O GÊNERO NARRATIVA E O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O GÊNERO NARRATIVA E O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA"

Transcrição

1 O GÊNERO NARRATIVA E O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Eliza Adriana Sheuer NANTES (Universidade Estadual de Londrina) ABSTRACT: The current article presents the analysis of thee VERA VACA text, Frate (1996) from the book Stories do Wake up. The purpose is to point out the linguistics-enunciated short narrative. The present article belongs to the narrative order and the work is organized in the following way: In the beginning we have the theoretical foundations that guide our reflections about the mother language teaching under the theoretical assumptions of the discursive gender, and after, the selected text analysis, where we made a survey about its production conditions support, speakers, purpose and circulation place and its textual arrangement, with the objective of discussing the possible meaning effects and contributing for a proposition of a linguistics analysis of a didactical organization of the discursive gender in question. And to end, there is the point out of some reading pedagogical suggestions of linguistic reading and analysis with the approached gender, as well as the bibliographical references. KEYWORDS: linguistic analysis; discursive gender, short narrative, mother language 1 Introdução O presente artigo traduz parte dos estudos efetuados por um grupo de pesquisa da Universidade Estadual de Londrina, do Departamento de Letras Vernáculas e Clássicas, intitulado Escrita e ensino gramatical: um novo olhar para um velho problema. O objetivo do projeto, de cunho etonográfico, na área de Lingüística Aplicada, é investigar a relação ensino gramatical e a escrita, na escola pública. Após inúmeras pesquisas envolvendo professores do ensino superior, alunos de graduação e pós-graduação desta instituição e docentes da rede pública estadual, as discussões apontam que o trabalho com os gêneros discursivos é de suma importância enquanto eixo de articulação e progressão curricular. Diante do exposto, sedimentados nos estudos de Bakhtin (1979), Bronckart (1999), Dolz & Schneuwly (1996), Barbosa (2000) e de Perfeito (2006), neste artigo apresentaremos a análise de uma narrativa intitulada Vera Vaca (Frate, 1996), destacando as marcas lingüístico-enunciativas de uma narrativa curta. Concomitantemente, será procedido um levantamento de suas condições de produção (suporte, interlocutores, finalidade e local de circulação) e de seu arranjo textual, com o intuito de discutir seus possíveis efeitos de sentido e contribuir com uma proposta de organização didática de análise lingüística do gênero discursivo em questão. 2. Fundamentação teórica Os Parâmetros Curriculares Nacional-PCNs (BRASIL, 1998, p. 18), sugerem que o ensino de língua materna seja pautado nos gêneros discursivos, tanto oral como escrito. A partir disso, estudos voltaram-se para a questão dos gêneros, principalmente no sentido de descrever a multiplicidade existente, uma vez que os textos são heterogêneos. Marcushi (2002, p.19) ressalta que os gêneros textuais são fenômenos históricos, profundamente vinculados à vida cultural e social. Uma das contribuições dos gêneros é ordenar e estabilizar as atividades comunicativas do dia a dia. Para Bakhtin (1997, p. 282), eles são instrumentos que fundam a possibilidade de comunicação. 988

2 Bakhtin (op. cit. p ), afirma que o sujeito se constitui à medida em que ouve e assimila o discurso do outro. Para ele, os gêneros do discurso são os padrões de construção composicional de um todo verbal e o estudioso divide o discurso em primário e secundário. O gênero do discurso primário é aquele usado no cotidiano, logo, é o mais simples. Já o gênero do discurso secundário aparece em comunicações sociais mais complexas como, por exemplo, em produções artísticas, científicas e na escrita. Este discurso bakhtiniano é encontrado nos PCNs de Língua Portuguesa (BRASIL, 1998, p. 18), que sedimentados nessa teoria, propõe que o texto seja a unidade de ensino e os gêneros discursivos o objeto de ensino na sala de aula. Então, o texto desenvolverá o papel do agente integrador (unidade de significação) entre as práticas de leitura, análise lingüística e produção de texto. Considerando que toda teoria pressupõe a formulação de conceitos e noções, teceremos, a seguir, algumas observações sobre algumas convergências e divergências que se instauraram na escola no decorrer dos tempos. Como um ponto convergente, em língua materna, podemos destacar que os professores corroboram que é preciso trabalhar com uma diversidade textual, uma vez que não existe um texto modelo capaz de retratar as múltiplas formas textuais existentes. Por outro lado, um aspecto divergente, relaciona-se à oralidade, visto que escrita e oralidade, durante muito tempo, foram tratadas de forma isolada, de modo que o ensino da primeira era enfatizado e o da segunda, muitas vezes, ignorado. O professor não ressaltava que esses dois aspectos apenas são diferentes formas do dizer, utilizadas em situações comunicativas. Ao proceder a leitura em classe, o educador, às vezes, esquece de destacar especificidades da oralidade, como o ritmo, a altura, as pausas, a entonação, os gestos, a expressão facial, dentre outros. Se a prática nos aponta que há uma contradição entre o que é ensinado e o que é avaliado, uma possibilidade é que o professor não saiba como estabelecer critérios de avaliação, e, neste aspecto, a adoção dos gêneros discursivos como objeto de ensino possibilitaria ao educador abordar as formas do dizer que circulam socialmente, permitindo que o professor tenha parâmetros do que deve ensinar e como poderá avaliar. De acordo com Barbosa (2000, p. 152) um dos questionamentos do educador é como estabelecer critérios de seleção que contemplem os diferentes tipos de texto em circulação social. Como o professor pode possibilitar ao aluno ter contato, gradativo, com os diversos tipos no decorrer de sua permanência na escola. Quanto às tipologias existentes, de acordo com a autora acima, muitas foram propostas ou importadas de teorias lingüísticas. Os critérios que as norteiam são estruturais/formais (narração, descrição, dissertação, entre outros) ou funcionais (textos informativos, textos literários, textos apelativos, e assim sucessivamente). A problemática se estabelece à medida que os aspectos da enunciação e do discurso são ignorados, ou se são observados, isto ocorre de forma externa às classificações. Mediante ao exposto, corroboramos com a opção bakhtiniana por eleger os gêneros do discurso escrito e oral - como objeto de ensino. À proporção que o autor se preocupa com o sujeito, enquanto um ser sócio-historicamente constituído, são privilegiados aspectos enunciativos e do discurso, logo há maior contemplação de como funciona o complexo processo de produção e compreensão de textos. De acordo com Barbosa (2000) a noção de gêneros: 989

3 - permite incorporar elementos da ordem do social e do histórico (que aparecem na própria definição de noção); - permite considerar a situação de produção de um dado discurso (quem fala, para quem, lugares sociais dos interlocutores, posicionamentos ideológicos, em que situação, em que momento histórico, em que veículo, com que objetivo, finalidade ou intenção, em que registro, etc); - abrange o conteúdo temático o que pode ser dizível em um dado gênero; - a construção composicional sua forma de dizer, sua organização geral que não é inventada a cada vez que nos comunicamos, mas que está disponível em circulação social; - seu estilo verbal a seleção de recursos disponibilizados pela língua, orientada pela posição enunciativa do produtor do texto. Neste sentido, a apropriação de um determinado gênero passa, necessariamente, pela vinculação deste com seu contexto sócio-histório-cultural de circulação. (BARBOSA, 2000, p ) Como podemos observar, trata-se de uma leitura mais abrangente de como o professor pode trabalhar na sala de aula. Segundo Dolz & Schneuwly (1996, p.8) os gêneros são megainstrumentos, ou seja, metaforicamente, um instrumento que contém vários outros. Logo, o livro didático é um gênero e, como tal, é portador de conteúdos específicos de ensino. Estamos defendendo a proposta que o professor passe a fazer um trabalho com os diferentes gêneros do discurso ao invés dos diferentes tipos de texto. A seguir, baseados em Barbosa (2000), justificaremos nossa proposta. Um trabalho em sala de aula sedimentado nos gêneros do discurso permite ao professor abordar os aspectos estruturais e os sócio-históricos e culturais, lembrando que os PCNs (BRASIL, 1998, p. 7) já apontavam para a relevância de o professor contemplar o princípio de respeito à pluralidade de realidades culturais, certamente cabendo ao educador proceder à adaptação ao público-alvo. Outro aspecto importante é que um trabalho com os gêneros discursivos possibilita mostrar ao educando, de forma mais concreta, contundente, os gêneros de circulação social do mundo que o cerca de forma a fornecer parâmetros mais claros tanto para ele produzir como para compreender os textos. O professor, por sua vez, ao observar que há maior clareza, por parte dos alunos, também terá maior subsídio na hora de intervir no processo de compreensão e produção textual. Há que se destacar, ainda, os agrupamentos. Estes fornecem ao educador instrumentos que subsidiam a categorização dos gêneros, orais e escritos, presentes na prática de uso da linguagem nas diversificadas situações de comunicação. Nossa intenção é apontar ao professor uma nova possibilidade para o ensino de Língua Portuguesa, ou seja, o mestre poderá optar por uma prática pedagógica com uma perspectiva de base enunciativo-discursiva, sendo os gêneros do discurso o objeto de ensino. Portanto, ao invés de se privilegiar aspectos textuais, privilegiam-se os da ordem da enunciação, considerando-se os vários elementos como, por exemplo, a condição de produção de um texto, o meio de veiculação (o objetivo maior do meio, o posicionamento ideológico), qual o suposto leitor, a que público se destina, que escolhas lingüísticas foram feitas pelo autor para dizer o que disse e quais os efeitos de sentido causados, a posição enunciativa assumida, a imagem que se quis passar, dentre outros. Diante do exposto, no intuito de estabelecer uma classificação, os pesquisadores Dolz & Schneuwly (1996) apud Barbosa (2000), ligados à Universidade de Genebra, propõem cinco agrupamentos, que podem ser sintetizados em: 990

4 a) gêneros da ordem do narrar cujo domínio de comunicação social é o da cultura literária ficcional, enquanto manifestação estética e ideológica que necessita de instrumentos específicos para sua compreensão e apreciação (exemplos destes gêneros seriam: contos de fadas, fábulas, lendas, narrativas de aventura, narrativas de ficção científica, romance policial, crônica literária, etc.). Envolvem a capacidade de mimesis da ação através da criação de uma intriga no domínio do verossímil; b) gêneros da ordem do relatar - cujo domínio de comunicação social é o da memória e o da documentação das experiências humanas vivenciadas (exemplos destes gêneros seriam: relatos de experiência vivida, diários, testemunhos, autobiografia, notícia, reportagem, crônicas jornalísticas, relato histórico, biografia, etc.). Envolvem a capacidade de representação pelo discurso de experiências vividas e situadas no tempo; c) gêneros da ordem do argumentar cujo domínio de comunicação social é o da discussão de assuntos sociais controversos, visando um entendimento e um posicionamento perante eles (seriam exemplos de gêneros: textos de opinião, diálogo argumentativo, carta de leitor, carta de reclamação, carta de solicitação, debate regrado, editorial, requerimento, ensaio, resenhas críticas, artigo assinado, etc.). Envolvem as capacidades de sustentar, refutar e negociar posições; d) gêneros da ordem do expor que veiculam o conhecimento mais sistematizado que é transmitido culturalmente conhecimento científico e afins (exemplos de gêneros: seminário, conferência, verbete de enciclopédia, texto explicativo, tomada de notas, resumos de textos explicativos, resumos de textos expositivos, resenhas, relato de experiência científica, etc.). Envolvem a capacidade de apresentação textual de diferentes formas dos saberes; e) gêneros da ordem do instruir ou do prescrever que englobariam textos variados de instrução, regras e normas e que pretendem, em diferentes domínios, a prescrição ou a regulação de ações (exemplos de gêneros: receitas, instruções de uso, instruções de montagem, bulas, regulamentos, regimentos, estatutos, constituições, regras de jogos, etc.). Exigem a regulação mútua de comportamento. (BARBOSA, 2000, p ) É pertinente destacar que os agrupamentos acima expostos não é a única classificação possível, mas contemplam aspectos de suma importância, tais como tematizam o contexto social e histórico, devido ao critério de domínio social de comunicação; contemplam aspectos pertinentes ao ensino/aprendizagem dos gêneros, ou seja, consideram as capacidades de linguagem envolvidas. Uma outra possibilidade para o professor estabelecer critérios para a escolha dos gêneros discursivos, pode ser: a) gêneros da esfera pública, já que os gêneros de domínio privado são, muitas vezes, aprendidos sem a necessidade de uma situação formal de ensino; b) o projeto de escola, tendo em vista o tipo de indivíduo que se pretende prioritariamente formar (Um cidadão? Alguém apto para um vestibular? Alguém com formação de nível médio técnica?); c) gêneros necessários para a vida escolar e acadêmica, pois ajudam a garantir um certo sucesso escolar; d) programações de outras áreas que podem pressupor o domínio de algum gênero; e) gêneros necessários para o exercício da cidadania. (BARBOSA, 2000, p ) Quando nos referimos ao item e, lembramos que um mesmo gênero pode ser abordado em séries diferenciadas, naturalmente que caberá ao educador adequar o grau de complexidade à série trabalhada. 991

