O Futuro da Indústria: Educação Corporativa Reflexões e Práticas. Coletânea de Artigos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Futuro da Indústria: Educação Corporativa Reflexões e Práticas. Coletânea de Artigos"

Transcrição

1 O Futuro da Indústria: Educação Corporativa Reflexões e Práticas Coletânea de Artigos

2 Presidência da República Luiz Inácio Lula da silva Presidente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Luiz Fernando Furlan Ministro Secretaria de Tecnologia Industrial Jairo Klepacz Secretário André Marcos Favero Chefe de Gabinete Manuel Fernando Lousada Soares Diretor de Política Tecnológica José Rincon Ferreira Diretor de Articulção Tecnológica Secretaria de Desenvolvimento da Produção Antônio Sérgio Martins Mello Secretário Nilton Sacenco Kornijezuk Diretor de Setores Intensivos em Capital e Tecnologia Confederação Nacional da Indústria e Conselho Superior do IEL Armando Queiroz Monteiro Neto Presidente Instituto Euvaldo Lodi Carlos Roberto Rocha Cavalcante Superintendente Associação Brasileira de Educação Corporativa Ana Rosa Chopard Bonilauri Presidente

3 Confederação Nacional da Indústria Instituto Euvaldo Lodi Núcleo Central O Futuro da Indústria: Educação Corporativa Reflexões e Práticas Coletânea de Artigos Série Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior 13 Brasília, DF 2006

4 2006. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Euvaldo Lodi IEL/Núcleo Central Qualquer parte desta obra poderá ser reproduzida, desde que citada a fonte. Série Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior 1 - O futuro da indústria de bens de capital: a perspectiva do Brasil 2 - O futuro da indústria de fármacos: a perspectiva do Brasil 3 - O futuro da indústria de semicondutores: a perspectiva do Brasil 4 - O futuro da indústria de software: a perspectiva do Brasil 5 - O futuro da indústria da construção civil: construção habitacional 6 - O futuro da indústria de transformados plásticos: embalagens plásticas para alimentos 7 - O futuro da indústria têxtil e de confecções: vestuário de malha 8 - O futuro da indústria: produtividade de capital 9 - O futuro da indústria: empreendedorismo 10 - O futuro da indústria: educação corporativa 11 - O futuro da indústria: tendências tecnológicas e a indústria brasileira 12 - O futuro da indústria: a importância da metrologia para o desenvolvimento industrial O futuro da indústria : educação corporativa reflexões e práticas : coletânea de artigos/ coordenadores José Rincon Ferreira, Gilberto Benetti [et al.]. Brasília: MDIC/STI : IEL, p. : il. (Série Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior, 13). ISBN Educação. 2. Política industrial. 3. Educação corporativa. 4. Capacitação profissional. I. Título. II. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. III. Instituto Euvaldo Lodi. IV. Série CDU 378 A pesquisa objeto desta publicação foi apoiada pelo CNPq, por meio do Projeto Educação Corporativa no Contexto da Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Tecnologia Industrial Departamento de Articulação Tecnológica Esplanada do Ministérios, bloco J, sobreloja Brasília-DF, Brasil Tel.: 55 (61) Fax: 55 (61) Instituto Euvaldo Lodi Núcleo Central SBN Quadra 1, bloco B, 9 o andar, Ed. CNC Brasília-DF, Brasil Tel.: 55 (61) Fax: 55 (61)

5 Agradecimentos Agradecemos a Amil Assistência Médica; Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica - Abipti; Associação Brasileira de Educação Corporativa - Abec; Banco do Brasil; Banco Itaú; Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES; Companhia Brasileira de Alumímio - Grupo Votorantin; Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia - Confea; Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq; Datasul Educação Corporativa; Empresa Brasileira de Aeronáutica; Embraer; Guanabara Química Industrial Getec; Isvor/Fiat; Motorola Brasil; Natura; Petrovina Sementes; Superintendência da Zona Franca de Manaus - Suframa, e, em especial, ao Grupo Gerdau, pela participação na edição das Coletâneas da Série Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior.

6

7 Apresentação A busca da eficiência coletiva tem sido a principal razão da realização das Oficinas de Educação Corporativa, colocadas em prática a partir de Em sua quarta edição, o evento debate, sobretudo, a avaliação das atividades de educação corporativa no País e o processo de certificação. A Educação não é mais um tema restrito à academia. Na economia atual o sucesso das empresas está diretamente vinculado à capacidade de gestão do conhecimento, de inovação e de educação continuada. Criar vínculos e sinergias entre projetos de desenvolvimento empresarial e tecnológico otimiza esforços tanto dos órgãos públicos quanto das empresas. Essa deve ser a meta de todos aqueles que se comprometem com o desenvolvimento empresarial brasileiro. Assim torna-se imperativo para os Fóruns de Competitividade e para a Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior incorporar o compromisso com a educação continuada dos agentes. Ela não pode estar restrita apenas às grandes empresas, precisa alcançar, sobretudo, as pequenas e médias. É preciso lembrar que as MPEs são responsáveis por mais de 56% dos empregos formais do País. Para cumprir esse desafio, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC tem procurado articular ação de Governo integrada. A educação corporativa no Brasil tem sido debatida com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, e os Ministérios da Educação, da Ciência e Tecnologia e do Trabalho e Emprego, além da Associação Brasileira de Educação Corporativa e da Confederação Nacional da Indústria. Temos estimulado a elaboração de literatura na área, propiciando a multiplicação dessa exitosa iniciativa. Essas são contribuições que ocuparão um espaço maior na agenda de desenvolvimento, principalmente nos próximos anos, quando se intensificarem as políticas de crescimento sustentável. O setor empresarial é agente importante desse desenvolvimento. Somente assim poderemos construir um Brasil mais justo e competitivo. Luiz Fernando Furlan Ministro de Estado do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

8

9 Sumário Notas dos coordenadores Parte I Educação corporativa e ações de Governo O lock in tecnológico e as ações de Governo Sérgio Figueiredo Mestre em Desenvolvimento Sustentável, Gestor Público do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior/ Secretaria de Tecnologia Industrial Conceito de educação corporativa no âmbito dos Fóruns de Competitividade Ismar Ferreira da Costa Filho Assessor do Secretário do Desenvolvimento da Produção do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Coordenador do Fórum de Competitividade de Biotecnologia Educação Corporativa no Contexto da Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior: Situação em Afrânio Carvalho Aguiar Pesquisador Visitante do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior/ Secretaria de Tecnologia Industrial e professor da Universidade FUMEC Fundação Mineira de Educação e Cultura Um modelo de universidade corporativa para Micro e Pequenas Empresas Mauro Arruda Economista William Andreotti Jr. Administrador de Empresas Educação corporativa, educação setorial e Fóruns de Competitividade: questões conceituais André Fábio de Souza Analista de Comércio Exterior no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Parte II Reflexões e Competências Educação corporativa: reflexões sobre sua razão de ser e seus limites Ana Rosa Chopard Bonilauri Diretora de Recursos Humanos da Embratel

10 Certificação profissional uma tendência sem volta? Julio Cunha Gerente de Aprendizagem e Conhecimento da Datasul Educação Corporativa Parte III Educação corporativa e avaliação Breve panorama da educação corporativa no Brasil; apresentação de resultados de pesquisa Flavio Hourneaux Junior Doutorando em Administração de Empresas, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP), professor e pesquisador Marisa Pereira Eboli Doutora em Administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP). Autora do livro Educação Corporativa no Brasil: Mitos e Verdades Sergio Mancini Doutorando em Ciência Ambiental PROCAM da Universidade de São Paulo (USP) Avaliação em educação corporativa Kira Tarapanoff Pesquisadora Visitante do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior/ Secretaria de Tecnologia Industrial, Universidade de Brasília Afrânio Carvalho Aguiar Pesquisador Visitante do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior/ Secretaria de Tecnologia Industrial, Universidade FUMEC Parte IV Experiência de avaliação em educação corporativa O sistema de desenvolvimento profissional e de gestão por competências do Banco do Brasil Pedro Paulo Carbone Gerente Executivo da Diretoria Gestão de Pessoas do Banco do Brasil Edgard Rufatto Junior Gerente de Divisão da Diretoria Gestão de Pessoas do Banco do Brasil Académie Accor: estímulo à educação sustentável Cristina Valiukenas Gerente de Educação Corporativa da Académie Accor Sistema de Avaliação de Treinamento SAT Maria Ednei da Silva Analista de RH Senior - MsC, Coordenadora do SAT/ GSE da Eletronorte

11 TAM: Academia de serviços Cmte. Rolim A. Amaro Kátia Carlini Gerente de Treinamento, Diretoria de Gestão de Pessoas da TAM Gleiva Rios de Araújo Félix Instrutora de Treinamento, Diretoria de Gestão de Pessoas da TAM A transformação pela educação corporativa provocando transformações internas, intensas e sistêmicas Cláudia Motta Rocha Neves Coordenadora de Educação Corporativa da Fundação Unimed e Professora no Curso de Pedagogia da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG) Educação corporativa: os custos dos cursos a distância oferecidos pela Marinha do Brasil Luiz Cláudio Biagiotti Capitão-de-Fragata (T), Chefe do Departamento de Ensino a Distância Parte V Resumos A experiência da Universidade Corporativa Amil Assistência Médica Ltda Cláudia Danienne Marchi, Bruno Pereira de Castro Amil Assistência Médica Ltda. Criado pela vó: o dilema da plataforma Marcelo Larroyed Senado Federal Desenvolvimento e inovação na era do capitalismo cognitivo: o cenário da educação corporativa Herbert Gomes Martins UniGranRio A integração do conhecimento com a produção Giancarlo Gerli Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de Base (ABDIB)

12

13 Notas dos Coordenadores A Coletânea que apresentamos reflete a contribuição do governo, da academia e da iniciativa privada em torno da temática educação corporativa. O escopo da coletânea dirige-se, em particular, à avaliação em educação corporativa, trazendo ainda, como complemento, contribuições focadas em competências e educação corporativa setorial. Todas as contribuições são inéditas, algumas delas resultado de levantamentos e pesquisa, outras, de reflexão e debate em torno dos eixos temáticos propostos. A obra estrutura-se em cinco Partes: I - Educação Corporativa e Ações do Governo; II - Reflexões e Competências; III - Educação Corporativa e Avaliação; IV - Experiências em Avaliação de Educação Corporativa; V - Resumos. A I Parte traz um conjunto de cinco artigos: o primeiro, de Sérgio Figueiredo, trata da questão tecnológica e a ação do governo em levá-la até o setor produtivo. Enfatiza que o fenômeno do desenvolvimento teve e tem, em todas as épocas, estreita ligação com a inovação tecnológica. Defende a tese de que o desenvolvimento tecnológico de um país ou de um setor depende da ruptura dos padrões tecnológicos vigentes. Coloca a educação corporativa como um importante elemento a ser considerado para preparar a ruptura. O segundo capítulo, de Ismar Ferreira da Costa Filho, analisa o conceito de educação corporativa sob o prisma das prioridades setoriais dos Fóruns de Competitividade. Contribui com uma reflexão sobre educação corporativa e desenvolvimento setorial, estendendo esse conceito à sua cadeia produtiva. O terceiro capítulo, assinado por Afrânio Carvalho Aguiar Educação Corporativa no Contexto da Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior, Situação em 2006 traz o resultado do levantamento liderado pela Secretaria de Tecnologia Industrial, junto a 80 organizações sediadas no Brasil, envolvidas em atividades de educação corporativa. Os dados analisados perfazem 51,25% das organizações-alvo, e trazem um retrato do que se entende e caracteriza por educação corporativa no Brasil. Destacando apenas o aspecto de expectativas em relação às políticas públicas voltadas para o setor, mais da metade anseia por uma orientação e ação integradas, em especial no que tange à certificação acadêmica e à criação de legislação e regulamentação específicas. O quarto capítulo Um Modelo de Universidade Corporativa para Micro e Pequenas Empresas, assinado por Mauro Arruda e William Andreotti Jr. focaliza a educação corporativa voltada para microempresas e empresas de pequeno porte que, na opinião dos autores, deve voltar-se para os arranjos produtivos locais (APLs). Destaca a importância dos APLs e redes de cooperação para o desenvolvimento econômico regional e social do Brasil, assim como a valorização das MPE s como agentes de desenvolvimento. Conclui que, na

14 14 O futuro da indústria: educação corporativa reflexões e práticas oferta da educação corporativa para as MPE s, será necessário formular uma visão estratégica comum às empresas do APL visando à construção de um planejamento de caráter estratégico para todo o Arranjo Produtivo. O quinto capítulo Educação Corporativa, Educação Setorial e Fóruns de Competitividade, assinado por André Fábio de Souza, retoma a discussão dos aspectos conceituais da educação corporativa setorial para os arranjos produtivos locais (APL s). Destaca a possibilidade de que seja assumido um novo papel de liderança para os Fóruns de Competitividade, no sentido de agirem como espaço de contato de agentes co-participantes do desenvolvimento setorial, constituindo-se em um ambiente para que o tema educação corporativa seja disseminado. Alternativamente, sugere a criação de um grupo de trabalho, cujos objetivos seriam: a) verificar as experiências de educação corporativa já em prática em cada cadeia; b) analisar a possibilidade de educação corporativa setorial para a cadeia específica; c) apontar instrumentos públicos e privados que facilitem o uso da educação corporativa como mecanismo de inclusão social. A II Parte traz dois artigos. O primeiro deles Educação Corporativa: reflexões sobre sua razão de ser e seus limites é assinado por Ana Rosa Chopard Bonilauri. A autora justifica a existência e a essencialidade da educação corporativa em função da formação das competências individuais e organizacionais, necessárias ao negócio da corporação. A atividade de aprendizado contínuo dentro da corporação também propicia o surgimento de uma cultura compartilhada, de acesso e troca de informações e conhecimentos, aumentando a capacidade de empreendimento, invenção, criação e aplicação no trabalho de novos métodos, soluções e ferramentas capazes de garantir maior produtividade e qualidade. O segundo artigo Certificação profissional - uma tendência sem volta, assinado por Júlio Cunha, analisa tendências de certificação em nível mundial. Descreve o modelo mais recorrente de certificação de competências e tece considerações sobre o impacto que pode ter no Brasil, em termos de competitividade. A III Parte traz dois artigos. O primeiro deles Breve Panorama da educação corporativa no Brasil é assinado por Marisa Pereira Éboli, Flávio Hourneau Jr e Sergio Mancini. Os autores defendem que um dos maiores desafios para as organizações com relação aos seus sistemas de educação corporativa é saber avaliar os resultados dos investimentos em educação, considerando seu impacto nos objetivos do negócio. Nos resultados da pesquisa é apontado que não há um posicionamento muito claro por parte dos respondentes (39 corporações) com relação ao processo de mensuração e avaliação do desempenho de suas atividades de Educação Corporativa. O modelo proposto por Kirkpatrick, continua representando o estado da arte quando o assunto é avaliação de programas de treinamento. Embora reconhecido por toda a atenção que tem recebido ao longo dos anos, a

15 O lock in tecnológico e as ações de Governo 15 utilização desse modelo é tímida, tendo em vista a dificuldade e custo de mensurar os níveis 3 e 4. O segundo artigo Avaliação em Educação Corporativa assinado por Kira Tarapanoff e Afrânio Carvalho Aguiar, foca especificamente a atividade de avaliação nas unidades de educação corporativa pesquisadas pelo levantamento realizado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, por meio de sua Secretaria de Tecnologia Industrial. Os autores defendem a tese de que a educação corporativa deve estar a serviço da estratégia institucional, e que a avaliação de suas atividades também deve utilizar métricas que contemplem esse alinhamento. Nas conclusões do levantamento, de 41 instituições que responderam ao questionário, o modelo Kirpatrick e também o modelo ROI continuam sendo a regra para quase todas as corporações. Deduz-se que essa continuará a ser a prática por algum tempo ainda, em especial nas corporações onde há o entendimento de que a atividade educacional justifica-se como uma estratégia de aprimoramento institucional e não, principalmente, como uma estratégia de competitividade ou de alavancagem do negócio. Isso não exclui a possibilidade do aparecimento de outras abordagens, que estão começando a ser percebidas, desenvolvidas em instituições nacionais altamente competitivas como as do Banco do Brasil, Petrobrás, TAM, Natura, e outras, e que podem representar o futuro da avaliação corporativa no Brasil. A IV Parte traz seis artigos. O primeiro deles O sistema de desenvolvimento profissional e de gestão de competências do Banco do Brasil é assinado por Pedro Paulo Carbone e Edgard Ruffato Jr. Os autores apresentam a metodologia de gerenciamento das competências profissionais, como atividade indispensável e insumo fundamental para o adequado alinhamento dos sistemas de capacitação às estratégias organizacionais. Seus indicadores de mensuração incluem os conjuntos referentes à mensuração da eficiência, eficácia e efetividade. O segundo diz respeito à experiência da Academia Accor assinado por Cristina Valiukenas. Dentre outros questionamentos sobre mensuração dos resultados da educação corporativa, a autora foca a questão-chave do retorno financeiro para o acionista, proporcionado pela atividade de educação corporativa. O terceiro artigo referese ao Sistema de avaliação de treinamento da Eletronorte, assinado por Maria Ednei da Silva, que relata a implantação, em 2000, do sistema de avaliação de treinamento (SAT). Trata-se de um projeto que utiliza medidas de avaliação validadas cientificamente, tanto ao nível de reação (satisfação dos treinados com a qualidade do projeto instrucional e com o desempenho dos instrutores e auto-avaliação dos treinados), quanto ao nível de impacto do treinamento no trabalho (transferência das habilidades adquiridas para o trabalho, aumento do desempenho geral do treinado no trabalho e avaliação do suporte organizacional encontrado pelo treinado gerencial, social e material). No nível de reação, também é avaliado o Centro de Treinamento da Empresa, nos

16 seus aspectos logísticos e de atendimento ao cliente. Os resultados encontrados são encaminhados sistematicamente para as áreas-clientes da empresa (solicitantes dos treinamentos), instrutores internos e externos, treinados e empresas fornecedoras. O quarto capítulo, TAM: Academia de serviços, apresentado por Kátia Carlini e Gleiva Rios de Araújo Félix, descreve o treinamento em cascata da instituição. Nos aspectos de avaliação, o trabalho do gestor é avaliado pelo resultado de sua equipe. No segundo nível, são formados os multiplicadores que se tornam também responsáveis pela produtividade de suas equipes, sendo sua performance mensurada a partir desses resultados. Os indicadores de resultados incluem: avaliação de reação; avaliação de retenção; nível de eficiência operacional; turn-over de uma equipe. Com o cruzamento dos indicadores é medida a eficácia. O quinto capítulo A transformação pela educação corporativa da Unimed apresentada por Cláudia Motta Rocha Neves, lista, como indicadores de desempenho de sua educação corporativa, os seguintes itens: número de alunos a serem formados, índice médio de evasão admitido, produção científica, média de desempenho dos alunos, índice de satisfação média dos alunos, em relação aos cursos oferecidos por segmento, e outros. O sexto capítulo, referente à experiência da educação corporativa da Marinha, é assinado por Luiz Cláudio Biagiotti e foca a questão dos custos dos cursos a distância oferecidos pela instituição. Seu principal objetivo é verificar o custo x benefício dos programas, em comparação com os cursos presenciais. A V Parte traz resumos das contribuições da Amil, UniGranRio, Abdib e do Senado Federal, que estão disponíveis em sua íntegra no site do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

17 Parte I Educação Corporativa e Ações de Governo

18

19 1 O lock in tecnológico e as ações de Governo Sergio Figueiredo Mestre em Desenvolvimento Sustentável, Gestor Público do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior/ Secretaria de Tecnologia Industrial Resumo Os fenômenos analisados pela Economia, além de uma natureza complexa, apresentam variáveis que decorrem de outras esferas de conhecimento. Este artigo se baseia numa revisão bibliográfica para reunir e apresentar alguns elementos do fenômeno do desenvolvimento e da inovação tecnológica. Da mesma forma que nos países desenvolvidos o processo ocorreu em seguida a uma ruptura política, o desenvolvimento tecnológico das empresas depende de uma ruptura com os padrões tecnológicos nela praticados. Tais padrões tecnológicos conduzem a uma situação de lock in, ou seja, de aprisionamento da empresa a uma determinada rota tecnológica, situação indesejável para a promoção do desenvolvimento por intermédio da inovação. Neste sentido, são examinadas as condições de formulação e implementação das políticas públicas por intermédio dos Fóruns de Competitividade, em especial com base na experiência do Grupo de Trabalho de Tecnologia do Fórum de Competitividade da Siderurgia, do qual o autor é coordenador desde São feitas algumas considerações sobre o papel da educação corporativa na liberação do lock in e a importância de que ela seja aplicada com base em determinadas referências certificáveis com relação a um conteúdo reconhecido oficialmente. Introdução Na linha de pensamento de alguns autores, em especial Schumpeter, Soete e Viotti, o processo de desenvolvimento pelo qual passaram os países do primeiro mundo é fundamentalmente diferente do processo que mantém os países em desenvolvimento e subdesenvolvidos em seus atuais estágios. Esses autores atribuem ao fenômeno da inovação tecnológica a causa do desenvolvimento, por considerarem que a difusão de produtos inovadores no mercado oferece vantagens extraordinárias ao produtor, o que permite o surgimento de novos atores econômicos, alterando a distribuição de renda e gerando desenvolvimento sócio-econômico. De forma geral, uma ruptura política precedeu o processo de desenvolvimento dos atuais países desenvolvidos _ o que não ocorreu no Brasil. Essa ruptura política deve ser considerada tanto como referência para o desenvolvimento do processo de inovação nas empresas, quanto como elemento essencial ao desenvolvimento das nações, como o foi nos casos dos

20 20 O futuro da indústria: educação corporativa reflexões e práticas Estados Unidos e Inglaterra. Observar os principais fatos que antecederam o período de industrialização desses países ajuda a avaliar melhor o papel do governo para a promoção do desenvolvimento via inovação tecnológica. Ao mesmo tempo, auxilia na implementação de políticas públicas voltadas à educação corporativa. 1. Amarras políticas A constatação da importância de fatores sociais, políticos, econômicos, históricos e internacionais tem o sentido de avaliar se a inovação schumpeteriana é causa ou conseqüência de tais mudanças. A análise demonstrará a presença de fatos históricos nos casos de industrialização da Inglaterra e dos Estados Unidos, principais expoentes do processo de industrialização, embora fatos similares certamente também façam parte da história de outros países, como França, Alemanha, Japão, Coréia do Sul e Taiwan. 1.1 A ruptura política na Inglaterra A história que precede a Revolução Industrial inglesa apresenta uma seqüência de eventos que transformam a nação e o Estado. Difícil tarefa identificar aquelas mudanças estruturais ou institucionais mais importantes. Podemos começar, contudo, pela estatização da Igreja, em 1534, a qual, motivada por razões particulares do Rei - embora que sem efeito imediato sobre a questão religiosa, que se arrastaria por mais de dois séculos - significava a primeira hierarquização do poder religioso ao secular. A derrubada de Carlos I (1645) e a subseqüente ditadura de Cromwell (até 1658), ainda que encerrada com a restauração da monarquia em 1660, propiciaram uma crucial discussão sobre o papel do Estado, seja pela inversão na percepção das relações entre soberano e súditos, tal como apresenta Hobbes, em O Leviathan (1651), seja pela criação do Commonwealth (1649), que viria dar a identidade burguesa ao Estado britânico. Decisões políticas como os Enclosure Acts do final do século XVIII, permitiram a segregação de mais de 7 milhões de acres para a agricultura, deslocaram pequenos proprietários sem acesso a recursos antes comuns e obrigaram a construção de vias entre as propriedades para o transporte de mercadorias. Ao mesmo tempo, os ganhos de produtividade em setores tais como a construção naval, a indústria metalúrgicas e de armas permitiram o acesso a mercados distantes e a especialização do cultivo com ganhos de produção e produtividade.

21 O lock in tecnológico e as ações de Governo 21 Assim, às vésperas do salto de produtividade e de produção da Revolução Industrial inglesa, que se situa aproximadamente em 1780, a Inglaterra contava com um Estado legal burguês, no qual a soberania era exercida em benefício de sua classe burguesa, motivada e dirigida pelo comércio. Uma reforma agrária havia sido conduzida, ao contrário dos demais estados europeus, a qual aumentou a produtividade e a produção de alimentos, liberou mão-de-obra para a produção industrial e facilitou o acúmulo do capital necessário à empreitada industrial (HOBSBAWN, 1996, p.47). Além disso, dominava as tecnologias de guerra, essenciais à sua sobrevivência em constantes tempos de conflito. 1.2 A ruptura política nos Estados Unidos Dependente do capital dos bancos dos estados do nordeste americano e da escravidão, as elites sulinas somente poderiam manter seu status quo através de representativa participação política no governo da União. O jogo de forças entre escravocratas e abolicionistas se apresentava no tênue equilíbrio de acordos, como o Comprometimento de 1850 e a Lei de Escravos Fugidos, de A cultura de algodão no Sul, no entanto, representava 7/8 da produção mundial por volta de Mais importante do que a questão da escravidão era o distanciamento dos projetos nacionais. Os estados do nordeste defendiam o intervencionismo e o protecionismo da indústria nascente enquanto o Sul, exportador, defendia a abertura do mercado para a conversão de suas riquezas em consumo de luxo. Esses fatores levaram ao início da guerra da secessão em abril de A guerra terminou em 1864 e a escravidão foi abolida em A ruptura provocada pela eleição de Lincoln, não só provocou a guerra, como permitiu a remoção das lideranças políticas retrógradas sulistas do espaço do poder, abrindo caminho para o salto de industrialização e desenvolvimento que aconteceria a partir da segunda metade do século XIX, mesmo que o sul não o tenha acompanhado de imediato. Ao final da guerra, os Estados Unidos haviam consolidado a União e avançado sobre o território da América do Norte, constituindo uma potência continental e alcançando uma posição internacional com a Guerra Hispanoamericana de Ao mesmo tempo, se iniciou, em altíssima velocidade, um processo de produção e difusão de inovações encabeçado por Thomas Edson e Graham Bell, entre outros. 1.3 O Brasil: uma história sem rupturas Enquanto os Estados Unidos e a Inglaterra se tornaram países desenvolvidos, durante o século XIX, o Brasil amarga uma eterna condição de país em

22 22 O futuro da indústria: educação corporativa reflexões e práticas desenvolvimento, situação para a qual não se vislumbra solução. Para a manutenção desse estado de coisas, contribuem as questões políticas decorrentes da própria formação do Estado. Bonfim (1931) apresenta o processo de formação do Estado brasileiro, tal como Faoro (2000), como uma reprodução do estado bragantino 2. Em sua análise, todos os movimentos revolucionários da história brasileira _ a independência em 1822, a constituinte de 1823, a abdicação de 1831, o Ato Adicional de 1834 e a Proclamação da República de 1889 _ teriam sido sucedidos por um movimento de apaziguamento e de restauração das forças políticas, ainda que com roupagens mudadas, perpetrando um Estado oligárquico. Em 1931, segundo Bonfim (ibid, p.451), [S]e há um gênio nacional-brasileiro, esse ainda não teve realização, pois a nação continua abafada, escravizada, pela classe dirigente, como o era antes pelo governo da metrópole, de quem são, os mesmos dirigentes, herdeiros diretos e continuadores imediatos. Mais à frente (p.469), ele indaga: Pode o brasileiro sentir-se em sua pátria, quando a nação em que se inclui é, apenas, o apanágio dos dirigentes que dela vivem como o pastor vive do rebanho?. A não ser que acreditemos que a Revolução de 1930 ou o golpe de estado de 1964 produziram um deslocamento das forças políticas, o Brasil não teria ultrapassado a etapa de revolução no pensamento político, na qual se produziram as rupturas apontadas para os casos da Inglaterra e dos Estados Unidos. Sob esses aspectos e ponto de vista, o Brasil seria ainda um estado controlado pelos interesses de uma classe originalmente agrícola e vinculada à exploração colonial, classe cujos interesses viriam sendo adequadamente atendidos pelo estamento político durante toda a história brasileira (FAORO, 2000). O que se pergunta é o que pode o governo fazer para, apesar da falta de precedentes políticos, similares àqueles do desenvolvimento inglês e norte-americano, promover o desenvolvimento no Brasil, pela via da inovação tecnológica. Sem dúvida, a resposta a esta pergunta está na promoção da formação de trabalhadores voltados ao processo de inovação tecnológica, considerando as dificuldades que essa mão-de-obra carrega, por conta de um sistema de ensino fraco e desarticulado. 2. Evolução das necessidades de capacitação de trabalhadores A noção de que a maior produtividade do trabalho é fator para o aumento da mais valia e acumulação de capital se fundamenta em Smith e Marx, para falar apenas dos autores pilares. Smith (apud VIOTTI, 1997, p.10) já considerava que a divisão do trabalho promovia o aumento da produtividade por conta de três fatores: a maior destreza do operário como conseqüência da especialização, 2 O estado da aristocracia dos Orleans e Bragança, família de D. João VI e Pedro I e II.

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC USCS UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Guilherme Yukihiro Dallaido Shibata Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e no Brasil com

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

V OFICINA DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA

V OFICINA DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Associação Brasileira de Educação Corporativa V OFICINA DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA Brasília, 3 e 4 de outubro de 2007 V Oficina de Educação Corporativa

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação Tecnológica no Brasil; a Indústria em Busca da Competitividade Global. São Paulo: Associação Nacional de Pesquisa ANPEI, 2006. 117p. Kira Tarapanoff

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO 1 Paulo Bastos Tigre Professor titular Instituto de Economia da UFRJ Seminário Implementando uma cultura de inovação em P&D. São Paulo, 8 julho 2010 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO Conceitos de inovação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

O ENSINO DE GRADUAÇÃO E A RELAÇÃO UNlVERSlDADE - EMPRESA NA UFMG José Nagib Cotrim Árabe Fernando Celso Dolabela Chagas

O ENSINO DE GRADUAÇÃO E A RELAÇÃO UNlVERSlDADE - EMPRESA NA UFMG José Nagib Cotrim Árabe Fernando Celso Dolabela Chagas O ENSINO DE GRADUAÇÃO E A RELAÇÃO UNlVERSlDADE - EMPRESA NA UFMG José Nagib Cotrim Árabe Fernando Celso Dolabela Chagas Publicado em XXXXX Data: XX/XX/XXXX 1. Introdução É evidente a necessidade de interação

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil A automação no processo produtivo: desafios e perspectivas Bruciapaglia, A. H., Farines, J.-M.; e Cury, J. E. R. Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina 1. Introdução:

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730 Informe Técnico do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial APRESENTAÇÃO DESEMPENHO & OFERTA v.2, n.1, março de 25 Criado com o propósito de divulgar o comportamento do desempenho institucional no curto

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

PROJETO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONVÊNIO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFG/CAC E UNICON

PROJETO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONVÊNIO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFG/CAC E UNICON PROJETO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONVÊNIO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFG/CAC E UNICON COSTA, Heloisa Machado da¹; SOARES, Julio Cesar Valandro². Palavras-chave: Consultoria, Melhoria, Confecções,

Leia mais

Inteligência Competitiva e Tecnológica

Inteligência Competitiva e Tecnológica Inteligência Competitiva e Tecnológica Gilda Massari Coelho, Lúcia Regina Fernandes, Cícera Henrique da Silva, Vera Lúcia Maria Lellis A globalização constitui uma chave essencial para explicar os fenomênos

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012.

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. PROPOSTA Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. 1 Apresentação No campo da Política Nacional de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), o Grupo de Trabalho Permanente

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede

Leia mais

Profº Rodrigo Legrazie

Profº Rodrigo Legrazie Profº Rodrigo Legrazie Tecnologia Conceito: é a área que estuda, investiga as técnicas utilizadas em diversas áreas de produção Teoria geral e estudos especializados sobre procedimentos, instrumentos e

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo IPEA/BID nº 1841/OC-BR Projeto: Dinâmica do Sistema Produtivo Brasileiro perspectivas

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Políticas de Inovação para o Crescimento Inclusivo: Tendências, Políticas e Avaliação PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Rafael Lucchesi Confederação Nacional da Indústria Rio

Leia mais

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada Wesley Antônio Gonçalves 1 RESUMO O MEC, ao apontar padrões de qualidade da função de coordenador de

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Consultoria em RH ENCANTAR COM OPORTUNIDADES DE REALIZAR SONHOS CONTECTANDO GLOBALMENTE TALENTOS IDEAIS COM ORGANIZAÇÕES

Consultoria em RH ENCANTAR COM OPORTUNIDADES DE REALIZAR SONHOS CONTECTANDO GLOBALMENTE TALENTOS IDEAIS COM ORGANIZAÇÕES Consultoria em RH ENCANTAR COM OPORTUNIDADES DE REALIZAR SONHOS CONTECTANDO GLOBALMENTE TALENTOS IDEAIS COM ORGANIZAÇÕES A EMPRESA LOUPE CONSULTORIA EM RH ESPECIALIZADA EM GESTÃO DE PESSOAS A Loupe Consultoria

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação Política de Informação Pública Salvador, 28 a 30 de junho de 2004 Política de Informação Pública Inclusão Digital de Micro e Pequeno Empresa Telecentros

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Mario Sergio Salerno Diretor de Estudos Setoriais do IPEA 1 de julho de 2005 Uma nova trajetória de desenvolvimento

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios 10 de Novembro de 2011 2º Congresso de Gestão do Ministério Público Informação confidencial e de propriedade da Macroplan Prospectiva

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Uma empresa especializada em empresas.

Uma empresa especializada em empresas. Sua equipe tem colaborado para que a empresa seja uma das mais competitivas i no mercado? Para avaliar quanto a sua equipe atual está dimensionada, preparada e motivada para os desafios do mercado, você

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira

Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Parte 1 Estudo Prospectivo do Setor Siderúrgico Recomendações tecnológicas Parte 2 Proposta da ABM para ampliar sua participação

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais