúde estão incluídos nas referências de altos índices de dor na coluna vertebral relacionados à ocupação laboral, e este é um sintoma que interfere na realização das atividades diárias, causando desde limitação de movimentos até invalidez temporária, dependendo da intensidade da patologia. Apesar de ser uma profissão cujo objetivo maior é promover a saúde do indivíduo, a grande maioria dos instrumentos e ambientes de trabalho desses profissionais não 11

12 12 respeitam preceitos ergonômicos. Assim, muitos fisioterapeutas exercem suas atividades, as quais exigem a realização de movimentos repetitivos e de força, em postos de trabalhos inadequados e numa postura indesejável, o que pode predispor ao aparecimento de distúrbios músculo-esqueléticos principalmente na coluna lombar (SIQUEIRA et al., 2008). Os fisioterapeutas estão entre os profissionais da área de Saúde que mais apresentam distúrbios posturais, pois as atividades laborativas destes implicam em exigências do sistema músculo-esquelético, com movimentos repetitivos de membros superiores, manutenção de posturas estáticas e dinâmicas por tempo prolongado e, principalmente, movimentos de sobrecarga para a coluna vertebral (SIQUEIRA et al., 2008). Como qualquer outro profissional o fisioterapeuta também está exposto a risco e cargas ocupacionais, embora poucos estudos abordem esse assunto. Segundo levantamento realizado nos Estados Unidos, em uma população de 928 fisioterapeutas, 45% referiram sintomas músculo-esqueléticos na coluna lombar, e foi destacado que as atividades que ocasionaram riscos corporais agudos e acumulativos foram: transferências de pacientes dependentes, treino e auxílio de marcha de pacientes, assistência ao paciente no leito, promoção de resistência manual e levantamento de pesos e equipamentos inadequados (TRELHA et al., 2004). Posturas inadequadas adotadas durante o exercício profissional e a inadequação do mobiliário do fisioterapeuta, quando associadas à sobrecarga e à rapidez de execução dos movimentos, podem provocar graves lesões na coluna lombar (SIQUEIRA et al., 2008). A dor lombar em fisioterapeutas pode iniciar ainda na vida acadêmica, durante o período em que começa o atendimento a pacientes e o risco do aparecimento deste distúrbio aumenta conforme se aproxima o final do curso e no decorrer da prática profissional (SIQUEIRA apud NYLAND & GRIMMER, 2003). A continuidade da exposição diária a movimentos repetitivos ou de força, sem pausas, como ocorre com a atividade executada pelos fisioterapeutas, pode produzir lesões nos músculos, tendões e ligamentos, predispondo ao aparecimento de distúrbios na coluna lombar (SIQUEIRA et al., 2008). Segundo TRELHA et al. (2004) 91% dos fisioterapeutas australianos apresentaram sintomatologia de LER/DORT e um em cada seis profissionais mudaram de especialidade ou abandonaram a profissão. 12

13 13 Fazendo parte do contexto de dores lombares, as dores lombares crônicas devem ser tratadas como um problema de saúde pública. Esse tipo de dor contínua e por longo período de tempo afeta muitos aspectos da vida, podendo levar a distúrbios do sono, depressão e irritabilidade (SILVA et al., 2004). Segundo MAGEE (2005) os problemas da coluna lombar são muito difíceis de serem diagnosticados. Os exames giram em torno de diferenciação de sintomatologia de hérnia discal referidos para o membro inferior, daqueles de outras condições (p. ex., reação inflamatória, distensão, entorse, síndrome facetária) que podem causar dor. A intervenção fisioterapêutica para o tratamento da causa da lombalgia é importante por proporcionar alívio da dor, por meio de recursos que reduzem a contratura muscular, melhoram o trofismo e aumentam a flexibilidade e o relaxamento global, melhorando a postura e possibilitando, com isso, melhora do bem-estar e qualidade de vida dos pacientes (SIQUEIRA et al., 2008). Exercícios de estabilização lombar em superfícies instáveis tem apresentado bons resultados no tratamento de dor lombar em atletas, aumentando a ativação dos estabilizadores do tronco, trabalhando todo o sistema neuromucular em maior extensão que os métodos tradicionais de treinamento (LOPES, 2006). LOPES (2006) sugere que na literatura vários programas de treinamento de 6 semanas tem dado bons resultados no tratamento e prevenção de algias lombares. Os programas de exercícios propostos tem sido divididos em 4 estágios 1) reeducação dos músculos estabilizadores; 2) progressão de exercícios para estabilização estática; 3) progressão de exercícios para estabilização dinâmica e 4) estabilização ocupacional e específicas a atividade (LOPES, 2006). Em seu estudo, LOPES (2006) ainda conclui que após realizar um protocolo de intervenção de 6 semanas de exercícios em bola suíça, a dor lombar referida pela população diminuiu significativamente. Frequentemente, quando não existem sintomas radiculares abaixo do joelho, torna-se muito difícil para o examinador determinar onde o problema está localizado na coluna ou se o problema realmente é da coluna lombar ou é originário de problemas das articulações pélvicas, principalmente das articulações sacroilíacas, ou dos quadris (MAGEE, 2005). Concluindo, a literatura sugere, então, a necessidade de mais estudos e investimentos em informação, prevenção e formas de tratamento adequados e eficazes. 13

14 14 2. Objetivo Avaliar a incidência de dores lombares (lombalgias) em cada setor do estágio nos alunos do 4º ano do curso de fisioterapia da Universidade São Francisco, por meio de um questionário de atividades de vida diária e quantificar a intensidade de dor lombar em uma escala analógica de dor. 14

15 15 3. Metodologia O estudo foi realizado com a população de alunos do 7º e 8º semestres do curso de fisioterapia do ano de A pesquisa foi aprovada pelo comitê de ética da Universidade São Francisco e os alunos foram informados do objetivo do programa, de seu funcionamento, de alguns critérios estabelecidos e assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido(anexo 1), sendo que uma via ficou com os pesquisadores e a outra com os alunos, firmando assim um compromisso de que estavam cientes que fariam parte de um projeto de pesquisa para a finalização do curso. Eles foram entrevistados no dia de prova do 2º setor (14/04/08) e foi aplicado um questionário elaborado com perguntas fechadas sobre dados pessoais, atividades de vida diária e dor lombar. Para a graduação de dor, foi utilizado uma união da Escala Visual Numérica (EVN), graduada de zero a dez, nas quais zero significa ausência de dor e dez a pior dor, com a Escala Visual Analógica (EVA), que consiste de uma linha reta, não numerada, indicando-se em uma extremidade a marcação de ausência de dor, e na outra, pior dor (Anexo 2). As seções do questionário utilizado na pesquisa foram pré-codificadas e processadas em microcomputador, pelo software Excel A análise descritiva dos dados foi expressa em percentuais, médias, desvios-padrão, valor máximo e mínimo, por meio da análise visual de gráficos. Os resultados obtidos foram analisados e discutidos para posteriormente serem apresentados no trabalho de conclusão de curso para a banca examinadora. Foi analisado o tipo de transporte utilizado, posição de maior queixa dos acadêmicos, a incidência de dor lombar, foi correlacionado a incidência de dor lombar com a área de setor em que o acadêmico se encontrava, tipo de atividade realizada em cada setor, se havia correlação da dor lombar com o setor, como surgiam as lombalgias, quais eram os fatores de influência, há quanto tempo estavam com o quadro álgico, se procuraram auxílio médico ou fisioterapêutico, e se houve melhora com a fisioterapia. 15

16 16 4. Resultados e discussão Os resultados foram colhidos por meio de um questionário elaborado pelos pesquisadores e os dados analisados e processados pelo programa Microsoft Excel A análise descritiva dos dados foi expressa em percentuais, médias, desviospadrão, por meio da análise visual de gráficos. Da idade dos acadêmicos foi encontrado um valor mínimo de 21(anos) e máximo de 45 (anos) com média de 24 e desvio padrão de ±4,5 anos. No gráfico 1 temos a distribuição da amostra analisada por sexo. Sobre os dados colhidos no questionário, a maioria dos alunos são do sexo feminino. 21% masculino feminino 79% Gráfico 1 Divisão dos acadêmicos por sexo 16

17 17 O gráfico 2 ilustra a distribuição dos alunos pelos setores da prática clínica nos 7º e 8º semestres na data da aplicação do questionário. O setor de pediatria foi o setor com maior número de alunos em um total de 11 alunos. O setor de Ortopedia foi o que apresentou a menor quantidade com um total de 6 alunos. 13% 13% 11% 14% G.O. Cardio 16% Geriatria/P.O. Pediatria Neuro Preventiva 19% 14% Ortopedia Gráfico 2 Divisão da amostra por setor No gráfico 3 verificou-se que a maioria dos acadêmicos apresenta dor lombar. 38% sim não 62% Gráfico 3 Porcentagem de acadêmicos que possui dor lombar 17

18 18 Em um estudo realizado por SIQUEIRA et al. (2008) com 56 fisioterapeutas da cidade de Recife, Pernambuco, um total de 78,58% dos entrevistados apresentaram dor lombar. No estudo de PERES (2002) relata em seu estudo realizado com fisioterapeutas em Santa Catarina, foi verificado que em um n=156, 33,97% apresentavam dor lombar. No gráfico 4 mostra que a maioria da dor referida está na categoria 2 que refere a dor sendo > que 2 chegando até 4, de acordo com a escala analógica de dor, sendo o 0 sem dor e 10 a pior dor imaginável, a escala foi categorizada no presente estudo para ter um resultado que pudesse ser expresso em gráfico. 100,00 80,00 Porcentagem 60,00 40,00 20,00-2,86 Categoria 1 (0-2) 40,00 Categoria 2 (>2-4) 34,29 Categoria 3 (>4-6) 20,00 Categoria 4 (>6-8) 2,86 Categoria 5 (>8-10) Escala de dor Gráfico 4 Divisão da dor referida por escala De acordo com PEREIRA (2006) em um estudo realizado com transportadores de sacas de café, com o uso da escala analógica de dor, 58,33% apresentaram-se na categoria 1, que referia um nível de dor lombar considerado baixo, apesar de ser uma profissão diferente da fisioterapia, consideramos a biomecânica do movimento em relação ao aparecimento da dor lombar e a intensidade de dor referida no presente estudo. 18

19 19 O gráfico 5 ilustra que a posição mais realizada no setor é a posição ortostática, sendo esta a posição onde apontou maiores queixas pelos entrevistados (gráfico 6) 21% 5% ajoelhado sentado 74% em pé Gráfico 5 Posição mais realizada no setor O gráfico 6 ilustra em qual posição os acadêmicos relataram sentir mais dor na região lombar. 17% 14% EM PÉ DEITADO SENTADO 69% Gráfico 6 Posição de maior queixa. A postura em pé é a posição que a coluna lombar mais suporta carga axial. Nos setores acadêmicos, pode ser verificado (gráfico 5) três posições predominantes: 19

20 20 ajoelhado, sentado e em pé. A relação da postura em pé com a posição mais realizada no setor pode ser um fator predisponente para as queixas de lombalgia. De acordo com PERES (2002) 78,84% dos fisioterapeutas adotavam a postura em pé como a mais realizada durante os procedimentos fisioterpêuticos. No estudo de SIQUEIRA (2008) do total da amostra que apresentou dor lombar, 63,63% apresentaram exacerbação da queixa de dor durante a manutenção da postura em pé e cita que a dor localizada na lombar, sem irradiação, que se exacerba na posição de pé, provavelmente está atribuída a tensão e fadiga da musculatura paravertebral lombar desencadeada por posturas de pé inadequadas e mantidas por longos períodos. No gráfico 7 foi verificado a correlação de homens e mulheres que apresentaram lombalgia. Os dados mostraram que a incidência feminina com dor lombar é superior à masculina. 100,00 Porcentagem de lombalgia 80,00 60,00 40,00 20,00 41,67 68,18 - Homens Mulheres Sexo Gráfico 7 Porcentagem de homens e mulheres que apresentam lombalgia Segundo SILVA (2004) o sexo feminino apresentou risco superior ao masculino. As mulheres combinam tarefas domésticas com o trabalho fora de casa e ficam mais tempo expostas a fatores de risco ergonômicos, além de possuir características anátomofuncionais particulares (menor estatura, menor massa óssea, articulações mais frágeis e menos adaptadas ao esforço físico). 20

21 21 MATOS (2008) entre os 775 indivíduos entrevistados de um plano de saúde em seu estudo observou que o maior percentual de adultos com lombalgia era do sexo feminino. No gráfico 8 ilustra sobre a distribuição dos alunos com dor lombar em cada setor. Podemos verificar que a maior incidência de lombalgia foi no setor de Geriatria e Prótese e Órtese. Acredita-se que esse dado possa estar relacionado às atividades realizadas durante o setor tal como alongamento e transferência de pacientes. O setor de pediatria apresentou o menor índice de lombalgia. Acredita-se que devido ao perfil do paciente pediátrico, o terapeuta é menos exigido durante a transferência e deslocamento do mesmo. 100,00 G.O. PORCENTAGEM 80,00 60,00 40,00 20,00 62,50 55,56 75,00 45,45 71,43 71,43 66,67 Cardio Geriatria/P.O. Pediatria Neuro Preventiva - SETORES Ortopedia Gráfico 8 Distribuição da Dor Lombar por setor Em nosso estudo, foi verificado que o setor de geriatria/prótese e órtese foi o setor onde mais obteve queixas de lombalgia. No setor em si são realizadas atividades semelhantes aos setores das áreas de Ortopedia e Neurologia, tais como alongamento e transferência de pacientes. Sendo assim os dados corroboram com o trabalho de SIQUEIRA (2008) que mostrou que a ocorrência de lombalgia está relacionada ao perfil do exercício profissional do fisioterapeuta, principalmente na área de Traumatologia e Neurologia, que exigem grandes demandas físicas, sustentação de carga e alta repetição no atendimento dos pacientes. 21

22 22 No gráfico 9 foi verificado que os acadêmicos acreditam que a lombalgia não é devido às atividades realizadas durante os setores. 46% 54% SIM NÃO Gráfico 9 Opinião dos acadêmicos da correlação da dor lombar com o setor No gráfico 10 temos a distribuição dos fatores que influenciam a piora da lombalgia na população estudada. A manutenção da mesma postura apresentou o maior índice. Acredita-se que a ergonomia e as posturas inadequadas dos terapeutas possam estar influenciando diretamente esse fator mesma posição/tempo nenhum PORCENTAGEM ,86 25,71 esforços intensos atividades do setor deitada ,29 8,57 2,86 2,86 2,86 movimentos repetitivos período menstrual FATORES DE INFLUÊNCIA Gráfico 10 Análise dos fatores de influência 22

23 23 MATOS (2008) descreve em seu estudo que as maiores queixas de influência foram trabalhar sentados, manter a mesma postura por certo período de tempo (flexão de tronco), trabalhar em pé e carregar algum tipo de peso. Segundo ANDRUSAITIS (2006) que realizou um estudo sobre prevalência de lombalgia com 410 caminhoneiros, encontrou como fator de influência da lombalgia, a manutenção da postura sentado por longos períodos de tempo. No gráfico 11 temos ilustrado a porcentagem de acadêmicos que carregam algum tipo de peso. 54% 46% SIM NÃO Gráfico 11 Porcentagem da amostra que carrega peso 23

24 24 O gráfico 12 ilustra que a maioria dos entrevistados adquiriu a lombalgia durante o período de estágio, mesmo tendo a maioria respondida que a lombalgia não possuía correlação com as atividades clínicas. QUANDO APARECEU A DOR? 21% 1 ANO > 1 ANO < 3 ANOS 3 ANOS 52% 27% Gráfico 12 Distribuição do período de dor O gráfico 13 mostra que a minoria dos acadêmicos pratica atividade física 55% 45% sim não Gráfico 13 Porcentagem de acadêmicos que praticam atividade física O gráfico 13 corrobora com o estudo de TOSCANO (2001) que pode observar que 72% da população investigada em clínicas particulares de reumatologia, com diagnóstico confirmado de lombalgia, tinham característica sedentária; e citou que tanto o sedentarismo como o trabalho com grandes cargas representam indicadores de risco para a lombalgia. 24

25 25 O gráfico 14 mostra que apesar da grande maioria dos entrevistados apresentarem dor lombar, apenas uma pequena parcela procurou tratamento médico. 6% SIM NÃO 94% Gráfico 14 Porcentagem da amostra com dor lombar que procurou tratamento médico. Em um estudo realizado por MATOS (2008) a procura por consulta médica para pessoas com dor lombar foi de 6,9%. O gráfico 15 mostra que mesmo com dor lombar a minoria dos entrevistados não procurou auxílio fisioterapêutico para solucionar a lombalgia. 11% SIM NÃO 89% Gráfico 15 Porcentagem da amostra com dor lombar que realizou tratamento fisioterapêutico 25

26 26 No gráfico 16 apenas 1 (um) acadêmico relatou não ter melhora da fisioterapia para a lombalgia 25% SIM NÃO 75% Gráfico 16 Porcentagem da amostra que realizou tratamento fisioterapêutico e obteve melhora do quadro álgico De acordo com SIQUEIRA (2008) 61,36% dos fisioterapeutas com dor lombar procuraram tratamento para o alívio dos sintomas e, dentre os que optaram pelo tratamento fisioterapêutico, 100% deles obtiveram resultados satisfatórios; já daqueles que realizaram o tratamento medicamentoso, 50% obtiveram bons resultados. 26

27 27 5. Conclusão No presente estudo verificamos que a maioria dos acadêmicos possuem dor lombar de intensidade média. A queixa de lombalgia é maior na posição em pé e o sexo feminino tem a maior incidência. Foi verificado também que o setor de geriatria foi o setor de maior queixa e o principal fator de influência foi a manutenção da mesma postura por longos períodos. A maioria da população estudada não pratica atividade física e uma pequena porcentagem procurou atendimento médico e fisioterapêutico sendo que os que procuraram atendimento fisioterapêutico a maioria obteve melhora dos sintomas. 27

28 28 6. Considerações Finais Para uma melhor avaliação da incidência e causas de dor lombar seria necessário que os setores tivessem uma reavaliação em setores diferentes. Para isso, seria necessário que os setores tivessem uma rotatividade seqüencial ao invés de aleatória. Sugerimos também a realização de pesquisas sobre lombalgia que envolvam a população de fisioterapeutas ou futuros fisioterapeutas em diferentes áreas de atuação. 28

29 29 7. Referências Bibliográficas: ANDRADE, S. C. de; ARAÚJO, AURELAN, G. R de; VILAR, M. J. P. Escola de Coluna : Revisão Histórica e Sua Aplicação na Lombalgia Crônica. Rev. Brás Reumatol. v.45, n.4, p jul/ago., BARBOSA, F. S. S.; GONÇALVES, M. Proposta Biomecânica Para Avaliação de Sobrecarga Na Coluna Lombar: Efeito de Diferentes Variáveis Demográficas na Fadiga Muscular. ACTA ORTOP BRAS v.15, n.3, p , GONÇALVES, M. Variáveis Biomecânicas Analisadas Durante o Levantamento Manual de Carga. Motriz v.4, n.2, Dezembro, KOLYNIAK, I.E.G.G.; CAVALCANTI, S.M.B.; AOKI, M.S. Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexão e extensão do tronco: efeito do método Pilates. Rev Bras Med Esporte v.10, n.6, Nov/Dez, LOPES, C.H.C.; GHIROTTO, E.M.S.; MATSUDO, S. M.; ALMEIDA, V. S. Efeitos de um programa de 6 semanas de exercícios na bola suíça sobre a percepção da dor lombar em estudantes de educação física. Rev. Bras. Ci e Mov v.14, n.4, p MAGEE, David J. Avaliação musculoesquelética. 4. ed. Barueri: Manole, MATOS, M. G.; HENNINGTON, E. A.; HOEFEL, A. L.; DIAS-DA-COSTA, J. S. Dor lombar em usuários de um plano de saúde: prevalência e fatores associados Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.24, n.9, p , set, MORAES, E. R. P.; SILVA, M.A.G.; SANTOS, J.P. A prevalência de lombalgia em capoeiristas do Rio de Janeiro. Fisioterapia Brasil v.4, n.5 - setembro/outubro de

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA Fernanda Cristina Pereira 1

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA

OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA WELLINTON GONÇALVES DO SANTOS ¹ RICARDO BASÍLIO DE OLIVEIRA CALAND² LUCIANA ALVES BRANDÃO³ SONNALE DA SILVA ARAÚJO4 RESUMO A dor lombar é um mal recorrente

Leia mais

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TÉCNICAS

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA Maria Lucia Ziroldo 1 ; Mateus Dias Antunes 2 ; Daniela Saldanha Wittig 3 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 4 RESUMO: A dor lombar é uma das

Leia mais

AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT): UMA AVALIAÇÃO RETROSPECTIVA

AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT): UMA AVALIAÇÃO RETROSPECTIVA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT):

Leia mais

12º CONGRESSO DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE

12º CONGRESSO DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE 12º CONGRESSO DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE A Importância dos Grupos de Reabilitação em Dor Crônica Realizados pela Equipe NASF AUTOR THANYTA STELLA DE CAMPOS HISTÓRICO COMO SURGIU A IDÉIA DO TRABALHO?

Leia mais

Carina Cristiane Teodoro Pierini¹; Terezinha Gomes Faria²

Carina Cristiane Teodoro Pierini¹; Terezinha Gomes Faria² V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 7 CONTRIBUIÇÕES DA GINÁSTICA LABORAL PARA A MELHORIA DA CONDIÇÃO FÍSICA DOS ORIENTADORES DE ESTACIONAMENTO REGULAMENTADO

Leia mais

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL)

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Projeto: Unidade de Correção Postural AMIL Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Autores: LACOMBE,Patricia, FURLAN, Valter, SONSIN, Katia. Instituição: Instituto

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO NO FISIOTERAPEUTA

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO NO FISIOTERAPEUTA 60 DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO NO FISIOTERAPEUTA Cristiany Garcia de Deus*; Edilene Gonçalves de Sales*; Elisiane Tonon*; ÉrikaTonon* Christiane Pereira Mello Munhos** Hélio Vidrich

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS Beatriz de Vilas Boas de Oliveira 1, Keyleytonn Sthil Ribeiro 2 1 Faculdade de Pindamonhangaba, Curso de Fisioterapia, biavilasboas@yahoo.com.br

Leia mais

Efeito agudo do treino de Pilates sobre as dores de costas em Idosos

Efeito agudo do treino de Pilates sobre as dores de costas em Idosos Efeito agudo do treino de Pilates sobre as dores de costas em Idosos Clarissa Biehl Printes (Ph.D.) cbprintes.isce@gmail.com Porto Alegre, 2015 Introdução A literatura descreve que 70 a 85% da população

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS

TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL: UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR

GINÁSTICA LABORAL: UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR GINÁSTICA LABORAL: UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR Carina Fátima Brum 1, Tahiana Cadore Lorenzet Zorzi 2 RESUMO: O projeto de ginástica laboral na Unochapecó iniciou suas atividades em fevereiro de 2003

Leia mais

ESTUDO DA POSTURA EM ALUNOS DO ESTÁGIO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE MARECHAL RONDON FMR

ESTUDO DA POSTURA EM ALUNOS DO ESTÁGIO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE MARECHAL RONDON FMR ESTUDO DA POSTURA EM ALUNOS DO ESTÁGIO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE MARECHAL RONDON FMR STUDY OF ATTITUDE IN STUDENTS OF THE SCHOOL OF PHYSIOTHERAPY FACULDADE MARECHAL RONDON FMR Karina Zanotel de Oliveira

Leia mais

Método Mckenzie Aplicado a Dor Lombar em Indivíduos com Idade entre 20 50 Anos

Método Mckenzie Aplicado a Dor Lombar em Indivíduos com Idade entre 20 50 Anos Método Mckenzie Aplicado a Dor Lombar em Indivíduos com Idade entre 20 50 Anos Palavras-chaves: Dor Lombar, Método McKenzie e Fisioterapia. SANTOS, Nurian Jaslanne 1 SOUSA, Kemil Rocha 2 DINIZ, Danielle

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL: OS CONTRASTES NOS RESULTADOS QUANDO ORIENTADA PELO EDUCADOR FÍSICO

A GINÁSTICA LABORAL: OS CONTRASTES NOS RESULTADOS QUANDO ORIENTADA PELO EDUCADOR FÍSICO A GINÁSTICA LABORAL: OS CONTRASTES NOS RESULTADOS QUANDO ORIENTADA PELO EDUCADOR FÍSICO Wagner Hauer Argenton 1 Rafael Godoy Cancelli Evandete Mitue Centro Universitário Positivo, Curitiba, PR Resumo:

Leia mais

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ROSÂNGELA MARION DA SILVA 1 LUCIMARA ROCHA 2 JULIANA PETRI TAVARES 3 O presente estudo, uma pesquisa descritiva bibliográfica, tem por

Leia mais

Ocorrência de lombalgia em fisioterapeutas da cidade de Recife, Pernambuco

Ocorrência de lombalgia em fisioterapeutas da cidade de Recife, Pernambuco ISSN 1413-3555 Rev Bras Fisioter, São Carlos, v. 12, n. 3, p. 222-7, mai./jun. 2008 Revista Brasileira de Fisioterapia Artigo Científico Ocorrência de lombalgia em fisioterapeutas da cidade de Recife,

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Existem 2 tipos de artic. encontradas

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT PINHEIRO, L. C.; DUTRA, J.; BRASILINO, F.F; MORALES, P. J. C.; HUCH, T.P. Universidade da Região de Joinville Depto.

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO Alessandra Vascelai #, Ft, Titulacão: Especialista em Fisioterapia em Traumatologia do Adulto Reeducação Postural Global (RPG) Acupuntura. Resumo: Lombalgia

Leia mais

INCIDÊNCIA DE LER/DORT EM FISIOTERAPEUTAS DOCENTES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM TERESINA (PI)

INCIDÊNCIA DE LER/DORT EM FISIOTERAPEUTAS DOCENTES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM TERESINA (PI) INCIDÊNCIA DE LER/DORT EM FISIOTERAPEUTAS DOCENTES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM TERESINA (PI) Nayana Pinheiro Machado 1,2,3, Relândia Cristina Machado Reinaldo Ratts 4, Veruska Cronemberger

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DA NOVA CRÂNEO ACUPUNTURA DE YAMAMOTO NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA: RELATO DE CASO

OS BENEFÍCIOS DA NOVA CRÂNEO ACUPUNTURA DE YAMAMOTO NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA: RELATO DE CASO ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 OS BENEFÍCIOS DA NOVA CRÂNEO ACUPUNTURA DE YAMAMOTO NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA: RELATO

Leia mais

Reabilitação em Dores Crônicas da Coluna Lombar. Michel Caron Instituto Dr. Ayrton Caron Porto Alegre - RS

Reabilitação em Dores Crônicas da Coluna Lombar. Michel Caron Instituto Dr. Ayrton Caron Porto Alegre - RS Reabilitação em Dores Crônicas da Coluna Lombar Michel Caron Instituto Dr. Ayrton Caron Porto Alegre - RS Introdução - Estima-se que a dor lombar afete até 84% da população adulta. - Episódio de dor autolimitado

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES Alexandre Crespo Coelho da Silva Pinto Fisioterapeuta Mestrando em Engenharia de Produção UFSC

Leia mais

Lombociatalgia. www.fisiokinesiterapia.biz

Lombociatalgia. www.fisiokinesiterapia.biz Lombociatalgia www.fisiokinesiterapia.biz Conceitos Lombalgia; Lombociatalgia; Ciatalgia/Ci /Ciática; Característica região lombar Fonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana Vértebra lombar Fonte:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL FORTALEZA CEARÁ 2009 SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS

Leia mais

HIDROCINESIOTERAPIA COMPARADA AOS EXERCÍCIOS NO SOLO EM PACIENTES COM DOR LOMBAR CRÔNICA

HIDROCINESIOTERAPIA COMPARADA AOS EXERCÍCIOS NO SOLO EM PACIENTES COM DOR LOMBAR CRÔNICA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 HIDROCINESIOTERAPIA COMPARADA AOS EXERCÍCIOS NO SOLO EM PACIENTES COM DOR LOMBAR CRÔNICA Priscila

Leia mais

ANAIS DO X ENCONTRO NACIONAL DE TRADUTORES & IV ENCONTRO INTERNACIONAL DE TRADUTORES (ABRAPT-UFOP, Ouro Preto, de 7 a 10 de setembro de 2009)

ANAIS DO X ENCONTRO NACIONAL DE TRADUTORES & IV ENCONTRO INTERNACIONAL DE TRADUTORES (ABRAPT-UFOP, Ouro Preto, de 7 a 10 de setembro de 2009) 909 A carência de cuidados na prevenção de DORT na atuação do intérprete de LIBRAS Judith Vilas Boas Santiago (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais) Juliano Salomon de Oliveira (Universidade

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS).

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). Daniel Donida Schlottfeldt Graduando de Engenharia de Produção e Tecnologia de Segurança no Trabalho UNISA

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DA GINÁSTICA LABORAL NA PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO 1

OS BENEFÍCIOS DA GINÁSTICA LABORAL NA PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO 1 OS BENEFÍCIOS DA GINÁSTICA LABORAL NA PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO 1 Thiago Augusto Galliza 2 Alex Sandro Goetten 3 RESUMO: Este estudo traz como a Ginástica Laboral

Leia mais

ORIENTAÇÃO GERAL LOMBALGIA DR.ROBERTO ANTONIO ANICHE CRM 54.132 TEOT 04.626 MÉDICO ORTOPEDISTA NOVEMBRO/2008

ORIENTAÇÃO GERAL LOMBALGIA DR.ROBERTO ANTONIO ANICHE CRM 54.132 TEOT 04.626 MÉDICO ORTOPEDISTA NOVEMBRO/2008 ORIENTAÇÃO GERAL LOMBALGIA DR.ROBERTO ANTONIO ANICHE CRM 54.132 TEOT 04.626 MÉDICO ORTOPEDISTA NOVEMBRO/2008 LOMBALGIA O QUE É? Vulgarmente conhecida como dor nas costas, é a dor que acomete a coluna vertebral

Leia mais

Programa de Atividade Física

Programa de Atividade Física Programa de Atividade Física ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE OBJETIVOS: Analisar: Mudanças que ocorrem como o envelhecimento; Os desafios sócio-econômico e individual do envelhecimento em relação

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG Anais do IX Seminário de Iniciação Científica, VI Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação e Semana Nacional de Ciência e Tecnologia UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 19 a 21 de outubro de 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO

Leia mais

Ergonomia. Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé. Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Ergonomia. Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé. Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Ergonomia Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Postura Um dos caminhos para encontrar

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL

A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL INTRODUÇÃO Ádila Siqueira de Basto Lima Wilkelane Ferreira da Silva Marcela Medeiros Melo Mirella Oliveira Barata Thayane de Cácia Brito A fibromialgia

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR. Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso

Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR. Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso Resumo No seu contexto geral a Ginástica Laboral procura promover a saúde e melhorar as condições dos

Leia mais

1. Documento: 20026-2015-3

1. Documento: 20026-2015-3 1. Documento: 20026-2015-3 1.1. Dados do Protocolo Número: 20026/2015 Situação: Ativo Tipo Documento: Comunicação Interna - CI Assunto: Planejamento estratégico - Metas Unidade Protocoladora: SES - Secretaria

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DA SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS DO SERVIÇO DE FISIOTERAPIA DO SETOR PRIVADO DA CIDADE DE CAJATI-SP: UM ESTUDO PILOTO

TÍTULO: ANÁLISE DA SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS DO SERVIÇO DE FISIOTERAPIA DO SETOR PRIVADO DA CIDADE DE CAJATI-SP: UM ESTUDO PILOTO TÍTULO: ANÁLISE DA SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS DO SERVIÇO DE FISIOTERAPIA DO SETOR PRIVADO DA CIDADE DE CAJATI-SP: UM ESTUDO PILOTO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL

AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL Daniela da Maia José Marques de Carvalho Júnior Antonio Vinicius Soares 2010 INTRODUÇÃO É um laboratório especializado em análise biomecânica

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas O que é escoliose? É um desvio látero-lateral que acomete acoluna vertebral. Esta, quando olhada de frente, possui aparência reta em pessoas saudáveis. Ao

Leia mais

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial 2 Alessandra Maróstica de Freitas A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial ALESSANDRA MARÓSTICA DE FREITAS

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE FISIOTERAPIA Os efeitos do tratamento por meio do Método Pilates em estudantes de fisioterapia portadores de Lombalgia Crônica. Bragança Paulista 2009 Andressa de Paiva

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL 10. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

E BEM-ESTAR TAMBÉM. exercícios para fazer com SEM ESTRESSE MELHOR IDADE DE VERDADE GESTANTE FELIZ

E BEM-ESTAR TAMBÉM. exercícios para fazer com SEM ESTRESSE MELHOR IDADE DE VERDADE GESTANTE FELIZ O GRANDE guia de PILATES E BEM-ESTAR 40 exercícios para fazer com bola, no solo e nos aparelhos MELHOR IDADE DE VERDADE Conheça o segredo para ganhar mais vitalidade e ainda evitar quedas GESTANTE FELIZ

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS.

DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS. DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS. Marcela Maria Medeiros de Melo¹; Ádila Siqueira de Basto Lima¹; Mirella Bruna Felix de Freitas¹; Elma Eloi Melo da Silva¹;

Leia mais

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos CAROLINE GONSALEZ FLAVIO PILOTO CIRILLO JULIANA THIEMI IMANO KAMILLA FERNANDES LINS SP 2009 DEFORMIDADES

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE TAUBATÉ

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE TAUBATÉ TÍTULO: PREVALÊNCIA DE DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADO AO TRABALHO EM CIRURGIÕES-DENTISTAS ATUANTES NA REDE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA-SP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

ESTUDO DA POSTURA EM ALUNOS DO ESTÁGIO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE MARECHAL RONDON FMR

ESTUDO DA POSTURA EM ALUNOS DO ESTÁGIO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE MARECHAL RONDON FMR ESTUDO DA POSTURA EM ALUNOS DO ESTÁGIO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE MARECHAL RONDON FMR Karina Zanotel de Oliveira 1, Rosemary Berto 2 1,2 Departamento de Fisioterapia, Faculdade Marechal Rondon, São Manuel,

Leia mais

OS MÉTODOS PILATES E RPG NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA NA GRAVIDEZ: UMA REVISÃO DE LITERATURA

OS MÉTODOS PILATES E RPG NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA NA GRAVIDEZ: UMA REVISÃO DE LITERATURA 22 OS MÉTODOS PILATES E RPG NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA NA GRAVIDEZ: UMA REVISÃO DE LITERATURA Clarice Amarante Scipiao 1 Joelma Gomes da Silva 2 RESUMO O período gestacional, é marcado por profundas modificações

Leia mais

A Atividade Física como Proposta de Prevenção de Doenças no Trabalhador

A Atividade Física como Proposta de Prevenção de Doenças no Trabalhador 23 A Atividade Física como Proposta de Prevenção de Doenças no Trabalhador Maria Lúcia Cimadon Silvestre Graduada em Psicologia na Universidade São Francisco Especialista em Gestão da Qualidade de Vida

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL

CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL RELATO DE EXPERIÊNCIA CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL Contributions of physiotherapy for the promotion of health of the informal caregiver Lidiane Cristina Custódio

Leia mais

POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES

POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 54 60 POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 SILVA,

Leia mais

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE ACRÍLICOS NA REGIÃO DE JOINVILLE-SC

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE ACRÍLICOS NA REGIÃO DE JOINVILLE-SC 1 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE ACRÍLICOS NA REGIÃO DE JOINVILLE-SC Thatiana Prado Brito* RESUMO Dentre as preocupações das empresas na melhoria da qualidade e competitividade

Leia mais

Isabela Ferreira da Costa. Benefícios do Método Pilates na Gestação

Isabela Ferreira da Costa. Benefícios do Método Pilates na Gestação Isabela Ferreira da Costa Benefícios do Método Pilates na Gestação Londrina 2011 Isabela Ferreira da Costa Benefícios do Método Pilates na Gestação Monografia apresentada ao Curso de Especialização, em

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

Programas de Promoção de Saúde Para o Trabalhador Escolar: Ginástica Laboral e Controle do Estresse

Programas de Promoção de Saúde Para o Trabalhador Escolar: Ginástica Laboral e Controle do Estresse 12 Programas de Promoção de Saúde Para o Trabalhador Escolar: Ginástica Laboral e Controle do Estresse Ricardo Martineli Massola Mestre em Qualidade de Vida, Saúde Coletiva e Atividade Física na UNICAMP

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

Análise da qualidade de vida de indivíduos com hérnia de disco lombar que estão sob tratamento fisioterapêutico conservador

Análise da qualidade de vida de indivíduos com hérnia de disco lombar que estão sob tratamento fisioterapêutico conservador Análise da qualidade de vida de indivíduos com hérnia de disco lombar que estão sob tratamento fisioterapêutico conservador Analysis of the quality of life of individuals with lumbar record hernia that

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA 1 AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA FEITOSA P. O. ; FELIPE D. M. Resumo: Entre os declínios fisiológicos relacionados ao envelhecimento

Leia mais

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais Código: Fisio 218 Pré-requisito: --------

Leia mais

DOR DURANTE A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA. Fernando Rodrigues Onofre¹; Msc. Ralph Fernando Rosas² (Orientador) RESUMO

DOR DURANTE A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA. Fernando Rodrigues Onofre¹; Msc. Ralph Fernando Rosas² (Orientador) RESUMO DOR DURANTE A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA Fernando Rodrigues Onofre¹; Msc. Ralph Fernando Rosas² (Orientador) RESUMO Introdução: Assim que uma pessoa inicia a pratica de atividades físicas, se torna sujeita

Leia mais

O uso de práticas ergonômicas e de ginástica laboral nas escolas

O uso de práticas ergonômicas e de ginástica laboral nas escolas O uso de práticas ergonômicas e de ginástica laboral nas escolas Dessyrrê Aparecida Peixoto da Silva¹; Júlio César dos Santos² ¹Estudante de Engenharia de Produção, Bolsista de Extensão Universitária (PIBEX)

Leia mais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE TRABALHADORES DO SETOR ADMINISTRATIVO DA EMPRESA FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A., UNIDADE DE PORTO COLÔMBIA, PLANURA,

Leia mais

LER DORT Sociedade Brasileira de Reumatologia

LER DORT Sociedade Brasileira de Reumatologia LER DORT LER/DORT Cartilha para pacientes CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: Comissão de Reumatologia Ocupacional CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://canyonwalkerconnections.com/2010/the-law-ofkindness-on-your-tongue-and-typing-hands/olympusdigital-camera/

Leia mais

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F RPG 1. DEFINIÇÃO A Reeducação Postural Global é um método fisioterápico de correção e tratamento da dor, que trabalha sobre as cadeias de tensão muscular utilizando posturas de alongamento excêntrico ativo

Leia mais

Cintia da Silva Freire Jardim

Cintia da Silva Freire Jardim Cintia da Silva Freire Jardim Brasileira, solteira, 28 anos Endereço: Rua Wilson Soares Fernandes, 160, bairro Planalto Belo Horizonte MG CEP 31730-700 Telefone: (31) 34941785 e (31) 91068827 e-mail: cintiafreire@gmail.com

Leia mais

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL Junior, A. C. de J. Sebastião, J. S. Pimentel, E. S. Moreira, R. S. T.. RESUMO A área da ginástica laboral vem crescendo bastante

Leia mais

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho 6 Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho José Cicero Mangabeira Da Silva Gestor Em Recursos Humanos - Anhanguera Educacional - Campinas-SP Especialista Em Gestão Da Qualidade

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

A EFICIÊNCIA DO ALONGAMENTO ESTÁTICO E ALONGAMENTO DINÂMICO NA FLEXIBILIDADE DE TRABALHADORES DE UMA EMPRESA EM BRUSQUE SC

A EFICIÊNCIA DO ALONGAMENTO ESTÁTICO E ALONGAMENTO DINÂMICO NA FLEXIBILIDADE DE TRABALHADORES DE UMA EMPRESA EM BRUSQUE SC A EFICIÊNCIA DO ALONGAMENTO ESTÁTICO E ALONGAMENTO DINÂMICO NA FLEXIBILIDADE DE TRABALHADORES DE UMA EMPRESA EM BRUSQUE SC Corrêa 1, Renan Braz 2, André Luiz de Oliveira RESUMO A flexibilidade é uma das

Leia mais

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns TÍTULO:PROMOVENDO E RECUPERANDO A SAÚDE DO TRABALHADOR NA EMPRESA: GINÁSTICA LABORAL E CORREÇÃO FUNCIONAL NA ELECTROLUX DO BRASIL. AUTORES: DUARTE, A. C. G. O.; OLIVEIRA, S. B.; ARRUDA, E. A. B.; VENÂNCIO,

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

A causa exata é determinada em apenas 12-15% dos pacientes extensamente investigados

A causa exata é determinada em apenas 12-15% dos pacientes extensamente investigados LOMBALGIA Prof. Jefferson Soares Leal Turma: Fisioterapia e Terapia Ocupacional Faculdade de Medicina da UFMG Aula e bibliografia recomendada estarão disponíveis para os alunos para donwload no site www.portalvertebra.com.br

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto OFICINA PRÁTICA Aprenda a ministrar aulas de ginástica laboral GINÁSTICA LABORAL - Objetivos e benefícios do programa - Formas de aplicação atualmente - Periodização

Leia mais

DISCREPÂNCIA DE MEMBROS INFERIORES E LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS EM CRIANÇAS PRATICANTES DE ATIVIDADES ESPORTIVAS

DISCREPÂNCIA DE MEMBROS INFERIORES E LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS EM CRIANÇAS PRATICANTES DE ATIVIDADES ESPORTIVAS DISCREPÂNCIA DE MEMBROS INFERIORES E LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS EM CRIANÇAS PRATICANTES DE ATIVIDADES ESPORTIVAS Karine Franciele Toldo 1 ; Priscila Daniele de Oliveira 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA-FORMAÇÃO FISIOTERAPEUTA

CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA-FORMAÇÃO FISIOTERAPEUTA CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA-FORMAÇÃO FISIOTERAPEUTA Coordenaçăo: Profª. Esp. Lidiane Alves Dias E-mail: fisioterapia@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 219 Conceito É uma ciência da Saúde

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FLEXIBILIDADE EM GESTANTES DO ÚLTIMO TRIMESTRE GESTACIONAL

AVALIAÇÃO DA FLEXIBILIDADE EM GESTANTES DO ÚLTIMO TRIMESTRE GESTACIONAL 112 AVALIAÇÃO DA FLEXIBILIDADE EM GESTANTES DO ÚLTIMO TRIMESTRE GESTACIONAL Jessica Jessica Ribeiro, Letícia Endsfeldz Teixeira, Nathalia Ulices Savian, Elisa Bizetti Pelai, Alessandra Madia Montovani,

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL Alessandra Prado de Souza, Ana Eliza Gonçalves Santos, Jaciara Nazareth Campos Palma, Karine Aparecida Silvério, Leonardo Ferreira, Matheus

Leia mais