5 Os PCNs, por sua vez, apud Barbosa (2000), apontam como critérios de agrupamentos: a) seleção de gêneros; b) elaboração de uma progressão curricular; c) coleta de um corpus de texto pertencentes ao gênero em questão; d) análise de um corpus de textos pertencentes a um gênero em questão; e) descrição do gênero, tendo em vista sua sócio-história de desenvolvimento, seus usos e funções sociais, suas condições de produção, seu conteúdo temático, sua construção composicional e seu estilo; f) Elaboração de um projeto de trabalho, levando em conta questões relativas à transposição didática, decidindo que textos deverá selecionar e que elementos da descrição irá privilegiar; g) Elaboração de uma seqüência didática de gênero. (BARBOSA, 2000, p ) Um trabalho com sugestões pedagógicas, voltadas ao professor, que queremos destacar, é o a pesquisadora Barbosa (2003). A estudiosa procedeu à elaboração de um material didático que serve de fonte de pesquisa, ou seja, que pode ser visto como a indicação de outro caminho. Para tanto, a autora publicou uma coleção paradidática, a partir da categorização dos gêneros em grupos e das características de um gênero (contexto de produção/conteúdo temático, forma composicional e estilo), direcionada ao ensino fundamental. Nessa coleção encontramos justamente o que vem ao encontro do que estamos defendendo: os gêneros discursivos como objeto de ensino, podendo ser de algumas ordens (narrar, instruir, argumentar, relatar). Perfeito (2006, p. 9), coordenadora do projeto de pesquisa do qual este trabalho faz parte, procedeu a uma adaptação dessa proposta pedagógica, para ser utilizada no processo de ensino-aprendizagem, na análise de múltiplos gêneros, de ordens diferenciadas. Ao proceder a investigação pode ser observado: contexto de produção e relação autor/leitor/texto:observação do autor/enunciador, do destinatário, do provável objetivo,do local e da época de publicação e de circulação; exploração das inferências, das críticas, das emoções suscitadas e criação de situaçõesproblema, veiculadas a efeitos de sentido do texto etc. conteúdo temático: temas que são tratados em textos pertencentes ao gênero em questão. organização geral(construção composicional): a antiga superestrutura textual, redimensionada. marcas lingüísticas e enunciativas: características do gênero e do autor, o qual veicula seu texto em determinado gênero (recursos lingüístico-expressivos mobilizados). Como podemos observar, as práticas de leitura, produção de texto e análise lingüística estão interligadas, logo, além de se analisar a que determinado gênero pertence um texto, é fundamental que se investigue o processo de construção de sentidos, isto é, que se analise a relação existente entre suas condições de produção, a forma composicional, o arranjo textual e as marcas lingüístico-enunciativas. Justificamos essas asserções, sedimentados no pressuposto que todo esse contexto é responsável pela produção de sentidos do texto. Após as considerações elencadas, destacamos que ao optar por um trabalho tendo o gênero como objeto de ensino isso não quer dizer que o professor deve abordar todos os gêneros de circulação social, mesmo porque, devido a sua infinidade, isso não seria possível. Considerando o projeto educacional da escola, a necessidade dos alunos, a adequação ao público 992

6 destinatário (grau de complexidade do objeto e grau de exigência da tarefa), cremos ser possível o educador estabelecer uma seleção de diversos gêneros e, a partir deles, delimitar os objetivos e as atividades. 3 A análise Como já apresentamos as teorias que nortearão nossa análise, a seguir, transcrevemos o texto Vera Vaca que se encontra na página 34 do livro. VERA VACA Vera era uma vaca com um problema: não tinha leite. Já pensaram que drama deve ser isso para uma vaca? Pois Vera, por causa da falta de leite, tinha crises de depressão. Seu Manoel Verdureiro, um homem muito sensível, compreendeu a situação de Vera. Não se aproximou mais dela com o baldinho achou que deveria fazer alguma coisa para alegrá-la. Chamou o Boi Barrica, que providenciou uma lindíssima festa de bumbameu-boi. Na festa, Vera conheceu Zebu, um boizão cinza que era um gato. Logo estavam dançando, beijando, e sabem como são essas coisas... logo estavam fazendo um bezerrinho. Não preciso nem dizer que Vera sarou do seu problema do leite: amamentou o bezerrinho Lucas até ele virar um bezerrão e ainda sobrou muito leite para o baldinho do seu Manoel. (FRATES, 1996) A narrativa Se formos fazer uma retrospectiva da história da humanidade, veremos que desde o tempo dos desenhos em cavernas, antes mesmo que houvesse a escrita, nossa história é permeada por narrativas. A história, independentemente de ser verossímel ou não, através da narração, aborda inúmeros temas e neles encontramos o relato de eventos e a sucessão de ações que se encadeiam. Quanto às narrativas, mesmo cientes das muitas classificações existentes, é importante destacar que elas não são definitivas. Isso ocorre porque há toda uma variedade de narrativas, como em verso, em prosa, longa (romance), muito curta (piada), com diálogo, contadas em fluxo contínuo (um diário de viagem), etc. Algumas narrativas, através da sua construção composicional, logo no início, já manifestam seu caráter fantástico (Era uma vez...). Outras, parecem tão verdadeiras como uma notícia jornalística. Dentro dessa variedade de narrativas, temos, ainda, as curtas em prosa e verso, a narrativa fantástica, a fabulística, a etiológica e a poética (LAJOLO, em De acordo com a classificação de Dolz e Schneuwly (2004. p.91), em função do domínio social, da tipologia e das capacidades de linguagem, a narrativa que apresentamos pertence à ordem do narrar, do domínio social de comunicação na esfera da cultura literária ficcional. Justificamos a seleção desse corpus tendo em vista que a narrativa curta é um elemento facilitador, no sentido de prender a atenção do aluno na faixa etária para a qual estamos desenvolvendo a proposta: 4ª série do ensino Fundamental. 993

