As Tipografias para usuários de baixa visão nas interfaces computacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As Tipografias para usuários de baixa visão nas interfaces computacionais"

Transcrição

1 As Tipografias para usuários de baixa visão nas interfaces computacionais Cínthia C. Kulpa y Marion D. Pozzi Baixa Visão, Tipografias, Interfaces Computacionais A comunicação visual alcançou, na atualidade, um nível de sofisticação quando se trata da construção de interfaces computacionais de usuários, onde se visualiza a necessidade do conhecimento de linguagens que vão além da linguagem de sistemas. Estas linguagens dizem respeito a vários critérios de usabilidade como: preocupação com as expectativas do usuário, facilidade de aprendizado, adequação à individualização, compreensão, memorização, entre outros. Neste contexto, para que os deficientes de baixa visão também tenham acesso aos ambientes virtuais, é imprescindível conhecer suas limitações e respeitar suas necessidades. Este trabalho discute os subsídios básicos para o entendimento da relação do usuário de baixa visão com o ambiente virtual, considerando a tipografia como elemento central desta interface. Insere aspectos relacionados às interfaces computacionais dos usuários; apresenta os deficientes de baixa visão e suas dificuldades com as interfaces, conceitua a tipografia e as recomendações para uma melhor utilização destas no desenvolvimento de interfaces voltadas para o usuário de baixa visão. Low vision, typography, users interfaces The visual communication has achieved a level of sophistication today that when it comes to construction of users computer interfaces, viewed the need for knowledge of languages that go well beyond the language of system. These languages relate to various criteria of usability as: preoccupation with the expectations of the user, ease of learning, adaptation to the individual, comprehension, memorization, among others. Against this context, for the low vision also have access to virtual environments, it is essential know their limitations and meet their needs. This article provides the basic allowances to the understanding of the relationship of the low vision user with the virtual environment, considering the printer as a central element of this interface. Inserts aspects related to users' computer interfaces; presents the disabled with low vision and their difficulties with the interfaces, conceptualized the typography and recommendations for better use of these in the development of interfaces to user s of low vision. Introdução Com o desenvolvimento tecnológico, dá-se o avanço da informática onde a revolução digital desencadeia por meio do computador a comunicação em rede, em tempo real, imprimindo mudanças significativas nos conceitos de espaço, tempo, interatividade e conectividade. As informações adquirem uma linguagem visual e passam a ter poder de manipulação por meio da forma, cor, movimento, texturas, dimensões e proporções. O usuário começa a utilizar o sistema como ferramenta de trabalho, sendo necessária dedicação, tempo e conhecimento da maneira como o software se comunica, pois a linguagem que ele utiliza não é comum ao usuário. A mensagem transmitida pelo designer e recebida pelo usuário passa a ocorrer em grande parte, por intermédio do software, portanto o designer necessita de formação teórica sobre o sistema cognitivo humano, sobre os princípios e as recomendações ergonômicas, sobre os métodos, técnicas e ferramentas de desenvolvimento

2 centradas no usuário e no uso, a fim de que a mensagem seja recebida de forma adequada, facilitando o raciocínio, a percepção, a memorização e a tomada de decisão pelo usuário (Cybis et al, 2007). As interfaces são constituídas por ícones, cores, palavras, menus, entre outros, onde a tipografia é um dos elementos de discussão nesta comunicação, pois desempenha um papel de relevância na transmissão de informações no ambiente virtual. a grande dificuldade em desenvolver interfaces ergonômicas se deve ao fato de elas constituírem sistemas abertos dos quais os usuários são agentes ativos, cujas mudanças na maneira de pensar e de se comportar são tanto conseqüência como causa de um ambiente tecnológico sempre em evolução (idem, 2007). Sabe-se que os deficientes de baixa visão possuem aptidões visuais diferentes daqueles com visão considerada normal, contudo possuem capacidade suficiente para utilizar interfaces computacionais. Para que isto aconteça é preciso que sejam estabelecidos critérios na criação das interfaces observando os princípios de usabilidade e conhecendo as limitações e necessidades destes deficientes. A Interação Humano-Computador (IHC) possibilita a criação destas interfaces tendo o usuário em mente, entendendo as necessidades deste e tornando sua comunicação com o sistema mais agradável. Os sistemas com interfaces adequadamente projetadas geram sentimentos de sucesso, competência e clareza no usuário, fundamentais para sua auto-estima (Shneiderman, 1992 apud Carvalho, 1992). Muito da produção de design visual recente, parece ser confusa e pouco específica. No entanto o que rege a natureza básica do design é: dar ordem à informação, gerar idéias, dar expressão e sentido aos objetos e elementos que integram a experiência humana. Embora os tipos da era digital possam ser pessoais e subjetivos, ao mesmo tempo, esta diversidade pode ter o poder de libertar seus leitores e permitir que muitas vozes se façam ouvir. Isto significa que, o designer visual pode tomar partido da fluidez e da virtualidade da mídia digital; fazer seus resultados serem totalmente submissos aos meios eletrônicos ou o reflexo desta nova liberdade sobre os meios tradicionais depende exclusivamente da mensagem impressa em cada projeto concebido(jacques, 2002). O Deficiente de baixa visão A baixa visão também chamada de visão sub-normal é uma perda severa da visão que não pode ser corrigida por tratamento clínico ou cirúrgico nem por óculos convencionais e está relacionada com a capacidade visual que uma pessoa possui situada entre 20/40 e 20/200, após correção. Uma pessoa com visão de 20/200 é aquela que consegue ver algo a 20 pés de distância da mesma maneira que outra pessoa com visão considerada normal consegue ver a 200 pés de distância. Também pode ser descrita como qualquer grau de enfraquecimento visual que cause incapacidade e diminua o desempenho visual (Carvalho et al,1992). Segundo Faye (1972), baixa visão corresponde a um comprometimento importante da função visual, porém não equivale a cegueira. Os termos baixa visão ou visão subnormal são usualmente empregados para definir a situação em que o olho está com uma de suas vias de condução do impulso visual alterada de maneira irreversível, cuja perda visual constitui um obstáculo para o desenvolvimento normal da vida do indivíduo e que precisa de correção especial. Inclui problemas como escurecimento da visão, visão embaçada, névoa ou película sobre os olhos, visão apenas de objetos extremamente próximos ou perda de visão à distância, visão distorcida, manchas na frente da visão, distorção das cores ou daltonismo, defeitos no campo visual, visão em túnel, falta de visão periférica,

3 sensibilidade anormal a luz ou a claridade e cegueira noturna (Vanderheiden & Vanderheiden, 1991). A baixa visão é definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como: acuidade visual no melhor olho, com a melhor correção óptica, menor do que 20/60 e maior ou igual a 20/400. Não define um quadro clínico único e sim, uma variedade de padrões visuais, determinados pelas modificações nas funções visuais, de acordo com a gravidade da doença ocular ou sistêmica de base (Haddad et al, 2001 apud Sonza, 2004). As causas podem ser congênitas ou adquiridas, sendo que as causas congênitas ocorrem no nascimento, muitas de origem genética como, por exemplo: coriorretinite macular, catarata congênita, glaucoma congênito, albismo e retinose pigmentar. As causas adquiridas ocorrem por traumatismos, alcoolismo, drogas em geral, radiações, infecções ou provindas de doenças (diabetes, tumores), alguns exemplos de causas adquiridas são as retinopatias, coroidites, glaucoma, etc (Cavalcante, 1995). Segundo Costa (2004), a diminuição da capacidade visual individual varia de leve, moderada, severa, profunda (que compõe o grupo de baixa visão) até a ausência completa da visão. Este deficiente encontra-se numa posição intermediária entre a realidade das pessoas que enxergam normalmente e a dos deficientes visuais totais, não podendo ser tratado como uma pessoa que possui a visão normal. Os deficientes de baixa visão possuem limitações que não permitem desempenhar determinadas funções, porém não podem ser tratados como cegos, uma vez que possuem visão residual que permite executar algumas tarefas perfeitamente. Percebe-se que esta condição marginal (nem cega, nem com visão) leva à dificuldade de ajustamento à sociedade e consequente exclusão social em um nível maior que a exclusão das pessoas que são cegas ou possuem visão normal (Paschoal, 93). A Organização Mundial de Saúde estima que 10% da população mundial apresenta algum tipo de limitação, incluindo as restrições leves, moderadas e severas, caracterizando mais de 600 milhões de pessoas (Pastore, 2000). No Brasil, conforme o IBGE (2000), 14,5% da população possui algum tipo de deficiência, ou seja, 25 milhões de brasileiros. Entre os portadores de deficiência existentes no país, 67% são deficientes visuais, significando um total de 16 milhões, quinhentos e setenta e três mil e novecentos indivíduos, sendo que 16 milhões e quatrocentos mil são diagnosticados deficientes de baixa visão. Todas estas pessoas estão na busca pela inclusão social através dos ambientes virtuais. Os deficientes de baixa visão enfrentam muitas barreiras para ter acesso às informações no ambiente digital devido muitas vezes, à necessidade em terem de se enquadrar na condição de cegos se quiserem utilizar-se das tecnologias assistivas existentes. Dentro desta perspectiva, a necessidade em entender se justifica a forma como as tipografias digitais auxiliam na comunicação entre este usuário e as interfaces web. Tipografias Digitais No início da década de 1970, no auge do Internacional Style, começou a emergir na Suíça uma nova linguagem gráfica, vindo a caracterizar as origens da tipografia pósmoderna, principalmente a partir dos trabalhos desenvolvidos por Wolfgang Weingart que deram forma e características fundamentais ao tipo. Destaque, também, para April Greiman, aluna da escola Suíça Basel Allgemeine Gewerbeschule, uma das primeiras profissionais a incorporar o computador em seu processo de trabalho, com o lançamento do computador Macintosh, em Esta ferramenta, então rejeitada pelos designers da época por seus ainda precários recursos resultarem em layouts grosseiros, permitiu que ela explorasse, por meio de sua estrutura, um campo

4 absolutamente inédito: as tipografias bitmap, as texturas randômicas de impressoras matriciais. Estes processos desenvolvidos ao longo dos anos 80 foram fundamentais para a disseminação da linguagem gráfica do new wave californiano em toda a América e no resto do mundo. Foi Greiman quem fez a conexão entre os experimentos da Basel e o efervescente cenário tipográfico californiano da década de 1980 (Jacques, 2002). Outra referência relevante foi o Estúdio Emigre Graphics, dirigido por Rudy Vanderlans e Zuzana Licko que logo, também, começou a operar com um Macintosh para explorar as possibilidades da tecnologia digital na criação de fontes. O interesse pela tipografia se reforçou com a criação da revista Emigre. A partir de 1990, esse estúdio, além de criar tipos, passou a publicar tipografias digitais desenhadas por profissionais de toda parte do mundo. Diante deste direcionamento de produção, o corpo editorial da revista veio a explorar mais intensamente o tema da legibilidade, foi quando os trabalhos ganharam notoriedade e influenciaram não só o ensino de design como o desenvolvimento da tipografia pós-moderna (idem, 2002). De acordo com Farias (2001) o cenário brasileiro na virada para o século XXI, foi marcado por um interesse crescente pela tipografia. A autora se refere tanto a inclusão de disciplinas de tipografia ou história da tipografia no currículo dos cursos de design, quanto na publicação sobre o tema em revistas especializadas. Cabe salientar que o design de tipos no Brasil é uma área recente, valendo-se do fato de não ter nenhuma tradição sólida, tem como desafio atual a busca por estabelecer alguma identidade. A tradição tipográfica internacional sugere três qualidades essenciais ao design de tipos: contraste, simplicidade e proporção, significando que a construção tipográfica objetiva primeiramente a comunicação eficaz. Este êxito requer a consideração de quem projeta, para quem, quando e onde (Gruszynski, 2007). O desconhecimento do problema a ser resolvido, do público a que se destina e a situação de recepção, impossibilitam um diagnóstico de qualidade de legibilidade e, portanto, de eficácia comunicacional, especialmente se tratando de deficientes visuais. Herbert Spencer, em pesquisas realizadas nos anos 60, aponta em seus resumos, quando se refere à legibilidade do design de tipos os seguintes aspectos: palavras compostas apenas com letras maiúsculas são consideradas menos legíveis do que palavras em caixa baixa. Tipos itálicos reduzem a legibilidade, ao contrário dos tipos bold, que facilitam a leitura, desde que tenham o espaçamento adequado. Tipos semibold são preferidos por muitos leitores. Para pessoas com problemas de visão, os tipos semi-bold são essenciais, pois permitem que o usuário tenha uma apreensão completa da forma da tipografia (Spencer, 1969 apud Farias, 2001). Durante as décadas de 80 e 90 o rápido desenvolvimento das tecnologias digitais, e em especial das ferramentas de desktop publishing 1, abriu grande espaço para a criação e manipulação de letras. Além de tirar a tipografia do domínio exclusivo dos especialistas, a era digital parece ter permitido que o design tipográfico passasse a ser menos informado por convenções tradicionais a respeito de legibilidade e harmonia, caracterizando, em casos específicos, retrocessos na produção de design visual. A introdução da linguagem PostScript 2, acaba com as limitações impostas pelos bitmaps às formas digitais. O PostScript vai permitir não só a produção de páginas 1 Desktop publishing (DTP), nome dado, internacionalmente, à prática da editoração eletrônica. 2 Comercializada pela Adobe através de impressoras laser e que descreve tipos governados por equações matemáticas.

5 com resolução de impressão variável, dependente apenas daquela do dispositivo final de saída (que tanto pode ser os 300 dpi de uma laser quanto os 1270 ou 2540 dpi das image setters), como também vai oferecer ao operador efeitos inéditos de sombra, texturização, transparência, fusão de formas, distorções, composição de palavras em linhas curvas e em espirais, etc. O PostScript liberta, assim, a criação tipográfica da tirania milenar da forma do tipo de metal e do aprisionamento imposto aos elementos tipográficos pela grade bi-dimensional da escrita produzida fotomecanicamente. Com isso, os designers eletrônicos passam a ter a possibilidade de refinar ainda mais a qualidade de seus layouts, manipulando repetidamente detalhes gráficos em escala cada vez menor, chegando inclusive a poder trabalhar, quando quisessem, contornos, texturas e detalhes de qualquer símbolo. A complexidade dos recursos, a heterogeneidade dos elementos visuais processados, o realismo das simulações WYSIWYG 3, a fragmentação da criação em passos cada vez menores e a possibilidade de modificar cada vez mais detalhes pontuais das peças, leva os designers a procurarem fugir de dogmas e fórmulas concebidas em épocas em que a manipulação tipográfica ainda era muito limitada, cara, demorada e sujeita a restrições de ordem física (Cauduro, 1998). Diante deste sintético histórico, pode-se afirmar que a tipografia pós-moderna não é um mero resultado da introdução do computador como gerador de imagens: é produto do contexto social e cultural que requer uma nova sensibilidade para lidar com as diferenças. Tanto avanço tecnológico focado na mídia digital requer neste momento, no mínimo, reflexões em direção a avanços que propiciem aos indivíduos, principalmente aqueles portadores de deficiências, condições ergonômicas de prazer e conforto no cotidiano de suas atividades, sejam elas de trabalho ou lazer. Cabe ao designer visual, para atuar como voz ativa dentro deste sistema, a responsabilidade de definir e ampliar os meios de expressão eletrônica, tendo como visão uma estrutura dinâmica consciente das mudanças que se fazem necessárias. Somente com esta visão é que os deficientes em geral, e mais especificamente os de baixa visão, poderão usufruir de uma ergonomia visual adequada as suas necessidades. Legibilidade e leiturabilidade na WEB A capacidade de leitura no ambiente virtual diminui 25% em relação à leitura no papel. Devido a isto, a legibilidade da informação no ambiente virtual é um dos principais critérios de uma usabilidade adequada (Nielsen, 2000). Sabe-se que o uso de textos em meios digitais (monitor) possui em comum com os meios reais (papel), poucas variáveis. A tipografia digital assume valores tão particulares em relação à leitura física (real), que torna significativa a sua diferenciação. Um monitor comum além de ser um emissor de luz, possui uma resolução muito baixa comparada à do papel, o que acarreta numa grande perda de legibilidade e leiturabilidade de um meio para o outro. A legibilidade e leiturabilidade estão relacionadas à mancha gráfica onde num primeiro momento o leitor observa a massa gráfica em conjunto, distinguindo as subáreas, isto é, identificando as ilustrações, os títulos, os intertítulos, os brancos, os gráficos, o texto, etc (Arbex, 2007). De acordo com Moraes (2002) apud Casseb (2007), a legibilidade está relacionada à facilidade de identificar cada caractere alfanumérico, podendo considerar a forma e o tamanho do caractere, contraste e qualidade de reprodução como níveis de 3 O termo é usado para editores de texto que definem uma interface onde permite que o usuário possa editar o texto que esta sendo produzido e vê-lo da forma exata como será impresso.

6 legibilidade. O autor afirma que a leiturabilidade está relacionada à facilidade de leitura dos caracteres. O uso de caixa alta ou baixa, tamanho de fonte, fontes com ou sem serifas 4, deformação do tipo, largura da linha, espacejamento entre caracteres, palavras, linhas e parágrafos, bordas e layout e o conteúdo das mensagens modificam a usabilidade. Esta propriedade determina o teor da ergonomia visual da interface e a qualidade que torna possível o reconhecimento do conteúdo elegido. Existem outras variáveis que afetam a boa leitura dos meios digitais, tais como: brilho, contraste, curvatura da tela, estabilidade e reflexos na tela (idem, 2007). Para a perfeita apresentação do texto numa interface computacional devem ser observadas as seguintes recomendações (Bailey, 2007): Textos na cor preta sobre fundo neutro, leitura mais rápida; Formatação consistente de itens parecidos em todas as seções da interface; Texto em negrito deve ter maior espaçamento entre os caracteres; Fontes de melhor leitura são as mais conhecidas: Times New Roman e Georgia (fontes com serifas) ou Arial, Helvética e Verdana (fontes sem serifa). Tamanho das fontes no mínimo de 12 pontos, para leitura na tela. Segundo Sales (2002) apud Casseb (2007), o uso de um espaço adequado entre as linhas favorece os movimentos oculares rápidos entre o final de uma linha e o início da próxima linha, portanto recomenda-se o uso de espaçamento duplo. Interfaces digitais para usuários de baixa visão Arditi e Gilman (apud Carvalho, 2001), afirmam que é importante que os deficientes não somente possam ter acesso aos sistemas através das interfaces computacionais, mas que também possam utilizá-las de maneira tão ágil, precisa e eficiente quanto for possível. Existem vários estudos sobre a utilização da informática e tecnologias assistivas como auxílio a pessoas deficientes, onde buscam maneiras de tornar os recursos de informática acessíveis àqueles que possuem algum tipo de limitação, seja visual, auditiva, física, mental, da fala, etc (Silva, 2004). De acordo com Damasceno (2003), tecnologia assistiva é toda ferramenta ou recurso utilizado com a finalidade de proporcionar uma maior independência e autonomia à pessoa portadora de deficiência. Alguns de seus objetivos são proporcionar qualidade de vida e inclusão social ao portador de limitações.como exemplos de tecnologias assistivas voltadas para os deficientes de baixa visão, existem: Ampliadores de tela de computador; ampliam figuras e letras que estão no monitor, tornando-os mais visíveis. Exemplos: Lentepro, Voyager, Magic. Sintetizadores de voz ou leitores de tela; são softwares criados para reproduzir através de voz tudo que está sendo mostrado no vídeo do computador e o que está sendo digitado. Exemplos: Dosvox, Jaws, Virtual Vision, Window Bridge, Window-Eyes. Dispositivos de saída em Braille, mais indicados para cegos; Reconhecedores de voz; permitem a substituição do teclado de um computador pelo comando de voz. Além das tecnologias assistivas descritas acima, existem as configurações de interfaces, onde o usuário especifica suas preferências, escolhendo elementos que compõem a interface de acordo com suas dificuldades; e a disponibilização de modelos pré-existentes, onde o próprio sistema oferece um conjunto de especificações 4 Definidas por Heitlinger [2006] como hastes perpendiculares que terminam os principais traços de algumas letras.

7 possíveis para a interface, cabendo ao usuário escolher entre as opções, a que melhor se adequa às suas características. A Organização Acessibilidade Brasil, recomenda ao deficiente de baixa visão aproveitar o resíduo visual substituindo softwares com recursos auditivos por recursos visuais, aumentando os ícones e o tamanho das fontes tipográficas para tamanhos acima de 24 pontos. Para a construção de sites existe o World Wide Web Consortium (W3C), que são requisitos de acessibilidade onde toda a informação disponibilizada fica acessível para leitores de tela, contando com legendas ocultas elaboradas para servir de equivalentes textuais ao conteúdo visual original, como por exemplo, imagens; além da opção de se ler o conteúdo em letra ampliada. O site do Banco do Brasil (figura 1), como exemplo de uma iniciativa de interface preocupada com a baixa visão, indica acessibilidade a deficientes visuais na página inicial. Porém as possibilidades disponibilizadas para visualização de informações neste site não contemplam o deficiente de baixa visão e suas possibilidades, pois exigem a utilização de programas de voz e dispositivos ampliadores de tela ao mesmo tempo, não garantindo ao usuário uma usabilidade adequada de qualquer forma. A interface possui textos em movimento (arquivos em flash) que dificultam a percepção do usuário na busca por informações, além de impossibilitar de o usuário ler estes textos devido ao curto tempo em que permanecem na tela. O tamanho máximo de ampliação dos textos está abaixo do tamanho recomendado para este usuário. Nos links de serviços deste site, a cor de fundo tem pouco contraste com a cor do texto. Figura 1: Página Inicial do site Outro exemplo de interface voltada ao deficiente de baixa visão é o software Papo- Mania (figura 2), onde o usuário tem uma comunicação fácil com o programa devido à forma como as informações estão dispostas na tela. Neste caso a utilização de ícones se dá de forma simplificada, tendo a indicação do significado ao lado. O tamanho da fonte é maior que o normal e as cores são contrastantes com o plano de fundo, devido à dificuldade de leitura do usuário.

8 Figura 2: Software Papo-Mania As interfaces de usuários voltadas aos deficientes de baixa visão devem apresentar as informações em letras grandes, fontes tipográficas sem serifas e cores de alto contraste. Segundo Carvalho (1992) o layout de tela precisa ser consistente, permitindo ao usuário saber onde encontrar informações como: avisos, mensagens, indicadores de estado, menus, etc. O espaço entre as letras, palavras, linhas e mensagens precisa ser suficiente para que as tornem distintas umas das outras. Carneiro (2003) afirma que o contorno das linhas deve ser necessariamente mais grosso do que o normal, para que este usuário perceba a forma desenhada. Para o melhor reconhecimento das linhas de contorno também se recomenda, na medida em que o cursor se aproximar de um objeto ou texto, que as linhas se tornem mais luminosas ou espessas. Devido à dificuldade do usuário em acompanhar movimentos na tela, deve-se evitar em fazer textos em movimento, se for necessário, então utilizar uma baixa velocidade para que o usuário consiga perceber o texto. A percepção de um objeto atrás de outro é mais sujeita a erros, se comparada à percepção de um objeto ao lado do outro. A utilização de som para guiar o usuário no acesso às informações facilita a navegação e permite que ele descanse a vista quando estiver muito tempo navegando na WEB. Considerações finais Este artigo fornece subsídios básicos para o entendimento da contextualização do deficiente de baixa visão na WEB, considerando a tipografia como um elemento da interface de extrema relevância. Atualmente percebe-se a crescente preocupação em disponibilizar recursos que permitam ao usuário de baixa visão navegar em ambientes virtuais, na busca por informações e inclusão social. Mas também se percebe cada vez mais a vontade por parte destes usuários em utilizar ferramentas que sejam especificamente voltadas para a baixa visão contemplando-os em suas possibilidades ao invés de adequá-los às ferramentas oferecidas aos cegos. O deficiente de baixa visão entende suas possibilidades e quer utilizar-se destas, mas não encontra auxílio nos mecanismos de ajuda para a navegação nos ambientes virtuais, pois em sua maioria tratam invisuais e baixa visão no mesmo patamar. Este fato resulta, é claro, num descontentamento por parte destes, referente ao tempo que

9 necessitam para a adaptação destas interfaces às suas possibilidades, devido também a falta de variedade na disponibilização de elementos para modificação das interfaces. A mudança de paradigma que se propõe para um futuro próximo está em aprofundar os conhecimentos relacionados aos usuários de baixa visão, conhecendo suas possibilidades, criando novas formas de auxiliá-los, utilizando-se de artifícios que beneficiem plenamente suas qualidades. Referências Arbex, D. & Gonçalves, B Princípios tipográficos para interfaces em ambiente virtual de aprendizagem AVA. Congresso P&D, Rio de Janeiro. Bailey, R. W Research-based web design & usability guidelines. U.S. Department of Health and Human Services. 10/04/2008. Em: Carneiro, M. M Interfaces assistidas para deficientes visuais utilizando dispositivos reativos e transformadas de distância. Tese (Doutorado) - Dep. Informática, PUC, Rio de Janeiro. Carvalho, K. M. M.; Gaspareto, M. E. R. F. & Venturini, N. H. B Visão Subnormal Orientação ao professor do ensino regular. Campinas, São Paulo: Ed. Unicamp. Casseb, R. L. Z Contribuição à integração a vida moderna da população envelhecida por meio da utilização dos terminais de auto-atendimento bancários. Dissertação (Mestrado) PUC, Rio de Janeiro. Cauduro, F. V Desconstrução e tipografia digital. UNISINOS, São Leopoldo, RS. 11/09/2008. Em: Cavalcante, A. M. M Educação visual: atuação na pré-escola. 23/04/2008. Em: 3.doc Cybis, W.; Betiol, A. H. & Faust, R Ergonomia e Usabilidade: Conhecimento, Métodos e Aplicações. São Paulo: Novatec. Costa, L. G Apropriação tecnológica e ensino: as tecnologias de informação e comunicação e o ensino de física para pessoas com deficiência visual. Tese (Doutorado) - UFRGS, Maringá, Paraná. Farias, P. L Tipografia digital. O impacto das novas tecnologias. Rio de Janeiro: 2AB. Gruszynski, A. C A imagem da palavra: retórica tipográfica na pósmodernidade. Rio de Janeiro: Novas Idéias. Jacques, J. P Tipografia pós-moderna. Rio de Janeiro: 2AB. Nielsen, J. & Tahir, M Homepage usability: 50 websites deconstructed. Indianápolis - Usa: New Riders Publishing. Pastore, J Oportunidades de trabalho para portadores de deficiência. São Paulo: Editora Ltr Ltda, ISBN Silva, K. C. N. de & Júnior, A. N. C Facilitando o acesso a ambientes Cscw/Cscl por portadores de visão subnormal através de interfaces ajustáveis. VII Congresso Ibero-Americano de Informática Educativa. Sonza, A. P Acessibilidade de deficientes visuais aos ambientes digitais/virtuais. Tese (Doutorado) - Faculdade de Educação, UFRGS, RS. Vanderheiden, G. C.; Vanderheiden, K. R Accessible design of consumer products. guidelines for the design of consumer products to increase their accessibility to the people with disabilities or who are aging. Ad-Hoc Industry Consumer, University of Wisconsin, Madison, USA. Vanderheiden, G. C Making software more accessible for people with disabilities. A white paper on the design of software application programs to increase their accessibility for people with disabilities. Trace R&D Center at the University of Wisconsin, Madison, USA.

10 Cínthia Costa Kulpa, Mestranda em Design, UFRGS. Formou-se em Design pela UFPr (1991). Técnica em cores pela Associação Brasileira da Cor. Bolsista no Departamento de Design e Expressão Gráfica da UFRGS, atuou na disciplina de Desenho Técnico II. Atualmente está desenvolvendo pesquisa de cores nas interfaces de usuários de Baixa Visão. Marion Divério Faria Pozzi, Mestre em Arquitetura, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora assistente do Departamento de Design e Expressão Gráfica da UFRGS desde Tem experiência nas áreas de arquitetura, urbanismo e design com ênfase na subárea de expressão gráfica, atuando principalmente nos seguintes temas: desenho projetivo, linguagens gráficas, computação gráfica aplicada a arquitetura, urbanismo e design.

Introdução. O Deficiente de Baixa Visão

Introdução. O Deficiente de Baixa Visão A relação entre as tipografias nas interfaces computacionais para usuários de baixa visão. The interaction between typographies to low vision user s computer interfaces. Kulpa, Cínthia C.; Ms; Universidade

Leia mais

As Interfaces Tecnológicas. com Design Acessível para a Baixa Visão

As Interfaces Tecnológicas. com Design Acessível para a Baixa Visão CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTORES PÚBLICOS: Políticas de Acessibilidade e Direitos Humanos. As Interfaces Tecnológicas com Cínthia C. Kulpa e Eluza T. Pinheiro Quantas vezes você já acessou algum site

Leia mais

Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual

Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual Aula 15 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE.

Leia mais

Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES

Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES Quase todos nós vamos precisar de óculos um dia (a menos que a tecnologia médica promova a substituição deste artefato por alguma outra coisa tecnológica,

Leia mais

1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais. Acessibilidade. Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007

1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais. Acessibilidade. Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007 1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais Acessibilidade Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007 Entendendo o problema: Porque desenvolver sistemas que permitam o acesso a pessoas

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS SOFTWARES LEITORES DE TELA UTILIZANDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE

ANÁLISE COMPARATIVA DOS SOFTWARES LEITORES DE TELA UTILIZANDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE 1 ANÁLISE COMPARATIVA DOS SOFTWARES LEITORES DE TELA UTILIZANDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE Porto Alegre RS - maio de 2012. Clóvis da Silveira PUCRS csclovis@gmail.com Adriana Beiler PUCRS

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB Isadora dos Santos Rodrigues, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil isadora.santosrodrigues@hotmail.com, bonetti@unipar.br

Leia mais

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Formosa Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Prof. M.Sc. Victor Hugo Lázaro Lopes IHC Paradigmas de IHC AGENDA Engenharia Cognitiva

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design gordongroup Sobre o gordongroup gordongroup é uma agência de marketing e comunicação de tempo integral e de balcão único, que oferece um conjunto exclusivo de serviços criativos,

Leia mais

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Gláucio Brandão de MATOS 1 ; Alisson RIBEIRO 2 ; Gabriel da SILVA 2 1 Ex-aluno do Curso Superior

Leia mais

Em que consiste o DOSVOX O programa é composto por:

Em que consiste o DOSVOX O programa é composto por: Projeto DOSVOX O que é o DOSVOX O DOSVOX é um sistema para microcomputadores que se comunica com o usuário através de síntese de voz, viabilizando, deste modo, o uso de computadores por deficientes visuais,

Leia mais

Deficiência Visual. Eficiência Tátil Inteligência - Adaptações. V Compartilhando Eficiências. Seção de Educação Especial SEE - DE

Deficiência Visual. Eficiência Tátil Inteligência - Adaptações. V Compartilhando Eficiências. Seção de Educação Especial SEE - DE Deficiência Visual Eficiência Tátil Inteligência - Adaptações V Compartilhando Eficiências Seção de Educação Especial SEE - DE a voar como os pássaros, Temos aprendido a nadar como os peixes, Mas ainda

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA COLÉGIO ESTADUAL VICENTE RIJO Ensino Fundamental, Médio e Profissional. Av. Juscelino Kubitscheck, 2372. Londrina Paraná Fone: (43) 3323-7630 / 3344-1756 / 3334-0364 www.vicenterijo@sercomtel.com.br CURSO

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design Uma das empresas de comunicação e marketing mais destacadas de Ottawa, Canadá, o gordongroup oferece um design premiado para uma oferta completa de produtos de comunicação de identidades

Leia mais

Humano-Computador (IHC)

Humano-Computador (IHC) 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WA Professora: Clarisse Sieckenius de Souza Acessibilidade: Uma questão de lei e direitos humanos 15/Mar/2010 Stephen Hawking um dos maiores

Leia mais

FERREIRA, Ana Lúcia BRIZOLARA TRINDADE, Elaine ROCHA HUFFELL, Jefferson Lima BRAGA Maria Tereza Comunicação Oral RESUMO

FERREIRA, Ana Lúcia BRIZOLARA TRINDADE, Elaine ROCHA HUFFELL, Jefferson Lima BRAGA Maria Tereza Comunicação Oral RESUMO AS TECNOLOGIAS FAZENDO A DIFERENÇA NO DESEMPENHO ESCOLAR DOS ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS NA ESCOLA INSTITUTO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO ISABEL DE ESPANHA 28ª CRE FERREIRA, Ana Lúcia BRIZOLARA TRINDADE, Elaine

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

Thiago Corrêa da Silva Eduardo Stuhler Neves

Thiago Corrêa da Silva Eduardo Stuhler Neves Avaliação de Acessibilidade e adequação da interface do Repositório de Objetos de Aprendizagem para a Área de informática da UDESC com foco da Deficiência Visual Thiago Corrêa da Silva Eduardo Stuhler

Leia mais

Tecnologias de Informação voltadas para pessoas com deficiência visual

Tecnologias de Informação voltadas para pessoas com deficiência visual Tecnologias de Informação voltadas para pessoas com deficiência visual (Technologies of Information destined to peoples with visual deficiency) Daniela Ragazzi dos Santos 1 ; Sérgio Ricardo Borges 2 1

Leia mais

Recursos e Estratégias para o Ensino de Pessoas com Cegueira e Baixa Visão. Professora Valdirene Stiegler Simão valdirene.simao@gmail.

Recursos e Estratégias para o Ensino de Pessoas com Cegueira e Baixa Visão. Professora Valdirene Stiegler Simão valdirene.simao@gmail. Recursos e Estratégias para o Ensino de Pessoas com Cegueira e Baixa Visão Professora Valdirene Stiegler Simão valdirene.simao@gmail.com Deficiência Visual O que é deficiência visual? O que é baixa visão?

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Teste rveras@unip.br Aula 11 Agenda Usabilidade Compatibilidade Validação Resolução de tela Velocidade de carregação Acessibilidade Testes Nesta etapa do projeto do web site

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

TESTE DE USABILIDADE DO SITE DE UMA LOJA DE DEPARTAMENTOS VOLTADA PARA O VAREJO DE MODA

TESTE DE USABILIDADE DO SITE DE UMA LOJA DE DEPARTAMENTOS VOLTADA PARA O VAREJO DE MODA TESTE DE USABILIDADE DO SITE DE UMA LOJA DE DEPARTAMENTOS VOLTADA PARA O VAREJO DE MODA Thaissa SCHNEIDER 1, Monique VANDRESEN 1, Flávio dos SANTOS 1 1 Universidade do Estado de Santa Catarina. SUMÁRIO

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO)

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) De acordo com o Edital de produção de conteúdo digitais multimídia, alguns aspectos

Leia mais

A Pessoa com Deficiência Visual

A Pessoa com Deficiência Visual A Pessoa com Deficiência Visual Definição oftalmológica de deficiência visual Cegueira parcial (legal ou profissional): capaz de contar dedos a curta distância, identificar vultos, luminosidade e origem

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Sérgio M. Baú Júnior* e Marco A. Barbosa* *Departamento de Informática

Leia mais

ESTUDO AVALIATIVO DE ACESSIBILIDADE E USABILIDADE APLICADO AO AMBIENTE WEB.

ESTUDO AVALIATIVO DE ACESSIBILIDADE E USABILIDADE APLICADO AO AMBIENTE WEB. ESTUDO AVALIATIVO DE ACESSIBILIDADE E USABILIDADE APLICADO AO AMBIENTE WEB. Rogério Albuquerque Ribeiro, Claudete Werner Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí - PR - Brasil albuquerque.rogerio@icloud.com

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA DA INTERFACE PARA O

PROPOSTA DE MELHORIA DA INTERFACE PARA O PROPOSTA DE MELHORIA DA INTERFACE PARA O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE Orientado: Nestor Vicente Soares Netto Orientador: André Luiz Zambalde Co-orientador: Ahmed Ali Abdalla Esmin Roteiro 1.

Leia mais

Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade. Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3

Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade. Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3 Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3 1 Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI janaegm@univali.br

Leia mais

Inclusão digital de deficientes visuais através de Projeto Comunitário, Santana do Livramento (2013)

Inclusão digital de deficientes visuais através de Projeto Comunitário, Santana do Livramento (2013) Inclusão digital de deficientes visuais através de Projeto Comunitário, Santana do Livramento (2013) Eduardo Bueno Simões Pires 1, Aline da Cunha Simões Pires 2 1 Instituto de Informática Universidade

Leia mais

Documentos Digitais Acessíveis. Bruna Salton Projeto de Acessibilidade Virtual Pró-Reitoria de Extensão

Documentos Digitais Acessíveis. Bruna Salton Projeto de Acessibilidade Virtual Pró-Reitoria de Extensão Documentos Digitais Acessíveis Bruna Salton Projeto de Acessibilidade Virtual Pró-Reitoria de Extensão Como as pessoas com deficiência utilizam o computador e a Web? Vídeo: Como as pessoas com deficiência

Leia mais

Acessibilidade na Web

Acessibilidade na Web Acessibilidade na Web Departamento de Computação - UFS Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Lucas Augusto Carvalho lucasamcc@dcomp.ufs.br Prof. Rogério Vídeo Custo ou Benefício? http://acessodigital.net/video.html

Leia mais

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Arte X Engenharia Desenvolver Sistema Web é arte? A Web oferece espaço para arte...... mas os usuários também desejam

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Web Design

Tópicos de Ambiente Web Web Design Tópicos de Ambiente Web Web Design Professora: Sheila Cáceres Historia As primeiras formas comunicativas foram mediante elementos visuais. Embora o surgimento da linguagem falada, a linguagem visual continuou

Leia mais

A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira

A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira O mundo pertence àqueles que pensam em novos caminhos. Uwe Grahl - Arquiteto FACILITAÇÃO PELO USO DE TIC ATENDIMENTO ÀS ESPECIFICIDADES

Leia mais

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD Objetivos: Apresentar os principais problemas de acessibilidade na Internet. Apresentar as principais deficiências e as tecnologias de apoio.

Leia mais

Deficiências. Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla. Tem dificuldade para:

Deficiências. Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla. Tem dificuldade para: Deficiências Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla Tem dificuldade para: ver a tela usar o mouse usar o teclado ler um texto ouvir um som navegar

Leia mais

Projeto de Análise de Site Educacional www.diabetesnoscuidamos.com.br

Projeto de Análise de Site Educacional www.diabetesnoscuidamos.com.br Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Instituto de Artes Pós Graduação em Multimeios 1º sem/2002 Disciplina: Multimeios e Educação Ministrada por: José Armando Valente Aluno: Álvaro E.M. Marinho

Leia mais

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 AULA 20 PROBLEMAS DE INTERFACE 12.maio.2006 FAVOR DESLIGAR OS CELULARES usabilidade compreende a habilidade do software em permitir que o

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos POR QUE ESTUDAR COMPUTAÇÃO GRÁFICA? Quem quiser trabalhar em áreas afins: Entretenimento Jogos e filmes Visualização Simulação de fenômenos físicos Arte computadorizada Educação e treinamento Processamento

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

Quem somos. Organização filantrópica, sem fins lucrativos, fundada há 67 anos pela professora Dorina de Gouvea Nowill.

Quem somos. Organização filantrópica, sem fins lucrativos, fundada há 67 anos pela professora Dorina de Gouvea Nowill. . Quem somos Organização filantrópica, sem fins lucrativos, fundada há 67 anos pela professora Dorina de Gouvea Nowill. A necessidade de criar a Fundação surgiu após a dificuldade em encontrar livros em

Leia mais

Práticas de Linguagem e Design: algumas questões de usabilidade no contexto da web social

Práticas de Linguagem e Design: algumas questões de usabilidade no contexto da web social Práticas de Linguagem e Design: algumas questões de usabilidade no contexto da web social Fernanda Maria Pereira Freire ffreire@unicamp.br Núcleo de Informática Aplicada à Educação (NIED) André Constantino

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

Biblioteca Virtual de Soluções Assistivas

Biblioteca Virtual de Soluções Assistivas 264 Biblioteca Virtual de Soluções Assistivas Maria Helena Franciscatto 1 Adriana Soares Pereira 1 Roberto Franciscatto 1 Liliana Maria Passerino 2 1 Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Colégio

Leia mais

NAPNE / RENAPI. Configuração para usuários com Baixa Visão

NAPNE / RENAPI. Configuração para usuários com Baixa Visão NAPNE / RENAPI Configuração para usuários com Baixa Visão Outubro de 2009 Sumário Baixa Visão... 3 O que é?... 3 Configuração do sistema windows... 3 Painel de controle... 4 Editor de texto... 6 Baixa

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

Acessibilidade nos sites das Instituições da Rede Federal de EPT

Acessibilidade nos sites das Instituições da Rede Federal de EPT Acessibilidade nos sites das Instituições da Rede Federal de EPT Maurício Covolan Rosito Gerente do Núcleo de Bento Gonçalves do projeto de Acessibilidade Virtual da RENAPI Everaldo Carniel Pesquisador

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET WEBSITE MUNDO MULHER GABRIELA DE SOUZA DA SILVA LUANA MAIARA DE PAULA SILVA

Leia mais

CONVITE Nº 01/2012 ANEXO I - DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS

CONVITE Nº 01/2012 ANEXO I - DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS CONVITE Nº 01/2012 ANEXO I - DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS OBJETIVO E ESCOPO 1. Informações Gerais 1.1 Objetivo geral do trabalho: desenvolvimento de novo site institucional para o Senac (www.senac.br), nas versões

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

Interação Humano-Computador: Conceitos Básicos INF 1403 Introdução a IHC Aula 03 19/02/2014 Conteúdo da Aula Interação, Interface e Affordance Critérios de qualidade de uso Usabilidade Experiência do Usuário

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão 1 Diferenças entre o CCD e o Filme: O filme como já vimos, é uma película de poliéster, coberta em um dos lados por uma gelatina de origem animal com partículas

Leia mais

IHM Interface Humano-Máquina

IHM Interface Humano-Máquina A IHM Interface Humano-Máquina Prof. Dra. Sílvia Dotta Aula 1 - Introdução Roteirodaaula Apresentação da disciplina Motivação, Objetivos Metodologia de ensino Introdução e conceituação de IHM Histórico

Leia mais

Visão Subnormal. Guia do Apresentador

Visão Subnormal. Guia do Apresentador Visão Subnormal Guia do Apresentador SLIDE 1 Introdução do apresentador. O propósito desta apresentação é oferecer informações sobre o que é a visão subnormal, o que pode ser feito sobre ela e onde se

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Divane Marcon Fundação Universidade Federal do Pampa divanemarcon@unipampa.edu.br Fabiane C. Höpner

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Exercícios orientadores da aprendizagem e sua solução; Indicação das referências complementares para cada

Exercícios orientadores da aprendizagem e sua solução; Indicação das referências complementares para cada 9 MATERIAIS DIDÁTICOS - Com base no conhecimento adquirido nas reuniões anteriores, o professor deve preparar uma proposta dos materiais que pretende produzir para o seu curso/disciplina. - É importante

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG PROJETO: DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DO SITE DA ESTAÇÃO CIENTÍFICA FERREIRA PENNA, VISANDO ATENDER AOS PADRÕES

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

PESQUISA DAS FERRAMENTAS DE ACESSIBILIDADE COMPUTACIONAL PARA DEFICIENTES VISUAIS E AS RECOMENDAÇÕES DO W3C

PESQUISA DAS FERRAMENTAS DE ACESSIBILIDADE COMPUTACIONAL PARA DEFICIENTES VISUAIS E AS RECOMENDAÇÕES DO W3C 8 PESQUISA DAS FERRAMENTAS DE ACESSIBILIDADE COMPUTACIONAL PARA DEFICIENTES VISUAIS E AS RECOMENDAÇÕES DO W3C LUISA HAYDER TONET 1 ORIENTADORA: DANIELE PINTO ANDRES 2 Bacharelado em Sistemas de Informação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 05/2005 137-TC-C5 Sergio Ferreira do Amaral Faculdade de Educação da UNICAMP

Leia mais

USABILIDADE, DESIGN UNIVERSAL E ACESSIBILIDADE PARA PORTAIS WEB

USABILIDADE, DESIGN UNIVERSAL E ACESSIBILIDADE PARA PORTAIS WEB USABILIDADE, DESIGN UNIVERSAL E ACESSIBILIDADE PARA PORTAIS WEB Adans Schopp dos Santos 1 Daniele Pinto Andres 2 RESUMO Este artigo procura abordar as principais características relacionadas a Portais

Leia mais

Apresentando o GNOME. Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br

Apresentando o GNOME. Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br Apresentando o GNOME Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br O que é o GNOME? GNOME é um ambiente desktop - a interface gráfica de usuário que roda sobre um sistema operacional - composta inteiramente

Leia mais

1 Como seu Cérebro Funciona?

1 Como seu Cérebro Funciona? 1 Como seu Cérebro Funciona? UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) O cérebro humano é capaz de processar as informações recebidas pelos cinco sentidos, analisá-las com base em uma vida inteira de experiências,

Leia mais

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas.

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas. PALAVRA DO COORDENADOR Estimado, aluno(a): Seja muito bem-vindo aos Cursos Livres do UNIPAM. Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos

Leia mais

A importância da acessibilidade como mediadora da informação na internet para os deficientes visuais 1. Roberta Lucas SCATOLIM 2

A importância da acessibilidade como mediadora da informação na internet para os deficientes visuais 1. Roberta Lucas SCATOLIM 2 A importância da acessibilidade como mediadora da informação na internet para os deficientes visuais 1 Roberta Lucas SCATOLIM 2 RESUMO A Interação Humano - Computador permite a avaliação e solução de problemas

Leia mais

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web 2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web A eficiência da educação a distância (EAD) depende da contribuição de diversas disciplinas. É comum encontrarmos estudos nas áreas da ciência da computação,

Leia mais

Usabilidade e Acessibilidade no Desenvolvimento de Websites e Aplicativos Móveis. Prof. Esp. Jalves Mendonça Nicácio

Usabilidade e Acessibilidade no Desenvolvimento de Websites e Aplicativos Móveis. Prof. Esp. Jalves Mendonça Nicácio Usabilidade e Acessibilidade no Desenvolvimento de Websites e Aplicativos Móveis Prof. Esp. Jalves Mendonça Nicácio A Nova Informática Design centrado no usuário: Softwares mais atraentes, divertidos Softwares

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

OS RECURSOS COMPUTACIONAIS AUXILIANDO OS DEFICIENTES VISUAIS

OS RECURSOS COMPUTACIONAIS AUXILIANDO OS DEFICIENTES VISUAIS OS RECURSOS COMPUTACIONAIS AUXILIANDO OS DEFICIENTES VISUAIS 2011 Fabíola Magda Andrade Ventavoli Bacharel em Ciências da Computação, Licenciada em Matemática e Computação. Pós-graduada em Psicopedagogia

Leia mais

www.rakutencommerce.com.br E-BOOK

www.rakutencommerce.com.br E-BOOK APRENDA AS ÚLTIMAS DICAS E TRUQUES SOBRE COMO DAR UM TAPA 3.0 NA SUA LOJA VIRTUAL. www.rakutencommerce.com.br E-BOOK propósito desse ebook é muito simples: ajudar o varejista on-line a dar um tapa 3.0

Leia mais

Acessibilidade. Profa. Renata Pontin de Mattos Fortes

Acessibilidade. Profa. Renata Pontin de Mattos Fortes Acessibilidade Profa. Renata Pontin de Mattos Fortes 1 Acessibilidade 2 Roteiro Acessibilidade Acessibilidade na Informática Inclusão Digital Design da Interação e Acessibilidade 3 Acessibilidade Definição

Leia mais

O computador como ferramenta de Inclusão digital para terceira idade

O computador como ferramenta de Inclusão digital para terceira idade O computador como ferramenta de Inclusão digital para terceira idade Amélia Maria Rodrigues Oliveira Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) amelia.amiga@hotmail.com Joelson Alves Soares Universidade Estadual

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

PROPLAN Diretoria de Informações. Tutorial SisRAA Biblioteca

PROPLAN Diretoria de Informações. Tutorial SisRAA Biblioteca PROPLAN Tutorial SisRAA Biblioteca Ana Carla Macedo da Silva Jaciane do Carmo Ribeiro Diego da Costa Couto Mauro Costa da Silva Filho Dezembro 2014 SUMÁRIO 1. Menu: Acessibilidade... 3 1.1 Opção de menu:

Leia mais

Resenha. Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p.

Resenha. Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p. Resenha Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p.) Thiago de Andrade Marinho 1 Ergodesign e Arquitetura de Informação:

Leia mais

e-mag Checklist de Acessibilidade Manual para Deficientes Visuais

e-mag Checklist de Acessibilidade Manual para Deficientes Visuais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Governo Eletrônico Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

Design 3D. Formação em Web WEB DESIGN 3D 1

Design 3D. Formação em Web WEB DESIGN 3D 1 1 Formação em Web Design 3D Atualmente com o desenvolvimento para Web, a criação e montagem de sites, envolve um conhecimento mais aprofundado também na criação de 3D. Com a possibilidade de conexões mais

Leia mais

Este software resolve todos esses problemas.adobe reader é um software free, para ler os arquivos pdf..

Este software resolve todos esses problemas.adobe reader é um software free, para ler os arquivos pdf.. Conhecendo arquivos PDF O PDF surgiu graças aos esforços de um dos fundadores da empresa Adobe Systems, John Warnock. A idéia inicial era criar uma tecnologia que permitisse a visualização de arquivos

Leia mais

Aula: BrOffice Impress primeira parte

Aula: BrOffice Impress primeira parte Aula: BrOffice Impress primeira parte Objetivos Conhecer as características de um software de apresentação; Saber criar uma apresentação rápida com os recursos de imagem e texto; Saber salvar a apresentação;

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DO SARA - PC SCANNER COM VOZ

MANUAL BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DO SARA - PC SCANNER COM VOZ MANUAL BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DO SARA - PC SCANNER COM VOZ VERSÃO 9.0.1.5 SARA - PC Scanner com Voz Freedom Scientific 1 Sumário SARA PC Scanner com Voz... 3 Botões do Scanner... 3 Software do Scanner:...

Leia mais

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Instituto Federal do Sertão-PE Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Prof. Felipe Correia Conteúdo Por que estudar Design de Interfaces e Usabilidade?! Conceitos básicos sobre Design! Primeira

Leia mais

CONSIDERAÇÕES FINAIS

CONSIDERAÇÕES FINAIS CONSIDERAÇÕES FINAIS As considerações finais da pesquisa, bem como suas contribuições e sugestões para trabalhos futuros são aqui apresentadas, ressaltando algumas reflexões acerca do tema estudado, sem,

Leia mais

Voltando às garrafas... Capítulo 2. Interface e Interação. Elton Silva

Voltando às garrafas... Capítulo 2. Interface e Interação. Elton Silva Voltando às garrafas... Capítulo 2 Elton Silva Interface e Interação Inter-face: toda a porção de um sistema com a qual um usuário mantém contato ao utilizá-lo. Inter-ação: é mais do que imagem, é um conceito

Leia mais

LINVOX DOSVOX em Linux

LINVOX DOSVOX em Linux LINVOX DOSVOX em Linux Senabraille - Goiânia José Antonio Borges Projeto DOSVOX NCE/UFRJ - nov/2004 Uso de computadores por DVs Leitura e escrita foram tornadas, entre videntes e cegos, razoavelmente compatíveis

Leia mais

AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de:

AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos Objetivo Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: Conhecer o controle de exibição do documento; Fazer a correção ortográfica do documento

Leia mais