EcoRodovias Concessões e Serviços S.A. e Controladas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EcoRodovias Concessões e Serviços S.A. e Controladas"

Transcrição

1 EcoRodovias Concessões e Serviços S.A. e Controladas Demonstrações Financeiras Referentes ao Período de Oito Meses Findo em 31 de Agosto de 2009 e ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2008 e Parecer dos Auditores Independentes (Reapresentação) Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

2

3

4 ECORODOVIAS CONCESSÕES E SERVIÇOS S.A. E CONTROLADAS BALANÇOS PATRIMONIAIS LEVANTADOS EM 31 DE AGOSTO DE 2009 E 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Em milhares de reais - R$) Nota Controladora Consolidado Nota Controladora Consolidado ATIVO explicativa PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa Fornecedores Títulos e valores mobiliários Empréstimos e financiamentos Clientes Debêntures Impostos a recuperar Impostos, taxas e contribuições a recolher Dividendos e juros sobre o capital próprio a receber Obrigações sociais Despesas antecipadas Empresas ligadas Outros créditos Credor pela concessão Total do ativo circulante Provisão para imposto de renda e contribuição social Dividendos e juros sobre o capital próprio a pagar NÃO CIRCULANTE Outras contas a pagar Realizável a longo prazo: Total do passivo circulante Imposto de renda e contribuição social diferidos 12.(a) Depósitos judiciais NÃO CIRCULANTE Investimentos Empréstimos e financiamentos Imobilizado Debêntures Intangível Empresas ligadas Total do ativo não circulante Credor pela concessão Imposto de renda e contribuição social diferidos 12.(a) Provisão para contingências Outras contas a pagar Total do passivo não circulante PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital social 19.(a) Lucros (prejuízos) acumulados (4) Total do patrimônio líquido (3) TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. 3

5 ECORODOVIAS CONCESSÕES E SERVIÇOS S.A. E CONTROLADAS DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO PARA O PERÍODO DE OITO MESES FINDO EM 31 DE AGOSTO DE 2009 E PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Em milhares de reais - R$, exceto o lucro líquido (prejuízo) por ação) Nota Controladora Consolidado explicativa RECEITA BRUTA DE SERVIÇOS Receita com arrecadação de pedágio Receitas acessórias e de prestação de serviços DEDUÇÕES DA RECEITA BRUTA Impostos sobre arrecadação - - (3.678) RECEITA LÍQUIDA DE SERVIÇOS Custo dos serviços prestados (26.397) LUCRO BRUTO RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS Despesas gerais e administrativas 22 (91) (4) (7.584) Amortização de ágio de investimentos (2.888) - (2.263) Equivalência patrimonial Outras receitas operacionais, líquidas LUCRO (PREJUÍZO) OPERACIONAL ANTES DO (4) (9.830) RESULTADO FINANCEIRO (4) RESULTADO FINANCEIRO Receitas financeiras Despesas financeiras 23 (4.190) - (11.932) (4.181) - (10.296) LUCRO (PREJUÍZO) OPERACIONAL E ANTES DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL (4) IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL Correntes 12.(b) e (c) - - (9.437) Diferidos 12.(b) e (c) (9.042) LUCRO LÍQUIDO (PREJUÍZO) DO PERÍODO/EXERCÍCIO (4) QUANTIDADE DE AÇÕES NO FIM DO PERÍODO/EXERCÍCIO (EM MILHARES) LUCRO LÍQUIDO (PREJUÍZO) POR AÇÃO NO FIM DO PERÍODO/EXERCÍCIO - R$ 0,02 (4,00) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. 4

6 ECORODOVIAS CONCESSÕES E SERVIÇOS S.A. DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (CONTROLADORA) PARA O PERÍODO DE OITO MESES FINDO EM 31 DE AGOSTO DE 2009 E PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Em milhares de reais - R$) Lucros Nota Capital (prejuízos) explicativa social acumulados Total SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE Prejuízo do exercício - (4) (4) SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE (4) (3) Aumento de capital em dinheiro em 1º abril de (a) Aumento de capital com investimentos em 26 e 30 de agosto de (a) Lucro líquido do período SALDOS EM 31 DE AGOSTO DE As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. 5

7 ECORODOVIAS CONCESSÕES E SERVIÇOS S.A. E CONTROLADAS DEMONSTRAÇÕES DOS FLUXOS DE CAIXA PARA O PERÍODO DE OITO MESES FINDO EM 31 DE AGOSTO DE 2009 E PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Em milhares de reais - R$) Controladora Consolidado FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Lucro líquido (prejuízo) do período/exercício (4) Ajustes para reconciliar o lucro líquido (prejuízo) do período/exercício com o caixa líquido gerado pelas (aplicado nas) atividades operacionais: Depreciações e amortizações Amortização de ágio em investimentos e direito de concessão Encargos financeiros e variação monetária sobre empréstimos, financiamentos e debêntures Variação monetária sobre credor pela concessão Receita financeira com títulos e valores mobiliários - - (128) Equivalência patrimonial (17.712) - - Baixa de bens do imobilizado Redução (aumento) nos ativos operacionais: Clientes - - (4.513) Empresas ligadas Impostos a recuperar (32) - (28) Despesas antecipadas - - (365) Outros créditos - - (111) Aumento (redução) nos passivos operacionais: Fornecedores Provisão para contingências - - (189) Credor pela concessão - - (937) Obrigações sociais Impostos, taxas e contribuições a recolher - - (376) Empresas ligadas (5) 5 (1.326) Outras contas a pagar 17 - (1.134) Caixa líquido gerado pelas (aplicado nas) atividades operacionais (3.689) FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO Dividendos recebidos Aquisição de bens do imobilizado e item do intangível - - (13.646) Aumento de capital Caixa líquido gerado pelas (aplicado nas) atividades de investimento (12.146) FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO Títulos e valores mobiliários - - (7.526) Captação de financiamentos - terceiros Pagamento de financiamentos ( ) - ( ) Pagamento de dividendos - - (23.482) Caixa líquido gerado pelas (aplicado nas) atividades de financiamento (27.984) Efeito do caixa e equivalentes de caixa de controladas recebido em aumento de capital AUMENTO LÍQUIDO DO SALDO DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA Caixa e equivalentes de caixa no início do período/exercício Caixa e equivalentes de caixa no fim do período/exercício AUMENTO LÍQUIDO DO SALDO DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. 6

8 ECORODOVIAS CONCESSÕES E SERVIÇOS S.A. E CONTROLADAS DEMONSTRAÇÕES DO VALOR ADICIONADO (CONSUMIDO) PARA O PERÍODO DE OITO MESES FINDO EM 31 DE AGOSTO DE 2009 E PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Em milhares de reais - R$) Controladora Consolidado RECEITAS Prestação de serviços Outras receitas INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS (inclui os valores dos impostos ICMS, IPI, PIS e Cofins) Custos dos serviços prestados - - (6.830) Materiais, energia, serviços de terceiros e outros (91) (4) (13.259) (91) (4) (20.089) VALOR ADICIONADO BRUTO (91) (4) DEPRECIAÇÕES E AMORTIZAÇÕES (2.888) - (14.572) VALOR ADICIONADO (CONSUMIDO) LÍQUIDO (2.979) (4) VALOR ADICIONADO RECEBIDO EM TRANSFERÊNCIA Receitas financeiras Equivalência patrimonial VALOR ADICIONADO (CONSUMIDO) TOTAL A DISTRIBUIR (4) DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO (CONSUMIDO) (4) Pessoal Remuneração direta Benefícios FGTS Impostos, taxas e contribuições Federais Municipais Remuneração de capitais de terceiros Juros Outros Remuneração de capitais próprios (4) Lucro (prejuízo) do período/exercício (4) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. 7

9 ECORODOVIAS CONCESSÕES E SERVIÇOS S.A. E CONTROLADAS NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O PERÍODO DE OITO MESES FINDO EM 31 DE AGOSTO DE 2009 E PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Em milhares de reais - R$, exceto quando de outra forma indicado) 1. CONTEXTO OPERACIONAL A EcoRodovias Concessões e Serviços S.A. ( Companhia ), anteriormente denominada EcoPorto Participações Ltda., foi constituída em 16 de maio de 2007 e tem por objetivo participar em outras companhias, conforme nota explicativa nº 9, na qualidade de sócia ou acionista. Em 3 de fevereiro de 2009, os sócios aprovaram a transformação de sociedade empresarial limitada para sociedade por ações de capital fechado. Em 26 de agosto de 2009, os acionistas aprovaram o aumento de capital mediante a emissão de ações ordinárias nominativas e sem valor nominal, ao preço de emissão de R$1,00 (um real) por ação, totalmente integralizadas pela Primav EcoRodovias S.A. ( Primav ) mediante a conferência de seus investimentos na Rodovia das Cataratas S.A. - EcoCataratas ( EcoCataratas ) e na Concessionária Ecovia Caminho do Mar S.A. ( Ecovia ), considerando os saldos contábeis de 31 de julho de 2009, e de notas promissórias a pagar, conforme detalhado na nota explicativa nº 14. (a), no valor líquido total de R$ Em 30 de agosto de 2009, os acionistas aprovaram o aumento de capital mediante a emissão de ações ordinárias nominativas e sem valor nominal, ao preço de emissão de R$1,00 (um real) por ação, integralizadas mediante conferência do investimento da Primav na Concessionária Ecovias dos Imigrantes S.A. ( Ecovias ), considerando os saldos contábeis de 31 de julho de 2009, no valor de R$ Os ativos e passivos das controladas e controladora recebidos em aumento de capital são como segue: Ecovia Ecovias EcoCataratas Notas promissórias e ágios Balanços patrimoniais Ativo: Circulante: Caixa e equivalentes de caixa Títulos e valores mobiliários Clientes Outros ativos Não circulante: Realizável a longo prazo Investimento Imobilizado e intangível Total do ativo

10 Passivo: Circulante: Fornecedores Empréstimos e financiamentos Debêntures Impostos, taxas e contribuições a recolher Obrigações sociais Empresas ligadas Credor pela concessão Provisão para imposto de renda e contribuição social Dividendos e juros sobre o capital próprio a pagar Outras contas a pagar Não circulante: Empréstimos e financiamentos Debêntures Credor pela concessão Imposto de renda e contribuição social diferidos Provisão para contingências Outras contas a pagar Total do passivo Acervo líquido Insuficiência de capital circulante líquido Em 31 de agosto de 2009, a Companhia possui deficiência de capital circulante líquido de R$ (R$ no consolidado), substancialmente composta por notas promissórias emitidas, conforme mencionado na nota explicativa nº 14. (a). A reestruturação dessa dívida está em andamento e a Administração, com base nas linhas de crédito disponíveis e nos fluxos de caixa projetados das operações, não antecipa problemas na efetivação da reestruturação pretendida e, dessa forma, assegura o cumprimento das obrigações de curto prazo, além disso possui linha de crédito renovável no prazo de 180 dias com o Banco Itaú S.A., com remuneração vinculada a 100% do CDI mais 4,5% de juros ao ano. 2. BASE DE PREPARAÇÃO E APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS As demonstrações financeiras foram elaboradas em conformidade com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais abrangem a legislação societária, os pronunciamentos, as orientações e as interpretações emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC e as normas emitidas pela Comissão de Valores Mobiliários - CVM. 9

11 O processo de elaboração das demonstrações financeiras envolve a utilização de estimativas contábeis. Essas estimativas foram baseadas em fatores objetivos e subjetivos, com base no julgamento da Administração para determinação do valor adequado a ser registrado nas demonstrações financeiras. Itens significativos sujeitos a essas estimativas e premissas incluem a seleção de vidas úteis do ativo imobilizado e intangível e de sua recuperação pelas operações e análise do risco de crédito para determinação da provisão para créditos de liquidação duvidosa, assim como análise dos demais riscos para determinação de outras provisões, inclusive para contingências e avaliação dos instrumentos financeiros e demais ativos e passivos nas datas de encerramento do período/exercício. A liquidação das transações envolvendo essas estimativas poderá resultar em valores significativamente divergentes dos registrados nas demonstrações financeiras devido às imprecisões inerentes ao processo de estimativa. A Companhia revisa suas estimativas e premissas ao menos anualmente. As demonstrações financeiras consolidadas em 31 de agosto de 2009 incluem as operações da Companhia e das seguintes empresas controladas, cuja participação percentual na data do balanço é assim resumida: Controladas Participação - % Concessionária Ecovias dos Imigrantes S.A. 100 Concessionária Ecovia Caminho do Mar S.A. 100 Rodovia das Cataratas S.A. - EcoCataratas 100 As datas das demonstrações financeiras das controladas incluídas na consolidação são coincidentes com as da controladora. As demonstrações financeiras consolidadas foram preparadas de acordo com as práticas contábeis descritas no parágrafo 3 e com os seguintes procedimentos de consolidação: Eliminação dos saldos das contas de ativos e passivos entre as empresas consolidadas. Eliminação das participações no capital, reservas e lucros acumulados nas empresas controladas. Eliminação dos saldos de receitas e despesas decorrentes de negócios entre as empresas, bem como de lucros não realizados. Destaque do valor da participação dos acionistas minoritários nas demonstrações financeiras consolidadas, quando aplicável. Comparabilidade das demonstrações financeiras As demonstrações financeiras consolidadas relativas ao período de oito meses findo em 31 de agosto de 2009 incluem os resultados das controladas Ecovia, EcoCataratas e Ecovias para o período de um mês findo em 31 de agosto de 2009, em virtude de a integralização de capital ter ocorrido em 31 de julho de Portanto, a leitura das demonstrações financeiras deve considerar esse fato. 10

12 Os principais elementos das demonstrações financeiras das controladas consolidadas são os seguintes: Ecovia EcoCataratas Ecovias Balanços patrimoniais (*) Ativo circulante Ativo não circulante: Realizável a longo prazo Imobilizado e intangível Passivo circulante Passivo não circulante Patrimônio líquido Demonstrações do resultado (*) Receita líquida de serviços Custo dos serviços prestados (3.607) (5.063) (17.102) Lucro bruto Despesas operacionais, líquidas (2.246) (2.068) (3.179) Resultado financeiro (329) (446) (5.340) Lucro operacional Resultado não operacional Imposto de renda e contribuição social (823) (982) (7.237) Lucro líquido do período (*) Balanços patrimoniais levantados em 31 de agosto de 2009 e demonstrações do resultado para o período de um mês findo em 31 de agosto de As demonstrações do resultado, dos fluxos de caixa e do valor adicionado correspondentes ao período de oito meses findo em 31 de agosto de 2009 não estão sendo apresentadas em função de não ter havido operações nesse período. 3. RESUMO DAS PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS a) Apuração do resultado O resultado das operações é apurado em conformidade com o regime contábil de competência, destacando-se: As receitas de pedágio são reconhecidas quando da passagem dos usuários pela praça de pedágio. As despesas são registradas quando incorridas. As receitas decorrentes de vendas antecipadas de cupons de pedágio são contabilizadas como Receitas antecipadas, no passivo circulante, na rubrica Outras contas a pagar, sendo apropriadas como receitas ao resultado do período à medida que os usuários passam pela praça de pedágio. 11

13 b) Ativo circulante Caixa e equivalentes de caixa Incluem caixa geral, bancos conta movimento e aplicações financeiras representadas por operações de curto prazo e de liquidez imediata, não possuem risco significante de desvalorização e estão registrados ao valor justo. Títulos e valores mobiliários Embora tenham liquidez imediata, foram classificados como títulos e valores mobiliários por estarem vinculados ao processo de liquidação de remuneração das debêntures da controlada Ecovias e estão registrados ao valor justo. Instrumentos financeiros Reconhecidos inicialmente ao valor justo e, para aqueles não classificados ao valor justo, por meio do resultado, acrescidos dos custos da transação diretamente atribuíveis. Subsequentemente ao reconhecimento inicial, os instrumentos financeiros são mensurados conforme a seguir: i) Ativo financeiro ou passivo mensurado ao valor justo por meio do resultado Clientes As aplicações financeiras e os títulos e valores mobiliários são classificados como mensurados ao valor justo por meio do resultado se são mantidos para negociação ou designados pela Companhia no reconhecimento inicial. Esses instrumentos são mensurados ao valor justo e as oscilações subsequentes reconhecidas ao resultado do período/exercício. Representados pelos respectivos valores de realização e podem incluir, caso seja julgado necessário, a provisão para créditos de liquidação duvidosa, cujo cálculo é baseado em estimativa suficiente para cobrir possíveis perdas na realização das contas a receber, considerando o histórico de recebimentos, a situação de cada cliente e as respectivas garantias oferecidas. Demais ativos Apresentados pelos seus respectivos valores líquidos de realização. c) Ativo não circulante Imobilizado Os itens integrantes do ativo imobilizado estão registrados ao custo de aquisição e/ou construção, deduzido da depreciação acumulada, a qual é calculada pelo método linear, em virtude do prazo de vida útil estimada dos bens, limitada ao prazo remanescente para término do contrato de concessão com o Poder Concedente. As principais melhorias são registradas no imobilizado e os gastos com manutenção e reparos são registrados no resultado, quando incorridos. Os gastos com projetos de expansão, construção e melhorias, enquanto não terminados, são registrados como obras em andamento. 12

14 A depreciação é calculada pelo método linear para baixar o custo de cada ativo a seus valores residuais de acordo com as taxas divulgadas na nota explicativa nº 10. O ágio gerado pela mais-valia dos ativos na controlada Ecovias foi reclassificado para o ativo imobilizado para fins de consolidação (vide nota explicativa nº 9.(b)). Os encargos financeiros decorrentes de financiamentos obtidos com terceiros são capitalizados ao custo de construção de ativos imobilizados em andamento, de acordo com a Deliberação CVM nº 193/96 (vide nota explicativa nº 10). Em agosto de 2009, o valor consolidado capitalizado na rubrica Imobilizado foi de R$474. Adicionalmente, de acordo com o parágrafo 3º da Lei nº /09, a Companhia e suas controladas revisarão os critérios utilizados para determinação da vida útil econômica estimada para cálculo da depreciação e, conforme previsto no Pronunciamento CPC 13 - Adoção Inicial da Lei nº /07 e da Medida Provisória nº 449/08, em seu parágrafo 54, a primeira análise periódica será concluída até dezembro de Investimentos Os investimentos em controladas são avaliados pelo método de equivalência patrimonial, tomando-se por base o patrimônio líquido levantado na mesma data- -base. O resultado dessa avaliação é contabilizado ao resultado do período na rubrica Equivalência patrimonial. Ágio sobre investimento Controladora Ágio da controlada Ecovias, proveniente da mais-valia de ativos na data de aquisição, amortizado em virtude do prazo de vida útil estimada dos bens, limitada ao prazo remanescente para término do contrato de concessão, classificado no consolidado na rubrica Imobilizado. 13

15 Intangível Ágio - direito de concessão Ágio advindo da aquisição das ações da EcoCataratas com base no direito de concessão, o qual é amortizado pelo prazo da concessão (até novembro de 2021). Direito de outorga da concessão - controlada Ecovias Em 24 de setembro de 2009, a CVM submeteu à audiência pública a minuta da Deliberação que referenda a Interpretação Técnica ICPC 01 - Contratos de Concessão, emitida pelo CPC. O tratamento contábil relacionado com as concessionárias de serviços públicos está sendo discutido há vários anos, não tendo sido alcançado consenso. O objetivo dessa Interpretação é orientar os concessionários sobre a forma de contabilização de concessões de serviços públicos a entidades privadas. Essa Interpretação não trata da contabilização pelos concedentes. Ela aplica-se a concessões de serviços públicos a entidades privadas caso: (a) o concedente controle ou regulamente quais serviços o concessionário deve prestar com a infraestrutura, a quem os serviços devem ser prestados e o seu preço; e (b) o concedente controle, por meio de titularidade, usufruto ou de outra forma - qualquer participação residual significativa na infraestrutura, ao final do prazo da concessão. Caso seja aprovada a Interpretação Técnica ICPC 01, essa Deliberação pela CVM entrará em vigor na data da sua publicação no Diário Oficial da União, aplicando-se aos exercícios encerrados a partir de dezembro de 2010 e às demonstrações financeiras de 2009 a serem divulgadas em conjunto com as demonstrações de 2010 para fins de comparação. A Companhia iniciou os estudos para determinar os efeitos que a implementação dessa norma poderá resultar em suas demonstrações financeiras. Sistemas Registrados ao custo de aquisição, sendo a amortização registrada pelo prazo de até cinco anos. 14

16 Impairment sobre ativos de longo prazo Na elaboração das demonstrações financeiras, a Companhia analisa se existem evidências de que o valor contábil de um ativo (imobilizado, intangível e outros ativos) não será recuperado. Caso sejam identificadas tais evidências, a Companhia estima o valor recuperável do ativo. O valor recuperável do ágio é determinado, ao menos anualmente. O valor recuperável de um ativo é o maior valor entre: (a) seu valor justo menos custos que seriam incorridos para vendê-lo; e (b) seu valor de uso. O valor de uso é equivalente aos fluxos de caixa descontados (antes dos impostos) derivados do uso contínuo do ativo até o final da sua vida útil. Quando o valor residual contábil do ativo exceder seu valor recuperável, a Companhia reconhece uma redução do saldo contábil desse ativo ( impairment ou deterioração). Para os ativos registrados pelo custo, a redução no valor recuperável é registrada ao resultado do período. Se não for determinado o valor recuperável de um ativo individualmente, é realizada a análise do valor recuperável da unidade geradora de caixa à qual o ativo pertence. Exceto com relação à redução no valor do ágio, a reversão de perdas reconhecidas anteriormente é permitida. A reversão nessas circunstâncias está limitada ao saldo depreciado que o ativo apresentaria na data da reversão, supondo-se que a reversão não tenha sido registrada. A Companhia não identificou situações que requeressem o reconhecimento de provisão em 31 de agosto de A recuperação do ágio foi avaliada por avaliadores independentes em 31 de dezembro de 2008 e nenhuma situação de provisão foi identificada naquela data nem subsequentemente. d) Passivos circulante e não circulante Provisão para contingências e obrigações legais A provisão para contingências é atualizada até as datas dos balanços patrimoniais pelo montante estimado de perda provável, observada a natureza de cada contingência, e apoiada na opinião dos consultores legais da Companhia. Os fundamentos e a natureza da provisão para contingências estão descritos na nota explicativa nº 18. As obrigações legais são representadas por exigíveis relativos às obrigações tributárias, cuja legalidade ou constitucionalidade é objeto de contestação judicial, constituídas pelo valor integral em discussão. Imposto de renda e contribuição social O imposto de renda e a contribuição social, dos períodos correntes e diferidos, são calculados com base na alíquota de 15% acrescida do adicional de 10% sobre o lucro tributável excedente a R$240 proporcional aos períodos para imposto de renda e de 9% sobre o lucro tributável para contribuição social. A tributação sobre o lucro compreende o imposto de renda e a contribuição social. O Imposto de Renda Pessoa Jurídica - IRPJ foi calculado com base no resultado, ajustado ao lucro real pelas adições e exclusões previstas na legislação. A Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL foi calculada à alíquota vigente sobre o resultado antes do imposto de renda ajustado nos termos da legislação vigente. O imposto de renda e a contribuição social diferidos foram constituídos, com base nas alíquotas vigentes, para as adições e exclusões, cuja dedutibilidade ou tributação ocorrerá em exercícios futuros. O reconhecimento dos créditos tributários está fundamentado em estudo de expectativa de lucros tributáveis futuros. 15

17 Impostos sobre receita As receitas com arrecadação de pedágio e outras estão sujeitas ao Imposto Sobre Serviços - ISS, ao Programa de Integração Social - PIS e à Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - Cofins cumulativos. Os tributos PIS, Cofins e ISS são apresentados como dedução da receita operacional bruta nas demonstrações do resultado. Empréstimos e debêntures Reconhecidos inicialmente quando do recebimento dos recursos, líquidos dos custos de transação. Posteriormente, apresentados pelo custo amortizado, isto é, acrescidos de encargos financeiros e juros proporcionais ao período incorrido ( pro rata temporis ), líquidos dos pagamentos efetuados. Os encargos financeiros decorrentes de financiamentos obtidos com terceiros são capitalizados ao custo de construção de ativos imobilizados em andamento, de acordo com a Deliberação CVM nº 193/96 (vide nota explicativa nº 10). A capitalização dos juros atende ao objetivo de se obter um custo de aquisição que reflita o total dos recursos aplicados no ativo, que proporcionará benefícios econômicos em períodos futuros, sendo o seu consumo confrontado com as receitas auferidas no período/exercício. Demais passivos circulante e não circulante Demonstrados pelos valores nominais conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos, variações monetárias e/ou cambiais incorridos até as datas dos balanços patrimoniais. e) Juros sobre o capital próprio Calculados de acordo com a legislação vigente, observando-se o limite de variação da Taxa de Juros de Longo Prazo - TJLP aplicada sobre o patrimônio líquido ajustado e demonstrada como distribuição de dividendos e, para fins fiscais, tratados como despesas financeiras, reduzindo, respectivamente, a base de cálculo do imposto de renda e da contribuição social do período/exercício. f) Lucro líquido (prejuízo) por ação Calculado com base na quantidade de ações em circulação nas datas dos balanços patrimoniais. g) Ajuste a valor presente Os direitos e as obrigações de longo prazo e relevantes de curto prazo foram ajustados a valor presente em 31 de agosto de 2009 (vide nota explicativa nº 17). 16

18 4. CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA Controladora Consolidado Controladora Caixa geral Bancos conta movimento Numerário em trânsito (a) Fundo de troco Aplicações financeiras- Recursos não vinculados (b) Total (a) Refere-se ao recebimento em dinheiro da arrecadação de pedágios realizada nos últimos dias do mês a ser depositado na rubrica Bancos conta movimento. (b) Os recursos não vinculados referem-se substancialmente a aplicações financeiras em Certificados de Depósitos Bancários - CDBs, remunerados a taxas que variam entre 100% e 106% do Certificado de Depósito Interbancário - CDI, sem o risco de mudança significativa do valor. Os prazos de resgate variam de um a dois meses em média. 5. TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS - CONSOLIDADO Recursos para liquidação e garantia de debêntures Embora as aplicações mencionadas tenham liquidez imediata, foram classificadas como títulos e valores mobiliários por estarem vinculadas ao processo de liquidação de remuneração das debêntures da controlada Ecovias como garantia de recursos para pagamento de juros e principal (vide nota explicativa nº 15). 6. CLIENTES - CONSOLIDADO Pedágio eletrônico - concessionárias Cupons de pedágio Outras contas - receitas acessórias Representados substancialmente por valores a receber de pedágio eletrônico, locação de painéis publicitários, ocupação de faixa de domínio, acessos e outros serviços decorrentes da utilização e exploração da faixa de domínio das rodovias. 17

19 Em 31 de agosto de 2009, a Administração, com base em sua avaliação do risco de crédito e histórico de recebimento dos clientes, entende que não se faz necessária a constituição de provisão para créditos de liquidação duvidosa sobre o saldo de clientes. O aging list das contas a receber está assim representado: A vencer Vencidos: Até 30 dias 466 De 31 a 90 dias 4 De 91 a 180 dias 9 De 181 a 364 dias IMPOSTOS A RECUPERAR Controladora Consolidado Imposto de Renda Retido na Fonte - IRRF a recuperar Outros incentivos fiscais - Lei Rouanet nº 8.313/ DESPESAS ANTECIPADAS - CONSOLIDADO O saldo das despesas antecipadas é composto por: Prêmios de seguros INVESTIMENTOS Controladas Valores das investidas Patrimônio Resultado líquido do período Participação - % Equivalência patrimonial (a) Investimentos Concessionária Ecovias dos Imigrantes S.A Concessionária Ecovia Caminho do Mar S.A Rodovia das Cataratas S.A. - EcoCataratas Concessionária Ecovias dos Imigrantes S.A. - ágio (b) (a) Resultado do período de um mês findo em 31 de agosto de

20 (b) Em 31 de março de 2008, a Ecovias, optou por estornar os efeitos da reavaliação de ativos, retroagindo os efeitos para o início do exercício. Na Primav, os efeitos do estorno da reavaliação produziram acréscimo na rubrica Ágio no valor de R$97.113, proveniente da mais-valia dos ativos em 1º de janeiro de 2008, suportado por laudos de especialistas contratados pela Administração à época. O saldo é amortizado em virtude do prazo de vida útil estimado dos bens da Ecovias, limitada ao prazo remanescente para término do contrato de concessão. No consolidado, o valor do ágio proveniente da mais-valia dos ativos está apresentado na rubrica Imobilizado e a amortização do ágio no resultado está apresentada na rubrica Depreciação. Conforme definido em Contrato, na extinção da concessão haverá a imediata assunção dos serviços pelo poder concedente com a ocupação das instalações e a utilização de todos os bens reversíveis. Não são previstas indenizações ao término das concessões. Nos casos de encampação, o poder concedente antecipando-se à extinção da concessão, procederá aos levantamentos e avaliações necessárias à determinação do montante da indenização que será devida à concessionária, mediante a prévia indenização das parcelas dos investimentos vinculados aos bens reversíveis, ainda não amortizados ou depreciados, que tenham sido realizados com o objetivo de garantir a continuidade dos serviços pertinentes à concessão, além da remuneração do capital pelo rompimento antecipado do contrato, calculada com base na proposta da concessionária, através da margem de receita líquida prevista para o prazo restante da concessão. Considerando que a Administração não julga provável a rescisão antecipada não foi apurado o eventual valor de ressarcimento. No período de oito meses findo em 31 de agosto de 2009, as controladas efetuaram os seguintes pagamentos ao poder concedente: (i) EcoCatararas - R$1.659; (ii) Ecovia - R$1.501; e (iii) Ecovias - R$ (R$ 1.820, R$ e R$ no período de oito meses findo em 31 de agosto de 2008, respectivamente). Contexto operacional das concessionárias de rodovias Concessionária Ecovias dos Imigrantes S.A. A Ecovias iniciou suas atividades em 29 de maio de 1998 e tem como objeto social exclusivo a exploração, pelo regime de concessão, do sistema rodoviário constituído pelo Sistema Anchieta-Imigrantes, de acordo com os termos de concessão outorgados pelo Governo do Estado de São Paulo. O Sistema Anchieta-Imigrantes, com extensão total de 176,8 km, é constituído basicamente por: Rodovia Anchieta (SP entre o km 9,7 e o km 65,6), Rodovia dos Imigrantes (SP entre o km 11,5 e o km 70,0), Interligação Planalto (SP uma extensão de 8 km), Interligação Baixada (SP uma extensão de 1,8 km), Rodovia Padre Manoel da Nóbrega (SP-055/170 entre o km 270,6 e o km 292,2) e Rodovia Cônego Domênico Rangoni (SP-055/248 entre o km 0 e o km 8,4 e entre o km 248,0 e o km 270,6). A concessão, pelo prazo de 20 anos e mediante a cobrança de pedágios, consiste na manutenção e melhoria dos sistemas de operação, construção da pista descendente da Rodovia dos Imigrantes, recuperação das rodovias existentes, construções de pistas marginais, implantação de sistemas de controle de tráfego e atendimento aos usuários, conservações preventivas, implantação de sistemas eletrônicos de gestão e arrecadação de pedágios. Em 21 de dezembro de 2007, através do termo aditivo e modificativo nº 10, a controlada obteve a prorrogação do prazo de concessão por mais 70 meses, em virtude do reequilíbrio econômico-financeiro do contrato de concessão. O contrato de concessão possui vigência até março de

21 A controlada assumiu os seguintes compromissos decorrentes da concessão: a) Ampliação principal Duplicação da Rodovia dos Imigrantes, entre o km 41,0 e o km 58,0 (pista descendente), com término inicialmente previsto para o primeiro semestre de Esse compromisso foi cumprido antecipadamente em 17 de dezembro de 2002, com a entrega da obra. b) Pagamento de Direito de outorga registrado na rubrica Credor pela concessão, em parcelas mensais de valores definidos até 2018, no valor total de R$ (R$ ajustados a valor presente), acrescido de atualização monetária com base na variação do Índice Geral de Preços de Mercado - IGP-M. 3% da arrecadação mensal sobre as receitas derivadas da exploração do sistema rodoviário. Ao término do período da concessão, retornam ao Poder Concedente todos os bens reversíveis, direitos e privilégios vinculados à exploração do sistema rodoviário. A Ecovias terá direito à indenização correspondente ao saldo amortizado ou depreciado dos bens ou investimentos, cuja aquisição ou execução, devidamente autorizada pelo Poder Concedente, tenha ocorrido nos últimos cinco anos do prazo da concessão. Concessionária Ecovia Caminho do Mar S.A. A Ecovia foi constituída em 21 de outubro de 1997 e tem como atividade principal a exploração, sob o regime de concessão do Lote 006 do Programa de Concessão de Rodovias do Estado do Paraná, totalizando 136,7 km constituídos por: (a) Rodovia BR-277, trecho entre a cidade de Curitiba e o Porto de Paranaguá, em uma extensão de 85,7 km; (b) Rodovia PR-508, trecho entre a BR-277 e o município de Matinhos, em uma extensão de 32,0 km; e (c) Rodovia PR-407, trecho entre a BR-277 e a Praia de Leste, em uma extensão de 19,0 km. O objeto da concessão consiste na recuperação, no melhoramento, na manutenção, na operação e na exploração das rodovias, pelo período de 24 anos, mediante a cobrança de tarifas de pedágio e de fontes alternativas de receita que podem advir de atividades relativas à exploração da rodovia e de suas faixas marginais, acessos ou áreas de serviço e lazer, inclusive as decorrentes de publicidade e multas por excesso de peso. A Ecovia assumiu os seguintes compromissos decorrentes da concessão: a) Pagamento da verba anual de fiscalização em 12 parcelas mensais durante o período do contrato, sendo do início até o 11º ano, de R$60 mensais, e do 12º ano até o final do contrato, de R$66 mensais. b) Pagamento da verba para aparelhamento da Polícia Rodoviária. A verba destina-se a aparelhamento e equipamentos de uso da Polícia Rodoviária e será paga até o 11º ano, de R$10 mensais, e do 12º ano até o final do contrato, de R$11 mensais. c) Restauração, conservação de rotina e manutenção do pavimento dos trechos rodoviários de acesso, conforme a seguir (exceto operação): 2,6 km da Rodovia PR-804, trecho entre a BR-277 e a PR

22 13,2 km da Rodovia PR-408, trecho entre Morretes e a BR ,6 km da Rodovia PR-408, trecho entre a PR-340 e Morretes. 13,0 km da Rodovia PR-411, trecho entre a PR-410 (São João da Graciosa) e Morretes. Os valores anteriormente mencionados são corrigidos na mesma proporção e data do reajuste das tarifas de pedágio. O contrato de concessão possui vigência até Rodovia das Cataratas S.A - EcoCataratas A EcoCataratas foi constituída em 3 de novembro de 1997 e tem por objeto social a exploração do Lote 003 da Rodovia BR-277, conforme disposto em contrato de concessão assinado em 14 de novembro de 1997, resultante de concorrência pública internacional nº 003/96 - DER/PR, concedida pelo Estado do Paraná à EcoCataratas, mediante a cobrança de pedágio e a prestação de serviços inerentes, acessórias e complementares à concessão, incluindo, mas sem limitação, as obras e os serviços de recuperação, melhoramento, manutenção, conservação, operação, expansão da capacidade de operação e exploração da rodovia principal e a recuperação, conservação e manutenção de trechos rodoviários de acesso do Lote 003, bem como o desenvolvimento e a aplicação de sistemas de sinalização, informação, comunicação, segurança, serviços de pesagem, atendimento mecânico, resgate e atendimento médico de primeiros socorros. O prazo de duração da concessão é de 24 anos referente a um trecho de 387,1 km localizado entre o município de Guarapuava, na região central do Estado do Paraná, e o município de Foz do Iguaçu, no extremo oeste do mesmo Estado. O contrato de concessão possui vigência até IMOBILIZADO - CONSOLIDADO Média ponderada anual de depreciação - % Custo acumulado Depreciação acumulada Construção e projetos/ampliação principal 4, ( ) Demais melhorias e ampliações 8, (86.951) Pavimentações e conservação especial 11, ( ) Sinalização e dispositivos de segurança 11, (19.645) Hardware e equipamentos de pedágio 20, (66.269) Máquinas e equipamentos 10, (5.914) Móveis e utensílios 10, (2.503) Terrenos e edificações 3, (9.927) Obras em andamento (*) Outros 11, (4.933) ( ) Em 31 de agosto de 2009, o valor total capitalizado na rubrica Imobilizado é de R$474 de encargos financeiros decorrentes de financiamentos obtidos de terceiros. 21

23 Consolidado Em 31 de agosto de 2009, não havia bens do ativo imobilizado vinculados como garantia dos financiamentos ou de processos de qualquer natureza. O valor do ágio proveniente da mais-valia dos ativos da controlada Ecovias, conforme mencionado na nota explicativa nº 9.(b), está apresentado no imobilizado, nas rubricas Construção e projetos/ampliação principal e Hardware e equipamentos de pedágio. Concessionária Ecovias dos Imigrantes S.A. Em 30 de junho de 2008, a Ecovias, optou por estornar os efeitos da reavaliação de ativos. Em virtude da prorrogação do prazo de concessão por mais 70 meses, o prazo de depreciação da obra principal foi revisado em 21 de dezembro de 2007, com vistas ao novo prazo final da concessão. Esse novo prazo de depreciação não ultrapassa o período de vida útil estimada dos bens. Em 31 de agosto de 2009, a movimentação do saldo está demonstrada a seguir: Descrição Custo Saldos em (*) Adições Baixas Total em Depreciação Saldos em (*) Depreciação Total em Saldo líquido Construção e projetos/ampliação principal ( ) (3.090) ( ) Demais melhorias e ampliações (84.814) (2.137) (86.951) Pavimentações e conservação especial ( ) (4.888) ( ) Sinalização e dispositivos de segurança (18.992) (653) (19.645) Hardware e equipamentos de pedágio (65.898) (371) (66.269) Máquinas e equipamentos (5.815) (99) (5.914) Móveis e utensílios (4) (2.481) (22) (2.503) Terrenos e edificações (9.841) (86) (9.927) Obras em andamento Outros (33) (4.816) (117) (4.933) (37) ( ) (11.463) ( ) (*) Saldos recebidos como parte do aumento de capital, conforme nota explicativa nº 1. 22

24 11. INTANGÍVEL Controladora Custo Amortização acumulada Valor líquido Ágio - direito de concessão - Rodovia das Cataratas S.A. - EcoCataratas (a) (42.990) Consolidado Custo Amortização acumulada Valor líquido Ágio - direito de concessão - Rodovia das Cataratas S.A. - EcoCataratas (a) (42.990) Direito de outorga da concessão - Ecovias (b) (25.419) Softwares adquiridos de terceiros (3.753) Outros 14 (4) (72.166) (a) Em 7 de fevereiro de 2008, a controladora Primav EcoRodovias S.A. adquiriu da Sideco Americana S.A., Momento Engenharia e Construção Ltda., e Roplano S.A. (empresas não relacionadas), a Rodovia das Cataratas S.A. por R$ O ágio gerado nessa aquisição, com fundamento em rentabilidade futura, é amortizado pelo prazo de concessão (até novembro de 2021). Conforme mencionado na nota explicativa nº 1, em 26 de agosto de 2009, os acionistas da Companhia aprovaram o aumento de capital pela Primav EcoRodovias S.A. por meio da conferência de seu investimento na Rodovia das Cataratas S.A. - EcoCataratas ( EcoCataratas ), considerando os saldos contábeis de 31 de julho de 2009, incluindo o ágio gerado na aquisição. (b) O valor de Direito de outorga da concessão da controlada direta Ecovias está registrado a valor presente, pela taxa de 9,5% ao ano. Em 31 de agosto de 2009, a amortização acumulada do direito de outorga é de R$ e a amortização do período findo em 31 de agosto de 2009 é de R$ A amortização do ônus da concessão está sendo realizada linearmente ao resultado pelo prazo inicial da concessão até maio de 2018, o ágio pelo direito de concessão está sendo amortizado lineamente ao resultado pelo prazo de concessão até 2021 e os softwares adquiridos de terceiros no prazo de 5 anos. Na controladora, a amortização do ágio é contabilizada como despesa operacional na rubrica amortização de ágio em investimentos. No consolidado, a amortização do ágio é contabilizada como despesa operacional na rubrica amortização de ágio em investimentos e as amortização do direito de outorga e de softwares são classificadas na rubrica de custos dos serviços prestados. 23

25 Em 31 de agosto de 2009, a movimentação do saldo está demonstrada a seguir: Direito Ágio - direito de de outorga da Softwares concessão- concessão - adquiridos Consolidado EcoCataratas Ecovias de terceiros Outros Total Custo Contribuição em 31 de julho de 2009 (*) Adições Saldo em 31 de agosto de Amortização Contribuição em 31 de julho de 2009 (*) (40.727) (25.232) (3.717) (4) (69.680) Amortização (2.263) (187) (36) - (2.486) Saldo em 31 de agosto de 2009 (42.990) (25.419) (3.753) (4) (72.166) Saldo líquido (*) Saldos recebidos como parte do aumento de capital, conforme nota explicativa nº IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL - CONSOLIDADO a) Imposto de renda e contribuição social diferidos O imposto de renda e a contribuição social diferidos foram constituídos considerando as alíquotas vigentes e têm a seguinte composição: Ativo não circulante- Sobre diferenças temporais (a) Passivo não circulante- Sobre diferenças da Lei nº /07 (b) (a) São formados substancialmente por diferenças temporais sobre provisões para contingências. (b) São formados substancialmente por diferenças temporais sobre ajuste a valor presente sobre credores de concessões. b) Imposto de renda e contribuição social no resultado Foram registrados no resultado do período os seguintes montantes de imposto de renda e contribuição social correntes e diferidos: Variação no: Imposto de renda corrente (6.929) Imposto de renda diferido 317 (6.612) 24

26 Variação na: Contribuição social corrente (2.508) Contribuição social diferida 78 (2.430) c) Conciliação da despesa de imposto de renda e contribuição social A conciliação da despesa calculada pela aplicação das alíquotas fiscais nominais e da despesa de imposto de renda e contribuição social registrada no resultado está demonstrada a seguir: Lucro antes do imposto de renda e da contribuição social Alíquota 34% Despesa de imposto de renda e contribuição social pelas alíquotas vigentes (6.662) Prejuízos fiscais não contabilizados na Companhia (2.441) Outros 61 Despesa do imposto de renda e da contribuição social (9.042) 13. IMPOSTOS, TAXAS E CONTRIBUIÇÕES A RECOLHER - CONSOLIDADO Impostos sobre faturamento: ISS - Imposto Sobre Serviços Cofins - Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social PIS - Programa de Integração Social 458 IRRF sobre juros sobre o capital próprio 308 Impostos federais 726 Outros impostos EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Taxa média Credores Moeda Vencimento anual de juros Controladora Consolidado Banco Itaú S.A. (a) Nacional Dezembro/2009 4,5% a.a. + CDI Bradesco (c) Nacional Novembro/2009 5,5% a.a. + CDI Bradesco (c) Nacional Maio/ ,7% do CDI Unibanco (b) Nacional Março/2010 6% a.a. + TJLP Bradesco (c) Nacional Novembro/2009 CDI + 3,70% a.a Itaú BBA (c) Nacional Novembro/ % do CDI Circulante Não circulante

27 (a) Em 26 de agosto de 2009, a Companhia captou R$ mediante a emissão pública de notas promissórias comerciais, com prazo de vencimento de até 180 dias. A emissão, realizada em série única, através de 180 notas promissórias, no valor unitário de R$2.210, teve seu registro aprovado pela CVM/SER/RNP/2009/031. Como garantia a essa operação de emissão pública de notas promissórias comerciais foram oferecidos os dividendos das controladas EcoCataratas, Ecovia e da ligada Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - Ecosul. Não há cláusulas ou ônus que gravem as ações de suas controladas Ecovias, Ecovia e EcoCataratas. Em 31 de agosto de 2009, a Companhia possui registradas comissões sobre essas notas promissórias comerciais de R$956, as quais serão amortizadas pelo prazo de vencimento de até 180 dias. O contrato requer a manutenção dos índices financeiros covenants, que correspondem à relação da dívida líquida consolidada e Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization - EBITDA dos últimos 12 meses, a ser apurado trimestralmente com base nas demonstrações financeiras da avalista e controladora direta Primav. Os índices financeiros exigidos foram atendidos em 31 de agosto de (b) Refere-se à compra de equipamentos operacionais para os quais não há covenants. (c) Os empréstimos são destinados para capital de giro, para os quais não há covenants. Os vencimentos das parcelas não circulantes têm a seguinte distribuição, por ano: DEBÊNTURES - CONSOLIDADO A posição das debêntures está resumida a seguir: Principal corrigido Remuneração (juros) Custos com emissão de debêntures (5.758) Circulante Não circulante A controlada Ecovias concluiu, em 21 de dezembro de 2006, a emissão de R$ em debêntures em três séries, sendo a primeira no montante nominal de R$ , com prazo de vencimento de 84 meses e vencimento final em 1º de novembro de 2013, e a segunda e terceira séries no montante de R$ cada uma, com prazo de vencimento de 90 e 96 meses, e vencimentos finais em 1º de maio e 1º de novembro de 2014, respectivamente. 26

28 A primeira série, ofertada ao mercado local, tem remuneração vinculada a 104% do CDI paga semestralmente e foi precificada utilizando conceitos inseridos na Instrução CVM nº 404/04. A segunda e terceira séries, também ofertadas ao mercado local, têm remuneração vinculada à variação do IGP-M e cupom de 9,5% ao ano, pagas anualmente com diferença de seis meses entre as duas séries. Essa operação teve classificação de risco AA- da Standard & Poors. Forma e conversibilidade Quantidade emitida Valor nominal unitário na data da emissão Valor nominal unitário atualizado em 31 de agosto de 2009 Fator de atualização do valor nominal unitário Remuneração (juros e correção) Nominativa escritural, simples, não conversível em ações (em três séries) R$10,00 1ª série - não atualizável 2ª série - R$11,72 3ª série - R$11,72 1ª série - não atualizável 2ª e 3ª séries - IGP-M 1ª série - 104% do CDI 2ª e 3ª séries - 9,5% ao ano (252 dias) sobre o valor nominal unitário atualizado Vencimento da remuneração (juros e correção) 1ª série: parcelas semestrais (01/05/07 a 01/11/13) 2ª série: parcelas anuais (01/05/08 a 01/05/14) 3ª série: parcelas anuais (01/11/07 a 01/11/14) Vencimento da amortização 1ª série: parcelas semestrais (01/05/10 a 01/11/13) 2ª série: parcelas anuais (01/05/10 a 01/05/14) 3ª série: parcelas anuais (01/11/10 a 01/11/14) Reserva para pagamento da amortização e da remuneração (juros e correção) Instituição depositária das debêntures Local de pagamento Instituição responsável pela conta de reserva Agente fiduciário Retenção em conta de depósito (aplicação) vinculado de 50% dos valores creditados em conta corrente a partir do 6º dia de cada mês até atingir o montante equivalente à parcela do valor estimado devido no mês em vigor Banco Bradesco S.A. CETIP e CBLC Unibanco - União de Bancos Brasileiros S.A. Oliveira Trust DTVM S.A. 27

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei ESTUDO DE CASO Os Novos Ajustes da Lei 11.638 Os Novos Ajustes da Lei 11.638 As demonstrações financeiras foram elaboradas com base nas práticas contábeis adotadas no Brasil e normas da Comissão de Valores

Leia mais

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras NOTAS EXPLICATIVAS DAS INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS - ITR (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) 1 - CONTEXTO OPERACIONAL Bicicletas Monark S.A. ( Companhia ) tem por objetivo a industrialização

Leia mais

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29 ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 1. Informar o lucro líquido do exercício. (R$) 864.940.364,29 2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos,

Leia mais

Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A.

Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A. Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A. Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições estatuárias, submetemos a apreciação de V.Sas. o relatório anual da administração

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Bancos 46 Fornecedores 41.785 Aplicações Financeiras 5.541 Provisão

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS SA Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS SA Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ GUARARAPES CONFECÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ GUARARAPES CONFECÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Demonstrações Contábeis Decifradas

Demonstrações Contábeis Decifradas RESOLUÇÃO A resolução dessa questão demanda a capacidade de classificação dos elementos patrimoniais e do resultado como componentes dos fluxos de caixa das atividades operacionais, de investimento e de

Leia mais

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos)

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos) FEA / USP Departamento de PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos) 1 PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS e PROVISÕES Perdas estimadas em ativos: retificações de ativos decorrentes de perdas de benefícios

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Sumário Capítulo 1 A Elaboração das Demonstrações Contábeis...1 1.1. Considerações Iniciais...1 1.2. Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Capítulo 2 As Demonstrações Contábeis e a Legislação

Leia mais

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Flávio Smania Ferreira 5 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Demonstrações Contábeis: Representa

Leia mais

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS Tributação Indireta no contexto do IFRS Possíveis Impactos no ICMS/ISS Reunião GEDEC 28/10/2015 Escopo da Apresentação Foram analisados os CPCs que possam gerar controvérsias ou possíveis impactos fiscais

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS SA Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS SA Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

PROPOSTA PARA DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NOS TERMOS DO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO N o CVM 481/09

PROPOSTA PARA DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NOS TERMOS DO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO N o CVM 481/09 PROPOSTA PARA DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NOS TERMOS DO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO N o CVM 481/09 1. Informar o lucro líquido do exercício O lucro líquido do exercício de 2012 foi de R$ 1.448.887.908,07

Leia mais

2. APRESENTAÇÃO E ELABORAÇÃO DAS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS Apresentação das informações contábeis intermediárias individuais

2. APRESENTAÇÃO E ELABORAÇÃO DAS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS Apresentação das informações contábeis intermediárias individuais TEREOS INTERNACIONAL S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INTERMEDIÁRIAS INDIVIDUAIS PARA O PERIODO DE NOVE MESES FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 (Valores expressos em milhões de reais

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº /07

RESOLUÇÃO CFC Nº /07 RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.115/07 Aprova a NBC T 19.13 Escrituração Contábil Simplificada para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL AÇÃO SOCIAL NOSSA SENHORA APARECIDA DO MANTIQUEIRA CNPJ:

BALANÇO PATRIMONIAL AÇÃO SOCIAL NOSSA SENHORA APARECIDA DO MANTIQUEIRA CNPJ: Folha 59 BALANÇO PATRIMONIAL (Valores expressos em milhares de reais) ATIVO 2009 2008 PASSIVO 2009 2008 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa 13 2.938 Empréstimos e financiamentos Banco 3.874 6.202 Fornecedores

Leia mais

FATO RELEVANTE CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS S/A CNPJ: / COMPANHIA ABERTA

FATO RELEVANTE CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS S/A CNPJ: / COMPANHIA ABERTA CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS S/A CNPJ: 00.001.180/0001-26 COMPANHIA ABERTA Centrais Elétricas Brasileiras S/A ( Companhia ou Eletrobras ) esclarece aos seus acionistas e ao mercado em geral que, conforme

Leia mais

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli 1 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas Patrimoniais).

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas Patrimoniais). Olá, meus amigos! Tudo bem? É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas Patrimoniais). O plano foi elaborado pelo nosso

Leia mais

IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI /2014 NO SETOR ELÉTRICO

IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI /2014 NO SETOR ELÉTRICO IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI 12.973/2014 NO SETOR ELÉTRICO Sumário: Contratos de Concessão de Serviço Público (OCPC 05 e ICPC 01): PIS/Pasep e Cofins Regime Cumulativo e não-cumulativo: Atividade de Distribuição;

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Seis meses findos em 30 de junho de 2013 Exercício findo em 31 de dezembro de 2012

Leia mais

Contabilidade Introdutória

Contabilidade Introdutória Contabilidade Introdutória Profa. Mara Jane Contrera Malacrida 1 Ö : Parte residual do patrimônio Riqueza líquida da empresa PL = Ativo Passivo Evidencia os recursos dos proprietários aplicados no empreendimento

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ CIA DE PARTICIPAÇÕES ALIANÇA DA BAHIA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ CIA DE PARTICIPAÇÕES ALIANÇA DA BAHIA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.9 DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO Conteúdo Item DISPOSIÇÕES GERAIS 1 OBJETIVOS E

Leia mais

Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007

Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007 Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007 Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO EDIFÍCIO OURINVEST (Administrado pela Oliveira Trust Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO EDIFÍCIO OURINVEST (Administrado pela Oliveira Trust Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO EDIFÍCIO OURINVEST (Administrado pela Oliveira Trust Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM

Leia mais

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em de 2010 Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo Nota explicativa 31 de dezembro de 2010 31 de dezembro 1º de janeiro

Leia mais

CIA DE ELETRICIDADE DO ESTADO DA BAHIA - COELBA 6ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013

CIA DE ELETRICIDADE DO ESTADO DA BAHIA - COELBA 6ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 CIA DE ELETRICIDADE DO ESTADO DA BAHIA - COELBA 6ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2014. Prezados Senhores Debenturistas,

Leia mais

CNPJ: / DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMONIO LIQUIDO

CNPJ: / DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMONIO LIQUIDO Rio de Janeiro, 18 de fevereiro de 2016. DT-P 16-007. CONTÉM: PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES BALANÇO PATRIMONIAL COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras 75º edição 1 de Abril de 214 à 31 de março de 215 Balanço Anual Ativos Ativos circulante Caixa Títulos a receber Contas a receber mobiliários Produtos Materia-Prima Trabalhos

Leia mais

Modelo de Plano de Contas Detalhado

Modelo de Plano de Contas Detalhado Modelo de Plano de Contas Detalhado Código da Conta Descrição da Conta 1. A T I V O 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.01 DISPONÍVEL 1.1.01.01 Caixa 1.1.01.02 Bancos c/ Movimento 1.1 01.03 Aplicações Financeiras

Leia mais

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado).

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). Olá, meus amigos! Tudo bem? É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). O plano foi elaborado pelo nosso

Leia mais

ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE APAS VALE DO RIBEIRA

ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE APAS VALE DO RIBEIRA ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - APAS -VALE DO RIBEIRA Registro - SP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - APAS -

Leia mais

SPE Turbina 16 S.A. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

SPE Turbina 16 S.A. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes SPE Turbina 16 S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte Touche Tohmatsu

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2003 E DE 2002 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2003 E DE 2002 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2003 E DE 2002 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA - FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE

Leia mais

ODONTOPREV S.A. Senhores Acionistas,

ODONTOPREV S.A. Senhores Acionistas, ODONTOPREV S.A. Proposta de Destinação do Lucro Líquido do Exercício - Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária a ser realizada em 25/03/2010 (art. 9º da Instrução CVM 481/2009) Senhores Acionistas,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS APAE MORADA NOVA DE MINAS/MG

ASSOCIAÇÃO DOS PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS APAE MORADA NOVA DE MINAS/MG DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCICIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 31 DE DEZEMBRO DE 2007. Balanço Patrimonial Demonstração do Resultado do Exercício Demonstração das mutações do patrimônio líquido

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VINCI MULTIESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO /

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VINCI MULTIESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO / LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VINCI MULTIESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO 12.440.825/0001-06 Informações referentes a Novembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE. 1. Introdução O IAS 28 Investments in Associates é aplçicado ao registro de investimentos

Leia mais

Em setembro de 2011, ocorreu a cisão parcial de 99,99% de seu patrimônio líquido.

Em setembro de 2011, ocorreu a cisão parcial de 99,99% de seu patrimônio líquido. NUMERAL 80 PARTICIPAÇÕES S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E DE 2011 (Valores expressos em milhares de reais - R$) 1. CONTEXTO OPERACIONAL

Leia mais

CONTAS INDIVIDUAIS 2015

CONTAS INDIVIDUAIS 2015 CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 3 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO INVEST TRADE ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA Avaliação de Investimentos em Participações Societárias INTRODUÇÃO Considera-se Participações Societárias quando uma sociedade (Investidora) vem à aplicar recursos na aquisição de

Leia mais

Relatório da Administração Queiroz Galvão Naval S.A.

Relatório da Administração Queiroz Galvão Naval S.A. Relatório da Administração Queiroz Galvão Naval S.A. Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições estatuárias, submetemos a apreciação de V.Sas. o relatório anual da administração e as demonstrações

Leia mais

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ II S.A.

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ II S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras 1 Contexto Operacional - A Companhia de Saneamento Ambiental de Atibaia SAAE é uma Empresa Pública de Direito Privado, e capital fechado, autorizada pela

Leia mais

Resultados de 2008: Receita Líquida cresce 29,2%

Resultados de 2008: Receita Líquida cresce 29,2% Resultados de 2008: Receita Líquida cresce 29,2% São Paulo, 23 de março de 2009 A Primav EcoRodovias S.A. (EcoRodovias), holding integradora e gestora de soluções de logística para a movimentação de pessoas

Leia mais

1 Instrumentos Elegíveis ao Capital Principal Reservas de lucros Outras receitas e outras reservas (97) - -

1 Instrumentos Elegíveis ao Capital Principal Reservas de lucros Outras receitas e outras reservas (97) - - Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Anexo 1 Composição do Patrimônio de Referência (PR) e informações sobre a adequação do PR Data base : 30/06/2015 Capital Principal: instrumentos e reservas

Leia mais

Contabilidade na crise: O impacto da política monetária na preparação dos balanços e seus reflexos para acionistas. Edison Carlos Fernandes

Contabilidade na crise: O impacto da política monetária na preparação dos balanços e seus reflexos para acionistas. Edison Carlos Fernandes Contabilidade na crise: O impacto da política monetária na preparação dos balanços e seus reflexos para acionistas Edison Carlos Fernandes Esta exposição não trata ou propõe teoria sobre política econômica;

Leia mais

H. COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes

H. COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes H. COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis JRS/BBC/NLM 1202/15 H. COMMCOR DISTRIBUIDORIA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

Lei nº /14: a tributação dos juros sobre capital próprio. Fernando Mombelli

Lei nº /14: a tributação dos juros sobre capital próprio. Fernando Mombelli Lei nº 12.973/14: a tributação dos juros sobre capital próprio Fernando Mombelli Conceito de JCP O art. 9º da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995 permite a dedutibilidade dos Juros sobre o Capital

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER PIBB AÇÕES / Informações referentes a Novembro de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER PIBB AÇÕES / Informações referentes a Novembro de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER PIBB AÇÕES 07.184.920/0001-56 Informações referentes a Novembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER FUNDO

Leia mais

Lucro Fiscal x Lucro Societário

Lucro Fiscal x Lucro Societário Lei n o 12. 973/14 Lucro Fiscal x Lucro Societário Alterações Práticas na Atividade Comercial Prof. Eric Aversari Martins Um Breve Histórico 11.638/07 Harmonização das Normas Contábeis 11.941/09 Instituição

Leia mais

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ I S.A.

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ I S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2012 e 2011 AFMF/LA/KG/GGA 1046/13 Demonstrações

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 31 Interests in Joint Ventures

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 31 Interests in Joint Ventures Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 31 Interests in Joint Ventures Situação: PARCIALMENTE CONVERGENTE 1. Introdução O IAS 31 Interests in Joint Ventures trata da contabilização das

Leia mais

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é uma rede mundial

Leia mais

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros)

Conteúdo. CONTAS INDIVIDUAIS 2015 (Montantes expressos em euros) ASSOCIAÇÃO PARA O ESTUDO E INTEGRAÇÃO PSICOSSOCIAL CONTAS INDIVIDUAIS 2015 Conteúdo BALANÇO INDIVIDUAL (ESNL) EM 31.12.2015 E 31.12.2014... 4 DEMONSTRAÇÃO INDIVIDUAL DOS RESULTADOS (ESNL) PERÍODOS FINDOS

Leia mais

Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa

Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa Universidade Federal de Pernambuco Disciplina: Contabilidade Societária 2 Profa. Márcia Ferreira E- mail: marcia@ferreiraauditores.com.br

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BBM SMID CAPS VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BBM SMID CAPS VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BBM SMID CAPS VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES 08.892.340/0001-86 Informações referentes a Agosto de 2016 Esta lâmina contém

Leia mais

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 2015-2016 UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Gestão e Economia Data: 2015-10-29 Licenciatura em

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL PROFª: Gitano Souto Silva BALANÇO PATRIMONIAL O Balanço Patrimonial é uma demonstração contábil que evidencia, por meio das contas PATRIMONIAIS

Leia mais

DMPL. Professora Yasmin F. S. Fernandes DMPL DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO P.L. CONCEITO

DMPL. Professora Yasmin F. S. Fernandes DMPL DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO P.L. CONCEITO DMPL Professora Yasmin F. S. Fernandes CONCEITO A Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL) é um relatório contábil que visa a evidenciar as variações ocorridas em todas as contas que compõem

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento

CONTABILIDADE AVANÇADA. Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento CONTABILIDADE AVANÇADA Ágio e Ganho na Aquisição de Investimento INTRODUÇÃO Ágio e Ganho em Compra Vantajosa: são apurados em investimento pelo método de equivalência patrimonial. representam excesso ou

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14 ATIVO Exercício Atual PASSIVO Exercício Atual ATIVO CIRCULANTE 652.201,35 PASSIVO CIRCULANTE 236.288,68 Caixa e Equivalentes de Caixa 652.201,35 Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 428, de 19 de novembro de 2012

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 428, de 19 de novembro de 2012 Publicada no D.O.U nº 223, de 20/11/2012 Seção 1 p. 140 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 428, de 19 de novembro de 2012 Cria o Manual de Procedimentos para a Depreciação dos Bens Patrimoniais no âmbito do Sistema

Leia mais

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes 1 FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA - FUNEPU CNPJ 20.054.326/0001-09 BALANÇO PATRIMONIAL PARA

Leia mais

BRASOIL MANATI EXPLORAÇÃO PETROLÍFERA S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures

BRASOIL MANATI EXPLORAÇÃO PETROLÍFERA S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures BRASOIL MANATI EXPLORAÇÃO PETROLÍFERA S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 Brasoil Manati Exploração Petrolífera S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures

Leia mais

CONSTRUTORA ATERPA M. MARTINS S.A. 4ª Emissão Pública de Debêntures

CONSTRUTORA ATERPA M. MARTINS S.A. 4ª Emissão Pública de Debêntures CONSTRUTORA ATERPA M. MARTINS S.A. 4ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2014 Construtora Aterpa M. Martins S.A. 4ª Emissão Pública de Debêntures Relatório

Leia mais

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 e de 2003 e parecer de auditores independentes Demonstração da composição e diversificação

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI PETROBRAS AÇÕES / Informações referentes a Novembro de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI PETROBRAS AÇÕES / Informações referentes a Novembro de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI PETROBRAS AÇÕES 03.917.096/0001-45 Informações referentes a Novembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

Ramo da ciência contábil que aplica, no. prestação de contas; e o necessário suporte para a instrumentalização do

Ramo da ciência contábil que aplica, no. prestação de contas; e o necessário suporte para a instrumentalização do NBC TSP 16.1 - Conceituação, Objeto e Campo de Aplicação - CASP CONCEITO OBJETIVO ABRANGÊNCIA ENTIDADES DO OBJETO SETOR PÚBLICO Ramo da ciência contábil que aplica, no processo Fornecer gerador informações

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ DURATEX S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ DURATEX S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO - CONTADOR

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO - CONTADOR Questão n o 1 a) Fundamentação teórico-conceitual Capital autorizado: é o capital que consta no estatuto da Companhia sendo o limite para autorização do aumento do capital social independentemente de reforma

Leia mais

Lucros não Realizados na Consolidação das D.C. Universidade Federal de Pernambuco Contabilidade Societária 2 Profa: Márcia Tavares

Lucros não Realizados na Consolidação das D.C. Universidade Federal de Pernambuco Contabilidade Societária 2 Profa: Márcia Tavares Lucros não Realizados na Consolidação das D.C Universidade Federal de Pernambuco Contabilidade Societária 2 Profa: Márcia Tavares Situações A empresa B vendeu para a controlada A mercadorias por R$ 140.000

Leia mais

RELATÓRIO DE REVISÃO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores da IESA Projetos, Equipamentos e Montagens S.A. Araraquara - SP Introdução Revisamos as informações contábeis intermediárias,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER DIVIDENDOS AÇÕES / Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER DIVIDENDOS AÇÕES / Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER DIVIDENDOS AÇÕES 03.396.639/0001-26 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER FUNDO

Leia mais

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE... 19 APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 PARTE I CONTABILIDADE GERAL CAPÍTULO I NOÇÕES DE CONTABILIDADE... 27 1. Noções de Contabilidade... 27 1.1. Conceitos, objetivos, campo

Leia mais

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação.

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI INTELIGENTE RENDA FIXA CURTO PRAZO 02.908.347/0001-62 Informações referentes a Agosto de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ CCR S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ CCR S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SMALL CAP AÇÕES / Informações referentes a Novembro de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SMALL CAP AÇÕES / Informações referentes a Novembro de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SMALL CAP AÇÕES 08.537.792/0001-40 Informações referentes a Novembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ÔNIX AÇÕES / Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ÔNIX AÇÕES / Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ÔNIX AÇÕES 88.002.696/0001-36 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER FIC FI ONIX

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI SELECT RF / Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI SELECT RF / Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI SELECT RF 23.682.485/0001-46 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER FUNDO

Leia mais

Apresentação Apimec São Paulo EcoRodovias Infraestrutura e Logística S.A. Março de 2015

Apresentação Apimec São Paulo EcoRodovias Infraestrutura e Logística S.A. Março de 2015 Apresentação Apimec São Paulo EcoRodovias Infraestrutura e Logística S.A. Março de 2015 ESTRUTURA SOCIETÁRIA E ATIVOS ATUAIS DESEMPENHO FINANCEIRO CONSOLIDADO OPORTUNIDADES DE CRESCIMENTO DESEMPENHO ACIONÁRIO

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em Reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em Reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em Reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Regional de Odontologia de São Paulo, Autarquia Federal nos termos da Lei n 4.324/64

Leia mais

As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei /2014. Apresentação: Rafael Correia Fuso

As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei /2014. Apresentação: Rafael Correia Fuso As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei 12.973/2014 Apresentação: Rafael Correia Fuso A formação do ágio / deságio ÁGIO / DESÁGIO CUSTO DE AQUISIÇÃO VALOR PATRIMONIAL Se custo de aquisição > valor patrimonial

Leia mais

Mercado Segurador Brasileiro

Mercado Segurador Brasileiro Mercado Segurador Brasileiro Caderno de Projeções Realizado de 2007 a 2008 Previsões de 2009 a 2012 Segmentos: Seguros Gerais/Pessoas/Saúde/Capitalização Esta publicação foi impressa em papel Reciclato,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SKY VAN GOGH MULTIMERCADO / Informações referentes a Novembro de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SKY VAN GOGH MULTIMERCADO / Informações referentes a Novembro de 2013 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SKY VAN GOGH MULTIMERCADO 02.908.387/0001-04 Informações referentes a Novembro de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

CIRCULAR N d) contabilização das quotas de depreciação e amortização;

CIRCULAR N d) contabilização das quotas de depreciação e amortização; CIRCULAR N 3017 Altera e consolida procedimentos contábeis a serem observados nos processos de incorporação, fusão e cisão. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 6 de

Leia mais

Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais - APAE CNPJ-MF n / DEMONSTRAÇÃO CONTÁBIL LEVANTADA EM BALANÇO PATRIMONIAL

Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais - APAE CNPJ-MF n / DEMONSTRAÇÃO CONTÁBIL LEVANTADA EM BALANÇO PATRIMONIAL Fls: 266 Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais APAE CNPJMF n 36.046.068/000159 DEMONSTRAÇÃO CONTÁBIL LEVANTADA EM 31.12.2008 BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO CONTAS 31/12/2007 31/12/2008 PASSIVO CONTAS

Leia mais

1. ANÁLISE DE DESEMPENHO OPERACIONAL DA AUTOBAN. Janeiro a Março/2013

1. ANÁLISE DE DESEMPENHO OPERACIONAL DA AUTOBAN. Janeiro a Março/2013 1. ANÁLISE DE DESEMPENHO OPERACIONAL DA AUTOBAN Janeiro a Março/2013 As informações financeiras e operacionais abaixo são apresentadas de acordo com a Legislação Societária e as comparações são referentes

Leia mais

Confab Anuncia Resultados para o Segundo Trimestre de 2006

Confab Anuncia Resultados para o Segundo Trimestre de 2006 Confab Anuncia Resultados para o Segundo Trimestre de 2006 São Paulo, 03 de agosto de 2006. Confab Industrial S.A. (BOVESPA:CNFB4), uma empresa Tenaris, anunciou hoje os resultados correspondentes aos

Leia mais

CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis Exercícios Findos em 31 de Dezembro de 2014 e 2013 (valores em milhares de reais) 01 Contexto Operacional

Leia mais

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo. Sumitomo Mitsui Platinum Plus FIC de FI Ref. DI Crédito Privado Longo Prazo CNPJ:

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo. Sumitomo Mitsui Platinum Plus FIC de FI Ref. DI Crédito Privado Longo Prazo CNPJ: Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo Informações referentes a abril de 2016. Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SUMITOMO MITSUI PLATINUM PLUS FIC DE FI REF DI CREDITO

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI PRIORITY REFERENCIADO DI / Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI PRIORITY REFERENCIADO DI / Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI PRIORITY REFERENCIADO DI 00.856.755/0001-92 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre

Leia mais