7 Contexto de produção O texto Vera Vaca que analisaremos está no livro Histórias para acordar de Diléa Frate. A autora e jornalista começou sua carreira no Jornal O Estado de São Paulo e na Editora Abril. Dentro do jornalismo e da televisão, trabalhou em diversos setores, inclusive fez o projetopiloto para o Programa do Jô, em 1998, para o SBT-Sistema Brasileiro de Televisão. A parceria com Jô Soares dura mais de quinze anos e permanece até hoje. Atualmente, ela escreve humor para o programa Jô Soares Onze e Meia e segundo as próprias palavras da autora Sou também escritora. Tenho vários contos publicados em revistas e dois livros infantis ( História para Acordar, Cia das Letras e Procura-se Hugo, Ediouro. Diléa Frate escreve também para o teatro e fez a direção e o roteiro de Mulher Invisível, seriado de documentário exibido pela GNT. A autora é paulista e mora no Rio há mais de 20 anos. Segundo ela mesma, sua rotina cotidiana é no computador. Quando não está escrevendo para o programa, dedica-se a seu site (www.ciaboanoticia.com.br) e a seus livros infantis. O primeiro, Procurando Hugo, foi inspirado no sumiço de um cão e deverá virar um espetáculo musical. Segundo Frate (1996), "A história mudou, mas mantém a questão da busca de liberdade, de as pessoas viverem em apartamentos. Não são só os cachorros que estão presos, as crianças também". Quanto ao segundo livro, do qual a narrativa selecionada para esta análise faz parte, discorreremos a seguir. O livro Histórias para acordar foi lançado em 1996, pela Companhia das Letrinhas, é uma obra altamente recomendada pela Fundação Nacional do Livro Infanto-Juvenil FNLIJ. Trata-se de uma editora respeitada em nossa sociedade, sobretudo pela preocupação com o leitorcriança. Os temas abordados na obra são atuais e relacionados ao cotidiano da criança. Como podemos observar, pela citação de alguns dos muitos textos presentes no livro: O celular do céu, O pneu vaidoso, A galinha poliglota, Stela Stress, Mamãezinha punk, Pum de cupim, Lição de casa, etc. O livro é composto por 60 histórias curtas e visa a atingir um público infanto-juvenil e para isso usa de recursos lingüísticos e vocabulário simples que permite fácil assimilação e compreensão do conteúdo que o compõe, tornando-se prazeroso para quem o lê. Os personagens são seres humanos de verdade, animais com pretensão de serem humanos e com sentimentos. Em todas as histórias temos uma abertura para uma observação, uma reflexão ou qualquer outra coisa que aproxime a criança do adulto e vice-versa. No livro encontramos vários gêneros de narrativas curta, variando desde a narrativa fantástica, fabulística, etiológica e de aventura. Construção composicional No que se refere à construção composicional, através da leitura do título e da ilustração é possível ao leitor inferir que o tema versará sobre uma vaca e envolverá algum sentimento. Essas asserções são possíveis devido à figura do casal dançando, abraçadinho, ele, de olhos fechados, o que já revela um certo grau de intimidade, como se o casal estivesse curtindo o momento. Para que o leitor possa ir além, faz-se necessário que proceda à leitura completa do texto. Com essas asserções queremos dizer que, ao contrário de outras narrativas que constam no livro, nesta não é possível ao leitor inferir o tema principal abordado uma vaca que não produz leite - somente a partir da leitura desses elementos citados. Outra característica importante é que o texto é uma narrativa, como já salientamos, enquadra-se no gênero da ordem do narrar e é composta por um único parágrafo. A escolha da própria estrutura de um único parágrafo pode ser explicada para possibilitar ao leitor proceder a leitura rapidamente, sem interrupção. 994

8 Quanto à estrutura seqüencial desta narrativa pode ser assim sintetizada: Situação inicial Complicação Ações Resolução Avaliação final Situação final Vera deprimida e seu dono preocupado = situação infeliz Vera não produz leite Realização de uma festa na qual Vera conhece Zebu e se apaixona Vera e Zebu namoram, têm um bezerrinho = produção de leite em abundância Produção de leite, nascimento de um bezerro e fim da depressão de Vera Todos felizes = problemas solucionados. Conteúdo temático Podemos sintetizar a história da seguinte forma: Vera é uma vaca que não produz leite, seu dono fica sensibilizado e pede ajuda a um boi para resolver a situação. O conflito é resolvido quando o boi entra em ação e organiza uma festa na qual Vera conhece alguém por quem se apaixona e tem um bezerrinho. Dessa forma, com o nascimento de um bezerrinho, o conflito é solucionado e todos ficam felizes. Como podemos observar, o narrador discorre sobre um assunto muito em voga na atualidade: a depressão. Para exemplificar o quão sério e grave é essa questão utiliza-se da personagem Vera Vaca e aponta para o leitor que diante do quadro de tristeza, desânimo que a mesma se encontra uma de suas principais funções não é executada: produzir leite. O enredo é narrado em terceira pessoa, na ordem cronológica dos acontecimentos. Os personagens que aparecem no texto são Vera (a vaca), Seu Manoel Verdureiro, Boi Barriga e Zebu. É interessante observar que os nomes dados aos personagens Vera (a vaca), e Lucas (o bezerrinho) são nomes comuns a humanos, ao contrário dos outros animais da mesma espécie como Boi Barriga e Zebu. O tempo verbal Com relação ao tempo verbal, os verbos que constituem ações estão no pretérito imperfeito (tinha) comum ao mundo narrado, assinalador de fatos contínuos ou ações freqüentes, e no pretérito perfeito (achou, chamou, providenciou, conheceu, sarou, amamentou, sobrou). No texto citado, em um curto fragmento da narração, encontramos a repetição do pretérito imperfeito: Vera era uma vaca com um problema: não tinha leite. Já pensaram que drama deve ser isso para uma vaca? Pois Vera, por causa da falta de leite, tinha crises de depressão. A repetição do tempo verbal pode ser pelo fato do autor apresentar a causa e a conseqüência. Marcas lingüístico-enunciativas É interessante investigar como a autora fez para construir o seu texto. Logo na primeira linha, através do uso dos dois pontos, há uma asserção de impacto, quando Frate (1996) avisa ao leitor que Vera tem uma grande dificuldade: Vera era uma vaca com um problema: não tinha leite. Neste momento, questionamos se a grande dificuldade era somente do animal ou do seu 995

