GERENCIADOR INTELIGENTE DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERENCIADOR INTELIGENTE DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA."

Transcrição

1

2 GERENCIADOR INTELIGENTE DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA.

3 O e-eficiência foi desenvolvido em plataforma WEB, o que permite o acesso das pessoas autorizadas através de Desktops, Notebooks e Tablet s, propiciando uma maior mobilidade de todos os atores envolvidos com o processo de Atendimento, Manutenção e Gerenciamento da Rede de Iluminação Pública. O foco principal é permitir à Administração Municipal: a)- O Conhecimento da rede de Iluminação Pública. b)- O Gerenciamento de Estoque de material. c)- O acompanhamento da operação das empreiteiras. d)- Atendimento ao cidadão.

4 O e-eficiência atende a qualquer porte de Município, desde os menores até as grandes capitais, uma vez que não exige grandes recursos técnicos pois, todo a base de dados fica armazenada na nuvem e é gerenciada por nossa empresa, em servidores de grande capacidade e performance. Com o e-eficiência o Município passa a controlar todas as etapas que compõem os serviços de manutenção da Rede de Iluminação Pública. As empresas contratadas para o serviço de manutenção passam a ser controladas pelo e-eficiência desde a solicitação de manutenção até as medições mensais para pagamento pelos serviços realizados.

5 PORQUE IMPLANTAR O e-eficiência? Até a edição da Portaria 456 da Aneel, as Concessionárias de Energia Elétrica eram as responsáveis pela manutenção das Redes de Iluminação Pública na grande maioria dos Municípios Brasileiros. Mas, a 456 exigiu que todo o parque de iluminação pública fosse entregue a quem de direito: os Municípios. Todavia, não houve a preocupação em dotar os Municípios de estrutura capaz de suportar tal encargo. A solução imediata foi a contratação de empresas especializadas para que assumissem a tarefa. Assim, as empreiteiras assumiram TODAS as tarefas inerentes, inclusive as de receber as reclamações quanto ao funcionamento da rede e dar prosseguimento ao atendimento destas reclamações. POUCO PRODUTIVO!!!

6 PORQUE IMPLANTAR O e-eficiência? O Município continuou refém de terceiros em uma atividade considerada essencial: manter a rede de iluminação pública. Além disto, o Município continuou SEM CONHECER o seu próprio parque de iluminação. A REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONTINUOU A SER UMA CAIXA PRETA que mensalmente representa custos que são assumidos SEM QUE SE POSSA DISCUTIR o que de fato foi realizado. A transparência da Administração Municipal fica comprometida, uma vez que o cidadão NÃO vê resultados: são lâmpadas queimadas, lâmpadas acesas durante o dia, que só repercutem em custos, tanto de segurança da população, quanto na insatisfação desta.

7 O e-eficiência MUDA TUDO. Todo a rede de Iluminação Pública é vistoriada, POSTE A POSTE, e estes recebem uma identificação única: cada poste da rede é numerado de forma visível para o cidadão. Cada poste da rede é analisada em todos os seus componentes: Tipos de Lâmpadas, Luminárias, reatores, fotocélulas, braço, suporte, enfim, cada um recebe uma Certidão de Nascimento completa. Todos os Postes são georeferenciados, isto é, a sua localização espacial é determinada com precisão. Isto tem a finalidade de facilitar a localização de cada poste da rede em um mapa de georeferenciamento. Veja no próximo slide.

8 O e-eficiência MUDA TUDO. Clicando sobre as coordenadas, o programa mostra no mapa a real posição de cada ponto de iluminação.

9 O e-eficiência MUDA TUDO. Usando os recursos do Google Street View, podemos visualizar o ponto de iluminação de forma a dirimir possíveis duvidas. Com este recurso, além de uma perfeita visualização do ponto de iluminação, pode-se inclusive detectar o uso do poste para outras finalidades não autorizada pela Prefeitura. Veja no detalhe:

10 SITUAÇÃO ANTES DO e-eficiência Prefeitura Empreiteira Fornecedores Rede de Iluminação Pública Tudo o que acontece a partir da empreiteira é uma incógnita para a Administração Municipal que recebe mensalmente a CONTA, sem ter conhecimento e argumentos para questionar.

11 SITUAÇÃO DEPOIS DO e-eficiência Prefeitura Fornecedores e-eficiência Empreiteira Rede de Iluminação Pública A Prefeitura passa a ter o efetivo CONTROLE sobre tudo o que envolve a sua Rede de Iluminação Pública, usando o e-eficiência como ferramenta de gerenciamento, tanto dos fornecedores de equipamento e insumos, quanto da performance da empreiteira.

12 O e-eficiência em ação. Canal 0800 colocado à disposição da população para que possa informar e registrar ocorrências com a rede de iluminação pública, melhorando o atendimento e a transparência. Efetivo controle das garantias e prazos de validade dos diversos equipamentos e insumos que compõem a rede de iluminação pública. Acompanhamento dos prazos de atendimentos às Ordens de Serviços por parte das empreiteiras. Fechamento mensal das medições realizadas pelo e-eficiência e não pelas empreiteiras. Cálculo aproximado da conta de fornecimento de energia com base na rede instalada para confronto com a cobrança feita pela concessionária. Efetivo Controle do estoque de material. Viabilização de estudo de economicidade na rede, com vistas a projetos de eficientização no consumo de energia, bem como nos prédios próprios da Prefeitura.

13 O e-eficiência em ação. AS CONCESSIONARIAS. Na grande maioria dos Municípios, as Concessionárias de Energia cobram das Prefeituras pelo fornecimento de energia elétrica, baseando-se em informações cadastrais sobre a composição de cada ponto de Iluminação Pública. Isto significa que a cobrança é feita da seguinte forma: X lâmpadas de??? Watts tipo Tal x 12 horas x 30 dias x Tarifa Este tipo de medição é chamada de ESTIMADA, e por isso, nunca reflete a realidade do consumo, principalmente porque, os componentes da rede de iluminação pública NÃO SÃO ATUALIZADOS pelas Concessionárias. Em muitos casos, o levantamento dos componentes da rede foram realizados a mais de 10, 5 anos. Assim, tudo o que eventualmente foi feito em termos de eficientização do consumo ao longo deste período não é considerado pela Concessionária.

