Cópia válida somente na INTRANET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cópia válida somente na INTRANET"

Transcrição

1 Página: 1/12 Portaria DC nº. 7-A/2014, de 1 OBJETIVO Estabelecer o procedimento a ser adotado para coleta dos dados e apuração dos padrões de atendimento comercial, de modo a atender ao que estabelece a Resolução 414/2010, da ANEEL. 2 ABRANGÊNCIA Este Procedimento Operacional deve ser aplicado pela área de atenção ao cliente, nas atividades de coleta de dados e apuração dos padrões de atendimento comercial e entra em vigor a partir de sua aprovação. 3 REFERÊNCIAS 3.1 ABNT NBR ISO 91:28 - Sistema de Gestão da Qualidade, Requisitos: Requisito 5.2 Foco no cliente; Requisito 7.2 Processos Relacionados à Cliente; Requisito 7.5 Produção e Fornecimento de Serviço; Requisito Medição e Monitoramento de Processo; Requisito Satisfação dos Clientes; Requisito Medição e Monitoramento do Produto/Serviço; e Requisito 8.3 Controle de Produto/Serviço Não - Conforme. 3.2 Resolução ANEEL Nº. 414/2010: Estabelece as condições gerais de fornecimento de energia elétrica; 3.3 Procedimento Operacional, MPN-DC-01/P-2: Estabelece o procedimento de Atendimento Comercial; 3.4 Instruções de Trabalho IT s do DCC; 3.5 LEI Nº 8.078/1990: Código de Defesa Do Consumidor; 3.6 DECRETO N.º 2181/1997: Regulamenta o Código de Defesa do Consumidor;

2 Página: 2/12 Portaria DC nº. 7-A/2014, de 3.7 DECRETO Nº 6.523/28: Regulamenta a Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990, para fixar normas gerais sobre o Serviço de Atendimento ao Consumidor - SAC; 4 CONCEITOS 4.1 Cliente: Organização, parte da organização ou pessoa, que recebe um produto (ISO 91:28). O cliente pode ser interno ou externo à organização. Pessoa física ou jurídica, ou comunhão de fato ou de direito e legalmente representada, que solicitar a concessionária o fornecimento de energia elétrica e assumir a responsabilidade pelo pagamento das faturas e pelas demais obrigações fixadas em normas e regulamentos da ANEEL, assim, vinculando-se aos contratos de fornecimento, de uso e de conexão, conforme cada caso; 4.2 Sistema Ajuri: Sistema onde ficam registrados os recebimentos, encaminhamentos e soluções das reclamações e das solicitações feitas pelos clientes; 4.3 Ordem de Serviço (OS): Formulário eletrônico utilizado para registrar no sistema comercial Ajuri os recebimentos, encaminhamentos e soluções das reclamações e das solicitações feitas pelos clientes; 4.4 Protocolo de Atendimento: Código identificador único para cada atendimento ao cliente realizado dentro do sistema comercial Ajuri; 4.5 Fase: Endereçamento para efeito de tramitação das ordens de serviço entre as áreas / processos dentro do sistema comercial Ajuri; 4.6 Unidade Consumidora: Conjunto de instalações e equipamentos elétricos caracterizados pelo recebimento de energia elétrica em um só ponto de entrega, com medição individualizada e correspondente a um único consumidor; e 4.7 Área / Processo: Unidade organizacional ou processo identificado dentro da organização, cuja atuação afeta direta ou indiretamente clientes internos e externos. 5 DETALHAMENTO 5.1 Este procedimento de coleta de dados e apuração dos padrões de atendimento comercial é realizado mensalmente após o fechamento do sistema comercial AJURI, considerando todos os atendimentos, abrangidos no anexo III da REN 414/10, realizados no período às unidades consumidoras.

3 Página: 3/12 Portaria DC nº. 7-A/2014, de 5.2 A coleta de dados e apuração dos padrões de atendimento comercial é realizada pelo núcleo de tratamento de reclamação e/ou gerência da área de atenção ao cliente, diretamente no sistema comercial AJURI. 5.3 A coleta é feita acessando na barra de ferramentas do AJURI, a subpasta assuntos, ordem de serviço, qualidade do atendimento e relacionando às ordens de serviços, do mês de apuração, vinculadas ao anexo III da Resolução Normativa 414/ O Núcleo de tratamento de reclamação e/ou gerência da área de atenção ao cliente realiza análise dos dados, verificando a consistência das informações. 5.5 Após a coleta e apuração dos padrões de atendimento comercial, no mesmo ambiente, gera novo relatório com a identificação dos serviços, cujo prazo de execução foi excedido, salvando as informações, autorizando a devolução em bloco e finalizando com a geração da compensação na fatura do cliente. 5.6 Depois de realizado o crédito dos valores referentes à violação dos prazos, é extraído o relatório para a ANEEL através do endereço módulo Distribuidoras, Anexo III Qualidade do Atendimento Comercial. No formulário são preenchidos os dados referentes ao mês de apuração/ano bem como dos serviços que fazem parte da qualidade dos padrões comerciais. 6 REGISTROS 6.1 Ordem de Serviço; 6.2 Anexo III da Resolução Normativa 414/2010, ANEEL; 6.3 TNC (Tratativa de Não Conformidade); e 6.4 SAM (Solicitação de Ação de Melhoria). 7 ANEXOS 7.1 ANEXO I Responsabilidades 7.2 ANEXO II Anexo III da Resolução 414/2010, ANEEL; 7.3 ANEXO III Telas de acesso à coleta de dados AJURI; 7.4 ANEXO IV Telas de envio via duto ANEEL.

4 Página: 4/12 Portaria DC nº. 7-A/2014, de ANEXO I RESPONSABILIDADES Cargo/Função/Área Profissional de Nível Médio Suporte/Núcleo de Tratamento de Reclamações Gerente de Atenção aos Clientes - DCCA: Responsabilidade Direta Indireta X X Autoridade Realizar a coleta de dados e apuração dos padrões de atendimento comercial; Realizar análise e verifica a existência de inconsistência nas informações. Envia os dados para a ANEEL Realizar a coleta de dados e apuração dos padrões de atendimento comercial; Realizar análise e verifica a existência de inconsistência nas informações. Autoriza a geração de compensação ao cliente. Envia os dados para a ANEEL

5 Página: 5/12 Portaria DC nº. 7-A/2014, de ANEXO II - RELATÓRIO DA QUALIDADE DO ATENDIMENTO COMERCIAL (Anexo III da REN 414/2010) Descrição Art Padrão Qtde (I) Prazo Médio (II) Qtde > (III) R$ (IV) Prazo máximo de vistoria de unidade consumidora,localizada em área urbana Prazo máximo de vistoria de unidade consumidora, localizada em área rural Prazo máximo de ligação de unidade consumidora do grupo B, localizada em área urbana, a partir da data da aprovação das instalações Prazo máximo de ligação de unidade consumidora do grupo B, localizada em área rural, a partir da data da aprovação das instalações 30 3 dias úteis 30 5 dias úteis 31 2 dias úteis 31 5 dias úteis Prazo máximo de ligação de unidade consumidora do grupo A, a partir da data da aprovação das instalações 31 7 dias úteis Prazo máximo para elaborar os estudos, orçamentos e projetos e informar ao interessado, por escrito, quando da necessidade de realização de obras para viabilização do fornecimento Prazo máximo de Início das Obras, satisfeitas, pelo interessado, as condições estabelecidas na legislação e normas aplicáveis Prazo máximo para informar ao interessado o resultado da análise do projeto após sua apresentação Prazo máximo para reanálise do projeto quando de reprovação por falta de informação da distribuidora na análise anterior dias dias dias dias *Prazo máximo para substituição do medidor e demais equipamentos de medição após a data de constatação da deficiência, com exceção para os casos previstos no art. 72 *Prazo máximo para comunicar, por escrito, o resultado da reclamação ao consumidor referente à discordância em relação à cobrança ou devolução de diferenças apuradas. Prazo máximo para o atendimento de solicitações de aferição dos medidores e demais equipamentos de medição Prazo máximo para religação, sem ônus para o consumidor, quando constatada a suspensão indevida do fornecimento Prazo máximo de atendimento a pedidos de religação para unidade consumidora localizada em área urbana, quando cessado o motivo da suspensão Prazo máximo de atendimento a pedidos de religação para unidade consumidora localizada em área rural, quando cessado o motivo da suspensão Prazo máximo de atendimento a pedidos de religação de urgência em área urbana, quando cessado o motivo da suspensão Prazo máximo de atendimento a pedidos de religação de urgência em área rural, quando cessado o motivo da suspensão dias dias dias horas horas horas horas horas

6 Página: 6/12 Portaria DC nº. 7-A/2014, de Prazo máximo para solução de reclamação do consumidor, observando-se as condições específicas e os prazos de execução de cada situação, sempre que previstos em normas e regulamentos editados pelo Poder Concedente e pela ANEEL, com exceção das reclamações que implicarem realização de visita técnica ao consumidor ou avaliação referente à danos não elétricos reclamados dias úteis Prazo máximo para solução de reclamação, nas situações onde seja necessária a realização de visita técnica ao consumidor dias Prazo máximo para informar por escrito ao consumidor a relação de todos os seus atendimentos comerciais Prazo máximo para verificação de equipamento em processo de ressarcimento de dano elétrico dias dias Prazo máximo para verificação de equipamento utilizado no acondicionamento de alimentos perecíveis ou de medicamentos em processo de ressarcimento de dano elétrico dia útil Prazo máximo para informar ao consumidor o resultado da solicitação de ressarcimento por meio de documento padronizado e do meio de comunicação escolhido, contados a partir da data da verificação ou, na falta desta, a partir da data da solicitação de ressarcimento. Prazo máximo para efetuar o ressarcimento por meio do pagamento em moeda corrente, conserto ou substituição do equipamento danificado, contados do vencimento do prazo disposto no art. 207 ou da resposta, o que ocorrer primeiro dias dias Onde: I número de atendimentos realizados no período de apuração; II prazo médio de atendimento; III número de atendimentos realizados acima dos prazos regulamentares; e IV valores creditados aos consumidores.

7 Página: 7/12 Portaria DC nº. 7-A/2014, de ANEXO III TELAS DE ACESSO A COLETA DE DADOS AJURI

8 Página: 8/12 Portaria DC nº. 7-A/2014, de

9 Página: 9/12 Portaria DC nº. 7-A/2014, de ANEXO IV TELAS DE ENVIO VIA DUTO ANEEL

10 Página: 10/12 Portaria DC nº. 7-A/2014, de

11 Página: 11/12 Portaria DC nº. 7-A/2014, de ANEXO IV SAM (Solicitação de Ação de Melhoria) e TNC (Tratativa de Não Conformidade)

12 Página: 12/12 Portaria DC nº. 7-A/2014, de 8 HISTÓRICO Primeira implantação.

RESOLUÇÃO NORMATIVA 414/2010

RESOLUÇÃO NORMATIVA 414/2010 RESOLUÇÃO NORMATIVA 414/2010 Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica Transferência dos Ativos de Iluminação Pública P aos Municípios Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização

Leia mais

DIREITOS E DEVERES DO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA. de Ética RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414 NOVA EDIÇÃO

DIREITOS E DEVERES DO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA. de Ética RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414 NOVA EDIÇÃO DIREITOS E DEVERES DO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA Código de Ética NOVA EDIÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA APRESENTAÇÃO A Agência Nacional de Energia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 615, DE 6 NOVEMBRO DE 2002 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Aprova o modelo do Contrato de Prestação de Serviço Público de Energia

Leia mais

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica Encontro do Conselho de Consumidores da AES Eletropaulo (Conselpa) e Conselho Coordenador das Associações Amigos de Bairros, Vilas e Cidades de SP (Consabesp). Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais

Leia mais

NORMA RESSARCIMENTO POR DANO ELÉTRICO

NORMA RESSARCIMENTO POR DANO ELÉTRICO PÁGINA 1 de 7 ÍNDICE DO CONTEÚDO 1. Objetivo 1 2. Norma e Documentos Complementares 1 3. Definições 1/2 4. Condições Gerais 2 5. Procedimentos 3/4/5 6. Anexo 6 7. Ficha de Vida 7 1. Objetivo: Esta norma

Leia mais

DIREITOS E DEVERES DO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA. de Ética RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414 CONDIÇÕES GERAIS FORNECIMENTO

DIREITOS E DEVERES DO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA. de Ética RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414 CONDIÇÕES GERAIS FORNECIMENTO DIREITOS E DEVERES DO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA Código de Ética RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA APRESENTAÇÃO A Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

CARTA AO CIDADÃO. Página 0 de 44

CARTA AO CIDADÃO. Página 0 de 44 CARTA AO CIDADÃO Página 0 de 44 Apresentação A Carta de Serviços ao Cidadão da Eletrobras Distribuição Rondônia, elaborada em conformidade com o Decreto nº 6.932 de 11 de agosto de 2009, tem por finalidade,

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015.

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. EDITAL 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. A Companhia Energética de Alagoas CEAL, doravante chamada DISTRIBUIDORA, nos termos da Portaria

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015 A (DISTRIBUIDORA), nos termos da Portaria do Ministério de Minas e Energia - MME, nº 44, de 10 de março

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br)

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) 1. Concessionária ou Permissionária - Agente titular de concessão ou permissão federal para explorar a prestação de serviços

Leia mais

GUIA DO CLIENTE SEU CÓDIGO. Seja bem-vindo!

GUIA DO CLIENTE SEU CÓDIGO. Seja bem-vindo! GUIA DO CLIENTE Seja bem-vindo! É uma satisfação tê-lo como cliente. Aqui você encontrará informações importantes sobre os canais de atendimento, como usar a energia de forma adequada e segura, seus principais

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS RELACIONADOS COM A IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DAS REDES DE ENERGIA ELÉTRICA EMPREENDIMENTOS HABITACIONAIS

Leia mais

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR 6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR Basicamente o transformador da subestação é dimensionado pela demanda da empresa no qual será instalado, porém este

Leia mais

RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA ELETROBRÁS NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA

RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA ELETROBRÁS NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA ELETROBRÁS NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA 1 PARCELAMENTO DE DÉBITO 1.1 No caso de titular da conta 1. Original e cópia do RG ou da Carteira de Habilitação;

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 9 Ressarcimento de Danos Elétricos Revisão Motivo da Revisão Primeira

Leia mais

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS Sumário 1. Objetivo... 3 2. Premissas básicas... 3 3. Compromissos da CEEE-D... 3 4. Compromissos da Imobiliária... 3 5. Serviços disponíveis através

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO CT - 59. CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw. Página 1 de 11. Diretoria de Engenharia

COMUNICADO TÉCNICO CT - 59. CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw. Página 1 de 11. Diretoria de Engenharia Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO CT - 59 CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw Diretoria de Engenharia Diretoria de Operações e Planejamento Diretoria Comercial Gerência

Leia mais

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador 4º Congreso Internacional de Supervisión del Servicio Eléctrico Romeu Donizete Rufino Diretor-Geral da ANEEL 27 de novembro de 2014

Leia mais

Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização - GESPÚBLICA. Página 0 de 44

Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização - GESPÚBLICA. Página 0 de 44 Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização - GESPÚBLICA Página 0 de 44 CARTA AO CIDADÃO Apresentação A Carta de Serviços ao Cidadão da Eletrobras Distribuição Acre, elaborada em conformidade

Leia mais

ANEXO I. Ref.: Convite nº. 002/2011 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO I. Ref.: Convite nº. 002/2011 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I Ref.: ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada para Consultoria para implantação da NBR ISO 10.002 com base

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações Revisão 0 1 2 3 4 5 6 7 Motivo

Leia mais

CARTA AO CIDADÃO. Página 1 de 42

CARTA AO CIDADÃO. Página 1 de 42 CARTA AO CIDADÃO Página 1 de 42 Apresentação A Carta de Serviços ao Cidadão da Eletrobras Distribuição Alagoas, elaborada em conformidade com o Decreto nº6.932 de 11 de agosto de 2009, tem por finalidade,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL DISTRIBUIÇÃO S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 EMENTA (Caso exista):

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO. Página 1 de 16

COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO. Página 1 de 16 Página 1 de 16 COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição Gerência

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução A questão do fornecimento de energia elétrica é de suma importância para um funcionamento adequado de equipamentos eletro-eletrônicos. Assim sendo, cabe ao poder

Leia mais

Contribuição Equatorial Energia (CEMAR e CELPA) à AP 050/14

Contribuição Equatorial Energia (CEMAR e CELPA) à AP 050/14 Contribuição Equatorial Energia (CEMAR e CELPA) à AP 050/14 Cumpre esclarecer que o Grupo Equatorial (Distribuidoras CELPA e CEMAR) corroboram com a proposta da ABRADEE a esta Audiência, tendo inclusive

Leia mais

Contrato nº XXX/2015 Chamada Pública nº XXX/2015 CONTRATO DE ADESÃO DE GERAÇÃO PRÓPRIA N.º 000/2015 QUE ENTRE SI FAZEM A E, NA FORMA ABAIXO:

Contrato nº XXX/2015 Chamada Pública nº XXX/2015 CONTRATO DE ADESÃO DE GERAÇÃO PRÓPRIA N.º 000/2015 QUE ENTRE SI FAZEM A E, NA FORMA ABAIXO: A CONTRATO DE ADESÃO DE GERAÇÃO PRÓPRIA N.º 000/2015 QUE ENTRE SI FAZEM A E, NA FORMA ABAIXO:, com sede na cidade de, Endereço, inscrita no CNPJ/MF sob o n., doravante denominada DISTRIBUIDORA, neste ato

Leia mais

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Temas a serem abordados: 1. Matriz de energia elétrica 2. Distintas tecnologias 3. Combustível solar 4. Motivação

Leia mais

Procedimento de Acesso para Microgeração e Minigeração Distribuída

Procedimento de Acesso para Microgeração e Minigeração Distribuída Procedimento de Acesso para Microgeração e Minigeração CÓDIGO VERSÃO Nº APROVAÇÃO RESPONSÁVEL DATA DATA DA VIGÊNCIA 00 15/12/2012 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 3 DEFINIÇÕES... 3 4

Leia mais

CÓDIGOS DE ERRO MAIS FREQUENTES EM GARANTIA E SEU SIGNIFICADO CÓDIGOS DE ERROS - PREENCHIMENTO DA SOLICITAÇÃO DE GARANTIA SG

CÓDIGOS DE ERRO MAIS FREQUENTES EM GARANTIA E SEU SIGNIFICADO CÓDIGOS DE ERROS - PREENCHIMENTO DA SOLICITAÇÃO DE GARANTIA SG CÓDIGOS DE ERRO MAIS FREQUENTES EM GARANTIA E SEU SIGNIFICADO Código de Erro 756 O Código de Erro 756 indica que as peças substituídas ou os serviços executados não são cobertos pela garantia da Fábrica.

Leia mais

Energias do Brasil-EDP

Energias do Brasil-EDP Prezados Senhores Energias do Brasil-EDP Atendendo orientação dos procedimentos da Consulta Pública em assunto, estamos encaminhando abaixo as contribuições do Grupo EDP - Energias do Brasil, a propósito

Leia mais

Agência Virtual Canal Prefeituras Procedimento Operacional Cadastro de Serviços

Agência Virtual Canal Prefeituras Procedimento Operacional Cadastro de Serviços Procedimento Operacional Prefeituras Documento Público Agência Virtual Canal Prefeituras Procedimento Operacional Cadastro de Serviços Gerência de Relacionamento Comercial com Clientes Especiais do Poder

Leia mais

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística Suprimentos e Logística Pág. 1 de 14 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3 SIGLAS UTILIZADAS... 2 4 GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 3 6 CONTEÚDO...

Leia mais

GERENCIADOR INTELIGENTE DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA.

GERENCIADOR INTELIGENTE DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. GERENCIADOR INTELIGENTE DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. O e-eficiência foi desenvolvido em plataforma WEB, o que permite o acesso das pessoas autorizadas através de Desktops, Notebooks e Tablet s, propiciando

Leia mais

Condições de ocupação e compartilhamento de postes entre distribuidoras e prestadoras de serviços

Condições de ocupação e compartilhamento de postes entre distribuidoras e prestadoras de serviços Audiência Pública nº 007/2007 Condições de ocupação e compartilhamento de postes entre distribuidoras e prestadoras de serviços Brasília, 11 de setembro de 2013 QUEM É O RESPONSÁVEL? UEM A POPULAÇÃO

Leia mais

Se você usa gás natural canalizado, conheça aqui seus direitos e deveres.

Se você usa gás natural canalizado, conheça aqui seus direitos e deveres. Se você usa gás natural canalizado, conheça aqui seus direitos e deveres. PARTICIPAÇÃO A FAVOR DA CIDADANIA A Arsal vem atuando desde 2001 com o objetivo de fiscalizar as agências de serviços públicos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

A Transferência de Recursos do OGU foi Simplificada. Conte com a parceria da CAIXA nos projetos do seu município.

A Transferência de Recursos do OGU foi Simplificada. Conte com a parceria da CAIXA nos projetos do seu município. A Transferência de Recursos do OGU foi Simplificada. Conte com a parceria da CAIXA nos projetos do seu município. As novas regras e o papel da CAIXA na transferência de recursos da União. A CAIXA na Transferência

Leia mais

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Fórum Canalenergia/Cogen Potencial e Perspectivas da Energia Solar no Brasil O Processo da Regulação da Geração Distribuída Edvaldo Alves de Santana 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Objetivos e princípio

Leia mais

TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL

TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL Autor: Maurício André Garcia: Cargo atual: Coordenador Técnico de Micromedição e Uso Racional Formação:

Leia mais

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de esgoto no DF Ressarcimento de danos Nova Redação: Art.

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 006/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 006/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 006/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: AES Brasil AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Consulta Pública 006/2015 de 15/06/2015.

Leia mais

Envio online de formulários Itaú Unibanco

Envio online de formulários Itaú Unibanco Crédito Imobiliário Envio online de formulários Itaú Unibanco 1 O Itaú oferece soluções para facilitar a vida de quem quer financiar a compra de um imóvel. Você poderá enviar pela internet todas as informações

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO SISTEMA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - STI Nº 002/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO SISTEMA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - STI Nº 002/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA DO SISTEMA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - STI Nº 002/2015 DISPÔE SOBRE AS NORMAS E PROCEDIMENTOS NO TOCANTE À AQUISIÇÃO, LOCAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE, HARDWARE, SUPRIMENTOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

PID Melhoria na Gestão dos Prazos de Atendimento. Vanessa M. M. Feldmann Milton Biral Filho Rosária Di Gangi CPFL Paulista CPFL Paulista CPFL Paulista

PID Melhoria na Gestão dos Prazos de Atendimento. Vanessa M. M. Feldmann Milton Biral Filho Rosária Di Gangi CPFL Paulista CPFL Paulista CPFL Paulista XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil PID Melhoria na Gestão dos Prazos de Atendimento Vanessa M. M. Feldmann Milton Biral

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO 51

COMUNICADO TÉCNICO 51 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO 51 INSTALAÇÃO DE PONTO DE ENTREGA NA VIA PÚBLICA SEM MEDIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição Página 2 de

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA ES

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA ES Contrato de Fornecimento de Energia Elétrica - Poder Público Contrato nº: DCPP ES 271/2014 Estrutura Tarifária: Baixa Tensão DISTRIBUIDORA Razão Social: Espírito Santo Centrais Elétricas S/A - ESCELSA

Leia mais

Contribuições AP 048/2012 Pré-pagamento eletrônico Pós-pagamento eletrônico

Contribuições AP 048/2012 Pré-pagamento eletrônico Pós-pagamento eletrônico AES Eletropaulo AES Sul AES Tietê AES Uruguaiana Contribuições AP 048/2012 Pré-pagamento eletrônico Pós-pagamento eletrônico Agosto 2012 Artigo 3º Da implantação e abrangência A Distribuidora pode oferecer

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador

Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador Marco Aurélio Lenzi Castro Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Florianópolis SC 13/05/2014

Leia mais

SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA Veja como funciona, como contratar, quais os seus direitos e como reclamar no caso de problemas. COMO FUNCIONA A transmissão pode ser via cabo, satélite ou microonda, sendo

Leia mais

Solução para Automação Comercial

Solução para Automação Comercial Solução para Automação Comercial Programa Aplicativo Fiscal Emissor Cupom Fiscal (PAF-ECF) Impressoras Fiscais Permite comunicação com diversos modelos de impressoras fiscais, tais como: Daruma, Bematech,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 419, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 419, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2009 Publicada no Diário da Justiça Eletrônico, em 1º/12/2009. RESOLUÇÃO Nº 419, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a utilização dos sistemas de telefonia fixa e de comunicação móvel do Supremo Tribunal

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CIAPORTE SOLUÇÕES E SOFTWARE LTDA ME AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010

Leia mais

Distribuição: Diretor/ Gerentes/ Chefes / Unidades

Distribuição: Diretor/ Gerentes/ Chefes / Unidades 1 de 5 Assunto: CONDIÇÕES GERAIS DE VENDAS Distribuição: Diretor/ Gerentes/ Chefes / Unidades 1. Conceito 2. Abrangência 3. Documentos Relacionados 4. Regras Gerais 4.1. Pedido e Fornecimento 4.1.1. Pedido

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CONTRATO Nº 29/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONTRATO N.º 29/2010 QUE ENTRE SI FAZEM O INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS E A EMPRESA COMPANHIA ENERGÉTICA DE GOIÁS - CELG PARA FORNECIMENTO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup.

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup. INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16 Telemarketing Ativo Origem: Diretoria Superintendência Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Mato Grosso Instrução Normativa: 14.16/08-01 Revisão nº 0102

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Relatório Voto Módulos Acesso ao Texto Atualizado Aprova

Leia mais

Eficiência Energética. Roberto Carlos da Silva - Técnico Comercial Agosto de 2005

Eficiência Energética. Roberto Carlos da Silva - Técnico Comercial Agosto de 2005 Eficiência Energética Roberto Carlos da Silva - Técnico Comercial Agosto de 2005 Desafios para a Competitividade das Empresas Baixa Eficiência Energética; Necessidade de Novas Tecnologias e de Recursos

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

Cadeia de Valor e Arquitetura de Processos da Certel Energia

Cadeia de Valor e Arquitetura de Processos da Certel Energia Cadeia de Valor e Arquitetura de Processos da Certel Energia BPM Day, Porto Alegre 28 de maio de 2013 Leandro André Hoerlle Gerente de Qualidade e Inovação 1 Roteiro 1) História da Cooperativa 2) Evolução

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. S u b m ó d u l o 10. 2

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. S u b m ó d u l o 10. 2 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 10: Ordem e Condições de Realização dos Processos Tarifários e Requisitos de Informações e Obrigações Periódicas S u b m ó d u l o

Leia mais

PORTARIA Nº 135/GSER

PORTARIA Nº 135/GSER PORTARIA Nº 135/GSER João Pessoa, 9 de junho de 2015. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA RECEITA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 3º, inciso VIII, alíneas a e g, da Lei nº 8.186, de 16 de março de

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SISTEMA DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES SUBSISTEMA MEDIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA I-321.00XX MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA PEP 1/27 1- OBJETIVO O presente manual tem o objetivo de orientar

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.1 Penalidades de medição Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE

Leia mais

Como faço para ter eletricidade solar em minha casa?

Como faço para ter eletricidade solar em minha casa? Como faço para ter eletricidade solar em minha casa? Guia de microgeradores fotovoltaicos EXPEDIENTE ÍNDICE Projeto Editorial e Conteúdo Revisão Textual Paula Scheidt Revisão técnica Giovanni Secco Projeto

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA O presente conjunto de Condições Gerais de Venda da GLUAL HIDRÁULICA se aplica a todas as entregas e a todos os serviços. ARTIGO 1. INFORMAÇÕES GERAIS ARTIGO 2. - OFERTAS E PEDIDOS ARTIGO 3. ESTUDOS, PLANTAS

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Revisão 0 1 2 Motivo da Revisão Primeira versão aprovada (após realização

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO TECNOLOGIA, QUALIDADE E ENERGIA A SERVIÇO DA ECONOMIA. Engelétrica Indústria, Comércio e Serviços Elétricos Ltda. Rua Xavier da Rocha, 10 Vila Prudente

Leia mais

PROCEDIMENTOS ITAKE PROCEDIMENTOS ITAKE TELECOM

PROCEDIMENTOS ITAKE PROCEDIMENTOS ITAKE TELECOM PROCEDIMENTOS ITAKE TELECOM 1 Conceito Geral Comercial ao pós vendas. Comercial Efetuado contato com cliente. Coletar dados. E fazer o estudo de caso para entender as necessidades do cliente. Verificar

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS DA CEG 1.º PARTES a) CEG: COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT 058 R00

DECISÃO TÉCNICA DT 058 R00 DECISÃO TÉCNICA DT 058 R00 ATENDIMENTO A CONJUNTOS HABITACIONAIS EXECUTADOS POR TERCEIRIOS ÍNDICE 1 OBJETIVO... 1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS... 1 3 PROCEDIMENTOS... 1 4 ÓRGÃO EMITENTE... 3 5 ÓRGÃO RESPONSÁVEL...

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*)

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*) AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*) (*) Vide alterações e inclusões no final do texto Estabelece as condições gerais de contratação do acesso, compreendendo

Leia mais

Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais. Celso Yamada - Gerência de Engenharia de Medição

Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais. Celso Yamada - Gerência de Engenharia de Medição ID-6.016 Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais Instrução Técnica Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia de Medição Elaborado por: Colaboradores: Verificado

Leia mais

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares Check-List Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Diretoria de Serviços Operacionais 1. RESUMO Relação de documentos

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Método para Avaliar e Premiar a Qualidade de Atendimento e Reduzir Custos Operacionais

Leia mais

Otimizar e automatizar o processo de solicitação de fornecimento de energia elétrica pela FECOERGS na COPREL

Otimizar e automatizar o processo de solicitação de fornecimento de energia elétrica pela FECOERGS na COPREL Otimizar e automatizar o processo de solicitação de fornecimento de energia elétrica pela FECOERGS na COPREL Área de atuação das 23 coopera1vas de distribuição e geração do sistema Fecoergs 48.704 Nº

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) Institui o Programa de Incentivo à Geração Distribuída de Energia Elétrica a partir de Fonte Solar - PIGDES e altera a Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002.

Leia mais

Contrato de adesão de prestação de serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário

Contrato de adesão de prestação de serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário Contrato de adesão de prestação de serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário Prezado (a)usuário (a): Este é o seu contrato de prestação de serviços de abastecimento de água e de

Leia mais

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES EDITAL Nº: 25/2015_lp AGENTES Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES Objetivando o perfeito entendimento e a precisão da terminologia técnica empregada no EDITAL 25/2015_LPe n o CONTRATO,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO RESOLUÇÃO N 54/2015

CONSELHO MUNICIPAL DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO RESOLUÇÃO N 54/2015 RESOLUÇÃO N 54/2015 Estabelece os prazos para a execução dos serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município de Joinville. O Conselho Municipal dos Serviços de Água e Esgotos,

Leia mais

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton M. Soares Medição para Faturamento no Sistema Interligado

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA 1. OBJETIVO O presente comunicado técnico tem como objetivo oferecer orientação aos projetistas

Leia mais

pdc_me_04_minuta_01 Página 1 de 29 Versão: 1 Início de Vigência: XX.XX.200X Instrumento de Aprovação:

pdc_me_04_minuta_01 Página 1 de 29 Versão: 1 Início de Vigência: XX.XX.200X Instrumento de Aprovação: pdc_me_04_minuta_01 Página 1 de 29. Procedimento de Comercialização MAPEAMENTO DE PONTOS DE MEDIÇÃO NO SCDE Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: CÓDIGO ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO

Leia mais

BB Crédito Imobiliário

BB Crédito Imobiliário Dados da Agência acolhedora / condutora da Operação BB Crédito Imobiliário Prefixo-dv Nome da agência Proposta nº Dados pessoais do Proponente 1 Conta corrente nº (c/ dv) Nome da agência Prefixo-dv Composição

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013. Homologa o resultado da terceira Revisão Tarifária Periódica RTP da Companhia Energética do Rio Grande

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um Sistema de Gestão da Qualidade e de Energia, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. Outrossim, a responsabilidade

Leia mais

Reportamo-nos à solicitação referente à interrupção no fornecimento de energia elétrica à sua unidade consumidora.

Reportamo-nos à solicitação referente à interrupção no fornecimento de energia elétrica à sua unidade consumidora. ----- Original Message ----- From: ssau@sp.gov.br To: adm@smcp.org.br Sent: Monday, January 16, 2012 3:34 PM Subject: Enc: Solicitação de Ouvidoria nº 3020832481166 Este E-Mail transcreve o conteúdo da

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002. Estabelece critérios e procedimentos para a definição de encargos tarifários relativos à aquisição de energia elétrica

Leia mais

e- SIC Manual do SIC

e- SIC Manual do SIC e- SIC Manual do SIC Sumário Introdução.. 3 O e-sic.. 4 Primeiro acesso.. 5 Perfis de usuário.. 6 Cadastro de usuário no e-sic.. 7 Alteração de dados de usuários.. 9 Atualização de dados do SIC.. 11 Registro

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2008 NOME DA INSTITUIÇÃO: EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA SA - ELFSM

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2008 NOME DA INSTITUIÇÃO: EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA SA - ELFSM CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2008 NOME DA INSTITUIÇÃO: EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA SA - ELFSM AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Minuta de resolução

Leia mais

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO O presente instrumento estabelece as normas regulamentares do AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO, destinado ao atendimento de Pessoas Jurídicas de direito público,

Leia mais

CARTA AO CIDADÃO CONCESSÃO DE ANISTIA. I Descrição do serviço Concessão de Anistia

CARTA AO CIDADÃO CONCESSÃO DE ANISTIA. I Descrição do serviço Concessão de Anistia CARTA AO CIDADÃO CONCESSÃO DE ANISTIA Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão, Bloco C, CEP: 70046-900, Sala 117 Secretaria de Relações de Trabalho no Serviço Público / SRT Comissão Especial Interministerial

Leia mais

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE A) APLICABILIDADE 1. Os presentes termos de uso são aplicáveis aos Usuários da INTERNET POOL COMÉRCIO ELETRONICO LTDA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 09.491.113/0001-01,

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP UNIDADE 2.6.15.1 Atender cliente Atender o cliente e analisar a solicitação para identificar se é restituição por pagamento indevido (erro de leitura, erro de cadastro, faturamento indevido), pagamento

Leia mais