9 dono também. Hora, reflitamos um pouco, do que vale uma vaca se não reproduz e não produz leite? Podemos inferir que serviria somente para engorda e abate. Paulatinamente, ao analisarmos a forma como o texto vai sendo construído, notaremos que a preocupação do dono de Vera, apresentada pelo autor-narrador, é mais voltada para o bem estar da vaca do que para os possíveis prejuízos que ele possa ter com essa situação ( Já pensaram que drama deve ser isso para uma vaca? ). Então, o problema não é para o seu proprietário, mas sim para o psicológico do próprio animal. Como podemos observar pela citação acima, outro recurso usado pelo enunciador do texto foi o uso do discurso indireto livre. O narrador dialoga diretamente com o leitor por meio do texto. Neste momento temos outra estratégia utilizada por Frates (1996) para estabelecer o diálogo autor-leitor via texto. O objetivo é envolver o leitor de tal forma que ele reflita, juntamente com o autor, sobre a situação caótica na qual a vaca se encontrava. Conforme já destacamos anteriormente, em seus textos Frate (1996) aborda temas atuais. Um desses temas é encontrado neste trecho: Pois Vera, por causa da falta de leite, tinha crises de depressão. Este fragmento é interessante porque nele se inicia uma ação que vai permear todo o texto: o narrador passa a apresentar um animal, porém, este mesmo animal, apesar de ter a aparência física de uma vaca, psicologicamente apresenta sentimentos humanos. Podemos dizer que ocorre a personificação, elemento característico das narrativas ficcionais, onde os personagens têm sentimentos, isto é, neste momento o autor atribui qualidades humanas a um ser irracional. O fato de o narrador atribuir sentimentos humanos aos animais é também um recurso mobilizado para a produção de sentidos. O uso do advérbio indica estado psicológico e o primeiro sentimento que se manifesta é a depressão, neste caso vinculado à tristeza, desânimo. E mais, o sentimento não só é citado como também é justificado pelo narrador: [...] por causa da falta de leite [...] Para a construção dos efeitos de sentido o destaque de alguns termos e a sua utilização no discurso são fundamentais. Observemos que a situação psicológica de Vera é notada por seu dono: Seu Manoel Verdureiro, um homem muito sensível, compreendeu a situação de Vera. No tocante a situação na qual a vaca se encontrava, podemos inferir que nem todo homem poderia compreender tal situação. No entanto, o proprietário da vaca tinha uma qualidade imprescindível: ele era muito sensível. Neste fragmento encontramos o operador argumentativo, assinalador de intensidade muito enfatizando o adjetivo sensível. Conforme apregoa Geraldi (1993, p.137), é relevante investigarmos as escolhas lingüísticas que o autor faz na enunciação de um discurso. Nesse momento, o papel do professor, enquanto mediador, no processo de ensinoaprrendizagem, é de suma importância, uma vez que é ele quem pode apontar ao educando não só a leitura do texto, mas, sobretudo investigar como o autor fez para dizer o que disse. A seqüência da narração reintera como a seleção dos recursos lingüístico-enunciativos não foi aleatória: Não se aproximou mais dela com o baldinho achou que deveria fazer alguma coisa para alegrá-la. Chamou o Boi Barrica, que providenciou uma lindíssima festa de bumbameu-boi. O fragmento se inicia com o operador argumentativo de negação por excelência: Não [...]. Notemos que no meio de um contexto conturbado, Vera encontra no gesto de Seu Manuel solidariedade. O instrumento usado para a coleta do inexistente leite foi abandonado: o baldinho. Observemos que sequer era um balde, mas sim um baldinho, no diminutivo mesmo, no sentido de pequenino, possivelmente porque voltava vazio... Então, além de compreender a situação, Seu Manuel partiu para a ação, pensou em algo que pudesse alterar o contexto. Observe o leitor que ele mesmo poderia ter organizado a festa, porém a autora nos sinaliza que foi chamado um animal da mesma espécie que Vera para promover o evento. Possivelmente a escolha do animal da mesma espécie é justificada pelo 996

10 conhecimento de mundo próximo de Vera, logo deveria saber, com mais propriedade que Seu Manuel o que lhe agradaria. No que diz respeito à forma como a festa foi organizada, observamos que Boi Barriga não preparou uma festa simples, logo inferimos que ele era um entendido/especializado no assunto. Para transmitir ao leitor a idéia de como havia sido a festa, a narradora faz uso do superlativo: Chamou o Boi Barrica, que providenciou uma lindíssima festa de bumba-meu-boi. Com relação ao evento promovido, é pertinente observarmos que a escritora selecionou uma festa que faz parte do folclore brasileiro: a festa do bumba-meu-boi. Esta festa remonta ao Ciclo do Gado, no século XVIII, é resultante das relações desiguais que existem entre os escravos e os senhores nas Casas Grandes e Senzalas. Em seu enredo reflete-se as condições sociais vividas pelos negros e índios. A narração foi contada e recontada através dos tempos, na tradição oral nordestina, e depois espalhada pelo Brasil, a lenda adquire contornos de sátira, comédia, tragédia e drama, conforme o lugar em que se inscreve, mas sempre levando em consideração a estória de um homem e um boi, ou seja, o contraste entre, por um lado, a fragilidade do homem e a força bruta do boi e, por outro lado, a inteligência do homem e a estupidez do animal. Outro dado relevante sobre a festa do bumba-meu-boi é que conforme a região do Brasil, essa festa adquire outros nomes. Vejamos alguns exemplos: no Maranhão, Rio Grande do Norte e Alagoas é chamado bumba-meu-boi, no Pará e Amazonas é Boi-Bumbá ou Pavulagem; em Pernambuco é Boi Calemba ou Bumbá; no Ceará é Boi de Reis, Boi Surubim e Boi Zumbi; na Bahia é Boi Janeiro, Boi Estrela do Mar, Dromedário e Mulinha-de-Ouro; no Paraná, em Santa Catarina, é Boi de Mourão ou Boi de Mamão; em Minas Gerais, Rio de Janeiro e Cabo Frio é Bumba ou Folguedo do Boi; no Espírito Santo é Boi-de-Reis; no Rio Grande do Sul Bumba, Boizinho, ou Boi Mamão; em São Paulo é Boi de Jacá e Dança do Boi e seguem as diversificadas denominações por este Brasil afora... Outra possibilidade de inferência é que tanto na festa do bumba-meu-boi quanto nesta narrativa há personagens semelhantes: o homem e o animal (boi/vaca). Dois aspectos da cultura brasileira podem ser observados no texto: o primeiro é que a opção pela cor utilizada na ilustração aponta para um casal de cores de couro diferenciadas, sendo Vera mais clara, quase branca e boi Zebu cinza, o que é uma característica da miscigenação racial em nosso país. O segundo, é que a ilustração representa justamente o início da mudança de situação no enredo, pois retrata a parte em que eles estão dançando com o toque, o conhecimento, o aprofundamento da relação, enfim, a busca do outro. Ainda sobre a festa acima especificada, notamos que nesse fragmento há a apresentação da descrição do boi Zebu: Na festa, Vera conheceu Zebu, um boizão cinza que era um gato. Novamente as escolhas lingüísticas fornecem pistas ao leitor sobre o possível sentido que o autor quis transmitir. Zebu não era um boi, era um boizão cinza. Há que se destacar que pelo uso do aumentativo podemos entender que o boi apresentado era especial. Em seguida, temos a escolha lexical do adjetivo gato, para qualificar o personagem. Notamos as marcas do autor ao optar pela linguagem informal e usar o adjetivo gato no sentido denotativo, uma gíria, tendo múltiplos sentidos, porém todos voltados para adjetivos positivos, como bonito, atraente, bem apessoado, dentre outros. Dessa forma, trata-se de uma linguagem muito conhecida pelo público infantojuvenil, a quem o livro se destina, sendo mais um recurso lexical usado pelo autor para se aproximar do público-alvo. Na finalização do texto encontramos o típico final feliz: Logo estavam dançando, beijando, e sabem como são essas coisas... logo estavam fazendo um bezerrinho Lucas até ele virar um bezerrão e ainda sobrou muito leite para o baldinho do seu Manoel. Neste momento, fecha-se o ciclo que comentamos no início da análise, novamente Frate (1996) atribui 997

11 ações/sentimentos humanos para descrever o romance entre os animais. E mais, ao enunciar: Logo estavam dançando, beijando, e sabem como são essas coisas a autora volta a dialogar com o leitor, na busca do sentimento de cumplicidade, acreditando que o leitor partilhará de seus pensamentos, isto é, o leitor entenderá perfeitamente o que pode acontecer após uma dança, um beijo, etc... O uso da repetição gerúndio (dançando, estando, fazendo) é usado para assinalar o prolongamento da ação. No fechamento da narrativa temos a marca da passagem do tempo na narrativa através da expressão temporal logo, repetida para assinalar um curto período de tempo. Com a formação do suposto lar de Vera, através do triângulo composto por mãe, pai e filho, a situação de tristeza na qual ela se encontrava é transformada em uma situação de alegria. Alegria esta partilhada pelo dono de Vera, visto que após o nascimento do bezerrinho o problema inicial da falta de leite é resolvido. Para finalizar, apresentaremos, no quadro abaixo, a descrição do gênero narrativa, como forma de sumarização da análise: 1) Contexto de produção e relação autor-leitor-texto Autor-enunciador Diléa Frates Provável destinatário Público Infanto-Juvenil Local e época de circulação O livro Histórias para acordar foi lançado em 1996, pela Companhia das Letrinhas, é uma obra altamente recomendada pela Fundação Nacional do Livro Infanto- Juvenil FNLIJ. Trata-se de uma editora respeitada em nossa sociedade, sobretudo pela preocupação com o leitorcriança. Provável objetivo da interação Atingir ao leitor infanto-juvenil e tratar de temas do seu cotidiano, inclusive há a preocupação da interação do autor-leitor via texto e de levar o leitor a refletir sobre a temática abordada. 2) Conteúdo temático Os temas abordados: frustração, solidariedade, mudança de uma situação. 3) Organização geral Título, foto ilustrativa, um único parágrafo, 4) Marcas lingüísticoenunciativas 4 Conclusão Vocabulário simples, que permite fácil assimilação e compreensão do conteúdo que o compõe, tornando-se prazeroso para quem o lê. Uso de gíria, os verbos que constituem ações estão no pretérito imperfeito comum ao mundo narrado e no pretérito perfeito. Apresentação de animais com sentimentos e estrutura básica da narração: introdução, conflito, resolução do conflito e final feliz. Em nossas considerações finais, queremos ressaltar que neste texto apresentamos uma leitura dentro das muitas possíveis, do gênero discursivo pertencente à ordem do narrar. Nossa prática pedagógica nos aponta que mais importante do que o tamanho do texto a ser trabalhado é a forma como o professor fará a transposição didática para a sala de aula. Dentro do projeto de pesquisa do qual este trabalho é fruto, é consenso que a leitura, a produção textual e a análise 998

12 lingüística devem ser abordadas simultaneamente. Outro pressuposto defendido é que ao eleger os gêneros discursivos como objeto de ensino o educador abordará aspectos da enunciação e do discurso. Isso posto, elementos como a condição de produção de um texto, o meio de veiculação (o objetivo maior do meio, o posicionamento ideológico), qual o suposto leitor, a que público se destina, que escolhas lingüísticas foram feitas pelo autor para dizer o que disse e quais os efeitos de sentido causados, a posição enunciativa assumida, a imagem que se quis passar, dentre outros serão considerados. 5 Sugestões metodológicas As sugestões metodológicas são direcionadas para a 8ª série, isso devido ao foco da pesquisa do projeto que é o ensino gramatical nas aulas de língua materna, nas séries que finalizam os ciclos do Ensino Fundamental, isto é, nas quartas e oitavas séries do ensino fundamental de escolas públicas e uma particular de três cidades do Estado do Paraná, mas nada impede que o mestre proceda às adaptações para a série na qual atua. Ao abordar o gênero narrativa curta, indicamos que o professor selecione diversas narrativas, dentro do mesmo gênero, para que o aluno investigue as características do gênero em pauta, lembrando que é primordial que o aluno conheça, pesquise as condições de produção e de circulação do gênero. O professor pode promover o estudo da estrutura composicional. Para tanto, deve indagar ao aluno sobre a ilustração, o tema, como foi organizado, quais são as inferências possíveis, no caso deste texto que só tem um parágrafo, poderá indagar qual pode ser o motivo, solicitar que os alunos reescrevam o texto com os parágrafos. Após, o texto pode ser comparado com um colega da classe, cabendo ao professor a mediação, no sentido de confrontar as diversificadas respostas e sistematizar. As marcas lingüístico-enunciativas também são objeto de estudo: tempo verbal, narrador, construção do personagem, seleção lexical, mórfica, sintática, pois são responsáveis pela construção de sentidos do texto. Referências BAKTHIN, M. Marxismo e Filosofia da linguagem. 4. ed. São Paulo: Hucitec, Estética da criação verbal. (Trad. Maria Ermantina G. G. Pereira). 2ª. Ed. São Paulo: Martins Fontes, (p ). BARBOSA, J. P. Do professor suposto pelos PCNs ao professor real de Língua Portuguesa: são os PCNs praticáveis? In: ROJO, Roxane (Org.). A prática de linguagem na sala de aula: praticando os PCNs. São Paulo: EDUC, p Narração (Coleção trabalhando com os gêneros do discurso: narrar). São Paulo: FTD, BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, BRONCKART, J. P. Atividades de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sóciodiscursivo. Trad. Anna Raquel Machado. São Paulo: EDUC,

13 DOLZ, J. e SCHNEUWLY, B. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita: elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). Enjeux 31-49, Genebra, Tradução de R.H.R. Rojo. Circulação restrita..os gêneros escolares das práticas de linguagem aos objetos de ensino. In: DOLZ, J. e SCHNEUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. Trad. Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. São Paulo: Mercado das Letras, 2004, p FRATE, D.Histórias para acordar. São Paulo:Companhia das Letrinhas, GERALDI, J.W. Portos de passagem. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, O texto na sala de aula. Leitura e produção. Cascavel: Assoeste, LAJOLO, M. A narrativa na literatura para crianças e jovens. Disponível em Acesso em: 20 junho MARCUSHI, L. A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: MACHADO, A. R.; DIONISIO, A. P.; BEZERRA, M. A. (Org.). Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Editora Lucerna, p MARQUES, E. de S. Mídia e experiência estética na cultura popular: o caso do bumba-meuboi./ Disponível em <http://www.terrabrasileira.net/folclore/regioes/5ritmos/origem.html>acesso em 13/02/2007. MATÊNCIO, M. L. M. Leitura, produção de textos e a escola. Campinas: Mercado de Letras,1994. PERFEITO, A. M. Leitura: êxitos e insucessos. Revista Signum: Estudos da linguagem, Londrina, Ed. UEL, n.5, dez.2002, p Análise lingüística e construção de sentidos. In: LIMOLI, L.; MENDONÇA, A. P. F.In: Nas fronteiras da linguagem: leitura e produção de sentidos. Londrina: Editorial Mídia, 2006, p SUASSSUNA, L. O ensino de língua portuguesa: uma abordagem pragmática. Campinas: Papirus,1995. TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1º e 2º graus. São Paulo: Cortez,

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru Curso: Licenciatura em Pedagogia Departamento: Educação-FC IDENTIFICAÇÃO Código: 4419 Disciplina: CONTEÚDOS E METODOLOGIA DO

Leia mais

Considerações iniciais

Considerações iniciais A produção do gênero textual relatório pelo aluno pesquisador no âmbito do Projeto Bolsa Alfabetização Ana Paula P. R. Germanos Fátima Aparecida de Souza Este trabalho é resultado de pesquisa acerca da

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Manoela Afonso UNESP - Campus Bauru-SP manoela_afonso@hotmail.com Comunicação Oral Pesquisa Concluída

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

II ENCONTRO DE DIVULGAÇÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO PIBID UENP: DESAFIOS E PERSPECTIVAS

II ENCONTRO DE DIVULGAÇÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO PIBID UENP: DESAFIOS E PERSPECTIVAS PIBID INGLÊS - AÇÃO INTERVENTIVA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE CORNÉLIO PROCÓPIO Bolsistas: ALMEIDA, D.; IDALGO, L.; KISHI, C; FAUSTINO, V.; SOUZA, E. (PIBID- LEM/ UENP) Orientadoras: Célia Regina Capellini

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM Daniela Fidelis Bezerra Túlio Cordeiro de Souza Maria Elizabete

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E O TRATAMENTO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E O TRATAMENTO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E O TRATAMENTO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Tatiane Henrique Sousa Machado 1 RESUMO: O presente estudo de dedica-se

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE:

PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE: PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE: Encontro com o Livro no Colégio Coração de Maria Me. Maria Aparecida da Costa Bezerra - Bibliotecária escolar e universitária Resumo: O Colégio Coração de Maria proporciona

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE ARTIGO DE OPINIÃO : UM OLHAR INCLUSIVO E UM SER MAIS CIDADÃO

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE ARTIGO DE OPINIÃO : UM OLHAR INCLUSIVO E UM SER MAIS CIDADÃO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SEQUÊNCIA

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR

PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR Thassiana Reis Félix (PG-UEL) Maria IlzaZirondi (UEL) Resumo:

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS. Planificação de Português

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS. Planificação de Português AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS Escola Básica 2/3 de Pedrouços Planificação de Português 7. 7ºano de escolaridade Ano letivo 2012/2013 Expressão oral Compreensão oral 1. o Período (+-64 aulas ) ))))))))646464+66666646

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

Colégio Monteiro Lobato

Colégio Monteiro Lobato Colégio Monteiro Lobato Disciplina: Anual 2013 Redação Professor (a): Barbara Venturoso Série: 6º ano Turma: A PLANEJAMENTO ANUAL 2013 Plano de curso Conteúdos Procedimentos Objetivos Avaliações 1º Trimestre

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa.

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa. LEITURA E ESCRITA COMO PROCESSO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA PERSPECTIVA SÓCIO-COGNITIVA E INTERATIVA Marta Oliveira Barros¹ Josias Silvano Barros² ORIENTADORA: Dra. Maria de Lourdes da Silva Leandro³ RESUMO

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC: PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

PROVA DE REDAÇÃO NO VESTIBULAR DA UFSM 2014

PROVA DE REDAÇÃO NO VESTIBULAR DA UFSM 2014 1 PROVA DE REDAÇÃO NO VESTIBULAR DA UFSM 2014 Prova de redação na perspectiva de gênero textual Com o propósito de avaliar a proficiência dos candidatos na leitura e na escrita pelo uso da língua portuguesa

Leia mais

DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS

DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS Débora Bortolon (Colégio Estadual Castelo Branco /Paraná) Terezinha Marcondes Diniz Biazi (/UNICENTRO/GP) e-mail: emebiazi@hotmail.com

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

Elaboração de projetos

Elaboração de projetos Ano: 2013 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ARLINDO RIBEIRO Professor: ELIANE STAVINSKI PORTUGUÊS Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA / LITERATURA Série: 2ª A e B CONTEÚDO ESTRUTURANTE: DISCURSO COMO

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844 Filme: Juro que vi: O Curupira Gênero: Animação Diretor: Humberto Avelar Ano: 2003 Duração: 11 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Leia mais

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas Disciplina Prática de Ensino Ano letivo 2011 Série 3ª Carga Horária 72 H/aula Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Assim como curadores

Leia mais

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público O que é Relato de Experiência? Faz parte dos gêneros pertencentes ao domínio social da memorização

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos (RE)DISCUTINDO AS ATIVIDADES DE LEITURA EM LIVROS DIDÁTICOS DE LINGUA PORTUGUESA SOB O VIÉS DO LETRAMENTO CRÍTICO Rosenil Gonçalina dos Reis e Silva (UFMT) rosenilreis@gmail.com Simone de Jesus Padilha

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR Marta Aline Buckta (G-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora CLCA-UENP/CJ) Introdução Motivada pelo desejo e pela necessidade,

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

REVISTAS SEMANAIS: UM SUPORTE PARA LEITURA DE VÁRIOS GÊNEROS

REVISTAS SEMANAIS: UM SUPORTE PARA LEITURA DE VÁRIOS GÊNEROS REVISTAS SEMANAIS: UM SUPORTE PARA LEITURA DE VÁRIOS GÊNEROS RAFAEL DIREITO TEIXEIRA (UENP). Resumo O trabalho com gêneros textuais é uma exigência no conteúdo programático de Língua Portuguesa do Ensino

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1 RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Catharine Prata Seixas (PIBIC/UFS) Aline Grazielle Santos Soares Pereira (PIBIX/UFS) INTRODUÇÃO Vygotsky (1991), diz que o pensamento e a linguagem

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas DISCIPLINA: Atividades de Estágio em Língua Portuguesa (Licenciatura em Letras)

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Seminário do 16º COLE vinculado: 10

Seminário do 16º COLE vinculado: 10 Kelly Cristina Ducatti da Silva. Doutoranda UNICAMP/Campinas-SP, Professora do Ensino Fundamental (Prefeitura Municipal de Bauru) e Docente UNESP/BAURU kellyducatti@hotmail.com RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

Ensino Fundamental II Projeto Eu Com

Ensino Fundamental II Projeto Eu Com Ensino Fundamental II Projeto Eu Com A proposta educacional do Colégio Nacional, consolidada no Projeto Eu Com, leva em consideração o alcance dos objetivos propostos em Lei para o Ensino Fundamental II,

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

Gêneros textuais e educação inicial do professor de língua inglesa Vera Lúcia Lopes CRISTOVÃO (UEL)

Gêneros textuais e educação inicial do professor de língua inglesa Vera Lúcia Lopes CRISTOVÃO (UEL) 2/29 veracristovao@yahoo.com Gêneros textuais e educação inicial do professor de língua inglesa Vera Lúcia Lopes CRISTOVÃO (UEL) OBJETIVOS: a) contribuir para as reflexões sobre questões que consideram

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES RESUMO Cleuma Regina Ribeiro da Rocha Lins (UEPB) cleumaribeiro@yahoo.com.br Orientador: Prof. Dr. Juarez Nogueira

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

CONCEPÇÕES DE PROFESSORES SOBRE GÊNEROS TEXTUAIS/DISCURSIVOS NA ESCOLA. Fernanda Cargnin Gonçalves goncalves.fernandac@gmail.com

CONCEPÇÕES DE PROFESSORES SOBRE GÊNEROS TEXTUAIS/DISCURSIVOS NA ESCOLA. Fernanda Cargnin Gonçalves goncalves.fernandac@gmail.com CONCEPÇÕES DE PROFESSORES SOBRE GÊNEROS TEXTUAIS/DISCURSIVOS NA ESCOLA Fernanda Cargnin Gonçalves goncalves.fernandac@gmail.com O que faremos? Recorte de uma pesquisa realizada no ano de 2010 com 84 professores

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro Olimpíada de LP Escrevendo o futuro QUATRO GÊNEROS EM CARTAZ: OS CAMINHOS DA ESCRITA Cristiane Cagnoto Mori 19/03/2012 Referências bibliográficas RANGEL, Egon de Oliveira. Caminhos da escrita: O que precisariam

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP A técnica do seminário tem sido usualmente entendida como sinônimo de exposição. O "seminário",

Leia mais

A LITERATURA ESCOLARIZADA

A LITERATURA ESCOLARIZADA Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia N. 12, JAN/JUN 2012 A LITERATURA ESCOLARIZADA Raylla Portilho Gaspar 1 RESUMO Esse artigo

Leia mais

O que caracteriza a sequência textual descritiva é a presença de um processo de adjetivação e crescente caracterização física e psicológica de Howard.

O que caracteriza a sequência textual descritiva é a presença de um processo de adjetivação e crescente caracterização física e psicológica de Howard. 1) Gabarito oficial definitivo - Questão 1 Sequências textuais narrativas: - No tempo de Jack, o Estripador, uma época difícil para Londres, também vivia na capital britânica um afável estenógrafo chamado

Leia mais

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS RESUMO Juliana Candido QUEROZ (Bolsista) 1 ; Natália SILVA (Bolsista) 2, Leila BRUNO (Supervisora) 3 ; Sinval Martins S. FILHO (Coordenador)

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Aline Segate Resumo: Este artigo objetiva discutir a importância da inserção dos gêneros textuais no processo de ensino-aprendizagem da Língua Portuguesa,

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO DE CONTO EM CONTO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DOCENTE Maria Helena Cunha de Andrade SILVA RESUMO Esse trabalho relata uma experiência de leitura e produção textual realizada no decorrer do ano letivo de

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

ENSINANDO A ESCREVER: O GÊNERO CARTA DO LEITOR EM QUESTÃO

ENSINANDO A ESCREVER: O GÊNERO CARTA DO LEITOR EM QUESTÃO ENSINANDO A ESCREVER: O GÊNERO CARTA DO LEITOR EM QUESTÃO Mônica Farias de Vasconcelos OLIVEIRA (UEPB) E-mail: monica06farias@gmail.com. Clara Regina Rodrigues de SOUZA (UFCG/ POSLE/ UEPB) E-mail: clararegina.r.s@gmail.com.

Leia mais

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático.

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático. A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA Fabricio Santos Almeida 1 Márcia Cristiane Eloi Silva Ataide 2 1 Licenciando em Química, Universidade Federal do Piauí - UFPI. 2 Professora

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA SANTOS, Lilian 1 NUNES, Célia 2 O presente trabalho tem como objetivo apresentar algumas considerações

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA DESPERTANDO O GOSTO PELA LEITURA E A ARTE DE ESCREVER Projeto na Sala de PCA da Área de Linguagens e Códigos PROEMI -Programa

Leia mais

Texto 4 Composição em prosa não literária

Texto 4 Composição em prosa não literária Curso de Redação: Do texto ao texto Professora: Maria Aparecida Araújo Texto 4 Composição em prosa não literária Conteúdo Descrição Narração Dissertação Bibliografia: 1. CARNEIRO, Agostinho Dias: Redação

Leia mais

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Título do artigo: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Disciplina: Alfabetização Selecionadora: Beatriz Gouveia 16ª Edição do

Leia mais

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007)

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Graciela Hendges e Désirée Motta-Roth

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alciene Ribeiro Feitoza da SILVA 1 Módulo Centro Universitário Ao atuar na formação de professores de

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA. Palavras Chave: Leitura; Escrita; Ensino de Língua Portuguesa.

A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA. Palavras Chave: Leitura; Escrita; Ensino de Língua Portuguesa. 1 A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Darlan Machado DORNELES 1 Universidade Federal do Acre (UFAC) darlan.ufac@yahoo.com.br Resumo: A partir de observações assistemáticas feitas durante

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 4ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 4ºANO . Interação discursiva Princípios de cortesia e cooperação Informação, explicação; pergunta. Compreensão e expressão Vocabulário: variedade e precisão Informação: essencial e acessória; implícita Facto

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais