CENTRO UNIVERSITÁRIO UNISEB COC TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO UNISEB COC TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNISEB COC TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE DO EFEITO DA INFLAÇÃO NA RENTABILIDADE DOS INVESTIMENTOS DO MERCADO FINANCEIRO BRASILEIRO Vitor Moldenhauer de Lima Orientador Prof. Ms. Matheus Silveira Franco RIBEIRÃO PRETO 2011

2 ii Ficha Catalográfica 32a L7 Lima, Vitor Moldenhauer de. Análise do Efeito da Inflação na Rentabilidade do Mercado Financeiro Brasileiro. Vitor Moldenhauer de Lima. - Ribeirão Preto, f.. il. Orientador: Prof. Me. Matheus Silveira Franco. Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Centro Universitário UNISEB de Ribeirão Preto, como parte dos requisitos para obtenção do Grau de Bacharel em Engenharia de Produção sob a orientação do Prof. Me. Matheus Silveira Franco. 1. Inflação. 2. Investimento. 3. Risco. I. Título. II. Franco, Matheus Silveira. CDD 332

3 iii VITOR MOLDENHAUER DE LIMA ANÁLISE DO EFEITO DA INFLAÇÃO NA RENTABILIDADE DOS INVESTIMENTOS DO MERCADO FINANCEIRO BRASILEIRO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Centro Universitário UNISEB COC como parte dos requisitos para obtenção do título de Engenheiro de Produção ORIENTADOR PROF. MS. MATHEUS SILVEIRA FRANCO RIBEIRÃO PRETO

4 iv 2011 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Aluno: Vitor Moldenhauer de Lima Código: 7179 Curso: Engenharia de Produção Semestre / Ano: 10 o / 5 o Tema: Análise do efeito da inflação na rentabilidade dos investimentos do mercado financeiro brasileiro Objetivo Pretendido: Analisar o efeito da inflação no risco e retorno real dos investimentos de CDI, Bolsa de Valores e Poupança no mercado financeiro do Brasil. / / Vitor Moldenhauer de Lima Aluno / / Matheus Silveira Franco Professor Orientador / / Alexandre de Castro Moura Duarte Coordenador do Curso

5 v Aos meus pais pelo apoio incondicional ao longo de todos esses anos. À minha namorada por nunca ter me deixado desistir.

6 vi AGRADECIMENTOS Ao meu Orientador Prof. Ms. Matheus Silveira Franco, pela orientação, ajuda e dedicação nesses últimos meses de trabalho. Ao Prof. Ms. Alexandre de Castro Moura Duarte, coordenador, professor e amigo para todas as horas. Aos meus professores do curso de engenharia de produção pelas aulas e trocas de experiências que possibilitaram essa graduação. Ao Sr. Mario Romano Neto, que possibilitou minha entrada no mercado financeiro. Aos meus amigos e ex-colegas de República Aruêra, que além de me apoiar, sempre me incentivaram escutando e aconselhando sempre que necessário. Aos colegas de sala, por respeitarem nossas diferenças e contribuírem para uma formação sólida.

7 vii Seu tempo é limitado. Por isso, não perca tempo em viver a vida de outra pessoa. Não se prenda pelo dogma, que nada mais é do que viver pelos resultados das ideias de outras pessoas

8 viii (Steve Jobs) RESUMO Uma das principais razões para o investimento é o de aumentar o estoque de capital com o passar do tempo; a inflação, ao contrário, destrói esse valor. Nos últimos anos, a inflação voltou a ser relevante no Brasil, o que mostrou a necessidade deste projeto de pesquisa ter por objetivo analisar o efeito da inflação no retorno de alguns dos principais investimentos do mercado financeiro brasileiro. Para a realização de tal análise, foram apresentados os conceitos de inflação no Brasil atual. Ao falar sobre o risco e retorno, este trabalho buscou apresentar o tema aos leitores para posteriormente tentar propor modelo estatístico de análise e previsão do comportamento do retorno real dos investimentos frente às variações da inflação. Conforme apresentado ao longo do texto, foi possível relacionar a inflação com o retorno dos investimentos, porém, esta relação não apresentou o comportamento teórico previsto, deixando claro que apenas um parâmetro não é o suficiente para realizar previsões de comportamento, mas que pode ser usado como ferramenta de análise dos retornos passados.

9 ix SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO CONTEXTO E JUSTIFICATIVA PROBLEMA DE PESQUISA OBJETIVOS HIPÓTESES ADOTADAS TIPO DE PESQUISA ESTRUTURA INFLAÇÃO DEFINIÇÃO SURGIMENTO DA INFLAÇÃO TIPOS E CAUSAS DA INFLAÇÃO HISTÓRICO DA INFLAÇÃO NO BRASIL MEDIDAS DE INFLAÇÃO FERRAMENTAS DE COMBATE ESTABILIDADE ECONÔMICA NOVO AUMENTO DA PRESSÃO INFLACIONÁRIA RETORNO E RISCO RETORNO Retorno histórico RISCO MENSURAÇÃO DE RISCO Amplitude Distribuição de probabilidades Desvio padrão RETORNO E RISCO DE UMA CARTEIRA OU PORTFOLIO DE INVESTIMENTOS Correlação Retorno e desvio padrão de uma carteira Diversificação Correlação, diversificação, risco e retorno O MODELO DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS FINANCEIROS (CAPM) EFEITOS DA INFLAÇÃO NO RETORNO E NO RISCO DE INVESTIMENTOS MERCADO FINANCEIRO Tipos de investimento... 28

10 4.2. INVESTIMENTOS LIVRES DE RISCO Alternativas de investimento Caderneta de Poupança CDB / RDB CDI O retorno e o risco dos investimentos livres de risco INVESTIMENTOS COM RISCO Ações e Bolsa de Valores O retorno e o risco dos investimentos em ações METODOLOGIA OPERACIONAL REGRESSÃO LINEAR DADOS E AMOSTRA MODELO PROPOSTO RESULTADOS RESULTADOS DOS TESTES ANÁLISE DOS RESÍDUOS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS x

11 1 1. INTRODUÇÃO O povo brasileiro até um passado não muito distante vivia com a inflação sempre a incomodar sua vida. Devido a uma série de conceitos que serão discutidos neste trabalho, o governo nacional fez uso de inúmeros planos econômicos de combate à inflação. Apenas no ano de 1994, com o início do Plano Real, o país findou a elaboração de planos econômicos baseados em alterações do padrão monetário. O plano era uma tentativa muito válida de combate à inflação, porém, somente depois da reforma monetária de 1999, o cambio deixou de ser administrado pelo governo e passou a ser flutuante, como ocorre ainda nos dias de hoje. Nesta época que as contas públicas e deixaram de pesar diretamente no cálculo da inflação. Com a estabilidade financeira e econômica nacional que foi iniciada com o plano Real e concluída apenas no governo do ex presidente Luís Ignácio Lula da Silva ( ), aliadas a uma inflação mais controlada, ficando sempre dentro da meta de 4,5% aa (+/- 2%), o brasileiro passou a intensificar a quantidade de poupança que ele tinha em moeda. Com isso, o mercado financeiro do Brasil passou a ser atrativo para os investidores, não apenas o brasileiro, mas também o investidor estrangeiro. Dessa forma, observou-se um fortalecimento dos investimentos realizados no Brasil. Investimentos esses que possuem entidades oficiais reguladoras, riscos, rentabilidade, tributação, normas e exposição distintas Contexto e justificativa No final do ano de 2008 o mundo vivenciou mais uma grave crise econômica, a chamada crise do subprime. O Brasil mostrou sua força como economia emergente e se recuperou rapidamente dos impactos sofridos. Devido à essa força, o que foi observado no final do ano de 2010, foi um aumento significativo na inflação. Aumento esse causado principalmente pela alta de preços dos alimentos e do combustível no mercado interno. A geração de brasileiros nascidos em décadas anteriores à década de 1980, vivenciou uma transição tanto no desenvolvimento da economia brasileira quanto na política monetária, quando foi implantado o plano Real, no governo do então presidente Itamar Franco. Esse plano de acordo com Cavalcante, Misume e Rudge (2009) foi o ultimo de uma série de planos

12 2 econômicos que nas décadas de foram criadas como medidas exclusivas de combate à inflação. Mesmo com o aumento da expectativa de vida do brasileiro, e consequente amadurecimento da população economicamente ativa ainda existe ainda uma certa aversão ao risco dos investimentos no mercado financeiro brasileiro. Isso pode ser facilmente explicado pelo histórico econômico conturbado num passado não muito distante. Atualmente pessoas de maior poder aquisitivo e capacidade de poupança e algumas das pessoas nascidas após a década de 1980, por não terem vivenciado ativamente o cenário econômico de inflação descontrolada, buscam alternativas mais rentáveis aos seus investimentos visando retornos mais elevados e consequentemente uma exposição maior aos riscos de mercado. Investimentos estes que serão abordados neste trabalho Problema de pesquisa Malhotra (2004) define problema de pesquisa como a elaboração de um enunciado que tenha como objetivo a identificação de algum problema cotidiano para que posteriormente o mesmo possa ser estudado e resolvido de maneira objetiva. Trata-se da mais importante etapa de projetos de pesquisa em diversas áreas, pois uma vez que ele seja bem definido, a abordagem da pesquisa torna-se mais clara e mais objetiva (MALHOTRA, 2004). Diante do exposto, em que existe efeito da inflação na procura e na rentabilidade das diferentes formas de investimento, este trabalho busca resposta para a seguinte questão de pesquisa: No cenário econômico atual, qual o efeito do aumento da pressão inflacionária nos investimentos no mercado financeiro do Brasil? Com base nesta questão de pesquisa os objetivos deste trabalho estão relacionados a seguir Objetivos De acordo com Gil (2010), objetivo é definido de maneira simples e clara como uma forma de apresentação do problema que serve como um guia para a operacionalização da pesquisa científica para esclarecer acerca dos resultados esperados. Este projeto de pesquisa tem como objetivo o estabelecimento de uma relação e posterior comparação da rentabilidade de alguns dos principais investimentos do mercado financeiro brasileiro com o desempenho da inflação do país. Num segundo instante, este

