ANALÍTICA DAS RELAÇÕES DE PODER INERENTES AO PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA DA ARACRUZ CELULOSE S.A., NA DÉCADA DE 1990.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANALÍTICA DAS RELAÇÕES DE PODER INERENTES AO PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA DA ARACRUZ CELULOSE S.A., NA DÉCADA DE 1990."

Transcrição

1 1 ALDO AMBRÓZIO ANALÍTICA DAS RELAÇÕES DE PODER INERENTES AO PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA DA ARACRUZ CELULOSE S.A., NA DÉCADA DE Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Administração do Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas da Universidade Federal do Espírito Santo, como requisito parcial para a obtenção do Grau de Mestre em Administração, na área de concentração em Tecnologias de Gestão e Subjetividades. Orientador: Profª Drª Vânia Maria Manfroi. VITÓRIA 2005

2 2 Dados Internacionais de Catalogação-na-publicação (CIP) (Biblioteca Central da Universidade Federal do Espírito Santo, ES, Brasil) A496a Ambrózio, Aldo, Analítica das relações de poder inerentes ao processo de reestruturação produtiva da Aracruz Celulose S. A. na década de 1990 / Aldo Ambrózio f. Orientadora: Vânia Maria Manfroi. Dissertação (mestrado) Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas. 1. Sociedades comerciais - Reorganização. 2. Gestão de empresas. 3. Tecnologia e administração. 4. Subjetividade. 5. Empresas - Espírito Santo (Estado) Aracruz Celulose (Firma). I. Manfroi, Vânia Maria. II. Universidade Federal do Espírito Santo. Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas. III. Título. CDU: 65

3 3 ALDO AMBRÓZIO ANALÍTICA DAS RELAÇÕES DE PODER INERENTES AO PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA DA ARACRUZ CELULOSE S.A., NA DÉCADA DE Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Administração do Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas da Universidade Federal do Espírito Santo, como requisito parcial para a obtenção do Grau de Mestre em Administração, na área de concentração em Tecnologias de Gestão e Subjetividades. Aprovada em 24 de março de 2005 COMISSÂO EXAMINADORA Profª Drª Vânia Maria Manfroi Universidade Federal do Espírito Santo Orientadora. Prof Dr Romualdo Dias Universidade Estadual Paulista Profª Drª Leila Domingues Machado Universidade Federal do Espírito Santo

4 4 A Vânia, pelo rigor das orientações que propiciaram a realização deste trabalho, além da amizade que sempre marcou nossa relação. A Érico, pela amizade e carinho com que me ajudou em parte do meu trabalho e de minha vida. A Rosa, por ter suportado meu humor e neuroses durante nosso convívio juntos e, principalmente na confecção deste trabalho. A Romualdo, por ter me propiciado o encontro com as leituras que foram fundamentais para a forma como passei a encarar a realidade. A Mônica, Leila e Ronney pelas dicas na qualificação. A Reinaldo, por oferecer-me os elementos para a compreensão do Capitalismo contemporâneo. A Laécio, por toda a amizade e carinho dedicados a minha pessoa. A Izolina e Pedro, por terem me dado a vida.

5 5 Disparo contra o sol, sou forte, sou por acaso; Minha metralhadora cheia de mágoas, eu sou um cara. Cazuza. Ao deixar a esfera da circulação simples ou da troca de mercadorias, à qual o livre-cambista vulgar toma de empréstimo sua concepção, idéias e critérios para julgar a sociedade baseada no capital e no trabalho assalariado, parece-nos que algo se transforma na fisionomia dos personagens do nosso drama. O antigo dono do dinheiro marcha agora à frente, como capitalista; segue-o o proprietário da força do trabalho, como seu trabalhador. O primeiro, com um ar importante, sorriso velhaco e ávido de negócios; o segundo, tímido, contrafeito, como alguém que vendeu sua própria pele e apenas espera ser esfolado. Karl Marx.

6 6 RESUMO Observa-se que a partir da década de 1980 um movimento global de reestruturação dos aparelhos produtivos varreu o mundo ocidental conduzindo as empresas de base global e também uma série de outras organizações de menor porte a seguirem esse direcionamento que trazia como imperativo principal a necessidade da constante mudança e renovação das bases produtivas para satisfazer as exigências do mercado. O modelo de organização da indústria automobilística Toyota Company serviu de matriz para a maioria desses projetos de modificações de estruturas produtivas para dotá-las de maior flexibilidade e agilidade no intuito de satisfazer as exigências do mercado que era apresentado pelas doutrinas neoliberais como uma entidade transcendente que selecionava as organizações mais aptas na disputa pela sobrevivência. A unidade produtiva da Aracruz Celulose S.A. localizada no distrito de Barra do Riacho (INCEL) no município de Aracruz do estado do Espírito Santo passou por essa mesma problemática de modificações no decorrer da década de Efetuou com este objetivo de alcançar maior agilidade e flexibilidade de seu processo produtivo um projeto audacioso onde suas estruturas produtivas passaram por pungentes modificações entre as quais a conversão dos departamentos, que eram a forma como a estrutura era organizada, em processos e também a informatização de todas as rotinas de trabalho por meio de uma modificação da base técnica na qual os operadores efetuavam suas operações. Nessas transformações necessitou-se que uma modificação dos perfis apresentados pelos operadores dessa indústria viesse a ser consumada. Iniciou-se, assim, um intenso programa de treinamento na segunda fase da reestruturação para que a mão de obra dessa fábrica se atualizasse em termos técnicos e também adquirisse atitudes que propiciassem um maior engajamento de suas atividades com o objetivo maior direcionado pelos gestores de buscar taxas de lucratividade cada vez mais crescentes. No programa de treinamento criado para este fim foram utilizados de forma abundante os recursos disciplinares descritos por Michel Foucault: buscou-se por meio do exame classificar os operadores em termos de habilidades técnicas e também em termos de posicionamento político, além de, com este recurso, criarem-se uma base de dados individual que fornecia dados precisos de cada operador para a avaliação das gerências; buscou-se por meio da sanção normalizadora dosar as recompensas e castigos no intuito de promover a aceitação das novas normalizações das rotinas de trabalho e, por meio da criação de uma pirâmide de olhares característica da vigilância hierárquica, permitir a observação de todos os espaços e todas as ações realizadas no interior da fábrica da INCEL. O resultado desses investimentos políticos disciplinares foi uma brutal produção de subjetividades aliada às modificações da base técnica da fábrica INCEL, onde os posicionamentos políticos contrários a essas modificações foram cerceados pelo trabalho conjunto do exame (na identificação) e da sanção normalizadora (punição). Desenhou-se assim uma relação intrínseca entre as tecnologias de gestão utilizadas no processo de reestruturação produtiva e as subjetividades que emergiram deste processo. Palavras chave: Aracruz Celulose; reestruturação produtiva; tecnologias de gestão, disciplinas e produção subjetiva.

