Como montar uma fábrica de embalagens plásticas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como montar uma fábrica de embalagens plásticas"

Transcrição

1 Como montar uma fábrica de embalagens plásticas EMPREENDEDORISMO Especialistas em pequenos negócios / / sebrae.com.br

2 Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Roberto Simões Diretor-Presidente Luiz Eduardo Pereira Barreto Filho Diretor Técnico Carlos Alberto dos Santos Diretor de Administração e Finanças José Claudio Silva dos Santos Gerente da Unidade de Capacitação Empresarial Mirela Malvestiti Coordenação Luciana Rodrigues Macedo Autor DECIO CARVALHO WEHBE Projeto Gráfico Staff Art Marketing e Comunicação Ltda.

3 1. Apresentação As embalagens apresentam uma ampla variedade de formas, modelos e materiais e fazem parte da vida cotidiana da humanidade. Aviso: Antes de conhecer este negócio, vale ressaltar que os tópicos a seguir não fazem parte de um Plano de Negócio e sim do perfil do ambiente no qual o empreendedor irá vislumbrar uma oportunidade de negócio como a descrita a seguir. O objetivo de todos os tópicos a seguir é desmistificar e dar uma visão geral de como um negócio se posiciona no mercado. Quais as variáveis que mais afetam este tipo de negócio? Como se comportam essas variáveis de mercado? Como levantar as informações necessárias para se tomar a iniciativa de empreender? Embalagem é um recipiente que agrupa e armazena unidades de um produto por tempo determinado. Suas principais funções, entre outras, são: - conservar e proteger o conteúdo contra danos de qualquer natureza- preservar as características originaisprolongar a vida útil- manter a qualidade- informar a respeito da composição, formas de uso e condições de manipulação- facilitar o transporte- atender requisitos de custosconstruir e divulgar a marca do produtoas embalagens apresentam uma ampla variedade de formas, modelos e materiais e fazem parte da vida cotidiana da humanidade. Ao longo do tempo, elas foram usadas de maneiras diferentes para atender necessidades específicas. Exemplo: os europeus desenvolveram o barril de madeira, fundamental para garantir a sobrevivência de seus marinheiros por longos períodos durante a época histórica dos Descobrimentos. Já na era contemporânea, especialmente dentro dos supermercados, as embalagens passaram a se relacionar diretamente com os consumidores, incorporando atribuições de profissionais como balconistas e atendentes. Ao lado da energia elétrica, do automóvel e do celular, as embalagens se tornaram elementos essenciais à vida civilizada.pode ser considerado plástico todo o material que detém a propriedade de adquirir e conservar determinadas formas pela ação de uma força exterior temperatura, pressão, deslocamento de massa fundida, etc. Os plásticos foram introduzidos na fabricação de embalagens após a 2ª Guerra Mundial e englobam, entre outros, frascos, potes, filmes, sacos, tubos, bicos, tampas, engradados. As embalagens plásticas são portadoras de características funcionais adequadas aos hábitos de consumo da sociedade moderna tais como: autosserviço, conveniência, fast-food, opções de formato, descarte, one-way, obsolescência planejada, consumo unitário, praticidade, leveza, segurança e custo acessível.o processo de transformação do plástico em embalagem é complexo. Um dos métodos mais comuns é a moldagem por injeção, onde o material plástico é fundido e injetado em um molde. Formato e tamanho do molde dependerão da embalagem planejada. Normalmente composto em aço, o molde é colocado em um equipamento chamado máquina injetora ( ou de injeção), que injetará o plástico em seu interior. O passo seguinte é resfriá-lo para que ele se encaixe no molde, ou seja, adquira o formato da embalagem plástica projetada.de maneira geral, embalagens de plástico injetado atendem aos seguintes segmentos, entre outros:- alimentícioautomotivo- defensivos agrícolas- escolar- farmacêutico- higiene e limpeza- perfumaria e cosméticos Alguns exemplos de uso das embalagens plásticas: Segmento alimentício: diferentes variações de embalagens para alimentos, como frascos, potes, Apresentação / Apresentação Ideias de Negócios 1

4 tampas, bicos, etc. Segmento automotivo: frascos e potes para óleos, aditivos e outros produtos;segmento cosmético: frascos e potes para shampoos, condicionadores, cremes de beleza, etc; estojos para sombras e pó facial; embalagem para batom com tampa transparente, que possibilita a visualização do batom sem precisar abri-lo, ou com tampa opaca na cor do corpo da embalagem. Segmento escolar: frascos para colas e tintas; porta-lápis e outros produtos escolares em várias opções de formato e tamanho. Segmento farmacêutico: conta-gotas, frascos e potes em diferentes formatos e tamanhos. A tecnologia para a produção de embalagens plásticas evoluiu em vários aspectos, particularmente em relação aos ganhos de produtividade e à redução do impacto sobre o meio ambiente. Atualmente, o desenvolvimento de máquinas injetoras e periféricos se concentra na redução do consumo de energia, água, matéria-prima e emissões de gases de efeito estufa. Aprimoramentos na conveniência de uso, aparência, possibilidade de reaproveitamento, volume, peso, portabilidade, características de novos materiais são itens que promovem a modificação da embalagem de forma a adequá-la ao processamento moderno, reciclagem de lixo e estilo de vida.pode-se perceber também uma preocupação dos fabricantes de máquinas com o design de embalagens cada vez mais leves, que otimizem o consumo de matéria-prima por meio de paredes mais finas, gargalos e tampas de menores dimensões. Na área de decoração de embalagens plásticas injetáveis, um dos destaques é o In Mould Labelling (IML), processo no qual o rótulo é insertado no molde por meio de robôs, possibilitando decoração de excelente qualidade e resistência.é preciso considerar ainda as tendências de envelhecimento da população e de forte processo de sua urbanização. Como influência direta desses fatores, citam-se as embalagens prontas para o varejo (RRP retail ready packaging), desenvolvidas a partir de cinco conceitos básicos: fácil de identificar, de abrir, de repor, de comprar e de descartar.recentemente, o Sustainable Packaging Coalition (SPC) apontou os seguintes fatores como influenciadores da embalagem atual: ênfase em design e redução de peso, eficiência e melhoria contínua, transporte e distribuição eficiente, certificação de fonte, boas práticas de trabalho e certificação de conduta, desejo por materiais com manejo sustentável da cadeia, inovação e preocupação com o final da vida útil.este documento não substitui o plano de negócio.para elaborá-lo procure o Sebrae. Apresentação / Apresentação / Mercado 2. Mercado A indústria de transformação de plásticos, também conhecida como de terceira geração, representa a sétima maior atividade da economia brasileira, com peso expressivo no PIB nacional. Concentra 12 mil empresas 94% delas micro e pequenas e emprega cerca de 350 mil pessoas, segundo a Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST). Em 2009, o setor apresentou faturamento total de R$ 40,2 bilhões. Do total de empresas, mais de três mil atuam com embalagens plásticas utilizando mão-de-obra de 105 mil pessoas (dados de 2009). Quase um terço desses empreendimentos se localiza no Estado de São Paulo. O mercado nacional de embalagens plásticas foi avaliado pelo Instituto Datamark em cerca de seis bilhões de dólares em 2009, ano no qual movimentou 1,7 milhão de toneladas. Deste total, a Ideias de Negócios 2

5 indústria de alimentos responde por 30% do volume; a de bebidas, 32%; e a de não alimentos, 38%. A demanda por embalagens plásticas no segmento de não alimentos, está concentrada nas indústrias farmacêutica, de defensivos agrícolas, higiene e limpeza. No setor farmacêutico, medicamentos OTC (out of the counter), vendidos sem prescrição médica, despontam como importante mercado para as empresas de embalagem. Pesquisa da empresa Medley com 15 mil consumidores brasileiros revelou que 75% das pessoas compram medicamentos sem receituário médico. Em 2009, os OTC representaram 22% dos R$ 27,2 bilhões faturados pela indústria farmacêutica. Outra categoria de medicamentos que chama a atenção é a dos genéricos, que cresce a uma taxa média anual de 25%. Em 2009, eles responderam por 13% do faturamento do setor - o equivalente a R$ 5 bilhões. No caso dos genéricos, a embalagem é um requisito fundamental do produto, uma vez que ajuda a quebrar o preconceito quanto a sua qualidade. O Brasil conta com 60 mil farmácias, 550 indústrias farmacêuticas, 390 distribuidores e mais de 30 mil apresentações registradas na Anvisa. Em unidades, o mercado movimentou 1,86 bilhão em abril de 2010, contra 1,65 bilhão no mesmo mês de 2009, de acordo com a Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (ABRAFARMA). Também cliente fiel de embalagens plásticas injetáveis, a indústria brasileira de beleza faturou R$ 27,5 bilhões em 2010, com alta de 12,6% sobre 2009, segundo os dados da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC). Para 2011, a expectativa é de que o faturamento totalize R$ 31,12 bilhões, números que representariam uma expansão de 13,2%. Pesquisa do Euromonitor, por sua vez, indica que o consumo per capita de produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos deve atingir 178 dólares em O valor é três vezes maior do que a média mundial e o mais alto dos países do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China). O último relatório divulgado pelo instituto apontou consumo per capita brasileiro de 146,6 dólares em Neste contexto, produtos de maquiagem e protetores solar também se encontram em expansão. Ambos segmentos são grandes consumidores de embalagens plásticas injetáveis. O mercado brasileiro de maquiagem movimentou 2,17 bilhões de dólares em 2009, com alta de 9,7% sobre o ano anterior, atingindo a terceira colocação no ranking mundial, com participação de 5,1%. O comércio de protetor solar, por sua vez, cresceu 140% nos últimos quatro anos, com faturamento de 7,59 bilhões de dólares em A produção de protetores solar, em volume, subiu 13,5% no comparativo com o ano anterior, e ultrapassou os 3,3 milhões de litros. Frascos e tampas de plástico injetável são os mais adequados para acondicionar o protetor solar. Apesar de ser um povo que se expõe muito ao sol, o brasileiro apresenta média de compra anual de apenas 1,7 unidade. O baixo número, contudo, serve de estímulo à indústria, que realizou o lançamento de 612 novos protetores neste tipo de embalagem só em A categoria tem como principais consumidores as classes A e B; na classe C, o consumo ainda é tímido. De acordo com o Anuário ABIHPEC 2010, 1659 empresas atuam no mercado de produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos no Brasil. Entre estas, 14 companhias de grande porte respondem por 73% do faturamento total. A indústria de produtos de limpeza é outra importante consumidora de embalagens de plástico injetável. Segundo o Anuário 2009 da Associação Brasileira de Produtos de Limpeza e Afins (ABIPLA), o setor produziu, entre outros itens: 464,3 mil toneladas de amaciantes; 477,1 mil toneladas de água sanitária; 365,7 mil toneladas de detergentes para lavar louça; 210,5 mil toneladas de desinfetantes; 23 mil toneladas de purificadores de ar; 10 mil toneladas de lustra- Apresentação / Apresentação / Mercado Ideias de Negócios 3

6 móveis; 9,2 mil toneladas de limpadores com brilho; 8,6 mil toneladas de limpadores para banheiro; 49,7 mil toneladas de ceras para assoalho; 2,9 mil toneladas de inseticidas (líquido, armadilha, aerossol e elétrico). Em 2010, conforme a ABIPLA, as vendas de produtos de limpeza cresceram 11% e a receita bruta do setor alcançou R$ 13,5 bilhões. Ao lado desses números exuberantes, a cadeia produtiva de embalagens de plástico injetável apresenta problemas de proporções semelhantes, que afetam sua competitividade, principalmente em relação ao preço das resinas termoplásticas nacionais, um dos maiores do mundo. Dados divulgados pela Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST) em fevereiro de 2011 indicam que o preço no mercado interno da resina de polipropileno - utilizada na fabricação de embalagens alimentícia e automotiva - é 22% mais alto do que no mercado doméstico europeu, 32% maior do que na China e 33% superior ao praticado nos Estados Unidos. Quanto ao polietileno de baixa densidade, outro material muito usado para confeccionar embalagens destinadas à indústria alimentícia, os transformadores brasileiros de plásticos pagam entre 14% e 30% a mais do que seus concorrentes europeus, chineses e norte-americanos. O polietileno de alta densidade - matéria-prima para confecção de caixas, garrafas, bombonas e produtos automotivos - é 22% mais caro aqui do que na Europa, e 59% maior do que nos Estados Unidos. Entretanto, o mercado de embalagens plásticas encontra-se em um de seus momentos mais dinâmicos. Diante deste cenário promissor, a Braskem concluiu no final do ano passado a implantação de seu primeiro projeto para produção de Polietileno Verde, ao inaugurar uma planta de eteno a partir do etanol de cana de açúcar, em Triunfo (RS), e já anunciou seu plano de construir uma unidade de polipropileno verde. A Dow anunciou no final do ano passado a retomada de seu projeto de polietileno verde no Brasil. Ao lado dela, empresas como Basf, Cargill, Bunge, entre outras, estão produzindo plástico à base de milho - o PLA- que já está disponível no mercado. Apresentação / Apresentação / Mercado / Localização 3. Localização A escolha do local do empreendimento deverá estar baseada na formatação que o empreendedor espera dar a sua fábrica de embalagens de plástico injetável - tanto no que tange ao volume de produção, quanto a sua forma de atuação perante o público consumidor. Ao procurar um prédio, considere os seguintes fatores: - localização, capacidade de instalação, possibilidade de expansão e disponibilidade dos serviços de água, luz, esgoto, telefone e internet; - facilidade de acesso e serviços de transporte coletivo nas redondezas; - local para carga e descarga de mercadorias; - regularização do imóvel junto aos órgãos públicos municipais; - regularidade dos pagamentos do IPTU referente ao imóvel; Também o órgão específico da Prefeitura Municipal deve ser consultado, visando verificar a possibilidade de instalar esse tipo de empresa na localidade escolhida. Isto se faz necessário porque os municípios brasileiros possuem um Plano Diretor Urbano (PDU) no qual é definido que tipo de negócio pode ou não ser instalado em determinadas áreas, bairros, etc. Em razão do alto consumo de energia elétrica, é recomendável que o empreendimento seja localizado próximo a uma subestação elétrica. Ideias de Negócios 4

7 4. Exigências Legais e Específicas De forma geral, a primeira providência para registrar a fábrica de embalagens é a contratação de um contador profissional legalmente habilitado para elaborar os atos constitutivos da empresa, auxiliá- lo na escolha da forma jurídica mais adequada para o seu projeto e preencher os formulários de inscrição exigidos pelos órgãos públicos. O contador pode informar também sobre a legislação tributária pertinente ao negócio. Mas atenção: certifique-se de que este prestador de serviço seja um profissional habilitado no Conselho Regional de Contabilidade e de que não existam reclamações registradas contra ele. Dê preferência aos contadores que ofereçam, além de assessoria fiscal e tributária, outros serviços contábeis. O empreendimento somente poderá se estabelecer depois de cumpridas as seguintes etapas: a) Registro da empresa nos seguintes órgãos: - Junta Comercial; - Secretaria da Receita Federal (CNPJ); - Secretaria Estadual de Fazenda; - Prefeitura do Município para obter o alvará de funcionamento; -Enquadramento na Entidade Sindical Patronal (a empresa ficará obrigada a recolher a Contribuição Sindical Patronal anualmente); - Cadastramento junto à Caixa Econômica Federal no sistema Conectividade Social INSS/FGTS. -Corpo de Bombeiros Militar. b) Visita à prefeitura da cidade onde pretende montar sua fábrica de tintas para fazer a consulta de local e emissão das certidões de Uso do Solo e Número Oficial. c) Registros especiais: A fábrica de embalagens deverá requerer licenças específicas junto aos órgãos ambientais. Caberá ao contador orientar sobre os procedimentos necessários a sua obtenção. Depois de iniciar as atividades da fábrica, o empreendedor deverá seguir à risca as exigências estabelecidas na legislação ambiental, principalmente no que se refere ao uso de água, controle de poluição, transporte de cargas perigosas, manipulação de substâncias químicas, entre outras. O despejo de resíduos deve merecer atenção especial, tendo em vista as recentes publicações da Lei Federal nº /2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, e do Decreto Federal nº 7.404/2010, que regulamentou a referida Lei. Código de Defesa do Consumidor As empresas que fornecem serviços e produtos no mercado de consumo devem observar as regras de proteção ao consumidor, estabelecidas pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC). Publicado em 11 de setembro de 1990, o CDC busca equilibrar a relação entre consumidores e fornecedores em todo o território brasileiro. O CDC somente se aplica às operações comerciais em que a relação de consumo estiver presente, isto é, nos casos em que uma pessoa (física ou jurídica) adquire produtos ou serviços como destinatário final. Para tanto, é necessário que em uma negociação estejam presentes o fornecedor e o consumidor, e que o produto ou serviço adquirido satisfaça as necessidades próprias do consumidor, na condição de destinatário final. Portanto, operações não caracterizadas como relação de consumo não estão sob a proteção do CDC, como ocorre, por exemplo, nas compras de mercadorias para serem revendidas pelo estabelecimento. Nestas operações, as mercadorias adquiridas se destinam à revenda, e não ao consumo da empresa. Tais negociações se regulam pelo Código Civil brasileiro e legislações comerciais específicas. Apresentação / Apresentação / Mercado / Localização / Exigências Legais e Específicas Ideias de Negócios 5

8 5. Estrutura A implantação de uma fábrica de embalagens de plástico injetável requer projeto arquitetônico detalhado. O dimensionamento da estrutura física irá depender da expectativa do empreendedor, dos equipamentos escolhidos e da matéria-prima disponível. Deve-se estar atento à alocação de alguns espaços específicos, conforme segue: Recepção espaço destinado à instalação do balcão ou mesas para o atendimento aos clientes; Produção área destinada à instalação das máquinas/equipamentos que serão utilizadas na fabricação das embalagens. Seção de controle de qualidade setor onde as embalagens serão avaliadas e testadas antes da entrega ao cliente. Armários e prateleiras devem ser confeccionados em materiais não combustíveis. Depósito/almoxarifado para armazenagem de matérias primas e das embalagens produzidas. O local deve, necessariamente, apresentar as seguintes características: - uma das paredes deve ter janelas voltadas para o exterior; - porta para eventual acesso do Corpo de Bombeiros; - saída de emergência sinalizada; - sistema de exaustão para retirada de vapores leves e pesados; - iluminação feita com lâmpadas à prova de explosão; - ventilação ambiental adequada; Os espaços devem ter um layout interativo e agradável, tanto para os clientes quanto para a equipe de funcionários, principalmente no que se refere à facilidade de trânsito entre os diferentes ambientes. 6. Pessoal O quadro pessoal irá variar de acordo com o tamanho do empreendimento e com a capacidade de fabricação de embalagens. As atividades operacionais podem ter início com um número aproximado de seis (6) funcionários sendo: a) dois (2) administrativos, para os serviços de escritório, recepção, telefonia e vendas; e b) quatro (4) profissionais técnicos, alocados em atividades de projeto e desenvolvimento de moldes, fabricação das embalagens, armazenagem e expedição de produtos e manutenção da fábrica. O perfil recomendado para os funcionários contempla, entre outras, as seguintes competências: - agilidade e flexibilidade - presteza no atendimento - responsabilidade - senso de organização - capacidade de percepção para entender as expectativas dos clientes - facilidade para interagir com clientes - predisposição às mudanças e ao aprendizado constante - bom senso e criatividade para encontrar as melhores soluções - capacidade de apresentar e vender produtos e serviços da empresa sem ser inconveniente. - motivação para crescer juntamente com o negócio. No início das operações, é recomendável que a empresa contrate serviços terceirizados para a entrega das embalagens plásticas aos clientes. A gestão da empresa deverá ser feita pelo empreendedor. Neste sentido, recomenda-se que ele atue numa das áreas de trabalho descritas acima. Sua supervisão em todas as operações da empresa será muito importante, tanto na linha de produção, quanto na parte de gestão administrativo-financeira. O empreendedor deve participar de seminários, congressos e cursos direcionados ao seu ramo de negócio para manter-se atualizado e sintonizado com as tendências do setor. O SEBRAE da localidade poderá Pessoal Ideias de Negócios 6

9 ser consultado para fornecer orientações sobre o perfil do pessoal e respectivo treinamento. A qualificação de profissionais aumenta o comprometimento com a empresa, eleva o nível de retenção de funcionários, melhora a performance do negócio e diminui os custos trabalhistas com a rotatividade de pessoal. Autônomos Uma das principais dúvidas dos empreendedores diz respeito à contratação de pessoas físicas (profissionais autônomos) ou jurídicas (empresas) para prestação de serviços sem vínculo empregatício. A fim de diminuir os encargos sociais, as empresas buscam a terceirização. No entanto, é fundamental estar atento ao tipo de atividade que pode ser terceirizada. Não é possível contratar terceiros para realizarem serviços relacionados às atividades que justificaram a criação da empresa. A contratação pode abranger atividades intermediárias da contratante, desde que não haja relação de emprego entre as partes. Ou seja, a relação entre contratante e contratado não pode ser como aquela existente entre patrão e empregado, caracterizada pelos elementos de subordinação, habitualidade, horário, pessoalidade e salário. Vantagens da contratação de serviços de terceiros: Mais participação dos dirigentes nas atividadesfim da empresa. Concentração dos talentos no negócio principal da empresa. Maior facilidade na gestão do pessoal e das tarefas. Possibilidade de rescisão do contrato conforme as condições preestabelecidas. Controle da atividade terceirizada por conta da própria empresa contratada. Desvantagens que este tipo de contratação pode acarretar: Sofrer autuação do Ministério do Trabalho e ações trabalhistas em caso de inobservância das obrigações mencionadas no item acima. Fiscalização dos serviços prestados para verificar se o contrato de prestação de serviços está sendo cumprido integralmente, conforme o combinado. Risco de contratação de empresa não qualificada. Antes da contratação, recomenda-se verificar se o pessoal disponibilizado pela empresa terceirizada consta como registrado, e se os direitos trabalhistas e previdenciários estão sendo respeitados e pagos. 7. Equipamentos Os equipamentos necessários para a montagem de uma empresa de fabricação de embalagens de plástico injetável, considerando uma empresa de pequeno porte, são os seguintes: i) Área industrial - tanques de armazenagem de matérias-primas e insumos; - balança; - misturador de cores; - máquina de retífica pneumática (para o polimento do molde); - máquina injetora de termoplásticos com sistema rosca-pistão; - compressor de ar para extração; - talha com capacidade mínima para cinco toneladas; - máquina para embalar as peças produzidas; - esteiras rolantes; - exaustor; - aparelho para climatização do ambiente; - armários fabricados com materiais não combustíveis e com portas de vidro; - extintores de incêndio com borrifadores e vasos de areia; ii) áreas administrativa e comercial: - microcomputador com acesso à internet; - impressora multifuncional; - linhas telefônicas e de fax; - sofás ou cadeiras para acomodar os clientes; - móveis e utensílios de escritório; - armários; Convém que o empreendedor busque informações junto aos fabricantes para conhecer o tempo médio de obsolescência dos equipamentos. Assim, ele poderá realizar a análise de custo-benefício para sua aquisição (se novos ou usados), bem como planejar a reposição quando necessária. Fornecedores: ABIMAQ -Associação Brasileira das Indústrias de Máquinas e Equipamentos Av. Jabaquara, CEP São Pessoal / Equipamentos Ideias de Negócios 7

10 Paulo (SP) Telefone: (11) Fax: (11) Site: E- mail: Automatec Indústria e Comércio Ltda Rua Engenheiro Antônio Faggion, Jardim Dom Bosco CEP São Paulo SP Telefone: (11) Battenfeld do Brasil Ltda. Rua Arnaldo de Oliveira Barreto, 489 CEP Osasco - SP Telefone: (11) Fax: (11) Site: FMC TECNOLOGIA Rua Presidente John Fitzgerald Kennedy, 609 CEP Mogi Guaçu SP Telefone: (19) Site: M&M Máquinas Injetoras Avenida Caetano Ruggieri, Parque Nossa Senhora da Candelária CEP Itu -SP Telefones: (11) / Site: Pohlmec Indústria de Máquinas para Injetados Ltda. Rua Cedro, 194 Bairro Ideal CEP: Novo Hamburgo (RS) Telefone: (51) Fax: (51) Site: Indústrias Romi S.A. Avenida Pérola Byington, 56 CEP Santa Bárbara d'oeste - SP Telefone: (19) Fax: (19) Site: Sicemar Telefone: (11) Fax: (11) Site: Matéria Prima/Mercadoria A gestão de estoques no varejo é a procura do constante equilíbrio entre a oferta e a demanda. Este equilíbrio deve ser sistematicamente aferido através de, entre outros, os seguintes três importantes indicadores de desempenho: Giro dos estoques: o giro dos estoques é um indicador do número de vezes em que o capital investido em estoques é recuperado através das vendas. Usualmente é medido em base anual e tem a característica de representar o que aconteceu no passado. Obs.: Quanto maior for a freqüência de entregas dos fornecedores, logicamente em menores lotes, maior será o índice de giro dos estoques, também chamado de índice de rotação de estoques. Cobertura dos estoques: o índice de cobertura dos estoques é a indicação do período de tempo que o estoque, em determinado momento, consegue cobrir as vendas futuras, sem que haja suprimento. Nível de serviço ao cliente: o indicador de nível de serviço ao cliente para o ambiente do varejo de pronta entrega, isto é, aquele segmento de negócio em que o cliente quer receber a mercadoria, ou serviço, imediatamente após a escolha; demonstra o número de oportunidades de venda que podem ter sido perdidas, pelo fato de não existir a mercadoria em estoque ou não se poder executar o serviço com prontidão. Portanto, o estoque dos produtos deve ser mínimo, visando gerar o menor impacto na alocação de capital de giro. O estoque mínimo deve ser calculado levando-se em conta o número de dias entre o pedido de compra e a entrega dos produtos na sede da empresa.as principais matérias primas utilizadas para confecção de embalagens injetáveis são: Polipropileno (PP): muito utilizado para moldar tampas e pequenos frascos. É mais rígido do que o Polietileno (PE) e oferece uma superfície mais brilhosa. Poliestireno (PS): na forma transparente ou composta, é usado na produção de recipientes isolantes para comida e embalagens acolchoadas e de isopor. Policloreto Pessoal / Equipamentos / Matéria Prima/Mercadoria Ideias de Negócios 8

11 de Vinila (PVC): usado para fabricar frascos rígidos, maleáveis e outras embalagens para as quais exista a necessidade de barreiras. Muito usado em cosméticos, produtos de limpeza e das indústrias alimentícia e automobilística, entre outras. Também utilizado em produtos que necessitem de apelo visual ao público consumidor ou que precisem de transparência vítrea (similar ao vidro) e superfície brilhosa. Largamente empregado na confecção de potes de gel, colônias, xampus e silicones automotivos, entre outros. Polietileno Tereftalado (PET): o mais importante membro da família dos poliésteres, usado nas embalagens de cosméticos, produtos farmacêuticos e defensivos agrícolas. Polietileno de Alta Densidade (PEAD):é a resina mais aplicada em frascos. Tem forte apelo em custo, porém perde em brilho e transparência para o PVC e o PP Random. Bastante utilizado em frascos de maior volume para detergentes de roupa, branqueadores, óleos automotivos, acetonas, talcos e bronzeadores para o corpo. Polietileno de Baixa Densidade (PEBD):sua flexibilidade proporciona o efeito squeeze, de expulsão do produto para fora da embalagem, a exemplo do desodorante spray. Fornecedores: Alcaplas Indústria de Plásticos Ltda Rodovia SC 480, Km 90 - Bairro Nossa Senhora de Lourdes Xanxerê - SC Telefone: (49) Aston Comércio de Resinas Termoplásticas Ltda. Rua Professora Aparecida Donizete de Paula, 109 CEP Diadema SP Telefone: (11) BASF S/A Rua Benzeno, 765 CEP Camaçari - BA Bayer S/A Rua Domingos Jorge, 1100 CEP São Paulo - SP Braskem Av. Nações Unidas, º andar São Paulo - SP Etimo Resinas Termoplásticas Industrial Ltda. Av. Padre Anchieta, 60 CEP São Bernardo do Campo - SP Telefone: (11) Nitriflex Rua Marumbi, Campos Eliseos CEP Duque de Caxias - RJ Telefone: (21) Fax: (21) Paraíso Resinas Termoplásticas Ltda. Rua Manuel Bandeira, 95 Santo André SP Telefone: (11) TRM Resinas Termoplásticas Indústria e Comércio Ltda Rua Max Mangels Senior, Jardim Calux CEP São Bernardo do Campo SP Telefone: (11) Fax: (11) Site: 9. Organização do Processo Produtivo A fabricação de embalagens plásticas injetáveis segue as seguintes etapas: - Análise da demanda do cliente e levantamento de suas necessidades, que serão convertidas em requisitos e especificações do projeto de embalagem plástica. - Ajuste da logística de suprimentos para atender ao pedido: recebimento e armazenagem da matériaprima e dos insumos. Os materiais são analisados e, se aprovados, liberados para uso. - Concepção da embalagem plástica: dentro de uma plataforma CAD, depois de gerar ou receber do cliente o modelo geométrico da embalagem em 3D, será possível uma observação volumétrica do artefato plástico sem que ele exista fisicamente. A plataforma CAD oferece recursos 3D capazes de projetar, dimensionar e posicionar todos os componentes funcionais e de suporte, os quais atuarão no funcionamento dinâmico do molde durante o ciclo de injeção. - Validação da embalagem plástica e do molde: após a etapa de análise do modelo gerado em 3D, realiza-se a confecção do molde-piloto e seu polimento, com vistas a diminuir a rugosidade superficial das Pessoal / Equipamentos / Matéria Prima/Mercadoria / Organização do Processo Produtivo Ideias de Negócios 9

12 cavidades. Dá-se preferência pela utilização de aço nas placas de montagem e açosliga nas placas das cavidades, muitas vezes cromadas para maior durabilidade. Para produtos de baixa escala de produção, utiliza-se o alumínio e suas ligas para a confecção dos moldes devido ao menor custo do metal e de sua usinagem. - Montagem do molde e primeiro teste na máquina: nesta etapa, juntam-se componentes funcionais, componentes de suporte, elementos de máquinas e fixadores (parafusos, porcas, arruelas, pinos elásticos, chavetas, dentre outros). O teste objetiva ajustar os parâmetros da máquina injetora. - Fechamento e travamento do molde: necessário para suportar a altíssima pressão no interior da cavidade no momento da injeção. - Dosagem: plastificação e homogeneização do composto no cilindro de injeção, obtidas por meio do movimento de rotação da rosca recíproca e de aquecimento do cilindro por resistências elétricas. Parâmetros importantes na etapa de dosagem são a temperatura do cilindro, a velocidade de rotação da rosca e a contrapressão da rosca. - Injeção: como o próprio nome indica, trata-se da injeção do composto fundido para o interior da cavidade (ou cavidades) do molde por meio do movimento linear de avanço da rosca recíproca e bloqueio do contrafluxo pela ação do anel de bloqueio, que permite a passagem do composto fundido no momento da dosagem e impede seu refluxo no momento da aplicação da pressão de injeção. Parâmetros importantes nessa etapa são a pressão e a velocidade de injeção, sendo que ambas podem ser escalonadas para promover o preenchimento uniforme das cavidades. - Recalque: se destina a compensar a contração da peça moldada durante seu resfriamento, evitando a ocorrência de defeitos de moldagem como os chamados rechupes e outras imperfeições, bem como perda de parâmetros dimensionais. - Resfriamento: finalizada a etapa de recalque, a peça é mantida no molde fechado até completar sua solidificação. O resfriamento prossegue até que a peça apresente resistência mecânica suficiente para poder ser retirada do molde sem sofrer deformações ou perda de parâmetros dimensionais. Normalmente os moldes são resfriados pela passagem de água em serpentinas usinadas nas placas. - Extração: encerrada a etapa de resfriamento o molde é aberto e a peça extraída por meio de extratores mecânicos, hidráulicos ou elétricos. Alguns produtos podem ser extraídos com o auxílio de ar comprimido ou pela simples interferência do operador da máquina injetora. - Fabricação do modelo final da embalagem aprovada pelo cliente. - Avaliação, seleção e empacotamento do lote de embalagens plásticas. - Expedição da encomenda ao cliente. 10. Automação A implantação de um sistema de automação industrial deve ser feita por meio de um levantamento detalhado do processo produtivo da empresa. É recomendável que o empreender busque o apoio de consultoria especializada em seu ramo de negócio. Antes de se decidir pelo sistema a ser utilizado, o empreendedor deve avaliar o preço cobrado, o serviço de manutenção, a facilidade de suporte e as atualizações oferecidas pelo fornecedor. Alguns benefícios proporcionados pela automação: - redução de tarefas manuais; - diminuição de erros na produção; - aumento da produtividade; - rapidez na verificação de informações; - facilidade para apuração de resultados; - melhoria nos índices de satisfação dos clientes; Com o objetivo de Pessoal / Equipamentos / Matéria Prima/Mercadoria / Organização do Processo Produtivo / Automação Ideias de Negócios 10

13 combater fraudes e evitar a sonegação, o Fisco brasileiro criou a obrigatoriedade do Emissor de Cupom Fiscal (ECF). Trata-se de um equipamento homologado pela Comissão Técnica Permanente do ICMS, órgão ligado ao Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ). O ECF emite o cupom fiscal com maior controle e confiabilidade dos registros das operações de vendas, além de simplificar as responsabilidades fiscais. Com auxílio de um modem acoplado ao equipamento, o administrador pode enviar ao Fisco, de forma remota, os dados das operações realizadas. Neste quesito fiscal, uma alternativa para os administradores é o software disponível nos sites das secretarias estaduais de Fazenda. O programa gratuito, contudo, não possibilita o armazenamento das notas pelo prazo de cinco anos, mais o ano fiscal corrente, conforme a legislação determina. Atualmente existem diversos softwares que podem auxiliar o empreendedor na gestão de uma fábrica de embalagens de plástico injetável. Seguem algumas sugestões: AS Gestor empresarial 1.59; Empresarial Master Plus 2.0 (gratuito); Empresarial Master Sênior 2.0 (gratuito); Express Gestão de Tele-vendas (gratuito); Gestão de Clientes (CRM) 2.10; Hábil empresarial (gratuito); Praticus Gestão empresarial; Totus Free (gratuito). Além de fácil utilização, um software gerencial deve incorporar, dentre outros, itens como: - Cadastro: clientes, vendedores, funcionários, produtos, fornecedores, transportadoras; - Movimentos: orçamentos, vendas e serviços; - Relatórios: serviços a executar, vendas por cliente, por vendedor, comissões por vendedor, vendas por período, vendas a receber, estoque, aniversariantes do mês; - Consultas: preços, recebimentos, pagamentos, vendas; - Gráficos: evolução das vendas, despesas, pagamentos; - Financeiro: controle de caixa, cheques recebidos, cheques emitidos, controle de despesa, contas a pagar, controle de funcionários, compras; - Segurança: backup dos dados. 11. Canais de Distribuição Uma fábrica de embalagens de plástico injetável dispõe de múltiplos canais para levar seu mix de produtos aos clientes, entre outros: - venda direta às indústrias que atuam nos segmentos alimentício, automotivo, defensivos agrícolas, escolar, farmacêutico, higiene e limpeza, perfumaria e cosméticos, entre outros; - site de vendas direcionado a farmácias de manipulação e pequenos empreendimentos nos setores de beleza, saúde e alimentos; 12. Investimento Investimento compreende todo o capital empregado para iniciar e viabilizar o negócio até o momento em que ele se torna autossustentável. Pode ser caracterizado como: Pessoal / Equipamentos / Matéria Prima/Mercadoria / Organização do Processo Produtivo / Automação / Canais de Distribuição / Investimento -investimento fixo: engloba o capital empregado na compra de imóveis (se for o caso), equipamentos, móveis, utensílios, instalações, reformas, veículos; -investimentos pré-operacionais: são todos os gastos ou despesas realizadas com Ideias de Negócios 11

14 projetos, pesquisa de mercado, registro da empresa, decoração, honorários profissionais e outros. O investimento na estruturação de uma fábrica de embalagens de plástico injetável irá variar segundo a concepção do negócio. Em geral, o investimento necessário abrange, entre outros, os seguintes itens: - abertura da empresa; - reforma e decoração do local; - maquinário; - automação gerencial; - equipamentos de proteção individual e coletiva (EPI e EPC); - ar condicionado; - ventiladores; - matéria-prima e insumos; - móveis (mesas, cadeiras, armários, balcão de recepção, etc); - telefones fixo e celular; - aparelho de fax; - microcomputador com acesso à internet; - impressora multifuncional; - confecção de sítio informativo na internet; - marketing inicial; Quanto aos equipamentos e insumos necessários à montagem de uma fábrica de embalagens de plástico injetável, o mercado oferece variada gama de opções. Para uma informação mais apurada sobre o investimento inicial, sugere-se que o empreendedor utilize o modelo de plano de negócio disponível no SEBRAE. Pessoal / Equipamentos / Matéria Prima/Mercadoria / Organização do Processo Produtivo / Automação / Canais de Distribuição / Investimento Ideias de Negócios 12

15 13. Capital de Giro Capital de giro é o montante de recursos financeiros que a empresa precisa manter para garantir fluidez dos ciclos de caixa. O capital de giro funciona com uma quantia imobilizada no caixa (inclusive banco) da empresa para suportar as oscilações de caixa. O capital de giro é regulado pelos prazos praticados pela empresa, são eles: prazos médios recebidos de fornecedores (PMF); prazos médios de estocagem (PME) e prazos médios concedidos a clientes (PMCC). Quanto maior o prazo concedido aos clientes e quanto maior o prazo de estocagem, maior será sua necessidade de capital de giro. Portanto, manter estoques mínimos regulados e saber o limite de prazo a conceder ao cliente pode melhorar muito a necessidade de imobilização de dinheiro em caixa. Se o prazo médio recebido dos fornecedores de matéria-prima, mão-de-obra, aluguel, impostos e outros forem maiores que os prazos médios de estocagem somada ao prazo médio concedido ao cliente para pagamento dos produtos, a necessidade de capital de giro será positiva, ou seja, é necessária a manutenção de dinheiro disponível para suportar as oscilações de caixa. Neste caso um aumento de vendas implica também em um aumento de encaixe em capital de giro. Para tanto, o lucro apurado da empresa deve ser ao menos parcialmente reservado para complementar esta necessidade do caixa. Se ocorrer o contrário, ou seja, os prazos recebidos dos fornecedores forem maiores que os prazos médios de estocagem e os prazos concedidos aos clientes para pagamento, a necessidade de capital de giro é negativa. Neste caso, deve-se atentar para quanto do dinheiro disponível em caixa é necessário para honrar compromissos de pagamentos futuros (fornecedores, impostos). Portanto, retiradas e imobilizações excessivas poderão fazer com que a empresa venha a ter problemas com seus pagamentos futuros. Um fluxo de caixa, com previsão de saldos futuros de caixa deve ser implantado na empresa para a gestão competente da necessidade de capital de giro. Só assim as variações nas vendas e nos prazos praticados no mercado poderão ser geridas com precisão. O desafio da gestão do capital de giro deve-se, principalmente, à ocorrência dos fatores a seguir: a. Variação dos diversos custos absorvidos pela empresa; b. Aumento de despesas financeiras, em decorrência das instabilidades desse mercado; c. Baixo volume de vendas; d. Aumento dos índices de inadimplência; e. Pagamento das parcelas de possíveis financiamentos; f. Altos níveis de estoques de matériaprima. É possível minimizar a necessidade de capital de giro através do recebimento de um sinal como primeira parcela do produto vendido. Neste caso, enquanto aguarda o recebimento da parcela complementar, o empreendedor deverá ter em caixa recursos suficientes para realizar os desembolsos inerentes à atividade (deslocamentos, aluguel, luz, salários dos funcionários, divulgação, etc.). Se o volume de encomendas estiver acima do ponto de equilíbrio, e o prazo concedido ao cliente para pagamento não superar 30 dias, o capital de giro necessário a uma pequena fábrica de embalagens de plástico injetável será minimizado, geralmente em torno de 30% a 40% do faturamento previsto, dependendo ainda do: valor e tempo de estocagem e prazos recebidos do fornecedor de matéria prima, que devem estar em Pessoal / Equipamentos / Matéria Prima/Mercadoria / Organização do Processo Produtivo / Automação / Canais de Distribuição / Investimento / Capital de Giro Ideias de Negócios 13

16 torno de 30 dias. Estima-se em R$ 75 mil o capital de giro necessário para a abertura de uma fábrica de embalagem de plástico injetável. 14. Custos São todos os gastos realizados na produção de um bem ou serviço e que serão incorporados posteriormente no preço dos produtos ou serviços prestados, como: aluguel, água, luz, salários, honorários profissionais, despesas de vendas, matériaprima e insumos consumidos no processo de produção, depreciação de maquinário e instalações. O cuidado na administração e redução de todos os custos envolvidos na compra, produção e venda de produtos ou serviços que compõem o negócio indica que o empreendedor poderá ter sucesso ou insucesso, na medida em que encarar como ponto fundamental a redução de desperdícios, a compra pelo melhor preço e o controle de todas as despesas internas. Quanto menores os custos, maior a chance de ganhar no resultado final do negócio. Seguem algumas categorias referenciais, levantadas por entrevistas junto a empresas similares, com intuito de exemplificar a proporcionalidade dos gastos. - Telefones e acesso à internet: R$ 850,00; - Assessoria contábil: R$ 545,00; - Despesas com armazenamento e transporte: de 8% a 12 % do faturamento; - Produtos para higiene dos funcionários e limpeza da empresa: R$ 1.800,00; - Recursos para manutenções corretivas: cerca de 5% do custo do equipamento ao ano; - Despesas com vendas, propaganda e publicidade: em torno de 5% das vendas; 15. Diversificação/Agregação de Valor Agregar valor significa oferecer produtos e serviços complementares, diferenciando-se da concorrência e atraindo o público- alvo. Não basta possuir algo que os produtos e serviços concorrentes não ofereçam. É necessário que esse algo mais seja reconhecido pelo cliente como uma vantagem competitiva e aumente o seu nível de satisfação com o produto ou serviço prestado. Além de divulgar o catálogo de produtos na internet, por exemplo, o empreendedor poderá oferecer informações sobre novas resinas plásticas, esclarecer dúvidas, mostrar lançamentos, apresentar tendências de design, cores e outras. Outro diferencial do empreendimento pode ser a criação de um campo no site da empresa que possibilite ao cliente visualizar a embalagem final do produto por meio da simulação de elementos gráficos de decoração, aplicação de logomarca, informações técnicas e outras. Sustentabilidade A incorporação dos princípios de sustentabilidade tornou-se um diferencial importante, uma vez que, no Brasil, cresce o número de consumidores conscientes que valorizam os serviços fornecidos com o mínimo (ou nenhum) impacto ao meio-ambiente e à saúde dos seres vivos, a partir de matérias-primas naturais renováveis ou reaproveitáveis. O consumidor valoriza cada vez mais as questões ambientais em sua decisão de compra. Ele espera das empresas que, além de serem agentes produtivos, sejam agentes sociais e ambientais, contribuindo ativamente para o desenvolvimento da sociedade. Neste sentido, a minimização do impacto ambiental - por meio da seleção Pessoal / Equipamentos / Matéria Prima/Mercadoria / Organização do Processo Produtivo / Automação / Canais de Distribuição / Investimento / Capital de Giro / Custos / Diversificação/Agregação de Valor Ideias de Negócios 14

17 correta de materiais, redução de perdas nos processos, utilização racional dos recursos e descarte adequado após o uso - deve ser planejada e viabilizada no exato momento em que a ideia de uma embalagem de plástico injetável é concebida. Segundo a Sustainable Packaging Coalition (SPC), uma embalagem para ser sustentável deve atender aos seguintes requisitos: - ser benéfica, segura e saudável para comunidades e indivíduos durante todo seu ciclo de vida; - atender critérios de desempenho e custo presentes no mercado; - ser pesquisada, fornecida, manufaturada, transportada e reciclada usando energia renovável; - maximizar o uso de materiais de fonte renovável ou recicláveis; - obedecer às melhores práticas de produção e utilização de tecnologias limpas; - ser constituída de ingredientes cujos resíduos são seguros aos indivíduos e ao meio ambiente em todas as prováveis circunstâncias de disposição; - ser fisicamente desenhada para obter melhor aproveitamento de materiais e energia; A título de exemplo, uma ação bastante efetiva e que pode ser priorizada na grande maioria dos casos, é a eliminação do excesso ou do desnecessário numa embalagem de plástico injetável, uma vez que não gera custo, não consome energia e não origina resíduo. Outras práticas ambientalmente sustentáveis na fabricação embalagens plástica injetáveis são: realizar manutenção preventiva periódica nos motores, máquinas e demais equipamentos ; utilizar equipamentos com baixos níveis de ruído e consumo de energia; enviar sobras de plástico e outros materiais para reciclagem. 16. Divulgação O empreendedor deve sempre entregar o que foi prometido e, quando puder, superar as expectativas do cliente. Ao final, a melhor propaganda será feita pelos clientes satisfeitos e bem atendidos. Recomenda-se que o empreendedor elabore um plano de comunicação do negócio e o coloque em prática pelo menos três meses antes de começar a operar. Estratégias de comunicação dirigidas às redes sociais (Facebook, Linkedin, Orkut, Twitter, entre outras) mostram-se muito adequadas nessa etapa. Por meio delas, o empreendedor poderá compartilhar conteúdos relacionados ao segmento em que irá atuar. Vídeos postados no YouTube, por exemplo, podem ajudar o cliente no momento da escolha do design, cores e demais funcionalidades das embalagens de plástico injetável. Abaixo, sugerem-se algumas ações mercadológicas acessíveis e eficientes: - montar um website com oferta de serviços e demais valores empresariais; - confeccionar folders e flyers para a distribuição em farmácias e drogarias; - publicar anúncios em revistas dirigidas aos segmentos alimentício, automotivo, defensivos agrícolas, escolar, farmacêutico, higiene e limpeza, perfumaria e cosméticos, entre outros. - Produzir um pequeno portfólio para a apresentação da empresa e dos profissionais, contendo cartão de visitas, folder, brindes, etc. - Anunciar em sites de busca e de cotação de preços, que geram maior volume de tráfego e de vendas. Caso seja interesse do empreendedor, um profissional de marketing e/ou comunicação poderá ser contratado para desenvolver campanhas específicas. Pessoal / Equipamentos / Matéria Prima/Mercadoria / Organização do Processo Produtivo / Automação / Canais de Distribuição / Investimento / Capital de Giro / Custos / Diversificação/Agregação de Valor / Divulgação Ideias de Negócios 15

18 17. Informações Fiscais e Tributárias O segmento de FÁBRICA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS, assim entendido pela CNAE/IBGE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) /99 como a atividade de fabricação de artefatos de material plástico para usos diversos, poderá optar pelo SIMPLES Nacional - Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas ME (Microempresas) e EPP (Empresas de Pequeno Porte), instituído pela Lei Complementar nº 123/2006, desde que a receita bruta anual de sua atividade não ultrapasse a R$ ,00 (trezentos e sessenta mil reais) para micro empresa, R$ ,00 (três milhões e seiscentos mil reais) para empresa de pequeno porte e respeitando os demais requisitos previstos na Lei. Nesse regime, o empreendedor poderá recolher os seguintes tributos e contribuições, por meio de apenas um documento fiscal o DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional), que é gerado no Portal do SIMPLES Nacional (http://www8.receita.f azenda.gov.br/simplesnacional/): IRPJ (imposto de renda da pessoa jurídica); CSLL (contribuição social sobre o lucro); PIS (programa de integração social); COFINS (contribuição para o financiamento da seguridade social); ICMS (imposto sobre circulação de mercadorias e serviços); INSS (contribuição para a Seguridade Social relativa a parte patronal). Conforme a Lei Complementar nº 123/2006, as alíquotas do SIMPLES Nacional, para esse ramo de atividade, variam de 4,5% a 12,11%, dependendo da receita bruta auferida pelo negócio. No caso de início de atividade no próprio ano-calendário da opção pelo SIMPLES Nacional, para efeito de determinação da alíquota no primeiro mês de atividade, os valores de receita bruta acumulada devem ser proporcionais ao número de meses de atividade no período. Se o Estado em que o empreendedor estiver exercendo a atividade conceder benefícios tributários para o ICMS (desde que a atividade seja tributada por esse imposto), a alíquota poderá ser reduzida conforme o caso. Na esfera Federal poderá ocorrer redução quando se tratar de PIS e/ou COFINS. Se a receita bruta anual não ultrapassar a R$ ,00 (sessenta mil reais), o empreendedor, desde que não possua e não seja sócio de outra empresa, poderá optar pelo regime denominado de MEI (Microempreendedor Individual). Para se enquadrar no MEI o CNAE de sua atividade deve constar e ser tributado conforme a tabela da Resolução CGSN nº 94/ Anexo XIII (http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/resolucao/2011/cgsn/resol94.htm ). Neste caso, os recolhimentos dos tributos e contribuições serão efetuados em valores fixos mensais conforme abaixo: Pessoal / Equipamentos / Matéria Prima/Mercadoria / Organização do Processo Produtivo / Automação / Canais de Distribuição / Investimento / Capital de Giro / Custos / Diversificação/Agregação de Valor / Divulgação / Informações Fiscais e Tributárias I) Sem empregado Ideias de Negócios 16

19 empreendedor; R$ 1,00 mensais de ICMS Imposto sobre Circulação de Mercadorias. II) Com um empregado: (o MEI poderá ter um empregado, desde que o salário seja de um salário mínimo ou piso da categoria) O empreendedor recolherá mensalmente, além dos valores acima, os seguintes percentuais: Retém do empregado 8% de INSS sobre a remuneração; Desembolsa 3% de INSS patronal sobre a remuneração do empregado. Havendo receita excedente ao limite permitido superior a 20% o MEI terá seu empreendimento incluído no sistema SIMPLES NACIONAL. Para este segmento, tanto ME, EPP ou MEI, a opção pelo SIMPLES Nacional sempre será muito vantajosa sob o aspecto tributário, bem como nas facilidades de abertura do estabelecimento e para cumprimento das obrigações acessórias. Fundamentos Legais: Leis Complementares 123/2006 (com as alterações das Leis Complementares nºs 127/2007, 128/2008 e 139/2011) e Resolução CGSN - Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94/ Eventos BRASILPLAST - Feira Internacional da Indústria do Plástico Anhembi São Paulo SP Site: BRASILPACK Anhembi São Paulo SP Telefone (11) Fax: (11) Site: CPHI South America - Feira da Indústria Farmoquímica e Farmacêutica Transamérica Expo Center- São Paulo SP Site: Embala Nordeste -Feira Internacional de Embalagens e Processos Industriais Centro de Convenções de Pernambuco Recife PE Site: FCE Cosmetique -Exposição Internacional de Tecnologia para a Indústria Cosmética Transamérica Expo Center- São Paulo SP Site: FCE Pharma - Exposição Internacional de Tecnologia para a Indústria Farmacêutica Transamérica Expo Center- São Paulo SP Site: FEIMAFE - Feira Internacional de Máquinas-Ferramenta e Sistemas Integrados de Manufatura Anhembi - São Paulo SP Site: FIMAI - Feira Internacional de Meio Ambiente Industrial e Sustentabilidade Expo Center Norte São Paulo (SP) Telefone: (11) Site: Feira Internacional para a Indústria Química e Petroquímica Anhembi São Paulo (SP) Telefone: (11) Fax: (11) Site: FISPALTecnologia Feira Internacional de Embalagens, Processos e Logística para as Indústrias de Alimentos e Bebidas Anhembi São Paulo (SP) Site: PLASTECH Brasil - Pessoal / Equipamentos / Matéria Prima/Mercadoria / Organização do Processo Produtivo / Automação / Canais de Distribuição / Investimento / Capital de Giro / Custos / Diversificação/Agregação de Valor / Divulgação / Informações Fiscais e Tributárias / Eventos Ideias de Negócios 17

20 Centro de Exposições da Festa da Uva Caxias do Sul RS Site: PLASTISHOW Expo Center Norte - São Paulo SP Telefone: (11) Fax: (11) Site: Salão Internacional da Matéria Plástica e da Borracha Centro de Convenções de Milão Itália Site: Entidades em Geral ABIEF - Associação Brasileira da Indústria de Embalagens Plásticas Flexíveis Av. Brigadeiro Faria Lima, 2.081, 3º andar, cj. 32 CEP São Paulo (SP) Telefone: (11) Fax (11) Site: ABIHPEC - Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos Av. Paulista, Andar - Conj Bela Vista CEP São Paulo (SP) Telefone: (11) Fax: (11) Site: ABIPLAST - Associação Brasileira da Indústria do Plástico Av. Paulista, º Andar - cj. 81/82 CEP São Paulo - SP Tel: Fax: Site: ABIQUIM - Associação Brasileira da Indústria Química Av. Chedid Jafet, 222, Bloco C, 4º andar CEP São Paulo (SP) Telefone: (11) Fax: (11) Site: ABRE - Associação Brasileira de Embalagens Rua Oscar Freire, 379, 16º, Conj. 161 CEP São Paulo (SP) Telefone: (11) Fax: (11) Site: ADIRPLAST Associação Brasileira dos Distribuidores de Resinas Plásticas Rua Arandu, 205 conj. 703 Brooklin Novo CEP São Paulo (SP) Telefone: (11) Site: Instituto de Embalagens Calçada dos Lírios, 196 Alphaville Barueri (SP) Telefone: (11) Site: Instituto Sócio-Ambiental dos Plásticos Av. Chedid Jafet, Bloco C - 4º Andar CEP São Paulo (SP) Telefone: (11) Site: SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Site: SIRESP - Sindicato da Indústria de Resinas Plásticas Telefones: (11) / / Site: Normas Técnicas As normas técnicas são documentos de uso voluntário, sendo importantes referências para o mercado. As normas técnicas podem estabelecer quesitos de qualidade, desempenho, de segurança. Não obstante, pode estabelecer procedimentos, padronizar formas, dimensões, tipos, usos, fixar, classificações ou terminologias e glossários. Definir a maneira de medir ou determinar as características, como métodos de ensaio. As Normas técnicas são publicadas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas técnicas).as normas técnicas ABNT NBR 11136:1990 Versão Corrigida:1996 Pessoal / Equipamentos / Matéria Prima/Mercadoria / Organização do Processo Produtivo / Automação / Canais de Distribuição / Investimento / Capital de Giro / Custos / Diversificação/Agregação de Valor / Divulgação / Informações Fiscais e Tributárias / Eventos / Entidades em Geral / Normas Técnicas Ideias de Negócios 18

UNIVERSIDADE GUARULHOS - UnG ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: PLANO DE NEGÓCIOS

UNIVERSIDADE GUARULHOS - UnG ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: PLANO DE NEGÓCIOS UNIVERSIDADE GUARULHOS - UnG ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: PLANO DE NEGÓCIOS MATERIAL COMPLEMENTAR PARTE 2 IDEIAS DE NEGÓCIOS PROFª MAISA ALVES masantos@prof.ung.br Fevereiro, 2014 PLANO DE NEGÓCIOS...

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS OFICINA EMPRESARIAL COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS - ATENDIMENTO COLETIVO - 01 Como tudo começou... Manuais da série Como elaborar Atividade 02 Por que as empresas fecham? Causas das dificuldades e

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS.

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. Resumo efetuado a partir do Manual Como Elaborar um plano de negócios SEBRAE/ 2013 Profa. Célia Regina Beiro da Silveira ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIOS PARA O 1º CONCURSO

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br COMPRA certa Treinamento para o profissional de compras www.contento.com.br 503117 Tributação e seus impactos na rentabilidade editorial Calculando a rentabilidade Gerir uma farmácia requer conhecimentos

Leia mais

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica sumário >> Introdução... 3 >> Nota fiscal eletrônica: o começo de tudo... 6 >> Nota fiscal de consumidor eletrônica (NFC-e)... 10 >> Quais as vantagens

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP)

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) Edição 2013 01) O que é Microempreendedor Individual - MEI? Considera-se Microempreendedor Individual - MEI o empresário individual

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

IDÉIAS DE NEGÓCIO ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE

IDÉIAS DE NEGÓCIO ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE (Fonte: SEBRAE/MS SEBRAE/SC) APRESENTAÇÃO DE NEGÓCIOS Contabilidade é um trabalho minucioso que atua nas áreas fiscal, tributária e trabalhista; exigindo muita análise e tempo. Por isso, a maioria das

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

PROJETO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS NA MATA ATLÂNTICA. OFICINA Gestão do Negócio, Qualidade do Produto e Serviço, Formatação de Preço

PROJETO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS NA MATA ATLÂNTICA. OFICINA Gestão do Negócio, Qualidade do Produto e Serviço, Formatação de Preço PROJETO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS NA MATA ATLÂNTICA OFICINA Gestão do Negócio, Qualidade do Produto e Serviço, Formatação de Preço Realização: Programa Mercado Mata Atlântica RBMA Instituto Amigos da Reserva

Leia mais

Palestra Ana Afonso Formalização da atividade

Palestra Ana Afonso Formalização da atividade Bem-Vindos! APRESENTAÇÃO Ana Afonso organizadora profissional em São Paulo atua desde 2006 realizando serviços de organização de espaços, gestão de residências, treinamento de funcionários domésticos,

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

2ª Etapa 2009 a 2011. EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham!

2ª Etapa 2009 a 2011. EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham! 2ª Etapa 2009 a 2011 EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham! Benefícios para o Setor de Agenciamento de Viagens Com a Lei Complementar 128/08 - que alterou o Estatuto

Leia mais

Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Diretor-Presidente Diretor Técnico Diretor de Administração e Finanças

Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Diretor-Presidente Diretor Técnico Diretor de Administração e Finanças Loja de artesanato Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Adelmir Santana Diretor-Presidente Paulo Tarciso Okamotto Diretor Técnico Luiz Carlos Barboza Diretor de Administração e Finanças Carlos

Leia mais

PORTFÓLIO DE ABERTURA DA EMPRESA OLIMPO SYSTEMS EIRELI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

PORTFÓLIO DE ABERTURA DA EMPRESA OLIMPO SYSTEMS EIRELI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALLAN KLEVANSKIS AMANDA MOURÃO PEDRO MAURÍCIO SAMARA DE CASTRO SHAYANE SANTOS VANESSA LOFFI PORTFÓLIO DE ABERTURA DA EMPRESA OLIMPO SYSTEMS EIRELI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Belo

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO HORTALIÇAS E VEGETAIS PROCESSADOS

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO HORTALIÇAS E VEGETAIS PROCESSADOS OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO HORTALIÇAS E VEGETAIS PROCESSADOS 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA LINHAS DE FINANCIAMENTO E ACESSO AO CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO 13 / 4 / 09 ACESSO AO CRÉDITO PARA AS MICROS E

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO

Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO 1. A Empresa 1.1. Histórico / Aspectos Organizacionais 1.2. Razão Social 1.3. CNPJ 1.4. Inscrição Estadual e/ou Municipal 1.5. Número e data de registro

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

www. zaninisistemas.com.br

www. zaninisistemas.com.br www. zaninisistemas.com.br Sistemas para Lojistas e Empresas Corporativas ERP Gestor Financeiro Gerenciador NF-e CRM Gestão de Clientes Gestão de Sistemas Contábeis Contabilidade Escrita Fiscal RH & Folha

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

INTHEGRA TALENTOS HUMANOS

INTHEGRA TALENTOS HUMANOS INTHEGRA TALENTOS HUMANOS OPORTUNIDADES DE TRABALHO Acesse e Cadastre-se: www.inthegrath.com.br RUA GENERAL OSORIO, 97 FUNDINHO 34-3234-6400 Analista Contábil (ITH 3173): Cursando Superior em Ciências

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA FRALDAS DESCARTAVEIS Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA Fevereiro/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

Quem somos? Nossa Missão:

Quem somos? Nossa Missão: Bem Vindos! Quem somos? A GEPC Consultoria Tributária é uma empresa especializada em consultoria para Farmácias e Drogarias com mais de 6 anos de mercado neste seguimento. Apoiando e atualizando nossos

Leia mais

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Maria Tereza da Silva Santos Confecção - Exemplo Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Data criação: 09/01/2014 14:36 Data Modificação: 21/02/2014 14:36 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário

Leia mais

INTERRUPTORES E SENSORES AUTOMOTIVOS

INTERRUPTORES E SENSORES AUTOMOTIVOS INTERRUPTORES E SENSORES AUTOMOTIVOS Fundada em 1970, a 3RHO Interruptores Automotivos tem como principal objetivo, atender o mercado de reposição (Aftermarket), oferecendo aos seus clientes produtos com

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

Tema Nº 3 Primeiros Passos

Tema Nº 3 Primeiros Passos Tema Nº 3 Primeiros Passos Habilidades a Desenvolver: Reconhecer as etapas iniciais do empreendedorismo. Analisar o tipo de negócio, bem como sua viabilidade e demandas de recursos de novos empreendimentos.

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng 2/59 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/59 Foto: Stock.Schng

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS Jun/15 Análise de Competitividade Embalagens Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da

Leia mais

A solução ideal para a gestão do comércio varejista

A solução ideal para a gestão do comércio varejista A solução ideal para a gestão do comércio varejista Principais Segmentos Auto Peças Material Elétrico / Construção Material Cirúrgico e Hospitalar Papelaria Informática Brinquedo Vestuários em Geral Cosméticos

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE RIO CLARO AUTOR(ES):

Leia mais

SEBRAE Estúdio Fotográfico

SEBRAE Estúdio Fotográfico SEBRAE Estúdio Fotográfico Apresentação do Negócio Estúdio fotográfico é um negócio que está relacionado a experiências divertidas, eterniza a integração, estimula a criatividade, ativa as fantasias e

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO LAVANDERIA ESPECIALIZADA

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO LAVANDERIA ESPECIALIZADA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO LAVANDERIA ESPECIALIZADA 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

uvaeverde.com.br Apresentação ao Shopping

uvaeverde.com.br Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping Retorno do investimento garantido em contrato ou a devolução da verba inicial investida* Cláusula vigésima: do retorno do investimento inicial 20.1 A Franqueadora se compromete

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

Outras oportunidades podem ser visualizadas através de nosso site: www.crescerh.com.br

Outras oportunidades podem ser visualizadas através de nosso site: www.crescerh.com.br Olá! A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas. Outras oportunidades podem ser visualizadas através de nosso site: ASSISTENTE DE TI (Cód. 119060) Área de atuação: Assistente de TI, responsável pela

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

NOTAS FISCAL PAULISTA

NOTAS FISCAL PAULISTA NOTAS FISCAL PAULISTA 1. O que é Nota Fiscal Paulista? É um projeto de estimulo à cidadania fiscal no Estado de São Paulo, que tem por objetivo estimular os consumidores a exigirem a entrega do documento

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula

FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula Formação de Preços Fatores Determinantes: Influência do macroambiente Análise da concorrência Comportamento de compra do consumidor Ciclo de vida do produto Segmentação do mercado

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011 Apoio às MPMEs Sorocaba/SP 30 de novembro de 2011 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Infra-estrutura

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA GESER Nº 06/07 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

TERMO DE REFERÊNCIA GESER Nº 06/07 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS TERMO DE REFERÊNCIA GESER Nº 06/07 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1- DO OBJETO Visa este Termo de Referência à contração de empresa especializada

Leia mais

Taller sobre remesas, educación financiera y microemprendimiento en Goíanía, Brasil, 26 y 27 de Noviembre 2014.

Taller sobre remesas, educación financiera y microemprendimiento en Goíanía, Brasil, 26 y 27 de Noviembre 2014. Fortalecimiento del diálogo y de la cooperación entre la Unión Europea (UE) y América Latina y el Caribe (ALC) para el establecimiento de modelos de gestión sobre migración y políticas de desarrollo www.migracion-ue-alc.eu

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS

ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS Este roteiro só se aplica aos estabelecimentos não obrigados a aprovação de projeto arquitetônico na Vigilância Sanitária

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO DE OPORTUNIDADES NA FEIRA DO EMPREENDEDOR DO RIO DE JANEIRO Edição 2015 I DA CONVOCAÇÃO

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO DE OPORTUNIDADES NA FEIRA DO EMPREENDEDOR DO RIO DE JANEIRO Edição 2015 I DA CONVOCAÇÃO I DA CONVOCAÇÃO SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO Sebrae/RJ, entidade associativa de direito privado, sem fins econômicos, torna público que promoverá seleção de expositores para

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por:

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: 2014 PRIMEIRA PARTE: DEFINIÇÃO E VANTAGENS O que é a industrialização por encomenda? É uma forma de ganhar eficiência

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual 10/07 12/08 07/09 12/06 03/07 03/07 07/07 09/07 09/07 Sanção da Lei Geral da MPE (re)fundação da Frente Parlamentar da MPE Criação da subcomissão Permanente da MPE Entrada em vigor do Simples Nacional

Leia mais

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos FORMAR SEU PREÇO Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender TODOS OS DIREITOS RESERVADOS Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio. Informações e Contatos Mania de

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

NF-e Nota Fiscal Eletrônica

NF-e Nota Fiscal Eletrônica NF-e Nota Fiscal Eletrônica Através do FórmulaCerta é possível efetuar o envio da Nota Fiscal Eletrônica, mas para fazer uso desta rotina é necessário efetuar algumas configurações para realizar esta tarefa.

Leia mais

Apresentação ao Shopping

Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua rede de franquias Você Sabia? Há trinta anos os Estados Unidos adotaram um modelo inovador

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Marcelo Kós Silveira Campos Diretor Técnico de Assuntos Industriais e Regulatórios Abiquim I CIMAS/ABAS São Paulo,18/09/2009 A Abiquim Fundada

Leia mais

Como dimensionar o investimento em um projeto PARTE II

Como dimensionar o investimento em um projeto PARTE II Como dimensionar o investimento em um projeto PARTE II Como elaborar a programação dos investimentos? Existe um método alternativo para o cálculo do Capital de Giro de uma empresa ou projeto? Como elaborar

Leia mais

Plano de Negócios. Fast Break

Plano de Negócios. Fast Break Plano de Negócios Fast Break Aislan Amadio 1 José Marcio Alves Thomé 2 Valéria Figueiredo 3 Vagner Roberto da Costa 4 Maria Eliza Zandarim 5 Resumo O presente estudo tem como objetivo demonstrar e de estruturar

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005).

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005). A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas na Construção Civil Relatório de Pesquisa Equipe Técnica Prof. Dr. Fernando Garcia Profa. Ms. Ana Maria Castelo Profa.Dra. Maria Antonieta Del Tedesco Lins Avenida

Leia mais