Lymphadenopathies in the field of the Otorhinolaryngology. Semiotic Aspects

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lymphadenopathies in the field of the Otorhinolaryngology. Semiotic Aspects"

Transcrição

1 Linfadenopatias em Otorrinolaringologia. Aspectos Semiológicos Lymphadenopathies in the field of the Otorhinolaryngology. Semiotic Aspects Gustavo Guagliardi. Pacheco - Staff do Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital da Lagoa, Everton de Souza Ameno - Chefe do Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital da Lagoa, Hospital da Lagoa, Rio de Janeiro. Gustavo Guagliardi Pacheco Avenida das Américas, 700, bloco 01, sala 211, Barra da Tijuca Rio de Janeiro - RJ. CEP: Tel: (0xx21) FAX (0xx21)

2 Linfadenopatias em Otorrinolaringologia. Aspectos Semiológicos. Gustavo Guagliardi Pacheco, Everton de Souza Ameno***. RESUMO O estudo das linfadenopatias pode permear pistas decisivas para a realização do diagnóstico sindrômico e etiológico de grande número de enfermidades no domínio da otorrinolaringologia. Neste trabalho, foram revisados os aspectos morfofuncionais essenciais de linfonodos neste campo de atuação, bem como da clínica destas linfadenopatias, tendo sido conferida especial ênfase às etapas semiológicas no reconhecimento das principais doenças, que, dentre várias peculiaridades, apresentam inequívoca conotação diagnóstica com aumento anormal dos linfonodos. PALAVRAS-CHAVE: Linfadenopatias; Otorrinolaringologia; Semiológicos. SUMMARY The study of the cervical lymphadenopathies can offer decisive clue to make the etiologic diagnosis of great number of diseases in otolaryngology dominion. In this work, morphological and functional aspects of lymphonodus were revised, as well as the clinical aspects of the lymphadenopathies, emphasizing the semiotic stages in the recognizing of the main diseases, which have connotation with the abnormal growth of the lymphonodus. KEY-WORDS: Cervical lymphadenopathies; Semiotic. Médico Staff do Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital da Lagoa, Chefe do Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital da Lagoa,

3 Hospital da Lagoa, Rio de Janeiro. INTRODUÇÃO Os linfonodos constituem importante parte do sistema imune periférico e se tornam aumentados em amplo leque de doenças, como infecções, neoplasias, doenças auto-imunes e metabólicas. Em respostas antigênicas normais, a estimulação de macrófagos e linfócitos exerce profundas influências no tráfego linfático nos linfonodos. Um dos primeiros efeitos do antígeno é aumentar o fluxo sanguíneo através deste linfonodo estimulado, que acumulam linfócitos por aumento do influxo, diminuição do efluxo e proliferação de células B e T. O linfonodo poderá então, atingir até 15 vezes o seu tamanho normal 5 a 10 dias após o estímulo antigênico. FISIOPATOLOGIA A linfadenopatia pode ser devido à: 1) Aumento do número de linfócitos benignos e macrófagos durante resposta à antígenos; 2) Infiltração por células inflamatórias em infecções envolvendo os linfonodos (linfadenite) 3) Proliferação in situ de linfócitos ou macrófagos malignos; 4) Infiltração dos linfonodos por células malignas metastáticas; 5) Infiltração por macrófagos carregados em doenças de depósito lipídico. SEMIOLOGIA

4 O exame dos linfonodos se faz pela inspeção e palpação, um método complementando o outro. A palpação é realizada com as polpas digitais e face ventral dos dedos médios, indicadores e anulares. As seguintes características são analisadas: localização, dimensão (ou volume), consistência, mobilidade, disposição, sensibilidade, alterações de pele e progressão, este último, um dado da anamnese bem dirigida. Os quadros em anexo relacionam tais parâmetros às principais causas de linfadenopatia. DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL São fatores importantes na caracterização de uma linfadenopatia: 1) A idade do paciente; 2) A localização dos linfonodos; 3) As características físicas dos linfonodos; 4) O quadro clínico associado à linfadenopatia. Fator Idade A linfadenopatia reflete doença significante mais comumente nos adultos do que nas crianças, pelo fato destas responderem com hiperplasia linfóide a mínimos estímulos, caracterizando neste caso, tal achado como de alta sensibilidade e baixa especificidade. Nos pacientes de até 30 anos de idade ela está relacionada à causas benignas em

5 aproximadamente 80% dos casos, enquanto que nos maiores de 50 anos, a linfadenopatia é devido à causas benignas em apenas 10% dos casos. Localização É útil saber não apenas a localização com referência aos principais agrupamentos (cervicais, axilares, inguinais), mas na própria cadeia ganglionar, quais linfonodos estão comprometidos, pois o reconhecimento do linfonodo alterado permite ao examinador deduzir as áreas ou órgãos afetados. Poucos são palpáveis no indivíduo normal, entre eles estão os inguinais e eventualmente gânglios pertinentes a infecções anteriores. Desta forma, ao se deparar com linfadenopatias cervicais anteriores profundas A linfadenopatia cervical posterior (gânglios retrocciptais e retroarticulares) nos faz pensar em lesões infecciosas do couro cabeludo, orelha externa, toxoplasmose, rubéola, mononucleose infecciosa (EBV e citomegalovírus) e herpes simples, constituindo a ainda prevalente Síndrome de TORCH, tipicamente uma infecção congênita, no período neonatal. O aumento dos gânglios cervicais submentonianos e submandibulares estão associados a processos infecciosos odontológicos e de orofaringe, lesões inflamatórias/neoplásicas de língua, lábios e glândulas salivares, e paracoccidioidomicose. É importante salientar o diagnóstico diferencial da linfadenopatia submentoniana com massas cervicais de linha média como o cisto de ducto tireoglosso, um capítulo a parte. Os linfonodos cervicais laterais profundos relacionam-se à processos infecciosos de orofaringe, neoplasias laríngeas e tireoideanas, hemopatias malignas, sarcoidose e

6 tuberculose. Os linfomas, além de envolverem comumente cadeias de gânglios cervicais (aumento unilateral dos grupamentos jugular e mandibular sugere linfoma ou malignidade não-linfóide de cabeça e pescoço) também podem, ocasionalmente, envolver gânglios retrooccipitais e retroauriculares. As cadeias cervicais profundas e gânglios supraclaviculares, quando aumentados, representam sítio metastático de neoplasia torácica ou abdominal sendo a linfadenopatia supraclavicular direita (ou bilateral) mais relacionada à câncer pulmonar ou esofágico, e a esquerda à câncer gástrico ou eventualmente de pâncreas. É o gânglio de Virchow ou Sinal de Troisier. Linfadenopatia de gânglio pré-auricular único, geralmente denota processo inflamatório de orelha externa ipsilateral, podendo, muitas vezes, ser confundida com subluxação de articulação têmporo-mandibular ou mesmo com afecção de glândula parótida. Patologia de orelha média, nestes casos, está virtualmente descartada, devido à pobre drenagem linfática desta cavidade. Características físicas Um bom exame físico é essencial, na medida em que nos proverá de informações precisas nas quais o diagnóstico e a conduta terapêutica serão baseados. Para tal, o emprego de técnica semiológica regrada é fundamental. Quadro clínico associado - Infecções de Vias Aéreas Superiores

7 Nas estreptococcias, com freqüência há relato de cefaléia, dor abdominal, vômitos, febre alta e leucocitose acima de leucócitos/ mm3 com desvio escalonado à esquerda. Na angina estreptocócica é importante a evidenciação de tonsilas palatinas hipertrofiadas e hiperemiadas e presença de exantema, também característicos da monucleose infecciosa (cujo principal agente é o EBV). Nesta última, o paciente apresenta-se em bom estado geral e sem anemia. A febre é de início insidioso, sem padrão regular, acompanhada de cefaléia, faringite dolorosa e esplenomegalia. O concurso do laboratório é necessário para a distinção entre as causas da Síndrome TORCH ( mononucleose like ), com hemograma evidenciando linfocitose de mais de 50% entre os quais 10% são atípicos ( células de Downey ), monoteste e pesquisa de Ac x VCA positivos nas infecções por EBV. - Tuberculose Na adenite tuberculosa cervical, ou escrófula, geralmente há ausência de sintomas constitucionais, enquanto que o acometimento das cadeias hilares, por estar comumente relacionado à afecção do pulmão, virá acompanhado dos comemorativos da tuberculose pulmonar. Em relação a essa primeira forma, o principal diagnóstico diferencial deve ser feito para com infecções fúngicas, devido à grande semelhança na apresentação clínica. Baciloscopia e culturas se fazem necessárias. - Infecção pelo HIV Vários estudos indicam que 50-90% dos indivíduos apresentam sintomas relacionados à infecção aguda pelo HIV (síndrome de soroconversão), sendo o tempo

8 decorrido entre a exposição e o início dos sintomas variável. O quadro clínico varia desde síndrome gripal até mononucleose-like, com febre, astenia, faringite, mialgia, cefaléia e linfadenopatia, que por sua vez pode ser mais evidente na segunda semana, envolvendo gânglios axilares, occipitais e cervicais. - Linfomas A maioria dos pacientes com doença de Hodgkin não apresenta sintomatologia importante. No entanto, em cerca de 30% dos casos, há presença de sintomas gerais. O mais comum é uma febre baixa, recorrente e associada à sudorese noturna (mais freqüente em pacientes idosos e em estados avançados da doença). Fadiga, mal estar geral, astenia, dor óssea, sintomas respiratórios e rash cutâneo também podem estar presentes. A biópsia de linfonodo e/ ou medula óssea firmam o diagnóstico. Queixas sistêmicas são menos comuns no linfoma não-hodgkin. Alguns pacientes podem apresentar anemia e trombocitopenia devido à infiltração medular por ou hiperesplenismo. Sintomas gerais sugerem doença extralinfática, mais comum em alguns subtipos. O diagnóstico é histopatológico. - Leucemias As leucemias, embora tenham a medula óssea como sede do seu evento maligno inicial, também podem, em certas ocasiões, apresentar infiltração dos linfonodos no seu cortejo clínico. Tal envolvimento é mais freqüente na leucemia linfocítica aguda do que na forma mielóide aguda. É achado comum na leucemia linfocítica crônica, podendo estar associado ao aparecimento de linfoma de grandes células nestes pacientes, que constitui a

9 chamada Síndrome de Richter. A presença de linfadenopatia em pacientes com diagnóstico prévio de leucemia mielóide crônica deve nos incutir a suspeita de crise blástica. - Neoplasias Nas adenopatias de natureza maligna (metastática) teremos, invariavelmente, sintomas crônicos e progressivos característicos da doença neoplásica, associados a linfadenopatia. Também podem estar presentes sintomas associados ao sítio cancerígeno primário. Tendo em vista o fato das adenomegalias serem uma das mais comuns afecções mediastínicas, é importante ressaltarmos a presença de síndromes relacionadas a fenômenos compressivos secundários ao aumento dessas cadeias ganglionares. A estase venosa conseqüente à compressão da veia cava superior pode produzir um pescoço edemaciado, algo cianótico e com veias jugulares intumescidas. Esta apresentação chamase Pescoço de Stokes. Compressões traqueobrônquicas podem resultar em dispnéia de graus variáveis, tosse, cornagem e cianose. Disfonia e disfagia, quando presentes, são atribuídas à compressão do nervo laríngeo recorrente e esôfago respectivamente. No carcinoma de tireóide, sobretudo no tipo papilífero, onde a disseminação por via linfática é comum, haverá acometimento metastático de cadeias ganglionares cervicais, destacando-se os grupamentos jugulares. - Droga-induzida

10 A difenilhidantoína, o mais estudado dos anti-convulsivantes, efetivo contra as formas parcial e tônico-clônico, apresenta, como um de seus efeitos adversos, linfadenopatia. Semelhante àquela encontrada nos linfomas, está associada à reduzida produção de imunoglobulina A (IgA). Características Semiológicas Localização Tamanho ou Volume Estreptococciais Estafilococciais Localizados, de acordo com o sítio de infecção. Adenite reacional regional Pequenos Mononucleose Infecciosa (EBV) Cadeias cervicais (generalizados), além de axilares e inguinais Pequenos ou médios Consistência Moles Moles Mobilidade Móveis Móveis Disposição Sensibilidad e Poucos gânglios de 1 cadeia Muito dolorosos à palpação na fase aguda Vários gânglios de várias cadeias Pouco dolorosos à palpação Doenças Linfadenopatias Infecciosas Tuberculose Cervical Gânglios cervicais do triângulo anterior Infecções Fúngicas Gânglios cervicais do triângulo anterior Sífilis (com sítio primário de inoculação em orofaringe) Cadeias cervicais superficiais, inicialmente unilateral Médios Médios Pequenos Inicialmente consistência fibroelástica Geralmente móveis Vários gânglios de 1 cadeia Pouco dolorosos Inicial/ consistência fibroelástica Geralmente móveis Vários gânglios de 1 cadeia Pouco dolorosos Inicialmente consistência fibroelástica Móveis Poucos gânglios de 1 cadeia (micropoliadenopatia). Indolores Início Súbito Súbito Insidioso Insidioso Súbito Alterações da pele Presença de sinais flogísticos; não fistulizam Não fistulizam Geralmente fistulizam Geralmente fistulizam Não fistulizam

11 Características Semiológicas Localização Tamanho ou Volume Hematológicas Linfoma Não-Hodgkin Gânglios epitrocleares, Gânglios mesentéricos, anel de Waldeyer tendência centrífuga ou disseminada. Gânglios mediastínicos (20%) De pequenos a grandes Doença de Hodgkin Gânglios cervicais, gânglios mediastínicos, axilares, inguinais tendência centrípeta ou axial De pequenos a grandes Doenças Linfadenopatias Malignas Câncer de vísceras abdominais Gânglio supra clavicular esquerdo Pequenos ou médios Não-hematológicas Câncer de cabeça e pescoço Gânglio cervicais laterais unilateralmente Pequenos ou médios Consistência Duros Duros Duros Duros Mobilidade Disposição Sensibilidad e Início Alterações da pele Firmes, aderentes Vários gânglios em 1 ou mais cadeias (de acordo com o estádio) Móveis, não aderentes Vários gânglios em 1 ou mais cadeias (de acordo com o estádio) Aderentes a planos profundos Poucos gânglios em 1 cadeia Aderentes a planos profundos Poucos gânglios em 1 cadeia Indolores Indolores Indolores Indolores Geralmente insidioso Raramente fistulizam Geralmente insidioso Raramente fistulizam Geralmente insidioso Raramente fistulizam Geralmente insidioso Raramente fistulizam

12 Doenças Características Semiológicas Outras Reação a medicamentos Granulomatoses Localizados (gânglios cervicais ou Generalizados; gânglios cervicais, além Localização axilares) ou generalizados de mediastínicos e inguinais Tamanho ou volume Pequenos Pequenos ou médios Consistência Moles Moles Mobilidade Móveis Móveis Disposição Poucos gânglios de 1 cadeia Vários gânglios em 1 ou mais cadeias Sensibilidade Indolores Indolores Início Súbito Súbito Alterações da Pele Não fistulizam Erupção nodular ou em forma de placas EXAMES COMPLEMENTARES Hemograma completo; VHS; Bacterioscopia; Culturas (de escarro, sangue, secreção purulenta de fístulas, swab de orafaringe,); Testes sorológicos; Monoteste; PPD; Raios X e TC (pescoço); Ultrassonografia cervical; Punção aspirativa (PAAF) e biópsia de linfonodo e/ou medula óssea. A punção-biópsia aspirativa e a confecção de esfregaços de cell block para o exame patológico são de grande utilidade.

13 O exame citológico do material obtido pela punção do linfonodo não substitui o exame histológico, mas pode orientá-lo. Nesse, podemos avaliar com nitidez a morfologia de células sanguíneas e eventuais agentes infecciosos, entretanto perdem-se dados de inter-relação entre essas, e a visão de conjunto, importantes em algumas hemopatias. Devem-se confeccionar, no mínimo, cinco esfregaços em lâminas diferentes: três serão secos ao ar e dois fixados com álcool comum. A facilidade para puncionar um gânglio linfático enfartado a curtos intervalos de tempo e a possibilidade de eliminar a priori uma doença do tipo proliferativo maligno ou demonstrar a existência de parasitos como Paracoccidioides brasilienses, por exemplo, tornam este exame muito útil. Cumpre ressaltar, contudo, que o exame histopatológico deve ser feito em seguida, sempre que indicado. A biópsia ganglionar deve obedecer às seguintes normas: 1. Nunca biopsiar o linfonodo mais acessível, a não ser que seja o mais comprometido do ponto de vista clínico; 2. Havendo possibilidade de escolha, evitar a biópsia de linfonodos cervicais de cadeia profunda, minimizando a morbidade do procedimento; 3. Retirar o linfonodo inteiro e reparti-lo em duas metades para fazer imprints (decalques) em lâminas; 4. Enviar o material para o exame histo e citopatológico com o pedido corretamente preenchido, com todas as informações clínicas e os resultados de exames laboratoriais. CONCLUSÃO

14 Neste trabalho, foram revisados os aspectos morfofuncionais essenciais dos linfonodos cervicais, e da clínica destas linfadenopatias, tendo sido conferida especial ênfase às etapas semiológicas do reconhecimento das principais doenças, que, dentre várias peculiaridades, apresentam inequívoca conotação diagnóstica com aumento anormal dos linfonodos. O estudo das linfadenopatias cervicais pode permear pistas decisivas para a realização do diagnóstico sindrômico e etiológico de grande número de enfermidades, no domínio da otorrinolaringologia. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. ALVAREZ, S.; McCABE, W. B. Extrapulmonary tuberculosis revisited: a review of experience at Boston city and other hospitals. Arch Otolaryng. 73: , BINFORD, C. H. Pathology of Tropical and Extraordinary Diseases. Vol 2. Washington, Armed Forces Institute of Pathology BUTLER, J. J. Non-neoplastic lesions of lymph nodes of man to be differentiated to lymphomas. Nat Cancer Institute Monogr., 32: , CANTRELL, R. W.; JENSEN, J. H.; REID, D. Diagnosis and Management of tuberculous lymphadenitis. Arch. Otolaryngol., 101: 53-57, 1993.

15 6. DAVIDSOHN, I.; HENRY, J. B. Todd-Sanford Clinical Diagnosis, Philadelphia, Saunders GRAY, H. Tratado de Anatomia. 36º Ed. Rio de Janeiro, Guanabara, JOACHIM, R. L.; SMITH, A. H. T.; TYLOR, C. R. Lymphonode Biopsy. Atlanta, J. B. Lippincott Company ROUVIÈRE, H. Anatomie des Lymphatiques de l homme. Paris, Masson, SOBBOTTA, J. Atlas of Human Anatomy. New York, University Press TESTUT, L.; JACOB, O. Anatomia Topográfica. 12. WYNGAARDEN, J. B.; SMITH, J. R. Cecil Tratado de Medicina Interna. Rio de Janeiro, Interamericana 2000.

Algoritmo de Investigação das Adenomegalias

Algoritmo de Investigação das Adenomegalias 2011 15 de Abril 6ª feira Algoritmo de Investigação das Adenomegalias João Espírito Santo Luís Brito Avô Manuel Ferreira Gomes Doente com adenomegalias Quadro agudo Recorrentes ou longa evolução Localização

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Franklin José Candido Santos Hematologista do HEMOCE Fortaleza Hematologista do Hospital Haroldo Juaçaba A maioria dos pacientes que se

Leia mais

Linfonodomegalias na Infância

Linfonodomegalias na Infância XII Curso de Atualização em Pediatria de Londrina - Módulo 03 Linfonodomegalias na Infância Tony Tannous Tahan Coordenador da Infectopediatria do Departamento de Pediatria do HC-UFPR Membro do Comitê de

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

Doenças Linfoproliferativas

Doenças Linfoproliferativas Doenças Linfoproliferativas Órgãos linfóides Linfoproliferações não clonais Agudas Mononucleose infecciosa Citomegalovirose Rubéola Sarampo Hepatites HIV Crônicas Tuberculose Toxoplasmose Brucelose Sífilis

Leia mais

TOMOGRAFIA DE PESCOÇO

TOMOGRAFIA DE PESCOÇO TOMOGRAFIA DE PESCOÇO INTRODUÇÃO O exame de pescoço por TC é realizado com o paciente decúbito dorsal, com a cabeça voltada para gantry, imagens axiais contínuas com espessura de corte de 5mm e 5mm de

Leia mais

Facilitando a Detecção de Problemas Oncológicos na Esfera Otorrinolaringológica

Facilitando a Detecção de Problemas Oncológicos na Esfera Otorrinolaringológica Facilitando a Detecção de Problemas Oncológicos na Esfera Otorrinolaringológica Vicente Odone Filho Vamos comentar alguns aspectos na rotina do Pediatra e do Otorrinolaringologista na detecção de problemas

Leia mais

LI L NFA F D A E D N E OM O EG E AL A I L AS A Um U a m A bo b rda d gem e m Si S nd n r d ômi m ca Everton Rodrigues

LI L NFA F D A E D N E OM O EG E AL A I L AS A Um U a m A bo b rda d gem e m Si S nd n r d ômi m ca Everton Rodrigues LINFADENOMEGALIAS Uma Abordagem Sindrômica Everton Rodrigues LINFONODOS São estruturas ovóides, pequenas e encapsuladas localizadas no caminho dos vasos linfáticos. Atuam como filtros da linfa (que é excesso

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Diagnóstico Diferencial das Massas Cervicais em Crianças

Diagnóstico Diferencial das Massas Cervicais em Crianças Diagnóstico Diferencial das Massas Cervicais em Crianças Agrício Nubiato Crespo, Rodrigo Cesar e Silva, Amarílis Meléndez e José Nélio Cavinatto Introdução A presença de massa cervical representa sempre

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Dr. Marcio R. Studart da Fonseca Cirurgia de Cabeça e Pescoço-HUWC/UFC Sistema Salivar 3 pares de Glândulas Salivares Maiores Parótidas Submandibulares Sublinguais Centenas de Glândulas Salivares Menores

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA A Doença, ou Linfoma de Hodgkin, é uma forma de câncer que se origina nos linfonodos (gânglios) do sistema linfático, um conjunto

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Figura 1: Radiografia de tórax em incidência póstero anterior Figura 2: Tomografia computadorizada de tórax com contraste em corte coronal e sagital

Leia mais

15º Imagem da Semana: Radiografia e Tomografia de Tórax

15º Imagem da Semana: Radiografia e Tomografia de Tórax 15º Imagem da Semana: Radiografia e Tomografia de Tórax Enunciado Paciente de 20 anos, sexo feminino, previamente hígida, percebeu há 20 dias nodulação em região cervical ínfero-anterior, indolor, com

Leia mais

LINFADENOPATIAS. Dra. Cecília V. Krebs

LINFADENOPATIAS. Dra. Cecília V. Krebs 2 LINFADENOPATIAS Os linfonodos são estruturas ovóides, discretos, macios, e podem variar de poucos milímetros a 2 cm de extensão. Dra. Cecília V. Krebs OBJETIVOS 1. Saber abordar um paciente com linfadenopatia

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Citomegalovirus Icosaédrico, 150-200 nm de diâmetro, 162 capsômeros hexagonais, envelopado, com

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS Curso: Graduação em Odontologia 4 º e 5 º Períodos Disciplina: Patologia Oral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Leia mais

NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE

NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE PROF.DR. PAULO HOCHMÜLLER FOGAÇA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO-RS Patologia cirurgica da tiroide localização NÓDULOS DE TIREÓIDE Prevalência clinicamente

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 11. São estruturas que emergem do crânio pelo forame jugular, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 11. São estruturas que emergem do crânio pelo forame jugular, EXCETO: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 11 QUESTÃO 17 São estruturas que emergem do crânio pelo forame jugular, EXCETO: a) nervo vago. b) nervo acessório. c) nervo hipoglosso. d) veia jugular interna.

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: PORTARIA Nº 486, DE 16 DE MAIO DE 2.000 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: Art. 1º - Expedir a edição revisada e atualizada das orientações e critérios relativos

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Patologia Bucal Prof. Patrícia Cé No organismo, verificam-se formas de crescimento celular controladas e não controladas. A hiperplasia,

Leia mais

Versão em Português English Version Versión Español INTERAMERICAN ASSOCIATION OF PEDIATRIC OTORHINOLARYNGOLOGY. Adenopatias Cervicais

Versão em Português English Version Versión Español INTERAMERICAN ASSOCIATION OF PEDIATRIC OTORHINOLARYNGOLOGY. Adenopatias Cervicais Versão em Português English Version Versión Español IAPO TEACHING PATIENT CARE RESEARCH INTERAMERICAN ASSOCIATION OF PEDIATRIC OTORHINOLARYNGOLOGY Adenopatias Cervicais Agrício Crespo, Amarilis Meléndez,

Leia mais

PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA

PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA PROCESSO SELETIVO 02/2016 PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA ANOS OPCIONAIS E ÁREAS DE ATUAÇÃO E CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW - INCA PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA

Leia mais

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral PARTE 2 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 FAMÍLIA HHV Alfaherpesvirinae HHV1(herpes bucal)

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório Ambulatório O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem para oferecer o primeiro atendimento aos alunos e funcionários. O primeiro atendimento

Leia mais

O QUE É A DOENÇA DO BEIJO?

O QUE É A DOENÇA DO BEIJO? O QUE É A DOENÇA DO BEIJO? A mononucleose infecciosa, também conhecida como doença do beijo, é uma doença contagiosa, causada pelo vírus Epstein-Barr, da família do herpes. A mononucleose é mais comum

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório 2015 Orientações gerais para as famílias Ambulatório Orientações gerais para as famílias O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem, para oferecer

Leia mais

CASO CLÍ ICO HDA IOA. Fonte da História: o próprio paciente. Queixa Principal: inchaço no rosto GEYSA CÂMARA

CASO CLÍ ICO HDA IOA. Fonte da História: o próprio paciente. Queixa Principal: inchaço no rosto GEYSA CÂMARA Identificação: M.R.B,32 anos, sexo masculino,pardo, natural de Quixadá e procedente de Solonópoles, solteiro, agricultor, católico. CASO CLÍ ICO Fonte da História: o próprio paciente Queixa Principal:

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013 LINFOMAS GASTROINTESTINAIS Maria Otávia da Costa Negro Xavier Maio -2013 1 INTRODUÇÃO Cerca de 1 a 4% de todas as malignidades gastrointestinais são linfomas. Por definição os linfomas gastrointestinais

Leia mais

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Nódulos tiroideanos são comuns afetam 4- a 10% da população (EUA) Pesquisas de autópsias: 37

Leia mais

Raniê Ralph Semio 2. 11 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndrome Tumoral

Raniê Ralph Semio 2. 11 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndrome Tumoral 11 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndrome Tumoral Doenças hematológicas tumorais Leucemias Linfomas Mieloma múltiplo Macrogobulinemia de Waldenstrom: discrasia de células plasmáticas com

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES Escrito por: Dr. Carlos Augusto Sousa de Oliveira 01. INTRODUÇÃO Os tumores carcinóides são incluídos em um grupo maior de neoplasias, os carcinomas neuroendócrinos

Leia mais

AMERICAN THORACIC SOCIETY(ATS)

AMERICAN THORACIC SOCIETY(ATS) LINFONODOS A capacidade de reconhecer linfonodos normais, assim como os anormais, na TC esta diretamente relacionada com a quantidade de tecido adiposo mediastinal presente. Os linfonodos aparecem com

Leia mais

RESUMO TÍTULO AUTORES. Nódulo tiroideu em adolescente

RESUMO TÍTULO AUTORES. Nódulo tiroideu em adolescente TÍTULO Nódulo tiroideu em adolescente AUTORES Filipa Almeida 1, Cláudia Melo 1, Susana Lopes 1, Filipe Oliveira 1, Ana Maia Ferreira 2, Sónia Carvalho 1 1- Serviço de Pediatria do Centro Hospitalar do

Leia mais

Algoritmo de investigação Alterações do leucograma

Algoritmo de investigação Alterações do leucograma 2013 26 de Abril Sexta-feira Algoritmo de investigação Lígia Peixoto Manuel Ferreira Gomes Teste simples e barato. Consiste no estudo da série branca, efectuando-se uma contagem total Intervalos dos leucócitos

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa Doenças pulmonares intersticiais Ft. Ricardo Kenji Nawa Definição As doenças pulmonares intersticiais (DIP) constituem um grupo heterogêneo de situações que levam a um acometimento difuso dos pulmões,

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL Curso: Odontologia 4 º e 5 º Períodos Disciplina: Patologia Oral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 NEOPLASIAS NOMENCLATURA - O critério

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia HEMATOLOGIA 2010-11 3ºAno Prof. Leonor Correia 10ª Aula Hematologia 2010/2011 Tumores dos tecidos hematopoiético e linfático Classificação OMS 2008: Interesse e objectivos da classificação Neoplasias mieloproliferativas

Leia mais

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO Disciplina: Estomatologia METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Levantamentos Epidemiológicos Clássicos Exame Clínico Nível de Doença não detectada Exames Complementares

Leia mais

Caso Clínico. Lucas de Araujo Aquino

Caso Clínico. Lucas de Araujo Aquino Caso Clínico Lucas de Araujo Aquino Identificação - A.M.P. - 17 anos - Sexo masculino - Branco - Estudante secundário Queixa Principal - Alergia no rosto há 10 dias, que não fica boa História da Doença

Leia mais

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um Um tumor é uma massa anormal em qualquer parte do corpo. Ainda que tecnicamente ele possa ser um foco de infecção (um abcesso) ou de inflamação; o termo habitualmente significa um novo crescimento anormal

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC Documentário Despertar Para a Vida Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC RESUMO A leucemia atinge grande parte da população mundial. Em 2008

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins DOENÇAS DA PRÓSTATA P/ Edison Flávio Martins PRÓSTATA NORMAL Peso: 15 a 20 gr Localização: Abaixo da bexiga Atravessada pela uretra Função: Reprodutiva DOENÇAS DA PRÓSTATA Infecção: Prostatite aguda e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Caio Abner Leite

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Caio Abner Leite UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Caio Abner Leite Letra legível História resumida Queixa e duração, antecedentes pessoais relacionados ao caso ou às contra-indicações.

Leia mais

PLANO DE CURSO 4 PERÍODO ANO: 2013.2

PLANO DE CURSO 4 PERÍODO ANO: 2013.2 PLANO DE CURSO 4 PERÍODO ANO: 2013.2 CURSO: MEDICINA DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARGA HORÁRIA: 432 horas PROFESSOR TITULAR: Edino Jurado PROFESSORES:Cláudio Teixeira, Edilberto Paravidine, Evaldo Otal, Ézil

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

PLANILHA GERAL - Fundamentos da Clínica IV - 8º - 2º 2015

PLANILHA GERAL - Fundamentos da Clínica IV - 8º - 2º 2015 PLANILHA GERAL - Fundamentos da Clínica IV - 8º - 2º 2015 Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo QUINTA 06/08/2015 Aula Inaugural Med e Fisiopatologia das doenças respiratórias: edema, inflamação,

Leia mais

Janaína Le Sann Nascimento R1 Anatomia Patológica

Janaína Le Sann Nascimento R1 Anatomia Patológica Janaína Le Sann Nascimento R1 Anatomia Patológica Individualizados; Encapsulados; Vasos linfáticos aferentes; Vaso linfático eferente; Córtex; Medula; Linha de defesa secundária; Cápsula Seios subcapsulares

Leia mais

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos.

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA II Curso de Pneumologia na Graduação 11 e 12 de junho de 2010 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Doenças Pleurais Evaldo Marchi Grupo de Pleura -

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO DISTRITO FEDERAL HOSPITAL REGIONAL DA ASA SUL RESIDÊNCIA MÉDICA EM PEDIATRIA SUZANA COSTA REIS

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO DISTRITO FEDERAL HOSPITAL REGIONAL DA ASA SUL RESIDÊNCIA MÉDICA EM PEDIATRIA SUZANA COSTA REIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO DISTRITO FEDERAL HOSPITAL REGIONAL DA ASA SUL RESIDÊNCIA MÉDICA EM PEDIATRIA SUZANA COSTA REIS Perfil clínico e epidemiológico do paciente com adenomegalia atendido no

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

Patologia Geral. Tuberculose. Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider. http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/

Patologia Geral. Tuberculose. Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider. http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ Patologia Geral Tuberculose Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ A tuberculose é uma doença infecciosa, crônica, causada por uma micobactéria. AGENTEs:

Leia mais

Doenças da Tireóide. Prof. Fernando Ramos

Doenças da Tireóide. Prof. Fernando Ramos Doenças da Tireóide Prof. Fernando Ramos Introdução A tireóide é uma glândula localiza na porção anterior do pescoço e responde pela produção de hormônios como Triiodotironina (T3) e Tiroxina (T4) que

Leia mais

Meningites são processos agudos que comprometem as leptomeninges (pia-aracnóide), ocasionando reação inflamatória do espaço subaracnóide e das

Meningites são processos agudos que comprometem as leptomeninges (pia-aracnóide), ocasionando reação inflamatória do espaço subaracnóide e das Meningite M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe de Fonoaudiologia do Hospital

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER

O QUE VOCÊ PRECISA SABER DIAGNÓSTICO DE INFLUENZA E OUTROS VIRUS RESPIRATÓRIOS NO HIAE. O QUE VOCÊ PRECISA SABER Maio de 2013 Laboratório Clínico Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Apenas para lembrar alguns aspectos das

Leia mais

CURSO BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA DA TIREOIDE E PARATIREOIDE ORGANIZAÇÃO

CURSO BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA DA TIREOIDE E PARATIREOIDE ORGANIZAÇÃO CURSO BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA DA TIREOIDE E PARATIREOIDE ORGANIZAÇÃO Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Departamento de Tireoide da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia

Leia mais

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

Imagem da Semana: Fotografia e Radiografia

Imagem da Semana: Fotografia e Radiografia Imagem da Semana: Fotografia e Radiografia Imagem 01. Fotografia da região cervicofacial Imagem 02. Fotografia de mão esquerda Imagem 03. Radiografia de tórax em incidência posteroanterior Imagem 04.Tomografia

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Infecções virais: Rubéola e Mononucleose Infecciosa

Infecções virais: Rubéola e Mononucleose Infecciosa Infecções virais: Rubéola e Mononucleose Infecciosa RUBÉOLA 1ª descrição: Bergen em 1752 e Orlow em 1758 efeito teratogênico: catarata (1941) só tem um sorotipo, homem é único hospedeiro ASPECTOS CLÍNICOS

Leia mais

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica CONHECIMENTO EM GOTAS neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica leucemia é uma doença maligna dos leucócitos (glóbulos brancos). ela pode ser originada em duas linhagens diferentes: a linhagem

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

Comprometimento dos linfonodos em adultos

Comprometimento dos linfonodos em adultos ARTIGO DE REVISÃO Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo 2013; 58: 79-87. Comprometimento dos linfonodos em adultos Lymphadenopathy involvement in adults Fernando M. F. Didier Neto 1, Karina Moraes

Leia mais

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA Carcinomas Profª. Dra. Maria do Carmo Assunção Carcinoma tipo basal Grau 3 CK14 & CK5 = Positivo P63 pode ser positivo (mioepitelial) Triplo negativo

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro. Fundamentação Teórica: HIV e saúde bucal

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro. Fundamentação Teórica: HIV e saúde bucal CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro : Cleonice Hirata A infecção por HIV tem uma associação relativamente alta com manifestações bucais e otorrinolaringológicas, tais como linfoadenopatias cervicais, infecções

Leia mais

Anhanguera - Uniderp

Anhanguera - Uniderp Anhanguera - Uniderp CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA A SELEÇÃO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICO- VETERINÁRIA - PRMV R1 / TURMA 2012 ÁREA DE CLÍNICA E CIRURGIA DE PEQUENOS ANIMAIS 1. Terapêutica Clínica Geral

Leia mais

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo?

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? BIOLOGIA Cláudio Góes Fundamentos de oncologia 1. Introdução Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? Nesta unidade, você verá que o termo câncer refere-se a uma variedade de

Leia mais

Humberto Brito R3 CCP

Humberto Brito R3 CCP Humberto Brito R3 CCP ABSTRACT INTRODUÇÃO Nódulos tireoideanos são achados comuns e raramente são malignos(5-15%) Nódulos 1cm geralmente exigem investigação A principal ferramenta é a citologia (PAAF)

Leia mais

Alterações da polpa, do periápice e do periodonto

Alterações da polpa, do periápice e do periodonto Disciplina: Patologia Oral Alterações da polpa, do periápice e do periodonto Parte 2 Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2º Semestre - 2012 ALTERAÇÕES DA POLPA, DO PERIÁPICE E DO PERIODONTO PATOLOGIA

Leia mais