Case study sobre a Brisa Inovação e Tecnologia.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Case study sobre a Brisa Inovação e Tecnologia."

Transcrição

1 1 Gestão de Talentos em unidades de trabalho I&D. Case study sobre a Brisa Inovação e Tecnologia. Mestrado em Estratégia Empresarial Orientador de Dissertação: Professor Doutor José Manuel Fonseca Mija Goemi Pawlicki Junho de Este trabalho não foi escrito ao abrigo do Novo Acordo Ortográfico

2 Resumo O sector empresarial em Portugal tem tirado partido das parcerias empresariais para a inovação reunindo empresas regionais e locais relevantes, grandes empresas e instituições do conhecimento e tecnológicas, numa parceria empenhada na implementação de projectos inovadores de investimento empresarial. Com este trabalho, pretende-se constatar, por via exploratória, de que forma o ambiente organizacional tem um impacto positivo na capacidade de inovar da empresa, mantendo a motivação e uma superior performance dos indivíduos. Para abordar esta problemática, foi elaborado um estudo de caso na empresa Brisa Inovação e Tecnologia. Palavras-Chave: Estratégia, gestão estratégica de recursos humanos, inovação, performance, competitividade, produtividade, parcerias. 2

3 Abstract The business sector in Portugal has taken advantage of business innovation partnerships bringing together relevant regional and local companies, large enterprises and institutions of knowledge and technology, in a partnership to implement innovative projects of business investments. With this work, it s intended to find, in an exploratory way, how the workplace atmosphere has a positive impact on the company's ability to innovate while maintaining superior performance and motivation of the individuals. To address this problem, a case study was prepared at Brisa Innovation and Technology. Keywords: Strategy, strategic human resource management, outsourcing, innovation, performance, competitiveness, productivity, partnerships. 3

4 Agradecimentos Em primeiro lugar agradeço a Deus pela coragem e resiliência que me deu para abraçar estes árduos 6 anos de frequência universitária. Em segundo lugar ao meu filho por me ter acompanhado neste percurso. Aos meus pais por estarem incondicionalmente ao meu lado. À Maria João Costa uma vez que, sem a sua ajuda, esta etapa da minha vida não seria possível. Aos meus amigos José Carlos Nunes, Solange Melo, Hugo Silva, Pedro Simões e Ricardo Vega pela força e coragem que me transmitiram. Ao Professor Doutor José Manuel Fonseca e ao Professor Doutor Rocha Machado, pela orientação, sábios conselhos e incentivo para trilhar este caminho. 4

5 Índice Geral Resumo... 2 Abstract... 3 Agradecimentos... 4 Índice de Figuras... 7 Lista de abreviaturas Introdução A motivação para a investigação Questões de partida Objectivos Enquadramento teórico Inovação Modelos de Inovação Uma questão de performance Universidades como centros de investigação e de saber Elementos de uma unidade de investigação e desenvolvimento (I&D) A cultura organizacional O outsourcing em unidades de I&D Trabalhadores temporários Metodologia Tipo de Investigação Investigação Qualitativa Análise Documental A Análise de conteúdo

6 3.2. Tipo de Entrevista Entrevista Semi-estruturada Case Study: A BRISA Inovação e Tecnologia Missão, Visão e Valores da BIT Modelo de Inovação da Empresa Indicadores de Sustentabilidade Considerações Finais Conclusão do Case study Recomendações para trabalhos futuros Bibliografia ANEXOS Guião De PERGUNTAS (Entrevista Realizada Em Maio 2014) GUIÃO DE PERGUNTAS (Entrevista realizada em março 2015) GRELHA DE ENTREVISTA (Março 2015)

7 Índice de Figuras Figura Figura Figura Tabela

8 Lista de abreviaturas I&D BIT IUS UE Investigação e Desenvolvimento Brisa Inovação e Tecnologia Innovation Union Scoreboard União Europeia R&D Research and Development IDI ITS Investigação, Desenvolvimento e Inovação Intelligent Transportation Systems 8

9 1. Introdução No período de cinco anos coberto pelo IUS (Innovation Union Scoreboard) 2010, Portugal destacou-se como o país com o mais rápido crescimento na UE-27 do indicador global de inovação apesar da crise conjuntural e estrutural que vive continuando a apostar fortemente na investigação. Numa altura em que os índices de confiança dos mercados, das empresas e dos consumidores caíram a pique, o que leva certas empresas em Portugal apostarem na Inovação? Certamente porque esta se torna num indicador primário da capacidade de uma organização de se adaptar ao seu ambiente (Ansoff & McDonnell, 1990). "A inovação surge como uma estratégia fundamental de sobrevivência para as organizações, pois permite uma mais rápida adaptação a ambientes turbulentos. (Eisenhard & Tabrizi, 1995; Kanter, 1989). Kanter (1984) afirmou ser lamentável que o termo inovação faça com que a maioria das pessoas seja levada a pensar em primeiro lugar na tecnologia uma vez que o mundo emergente requerer mais inovação social e organizacional. A competitividade de um país depende da capacidade de algumas das suas indústrias e empresas responderem às pressões e aos desafios nos mercados servidos e de forma ampla no mercado global. Numa lógica micro é a capacidade de uma empresa ganhar sustentadamente quota de mercado (Competitividade = Produtividade = Inovação) e numa lógica macro e segundo Porter é a capacidade de uma nação criar um ambiente acolhedor, dinâmico, desafiador e progressista facilitando o estabelecimento de empresas e criando um elevado padrão de vida sustentado para os seus cidadãos. Uma das particularidades das nações competitivas é a evidência de centros de I&D a trabalhar em rede com empresas em clusters localizados de forma a criar e disseminar conhecimento. É aqui que entram as Universidades como parceiros estratégicos. Para o efeito as empresas devem reforçar as ligações com os centros de saber potenciando e valorizando o conhecimento novo gerado pelo Sistema Cientifico e Tecnológico. Neste âmbito a BRISA Inovação e Tecnologia tem-se destacado pelo sucesso que tem obtido na gestão do seu capital humano e intelectual, sendo os resultados evidentes e mensuráveis através do input que jovens universitários têm trazido à organização e através dos indicadores de sustentabilidade. 9

10 1.1. A motivação para a investigação Face aos argumentos mencionados anteriormente foi considerado relevante para esta investigação abordar questões ligadas ao processo referente à forma como a BRISA Inovação e Tecnologia acolhe, integra e acultura os jovens talentos. Segundo Fonseca (2002), independentemente da forma como a Inovação é considerada, como hard scientific and technological process, a rational management process, or a soft intuitive human process, o pressuposto comum é que a Inovação é um fenómeno que pode ser submetido ao controle humano. Nesse sentido, a principal motivação para esta investigação é perceber de que forma a BRISA Inovação e Tecnologia concebeu um modelo dotado das condições necessárias para uma correcta e bem-sucedida gestão deste processo complexo que envolve a interacção humana num ambiente muito particular que é o de I&D (investigação e desenvolvimento). 10

11 1.2. Questões de partida A BRISA Inovação e Tecnologia aparece como um aglutinador do esforço e da interacção de múltiplas entidades, ou seja, uma espécie de hub de investigação. Faz um assembling final dos contratamentos, sendo a inovação um processo em que segundo Fonseca (2002) esta hard scientific and technological process são uma variável moderadora, e soft intuitive human process, enquanto as pessoas são uma variável explicativa. Será que as pessoas que trabalham na BIT (Brisa Inovação e Tecnologia) percecionam e vivem um contrato psicológico, foram devidamente aculturadas e fidelizadas? Assim, a questão de partida para esta investigação passa por compreender como se articulam, coordenam e se faz a gestão de competências destas pessoas de forma que elas contribuam para o sucesso da BIT. Como se trabalham e desenvolvem talentos para que eles contribuam para aquilo que tem sido o sucesso do modelo de inovação da BIT (Brisa Inovação e Tecnologia). 11

12 1.3. Objectivos O interesse deste trabalho para investigações futuras centra-se no estudo da forma como a Brisa Inovação e Tecnologia gere e desenvolve os seus potenciais talentos muito qualificados, fornecendo ainda recursos talentosos a outras empresas que não disponham de recursos financeiros e outros tão grandes e que possam e pretendam aplicar este modelo (em parcerias com universidades e institutos) e tenham o sucesso e o rendimento como a BRISA tem apresentado (management of outsourded R&D). 12

13 2. Enquadramento teórico 2.1. Inovação O termo Inovação vem do latim innovatus que significa renovar ou alterar. Peter Drucker (2002, p.96) define inovação como o esforço para criar mudança propositada e focada no potencial económico e social da empresa. Uma invenção é uma ideia, um conceito, um esboço ou um modelo para um novo ou melhorado produto, dispositivo, processo ou sistema. Inventar é a criação de novos conhecimentos ou novas ideias. Desta forma, pode entender-se o processo de inovação como a integração da tecnologia e invenções existentes tendo em vista criar um produto novo ou melhorado, um processo ou sistema. Inovação no sentido económico é realizada através da primeira utilização e comercialização de um produto novo ou melhorado, processo ou sistema (Jain et al. 2010). Convém referir que segundo um estudo realizado pela Schuman Associates, European Consultants para a Comissão Europeia intitulado Inovação e Investigação Empresarial Incluindo Transferência de Conhecimento em Portugal, Portugal encontra-se numa fase de mudança estrutural, evidenciando um processo de recuperação em direcção à fronteira tecnológica e enfrentando o desafio de construção de um sistema de inovação capaz de fornecer novas vantagens competitivas, existindo indicadores positivos sobre a capacidade de desenvolvimento e absorção de inovação e conhecimento. Salienta-se também que segundo o Sistema Nacional de Inovação, Portugal na última década subiu de ranking de inovação da UE-27: de uma posição como inovador modesto ( modest innovator, 20ª posição no ranking). O país passou a integrar o grupo dos inovadores moderados ( moderate innovators, fixando-se na 15ª posição no ranking) no Innovation Union Scoreboard (IUS). A escala utilizada pela IUS vai, por ordem crescente, de Inovadores modestos, a Inovadores moderados, a Seguidores da inovação e a Líderes da inovação. 13

14 Modelos de Inovação De acordo com as interacções que uma organização estabelece com outras organizações no desenvolvimento dos seus projectos de inovação, Chesbrought (2003, referenciado por Dantas & Moreira, 2011) refere a existência de 2 modelos de Inovação: Tabela 1 Inovação Fechada vs Inovação Aberta Inovação Fechada A I&D é interna, há necessidade de investir em actividades internas à organização. Inovação Aberta A perspectiva da I&D é a de maximizar os seus resultados, utilizando portanto recursos tanto internos como externos. A organização pretende gerir e gerar ideias inovadoras. A organização pretende lançar ideias inovadoras no mercado. Importância para a organização de ter especialistas, para conseguir gerar as soluções internamente. A organização controla e protege a sua propriedade intelectual. A organização gere e gera ideias, mas está atenta ao meio envolvente externo. A organização pretende ter um modelo de negócio que lhe permita ter uma vantagem competitiva sustentável. A organização consegue especializar-se numa área específica e procura colaborar com outras organizações para maximizar os seus recursos. A organização pretende não só proteger a sua propriedade intelectual como potenciar o seu negócio, através do licenciamento de tecnologias não utilizadas e adquirindo tecnologias emergentes. Fonte: Adaptado de Dantas & Moreira (2011). 14

15 Segundo o autor, o modelo de inovação fechado é auto-suficiente, onde há apenas utilização de recursos internos e não há partilha de conhecimento, situação esta que gera enormes custos e riscos imprevisíveis, visto que nos dias que correm o conhecimento encontrar-se generalizado e as ideias disponíveis no exterior. Neste modelo fechado, a pesquisa está a ficar cada vez mais dispendiosa, com ciclos de vida dos produtos curtos, havendo necessidade de trabalhar mais para se conseguir recuperar o investimento. No modelo aberto existe uma maior partilha de riscos, custos, ideias e consequentemente, inovações. Neste modelo, a organização deve procurar inovações no exterior, recorrendo, por exemplo, a universidades, laboratórios e centros de pesquisa Uma questão de performance Quando genericamente se fala em mudança, há que ter em conta a motivação e o estabelecimento de objectivos tanto da empresa como do indivíduo. Estes objectivos determinam em grande parte o comportamento humano (Locke et al.1981) e a motivação para atingir esses objectivos tendo um papel crucial na performance e na eficiência da organização. A performance eficaz consiste no alcance dos objectivos requeridos para uma actividade, através de acções específicas, consistentes com as políticas, procedimentos e condições concretas do ambiente organizacional. Para tudo o referido anteriormente conta particularmente o capital humano da organização sendo este constituído pelo conjunto das capacidades individuais, conhecimentos, habilidades, qualificações e experiência dos trabalhadores, na medida em que sejam relevantes para os objectivos organizacionais. Também está incluída naquela expressão a capacidade de o desenvolver e aumentar através da aprendizagem (Dess & Picken, 1999). Ao gestor de capital humano da empresa compete, para uma máxima eficiência organizacional, estabelecer objectivos que sejam compatíveis com ambos de forma a maximizar as competências (características intrínsecas duma pessoa que resultam em efectiva e superior performance). A gestão dessas competências consiste essencialmente numa filosofia de desenvolvimento de 15

16 talentos na organização. A eficiência organizacional, depende, desta forma, da motivação individual, da performance individual e de uma adequada coordenação de performances individuais. Sublinha-se que o capital humano é constituído pelo conjunto de pessoas duma organização materializado nas suas capacidades, características comportamentais, competências possuídas, experiências e conhecimentos. Já o capital intelectual de uma empresa é constituído pelos factores intangíveis que contribuem para a diferença entre valor contabilístico e o de mercado. Concretamente abrange as formas de propriedade intelectual, inteligência humana, envolvimento dos empregados, valores da organização, imagem da empresa e da marca, liderança tecnológica, relações de mercado, lealdade com cliente, sistemas e processos internos (Dess & Picken, 1999). Salientase que o capital intelectual mesmo quando abandona a empresa deixa lá a sua produção científica (Rocha Machado e Miguel Portugal 2014) Universidades como centros de investigação e de saber A investigação é uma das condições fundamentais para a evolução e para a mudança. Por isso, Griffiths (1993) sugere que a bolsa de investigação numa universidade se tornou no verdadeiro símbolo de honra. Assim, bolsas de investigação tornaram-se as forças motrizes para reconhecimento do corpo docente e promoção. A universidade é por essência um repositório de novos conhecimentos. Os estudantes de uma universidade geram novos conhecimentos e participam na divulgação desse conhecimento através do ensino e da publicação da pesquisa realizada em órgãos de reconhecido prestígio científico. Como foi anteriormente referido, o IUS 2010 destaca Portugal como o país com maior crescimento no indicador global de inovação no seio da UE-27, existindo alguns exemplos de forte crescimento, como a despesa de I&D empresarial, pedidos de patentes PCT (Patent Cooperation Treaty) e registo comunitário de design. Tem havido desta forma um progresso no investimento em I&D dos últimos anos em Portugal, sendo o sector do ensino superior a representar uma parcela da despesa significativa em I&D em Portugal (36% da I&D total em 2009, segundo dados da Eurostat). 16

17 O sector empresarial tem tirado partido das parcerias empresariais para a inovação reunindo empresas regionais e locais relevantes, grandes empresas e instituições do conhecimento e tecnológicas, numa parceria empenhada na implementação de projectos inovadores de investimento empresarial Elementos de uma unidade de investigação e desenvolvimento (I&D) Segundo Jain et al. (2010), os elementos básicos necessários para uma organização que se dedica à Investigação e Desenvolvimento (I&D) são (1) pessoas, (2) ideias, (3) fundos e (4) elementos culturais. Estes quatro ingredientes ou condições básicas têm de ser coordenados com muita habilidade pela gestão da unidade I&D, a fim de alcançar alta produtividade e excelência. Do conjunto de elementos referido o mais importante é o constituído pelas pessoas criativas. Essas pessoas têm ideias e habilidades para fazer pesquisas interessantes e, em seguida, traduzir os resultados da investigação em produtos úteis. Contudo, é essencial que essas pessoas estejam integradas e organizadas em estruturas que permitam uma cooperação eficaz. Para garantir um bom funcionamento de tal organização é preciso uma cultura organizacional adequada, isto é, que favoreça a criatividade e a inovação. Por último, mas não menos importante, são necessários fundos financeiros para garantir o funcionamento dos projectos. 17

18 2.5. A cultura organizacional Como refere Jain et al. (2010), a cultura está para a sociedade como a memória está para os indivíduos. Ela inclui ideias, padrões de procedimentos operacionais e suposições não declaradas que "trabalharam" em algum momento na história de um grupo cultural, tornandose assim, os padrões para perceber, pensar e julgar. Ela facilita o comportamento, porque as pessoas não têm que decidir o que fazer, elas fazem o que é habitual. Trata-se de crenças compartilhadas, atitudes, auto-percepção, normas, percepções de função e valores que são transmitidos a partir de uma geração para outra, entre aqueles que são capazes de se comunicar, porque eles partilham uma língua, período histórico, e lugar. Do mesmo modo que as sociedades têm culturas próprias, também, as organizações têm as suas culturas específicas. Trata-se da posse de elementos objectivos (por exemplo, laboratórios de pesquisa, equipamentos, edifícios de escritórios, mobiliário de escritório) e de elementos subjectivos (regras, leis, valores, normas). De entre os mais importantes elementos da cultura fazem parte as suposições não declaradas relativas a "forma como as coisas são feitas nesta empresa. " Uma forma de ver as organizações globalmente é de defini-las como sistemas de processamento de informações (Daft & Weick, 1984). Quando as informações que devem ser processadas têm certos atributos, a estrutura da organização deve corresponder a esse tipo de informação. Algumas culturas organizacionais são mais eficazes do que outras. Uma cultura que enfatiza o comportamento de inovação e tem qualidade superior e relações subordinadas (ou seja, permite altos níveis de autonomia e discrição para a inovação) tende a ser mais eficaz do que uma cultura que não incentiva a inovação (Scott & Bruce, 1994). Outros aspectos da cultura organizacional dignos de serem mencionados são o trabalho árduo, a ênfase nas pessoas, ênfase no status, clima participativo, a tolerância para a discordância, e recompensas frequentes (Schneider et al. 1994). 18

19 2.6. O outsourcing em unidades de I&D O uso de outsourcing em unidades de I&D tem sido uma prática empresarial cada vez mais frequente e explorada. Segundo um paper da autoria de Juliana Hsuan e Volker Mahnke intitulado Outsourcing R&D: a review, model, and research agenda, a investigação sobre o outsourcing tem de se orientar para uma visão equilibrada sobre a sua rentabilidade, contrapondo possíveis desvantagens, riscos e custos que vêm com o aumento do uso externo de fontes de inovação. Em primeiro lugar, há uma crescente consciência de que a inovação e o conhecimento crítico para a I&D são criados fora das fronteiras corporativas (von Hippel, 2005; Chesbrough, 2006; Howells et al. 2008). Em segundo lugar, há uma realização generalizada de que os centros de excelência em I&D estão distribuídos geograficamente em todo o mundo. Hsuan & Mahnke (2010) sugerem, um simples modelo integrativo sobre a relação entre o outsourcing em unidades I&D e o desempenho. Figura 1 Outsourcing innovation and performance relationship model (Hsuan & Mahnke, 2010) 19

20 Segundo o modelo da figura 1., depois de um certo limite, os benefícios do outsourcing em I&D devem aumentar com graus crescentes de outsourcing, até um ponto de retorno decrescente. No entanto, nem todas as empresas vão encontrar-se na mesma curva. O benefício líquido do outsourcing em I&D está relacionado com o conhecimento prévio e habilidade de gerir o processo de outsourcing em I&D. Esses custos podem ser decompostos em fixos (por exemplo, custos de modularização) e componentes variáveis (por exemplo, de aprendizagem e acompanhar os custos). O padrão de dois desses custos difere à medida que a empresa aumenta os graus de I&D. Dado que a modularidade do design de produto em estágios iniciais de outsourcing de I&D é baixa em estádios iniciais de inovação por outsourcing (Fase 1), uma empresa tem em consideração os custos fixos de modularização. Inicialmente, este custo pode superar os benefícios do outsourcing em I&D, ampliando, assim, o tempo até que os resultados líquidos positivos do desempenho possam ser realizados. Com o aumento da taxa de outsourcing em I&D, a aprendizagem pela prática de como selecionar parceiros, gerir contratos, e monitorizar as fontes externas de inovação reduzem os custos variáveis do processo. Ao mesmo tempo, essa aprendizagem ajuda a empresa a concentrar a sua atenção na gestão para a absorção (por exemplo, reconhecimento e uso) de novo conhecimento externo, que ocorre paralelamente ao desenvolvimento de novas capacidades de sourcing. O resultado é a Fase 2, em que o aumento de níveis de outsourcing em I&D está associado com o aumento da rentabilidade. Embora a variável custos do processo esteja relacionado com o outsourcing de I&D vai sendo reduzido durante a fase 2. O segundo conjunto de custos, aqueles para tocam o uso de locais estrangeiros em busca da ideia romanceada de inovação, começam a subir. Ao mesmo tempo, um processo de capacidades em decadência começa a surgir. À medida que os esforços para aceder à fonte de inovação, remotamente, se tornem mais extensos, e a empresa expanda as suas operações de sourcing em mais países, os custos do processo variável de outsourcing em I&D aumentam para um ponto em que os custos podem novamente ultrapassar os benefícios. Nestas condições o desempenho líquido da empresa poderá declinar caindo na Fase 3. Contudo, salienta-se que diferentes parâmetros poderão influenciar a exacta localização das curvas de custo e benefício, bem como o declive de como o processo de outsourcing em I&D se comporta. Assim e mais especificamente, vários e 20

21 interessantes efeitos para futuras pesquisas se tornam visíveis no seu impacto sobre custos e benefícios do outsourcing em I&D como: (a) Efeito modular - A decomposição do design do produto é um custo fixo incorrido durante o outsourcing em I&D (Mikkola, 2003, 2006). (b) Efeito de Aprendizagem - a aprendizagem baseada na experiência reduz os custos variáveis de uso de fontes externas de I&D (Le Dain et al. 2010). Simultaneamente, aprender fazendo deve aumentar a capacidade de absorção de uma empresa (Cohen & Levinthal, 1990). (c) Efeito de distanciamento - Quanto maior a distância institucional entre o outsourced e o outsourcee, maiores serão os custos de Outsourcing em I&D (Ambos & Ambos, 2011). (d) Efeito Intermediário - O uso de intermediários reduz os custos e aumenta os benefícios da utilização de parceiros externos (Tran et al. 2010). Assim, o uso de intermediários influencia positivamente a relação entre o outsourcing em I&D e a rentabilidade (Mahnke et al. 2008) Trabalhadores temporários A problemática dos trabalhadores temporários tem merecido recentemente a atenção dos investigadores tendo em conta a sua situação laboral. A questão dos estagiários recebidos para BIT e cuja permanência na empresa é temporalmente limitada é teoricamente problemática sobretudo no que respeita à motivação. Segundo Ashford & Blatt (2007) a falta de expectativas de permanência na organização poderá afectar comportamento e atitudes dos trabalhadores temporários e o seu consequente desempenho e compromisso afectivo. Esta relação, entre organização e trabalhador temporário, visto não ser durável no tempo, seria expectável de provocar uma diminuição de respostas positivas nas atitudes e comportamentos dos empregados (Chambel, 2011). No entanto, os resultados de estudos têm sido contraditórios. Pearce (1993) verificou não haver diferenças no compromisso afectivo destes trabalhadores temporários e até mesmo que não era distinto da dos 21

22 trabalhadores permanentes (McDonald & Makin, 2000). Posteriormente, Sempre que as empresas necessitavam de contratar novos trabalhadores, optavam por integrar trabalhadores que demonstravam ter estas atitudes e comportamentos mais positivos. (Chambel, 2011) Mowday et al. (1979), define o compromisso afectivo como uma atitude do trabalhador face à organização, pressuponde que seja uma ligação emocional positiva e a qual leva que o trabalhador aceite os valores organizacionais como seus e dirija os seus esforços para atingir os objectivos. Esta atitude do trabalhador temporário tem sido fundamental e crucial nos dias de hoje, tendo em conta contexto competitivo que as organizações estão inseridas, assegurando uma elevada qualidade dos produtos e serviços prestados pela organização (Lawler, 1992). Neste estudo desenvolvido por Chambel (2011), outra variável importante, no que toca os trabalhadores temporários, é o seu desempenho. Os resultados obtidos foram idênticos quer ao nível do compromisso afectivo, quer ao nível de desempenho, ou seja, a condição de emprego, a falta de vínculo contratual não afecta a relação afectiva que o trabalhador tem para com a empresa nem afecta o seu desempenho. Neste estudo, a igualdade de tratamento também foi considerado, os trabalhadores desempenhavam funções idênticas, eram supervisionados/coordenados pelas mesmas chefias, tinham as mesmas condições de trabalhão, as mesmas oportunidades de formação e um sistema de avaliação de desempenho idênticos. Outra variável crítica para compreender esta relação que os trabalhadores temporários têm para com as organizações, é o contrato psicológico. (Chambel, 2011). Segundo Rousseau (1995), este contrato psicológico refere-se à avaliação que o empregado faz sobre as obrigações reciprocar que existem entre si e a empresa. Ou seja, a percepção subjectiva entre as promessas e benefícios de que a organização lhe faz em resposta às suas atitudes e comportamentos face à mesma. (Rosseau, 1989). Ou seja, há por parte da empresa uma expectativa de que estes se integrem na sua equipa, de que adquiram as competências para a realização das suas funções e de que tenham um desempenho adequado. Por outro lado, os trabalhadores não só aceitam estas obrigações para com a empresa como consideram haver por parte desta um conjunto de obrigações para consigo, desde a recompensa económica, como a manutenção do seu bem-estar ou mesmo de criar oportunidade de 22

23 desenvolvimento pessoal e profissional. No caso dos temporários, Isaksson et al. (1998), consideraram que este contrato psicológico é mais ao nível relacional, que inclui obrigações de carácter sócio emocional. O cumprimento deste contrato psicológico tem uma relação muito importante com as atitudes e comportamentos das pessoas e na reciprocidade existente entre a empresa e o trabalhador (Parzefall, 2007). Quando há a percepção entre a discrepância entre o que foi prometido e o que foi recebido, da parte do trabalhador provoca uma ruptura deste contrato e um consequente desequilíbrio na relação (Morrison & Robinson, 1997). Segundo este estudo realizado por Chambel (2011), verificou-se que a reciprocidade no cumprimento deste contrato psicológico constitui um mecanismo válido explicativo dos níveis de compromisso afectivo demonstrados pelos trabalhadores e uma mais-valia por parte da organização na sua aposta e desenvolvimento de práticas de recursos humanos neste sentido. 3. Metodologia 3.1. Tipo de Investigação Dada a natureza do trabalho a desenvolver pareceu mais adequado e por isso se adotou como método de estudo a metodologia qualitativa com recurso à entrevista Investigação Qualitativa A Investigação Qualitativa é o método que se baseia na utilização de instrumentos de recolha de dados do tipo qualitativo, como sejam a observação ou a utilização de entrevistas. Esse tipo de investigação apresenta os resultados sob a forma de um relatório do tipo narrativo com descrições contextuais e citações dos participantes. As características da investigação qualitativa, segundo Bogdan & Biklen (1982) são os seguintes: 23

24 1. A investigação qualitativa ajusta-se naturalmente, recorrendo directamente aos dados, e o investigador é o instrumento principal; 2. A investigação qualitativa é descritiva - rigorosa e resulta directamente dos dados recolhidos; 3. Os investigadores que adoptam o método qualitativo tendem a analisar dados indutivos; 4. O significado do conteúdo é o essencial da investigação qualitativa. Com este estudo exploratório desenvolvido pretende-se compreender a eficácia e o impacto da formação profissional nas organizações. A escolha das técnicas aplicadas ao estudo são as que melhor pareceram adequar-se à tarefa de modo a facilitar a recolha de informação. No entanto, no caso presente, não permitem uma generalização das conclusões obtidas Análise Documental Análise documental é um processo que envolve selecção, tratamento e interpretação da informação existente em documentos (manuscrito, impressos, áudio ou vídeo) com o objectivo de identificar em documentos primários informações que sirvam para responder algumas questões de pesquisa. Trata-se, portanto, de estudar o que se tem produzido sobre uma determinada área de saber para poder introduzir algum valor acrescido ao trabalho científico de modo a não correr o risco de estudar o que já foi estudado, tomando como original o que já outros autores descobriram. (Carmo & Ferreira, 1998). Com as tecnologias da informação e comunicação cada vez mais difundidas na sociedade actual, os conteúdos digitais também são documentos utilizados pelos investigadores. Informações contidas em web sites, blogs, wikis, comunidades online, entre outras, estão a ser fonte de recolha de dados para a investigação. (Gray et al. 2004). Deste modo, a técnica da Análise Documental caracteriza-se por ser um processo dinâmico ao permitir representar o conteúdo de um documento de uma forma distinta da original, de forma a criar um novo documento (secundário) fundamentada no estudo das fontes de informação 24

25 primária (Piña Vera & Morilla, 2007). Sendo assim a informação secundária cria-se com base e influência direta da primária, num processo que relaciona a descrição bibliográfica, a classificação, a elaboração de anotações e de resumos e a transcrição técnico-científica A Análise de conteúdo A análise de conteúdo é hoje uma das técnicas mais comuns na investigação empírica realizada pelas diferentes ciências humanas e sociais (Silva & Pinto, 2007, pág. 101). Assim, segundo Silva & Pinto (2007, pág. 103), a análise de conteúdo permite inferências sobre a fonte, a situação em que esta produziu o material objecto de análise, ou até, por vezes, o receptor ou destinatário das mensagens. A finalidade dessa análise é efetuar inferências sobre mensagens previamente inventariadas e sistematizadas. Centrando-nos agora nos fundamentos e objectivos da análise de conteúdo refere-se que segundo Berelson (1952), são uma técnica de investigação que permite efetuar a descrição do conteúdo de forma objectiva, sistemática e quantitativa. Posteriormente surgiu outro ponto de vista que considera a análise de conteúdo como uma técnica de investigação que permite fazer inferências válidas e replicáveis dos dados para seu contexto (Krippendorf, 1980). Sublinhase que a análise de conteúdo é considerada uma técnica de tratamento de informação que constitui uma metodologia de pesquisa usada para interpretar e tratar o material recolhido. Esta técnica compreende procedimentos especiais para o processamento de dados científicos Tipo de Entrevista Segundo Moser & Kalton (1971) a entrevista é uma conversa entre duas ou mais pessoas, ou seja, uma conversa entre o entrevistador e um entrevistado, e com o objectivo de extrair determinada informação do entrevistado. É um método de recolha de informação que consiste em conversas orais, individuais ou de grupo onde se consegue explorar determinadas ideias, testar respostas, investigar motivos e sentimentos, coisa que o inquérito, vulgarmente utilizado jamais poderá fazer. A forma como 25

26 o entrevistado dá a resposta pode transmitir aquilo que uma resposta dada de forma escrita nunca poderia revelar. (Bell, 2008). Segundo Grebenik & Moser (1962), os diferentes tipos de entrevista situam-se entre uma entrevista totalmente formalizada (estruturada) e uma entrevista completamente informal (aberta), cuja forma é determinada por cada entrevistado. Quanto maior for a padronização da entrevista, mais fácil será quantificar e agregar os resultados Entrevista Semi-estruturada A entrevista semi-estruturada é realizada durante a etapa da recolha de dados e está situada entre o ponto completamente estruturado e o ponto completamente não-estruturado. Garante que os tópicos cruciais são abordados dando liberdade ao entrevistado para falar do que é de importância central. Não se usa questionário ou lista, mas enumeram-se tópicos para a condução da entrevista o que estabelece uma determinada estrutura permitindo uma margem considerável de expressão ao entrevistado (Bell, 2008). Assim, este tipo de entrevista caracteriza-se por manter um elevado grau de flexibilidade na exploração das questões porque se vai adaptando ao entrevistado, embora haja um guião que serve de eixo orientador. Esta técnica apresenta eventualmente como desvantagem a exigência de uma boa preparação por parte do entrevistador. Em contrapartida permite optimizar o tempo, sistematizar e estratificar os dados, aprofundar algumas temáticas e induzir novas questões. Genericamente, a entrevista pode criar problemas relativamente à fiabilidade (do entrevistador, guião, codificação, participantes) e poderá implicar custos elevados e grande disponibilidade de tempo, o que poderá resultar numa limitação do número de sujeitos submetidos a estudo (amostra). A entrevista é uma técnica que exige e requer recursos humanos altamente qualificados para a recolha e tratamento dos dados. Em contrapartida, este método de recolha de dados apresenta evidentes vantagens na adaptação a novas situações ou a diversos tipos de entrevistados apresentando flexibilidade quanto do tempo de duração. Numa entrevista há a oportunidade de questionar e aprofundar o conteúdo dos assuntos questionados e possibilita ao entrevistado exprimir-se oralmente o que 26

27 a recolha diversificada e com um elevado número de dados não permite. No entanto, devemos sempre ter em conta que toda a entrevista é também observação e que deste modo o comportamento não-verbal do entrevistado também é de vital importância. É relevante que após o términus da entrevista se proceda ao registo de tudo o que a memória nos permita de forma a perder-se o menor número de dados possível. 27

28 4. Case Study: A BRISA Inovação e Tecnologia 4.1. Missão, Visão e Valores da BIT Segundo informação disponível em a Brisa Inovação e Tecnologia tem como Missão investigar, integrar, desenvolver, instalar e manter soluções tecnológicas ao nível dos Sistemas Inteligentes de Transporte - ITS (Intelligent Transportation Systems), actuando como centro de competências de vanguarda tecnológica do Grupo Brisa e visando assegurar a máxima qualidade e eficiência das soluções instaladas. Tem como Visão o reconhecimento a nível nacional e internacional como uma empresa de excelência no desenvolvimento de soluções e serviços na área da engenharia de transportes e ITS. Ser reconhecido internamente, pelos quadros da empresa, pelo grupo Brisa, pela rede de parceiros e pela comunidade em geral, como uma empresa de referência na colaboração empresarial sustentável, no desenvolvimento de competências e na promoção da inovação e do conhecimento. Ser uma referência no desenvolvimento económico nacional, pela participação activa nos diferentes fóruns (fora) de inovação e pelo estímulo constante da indústria nacional. Tem como Valores: 1. Excelência - Compromisso para assegurar a máxima qualidade e eficácia das soluções desenvolvidos ao serviço do cliente e do seu negócio. 2. Inovação e Desenvolvimento - Cultura orientada para a criatividade e cooperação científica e tecnológica com vista às melhores soluções, produtos e serviços de forma a alcançar os melhores resultados e superar as expectativas dos clientes, parceiros e colaboradores. 3. Conhecimento - Apostar no desenvolvimento e na promoção de competências pessoais e profissionais dos colaboradores internos e dos parceiros, capitalizando todo o conhecimento e capacidades disponíveis a favor dos objectivos comuns. 28

29 4. Criação de Valor - Melhorar de forma continuada o desempenho, produtividade e eficiência dos colaboradores, produtos e serviços prestados, como forma de melhorar os indicadores empresariais e reforçar desenvolvimento. 5. Cooperação e Colaboração - Trabalho em equipa envolvendo colaboradores, parceiros e clientes em cooperação mútua para maximizar as metas e objectivos conjuntos e em colaboração para apoiar os objectivos individuais e particulares. 6. Sustentabilidade - Estimular as dimensões social e económica, preservando o Ambiente Modelo de Inovação da Empresa Em Portugal, A Brisa é um dos casos excepcionais que aplica o modelo de inovação aberto. As possíveis desvantagens associadas a este tipo de novo paradigma para a inovação, como a exposição, tanto internamente como a nível externo, compensaram associadas às enormes vantagens do que este modelo estão associadas, como em suma, a maximização dos resultados, ser uma vantagem competitiva sustentável, especialização e colaboração com outras organizações como forma de maximizar os seus recursos, aquisição e licenciamento de tecnologias emergentes. A Brisa Inovação e Tecnologia (BIT) assume assim um papel de catalisador de inovação contribuindo para a Economia, para a dinamização do conhecimento e para a indústria nacional. 29

30 Figura 2 Modelo de Inovação da Brisa Fonte: Segundo o Modelo de Inovação da Brisa (Figura 2), a inovação é a criação de valor num contexto de mudança, processo esse suportado num modelo em que as capacidades são transformadas em resultados, através de um ciclo contínuo de desenvolvimento, que é realimentado pela criação de valor e suportado em uma gestão eficiente dos recursos disponíveis. Esta capacidade da Brisa de criar valor através da inovação tem sido visível, de acordo com balanços internos e que passa por uma renovação e alargamento do âmbito dos produtos e serviços oferecidos, dos mercados associados, do estabelecimento de novos métodos de produção, oferta e distribuição, o desenvolvimento de novos negócios e a introdução de alterações na organização e gestão dos seus recursos humanos. 30

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações." - ISJ,

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações. - ISJ, 1. Introdução Este trabalho enquadra-se na área de Engenharia de Requisitos (ER). O problema abordado é o da insatisfação com as aplicações das Tecnologias de Informação (TI), utilizadas para suportar

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Open Innovation: Caso Brisa

Open Innovation: Caso Brisa 2013 Brisa Inovação e Tecnologia SA Open Innovation: Caso Brisa Lisboa, 9/10/2013 Tomé Pereira Canas Brisa Inovação e Tecnologia Inovar está na ordem do dia Inovação fechada 2 Mas muitas vezes está fechada

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias

A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias Rui Franganito Resumo A importância da capacidade de do conhecimento

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

Cooperação Universidade Empresa

Cooperação Universidade Empresa INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CERIMÓNIA DE ABERTURA DO ANO LECTIVO 2010/2011, DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO, SOB O TEMA «CONTRIBUIÇÃO DO ENSINO

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

Licenciatura Psicologia do Desporto e do Exercício. PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Psicologia do Trabalho e das Organizações

Licenciatura Psicologia do Desporto e do Exercício. PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Psicologia do Trabalho e das Organizações INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR Licenciatura Psicologia do Desporto e do Exercício PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Psicologia do Trabalho e das Organizações Ano

Leia mais

Conceito O2. O futuro tem muitos nomes. Para a Conceito O2 é Coaching. Sinta uma lufada de ar fresco. :!:!: em foco

Conceito O2. O futuro tem muitos nomes. Para a Conceito O2 é Coaching. Sinta uma lufada de ar fresco. :!:!: em foco :!:!: em foco Conceito O2 Sinta uma lufada de ar fresco Executive Coaching Através do processo de Executive Coaching a Conceito O2 realiza um acompanhamento personalizado dos seus Clientes com objectivo

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade)

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade) Conceito Competência para a acção Explicação Competência para a acção compreende todas as habilidades, competências e experiências de uma pessoa, que lhe possibilita auto-organizar-se para realizar correctamente

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento.

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2007/08 Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Prof. Mário Caldeira Profª Ana Lucas Dr. Fernando Naves

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

RECURSOS HUMANOS. Gestão Estratégica de. RH Management Series. www.iirangola.com LUANDA. Planificação Estratégica de Recursos Humanos

RECURSOS HUMANOS. Gestão Estratégica de. RH Management Series. www.iirangola.com LUANDA. Planificação Estratégica de Recursos Humanos RH Management Series Advanced Training for Strategic Advantage CICLO DE FORMAÇÃO EM Gestão Estratégica de RECURSOS HUMANOS Planificação Estratégica de Recursos s SEMINÁRIO Recrutamento, Selecção & Entrevista

Leia mais

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO: PROBLEMA/NECESSIDADE DE FORMAÇÃO IDENTIFICADO Esta formação de professores visa

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular (UC)

Ficha da Unidade Curricular (UC) Impressão em: 03-01-2013 16:13:42 Ficha da Unidade Curricular (UC) 1. Identificação Unidade Orgânica : Escola Superior de Tecnologia e Gestão Curso : [IS] Informática para a Saúde Tipo de Curso : UC/Módulo

Leia mais

A Avaliação do Desenvolvimento Socioeconómico, MANUAL TÉCNICO II: Métodos e Técnicas A Recolha de Dados: Focus Groups (Grupos de Discussão)

A Avaliação do Desenvolvimento Socioeconómico, MANUAL TÉCNICO II: Métodos e Técnicas A Recolha de Dados: Focus Groups (Grupos de Discussão) A Recolha de Dados Inquéritos Sociais Inquéritos aos Beneficiários Entrevistas individuais (parceiros e partes interessadas) Avaliação de prioridades Focus Groups (Grupos de discussão) Estudos de caso

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso -

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Irina Saur-Amaral Aveiro, 28 de Abril de 2006 Estudos de caso 1. MKS (consultoria TIC Índia): importância da cultura de conhecimento 2. Siemens AG: implementação

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

A VISÃO, MISSÃO, VALORES E OBJECTIVOS ORGANIZACIONAIS

A VISÃO, MISSÃO, VALORES E OBJECTIVOS ORGANIZACIONAIS A VISÃO, MISSÃO, VALORES E OBJECTIVOS ORGANIZACIONAIS VISÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO Há duas regras básicas da economia que não se aprende nos manuais: a primeira diz-nos que os ajustamentos ocorrem sempre;

Leia mais

networking capabilities dynamic capabilities innovation capabilities

networking capabilities dynamic capabilities innovation capabilities networking capabilities dynamic capabilities innovation capabilities uma perspetiva focada na estratégia de inovação MARIANA PITA. UNIVERSIDADE DE AVEIRO PROGRAMA DOUTORAL EM MARKETING & ESTRATÉGIA. CONHECIMENTO

Leia mais

Introdução aos três subtemas da Trienal

Introdução aos três subtemas da Trienal Introdução aos três subtemas da Trienal 2/9 Introdução aos três subtemas da Trienal A Trienal 2012 : rumo a sistemas de ensino e de formação em prol do desenvolvimento sustentável em África A Trienal de

Leia mais

Curso de Língua Chinesa, Cultura e Dinâmica de Negócios para Empresários e Gestores na China

Curso de Língua Chinesa, Cultura e Dinâmica de Negócios para Empresários e Gestores na China 2ª Edição Curso de Língua Chinesa, Cultura e Dinâmica de Negócios para Empresários e Gestores na China Realizar Negócios na China é o sonho de qualquer empresário, mas pode ser uma realidade para os que

Leia mais

AULA NÚMERO 7 EMPRESA MISSAO, VISAO, VALOR, e OBJECTIVO DA EMPRESA ANALISE SWOT- FOFA

AULA NÚMERO 7 EMPRESA MISSAO, VISAO, VALOR, e OBJECTIVO DA EMPRESA ANALISE SWOT- FOFA AULA NÚMERO 7 EMPRESA MISSAO, VISAO, VALOR, e OBJECTIVO DA EMPRESA ANALISE SWOT- FOFA --------------------------------------------------------------------------------------------- I Conceito de Empresa

Leia mais

CTC Centro de Transferência e Valorização do Conhecimento

CTC Centro de Transferência e Valorização do Conhecimento CTC Centro de Transferência e Valorização do Conhecimento Empreendedorismo e Inovação Leopoldina Alves Maio 2009 Estruturas de promoção do Empreendedorismo e Inovação no IPL OTIC - Oficina de Transferência

Leia mais

Universidade do Algarve Escola Superior de Tecnologia Curso de Engenharia Eléctrica e Electrónica HUMANOS

Universidade do Algarve Escola Superior de Tecnologia Curso de Engenharia Eléctrica e Electrónica HUMANOS RECURSOS HUMANOS Disciplina: Gestão Docente responsável: Jaime Martins Autoras Ana Vieira, n.º 30367 Natacha Timóteo, n.º 30381 Faro, 20 de Novembro de 2007 ÍNDICE Introdução 3 Desenvolvimento 1. Recursos

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO

OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO Modalidade: Oficina de Formação Registo de Acreditação: CCPFC/ACC-79411/14 Duração: 25 horas presenciais + 25 horas não presenciais Destinatários:

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz E F P D E G PALOP Eduardo Cruz Formedia edcruz@formedia.pt 312 Experiências de formação presencial e à distância de empresários e gestores nos PALOP Desde 2001, a Formedia Instituto Europeu de Formação

Leia mais

O Contrato Psicológico em contexto de Crise e Mudança. Conceição Baptista. Instituto Nacional de Administração, IP

O Contrato Psicológico em contexto de Crise e Mudança. Conceição Baptista. Instituto Nacional de Administração, IP O Contrato Psicológico em contexto de Crise e Mudança Conceição Baptista Instituto Nacional de Administração, IP Actualmente os indivíduos enfrentam nas suas Organizações ambientes de elevada exigência

Leia mais

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N. Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.º 32603 INTRODUÇÃO Na área do controlo de gestão chamamos atenção para

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Proposta de funcionamento e objectivos do Grupo Trabalho Oportunidades Projectos e propostas LNEC 30 Maio 2013 Grupos

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional Intervenção do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional

Leia mais

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente Inteligência Emocional A importância de ser emocionalmente inteligente Dulce Sabino, 2008 Conceito: Inteligência Emocional Capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

WinCEM: software para gestão de energia a nível municipal - Catalunha - Spain

WinCEM: software para gestão de energia a nível municipal - Catalunha - Spain WinCEM: software para gestão de energia a nível municipal - Catalunha - Spain - Print - Close - ICAEN (Instituto Català d Energia, a agência regional de energia da Catalunha) desenvolveu, promoveu e distribuiu

Leia mais

Recursos Humanos e Qualidade

Recursos Humanos e Qualidade K Recursos Humanos e Qualidade na Gestão das Organizações do 3.º Sector S. Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009 S. l Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009_Isaque Dias O que é que fazem as Organizações

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO Área Científica Gestão Ciclo de Estudos Licenciatura em Som e Imagem Ramo de Vídeo e ramo de som Carácter: Obrigatória

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Para responder a essa necessidade das organizações, a GALILEU desenvolveu o Fast Track MBA GALILEU.

Para responder a essa necessidade das organizações, a GALILEU desenvolveu o Fast Track MBA GALILEU. Fast Track MBA GALILEU Gestão - MBA Nível: Avançado Duração: 112h Sobre o curso Vivemos uma época fortemente competitiva e marcada por desafios constantes, onde os recursos mais qualificados serão o motor

Leia mais

Mestrado em direcção de empresas

Mestrado em direcção de empresas Mestrado em Direcção DE EMPRESAS FORMEDIA Instituto Europeu de Empresários e Gestores FORMEDIA e INSTITUTO EUROPEO DE POSGRADO FORMEDIA - Instituto Europeu de Empresários e Gestores A FORMEDIA Instituto

Leia mais

Investigação experimental

Investigação experimental Investigação experimental Aproximação positivista Experiências laboratoriais: identificação de relações exactas entre as variáveis escolhidas num ambiente controlado (laboratório) através do uso de técnicas

Leia mais

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO Janeiro 2004 INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO 1 - OBJECTIVOS O Conhecimento é fonte de Desenvolvimento. A criação e transmissão do Conhecimento

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

Abordagem Formativa Web-Based. Success does not happen by accident. It happens by Design.

Abordagem Formativa Web-Based. Success does not happen by accident. It happens by Design. Abordagem Formativa Web-Based Success does not happen by accident. It happens by Design. Objectivo, Processo, Resultado Objectivo desta Apresentação Introduzir as características e benefícios chave de

Leia mais

Health Management Future

Health Management Future 2012 Health Management Future COM O PATROCÍNIO DE O grupo BIAL tem como missão desenvolver, encontrar e fornecer novas soluções terapêuticas na área da Saúde. Fundado em 1924, ao longo dos anos BIAL conquistou

Leia mais

Inscrições e pedido de informações: acege@acege.pt ou 217 941 323

Inscrições e pedido de informações: acege@acege.pt ou 217 941 323 Portugal tem futuro! Liderar com responsabilidade Introdução: A ACEGE em parceria com a CIP e o IAPMEI está a desenvolver o programa Liderar com Responsabilidade, que quer potenciar a acção dos líderes

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

(Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT)

(Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT) Ética nos Negócios, Confiança e Redes de Valor (Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT) 4º FÓRUM RSO E SUSTENTABILIDADE Estamos a construir REDES DE VALOR Centro de Congressos de Lisboa 21

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de ENERGIAS RENOVÁVEIS PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Organização Industrial Escolas Proponentes / Autores Escola Profissional de

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português Tertiary Education for the Knowledge Society Summary in Portuguese O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento Sumário em Português O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento fornece uma investigação

Leia mais

Conteúdo. - Apresentação da empresa. - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação. - Processo de implementação

Conteúdo. - Apresentação da empresa. - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação. - Processo de implementação COTEC 2010/10/19 Conteúdo - Apresentação da empresa - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação - Processo de implementação - Factores críticos de sucesso visão.c Apresentação

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

Entrevistas J. Valente de Oliveira. Preliminares (Algumas técnicas para recolha de factos)

Entrevistas J. Valente de Oliveira. Preliminares (Algumas técnicas para recolha de factos) Entrevistas Preliminares (Algumas técnicas para recolha de factos) Observações: - identificar as tarefas efectuadas; - identificar as ferramenta utilizadas; - identificar as interacções entre as pessoas

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

MESTRADO EM ASSESSORIA FINANCEIRA

MESTRADO EM ASSESSORIA FINANCEIRA MESTRADO EM ASSESSORIA FINANCEIRA FORMEDIA Instituto Europeu de Empresários e Gestores FORMEDIA e INSTITUTO EUROPEO DE POSGRADO FORMEDIA - Instituto Europeu de Empresários e Gestores A FORMEDIA Instituto

Leia mais

Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão dos Negócios

Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão dos Negócios Workshop A Competitividade das Empresas & o Balanced Scorecard Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão JAIME RAMOS GUERRA JLM CONSULTORES DE GESTÃO, SA () INSTITUTO POLITECNICO DE LEIRIA jaime.guerra@jlm.pt

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

MESTRADO EM GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE MESTRADO EM GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Programas das cadeiras Gestão de Unidades de Saúde Pretende-se que os participantes identifiquem os conceitos fundamentais de gestão e a sua aplicabilidade no contexto

Leia mais

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL 21º Congresso Quantificar o Futuro Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL Programa Data Hora Actividade 23/Nov. 11:30 Inauguração Oficial Innovation Lounge Visita efectuada ao Venture Lounge por Sua

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa . INÁCIO, Maria Joana SALEMA, Maria Helena Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa RESUMO Aprender a aprender constitui-se como uma das competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida,

Leia mais

Inovação e Criação de Novos Negócios

Inovação e Criação de Novos Negócios INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Inovação e Criação de Novos Negócios Luís Mira da Silva Cristina Mota Capitão Isabel Alte da Veiga Carlos Noéme Inovação INOVAÇÃO Inovação: introdução INOVAR

Leia mais