LINFADENOPATIAS. Dra. Cecília V. Krebs

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LINFADENOPATIAS. Dra. Cecília V. Krebs"

Transcrição

1 2 LINFADENOPATIAS Os linfonodos são estruturas ovóides, discretos, macios, e podem variar de poucos milímetros a 2 cm de extensão. Dra. Cecília V. Krebs OBJETIVOS 1. Saber abordar um paciente com linfadenopatia 2. Reconhecer localização cadeias linfonodais 3. Reconhecer características do linfonodo patológico e do linfonodo reacional 4. Saber investigar linfadenopatia CENÁRIO CLÍNICO C.T.W; 17 anos, sexo feminino vem à consulta devido a aparecimento de caroços não dolorosos do lado esquerdo do pescoço há 3 semanas. Não possui queixas associadas ao quadro. Nega uso de medicamento e já teve mononucleose infecciosa há 2 anos. Nega história familiar de tumores, nega também contato com pessoa com doença infecto- contagiosa. Não apresenta fraqueza, anorexia, perda de peso, febre ou sudorese noturna, nem anemia, equimoses ou petéquias e nunca teve artrite. QUAL A SUA ESTRUTURA INTERNA? Sua estrutura interna é complexa, mas altamente organizada com agregados de tecido linfóide contendo regiões específicas para células B, células T, plasmócitos. Estas estruturas nunca são estáticas; seu tamanho e morfologia são modificados pelo estresse, função tireoidiana e da adrenal, além de respostas imunes. TODO LINFONODO PALPÁVEL É PATOLÓGICO? Linfonodos palpáveis não são sempre patológicos: em crianças e adultos jovens eles comumente podem ser pequenos, menores que 1cm, na cadeia submandibular; linfonodos inguinais palpáveis acima que 2cm em diâmetro são freqüentemente encontrados em adultos. VOCÊ SE LEMBRA DA LOCALIZAÇÃO DOS LINFONODOS? Para poder examinar o paciente precisamos saber onde encontrá-los. Ver figura ao lado e recorde a cedeia ganglionar cervical, depois veja a próxima figura e recorde as outras cadeias. Ao exame apresenta nódulos [irmes à palpação, indolores, mas móveis em região cervical anterior esquerda (3x3 cm), em região supra clavicular esquerda pequenos e na axila esquerda (2x2cm). O baço é palpado a 2 cm da reborda costal esquerda à inspiração profunda. O [ígado apresenta diâmetro vertical de 10 cm pela percussão (linha HCD). Não são palpados linfonodos em outras localizações e não possui anormalidades emregião de tórax e mamas. O QUE É ADENOPATIA? O termo adenopatia refere-se ao alargamento dos nódulos linfáticos também chamados de linfonodos. Aqui também é valido introduzir 2 outros termos: linfadenite (linfonodo infectado geralmente com a pele sobrejacente vermelha e inflamada) e linfangite (quando os vasos linfáticos superficiais que levam a um grupo de linfonodos estão inflamados) COMO SÃO OS LINFONODOS NA SUA NORMALIDADE?

2 QUAL É O MÉTODO DO EXAME FÍSICO QUE MELHOR AVALIA A DETECÇÃO DE LINFADENOPATIA? Paciente em posição de relaxamento (no exame da axila o braço poderia ficar flácido e para o lado; no exame cervical a cabeça poderia estar fletida para frente). Use a polpa digital dos 2º e 3º quirodáctilos de forma a mover a pele sobre os tecidos subjacentes. O seu toque deve ser capaz de deslizar o linfonodo em duas direções, de uma lado para outro e de cima para baixo. Lembre-se que músculos e artérias não podem ser manipulados de forma similar. Linfonodos facilmente encontrados em pessoas normais são pequenos, móveis e indolores. Linfonodos aumentados ou dolorosos requerem avaliação cuidadosa das regiões pelas quais eles são responsáveis pela drenagem, além de avaliação completa do paciente para distinguirmos se é apenas linfonodomegalia regional/localizada ou linfonodomegalia generalizada. QUAL É O DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE EDEMA CERVICAL? Nem todas protuberâncias cervicais são linfadenopatias. Abscessos (especialmente periodontal), infecções na glândula salivar, cistos tiroidianos, cisto no ducto do tireoglosso podem se apresentar como massas cervicais. Muitas destas patologias estão na linha média, ao contrário dos linfonodos que geralmente são laterais ou podem se deslocar juntamente com o tecido conjuntivo na presença de patologia que promova este deslocamento. QUANDO UM LINFONODO CERVICAL ME PREOCUPARIA? Um paciente com linfadenopatia cervical localizada freqüentemente apresenta infecção como etiologia. As causas mais comuns de infecção são virais (rubéola, mononucleose infecciosa, citomegalovirose), ou bacterianas e envolvem a face ou a orofaringe. Mononucleose infecciosa é uma infecção viral causada pelo vírus Epstein Barr que pode se apresentar como adenopatia cervical posterior. Também podemos encontrar esplenomegalia, outras adenopatias, artralgias e febre. Com o advento das infecções por micobactérias pela presença do HIV, pode-se ter também adenopatia cervical localizada por Tuberculose Ganglionar. Outras infecções menos comuns são: Febre da arranhadura do gato, histoplasmose. Linfomas de Hodgkin e outros linfomas também podem se apresentar como adenopatia cervical localizada. Outras causas comuns e relacionadas com as regiões de drenagem ganglionar são: lesões no escalpe, de qualquer tipo, incluindo escabiose. QUAIS ENTIDADES CAUSAM AUMENTO DA REGIÃO INGUINAL? Linfonodos aumentados na região inguinal são comuns, freqüentemente resultado de pequenas infecções nos MMII. Adenopatias bilaterais dolorosas podem ser um sinal de doença venérea. Herpes usualmente causa edema unilateral. Hérnias inguinais e aneurismas vasculares ocasionalmente podem ser confundidos com adenopatia. QUAL É O SIGNIFICADO DE ADENOPATIA EPITROCLEAR? Nódulos epitrocleares palpáveis são sempre patológicos. Podem ser causados por infecções no antebraço, linfoma, sarcoidose, Artrite Reumatóide (AR) e sífilis secundária. SIGA A TABELA ABAIXO NA REFERÊNCIA DA CADEIA GANGLIONAR E SUA ÁREA DE DRENAGEM: Tabela 1: Linfonodos: Localização, Drenagem Linfática e Diagnóstico diferencial Localização Drenagem Causas Linfática Submandibu Língua, lar Glândula submaxilar, lábio e boca, conjuntiva Infecções: face, pescoço, seios, ouvidos, olhos, escalpe, faringe

3 Submental Jugular Cervical Posterior Lábio inferior, Sd. Mono- Likes, assoalho da Mononucleose boca, mento Infecciosa Citomegalovírus, Língua, parótida, amígdalas, úvula Escalpe e pescoço, pele dos braços e peitorais, tórax, cervical e nódulos axilares Toxoplasmose Faringites, rubéola Tuberculose, Linfoma, Câncer de Cabeça e Pescoço Suboccipital Escalpe e face Infecção Local Pré- Infecção Local auricular Pós- auricular Pálpebras e conjuntivas, região temporal e úvula Meato Auditivo Externo, úvula, escalpe Canal Auditivo Externo Supraclavicu Mediastino, lar Direito pulmões, esôfago Gastrintestinal Supraclavicu Tórax e lar Esquerdo Abdome via ducto torácico Axilar Epitroclear Inguinal Pulmões, Câncer Retroperitoneal ou Linfoma, Câncer Torácico, Retroperitoneal ou Gastrintestinal, Infecção Bacteriana ou Fúngica Braços, parede Infecções, linfoma, torácica, mama Antebraços e mãos doneça da arranhadura do gato, câncer mama, implentes silicone, brucelose, melanoma Infecção, linfoma, sarcoidose, tularemia, sí[ilis secundária Pênis, escroto, Infecções MMII*, vulva, vagina, DST** (herpes vírus, períneo, gonocóccica, sí[ilis, glúteos, cancróide, parede linfogranuloma abdominal venéreo), linfoma, inferior, canal Câncer pélvico anal inferior *MMII: Membros Inferiores; **DST: Doença Sexualmente Transmissível DROGAS PODEM CAUSAR ADENOPATIA? A fenitoína é associada com uma reação de hipersensibilidade que leva a uma quadro de pseudolinfoma. Agentes antitireoidianos, indometacina, alopurinol, hidralazina e isoniazida também foram associados com adenopatia ocasional. Tabela 2: Drogas e linfadenopatias Alopurinol Hidralazina Pirimetamina Atenolol Indometacina Ouro Captopril Penicilina Quinidina Carbamazepina Fenitoína Sulfonamidas Cefalosporina Primidina QUAIS CONDIÇÕES BENIGNAS PODEM CAUSAR ADENOPATIA GENERALIZADA? Adenopatia generalizada em geral tem caráter de doença sistêmica. Muitas são infecções: Mononucleose Infecciosa, Citomegalovirose, Infecção HIV, Tuberculose, Histoplasmose, Sífilis, Brucelose, Leptospirose. Doenças reumatológicas: Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES). Doenças de pele difusas como eczemas, erupção pele por drogas, psoríase. Ocasionalmente pacientes com tireotoxicose, silicose. QUAIS SÃO AS CAUSAS DE LINFADENOPATIAS EM PACIENTES COM SIDA? Estes pacientes geralmente apresentam adenopatia generalizada de causa indeterminada. Na maior parte dos casos estão associadas à infecção micobactérias (foto: tuberculose ganglionar). Outras causas importantes são: Linfoma não-hodgkin e Sarcoma de Kaposi.

4 QUAIS SÃO AS NEOPLASIAS QUE MAIS FREQÜENTEMENTE QUE CAUSAM LINFADENOPATIA? Câncer nos linfonodos pode se apresentar localizado ou difuso, em único nódulo ou em múltiplos. Suas etiologias são: Doenças linfoproliferativas ou mieloproliferativas. Quando a neoplasia estiver localizada em um único grupo ou dois grupos de linfonodos devemos também considerar também linfomas de Hodgkin e Não-Hodgkin e os carcinomas metastáticos. Tumores primários de cabeça e pescoço freqüentemente apresentam-se com massa cervical. Mulher com câncer de mama pode apresentar massa na axila antes de ser diagnosticado o tumor primário. COMO A IDADE INFLUÊNCIA A PROBABILIDADE DE SE ENCONTRAR UM TUMOR EM UM LINFONODO AUMENTADO? Em média paciente com idade < 25 anos tem chance de 20% de ter uma biópsia positiva para malignidade. Em indivíduos > 50 anos esta porcentagem sobe para 80%. QUAIS SÃO AS CARACTERÍSTICAS DE UM LINFONODO COM ALTA PROBABILIDADE DE DOENÇA MALIGNA? Em geral, quanto maior o linfonodo, maior a preocupação. A localização é muito importante: Nódulos supra-claviculares quase sempre são malignos, enquanto linfonodos cervicais posteriores raramente os são. Quanto à consistência: linfonodos pétreos, endurecidos são altamente sugestivos de carcinoma metastático. Nódulos dolorosos tem menor chance de serem malignos. Nódulos fixados a estruturas adjacentes e com crescimento de semanas a meses sugerem câncer. Lembre-se: nenhuma destas características fecha o diagnóstico. Para isso é necessário biópsia do linfonodo. QUAIS EXAMES COMPLEMENTARES PODEM NOS AUXILIAR NO DIAGNÓSTICO DA LINFONODOMEGALIA ANTES DA BIÓPSIA? Apesar de inespecífico o Hemograma em geral é anormal nos pacientes com infecção, malignidades, doenças reumatológicas com adenopatia. O VDRL (Venereal Disease Research Laboratory) pode auxiliar na avaliação de sífilis. A sorologia para HIV é essencial principalmente nos grupos de risco. A avaliação das transaminases é importante para elucidar Hepatite B, Hepatite C, Mononucleose Infecciosa, Citomegalovirose e também deve ser feita a pesquisa direta de cada um destes vírus. FAN (Fator Antinuclear) auxilia na investigação de doenças reumatológicas e TSH (Thyroid-stimulating Hormone) no distúrbio tireoidiano. Raio X de Tórax identifica se há ou não adenopatia mediastinal em pacientes com sarcoidose ou linfoma. CENÁRIO CLÍNICO Hemograma: VG: 33!; Hb: 11g/dl; VCM: 73; Leucócitos: 6.200; Plaquetas: Reticulócitos: 2,2%. TGP: normal Monoteste: negativo VHS: 50mmHg na 1ª hora (normal: 20mm) FAN: negativo Cálcio: normal. Rx tórax = espaço retroesternal ocupado. Tendo em vista este achado, foi solicitado uma tomogra[ia de tórax: TAC de tórax = adenopatia de mediastino anterior. **Sorologias: havia se pensado em pedir algumas sorologias, mas tendo em vista do resultado do raio x e da tomogra[ia, não se foi adiante com este raciocínio. Biópsia de gânglio linfático supraclavicular esquerdo com Imprint: presença de células de Reed- Sternberg "célula gigante, multinucleada com nucléolos eosino[ílicos. DIAGNÓSTICO: Linfoma de Hodgkin ENTÃO, QUAL A MELHOR ABORDAGEM PARA UM PACIENTE COM LINFADENOPATIA? Como vimos, nem todos os pacientes com linfonodomegalia necessitarão de biópsia do linfonodo. Muitas doenças serão melhor diagnosticadas pela história clínica, análises do sangue ou culturas. Se realizarmos a biópsia nestes pacientes ela será inespecífica e não ajudará em nada o médico. Quando a suspeita de infecção for alta, vale a pena observar por 2 a 3 semanas após o tratamento específico e, após, reavaliar a linfonodomegalia. Caso este paciente não tenha a resposta esperada que seria a regressão do linfonodo ou quando a suspeita de câncer for alta, devemos encaminhá-lo direto para biópsia. A melhor biópsia é a excisional, em que todo o linfonodo é retirado e encaminhado ao patologista para análise e cultura.

5 QUANDO PODEREMOS UTILIZAR A PAAF (PUNÇÃO ASPIRATIVA POR AGULHA FINA)? Na PAAF, por ser menos invasiva, teremos um menor risco de sangramento, mas a PAAF tem menor especificidade que a biópsia. Abdominal e retroperitoneal Qualquer região Tumores pélvicos e gastrintestinais, tuberculose, linfoma, tumores renais e infecções fúngicas Linfoma, leucemia, câncer metastático, tuberculose, infecções fúngica, Doença da arranhadura do gato EM UM PACIENTE COM MÚLTIPLAS LINFONODOMEGALIAS, QUAL ESCOLHO PARA BIOPSIAR? Em geral um único linfonodo fornece o diagnóstico. Biópsias de nódulos inguinais são evitados porque eles podem estar aumentados por outras causas e, assim, não fornecer um diagnóstico específico. Nódulos axilares que requerem dissecção mais delicada são evitados se houver outros nódulos cervicais de aparência patológica. Em resumo, se pudéssemos escolher qual nódulo biopsiar, este seria grande, superficial e de fácil acesso ao cirurgião. Tabela 3: Causas de Linfonodomegalia Localizada Local Auricular anterior ou suboccipital Submandibular ou cervical Supraclavicular esquerda ou direita Axilar Epitroclear Inguinal Adenopatia hilar Mediastinal Causas Infecções de couro cabeludo, conjuntivite, infecções virais sistêmicas Infecções bucais e dentárias, faringite, tumores de nasofaringe, tumores de tiróide, doença de Graves, infecções virais sistêmicas, dengue, tuberculose, paracoccioidomicose e toxoplasmose Altamente sugestivo de malignidade.tumor gastrintestinal, pulmonar, mediastinal, retroperitoneal, linfoma, infecções bacterianas ou fúngicas de caixa torácica ou retroperitônio Neoplasia ou infecção mamária, infecção do membro superior, doença da arranhadura do gato Infecção da mão Infecção de membro inferior, micose interdigital, doenças sexualmente transmissíveis (sífilis primária, herpes genital, linfogranuloma venéreo, cancro mole), metástase de neoplasia pélvica ou anal Sarcoidose, infecções fúngicas, linfoma, carcinoma broncogênico e tuberculose Sarcoidose, infecções fúngicas, linfoma, carcinoma de pulmão e de mama, tumores de células germinativas e tuberculose Tabela 4: Causas de Linfonodomegalia Generalizada Infecciosas virais Infecciosas bacterianas Infecções por micobactérias Mononucleose, HIV, citomegalovírus, rubéola, sarampo, hepatites virais agudas Brucelose e febre tifóide Tuberculose Infecções por fungos Histoplasmose, coccioidomicose e paracoccioidomicose Infecções por Toxoplasmose protozoários Infecções por Sífilis secundária, leptospirose espiroquetas Neoplasias Linfoma, leucemia, mieloma, metástases de tumores sólidos Imunológicas e Reação a agentes, LES*, AR*, Sd. reumatológicas de Sjöegren, doença de Still, Sarcoidose, Amiloidose, doença de Kawasaki *LES: Lúpus Eritematoso Sistêmico; **AR: Artrite Reumatóide PONTOS CHAVE 1. A história clínica e o exame [ísico fornecem informações essenciais. 2. Importante: idade do paciente, história, associação com possíveis doenças infecciosas e malignas, a presença de dor ou sensibilidade nos linfonodos e o fato de a linfadenopatia ser localizada ou generalizada. 3. No caso de linfadenopatia localizada consideram- se, particularmente: doenças in[lamatórias ou malignas na região correspondente de drenagem linfática Referências Bibliográficas 1. Urquhart AT, Klein CE. Evaluation of Adenopathy. In: Wood ME, Philips, GK. Hematology/Oncology Secrets 3rd Ed. Burlington, Vermont. Hanley & Belfus, editor p Vaughn DJ. Approach to the patient with lymphadenopathy. Kelleys textbook of

6 internal medicine. Lippincott Williams & Wilkins, 4.ed.: Capítulo 201: p Hoffbrand, AV; Pettit, J E; Moss, PAH. Fundamentos em Hematologia. Capítulo 10. Leucócitos e suas doenças benignas. Diagnóstico Diferencial das linfonodopatias p

7 Leitura Complementar LEITURA COMPLEMENTAR TABELA 5: Dados de Anamnese e Exame Físico Relacionados à Linfonodomegalia Dado de anamnese e exame físico Linfonodomegalia generalizada, febre, rash cutâneo e artrite Doenças mais freqüentemente associadas Doença de Still Linfonodomegalia generalizada, hepatoesplenomegalia, febre intermitente, Brucelose artralgias e cefaléia associada a contato ou ingestão de carne contaminada e laticínios não-pasteurizados Linfonodomegalia generalizada (pouco freqüente), dor abdominal, hepato- Febre tifóide esplenomegalia, diarréia ou constipação, febre, rash, dissociação pulsotemperatura. Viagens com ingestão de alimentos ou água contaminados Linfonodomegalia generalizada (pouco freqüente) associada a febre e mialgia Leptospirose podendo haver acometimento renal, hepático ou pulmonar na forma ictérica da doença. Contato com água de enchente, esgotos ou urina de rato. Linfonodomegalia regional, endurecida, aderida a planos profundos, febre, Linfoma de Hodgkin ou Não Hodgkin sudorese, emagrecimento Linfonodomegalia hilar, febre, artralgias Sarcoidose Linfonodomegalia regional e emagrecimento Câncer, Tuberculose

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Franklin José Candido Santos Hematologista do HEMOCE Fortaleza Hematologista do Hospital Haroldo Juaçaba A maioria dos pacientes que se

Leia mais

Linfonodomegalias na Infância

Linfonodomegalias na Infância XII Curso de Atualização em Pediatria de Londrina - Módulo 03 Linfonodomegalias na Infância Tony Tannous Tahan Coordenador da Infectopediatria do Departamento de Pediatria do HC-UFPR Membro do Comitê de

Leia mais

Algoritmo de Investigação das Adenomegalias

Algoritmo de Investigação das Adenomegalias 2011 15 de Abril 6ª feira Algoritmo de Investigação das Adenomegalias João Espírito Santo Luís Brito Avô Manuel Ferreira Gomes Doente com adenomegalias Quadro agudo Recorrentes ou longa evolução Localização

Leia mais

Doenças Linfoproliferativas

Doenças Linfoproliferativas Doenças Linfoproliferativas Órgãos linfóides Linfoproliferações não clonais Agudas Mononucleose infecciosa Citomegalovirose Rubéola Sarampo Hepatites HIV Crônicas Tuberculose Toxoplasmose Brucelose Sífilis

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

AMERICAN THORACIC SOCIETY(ATS)

AMERICAN THORACIC SOCIETY(ATS) LINFONODOS A capacidade de reconhecer linfonodos normais, assim como os anormais, na TC esta diretamente relacionada com a quantidade de tecido adiposo mediastinal presente. Os linfonodos aparecem com

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

Diagnóstico Diferencial das Massas Cervicais em Crianças

Diagnóstico Diferencial das Massas Cervicais em Crianças Diagnóstico Diferencial das Massas Cervicais em Crianças Agrício Nubiato Crespo, Rodrigo Cesar e Silva, Amarílis Meléndez e José Nélio Cavinatto Introdução A presença de massa cervical representa sempre

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

Facilitando a Detecção de Problemas Oncológicos na Esfera Otorrinolaringológica

Facilitando a Detecção de Problemas Oncológicos na Esfera Otorrinolaringológica Facilitando a Detecção de Problemas Oncológicos na Esfera Otorrinolaringológica Vicente Odone Filho Vamos comentar alguns aspectos na rotina do Pediatra e do Otorrinolaringologista na detecção de problemas

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Caso Clínico. Lucas de Araujo Aquino

Caso Clínico. Lucas de Araujo Aquino Caso Clínico Lucas de Araujo Aquino Identificação - A.M.P. - 17 anos - Sexo masculino - Branco - Estudante secundário Queixa Principal - Alergia no rosto há 10 dias, que não fica boa História da Doença

Leia mais

O QUE É A DOENÇA DO BEIJO?

O QUE É A DOENÇA DO BEIJO? O QUE É A DOENÇA DO BEIJO? A mononucleose infecciosa, também conhecida como doença do beijo, é uma doença contagiosa, causada pelo vírus Epstein-Barr, da família do herpes. A mononucleose é mais comum

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

TOMOGRAFIA DE PESCOÇO

TOMOGRAFIA DE PESCOÇO TOMOGRAFIA DE PESCOÇO INTRODUÇÃO O exame de pescoço por TC é realizado com o paciente decúbito dorsal, com a cabeça voltada para gantry, imagens axiais contínuas com espessura de corte de 5mm e 5mm de

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro. Fundamentação Teórica: HIV e saúde bucal

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro. Fundamentação Teórica: HIV e saúde bucal CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro : Cleonice Hirata A infecção por HIV tem uma associação relativamente alta com manifestações bucais e otorrinolaringológicas, tais como linfoadenopatias cervicais, infecções

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA

PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA PROCESSO SELETIVO 02/2016 PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA ANOS OPCIONAIS E ÁREAS DE ATUAÇÃO E CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW - INCA PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: PORTARIA Nº 486, DE 16 DE MAIO DE 2.000 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: Art. 1º - Expedir a edição revisada e atualizada das orientações e critérios relativos

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Figura 1: Radiografia de tórax em incidência póstero anterior Figura 2: Tomografia computadorizada de tórax com contraste em corte coronal e sagital

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Citomegalovirus Icosaédrico, 150-200 nm de diâmetro, 162 capsômeros hexagonais, envelopado, com

Leia mais

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA A Doença, ou Linfoma de Hodgkin, é uma forma de câncer que se origina nos linfonodos (gânglios) do sistema linfático, um conjunto

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Patologia Bucal Prof. Patrícia Cé No organismo, verificam-se formas de crescimento celular controladas e não controladas. A hiperplasia,

Leia mais

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral PARTE 2 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 FAMÍLIA HHV Alfaherpesvirinae HHV1(herpes bucal)

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) estão entre os problemas de saúde pública mais comuns no Brasil e em todo o mundo, sendo atualmente consideradas o

Leia mais

SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS ÚLCERAS DST ANORRETAIS Bacterianas - sífilis - cancróide - gonorréia - linfogranuloma venéreo - donovanose Virais - herpes simples - condiloma acuminado - citomegalovírus

Leia mais

LI L NFA F D A E D N E OM O EG E AL A I L AS A Um U a m A bo b rda d gem e m Si S nd n r d ômi m ca Everton Rodrigues

LI L NFA F D A E D N E OM O EG E AL A I L AS A Um U a m A bo b rda d gem e m Si S nd n r d ômi m ca Everton Rodrigues LINFADENOMEGALIAS Uma Abordagem Sindrômica Everton Rodrigues LINFONODOS São estruturas ovóides, pequenas e encapsuladas localizadas no caminho dos vasos linfáticos. Atuam como filtros da linfa (que é excesso

Leia mais

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO Disciplina: Estomatologia METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Levantamentos Epidemiológicos Clássicos Exame Clínico Nível de Doença não detectada Exames Complementares

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 11. São estruturas que emergem do crânio pelo forame jugular, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 11. São estruturas que emergem do crânio pelo forame jugular, EXCETO: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 11 QUESTÃO 17 São estruturas que emergem do crânio pelo forame jugular, EXCETO: a) nervo vago. b) nervo acessório. c) nervo hipoglosso. d) veia jugular interna.

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

15º Imagem da Semana: Radiografia e Tomografia de Tórax

15º Imagem da Semana: Radiografia e Tomografia de Tórax 15º Imagem da Semana: Radiografia e Tomografia de Tórax Enunciado Paciente de 20 anos, sexo feminino, previamente hígida, percebeu há 20 dias nodulação em região cervical ínfero-anterior, indolor, com

Leia mais

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS Curso: Graduação em Odontologia 4 º e 5 º Períodos Disciplina: Patologia Oral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto

PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto ANATOMIA TORÁCICA O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e mediastino.

Leia mais

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Elaboração: Dr Luis Fernando Pracchia Área Técnica da Saúde da Pessoa com Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Leia mais

Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia. Leucograma. Prof.Dr. Manoel Barral-Netto

Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia. Leucograma. Prof.Dr. Manoel Barral-Netto Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia Leucograma Prof.Dr. Manoel Barral-Netto Os Neutrófilos são os granulócitos mais comuns no sangue. (55-70% de todos os Leucócitos

Leia mais

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata AULA PREPARADA POR: PATOLOGIAS DA PRÓSTATA Prostata A próstata é um órgão interno que só o homem possui; tem a forma de uma maçã muito pequena, e fica logo abaixo da bexiga. ANATOMIA Tem o tamanho aproximado

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea O que é AIDS? Sinônimos: hiv, síndrome da imunodeficiência adquirida, sida É uma doença que ataca o sistema imunológico devido à destruição dos glóbulos brancos (linfócitos T CD4+). A AIDS é considerada

Leia mais

Seminário Metástases Pulmonares

Seminário Metástases Pulmonares Seminário Metástases Pulmonares Tatiane Cardoso Motta 09/02/2011 CASO CLÍNICO Paciente do sexo feminino, 52 anos, refere que realizou RX de tórax de rotina que evidenciou nódulos pulmonares bilaterais.

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

Programa de Prevenção e Promoção à Saúde do NAIS/9ª RPM 2013, intitulado Informação é o melhor remédio

Programa de Prevenção e Promoção à Saúde do NAIS/9ª RPM 2013, intitulado Informação é o melhor remédio Programa de Prevenção e Promoção à Saúde do NAIS/9ª RPM 2013, intitulado Informação é o melhor remédio Palestrante: Ten Leandro Guilherme O que é? DOENÇA SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) Toda doença que

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais

Residente de Reumatologia da UNIFESP. São Paulo 03/08/2011

Residente de Reumatologia da UNIFESP. São Paulo 03/08/2011 Dra. Bruna Castro Residente de Reumatologia da UNIFESP São Paulo 03/08/2011 S EVOLUÇÃO DISCUSSÃO IDENTIFICAÇÃO HDA AMP VAB, 33 anos, feminina, i branca, solteira, auxiliar de enfermagem, natural de Monte

Leia mais

ESTADIAMENTO. 1. Histórico

ESTADIAMENTO. 1. Histórico Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família 68 ESTADIAMENTO O estadiamento tem como objetivo agrupar pacientes segundo a extensão anatômica da doença. Essa normatização tem grande valia

Leia mais

Doenças da Tireóide. Prof. Fernando Ramos

Doenças da Tireóide. Prof. Fernando Ramos Doenças da Tireóide Prof. Fernando Ramos Introdução A tireóide é uma glândula localiza na porção anterior do pescoço e responde pela produção de hormônios como Triiodotironina (T3) e Tiroxina (T4) que

Leia mais

7ª Reunião Luso-Galaica de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo. Caso Clínico. Hospital de Braga

7ª Reunião Luso-Galaica de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo. Caso Clínico. Hospital de Braga 7ª Reunião Luso-Galaica de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo Hospital de Braga Serviço de Cirurgia Director: Dr. Mesquita Rodrigues Sónia Ribas 12 de Dezembro F.C.R, sexo masculino, 69 anos Antecedentes

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

a) Aponte as medidas que deverão ser adotadas com relação aos contactantes. (5,0 pontos)

a) Aponte as medidas que deverão ser adotadas com relação aos contactantes. (5,0 pontos) 01 Concurso Uma adolescente de 17 anos de idade, estudante do ensino médio, chega para atendimento na UPA na segunda feira pela manhã, com relato de febre alta (> 38,5ºC), tosse seca, coriza e hiperemia

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase.

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase. O que são DSTs? DSTs significa, doenças sexualmente transmissíveis, que são passadas nas relações sexuais com pessoas que estejam com essas doenças. São DSTs, a gonorréia, a sífilis, a clamídia, o herpes

Leia mais

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011.

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011. Portaria 024/2011 Estabelece protocolos operacionais para a atividade de Regulação e Auditoria no âmbito do IPSEMG. A Presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais, no

Leia mais

Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você:

Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você: Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você: CANCRO MOLE Pode ser chamada também de cancro venéreo. Popularmente é conhecida como cavalo. Manifesta-se

Leia mais

EXAMES MÉDICOS / ESPECIAL SAÚDE

EXAMES MÉDICOS / ESPECIAL SAÚDE EXAMES MÉDICOS / ESPECIAL SAÚDE Tomografia Axial Computorizada A Tomografia Axial Computorizada (TAC) define com nitidez os contornos dos órgãos, a sua densidade e a sua vascularização. Permite o diagnóstico

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO PARA MÉDICO ESPECIALISTA EM RADIOLOGIA 08 DE NOVEMBRO DE 2009... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA)

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

Algoritmo de investigação Alterações do leucograma

Algoritmo de investigação Alterações do leucograma 2013 26 de Abril Sexta-feira Algoritmo de investigação Lígia Peixoto Manuel Ferreira Gomes Teste simples e barato. Consiste no estudo da série branca, efectuando-se uma contagem total Intervalos dos leucócitos

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Serviço e Disciplina de Clínica Médica Sessão Clínica- 16/04/2012

Serviço e Disciplina de Clínica Médica Sessão Clínica- 16/04/2012 Serviço e Disciplina de Clínica Médica Sessão Clínica- 16/04/2012 Auditório Honor de Lemos Sobral / Hospital Escola Álvaro Alvim Orientador: Prof. Israel Ribas Relatora : Caroliny Samary Silva Lobato (R2)

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL

SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL Cecília Fernandes Lorea Julho/2009 EPIDEMIOLOGIA 9000 casos novos/ ano no Brasil Probabilidade de 0,3% de uma criança desenvolver câncer antes dos 20 anos 1/300 indivíduos

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos.

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA II Curso de Pneumologia na Graduação 11 e 12 de junho de 2010 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Doenças Pleurais Evaldo Marchi Grupo de Pleura -

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

DORES RECORRENTES MOMENTO II Abril 2010 DORES RECORRENTES - DENOMINADOR COMUM ETIOLOGIA: Maioria - dores primárias; Dicotomia: Orgânico x Emocional. Associação de vários tipos de dores; Presença de dores

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre.

Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre. 15 minutos de... D. Kawasaki Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre. A febre tem sido diária, com

Leia mais

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis Filipe Martinho, DVM III Congresso OMV - Novembro 2012 Oncologia e Répteis Aparentemente casos oncológicos são raros; Em colecções zoológicas até 23%

Leia mais

Lymphadenopathies in the field of the Otorhinolaryngology. Semiotic Aspects

Lymphadenopathies in the field of the Otorhinolaryngology. Semiotic Aspects Linfadenopatias em Otorrinolaringologia. Aspectos Semiológicos Lymphadenopathies in the field of the Otorhinolaryngology. Semiotic Aspects Gustavo Guagliardi. Pacheco - Staff do Serviço de Otorrinolaringologia

Leia mais

Caso Clínico ANAMNESE. IDENTIFICAÇÃO: RSC, 2 anos, sexo feminino, natural e procedente de Nazaré BA.

Caso Clínico ANAMNESE. IDENTIFICAÇÃO: RSC, 2 anos, sexo feminino, natural e procedente de Nazaré BA. Caso Clínico ANAMNESE IDENTIFICAÇÃO: RSC, 2 anos, sexo feminino, natural e procedente de Nazaré BA. QUEIXA PRINCIPAL: Febre alta e adinamia há 15 dias. Caso Clínico ANAMNESE HMA: Há 15 dias paciente iniciou

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V.

Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V. Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V. 1 1 Hospital Erasto Gaertner, Curitiba, Paraná. Introdução e Objetivo O

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais