R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O"

Transcrição

1

2 INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O LICENCIATURA EM DESIGN DE EQUIPAMENTO MARIA DE FÁTIMA LANHOSO SEPÚLVEDA RANGEL MACHADO VIEIRA RELATÓRIO PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE LICENCIADA EM DESIGN DE EQUIPAMENTO Dezembro 2010

3 Agradecimentos Agradeço a todos os que de alguma forma contribuíram para a minha chegada até aqui, aos familiares e amigos pelo carinho manifestado, aos colegas pela camaradagem sempre presente, aos professores por me terem transmitido os conhecimentos adquiridos, em particular o meu orientador, Prof. Lobão pela forma atenta como orientou e acompanhou a elaboração deste relatório e ao meu tutor Eng. Isaías pela motivação transmitida. Um agradecimento muito especial para aqueles que mais amo, ao meu filho Diogo Alexandre pela constante frase de estímulo, nas horas mais difíceis tu vais conseguir e pela desculpabilização das minhas ausências, ao meu marido Paulo Vieira pelo incentivo, apoio, compreensão e imensa paciência nos momentos mais críticos, à minha mãe Maria Elisa pela sua alegria e ternura e pela eterna esperança de que o lado bom da vida acontece e ao meu pai António Claudemiro, que apesar de já não estar entre nós, me ajudou pela herança que me deixou dos valores morais e pela força que eles me transmitiram. Sei que todos acreditaram que eu seria capaz, mesmo quando eu duvidava e isto deu-me alento para continuar, muitas vezes só para não os desiludir. A todos, o meu muito obrigada.

4 ÍNDICE Índice de Figuras... iii Introdução... 1 Ficha de Identificação... 2 Plano de Estágio Curricular... 3 Resumo do Trabalho Desenvolvido no Estágio Curricular... 4 Caracterização Sumária da Empresa... 5 Principal Actividade da Gonçalves & Gonçalves... 8 Histórico da Empresa... 9 Retrospectiva histórica... 9 Visão, missão e valores Visão Missão Valores Volume de negócios nos últimos anos Organigrama Colaboradores Certificação e certificados Marcas comercializadas Objectivo do Trabalho Metodologia Utilizada Trabalho desenvolvido Considerações Preliminares º Trabalho º Trabalho º Trabalho º Espaço i

5 2º Espaço º Espaço º Espaço º Espaço º Espaço º Espaço º Trabalho Conclusão Bibliografia Webgrafia Anexos ii

6 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 Localização da Gonçalves & Gonçalves Figura 2 Empresas que fazem parte do grupo plataforma SGPS, S.A Figura 3 Volume total de vendas Figura 4- Organigrama da Gonçalves & Gonçalves Figura 5 Efectivo médio de pessoal (2002/2009) Figura 6 Certificado ISO 9001: Figura 7 Marcas comercializadas Figura 8 - Gabinete de Projecto e Orçamento, fonte: produção da estagiária Figura 9 Espremedor de laranjas, fonte: produção da estagiária Figura 10 Primeira proposta do logótipo e do reclamo, fonte Gonçalves & Gonçalves Figura 11- Logótipo da FIAT, fonte: 23 Figura 12 Vista frontal do logótipo para a cervejaria, fonte: produção da estagiária Figura 13 - Perspectiva do logótipo para a cervejaria, fonte: produção da estagiária Figura 14- Desenho técnico, com vista cotadas, do logótipo para a cervejaria, fonte: produção da estagiária Figura 15 - Desenho técnico com vista cotadas do reclamo para a cervejaria, fonte: produção da estagiária Figura 16 Vista de frente do actual reclamo luminoso da Cervejaria LM, fonte: produção da estagiária Figura 17 - Vista de lateral do actual logótipo da Cervejaria LM, fonte: produção da estagiária Figura 18 Proposta inicial para o armário (vista frontal), fonte: produção da estagiária Figura 19 Proposta inicial para o armário (perspectiva), fonte: produção da estagiária iii

7 Figura 20 Desenho Técnico, com vistas cotadas, da proposta inicial para o armário, fonte: produção da estagiária Figura 21 Proposta Final do Armário, fonte: produção da estagiária Figura 22 Desenho técnico, com vistas cotadas, da proposta final para o armário, fonte: produção da estagiária Figura 23 - Excerto do catálogo utilizado para a modelação do mobiliário para o hotel em Angola, fonte: produção da estagiária Figura 24- Cadeira forrada a tecido, fonte: produção da estagiária Figura 25 Porta malas, fonte: produção da estagiária Figura 26 Armário de duas portas e duas gavetas, fonte: produção da estagiária Figura 27 Cabeceiro, camas e mesa-de-cabeceira, fonte: produção da estagiária Figura 28 Porta malas e toucador, fonte: produção da estagiária Figura 29 1º Espaço, quarto de casal (vista geral do quarto), fonte: produção da estagiária Figura 30 2º Espaço, quarto duplo (pormenor das camas), fonte: produção da estagiária Figura 31 3º Espaço, quarto duplo (vista geral do quarto), fonte: produção da estagiária Figura 32 4º Espaço, quarto de casal (vista geral do quarto), fonte: produção da estagiária Figura 33 4º Espaço (pormenor da parede do toucador), fonte: produção da estagiária Figura 34-4º Espaço, quarto de casal (pormenor da cama com tapete e do armário), fonte: produção da estagiária Figura 35 5º Espaço, quarto de casal (pormenor da cama), fonte: produção da estagiária Figura 36 5º Espaço (pormenor da parede do toucador), fonte: produção da estagiária Figura 37 6º Espaço, quarto de casal (pormenor da cama e do quadro), fonte: produção da estagiária Figura 38 7º Espaço, quarto duplo (pormenor da cama), fonte: produção da estagiária iv

8 Figura 39 7º Espaço (pormenor da janela com embondeiro), fonte: produção da estagiária Figura 40 - Cabide, fonte: produção da estagiária Figura 41 Cabide montado e cabide explodido, fonte: produção da estagiária Figura 42 Desenho técnico do cabide, fonte: produção da estagiária Figura 43 Ganchos do cabide, fonte: produção da estagiária Figura 44 Desenho técnico dos ganchos do cabide, fonte: produção da estagiária Figura 45 Sistema de fixação do cabide, fonte: produção da estagiária Figura 46 Desenho técnico do sistema de fixação do Cabide, fonte: produção da estagiária Figura 47- Instalações da sede e ponto de venda Figura 48 - Instalações da sede e ponto de venda (exposição) Figura 49 Instalações da sede e ponto de venda (exposição) Figura 50 - Instalações da sede e ponto de venda Departamento Comercial.. 84 v

9 INTRODUÇÃO O presente relatório do estágio realizado na Gonçalves & Gonçalves, está inserido no curso de Design de Equipamento da Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico da Guarda, tem o propósito de relatar o trabalho desenvolvido ao longo do estágio. O estágio contribuiu para o aumento das competências profissionais da estagiária, na medida em que, foram realizados trabalhos de concepção de objectos e criação/tratamentos de espaços, destinados ao desenvolvimento das actividades do Homem, que são área de intervenção do Design de Equipamento. O estágio permitiu a aplicação de conhecimentos adquiridos durante as aulas e ainda a assimilação de outros. Este relatório é o resultado final do trabalho realizado. 1

10 FICHA DE IDENTIFICAÇÃO Nome da Estagiária: Maria de Fátima Lanhoso Sepúlveda Rangel Machado Vieira, nº Curso: Design de Equipamento Empresa: Gonçalves & Gonçalves, Lda. Morada: E.N Km 2,2 Lugar da Montanheira - Vale de Estrela 6300 Guarda Telefone: / Fax: Início e Conclusão do Estágio: De 2 de Agosto a 20 de Setembro de Tutor na Instituição: Eng. Isaías Esteves. Orientador na ESTG: Prof. João Lobão Andrade. 2

11 PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR Recepção e integração da aluna na empresa Gonçalves & Gonçalves, passagem breve pelos vários sectores da empresa para conhecimento integral. Integração no sector de Projectos e Orçamentos. Acompanhamento na elaboração de um projecto com os restantes elementos do sector de Projectos e Orçamentos. Desenvolvimento de um projecto de uma forma autónoma. Elaboração do relatório de estágio. 3

12 RESUMO DO TRABALHO DESENVOLVIDO NO ESTÁGIO CURRICULAR O trabalho realizado durante o estágio consistiu na modelação de peças em AutoCAD, desenhos técnicos, criação de espaços interiores e renderização de imagens. A maioria das peças modeladas, iriam ser integrados em projectos posteriores, umas faziam parte do mobiliário exposto na loja da empresa ou encontravam-se em catálogos dos fornecedores, outras seriam para fabrico de raiz, quando o cliente desejava peças com características específicas. A última parte do trabalho realizado no estágio, consistiu em modelar peças expostas na loja (uma linha de mobiliário escolar), com as dimensões exactas das originais e com todos os elementos que as constituíam. A partir destas modelações, é possível a criação dos respectivos desenhos técnicos indispensáveis à sua reprodução, sendo este o objectivo final do trabalho. 4

13 CARACTERIZAÇÃO SUMÁRIA DA EMPRESA Nome da Empresa: Gonçalves & Gonçalves, Lda. Localização e contactos: Sede e Exposição Estrada Nacional 18-1 km 2,2 Lugar da Montanheira - Vale de Estrela GUARDA Tel: Fax: Loja Guarda Praça do Município, nº 1 - r/c GUARDA Tel: Fax: Filial Castelo Branco Zona Industrial Lote Q 4B CASTELO BRANCO Tel: Fax: Assistência Técnica Estrada Nacional 18-1 km 2,2 Lugar da Montanheira - Vale de Estrela 5

14 GUARDA Tel: Fax:

15 Figura 1 Localização da Gonçalves & Gonçalves. 7

16 Principal Actividade da Gonçalves & Gonçalves A principal actividade da Gonçalves & Gonçalves, Lda. é o comércio a retalho de equipamentos para estabelecimentos industriais e comerciais, mobiliário de escritório e hotelaria, cozinhas, electrodomésticos em geral, comercialização de gás e outros combustíveis, comercialização de café e prestação de serviços na preparação de infraestruturas para montagem e instalação das marcas que representa, além da prestação de assistência técnica. 8

17 HISTÓRICO DA EMPRESA Retrospectiva histórica Fundada em 1977 por José Gonçalves e José Gonçalves de Almeida, a Empresa Gonçalves & Gonçalves, Lda. tem como objecto social o comercio a retalho. Ao longo dos anos foi assumindo um papel relevante no mercado de electrodomésticos do Distrito da Guarda e no mercado de equipamentos e mobiliários para as mais distintas actividades comerciais e industriais. À data da sua constituição a Guarda era um mercado caracterizado por uma oferta escassa e pelo isolamento em relação às grandes cidades do país, mais desenvolvidas e com agentes económicos dotados de uma agressividade comercial bastante grande. A conjunção destes factores, ausência de concorrência localizada e a dificuldade dos nossos concorrentes do litoral actuarem neste Distrito, permitiram-nos um crescimento muito rápido. Em meados da década de 80, o crescimento verificado justificou a abertura do capital da empresa a dois funcionários que se haviam notabilizado pelo esforço e empenho. Em 1986 é feita a escritura que formaliza a entrada de dois novos sócios, José Matos da Silva e José Júlio dos Santos. Ao longo dos anos a Gonçalves & Gonçalves, Lda. demonstrou uma capacidade invejável para atrair funcionários jovens e capazes de renovar os métodos e práticas da empresa. Podemos dizer que tem usufruído de uma capacidade invulgar de se renovar, promovendo a mistura entre o saber adquirido dos mais velhos e a garra e vontade de vencer dos elementos mais jovens. Somos, ao dia de hoje, uma equipa jovem mas experiente. A mistura de gerações atravessa todos os departamentos e unidades da empresa. Desde 1992, com a entrada de dois novos elementos no capital da empresa, Rui Jorge Almeida Gonçalves (1992) e Nuno Miguel Almeida Gonçalves (1998), que este fenómeno se verifica mesmo ao nível dos sócios e gerência. 9

18 Nos vinte e seis anos de existência nunca deixamos de acreditar que é possível fazer mais e melhor, a nossa luta diária vai no sentido de prestarmos um serviço de qualidade aos nossos clientes, respondendo às exigências crescentes do mercado. A vontade de melhorar tem motivado muitas alterações, todas elas com um objectivo comum, profissionalizar a estrutura. Em Outubro de 2002, procedemos ao rearranjo da estrutura societária e criamos uma empresa onde aglutinámos todas as participações no capital, nasceu a Plataforma SGPS, S.A. Quadro de participação de Capital Noutras Sociedades: Ano Empresa Actividade 1977 Gonçalves & Gonçalves, Lda. Comércio a retalho de equipamentos e electrodomésticos 1986 Raides, Lda. Comércio de equipamentos de escritório e mobiliário 1989 Toiguarda, Lda. Concessionário Toyota 1992 S.A.S., Lda. Equipamentos de informática 1996 Refrescante, Lda. Comércio de bebidas 1996 Garagem D. José, Lda. Concessionário Peugeot 1999 Auto Estrela Com. Veículos Lda. Comércio, manutenção e reparação de veículos 1999 CIAAG, Lda. Concessionário SAAB 1999 Marques & Gonçalves, Comércio de gás BP Lda Predial da Montanheira, Compra e venda de imóveis Lda Alto do Leomil - Com. Comércio de lubrificantes BP Combustíveis, Lda Checo Car - Com. Veículos Automóveis, Lda. Concessionário Skoda 2002 Plataforma SGPS Gestão de participações sociais 2003 CDV Com. Distribuição Veículos, Lda. Concessionário Opel e Chevrolet 2004 Toiguarda Espanha, SL Comércio de combustíveis Figura 2 Empresas que fazem parte do grupo plataforma SGPS, S.A. 10

19 Visão, missão e valores Visão A médio prazo, transformar a organização numa empresa de prestação de serviços especializada na concepção, execução e coordenação de espaços comerciais, restaurantes, hotéis e escritórios. Missão Proporcionar aos nossos clientes altos níveis de eficácia e profissionalismo na utilização dos equipamentos necessários ao desenvolvimento da sua actividade. Valores As pessoas e o crescimento económico são pilares do nosso sucesso. Mantemos a orientação para a satisfação do cliente. Procuramos o crescimento pela eficiência e eficácia da gestão. Desenvolvemos uma cultura empresarial assente em princípios de equidade, da justiça, da ética e da moral. 11

20 Volume de negócios nos últimos anos Figura 3 Volume total de vendas. 12

21 Organigrama Figura 4- Organigrama da Gonçalves & Gonçalves. 13

22 Colaboradores Figura 5 Efectivo médio de pessoal (2002/2009). A Gonçalves & Gonçalves, tem 37 colaboradores dos quais 34 pertencem ao quadro da empresa e 3 tem contrato de trabalho a tempo certo. 14

23 Certificação e certificados A norma ISO 9001:2000 surge como o instrumento ideal para dar resposta à necessidade de preparar a estrutura para satisfazer os nossos clientes. Queremos certificar os processos internos porque estes materializam o serviço que prestamos. Há imensas empresas a comercializar os materiais que nós vendemos, mas muito poucas a acrescentar valor aos produtos através da conjunção das suas valências e do estabelecimento, directo, entre as características dos produtos e a utilização que o nosso cliente lhe pretende dar. A ISO 9001:2008 foi adoptada, sem quaisquer exclusões, como norma de referência. Figura 6 Certificado ISO 9001:

24 Marcas comercializadas Figura 7 Marcas comercializadas. 1 1 Fonte: Ficheiro cedido amavelmente pela empresa Gonçalves & Gonçalves. 16

25 OBJECTIVO DO TRABALHO O estágio realizado na Gonçalves & Gonçalves tem como objectivo, consolidar conhecimentos adquiridos ao longo da parte lectiva do curso, proporcionar o desenvolvimento da utilização do Software AutoCAD e contribuir para um acréscimo das competências profissionais. 17

26 METODOLOGIA UTILIZADA Figura 8 - Gabinete de Projecto e Orçamento, fonte: produção da estagiária. Concepção e Desenvolvimento de Projectos e Orçamentos Após uma breve passagem pelos vários sectores da empresa, o gabinete de Projecto e Orçamento foi o local onde a estagiária foi inserida. Segue-se uma breve descrição da metodologia utilizada na concepção e desenvolvimento de projectos e Orçamentos, neste sector: O pedido de elaboração do projecto e orçamento é realizado por parte do sector comercial, ou por contacto directo do cliente com a loja, inicia a concepção e desenvolvimento do projecto e orçamento. O levantamento dos requisitos do cliente é realizado pelo comercial e registado numa check-list, ou seja, um formulário é preenchido pelo comercial junto do cliente, que contém os dados do cliente, informações detalhadas do negócio, medições, requisitos do local e informações adicionais do cliente para a execução do projecto/orçamento. Após este levantamento pelo comercial a 18

27 informação é transmitida ao responsável de projectos, através da entrega da check-list. Após análise dos requisitos o projectista, elabora o Projecto e o Orçamento recorrendo a softwares apropriados. Nesta fase são também definidos os tipos de produto e fornecedores a considerar, conforme as necessidades e os requisitos do cliente, cumprindo as normas e legislação em vigor, a política e objectivos da empresa. A saída da concepção e desenvolvimento do Projecto e o Orçamento traduz-se num projecto (desenho) e num orçamento perfeitamente quantificado e valorizado que corresponde ao material / equipamento constante no projecto (desenho). A proposta de distribuição do equipamento no espaço deve assegurar níveis de funcionalidade estéticos e outros, em conformidade com as necessidades e expectativas do cliente. O Projecto e o Orçamento são sempre verificados, antes da execução da obra, pelo Gerente Comercial. 19

28 TRABALHO DESENVOLVIDO Considerações Preliminares O estágio iniciou-se no dia dois de Agosto, alguns dos funcionários encontravam-se de férias, isto acontecia também nas empresas com as quais a Gonçalves & Gonçalves tinha relações comerciais, havia uma certa dificuldade na aquisição de materiais, na subcontratação de pessoal para as obras em curso e no cumprimento dos prazos assumidos. O estágio decorreu no gabinete de Projecto e Orçamento, começando com um teste às capacidades da estagiária, em modelação no AutoCAD 3D. O teste foi realizado no seu computador pessoal, porque não havia nenhum computador da empresa com o AutoCAD instalado disponível. O teste consistia em modelar uma máquina de espremer laranjas que se encontrava exposta na loja, esta máquina já tinha sido modelada anteriormente por uma colega estagiária de Design na empresa, segundo o tutor Isaías, esta máquina era um óptimo equipamento para o teste, pois teria termo de comparação para o resultado do teste, com o trabalho da anterior colega. Inicialmente houve algumas dificuldades pois já não trabalhava com o programa desde o semestre anterior. Outra dificuldade encontrada foi, devido à máquina se encontrar na loja e o computador no gabinete de projectos e orçamentos, isto implicava constantes deslocações do gabinete à loja a fim de se inteirar das dimensões e/ou ter que fazer esboços cotados à mão. Esta dificuldade foi ultrapassada, no segundo dia, o espremedor foi transportado para o gabinete, o que facilitou bastante o trabalho. 20

29 Figura 9 Espremedor de laranjas, fonte: produção da estagiária. Tendo sido considerada a modelação do espremedor de laranjas realizada suficiente, iniciou-se o trabalho propriamente dito. O facto de haver muita gente de férias, obrigava a um esforço suplementar do activo da empresa, todos tinham que se desdobrar constantemente entre fazer o seu trabalho e o dos que estavam de férias, não havendo muita disponibilidade por parte do tutor para apoiar a estagiária, tendo esta tomado uma atitude pró-activa, superando algumas das suas dificuldades com consultas bibliográficas e pesquisas na internet. Os projectos desenvolvidos durante o estágio são os que a seguir se apresentam. 21

30 1º Trabalho O primeiro trabalho consistiu na elaboração do projecto de um logótipo e de um reclamo luminoso, para uma cervejaria. Figura 10 Primeira proposta do logótipo e do reclamo, fonte Gonçalves & Gonçalves. Havia uma proposta do logótipo e do reclamo, realizada num software de imagens, por um funcionário que já não fazia parte dos colaboradores da empresa quando o estágio teve inicio. Foi solicitado à estagiária que fosse desenvolvido um projecto relativo à imagem anterior, em AutoCAD com vistas cotadas e material utilizado para o fabrico. 22

31 Figura 11- Logótipo da FIAT, fonte: O logótipo da cervejaria tinha sido inspirado no novo logótipo da FIAT, apresentava demasiadas semelhanças, por isso foi pedido à estagiária para o modificar, sem que sofresse grandes alterações, pois o desenho inicial já tinha sido visto e aprovado pelo cliente, teria que ficar dentro do mesmo conceito. Surgiu o trabalho que a seguir se apresenta, a sua elaboração foi realizada em colaboração com o tutor da empresa. A peça obtida continha os elementos da inicial (as letras e o mesmo estilo de curvas) com o intuito de manter o conceito. O contorno exterior do logótipo foi modificado, a sua forma lembra a do tampo de um barril, enquadrando-se perfeitamente no local onde iria ser colocado, uma cervejaria. Foi estabelecido novo contacto com o cliente, para análise das soluções possíveis e o logótipo que se segue foi o aprovado pelo cliente. 23

32 Figura 12 Vista frontal do logótipo para a cervejaria, fonte: produção da estagiária. Figura 13 - Perspectiva do logótipo para a cervejaria, fonte: produção da estagiária. A partir da peça modelada, procedeu-se à realização do respectivo desenho técnico no sentido de se pedir orçamentos a várias empresas. 24

33 Figura 14- Desenho técnico, com vista cotadas, do logótipo para a cervejaria, fonte: produção da estagiária. Quanto ao reclamo luminoso, ou caixa de luz como era designado na empresa, foi solicitado à estagiária para realizar a modelação e o respectivo desenho técnico, em AutoCAD, exactamente com a mesma fonte para as letras (Riesling para Café/Cervejaria e Areal para LUMIAR), a mesma proporção e a mesma disposição, sem qualquer alteração, com vista a ser encaminhado para diversos fabricantes a fim de se obter vários orçamentos, para se proceder à posterior fabricação. O resultado final é o que se apresenta na próxima imagem. 25

34 Figura 15 - Desenho técnico com vista cotadas do reclamo para a cervejaria, fonte: produção da estagiária. Figura 16 Vista de frente do actual reclamo luminoso da Cervejaria LM, fonte: produção da estagiária. 26

35 Figura 17 - Vista de lateral do actual logótipo da Cervejaria LM, fonte: produção da estagiária. 2 2 Tendo casualmente passado na cervejaria Lumiar, a estagiária constatou com alguma indignação, que o logótipo e o reclamo luminosos que foram lá colocados, nada têm a ver com o seu trabalho realizado durante o estágio. As duas imagens anteriores ilustram bem a indignação que o facto causou. Presumivelmente novas condicionantes terão surgido na exequibilidade do projecto em termos de recurso a subcontratação de serviços a terceiros e/ou a processos tecnológicos disponíveis. 27

36 2º Trabalho O segundo projecto que aqui se mostra, concebido pela estagiária, consistiu na modelação, vistas cotas e material utilizado (madeira lacada a preto brilho), de um armário de raiz ao gosto do cliente, para a Lamborghini, mediante o seguinte texto enviado por pelo cliente: Agradecemos que nos remetam orçamento para a produção e entrega de um armário para a Lamborghini. O armário deverá ter as seguintes características: Dimensão: 2,00m x 2.00m. 1 Gavetão em baixo e dividido ao meio em cima com duas portas. A porta deverá ser em vidro do lado direito. O gavetão e as portas deverão ter fechadura. O interior do armário do lado direito deve ser dividido com prateleiras de vidro. O interior do armário do lado esquerdo deve ter um varão para pendurar roupa. A estrutura do armário deverá ser em cor preta. Segundo o tutor, a peça deveria ser com linha simples e rectas, sem elementos desnecessários, com simplicidade frontal. 28

37 Metodologia projectual utilizada: Depois de uma pesquisa sincrónica, que levou à recolha de informação sobre armários com a mesma função existentes actualmente no mercado, foram realizados alguns esboços, com base nas ideias que surgiram, sendo estas ajustadas às condicionantes impostas pelo cliente. Seguiu-se a criação de um conceito de armário com uma grande simplicidade dos elementos formais. Foram feitos alguns cálculos para a altura das portas e gavetas, o número de prateleiras (reguláveis em altura), para o vão para suspensão de cabide e para a colocação dos puxadores de inox e fechaduras. Os puxadores em inox escolhidos com um acabamento espelhado, dão harmonia ao conjunto. Feita a sua modelação, renderização da imagem e os respectivos desenhos técnicos em AutoCAD, que a seguir se apresentam, procedeu-se de seguida, ao envio do trabalho para o cliente, a fim de se obter o seu parecer. 29

38 Figura 18 Proposta inicial para o armário (vista frontal), fonte: produção da estagiária. Figura 19 Proposta inicial para o armário (perspectiva), fonte: produção da estagiária. 30

39 Figura 20 Desenho Técnico, com vistas cotadas, da proposta inicial para o armário, fonte: produção da estagiária. Posteriormente o cliente pediu que o armário fosse alterado, em vez de duas portas este passaria a ter quatro, sendo apenas a do lado esquerdo lacada preto e as restantes em vido. As prateleiras também teriam que ser alteradas e passariam a ser ao longo das três portas de vidro. Realizou-se o projecto de alteração, com base nos requisitos do cliente. A peça distingue-se da inicial quanto à capacidade de exposição do conteúdo do seu interior, 31

40 tendo assim um valor acrescentado à sua funcionalidade, pois destinava-se a Merchandising. 3 Figura 21 Proposta Final do Armário, fonte: produção da estagiária. 3 O merchandising é o conjunto dos estudos e das técnicas de aplicação utilizados, separada ou conjuntamente, pelos distribuidores e pelos produtores com vista a aumentar a rentabilidade do local de venda e o escoamento dos produtos, através de uma adaptação permanente dos aprovisionamentos às necessidades do mercado e da apresentação apropriada das mercadorias (Instituto francês de Merchandising). 32

41 Figura 22 Desenho técnico, com vistas cotadas, da proposta final para o armário, fonte: produção da estagiária. Este projecto foi aprovado pelo cliente, tendo sido efectuada a sua encomenda e produção. 33

42 3º Trabalho Os Designers são profissionais com conhecimentos técnicos, que nos seus projectos de interiores dão prioridade à funcionalidade e à harmonia dos ambientes, na forma como conjugam as cores e texturas dos materiais, assim como na disposição do mobiliário no espaço com coerência, criando uma sensação de bem-estar. Não descorando os princípios do Eco design e tendo uma visão integrada das questões ambientais. Solicitada pelo tutor a estagiária deveria modelar peças de mobiliário para dois tipos de quartos, um de casal e outro duplo, para um hotel em Angola, com a totalidade de 40 quartos, a partir de catálogos de um dos fornecedores da empresa. Seguidamente foi-lhe pedido que, através de renderes no AutoCAD, obtivesse imagens fotorrealistas do espaço, estas imagens iriam acompanhar o orçamento pedido pelo cliente. Foram modeladas várias peças com linhas muito semelhantes às linhas do catálogo, conforme o pretendido. Quanto à realização destas imagens fotorrealistas foram aplicados os conhecimentos adquiridos na disciplina de Modelação Virtual II, tanto na aplicação de materiais como na aplicação das luzes, tendo sido feitas várias soluções ao longo da criação de sete espaços diferentes, tanto das luzes como de diferentes materiais (para o pavimento, para as paredes, estofo da cadeira, a moldura da parede, jarra com flores, abajures, cortinados e colcha) até se obter as imagens que iriam ser apresentadas ao cliente. No catálogo que lhe foi fornecido, do qual se mostra um excerto na figura seguinte, podendo ser consultado na sua totalidade (Anexo 1), apenas constavam as dimensões mais genéricas do mobiliário e não as dos pormenores tendo estas ficado a cuidado da sensibilidade da estagiária. 34

43 Figura 23 - Excerto do catálogo utilizado para a modelação do mobiliário para o hotel em Angola, fonte: produção da estagiária. Depois de estudar o mobiliário existente no catálogo e feita uma análise preliminar de como iria ser utilizado o espaço, quais as necessidades e características dos seus ocupantes, propôs um conjunto de peças úteis e simples, com linhas direitas e sóbrias, obtidas pela estagiária em ambiente 3D do AutoCAD, depois de desenvolver um trabalho exploratório do existente no mercado, semelhante à solução pretendida. Os quartos estão equipados com apenas o necessário para garantir conforto; cama (s), mesa-de-cabeceira, guarda-fatos, porta malas, toucador e uma cadeira, de modo a atender aos interesses do público-alvo para o qual o hotel se está a direccionar. Atendeu-se às características do utilizador, quanto às condições económicas, valores culturais e classe social. Pode-se seguidamente observar algumas imagens fotorrealistas das peças escolhidas, obtida a partir da sua modelação. 35

44 Figura 24- Cadeira forrada a tecido, fonte: produção da estagiária. Figura 25 Porta malas, fonte: produção da estagiária. 36

45 Figura 26 Armário de duas portas e duas gavetas, fonte: produção da estagiária. Figura 27 Cabeceiro, camas e mesa-de-cabeceira, fonte: produção da estagiária. 37

46 A segunda fase deste trabalho, permitiu o desenvolvimento do processo criativo, tanto na procura da harmonia cromática do espaço, como na procura da disposição adequada do mobiliário e ainda na combinação da luz e das texturas de modo a obter-se um espaço simples, de acordo com o solicitado. A estagiária teve a intenção de fazer uma decoração que envolvesse algum conhecimento sobre as pessoas e as questões culturais do local onde está inserido, fruto de pesquisas bibliográficas e na Internet. Com o intuito de se inteirar melhor da cultuara deste local, realizou pesquisas sobre alguns símbolos nacionais, em particular, sobre o embondeiro e a palanca negra, sobre decoração tradicional angolana, seus tecidos e padrões (anexo4). Estas pesquisas visam analisar o ambiente exterior circundante, sob o ponto de vista simbólico e psicológico e a sua relação com os ambientes interiores criados, de modo a satisfazer os parâmetros estéticos da cultura angolana. Começou por decidir a disposição do mobiliário, tendo a preocupação com o espaço de circulação das pessoas, deixando-se o suficiente para que ela se faça sem obstáculos. Houve também preocupação com a luz natural no interior do quarto, evitando a colocação de mobiliário junto da janela de forma, a não formar barreira à sua passagem. 38

47 Figura 28 Porta malas e toucador, fonte: produção da estagiária. Optou-se por colocar o porta malas próximo da porta da entrada. O tocador e o espelho, atendendo às preocupações ambientais, ficaram perto da janela para beneficiar da luminosidade natural do espaço. Num hotel muitas vezes o tocador é também utilizado como secretária o que vem reforçar a posição quanto à luminosidade natural. A utilização sempre que possível da luz natural, preserva o meio-ambiente contribuindo para um planeta mais verde no futuro. A cama foi colocada no centro do quarto, apoiada numa das paredes onde será colocado o cabeceiro, deixando um corredor largo de cada lado, para que se possa circular confortavelmente. O armário para a roupa foi colocado lateralmente à cama e com espaço suficiente de forma a possibilitar o seu uso adequado, ou seja, a abertura de porta e gavetas de um modo desafogado. 39

48 Em todos os espaços que se seguem, foi mantida a disposição do mobiliário, variandose apenas nos acessórios de decoração; no tecido da cadeira, da colcha, das almofadas, dos cortinados, no quadro, nas paredes e no pavimento. 1º Espaço Nesta fase do projecto pretendia-se criar quartos de hotel com uma decoração que fosse de encontro ao gosto africano, harmonizando-se com as peças de mobiliário proposto. Foi criado um ambiente descontraído transmitido pelas cores. A escolha cromática foi para os tons garridos; os vermelhos, os verdes, os amarelos e os brancos, que conferem ao ambiente, beleza e alegria. Figura 29 1º Espaço, quarto de casal (vista geral do quarto), fonte: produção da estagiária. As paredes foram pintadas com uma cor clara, branco azulado, potenciando a luminosidade do espaço. O domínio do branco azulado é quebrado pela madeira do pavimento com tapetes verdes, pelas cores e padrões dos tecidos das almofadas e do estofo da cadeira, das colchas com motivos vegetais, pelas cores da imagem do quadro na parede do abajur e pelas jarras com flores. 40

49 2º Espaço Sentia-se, que mesmo com as cores garridas do espaço anterior, faltava-lhe o toque africano, para se sentir África não basta uma escolha cromática a rondar os tons garridos é necessário mais do que isso. Inspirada na natureza, esta cultura tão rica, carregada de simbologia tem uma identidade própria, que se revela na forma como usam e combinam as cores e as formas, obtendo desta maneira ambientes muito próprios e padrões singulares nos seus tecidos. Com base no modo com que a cultura africana expressa a sua identidade, a estagiária continuou a desenvolver outros ambientes, que seguidamente se mostram. Figura 30 2º Espaço, quarto duplo (pormenor das camas), fonte: produção da estagiária. O pavimento de madeira substituiu-se por uma alcatifa ficando desta forma o espaço mais confortável e sobre ela um tapete em pele de onça, quebrando a falta de vivacidade do seu tom cinza. Mudou-se o tecido da colcha para tons cinza e preto e as almofadas foram revestidas com a pele de onça, obtendo-se um bom enquadramento com o pavimento. 41

50 As jarras, o abajur, as paredes e os cortinados foram trocados para os tons verdes secos e tons terra. A imagem de um quadro é por vezes toda a diferença para que os ambientes se tornem mais relaxantes, por isso substituiu-se o anterior, por uma queda de água sugerindo a sua sonoridade. 3 º Espaço Este espaço resulta da análise e síntese, dos elementos recolhidos no espaço anterior. No quadro, a queda de água foi trocada por um elefante na savana, uma paisagem exótica com amarelos, laranjas, ocre, as colchas foram trocadas por umas em marron, estabelecendo-se uma harmonia com os tons de verdes e castanhos terra, dominantes neste quarto. Figura 31 3º Espaço, quarto duplo (vista geral do quarto), fonte: produção da estagiária. Este jogo de materiais e cores resultou num espaço vocacionado para o descanso, convidando a uma noite aconchegante, onde sobressai uma atmosfera moderna e despretensiosa. 42

51 África aparece aqui nos tons terrosos do seu continente, a imagem do quarto lembra tudo o que é simples e natural. Toda a palete cromática deste espaço a fazer lembra um safari africano. 4º Espaço África é a terra do sol escaldante, das savanas e desertos, logo as cores que representam bem este estilo tendem para os amarelos, o ocre e também os verdes escuro, como o verde-azeitona. Sendo a natureza fonte de inspiração para a realização de muitos trabalhos, a próxima decoração foi inspirada nela, predominando os tons de verde. Figura 32 4º Espaço, quarto de casal (vista geral do quarto), fonte: produção da estagiária. 43

52 Propõe-se a substituição do papel de parede, que revestiria parte das paredes da imagem anterior, por um com riscas em tons de verde, que combina bem com o tecido florido, da colcha e dos cortinados. Figura 33 4º Espaço (pormenor da parede do toucador), fonte: produção da estagiária. Um tapete em pele confere um apontamento da natureza. Os tapetes com texturas de animais sobre o pavimento alcatifado em tom cinza, são o elemento étnico que misturado com a restante decoração contribui de forma marcante para a obtenção do toque africano, pretendido para este espaço. Figura 34-4º Espaço, quarto de casal (pormenor da cama com tapete e do armário), fonte: produção da estagiária. 5º Espaço No espaço seguinte, tal como nos anteriores, devido ao mobiliário seria impossível criar um estilo totalmente africano, optou-se pela fusão do estilo europeu com o estilo africano, este último advêm da utilização de alguns acessórios de decoração tal como o 44

53 quadro com a gravura alusivas ao continente, os têxteis não passando despercebidos pelos seus padrões que expressam sentimentos e ideias destes povos. (ver anexo 5). Sem prejudicar um aspecto relevante da sua funcionalidade que é o descanso, surge um quarto em harmonia com a envolvente, sem pretensão e simples. O espírito dominante do quarto é alegre devido ao predomínio dos têxteis com padrões rústicos e coloridos, com cores fortes misturadas com o preto obtendo-se um contraste cromático bem ao gosto africano. Figura 35 5º Espaço, quarto de casal (pormenor da cama), fonte: produção da estagiária. Na cama, nas almofadas e nos cortinados, foram utilizados tecidos nuns padrões que define bem o ambiente geral do quarto, reforçado pela dança das quatro africanas na imagem do quadro. O tapete em pele de zebra faz um bom enquadramento com o pavimento e o papel numa das paredes com grafismos em preto e branco, contribuindo para acentuar a atmosfera étnica. 45

54 Figura 36 5º Espaço (pormenor da parede do toucador), fonte: produção da estagiária. 6º Espaço O conjunto prima pela simplicidade e aspecto um pouco rude vincado pela imagem da Palanca Negra Gigante, a substituir as mulheres negras da imagem anterior. Este animal só é encontrado em angola, sendo por isso um símbolo nacional, bem representativo da cultura angolana. Os angolanos nutrem um grande respeito por este animal, que segundo a mitologia africana, é símbolo de vivacidade, velocidade e beleza. 46

55 Figura 37 6º Espaço, quarto de casal (pormenor da cama e do quadro), fonte: produção da estagiária. A Palanca Negra Gigante é ainda o símbolo da equipa nacional de Futebol e das linhas aéreas angolanas, daqui se infere a sua importância na cultura angolana. 47

56 7º Espaço No presente espaço confunde-se a modernidade com a tradição. A modernidade devido ao mobiliário e a tradição devido aos tecidos de grande força visual, com os seus padrões bem marcados e cores saturadas, fazem lembrar as vestes das tribos africanas. Figura 38 7º Espaço, quarto duplo (pormenor da cama), fonte: produção da estagiária. O estofo da cadeira em pele de tigre e o tapete em pele onça, assim como o quadro com uma serie de rostos de mulheres negras com os panos na cabeça, eram os elementos que faltavam para conferir ao quarto um ambiente com um toque vincadamente africano. 48

57 Os cortinados com padrões vibrantes e cores quentes e garridas resguardam e deixam passar a luz natural, sendo ao mesmo tempo um elemento decorativo de grande impacto visual. Figura 39 7º Espaço (pormenor da janela com embondeiro), fonte: produção da estagiária. Destaque para a paisagem vista através da janela, um Embondeiro. Árvore de grande porte, fazendo parte integrante da paisagem Angolana, dominando-a pela seu tamanho e pelo vasto numero de exemplares existentes. Simboliza equilíbrio devido às suas folhas, flores e frutos que curam doenças e mitigam males. É comum serem colocadas ofertas no seu tronco para os espíritos que o habitam. Um forte símbolo africano que faz parte desta cultura nas suas tradições, lendas e rituais, no artesanato e nas obras de arte. De referir que o embondeiro é mencionado num dos meus livros preferidos O principezinho de Saint-Exupéry. O autor nesta obra frisa bem a grandiosidade desta árvore, quando refere o medo que o principezinho sentia do poder das suas raízes que se crescessem iriam fazer explodir o seu asteróide, pequeno planeta onde vivia. Para que ele não explodisse tinha que arrancar todos os rebentos antes que eles crescessem. 49

58 O projecto e o orçamento enviados ao cliente tiveram em consideração estes ambientes. No final do estágio o cliente ainda estava a analisar as propostas. 50

59 4º Trabalho O presente projecto tem como objectivo modelar peças de uma linha de mobiliário escolar, exposto no posto de venda da Gonçalves e Gonçalves, com vista à sua reprodução na China onde a mão-de-obra é mais barata, podendo praticar preços mais baixos nos projectos, fazendo face à concorrência, na tentativa de conciliar as exigências do cliente com o produto final, incluindo o factor custo. Cada peça foi modelada com a totalidade dos seus componentes e estes com todos os seus elementos, exactamente com as medias das peças originais, com vista à criação dos respectivos desenhos técnicos. Estes em AutoCAD são gerados automaticamente pelas projecções das vistas a partir dos sólidos 3D. Os desenhos extraídos servem de elemento informativo para a fabricação, aquando da sua reprodução. Com intuito de facilitar a posterior montagem, os componentes constituintes destas peças foram mostrados através da explosão da modelação do conjunto, proporcionandose uma melhor percepção, mostrando-se desta forma os pormenores que ficariam ocultos com o conjunto montado. Neste último trabalho, devido à vasta quantidade de peças tratadas pelo mesmo processo, seria monótono e longo que se apresentasse um relato aprimorado de cada uma. Neste sentido, pelas razões que se apresentam, irá fazer-se um relato detalhado, de apenas uma peça, o cabide, a título de exemplo. Embora não tivesse sido pedido à estagiária para que esta realiza-se os desenhos técnicos, afigura-se importante ilustrar o dito anteriormente, pelo que, se apresenta o respectivo desenho técnico a par de algumas imagens da peça modelada. 51

60 Figura 40 - Cabide, fonte: produção da estagiária. Figura 41 Cabide montado e cabide explodido, fonte: produção da estagiária. 52

61 Figura 42 Desenho técnico do cabide, fonte: produção da estagiária. Figura 43 Ganchos do cabide, fonte: produção da estagiária. 53

62 Figura 44 Desenho técnico dos ganchos do cabide, fonte: produção da estagiária. Não foi permitido que os componentes fossem desmontados, pois estas peças faziam parte dos equipamentos de exposição da loja. A dificuldade em medir os elementos ocultos das peças, foi superada pela criação de uma solução possível para a sua concepção, como se ilustra com o anterior desenho. No caso do cabide, por exemplo, este encontrava-se fixo à parede da loja não sendo possível desta forma observar-se como era o sistema de fixação à parede, foi então criado o que se mostra no desenho seguinte. 54

63 Figura 45 Sistema de fixação do cabide, fonte: produção da estagiária. Figura 46 Desenho técnico do sistema de fixação do Cabide, fonte: produção da estagiária. De todos os trabalhos realizados ao longo deste estágio, de longe o que deu menos gozo fazer foi este último, não tendo havido qualquer hipótese de inovar limitando-se a reproduzir em AutoCAD o existente no posto de venda, tal como lhe foi solicitado. 55

64 CONCLUSÃO Feita a redacção do relatório de estágio, constatou-se que os objectivos propostos foram alcançados. Considera-se que o estágio esteve adequado ao fim a que se propunha, ou seja, desenvolveu a aprendizagem adquirida durante as aulas em contexto de trabalho. O estágio proporcionou-me uma visão mais abrangente das actividades inerentes ao Design, permitiu-me fazer uma autoavaliação do meu desempenho, permitiu articular conhecimentos académicos com o contexto laboral, gerir prazos de trabalho, cumprir compromissos e outras exigências do mundo do trabalho. Esteve de acordo com o que foi leccionado durante os três anos da parte lectiva do curso e permitiu uma familiarização ao longo do seu decurso, com vários produtos e suas características existentes em catálogo e no espaço comercial da empresa. Tal como o escritor comunica através da palavra escrita e usa um processador de texto, como ferramenta de auxílio à sua comunicação, o designer comunica através do desenho (2D) e da modelação (3D) e usa programas CAD (Computer-aided design), como ferramenta de auxílio à sua forma de comunicar. O designer deverá dominar as técnicas, não basta ter boas ideias para se poder ser designer é necessário ter técnica para que elas possam ser postas em prática, para poderem ser comunicadas e ganharem corpo. Neste sentido, o estágio contribuiu principalmente para o desenvolvimento de uma das ferramentas de comunicação, o AutoCAD, que permite materializar os resultados do processo imaginativo do designer. 56

65 Neste ponto da conclusão, procura-se expor a opinião pessoal da estagiária sobre a falta de investimento para inovação nos produtos, por parte das empresas. A criação de produtos novos ou melhorados para produção comercial, implica sempre investimentos e riscos, desde a concepção da ideia até à sua implementação no mercado, enquanto que, a reprodução não implica nenhum investimento com a fase criativa. O reconhecimento de um mercado potencial para o escoamento de produtos, leva muitas vezes a reproduções, na mira de lucros económicos, usando-se ideias já existentes, poder-se-á desta forma praticar preços mais baixos, pois tem vantagem de não se efectuar nenhum investimento nas actividades inventivas. O design é um investimento que acrescenta valor aos produtos, é uma estratégia de inovação para competitividade através das vantagens dos seus produtos em relação aos existentes. Urge compensar e incentivar quem desenvolve a realização de inovações, pois são estes produtos novos, quando bem sucedidos, para além de contribuírem para melhorar o sucesso empresarial, contribuem também para melhorar o Bem-estar Social e aumentar a diversidade cultural de cada região e consequentemente de cada país. Deve-se proteger as novas ideias para que o direito possa ser aplicado quando necessário. Proteger é criar meios de salvaguardar de ameaças indesejáveis, sendo o Direito da Propriedade Industrial um instrumentos ao dispor das empresas. Por último, no sentido de poder melhorar as competências adquiridas pelo curso de Design de Equipamento, deixa-se uma sugestão à escola, que consiste em que os alunos ao longo da parte lectiva do curso, quando realizam trabalhos que fazem parte da avaliação de algumas disciplinas, pudessem fazer esses projectos integrados em empresas, funcionaria como uma etapa de transição para o estágio ou para uma futura 57

66 oportunidade de emprego, pois permitiria um melhor conhecimento entre os empresários e os futuros profissionais de Design. 58

67 BIBLIOGRAFIA Santos, João. AutoCAD 3D 2010 Curso Completo. FCA, Garcia, José. AutoCAD 2009 & AutoCAD LT 2009 Curso Completo. FCA, Neufert, Ernst. Arte de Projectar em Arquitectura. Editora Gustavo Gil, S.A.,1998. Felgueira, Prof. Teresa, Textos de Apoio da para a disciplina de Gestão de Design e Marketing, ano lectivo 2009/2010, 3º Ano do Curso de Design de Equipamento, ESTG- IPG. WEBGRAFIA AutoCAD 3D sólidos. Wmv, em em em

68 ANEXOS 60

69 Índice de Anexos Anexo 1 - Catalogo de Móveis Anexo 2 - Imagens fotorrealistas das peças de mobiliário escolar modeladas em ambiente 3D- AutoCAD.. 67 Anexo 3 Imagens da Gonçalves & Gonçalves..82 Anexo 4 Tecidos e decorações de Angola

70 Anexo 1 - Catalogo de Móveis 62

71 63

72 64

73 65

74 66

75 Anexo 2 Imagens fotorrealistas das peças de mobiliário escolar modeladas em ambiente 3D - AutoCAD, pela estagiária. 67

76 Cesto de Papéis Mesa de Aluno Dupla e Cadeira 68

77 69

78 Quadro Branco 70

79 Vitrina 71

80 Carro de Apoio Escolar 72

81 Placar Expositor 73

82 74

83 Suporte para CPU com Rodas 75

84 Cabide 76

85 Banco de Balneário 77

86 Armário de Vestiário 78

87 79

88 Cestos Triangulares /Ecoponto 80

89 81

Referência FAMILIAR. Situada no Estoril, esta moradia, projeto. sob medida projetos

Referência FAMILIAR. Situada no Estoril, esta moradia, projeto. sob medida projetos sob medida projetos Referência FAMILIAR A decoração desta moradia, no Estoril, ficou a cargo das arquitetas de interiores Maria Ana Franco e Teresa Matos Correia, da Fusion. TEXTO: patrícia ROCHA PRODUÇÃO:

Leia mais

OUTUBRO 2012 EDIÇÃO 1 ANO 1 R$ 12 CHARME

OUTUBRO 2012 EDIÇÃO 1 ANO 1 R$ 12 CHARME OUTUBRO 2012 EDIÇÃO 1 ANO 1 R$ 12 T E N D Ê N C I A D E S I G N A R Q U I T E T U R A CHARME D O N D O L I & P O C C I PERFil TRicia guild Ela é a maior especialista do mundo na combinação de tons e padrões

Leia mais

Alegria. Internacional. que contagia

Alegria. Internacional. que contagia Internacional Texto Patricia Galleto Fotos divulgação ARte Beth Nito Alegria que contagia O estilo remete ora ao shabby chic, ora ao contemporâneo. O resultado dessa mistura é uma casa cheia de vida, incrementada

Leia mais

Uma oportunidade única de criar e decorar

Uma oportunidade única de criar e decorar Uma oportunidade única de criar e decorar a sua CASA DE PRAIA em miniatura. Descubra o prazer do coleccionador e a delicadeza do miniaturista. O coleccionismo das casas em miniatura é um passatempo com

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada nos fogos municipais

acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada nos fogos municipais acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada nos fogos municipais Promover nos fogos municipais condições de acessibilidade eliminando as barreiras físicas que constituem obstáculo à PROJECTO

Leia mais

Técnicas de Exposição de Produtos CONCEITO DE EXPOSIÇÃO DE PRODUTOS A idéia básica: Mostrar ou destacar alguma coisa. Mostrar também significa: Comunicar O produto deve atrair, seduzir, mexer com os sentidos

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

Já imaginou a monotonia da vida e dos negócios sem as cores?

Já imaginou a monotonia da vida e dos negócios sem as cores? AS CORES E OS NEGÓCIOS Já imaginou a monotonia da vida e dos negócios sem as cores? Conhecer o significado das cores, na vida e nos negócios, aumenta as suas possibilidades de êxito. Aproveite. Sabia,

Leia mais

PLANO DE MARKETING. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20. TAG 4/2010 17 Valores

PLANO DE MARKETING. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20. TAG 4/2010 17 Valores 0366 PLANO DE MARKETING Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20 TAG 4/2010 17 Valores Índice Introdução Diagnóstico Análise do Mercado Análise da Concorrência Análise da Empresa Análise SWOT Objectivos

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

Mercados informação sectorial

Mercados informação sectorial Mercados informação sectorial Xangai Mobiliário Breve Apontamento Junho 2010 Índice 1. Distribuição 3 1.1 Lojas de Mobiliário Importado de Gama Alta 3 1.2 Centros Comerciais com Mobiliário Importado 4

Leia mais

espaços marcantes Jocymara Nicolau e Andréa Posonski

espaços marcantes Jocymara Nicolau e Andréa Posonski Jocymara Nicolau e Andréa Posonski Rua Buenos Aires, 441 / 111. Batel Curitiba / PR (41) 3324.8592 www.np.arq.br espaços marcantes O projeto de interiores desta casa previu a criação de ambientes especiais

Leia mais

R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O

R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O JONI DA COSTA PEREIRA RELATÓRIO PARA A OBTENÇÃO DO DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM CONDUÇÃO

Leia mais

Script. Sala de Espelho

Script. Sala de Espelho Script O Script é o passo a passo para transformar o seu projeto em um espaço real. Aqui você terá a explicação sobre cada escolha feita para seu ambiente e todas as orientações necessárias para executar

Leia mais

Condições do Franchising

Condições do Franchising Condições do Franchising ÍNDICE Introdução 1. Vantagens em entrar num negócio de franchising 2. O que nos distingue como sistema de franchising 2.1. vantagens para o franchisado face a outras redes 2.2.

Leia mais

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS Saída Profissional 03.01 TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS O Técnico de Artes Gráficas é um profissional qualificado, conhecedor do fluxo de produção gráfica, e apto para o exercício de profissões ligadas à composição,

Leia mais

ANEXO A.1 Especificações dos Bens de Mobiliário. Lote 1 - Mobiliário de Escritório. # Artigo Características do Artigo Cadeiras

ANEXO A.1 Especificações dos Bens de Mobiliário. Lote 1 - Mobiliário de Escritório. # Artigo Características do Artigo Cadeiras # Artigo Características do Artigo Cadeiras 1.1 Cadeira giratória sem braços 1.2 Cadeira giratória com braços - Cadeira giratória sem braços. - Mecanismo com estrutura e componentes em aço e de contacto

Leia mais

Apoio técnico e comercial

Apoio técnico e comercial Generalidades As presentes condições de venda aplicam-se a todas as vendas que venham a ser efectuadas pela empresa MOVIMAR - MÓVEIS DE COZINHA LDA., à frente referida como MOVIMAR. A MOVIMAR pode rever

Leia mais

SofiSticação despojada

SofiSticação despojada [ D E C O R A Ç Ã O ] Sofá na cor uva ganha destaque em meio à decoração sóbria com cores neutras e poucos modismos, apartamento de jovem casal ganha requinte na medida certa A busca do casamento perfeito

Leia mais

SALVADOR E FILHOS BORDADOS E MERCHANDISING

SALVADOR E FILHOS BORDADOS E MERCHANDISING SALVADOR E FILHOS BORDADOS E MERCHANDISING A Salvador & Filhos é uma empresa especialista em bordados. O nosso mercado vai para além das fronteiras portuguesas. Efectuamos os seguintes tipos de serviços

Leia mais

Condições estéticas Arquitetura Destacável

Condições estéticas Arquitetura Destacável Frentes: Laminado seda mate Orlas poliméricas mate 1 mm Tampo: Ferrostone Cinzento Pedra Código imagem: 0132520G01D2011 Condições estéticas Arquitetura Destacável Ampla, luminosa e funcional. Assim poderia

Leia mais

Consultoria de Gestão. Projectos de Investimento. Formação Profissional

Consultoria de Gestão. Projectos de Investimento. Formação Profissional Consultoria de Gestão Projectos de Investimento Formação Profissional - 2009 - Candidaturas de 22 de Janeiro a 11 de Março O Objectivo Modernizar e revitalizar a actividade comercial, em especial, em centros

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

Axolute Axolute Axolute B E A X O L U T E.

Axolute Axolute Axolute B E A X O L U T E. BE AXOLUTE. Axolute é um sistema inovador garantido pela cultura, conhecimento e experiência Bticino. Oferece, para além de uma escolha de materiais e acabamentos jamais apresentados, uma moderna tecnologia

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA JOSEFA DE ÓBIDOS CURSOS DE EMPREENDEDORISMO VOCACIONAL

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA JOSEFA DE ÓBIDOS CURSOS DE EMPREENDEDORISMO VOCACIONAL AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA JOSEFA DE ÓBIDOS CURSOS DE EMPREENDEDORISMO VOCACIONAL ATIVIDADE VOCACIONAL 1 ÁREA TÉCNICA VITRINISMO 2014/2015 1 1. PERFIL

Leia mais

Relatório de Estágio. Licenciatura em Design de Equipamento. Andreia Filipa Rodrigues de Sousa

Relatório de Estágio. Licenciatura em Design de Equipamento. Andreia Filipa Rodrigues de Sousa Licenciatura em Design de Equipamento Andreia Filipa Rodrigues de Sousa Dezembro 2010 Relatório de Estagio Para Obtenção do Grau de Licenciatura em Design de Equipamento Andreia Filipa Rodrigues de Sousa

Leia mais

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA O primeiro requisito para venda de uma empresa, total ou parcialmente, é apresentá-la de forma atraente,

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

Mestrado em Conservação e Reabilitação do Edificado uma resposta à crise vivida no sector da Construção em Portugal

Mestrado em Conservação e Reabilitação do Edificado uma resposta à crise vivida no sector da Construção em Portugal INSCRIÇÕES ABERTAS NOS SERVIÇOS ACADÉMICOS!!! Mestrado em Conservação e Reabilitação do Edificado uma resposta à crise vivida no sector da Construção em Portugal Reabilitação Urbana e do Património Edificado

Leia mais

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor, 23 de Novembro de 2012 É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para

Leia mais

Elaboração De Projeto De Design e Interiores

Elaboração De Projeto De Design e Interiores Elaboração De Projeto De Design e Interiores São Paulo, 01/01/2010 KASA CONCEITO Nome: Schaelle Caetano Campos ABD: 9103 - Designer de Interiores Tel: 11 2979 3780 7746 4246 E-mail: schaelle@kasaconceito.com.br

Leia mais

Electrolux, Lda. Quinta da Fonte Edifício Gonçalves Zarco Q35 2774-518 Paço de Arcos

Electrolux, Lda. Quinta da Fonte Edifício Gonçalves Zarco Q35 2774-518 Paço de Arcos Preencha este cupão Para usufruir desta oferta, deverá enviar este cupão preenchido, juntamente com a cópia da factura, até 15 de Janeiro de 2014, para: Electrolux, Lda. - Campanha Lavagem profissional

Leia mais

» apresentação. WORKFLOW que significa?

» apresentação. WORKFLOW que significa? » apresentação WORKFLOW que significa? WORKFLOW não é mais que uma solução que permite sistematizar de forma consistente os processos ou fluxos de trabalho e informação de uma empresa, de forma a torná-los

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO. Prof. Doutora Maria José Silva

COORDENAÇÃO DO CURSO CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO. Prof. Doutora Maria José Silva COORDENAÇÃO DO CURSO Prof. Doutora Maria José Silva PORQUÊ O CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO? Numa realidade onde a transposição do conhecimento científico e tecnológico gerado

Leia mais

Guia de Estilos de Decoração. Volume 1

Guia de Estilos de Decoração. Volume 1 Guia de Estilos de Decoração Volume 1 Índice de Estilos Clean Romântico Retrô Rústico Clássico Contemporâneo Decoração é uma arte, um dom. Como diz o dicionário, decorar é o ato de embelezar, aformosear,

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

Decor Store. Interiores. Loja de Decorações de Interiores. Cristiane Dal Prá Designer de Interiores

Decor Store. Interiores. Loja de Decorações de Interiores. Cristiane Dal Prá Designer de Interiores Decor Store Interiores Loja de Decorações de Interiores Cristiane Dal Prá Designer de Interiores Quem somos A Decor Store Interiores é uma loja que agrega em um único espaço vários itens relacionados a

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Decoração de inverno. Hora de mudar o visual da casa, preparando-a para receber o frio

Decoração de inverno. Hora de mudar o visual da casa, preparando-a para receber o frio Foto Sérgio Israel Com a chegada da estação fria, vem também a oportunidade de tirar do armário os tapetes felpudos, as mantas de tricô e as almofadas de veludo. É o período do ano em que a casa se torna

Leia mais

NORMALIZAÇÃO DOS ESPAÇOS DE ATENDIMENTO VERSÃO SIMPLIFICADA

NORMALIZAÇÃO DOS ESPAÇOS DE ATENDIMENTO VERSÃO SIMPLIFICADA NORMALIZAÇÃO DOS ESPAÇOS DE ATENDIMENTO VERSÃO SIMPLIFICADA A identidade da Loja do Cidadão reflete uma nova filosofia na relação entre a Administração Pública e o Cidadão: A Proximidade é um dos fatores

Leia mais

Look back to move forward. Marco Teixeira CEO

Look back to move forward. Marco Teixeira CEO Marco Teixeira, arquitecto qualificado com vasta experiência na área, desenvolveu as suas competências em algumas das mais conceituadas empresas, estabelecendo contactos com uma vasta lista de clientes,

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

Kodak Evolução Histórica do Logotipo

Kodak Evolução Histórica do Logotipo IADE Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing Escola Superior de Design Licenciatura em Design História da Arte e da Técnica 1º Ano 1º Semestre 1907 1935 1960 1971 1987 1996 >2006 - Logotipo Actual

Leia mais

Serviços Administrativos

Serviços Administrativos Sociedade de Equipamentos Escolares, Lda. Serviços Administrativos Diferentes modelos de; Cadeiras Secretárias Mesas simples ou de reunião, com ou sem gavetas, Armários de Arquivo, Balcões de atendimento,

Leia mais

Você sabe o que a Eletromar faz?

Você sabe o que a Eletromar faz? Você sabe o que a Eletromar faz? Linha Bauhaus 2 Faz parte da sua Vida. Um detalhe de originalidade e tecnologia, um mini-quadro de arte contemporânea, inspirado na harmonia da natureza. Um conceito, uma

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Quem somos nós? Política

Quem somos nós? Política Is the Future Quem somos nós? Somos um grupo de profissionais engenheiros, arquitectos, designers e artista plástico, estamos no mercado à 2 anos a propor soluções a nível de projecto, técnicas e soluções

Leia mais

Apresentação da empresa Setembro de 2013

Apresentação da empresa Setembro de 2013 Apresentação da empresa Setembro de 2013 1 ORGANIZAÇÃO DA R&C SGPS R&C, SGPS 80% RARI 80% CEDI 78% OVO Solutions 80% VSD 100% RARI GmbH 100% OVO Solutions S.L 100% OVO Service 2 HISTÓRIA DA R&C SGPS A

Leia mais

Relatório detalhado do seminário: Qualidade e Certificação

Relatório detalhado do seminário: Qualidade e Certificação Curso: Gestão 2007/2008 2º Semestre Controlo de Qualidade Relatório detalhado do seminário: Qualidade e Certificação Docente: Discentes: Professor Doutor José Carlos Marques Ana Fernandes nº 2049007 Hugo

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES Inovação EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES DOSSIER 13 JORGE LIZARDO NEVES O futuro é sem dúvida eléctrico Vem aí a Era de motores menos poluentes e mais eficientes. Quem o diz é o Jorge Lizardo Neves,

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA PRELIMINAR CENTRO ESCOLAR DE S.JULIÃO/TAVAREDE PROJECTOS DE ESPECIALIDADES 1 1. Introdução Pretende a Câmara Municipal da Figueira da Foz, desenvolver

Leia mais

Apresentação. Entidade A/C. Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo. Sr. Presidente

Apresentação. Entidade A/C. Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo. Sr. Presidente Apresentação Entidade A/C Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Sr. Presidente Data 8 de Outubro de 2009 Índice 1. A EQUIWASH 2 I.1. HISTORIAL 2 I.2. CONTACTOS 3 2. EQUIPAMENTOS E PODUTOS 3 II.1. SISTEMAS

Leia mais

Projeto de cromoterapia para Quarto de Estudos Baseado em informações oferecidas e confirmadas pelo cliente. Observação: o amarelo deve ser aplicado

Projeto de cromoterapia para Quarto de Estudos Baseado em informações oferecidas e confirmadas pelo cliente. Observação: o amarelo deve ser aplicado Projeto de cromoterapia para Quarto de Estudos Baseado em informações oferecidas e confirmadas pelo cliente. Observação: o amarelo deve ser aplicado em tonalidades claras, lembramos que no momento da aplicação

Leia mais

COMMUNICATION ON PROGRESS

COMMUNICATION ON PROGRESS COMMUNICATION ON PROGRESS (COP) 2014 1. Declaração de Compromisso Esta é a primeira comunicação de Progresso (COP) que fazemos abrangendo o período de Dezembro de 2013 a Dezembro de 2014. Quero reforçar

Leia mais

Vidro Laminado. Novo Produto. A tecnologia mais avançada no sector do vidro agora ao seu dispor. 4 Vidraria Taipas

Vidro Laminado. Novo Produto. A tecnologia mais avançada no sector do vidro agora ao seu dispor. 4 Vidraria Taipas 4 Vidraria Taipas Novo Produto Vidro Laminado A tecnologia mais avançada no sector do vidro agora ao seu dispor. VidroLed é o novo produto a comercializar pela Vidraria Taipas. Um produto de fácil e rápida

Leia mais

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/10 GereComSaber Ana Duarte, André Guedes, Eduardo

Leia mais

CATÁLOGO RECOLHA SELECTIVA DE EXTERIORES

CATÁLOGO RECOLHA SELECTIVA DE EXTERIORES CATÁLOGO RECOLHA SELECTIVA DE EXTERIORES MENOS RESÍDUOS - MENOS POLUIÇÃO MAIS FUTURO A ALMOVERDE Ecologia, Lda. dedica se, desde o seu início, à comercialização de equipamentos para a recolha selectiva

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

CR ENVIDRAÇAMENTOS. Veja abaixo os serviços que trabalhamos. Envidraçamento da Sacada

CR ENVIDRAÇAMENTOS. Veja abaixo os serviços que trabalhamos. Envidraçamento da Sacada Em Nossa Loja, você obtém todas as informações e o apoio necessário para tomar suas decisões. Para seus projetos de decoração, disponibilidade de estoque, orientações, opiniões, sugestões, financiamentos,

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

1 REDACÇÃO CRIATIVA E EFICAZ ESCRITA EMPRESARIAL. - 7 horas 2 TREINE A ESCUTA ACTIVA PARA UMA COMUNICAÇÃO DE SUCESSO. - 7 horas

1 REDACÇÃO CRIATIVA E EFICAZ ESCRITA EMPRESARIAL. - 7 horas 2 TREINE A ESCUTA ACTIVA PARA UMA COMUNICAÇÃO DE SUCESSO. - 7 horas 5 Seminários // 35 horas formação 1 REDACÇÃO CRIATIVA E EFICAZ ESCRITA EMPRESARIAL 2 TREINE A ESCUTA ACTIVA PARA UMA COMUNICAÇÃO DE SUCESSO 3 PROTOCOLO EMPRESARIAL E RELAÇÕES PUBLICAS: COMPORTAMENTOS QUE

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz E F P D E G PALOP Eduardo Cruz Formedia edcruz@formedia.pt 312 Experiências de formação presencial e à distância de empresários e gestores nos PALOP Desde 2001, a Formedia Instituto Europeu de Formação

Leia mais

SEU ESTILO TENDÊNCIAS 2013

SEU ESTILO TENDÊNCIAS 2013 SEU ESTILO TENDÊNCIAS 2013 SEU ESTILO TENDÊNCIAS 2013 SOBRE TENDÊNCIAS Prever tendências de cores é uma ciência extremamente complexa que envolve recursos de várias especialidades, como psicologia, sociologia

Leia mais

Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja

Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja Decorreu no primeiro trimestre 2009, um estudo de avaliação de implementação e desempenho dos códigos de barras comerciais, no âmbito do espaço nacional.

Leia mais

Activamos o seu negócio

Activamos o seu negócio Activamos o seu negócio CATÁLOGO EQUIPAMENTOS HOTELEIROS E LAVANDARIAS 2013 - INOXS Caros parceiros de negócio, esta é a nossa Tabela de Preços de Equipamentos hoteleiros e de lavandaria 2013. Num mercado

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

ÍNDICE. Logotipo e assinatura 4. Cores 6. Comportamento sobre fundos 8. Utilizações incorrectas 10. Formato mínimo 12. Tipografia 14.

ÍNDICE. Logotipo e assinatura 4. Cores 6. Comportamento sobre fundos 8. Utilizações incorrectas 10. Formato mínimo 12. Tipografia 14. m a n u a l d e i d e n t i d a d e ÍNDICE Logotipo e assinatura 4 Cores 6 Comportamento sobre fundos 8 Utilizações incorrectas 10 Formato mínimo 12 Tipografia 14 Estacionário 16 Manual Básico de Identidade

Leia mais

Casa Tugendhat. A Casa Tugendhat foi projectada pelo Arquitecto Ludwing Mies Van Der Rohe ( 1886-1969) e localiza-se em Brno, na República Checa.

Casa Tugendhat. A Casa Tugendhat foi projectada pelo Arquitecto Ludwing Mies Van Der Rohe ( 1886-1969) e localiza-se em Brno, na República Checa. Casa Tugendhat Casa Tugendhat A Casa Tugendhat foi projectada pelo Arquitecto Ludwing Mies Van Der Rohe ( 1886-1969) e localiza-se em Brno, na República Checa. O ARQUITECTO Ludwing Mies Van der Rohe nasceu

Leia mais

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade De Aveiro 1.a. Descrição

Leia mais

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica Eficiência Energética e a energia eléctrica > Eficiência energética A é um desafio que devemos colocar a todos nós. Está ao nosso alcance, o podermos contribuir de forma decisiva para um mundo melhor e

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

Leveza para morar MORAR VISITE O DECORADO. Luptat alit nullaor periure mincip eugait ipit dolesto ipsusciliasas ectet periure mincip

Leveza para morar MORAR VISITE O DECORADO. Luptat alit nullaor periure mincip eugait ipit dolesto ipsusciliasas ectet periure mincip MORAR VISITE O DECORADO Leveza para morar Além de três quartos, sala ampliada e muito espaço para a interação, o apê tem área de churrasco e delicadezas por todos os ambientes TEXTO DOUGLAS GALAN FOTOS

Leia mais

ajudam a lançar negócios

ajudam a lançar negócios Capa Estudantes portugueses ajudam a lançar negócios em Moçambique Rafael Simão, Rosália Rodrigues e Tiago Freire não hesitaram em fazer as malas e rumar a África. Usaram a sua experiência para construírem

Leia mais

EMPRESAS PARTICIPANTES

EMPRESAS PARTICIPANTES EMPRESAS PARTICIPANTES Empresas Participantes Actividade: Queijaria Artesanal Nº de Trabalhadores: 3 Localização da Empresa: Alcains Actividade: Estética Natural Nº de Trabalhadores: 3 Localização da Empresa:

Leia mais

Catálogo de Produtos. Telef: 261 921 102 Fax: 261 921 469 e-mail: geral@ceramicatorreense.pt www.ceramicatorreense.pt

Catálogo de Produtos. Telef: 261 921 102 Fax: 261 921 469 e-mail: geral@ceramicatorreense.pt www.ceramicatorreense.pt Catálogo de Produtos 12.2009 CERÂMICA TORREENSE DE MIGUEL PEREIRA SUCRS., LDA Rua da Fábrica nº 1 2565-601 Outeiro da Cabeça Torres Vedras - Portugal Telef: 261 921 102 Fax: 261 921 469 e-mail: geral@ceramicatorreense.pt

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1 MANUAL DA QUALIDADE Rev.: 02 Data: 05-07-2013 pág. 1 Designação Social: Dupliconta Sociedade de Contabilidade, Consultadoria e Gestão Lda. Morada: Caminho do Pilar, Conjunto Habitacional do Pilar, Lote

Leia mais

Montando o seu Escritório

Montando o seu Escritório Montando o seu Escritório SAIBA COMO MONTAR UM AMBIENTE ADEQUADO AO TRABALHO Independentemente de ser um escritório comercial ou um home office, na hora de se decorar um escritório, é preciso atenção a

Leia mais

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5)

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA Assim: 9; com ref. às fontes: 12-13 EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Autores: André Sequeira 1º - A1 20110039 João Almeida 1º - A1 20110309

Leia mais

Favorita lança coleção 2011 com foco na versatilidade

Favorita lança coleção 2011 com foco na versatilidade Favorita lança coleção 2011 com foco na versatilidade A coleção 2011 da Favorita está repleta de novos acabamentos e acessórios para tornar os ambientes ainda mais versáteis e funcionais. As novidades

Leia mais

DAMOS FORMA ÀS SUAS IDEIAS!

DAMOS FORMA ÀS SUAS IDEIAS! DAMOS FORMA ÀS SUAS IDEIAS! Com o saber da experiência alcançada e a energia empresarial focalizada na inovação, a Modelstand é o parceiro ideal para os seus eventos. Especializada na concepção de exposições,

Leia mais

Uma experiência sensorial

Uma experiência sensorial Uma experiência sensorial C o m e s t e p r o p ó s i t o s u r g i u a M O B LO. Uma empresa brasileira que desenvolve mobiliário único e diferente, com tecnologia própria e matérias primas nacionais.

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

restauração e consultoria para os negócios e a gestão, lda kit de normas gráficas

restauração e consultoria para os negócios e a gestão, lda kit de normas gráficas gest * kit de normas gráficas indice introdução cores tipografia positivo - negativo aplicações incorrectas fundos de cor introdução O logotipo pretende apresentar uma identidade visual actual e moderna,

Leia mais

Carta de Apresentação. Fazemos melhor, porque sabemos como!

Carta de Apresentação. Fazemos melhor, porque sabemos como! ESTRUTURA METÁLICA Carta de Apresentação Fazemos melhor, porque sabemos como! Todas as grandes empresas passam por um caminho gradual que as faz enfrentar problemas, ultrapassar barreiras e crescer. Esse

Leia mais

ENGENHARIA MECÂNICA E A QUALIDADE DE VI- DA NO BAIRRO DA MOURARIA: O BARALHADOR MANUAL DE CARTAS E A MESA DE JOGOS

ENGENHARIA MECÂNICA E A QUALIDADE DE VI- DA NO BAIRRO DA MOURARIA: O BARALHADOR MANUAL DE CARTAS E A MESA DE JOGOS ENGENHARIA MECÂNICA E A QUALIDADE DE VI- DA NO BAIRRO DA MOURARIA: O BARALHADOR MANUAL DE CARTAS E A MESA DE JOGOS 75168 António Maria Fervençá Rocha de Almeida 76099 Duarte Miguel Côrte-Real Ramalho Rolim

Leia mais

Inspirações. Alguns lugares no mundo são inspiradores. A verdade, é que depois de olhar uma vez. aquilo fica marcado em nossa memória.

Inspirações. Alguns lugares no mundo são inspiradores. A verdade, é que depois de olhar uma vez. aquilo fica marcado em nossa memória. Inspirações Alguns lugares no mundo são inspiradores. E a gente nem sabe direito por quê. Se pela arquitetura de seus prédios. Se pela energia que pulsa de suas ruas. A verdade, é que depois de olhar uma

Leia mais

Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido

Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido Rui Ferreira, AUDAX/ISCTE Instituto Politécnico de Coimbra Oficina-E 15/10/08 Enquadramento O O Empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Luís Miguel Nicolau Valente.

INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Luís Miguel Nicolau Valente. INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO Luís Miguel Nicolau Valente Julho de 2008 RELATÓRIO FINAL PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE NÍVEL IV EM DESENVOLVIMENTO

Leia mais