1º Seminário do MBA Gestão Estratégica da Produção e Manutenção 1º COMPLEXO INTEGRADO ETANO - POLIETILENOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1º Seminário do MBA Gestão Estratégica da Produção e Manutenção 1º COMPLEXO INTEGRADO ETANO - POLIETILENOS"

Transcrição

1 TERCEIRIZA 1º COMPLEXO INTEGRADO ETANO - POLIETILENOS

2 Estrutura Acionária SUZANO 33,3% UNIPAR 33,3% PETROQUISA 16,7% BNDESPAR 16,7% RIOPOL - RIO POLÍMEROS S.A.

3 Estrutura Financeira INVESTIMENTO Capital Próprio Financiamento BNDES Ex-Im Bank (EUA) Sindicato BNPP US$ 1,08 bilhão US$ 430 milhões US$ 650 milhões US$ 284 milhões US$ 198 milhões US$ 170 milhões

4 Configuração do Projeto PETROBRAS RIOPOL Bacia de Campos Cabiúnas D.Caxias Duque de Caxias U P G N S E P A R A Ç Ã O Etano Propano PIRÓLISE POLIMERIZA Gás Natural Metano Etano + Propano Propeno Hidrogênio Gasolina Eteno Polietilenos

5 Informações Gerais CAPACIDADE PRODUTIVA t/a de eteno t/a propeno t/a de polietilenos TECNOLOGIAS Eteno: ABB Lummus Polietilenos: Processo Unipol Univation

6 Vista geral set/04

7 Cronograma - Partida RIOPOL Preparação do terreno PDP Engenharia Básica Partida Engenharia de Detalhamento Construção e Montagem Pré-marketing jul/00 dez/00 jul/01 dez01 jul/02 dez/02 mar/03 jun/04 jun/05

8 Diferenciais do Projeto Matéria-prima: - Utilização de Gás Natural: Disponibilidade local; Custo de Produção: comparação com nafta; Menor investimento para geração de eteno. - Bacia de Campos hoje e no futuro: o maior campo brasileiro de óleo e gás. - Confiabilidade do fornecedor (Petrobras).

9 Mercado: TERCEIRIZAÇÃ Diferenciais do Projeto O faturamento global de vendas, em preços correntes, será da ordem de US$ 800 milhões/ano. A Riopol abastecerá aproximadamente entre 18% e 20% do mercado brasileiro, e exportará até 30% da sua produção. A exportação será feita com contratos de longo prazo (Off-take), com quantidades garantidas ( t/a) nos 4 primeiros anos e t/a nos últimos 6 anos. A Riopol será individualmente o maior exportador de polietilenos, e a partir de 2007, deverá responder por mais de 50% da exportação brasileira de polietilenos.

10 Manutenção

11 Modelo Conceitual Estratégico Tático Operacional Gestão dos Rec. Humanos Política Organização Gestão das Facilidades Gestão dos Materiais Gestão da Informação Engenharia Planejamento e Execução MEDI Gestão de Contratos Padrões Melhorias e ações corretivas Processo de comparação Medidas Legenda: Processos Corporativos Riopol Processos Exclusivos Manutenção

12 Políticas de Manutenção Assegurar a Manutenção da Capacidade Produtiva e da Qualidade dos Produtos ao mínimo Custo; Estruturar a Manutenção considerando conceitos de Confiabilidade Operacional; Produção = Operação + Processo + Manutenção; A Manutenção é responsável pela preservação do conhecimento sobre os equipamentos, através de pessoal qualificado e procedimentos escritos; A Manutenção será medida por indicadores globais do negócio da Riopol; Aspectos de Segurança, Saúde e Meio Ambiente prevalecerão sobre qualquer outro critério.

13 ENGENHARIA DE MANUTEN - Análise dos equipamentos Rotativos, elétricos e instrumentação Estáticos A falha causa impacto na segurança A falha causa impacto no meio ambiente? A falha causa perda de produção? A falha causa impacto na qualidade do produto? Failures likelihood P3 P2 P1 I1 I2 I3 Operational importance High risk Equipamento Crítico (Classificação: A) Equipmento Importante (Classificação: B) Equipamento não crítico (Classificação: C) High-average risk Average risk Low-average risk Low risk Preventiva por Condição (preditiva) Preventiva por tempo FMEA Preventiva por Condição (preditiva) Preventiva por tempo FMEA Preventiva por Condição (preditiva) Preventiva por tempo Corretiva Estabelecimento do ensaio não destrutivo para cada mecanismo de falha Preventiva por condição (preditiva) - sempre quando a variavel mensuravel é confiável e efetiva. Preventiva por tempo - em oportunidades e equipamentos principais (sem stand-by ). Corretive após falha do equipamento

14 Formas de Manutenção 1- CENTRALIZADA VANTAGENS: - Otimização de Recursos - Uniformidade Técnica DESVANTAGENS - Atendimento 2- MISTA VANTAGENS - Atendimento DESVANTAGENS -Custo - Estrutura Gerencial mais Complexa - Não disseminação de conhecimentos

15 Estruturas de Manutenção 1- PRÓPRIA VANTAGENS - Qualificação de pessoal - Qualidade do serviço - Maior comprometimento - Menor custo de materiais - Domínio tecnológico DESVANTAGENS -Custo - Produtividade - Atendimento

16 Estruturas de Manutenção 2- TERCEIRIZADA PARCIAL VANTAGENS - Atendimento -Custo - Não exclusividade - Domínio tecnológico DESVANTAGENS - Qualificação de pessoal - Preparação da fiscalização - Interesses opostos

17 Estruturas de manutenção 3- GERENCIAMENTO GLOBAL VANTAGENS - Fiscalização - Custo ( comparado com própria) - Interesses comuns (resolução de problemas) DESVANTAGENS - Domínio Tecnológico - Custo de Materiais - Custo (comparado com terceirização parcial) - Indefinições do que está contratado - Interesses conflitantes (necessidade de lucro) - Custo de paradas

18 OP RIOPOL 1- FORMA - Centralizada (parcialmente mista) Razões: 1A- Parque industrial de médio porte 1B- Gerenciamento mais simples 1C- Otimização dos recursos - custo 2- ESTRUTURA - Terceirização Parcial Razões: 2A- Custo (otimização de recursos) 2B- Domínio tecnológico 2C- Atendimento à operação

19 Organização Definição da estrutura: ESTRUTURA DA MANUTEN Estrutura própria de engenharia: Planos de manutenção; Inspeção de equipamentos; Engenharia de materiais; Avaliações preditivas; Análise de falhas. Execução contratada.

20 Organização ORGANOGRAMA DA GERÊNCIA Manutenção Gerência Man./ Eng./ Suprim. Projetos Assist. Administ. Suprimentos Técnicos Mecânica Projeto Gestão Planejamento Montagem Compras Instr./ Elétrica Almoxarifado Cald./ Inspeção Entrega

21 Organização FUNCIONALIDADE Gerência Engenharia (Riopol) Contratada Eteno Polietileno Engenheiros Técnicos Inspetores Planejadores Legenda: Riopol Contratada Mista Engenheiros Supervisores Planejadores Execução Ilhas de Manutenção ETENO POLIETILENO Planejador Planejador Executantes Executantes

22 Gestão dos Recursos Humanos Critérios de Seleção Equipe Riopol -> Utilizados critérios técnicos e principalmente comportamentais: Contratação de profissionais com experiência em processos similares; Quando possível, preferência por contratação na região do projeto; Nível escolar técnico como mínimo. Contratos especializados: Nível técnico para funções de execução; Definida experiência mínima; Certificação ABRAMAN Iniciando com mínimo de 20%, e após três anos, mínimo de 80%.

23 Gestão dos Recursos Humanos Treinamento Gerente e Líderes das disciplinas: Treinamento em planta de Eteno similar: Westlake - USA Treinamento para Polietileno e visita a plantas: Houston - USA Treinamento em planta de Polietileno similar: Brindisi - Itália Técnicos e Operacional: Geral dos processos; Vendors; Programa cobrindo todos equipamentos principais

24 Gestão dos Materiais Sobressalentes Análise realizada através de duas fontes: Sobressalentes recomendados pelos fabricantes para um ano ; Recomendação adicional do grupo de engenharia após análise e definição do plano de manutenção de cada equipamento. Filosofias de suprimento: Estoque somente de sobressalentes específicos e/ ou estratégicos; Contratos de fornecimento para materiais de uso geral; Itens consignados, quando possível; Contratos específicos com compromisso de performance.

25 Gestão de Suprimentos Definição da estrutura: Estrutura própria: Gestão de estoque; Procedimentos; Compras; Contratação: Gestão do Almoxarifado; Recebimento; Inspeção; Entrega. ESTRUTURA

26 Gestão das Informações Sistema de informações MAXIMO -> Sistema de Gestão da Manutenção; SGE -> Sistema para Gestão dos Planos e registro dos históricos das Inspeções dos equipamentos Estáticos, Tubulações e Válvulas de Segurança; GED (Meridian) -> Sistema de informações corporativo, permitindo fácil acesso a documentos e ao acervo bibliográfico Gestão do conhecimento; Análise de Performance para equipamentos mecânicos; Sistema de monitoração de válvulas; Biblioteca -> Arquivo corporativo com localização central; Arquivo setorial -> Para rápido acesso a desenhos e manuais; Arquivo da inspeção -> Para controle de documentos de análise de integridade e atendimento à NR-13.

27 Gestão dos Contratos Modelo Conceitual Relevância B1 A Riopol Contratado e Gerenciado Por Riopol C B2 Contratado por Riopol Gerenciado por Rioman Frequência Contrato de execução (Rioman)

28 RIOPOL (Gestão e Engenharia de Manutenção) Gerenciamento dos planos de manutenção Monitoramento da performance Procedimentos (POPs) Inspeção de equipamentos Análise de anomalias Estudos de engenharia Software Engenharia de materiais Suporte à área de suprimentos Gestão de contratos Planejamento Apoio técnico a projetos Treinamento do pessoal Análise dos indicadores de performance Controle de custos CONTRATOS (Execução) Contrato Principal Execução especializada Andaimes Isolamento Pintura Contratos com fabricantes (recuperação de selos, SDCD, etc..) Limpeza Industrial Elevação de cargas Recuperação de motores Calibração de SVs Outros

29 Gestão dos Contratos CRITÉRIOS PARA CONTRATA Longo prazo; Parceria; Empresa especializada; Ganho para as duas partes: Bônus e penalidades; Redução em função da demanda; Negociações periódicas para ajuste do Contrato.

30 Gestão dos Contratos Especialidades: Mecânica; Elétrica; Caldeiraria; Instrumentação. CONTRATO PRINCIPAL Características principais: Pagamento por equipe global; Possibilidade de mobilização adicional; Longo prazo: cinco anos, renovável; Bônus e penalidades; Equipe fixa negociada a cada seis meses.

31 Contrato Principal Escopo Resumido Execução de serviços especializados de manutenção (Elétrica, Caldeiraria, Instrumentação e Mecânica); Programação de rotina; Informação de dados de execução para histórico; Informações para a Engenharia de Manutenção. Características Principais Contrato de longo prazo (> 5 anos) Quatro fases distintas para escopo e forma de pagamento, acompanhando a evolução do projeto Incentivo para melhoria contínua da performance do contratado

32 EFETIVO Contrato Principal Fase 1 Fase 2 Fase 3 Fase 4 Stand by, para partida, Serviços de oficina, Paradas Gerais ou de Emergência, CORRETIVA, PARADAS GERAIS OU DE EMERGÊNCIA. PARADAS GERAIS, DE EMERGÊNCIA E OUTRAS QUE ENVOLVAM MOBILIZAÇÕES ADICIONAIS. Contrato Nov/2003 Mar/2004 Treinamento do pessoal, Serviços de comissionamento definidos pela contratada, Stand by para partida das unidades, Gas in Treinamento On the Job, Monitoramento, PMP, Inspeção, Engenharia De Manutenção, Análise De Falhas, Estudos de Engenharia Análise de óleo, Lubrificação, Análise de vibração, Termovisão, Aceitação SERVIÇOS DEMANDADOS PELA OPERA. PMP, ANÁLISE DE ÓLEO, LUBRIFICA, ANÁLISE DE VIBRA, TERMOVISÃO; Fim Fase 3 Reavaliação SERVIÇOS DEMANDADOS PELA OPERA. PMP, ANÁLISE DE ÓLEO, LUBRIFICA, ANÁLISE DE VIBRA, TERMOVISÃO, CORRETIVAS, EMERGÊNCIAS, CONTRIBUI NA ANÁLISE DE FALHAS; Out/2008 t

33 Contrato Principal Certificação da mão de obra % de técnicos certificados 80% 50% 20% FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 Fases

34 Engenharia Indicadores Medição para itens de controle definidos: Disponibilidade; Cumprimento dos planos; Cumprimento da programação; Carga de trabalho pendente; Acompanhamento da performance; Acompanhamento dos custos desembolsados/orçados; Realização de RI`s; Segurança e Meio ambiente.

35 Verificação da efetividade Análise Crítica Avaliação mensal dos indicadores; Avaliação semestral dos processos; Planos de ação: Para melhoria contínua; Mudanças nos processos; Modificação por evolução tecnológica. Correção de anomalias; Revisão de procedimentos; Treinamento; Modificação para adequação às necessidades do processo.

S ] Striai S indu o SS proce estão para g engenharia e S de S integrada [ Soluçõe nevesdobrasil.com.br

S ] Striai S indu o SS proce estão para g engenharia e S de S integrada [ Soluçõe nevesdobrasil.com.br [ Soluções integradas de Engenharia e Gestão para Processos Industriais ] [ apresentação ] A NEVES DO BRASIL Fundada em 2008 com sua unidade matriz em Americana (SP) a Neves do Brasil busca fornecer soluções

Leia mais

Projeto: ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Benchmarking Segmento: Farmacêutico

Projeto: ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Benchmarking Segmento: Farmacêutico Projeto: ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Benchmarking Segmento: Farmacêutico Eng. José Wagner Braidotti Junior Forma de atuação: Mista Nível Hierárquico: Diretoria: 70% Gerencial: 30% Almoxarifado: Próprio: 75%

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: As Atividades de Manutenção devem ser pensadas estrategicamente de maneira a contribui para resultado da empresa rumo a Excelência

Leia mais

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca 1. INSPETOR CONTROLE DE QUALIDADE- Atuar com inspeção de processos / final, ensaios de rotina, controle de qualidade e verificação de falhas na

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

T.T. 035 MAXIMIZANDO A DISPONIBILIDADE DOS ATIVOS, ATRAVÉS DA INTEGRAÇÃO DE TÉCNICAS PREDITIVAS E VARIÁVEIS DE PROCESSO

T.T. 035 MAXIMIZANDO A DISPONIBILIDADE DOS ATIVOS, ATRAVÉS DA INTEGRAÇÃO DE TÉCNICAS PREDITIVAS E VARIÁVEIS DE PROCESSO T.T. 035 MAXIMIZANDO A DISPONIBILIDADE DOS ATIVOS, ATRAVÉS DA INTEGRAÇÃO DE TÉCNICAS PREDITIVAS E VARIÁVEIS DE PROCESSO Luiz Fernando P. Gonçalves (1) Otávio Luiz Dibe Vescovi (2) Karlheinz Kattermann

Leia mais

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO Por que a HEAVYLOAD? Possibilidade garantida de contratar um único fornecedor com foco em: Gerenciamento dos Ativos; Desenvolvimento e implementação de novas tecnologias; Centro de Treinamento Próprio

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2 4 - ATRIBUIÇÕES DO PCM Luiz Carlos Dorigo As quatro funções fundamentais do PCM, quais sejam, Planejamento, Programação, Coordenação e Controle devem

Leia mais

TriNMPC. Controlador Preditivo Multivariável Linear e Não-linear BENEFÍCIOS: APLICAÇÕES: CARACTERÍSTICAS:

TriNMPC. Controlador Preditivo Multivariável Linear e Não-linear BENEFÍCIOS: APLICAÇÕES: CARACTERÍSTICAS: TriNMPC Controlador Preditivo Multivariável Linear e Não-linear O software TriNMPC é um controlador preditivo multivariável que pode ser tanto linear como nãolinear, sendo extremamente versátil e de fácil

Leia mais

Quem é a GLOBAL GEOMÁTICA Divisão Offshore? O que a GLOBAL GEOMÁTICA Divisão Offshore faz?

Quem é a GLOBAL GEOMÁTICA Divisão Offshore? O que a GLOBAL GEOMÁTICA Divisão Offshore faz? Quem é a GLOBAL GEOMÁTICA Divisão Offshore? Empresa de Engenharia com serviços especializados, produto da larga experiência de nossos profissionais em trabalhos de EVTEAs, Projetos Conceituais, Projetos

Leia mais

PETRÓLEO E GÁS. Os serviços da Cugnier abrangem:

PETRÓLEO E GÁS. Os serviços da Cugnier abrangem: PETRÓLEO E GÁS Os serviços da Cugnier abrangem: PETRÓLEO E GÁS A Cugnier está credenciada junto à estatal Petrobras através do CRCC (Certificado de Registro e Classificação Cadastral), possuindo aprovação

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Informações sobre a disciplina: Professor: Eng. Carlos Bernardo Gouvêa Pereira Site: www.carlosbernardo.com Email: prof_carlospereira@camporeal.edu.br

Leia mais

Alkym Militar. Sistema Integral de Logística e Gestão de Manutenção de Aeronaves. Mais missões. Custos mais baixos. 1 Alkym Militar by Volartec

Alkym Militar. Sistema Integral de Logística e Gestão de Manutenção de Aeronaves. Mais missões. Custos mais baixos. 1 Alkym Militar by Volartec Alkym Militar Sistema Integral de Logística e Gestão de Manutenção de Aeronaves Mais missões. Custos mais baixos 1 Alkym Militar by Volartec Apresentação Geral VOLARTEC VOLARTEC e uma empresa de tecnologia

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. Márcio Tadeu de Almeida. D.Eng. Professor da Escola Federal de Engenharia de Itajubá. Consultor em Monitoramento de Máquinas pela MTA. Itajubá - MG

Leia mais

Anexo II Descrição da Área/Processo. Cargos de Nível Médio

Anexo II Descrição da Área/Processo. Cargos de Nível Médio Anexo II Descrição da Área/Processo Cargos Cargo Área Pré-requisito Trajetória Processo de Agrimensura de Edificações/ Construção Civil de Edificações de Edificações Agrimensura. Edificações. Edificações.

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

SPIE EM EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTES

SPIE EM EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTES EM EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTES Agenda Petroquímica União SPIE Serviço Próprio de Inspeção de Equipamentos -Cronologia - Benefícios Imediatos - Constituição do SPIE - Desencorajamento - Importância

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

BEM-VINDOS A UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE E AO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL DO LATEC

BEM-VINDOS A UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE E AO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL DO LATEC 1º Seminário do MBA BEM-VINDOS A UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE E AO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL DO LATEC 1º Seminário do MBA BEM-VINDOS AO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL DO LATEC Escola

Leia mais

ENGENHARIA DE PROJETO

ENGENHARIA DE PROJETO ENGENHARIA DE PROJETO TORKE ENGENHARIA Nossa empresa é especializada na execução de projetos industriais. Grandes e pequenas companhias confiam em nós para realizar seus projetos de novas fábricas, ampliações

Leia mais

Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência.

Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência. PNQS 2010 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência.

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

UM NOME, MUITAS SOLUÇÕES!

UM NOME, MUITAS SOLUÇÕES! UM NOME, MUITAS SOLUÇÕES! Fundado em 2010, o Grupo Vikon, hoje é a mais completa prestadora de serviços de consultoria técnica, inspeção e manutenção do mercado. Nossa equipe especializada e eficientemente

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA 2013 15 anos CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA Ministrante: Sidnei Lopes Dias Realização: Gênesis Assessoria Empresarial CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 2.a SEP PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Cortesia: Antônio Henriques & Isegnet Projeto de Inserção: 3RFollowGoGreener Aplicação: MPEM Rede Petro/SEBRAE Contato: www.isegnet.com.br

Leia mais

ABIQUIM VII Congresso de Atuação Responsável

ABIQUIM VII Congresso de Atuação Responsável ABIQUIM VII Congresso de Atuação Responsável Mesa Redonda A Certificação dos Serviços Próprios de Inspeção de Equipamentos São Paulo 01 de outubro de 2003 Paulo Ermida Moretti Luis Carlos Greggianin Unidade

Leia mais

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS Celeste Maria de Almeida (1) Resumo Objetivo do trabalho é demonstrar como os recursos disponíveis no Sistema Informatizado de Manutenção

Leia mais

Integração horizontal e integração vertical; estratégias de contratação de mão-de-obra

Integração horizontal e integração vertical; estratégias de contratação de mão-de-obra Gestão de Suprimentos e logística de distribuição Professor : (francisco.cardoso@poli.usp.br) Aula 3: Gestão de subempreiteiros. SCM em Salvador Tópicos da aula: Gestão de subempreiteiros: introdução ao

Leia mais

AÇÕES DA PETROBRAS PARA FORTALECIMENTO DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO

AÇÕES DA PETROBRAS PARA FORTALECIMENTO DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO SEMINÁRIO IAAC AÇÕES DA PETROBRAS PARA FORTALECIMENTO DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO ERNANI TURAZZI Gerente do Cadastro de Fornecedores e FABIANO GONÇALVES MARTINS Gerente de Avaliação Técnica de

Leia mais

Guia de Manutenção de Edificações

Guia de Manutenção de Edificações PROJETO DE PESQUISA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PESQUISA TÍTULO ENTIDADE Abraman Associação Brasileira de Manutenção COMITÊ DE ESTUDOS Comitê de Manutenção Centrada na Confiabilidade COORDENAÇÃO Eng.

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro.

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Edmar de Souza Borges Resumo: O presente artigo tem a intenção de descrever e demonstrar que as paradas de manutenção

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Sumário. 8:30 h Avaliação de projetos (I-Níveis e tipos de Planejamento II Ferramentas de Planejamento (EAP, Gráfico de Gantt)

Sumário. 8:30 h Avaliação de projetos (I-Níveis e tipos de Planejamento II Ferramentas de Planejamento (EAP, Gráfico de Gantt) Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos Disciplina: Técnicas de Planejamento aplicadas ao projeto e manutenção de sistemas elétricos on e offshore) Professor: Ronaldo Camara Cavalcante Msc Engenharia

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

3. Como a aquisição deveria ocorrer em um projeto (ideal)

3. Como a aquisição deveria ocorrer em um projeto (ideal) 3. Como a aquisição deveria ocorrer em um projeto (ideal) Para que se possa propor a projetização da aquisição é necessário que se entenda o contexto do projeto, de sua organização, e de como integrar

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 1

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 1 1 INTRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 1 Luiz Carlos Dorigo Até a Segunda Guerra Mundial as atividades de Manutenção Industrial eram fundamentalmente atividades de Manutenção Corretiva.

Leia mais

Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência

Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência 2 Serviços para gerenciar o ciclo de vida dos inversores de média

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

SOLUÇÕES INDUSTRIAIS

SOLUÇÕES INDUSTRIAIS Soluções em Tecnologia de Automação e Informação SOLUÇÕES INDUSTRIAIS LOGANN Soluções Especiais ESPECIALIDADES AUTOMAÇÃO E CONTROLE INDUSTRIAL Atuação em sistemas de controle, aquisição de dados e supervisão

Leia mais

Refinaria Duque de Caxias - REDUC

Refinaria Duque de Caxias - REDUC Refinaria Duque de Caxias - REDUC Refinarias no Brasil 239.000 *Considerando Processamento de GN e LGN, a carga passa a ser 267.300 bbl/dia. Refinaria Duque de Caxias - REDUC Localização : Duque de Caxias

Leia mais

Serviços e Soluções para Estamparias

Serviços e Soluções para Estamparias Serviços e Soluções para Estamparias 1 BEM VINDO À PRENSAS SCHULER - BRASIL Inovação e Tecnologia Área total: 103,220 m² Área construída: 32,727 m² A Prensas Schuler instalou-se no Brasil em 1965, época

Leia mais

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SOLUÇÕES INDUSTRIAIS. A EMPRESA Para a SAFE, a tecnologia é somente um dos elementos de qualquer solução industrial. Suporte e serviços técnicos de alto nível são ingredientes

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento 02 Adequação dos registros e padrões Adequação para o Sistema de Gestão Integrado, alteração do Item

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS POR RESULTADOS COMO FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA MANUTENÇÃO EM AEROPORTO PÚBLICO

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS POR RESULTADOS COMO FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA MANUTENÇÃO EM AEROPORTO PÚBLICO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS POR RESULTADOS COMO FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA MANUTENÇÃO EM AEROPORTO PÚBLICO André Peixoto Graduação Engenharia Mecânica - UFMG Especialização Condicionamento de Ambientes

Leia mais

EXPLORE SEUS POTENCIAIS. Junte-se aos 128 concessionários mundiais que escolheram ser parceiros da FG Wilson.

EXPLORE SEUS POTENCIAIS. Junte-se aos 128 concessionários mundiais que escolheram ser parceiros da FG Wilson. Expanda seu portfólio de produtos e aumente o seu negócio com a marca líder GLOBAL na indústria. EXPLORE SEUS NEGÓCIOS POTENCIAIS Junte-se aos 128 concessionários mundiais que escolheram ser parceiros

Leia mais

SISTEMA SDCD IMPLANTANDO UMA FABRICA COM SIMULADOR DE PROCESSO. Vitor Wuo vwuo@suzano.com.br Suzano Papel e Celulose

SISTEMA SDCD IMPLANTANDO UMA FABRICA COM SIMULADOR DE PROCESSO. Vitor Wuo vwuo@suzano.com.br Suzano Papel e Celulose SISTEMA SDCD IMPLANTANDO UMA FABRICA COM SIMULADOR DE PROCESSO Vitor Wuo vwuo@suzano.com.br Suzano Papel e Celulose Felisberto Almeida falmeida@suzano.com.br Suzano Papel e Celulose Resumo Durante a elaboração

Leia mais

Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC

Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC Renato David 1, Allan James Ferreira Maciel 2 *, Jediel Grangeiro 3, Josenilson Rocha 4 1,2,3,4 Planejamento e recursos

Leia mais

COMISSIONAMENTO DE UNIDADES INDUSTRIAIS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS

COMISSIONAMENTO DE UNIDADES INDUSTRIAIS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS COMISSIONAMENTO DE UNIDADES INDUSTRIAIS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS Antonio Prates 1, Luciano Gaete 1, Paulo Garcia de Souza 2 1 Forship Engenharia, 2 ProxyBiz Business Platform. Introdução O comissionamento

Leia mais

Harilaus G. Xenos. Gerenciando a Manutenção Produtiva

Harilaus G. Xenos. Gerenciando a Manutenção Produtiva Harilaus G. Xenos Gerenciando a Manutenção Produtiva PREFÁCIO....................................................................... 11 1. Uma Visão Geral da Manutenção de Equipamentos....................................

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR)

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

RESULTADOS ALCANÇADOS COM A TERCEIRIZAÇÃO LOGÍSTICA NA FCC S.A.

RESULTADOS ALCANÇADOS COM A TERCEIRIZAÇÃO LOGÍSTICA NA FCC S.A. RESULTADOS ALCANÇADOS COM A TERCEIRIZA LOGÍSTICA NA FCC S.A. Bruna Sousa A FÁBRICA CARIOCA DE CATALISADORES Indústria Química localizada no Dist. Ind.de Santa Cruz; Composição Acionária: PETROBRAS e ALMEMARLE;

Leia mais

Projeto Manutenção Preditiva. Análise de vibrações. www.gatec.com.br

Projeto Manutenção Preditiva. Análise de vibrações. www.gatec.com.br Projeto Manutenção Preditiva Análise de vibrações www.gatec.com.br ANÁLISE DE VIBRAÇÃO 1 - DEFINIÇÃO TÉCNICA 2 - CONCEITUAÇÃO : 2.1 ANÁLISE DE VIBRAÇÃO X ASSINATURA ESPECTRAL 2.2 MONITORAMENTO DA VIBRAÇÃO

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Implantação de Obras Planejamento Administração de Empresas. Orçamentação Contratos Marketing Apoio Técnico

Gerenciamento de Projetos Implantação de Obras Planejamento Administração de Empresas. Orçamentação Contratos Marketing Apoio Técnico Gerenciamento de Projetos Implantação de Obras Planejamento Administração de Empresas Orçamentação Contratos Marketing Apoio Técnico www.bethonico.com.br APRESENTAÇÃO Desde o ano 2000, a Bethonico Planejamento

Leia mais

Willis Latin American Energy Conference

Willis Latin American Energy Conference Willis Latin American Energy Conference Planejamento Financeiro e Gestão de Riscos outubro 2012 Cátia Diniz Gerente Setorial de Seguros Internacionais Estas apresentações podem conter previsões acerca

Leia mais

Petroquímica Básica Instrutor André Costa

Petroquímica Básica Instrutor André Costa Petroquímica Básica Instrutor André Costa Como é explotado da jazida não possui valor agregado para o homem. É uma mistura complexa de compostos orgânicos e inorgânicos, em que predominam carbono e hidrogênio.

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

PLANEJAMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE - SIAC - NÍVEL C - EDIFICAÇÕES Empresa:

PLANEJAMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE - SIAC - NÍVEL C - EDIFICAÇÕES Empresa: 4. (b) Foi definido claramente o(s) subsetore(s) e tipo(s) de obra abrangido(s) pelo Sistema de Gestão da Qualidade. Não foi definido o subsetor e o tipo de obra abrangido pelo Sistema de Gestão pela Qualidade.

Leia mais

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção)

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção) TPM -Total Productive Maintenance (Gestão da Manutenção) 1 MANUTENÇÃO À MODA ANTIGA Nada de prevenção! Só se conserta quando quebrar e parar de funcionar. Use até acabar... Manutenção não tem nada em comum

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

De 16/04/2012 a 20/04/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min

De 16/04/2012 a 20/04/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min Bombas de Água e de Processo - Otimização de Sistemas de Bombeamento De 16/04/2012 a 20/04/2012 Local: Hotel a definir Rio de Janeiro Carga Horária: 40 horas Horário: das 8h30min às 17h30min Objetivo:

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

Boa prática no desenv. dos projetos de automação na Bacia de Campos

Boa prática no desenv. dos projetos de automação na Bacia de Campos Boa prática no desenv. dos projetos de automação na Bacia de Campos Eng. Denyson Lima denyson@petrobras.com.br Petrobrás - Bacia de Campos - Plataformas Petrobrás - Bacia de Campos -Plataformas Macro Processo

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

FORMAÇÃO DE INSPETOR DE EQUIPAMENTOS. Manuel Joaquim de Castro Lourenço Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ

FORMAÇÃO DE INSPETOR DE EQUIPAMENTOS. Manuel Joaquim de Castro Lourenço Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ FORMAÇÃO DE INSPETOR DE EQUIPAMENTOS Manuel Joaquim de Castro Lourenço Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ Marcelo Maciel Pereira Fundação Brasileira de Tecnologia da

Leia mais

CUIDADOS BÁSICOS NA ESCOLHA E USO DE ELEVADORES DE OBRAS. Engº. Gilberto Mian

CUIDADOS BÁSICOS NA ESCOLHA E USO DE ELEVADORES DE OBRAS. Engº. Gilberto Mian CUIDADOS BÁSICOS NA ESCOLHA E USO DE ELEVADORES DE OBRAS Engº. Gilberto Mian SOBRE A METAX A Metax é especializada em Engenharia de Acesso, fornecendo soluções para acesso e elevação de carga, atuando

Leia mais

Engenharia do Produto

Engenharia do Produto Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento de Eletrônica Engenharia do Produto Slides elaborados a partir de Rozenfeld et al. (2006) AULA 6 Favor colocar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ TM 285 MANUTENÇÃO INDUSTRIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ TM 285 MANUTENÇÃO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ TM 285 MANUTENÇÃO INDUSTRIAL CURITIBA DEZEMBRO / 2011 1 INTRODUÇÃO 1.1 - Conceitos Do dicionário: Manutenção = Ato de manter Manter = Sustentar, defender Exemplos: manutenção

Leia mais

Terceiro nível Quarto nível Quinto nível

Terceiro nível Quarto nível Quinto nível SEMINÁRIO JURÍDICO-FISCAL E WORKSHOP TÉCNICO DA 4 a RODADA DE LICITAÇÕES DA ANP CAPACIDADE Clique para editar NACIONAL os estilos do texto DA mestre CADEIA Segundo DE nível SUPRIMENTO PARA PETRÓLEO E GÁS

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

PROFFISSIONAL DA ÁREA DE ENGENHARIA

PROFFISSIONAL DA ÁREA DE ENGENHARIA ROBERTO AUGUSTO DOS REIS Rua Roberval Froes, 390 apto 74B - Jd Esplanada II - São José dos Campos SP - 12242-460 Fone: (012) 3209-8488 / (12) 8246-7399 E-mail: roberto.engenharia@yahoo.com.br PROFFISSIONAL

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Anexo 1 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DE ATIVIDADES DO CARGO

Anexo 1 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DE ATIVIDADES DO CARGO Anexo 1 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DE ATIVIDADES DO CARGO Cargos Classe B Auxiliar de Laboratório: desenvolver atividades auxiliares gerais de laboratório bem como, de áreas específicas, de acordo com as especialidades,

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial 46 Capítulo V Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* A busca incessante do lucro pelas empresas, focada relegando-a a uma posição secundária ou a ser vista

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 10 Fato Real A batalha pelos dados Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob licença Creative

Leia mais

AULA Gestão dos processos de manutenção.

AULA Gestão dos processos de manutenção. ASTI - Análise de Sistemas e Tecnologia da Informação DIAGNÓSTICO E SOLUÇÃO DE PROBLEMAS EM TI - II AULA 03 / 04 Prof. Pissinati FATEC AM Faculdade de Tecnologia de Americana 19/FEV/2010 19/02/10 1 AULA

Leia mais

ITIL. Fundamentos do Gerenciamento de Serviços de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

ITIL. Fundamentos do Gerenciamento de Serviços de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br ITIL Fundamentos do Gerenciamento de Serviços de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Objetivo Prover uma visão geral sobre Gerenciamento de Serviços de TI: Conceito; Desafios; Estrutura; Benefícios;

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

Instalações Prediais. Manutenção

Instalações Prediais. Manutenção Instalações Prediais Manutenção Legislação Leis nº 10.199/86 e 8382/76 Certificado de manutenção dos sistemas de segurança contra incêndio Lei nº 13.214, de 22 de novembro de 2001. Obrigatoriedade de instalação

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E MODELOS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO CONTEMPORÂNEA

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E MODELOS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO CONTEMPORÂNEA II Seminário de Manutenção do Norte Filial I (PA AC AP RO RR) ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E MODELOS DE GESTÃO DA CONTEMPORÂNEA Eng. Dr. ENON LAÉRCIO NUNES Belém-PA Outubro/2010 1 II Seminário de Manutenção

Leia mais

Governança de TI. ITIL (IT Infraestructure Library) Principais Conceitos

Governança de TI. ITIL (IT Infraestructure Library) Principais Conceitos Governança de TI ITIL (IT Infraestructure Library) Principais Conceitos Função Equipe ou grupo de pessoas e ferramentas que são utilizadas para conduzir um ou mais processos. Exemplo Central de Serviços

Leia mais

Grupo Security Forçan

Grupo Security Forçan 1 - APRESENTAÇÃO DA EMPRESA O Grupo Forçan é uma das empresas com maior aceitação no mercado de terceirização de serviços atuando de forma eficaz e oferecendo serviços de alta qualidade através de mão

Leia mais

ECM Gerenciamento de Conteúdo Corporativo

ECM Gerenciamento de Conteúdo Corporativo ECM Gerenciamento de Conteúdo Corporativo Jambu Tecnologia Consultoria e Engenharia Ltda www.jambu.com.br - (91) 3224-5440 Responsável Comercial: Marcelo Rocha de Sá - (91) 8882-0319 Soluções abertas em

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

SIC 2007. A Engenharia de Confiabilidade Quebrando Paradigmas de Manutenção. João Luis Reis e Silva. Votorantim Metais

SIC 2007. A Engenharia de Confiabilidade Quebrando Paradigmas de Manutenção. João Luis Reis e Silva. Votorantim Metais SIC 2007 A Engenharia de Confiabilidade Quebrando Paradigmas de Manutenção João Luis Reis e Silva Eng o. Confiabilidade Sênior Votorantim Metais Negócio Zinco, unidade Três Marias Agenda Grupo Votorantim

Leia mais

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo Migração de sistemas antigos Avançando para um futuro competitivo A automação e controle é um dos mais importantes investimentos para garantir o sucesso da manufatura de qualquer indústria. Porém, por

Leia mais