Contextualização da iniciativa de apoio à diversidade e identificação dos principais objetivos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contextualização da iniciativa de apoio à diversidade e identificação dos principais objetivos"

Transcrição

1 Diversidade na PT 0

2 Agenda Contextualização da iniciativa de apoio à diversidade e identificação dos principais objetivos Caracterização da situação de partida e identificação das principais prioridades de ação Plano de implementação e próximos passos imediatos 1

3 A gestão da diversidade é uma alavanca essencial para garantir a consecução do objetivo estratégico de sustentabilidade Dimensão Económica Dimensão Ambiental Dimensão Social Objetivos Estratégicos Clientes milhões de clientes Capacidade de entregar resultados de forma balanceada com respeito pelo ambiente e vivendo as suas responsabilidades enquanto agente social Negócio internacional Liderança em todos os segmentos Desempenho superior em retorno accionista e resultados financeiros e operacionais das receitas totais Subdimensão Corporate Governance Gestão de risco Código de conduta CRM Gestão de marca Desenvolvimento de serviços Proteção da privacidade Subdimensão Desempenho ambiental Relatório ambiental Política ambiental Estratégia climática Subdimensão Práticas laborais Desenvolvimento de capital humano Atração e retenção de talento Responsabilidade civil/social Relatório social Envolvimento de stakeholders Standard para fornecedores Impacto de serviços de telecom Programa de inclusão digital Posicionar a PT como uma referência na área de sustentabilidade Grau de impacto da iniciativa de gestão da diversidade 2

4 embora com um impacto que extravasa para outros vetores de sustentabilidade e de negócio Objetivo da gestão da diversidade A B C D E Mitigar risco de talent crunch Melhorar orientação para o consumidor/ vendas Melhorar a imagem da companhia Potenciar a satisfação dos colaboradores Tomar decisões mais criativas Racional Enfoque no talento feminino (ou maior enfoque na sua contratação) aumenta e diversifica a pool de talentos a contratar num ambiente de crescente escassez na oferta Características e tendências de determinados mercados são melhor apreendidas/detetadas por trabalhadores com afinidade (p.ex., geografias africanas); grupos minoritários são também decision makers pelo que é importante passar uma mensagem de inclusão (p.ex., mulheres) A diversidade/respeito pelas minorias são peças fundamentais da política de responsabilidade social, cada vez mais relevante para colaboradores, clientes e acionistas/mercado Melhorar a satisfação das minorias e reduzir conflitos entre grupos permite otimizar a colaboração entre trabalhadores e aumentar a lealdade A diversidade melhora a tomada de decisão e potencia a inovação/ criatividade devido a uma maior variedade de ideias e perspetivas perante os problemas 3

5 A diversidade começa a ser um pontos presentes na agenda dos CEO s das grandes empresas europeias A Diversidade de género na agenda dos CEO Top 10 28% 53% Na agenda 36% 33% Fora da agenda 36% 14% Fonte: Inquérito feito a CEOs para estudo Women Matter 2012; Mckinsey 4

6 A As mulheres podem contribuir para reduzir o previsível talent crunch em Portugal Redução da pool de talento População ativa em Portugal, milhões Igualdade entre taxas de emprego de homens e mulheres Status quo ~ 0,8 ~0,5 Em 2050, Portugal apresentará um défice de trabalhadores de 0,8 milhões Uma aproximação entre as taxas de emprego de mulheres e homens permitiria reduzir este valor para 0,5 milhões Fonte: Eurostat; Global Insight; McKinsey & Company 5

7 B As mulheres são importantes decision makers na compra de serviços da PT Mulheres Homens Mercado pessoal Representatividade das mulheres como clientes e colaboradoras 52% Mercado residencial Peso das mulheres na decisão de serviços de telecomunicações para o lar 52% 64% 36% 36% 36% Mulheres utilizadoras de telemóvel Mulheres na PT Mulheres utilizadoras de telemóvel 1 decisor (21% dos lares) >1 decisor (64% dos lares) Percentagem de mulheres na PT Lares com Fonte: Investigação Quantificação & Movimentos do mercado residencial em 2011 Campo: 26 de setembro a 28 de novembro de

8 O esforço de gestão da diversidade deve ser transversal a toda a organização Perfil/ background Diferentes dimensões de diversidade Deficiência Grupo étnico/religião Idade Nacionalidade Género Representatividade das minorias mais relevantes a um nível adequado (fair share) e a todos os níveis da organização Objetivos transversais Inclusão de todas as minorias, i.e., criação de uma cultura que aceite a diversidade e que potencie a colaboração e apreciação mútua Primeiro esforço de diversidade na PT (âmbito deste documento) deve focar-se nas mulheres Numa fase posterior o esforço de diversidade deverá incluir outros grupos relevantes Nacionalidade estrangeira Perfil/background Faixas etárias mais seniores Portadores de deficiência 7

9 Cinco fatores chave de sucesso na gestão da diversidade Proposta de valor Desenvolver proposta de valor clara integrada em gestão global do talento a Gestão da diversidade não é um objetivo em si Leadership Team Objetivos Meritocracia Gestão da mudança CEO e equipa de topo comunicam e personificam empenhamento em relação à diversidade Definir e implementar objetivos claros e razoáveis (sem quotas), equilibrando complexidade e coerência Ter como objetivo um sistema rigoroso de avaliação e promoção profissional baseado no mérito Abordagem contínua de potenciais barreiras a nível de atitudes e comportamentos através de uma gestão da mudança sistemática a longo prazo 8

10 Agenda Contextualização da iniciativa de apoio à diversidade e identificação dos principais objectivos Caracterização da situação de partida e identificação das principais prioridades de ação Plano de implementação e próximos passos imediatos 9

11 A Embora as mulheres estejam razoavelmente representadas na PT subsistem ainda alguns desafios Principais conclusões + A PT está no quartil superior de representação feminina no PSI 20 (excetuando as áreas técnicas) Evidências Se excluirmos as áreas técnicas, a PT tem 57% de mulheres, vs. 43% na média de 12 empresas do PSI20* + A presença das mulheres no Programa de Estágios da PT é cada vez mais representativa Em 2012 estas representaram 43% das entradas vs 21% em 2008 Representatividade + - A dinâmica de entradas e saídas está a contribuir para aumentar a representatividade das mulheres As mulheres estão sub-representadas nas áreas técnicas Em 2012 entraram 282 mulheres vs. as 194 que saíram Apenas 14% dos colaboradores das áreas técnicas são mulheres - Há diferenças significativas de representatividade a nível geográfico Elevadas amplitudes de representatividade por distrito (43% vs. média 23%) - As mulheres estão menos representadas nos cargos de gestão/chefia** Apenas 33% das posições na hierarquia** são ocupadas por mulheres B + A PT já pública um código de ética com cláusulas anti discriminatórias (embora com espaço para melhoria) PT é uma das oito empresas do PSI20 que publica código de ética com cláusulas anti discriminatórias Inclusão As mulheres são, em média, mais promovidas que os homens Em 2012, 58% das promoções foram referentes a mulheres vs. 42% dos homens A percentagem de mulheres qualificadas é crescente. 57% das mulheres têm qualificação superior vs. 49% em 2008 A PT emprega colaboradores de 29 nacionalidades Verificou-se um crescimento de 7% no n.º de nacionalidade dos colaboradores de 2011 para 2012 * Inclui empresas com dados de distribuição de colaboradores por género disponíveis ** Dados referentes ao HC de todas as empresas do grupo com a exceção da PT ACS, Fundação PT e PT II 10

12 A Sem as áreas de operações a PT fica muito bem posicionada em relação a outras empresas do PSI-20 Percentagem de mulheres nas grandes empresas Portuguesas 76% 65% 57% 55% 49% 45% 39% 39% 36% 22% 22% 14% (Excluindo áreas de operações) Fonte: Websites das empresas, relatórios sociais e de sustentabilidade 11

13 A Novo talento é cada vez mais feminino Percentagem crescente de mulheres no programa de estagiários 31% 31% +12 p.p. 33% 38% 43% Fonte: Recursos Humanos PT,

14 A A dinâmica de entradas e saídas está a aumentar a representatividade das mulheres na PT Percentagem mulheres, 2012 O número de mulheres que entraram foi superior às que saíram mas a representação das mulheres em cargos de chefia ainda é inferior 282 Administração** 4% * 194 Direção 32% Entradas Saídas Outros colaboradores 37% Número total de colaboradores > % de mulheres > 36% * O total corresponde ao HC de todas as empresas do grupo com a exceção da PT ACS, Fundação PT e PT II Fonte: Recursos Humanos PT,

15 A As mulheres estão mais sub-representadas nas áreas técnicas e fora das grandes cidades Percentagem de mulheres 2012 As mulheres estão sub-representadas nas áreas técnicas As grandes cidades apresentam taxas de representatividade de mulheres mais elevadas Operações Tecnologia Comercial 10% 22% 52% 43% 37% -18pp 25% Produto & Marketing 55% Suporte ao Negócio 56% Customer Care 70% Lisboa Porto Outros Apoio Transversal 73% Fonte: Recursos Humanos PT,

16 A As mulheres estão ausentes da gestão de topo da PT, à semelhança da maioria das empresas do PSI-20 Percentagem de mulheres na Administração Executiva 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 20% 20% 18% 17% 17% 14% 12% 10% 0% 5% 5% 5% 4% 4% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Nota: Nas empresas em que é superior a zero, estamos a falar num máximo de 2 mulheres, independentemente do valor percentual apresentado. Fonte: Websites das empresas, Relatórios de Governo de Sociedade e Relatórios de Sustentabilidade de

17 B A PT é uma das oito empresas no PSI20 com código de ética público que inclui cláusula anti discriminação Empresas do PSI 20 Altri Código de ética público Inclui cláusula anti discriminação "São inadmissíveis quaisquer formas de discriminação individual que sejam incompatíveis com a dignidade da pessoa humana, nomeadamente em razão a origem, etnia, sexo, convicção política e confissão religiosa, não sendo igualmente toleradas condutas configuradas como de assédio sexual" Código de ética BCP BES BPI Banif Cofina EDP EDP Renováveis ESFG Galp J. Martins Mota Engil Portucel PT REN Semapa Sonae Ind. Sonae Sonae Com Zon 3. Direitos Humanos e igualdade de oportunidades 3.2 Não discriminação e Igualdade de oportunidades A EDP compromete-se a promover o respeito pela igualdade de oportunidades para todos os seus colaboradores e [...]. As suas práticas, políticas e procedimentos laborais estão orientadas no sentido de impedir a discriminação e o tratamento diferenciado em função de raça, género, orientação sexual, credo, estado civil, deficiência física, orientação política ou de opiniões de outra natureza, origem étnica ou social, naturalidade ou associação sindical [...] A EDP procura proteger os seus colaboradores de actos de violência psicológica e condena quaisquer atitudes ou comportamentos que resultem na discriminação ou contrariem as convicções dos seus colaboradores por exemplo, insultos, ameaças, isolamento, invasão da privacidade ou limitação profissional Código de ética 7. Protecção de Direitos Pessoais a) Serão promovidos esforços especiais para garantir a plena igualdade de oportunidades a todos os que colaboram profissionalmente com as empresas do Grupo, dando combate persistente a quaisquer formas de discriminação b) Será observado o princípio da não discriminação nomeadamente em relação à ascendência, deficiência, género, etnia, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou filiação sindical Código de ética Principios generales de actuación Derechos Humanos Respetaremos los principios de la Declaración Universal de los Derechos Humanos de las Naciones Unidas, así como las declaraciones de la Organización Internacional del Trabajo Impulsaremos la igualdad de oportunidades y trataremos a todas las personas de manera justa e imparcial, sin prejuicios asociados a la raza, color, nacionalidad, origen étnico, religión, género, orientación sexual, estado civil, edad, discapacidad o responsabilidades familiares Principios Generales de Actuación Fonte: Websites das empresas 16

18 B As mulheres são mais promovidas do que os homens A dinâmica de promoções foi invertida passando as mulheres a representar uma percentagem superior mais de 50% das promoções foram verificadas no género feminino 58% +400% 83% Homens Mulheres 42% +38% 42% 58% 54% -14% 46% 17% Homens Mulheres Total Quadros médios Quadros superiores Fonte: Recursos Humanos PT,

19 B Mulheres na PT têm cada vez mais e maior qualificação A percentagem de mulheres com um nível superior de ensino é crescente Básico 10% 7% Secundário 41% 36% Superior 49% 57% Fonte: Recursos Humanos PT,

20 B As áreas de formação do programa Trainees são abrangentes Percentagem de estagiários por área de formação Percentagem de mulheres no total de diplomados 2012 Engenharia 36% 18% Gestão e Economia 34% 63% * Outras 30% 60% 12 áreas de formação nos trainees Ciências Politicas Ciências Económicas Empresariais Direito Economia Engenharias Finanças Gestão História Marketing Matemática Psicologia Relações Internacionais * Valor para a percentagem de mulheres Inclui também as áreas de Ciências Sociais e Direito Fonte: Recursos Humanos PT,

21 B A PT integra colaboradores de 29 nacionalidades Angola Cabo verde Inglaterra Irlanda Suíça Bélgica África do Sul Moldávia Rússia Espanha Itália Brasil Alemanha Guiné Venezuela Holanda Canadá França O Mundo na PT São Tomé EUA Bulgária Polónia Senegal Austrália Moçambique Roménia Guiné Bissau Cuba Fonte: Recursos Humanos PT,

22 Face às características identificadas devem ser definidas as respetivas prioridades de atuação. Constrangimentos identificados Prioridades de atuação Promover ativamente o recrutamento de mulheres (foco nas áreas técnicas) As mulheres estão fortemente sub-representadas nas áreas técnicas A representatividade das mulheres é inferior nos cargos de chefia/gestão Estabelecer objetivos para aumentar a representatividade nos quadros de gestão Desenvolver iniciativas que promovam o equilíbrio pessoal e familiar (p.ex. programas de flexibilidade laboral, ATL de extensão das horas de creche/escola junto das principais edifícios da empresa) Identificar e eliminar causas responsáveis pela perceção de discriminação sexual Internal and external stakeholders 21

23 Agenda Contextualização da iniciativa de apoio à diversidade e identificação dos principais objetivos Caracterização da situação de partida e identificação das principais prioridades de ação Plano de implementação e próximos passos 22

24 A iniciativa de gestão da diversidade deve contemplar 10 elementos chave Mapear atuais processos de RH e impacto sobre a diversidade 1 Base de dados sobre a diversidade na empresa 2 Desenvolver base de dados quantitativa sobre a diversidade com análise mais detalhada do talento de topo e factos básicos para a organização 3 Recolher research e melhores práticas com recurso a benchmarking 4 Realizar entrevistas deep structure e focus groups sobre aspetos qualitativos, potenciais barreiras e 1ª mobilização 5 Partilhar/debater resultados do diagnóstico inicial e identificar prioridades de gestão da mudança Abordagem e plano de atuação Desenvolver plano de ação com KPIs claramente definidos 6 7 Realizar focus groups com "leadership team" para obter consenso e ajustar o plano de ação Desenvolver e lançar com a maior antecedência possível ações que permitam obter 8 quick-wins iniciais Programa de mudança a longo prazo 9 Assegurar a sustentabilidade dos resultados através da monitorização rigorosa das iniciativas implementadas Garantir uma comunicação eficaz interna e externamente 10 23

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20

Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20 1 Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20 Relatório 2014 ACEGIS Associação para a Cidadania, Empreendedorismo, Género e Inovação Social 8 de março de 2014 Dia Internacional

Leia mais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação 1.1. O presente Código de Ética aplica-se a todos os colaboradores da COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A., adiante designada como CL, qualquer que seja o seu vínculo laboral

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta visa dar a conhecer de forma inequívoca aos colaboradores, clientes, entidades públicas, fornecedores e, de uma forma geral, a toda a comunidade os valores preconizados, vividos e exigidos pela empresa,

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA 23 de julho de 2015 ÍNDICE Pág. Introdução... 3 Objetivos... 3 Princípios gerais de atuação... 4 Princípios específicos de atuação... 7 Mecanismos de desenvolvimento,

Leia mais

Debates jurídico-trabalhistas mundiais Uma visão dos principais itens debatidos na Conferência Mundial de Advocacia em Tóquio

Debates jurídico-trabalhistas mundiais Uma visão dos principais itens debatidos na Conferência Mundial de Advocacia em Tóquio Debates jurídico-trabalhistas mundiais Uma visão dos principais itens debatidos na Conferência Mundial de Advocacia em Tóquio Dr. WOLNEI TADEU FERREIRA novembro 2014 O que é a IBA e o que ela significa

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Dezembro 2012 Índice

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA Introdução... 3 Missão, visão e valores... 3 Âmbito de aplicação... 4 Princípios de ética e de conduta profissional... 4 Divulgação e aplicação do Código... 9 2 9 Introdução Os requisitos de transparência,

Leia mais

FÓRUM EMPRESAS PARA A IGUALDADE. Síntese de Medidas

FÓRUM EMPRESAS PARA A IGUALDADE. Síntese de Medidas FÓRUM EMPRESAS PARA A IGUALDADE Síntese de Medidas Em 2014 foram 138 as medidas propostas pelas 31 empresas. São consideradas as medidas das 10 novas empresas aderentes bem como as medidas propostas para

Leia mais

WORKSHOP DIMENSÃO AMBIENTAL 08.05.2009 WORKSHOP DIMENSÃO SOCIAL

WORKSHOP DIMENSÃO AMBIENTAL 08.05.2009 WORKSHOP DIMENSÃO SOCIAL WORKSHOP DIMENSÃO AMBIENTAL 08.05.2009 WORKSHOP DIMENSÃO SOCIAL 26.05.2009 2009/2010 Processo 2009/2010 Principais etapas / eventos Quem Quando Revisão questionário 2008/09 e pontos de FGV CES MAR/2009

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

As pessoas são a base de tudo.

As pessoas são a base de tudo. As pessoas são a base de tudo. Em tempos difíceis como os que estamos a viver, é o momento ideal para que a sua empresa obtenha dos seus colaboradores o máximo do seu desempenho, e logo, de sua motivação.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA EDP somos o que fazemos

CÓDIGO DE ÉTICA EDP somos o que fazemos CÓDIGO DE ÉTICA EDP somos o que fazemos CÓDIGO DE ÉTICA EDP Mensagem do Presidente - 2 - CÓDIGO DE ÉTICA EDP É minha convicção que o sucesso da EDP se fundamenta nas relações de confiança que, ao longo

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA 1. Introdução A materialização da Missão, Visão e Valores de uma Empresa traduz-se na actuação quotidiana dos seus colaboradores, de acordo com práticas éticas consensuais

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo Código de Conduta Índice Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo 3 4 5 6 9 Missão, Visão, Valores e Princípios Missão Visão Princípios Valores

Leia mais

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé Política Corporativa Setembro 2012 Política de Recursos Humanos da Nestlé Autoria/Departamento Emissor Recursos Humanos Público-Alvo Todos os Colaboradores Aprovação Concelho Executivo, Nestlé S.A. Repositório

Leia mais

Operador global centrado na sustentabilidade

Operador global centrado na sustentabilidade Operador global centrado na sustentabilidade Francisco Nunes, Administrador PT Portugal Lisboa, 8 maio 2012 CONFIDENCIAL A utilização deste documento, para quaisquer fins, sem autorização expressa da Portugal

Leia mais

CASE TICKET: DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA PARA SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO

CASE TICKET: DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA PARA SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO CASE TICKET: DESENVOLVIMENTO DA LIDERANÇA PARA SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO Edna Bedani Abril 2013 MUITO PRAZER, SOMOS A EDENRED! Uma empresa internacional, líder em cartões e vouchers de serviços pré-pagos.

Leia mais

Princípios de Empoderamento das Mulheres

Princípios de Empoderamento das Mulheres Princípios de Empoderamento das Mulheres Igualdade Significa Negócios Princípios de Empoderamento das Mulheres 1. Estabelecer liderança corporativa sensível à igualdade de Gênero, no mais alto nível. 2.

Leia mais

WORKSHOP EQUALITY PAYS OFF (A Igualdade Compensa)

WORKSHOP EQUALITY PAYS OFF (A Igualdade Compensa) WORKSHOP EQUALITY PAYS OFF (A Igualdade Compensa) Atrair e manter o talento feminino de topo Data: 24 de setembro 2013 Local: Representação da Comissão Europeia em Portugal Largo Jean-Monnet 1, 10ª 1269-068

Leia mais

Código de Conduta. INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, S.A. (Sociedade Aberta) Sede: Rua Castilho, n.º 44 3.º andar, 1250-071 Lisboa

Código de Conduta. INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, S.A. (Sociedade Aberta) Sede: Rua Castilho, n.º 44 3.º andar, 1250-071 Lisboa Código de Conduta INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, S.A. (Sociedade Aberta) Sede: Rua Castilho, n.º 44 3.º andar, 1250-071 Lisboa Capital social: 150 000 000 Número único de pessoa colectiva

Leia mais

Porto, 6 de Maio de 2010

Porto, 6 de Maio de 2010 A Responsabilidade Social na Internacionalização Porto, 6 de Maio de 2010 Indíce 1. AICEP Modelo de Negócio e Objectivos 2. International Business Intelligence Unit 3. Empresas e Responsabilidade Social

Leia mais

Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT

Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT A Responsabilidade Social Corporativa no Contexto da Internacionalização Abril, 2014 AGENDA QUEM SOMOS SUSTENTABILIDADE A IMPORTÂNCIA

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA JULHO/2014 REVISÃO 02

CÓDIGO DE ÉTICA JULHO/2014 REVISÃO 02 CÓDIGO DE ÉTICA JULHO/2014 REVISÃO 02 ÍNDICE MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 VALORES E PRINCÍPIOS 4 CONDUTA SOCIAL 5 Trabalho Infantil 5 Trabalho Forçado e Compulsório 5 Saúde e Segurança 5 Liberdade

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

C&A aumenta quota de mercado na Europa em 2011

C&A aumenta quota de mercado na Europa em 2011 Comunicado de Imprensa Abril 2012 Empresa cresce e continua a investir C&A aumenta quota de mercado na Europa em 2011 Investimentos em atuais e novas lojas Aposta nas lojas on-line Aumento nas vendas de

Leia mais

acordo com as diferentes funções, competências e áreas de atuação dos nossos profissionais.

acordo com as diferentes funções, competências e áreas de atuação dos nossos profissionais. sustentabilidade Qualidade em serviços/aprendizagem e desenvolvimento O desenvolvimento profissional é essencial para mantermos a qualidade de nossos serviços, assegurarmos o crescimento da Organização

Leia mais

www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011

www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011 www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011 Agenda 1. Demanda por profissionais e a estratégia de gestão de pessoas 2. Gestão de pessoas tendências

Leia mais

Código de Ética. Âmbito de aplicação

Código de Ética. Âmbito de aplicação Código de Ética Âmbito de aplicação O Código de Ética agora publicado busca orientar as ações da Energias do Brasil S.A. e de suas Controladas ( Energias do Brasil ) cujo âmbito de aplicação considera

Leia mais

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios Princípios de Emponderamento da Mulheres Princípios de Empoderamento das Mulheres Igualdade significa negócios Igualdade significa Negócios Igualdade significa Negócios da Mulheres Princípios de Emponderamento

Leia mais

População estrangeira em Portugal modera crescimento

População estrangeira em Portugal modera crescimento As expressões sublinhadas encontram-se explicadas no final do texto População estrangeira em Portugal modera crescimento Em 2002, a população estrangeira com a situação regularizada, estatuto de residente

Leia mais

Código de Ética. Grupo TAP

Código de Ética. Grupo TAP Código de Ética do Grupo TAP ÍNDICE Objectivos e Valores Fundamentais... 2 I. Âmbito... 3 II. Valores Gerais... 3 1. Responsabilidade. 3 2. Independência.. 3 3. Conflitos de Interesses.. 3 4. Desenvolvimento

Leia mais

Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica. Jaime Quesado

Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica. Jaime Quesado VII Encontro da PASC Plataforma Activa da Sociedade Civil 2 de Março de 2011 Sala do Senado da Reitoria da UNL Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica Jaime Quesado Patrocinadores Globais Inteligência

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente;

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Relatório Pacto Global Princípios de Direitos Humanos Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Um dos valores que sustentam a

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. APFF Administração do Porto da Figueira da Foz, S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA. APFF Administração do Porto da Figueira da Foz, S.A. CÓDIGO DE ÉTICA APFF Administração do Porto da Figueira da Foz, S.A. Índice 1. Preâmbulo 2. Disposições Gerais 2.1. Âmbito de aplicação 2.2. Objectos do 2.3. Dimensões éticas da empresa 2.4. Cumprimento

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

Desafios de Valor numa Economia Inteligente

Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente As Novas Redes Colaborativas Os Novos Processos de Intermediação A Gestão

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

Governo das Sociedades A Visão do Chairman

Governo das Sociedades A Visão do Chairman Lisboa, 4 de Novembro de 2008 XV Conferência do IPAI Governo das Sociedades d A Visão do Chairman Francisco Luís Murteira Nabo Corporate Governance O que é? Corporate Governance is the system by which

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. transparência integridade. seriedade. honestidade. cooperação. informação comunicação. ética

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. transparência integridade. seriedade. honestidade. cooperação. informação comunicação. ética seriedade cooperação ética CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA transparência integridade honestidade informação comunicação Índice 1. Âmbito de aplicação 2. Princípios Fundamentais 3. Normas gerais de conduta 4.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO DE EMPRESAS

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO DE EMPRESAS CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO DE EMPRESAS ÍNDICE CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS

CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS laboratório associado Encontro de Ciência em Portugal 12 e 13 de Abril de 2007 Fundação Calouste Gulbenkian Lisboa LINHAS ESTRATÉGICAS Boaventura de Sousa Santos Comunidade ces

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS. Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação

CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS. Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação 17 de Dezembro de 2004 Preâmbulo Sobre o lugar de onde se perspectiva

Leia mais

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação Rede de Avaliação do CAD Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação (para aplicação em fase experimental) As normas em anexo são provisórias e foram aprovadas pelos membros da Rede de Avaliação do CAD,

Leia mais

Começar Global e Internacionalização

Começar Global e Internacionalização Começar Global e Internacionalização Artur Alves Pereira Assessor do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Fevereiro 06, 2014 1 A aicep Portugal Global Missão. A aicep Portugal Global é uma

Leia mais

Código de Ética do Grupo Pirelli

Código de Ética do Grupo Pirelli Código de Ética do Grupo Pirelli A identidade do Grupo Pirelli fundamenta-se historicamente em um conjunto de valores sempre seguidos e apoiados por todos nós. Esses valores, ao longo dos anos, permitiram

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Disclaimer Linguagem Inclusiva. Declaração de Compromisso da Gestão de Topo. Missão. Visão. Valores. Partes Interessadas

CÓDIGO DE ÉTICA. Disclaimer Linguagem Inclusiva. Declaração de Compromisso da Gestão de Topo. Missão. Visão. Valores. Partes Interessadas CÓDIGO DE ÉTICA Disclaimer Linguagem Inclusiva Optámos por prescindir das referências de desagregação por género, ignorando aquela que é considerada uma boa prática, a utilização da linguagem inclusiva,

Leia mais

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social Características essenciais de Responsabilidade Social Incorporação por parte da organização de considerações sociais e ambientais nas suas decisões tornando-se

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural Licença para Criar: Imigrantes nas Artes em Portugal Magda Nico, Natália Gomes, Rita Rosado e Sara Duarte Maio de 2007, Estudos OI 23 Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI)

Leia mais

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento 1 IMVF Documento de Posicionamento A SAÚDE DA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento

Leia mais

1. (PT) - Correio da Manhã, 20/08/2013, Escassez de efectivos 1. 2. (PT) - Diário de Notícias da Madeira, 20/08/2013, Ordem dos Engenheiros 2

1. (PT) - Correio da Manhã, 20/08/2013, Escassez de efectivos 1. 2. (PT) - Diário de Notícias da Madeira, 20/08/2013, Ordem dos Engenheiros 2 Tema de Pesquisa: Internacional 20 de Agosto de 2013 Revista de Imprensa 20-08-2013 1. (PT) - Correio da Manhã, 20/08/2013, Escassez de efectivos 1 2. (PT) - Diário de Notícias da Madeira, 20/08/2013,

Leia mais

DOSSIER DE IMPRENSA 2015

DOSSIER DE IMPRENSA 2015 DOSSIER DE IMPRENSA 2015 A Empresa A Empresa A 2VG é uma empresa tecnológica portuguesa criada em 2009, que surgiu para colmatar uma necessidade detetada no mercado das tecnologias de informação e comunicação

Leia mais

sustainable Código de Conduta da Industria Têxtil e da Moda Alemã

sustainable Código de Conduta da Industria Têxtil e da Moda Alemã sustainable Código de Conduta da Industria Têxtil e da Moda Alemã Introdução As empresas da Industria Têxtil e da Moda Alemã reconhecem as suas obrigações a nível de responsabilidade social, independentemente

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Quem somos Desenvolvemos SI desde 1988 Trabalhamos com Grandes Empresas e Organismos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA 2 INFORMAÇÕES GERAIS O QUE É O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA O Código de Ética e de Conduta (Código) é o instrumento no qual se inscrevem os valores que pautam a actuação do

Leia mais

Tendências do Mercado de SST em Portugal. João Florindo

Tendências do Mercado de SST em Portugal. João Florindo Tendências do Mercado de SST João Florindo 1 O que nos preocupa na UE Para o universo de 217 milhões de trabalhadores da EU, registam-se: 4.000 mortes devido a acidentes de trabalho (EEAT 2011) 159.500

Leia mais

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva CONFERÊNCIA Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020 Estrutura de Apresentação 3. Perspetivas para o Crescimento Inclusivo no contexto da Estratégia Europa

Leia mais

03 (TRÊS) ANOS LETIVOS

03 (TRÊS) ANOS LETIVOS Curso: Graduação: Regime: Duração: MATRIZ CURRICULAR GESTÃO COMERCIAL (Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios) TECNOLÓGICA SERIADO ANUAL NOTURNO 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

CEO Briefing Portugal 2015 The Economist. A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas

CEO Briefing Portugal 2015 The Economist. A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas CEO Briefing Portugal 2015 The Economist A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas 92% dos executivos portugueses acreditam que as suas empresas dispõem de capacidades

Leia mais

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC Joana Miguel Santos Caso de Sucesso: Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social

Leia mais

CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL

CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL PREÂMBULO A igualdade das mulheres e dos homens é um direito fundamental para todos e todas, constituindo um valor capital para a democracia.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE BOA CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E DE BOA CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE BOA CONDUTA FICHA TÉCNICA TÍTULO Código de É tica de e Boa Conduta (2014 v.0) PROPRIEDADE Copyright Instituto dos Registos e do Notariado, I.P. Documento não controlado após impressão

Leia mais

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé Essa consultoria nacional enquadra-se no âmbito do Projecto de Cooperação Técnica CPLP/FAO TCP/INT/3201 para assessorar o Comité Nacional

Leia mais

Gestão de Pessoas em 2015 : Desafios e Tendências Luis Saverio

Gestão de Pessoas em 2015 : Desafios e Tendências Luis Saverio Gestão de Pessoas em 2015 : Desafios e Tendências Luis Saverio CEO - Business Partners Consulting luis.saveiro@businesspartners.com.br Agenda 1. Os Principais Desafios do RH a) Gerenciar Talentos b) Aprendizado

Leia mais

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD O SUCESSO DA IMCD É BASEADO NO ESTABELECIMENTO DE UM AMBIENTE QUE PROMOVE A RESPONSABILIDADE, CONFIANÇA E O RESPEITO. IMCD Código de Conduta 3 1. Introdução O

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

150 anos Diversidade e Inclusão na BASF

150 anos Diversidade e Inclusão na BASF Diversidade e Inclusão na BASF ABRH- RJ 2015 19 de maio OBJETIVOS DE D+I NA BASF Nosso objetivo Atração e retenção Equipes mais criativas e inovadoras Melhor entendimento sobre o mercado Nosso entendimento

Leia mais

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Rita Almeida Dias 18 Setembro de 2012 2012 Sustentare Todos os direitos reservados Anterior Próximo www.sustentare.pt

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Importância e Interesse do Tema

Importância e Interesse do Tema PROGRAMA UNIVERSIDADES 2015 COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS PARA A EMPREGABILIDADE Local: Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa 1ª Sessão - "Os desafios da Empregabilidade dos jovens

Leia mais

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA.

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida COSEC em resumo

Leia mais

Índice. Ética no Grupo --------------------------------------------------------------------------------- 3

Índice. Ética no Grupo --------------------------------------------------------------------------------- 3 Índice Ética no Grupo --------------------------------------------------------------------------------- 3 Código de Ética ---------------------------------------------------------------------- 4 Conduta

Leia mais

Apresentação dos Resultados Click to edit Master title style

Apresentação dos Resultados Click to edit Master title style Apresentação dos Resultados Click to edit Master title style Seminário de Exportação para o Brasil Serviços Bancários à Exportação CGD Nuno Marques Direção Internacional de Negócio Lisboa, 21 Janeiro 2014

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

Programa Pró-equidade de Gênero e Raça. Plano de Ação 5ª Edição. Apoio:

Programa Pró-equidade de Gênero e Raça. Plano de Ação 5ª Edição. Apoio: Presidência da República Secretaria de Políticas para as Mulheres Secretaria de Políticas do Trabalho e Autonomia Econômica das Mulheres Coordenação de Autonomia Econômica das Mulheres Programa Pró-equidade

Leia mais

PLANO PARA A IGUALDADE DE GÉNERO DO EXÉRCITO

PLANO PARA A IGUALDADE DE GÉNERO DO EXÉRCITO PLANO PARA A IGUALDADE DE GÉNERO DO EXÉRCITO PARA O ANO DE 2014 2 1. ENQUADRAMENTO a. O princípio da igualdade é um princípio fundamental da Constituição da República Portuguesa, em que no seu Artigo 13º

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global. Grupo Parlamentar Português sobre População e

IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global. Grupo Parlamentar Português sobre População e IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global Grupo Parlamentar Português sobre População e Cumprimentos: Desenvolvimento Assembleia da República 18 de Novembro

Leia mais

Código de Ética. 1. Apresentação

Código de Ética. 1. Apresentação Código de Ética 1. Apresentação A Missão, a Visão, os Princípios Gerais, os Valores e as Normas de Conduta constantes do Código de Ética integram a Cultura da Lusa, a qual deve presidir à conduta profissional

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Versão 1.0 18/08/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Diretrizes... 3 3.1. Diretrizes Gerais... 3 3.2. Diretrizes Específicas...

Leia mais

PRESS RELEASE. Empresas portuguesas reduzem emissões de carbono, embora não possuam estratégias de redução de emissões a longo prazo

PRESS RELEASE. Empresas portuguesas reduzem emissões de carbono, embora não possuam estratégias de redução de emissões a longo prazo PRESS RELEASE Iberia 125 Climate Change Report Empresas portuguesas reduzem emissões de carbono, embora não possuam estratégias de redução de emissões a longo prazo O relatório Iberia 125 Climate Change

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

Nossos. Princípios. de Atuação

Nossos. Princípios. de Atuação Nossos Princípios de Atuação O cumprimento de nossos Princípios de Atuação nos ajuda a tomar decisões e atuar com integridade e profissionalismo. CARTA DO PRESIDENTE O Grupo Telefônica passou por mudanças

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENTRE O GRUPO PORTUGAL TELECOM, A UNI (UNION NETWORK INTERNATIONAL), SINTTAV, STPT E SINDETELCO

CÓDIGO DE CONDUTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENTRE O GRUPO PORTUGAL TELECOM, A UNI (UNION NETWORK INTERNATIONAL), SINTTAV, STPT E SINDETELCO CÓDIGO DE CONDUTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENTRE O GRUPO PORTUGAL TELECOM, A UNI (UNION NETWORK INTERNATIONAL), SINTTAV, STPT E SINDETELCO PREÂMBULO O presente Acordo concretiza os objectivos das conversações

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA Para a QUAY, o Código de Ética e Conduta evidencia o propósito da empresa de buscar o constante aperfeiçoamento de seus valores, respeitando a

Leia mais

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

C O N V I T E 1. A PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 1 BENCHMARKING DO DESEMPENHO DE EMPRESAS CONSTRUTORAS SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 2

C O N V I T E 1. A PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 1 BENCHMARKING DO DESEMPENHO DE EMPRESAS CONSTRUTORAS SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 2 1 BENCHMARKING DO DESEMPENHO DE EMPRESAS CONSTRUTORAS SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 2 C O N V I T E 1. A PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 1 Com o apoio do InCI, a FEUP desenvolveu um projeto

Leia mais

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora do Escritório da OIT no Brasil Salvador,

Leia mais