14 O e-eficiência em ação. AS CONCESSIONARIAS. Para a implantação do e-eficiência, o primeiro passo é o CADASTRO DE TODOS OS PONTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA e o registro de cada item empregado em cada ponto. Ao final deste cadastramento, o primeiro PRODUTO que surge é a ESPECIFICAÇÃO CORRETA de cada ponto. Assim, já se poderá fazer o confronto entre as informações de cobrança utilizadas pela Concessionária e a que de fato existe. Em muitos Municípios, somente este procedimento já permite uma redução no valor da conta mensal de fornecimento de energia da ordem de 15% (quinze por cento).

15 O e-eficiência em ação. AS CONCESSIONARIAS. A partir da implantação do e-eficiência, mensalmente será extraído o relatório de Consumo Previsto e neste, constará o valor aproximado do total de energia consumida pela rede de iluminação pública. Bastará então fazer o confronto entre o valor apresentado pela Concessionária e o valor apurado pelo e-eficiência. Desta forma, a Administração Municipal estará assistida por informações consistentes para discutir com a concessionária os valores eventualmente cobrados a maior. O FUTURO. A rede de iluminação pública será dividia em Seções para a instalação de medidores. Cobrança justa.

16 MÓDULO DE GERENCIAMENTO INTERNO. O e-eficiência parte do Cadastramento de todos os Pontos de Iluminação Pública, que passam a ser identificados por um número a ser afixado em cada poste e na etiqueta de numeração, informamos o número do 0800 a ser acionado pelo cidadão quando este desejar informar algum tipo de problema na rede. Além da identificação numérica de cada poste, são coletadas todas as informações sobre os itens que compõem cada ponto ( Tipo de lâmpada, luminária, braço etc...) e ainda, são coletadas as Coordenadas Cartesianas para que seja feito o georeferenciamento de cada ponto. O processo de cadastramento dos Pontos de Iluminação leva de 30 a 90 dias, prazo este determinado pelo número de pontos de Iluminação da Rede.

17 MÓDULO DE GERENCIAMENTO INTERNO. Este módulo prevê o cadastramento dos seguintes itens que podem compor um Ponto de Iluminação Pública. São cadastrados os diversos tipos de braços existentes: Braço Curvo. Braço Reto. E qualquer outro modelo utilizado na rede.

18 MÓDULO DE GERENCIAMENTO INTERNO. Este módulo prevê o cadastramento dos seguintes itens que podem compor um Ponto de Iluminação Pública. São cadastrados os diversos tipos de luminárias usadas na rede: E qualquer outro modelo utilizado na rede.

19 MÓDULO DE GERENCIAMENTO INTERNO. Este módulo prevê o cadastramento dos seguintes itens que podem compor um Ponto de Iluminação Pública. São cadastrados os diversos tipos de lâmpadas usadas na rede: E qualquer outro modelo utilizado na rede.

20 MÓDULO DE GERENCIAMENTO INTERNO. Este módulo prevê o cadastramento dos seguintes itens que podem compor um Ponto de Iluminação Pública. São cadastrados os diversos tipos de reatores usados na rede: E qualquer outro modelo utilizado na rede.

21 MÓDULO DE GERENCIAMENTO INTERNO. Este módulo prevê o cadastramento dos seguintes itens que podem compor um Ponto de Iluminação Pública. São cadastrados os diversos tipos de Postes usados na rede: E qualquer outro modelo utilizado na rede.

22 MÓDULO DE GERENCIAMENTO INTERNO. Este módulo prevê o cadastramento dos seguintes itens que podem compor um Ponto de Iluminação Pública. São cadastrados os diversos tipos de Soquetes (bocal)usados na rede: E qualquer outro modelo utilizado na rede.

23 MÓDULO DE GERENCIAMENTO INTERNO. Este módulo prevê o cadastramento dos seguintes itens que podem compor um Ponto de Iluminação Pública. São cadastrados os diversos tipos de Cruzetas, quando usadas na rede: E qualquer outro modelo utilizado na rede.

24 MÓDULO DE GERENCIAMENTO INTERNO. Este módulo prevê o cadastramento dos seguintes itens que podem compor um Ponto de Iluminação Pública. São cadastrados os diversos tipos de Suporte, quando usados na rede: E qualquer outro modelo utilizado na rede.

25 MÓDULO DE GERENCIAMENTO INTERNO. Todos os logradouros do Município são cadastrados no sistema. Quando for realizado o cadastramento dos Pontos de Iluminação, estes serão vinculados ao logradouro onde estão situados. Esta medida permite a imediata localização de cada ponto e ainda, quando da recepção das informações quanto a defeitos na rede, os atendentes do Call Center podem confirmar se o número do ponto informado pelo 0800, de fato corresponde ao logradouro onde está cadastrado.

26 MÓDULO DE GERENCIAMENTO INTERNO. Este módulo prevê o cadastramento das empreiteiras envolvidas com a Manutenção dos Pontos de Iluminação Pública. Todas as empreiteiras envolvidas com a manutenção da Rede de Iluminação Pública são cadastradas no sistema. Cada Ponto de Iluminação Pública é vinculado à uma empreiteira e, desta forma, as ordens de serviços são encaminhadas eletronicamente para a que for responsável pelo ponto que apresentar problema. A qualquer tempo o administrador do sistema pode fazer verificações quanto ao atendimento de cada empreiteira, bem como realizar o fechamento mensal das medições por empreiteira.

27 MÓDULO DE GERENCIAMENTO INTERNO. Feitos todo os cadastros previsto, podemos passar à identificação e localização de cada Ponto de Iluminação. Coordenadas para localização do Poste. Endereço de localização Itens que compõem o ponto de iluminação. Empreiteira responsável.

28 MÓDULO INTERNO EMPREITEIRAS. Esta é a tela que a empreiteira tem acesso. O.S. em aberto aguardando atendimento. Fechamento das OS Atendidas. Consulta às OS já atendidas. Nesta tela a empreiteira tem acesso exclusivo ao seu módulo. Nela estão todos os itens que dizem respeito às O.S.. Consulta às OS aprovadas pela Fiscalização da Prefeitura TUDO MUITO RÁPIDO E SEGURO.

29 MÓDULO DE ATENDIMENTO CALL CENTER. A partir do cadastramento de todos os Pontos de Iluminação, o sistema está pronto para iniciar o atendimento à população através do O módulo do Call Center é de simples operação. Acionado o Call Center o operador abre o programa na tela de registro de ocorrências. Recomenda-se que seja solicitado o CPF do cidadão que está registrando a ocorrência e isto, para minimizar as informações falsas. Basta ao operador informar o Número do Poste para que o programa puxe da base de dados todas as informações. O operador registra o tipo de ocorrência, e pode ainda registrar um ponto de referência para facilitar o atendimento.

30 MÓDULO DE ATENDIMENTO CALL CENTER. Ainda na tela de Atendimento, preparamos um campo que chamamos de campo MEMO para que o operador possa registrar alguma outra informação que possa ser do interesse da Administração Municipal. Com o passar do tempo, estas informações podem ser importantes para tomadas de decisões quanto a que tipo de equipamento instalar, que proteção deve ser disponibilizada etc...

31 e-eficiência Naturalmente que o assunto não se esgota nesta apresentação que, pretende somente dá uma visão geral sobre o produto mas, acreditamos que seja suficiente para o Administrador Público visualizar os benefícios que o e-eficiência pode agregar ao dia a dia do Gerenciamento da Rede de Iluminação Pública. e-eficiência A ferramenta que faltava.

32 INSTITUTO BRASILEIRO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL RIO DE JANEIRO Rua do Rosário, 99 6º. andar - Centro (21) Acesse: SÃO PAULO Rua Vergueiro, 2087 Conj Vila Mariana (11) Fale com o IBRADI: SAQUAREMA-RJ Rua Dr. Luiz Januário, 406 Sala Centro (21)

INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA

INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Premissas para lidar com a iluminação urbana 1. Aspirações da

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

Programa de Gestão do Sistema de Iluminação Pública - PROILUMINA

Programa de Gestão do Sistema de Iluminação Pública - PROILUMINA Programa de Gestão do Sistema de Iluminação Pública - PROILUMINA O Programa de Gestão do Sistema de Iluminação Pública - PROILUMINA, tem por objetivo a realização da operação, manutenção, expansão e inovação

Leia mais

sistema para gerenciamento inteligente de infraestrutura e serviços urbanos

sistema para gerenciamento inteligente de infraestrutura e serviços urbanos V2.3 DATA SHEET GERENCIAMENTO AUTOMATIZADO DE ORDENS DE SERVIÇO GERENCIAMENTO MÓVEL DE INCIDENTES CONTROLE MÓVEL E REMOTO DE PROCESSOS DE MANUTENÇÃO INSPEÇÕES E LEVANTAMENTOS VIA SMARTPHONE CADASTRAMENTO

Leia mais

AÇÕES PARA MELHORIA DO DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Palestrante: Luís Donizeti de Assis Elektro

AÇÕES PARA MELHORIA DO DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Palestrante: Luís Donizeti de Assis Elektro AÇÕES PARA MELHORIA DO DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Palestrante: Luís Donizeti de Assis Elektro 2o SEMINÁRIO PROCEL RELUZ AÇÕES PARA MELHORIA DO DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI COMISSÃO SETORIAL PERMANENTE DE LICITAÇÃO COSEL/OBRAS TERMO DE REFERÊNCIA

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI COMISSÃO SETORIAL PERMANENTE DE LICITAÇÃO COSEL/OBRAS TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Gestão Plena do Sistema de Iluminação Pública e Gerenciamento do Sistema Elétrico dos Prédios Públicos do Município de Camaçari Bahia. 1. OBJETIVO Este termo de referência e seus anexos

Leia mais

ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Manual de orientação para Transferência de ativos A NOS

ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Manual de orientação para Transferência de ativos A NOS ILUMINAÇÃO PÚBLICA Manual de orientação para Transferência de ativos A NOS C O M V O C Ê EXPEDIENTE Presidente Eng. Francisco Kurimori Coordenador da Câmara Especializada de Engenharia Elétrica Eng. Paulo

Leia mais

Manual do Sistema de Patrimônio P á g i n a 2. Manual do Sistema de Patrimônio. Núcleo de Informática. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Manual do Sistema de Patrimônio P á g i n a 2. Manual do Sistema de Patrimônio. Núcleo de Informática. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Divisão de Patrimônio DIPM/GRM/PRAD Manual do Sistema de Patrimônio Versão On-Line Núcleo de Informática Universidade Federal de Mato Grosso do Sul P á g i n a 2 Manual do Sistema de Patrimônio Núcleo

Leia mais

GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA VISÃO DA PREFEITURA. Palestrantes: Gustavo Mapurunga Valdir de Oliveira. Prefeitura de Fortaleza

GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA VISÃO DA PREFEITURA. Palestrantes: Gustavo Mapurunga Valdir de Oliveira. Prefeitura de Fortaleza GESTÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA VISÃO DA PREFEITURA Palestrantes: Gustavo Mapurunga Valdir de Oliveira Prefeitura de Fortaleza Citéluz Iluminaçao Pública - IP GESTÃO COMPLETA da IP em Fortaleza Sumário QUEM

Leia mais

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS ILUMEXPO 2015 4ª Exposição e Fórum de Gestão de Iluminação Pública Luciana Hamada / Junho 2015 IBAM, MUNICÍPIO E

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E OPERACIONAL EM EMPRESAS DE SANEAMENTO

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E OPERACIONAL EM EMPRESAS DE SANEAMENTO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E OPERACIONAL EM EMPRESAS DE SANEAMENTO MARCOS ANTONIO DANELLA Quem Somos Engenheiro, Administrador, professor PUC Campinas Gerente Regional de Operações no Setor Elétrico (29 anos)

Leia mais

INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA

INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA O InterLIMS se apresenta

Leia mais

O Portal da Prefeitura de Olivedos foi construído levando em conta: Livre acesso sem necessidade de cadastro prévio ou senha.

O Portal da Prefeitura de Olivedos foi construído levando em conta: Livre acesso sem necessidade de cadastro prévio ou senha. Prefeitura Municipal de Olivedos MANUAL PRÁTICO DE NAVEGAÇÃO APRESENTAÇÃO Este é o Manual de Navegação da Prefeitura Municipal da cidade de Olivedos - PB. Tem linguagem simples e é ilustrado para que você,

Leia mais

Índice 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. CADASTRO DA EMPRESA... 8 3. CONTROLE DE PERMISSÕES... 14 4. CONFIGURAÇÕES DA EMPRESA... 19 5. CND...

Índice 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. CADASTRO DA EMPRESA... 8 3. CONTROLE DE PERMISSÕES... 14 4. CONFIGURAÇÕES DA EMPRESA... 19 5. CND... Sage CND Índice 1. APRESENTAÇÃO... 1 1.1. Primeiro Acesso... 2 1.2. Conhecendo a Plataforma Sage... 4 1.2.1. Seleção de Empresa de Trabalho... 4 1.2.2. Sair do sistema/minhas Configurações... 5 1.2.3.

Leia mais

ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO

ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO Contratação de Serviços de Engenharia para Instalação de Novos Pontos de IP e Complementação da Eficientização do Sistema de Iluminação Pública de Porto Alegre ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Utilização de Sistema de Informação Geográfica em dispositivos móveis aplicados ao cadastro

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Manual do Sistema

Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Manual do Sistema 1 Índice Apresentação... 3 Entrada no sistema... 4 Manual da NFe de Serviços Módulo Tomador... 5 Consultar RPS Recibo Provisório de Serviços... 6 Verificar a Autenticidade de Nota Fiscal...7 Geração de

Leia mais

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica Encontro do Conselho de Consumidores da AES Eletropaulo (Conselpa) e Conselho Coordenador das Associações Amigos de Bairros, Vilas e Cidades de SP (Consabesp). Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais

Leia mais

A Gestão da Iluminação Pública e os Municípios. Silvio Aleixo

A Gestão da Iluminação Pública e os Municípios. Silvio Aleixo A Gestão da Iluminação Pública e os Municípios Silvio Aleixo Gestão de Iluminação Pública (IP) Brasil Gestão da Iluminação Pública (IP) Estado de São Paulo Gestão Municipal Resolução 414/2010, Art. 218

Leia mais

SGF Sistema de Gerenciamento da Fiscalização

SGF Sistema de Gerenciamento da Fiscalização SGF Sistema de Gerenciamento da Fiscalização Perfil Agente Vice-Presidência de Relacionamento, Desenvolvimento e Tecnologia Gerência de Treinamento a Clientes Centro Educacional Prodam SGF Sistema de Gerenciamento

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS EXTRAJUDICIAL SIG-EX

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS EXTRAJUDICIAL SIG-EX SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS EXTRAJUDICIAL SIG-EX Atualizado em 27.05.2011 MANUAL DO USUÁRIO 1. Apresentação 1.1. Acessando o Sistema 1.2. Tela Principal 2. Página Principal SUMÁRIO 3. Módulo Corregedoria

Leia mais

Assembleia Geral Ordinária da AMUPE

Assembleia Geral Ordinária da AMUPE Assembleia Geral Ordinária da AMUPE 01 de dezembro de 2014 Transferência dos Ativos de Iluminação Pública Condições em que se encontram os Ativos Objetivos Comentar os principais focos que o gestor público

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 006/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 006/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 006/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: AES Brasil AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Consulta Pública 006/2015 de 15/06/2015.

Leia mais

Cópia válida somente na INTRANET

Cópia válida somente na INTRANET Página: 1/12 Portaria DC nº. 7-A/2014, de 1 OBJETIVO Estabelecer o procedimento a ser adotado para coleta dos dados e apuração dos padrões de atendimento comercial, de modo a atender ao que estabelece

Leia mais

Agência Virtual Canal Prefeituras Procedimento Operacional Cadastro de Serviços

Agência Virtual Canal Prefeituras Procedimento Operacional Cadastro de Serviços Procedimento Operacional Prefeituras Documento Público Agência Virtual Canal Prefeituras Procedimento Operacional Cadastro de Serviços Gerência de Relacionamento Comercial com Clientes Especiais do Poder

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO... 3 INTEGRAÇÃO COM O EMPRESÁRIOERP... 3 AGILIDADE NOS PROCESSOS E APOIO AOS CONTROLES INTERNOS... 3 SAC - ATENDIMENTO...

Sumário INTRODUÇÃO... 3 INTEGRAÇÃO COM O EMPRESÁRIOERP... 3 AGILIDADE NOS PROCESSOS E APOIO AOS CONTROLES INTERNOS... 3 SAC - ATENDIMENTO... Sumário INTRODUÇÃO... 3 INTEGRAÇÃO COM O EMPRESÁRIOERP... 3 AGILIDADE NOS PROCESSOS E APOIO AOS CONTROLES INTERNOS... 3 SAC - ATENDIMENTO... 4 CADASTRO DO TIPO DO ATENDIMENTO... 5 CADASTRO DE CATEGORIAS...

Leia mais

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS Bem-vindo(a) ao primeiro módulo do curso! A partir de agora você conhecerá as principais características do sistema HÓRUS. Para iniciar, você saberia dizer por que este sistema

Leia mais

Contrato Comercial. Objetivo: Setup - Plataforma de E-commerce. Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão...

Contrato Comercial. Objetivo: Setup - Plataforma de E-commerce. Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão... Contrato Comercial Objetivo: Setup - Plataforma de E-commerce Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão... : Emitido por: 0 Contrato Comercial Pelo presente instrumento, firma-se o acordo comercial

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO. SOLUÇÕES INTEGRADAS EM ÁGUA E ENERGIA ELÉTRICA Tema 3: Eficiência Energética

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO. SOLUÇÕES INTEGRADAS EM ÁGUA E ENERGIA ELÉTRICA Tema 3: Eficiência Energética COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos 1.0 Apresentação Este Relatório Preliminar apresenta uma sugestão de processos de medição dos resultados da aplicação

Leia mais

A Comunicação Inteligente

A Comunicação Inteligente DIRET@ A Comunicação Inteligente Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Institucional. Explicações sobre como ver a apresentação dentro do que foi programado. Para que seja possível acompanhar todo o

Leia mais

O Portal da Prefeitura de Assunção foi construído levando em conta: Livre acesso sem necessidade de cadastro prévio ou senha.

O Portal da Prefeitura de Assunção foi construído levando em conta: Livre acesso sem necessidade de cadastro prévio ou senha. Prefeitura Municipal de Assunção MANUAL PRÁTICO DE NAVEGAÇÃO APRESENTAÇÃO Este é o Manual de Navegação da Prefeitura Municipal da cidade de Assunção - PB. Tem linguagem simples e é ilustrado para que você,

Leia mais

Prezado Futuro Cliente

Prezado Futuro Cliente Prezado Futuro Cliente É com grade satisfação que encaminhamos nossa apresentação institucional e certos de estabelecermos uma parceria de sucesso e duradoura. Ela foi desenvolvida com objetivo de mostrar

Leia mais

Tarifa Social de Energia Elétrica Conheça as novas regras do Programa!

Tarifa Social de Energia Elétrica Conheça as novas regras do Programa! Tarifa Social de Energia Elétrica Conheça as novas regras do Programa! 1FOLDER_TARIFA_SOCIAL_alt.indd 1 30/11/12 18:25 O que é a Tarifa Social de Energia Elétrica? São descontos na conta de energia elétrica

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100.

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100. Consumo Consumo refere-se à energia consumida num intervalo de tempo, ou seja, o produto da potência (kw) da carga pelo número de horas (h) em que a mesma esteve ligada. Analisando graficamente o exemplo

Leia mais

CADASTROS BÁSICOS DO SISTEMA TOPONE

CADASTROS BÁSICOS DO SISTEMA TOPONE Vamos detalhar neste tutorial os cadastros básicos do sistema TOPOne, leia atentamente os conceitos e recursos para conhecer e utilizar melhor esta ferramenta que tem o objetivo de ajudar e organizar a

Leia mais

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento A solução para relacionamento de Smart Grid com os consumidores Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento asmart Grid + Relacionamento ferramenta

Leia mais

SUPERINTENDENCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO INSTRUÇÃO DE TRABALHO PROCON TELEATENDIMENTO

SUPERINTENDENCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO INSTRUÇÃO DE TRABALHO PROCON TELEATENDIMENTO Sistema de Gestão do Programa Vapt Vupt SUPERINTENDENCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO INSTRUÇÃO DE TRABALHO PROCON TELEATENDIMENTO 151 Responsável: Marcos Rosa de Araújo Cópia Controlada - Revisão

Leia mais

TUTORIAL ORDEM DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS

TUTORIAL ORDEM DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS Neste tutorial detalharemos o controle de ordens de serviços para a manutenção de equipamentos, tais como: Eletrônicos Celulares e smartphones Eletrodomésticos Ferramentas elétricas Máquinas Motores O

Leia mais

Gestão de Projetos. - Modelos de Produção. - Parâmetros de Produção. - Projetos. - Itens de Material. - Composições

Gestão de Projetos. - Modelos de Produção. - Parâmetros de Produção. - Projetos. - Itens de Material. - Composições Gestão de Projetos - Modelos de Produção - Parâmetros de Produção - Projetos - Itens de Material O SIPLAG Projetos é um sistema voltado à gestão de projetos, permitindo seu planejamento, acompanhamento,

Leia mais

Manual do Sistema Nota Fiscal Eletrônica de Serviços (Contador)

Manual do Sistema Nota Fiscal Eletrônica de Serviços (Contador) Manual do Sistema Nota Fiscal Eletrônica de Serviços (Contador) Índice: Manual do Sistema Usuário (Contador)... 1 Índice:... 2 Introdução:...Erro! Indicador não definido. Entrada no sistema:... 4 Acesso

Leia mais

Módulo SAC Atendimento ao Cliente

Módulo SAC Atendimento ao Cliente Módulo SAC Atendimento ao Cliente Objetivo O Módulo SAC ou Serviço de Atendimento ao Cliente é uma ferramenta que gerencia, cria e administra informações num canal de comunicação informatizado entre a

Leia mais

PESSOA FÍSICA e PESSOA JURÍDICA

PESSOA FÍSICA e PESSOA JURÍDICA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS SIASGnet - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS

Leia mais

GESTOR EMPRESARIAL E COMERCIAL

GESTOR EMPRESARIAL E COMERCIAL GESTOR EMPRESARIAL E COMERCIAL Modulo Extintores SISTEMA WEB E App SISTEMA GESTOR EWORK O sistema Gestor Ework procura atender as necessidades do empresário ao gerir sua empresa informatizando e organizando

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 03/2014. Onde se lia: 1.1.1 O presente objeto será parcelado em três itens específicos, a saber:

EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 03/2014. Onde se lia: 1.1.1 O presente objeto será parcelado em três itens específicos, a saber: EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 03/2014. A ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DA BAIXA MOGIANA - AMOG, por meio de seu Pregoeiro, no uso de suas atribuições, informa que devido à necessidades de adequação

Leia mais

RELAÇÕES FORMAIS E INFORMAIS ENTRE CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA E MUNICÍPIO. Carlos Augusto Ramos Kirchner

RELAÇÕES FORMAIS E INFORMAIS ENTRE CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA E MUNICÍPIO. Carlos Augusto Ramos Kirchner RELAÇÕES FORMAIS E INFORMAIS ENTRE CONCESSIONÁRIA DE ENERGIA E MUNICÍPIO Carlos Augusto Ramos Kirchner 1 2 RELAÇÕES FORMAIS E INFORMAIS CONCESSIONÁRIA x MUNICÍPIO Como se dão estas relações O que fazer

Leia mais

SIMPROC SISTEMA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO E CONTROLE DOCUMENTAL

SIMPROC SISTEMA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO E CONTROLE DOCUMENTAL 1 SIMPROC SISTEMA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO E CONTROLE DOCUMENTAL Toda organização, pública ou privada, independente de seu tamanho, deve constituir uma área para atendimento às demandas dos colaboradores

Leia mais

MANUAL DE MOVIMENTAÇÃO WEB POR FORMULÁRIO

MANUAL DE MOVIMENTAÇÃO WEB POR FORMULÁRIO Este manual tem o objetivo de orientar o preenchimento do formulário de Movimentação Web disponibilizado na área de Movimentação de beneficiários por formulário que fica na área restrita da empresa no

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA CONCESSIONÁRIA PPP PÁTIO VEICULAR INTEGRAL SÃO PAULO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA CONCESSIONÁRIA PPP PÁTIO VEICULAR INTEGRAL SÃO PAULO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA CONCESSIONÁRIA PPP PÁTIO VEICULAR INTEGRAL SÃO PAULO JANEIRO/2014 i ii ÍNDICE 1 INDRODUÇÃO... 4 2 MODELO DE REMUNERAÇÃO DO PARCEIRO PRIVADO... 4 3 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Especificação do KAPP-PPCP

Especificação do KAPP-PPCP Especificação do KAPP-PPCP 1. ESTRUTURA DO SISTEMA... 4 1.1. Concepção... 4 2. FUNCIONALIDADE E MODO DE OPERAÇÃO... 5 3. TECNOLOGIA... 7 4. INTEGRAÇÃO E MIGRAÇÃO DE OUTROS SISTEMAS... 8 5. TELAS E RELATÓRIOS

Leia mais

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Dezembro/2012 2 Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Sumário de Informações do Documento Título do Documento: Resumo:

Leia mais

Itatiba: Cidade + Inteligente. Novembro 2014

Itatiba: Cidade + Inteligente. Novembro 2014 Itatiba: Cidade + Inteligente Novembro 2014 concepção projeto inovador na gestão do patrimônio e dos serviços prestados pelo município por meio de um sistema digital que possibilitará o monitoramento e

Leia mais

SISTEMA PRÓPRIO DE GESTÃO INTEGRADO NA ÁREA COMERCIAL E 0800

SISTEMA PRÓPRIO DE GESTÃO INTEGRADO NA ÁREA COMERCIAL E 0800 SISTEMA PRÓPRIO DE GESTÃO INTEGRADO NA ÁREA COMERCIAL E 0800 Mauricio Kato da Silva Graduado em Administração pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Campus Poços de Caldas em 2001. Atua

Leia mais

SIGIP SISTEMA DE GESTÃO

SIGIP SISTEMA DE GESTÃO SISTEMA DE GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICAP Login Tela principal Sistema multiusuário com níveis de acesso - Administrador, editor, consulta, etc Sistemas de gestão da Iluminação PúblicaP Objetivo: Ferramenta

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SISTEMA DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES SUBSISTEMA MEDIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA I-321.00XX MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA PEP 1/27 1- OBJETIVO O presente manual tem o objetivo de orientar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Existem várias finalidades para medição de energia, dentre elas vamos destacar as seguintes: Consumo mensal de energia A grandeza medida é

Leia mais

MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimentos e Cuidados

MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimentos e Cuidados MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimento e Cuidados II Verificação pelo usuário do funcionamento seguro do elevador III Procedimentos a evitar na utilização do elevador IV Orientação para a escolha

Leia mais

ANEXO 2 SISTEMAS DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO 2 SISTEMAS DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO 2 SISTEMAS DE MENSURAÇÃO DE DESEMPENHO INDICADORES DE DESEMPENHO A avaliação sempenho da Concessionária será mensurada exclusivamente segundo critérios objetivos e transparentes, conforme o Sistema

Leia mais

FAC. 01 MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA

FAC. 01 MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA 1 de 26 MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA MACROPROCESSO INFRAESTRUTURA PROCESSO MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4.

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS RELACIONADOS COM A IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DAS REDES DE ENERGIA ELÉTRICA EMPREENDIMENTOS HABITACIONAIS

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Manual do Sistema

Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Manual do Sistema 1 Índice Apresentação... 3 Entrada no sistema... 4 Manual da NFe de Serviços Módulo Tomador... 5 Consultar RPS Recibo Provisório de Serviços... 6 Verificar a Autenticidade de Nota Fiscal...7 Geração de

Leia mais

ATENÇÃO. Leia antes de imprimir. Fornecedor, listamos algumas dicas para o bom funcionamento do livro de reclamações

ATENÇÃO. Leia antes de imprimir. Fornecedor, listamos algumas dicas para o bom funcionamento do livro de reclamações ATENÇÃO Leia antes de imprimir Fornecedor, listamos algumas dicas para o bom funcionamento do livro de reclamações 1 - A impressão deve ser feita em tamanho A5(14,8cmx21cm). Quando for imprimir, escolher

Leia mais

Produtos, Outsourcing de TI, Outsourcing de Impressão, Térmicas,

Produtos, Outsourcing de TI, Outsourcing de Impressão, Térmicas, 2012 É uma das maiores empresas integradoras de tecnologia do mercado nacional, tornando-se referência no Segmento de Produtos, Outsourcing de TI, Outsourcing de Impressão, Térmicas, Telecom e soluções

Leia mais

Sistema de Iluminação Pública de Belo Horizonte. São Paulo, junho de 2015

Sistema de Iluminação Pública de Belo Horizonte. São Paulo, junho de 2015 Sistema de Iluminação Pública de Belo Horizonte São Paulo, junho de 2015 Municipalização da da IP IP --Regulação Constituição Federal Art. 30: Compete aos Municípios:... V - organizar e prestar, diretamente

Leia mais

SicLoja Polyvan. Polyvan Informática e computação Gráfica Ltda. Email: polyvan@polyvanet.com.br

SicLoja Polyvan. Polyvan Informática e computação Gráfica Ltda. Email: polyvan@polyvanet.com.br Polyvan Informática e computação Gráfica Ltda. Email: polyvan@polyvanet.com.br SicLoja Polyvan Objetivo: Controla serviços, comissões dos funcionários, débitos dos clientes, contas apagar controle de estoque

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO CENTRAL DE COMPRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO CENTRAL DE COMPRAS Processo Administrativo nº 14/10/02.867 Interessado: Secretaria Municipal de Administração Assunto: Pregão Presencial nº 256/2014 Objeto: Contratação de empresa para a prestação de serviços através de

Leia mais

Secretaria de Controle Urbano CONTRU. Secretaria Municipal de Habitação SEHAB

Secretaria de Controle Urbano CONTRU. Secretaria Municipal de Habitação SEHAB Secretaria de Controle Urbano CONTRU Secretaria Municipal de Habitação SEHAB Janeiro / 2011 DIVISÃO TÉCNICA DE APARELHOS DE TRANSPORTE VERTICAL E HORIZONTAL Competências: Responsável pela licença e fiscalização

Leia mais

Relação das Novidades Implementadas na Versão 2.9 do Sistema SankhyaW - Setembro/2011

Relação das Novidades Implementadas na Versão 2.9 do Sistema SankhyaW - Setembro/2011 Relação das Novidades Implementadas na Versão 2.9 do Sistema SankhyaW - Setembro/2011 Suporte à integração com Imobilizado nos Portais Agora as centrais estão integradas com o Imobilizado, logo é possível

Leia mais

NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público

NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente e de longo

Leia mais

service para uso do Aplica vo

service para uso do Aplica vo para uso do Aplica vo Mais faturamento para a sua empresa. ANDROID APP ON Desenvolvido e man do pela S I - Sistemas Inteligentes Eletrônicos Ltda. O que é o? É mais um diferencial para o seu cliente! O

Leia mais

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares.

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Introdução A simulação do retorno sobre o investimento (do inglês ROI return on investment) tem sido utilizada como importante ferramenta

Leia mais

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONTEÚDO 1. OUVIDORIA INTERNA... 4 2. OUVIDORIA EXTERNA... 6 3. PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO... 7 4. CALL CENTER ATIVO DA SAÚDE... 12 5. OUVIDORIA UNIDADES

Leia mais

A ferramenta que você necessitava para seu Buffet Infantil.

A ferramenta que você necessitava para seu Buffet Infantil. A ferramenta que você necessitava para seu Buffet Infantil. O SeuBuffet é um software que foi criado para facilitar e gerenciar a contratação dos serviços de buffets infantis. O Software surgiu da parceria

Leia mais

O Instituto Véritas, tem como presidente, Marcelo Bastos, Secretário Parlamentar, ex-vereador, Consultor especial para projetos governamentais,

O Instituto Véritas, tem como presidente, Marcelo Bastos, Secretário Parlamentar, ex-vereador, Consultor especial para projetos governamentais, O Instituto Véritas, tem como presidente, Marcelo Bastos, Secretário Parlamentar, ex-vereador, Consultor especial para projetos governamentais, analista de Políticas Públicas e Sociais, organizador de

Leia mais

IPTU 2013 Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana

IPTU 2013 Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana IPTU 2013 Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana PERGUNTAS E RESPOSTAS 1 - Qual é a base de cálculo do IPTU? A base de cálculo do IPTU é o valor venal do imóvel. 2 - O que é valor venal?

Leia mais

MicroStrategy 10 Mobile Widgets. De Analytics e Transações até Geolocalização e Multimídia

MicroStrategy 10 Mobile Widgets. De Analytics e Transações até Geolocalização e Multimídia MicroStrategy 10 Mobile Widgets De Analytics e Transações até Geolocalização e Multimídia Agenda Introdução Visualizações Básicas (Gráficos) Visualizações Avançadas (Widgets) Transaction Services Demonstrações

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA - DA DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

CLÁUSULA SEGUNDA - DA DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE PROGRAMAS DE COMPUTADOR E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Pelo presente instrumento particular e na melhor forma de direito, as partes: a) de um lado, a empresa GEPER DESENVOLVIMENTO

Leia mais

INTEGRAÇÃO SISREG - CADSUS WEB DOCUMENTO ORIENTADOR

INTEGRAÇÃO SISREG - CADSUS WEB DOCUMENTO ORIENTADOR INTEGRAÇÃO SISREG - CADSUS WEB DOCUMENTO ORIENTADOR SUMÁRIO 1 - IDENTIFICANDO O PACIENTE... 3 2 - PESQUISANDO PACIENTE NO CADSUSWEB... 5 3 ALTERANDO DADOS OU CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO... 7 O objetivo

Leia mais

Controle de Insumos Ficha Técnica x Ordem Produção.

Controle de Insumos Ficha Técnica x Ordem Produção. Controle de Insumos Ficha Técnica x Ordem Produção. Adicionado o controle de insumos da Ficha Técnica por ordem de Produção. 1 Detalhes Ficha Técnica. Adicionado os campos - Espécie: Podendo ser Embalagem

Leia mais

Audiência Pública sobre o artigo 218 da Resolução Normativa ANEEL 414/2010

Audiência Pública sobre o artigo 218 da Resolução Normativa ANEEL 414/2010 Audiência Pública sobre o artigo 218 da Resolução Normativa ANEEL 414/2010 (transferência de ativos de iluminação pública aos municípios) Associação Brasileira de Empresas de Serviços de Iluminação - Ramon

Leia mais

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 agosto de 2007 As informações contidas neste documento, incluíndo quaisquer URLs e outras possíveis referências

Leia mais

Sistema de Controle de Processos ON-LINE-Versão 1.0 Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) Unidade Municipal de Tecnologia da Informação (UMTI)

Sistema de Controle de Processos ON-LINE-Versão 1.0 Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) Unidade Municipal de Tecnologia da Informação (UMTI) O SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS ON-LINE O Sistema de Controle de Processos ON-LINE é um Sistema de Protocolo desenvolvido pela da que tem como finalidade gerenciar os processos e solicitações de serviços

Leia mais

Prefeitura Municipal de Guaratuba

Prefeitura Municipal de Guaratuba EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2013 Edital de Chamamento Público nº 001/2013, de empresas prestadoras de serviços de monitoramento, redes wireless e automação, interessadas em participar do Projeto

Leia mais

Projeto SAAT/SAGER. Reunião com os Proponentes 18/03/2015

Projeto SAAT/SAGER. Reunião com os Proponentes 18/03/2015 Projeto SAAT/SAGER Reunião com os Proponentes 1 18/03/2015 Agenda Visão Geral dos Sistemas SAGER SAAT Requisitos Contexto Plataforma Tecnológica Plano do Projeto Estrutura de Gestão Atividades de apoio

Leia mais

Prefeitura Municipal de Grupiara CNPJ N.º: 17.827.858/0001-27

Prefeitura Municipal de Grupiara CNPJ N.º: 17.827.858/0001-27 PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº 002/2015, DE 20 DE MARÇO DE 2015 AUTORIZA O EXECUTIVO MUNICIPAL A ABRIR CRÉDITO ESPECIAL NO VALOR DE R$2.184,84 (DOIS MIL, CENTO E OITENTA E QUATRO REAIS E OITENTA E QUATRO

Leia mais

Esclarecimento: Não, a operação de matching ocorre no lado cliente da solução, de forma distribuída.

Esclarecimento: Não, a operação de matching ocorre no lado cliente da solução, de forma distribuída. 1 Dúvida: - Em relação ao item 1.2 da Seção 2 - Requisitos funcionais, entendemos que a solução proposta poderá funcionar em uma arquitetura Web e que na parte cliente estará apenas o componente de captura

Leia mais

A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS

A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS Descrição As necessidades de telemedição (ou telemetria) e telecomando têm sido cada vez mais utilizadas nas mais variadas aplicações, principalmente onde o volume

Leia mais

Nota Fiscal Cidadã Manual do Registro de Reclamações

Nota Fiscal Cidadã Manual do Registro de Reclamações Nota Fiscal Cidadã Manual do Registro de Reclamações Versão 2 Objetivo do Manual Orientar sobre os procedimentos necessários para comunicação à SEFA da ocorrência de infrações à legislação do Programa

Leia mais

ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO

ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ANEXO VIII SISTEMA DE MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO p. 1 / 19 Sumário Sumário... 2 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ÍNDICE DE CUMPRIMENTO DE MARCOS - ICM... 5 2.1. Procedimento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA CIVIL DEPARTAMENTO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS A V I S O

SECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA CIVIL DEPARTAMENTO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS A V I S O A V I S O PROCESSO EMERGENCIAL COM ETAPA DE LANCES OBJETO: Contratação emergencial do serviço de manutenção do sistema de alerta e alarme da Região Serrana/RJ LOCAL: Departamento Geral de Administração

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e)

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) Manual da Declaração Eletrônica de Serviços de Instituições Financeiras (DES-IF) Todos os dados e valores apresentados neste manual são ficticios. Qualquer dúvida consulte a legislação vigente. Página

Leia mais

MÓDULO COMERCIAL. OBJETIVO: Feito para gerenciar entrada e saída de notas, caixa, estoque. SAÍDAS clique na aba que deseja cadastrar ou

MÓDULO COMERCIAL. OBJETIVO: Feito para gerenciar entrada e saída de notas, caixa, estoque. SAÍDAS clique na aba que deseja cadastrar ou MÓDULO COMERCIAL OBJETIVO: Feito para gerenciar entrada e saída de notas, caixa, estoque. SAÍDAS clique na aba que deseja cadastrar ou consultar. Em Devolução de Compras, usado para realizar uma devolução

Leia mais

AGenda O processo de equipagem dos Conselhos Tutelares O sistema SIGSDH Equipagem CT Situação atual Próximas evoluções AGenda O processo de equipagem dos Conselhos Tutelares O sistema SIGSDH Equipagem

Leia mais

DAÍ DAIS Manual de Operação SISTAR V 1.0 1 / 30

DAÍ DAIS Manual de Operação SISTAR V 1.0 1 / 30 1 / 30 Sumário Sumário...2 Introdução...3 Objetivo...3 Operação...4 Autenticando no sistema SISTAR...5 Análise Tarifária...8 Unidade de Consumo...8 Tarifa...9 1. Informação Convencional...10 2. Informação

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4.1. Fator de carga (FC) Segundo a resolução a normativa nº 414 de 9 de setembro de 2010 da ANEEL, o fator de carga é definido como sendo a razão entre

Leia mais