13 projeto tem como objetivo estabelecer um modelo que permita a previsão do comportamento do retorno dos investimentos em ambientes onde a inflação não é constante Hipóteses adotadas Este projeto de pesquisa adota duas hipóteses. A primeira hipótese é a de que existe uma relação entre o retorno dos investimentos e a inflação em determinado período de tempo. A segunda hipótese, que deriva da primeira, é de que a relação expressa na hipótese anterior ocorre na mesma proporção, isto é, que um aumento ou decréscimo da inflação gera o mesmo aumento ou decréscimo do retorno do investimento Tipo de pesquisa Abrantes (2007) classifica os tipos de pesquisa científica aplicadas a qualquer trabalho acadêmico de três formas distintas: i. Segundo os objetivos ii. Segundo as fontes de dados iii. Segundo a coleta de dados. Todos os tipos supracitados podem ser divididos e classificados em subitens. O primeiro tipo de pesquisa, segundo os objetivos, pode ser dividido em objetivos exploratórios, objetivos descritivos (explicativos) e objetivos analíticos. Já a pesquisa segundo as fontes de dados podem ser classificadas em pesquisas de campo, pesquisas de laboratórios e pesquisas bibliográficas, enquanto as pesquisas segundo a coleta de dados são comumente dividas em pesquisas de levantamento de dados qualitativos, levantamento de dados quantitativos, coleta de dados bibliográfica, coleta de dados documental e coleta de dados experimental. Esta última por sua vez pode ser classificada em estudo de caso, pesquisa ação e após o fato. Abrantes (2007) afirma que de uma maneira mais ampla, as pesquisas são divididas entre pesquisas qualitativas e pesquisas quantitativas. Em ambos os casos, os dados devem ser cuidadosamente analisados e tratados matematicamente para que sejam feitas considerações e conclusões do estudo realizado. Este projeto de pesquisa seguindo esta linha de raciocínio proposta por Abrantes (2007) pode ser classificada de acordo com os objetivos em analítica, uma vez que tem o objetivo de analisar e tentar explicar a relação existente entre a inflação com o retorno real

14 4 dos investimentos. Segundo as fontes de dados, classificamos este projeto de pesquisa como um projeto de fontes, majoritariamente, bibliográficas e segundo a coleta de dados, pelo levantamento de dados quantitativos, e, experimental após o fato, pois, caso os objetivos traçados sejam alcançados, eles serão explicados apenas a posteriori Estrutura Este projeto de pesquisa está estruturado em capítulos de revisão bibliográfica e capítulos de proposição do modelo estatístico para análise do efeito da inflação no retorno dos investimentos e de conclusão e comparação dos resultados com os objetivos da pesquisa. Este projeto divide-se então em um capítulo de introdução com o objetivo de contextualização do tema abordado, um capítulo onde será apresentado uma visão mínima sobre o fenômeno da inflação e quais seus principais impactos na economia. Os capítulos seguintes abordarão tópicos de risco e retorno para o esclarecimento de conceitos antes da proposição de um modelo de análise, uma descrição dos investimentos, sendo estes divididos em dois grupos: livres de risco e investimentos com risco. Será apresentada a metodologia estatística a ser utilizada no projeto para a apresentação do modelo proposto para análise. A parte final deste projeto deve apresentar e explicar os resultados obtidos pela aplicação da metodologia proposta, uma conclusão, onde os objetivos e os resultados obtidos serão comparados e as referências bibliográficas utilizadas ao longo da pesquisa.

15 5 2. INFLAÇÃO Este capítulo visa a definição dos conceitos de inflação, bem como, apresentar um pouco sobre o seu surgimento. Uma vez que o conceito e o seu surgimento forem definidos, o capítulo apresentará os tipos de inflação existentes, suas causas e formas de combate. Por fim, será realizada uma contextualização do cenário inflacionário brasileiro, desde o governo getulista em meados da década de 30 até os tempos atuais no governo Lula. Passando pelas principais etapas inflacionárias da economia brasileira até a estabilidade econômica e novo aumento da pressão inflacionária Definição De acordo com Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. (2005) inflação significa pura e simplesmente o aumento generalizado e contínuo do nível geral de preços dos produtos. Stiglitz e Walsh (2003) ressaltam que o aumento do preço de um determinado produto não a caracteriza, devendo este aumento acontecer na maioria dos bens ou produtos. Os autores supracitados ainda a definem como um indicador econômico que mede a variação do nível geral de preços. Inúmeros fatores podem-se relacionar com a inflação. Podemos destacar níveis de emprego, injeção de moeda na economia, aumento de demanda por um determinado bem, dentre outros. Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. (2005) afirma que ao analisarmos os fatores responsáveis pela inflação, passamos a separá la em dois tipos: inflação de demanda e inflação de custos. A inflação de demanda ocorre quando o aumento da demanda agregada por um determinado bem supera o aumento da oferta agregada do mesmo bem. Em outras palavras, quando a demanda por um bem aumenta mais que a capacidade do mercado em suprir essa demanda os preços dos produtos tendem a aumentar. Muito comum o surgimento desse tipo de inflação em países de economia em estado mais maduro, e que estejam próximos do atingimento do pleno emprego da população economicamente ativa. A inflação de custos pode ser também chamada de inflação oferta. É decorrente do aumento dos custos na economia. Custos estes que podem ser de aumento de matérias primas, aumento nas taxas de juros, quebra de safra de produtos agrícolas, aumento de salário dos trabalhadores, sem aumento da produtividade do mesmo, entre outros.

16 6 Mishkin (2000) classifica a inflação de acordo com duas visões econômicas distintas a visão monetarista, que afirma que uma análise monetarista indica que um aumento rápido na taxa de inflação deve ser orientada pelo crescimento abrupto da oferta, enquanto a visão keynesiana prega que os fenômenos oriundos da oferta não podem ser responsabilizados pelo inflação alta. Tanto Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. (2005) quanto Stiglitz (2003) apontam consequências graves para taxas elevadas de inflação. A primeira delas é a distorção da alocação dos recursos da economia como um todo. Isto ocorre pois perde-se a referência no ato da compra de um bem ou serviço porque perde-se a noção dos preços relativos entre os diferentes produtos, dificultando assim a identificação de qual produto está caro e qual está barato, o que compromete a eficiência dos mecanismos de alocação de recursos na economia. Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. (2005) vai além e afirma que esse efeito é negativo e desestimula novos investimentos, uma vez que se torna muito complicado o cálculo do retorno real sobre eles Surgimento da inflação Como a inflação está diretamente relacionada com o aumento ou diminuição do nível geral de preços dos produtos, acredita-se que ela existe desde que existem transações comerciais de qualquer tipo, mesmo antes do surgimento de moedas ou da política monetária. Na história da economia contemporânea alguns casos específicos de grandes saltos das taxas de inflação merecem o destaque deste projeto de pesquisa. Na Alemanha pós guerra no período de 1921 a 1923, com a necessidade de reconstrução do país, o governo gastou mais dinheiro que arrecadou. Dentre as diversas opções existentes para o aumento da receita do governo, o mesmo seguiu a linha de pensamento da injeção de moeda diretamente na economia para a realização dos pagamentos. Com esse aumento de circulação de moeda, houve um acompanhamento rápido do aumento geral do nível de preços (MISHKIN, 2000). Mishkin (2000), observa ainda de maneira complementar à situação que ocorreu na Alemanha, a reedição de altos níveis de inflação na maior parte dos países da América Latina nas décadas de , principalmente. Um dos motivos para esse aumento da inflação foi a relutância dos governos em aumentar as cargas tributárias e/ou enxugar os gastos públicos, dessa forma, a solução mais óbvia era a impressão de moeda e sua injeção no sistema econômico de cada país.

17 Tipos e causas da inflação Pode-se afirmar que existem diversas formas de inflação, sendo que cada um tem uma causa peculiar. Os principais tipos de inflação existentes na história econômica são: inflação de demanda, inflação de custos (ou de oferta) ou inflação inercial. De acordo com Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. (2005) a inflação de demanda é causada devido ao excesso de demanda disponível de um produto ou serviço, quando esse aumento da demanda não é acompanhado pelo aumento da oferta. Mishkin (2000) afirma que as chances de ocorrência são maiores quando o uso da capacidade produtiva da economia e quanto o país se aproxima mais do pleno emprego. A inflação de custos (ou oferta) é decorrente do aumento dos custos das empresas que obviamente é repassado ao preço dos produtos. Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. (2005) afirmam que os principais causadores da inflação de custos são o aumento do preço dos insumos básicos, aumento do nível salarial (sem o aumento da produtividade dos colaboradores), elevações em taxas de juros, variações cambiais, aumento de impostos, entre outros. Já a inflação inercial é definida pela manutenção dos preços sempre em um mesmo patamar e quando essa estagnação nos preços é causada por mecanismos de indexação. Estes mecanismos podem ser formais ou informais. Os mecanismos formais, normalmente estão protegidos por contratos que dispõem de clausulas de indexação (STIGLITZ, 2003). Já os informais ocorrem quando o preço se altera para o simples acompanhamento do aumento realizado pela concorrência (GREMAUD, VASCONCELOS e TONETO JR., 2005). Os diferentes tipos de inflação existem geram consequências distintas às economias. De acordo com Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. (2005) as principais consequências da incidência de inflação são a inflação rastejante, inflação galopante, hiperinflação e a deflação. Stiglitz e Walsh (2003) e Krungman e Obstfeld (2005) definem a deflação como uma situação da economia que ocorre quando os preços dos produtos estão caindo, seja por condições de ofertas muito superiores à demanda, seja por condições político econômicas externas. A inflação rastejante é definida por Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. (2005) como um processo de aceleração inflacionária moderada, isto é, quando e média dos preços sobem ainda que sob certa forma de controle. Quando a média de preços sobe de forma muito acelerada, como observado na economia alemã pós primeira guerra mundial (STIGLITZ e WALSH, 2003) e como vivido

18 8 pelos brasileiros nas décadas de 80 e 90, afirma-se que é caracterizada a hiperinflação, que é um aumento descontrolado dos preços dos produtos. Em geral, a diferença entre inflação rastejante e hiperinflação é a taxa com que os aumentos dos preços ocorrem. Foi muito comum nos casos de hiperinflação o abandono da moeda, fazendo as pessoas utilizarem como base de conta outra moeda, como por exemplo, o dólar americano (GREMAUD, VASCONCELLOS E TONETO JR., 2005) Histórico da inflação no Brasil A inflação no Brasil começou a se manifestar de forma mais evidente já no regime político da Republica. Traços de aceleração foram identificados durante o primeiro governo do ex presidente Getúlio Vargas ( ). Ainda assim, naquela época sua aceleração não preocupou tanto as autoridades. A partir da década de 1970, durante o Regime Militar. De acordo com Faria (1994) o Brasil passou a experimentar uma crise inflacionária única, grave, mas menos grave que as crises de hiperinflação europeias procedentes das guerras no continente, ou então da bancarrota do regime socialista do leste europeu. Ele afirma que toda a América Latina a superinflação esteve ligada à recesso prolongada e ao altíssimo nível de endividamento externo. Durante o ápice da crise inflacionária brasileira, passaram pelo Palácio do Planalto 4 presidentes e mais de 10 ministros da fazenda. Cada um com um plano distinto, e falho, de combate ao alto excessivo das taxas de inflação. Souza (2008) explica cada um dos planos de combate a inflação. Durante o regime militar, para inicio imediato do combate à inflação foram criadas 3 medidas de controle, que tinham como objetivo a restrição da demanda por bens e serviços, que era tida como a responsável pelas altas recentes do IPCA. Essas medidas foram o aumento dos impostos, como sequencia ao que o presidente Juscelino Kubitschek tinha começado, aumentando a arrecadação do governo, foram criadas políticas de restrição ao crédito, principalmente dos órgãos estatais como o banco do Brasil, e por fim, houve uma contenção salarial, que buscaria uma desarticulação dos mecanismos de defesa das condições de vida da classe assalariada (SOUZA 2008). Como se pôde observar na história econômica do país, essas medidas não foram suficientes para conter o aumento da pressão inflacionária, e nos anos seguintes, na década de 1970 foi observado um aumento das taxas de inflação como jamais vistos por aqui.

19 9 Com o fim do regime militar tivemos no Brasil um governo transitório entre o militarismo e a chamada democracia, vinda com o movimento das Diretas Já, que elegeu posteriormente para o governo o ex presidente Fernando Collor de Mello. Durante esse governo, vimos as taxas de inflação atingirem níveis nunca antes imaginados. O final da década de 1980 e princípio da década de 1990 foi marcado pela indexação dos preços dos produtos em dólares americanos. Com isso, os reajustes de preços nas moedas nacionais se davam diariamente. Os gráficos a seguir apresentam a evolução do IPCA, índice de preços ao consumidor amplo, principal medida de inflação do país de 1980 a 1994 e de 1995 a ,00% 2000,00% 1500,00% 1000,00% 500,00% 0,00% Gráfico 1 IPCA de 1980 a ,00% 20,00% 15,00% 10,00% 5,00% 0,00% Gráfico 2 IPCA de 1995 a 2010

20 10 O governo Collor foi marcado pela abertura do país aos produtos importados, e também pela implantação dos planos econômicos Plano Collor I e Plano Collor II. De acordo com Souza (2009), o Plano Collor I levou o país a uma profunda recessão, uma vez que ele bloqueou boa parte dos ativos financeiros do país, deixando o país sem dinheiro para a irrigação da economia. Essa medida levou à diminuição da renda da classe trabalhadora em quase 30%, levando o país a ter um crescimento negativo do PIB. Após o fracasso do plano Collor I, veio o também desastrado plano Color II. Este plano de acordo com Souza (2009) era resumido em cortes de gastos públicos e aumento de impostos. Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. (2005) afirmam que esse plano foi uma tentativa de pagar a memória inflacionária do país na busca da eliminação do overnight substituindo o pelo Fundo de Aplicação Financeira (FAF), cuja composição era regulada pelo governo federal. O impacto desse plano foi a recessão sem que a inflação fosse eliminada, ou ao menos controlada, deixando assim o país com um cenário econômico terrível, menor arrecadação, altas taxas de juros, que aliados aos escândalos divulgados pela mídia, levaram o então presidente ao processo de impeachment. Com a queda de Fernando Collor da presidência, quem assumiu o posto foi o então vice presidente Itamar Franco que tratou de adotar uma série de medidas com o objetivo de reaquecer a economia. Essas medidas de fato estimularam a economia interna, diminuindo a recessão, mas ainda via-se uma pressão inflacionária considerável no país. Em 1993, o então ministro da Fazenda, Fernando Henrique Cardoso, desenvolveu um dos mais engenhosos planos de combate à inflação já vistos na história do país. Tratava-se da criação do Plano Real (GREMAUD, VASCONCELLOS E TONETO JR., 2005). Com a implantação do plano a inflação foi reduzida de forma duradoura no país Medidas de inflação No Brasil a inflação é medida de diversas formas, sendo a principal diferença entre elas a cesta de produtos que é considerada e também a periodicidade que as coletas são feitas. Os principais indicadores de inflação no Brasil são o IPCA, IPC-S, IPC Fipe, IGP-M e IGP- DI, apresentados no quadro 1, a seguir:

21 11 Índice / Entidade Período de Coleta dos Preços Quadro 1 - Principais índices de preço do Brasil Local de Pesquisa Orçamento familiar em Salários Mínimos Utilização IPCA / IBGE Mês Completo 11 Regiões 1 a 40 Genérico INPC / IBGE Mês Completo 11 Regiões 1 a 8 Genérico IGP / FGV Mês Completo 1 a 33 (inclui preços RJ / SP e 10 de atacado e Regiões construção civil) Contratos IGP-M/FGV Dias 21 a 20 IGP-10/FGV Dias 11 a 10 IPC-FIPE Mês Completo ICV/DIEESE Mês Completo RJ / SP e 10 Regiões RJ / SP e 10 Regiões Município de São Paulo Região Metropolitana de São Paulo 1 a 33 (inclui preços de atacado e construção civil) 1 a 33 (inclui preços de atacado e construção civil) 1 a 20 1 a 30 Contratos Tendência do IGP Impostos Estaduais e municipais Referência para Acordos Salariais FONTE: Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. (2005). O indicador oficial adotado pelo governo Brasileiro é o IPCA, medido pelo IBGE desde 1999, como parte das ferramentas de controle de inflação imposta pelo FMI. É coletado com pesquisas de famílias com rendas de 1 até 40 salários mínimos e em sua cesta de produtos os principais pesos estão os alimentos, transporte (incluindo combustível), comunicação e produtos de despesas pessoais. Uma prévia do IPCA é divulgada quinzenalmente através do IPCA-15, que conta com a mesma cesta de produtos e mesma forma de cálculo. Outras instituições financeiras e de ensino criaram ao longo do tempo outros indicadores, que servem como forma de balizamento para o IPCA. A Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulga mensalmente o IGP-M, índice geral de preços do mercado, o IGP-DI, índice geral de preços de disponibilidade interna e o IPC-S, índice de preços semanal. O mais importante e mais utilizados destes é o IGP-M, quando desenvolvido foi criado para ser um indicador para balizar as correções de alguns títulos emitidos pelo Tesouro Nacional e Depósitos Bancários com renda pós fixadas acima de um

22 ano. Posteriormente passou a ser o índice utilizado para a correção de contratos de aluguel e como indexador de algumas tarifas como energia elétrica (PERFEITO, 2010) Ferramentas de Combate Modenesi (2005) afirma que a tradição keynesiana propõe ferramentas de combata à inflação para os diferentes tipos de inflação. A mais comumente utilizada pelo governo brasileiro é o aumento da taxa básica de juros da economia (SELIC), uma vez que as economias crescem quando o crédito se expande e mais pessoas têm acesso. Isso quer dizer que o custo básico anual para a contratação de empréstimos e financiamentos pessoais ou empresariais fica mais caro. Além disso, podemos ressaltar que os investimentos de renda fixa passam a remunerar melhor que tem seu capital aplicado dessa forma. O desaquecimento da economia gera uma queda no consumo, logo, para a inflação de demanda, uma restrição no crédito gera uma queda no consumo, afetando assim a lei da oferta e da procura. Alguns governos podem tomar medidas macroprudenciais para o controle da inflação, ou até mesmo, manter uma taxa de desemprego controlada, permitindo que menos pessoas passem a consumir todos os produtos disponíveis no mercado Estabilidade Econômica Logo após a criação do Plano Real, no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, o nosso país começou a vislumbrar o que mais tarde se tornaria uma estabilidade econômica. Durante seu governo, foram adquiridos junto ao FMI, Fundo monetário Internacional, planos de ajuda econômica, isto é, financiamentos para o governo federal. O FMI exige planos de controle a inflação e planos de austeridade fiscal rígidos para a cessão dos empréstimos (GREMAUD, VASCONCELLOS e TONETO JR., 2005). Desta forma a inflação passou a ser controlada via Meta de Inflação, medida pelo IPCA. Com o controle da inflação a economia do país começou a se aquecer lentamente. Durante o governo do presidente Luis Ignácio da Silva, o Lula, tivemos uma continuação das políticas desenvolvidas pelo governa anterior. Souza (2011) explica que a gestão do presidente Lula se baseou com sucesso em três importantes tripés: a continuidade da política econômica, mantendo o presidente do Banco Central no cargo, a redução da desigualdade social e econômica e a retomada do crescimento da economia. Desta forma, o país passou a

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011

FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011 FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011 Prof. Ms. Wagner Ismanhoto Economista M.B.A. em Engenharia Econômica Universidade São Judas São Paulo-SP Mestrado em Economia Rural UNESP Botucatu-SP

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

E-book de Fundos de Investimento

E-book de Fundos de Investimento E-book de Fundos de Investimento O QUE SÃO FUNDOS DE INVESTIMENTO? Fundo de investimento é uma aplicação financeira que funciona como se fosse um condomínio, onde as pessoas somam recursos para investir

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros Matemática Financeira Aula 03 Taxa Real de Juros Inflação É o fenômeno conhecido como o aumento persistente dos preços de bens e serviços Fatores: Escassez de produtos, déficit orçamentário, emissão descontrolada

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2015-1

PLANO DE ENSINO 2015-1 Mercado Financeiro de Capitais Módulo B Ementa da disciplina: Conteúdo Programático: PLANO DE ENSINO 2015-1 Carga Horária: 50 h Estudar os principais conceitos que fundamentam o funcionamento do mercado

Leia mais

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU?

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? Toda decisão de aplicação financeira está ligada ao nível de risco que se deseja assumir, frente a uma expectativa de retorno futuro.

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA

UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA MATERIAL DE AUXILIO PARA AULAS DE ECONOMIA II CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANO

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

Exercício para fixação

Exercício para fixação Exercício para fixação Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Escolha de Portfólio considerando Risco e Retorno Aula de Fernando Nogueira da Costa Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Relação entre risco e

Leia mais

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 %

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 % ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA A partir de 2005 foi iniciado um processo de alongamento dos prazos das carteiras de renda fixa da PSS, que propiciou bons ganhos por oito anos seguidos até o final

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

Perfil de investimentos

Perfil de investimentos Perfil de investimentos O Fundo de Pensão OABPrev-SP é uma entidade comprometida com a satisfação dos participantes, respeitando seus direitos e sempre buscando soluções que atendam aos seus interesses.

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Conforme aprovado pelo Conselho Deliberativo em reunião realizada em 4 de abril de 2011 a São Bernardo implementará em 1º de julho de 2011

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 Fevereiro de 2015 NOTA CEMEC 1 02/2015 SUMÁRIO São apresentadas estimativas

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL

PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL Belo Horizonte, 17 de dezembro de 2009 2 SUMÁRIO PÁGINA 3 IPC (FIPE) PÁGINA 4 IPCA (IBGE) PÁGINA 5 INPC (IBGE) PÁGINA 6 IGP-DI (FGV) PÁGINA 7 IGP-M (FGV) PÁGINA

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel Aula 7 Inflação Prof. Vladimir Maciel Estrutura Ferramenta de análise: OA e DA. Inflação Conceitos básicos. Causas. Trade-off com desemprego. Fator sancionador: expansão de moeda. Instrumentos de Política

Leia mais

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012):

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): O mercado monetário Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br Blog: www.marcoarbex.wordpress.com Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): Mercado Atuação

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Retorno e risco de carteiras de investimento

Retorno e risco de carteiras de investimento Retorno e risco de carteiras de investimento 1 OBJETIVOS DA UNIDADE DE ESTUDO Compreender o processo de avaliação do risco de uma carteira. Definir e mensurar a covariancia entre duas variáveis Definir

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03 FINANÇAS ANALISTA ÁREA 02 BACEN 2009 PROVA RESOLVIDA 38 Quando um investidor faz uma venda de um título a descoberto, isso significa que (A) comprou anteriormente a descoberto. (B) comprou e depois vendeu

Leia mais

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos?

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos? Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agronômicas Depto. de Economia, Sociologia e Tecnologia e Balança de Pagamentos Economia e Administração 3 º sem./medicina Veterinária Núria R. G. Quintana

Leia mais

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno dos Investimentos Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno Esperados Linha Característica Linha do Mercado de Títulos Linha de Combinação Realidade Brasileira genda Risco e Retorno

Leia mais

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes O Modelo CAPM por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes Em um mercado perfeito, caracterizado pela ausência de impostos e outros custos de transações, onde haja perfeita simetria de informações

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros ANEXOS Processo de definição da taxa de juros A taxa de juros constitui-se no mais importante instrumento de política monetária à disposição do Banco Central. Através dela, a autoridade monetária afeta

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

Plano de Ensino MERCADO FINANCEIRO

Plano de Ensino MERCADO FINANCEIRO Plano de Ensino MERCADO FINANCEIRO Título GST0187 - MERCADO FINANCEIRO Código da disciplina SIA GST0187 22 Número de semanas de aula 2 Número de créditos 36 Quantidade total de horas 36 Quantidade de horas

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 1/18 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 2/18 Módulo 4 - Princípios de Investimento Neste módulo são apresentados os principais fatores para a análise de investimentos,

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA**

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA** 15 C ONJUNTURA Inflação de 2001 Supera a Meta A inflação em 2001, medida pelo IPCA, atingiu o patamar de 7,67%, superando a meta de 6% estabelecida pelo Banco Central. Choques internos e externos à economia

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Roberto Meurer * RESUMO - Neste artigo se analisa a utilização dos depósitos compulsórios sobre depósitos à vista

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições financeiras que especifica. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

Risco. Conceitos Básicos

Risco. Conceitos Básicos Risco Conceitos Básicos Risco: definições 1 Mercado Financeiro Risco A análise deste conceito é um desafio no processo de tomada de decisão, realizado segundo três conjuntos de condições: certeza, análise

Leia mais

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc.

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc. Material de Estudo para Recuperação 9 ano. Juros Simples O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidirem apenas sobre o valor principal. Sobre os juros gerados a cada período não

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Boletim periódico da da Câmara dos Deputados Os textos são da exclusiva responsabilidade de seus autores. O boletim destina-se a promover discussões sobre temas de conjuntura e não

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento Administração Prof: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 2 Contabilidade Gerencial Projeção Orçamento Análise de Desempenho Projeção do orçamento Uma projeção De orçamento deve Se iniciar pela vendas.

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa A instabilidade registrada nos mercados financeiros internacionais de maio a junho de 26, a exemplo da turbulência observada recentemente, impactou negativamente

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Roberto Guena de Oliveira USP 29 de agosto de 2013 Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro29 de agosto de 2013 1 / 34 Sumário 1 Instituições Financeiras

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de IGP-M Futuro de IGP-M Ferramenta de gerenciamento de risco contra a variação do nível de preços de diversos setores da economia O produto Para auxiliar o mercado a se proteger

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este estudo aborda a correlação entre os resultados operacionais e patrimoniais

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 GESTÃO DO ESTOQUE DE UNIDADES PRONTAS Eco, MBA R.E., Mestre em Eng. Civil, Alfredo Eduardo Abibi Filho Dir. Inc. Jal Empreendimentos

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

Parte 1 Risco e Retorno

Parte 1 Risco e Retorno TÓPICOSESPECIAIS EM FINANÇAS: AVALIAÇÃO DE PROJETOS E OPÇÕES REAIS. AGENDA 1. RISCO E RETORNO 2. CUSTO DE CAPITAL PROF. LUIZ E. BRANDÃO 3. CUSTO MÉDIO PONDERADO DE CAPITAL (WACC) RAFAEL IGREJAS Parte 1

Leia mais

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR?

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? FERNANDO B. MENEGUIN 1 O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, regido pela Lei nº 8.036, de 11/05/90, foi instituído, em 1966, em substituição à estabilidade

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais