ÌNDICE GERAL 1. Introdução 2. Substantivo 2.1 Substantivo comum e substantivo próprio 2.2 Substantivo colectivo 2.3 Flexão dos substantivos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÌNDICE GERAL 1. Introdução 2. Substantivo 2.1 Substantivo comum e substantivo próprio 2.2 Substantivo colectivo 2.3 Flexão dos substantivos"

Transcrição

1 ÌNDICE GERAL 1. Introdução Substantivo Substantivo comum e substantivo próprio Substantivo próprio Substantivo comum Substantivo colectivo Flexão dos substantivos Número dos substantivos Formação do plural nos substantivos Género dos substantivos Grau dos substantivos Conclusão Referências Bibliográficas

2 1. Introdução O substantivo é uma classe morfológica que designa as palavras de todas as coisas e pessoas que nos rodeiam. É uma classe que está subdividida noutras subclasses nomeadamente, substantivos próprios, comuns e colectivos que flexionam segundo modo, género e grau. Este trabalho foi elaborado com base nas gramáticas de Evanildo Bechara denominada por Moderna Gramática Portuguesa (1999) e na gramática de Caldas Aulete intitulada de Grammatica Moderna (1864). A elaboração deste trabalho teve origem no âmbito da disciplina de português II, com o propósito e comparar as gramáticas de Ecanildo Bechara e Caldas Aulete, que tendo em conta as duas obras, verificamos quais os conceitos que ambos gramáticos têm em comum e os que diferem. Para além disso, redigimos uma opinião sobre a questão qual o termo mais adequado para leccionar? Substantivo ou nome?. 2

3 2. Substantivo O substantivo, segundo Caldas Aulete (1864), provem do vocábulo substancia que significa qualquer individuo creado pela natureza ou pelo nosso espírito (Aulete 1864:10). Caldas Aulete (1864) e Evanildo Bechara (1999) apresentam uma definição de substantivo muito semelhante. Aulete define substantivo como ( ) palavras com que se representam as pessoas ou as coisas (Aulete 1864:10) que em comparação à definição de substantivo de Bechara que refere que Substantivo é o nome com que designamos seres em geral - pessoas, animais e coisas (Bechara 1999:72), podemos verificar que ambas as definições são idênticas. Aulete (1864), mostra uma forma muito simples e prática de reconhecer os substantivos, que consiste basicamente em juntar às palavras em questão, determinantes artigos indefinidos um, uma, uns, umas ou pronomes indefinidos algum, alguma, alguns, algumas e se esse acrescento soar bem, podemos dizer que essas palavras são substantivos, como por exemplo: casa, coisa, brinquedo são substantivos porque a junção dos determinantes artigos indefinidos faz sentido: uma casa, alguma coisa, um brinquedo. 2.1 Substantivo comum e substantivo próprio Ambos gramáticos consideram a subdivisão dos substantivos em comuns e próprios, embora Aulete (1864) denomine os substantivos próprios de substantivos individuaes. Apesar desta ligeira dissemelhança, tanto um gramático como outro dividem estas subclasses de acordo com os mesmos critérios Substantivo próprio O substantivo próprio ( ) é o que designa individualmente os seres, sem referência a suas qualidades (Bechara 1999:73), uma definição que vai ao encontro do que Aulete (1864) expõe quando relata que o substantivo individual é o que representa um só individuo, um só objecto para o distinguir de todos demais da mesma espécie ou da mesma natureza (Aulete 1864:11). São exemplos de substantivos próprios Tejo, Portugal, Vila Real, Alberto. 3

4 2.1.2 Substantivo comum O substantivo comum designa o ser como pertencente a uma classe com o mesmo conjunto de qualidades (Bechara 1999:73) e é ( ) com que se nomeiam indisserencialmente todos os indivíduos, todos os seres da mesma espécie ou natureza (Aulete 1864:11). Rio, país, cidades, pessoa são exemplos de substantivos comuns porque representam qualquer rio, qualquer país, qualquer cidade, qualquer pessoa, não especifica nada nem ninguém em particular. 2.2 Substantivo Colectivo Os substantivos também se podem subdividir em substantivos colectivos que é o que se aplica aos seres considerados em conjunto (Bechara 1999:74). Aulete (1864) refere que quando o substantivo representa uma colecção de indivíduos da mesma natureza ou espécie, toma o nome particular de substantivo collectivo. Alguns dos substantivos colectivos mais usuais: a) Conjunto de pessoas Malta, quadrilha, corja, súcia turba de ladrões, ladrões, assassinos, malfeitores ou vadios; Associação, congresso, convenção pessoas reunidas para um fim em comum; Comunidade, confraria, congregação, irmandade ordem religiosa; Concílio, conclave, consistório, sínodo assembleia de párocos ou padres; Coro, conjunto pessoas que cantam; Equipagem, maruja tripulação de marinheiros; b) Grupo de animais Alcateia conjunto de lobos; Bando conjunto de aves, pardais; Cáfila conjunto de camelos; Cardume conjunto de peixes; Enxame conjunto de abelhas; 4

5 Fauna conjunto de animais próprio de uma região c) Grupo de coisas Baixela serviço de chá, café ou jantar Arquipélago grupo de ilhas Armada, frota conjunto de navios Buquê ramo de flores Cordilheira série de montes, montanhas Pomar conjunto de árvores 2.3 Flexão dos Substantivos O substantivo é uma classe variável. Uma palavra é variável quando sofre flexão, que no caso dos substantivos varia consoante o número, género e grau Número dos Substantivos O número dos substantivos tem a ver com a quantidade dos objectos. Se se estiver a referir a um objecto é singular ou se estiver a referir mais do que um denomina-se de plural como refere Aulete Um nome está no singular quando a unidade, isto é, uma pessoa ou uma coisa. Um nome está no plural quando denota pluralidades, isto é, muitas pessoas ou coisas (Aulete 1864: 12). Maçãs, pessoas, beijos, são exemplos de substantivos que se encontram no plural, visto que denotam mais que um elemento, o contrário de maçã, pessoa, beijos, que já são exemplos de substantivos singular porque têm valor de unidade (um) Formação do plural nos substantivos As presentes regras da formação do plural são-nos dadas por Bechara (1999) uma vez que, Aulete (1864) não refere tais regras na sua gramática. a) Formação do plural com acréscimo de -s. Forma-se o plural acrescentando-se -s aos nomes terminados por: 5

6 1) - Vogal ou ditongo oral: livro, livros; lei, leis, 2) - Ditongos nasais ãe e ão (átono): mãe, mães; bênção, bênçãos; 3) - Vogal nasal i: ímã, ímãs, irmã, irmãs; 4) - m (grafando-se ns): dom, dons. b) Formação do plural com acréscimo de -es. Acrescenta-se -es para formar o plural dos nomes terminados por: 1) - s (em sílaba tónica): ás, ases; freguês, fregueses. 2) - z (em sílaba tónica): luz, luzes; giz, gizes. 3) - r: cor, cores; elixir, elixires; revólver, revólveres. c) Plural dos nomes terminados em -n. Acrescenta-se -e ou -es. Forma que deve substituir a irregular terminada em -n : Abdómen (abdome): abdomens ou abdómenes, certâmen (certame): certâmens ou certâmenes d) Plural dos nomes terminados em -ão. Repartem-se estes nomes por três formas de plurais: 1) - ões (a maioria deles): coração, corações; questão, questões 2) - ães: cão, cães; capelão, capelães; alemão, alemães; capitão, capitães; escrivão, escrivães 3) - ãos: chão, chãos; cidadão, cidadãos; cristão, cristãos; desvão, desvãos Muitos nomes apresentam dois e até três plurais: Aldeão: aldeãos - aldeões - aldeães Ancião: anciãos - anciões - anciães e) Plural dos nomes terminados em -ai, -ol, -ul. Trocam o 1 por -is: Carnaval, carnavais; lençol, lençóis; álcool, álcoois. Notem-se os casos particulares: 1) Cônsul e mal fazem cônsules e males. 2) Cal e aval fazem cales (=cano) e cais, avales (mais comum em Portugal), avais. 3) Real (= moeda) faz réis. 6

7 f) Plural dos nomes terminados em -il. Os terminados em -1 átono fazem o plural trocando -il por -eis: fóssil, fósseis. Se o l for tónico, trocam o l por s: funil, funis. Réptil e projéctil, como paroxítonos, fazem répteis e projécteis; como oxítonos, reptil e projéctil fazem reptis e projecteis. g) Palavras que não variam no plural. Não variam no plural os nomes terminados em: 1) - s (em sílaba átona; palavras sigmáticas): o pires, os pires; o lápis, os lápis, simples faz simples ou, o que é mais comum, não varia. 2) - x (com o valor de cs): o tórax, os tórax; o ónix, os ónix. h) Plural com alteração de o fechado para o aberto (metafonia). Muitas palavras com o fechado tónico, quando passam ao plural, mudam esta vogal para o aberto: miolo - miolos. Dentre as que apresentam esta mudança (chamada vogal tónica): abrolho, abrolhos; caroço, caroços; choco, chocos; corcovo, corvos; coro, coros; corpo, corpos; Não sofrem alteração os nomes próprios e os de família: os Diogos, os Mimosos, os Raposos, os Portos. i) Plurais com deslocação do acento tónico. Há palavras que, no plural, mudam de sílaba tónica: Carácter, caracteres; júnior, juniores; lúcifer, luciferes; sénior, seniores j) Alterações de sentido entre o singular e o plural Normalmente, o plural guarda o mesmo sentido do singular. Isto não acontece, porém, em algumas palavras: bem (o que é bom), bens (propriedades), féria (produto do trabalho diário), férias (dias de descanso). Estão nestes casos os nomes que no plural indicam o casal: os pais (pai e mãe), os irmãos (irmão e irmã), os reis (rei e rainha). k) Palavras só usadas no plural. Afazeres, alvíssaras, anais, arredores, avós (antepassados), belas-artes etc... 7

8 l) Plural dos nomes de letras. Os nomes de letras vão normalmente ao plural, de acordo com as normas gerais. Escreve com todos os efes e erres, coloquemos os pontos nos is, xis serve para singular e plural. Podemos ainda indicar o plural das letras com a sua duplicação: ff, rr, ii. Este processo ocorre em muitas abreviaturas: E.E.U.U. (Estados Unidos, também representado por EUA, Estados Unidos da América, ainda U.S.A.). m) Plural dos nomes terminados em -zinho. Põem-se no plural os dois elementos e suprime-se o s do substantivo: Animalzinho = animal + zinho - animaizinhos Coraçãozinho = coração + zinho - coraçõezinhos Florzinha = flor + zinha - florezinhas n) Plural das palavras substantivadas. Qualquer palavra pode substantivar-se, isto é, passar a substantivo: o sim, o não, o quê, o pró, o contra. Tais palavras vão normalmente ao plural: os sins, os nãos, os quês, os prós, os contras. Enquadram-se neste caso os nomes que exprimem número: na sua caderneta há três setes e dois oitos. Fazem excepção os terminados em -s (dois, três, seis), -z (dez) e mil, que são invariáveis: seis e dez. o) Plural dos nomes compostos. Merece especial atenção o plural dos nomes compostos, uma vez que as dúvidas e vacilações são frequentes: Nos compostos formados por dois substantivos (substantivo-substantivo) ambos recebem a marca de plural: porco-espinho, porcos-espinhos; guarda-civil, guardascivis; Nos compostos formados por substantivo e adjectivo (substantivo-adjectivo) ambos recebem a marca de plural: cabra-cega, cabras-cegas; amor-perfeito, amores-perfeitos; Nos compostos formados por dois substantivos e uma preposição (substantivopreposição-substantivo) apenas o primeiro recebe a marca de plural: chapéu-de-sol, chapéus-de-sol, toucinho-do-céu, toucinhos-do-céu; 8

9 Nos compostos formados por verbo e substantivo (verbo-substantivo) só o substantivo recebe a marca de plural: guarda-roupa, guarda-roupas; corta-relva, corta-relvas; Género dos Substantivos A espécie humana e uma grande parte dos animais dividem-se naturalmente em machos e femeas. Para os substantivos também se adoptou esta divisão (Aulete 1864:11), é desta forma tão sucinta que Caldas Aulete (1864) explica o género dos substantivos referindo ainda que Como os seres inanimados não teem sexo, parece que ás palavras que os representam não se lhes devia assignalar genero, contudo a harmonia e o rigor tão necessarios ao discurso (Aulete 1864:11), isto é, apesar dos seres inanimados não terem um sexo definido, é necessário que lhes seja atribuído um género para haver concordância no discurso e desta forma o amor, o céu, o lápis são de género masculino e a paixão, a vida, a amizade, são do género feminino Grau dos Substantivos A significação dos substantivos admite tres graus: grau aumentativo, quando se exagera significação da palavra; diminutivo quando atenua; e positivo quando não aumenta nem diminui (Aulete 1864:12). C. Aulete considera a existência de três graus enquanto Bechara só refere a existência de apenas dois: o grau aumentativo de diminutivo. Então, ambos os autores reconhecem que homenzarrão é o grau aumentativo do substantivo homem e homenzinho é o grau diminutivo do mesmo nome, só que Aulete refere que o grau do nome homem se encontra no grau positivo. Bechara menciona ainda que existem dois processos para realizar a indicação gradual dos substantivos: a) Sintético consiste no acréscimo de uma sufixo aumentativo ou diminutivo: janelinha, janelão; b) Analítico consiste no emprego de uma palavra de aumento ou diminuição (grande, enorme, pequeno, etc.) junto ao substantivo: janela grande, janela pequena. 9

10 3. Conclusão Um dos objectivos deste trabalho é fundamentar uma opinião sobre a questão qual o termo mais adequado para leccionar: substantivo ou nome?. Sabemos que a origem etimológica do termo substantivo deriva do latim substantivus e que esta classe recebeu a designação de nome em semântica moderna de J. Lyons (1977) (Fonte: Infopédia). Apesar da nossa intensiva pesquisa a cerca deste assunto, não conseguimos chegar a uma opinião sólida devido à falta de informação sobre a utilização de um termo e de outro. No entanto, formulamos uma opinião baseada no censo comum e chegamos a um acordo. Concordamos que o termo mais útil para leccionar é a designação nome porque é um termo mais óbvio, isto é, tudo o que nos rodeia tem um nome, e esta designação está associada a algo que nomeia, dá-nos informações sobre o objecto. Como utilizamos esta denominação no nosso dia-a-dia, mesmo quando perguntamos qual é o teu nome ou qual é o nome daquilo estamos de forma inconsciente a assumir que a palavra que denomina esse objecto ou pessoa pertence à classe morfológica dos nomes. Achamos então, que a designação de nome em alternativa à denominação substantivo como classe morfológica é mais prático e mais fácil de interiorizar por parte dos alunos devido a já estarem familiarizados com o termo. Para além desta opinião, concluímos ainda que a gramática portuguesa, tem vindo a sofrer alterações que são notórias nas gramaticas de Caldas Aulete (1864) e Evanildo Bechara (1999). Essas diferenças dizem respeito sobretudo à consideração de novas terminologias por parte dos gramáticos e novas subclasses como por exemplo, Bechara considera a subdivisão dos substantivos em colectivos e Aulete nem sequer os nomeia. Apesar de tudo, achamos que a gramática de Aulete é mais completa dentro daquilo que refere, isto é, pormenoriza mais e é mais explícito naquilo que trata. 10

11 4. Referências Bibliográficas Aulete, Júlio (1864): Grammática Nacional. Lisboa: Typ. Da Sociedade Typographica Franco-Portuguesa Bechara, Evanildo (1999): Moderna Gramática Portuguesa. 37ª edição. Rio de Janeiro: Editora Lucerna 11

Nomes (Substantivos)

Nomes (Substantivos) Nomes (Substantivos) Regra geral Nome género terminados em o masculinos: terminados em a femininos: o aeroporto a casa 1 Masculinos alguns nomes terminados em a: o clima, o dia, o mapa, o planeta, o poema,

Leia mais

3. Os Nomes. Repara na seguinte frase: A Joana leva a gata na cesta. Existem três classes de nomes: nomes comuns, nomes próprios e nomes colectivos.

3. Os Nomes. Repara na seguinte frase: A Joana leva a gata na cesta. Existem três classes de nomes: nomes comuns, nomes próprios e nomes colectivos. 3. Os Nomes Repara na seguinte frase: A Joana leva a gata na cesta. Nesta frase há palavras que servem para nomear pessoas, animais e coisas. Tais palavras chamam-se nomes (ou substantivos). 3.1. As classes

Leia mais

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br Substantivos Gênero É a propriedade que as palavras têm, para indicar o sexo real ou fictício dos seres. Não existe uma regra geral de formação do feminino, os exemplos abaixo, mostram que é o uso que

Leia mais

Acentuação. É importante saber as regras da acentuação gráfica? Compare: o jornal publicara o artigo o jornal publicará o artigo

Acentuação. É importante saber as regras da acentuação gráfica? Compare: o jornal publicara o artigo o jornal publicará o artigo Acentuação É importante saber as regras da acentuação gráfica? Compare: ela e a minha amiga ela é a minha amiga o jornal publicara o artigo o jornal publicará o artigo sai à rua saí à rua 1 Sílaba / vogal

Leia mais

Conteúdos. Identificação do adolescente com a sua turma tribo. Gírias. Linguagem coloquial e culta. Atividade de Revisão Área: Linguagens

Conteúdos. Identificação do adolescente com a sua turma tribo. Gírias. Linguagem coloquial e culta. Atividade de Revisão Área: Linguagens Conteúdos Identificação do adolescente com a sua turma tribo. Gírias. Linguagem coloquial e culta. Atividade de Revisão Área: Linguagens Conteúdos 1º Fortalecendo Conceitos do 2º Bimestre Área: Linguagens

Leia mais

Flexões dos Substantivos Gênero

Flexões dos Substantivos Gênero Página 1 de 7 Flexões dos Substantivos Gênero É a propriedade que as palavras têm, para indicar o sexo real ou fictício dos seres. Não existe uma regra geral de formação do feminino, os exemplos abaixo,

Leia mais

www.professorjailton.com.br PROFESSOR JAILTON

www.professorjailton.com.br PROFESSOR JAILTON www.professorjailton.com.br PROFESSOR JAILTON Classe de palavra que serve para designar os seres em geral: os do universo natural(pedra, árvore, casa); e os do universo mental (dragão, centauro, fada,saci).

Leia mais

OFICIAL DE SERVIÇOS GERAIS (FEMININO) PORTUGUÊS

OFICIAL DE SERVIÇOS GERAIS (FEMININO) PORTUGUÊS OFICIAL DE SERVIÇOS GERAIS (FEMININO) PORTUGUÊS 01. Em cada alternativa a seguir, observe a palavra em destaque e a sua devida flexão de plural. Em seguida, indique a única alternativa que contém erro

Leia mais

Vamos aprender Português! Vamos aprender a: Nome Género. Tarefas. Actividade 2. Escrever. - Palavras. Actividade 5

Vamos aprender Português! Vamos aprender a: Nome Género. Tarefas. Actividade 2. Escrever. - Palavras. Actividade 5 Vamos aprender Português! Vamos aprender a: Identificar marcas da identidade cultural portuguesa / língua portuguesa Vamos aprender: O alfabeto Actividade 1 Identificar Actividade 4 Estudo da Língua Secção

Leia mais

O termo flexão nominal refere-se basicamente aos substantivos e adjetivos. Vamos estudá-los separadamente.

O termo flexão nominal refere-se basicamente aos substantivos e adjetivos. Vamos estudá-los separadamente. FLEXÃO NOMINAL DE GÊNERO E NÚMERO O termo flexão nominal refere-se basicamente aos substantivos e adjetivos. Vamos estudá-los separadamente. FLEXÃO DOS SUBSTANTIVOS Os substantivos podem apresentar flexão

Leia mais

Classes de palavras. Substantivo Adjetivo Artigo Numeral

Classes de palavras. Substantivo Adjetivo Artigo Numeral Classes de palavras Substantivo Adjetivo Artigo Numeral Substantivo É a classe variável que nomeia objetos, pessoas, sentimentos, lugares... Classificação Primitivos: Criam outras palavras. Ex.: terra,

Leia mais

Ser capaz de flexionar em grau, género e número um nome. Grau

Ser capaz de flexionar em grau, género e número um nome. Grau OBJECTIVO Ser capaz de flexionar em grau, género e número um nome Grau 1) Atenta nas seguintes frases: Normal Diminutivo Aumentativo a) João reencontrou o homem que lhe salvara a vida. b) João reencontrou

Leia mais

Critérios de classificação das palavras: Substantivo Adjetivo Numeral Artigo Pronome Verbo Advérbio Preposição Conjunção Interjeição

Critérios de classificação das palavras: Substantivo Adjetivo Numeral Artigo Pronome Verbo Advérbio Preposição Conjunção Interjeição Critérios de classificação das palavras: Substantivo Adjetivo Numeral Artigo Pronome Verbo Advérbio Preposição Conjunção Interjeição Exemplos: Este menino é um ótimo estudante. pron. subst. V art. adj.

Leia mais

UNIDADE 07 O PLURAL DOS SUBSTANTIVOS SIMPLES E COMPOSTOS (PRIMEIRA PARTE)

UNIDADE 07 O PLURAL DOS SUBSTANTIVOS SIMPLES E COMPOSTOS (PRIMEIRA PARTE) UNIDADE 07 O PLURAL DOS SUBSTANTIVOS SIMPLES E COMPOSTOS (PRIMEIRA PARTE) PLURAL DOS SUBSTANTIVOS Em português, há dois números gramaticais: O singular, que indica um ser ou um grupo de seres; O plural,

Leia mais

Artigos. Artigo Subclasse de determinantes que se antepõem ao nome para identificar e determinar o que este exprime. Artigo. Definido.

Artigos. Artigo Subclasse de determinantes que se antepõem ao nome para identificar e determinar o que este exprime. Artigo. Definido. Artigos Artigo Subclasse de determinantes que se antepõem ao nome para identificar e determinar o que este exprime. Indefinido Artigo Definido 1 Masculino um uns Masculino o os Feminino Artigo indefinido

Leia mais

Escola 2,3/S de Vale de Cambra Ficha Informativa

Escola 2,3/S de Vale de Cambra Ficha Informativa Escola 2,3/S de Vale de Cambra Ficha Informativa O NOME O nome é a palavra de que nos servimos para designar pessoas, objectos, animais, qualidades, acções, fenómenos, sentimentos, estados, etc. Ex.: rapaz,

Leia mais

CLASSES DE PALAVRAS. Telefone: (31) CLASSE DE PALAVRAS - Substantivo

CLASSES DE PALAVRAS. Telefone: (31) CLASSE DE PALAVRAS - Substantivo Telefone: (31) 3352-1272 CLASSES DE PALAVRAS As palavras são divididas em dez classes gramaticais, justamente pelo que elas indicam, pelo que elas significam. São elas: - Substantivo, artigo, adjetivo,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO METAS Domínios/ Conteúdos

Leia mais

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA...

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... Sumário PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... 3 1.1. Fonema...3 1.2. Classificação dos fonemas...4 1.3. Encontros vocálicos...5 1.4. Encontros consonantais...5 1.5. Dígrafos...6 1.6. Dífono...7 1.7.

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul NÚMERO DA VAGA: 22 venho por meio deste pedir a anulação

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ÍNDICE Pronomes...2 Pronomes Pessoais...2 Pronomes de Tratamento...3 Pronomes Possessivos...3 Pronomes Demonstrativos...3 Pronomes Indefinidos...4 Pronomes Relativos...4 Pronomes

Leia mais

Professor Jailton www.professorjailton.com.br

Professor Jailton www.professorjailton.com.br Professor Jailton www.professorjailton.com.br Palavras terminadas em: a, e, o (seguidas ou não de s): atrás, xará, freguês, bisavós, está, já, és, só*. em, ens: também, parabéns. ditongos abertos tônicos

Leia mais

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso.

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. COMENTÁRIO QUESTÕES DE PORTUGUÊS PROFESSORA: FABYANA MUNIZ As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. 1. (FCC)...estima-se que sejam 20 línguas. (2º parágrafo) O verbo flexionado nos mesmos

Leia mais

Queres conhecê-los melhor? Vamos a isso! 1. Completa o quadro.

Queres conhecê-los melhor? Vamos a isso! 1. Completa o quadro. Na história Chamem-lhes Nomes! tiveste oportunidade de encontrar muitos nomes. Queres conhecê-los melhor? Vamos a isso! 1. Completa o quadro. «Que nome és tu, afinal?» Subclasse de nome Género Número (o)

Leia mais

Biblioteca Escolar. O Dicionário

Biblioteca Escolar. O Dicionário O Dicionário O que é um dicionário? Livro de referência onde se encontram palavras e expressões de uma língua, por ordem alfabética, com a respetiva significação ou tradução para outra língua e ainda,

Leia mais

Em toda palavra de duas ou mais sílabas, sempre há uma sílaba, pronunciada com maior intensidade: sílaba tônica. As outras são as sílabas átonas.

Em toda palavra de duas ou mais sílabas, sempre há uma sílaba, pronunciada com maior intensidade: sílaba tônica. As outras são as sílabas átonas. Acentuação Em toda palavra de duas ou mais sílabas, sempre há uma sílaba, pronunciada com maior intensidade: sílaba tônica. As outras são as sílabas átonas. sílaba tônica - pronunciada com maior intensidade.

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS CRTÉRO EPECÍCO DE AVALAÇÃO 3º ANO (1º CCLO) PORTUGUÊ DOMÍNO OJETVO DECRTORE DE DEEMPENHO MENÇÕE Oralidade 1. Escutar para aprender e construir conhecimentos 2. Produzir um discurso oral com correção 3.

Leia mais

LINGUAGENS MAT., C. NAT. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 53 Conteúdos:

LINGUAGENS MAT., C. NAT. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 53 Conteúdos: 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 53 Conteúdos: Substantivo: comum, próprio e coletivo. Esportes coletivos e individuais. Avaliação física para

Leia mais

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos Pessoais Do caso reto Oblíquo Possessivos Demonstrativos Relativos Indefinidos Interrogativos Os pronomes is indicam diretamente as s do discurso. Quem fala ou escreve, assume os pronomes eu ou nós, emprega

Leia mais

A Morfologia é o estudo da palavra e sua função na nossa língua. Na língua portuguesa, as palavras dividem-se nas seguintes categorias:

A Morfologia é o estudo da palavra e sua função na nossa língua. Na língua portuguesa, as palavras dividem-se nas seguintes categorias: MORFOLOGIA A Morfologia é o estudo da palavra e sua função na nossa língua. Na língua portuguesa, as palavras dividem-se nas seguintes categorias: 1. SUBSTANTIVO Tudo o que existe é ser e cada ser tem

Leia mais

... Página 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANO LETIVO: 2013/2014 ANO: 4º CURRÍCULO DA DISCIPLINA: PORTUGUÊS 1º PERÍODO CONTEÚDOS

... Página 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANO LETIVO: 2013/2014 ANO: 4º CURRÍCULO DA DISCIPLINA: PORTUGUÊS 1º PERÍODO CONTEÚDOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA POUCA DE AGUIAR SUL (150666) ANO LETIVO: 2013/2014 ANO: 4º CURRÍCULO DA DISCIPLINA: PORTUGUÊS 1º PERÍODO ORALIDADE/ESCRITA - retrato - Autorretrato Textos diversos- Convite

Leia mais

CASOS PARTICULARES S + S + A Obs:

CASOS PARTICULARES S + S + A Obs: 1) Regra geral Palavra que acompanha substantivo concorda com ele. Ex.: O aluno. Os alunos. A aluna. As alunas. Meu livro. Meus livros. Minha pasta. Minhas pastas. Garoto alto. Garotos altos. Garota alta.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

CLASSES DE PALAVRAS. Concreto Ex.: mesa, lâmpada, fada, Argentina. X Abstrato Ex.: amor, angústia, felicidade.

CLASSES DE PALAVRAS. Concreto Ex.: mesa, lâmpada, fada, Argentina. X Abstrato Ex.: amor, angústia, felicidade. CLASSES DE PALAVRAS SUBSTANTIVO Próprio: refere-se a um determinado ser da espécie. Ex.: Rodolfo, Argentina, Facebook. X Comum: nomeia todos os seres e coisas. Ex.: mesa, cadeira, menino, mulher. Concreto

Leia mais

Aula 05. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo.

Aula 05. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo. RESUMÃO 2º SIMULADO DE PORTUGUÊS Aula 05 Adjetivo e suas flexões Adjetivo = palavra que qualifica o substantivo. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo. Os adjetivos

Leia mais

Espero que você descanse, sentirei saudades. Prô, 2011.

Espero que você descanse, sentirei saudades. Prô, 2011. Pensar em férias significa pensar em nada de horários e mudanças na rotina. Férias é o momento que as crianças têm para fazer coisas que durante o período letivo não lhes é permitido. Deitam-se mais tarde

Leia mais

Professor Marlos Pires Gonçalves

Professor Marlos Pires Gonçalves SUBSTANTIVO No tutorial anterior vimos que o substantivo sofre flexões para indicar o gênero (masculino ou feminino), número (singular ou plural) e grau (diminutivo ou aumentativo) das palavras. Vimos

Leia mais

FUNDAÇÃO EUCLIDES DA CUNHA CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS DO ESTADO DE SERGIPE RESPOSTAS AOS RECURSOS DA PROVA OBJETIVA

FUNDAÇÃO EUCLIDES DA CUNHA CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS DO ESTADO DE SERGIPE RESPOSTAS AOS RECURSOS DA PROVA OBJETIVA FUNDAÇÃO EUCLIDES DA CUNHA CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS DO ESTADO DE SERGIPE RESPOSTAS AOS RECURSOS DA PROVA OBJETIVA CARGO: Executor de Serviços Básicos QUESTÃO NÚMERO: 18A DA LETRA PARA A LETRA O candidato

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS...

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS... Índice 1 INTRODUÇÃO...2 1.1 JANELA ÚNICA DE ENTIDADES...3 1.2 PERMISSÕES POR UTILIZADOR...4 1.3 RESTRIÇÕES À VISUALIZAÇÃO/MANIPULAÇÃO...6 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 2.1 CRITÉRIOS DE PESQUISA...8 2.2 LISTA

Leia mais

NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO 1

NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO 1 NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO 1 Sheyla Carvalho 1 Nota: As fontes de consulta desta apresentação estão citada no OBJETIVOS da palestra Informar Esclarecer Comentar Trocar ideias DEFINIÇÃO - Motivação 1 O Acordo

Leia mais

Soluções Jogos e Actividades

Soluções Jogos e Actividades Soluções Jogos e Actividades Vamos conhecer melhor os nomes encontrados nas várias histórias? Vamos a isso! 1. Completa o quadro. «Que nome és tu, afinal?» Subclasse de nome Género Número (o) perguntador

Leia mais

DICAS PARA APRENDER A ACENTUAR AS PALAVRAS.

DICAS PARA APRENDER A ACENTUAR AS PALAVRAS. DICAS PARA APRENDER A ACENTUAR AS PALAVRAS. Para acentuarmos bens as palavras faz-se necessário revisar alguns pontos gramaticais que nos ajudarão a compreender as regras da acentuação gráfica da Língua

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC

Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC Autorizado na reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico de 2006-10-09, na reunião do Conselho Directivo de 2006-10-13 e na reunião

Leia mais

Exemplo: O pedido tem a finalidade de atender as necessidades previstas. O pedido tem a finalidade de atender às necessidades previstas.

Exemplo: O pedido tem a finalidade de atender as necessidades previstas. O pedido tem a finalidade de atender às necessidades previstas. Projeto Falar Bem O projeto Falar Bem está sendo desenvolvido na ECEME, no corrente ano, com o objetivo de observar e analisar palestras e instruções, a fim de reunir dados para a elaboração de uma crítica

Leia mais

CURSO Nova Ortografia da LÍNGUA PORTUGUESA unidade i REGRAS DE ACENTUAÇÃO. Profª Dr.ª Maria Aparecida de Carvalho

CURSO Nova Ortografia da LÍNGUA PORTUGUESA unidade i REGRAS DE ACENTUAÇÃO. Profª Dr.ª Maria Aparecida de Carvalho CURSO Nova Ortografia da LÍNGUA PORTUGUESA unidade i REGRAS DE ACENTUAÇÃO Profª Dr.ª Maria Aparecida de Carvalho 1 REGRAS DE ACENTUAÇÃO A acentuação tem uma importância muito grande no nosso idioma, seja

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 4ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 4ºANO . Interação discursiva Princípios de cortesia e cooperação Informação, explicação; pergunta. Compreensão e expressão Vocabulário: variedade e precisão Informação: essencial e acessória; implícita Facto

Leia mais

O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua

O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA EM MARKETING E PROCESSOS GERENCIAIS UC: COMUNICAÇÃO

Leia mais

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Senhora Presidente da CIG, Caras parceiras e parceiro de mesa, Caras senhoras e caros senhores, É com grande

Leia mais

O substantivo faz parte da classe de palavras variáveis da língua portuguesa. Isso quer dizer que pode apresentar flexões de gênero, número e grau.

O substantivo faz parte da classe de palavras variáveis da língua portuguesa. Isso quer dizer que pode apresentar flexões de gênero, número e grau. s O substantivo faz parte da classe de palavras variáveis da língua portuguesa. Isso quer dizer que pode apresentar flexões de gênero, número e grau. A definição de substantivo é: a palavra que dá nome

Leia mais

Sumário. Apresentação - 1. a edição /13 Apresentação - 2 edição /14

Sumário. Apresentação - 1. a edição /13 Apresentação - 2 edição /14 Sumário Apresentação - 1. a edição /13 Apresentação - 2 edição /14 1 Variação lingüística / 15 1.1 Os níveis de linguagem / 17 1.1.1 O nível informal /17 1.1.2 O nível semiformal /1 7 1.1.3 O nível formal/18

Leia mais

Turistas enchem Lisboa e prometem voltar à capital. Filipe Morais, Diário de Notícias, 11 de Agosto de 2006

Turistas enchem Lisboa e prometem voltar à capital. Filipe Morais, Diário de Notícias, 11 de Agosto de 2006 Turistas enchem Lisboa e prometem voltar à capital Filipe Morais, Diário de Notícias, 11 de Agosto de 2006 Vêm de todo o lado, atraídos pela lendária hospitalidade portuguesa, mas sobretudo pelo clima,

Leia mais

Aula 6 Tema: Tecnologia: corpo, movimento e linguagem na era da informação. LÍNGUA PORTUGUESA FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 6 Tema: Tecnologia: corpo, movimento e linguagem na era da informação. LÍNGUA PORTUGUESA FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 6 Tema: Tecnologia: corpo, movimento e linguagem na era da informação. 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula

Leia mais

ACENTO GRÁFICO E ACENTO TÔNICO

ACENTO GRÁFICO E ACENTO TÔNICO ACENTO GRÁFICO E ACENTO TÔNICO O acento gráfico é um mero sinal de escrita, que não deve ser confundido com o acento tônico, que é a maior intensidade de voz apresentada por uma sílaba quando pronunciamos

Leia mais

Colégio Integral Educação como estímulo de vida

Colégio Integral Educação como estímulo de vida ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO DE ESTUDOS I 1º ANO PORTUGUÊS (18.05.2015) Estudo de texto. Gênero: Lista de compras / parlenda. Produção. Ortografia: Palavras com: L, M, N, P, R e RR, S e SS. Palavras com til

Leia mais

Português- Prof. Verônica Ferreira

Português- Prof. Verônica Ferreira Português- Prof. Verônica Ferreira 1 Com relação a aspectos linguísticos e aos sentidos do texto acima, julgue os itens a seguir. No trecho que podemos chamar de silenciosa (l.15-16), o termo de silenciosa

Leia mais

TÍTULO: Plano de Aula SÍLABAS. Ensino Fundamental I / Anos Iniciais 3 ano. Língua Portuguesa. Gramática. 2 aulas (50 min cada ) Educação Presencial

TÍTULO: Plano de Aula SÍLABAS. Ensino Fundamental I / Anos Iniciais 3 ano. Língua Portuguesa. Gramática. 2 aulas (50 min cada ) Educação Presencial Org.: Claudio André - 1 TÍTULO: SÍLABAS Nível de Ensino: Ano/Semestre de Estudo Componente Curricular: Tema: Duração da Aula: Ensino Fundamental I / Anos Iniciais 3 ano Língua Portuguesa Gramática 2 aulas

Leia mais

Provão. Português 4 o ano. Vida da gente. Texto

Provão. Português 4 o ano. Vida da gente. Texto Provão Português 4 o ano Texto Vida da gente Todos os dias nós jogamos fora muitas coisas de que não precisamos mais. Para onde será que elas vão? Será que daria para usá-las novamente? Todo dia da nossa

Leia mais

VISÃO GERAL DOS CONTEÚDOS 3ª CLASSE 4ª CLASSE 5ª CLASSE

VISÃO GERAL DOS CONTEÚDOS 3ª CLASSE 4ª CLASSE 5ª CLASSE VISÃO GERAL DOS CONTEÚDOS 19 Família : - a minha história A família: - tipos de família - membros da família e suas funções - regras de convivência na família - a minha infância A família do meu amigo,

Leia mais

Professora: Lícia Souza

Professora: Lícia Souza Professora: Lícia Souza Morfossintaxe: a seleção e a combinação de palavras Observe que, para combinar as palavras loucamente, louco e loucura com outras palavras nas frases de modo que fiquem de acordo

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): 1 Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE LÍNGUA

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

de Português Ensino Básico Helena C. Buescu, Maria Regina Rocha, Violante F. Magalhães

de Português Ensino Básico Helena C. Buescu, Maria Regina Rocha, Violante F. Magalhães Metas Curriculares de Português Ensino Básico 1. º Ciclo O domínio da GRAMÁTICA Helena C. Buescu, Maria Regina Rocha, Violante F. Magalhães Objetivos e descritores de desempenho Gramática 1.º Ano Objetivos

Leia mais

CAPÍTULO 9: CONCORDÂNCIA DO VERBO SER

CAPÍTULO 9: CONCORDÂNCIA DO VERBO SER CAPÍTULO 9: CONCORDÂNCIA DO VERBO SER Vejamos os exemplos de concordância do verbo ser: 1. A cama eram (ou era) umas palhas. Isto são cavalos do ofício. A pátria não é ninguém: são todos. (Rui Barbosa).

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 9 9 9 11 11 3.º período 9 11 10 10 11 (As Aulas previstas

Leia mais

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC O Código Cooperativo Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Algumas notas sobre o Capítulo I Disposições Gerais Artigo 2º Noção 1. As cooperativas são pessoas

Leia mais

Substantivo. Classificação dos substantivos

Substantivo. Classificação dos substantivos Substantivo Substantivo nomeia os seres, animais ou objetos. Classificação dos s Concreto animais, coisas, tudo que tem existência própria. Ex: mesa, cadeira, bolsa... Abstrato relacionado a sentimentos,

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

Alfabeto com 26 letras

Alfabeto com 26 letras 1 Reforma Ortográfica As novas regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa entram em vigor a partir de 1º de janeiro de 2009. Oito países, onde o português é língua oficial, vão precisar ajustar

Leia mais

Padrões de Casamento entre os Imigrantes

Padrões de Casamento entre os Imigrantes Padrões de Casamento entre os Imigrantes Ana Cristina Ferreira cristina.ferreira@iscte.pt Madalena Ramos madalena.ramos@iscte.pt Congresso Português de Demografia Contextualização O fenómeno da imigração

Leia mais

ACENTUAÇÃO GRÁFICA (NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO) Profa. Me. Luana Lemos

ACENTUAÇÃO GRÁFICA (NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO) Profa. Me. Luana Lemos ACENTUAÇÃO GRÁFICA (NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO) Profa. Me. Luana Lemos PROSÓDIA Estuda a correta posição da sílaba tônica das palavras. SILABADA erro de acentuação tônica de uma palavra. RUIM RUBRICA AVARO

Leia mais

Gênero A nossa língua conhece dois gêneros: o masculino e o feminino. São masculinos os nomes a que se pode antepor o artigo o:

Gênero A nossa língua conhece dois gêneros: o masculino e o feminino. São masculinos os nomes a que se pode antepor o artigo o: AS FLEXÕES DO SUBSTANTIVO Gênero A nossa língua conhece dois gêneros: o masculino e o feminino. São masculinos os nomes a que se pode antepor o artigo o: o linho, o sol, o raio, o prazer, o filho, o beijo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS Prof. Domingos Fernandes/Portugal* A avaliação é uma prática social cuja presença é cada vez mais indispensável para caracterizar, compreender, divulgar

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação Produção textual COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Língua Portuguesa Trimestre: 1º Tipologia textual Narração Estruturação de um texto narrativo: margens e parágrafos; Estruturação de parágrafos: início,

Leia mais

LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA, EXPRESSÃO E RELIGIÃO NO BRASIL Rev. Augustus Nicodemus Lopes APRESENTAÇÃO CARTA DE PRINCÍPIOS 2011

LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA, EXPRESSÃO E RELIGIÃO NO BRASIL Rev. Augustus Nicodemus Lopes APRESENTAÇÃO CARTA DE PRINCÍPIOS 2011 LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA, EXPRESSÃO E RELIGIÃO NO BRASIL [SLIDE 1] CAPA [SLIDE 2] UM ASSUNTO ATUAL APRESENTAÇÃO CARTA DE PRINCÍPIOS 2011 Os conceitos de liberdade de consciência e de expressão têm recebido

Leia mais

Roteiro de Recuperação Paralela Gramática/texto

Roteiro de Recuperação Paralela Gramática/texto Roteiro de Recuperação Paralela Gramática/texto Professora da Disciplina: Maria Inez Data: /09/14 2º TRIMESTRE Aluno (a): Nº: Ano: 6º Ensino Fundamental Período: Matutino O processo de recuperação começa

Leia mais

2º ANO CONTEÚDO ROCESSO SELETIVO 2016. O aluno deverá demonstrar habilidades de:

2º ANO CONTEÚDO ROCESSO SELETIVO 2016. O aluno deverá demonstrar habilidades de: 2º ANO de: reconhecer letras; reconhecer sílabas; estabelecer relação entre unidades sonoras e suas representações gráficas; ler palavras; ler frases; localizar informação explícita em textos; reconhecer

Leia mais

DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSORA: Mª DE LOURDES

DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSORA: Mª DE LOURDES RECUPERAÇÃO 6º ano - 2ª ETAPA - 2015 DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSORA: Mª DE LOURDES Aluno(a): n : Turma: ORIENTAÇÕES: CARO (A) ALUNO (A), Este roteiro tem como objetivo orientá-lo na execução

Leia mais

VAMOS ESTUDAR OS VERBOS

VAMOS ESTUDAR OS VERBOS VAMOS ESTUDAR OS VERBOS Autores: Ana Catarina; Andreia; Bibiana; Pedro Cardoso. Ano/Turma: 6º A Ano Lectivo: 2007/2008 Índice. 1 Introdução... 2 Pág. Primeira Parte 1-OS VERBOS 1.1 Conceito.. 3 1.2 Tempo.

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa 01. Alternativa (E) Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa Alternativa que contém palavras grafadas de acordo com o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa - VOLP 02. Alternativa

Leia mais

BOLSA QUINZE 2015 6ª ANO (5ª SÉRIE) DO ENSINO FUNDAMENTAL LÍNGUA PORTUGUESA

BOLSA QUINZE 2015 6ª ANO (5ª SÉRIE) DO ENSINO FUNDAMENTAL LÍNGUA PORTUGUESA BOLSA QUINZE 2015 6ª ANO (5ª SÉRIE) DO ENSINO FUNDAMENTAL LÍNGUA PORTUGUESA Leia atentamente o conto abaixo e depois faça o que se pede: O CABOCLO, O PADRE E O ESTUDANTE (Luís da Câmara Cascudo) Um estudante

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação

Leia mais

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é:

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é: Argumentos Dedutivos e Indutivos Paulo Andrade Ruas Introdução Em geral, quando se quer explicar que géneros de argumentos existem, começa-se por distinguir os argumentos dedutivos dos não dedutivos. A

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

Animais em extinção - Formação de palavras (jogo de sílabas) - Letra O - Letra P - Formação de palavras (jogo de sílabas e jogo de letras)

Animais em extinção - Formação de palavras (jogo de sílabas) - Letra O - Letra P - Formação de palavras (jogo de sílabas e jogo de letras) ABEU COLÉGIOS Disciplina: Língua Portuguesa Série: 1 ano / Fundamental I 1 Caderno 1 Seleção de módulos do Sistema de Ensino Ser 2014 Símbolos e Mensagens - Diferenciação de letra, palavra e número - Placas

Leia mais

ATIVIDADES RECUPERAÇÃO PARALELA

ATIVIDADES RECUPERAÇÃO PARALELA ATIVIDADES RECUPERAÇÃO PARALELA Nome: Nº Ano: 6º Data: / /2012 Bimestre: 2º Professora: Samanta Disciplina: P1 Orientações para estudo: refaça os exercícios propostos (inclusive folha extra) e as avaliações

Leia mais

1. No ano de 2006, em que dia da semana foi: 3. Em que dia da semana foi o teu aniversário?

1. No ano de 2006, em que dia da semana foi: 3. Em que dia da semana foi o teu aniversário? 2006 1. No ano de 2006, em que dia da semana foi: O Dia do Pai (19 de Março); O início da Primavera (21 de Março); O Natal (25 de Dezembro). 2. O Dia da Mãe é sempre no primeiro domingo de Maio. Este ano

Leia mais

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro?

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro? ...as religiões? Sim, eu creio que sim, pois não importa a qual religião pertença. O importante é apoiar a que tem e saber levá-la. Todas conduzem a Deus. Eu tenho minha religião e você tem a sua, e assim

Leia mais

I Divulgar o Gabarito Oficial Definitivo das provas realizadas em 14 de dezembro de 2014, conforme Anexos I a III que integra a presente Resolução.

I Divulgar o Gabarito Oficial Definitivo das provas realizadas em 14 de dezembro de 2014, conforme Anexos I a III que integra a presente Resolução. RESOLUÇÃO CECP Nº 006/2015 DIVULGA O GABARITO OFICIAL DEFINITIVO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS A Comissão Especial do Concurso Público - CECP, reconstituída pela Portaria nº 020/2014, de 30 de dezembro de 2014,

Leia mais

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5)

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA Assim: 9; com ref. às fontes: 12-13 EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Autores: André Sequeira 1º - A1 20110039 João Almeida 1º - A1 20110309

Leia mais

Campos do Lis UMA SÓ RAÇA DO CÃO DE CASTRO LABOREIRO! LIS (campeão nacional)

Campos do Lis UMA SÓ RAÇA DO CÃO DE CASTRO LABOREIRO! LIS (campeão nacional) NEWSLETTER Nº 26 / Janeiro 2011 Esta newsletter destina-se a ser um espaço de informação e divulgação dos Cães de Castro Laboreiro, detentores do afixo de criador "", bem como um espaço de intervenção

Leia mais

Ação dos Espíritos na Natureza

Ação dos Espíritos na Natureza Ação dos Espíritos na Natureza Roteiro 27 FEDERAÇÃO EPÍRITA BRAILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Objetivos Relacionar as principais tradições culturais

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos.

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. METAS CURRICULARES 2º ANO Português Oralidade Respeitar regras da interação discursiva. Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. Produzir um discurso oral com correção. Produzir

Leia mais

A CRIAÇÃO DE DEUS. 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional

A CRIAÇÃO DE DEUS. 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional A CRIAÇÃO DE DEUS 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional A história que nós ouvimos frequentemente como a história da criação é realmente uma história da re-criação. Há muitos anos entre

Leia mais

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto.

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto. Boa tarde a todos, para quem não me conhece sou o Ricardo Aragão Pinto, e serei o Presidente do Concelho Fiscal desta nobre Fundação. Antes de mais, queria agradecer a todos por terem vindo. É uma honra

Leia mais

O NATAL NA FILATELIA

O NATAL NA FILATELIA O NATAL NA FILATELIA A Palavra Natal é um adjectivo que deriva do Latim natale. Esta palavra tem dois significados, conforme a frase onde a mesma estiver inserida. Como adjectivo Natal, significa o local

Leia mais