7 7 ABSTRACT It is observed that starting from the decade of 1980 a global movement of restructuring of the productive apparels swept the western world driving the companies of global base and also a series of other organizations of smaller load she that direction that brought as main imperative the need of the constant change and renewal of the productive bases to satisfy the demands of the market proceed. The model of organization of the automobile industry Toyota Company served as head office for most of those projects of modifications of productive structures to endow them of larger flexibility and agility in the intention of satisfying the demands of the market that it was presented by the neoliberal doctrines as a transcendent entity that it selected the most capable organizations in the dispute for the survival. Aracruz Cellulose's productive unit located S.A. in the district of Barra do Riacho (INCEL) in the municipal district of Aracruz of Espírito Santo state it went by that same problem of modifications in elapsing of the decade of It made with this objective of reaching larger agility and flexibility of their production process a daring project where their productive structures went by painful modifications among which the conversion of the departments, that were the form as the structure was organized, in processes and also the informatization of all of the work routines through a modification of the technical base in the which the operators made their operations. In those transformations it was needed that a modification of the profiles presented by the operators of that industry came to be consummated. Would began, like this, an intense training program in the second phase of the restructuring so that the hand of work of that factory was updated in technical terms and it also acquired attitudes to propitiate a larger engagement of their activities with the larger objective addressed more and more by the managers of looking for profitability taxes growing. In the training program created for this end were used in an abundant way the resources discipline described by Michel Foucault: it was looked for through the exam to classify the operators in terms of technical abilities and also in terms of political positioning, besides, with this resource, they be created an individual base of data that it supplied necessary data of each operator for the evaluation of the managements; it was looked for through the sanction normalization to dose the rewards and punishments in the intention of promoting the acceptance of the new normalizations of the work routines and, through the creation of a pyramid of glances characteristic of the hierarchical surveillance, to allow the observation of all of the spaces and all of the actions accomplished inside the factory of INCEL. The result of those political investments discipline was a brutal allied production of subjectivities to the modifications of the technical base of the factory INCEL, where the contrary political positioning the those modifications were reduced by the united work of the exam (in the identification) and of the sanction normalization (punishment). Would draw, like this, one intrinsically relation between the management technologies utilized on the production restructuring and the subjectivities that was emerge of that process. Key Words: Aracruz Celulose; productive restructuring; management technologies; disciplines and subjective production.

8 8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO TRANSIÇÃO DE REGIME DE ACUMULAÇÃO DA HEGEMONIA DO CAPITAL INDUSTRIAL À HEGEMONIA DO CAPITAL ESPECUATIVO PARASITÁRIO DO FORDISMO AO TOYOTISMO DO ESTADO KEYNESIANO AO ESTADO NEOLIBERAL ANALÍTICA DAS RELAÇÕES DE PODER A OBRA DE FOUCAULT DISCIPLINAS E BIOPOLÍTICAS PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS O CASO ARACRUZ CARACTERIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO ATUAL DA UNIDADE DA ARACRUZ CELULOSE S.A. DE BARRA DO RIACHO (INCEL) HISTÓRICO DA IMPLEMENTAÇÃO DA EMPRESA ANÁLISE DAS ENTREVISTAS A REESTRUTURAÇÃO VISTA A PARTIR DO FUNCIONAMENTO DAS DISCIPLINAS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A APÊNDICE B

9 9 INTRODUÇÃO O objetivo buscado por este trabalho de dissertação é analisar as profundas imbricações entre as transformações econômicas que moldam os regimes produtivos e as formas de existir manifestadas pelos terrenos subjetivos encontrados pela força de trabalho para sobreviver a esses processos. O lócus específico onde se deu a pesquisa foi a empresa Aracruz Celulose S.A., escolhida pelo fato de tal organização ter passado por uma fase de intensa reestruturação de seus processos organizacionais e de seus instrumentos de produção durante a década de 1990 que é o recorte temporal que contemplamos em nossa pesquisa. Para conseguir arrolar essas relações entre estruturas econômicas e formações subjetivas tentamos criar um itinerário que contemplasse, de um lado, o que de significativo ocorreu nas últimas décadas do século XX em termos de economia política para tentar encontrar a partir de tais transformações o motivo da realização da reestruturação e, de outro buscar na obra do Filósofo Michel Foucault o aparato teórico que nos permitisse perceber as modificações econômicas como o motor de toda uma gama de desterritorializações e reterritorializações 1 no terreno móvel e inconstante do existir. Seguindo esse raciocínio constatamos que a partir de meados da década de 60 do século passado o processo de expansão e circulação do capital sofreu algumas mudanças significativas. Um processo de autonomização do Capital a Juros 2 se iniciaria e ganharia vulto o suficiente para subordinar todo o processo de funcionamento do Capital Industrial. Este processo de 1 Os termos territorialização e reterritorialização não são exatamente do uso de Michel Foucault, o que Foucault afirmou é parecido, ou seja, ser a subjetividade um produto de relações de poder móveis e flexíveis que abrangeriam todo o corpo social. Os filósofos que se utilizaram de tais termos foram Gille Deleuze e Felix Guattari em seu livro O Anti-édipo: capitalismo e esquisofrenia. Nos referimos aos termos por permitirem dar à subjetividade, que em Foucault é concebida como produzida, a característica plástica de ser algo em constante construção e reconstrução como as relações de poder inscritas nas relações sociais. 2 Segundo Carcanholo & Nakatani (1999) o Capital Industrial seria constituído por três formas funcionais específicas: O Capital-Dinheiro (D); o Capital-Produtivo (M) e o Capital-Mercadoria (M ). Tais formas funcionais exemplificariam uma descrição bem abstrata do processo de produção capitalistas. Em uma abordagem mais próxima da realidade, segundo os autores perceberíamos uma autonomização destas três formas funcionais, assim, o Capital- Dinheiro se converteria em Capital a Juros; o Capital-Produtivo se converteria em Capital Produtivo e o Capital- Mercadoria se converteria em Capital Mercantil. Ainda, segundo os autores, durante o período do pós-guerra, o Capital Produtivo subordinaria as outras duas formas autonomizadas à sua lógica de funcionamento. Mas, após década de 1970 seria o Capital a Juros travestido de Capital Especulativo Parasitário é que estaria ditando as regras

10 10 autonomização e hegemonização do Capital a Juros que ao generalizar sua forma específica de circulação 3 produziu na realidade a impressão de toda renda ser oriunda de um determinado Capital contribuiu para o surgimento do Capital Fictício 4 e em termos analíticos em relação a sua proporção o Capital Especulativo Parasitário o qual ampliando enormemente o seu montante em relação ao Capital Produtivo, passou a ditar autonomamente as regras da produção e circulação. Acompanharíamos, com estas alterações na forma da circulação e expansão do Capital, algumas modificações significativas no funcionamento das economias ditas centrais. No plano produtivo vimos ocorrer uma transição de regime de acumulação. O dito fordismo foi substituído por meio de extensos programas de reestruturação produtiva pelo toyotismo com a finalidade de agilizar o giro do capital 5 na tentativa de adequação do funcionamento do Capital Produtivo ao Capital Especulativo Parasitário. No plano político vimos ser substituído o modelo de atuação estatal orientado pelas teorias keynesianas pelo modelo neoliberal, cuja função semelhantemente à ocorrida no plano produtivo, foi adequar o funcionamento do Estado às exigências específicas da acumulação ditada pelo Capital Especulativo Parasitário. Tais transições no plano produtivo e no plano político se deram nos países de economia central entre as décadas de 1960 e Mas, no caso específico do Brasil, por se tratar de uma economia periférica no Sistema Capitalista Mundial, estas tendências gerais não ocorreram nos mesmos recortes temporais das economias centrais. Foi durante a crise internacional do regime de acumulação fordista e do modo de regulamentação Keynesiano em meados da década de 1960 que estes modelos de gestão do sistema produtivo e do Estado foram implementados tardiamente no Brasil e no caso do modo de regulamentação da produção capitalista, mas tal processo será descrito posteriormente quando abordarmos a transição de regime de acumulação. 3 Segundo Marx (2002) a forma de circulação do Capital a Juros seria D D, onde D = D + ΔD. 4 Capital oriundo das remunerações dos Títulos de Dívida pública e das ações de empresas privadas negociados em bolsas de valores. 5 Se trata do intervalo de tempo entre o investimento inicial do capitalista ao trocar o dinheiro pela matéria-prima e pela força de trabalho e o retorno do dinheiro para os bolsos do capitalista após ter vendido a mercadoria produzida pelo processo produtivo.

11 11 Keynesiano de maneira incompleta por o Estado brasileiro não ter assumido a forma do Estado do Bem Estar como nos Estados de economia central. Para entendermos um pouco melhor a afirmação do parágrafo anterior faz-se necessário investir por um momento nossa análise na história econômica brasileira. O Brasil como afirmado no parágrafo oito sempre possuiu sua economia integrada de forma periférica ao Sistema Capitalista Mundial. Podemos visualizar tal fenômeno em todas as suas fases de desenvolvimento econômico 6. Na fase dita agro-exportadora, que se estendeu do descobrimento à década de 1930, a economia brasileira fornecia alguns produtos de natureza agrícola ou mineral de interesse do mercado europeu em determinados ciclos: num período a cana-de-açúcar, num período o ouro, num período o algodão e, por fim, num período o café. Situação mantida pelas elites que se beneficiavam deste modelo de desenvolvimento até o próprio tornar-se inoperante pelas duas Grandes Guerras e pela crise econômica de Assim, entre 1930 e 1961 o país se industrializou sob o comando de governos de caráter nacionalista num processo de substituição de importações. Podemos até afirmar que neste curto lapso da história econômica brasileira a tendência de subordinação internacional foi amenizada pelo fato de o país ter apresentado algumas tendências positivas em termos econômicos que o levaram a se destacar na economia mundial: referimos-nos à criação de um mercado interno, urbanização das principais regiões econômicas e como resultado dos dois itens anteriores apresentação de altas taxas de crescimento de seu Produto Interno Bruto (PIB). Mas, com a crise de tal modelo de industrialização entre os anos 1962 e 1967 e a entrada, no plano político, dos governos militares em 1964, a tendência de subordinação foi reconstituída e ocorreu como afirmado nos parágrafos acima a entrada das multinacionais do setor automobilístico no país garantindo a introdução do fordismo de uma forma tardia justamente por o modelo já apresentar sinais de desgaste nos países centrais. 6 As referências que consultamos para esta apresentação da história econômica brasileira foram respectivamente: Furtado (1997; 1983; 2002); Prado Júnior (1997; 1998) e Tavares (1986; 1999).

12 12 O país impulsionado com a adoção por meio da contribuição do Estado do regime de acumulação fordista obteve taxas elevadíssimas de crescimento no lapso compreendido entre os anos 1968 e 1979 período conhecido como do Milagre Econômico quando então o modelo também colapsou e iniciou-se toda uma década de crises e tendências inflacionárias estratosféricas que acompanharam toda a década de 1980 e metade da década de Durante este ínterim ocorreu no plano político a reinserção do país ao regime democrático e foram tentadas diversas vezes soluções para debelar o surto inflacionário que durante um certo período 1985 a 1994 e uma série de planos econômicos Plano Cruzado (1986), Plano Bresser (1987), Plano Verão (1989), Plano Collor (1990) não conseguiram debelar o surto inflacionário. Somente em meados da década de 1990 com a implementação do Plano Real é que tivemos o surto inflacionário debelado. Mas, juntamente com a erradicação do surto inflacionário, a implementação do Plano Real em 1994, com forte inspiração neoliberal, também caracterizou no plano político a adequação do Estado brasileiro aos ditames do Capital Especulativo Parasitário. Novamente assistimos tal adaptação de forma retardada temporalmente em relação aos países de economia central que iniciaram tal processo já durante a década de 1980 também em resposta ao surto inflacionário gerado pela falência do modelo Keynesiano em meados da década de O curioso do caso brasileiro foi o fato da adaptação do regime de acumulação ter se dado no Brasil via medidas tomadas pelo Estado, como todo o processo de industrialização precedente. Assim, o Estado brasileiro à medida que defendeu através dos meios de comunicação de massa (mass media) a implementação do modelo neoliberal com o objetivo de substituir o Estado de inspiração Keynesiana ligado ao capital produtivo anterior por um Estado que se preocupasse com a defesa dos interesses da classe rentista, também defendeu através dos mesmos meios a necessidade de uma transição no regime de acumulação que se orientava pelo modelo fordista. Desta forma durante a década de 1990 fomos testemunhas de profundas alterações no direcionamento do modo de regulamentação, onde o Estado de inspiração Keynesiana foi substituído pelo Estado neoliberal, e do regime de acumulação onde as estruturas produtivas

13 13 nacionais passaram por forte processo de reestruturação para se adequarem ao modelo toyotista em oposição ao modelo fordista que lhes direcionava o funcionamento anterior. A Aracruz Celulose, que em sua implementação durante os governos militares, possuiu um parque produtivo e um regime organizacional modelado segundo os ditames fordistas passou, dada as transformações organizacionais e políticas no quadro mundial e nacional, por uma profunda reestruturação produtiva durante a década de Tal reestruturação nos interessou como objeto de estudo pelo fato de ter trazido novos elementos para as contradições entre a força de trabalho e a gestão do capital que mereceram nossa atenção. Como exposto nos parágrafos acima os programas de reestruturação procuraram adequar o funcionamento das organizações à lógica do Capital Especulativo Parasitário. Nesta adequação o que se pretendia era restabelecer, ou às vezes ampliar, a lucratividade dessas organizações em tempos de não crescimento ou até mesmo de queda da demanda. Isto implicou uma série de medidas no que tange ao gerenciamento da organização da produção que levaram a uma ampliação da exploração da força de trabalho. Referimos-nos a um achatamento do salário real oriundo de um corte dos rendimentos indiretos 7, a uma intensificação do trabalho por meio de incorporação de atividades de manutenção e supervisão na tarefa normal de operação, enfim, a uma série de medidas tomadas pelas organizações para tentarem retirar o máximo de mais valia da força de trabalho com o intuito de aplacar a sede intensa de valor do Capital Especulativo Parasitário 8. A adoção de tais medidas nos países de economia central que como dissemos anteriormente antecedeu tal adoção no Brasil foi acompanhada por um confronto direto do capital 7 Como rendimentos indiretos queremos nos referir a ganhos de base social como salário família, auxílio moradia, plano de saúde, enfim a uma série de benefícios que em geral foram retirados dos trabalhadores quando dos processos de reestruturação produtiva como medida de redução de custos. 8 Segundo Chesnais (1996) o modelo gerencial que fundamenta tal adaptação em nível da gestão da organização como um todo é a Governança Corporativa. Tal modelo submete a gestão da organização aos ditames do Capital Especulativo Parasitário por duas razões principais: submetendo as decisões administrativas ao crivo da assembléia de acionistas e, como corolário do primeiro fator, exigindo da produção o máximo de lucratividade possível para que a parcela de dividendos dos acionistas possa ser ampliada. Percebe-se portanto que toda a empresa passa a funcionar segundo os ditames da classe rentista formada pelos acionistas que são as personificações do Capital Especulativo Parasitário.

14 14 personificado na figura dos empresários cujos interesses eram justificados pelos governos e pela força de trabalho personificada na figura dos trabalhadores. Os trabalhadores dos países de economia central tendiam a repudiar tais medidas de forma brutal por meio de diversas manifestações contrárias; inclusive a mais direta, que é a greve. Descrições de tais movimentos podem ser encontradas em Coriat (1994) e Gounet (2002) que apresentaram a rejeição dos trabalhadores da Toyota e da Nissan principais indústrias automobilísticas do Japão à nova organização do trabalho e Antunes (2003) que comentou o duro embate entre os sindicatos ingleses e os Governos Neoliberais de Thatcher e Major que tentaram implementar as condições de trabalho oriundas do modelo Toyota juntamente com as medidas de desmantelamento do Estado do Bem-estar keynesiano. No caso da empresa em estudo, contrariamente ao acontecido no restante do mundo, nenhum sinal de embate radical foi promovido pelos seus trabalhadores que com as medidas tomadas na reestruturação tiveram uma brutal alteração de sua rotina de trabalho isto em termos técnicos e também em termos organizativos e também, como nas demais organizações pelo mundo, tiveram grande parte de seus benefícios indiretos suprimidos 9. Tais elementos que animaram a contradição entre a força de trabalho e o capital na Aracruz Celulose levaram-nos a questionar a possibilidade de perfis tão distintos de trabalhadores como o são o regulado pelo modelo fordista-keynesiano e o toyotista-neoliberal poderem se transpor num curto lapso mesmo que a reestruturação como um todo tenha se dado durante oito anos, 1990 a 1998, o processo de adaptação se deu em apenas um ano sem que nenhuma oposição radical viesse a ser manifestada. Detendo-se sobre estes elementos estranhos à contradição imanente ao modo de produção capitalista tentamos encontrar motivos que explicassem tal estado de coisas analisando as estratégias tomadas pela gerência no momento da reestruturação e seus possíveis impactos nas operações da força de trabalho. 9 Se for considerada a classe trabalhadora como um todo, pode-se afirmar que a queda dos rendimentos se deu até na remuneração direta devido ao fato de os trabalhadores que passaram a ser lotados nas empreiteiras não perceberem a mesma condição de remuneração despendida pela Aracruz.

15 15 Muitas questões surgiram quando este caminho de análise por nós foi seguido e, a necessidade de um olhar mais atencioso sobre as formações subjetivas da força de trabalho tornou-se extremamente necessário. Foi assim que a obra do Filósofo Michel Foucault nos serviu de apoio para os nossos questionamentos demarcando o caminho que deveria ser seguido para que pudéssemos compreender o porquê da não homologia de fenômenos no que tange às manifestações da classe trabalhadora quando da passagem por experiências de reestruturação produtiva. E o apoio fornecido pela obra de Michel Foucault foi justamente em apresentar um conceito de subjetividade que permitisse pensá-la como algo móvel, plástico e produzido pelas relações sociais que marcam os corpos ao se relacionarem com as redes de exercício de poder que compõem nossas sociedades capitalísticas, ou seja, pensar a subjetividade como um processo em constante construção, impulsionado por forças que nos rodeiam e não como algo acabado e dado à priori no sentido de uma interioridade. Nesta perspectiva, a subjetividade no pensamento foucaultiano é pensada como uma dobra das relações sociais que amarram os corpos em exercícios de poder presentes nas mesmas como a apresenta Gilles Deleuze (1988, p. 104) ao fazer uma leitura do conceito de subjetividade na obra de Michel Foucault, Um entre lugar entre um lado de dentro e um lado de fora... lado de fora que não é um limite fixo, mas uma matéria móvel, animada de movimentos peristálticos, de pregas e de dobras que constituem um lado de dentro: nada além do lado de fora, mas exatamente o lado de dentro do lado de fora. Utilizando-se deste conceito de subjetividade e analisando o aparente paradoxo entre os fenômenos de manifestação da força de trabalho nos países de economia central e as manifestações da força de trabalho da INCEL é que encontramos nosso problema de pesquisa e traçamos nossos objetivos para realizá-la. A pergunta que então baseou nossas inquietações sobre o tema foi: como as relações de poder presentes no modelo da reestruturação contribuíram para a produção de subjetividades necessárias aos novos arranjos do sistema produtivo?

16 16 Com tal questionamento, esperávamos, em linhas gerais, analisar o impacto das transformações sofridas pela Aracruz Celulose S.A. durante a reestruturação produtiva e administrativa implementada durante a década de 1990 no ambiente de trabalho dos seus funcionários tentando identificar correlações entre as mudanças estruturais e administrativas e as mudanças no perfil assumido pela força de trabalho elencando os dispositivos de poder utilizados na estratégia geral da reestruturação. Análise genérica que pôde ser fragmentada em investigações mais específicas nas quais pretendemos: Descrever as transformações significativas na economia política de nossa contemporaneidade as quais fundamentaram os movimentos de reestruturação produtiva; Analisar de forma detalhada quais foram os impactos das mudanças no ambiente de trabalho, tomando atenção especial nas possíveis modificações do perfil assumido pela força de trabalho, e; Identificar os dispositivos de poder presentes na legitimação do processo de reestruturação produtiva. Para realizar este itinerário, discutimos no primeiro capítulo as transformações econômicopolíticas que se fizeram presentes no período pós década de 1980, dando atenção especial: às modificações ocorridas na relação entre as formas funcionais do Capital; às alterações no regime de acumulação ocorridas como adaptação deste às modificações entre as hierarquias nas formas funcionais do Capital e às modificações no modo de regulamentação que também se fizeram para acompanhar aquelas modificações nas formas funcionais. No segundo capítulo apresentamos a analítica das relações de poder de Michel Foucault; caracterizando num primeiro momento o período específico em que Foucault discute as relações de força que caracterizam as relações de poder para, num segundo momento, discutirmos os mecanismos de poder específicos das disciplinas e biopolíticas. No terceiro capítulo discorremos sobre os procedimentos metodológicos que orientaram nossa pesquisa.

17 17 Para, por fim, no quarto capítulo efetuarmos o estudo do caso da unidade da Aracruz Celulose de Barra do Riacho (INCEL). CAPÍTULO 1

18 18 TRANSIÇÃO DE REGIME DE ACUMULAÇÃO Este capítulo tem por finalidade analisar as transformações no regime de acumulação 10 e sua conseqüente transformação do modo de regulamentação procurando encontrar um fundamento específico em termos de funcionamento do Modo Capitalista de Produção que justifique as mudanças na superfície percebidas como transições de acumulação e regulamentação. Seguindo tal raciocínio, acompanhamos as transformações nos conceitos e práticas dos regimes de acumulação entre fins da década de 1970 e início da década de 1990 e percebemos serem profundas as reorientações na forma e na regulamentação do regime. Quanto à forma o que assistimos foi a substituição em nível microeconômico do regime de acumulação via produção em massa para a acumulação flexível 11, ou na taxonomia mais utilizada, a transição do regime fordista para o regime toyotista ou ohnista. Quanto à regulamentação assistimos em nível macroeconômico a transição do modo de regulamentação estatal keynesiano para o neoliberal. Afirmamos que tais transições de superfície são reflexos das mudanças de hegemonia dos tipos de capital que orientam o sentido geral da acumulação. 10 Usamos a linguagem da Escola da Regulamentação para descrevermos a trajetória do sistema capitalista no decorrer das décadas de 1980 e A construção dessa Escola se deu a partir dos trabalhos dos economistas franceses Lipietz (1986), Aglietta (1979) e Boyer (1986), mas, não utilizamos os referidos autores diretamente, usamos como é visto no decorrer do texto, o trabalho de Harvey (2003) que se utiliza da linguagem dessa escola. No pensamento exposto por essa Escola o sistema capitalista é entendido como formado por um regime de acumulação e um modo de regulamentação. O regime de acumulação seria responsável pela definição de uma certa organização do trabalho e a criação de instrumentos de controle da variação dos preços no intuito de estabelecer uma base segura para a acumulação capitalista. O modo de regulamentação social garantiria que as regras e leis necessárias ao funcionamento do regime de acumulação fossem internalizadas pelos indivíduos que compõem o corpo social, a descrição de David Harvey (2003, p. 117) é bem explícita nestes termos, Um regime de acumulação descreve a estabilização, por um longo período, da alocação do produto líquido entre consumo e acumulação; ele implica alguma correspondência entre a transformação tanto das condições de produção como das condições de reprodução de assalariados. Um sistema particular de acumulação pode existir porque seu sistema de reprodução é coerente. O problema, no entanto, é fazer os comportamentos de todo tipo de indivíduos capitalistas, trabalhadores, funcionários públicos, financistas e todas as outras espécies de agentes-econômicos assumirem alguma modalidade de configuração que mantenha o regime de acumulação funcionando. Tem de haver, portanto, uma materialização do regime de acumulação, que toma a forma de normas, hábitos, leis, redes de regulamentação etc. que garantam a unidade do processo, isto é, a consistência apropriada entre comportamentos individuais e o esquema de reprodução. Esse corpo de regras e processos sociais interiorizados tem o nome de modo de regulamentação. 11 Expressão utilizada e defendida por David Harvey no livro Condição pós-moderna.

19 19 Neste transitar entre as décadas de 1970 e 1990 o acontecido foi a tomada de hegemonia do Capital Especulativo Parasitário em relação aos Capitais Produtivo e Comercial que regiam o período anterior. Destarte, para acompanhar tais transições, traçaremos o seguinte itinerário: primeiramente conceituaremos a transição de hegemonia entre as formas funcionais do Capital; posteriormente acompanharemos as modificações no regime de acumulação, apresentando, caracterizando e contrastando os regimes de acumulação específicos; finalizaremos, por fim, com a transição do modo de regumamentação keynesiano para o neoliberal Da hegemonia do Capital Industrial à hegemonia do Capital Especulativo Parasitário. Referindo-nos a Karl Marx (2002, p. 181) encontramos que o movimento realizado pelo valor 12 para adquirir a capacidade de se expandir e assim tornar-se capital apresenta uma forma específica de circulação, acompanhemos, A forma completa desse processo é, por isso, D M D, em que D = D + ΔD, isto é igual a soma de dinheiro originalmente adiantada mais um acréscimo. A esse acréscimo ou o excedente sobre o valor primitivo chamo de mais-valia (valor excedente). O valor originalmente antecipado não só se mantém na circulação, mas nela altera a própria magnitude, acrescenta uma mais-valia, valoriza-se. E este movimento transforma-o em capital. Esta forma específica de circulação, porém, representa um modelo geral e com elevado nível de abstração que tenta capturar a especificidade genérica da circulação e expansão do Capital. O Capital nesta descrição encontra-se em um nível de abstração bem elevado e, portanto, distante da realidade concreta vivenciada no dia a dia da produção capitalista. O motivo para este distanciamento é a quase nula possibilidade de um único capitalista exercer as duas fases peculiares da circulação, ou seja, trocar o dinheiro por mercadoria e posteriormente trocar a mercadoria pelo dinheiro acrescido por um incremento. 12 Aqui é preciso ficar bem claro que para Marx (2002) só é Capital o valor que adquire a capacidade de expandir-se ao passar pela circulação, ou seja, só pode ser considerado Capital aquele valor que ao passar pelo processo de circulação retorne acrescido de um certo excedente em relação à proporção na qual iniciou o processo.

20 20 Assim, no intuito de se aproximar um pouco mais da realidade concreta, Karl Marx (2002, p. 186) identificou três espécies específicas de Capital com formas idiossincráticas de circulação as quais proporcionariam um vislumbre mais aproximado com a realidade concreta do funcionamento da acumulação capitalista, Comprar para vender, ou, mais precisamente, comprar para vender mais caro, D M D, parece ser certamente forma particular de uma espécie de capital, o capital mercantil. Mas também o capital industrial é dinheiro, que se converteu em mercadoria e, com a venda da mercadoria, se reconverte em mais dinheiro. Fatos que ocorrem fora da esfera de circulação, no intervalo entre a compra e a venda, não acarretam nenhuma mudança a essa forma de movimento. No capital que rende juros patenteia-se finalmente abreviada a circulação D M D, com seu resultado sem o estágio intermediário, expressando-se concisamente em D D, dinheiro igual a mais dinheiro, valor que ultrapassa a si mesmo. É importante destacar aqui a especificidade da circulação dessas três formas funcionais distintas de circulação do Capital 13 : Capital Mercantil (D M D ); Capital Industrial (D - M... (p) M - D ) e Capital a Juros (D D ). As formas Capital Mercantil e Capital a Juros, nesta primeira aproximação realizada por Marx (2002) teriam certo grau de autonomia umas em relação às outras e em relação ao Capital Industrial; inclusive por historicamente Karl Marx apud Reinaldo A. Carcanholo e Paulo Nakatani (1999, p. 9) identificar serem as mesmas mais antigas que o Capital Industrial que representa a forma específica do estabelecimento da sociedade capitalista, As formas - o capital comercial e o capital gerador de juros - são mais antigas que a oriunda da produção capitalista, o capital industrial, a forma fundamental das relações de capital regentes da sociedade burguesa e com referência à qual as outras formas se revelam derivadas ou secundárias. Mas, com o alvorecer da sociedade burguesa, a forma Capital Industrial teria subjugado as outras duas formas funcionais à sua lógica específica de circulação, ou seja, transformado o tipo idiossincrático de cada uma delas em fases de sua própria circulação, vejamos o raciocínio de Karl Marx apud Reinaldo A. Carcanholo e Paulo Nakatani (1999, p. 9), E é por isso que o capital industrial, no processo do seu nascimento, tem primeiro de subjugar aquelas formas e convertê-las em funções derivadas ou especiais de si mesmo. Encontra, ao formar-se e ao nascer, aquelas formas mais antigas. [...] Onde a produção capitalista se desenvolveu na amplitude de suas formas e se tornou o modo dominante de produção, o capital produtor de juros está sob o domínio do capital industrial, e o capital 13 Falamos aqui de formas funcionais porque o Capital se utiliza das mesmas para se materializar e conseguir a capacidade de expandir-se. O Capital assim, na visão de Marx (2002) não possuiria uma forma única, concreta, melhor dizendo, uma essência, o Capital seria uma entidade que assumiria algumas formas específicas de tempo em tempo no intuito de expandir-se. 14 Referente ao processo de produção.

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Dipartimento di Economia e Management - Università di Ferrara Ferrara, 11 aprile 2014

Dipartimento di Economia e Management - Università di Ferrara Ferrara, 11 aprile 2014 Dipartimento di Economia e Management - Università di Ferrara Ferrara, 11 aprile 2014 La crisi globale e il feticcio della regolamentazione nell esperienza europea e in quella del Sud America. Flávio Bezerra

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

O estágio atual da crise do capitalismo

O estágio atual da crise do capitalismo O estágio atual da crise do capitalismo II Seminário de Estudos Avançados PC do B Prof. Dr. Paulo Balanco Faculdade de Economia Programa de Pós-Graduação em Economia Universidade Federal da Bahia São Paulo,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA

PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA CAVALCANTE & PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA! O conceito de econômico e financeiro! Como concluir com base em indicadores! Construção de índices

Leia mais

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Mestrado Profissional em Administração Relatório Executivo Estudo de Caso sobre o Planejamento

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs...

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs... 1. Aplicar tudo em primeira pessoa (verbos); 2. Aproveitar o maximo do autor de livros finaneceiros, Gitmam ; 3. No item Problema alterar na primeira linha uma àrea para algo como recurso ou instrumento,

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

INTRODUÇÃO A ECONOMIA AULA 01 : CONCEITOS BÁSICOS TÓPICO 01: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados em nossas aulas, como vídeos

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Gustavo Henrique Lopes Machado Vimos nos dois artigos iniciais desta série o conceito preciso de mercadoria, assim como dos ditos serviços. Sendo que,

Leia mais

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Latest update New and revised ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Introdução A ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, a primeira norma ambiental internacional do mundo tem ajudado milhares de

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27.

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 5, Incerteza :: EXERCÍCIOS 1. Considere uma loteria com três possíveis resultados: uma probabilidade de 0,1 para o recebimento de $100, uma probabilidade de 0,2 para o recebimento

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária

Contabilidade Financeira e Orçamentária Contabilidade Financeira e Orçamentária Mercados Gestão de Riscos Planejamento Orçamentário Mercado Financeiro Mercado financeiro Em uma economia, de um lado existem os que possuem poupança financeira

Leia mais

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS! Se as linhas de crédito estão escassas, qual a melhor estratégia para suprir a empresa com recursos?! É possível manter a

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO! O que é Orçamento Contínuo?! Qual a periodicidade normal para um Orçamento Contínuo?! Como podemos estruturá-lo?! O que é mais importante para um Orçamento Contínuo?!

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010 1. PATRIMONIO LIQUIDO 1.1. INTRODUÇÃO Estaticamente considerado, o patrimônio liquido pode ser simplesmente definido como a diferença, em determinado momento, entre o valor do ativo e do passivo, atribuindo-se

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O MERCADO DE CÂMBIO E SEUS AGENTES C.M.N BACEN BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA CAMBIAL VIGENTE NO BRASIL. O regime cambial brasileiro é um regime controlado

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Dentro dos programas dos diversos cursos de matemática

1. INTRODUÇÃO. Dentro dos programas dos diversos cursos de matemática 1. Introdução; 2. Conceito e classificação das taxas de juros; 3. Taxas equivalentes e proporcionais; 4. Juros pagos antecipadamente; 5. Conclusão. 1. INTRODUÇÃO No mercado financeiro brasileiro, mesmo

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 O papel do private equity na consolidação do mercado imobiliário residencial Prof. Dr. Fernando Bontorim Amato O mercado imobiliário

Leia mais

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Ciclos Econômicos Abordagem keynesiana X neoclássica Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Aula de Fernando Nogueira da Costa Professor

Leia mais

O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil

O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil CRISTINA FRÓES DE BORJA REIS (*) O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil Esse artigo apresenta as relações entre investimento público e desenvolvimento econômico no Brasil entre

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 E 2001 FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 E 2001 FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 E 2001 FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 7 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Análise da Viabilidade Econômica O que é Economia? É a ciência que se preocupa em administrar escassos recursos disponíveis

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

DECIFRANDO O CASH FLOW

DECIFRANDO O CASH FLOW Por: Theodoro Versolato Junior DECIFRANDO O CASH FLOW Para entender melhor o Cash Flow precisamos entender a sua origem: Demonstração do Resultado e Balanço Patrimonial. O Cash Flow é a Demonstração da

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Prezados(as), para fins de revisão de alguns pontos da disciplina de Análise das Demonstrações Contábeis, exigida no concurso para Auditor Federal de

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos.

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos. Comentado pelo professor Ted Jefferson Auditoria 1) (ESAF/AFRFB/2012) A empresa Betume S.A. é uma empresa de interesse público que vem sendo auditada pela empresa Justos Auditores Independentes, pelo mesmo

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Por Oscar Malvessi Artigo publicado na revista Mercado de Capitais, ABAMEC-SP, ano IX, nº 81, em 03/2000. Por que, em duas empresas que apresentam lucro

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira O agravamento da crise financeira internacional decorrente da falência do banco Lehman Brothers,

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Fases históricas do sistema bancário brasileiro. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.

Fases históricas do sistema bancário brasileiro. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress. Fases históricas do sistema bancário brasileiro Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Fases históricas do sistema bancário brasileiro 2 Fases da

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução Capítulo 1 Avaliando Empresas Uma Introdução A expressão avaliação de empresas é a tradução para a língua portuguesa do termo valuation, sendo sinônimo de valoração de empresas. A recente onda de fusões

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Lucro que não gera caixa é ilusão "Se você tiver o suficiente, então o fluxo de caixa não é importante. Mas se você não tiver, nada é mais importante. É uma

Leia mais

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (CESPE/UnB/ECB/ 2011) Acerca de déficit e superávit público

Leia mais

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador 1. Introdução 2. Estado oligárquico e patrimonial 3. Estado autoritário e burocrático 4. Estado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Janilson Laane Maio/2011 Objetivos 1. Apresentar o conceito e em que contexto está

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO.

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. MICROECONOMIA 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 2 TEORIA DA PRODUÇÃO Função de Produção: é a relação que indica

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung) ORÇAMENTO FLEXÍVEL! O que é orçamento flexível?! Qual a principal diferença entre o orçamento flexível e o orçamento empresarial?! Quais

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control RISCO OPERACIONAL INTRODUÇÃO Este documento formaliza a estrutura organizacional e as principais atividades da área de Permanent Control and Operational Risk, responsável pela detecção, monitoramento,

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais