2 - TIPOS DE GESTÃO DA CONSERVAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 - TIPOS DE GESTÃO DA CONSERVAÇÃO"

Transcrição

1 2 - TIPOS DE GESTÃO DA CONSERVAÇÃO Pública ou Privada

2 Gestão Pública - Rodovias administradas pelo Estado, os investimentos, as manutenções e as demais intervenções necessárias são financiadas por recursos públicos provenientes de arrecadação tributária e outras fontes secundárias.

3 Gestão Privada - Rodovias sob gestão privada, as intervenções necessárias, definidas em contratos de concessão, bem como a manutenção dos trechos e a operação, são de responsabilidade de um agente privado. Nesses casos, os investimentos e a remuneração da operação são financiados pela cobrança de pedágios dos usuários de cada rodovia.

4 TIPOS DE GESTÃO PUBLICA: Manutenção por administração direta. Contratação por administração: Homem/Hora Hora/Máquina Contratação por preços unitários Contratação à preços globais (CREMA)

5 Contratação à preços globais (CREMA) CONTRATO DE RECUPERAÇÃO E MANUTENÇÃO (CREMA)

6 CREMA Conceitos: Novo enfoque para atividades dos setores público e privado. Contratos, a preços globais, com avaliação por desempenho; Responsabilidade direta do contratado no projeto, na execução das obras, no controle de qualidade e nos serviços de manutenção; Contratos de longa duração ( 5 anos); Metas pré-definidas para avaliação de desempenho;

7 VANTAGENS Visão mais ampla do Sistema Rodoviário através do tratamento contínuo de lotes de maior extensão; Redefinição das responsabilidades em função do novo modelo de participação nas várias etapas do Contrato; Estímulo ao Planejamento Plurianual; Integração das atividades de Projeto, Restauração, Conservação e Operação da Via;

8 VANTAGENS Agilidade no processo de contratação, execução e controle dos serviços; Preocupação essencial com a qualidade do produto final, interesse maior do usuário; Estímulo à adoção de novas tecnologias e materiais; Simplificação dos processos administrativos ao longo de todo o Contrato; Reduz a possibilidade de pleitos para aditivos contratuais.

9 EXIGÊNCIAS DO SISTEMA Orçamento e recursos financeiros assegurados; Mudanças nos critérios do setor público; Pesquisa e uso de novas tecnologias; Capacidade gerencial dos contratados.

10 SERVIÇOS Mini - Cursos Detalhamento do Projeto Executivo Recuperação intensiva inicial Recuperação estrutural e/ou funcional Recuperação do Passivo Ambiental Recuperação de OAE, dispositivos de drenagem e OAC Sinalização e obras complementares Melhoramentos operacionais e de segurança Controle de peso de veículos comerciais Recuperação emergencial

11 Condições e Índices para Avaliação de Desempenho Percentagem de trincas Índices de rugosidade (IRI) Pista de Rolamento Índices de gravidade global (IGG) Flecha de deformação de trilha de roda Acostamento Parâmetros deflectométricos estruturais Obrigatoriamente pavimentados, livre de defeitos e obstáculos Limite para desnível máximo em relação à pista Dispositivos de drenagem e obras de arte correntes Desobstruídos, completos e em condições adequadas de funcionamento Garantir o controle de acesso Livre de depósitos de lixo e entulhos Faixa de domínio Limites para distância de vegetação na borda da pista Sinalização horizontal e vertical Completa, limpa e visível Altura máxima da vegetação

12 Condições Concorrência Pagamentos Supervisão Contratação e implantação de projeto definido pelo órgão Medição e pagamento por quantidade de serviços a custos unitários pré-aprovados Empreitada a preço global, medida a custos unitários de serviços Não se aplicam critérios de qualificação técnica Preços unitários Medição de quantidades Reprogramações periódicas Contratos Atuais x CREMA Acompanhamento do controle tecnológico, medição e controle de qualidade Controle físico financeiro detalhado da evolução do contrato Contratação por preço global com projeto a ser detalhado pelo contratado Medição e pagamento por níveis de serviços e desempenho pré-definidos Menor preço global, com compromisso de atingir parâmetros de desempenho Estimular a competição a nível de desenvolvimento de soluções técnicas e metodologias executivas de maior eficiência Valores globais fixos Desembolsos baseados em programação de acordo com cumprimento de indicadores Contratante assume sobrecustos Monitoramento da gestão de qualidade pela contratada Monitoramento e controle dos índices de desempenho Controle físico financeiro macro da evolução do contrato

13 CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA DE DO DNIT CREMA (CONTRATOS DE RECUPERAÇÃO E MANUTENÇÃO)

14 HISTÓRICO - PIR - Programa Integrado de Revitalização - CREMA - Contratos de Recuperação e Manutenção Contratos de gestão: Apoio do Banco Mundial Duração de 7 anos: Duas fases: CREMA 1º Etapa (Duração 2 anos) CREMA 2º Etapa (Duração 5 anos)

15 CREMA 1º ETAPA Intervenção de caráter funcional Premissa já consideradas no Programa PIR IV Duração de 2 anos Serviços de Manutenção de Pistas e Acostamentos Serviços de Conservação de Faixa de Domínio Padrões de desempenho para obras e serviços

16 CREMA 2º ETAPA Obras de Recuperação funcional e estrutural dos pavimentos Permitir o inicio imediato das obras de restauração Duração de 5 anos Catálogo de soluções de projeto com vida útil de 10 anos Serviços de Manutenção de Pistas e Acostamentos Serviços de Conservação de Faixa de Domínio Conservação das OAEs Melhorias Operacionais (impl. de 3º faixas em ptos críticos) Licenciamento e Recuperação do Passivo Ambiental Padrões de desempenho para obras e serviços

17 ELABORAÇÃO DO PROJETO OBJETIVOS DO PROJETO: Fornecer um documento de licitação de obra para restauração e manutenção de rodovias com quantitativos e orçamentos. O projeto fornecerá um relatório justificativo com memória de calculo detalhada de todas as obras e serviços indicados, incluindo cadastros com os elementos considerados.

18 ELABORAÇÃO DO PROJETO 2 - ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS: 2.1- Levantamentos de dados: DADOS HISTÓRICOS DO PAVIMENTO CADASTRO GERAL DA RODOVIA Drenagem; Sinalização; OAC; OAE; Ambiental; Acostamentos; Soluções Parciais Cadastro de ocorrências, para efeito de orçamento referencial INVENTÁRIO DE SUPERFÍCIE TRÁFEGO DEFLEXÃO IRI SONDAGENS E ENSAIOS 2.2- DIAGNÓSTICO: 2.3 INDICAÇÃO DAS SOLUÇÕES: 2.4 RELATÓRIO DO PROJETO: Mini - Cursos

19 Grupo de Atividades Sub-atividades Pavimento das Pistas e Acostamentos Canteiros, Interseções e Faixa de Domínio Grupo 01 Serviços de Manutenção e Conservação Obras de Arte Especiais (Caráter Funcional) Dispositivos de Proteção e Segurança Sinalização Horizontal e Vertical GRUPOS DE ATIVIDADES Grupo 02 Obras de Restauração Grupo 03 Obras de Drenagem Grupo 04 Obras de Sinalização Grupo 05 Obras Complementares Grupo 06 Obras de Melhoramentos Terraplenos e Estruturas de Contenção Sistema de Drenagem e OAC Restauração de Pista, incluindo sinalização provisória Restauração de Terceiras Faixas Restauração de Acostamentos Drenagem Superficial Drenagem Profunda Drenagem de Talvegue Sinalização Horizontal Sinalização Vertical Cercas Defensas Travessias Urbanas Intervenções de Recuperação Ambiental

20 Grupo 01 - Serviços de Manutenção e Conservação Discriminação un Descrição Especificação Prazos Aceitação Critérios de Medição Critérios de Pagamento Manutenção e Conservação Mês Manutenção e Conservação dos: Pavimento das Pistas e Acostamentos; Canteiros, Interseções e Faixas de Domínio; Obras de Arte Especiais (Caráter Funcional); Dispositivos de Proteção e Segurança; Sinalização Horizontal e Vertical; Terraplenos e Estruturas de Contensão; Sistema de Drenageme OAC. Manual de Conservação Rodoviária 2005 QUADRO Padrões de Desempenho para Serviços de Manutenção. A Manutenção e Conservação será iniciada a partir da Data de Início do Contrato e desenvolvida de forma contínua até o seu final, para todos os segmentos rodoviários do Lote contratado, de acordo com a programação proposta pelo Contratado e aceita pelo Contratante. Todos os serviços realizados a cada mês de contratao devem ser reportados nos Relatórios Mensais de Atividade, cuja entrega e aprovação são requisitos indispensáveis para a aceitação dos trabalhos de Manutenção e Conservação. A aceitação dos serviços será efetuada conforme o especificado no QUADRO Padrões de Desempenho para Serviços de Manutenção e Conservação. Medição Mensal de acordo com o porcentual mensal previsto no cronograma de atividades vigente condicinada ao QUADRO Critério de Medição para os Serviços de Manutenção e Conservação. Pagamento Mensal com base no preço estabelecido no Cronograma de Atividades. Condicionado ao QUADRO Critério de Medição para os Serviços de Manutenção e Conservação. * - A empresa deverá elaborar um Plano Anual de Manutenção e Conservação que consiste em um conjunto de ações que objetivam manter o lote de acordo com os padrões de desempenho previstos no Quadro 2.2, ao longo do período de duração do contrato. Este plano deverá ser entregue à Fiscalização.

21 QUADRO 2.2 Padrões de Desempenho para Serviços de Manutenção e Conservação Exigíveis na fase de execução de obras e serviços Elemento de Referência Pista de Rolamento Indicador Padrão Exigido Código Buracos (*) Afundamentos e Recalques (*) A partir do final do 6 o mês do contrato, não serão admitidos buracos, de quaisquer dimensões. A partir do final 6º mês do contrato, não são admitidos afundamentos e recalques, que possam colocar em risc o a segurança do usuário. PD 04 PD 05 Trincamento A partir da Restauração, não são admitidas Trincas Classe 2 e 3 PD 06 Trilhas de Roda Trilhas de Roda A partir da Restauraç ão, não s ão admitidas Flechas nas Trilhas de roda, para segmentos pavimentados com CBUQ maiores que 7 mm. A partir da Restauraç ão, não s ão admitidas Flechas nas Trilhas de roda, para segmentos pavimentados com TSD maiores que 10 mm. PD 07 PD 08

22 QUADRO 2.2 Padrões de Desempenho para Serviços de Manutenção e Conservação Exigíveis na fase de execução de obras e serviços Elemento de Referência Acostamentos Indicador Padrão Exigido Código Obstác ulos ou materiais perigosos Buracos e deformações graves A partir do final do 3º mês do contrato, não são admitidos obstáculos ou depósitos de materiais nos acos tamentos que se constituam em risco para a segurança operac ional. A partir do final 6º mês do contrato, não s ão admitidos buracos e deformações graves nos acostamentos. PD 09 PD 10

23 QUADRO 2.2 Padrões de Desempenho para Serviços de Manutenção e Conservação Exigíveis na fase de execução de obras e serviços Elemento de Referência Indicador Padrão Exigido Código A partir do final 6º mês do contrato, não são admitidos pontos de acumulação ou travessia de água na pista. PD 11 Drenagem Existência/Funcionamento da drenagem A partir do final 6º mês do contrato, os dispositivos de drenagem preexistentes devem estar limpos, caiados e em adequadas condições de funcionamento. A partir da restauração devem estar implantados, limpos, caiados e em adequadas condições de funcionamento, todos os dispositivos de drenagem. PD 12 PD 13

24 QUADRO 2.2 Padrões de Desempenho para Serviços de Manutenção e Conservação Exigíveis na fase de execução de obras e serviços Elemento de Referência Sinalização Indicador Padrão Exigido Código Existência/Func ionamento da Sinaliz ação Vertical Existência/Func ionamento da Sinalização Horizontal A partir do final 6º mês do contrato, devem es tar implantados e em adequadas condições de funcionamento toda a sinalização vertical. A partir do final da restauração (36º mês do contrato), devem es tar implantados e em adequadas condições de funcionamento, toda a sinalização horizontal. PD 14 PD 15

25 QUADRO 2.2 Padrões de Desempenho para Serviços de Manutenção e Conservação Exigíveis na fase de execução de obras e serviços Elemento de Referência Indicador Padrão Exigido Código Dispositivos e Obras Complementares Existência/Func ionamento de Defensas, Barreiras e Guarda-Corpos Existência/Func ionamento de Cerc as A partir do final 6º mês do contrato, devem es tar implantados, limpos, caiados e em adequadas condições de funcionamento todos os guarda-corpos, defensas e barreiras. A partir do final 12º mês do contrato, deverão estar implantados e em adequadas condições de funcionamento todas as cercas previstas. PD 16 PD 17

26 QUADRO 2.2 Padrões de Desempenho para Serviços de Manutenção e Conservação Exigíveis na fase de execução de obras e serviços Elemento de Referência Faixa de Domínio Indicador Padrão Exigido Código Limpeza Localização e altura da vegetação Ocorrência de Passivos ambientais críticos A partir do final 3º mês do contrato, a faixa de domínio deve ser mantida limpa. A partir do final 3º mês do contrato, a altura da vegetação na faixa de 4 m de largura, ao longo dos acostamentos: h<= 30cm. A partir do final 6º mês do contrato, a faixa de domínio deve estar livre de ocorrências críticas de passivos ambientais. PD 18 PD 19 PD 20

27 Elemento de Referência Pista de Rolamento Acostamentos Drenagem Superficial Drenagem Profunda Sinalização Dispositivoe e Obras Complementares Faixa de Domínio Critérios de Medição para os serviços de Manutenção e Conservação Aceitação Indicador Peso Padrão Exigido Buracos 20% PD 04 Afundamentos e Recalques 7% PD 05 Trincamento da capa de rolamento 5% PD 06 Trilhas de Roda PD 07 / 5% PD08 Obstáculos ou materiais perigosos 3% PD 09 Buracos e Deformações graves 5% PD 10 Existência e Funcionamento da drenagem 7% PD 11 10% PD 12 Fator de Pagamento Extensão % da Fator Conforme Ext. Existência e Funcionamento da drenagem 3% PD 13 Existência e funcionamento da Sinalização Vertical 10% PD 14 Existência e funcionamento da Sinalização Horizontal 3% PD 15 Existência e funcionamento de Defensas, Barreiras e Guarda-Corpo 3% PD 16 Existência e funcionamento de Cercas 3% PD 17 Limpeza 3% PD 18 Localização e altura da vegetação 10% PD 19 Ocorrência de passivos ambientais críticos 3% PD 20 Fator de Pagamento (% do item manutenção) Mini - Cursos Obs.: A unidade para avaliação dos diferentes indicadores de qualidade será em km, relacionado à existência do elemento de referencia. Por exemplo, se existir cerca em apenas 1,0 km do lote, este km corresponderá a 100% da extensão. A medição da parcela de manutenção correspondente ao elemento de referência não poderá ser efetuada se o correspondente cronograma de obras estiver em atraso, sem a existência de justificativa aceita pelo DNIT.

28 QUADRO 2.3 Elemento de Referência Pista de Rolamento Acostamentos Critérios de Medição para os serviços de Manutenção e Conservação Aceitação Indicador Peso Padrão Exigido Buracos 20% PD 04 Afundamentos e Recalques 7% PD 05 Trincamento da capa de rolamento 5% PD 06 Trilhas de Roda PD 07 / 5% PD08 Obstáculos ou materiais perigosos 3% PD 09 Buracos e Deformações graves 5% PD 10 Fator de Pagamento Extensão % da Fator Conforme Ext.

29 QUADRO 2.3 Elemento de Referência Sinalização Dispositivoe e Obras Complementares Faixa de Domínio Critérios de Medição para os serviços de Manutenção e Conservação Aceitação Fator de Pagamento Indicador Peso Padrão Exigido Existência e funcionamento da Sinalização Vertical 10% PD 14 Existência e funcionamento da Sinalização Horizontal 3% PD 15 Existência e funcionamento de Defensas, Barreiras e Guarda-Corpo 3% PD 16 Existência e funcionamento de Cercas 3% PD 17 Limpeza 3% PD 18 Localização e altura da vegetação 10% PD 19 Ocorrência de passivos ambientais críticos 3% PD 20 Extensão Conforme % da Ext. Fator

30 Grupo 02 - Obras de Restauração Discriminação un Descrição Especificação Prazos Aceitação Critérios de Medição Critérios de Pagamento Restauração de Pista, incluindo sinalização provisória. Restauração de Terceiras Faixas Restauração de Acostamentos Km de faixa Recuperação estrutural ou funcional, ou rejuvenescimento das faixas de tráfego, incluindo sinalização provisória. Restauração ou implantação de terceiras faixas, limitadas à plataforma existente. Recuperação estrutural ou funcional, ou implantação de acostamentos. Manual de Restauração de Pavimentos Asfálticos Especificações Gerais para obras rodoviárias em vigor. As atividades de restauração deverão ser concluídas até o final do 36º mês da data de início do contrato. O processo de aceitação das Obras de Restauração terá periodicidade mensal, e a aceitação será feita por Obra e Serviço concluído, submetido pela Contratada à verificação da fiscalização. A sinalização provisória de pista será aceita em conjunto com as obras de pavimento, a título de Restauração de Pista. A aceitação de cada Obra será feita contra a verificação e aprovação, pela fiscalização do Contratante, do atendimento ao PROJETO DE RESTAURAÇÃO, às especificações de obras do DNIT, do atendimento aos Padrões de Desempenho (IRI e Deflexão), na totalidade do trecho restaurado e à entrega e aprovação dos Relatórios Mensais de Atividades. Os Padrões de Desempenho para a Aceitação das Obras de Restauração são apresentados no Quadro 2.1 Medição Mensal por quantidade de obra prevista, concluida e aceita, com base em km de faixa. Pagamemnto Mensal por quantidade medida, com base no preço por unidade estabelecido no Cronograma de Atividades. Os preços por unidade de Restauração de Pista incluem a execução da sinalização provisória.

31 CATALOGO DE SOLUÇÕES TECNICAS - DNIT (Soluções de reforço calculadas pelo PRO-11/79-10 anos) Rodovias com revestimento em concreto asfáltico - CBUQ IRI N IRI <= 3 3 < IRI <= 4 ( USACE) VMD IGG <= 20 IGG > 20 IGG <= 20 IGG > 20 IGG <= 60 IGG > 60 IGG <= 60 IGG > 60 Defl<Dadm Defl>Dadm Defl<Dadm Defl>Dadm VMD < < 6,9 E+06 LG F5(5%) + LG Hx F5(5%) + Hx F5(10%) + Micro(1,5) F5(20%) + Micro(1,5) F5(10%) + Hx F5(20%) + Hx Acostamentos TSD Reest. de base + TSD Reest. De Base + TSD(10%) TSD(90%) Reest. de base + TSD FR5 = fresagem de 5 cm F5 = fresagem + reposição de 5 cm REP = reperfilagem com massa fina de CBUQ e=2cm LG = lama asfáltica grossa Micro = micro revestimento asfáltico em duas camadas (1,5cm) TSDpol = tratamento superficial duplo c/polímero RECe = reconstrução através de reciclagem de base + revestimento com espessura de(valor indicado) Reest.de Base = reestabilização de base com adição de 10cm de material TSD = tratamento superficial duplo Hx = camada de CBUQ com espessura x, onde x = 40 log DP/Dadm

32 CATALOGO DE SOLUÇÕES TECNICAS - DNIT (Soluções de reforço calculadas pelo PRO-11/79-10 anos) Rodovias com revestimento em concreto asfáltico - CBUQ IRI N IRI <= 3 3 < IRI <= 4 ( USACE) VMD IGG <= 20 IGG > 20 IGG <= 20 IGG > 20 IGG <= 60 IGG > 60 IGG <= 60 IGG > 60 Defl<Dadm Defl>Dadm Defl<Dadm Defl>Dadm VMD >= < 3,57 E+07 LG F5(5%) + LG Hx F5(5%) + Hx F5(10%) + H3 F5(20%) + H3 F5(10%) + Hx F5(20%) + Hx Acostamentos TSD Reest. de base + TSD Reest. De Base + TSD(10%) TSD(90%) Reest. de base + TSD FR5 = fresagem de 5 cm F5 = fresagem + reposição de 5 cm REP = reperfilagem com massa fina de CBUQ e=2cm LG = lama asfáltica grossa Micro = micro revestimento asfáltico em duas camadas (1,5cm) TSDpol = tratamento superficial duplo c/polímero RECe = reconstrução através de reciclagem de base + revestimento com espessura de(valor indicado) Reest.de Base = reestabilização de base com adição de 10cm de material TSD = tratamento superficial duplo Hx = camada de CBUQ com espessura x, onde x = 40 log DP/Dadm

33 QUADRO 2.1 Padrões de Desempenho para a Aceitação das Obras de Restauração Elemento de Referência Pista de Rolamento Indicador Padrão Exigido Código Irregularidade Longitudinal Deflexão Recuperavel Para trechos pavimentados com CBUQ: - IRI <= 2,5 m/km em 95% das medidas obtidas e, - IRI <=3,0 m/km em 100% das medidas obtidas Para trechos pavimentados com TSD: - IRI <= 3,0 m/km em 95% das medidas obtidas e, - IRI <=3,5 m/km em 100% das medidas obtidas Mini - Cursos PD 01 PD 02 D c <= 1,1 D adm PD 03 Obs.: Caso os parâmetros apresentem alterações significativas ao longo do período do contrato, comprovadamente ocasionados por razões de ordem construtivas, estes deverão ser objeto de correção pela Contratada.

34 - Ações e Prazos máximos para correção de não conformidades nos serviços de manutenção de pavimentos: No CARACTERIZAÇÃO AÇÃO PRAZO Máximo AP1 Correção de panela ou buraco na faixa de rolamento Reparo imediato 24 horas AP2 Correção de depressão em encontro de obra de arte correção de depressão Reparo imediato 24 horas AP3 Correção de depressão ou recalque Reparo programável para execução em até Uma semana AP4 Substituição de pano comprometido Reparo programável para execução em até Um mês AP5 Correção de exsudação Reparo programável para execução em até Um mês AP6 Correção de trincas severas, conforme definido nos Padrões de Desempenho da obra, após a execução das obras de restauração de pavimentos ou, a qualquer tempo para os trechos sem previsão de restauração Execução programável em até Um mês Manutenção de pavimentos - 19 ações e prazos Manutenção de Fx.Dominio - 12 ações e prazos

35 TIPOS DE GESTÃO PRIVADA: Contratos de Concessão Parceria Público-Privada - PPPs (Contratos Administrativos de Concessão - Patrocinada ou Administrativa)

36 COMPARATIVO - FORMAS DE CONTRATAÇÃO FORMA DE CONTRATAÇÃO Tradicional Lei nº 8.666/93 - Lei de Licitações e Contratos Concessão Comum Lei nº 8.987/95 - Lei de Concessões PPP Lei nº /04 - Lei das Parcerias Publico- Privadas Valor Não Estabelecido Não Estabelecido Mínimo de R$ 20Mi Prazo 5 anos Não Estabelecido Entre 5 e 35 anos Permite financiamento para a execução de Obras? Não Sim Sim Permite a participação do autor do projeto na licitação? Não Sim Sim Exige critérios de avaliação do desempenho no contrato? Não Não Sim Exige comprovação da economicidade do projeto? Não Não Sim Permite a complementação das Receita? Não Não Sim Permite a partilha de riscos do projeto? Não Não Sim

37 CONCESSÃO COMUM - envolve projeto autosustentável, ou seja, as receitas advindas da exploração dos serviços objeto da concessão são suficientes para cobrir todos os gastos com a operação e manutenção, pagar os financiamentos tomados para o desenvolvimento da infraestrutura necessária e expansões desta ao longo de todo o prazo da concessão e ainda prover remuneração adequada ao capital próprio dos empreendedores. PPP, os projetos em geral desenvolvidos por PMI (Procedimento de Manifestação de Interesse) não são per si, auto-sustentáveis, sendo assim necessária contraprestação pecuniária do parceiro público ao parceiro privado, além das receitas de exploração dos serviços, caso existam, para torná-los sustentáveis.

38 OBJETIVOS DA PPPs 1- O objetivo precípuo das PPPs é o de viabilizar a implementação de projetos que, em função do alto risco envolvido, não seriam implementados pelo setor privado isoladamente e, face o volume de recursos necessários, tampouco o setor público teria o fôlego necessário para enfrentá-lo sozinho, pois o governo os compartilha com outras prioridades governamentais. 2- Viabilizar o aumento de infraestrutura ou garantir o seu funcionamento para atender às necessidades do desenvolvimento sócio-econômico.

39 TIPOS DE PPPs: a) A Concessão Patrocinada é a concessão de serviços públicos ou de obras públicas de que trata a Lei de Concessões nº 8.987, de 13 de fevereiro de 1995, quando envolver, adicionalmente à tarifa cobrada dos usuários contraprestação pecuniária do parceiro público ao parceiro privado, e; b) A Concessão Administrativa é o contrato de prestação de serviços de que a Administração Pública seja a usuária direta ou indireta, ainda que envolva execução de obra ou fornecimento e instalação de bens.

40 REQUISITOS LEGAIS MÍNIMOS DAS PPPs PRAZO DO CONTRATO LIMITE FISCAL VALOR DO CONTRATO Limite do contrato não menos que 5 anos e não mais do que 35 anos. Limite de 5% da Receita Corrente Líquida para despesas com Contraprestação. (Lei de 27/12/2012 Art.28). Valor contratual mínimo de R$ 20 milhões.

41 Como se originam as PPP s

42 PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE - PMI - Estudo de Viabilidade Técnico, Ambiental, Econômico-Financeira e Jurídico

43 PPPs COMPROVAÇÃO DE ECONOMICIDADE DO PROJETO

44 RENTABILIDADE DE PROJETOS EM PPPs 1- Viabilidade Financeira: Um projeto tem viabilidade financeira quando, estimados todos os seus custos e receitas, o resultado é um lucro que seja suficiente para atrair uma empresa privada para operar o negócio. 2- Viabilidade Econômica: A viabilidade econômica leva em conta, além das receitas e custos financeiros, os benefícios sociais decorrentes do projeto. Por exemplo, uma nova rodovia pode gerar como benefícios sociais a economia de tempo de deslocamento dos usuários, o aumento da produtividade das empresas, que podem entregar seus produtos com mais rapidez, etc; por outro lado, essa mesma rodovia pode gerar custos sociais, como o aumento da poluição em cidades que fiquem à beira da rodovia ou um custo de pedágio que seja incompatível com o nível de renda da população local.

45 Projetos com Viabilidade Financeira e Econômica Concessão Comum Projetos sem Viabilidade Financeira porém com Viabilidade Econômica Concessão Patrocinada -PPPs

46 ESTUDOS de VIABILIDADE de INVESTIMENTOS RODOVIÁRIOS CAPEX - ( Capital Expenditure ) - Recuperação Funcional - Obras de Melhoria e Ampliação - Edificações Operacionais - Projetos - Manutenção Programada - Equipamentos e Sistemas OPEX - ( Operational Expenditure ) - Custos Administrativos - Custos Operacionais - Conservação de Rodovias - Monitoração da Rodovia Mini - Cursos

47 ESTUDOS de VIABILIDADE de INVESTIMENTOS RODOVIÁRIOS VALUE FOR MONEY - MÉRITO DO PROJETO Análise do Mérito do Projeto: Comprovação de redução dos custos. Melhoria da qualidade dos serviços. Comprovação da conveniência do fornecimento do serviço mediante PPP.

48 PPPs CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

49 QID O Quadro de Indicadores de Desempenho é um conjunto de parâmetros mensuráveis que servem como ferramenta de produção de incentivos para o Parceiro Privado.

50

51

52 Exemplo de QID Mini - Cursos

53 Processo de Monitoramento e Avaliação Execução: A empresa executará os serviços pela qual foi contratada, se precedida de obra o Estado aguardará a disponibilização dos serviços; Mensuração: Durante a operação, um avaliador independente mensalmente colherá os indicadores de qualidade e eficiência dos serviços, previstos em contrato; Avaliação: Os indicadores de qualidade e eficiência são entregues ao Estado, o qual avalia em conjunto com a CPPP sua performance; Pagamento: O Estado pagará proporcionalmente em função da qualidade dos serviços prestados, motivando o Parceiro a buscar sempre a plena qualidade e eficiência do serviço.

54 SISTEMÁTICA DOS INDICADORES DE DESEMPENHO PODER CONCEDENTE RECEITA OPERACIONAL AMBIENTAL FINANCEIRO SOCIAL 80% 10% 5% 5% Nota do QID Nota do QID % da Contraprestação (CP) Tarifa do Pedágio (CP-%CP Retida)+Tarifa do Pedágio CONCESSIONÁRIA

55 PPPs PARTILHA DE RISCOS DO PROJETO

56 RISCOS EM UMA CONCESSÃO RODOVIÁRIA 1- Risco de Construção: Obra mais cara do que o Projetado. 2- Risco de Demenda: O volume de tráfego pode ser menor ou maior do que o esperado. 3- Risco Político: Um novo governante pode colocar em risco o cumprimento do contrato. 4- Etc.(Ambientais, Operacionais, Jurídicos, Econ....)

57 Matriz de Riscos

58 RISCO DA DEMANDA - BANDA DE TRÁFEGO Mini - Cursos 120% 80% 30% 70% - Estado (Redução de tarifa, contraprestação e/ou aumento de investimentos) 30% - Concessionária 100% - Concessionária 50% - Estado 50% - Concessionária Margem de erro aceitável nos estudos de tráfego tradicionais 100% - Estado

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA RESTAURAÇÃO/RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA NAS RODOVIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre 06 de novembro de 2012

Leia mais

Estudo de Viabilidade de PPP Sistema Rodoviário BR-116/BR-324/BA. Volúmen IV - Avaliação Econômica. Março 2006. (Consultant logo here)

Estudo de Viabilidade de PPP Sistema Rodoviário BR-116/BR-324/BA. Volúmen IV - Avaliação Econômica. Março 2006. (Consultant logo here) Estudo de Viabilidade de PPP Sistema Rodoviário BR-116/BR-324/BA Volúmen IV - Avaliação Econômica Março 2006 (Consultant logo here) TOMO 02 RESTAURAÇÃO E MANUTENÇÃO Índice Página Glossário 02 Seção 01

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM - DNER - INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DG/DNER Nº de de de 2000

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM - DNER - INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DG/DNER Nº de de de 2000 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM - DNER - INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DG/DNER Nº de de de 2000 O DIRETOR GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM de acordo

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES CREMA 1ª ETAPA

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES CREMA 1ª ETAPA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES CREMA 1ª ETAPA SUPERINTENDÊCIA REGIONAL DO DNIT NO ESTADO DO MATO GROSSO Lote 20. Rodovia:

Leia mais

CREMA 1ª ETAPA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SUPERINTENDÊCIA REGIONAL DO DNIT NO ESTADO DO MATO GROSSO

CREMA 1ª ETAPA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SUPERINTENDÊCIA REGIONAL DO DNIT NO ESTADO DO MATO GROSSO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES CREMA 1ª ETAPA SUPERINTENDÊCIA REGIONAL DO DNIT NO ESTADO DO MATO GROSSO Lote 2. Rodovia:

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTE CREMA 1ª ETAPA

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTE CREMA 1ª ETAPA , REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTE CREMA 1ª ETAPA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DNIT NO ESTADO DE MATO GROSSO Rodovia: BR364/MT

Leia mais

PROGRAMA PARANÁ PARCERIAS. Coordenação de Parcerias Público- Privadas (CPPP)

PROGRAMA PARANÁ PARCERIAS. Coordenação de Parcerias Público- Privadas (CPPP) PROGRAMA PARANÁ PARCERIAS Coordenação de Parcerias Público- Privadas (CPPP) 1 Origem do Programa Paraná Parcerias Atender os Objetivos de Governo do Novo Jeito de Governar: Por princípio: Aumentando a

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE

PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Setembro de 2012 ANEXO II QUADRO DE INDICADORES DE DESEMPENHO

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ESTUDOS E PROJETOS CREMA

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ESTUDOS E PROJETOS CREMA DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE GESTÃO E PROJETOS INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ESTUDOS E PROJETOS CREMA DIRETORIA DE GESTÃO E PROJETOS NOVEMBRO/2013 1/63 GOVERNADOR DO ESTADO TARSO

Leia mais

DEFEITOS, AVALIAÇÃO E RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS ASFÁLTICOS

DEFEITOS, AVALIAÇÃO E RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS ASFÁLTICOS DEFEITOS, AVALIAÇÃO E RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS ASFÁLTICOS DEFEITOS DE SUPERFÍCIE DE PAVIMENTOS ASFÁLTICOS Defeitos de superfície Os defeitos de superfície são os danos ou deteriorações na superfície dos

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

Projeto de Restauração de Pavimentos Rodoviários Técnicas de Diagnóstico e Tratamento de Patologias de Pavimentos

Projeto de Restauração de Pavimentos Rodoviários Técnicas de Diagnóstico e Tratamento de Patologias de Pavimentos WORKSHOP RODOVIÁRIO - AGETOP Goiânia, 12 de março de 2013 Projeto de Restauração de Pavimentos Rodoviários Técnicas de Diagnóstico e Tratamento de Patologias de Pavimentos PARTE 1 Eng. Consultor Marcílio

Leia mais

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública.

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública. Pág.1 de 11 1. O QUE SÃ O PPPs? São modalidades especiais de concessão por meio da qual a Administração Pública delega a um particular a prestação de um serviço público, com ou sem construção de obra,

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES PROGRAMA DE EXPLORAÇÃO DA RODOVIA PER RODOVIA BR-116/ - PRESIDENTE DUTRA TRECHO: RIO DE JANEIRO SÃO

Leia mais

3ª ETAPA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS - FASE 1

3ª ETAPA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS - FASE 1 BNDES 3ª ETAPA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS - FASE 1 Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais GO BA DISTRITO FEDERAL MINAS GERAIS GOIÁS BR 116 BR 040 BR 381 ES PROJETO TRECHO NORTE BR-381 SP RJ Produto 3B

Leia mais

FRANCINETT VIDIGAL JUNIOR Diretor Presidente VAE VALOR & ATITUDE EMPRESARIAL. Uma Abordagem Prática

FRANCINETT VIDIGAL JUNIOR Diretor Presidente VAE VALOR & ATITUDE EMPRESARIAL. Uma Abordagem Prática FRANCINETT VIDIGAL JUNIOR Diretor Presidente VAE VALOR & ATITUDE EMPRESARIAL Como Uma Empresa se Organiza Para Desenvolver CONCESSÕES e PPPs Uma Abordagem Prática SUMÁRIO I. CONSIDERAÇÕES BÁSICAS SOBRE

Leia mais

Eng. Rogério Wallbach Tizzot E-mail: tizrw@uol.com.br

Eng. Rogério Wallbach Tizzot E-mail: tizrw@uol.com.br ATIVIDADES PARA UM PROJETO PILOTO DE CONTRATO DE GESTÃO DA CONSERVAÇÃO EM UMA REDE PRELIMINARMENTE SELECIONADA Eng. Rogério Wallbach Tizzot E-mail: tizrw@uol.com.br Atividade 1 : Avaliação do Estado Geral

Leia mais

33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC

33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC 33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC APLICAÇÃO DE RECICLAGEM A FRIO COM ESPUMA DE ASFALTO NA RESTAURAÇÃO DA BR-29 NO TRECHO ENTRE ELDORADO DO SUL E PORTO ALEGRE Marcelo Archanjo Dama 1 Fernando

Leia mais

AGO-13 CBR&C. Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte

AGO-13 CBR&C. Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte AGO-13 CBR&C Tarifa de Pedágio X Economia no Transporte 00. Introdução O pedágio em rodovias brasileiras 1960-70 Devido a problemas no financiamento de infraestrutura rodoviária, o Estado passou a avaliar

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL. CONCESSIONÁRIA: Concessionária de Rodovias Galvão BR-153

RELATÓRIO MENSAL. CONCESSIONÁRIA: Concessionária de Rodovias Galvão BR-153 RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: Concessionária de Rodovias Galvão BR-153 RODOVIA: BR-153 TO/GO TRECHO: Entre o entroncamento da BR-060 em Anápolis, no estado de Goiás, e o entroncamento com a TO-070 (Oeste)

Leia mais

ANÁLISE EXPEDITA da Situação Física das Obras na Rodovia BR-470/SC. (Duplicação e CREMA- 2ª Etapa)

ANÁLISE EXPEDITA da Situação Física das Obras na Rodovia BR-470/SC. (Duplicação e CREMA- 2ª Etapa) ANÁLISE EXPEDITA da Situação Física das Obras na Rodovia BR-470/SC (Duplicação e CREMA- 2ª Etapa) Setembro de 2015 Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina - FIESC Glauco José Côrte Presidente

Leia mais

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 Fevereiro/2014 1 1. Introdução O Movimento Pró-Logística, que reúne as entidades Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (APROSOJA), Associação

Leia mais

CBCR 2005 BRASVIAS EXPO

CBCR 2005 BRASVIAS EXPO RECICLAGEM DE PAVIMENTOS ASFÁLTICOS A FRIO IN SITU RIO DE JANEIRO RJ SETEMBRO DE 2005 Reciclagem a Frio in situ do Revestimento Asfáltico RIO DE JANEIRO RJ SETEMBRO DE 2005 Concessionária INTERVIAS Poder

Leia mais

Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR470 Santa Catarina

Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR470 Santa Catarina Estudo para Estruturação da Concessão da 3a. Etapa de Concessões de Rodovias Federais Fase II Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR470 Santa Catarina 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DOS SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS DE PROJETOS DE ENGENHARIA DO PROGRAMA CREMA-RS.

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DOS SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS DE PROJETOS DE ENGENHARIA DO PROGRAMA CREMA-RS. TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DOS SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS DE PROJETOS DE ENGENHARIA DO PROGRAMA CREMA-RS. O presente Termo de Referência tem como finalidade orientar as empresas consultoras

Leia mais

Estudo Preliminar de Viabilidade Econômico Financeira da PPP UAI da Praça Sete 1. Introdução

Estudo Preliminar de Viabilidade Econômico Financeira da PPP UAI da Praça Sete 1. Introdução Estudo Preliminar de Viabilidade Econômico Financeira da PPP UAI da Praça Sete 1. Introdução O presente estudo tem como objetivo apresentar as principais premissas e fontes de informação que subsidiaram

Leia mais

PROJETO BR-116 BR-381 BR 116 BR 381 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais.

PROJETO BR-116 BR-381 BR 116 BR 381 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais. BNDES PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais GO BA DISTRITO FEDERAL MINAS GERAIS GOIÁS BR 116 BR 040 PROJETO BR-116 BR-381 BR 381 ES SP RJ Produto 3A ESTUDOS

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG DNIT - SREMG João Monlevade - 28/06/2012 ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG RODOVIA: BR-381MG TRECHO: DIVISA ES/MG - DIV. MG/SP

Leia mais

Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com

Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com ASFALTO ADICIONADO COM GRANULADO DE BORRACHA IN SITU. Procuramos uma rodovia estadual

Leia mais

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008 SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS Outubro/2008 O QUE É O SAU? SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS PROJETO PILOTO ABRANGENDO 421,2 KM DE TRECHOS DAS RODOVIAS FEDERAIS BR-040, BR- 060 E BR-153, NO DISTRITO

Leia mais

Infraestrutura, Segurança e PPPs

Infraestrutura, Segurança e PPPs www.pwc.com Infraestrutura, Segurança e PPPs Dezembro, 2011 Agenda - Características de uma PPP - Alguns Projetos de PPP no Brasil - Exemplos de PPP em Infraestrutura e Segurança 2 Características de uma

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

CONCESSÃO DE RODOVIA. Regulação da Concessão de Rodovias Federais

CONCESSÃO DE RODOVIA. Regulação da Concessão de Rodovias Federais Regulação da Concessão de Rodovias Federais 1ª ETAPA 2ª ETAPA FASE I 2ª ETAPA FASE II 3ª ETAPA FASE I 3ª ETAPA FASE II Década de 60 e 70 -Rodovia Presidente Dutra; Histórico -Freeway entre Porto Alegre

Leia mais

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR)

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) Ministério dos Transportes (MT) Para cobrir os 55 mil km de rodovias federais eram precisos 18 meses

Leia mais

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS Os Serviços Técnicos de Supervisão de Obras de Pavimentação e/ou Restauração são aqueles executados por empresa de consultoria

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 1 1 RECUPERAÇÃO GERAL DA RODOVIA... 10

APRESENTAÇÃO... 1 1 RECUPERAÇÃO GERAL DA RODOVIA... 10 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES PROGRAMA DE EXPLORAÇÃO DA RODOVIA PER RODOVIA BR-101/RJ TRECHO: Div. RJ/ES Ponte Presidente Costa e

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL 2 Publicação IPR - 727/2006 Diretrizes Básicas

Leia mais

DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes

DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes Diretoria de Planejamento e Pesquisa Coordenação Geral de Planejamento e Programação de Investimentos Telefone: (61)

Leia mais

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA Autores: Eng Sérgio Piccinelli Eng Carlos Henrique Machado Edição: José Carlos Lada Outubro / 2014 Formas de Contratação pela Administração 1) Contratação Direta (Formas de

Leia mais

ABDER - OT 002/07 PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA PARA CONSERVAÇÃO PERIÓDICA DE PAVIMENTO. Aprovado pela Diretoria da ABDER em / / Deliberação n.

ABDER - OT 002/07 PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA PARA CONSERVAÇÃO PERIÓDICA DE PAVIMENTO. Aprovado pela Diretoria da ABDER em / / Deliberação n. ABDER - OT 002/07 PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA PARA CONSERVAÇÃO PERIÓDICA DE PAVIMENTO Associação Brasileira dos Departamentos Estaduais de Estradas de Rodagem ABDER SCS Quadra 1 Bloco I N. 30 Edifício

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Sul Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral sul de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

SIM da RMBS. AUDIÊNCIA PÚBLICA DA PPP DO SIM DA RMBS 23/Outubro/2013

SIM da RMBS. AUDIÊNCIA PÚBLICA DA PPP DO SIM DA RMBS 23/Outubro/2013 SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano Voltado à prestação do serviço de transporte público coletivo na Região Metropolitana da Baixada Santista RMBS AUDIÊNCIA PÚBLICA DA PPP DO SIM DA RMBS 23/Outubro/2013

Leia mais

Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e possibilidades

Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e possibilidades Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e Marcus Vinicius Macedo Pessanha Sócio Coordenador de Direito Regulatório Escritório Nelson Wilians e Advogados

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG NORMA INTERNA: UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E

Leia mais

DESMISTIFICANDO AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS

DESMISTIFICANDO AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS DESMISTIFICANDO AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS UMA IMPORTANTE ALTERNATIVA PARA O AVANÇO DA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA Daniel R. Figueiredo Especialista em Estruturação de Projetos de PPP e Concessões 26/08/2015

Leia mais

DER/PR ES-P 31/05 PAVIMENTAÇÃO: FRESAGEM À FRIO

DER/PR ES-P 31/05 PAVIMENTAÇÃO: FRESAGEM À FRIO PAVIMENTAÇÃO: FRESAGEM À FRIO Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/transportes

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015 PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) OU TAXA

Leia mais

Metodologia de Análise Financeira Análise de Viabilidade Econômica das PPPs

Metodologia de Análise Financeira Análise de Viabilidade Econômica das PPPs Metodologia de Análise Financeira Análise de Viabilidade Econômica das PPPs Seminário Espaço Fiscal e Projetos de Investimento nos Estados do Brasil: O Papel das Parcerias Público-Privadas Junho/2013 Análise

Leia mais

AUDITORIA EM OBRAS RODOVIÁRIAS NO ESTADO DE MINAS GERAIS O CASO PRO-ACESSO

AUDITORIA EM OBRAS RODOVIÁRIAS NO ESTADO DE MINAS GERAIS O CASO PRO-ACESSO AUDITORIA EM OBRAS RODOVIÁRIAS NO ESTADO DE MINAS GERAIS O CASO PRO-ACESSO José Márcio Rocha de Oliveira Mônica Wild Grossi Bastos Anderson Batista Pereira II Congresso Consad de Gestão Pública Painel

Leia mais

O SISTEMA INTEGRADO DE CONCESSÕES

O SISTEMA INTEGRADO DE CONCESSÕES III Congresso Consad de Gestão Pública O SISTEMA INTEGRADO DE CONCESSÕES COMO FERRAMENTA DA GESTÃO E REGULAÇÃO DE CONTRATOS Bárbara Faria Mendes Painel 44/173 Soluções de longo prazo em parceria com a

Leia mais

PROJETO DE PARCERIA PÚBLICO- PRIVADA

PROJETO DE PARCERIA PÚBLICO- PRIVADA PROJETO DE PARCERIA PÚBLICO- PRIVADA Duplicação, Ampliação, Operação e Manutenção da Rodovia MG-050 RECIFE/PE Setembro/2005 Engº Fernando Antônio Costa Jannotti 0 Malha Rodoviária Conservada DER/MG Pavimentada

Leia mais

Glossário e Abreviações

Glossário e Abreviações Preparado pelo Município do Rio de Janeiro Rio de Janeiro Glossary Palavra Avaliação Cenário Base Licitante Modelo financeiro do licitante Projeto brownfield CAPEX Fluxo de Caixa Cash Sweep Mudança na

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral norte de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

DNIT. Obras complementares Segurança no tráfego rodoviário - Projeto de barreiras de concreto Procedimento /2009 NORMA DNIT - PRO

DNIT. Obras complementares Segurança no tráfego rodoviário - Projeto de barreiras de concreto Procedimento /2009 NORMA DNIT - PRO DNIT /2009 NORMA DNIT - PRO Obras complementares Segurança no tráfego rodoviário - Projeto de barreiras de concreto Procedimento MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ROTINA

CONSERVAÇÃO DE ROTINA CONSERVAÇÃO DE ROTINA PARTE 3 Engº Pery C. G. de Castro Revisado em setembro/2009 1 CONSERVAÇÃO DE ROTINA Visa corrigir os defeitos que surgem no pavimento. Em alguns tipos de defeitos é possível dar duas

Leia mais

PPP Parcerias Público-Privadas. Gustavo Eugenio Maciel Rocha Leonardo Grilo

PPP Parcerias Público-Privadas. Gustavo Eugenio Maciel Rocha Leonardo Grilo PPP Parcerias Público-Privadas Gustavo Eugenio Maciel Rocha Leonardo Grilo Curso Parcerias Público-Privadas Governo Espírito Santo 26/11/2010 SUMÁRIO O que são PPPs e como surgiram PPPs no Brasil (legislação

Leia mais

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça.

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. fls. 1/5 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR101 - Espírito Santo

Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR101 - Espírito Santo Estudo para Estruturação da Concessão da 3a. Etapa de Concessões de Rodovias Federais Fase II Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR101 - Espírito Santo 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-REFLEXÃO DE TRINCAS NA RESTAURAÇÃO DA RODOVIA BR-392 PELOTAS RS

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-REFLEXÃO DE TRINCAS NA RESTAURAÇÃO DA RODOVIA BR-392 PELOTAS RS UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-REFLEXÃO DE TRINCAS NA RESTAURAÇÃO DA RODOVIA BR-392 PELOTAS RS Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Drenamac Consultoria e Rep. Ltda.

Leia mais

REVISÃO DATA RESP. TÉCNICO VERIFICAÇÃO LIBERAÇÃO APROVAÇÃO

REVISÃO DATA RESP. TÉCNICO VERIFICAÇÃO LIBERAÇÃO APROVAÇÃO DOCUMENTO TÉCNICO bril/2013 1 de 21 TRECHO E/DE PVIMENTÇÃO EMPREENDIMENTO SERVIÇOS DE CONSERVÇÃO ESPECIL SUB-TRECHO CONTRTO TÍTULO DIRETRIZES E PROCEDIMENTOS PR SERVIÇOS DE CONSERVÇÃO ESPECIL INCLUINDO

Leia mais

SERVIÇO DE ATENDIMENTO À USUÁRIOS

SERVIÇO DE ATENDIMENTO À USUÁRIOS À SERVIÇO DE ATENDIMENTO À USUÁRIOS O QUE É O SAU? CONTRATO TT 107/07 00. PROJETO PILOTO ABRANGENDO 421,2 KM DE TRECHOS DAS RODOVIAS FEDERAIS NO DISTRITO FEDERAL E NO ESTADO DE GOIÁS BR 040 BR 060 BR 153

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Glauber Carvalho Costa Estradas 1

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Glauber Carvalho Costa Estradas 1 1 a QUESTÃO Supondo que você é o engenheiro responsável pela elaboração do projeto geométrico do Arco Metropolitano do Recife, projeto que irá conectar o pólo de desenvolvimento industrial do litoral norte

Leia mais

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES Objetivo: introdução à gestão de contratos e medições, visão geral do SMO e suas principais funcionalidades. não há. TRILHA I (Básico) TRILHA II (Intermediário) TRILHA III (Avançado) Objetivo: adquirir

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL ÀS PRIVADAS

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL ÀS PRIVADAS LEGISLAÇÃO APLICÁVEL ÀS PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS Segundo a Lei Federal 11.079/04, a Parceria Público-Privada é um contrato administrativo de concessão, na modalidade patrocinada ou administrativa: Patrocinada

Leia mais

Revestimentos Asfálticos SMA. 6 o Encontro Técnico DER - PR osvaldo.tuchumantel@betunel.com.br Maio de 2008

Revestimentos Asfálticos SMA. 6 o Encontro Técnico DER - PR osvaldo.tuchumantel@betunel.com.br Maio de 2008 Revestimentos Asfálticos SMA 6 o Encontro Técnico DER - PR osvaldo.tuchumantel@betunel.com.br Maio de 2008 Benefício do Investimento em Pavimentação: Manter baixa irregularidade dos pavimentos investimentos

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Matriz de Transporte Brasil Estado de São Paulo Modal Participação Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

1ª ERRATA. Regime Diferenciado de Contratações Públicas RDC Presencial nº 0377/2013-09

1ª ERRATA. Regime Diferenciado de Contratações Públicas RDC Presencial nº 0377/2013-09 Processo nº. 50609.000592/201311 1ª ERRATA Regime Diferenciado de Contratações Públicas RDC Presencial nº 0377/201309 O Departamento Nacional de Infraestrutura DNIT, autarquia Federal vinculada ao Ministério

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Secretaria de Logística e Transportes Estrutura da Secretaria de Logística e Transportes Pátio 2 Obra Secretaria de Logística e Transportes Porto de São Sebastião Realizações 2011/2012 Descrição Nivelamento

Leia mais

RESUMO DE ORÇAMENTO POR PREÇO GLOBAL - DUPLICAÇÃO

RESUMO DE ORÇAMENTO POR PREÇO GLOBAL - DUPLICAÇÃO ANEXO III 50612.001705/2008-80 RESUMO DE ORÇAMENTO POR PREÇO GLOBAL - DUPLICAÇÃO DISCRIMINAÇÃO PARCIAL VALOR TOTAL A - EQUIPE TÉCNICA R$ 271.064,61 A.1 - Pessoal de Nível Superior R$ 160.487,94 A.2 - Pessoal

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE (PMI): DIÁLOGOS COM A INICIATIVA PRIVADA

PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE (PMI): DIÁLOGOS COM A INICIATIVA PRIVADA III Congresso Consad de Gestão Pública PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE (PMI): DIÁLOGOS COM A INICIATIVA PRIVADA Mario Queiroz Guimarães Neto Adrian Machado Batista Painel 44/175 Soluções de longo

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DO PROGRAMA PAC 2 PAVIMENTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE VIAS URBANAS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DO PROGRAMA PAC 2 PAVIMENTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE VIAS URBANAS MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA ANEXO I MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DO PROGRAMA PAC 2 PAVIMENTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE VIAS URBANAS Seleção PAC 2

Leia mais

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Mais de 100 mil km percorridos Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Estudo da CNT mostra que 57,3% têm alguma deficiência no estado geral; 86,5% dos trechos são de pista simples e

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO. Modalidade: CONCORRÊNCIA Nº. 01/2013 SEGEM

EDITAL DE LICITAÇÃO. Modalidade: CONCORRÊNCIA Nº. 01/2013 SEGEM EDITAL DE LICITAÇÃO Modalidade: CONCORRÊNCIA Nº. 01/2013 SEGEM Tipo: MELHOR TÉCNICA E MENOR VALOR POR TONELADA A SER PAGO PELO PODER CONCEDENTE PARA A EXECUÇÃO DO OBJETO DO PRESENTE EDITAL Processo nº.

Leia mais

LICITAÇÕES PÚBLICAS. Da Lei Geral (8.666/93) ao R.D.C Passando pela Locação de Ativos. Autoria Engº Sergio Piccinelli Engº Mário Cesar Stamm Jr

LICITAÇÕES PÚBLICAS. Da Lei Geral (8.666/93) ao R.D.C Passando pela Locação de Ativos. Autoria Engº Sergio Piccinelli Engº Mário Cesar Stamm Jr LICITAÇÕES PÚBLICAS Autoria Engº Sergio Piccinelli Engº Mário Cesar Stamm Jr Da Lei Geral (8.666/93) ao R.D.C Passando pela Locação de Ativos Consultas Bibliográficas Daniel Pinto Gontijo 20/NOVEMBRO/2012

Leia mais

ATUAÇÃO DO TCU CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA

ATUAÇÃO DO TCU CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA SEMINÁRIO INTERNACIONAL CONCESSÃO DE AEROPORTOS ATUAÇÃO DO TCU NO ACOMPANHAMENTO DE CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA Francisco Giusepe Donato Martins Secretaria de Fiscalização de Desestatização

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ÁREAS COM COBERTURA VEGETAL E LIMPEZA EM RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO

CONSERVAÇÃO DE ÁREAS COM COBERTURA VEGETAL E LIMPEZA EM RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO CONSERVAÇÃO DE ÁREAS COM COBERTURA VEGETAL E LIMPEZA EM RODOVIAS Cristiana Arruda Corsini & Dorival Zanóbia Eng a. Agrônoma, Agrimensor, Verbo Conservação de Áreas Verdes - Araras SP. verbo@laser.com.br

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO INTERNO. Principais Objetivos do Sistema de Gerenciamento de Autorização Especial de Trânsito SIAET

MANUAL DO USUÁRIO INTERNO. Principais Objetivos do Sistema de Gerenciamento de Autorização Especial de Trânsito SIAET MANUAL DO USUÁRIO INTERNO Introdução O Sistema de Gerenciamento de Autorização Especial de Trânsito SIAET é um sistema informatizado de prestação de serviços através da internet, desenvolvido para solicitação,

Leia mais

O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os serviços que compõe a obra de Capeamento Asfáltico nas vias acima descritas.

O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os serviços que compõe a obra de Capeamento Asfáltico nas vias acima descritas. MEMORIAL DESCRITIVO CAPEAMENTO ASFÁLTICO SOBRE PEDRAS IRREGULARES Proprietário: MUNICÍPIO DE ITATIBA DO SUL Local: - Rua Argentina = 5.910,43 m²; - Rua Estados Unidos = 1.528,98 m². Total = 7.439,41 m²

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas.

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas. fls. 1/6 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Linhas Físicas de Telecomunicações, com Cabos Metálicos e com Fibras Ópticas. PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

ANEXO VII MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO VII MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO VII MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL EXPLORAÇÃO, MEDIANTE CONCESSÃO ADMINISTRATIVA, DA GESTÃO DE ÁREAS DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PARQUE ESTADUAL DO SUMIDOURO, MONUMENTO NATURAL ESTADUAL GRUTA REI DO

Leia mais

PROGRAMA PROREDES BIRD RS

PROGRAMA PROREDES BIRD RS PROGRAMA PROREDES BIRD RS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA CONSULTORA PARA REALIZAÇÃO DE CURSO DE INSPEÇÃO DE QUALIDADE DE OBRAS E CURSO DE CONSERVAÇÃO EM RODOVIAS 1. Objetivo Contratação

Leia mais

DNIT. Pavimentos asfálticos Fresagem a frio Especificação de serviço. Prefácio. Resumo

DNIT. Pavimentos asfálticos Fresagem a frio Especificação de serviço. Prefácio. Resumo DNIT Novembro/2011 NORMA DNIT 159/2011-ES Pavimentos asfálticos Fresagem a frio Especificação de serviço MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA EXECUTIVA

Leia mais

Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR101 - Bahia

Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR101 - Bahia Estudo para Estruturação da Concessão da 3a. Etapa de Concessões de Rodovias Federais Fase II Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR101 - Bahia 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de rede de transmissão e/ou distribuição de energia elétrica nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim

Leia mais

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL 1. A PROPOSTA COMERCIAL será constituída de uma Carta Proposta, que trará o valor da CONTRAPRESTAÇÃO PECUNIÁRIA ofertada, através

Leia mais

Privadas O Projeto de Lei em tramitação

Privadas O Projeto de Lei em tramitação BNDES BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Parcerias Público-Privadas Privadas O Projeto de Lei em tramitação MAURÍCIO PORTUGAL RIBEIRO CONSULTOR JURÍDICO DA UNIDADE DE PPP DO MINISTÉRIO

Leia mais

Nova Tecnologia para Reabilitação de Pisos e Pavimentos de Concreto 18ª REUNIÃO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA RPU

Nova Tecnologia para Reabilitação de Pisos e Pavimentos de Concreto 18ª REUNIÃO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA RPU Nova Tecnologia para Reabilitação de Pisos e Pavimentos de Concreto 18ª REUNIÃO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA RPU Eng. José Vanderlei de Abreu Agenda 1 Patologia e suas definições 2 Ciclo de vida de uma pavimentação

Leia mais

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Folha 1 de 14 APRESENTAÇÃO Este Anexo é dividido em duas partes: A Seção I introduz a descrição da Infra-estrutura de Irrigação de Uso Comum do Projeto Pontal,

Leia mais

REMENDO SUPERFICIAL (RECOMPOSIÇÃO LOCALIZADA DE REVESTIMENTO BETUMINOSO)

REMENDO SUPERFICIAL (RECOMPOSIÇÃO LOCALIZADA DE REVESTIMENTO BETUMINOSO) 1 / 6 REMENDO SUPERFICIAL (RECOMPOSIÇÃO LOCALIZADA DE REVESTIMENTO BETUMINOSO) 1. DEFINIÇÃO O Remendo Superficial é um serviço que se destina a restaurar a camada de revestimento asfáltico, em pontos isolados

Leia mais

VLT do Rio. VLT DO RIO Julho de 2011. VLT do Rio

VLT do Rio. VLT DO RIO Julho de 2011. VLT do Rio VLT DO RIO Julho de 2011 VLT do Rio IMPLANTAÇÃO FASEAMENTO Rodoviária Novo Rio 1 Vila de Mídia Cordeiro da Graça Equador Novo Rio 2 Pereira Reis Santo Cristo Pedro Pça. Santo Hernesto Cristo Cidade do

Leia mais

ESPECIAL. PAVISERVICE Com mais de 15 anos de mercado, empresa é referência em obras rodoviárias

ESPECIAL. PAVISERVICE Com mais de 15 anos de mercado, empresa é referência em obras rodoviárias ESPECIAL PAVISERVICE Com mais de 15 anos de mercado, empresa é referência em obras rodoviárias 22 Brasil Vias Edição 60 Maio/2012 Presente em vários Estados, a Paviservice está entre as cinco maiores empresas

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS DO SISTEMA RODOVIÁRIO DO DISTRITO FEDERAL 1. OBJETIVO Estabelecer complementação visando instruir

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS PROJETO EXECUTIVO DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS

Leia mais

FICHA DE ANÁLISE DA PROPOSTA TÉCNICA

FICHA DE ANÁLISE DA PROPOSTA TÉCNICA FICHA DE ANÁLISE DA PROPOSTA TÉCNICA EDITAL N o 258/2004-00 - LOTE 01 (Duplicação e Restauração da Pista Existente) TÓPICOS PONTUAÇÃO MÁX CONSOL-ENGENHEIROS CONSULTORES ETEL ESTUDOS TÉCNICOS LTDA. ENGESPRO

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-290/RS & BR-116/RS 121,00 KM PORTO ALEGRE RS CONCEPA OSÓRIO PORTO ALEGRE - GUAÍBA

RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-290/RS & BR-116/RS 121,00 KM PORTO ALEGRE RS CONCEPA OSÓRIO PORTO ALEGRE - GUAÍBA RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: CONCEPA BR-290/RS & BR-116/RS OSÓRIO PORTO ALEGRE - GUAÍBA 121,00 KM PORTO ALEGRE RS DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE ITEM DESCRIÇÃO PÁGINA 1. Informações

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE ACESSO NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE ACESSO NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de acesso nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim como orientar quanto aos procedimentos administrativos

Leia mais