Comportamento Organizacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comportamento Organizacional"

Transcrição

1 Instituto Superior de Economia e Gestão Comportamento Organizacional M.B.A. Maria Eduarda Soares

2 Tema 1 - Conceito e Âmbito do Comportamento Organizacional Definição de comportamento organizacional. Objectivos e desafios do estudo do comportamento organizacional. Níveis de análise do comportamento organizacional. Interesse do estudo do comportamento organizacional numa perspectiva transcultural.

3 Definição de Comportamento Organizacional Comportamento organizacional é uma área de estudos orientada para o desenvolvimento de uma melhor compreensão do comportamento humano, utilizando esse conhecimento no sentido de melhorar a satisfação e a produtividade das pessoas em contexto organizacional (Mitchell e Larson, 1987). Comportamento organizacional refere-se ao estudo sistemático das acções e atitudes das pessoas nas organizações (Robbins, 1997).

4 Principais valores do estudo do Comportamento Organizacional Orientação Humanística. Orientação para a eficácia organizacional. Fundamentação em pesquisa empírica e utilização do método científico. Ênfase em estabelecer relações de causa e efeito. Empenhamento no desenvolvimento e mudança. (Cummings, 1978)

5 Variáveis fundamentais em comportamento organizacional Desempenho Satisfação

6 Objectivos do estudo do Comportamento Organizacional Explicação Identificar os motivos do comportamento de um indivíduo ou grupo. Previsão Identificar antecipadamente as consequências de acções, políticas ou estratégias que se pretendem levar a cabo. Intervenção Identificar quais as medidas mais eficazes para obter os comportamentos desejados. (Adaptado de Robbins, 1997)

7 Objectivos aplicados do estudo do Comportamento Organizacional Melhorar a eficácia e eficiência organizacional. Melhorar o bem-estar social. Desenvolver as competências dos trabalhadores. Gerir a diversidade. Responder às exigências da globalização.

8 Desafios actuais para o Comportamento Organizacional Contexto de globalização das empresas (ex.: força de trabalho multicultural, negociações internacionais). Novos métodos de trabalho (ex.: tele-trabalho, postos de trabalho flexíveis). Novas estruturas organizacionais (ex.:outsourcing, organização virtual). Exigências crescentes de qualidade. Exigências crescentes de inovação e mudança. Exigências crescentes de responsabilidade social e ética.

9 Níveis de análise do Comportamento Organizacional Nível Social (ex: comunicação) Nível Individual (ex: atitudes) Nível Organizacional (ex: cultura organizacional)

10 Interesse da perspectiva transcultural Comparar o comportamento organizacional em diferentes países e culturas permite: Conhecer os comportamentos, acções, políticas e estratégias mais adequados e eficazes em cada cultura. Melhorar a interacção com trabalhadores, gestores, clientes, fornecedores e parceiros oriundos de outros países. Clarificar as relações causa e efeito detectadas em estudos uni-culturais, pela verificação da sua validade em diferentes condições culturais.

11 Tipos de estudos culturais A Estudos Culturais A B C Estudos Transculturais (Comparativos ou Multiculturais) A B Estudos Interculturais

12 Dimensões culturais com impacto no Comportamento Organizacional Individualismo-Colectivismo Distância Hierárquica Controle da Incerteza Masculinidade - Feminilidade (Quantidade ou Qualidade) Orientação p/ Longo Prazo Orientação p/ Curto Prazo (Hofstede, 1984, 1991, 2001)

13 Individualismo-Colectivismo (adaptado de Hofstede, 1991) Colectivismo A identidade é baseada na rede social a que o indivíduo pertence. O recrutamento e promoções têm em conta o grupo a que a pessoa pertence. Os diplomas são vistos como dando acesso a grupos de status superior. Vida profissional e vida pessoal sem fronteiras bem definidas. O conflito é sempre negativo A confrontação pessoal deve ser evitada por boa educação. As boas relações prevalecem sobre os objectivos e a tarefa. Individualismo A identidade é baseada no próprio indivíduo. O recrutamento é suposto ser baseado em competências e regras. Os diplomas são vistos como aumentando o valor económico da pessoa. Vida pessoal e vida profissional separadas. O conflito pode ser produtivo. Dizer o que se pensa é considerado característica de honestidade. A tarefa prevalece sobre a relação.

14 Individualismo Colectivismo (Hofstede, 1991) Ranking País Score Ranking País Score 1 EUA Irlanda 70 3 Grã Bretanha Noruega 69 4 Países Baixos Alemanha 67 7 Itália Finlândia 63 8 Bélgica Espanha 51 9 Dinamarca Japão 46 10/11 Suécia Grécia 35 10/11 França Portugal 27

15 Distância Hierárquica (adaptado de Hofstede, 1991) Fraca distância hierárquica Abordagem participativa por parte dos superiores. Subordinados consideram normal que os consultem. Símbolos de status, poder ou privilégios ausentes ou mal-vistos. Informalidade (Nomes próprios). Independência e iniciativa são apreciadas. Descentralização é comum. Forte distância hierárquica Abordagem directiva por parte dos superiores. Subordinados consideram normal que lhes digam o que devem fazer. Símbolos de status, poder ou privilégios são apreciados. Formalidade (Títulos). Obediência e respeito são apreciados. Centralização é comum.

16 Distância Hierárquica (Hofstede, 1991) Ranking País Score Ranking País Score 15 França Países Baixos Bélgica 65 42/44 Alemanha Portugal 63 42/44 Grã Bretanha Grécia Finlândia Espanha 57 47/48 Noruega Japão 54 47/48 Suécia Itália Irlanda EUA Dinamarca 18

17 Controle da Incerteza (adaptado de Hofstede, 1991) Forte controle da incerteza As regras e procedimentos devem ser tão completas quanto possível. Medo de situações ambíguas ou pouco familiares. Elevados níveis de stress. Resistência a ideias novas e à inovação. O superior deve ter todas as respostas tem de ser um especialista. A segurança é fonte de motivação. Fraco controle da incerteza Não deve haver mais regras do que as estritamente necessárias. Confortável em situações ambíguas ou pouco familiares. Baixos níveis de stress. Abertura a ideias novas e a novos desenvolvimentos. O superior pode dizer não sei não precisa ser especialista da área. O desempenho e resultados obtidos são fonte de motivação.

18 Controle da Incerteza (Hofstede, 1991) Ranking País Score Ranking País Score 1 Grécia Finlândia 59 2 Portugal Países Baixos 53 5 Bélgica Noruega 50 7 Japão EUA 46 10/15 França 86 47/48 Grã Bretanha 35 10/15 Espanha 86 47/48 Irlanda Itália Suécia Alemanha Dinamarca 23

19 Masculinidade-Feminilidade (adaptado de Hofstede, 1991) Masculinidade Ênfase no dinheiro e posses materiais. Ser ambicioso e falar sobre os seus sucessos é considerado normal. Competição e assertividade. Resolução de divergências pelo poder ou regra da maioria. Simpatia pelos fortes e os vencedores. Vive para trabalhar. Feminilidade Ênfase nas pessoas e na qualidade de vida. Ser modesto é considerado correcto. Procura de cooperação e consenso. Resolução de divergências pela cedência mútua e negociação. Simpatia pelos fracos e perdedores. Trabalha para viver.

20 Masculinidade-Feminilidade (Hofstede, 1991) Ranking País Score Ranking País Score 1 Japão França 43 4 Itália Espanha 42 7 Irlanda Portugal 31 9/10 Grã-Bretanha Finlândia 26 9/10 Alemanha Dinamarca EUA Holanda Grécia Noruega 8 22 Bélgica Suécia 5

21 Orientação para o longo/curto prazo (Hofstede, 1991) Ranking País Score 4 Japão Holanda Suécia Alemanha EUA Grã Bretanha 25

Dimensões Culturais de Hofstede

Dimensões Culturais de Hofstede Dimensões Culturais de Hofstede para amigos do AFS Ser incapaz de navegar em contextos culturais desconhecidos pode levar a frustrações e a confusão. Observe este exemplo: Sarah, uma adolescente estadunidense,

Leia mais

PSICOSSOCIOLOGIA DO TRABALHO

PSICOSSOCIOLOGIA DO TRABALHO APRESENTAÇÃO PSICOSSOCIOLOGIA DO TRABALHO O QUE SE ESTUDA? O impacto que as variáveis: Individuais (Micro); De grupo (Meso); e Organizacionais (Macro); têm sobre o comportamento dentro das organizações

Leia mais

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação Rede de Avaliação do CAD Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação (para aplicação em fase experimental) As normas em anexo são provisórias e foram aprovadas pelos membros da Rede de Avaliação do CAD,

Leia mais

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR Revogada pela RN 020/06 Resolução Normativa RN-007/2006 Revoga a RN 001/05 TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR O Presidente do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq,

Leia mais

Assumir e gerir os conflitos, uma urgência nacional

Assumir e gerir os conflitos, uma urgência nacional positive organization facilitators Assumir e gerir os conflitos, uma urgência nacional Retrato dos conflitos organizacionais em Portugal Outubro 2009 www.convirgente.com Inquérito concebido pela Convirgente

Leia mais

Porto, 6 de Maio de 2010

Porto, 6 de Maio de 2010 A Responsabilidade Social na Internacionalização Porto, 6 de Maio de 2010 Indíce 1. AICEP Modelo de Negócio e Objectivos 2. International Business Intelligence Unit 3. Empresas e Responsabilidade Social

Leia mais

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos No final do ano de 1999 a Agência Europeia iniciou um projecto de investigação, a nível Europeu, sobre o

Leia mais

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior O SNESup e o Núcleo de Estudantes de Sociologia da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra realizaram mais um debate integrado

Leia mais

Observatório do Ambiente - SIIGMA

Observatório do Ambiente - SIIGMA Observatório do Ambiente - SIIGMA Elsa Nunes, Marcos António Nogueira Cidadania / Ambiente / Inovação Cidadania Território Conhecimento Ambiente Território Sociedade Economia Território Cidadania Cidadania

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

Análise Multidimensional da Evolução do Sistema de Saúde Português

Análise Multidimensional da Evolução do Sistema de Saúde Português Análise Multidimensional da Evolução do Sistema de Saúde Português Objectivos: Construir participativamente e partilhar amplamente uma visão dos determinantes da evolução do sistema de saúde português,

Leia mais

Barómetro Turismo Alentejo

Barómetro Turismo Alentejo Barómetro Turismo Alentejo Janeiro 2012 METODOLOGIA TOP DORMIDAS JANEIRO 2012 Inicia-se este ano de 2012 com alterações na metodologia do Barómetro, incluindo a sistemática comparação dos dados de 2012

Leia mais

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 Dezembro 2011 1- Introdução A metodologia do SRM estabelece que o modelo seja revisto no final de cada ano. As alterações resultantes

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44 Quadro Número de empresas de seguros a operar em Portugal 24 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 2 46 2 78 Empresas de seguros de direito português 5 23 6 44 Empresas de seguros 5 2

Leia mais

A Gestão dos Recursos Humanos em Saúde:Situação e Perspectivas (*)

A Gestão dos Recursos Humanos em Saúde:Situação e Perspectivas (*) A Gestão dos Recursos Humanos em Saúde:Situação e Perspectivas (*) Covilhã, 18 de Maio de 2007 (*) Manuel Delgado 1 AGENDA I Breve Caracterização dos Recursos Humanos da Saúde II As Despesas com Pessoal

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 21/12 Economia 20/12 Demografia Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 http://www.ine.pt/portal/page/portal/portal_ine/publicacoes?publicacoespub_boui=10584451&publicacoesm

Leia mais

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial.

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. 1 Conteúdo Conceitos e definições segundo a NP 4456:2007 A inovação no mundo e em Portugal 2 Objectivos Situar a problemática

Leia mais

Retrato de Portugal alguns indicadores

Retrato de Portugal alguns indicadores Retrato de Portugal alguns indicadores Apresentação de Joel Felizes Resumo O Índice de Desenvolvimento Humano e o PIB A posição de Portugal vista em diversas dimensões Comparação a nível mundial e da UE

Leia mais

Newsflash - Notícias UE sobre Habitação Social

Newsflash - Notícias UE sobre Habitação Social DOCUMENTO ASSUNTO EDIÇÃO AUTOR Newsflash - Notícias UE sobre Habitação Social Setembro 2011 CECODHAS HOUSING EUROPE Secretariado PERIODICIDADE 6/8 publicações/ano TEMAS ABORDADOS A Notícia de abertura

Leia mais

Antecedentes sociais do comportamento organizacional

Antecedentes sociais do comportamento organizacional Antecedentes sociais do comportamento organizacional Tipos de grupos - Formais - Informais Recursos Estrutura Poder Políticas Confiança Liderança Comunicação Comportamento Desempenho Satisfação Conflito

Leia mais

O Líder do futuro também é coach das suas equipas! Como dar o passo?

O Líder do futuro também é coach das suas equipas! Como dar o passo? Luis Morgadinho e Pedro Miguel Geraldes O Líder do futuro também é coach das suas equipas! Como dar o passo? 14 e 1415 e 15 de Março 2012 2012 Centro Congressos do Estoril Centro Congressos do Estoril

Leia mais

Documentos de Referência e Linhas de Orientação do CAD. Normas de Qualidade para a Avaliação do Desenvolvimento

Documentos de Referência e Linhas de Orientação do CAD. Normas de Qualidade para a Avaliação do Desenvolvimento Documentos de Referência e Linhas de Orientação do CAD Normas de Qualidade para a Avaliação do Desenvolvimento A versão em português das Normas de Qualidade para a Avaliação do Desenvolvimento foi preparada

Leia mais

Operação PANGEA II. IIWA ( Internet Week of Action) 19 de Novembro 2009

Operação PANGEA II. IIWA ( Internet Week of Action) 19 de Novembro 2009 Operação PANGEA II IIWA ( Internet Week of Action) 1 19 de Novembro 2009 Operação PANGEA II Enquadramento - Combate à contrafacção a nível mundial realizado por agências do medicamento e autoridades competentes

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

cultura da empresa e parcerias de negócio Francisco Dias Colecção Ferramentas para o Empreendedor Governo da República Portuguesa

cultura da empresa e parcerias de negócio Francisco Dias Colecção Ferramentas para o Empreendedor Governo da República Portuguesa cultura da empresa e parcerias de negócio Francisco Dias Colecção Ferramentas para o Empreendedor Governo da República Portuguesa Ficha Técnica Título: Manual Técnico do Formando: Cultura da Empresa Autor:

Leia mais

Os modelos de financiamento da saúde e as formas de pagamento aos hospitais: em busca da eficiência e da sustentabilidade

Os modelos de financiamento da saúde e as formas de pagamento aos hospitais: em busca da eficiência e da sustentabilidade Os modelos de financiamento da saúde e as formas de pagamento aos hospitais: em busca da eficiência e da sustentabilidade Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Agenda Enquadramento

Leia mais

Previdência e Fortalecimento do Mercado de Capitais: Experiência Internacional

Previdência e Fortalecimento do Mercado de Capitais: Experiência Internacional Previdência e Fortalecimento do Mercado de Capitais: Experiência Internacional São Paulo, 8 de dezembro 2003 Vinicius Carvalho Pinheiro - vinicius.pinheiro@oecd.org Especialista em Previdência Privada

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Condições para uma aprendizagem eficaz

Condições para uma aprendizagem eficaz Creating Effective Teaching and Learning Environments: First Results from TALIS Summary in Portuguese Criação de Ambientes Eficazes para o Ensino e Aprendizagem: Primeiros Resultados do TALIS Sumário em

Leia mais

prodep ANTES DA MOEDA ÚNICA: Até 31 de Dezembro de 1998, cada país da UE tinha a sua moeda:

prodep ANTES DA MOEDA ÚNICA: Até 31 de Dezembro de 1998, cada país da UE tinha a sua moeda: ANTES DA MOEDA ÚNICA: Até 31 de Dezembro de 1998, cada país da UE tinha a sua moeda: Portugal Escudo Bélgica Franco belga Dinamarca Coroa dinamarquesa Alemanha Marco alemão Grécia Dracma Espanha Peseta

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

AS DIMENSÕES CULTURAIS DE HOFSTEDE

AS DIMENSÕES CULTURAIS DE HOFSTEDE AS DIMENSÕES CULTURAIS DE HOFSTEDE 1. Introdução Aprendi no único ano que frequentei no Instituto de Ciências Humanas (UNICAMP) - Antropologia, que cultura é a resposta oferecida pelos grupos humanos aos

Leia mais

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL Observatório Pedagógico Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Objectivos: 21 22 23 24 25 26 29 21 22 23 24 25 26 29 "shares"

Leia mais

A ADMINISTRAÇÃO FISCAL E AS EMPRESAS

A ADMINISTRAÇÃO FISCAL E AS EMPRESAS A ADMINISTRAÇÃO FISCAL E AS EMPRESAS Mitos e Realidades Porto, Novembro de 2003 ÍNDICE 1. MITOS 1.1. INJUSTIÇA DO SISTEMA FISCAL 1.2. EVASÃO 1.3. INEFICIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO FISCAL 1.4. INCOMPATIBILIDADE

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Francisco Cordovil Director do GPP Conselho Nacional da Água Ponto 4 da ordem de trabalhos Lisboa 3 de Dezembro de 2010 Política agrícola e protecção

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS PSICOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Ciências da Comunicação CONTEXTOS DE COMUNICAÇÃO: COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS Aspectos gerais Definição de pequeno grupo Tipos de grupos Estrutura e Dinâmica de grupo Resolução

Leia mais

Necessidade. de uma nova atitude

Necessidade. de uma nova atitude Necessidade de uma nova atitude O Conselho Europeu de Lisboa, de Março 2000, definiu um ambicioso objectivo estratégico a 10 anos, de tornar a União Europeia no espaço económico mais dinâmico e competitivo

Leia mais

Começar Global e Internacionalização

Começar Global e Internacionalização Começar Global e Internacionalização Artur Alves Pereira Assessor do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Fevereiro 06, 2014 1 A aicep Portugal Global Missão. A aicep Portugal Global é uma

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES Porque devemos utilizar a empresa Tungsten-Network para enviar as nossas facturas? Para além das vantagens indicadas anteriormente, a facturação electrónica é o método preferido pela

Leia mais

Os Modelos de Gestão nas Organizações

Os Modelos de Gestão nas Organizações Os Modelos de Gestão nas Organizações APCER VISÃO Ser reconhecida como uma empresa de auditoria e certificação global. MISSÃO Auditar e certificar em todo o mundo, com competência e confiança, para benefício

Leia mais

MATURIDADE. 85% das falhas de uma organização devem-se a falta de competência comportamental e não técnica. Peter Drucker. profissional.

MATURIDADE. 85% das falhas de uma organização devem-se a falta de competência comportamental e não técnica. Peter Drucker. profissional. EQUIPE É UM CONJUNTO DE PESSOAS COM ELEVADA PESSOAL E PROFISSIONAL, QUE TRABALHAM DE FORMA COOPERATIVA E INTERDEPENDENTE, COMPARTILHANDO UMA MISSÃO DISCIPLINA PARA ATINGIR OBJETIVOS DOMÍNIO DEFINIDOS.

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Duplo-Diploma na Área das Engenharias

Duplo-Diploma na Área das Engenharias Duplo-Diploma na Área das Engenharias Prof. Dr. Ricardo M. Naveiro Coordenador de Relações Internacionais Escola Politécnica da UFRJ Memórias do passado Sumário Cenário econômico mundial Histórico dos

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais O Conselho Superior da Magistratura é membro de duas organizações internacionais que promovem a cooperação e concertação

Leia mais

V Jornadas Empresariais Portuguesas Encontros de Vidago

V Jornadas Empresariais Portuguesas Encontros de Vidago V Jornadas Empresariais Portuguesas Encontros de Vidago Internacionalização das Empresas Luís Laginha de Sousa 2 de Junho de 2006 Agenda Conclusões Um quadro de referência Internacionalizar inevitabilidade

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

A MUDANÇA NAS EMPRESAS E A DESMOTIVAÇÃO

A MUDANÇA NAS EMPRESAS E A DESMOTIVAÇÃO A NAS EMPRESAS E A DESMOTIVAÇÃO No final de uma década em que o estudo do Cérebro Humano trouxe à comunidade empresarial dados indubitavelmente importantes para a compreensão dos processos emocionais das

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

Gestão e Cobrança de Créditos GESTÃO E COBRANÇA DE CRÉDITOS. Luís Sousa CEO Logicomer. Logicomer, gestão e recuperação de créditos, sa

Gestão e Cobrança de Créditos GESTÃO E COBRANÇA DE CRÉDITOS. Luís Sousa CEO Logicomer. Logicomer, gestão e recuperação de créditos, sa GESTÃO E COBRANÇA DE CRÉDITOS Luís Sousa CEO Logicomer Empresa - Perfil QUEM É E O QUE FAZ A LOGICOMER Empresa - Perfil Marcos Importantes Fundação em 1989 Nº 1 referência em Portugal Vários Prémios de

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS. Prof. Walfredo Ferreira

GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS. Prof. Walfredo Ferreira GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS Prof. Walfredo Ferreira Estrutura do estudo: (Onde estamos no programa?) O Ambiente dos Negócios Internacionais o Aspectos culturais dos negócios internacionais o Aspectos

Leia mais

SIMULAÇÃO NACIONAL DOS ORGANIZADORES DE MODELOS DAS NAÇÕES UNIDAS MODELOS DE DOCUMENTOS

SIMULAÇÃO NACIONAL DOS ORGANIZADORES DE MODELOS DAS NAÇÕES UNIDAS MODELOS DE DOCUMENTOS SIMULAÇÃO NACIONAL DOS ORGANIZADORES DE MODELOS DAS NAÇÕES UNIDAS MODELOS DE DOCUMENTOS Fortaleza/CE, 2015 Senhores Delegados, As simulações de organizações internacionais são, em sua essência, exercícios

Leia mais

Antecedentes sistémicos do comportamento organizacional

Antecedentes sistémicos do comportamento organizacional Antecedentes sistémicos do comportamento organizacional Estrutura Tecnologia Tamanho Idade Gestão de Recursos Humanos Cultura Aprendizagem Comportamento Desempenho Satisfação Mudança Inovação Tomada de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 Dispõe sobre o percentual mínimo e máximo de participação de membros de cada sexo nos conselhos de administração das empresas públicas, sociedades de economia mista, suas subsidiárias

Leia mais

Vistos de Entrada Para o Catar

Vistos de Entrada Para o Catar Vistos de Entrada Para o Catar Visto para o cidadão brasileiro entrar no Catar poderá ser adquirido no momento da chegada ao país ou antes, dependendo do caso em que se insere o brasileiro. A Embaixada

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Dezembro 2012 Índice

Leia mais

Oferecer oportunidade de estudo e estágio a discentes brasileiros em universidades de excelência;

Oferecer oportunidade de estudo e estágio a discentes brasileiros em universidades de excelência; UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO Objetivos do Programa Oferecer oportunidade de estudo e estágio a discentes brasileiros em universidades de excelência;

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

OS BLOCOS ECONÔMICOS União Européia. Prof.: ROBERT OLIVEIRA

OS BLOCOS ECONÔMICOS União Européia. Prof.: ROBERT OLIVEIRA OS BLOCOS ECONÔMICOS União Européia Prof.: ROBERT OLIVEIRA união européia: a formação do bloco europeu O bloco europeu teve seu início com a formação do BENELUX em 1944, com o intuito de reconstruir a

Leia mais

Portugal no contexto europeu Entre tradição e modernidade

Portugal no contexto europeu Entre tradição e modernidade Portugal no contexto europeu Entre tradição e modernidade Anália Cardoso Torres Professora Catedrática do ISCSP, Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa Presidente

Leia mais

Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001

Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001 Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001 George Alves Soares Chefe da Assessoria Corporativa e de Novos Negócios em Eficiência Energética

Leia mais

Geografia 03 Tabata Sato

Geografia 03 Tabata Sato Geografia 03 Tabata Sato IDH Varia de 0 a 1, quanto mais se aproxima de 1 maior o IDH de um país. Blocos Econômicos Economia Globalizada Processo de Regionalização Tendência à formação de blocos econômicos

Leia mais

P l a n o d e A c t i v i d a d e s

P l a n o d e A c t i v i d a d e s P l a n o d e A c t i v i d a d e s A n o d e 2 0 0 7 Para TURIHAB e para os Solares de Portugal, 2007 será o ano da Internacionalização. Com a certificação dos Solares de Portugal com a ERS3001TER e a

Leia mais

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Institucional Tokio Marine Seguradora Tokio Marine no Mundo Grupo Tokio Marine é o um dos líderes entre os grupos seguradores globais. Fundada em1879 Ativos:US$98bilhões

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Os Desafios para a. Contratualização. na Saúde. Contratualização Desempenho. Ana Escoval. Governação. Mediação. Regulação Qualidade.

Os Desafios para a. Contratualização. na Saúde. Contratualização Desempenho. Ana Escoval. Governação. Mediação. Regulação Qualidade. Governação Mediação Regulação Qualidade Os Desafios para a Contratualização Contratualização Desempenho na Saúde Inovação Centros de Saúde Ana Escoval Continuidade, coordenação e integração de cuidados

Leia mais

Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros

Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros Regulamentação dos serviços profissionais Iain Paterson, Marcel Fink, Anthony Ogus et al. Resumo Estudo

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Pagamento para o FSM 2005 Veja aqui o passo a passo para pagar sua inscrição no FSM 2005 1) Indivíduos

Leia mais

Desafios de Valor numa Economia Inteligente

Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente As Novas Redes Colaborativas Os Novos Processos de Intermediação A Gestão

Leia mais

"Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein)

Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade. (Adaptado livremente de A. Einstein) Fácil assim. 12345 "Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein) 12345 Tudo é mais fácil com Lenze. O forte dinamismo dos tempos atuais o coloca em confronto

Leia mais

Análise comparativa dos sistemas de avaliação do desempenho docente a nível europeu

Análise comparativa dos sistemas de avaliação do desempenho docente a nível europeu 1 Análise comparativa dos sistemas de avaliação do desempenho docente a nível europeu Jorge Lima (*) Eurydice é a rede de informação sobre a educação na Europa, criada por iniciativa da Comissão Europeia

Leia mais

UNCTAD NOTA À IMPRENSA. RESTRIÇÃO O conteúdo deste Relatório não poderá ser divulgado antes das 17 horas do GMT de 18 de setembro de 2001

UNCTAD NOTA À IMPRENSA. RESTRIÇÃO O conteúdo deste Relatório não poderá ser divulgado antes das 17 horas do GMT de 18 de setembro de 2001 TRADUÇAO NÃO OFICIAL UNCTAD NOTA À IMPRENSA RESTRIÇÃO O conteúdo deste Relatório não poderá ser divulgado antes das 17 horas do GMT de 18 de setembro de 2001 (13 horas de Nova York, 19 horas de Genebra,

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica. Jaime Quesado

Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica. Jaime Quesado VII Encontro da PASC Plataforma Activa da Sociedade Civil 2 de Março de 2011 Sala do Senado da Reitoria da UNL Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica Jaime Quesado Patrocinadores Globais Inteligência

Leia mais

EMPREENDEDORISMO INTERNACIONAL

EMPREENDEDORISMO INTERNACIONAL EMPREENDEDORISMO INTERNACIONAL Unidade de qualificação, desenvolvida segundo as especificações técnicas ECVET (descrita em termos de conhecimentos, aptidões e competências) sobre EMPREENDEDORISMO INTERNACIONAL.

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação I. CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação O presente Código de Ética define os princípios e as regras a observar pela N Seguros, S.A. sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

Enquadramento geral A gestão e os seus atores. Capítulo 1 Desafios que se colocam à gestão moderna 23

Enquadramento geral A gestão e os seus atores. Capítulo 1 Desafios que se colocam à gestão moderna 23 Índice PREFÁCIO PARA OS ESTUDANTES 13 PREFÁCIO PARA OS PROFESSORES 15 INTRODUÇÃO 17 PARTE 1 Enquadramento geral A gestão e os seus atores Capítulo 1 Desafios que se colocam à gestão moderna 23 1.1. As

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

A criação da realidade social as organizações vistas como culturas

A criação da realidade social as organizações vistas como culturas Aula sobre a Cultura como metáfora organizacional A criação da realidade social as organizações vistas como culturas In: http://www.ead.fiocruz.br/comunidade/politicasenap/downloads/niveldeanaliseorganizacional.pdf

Leia mais

Marina Rodrigues Career and University Counsellor Consultora

Marina Rodrigues Career and University Counsellor Consultora Marina Rodrigues Career and University Counsellor Consultora Auto conhecimento Tomar decisões Ter em conta as oportunidades Juntar Informação Planear e tomar providências As qualificações academicas são

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais