INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA"

Transcrição

1 INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA

2 Premissas para lidar com a iluminação urbana 1. Aspirações da Sociedade 2. Embelezamento Urbano 3. Monitorar Resultados 4. Inovações 5. Financiamento

3 A Função da Luz Favorecer a criação de um ambiente Compor e valorizar o espaço urbano Agregar sentimento ao cenário noturno Auxiliar na localização espacial Fortalecer o senso de segurança Estimular o entretenimento, lazer, turismo Destacar elementos arquitetônicos

4 A responsabilidade da operação e manutenção dos sistemas de iluminação pública tem sido passada para os Municípios, criando a necessidade de uma nova política municipal para o seu atendimento. Diante desta oportunidade de novo negócio, as empresas do mercado de iluminação desenvolveram instrumentos que permitem a gestão completa de todo o sistema de Iluminação Pública que englobam a gestão de todas as fases do processo, desde a organização, análise do sistema existente, cadastro, projeto, operação, eficiência energética, manutenção e relacionamento com a concessionária de energia, objetivando a satisfação da população. A GESTÃO COMPLETA DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA se constitui numa ferramenta moderna e eficaz para promover a melhoria da qualidade dos serviços de Iluminação Pública (IP), proporcionando benefícios tangíveis para a municipalidade, usuários, Concessionárias de Energia Elétrica e sociedade como um todo. A GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA é um conjunto de ações integradas, desenvolvido e implementado por uma empresa especializada, com vistas a dotar os serviços de iluminação pública de uma gestão profissional e eficaz, eliminando eventuais focos internos e externos de insatisfação possibilitando que todos os serviços, inclusive custos, sejam controlados e acompanhados por meio da implantação de um software especializado, trabalhando em tempo real via WEB, on-line, georeferenciado e multiusuário.

5 Todos os trabalhos que integram a GESTÃO DA IP são definidos e detalhados em um contrato ou convênio, onde os respectivos custos unitários são previamente estabelecidos. Por exemplo, quando há necessidade de serviços de expansão do sistema de IP, são definidos os custos de instalação de cada ponto padronizado, e o pagamento é efetuado à medida que as implantações são efetivadas e atestadas. Quanto às atividades permanentes de operação e manutenção, define-se um valor médio por ponto e a remuneração é realizada de forma global, conforme a quantidade de pontos instalados e de acordo com os critérios e condições de prestação de serviços. Todos os custos da contratação de uma empresa especializada estão suportados pela CONTRIBUIÇÃO PARA A ILUMINAÇÃO PÚBLICA CIP. A premissa é de que não ocorra aumento do dispêndio global atualmente praticado, ou até mesmo diminua a CIP pela implementação de medidas tais como: recadastramento dos pontos de IP, eficientização dos pontos, estabelecimento de rotas de manutenção, etc. Para o município, uma das principais vantagens, é que ele passará a ter uma iluminação pública de excelência, inclusive com possibilidade de redução de custos. A GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA também favorece a melhoria da imagem da cidade e aumenta a satisfação dos usuários com este serviço público essencial.

6 A implementação da GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA comporta avaliações e análises peculiares a cada município, até dentro de uma mesma área de concessão. Entretanto, os procedimentos básicos e rotinas consistem, em primeiro lugar, na elaboração de um Diagnóstico Preliminar, compreendendo as seguintes etapas: Levantamento da situação jurídico-contratual entre a concessionária e o município com relação aos serviços de iluminação pública, Identificação das áreas envolvidas e análise da estrutura organizacional para iluminação pública existente na concessionária / município, Análise prévia de receitas/custos com a operação e manutenção da iluminação pública, Verificação da situação patrimonial das instalações de iluminação pública, Análise do cadastro do sistema de iluminação pública e Diagnóstico do estado físico e luminotécnico das instalações de IP.

7 Competência do Serviço de IP Art. 30. COMPETE AOS MUNICÍPIOS:... V - organizar e prestar, diretamente ou sob regime de concessão ou permissão, os serviços públicos de interesse local, incluído o de transporte coletivo, que tem caráter essencial; Há uma gradativa redução da participação das distribuidoras de energia no serviço de IP com cada vez maior exigência da sociedade quanto à qualidade deste serviço público fundamental

8 Melhor Gestão da Iluminação Urbana Poucos Municípios têm respostas prontas às perguntas básicas sobre iluminação pública: Quantos pontos de luz efetivamente existem? Qual o real consumo mensal de energia da iluminação? Qual a quantidade e tipo de reclamações? Qual o tempo médio de atendimento àmensaiss reclamações? Quais os critérios de qualidade do sistema de iluminação? Quais as fontes de financiamento e como aplicá-las?

9 A Gestão Completa da Iluminação Pública Metodologia de prestação do serviço Sair da tradicional manutenção corretiva por reação (troca de lâmpada queimada) para o novo conceito de preservar a cidade iluminada, monitorando indicadores de desempenho

10 Indicadores de Desempenho Ø ATENDIMENTO Ø Até 02 Pontos apagados: 48 horas Ø Mais de 02 Pontos apagados: 24 horas Ø QUALIDADE Ø Lâmpadas apagadas à noite: 5,0% Ø Lâmpadas acesas de dia: 3,0% Ø SUSTENTABILIDADE Ø Troca de lâmpadas entre 1 a 5 anos: 100% Ø Troca de relés em 1 a 5 anos: 50% Ø Limpeza de luminárias: 100% Ø INOVAÇÃO Ø Aplicação de novas tecnologias, luminárias de tecnologia LED, viárias e praças

11 Indicadores de desempenho O Município define e fiscaliza a qualidade do serviço: Índice de Lâmpadas Acesas de Dia Índice de Lâmpadas Apagadas a Noite Tempo de Atendimento ao Cidadão Prazo de Realização de Obras Limpeza de Pontos Luminosos (luminárias) O Município na gestão dos serviços: Fiscaliza Resultados Planeja Expansão Autoriza Obras

12 Gestão completa Qualidade da iluminação Exemplo: Gestão Completa em São Luis do Maranhão LAMPADAS ACESAS DE DIA (MAX.=3%) LAMPADAS APAGADAS A NOITE (MAX.=5%) 1,40% 1,20% 1,00% 0,80% 0,60% 0,40% 0,20% 0,00% 1,15% 0,41% 0,38% 0,25% ,00 50,00 TEMPO MÉDIO DE ATENDIMENTO (hs) 50,00 5,00% 4,50% 4,00% 3,50% 3,00% 2,50% 2,00% 1,50% 1,00% 0,50% 0,00% 4,67% 3,76% 3,97% 3,46% ,00 43,94 30,00 26,64 20,00 10,00-19,

13 Gestão Completa da Iluminação Pública 1) Inventário do Patrimônio Público - Identificação física - Cadastro geo-referenciado e etiquetado - Validação da conta mensal de energia 2) M anutenção e operação - Monitoramento da vida útil das lâmpadas - Manutenção preventiva - Rondas noturnas e diurnas - Call center 3) Modernização e Ampliação - Padronização do parque - Eficientização do sistema de IP - Novas tecnologias

14 Gestão Completa da Iluminação Pública 4) Plano Diretor de Iluminação - Planejamento das intervenções - Adequação luminotécnica 5) Assessoramento especializado - Relação com a concessionária

15 Gestão Completa - Inventário do patrimônio Cadastrar, etiquetar, informatizar Validar a conta mensal de consumo de energia Possibilitar a manutenção preventiva (monitoração da vida útil da lâmpada)

16 Gestão completa 1- Sistema informatizado Cadastra todas as informações referentes à gestão do parque de iluminação pública

17 Cartografia Mapa Geo- referenciado do parque de iluminação pública

18 Gestão completa Manutenção corretiva e preventiva Operação / Manutenção Rondas noturnas e diurnas

19 Pensar a vida noturna: Plano Diretor de Iluminação Urbana Base para tomada de decisão; Orientação físico-financeiro dos investimentos; Recomenda níveis luminotécnicos adequados da iluminação viária, em função das condições de tráfego e da tipologia das vias; Criação de ambiências urbanas propícias ao bem-estar e à segurança; Identidade visual do mobiliário de iluminação pública; Valorização do patrimônio da cidade.

20 Gestão completa Plano Diretor de Iluminação Urbana

21 Iluminação artística ou de Destaque Iluminação de destaque (monumentos) Iluminação de elementos viários (pontes, viadutos ) Desenho de mobiliário urbano Espetáculos de Som e Luz

22 Gestão completa Atendimento telefônico gratuito - Call Center Atendimento todos os dias 24/24h Prazo de Atendimento às reclamações = 24 ou 48 horas

23 Antes Obras de iluminação artística Prédios históricos Depois Igreja da Candelária Rio de Janeiro

24 Gestão Completa Ganhos Financeiros ao Município Ação Redução de custo Nova tarifa de fornecimento IP (B4a) 8% Cadastro etiquetado 5% Adequação das perdas de energia no reator, consideradas na conta 3% Horas de funcionamento do parque IP 9% Controle de consumo de energia em locais de baixa freqüência (madrugada) 7% Eficientização do parque luminoso 25% Fontes de Financiamento: COSIP RELUZ PROESCO PPP

25 As vantagens de uma iluminação eficiente: Segurança no tráfego; Prevenção da criminalidade; Embelezamento das áreas urbanas; Destaque e valorização de prédios e paisagens; Maior orientação viária e percursos; Ampliação de áreas de esporte e lazer; Favorecimento do turismo e comércio; Melhoria da qualidade de vida e na imagem da cidade;

GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA VISÃO DA PREFEITURA. Palestrantes: Gustavo Mapurunga Valdir de Oliveira. Prefeitura de Fortaleza

GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA VISÃO DA PREFEITURA. Palestrantes: Gustavo Mapurunga Valdir de Oliveira. Prefeitura de Fortaleza GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA VISÃO DA PREFEITURA Palestrantes: Gustavo Mapurunga Valdir de Oliveira Prefeitura de Fortaleza Citéluz Iluminaçao Pública - IP GESTÃO COMPLETA da IP em Fortaleza Sumário QUEM

Leia mais

Programa de Gestão do Sistema de Iluminação Pública - PROILUMINA

Programa de Gestão do Sistema de Iluminação Pública - PROILUMINA Programa de Gestão do Sistema de Iluminação Pública - PROILUMINA O Programa de Gestão do Sistema de Iluminação Pública - PROILUMINA, tem por objetivo a realização da operação, manutenção, expansão e inovação

Leia mais

A Gestão da Iluminação Pública e os Municípios. Silvio Aleixo

A Gestão da Iluminação Pública e os Municípios. Silvio Aleixo A Gestão da Iluminação Pública e os Municípios Silvio Aleixo Gestão de Iluminação Pública (IP) Brasil Gestão da Iluminação Pública (IP) Estado de São Paulo Gestão Municipal Resolução 414/2010, Art. 218

Leia mais

Sistema de Iluminação Pública de Belo Horizonte. São Paulo, junho de 2015

Sistema de Iluminação Pública de Belo Horizonte. São Paulo, junho de 2015 Sistema de Iluminação Pública de Belo Horizonte São Paulo, junho de 2015 Municipalização da da IP IP --Regulação Constituição Federal Art. 30: Compete aos Municípios:... V - organizar e prestar, diretamente

Leia mais

GERENCIADOR INTELIGENTE DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA.

GERENCIADOR INTELIGENTE DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. GERENCIADOR INTELIGENTE DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. O e-eficiência foi desenvolvido em plataforma WEB, o que permite o acesso das pessoas autorizadas através de Desktops, Notebooks e Tablet s, propiciando

Leia mais

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE GESTÃO PÚBLICA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que em 2020 Santa Maria seja um município que preste Serviços de Qualidade a seus cidadãos, com base

Leia mais

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS ILUMEXPO 2015 4ª Exposição e Fórum de Gestão de Iluminação Pública Luciana Hamada / Junho 2015 IBAM, MUNICÍPIO E

Leia mais

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS ILUMEXPO 2014 3ª Exposição e Fórum de Gestão de Iluminação Pública Luciana Hamada Junho 2014 IBAM, MUNICÍPIO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Diagnóstico da gestão das redes semafóricas

Diagnóstico da gestão das redes semafóricas Apóio: Diagnóstico da gestão das redes semafóricas Ausência de uma visão estratégica da importância das redes Semafóricas e os impactos (positivos ou negativos) nas vidas das pessoas e das empresas; Serviços

Leia mais

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE GESTÃO PÚBLICA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que em 2020 Santa Maria seja um município que preste Serviços de Qualidade a seus cidadãos, com base

Leia mais

Ligação Nova Baixa Tensão com Agendamento. Roland Artur Salaar Junior

Ligação Nova Baixa Tensão com Agendamento. Roland Artur Salaar Junior XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Ligação Nova Baixa Tensão com Agendamento Roland Artur Salaar Junior Companhia Paulista

Leia mais

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE GESTÃO PÚBLICA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que em 2020 Santa Maria seja um município que preste Serviços de Qualidade a seus cidadãos, com base

Leia mais

RELAÇÕES FORMAIS E INFORMAIS ENTRE CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA E MUNICÍPIO. Carlos Augusto Ramos Kirchner

RELAÇÕES FORMAIS E INFORMAIS ENTRE CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA E MUNICÍPIO. Carlos Augusto Ramos Kirchner RELAÇÕES FORMAIS E INFORMAIS ENTRE CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA E MUNICÍPIO Carlos Augusto Ramos Kirchner 1 2 RELAÇÕES FORMAIS E INFORMAIS CONCESSIONÁRIA x MUNICÍPIO Como se dão estas relações O que fazer

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB O QUE É O Plano Diretor de Transporte e da Mobilidade é um instrumento da política de desenvolvimento urbano, integrado ao Plano Diretor do município,

Leia mais

ADVOGADOS E CONSULTORES

ADVOGADOS E CONSULTORES ADVOGADOS E CONSULTORES QUEM SOMOS Com mais de 25 anos de experiência nas áreas jurídica e ambiental, o escritório DIAS LOPES ADVOGADOS E CONSULTORES está focado em atender as necessidades do mercado em

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE 118 IABAS Relatório de Gestão Rio de Janeiro 2010/2011/2012 Programa de Sustentabilidade nas Unidades de Saúde O Programa de Sustentabilidade promove

Leia mais

Assembleia Geral Ordinária da AMUPE

Assembleia Geral Ordinária da AMUPE Assembleia Geral Ordinária da AMUPE 01 de dezembro de 2014 Transferência dos Ativos de Iluminação Pública Condições em que se encontram os Ativos Objetivos Comentar os principais focos que o gestor público

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Câmpus FLORIANÓPOLIS. 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade 0 0,00%

Câmpus FLORIANÓPOLIS. 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade 0 0,00% Diagnóstico Planejamento PDI 2014-2018 Período de respostas: 05/09/13 a 18/09/13 Questionários Respondidos 52 Docentes 30 57,69% Técnicos-Administrativos 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade

Leia mais

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 1. OBJETIVO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes necessárias para o adequado gerenciamento

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

Marcos Damas. www.bethaconsultoria.com.br. Prezados (as) Senhores (as),

Marcos Damas. www.bethaconsultoria.com.br. Prezados (as) Senhores (as), Prezados (as) Senhores (as), A BETHA CONSULTORIA EM SEGURANÇA DO TRABALHO é uma empresa especializada em assessoria e prestação de serviços na área de segurança e medicina do trabalho para os mais diversos

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Programa Nº 03/2012 SENAI-SP. Projeto desenvolvido pelo CFP 5.12 Escola SENAI Celso Charuri. 2ª edição, revisão e

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL E GESTÃO DE PESSOAS (396 hs)

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL E GESTÃO DE PESSOAS (396 hs) MBA ASSER RIO CLARO 2010 MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL E GESTÃO DE PESSOAS (396 hs) Objetivos do curso: Capacitar os profissionais de gestão administrativa e de pessoas a refletir e agir na sua vida prática

Leia mais

AÇÕES PARA MELHORIA DO DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Palestrante: Luís Donizeti de Assis Elektro

AÇÕES PARA MELHORIA DO DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Palestrante: Luís Donizeti de Assis Elektro AÇÕES PARA MELHORIA DO DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Palestrante: Luís Donizeti de Assis Elektro 2o SEMINÁRIO PROCEL RELUZ AÇÕES PARA MELHORIA DO DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 12 DE 11 DE NOVEMBRO DE 1992

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 12 DE 11 DE NOVEMBRO DE 1992 SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 12 DE 11 DE NOVEMBRO DE 1992 O Conselho Municipal do Meio Ambiente COMAM, no uso das atribuições

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTRO 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS

Leia mais

METODOLOGIA PARA DIAGNÓSTICO TÉCNICO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Manoel Galdino da Silva Junior

METODOLOGIA PARA DIAGNÓSTICO TÉCNICO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Manoel Galdino da Silva Junior METODOLOGIA PARA DIAGNÓSTICO TÉCNICO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA Manoel Galdino da Silva Junior 1 Dissertação de mestrado apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Orientador: Prof. Dr. Luiz

Leia mais

Esfera Fiscal. Subfunção Administração Geral

Esfera Fiscal. Subfunção Administração Geral Governo do do Amazonas Secretaria de de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN Sistema de Planejamento, Orçamento e Gestão do do Amazonas SPLAM Pág. 3 de 2001 - da 25000 - Secretaria de de Infraestrutura

Leia mais

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014)

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Programa 2017 - Aviação Civil Número de Ações 26 Tipo: Operações Especiais 00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função:

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Há 25 anos, a Engepred associa o conhecimento sobre o mercado imobiliário à experiência de promover o melhor funcionamento de shoppings centers, prédios

Leia mais

Qualidade da Informação no Serviço de Auditoria em Saúde

Qualidade da Informação no Serviço de Auditoria em Saúde Qualidade da Informação no Serviço de Auditoria em Saúde Auditoria e Monitoramento dos Sistemas de Informação do SUS 1- O que é Auditoria 2- Objetivos e formas 3- Base Legal O que é Auditoria É a denominação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania A União dos Vereadores do Estado de São Paulo UVESP, desde 1977 (há 38 anos) promove parceria com o Poder Legislativo para torná-lo cada vez mais forte, através de várias ações de capacitação e auxílio

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Meta e Estratégias. Meta

EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Meta e Estratégias. Meta EDUCAÇÃO AMBIENTAL Meta e Estratégias Meta Universalizar a educação socioambiental em todos os níveis e modalidades de ensino, como uma prática inter, multi e transdisciplinar, contínua e permanente nos

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08

Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08 Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08 RME Rio Minas Energia Participações S.A Luce Brasil Fundo de Investimentos - LUCE Missão da Light: Ser uma grande empresa

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A.

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. A Agência Reguladora dos Serviços de Saneamento das Bacias dos

Leia mais

Ser percebida como empresa referência em ações de marketing de atendimento.

Ser percebida como empresa referência em ações de marketing de atendimento. MAIS MARKETING Uma empresa voltada para pesquisa de avaliação do atendimento e relacionamento com cliente. Nossa filosofia é oferecer ferramentas de gestão focadas na qualidade do atendimento, apresentando

Leia mais

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO Januário Montone II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 23: Inovações gerenciais na saúde O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO

Leia mais

Elementos Técnicos dos. Mara Souza

Elementos Técnicos dos. Mara Souza Elementos Técnicos dos Estudos de PPP Mara Souza Anexos Técnicos Estrutura Processo Resultado Anexos Técnicos Estrutura (costumeiro) Bens pré-existentes Arrolamento de bens Vida útil dos bens da concessão

Leia mais

MBA em Gestão de Ativos.

MBA em Gestão de Ativos. /biinternational /biinternational MBA em Gestão de Ativos. Unidade WTC www.biinternational.com.br O B.I. International O B.I. International é uma escola de educação executiva que propõe um Modelo Único

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa Índice 3 Resultados da pesquisa 17 Conclusão 19 Questionário utilizado na pesquisa Esta pesquisa é uma das ações previstas no Plano de Sustentabilidade para a Competitividade da Indústria Catarinense,

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES Governo do Estado do Espírito Santo Secretaria de Estado da Fazenda do Espírito Santo Subsecretaria de Estado da Receita Subsecretária do Tesouro Estadual Subsecretário de Estado para Assuntos Administrativos

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

case centro de controle operacional da supervia [ 60 ] OFFICE STYLE

case centro de controle operacional da supervia [ 60 ] OFFICE STYLE [ 60 ] OFFICE STYLE Centro de Controle Operacional da Supervia Trens Urbanos G&A Arquitetura adota recursos de última geração aplicados aos conceitos de ergonomia OFFICE STYLE [ 61 ] A concessão do transporte

Leia mais

CONHEÇA NOSSA EMPRESA:

CONHEÇA NOSSA EMPRESA: CONHEÇA NOSSA EMPRESA: HISTÓRICO A RC Consultoria esta em atividade desde o ano de 2007 na área de consultoria em gestão empresarial, levando para os nossos clientes um otimo portfólio de serviços para

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO 2 INFRAESTRUTURA DE TI Para garantir o atendimento às necessidades do negócio, a área de TI passou a investir na infraestrutura do setor, ampliando-a,

Leia mais

Módulo Imobiliária. Proposta comercial

Módulo Imobiliária. Proposta comercial Módulo Imobiliária Proposta comercial Data: 24/10/2012 Página 1/6 Índice 1 Apresentação... 3 2 O Projeto... 3 3 Desenvolvimento do projeto... 4 4 Âmbito de intervenção do cliente... 4 5 Compromissos da

Leia mais

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RILEY RODRIGUES Conselho Empresarial de Infraestrutura Sistema FIRJAN Principais desafios Os programas precisam ser estruturados, dentro de seus setores, como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA Cássia Regina Batista Clarissa Kellermann de Moraes Ivan Mário da Silveira Márcia Dietrich Santiago Proposta

Leia mais

ANEXO DO CONTRATO. Anexo 9 LISTA DE BENS REVERSÍVEIS

ANEXO DO CONTRATO. Anexo 9 LISTA DE BENS REVERSÍVEIS ANEXO DO CONTRATO Anexo 9 LISTA DE BENS REVERSÍVEIS Dezembro - 2013 Anexo 9: Lista de Bens Reversíveis Índice 1. Introdução... 3 2. Reversão dos bens... 3 2 1. Introdução BENS REVERSÍVEIS são todos os

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente Natal, 2011 1. Quem somos 2. Histórico da Gestão Estratégica 3. Resultados práticos 4. Revisão

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética A realização de diagnóstico energético envolve um conjunto bastante diversificado de atividades,

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

Carlos Alberto Calixto Mattar Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição - SRD. São Paulo - SP 1º de junho de 2015

Carlos Alberto Calixto Mattar Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição - SRD. São Paulo - SP 1º de junho de 2015 Carlos Alberto Calixto Mattar Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição - SRD São Paulo - SP 1º de junho de 2015 Definição; Classificação; Prestação do Serviço; Contrato de Fornecimento;

Leia mais

Gestão da Iluminação Pública - Redes Inteligentes. Cesar Teixeira. Citéluz Serviços de Iluminação Urbana SA

Gestão da Iluminação Pública - Redes Inteligentes. Cesar Teixeira. Citéluz Serviços de Iluminação Urbana SA Gestão da Iluminação Pública - Redes Inteligentes Cesar Teixeira Citéluz Serviços de Iluminação Urbana SA I SEMINÁRIO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA EFICIENTE Juiz de Fora / MG - 31/08/2011 Parceiro da luz 34%

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

PALESTRA CONFEA. Ricardo Garcia França

PALESTRA CONFEA. Ricardo Garcia França PALESTRA CONFEA Ricardo Garcia França OGU HOJE Ciclo que se encerra 40 Ouvidorias em 2002 para 165 em 2011; Investimento em criação de ouvidorias e capacitação PRIORIDADES Fortalecer sistema de Ouvidorias

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Sistema de Controle e Gerenciamento de intervenções em Rede de Distribuição De Água Gestão das Reclamações de Falta de Água Setembro/2010 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

Leia mais

GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores. Apresentação SERVIÇO PÚBLICO RELEVANTE

GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores. Apresentação SERVIÇO PÚBLICO RELEVANTE GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores Apresentação A Rede de Nacional de Consultores "ad hoc" do Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GesPública se constitui elemento de suma importância

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS COMO ELABORAR ORIENTAÇÕES IMPORTANTES CARTA DE SERVIÇOS. 1) Carta de Serviços. 2) Finalidades

CARTA DE SERVIÇOS COMO ELABORAR ORIENTAÇÕES IMPORTANTES CARTA DE SERVIÇOS. 1) Carta de Serviços. 2) Finalidades COMO ELABORAR CARTA DE SERVIÇOS ORIENTAÇÕES IMPORTANTES 1) Carta de Serviços É um documento elaborado por uma organização pública que visa informar aos cidadãos quais os serviços prestados por ela, como

Leia mais

Internet Cidadão Quissamã

Internet Cidadão Quissamã Internet Cidadão Quissamã Agenda Introdução Internet Cidadão Rede Prefeitura Situação Internet Cidadão Setembro de 2005 Ausência de provedores locais de acesso à Internet 2 Empresas de Informática (cerca

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário

Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário Gerência de Gestão Portuária Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuária Trata-se de um processo contínuo e adaptativo, envolvendo condicionantes ambientais,

Leia mais

Itatiba: Cidade + Inteligente. Novembro 2014

Itatiba: Cidade + Inteligente. Novembro 2014 Itatiba: Cidade + Inteligente Novembro 2014 concepção projeto inovador na gestão do patrimônio e dos serviços prestados pelo município por meio de um sistema digital que possibilitará o monitoramento e

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3.

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. PROBLEMA: É UM OBSTÁCULO QUE ESTÁ ENTRE O LOCAL ONDE SE ESTÁ E O LOCAL EM QUE SE GOSTARIA DE ESTAR. ALÉM DISSO, UM PROBLEMA

Leia mais

NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO. Módulo 3

NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO. Módulo 3 NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO Módulo 3 Sistema Metropolitano de Informações Georreferenciadas MetroGeo Curso Noções de Geoprocessamento Módulo 3 Oscar Ricardo M. Schmeiske Programação Curso Noções de Geoprocessamento

Leia mais

Projeto Você pede, eu registro.

Projeto Você pede, eu registro. Projeto Você pede, eu registro. 1) IDENTIFICAÇÃO 1.1) Título do Projeto: Você pede eu registro. 1.2) Equipe responsável pela coordenação do projeto: Pedro Paulo Braga Bolzani Subsecretario de TI Antonio

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

BANCO DE PROJETOS. A infra-estrutura dos Estados e Municípios necessita ser planejada;

BANCO DE PROJETOS. A infra-estrutura dos Estados e Municípios necessita ser planejada; BANCO DE PROJETOS É O ACERVO DE PROJETOS EXECUTADOS COM ANTERIORIDADE PARA DAR SUPORTE A UM PROGRAMA DE OBRAS, ESPECIALMENTE DE MÉDIO E LONGO PRAZO, COM VISTAS A UM EFICIENTE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

Otimização no fluxo de informação através de ferramenta eletrônica. Confecção de notas fiscais, holerites, boletos bancários.

Otimização no fluxo de informação através de ferramenta eletrônica. Confecção de notas fiscais, holerites, boletos bancários. Soluções - Hardwares OUTSOURCING DE IMPRESSÃO Consultoria Técnica Projeto de reengenharia de impressão. BILHETAGEM - ACCOUNTING Gestão e gerenciamento de impressão. WORKFLOW Otimização no fluxo de informação

Leia mais

A Lei de Diretrizes da Política

A Lei de Diretrizes da Política A Lei de Diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012 Ipea, 06 de janeiro de 2012 Sumário Objetivo: avaliar a nova Lei de Diretrizes da Política de Nacional

Leia mais

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Contexto Perfil de emissões MCTI Ministério do Meio Ambiente Objetivos Ampliar e aprimorar a participação

Leia mais

Fatec Jundiaí. Ana Carolina. prof.anacarolina@fatecjd.edu.br

Fatec Jundiaí. Ana Carolina. prof.anacarolina@fatecjd.edu.br Fatec Jundiaí Ana Carolina prof.anacarolina@fatecjd.edu.br Cursos oferecidos 1º. Sem 2013 Nível Técnico 124 Nível Tecnológico 65 Setores - Industrial, Agropecuário e de Serviços municípios 155 Empregabilidade

Leia mais

PPRDOC PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS

PPRDOC PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS PPRDOC PROGRAMA DE E DE DOENÇAS OCUPACIONAIS E CRÔNICAS APRESENTAÇÃO Prezados, A MCA Saúde e Bem-Estar é uma empresa especializada em planejar, implantar, aperfeiçoar e coordenar programas, projetos e

Leia mais

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA EIXO Macroação ATIVIDADES Compor a equipe técnica com experiências no trabalho de desenvolvimento de comunidade. Identificar

Leia mais

BILLY ROD GUIMARÃES MATIAS Consultor de Negócios

BILLY ROD GUIMARÃES MATIAS Consultor de Negócios BILLY ROD GUIMARÃES MATIAS Consultor de Negócios 10.09.2014 QUEM SOMOS Opera como um Banco de Desenvolvimento Atuação de forma integrada com as entidades do Governo Estadual Operações com recursos próprios

Leia mais