PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO A REDUÇÃO DO ÍNDICE DE GINI NO BRASIL POR REGIÃO E DIFERENTES ESCALAS DE EQUIVALÊNCIA Juliana Gomes Vieira Bento No. de Matrícula: Orientador: Maurício Cortez Reis Rio de Janeiro Dezembro, 2013

2 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO A REDUÇÃO DO ÍNDICE DE GINI NO BRASIL POR REGIÃO E DIFERENTES ESCALAS DE EQUIVALÊNCIA Juliana Gomes Vieira Bento No. de Matrícula: Orientador: Maurício Cortez Reis Declaro que o presente trabalho é de minha autoria e que não recorri para realizá-lo, a nenhuma forma de ajuda externa, exceto quando autorizado pelo professor tutor. Rio de Janeiro Dezembro, 2013

3 As opiniões expressas neste trabalho são de responsabilidade única e exclusiva do autor. 2

4 3 AGRADECIMENTOS Aos meus familiares. Ao meu orientador. Aos meus colegas de curso.

5 4 Sumário RESUMO... 7 INTRODUÇÃO COMBATE À DESIGUALDADE ANÁLISE EMPÍRICA FAMÍLIAS E ECONOMIAS DE ESCALA CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 42

6 5 Lista de Figuras Figura 1 - Distribuição Acumulada dos Países no Mundo Segundo o Grau de Desigualdade... 9 Figura 2 - Evolução do Coeficiente de Gini da Renda Familiar Per Capita entre 1995 e Figura 3 - Evolução do Salário Mínimo Real entre 1994 e Figura 4 - Gráfico Curva de Lorenz RFPC Nordeste Figura 5 - Curva de Lorenz RFPC Nordeste 1992/ Figura 6 - Curva de Lorenz RFPC Nordeste e Centro Oeste Figura 7 - Curva de Lorenz RFPC Centro Oeste 1992/ Figura 8 - Curva de Lorenz RFPC Nordeste, Centro-Oeste e Norte 1992/ Figura 9 - Curva de Lorenz RFPC Norte 1992/ Figura 10 - Curva de Lorenz RFPC Nordeste, Centro-Oeste, Norte e Nordeste Figura 11 - Curva de Lorenz RFPC Sudeste 1992/ Figura 12 - Curva de Lorenz RFPC Nordeste, Centro-Oeste, Norte, Nordeste e Sul Figura 13 - Curva de Lorenz RFPC Sul1992/ Figura 14 - Curva de Lorenz RFPC Brasi1992/

7 6 Lista de Tabelas Tabela 1 - Distribuição da População que Recebeu Vale-Supermercado por Decil Tabela 2 - Distribuição da População que Recebeu Vale-Refeição por Decil Tabela 3 - Distribuição da População que Recebeu Vale-Transporte por Decil Tabela 4 - Índices de Gini e Theil Brutos e Líquidos de Benefícios de Programas de Trans-ferência de Renda Tabela 5 - Evolução do Coeficiente de Gini, por Região, entre 1992 e Tabela 6 - Renda Familiar Per Capita, por Região, para Diferentes Níveis de Escala da Economia Familiar Tabela 7 - Coeficiente Gini, por região, para Diferentes Níveis de Escala da Economia Familiar Tabela 8 - Distribuição da População Brasileira entre as Faixas de Renda... 40

8 7 RESUMO Diversas políticas adotadas durante o período que engloba os Governos FHC e Lula contribuíram para a redistribuição de renda observada no Brasil ao longo das duas últimas décadas, destacando-se as de emprego, salário e transferência direta de renda esta última normalmente vinculada a programas de universalização da educação básica e saúde. Sendo assim, este trabalho tem por objetivo dissertar brevemente sobre quais foram estas políticas e em quais decis da distribuição de renda elas foram mais abrangentes. Em seguida, as estatísticas obtidas a partir dos dados das PNADs de 1992 e 2009 serão analisadas de forma detalhada, a fim de descrever o cenário de evolução da desigualdade de renda entre estas duas pesquisas em cada região brasileira a medida de desigualdade utilizada é o Coeficente de Gini da Renda Familiar Per Capita. Por fim, serão destacadas as divergências de resultados entre as diferentes escalas de economia familiares, de forma a identificar em quais regiões se torna relevante considerarmos o arranjo familiar padrão ao calcularmos o Coeficiente de Gini da Renda Familiar Per Capita. Desse modo, resultados próprios serão inferidos e comparados com aqueles obtidos por autores especializados. Palavras-chave: Redistribuição de Renda, Coeficiente de Gini, PNAD.

9 8 INTRODUÇÃO Ao longo da última década o Brasil veio se destacando no cenário internacional, se consolidando como umas das maiores economias do mundo e captando os investimentos da comunidade financeira internacional, atraída principalmente pelo potencial de crescimento, baixo risco-país e pela estabilidade apresentada pelo mesmo perante crises internacionais. As políticas econômicas adotadas durante os Governos FHC e Lula podem ser apontadas como as grandes responsáveis por tal reputação. Foram importantes os avanços observados a partir de 1990, com destaque para o combate à hiperinflação, que assolou o país durante as décadas anteriores, à implantação de políticas macroeconômicas estáveis e processos de privatização, que tornaram possíveis as evoluções seguintes, como aberturas comercial e financeira, aumento de produtividade, nível de emprego e salário mínimo. No entanto, apesar de ser um dos países da América Latina que mais ganhou posição no ranking das maiores economias do mundo, aparecendo entre as 10 primeiras em volume do PIB desde 2000, paradoxalmente, a posição do Brasil entre as economias mais desiguais do planeta também se sobressai ao longo da história. Segundo Barros 1 (2007, p.9), [...] No cenário internacional, o país continua ocupando posição negativa de destaque absoluto, por deter um dos mais elevados graus de desigualdade do mundo. Apesar de acelerado, o progresso recente fez com que o Brasil ultrapassasse apenas 5% dos 124 países para os quais temos informações sobre o grau de desigualdade atual na distribuição de renda. Assim, mesmo após esse acentuado declínio, cerca de 90% dos países ainda apresentam distribuições menos concentradas que a do Brasil. Conforme podemos observar no gráfico apresentado na figura 1: 1 Barros et. Al., Ricardo. A Queda Recente da Desigualdade de Renda no Brasil. Texto Ipea para discussão. Rio de Janeiro,2007, p.09.

10 9 Figura 1 - Distribuição Acumulada dos Países no Mundo Segundo o Grau de Desigualdade Fonte: Ipea, texto para discussão n Contudo, apesar deste cenário, as duas últimas décadas foram de intensa redução no nível de desigualdade medido pelo Índice de Gini, que conforme definição do Ipea, trata-se de: Como defende o Instituto FHC, [...] um instrumento para medir o grau de concentração de renda em determinado grupo. Ele aponta a diferença entre os rendimentos dos mais pobres e dos mais ricos. Numericamente, varia de zero a um (alguns apresentam de zero a cem). O valor zero representa a situação de igualdade, ou seja, todos têm a mesma renda. O valor um (ou cem) está no extremo oposto, isto é, uma só pessoa detém toda a riqueza. Na prática, o Índice de Gini costuma comparar os 20% mais pobres com os 20% mais ricos. 2 [...] com o fim do imposto inflacionário, que penalizava fortemente os mais pobres, pôde-se alcançar um novo patamar de combate à exclusão social, atacando as fontes geradoras da miséria. O mais recente relatório do PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) sobre a evolução do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), relativo a 2012, confirma que a transformação brasileira começou em 1994, quando o governo implementou reformas macroeconômicas para controlar a hiperinflação, com o Plano Real, e concluiu a liberalização do comércio, que 2 Disponível em Acesso em 07 de outubro de 2013.

11 10 começou em 1988, com a redução de tarifas e a fim de restrições comerciais. 3 Este trabalho tem por objetivo dissertar brevemente sobre quais foram as principais políticas relevantes ao processo de redução da desigualdade observado ao longo dos últimos Governos e analisar empiricamente as caracteristicas desta redução. Sendo assim, no próximo capítulo analisaremos estudos de outros autores sobre políticas de subsídios salariais e transferência de renda, identificando a população atendida por tais políticas. No Capítulo 3 utilizaremos os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 1992 e 2009, a fim de analisar o comportamento da evolução da desigualdade sobre as rendas familiares per capita em cada região, em quais decis da distribuição de renda houve uma redistribuição mais ou menos significativa, além de observar outros dados como número médio de pessoas por família e renda familiar total. No Capítulo 4 observaremos, com base na metodologia utilizada por Barros (2007), o efeito de diferentes níveis de escala de economia familiar sobre o Coeficiente de Gini da Renda Familiar Per Capita. A partir desta análise, discutiremos a relevância de considerarmos estes equivalentes de escala ao estudarmos a desigualdade de renda em cada região brasileira. Por fim, no Capítulo 5 faremos uma coclusão do trabalho com base nos resultados observados ao longo de sua confecção atentando ao fato de quais classes da população tiveram uma maior participação na redistribuição de renda observada ao longo das duas últimas decadas e qual a relevância dos programas citados sobre tal redistribuição. 3 Disponível em Acesso em 07 de outubro de 2013.

12 11 2 COMBATE À DESIGUALDADE Ramos 4 (2000) analisa a focalização dos benefícios que integravam o Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) ao longo da década de 1990, período em que ocorreu a expansão do programa. Ele conclui que, apesar dos aumentos de subsídios direcionados ao programa, este não estava atendendo, em sua maioria, aos trabalhadores assalariados pertencentes aos menores decis da distribuição de renda, ou seja, os trabalhadores atendidos por benefícios como vale refeição e vale supermercado eram, na verdade, aqueles que estavam nos maiores decis de distribuição. Conforme pode ser visto nas tabelas abaixo, o mesmo foi verificado em outros complementos da renda do trabalhador subsidados pelo Governo por meio de benefícios fiscais aos empregadores, como é o caso do vale transporte. Conforme observa o autor, no caso deste benefício os trabalhadores mais atendidos são aqueles dos decis médios e médios-altos. TABELA 1 Distribuição da População que Recebeu Vale-Supermercado por Decil (Em porcentagem) Receberam Vale-Supermercado Receberam Vale-Supermercado (% no decil) Sim Não Decil ,58 1,27 1,13 1,73 1,55 2,73 98,27 98,45 97,27 2 4,44 5,10 4,16 2,81 3,74 4,21 97,19 96,26 95,79 3 5,71 6,37 2,01 3,39 3,66 1,70 96,52 96,34 98,30 4 6,34 6,37 7,63 3,10 2,84 5,07 96,75 96,88 94,93 5 7,77 6,37 7,64 3,11 2,76 4,61 96,89 97,24 95,39 6 9,67 5,73 11,66 3,95 2,26 5,94 95,53 97,74 94,06 7 5,55 14,65 6,49 2,22 5,40 3,07 97,27 94,60 96, ,55 18,47 14,63 7,80 6,13 6,58 92,20 93,87 93, ,86 15,29 19,20 6,88 5,35 8,80 93,12 94,65 91, ,54 20,38 25,44 6,58 6,68 11,37 93,42 93,11 88,63 Total 100,00 100,00 100,00 Fonte: Ipea, texto para discussão n Ramos. Carlos Alberto. Programas Sociais: Trajetória Temporal do Acesso e Impacto Distributivo. Texto Ipea para discussão. Brasília, 2000.

13 12 TABELA 2 Distribuição da População que Recebeu Vale-Refeição por Decil (Em porcentagem) Receberam Vale-Refeição Receberam Vale-Refeição (% no decil) Sim Não Decil ,91 1,83 0,92 8,82 12,40 9,25 91,18 87,60 90,75 2 4,65 3,31 3,21 12,42 13,55 13,54 87,58 86,45 86,46 3 6,30 5,14 5,57 15,82 16,48 19,60 84,18 83,52 80,40 4 6,53 5,82 5,69 13,47 14,49 15,74 86,38 85,23 84,26 5 9,04 8,33 7,32 15,30 20,17 18,40 84,70 79,83 81, ,27 9,13 9,26 21,18 20,10 19,64 78,30 79,90 80, ,54 14,84 13,91 22,94 30,52 27,40 76,56 69,25 72, ,95 14,16 14,25 21,34 26,22 26,69 78,66 73,78 73, ,98 17,58 19,03 20,00 34,30 36,41 80,00 65,70 63, ,83 19,86 20,83 28,23 36,33 38,72 71,77 63,47 61,28 Total 100,00 100,00 100,00 Fonte: Ipea, texto para discussão n TABELA 3 Distribuição da População que Recebeu Vale-Transporte por Decil (Em porcentagem) Receberam Vale-Transporte Receberam Vale-Transporte (% no decil) Sim Não Decil ,63 3,76 2,31 39,27 37,98 39,65 60,73 62,02 60,35 2 6,99 6,06 6,76 43,79 36,92 48,61 56,21 63,08 51,39 3 8,49 8,74 7,93 50,00 41,76 47,68 49,91 58,24 52,32 4 9,44 10,89 11,24 45,67 40,34 53,12 54,18 59,38 46, ,59 11,43 11,89 49,97 41,16 51,18 50,03 58,84 48, ,38 13,42 14,13 50,13 43,97 51,23 49,35 56,03 48, ,66 14,03 15,39 46,32 42,96 51,79 53,68 57,04 48, ,29 13,88 14,72 47,68 38,27 47,08 52,27 61,73 52, ,32 11,27 10,47 40,92 32,74 34,22 59,08 67,26 65, ,20 6,52 5,17 35,88 17,75 16,44 64,12 82,05 83,56 Total 100,00 100,00 100,00 Fonte: Ipea, texto para discussão n.771 4

14 13 É importante ressaltar que, além de no total de beneficiários dos dez decis os trabalhadores daqueles mais baixos representarem a proporção menos atendida pelo Programa, ao longo das três amostras observadas que representam um período de oito anos, estes trabalhadores foram os que menos tiveram sua participação ampliada ao longo das observações. Como sabemos e o autor cita, estes benefícios normalmente estão associados ao emprego formal, enquanto a ausência deles de maneira geral ocorre nos setores informais. Sendo assim, intuitivamente, estes dados representam a baixa inserção dos trabalhadores assalariados com menor renda no setor formal, ou ainda, baixo nível de criação de empregos formais para trabalhadores menos qualificados. Ramos (2000) também nos atenta para o fato de que os programas de transferência de renda vinculados à frequência a escolas e creches públicas são mais focalizados nos seguimentos da população mais vulneráveis. Em relação às escolas esta informação se confirma porque ao longo da década de 90 observou-se uma fuga da população dos decis mais altos da educação pública. Então, se o critério de elegibilidade das famílias a estes programas é a frequência dos estudantes em estabelecimentos públicos de ensino, os decis mais altos foram, gradativamente, deixando de ser elegíveis. Em relação às creches, ocorre que este auxílio também está vinculado ao emprego formal e aos assalariados dos maiores patamares de renda. Portanto, mais uma vez, estes ao utilizarem a quantia do auxílio creche, farão com que seus filhos migrem para o setor privado. No entanto, ao longo da década de 90, apenas o Distrito Federal e Campinas eram atendidos por esse tipo de programa de transferência direta de renda, apesar de as discussões iniciais e sua idealização terem sido originadas em 1986 pelo então Reitor e professor da UnB Cristovam Buarque. O Programa Bolsa Escola foi implementado em 1995 no DF e o Renda Mínima, que seguia os mesmos moldes do primeiro, foi aprovado no mesmo ano. Somente em 2001 o Programa passou a ter cobertura nacional. E, conforme podemos observar no gráfico extraído de Barros (2007), foi também a partir deste ano que começou a ocorrer a redução mais expressiva do Índice de Gini. Este fato, intuitivamente, nos leva visualizar a melhor distribuição de renda como resultado da boa

15 14 focalização destes programas de transferência monetária nas famílias que se encontram nos extratos mais baixos de nível de renda. Observemos a Figura 2: Figura 2 - Evolução do Coeficiente de Gini da Renda Familiar Per Capita entre 1995 e 2005 Fonte: Ipea, texto para discussão n No curto prazo, estes programas são os mais eficazes em elevar a renda da família e, por promover o acesso desta às condições básicas de vida, tem o poder de tornar seus membros capazes de manter este padrão no longo prazo, principalmente quando o critério para manutenção do atendimento da família pelos auxílios é a frequência escolar e saúde de crianças e gestantes. E esta é a principal característica de todos os projetos assistenciais desde o Programa de Distribuição Emergencial de Alimentos (Prodea), instituído em 1993 ainda durante o Governo de Itamar Franco, até o Bolsa Família, mantido durante o Governo Lula, como resultado de modificações e unificação de quatro programas já existentes, Bolsa Escola, Bolsa Alimentação, PETI e Auxílio Gás. A eficiência destas transferências de renda é testada por Ramos (2000), a partir dos dados da PCV de 1998, onde ele compara os Índices de Gini e Theil brutos e líquidos dos benefícios gerados pelos programas existentes até então. O resultado pode ser verificado na tabela abaixo:

16 15 TABELA 4 Benefício Renda Corrente Renda Inicial Gini Theil T Gini Theil T Renda Corrente/Renda Inicial 0, , , , Aposentadoria pública 0, , , , Pensão pública 0, , , , Seguro-desemprego 0, , , , Auxilio previdenciário 0, , , , PIS-PASEP 0, , , , Renda mínima 0, , , , Renda mensal vitalícia 0, , , , Vale-refeição 0, , , , Vale-supermecado 0, , , , Vale-transporte 0, , , , Vale-combustível 0, , , , Auxílio-creche/pré-escola 0, , , , Outros benefícios 0, , , , Bolsa de estudos 0, , , , Fonte: PCV/98. Elaboração própria. Fonte: Ipea. Texto para discussão n O resultado que mais se aplica aos objetivos deste trabalho é a diferença entre o Coeficiente de Gini da renda corrente e o da renda inicial. A renda corrente equivale àquela bruta de tranferências monetárias, enquanto a inicial equivale à renda sem considerar tais tranferências. Como podemos observar já em 98 o efeito destas transferências sobre o Índice de Gini, segundo a análise de dados utilizada pelo autor, é expressivo. O índice de Gini quando se considera a renda incluindo as transferências é igual a 0, , enquanto para a renda líquida é igual a 0, Ou seja, os auxílios geram uma redução de 13,23% na desigualdade medida por Gini. Apesar destes resultados apontando a importância destes programas, Soares 5 (2006), que estuda os efeitos sobre a redução da desigualdade entre 1995 e 2004 e suas causas, conclui que apenas ¼ dessa diminuição é resultado dos programas como o Bolsa Família, e os outros ¾ resultam da diminuição entre diferenças no rendimento do trabalho. De fato, segundo pesquisa da FGV (2012), os salários dos profissionais de qualificação mais baixa foram incrementados nos últimos anos, enquanto os de 5 Soares, Sergei. Distribuiçãode Renda no Brasil de 1976 a 2004 com ênfase no período entre 2001 e Texto Ipea para discussão. Brasília, 2006.

17 16 profissionais que possuem formação superior diminuiu. Por exemplo, entre 2001 e 2009, o salário real de um garçom aumentou 20%, enquanto o de um profissional com nível superior foi reduzido em 17%. Porém, este é um movimento esperado quando um país caminha em direção ao progresso tecnológico e à abertura comercial. Inicialmente, há uma grande demanda por profissionais qualificados, que neste primeiro momento são relativamente escassos em comparação à disponibilidade de mão-de-obra não qualificada. No entanto, o nível educacional da população eleva-se e esta demanda é atendida, e com a maior oferta destes profissionais, seus salários se reduzem. O oposto ocorre entre os trabalhadores não qualificados, pois a população em idade ativa tende a aumentar seu nível de escolaridade e então o cenário se inverte, estes profissionais passam a ser mais escassos em um segundo momento e então o salário oferecido pelos empregadores aumenta. Outro fato mencionado por Sergei (2006) que merece destaque é a evolução do salário mínimo real, mostrada no gráfico abaixo. Figura 3 - Evolução do Salário Mínimo Real entre 1994 e 2004 Fonte: Ipea, texto para discussão n o 1166 Esta evolução beneficia não só os trabalhadores com salários mais baixos, principalmente no mercado informal de trabalho, que geralmente são equiparados ao salário mínimo vigente, mas também as famílias atendidas pelos programas do

18 17 Governo, porque este é o indexador dos programas sociais já mencionados anteriormente, além daqueles voltados à aponsentadoria, como previdência social, loas e aposentadorias rurais. Sendo assim, o aumento do salário mínimo real é benéfico para a redistribuição de renda direta e indiretamente. Este trabalho não tem a intenção de analisar o efeito de cada programa separadamente, mas de mostrar o quanto a distribuição de renda veio se tornando mais equânime ao longo dos Governos em que estas políticas foram idealizadas e implantadas. Com base nos dados acima, concluímos que todas as políticas tiveram efeito sobre a redistribuição de renda verificada no Brasil ao longo dos últimos anos. No próximo capítulo, será feita a análise empírica, a partir dos dados que evidenciam a evolução da desigualdade ao longo de todo o período de interesse, para que possamos identificar quais grupos foram mais afetados por tais benefícios.

19 18 3 ANÁLISE EMPÍRICA Conforme visto anteriormente, apesar do abismo social e da alta concentração de renda que ainda verificam-se presentes no Brasil, observamos uma importante redução do Índice de Gini ao longo das últimas décadas. A fim de demonstrar empiricamente este fenômeno, utilizamos os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 6 de 1992, ano anterior à nomeação de Fernando Henrique Cardoso como Ministro da Fazenda e possível início da idealização do Plano Real, e 2009, último ano de realização da PNAD durante o Governo Lula. Como pode ser observado na tabela abaixo, houve um aumento de equidade na distribuição de renda de todas as regiões, porém, esta observação se mostrou mais significativa nas regiões Sudeste e Sul, apesar de os maiores incrementos nas rendas total e per capita familiares terem ocorrido no Centro-Oeste. Esta última região, apesar do aumento exorbitante em suas rendas total e per capita, 52,9% e 87,7%, respectivamente, apresentou a menor evolução do Índice de Gini. Por exemplo, o Nordeste, que obteve quase metade do aumento percentual nas rendas atingido pelo Centro-Oeste, chegou a reduzir seu coeficiente de desigualdade em quase duas vezes a redução percentual desta última região. TABELA 5 Evolução, por região, das rendas familiares total e per capita médias e do Coeficiente de Gini entre 1992 e Variável analisada/região Renda Familiar Total Número de Pessoas na Família Renda Familiar per Capita Coeficiente de Gini D Norte 1.330, , ,02 458,00 0,576 0,540-6,25 Nordeste 1.027, , ,75 438,16 0,611 0,575-5,89 Sudeste 1.804, , ,20 747,87 0,556 0,517-7,01 Sul 1.745, , ,59 801,32 0,552 0,498-9,78 Centro-Oeste 1.682, , ,50 807,95 0,598 0,576-3,68 Brasil 1.509, , ,97 623,69 0,590 0,556-5,76 Fonte: IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 1992 e Elaboração própria. 6 A PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) é uma pesquisa anual feita pelo IBGE representativa de toda a população brasileira. Em cada ano são entrevistados em torno de indivíduos em cerca de domicílios. A pesquisa contém uma série de informações sobre educação, mercado de trabalho, indicadores sociais etc.

20 RFPC % 19 Analisando os dados acima por região, verificamos que houve aumento da renda familiar total entre 1992 e 2009 para todas elas, acompanhado de redução do número de pessoas por família em três das cinco regiões analisadas (Norte, Nordeste e Sul) e manutenção da estrutura familiar nas outras duas (Sudeste e Centro-Oeste). Estes fatos, em conjunto, levaram a um incremento da renda familiar per capita em todas as regiões, dado que o aumento da renda total familiar não foi resultado de um aumento no número de pessoas por família. Em 1992, tínhamos no Nordeste a região brasileira com maior nível de desigualdade. O Coeficiente de Gini encontrado, de 0,611, nos indica que mais de 60% da renda está mal distribuída, concentrada em poder da minoria, conforme a curva de Lorenz, que mede o desvio em relação a uma distribuição de renda equânime (reta de 45 graus), nos mostra: Curva de Lorenz para Renda Familiar Per Capita - Nordeste Curva de Lorenz 0,8 0,6 0,4 80% Pop, menos de 40% da Renda 0, ,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 1 Populacao % Figura 4 - Gráfico Curva de Lorenz RFPC Nordeste 1992 Fonte: IBGE. PNAD1992. Elaboração Própria

21 20 Como pode ser observado acima, aproximadamente 80% da população detém um percentual da renda total da região que não chega a 40%. Isso significa dizer que os 20% mais ricos têm em seu poder mais de 60% da renda total. E, ainda observando a curva de Lorenz acima, mostra-se claramente que 90% da população representa aproximadamente 50% da renda da região. Ou seja, em 1992 tínhamos no Nordeste um cenário onde os 10% mais ricos detinham metade da renda total da região. Porém, em 2009 conseguimos observar uma evolução desta distribuição de Renda, mas ainda assim, o Nordeste se mantém como uma das regiões mais desiguais, tendo alcançado somente o Centro-Oeste ao longo destes anos. O Coeficiente de Gini observado para o Nordeste na última Pnad utilizada é igual a 0,575, ou seja, uma redução de 0,036 em relação a 1992, o que equivale a uma redistribuição de 3,6 pontos percentuais da renda que encontrava-se mal distribuída neste ano. Figura 5 - Curva de Lorenz RFPC Nordeste 1992/2009 Fonte: IBGE. PNAD1992. Elaboração Própria No entanto, como podemos observar acima, o maior ajustamento da curva de Lorenz entre 1992 e 2009 ocorreu entre a população nordestina que se encontra entre os

22 21 decis medianos da distribuição. Ou seja, ambos os extremos (os mais pobres e os mais ricos) da cauda de distribuição não tiveram grannde participação na redistribuição observada. Este fato fica ainda mais claro quando observamos o aumento de participação dos 20% mais pobres no total de renda. É nítido que a variação é quase nula. A segunda região com maior desigualdade em 1992 era o Centro-Oeste, com Índice de Gini de 59,80%, apesar de ocupar a terceira posição em rendas familiares per capita e total, atrás das regiões Sudeste e Sul. Mesmo com Coeficiente de Gini bastante próximo ao observado no Nordeste, através da Curva de Lorenz podemos verificar que no Centro-Oeste, em 1992, a população dos decis mais baixos e medianos, aproximadamente entre o primeiro e o sétimo, tinha uma participação ligeiramente maior na Renda Total da região do que aquela observada no Nordeste, enquanto a dos decis mais altos detém aproximadamente o mesmo percentual da renda total em cada uma das duas regiões: Figura 6 - Curva de Lorenz RFPC Nordeste e Centro Oeste 1992 Fonte: IBGE. PNAD1992. Elaboração Própria

23 22 Segundo os dados da PNAD de 2009, o Centro-Oeste ultrapassou todas as demais regiões em termos de renda familiar total e per capita, sendo a que apresenta os maiores níveis destas variáveis. Porém, em contrapartida, a redução do Coeficiente de Gini foi expressivamente menor que a das outras regiões, sendo menor, inclusive, que a redução total para o Brasil observada no mesmo período. O Coeficiente de Gini se reduziu de 0,598 para 0,576, o que equivale a uma diferença de apenas 0,022 ou 2,2% no Índice de Gini. Mais uma vez, vamos analisar as características dessa redistribuição através da variação da Curva de Lorenz para o CO entre 1992 e 2009: Figura 7 - Curva de Lorenz RFPC Centro Oeste 1992/2009 Fonte: IBGE. PNAD1992. Elaboração Própria O gráfico acima nos mostra que houve quase um deslocamento de toda a Curva de Lorenz, e não ao longo dela, pois a participação na redistribuição foi quase a mesma para todos os decis da população. Com exceção dos 30% mais pobres, o restante teve um aumento da fatia de renda proporcional entre si. Portanto, mais uma vez percebemos

24 23 uma melhora na distribuição de renda sem uma participação significativa da população mais pobre. A terceira região com distribuição de renda mais desigual segundo os dados da Pnad de 1992 é apontada como a segunda mais pobre quando falamos em renda familiar total e per capita neste mesmo ano. Trata-se da Região Norte, que em 1992 apresentou Coeficiente de Gini de 0,576, o que em ordem de melhores distribuições de renda no Brasil a colocava abaixo apenas do Sudeste e do Sul. Figura 8 - Curva de Lorenz RFPC Nordeste, Centro Oeste e Norte 1992 Fonte: IBGE. PNAD1992. Elaboração Própria Quando comparamos sua distribuição com as das regiões já analisadas, percebemos que esta apresenta um padrão diferente ao observarmos a participação da população mais abastada no nível de renda total da região. A população mais pobre tem a participação percentual semelhante àquela observada no Centro-Oeste, mas a população a partir do sétimo decil, ou seja, 30% mais rica, tem uma participação maior e mais igualitária que a das outras duas regiões. Com isso, percebemos que a posição de terceira mais desigual é sustentada pela maior participação da população menos carente, já que entre os decis mais baixos o

25 24 nível de renda total encontra-se nos mesmos patamares das duas regiões mais desiguais. Além disso, é importante destacar que até 2003 a Pnad ainda não incluía dados para as áreas rurais da região Norte: Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará e Amapá. Caso fossem incluídos os dados destas regiões, talvez chegássemos a um Coeficiente de Gini maior que o encontrado, já que estas regiões provavelmente possuem uma renda per capita abaixo da média das áreas urbanas. Portanto, vamos analisar o resultado encontrado em 2009, quando a Pnad já abrangia estas regiões: Figura 9 - Curva de Lorenz RFPC Norte 1992/2009 Fonte: IBGE. PNAD1992. Elaboração Própria Conforme mostrado acima, entre 1992 e 2009, a redistribuição de renda observada na região norte foi sustentada, assim como no nordeste, por um aumento da participação na renda total da população que se encontra entre os decis medianos de distribuição. O maior deslocamento ao longo da Curva de Lorenz é observado entre a população que detém entre 10 e 50% da renda total, mostrando que, mais uma vez, as caudas de distribuição foram excluídas deste incremento de renda.

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: uma análise a partir do rendimento domiciliar per capita no período 2001-2006 Juliana Carolina Frigo

Leia mais

DESIGUALDADE DE RENDA E CLASSES SOCIAIS

DESIGUALDADE DE RENDA E CLASSES SOCIAIS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES IJSN N O TA T É C N I C A 17 DESIGUALDADE DE RENDA E CLASSES SOCIAIS Economia do

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA

CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1. INTRODUÇÃO Ricardo Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IPEA) Samuel Franco (IPEA) Rosane Mendonça (UFF) A boa notícia

Leia mais

Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil

Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IPEA) Samuel Franco (IPEA) Rosane Mendonça (UFF) Brasília, agosto de 2006 Entre 2001 e 2004 a

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

Determinantes da queda recente no grau de desigualdade de renda no Brasil

Determinantes da queda recente no grau de desigualdade de renda no Brasil Determinantes da queda recente no grau de desigualdade de renda no Brasil Ricardo Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IPEA) Samuel Franco (IPEA) Brasília, Abril de 2006 1. A evolução da distribuição de renda

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Brasília, 7 A pobreza extrema no país caiu a 2,8%

Leia mais

2 A Realidade Brasileira

2 A Realidade Brasileira 16 2 A Realidade Brasileira 2.1. A Desigualdade Social no Brasil De acordo com o levantamento do IBGE, embora a renda per capita no país seja relativamente elevada para os padrões internacionais, a proporção

Leia mais

Transferencias de renda no Brasil. O Fim da Pobreza?

Transferencias de renda no Brasil. O Fim da Pobreza? Transferências de renda no Brasil O Fim da Pobreza? PET - Economia - UnB 20 de novembro de 2013 Outline A Autora 1 A Autora Sonia Rocha 2 Renda Mensal Vitaĺıcia (RMV) Bolsa Escola 3 Fome Zero O Novo Programa

Leia mais

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário Boletim Econômico Federação Nacional dos Portuários Agosto de 2014 Sumário Indicadores de desenvolvimento brasileiro... 2 Emprego... 2 Reajuste dos salários e do salário mínimo... 3 Desigualdade Social

Leia mais

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços?

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? Nº 19 Novembro de 2011 A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos ipea 45 anos NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Rio de Janeiro, maio de 2009 1 Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Marcio Pochmann

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil

A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil 28 set 2006 Nº 14 A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil Por Antonio Prado 1 Economista do BNDES O salário mínimo subiu 97% de 1995 a 2006, enquanto a concentração de renda diminuiu O desenvolvimento

Leia mais

Comunicado da. Presidência

Comunicado da. Presidência Número 7, agosto de 2008 Comunicado da Presidência Pobreza e riqueza no Brasil metropolitano Realização: Assessoria Técnica da Presidência 2 1. Apresentação 1 A economia brasileira, ao longo dos últimos

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil José Eustáquio Diniz Alves i As eleições de 2 nem começaram de fato, mas já existe uma grande quantidade de textos circulando na

Leia mais

2015, Fractal Researches This article was published on the website: Fractal Researches (http://www.fractalresearches.com.br/)

2015, Fractal Researches This article was published on the website: Fractal Researches (http://www.fractalresearches.com.br/) NOTAS SOBRE A DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL E O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Rodrigo Mendes Gandra, MSc, PMP, PMI-RMP, IPMA-D 1 Revision 0 Rio de Janeiro, 23/01/2015 2015, Fractal Researches This article was

Leia mais

Modalidade do Trabalho: Apresentação oral. 1 Introdução

Modalidade do Trabalho: Apresentação oral. 1 Introdução O Bolsa Família: a centralidade do debate e da implementação da focalização nas famílias pobres e extremamente pobres no Brasil 1 Maria Ozanira da Silva e Silva Valéria Ferreira Santos de Almade Lima Modalidade

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 4)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 4) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 4) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

RENDA, TRABALHO E EMPREENDEDORISMO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

RENDA, TRABALHO E EMPREENDEDORISMO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RENDA, TRABALHO E EMPREENDEDORISMO NOTA CONJUNTURAL Nº35 2015 NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL Nº35 2015 PANORAMA GERAL O ano de 2015 se inicia com grandes incertezas com relação à economia

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

A desigualdade de renda inter-regional paulista: 1990-2007

A desigualdade de renda inter-regional paulista: 1990-2007 A desigualdade de renda inter-regional paulista: 1990-2007 Rosycler Cristina Santos Simão 1 Sandro Eduardo Monsueto 2 Resumo Este artigo tem por objetivo fazer uma breve descrição da distribuição de renda

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família BRASÍLIA-DF Março, 2013 Introdução Motivação Revisão de Literatura Metodologia Resultados Considerações Finais 2 Introdução Transferência

Leia mais

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI Roland Anton Zottele 1, Friedhilde M. K. Manulescu 2 1, 2 Faculdade de Ciências

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010 Apresentação O Mapa de Exclusão Social do Pará elaborado pelo Instituto do Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará IDESP e pela Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: uma Análise de Indicadores de Educação e Rendimento no Brasil

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: uma Análise de Indicadores de Educação e Rendimento no Brasil Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: uma Análise de Indicadores de Educação e Rendimento no Brasil Adriana Stankiewicz Juliana Ortigara INTRODUÇÃO A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais 37,6 milhões de benefícios regulares para os mais pobres Ao lado dos programas sociais que se destinam a toda a sociedade, o Governo Federal

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

Nº 60. Desigualdade da renda no território brasileiro

Nº 60. Desigualdade da renda no território brasileiro Nº 60 Desigualdade da renda no território brasileiro 12 de agosto de 2010 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro Samuel Pinheiro Guimarães Neto Fundação

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Comparativo entre o rendimento médio dos beneficiários de planos de saúde individuais e da população não coberta por planos de saúde regional e por faixa etária Amanda Reis Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA. Presidente Nacional João Alberto Viol

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA. Presidente Nacional João Alberto Viol SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Presidente Nacional João Alberto Viol Diretor Executivo Antonio Othon Pires Rolim Gerente Executivo Claudinei Florencio Consultor

Leia mais

DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. RESUMO

DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. RESUMO DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. Cleber Yutaka Osaku 1 ; Alexandre de Souza Correa 2. UFGD/FACE - Caixa Postal - 364 - Dourados/MS,

Leia mais

Tópico: RBC e o Trabalho (questões éticas, políticas e empíricas relacionadas aos mercados laborais formais e informais).

Tópico: RBC e o Trabalho (questões éticas, políticas e empíricas relacionadas aos mercados laborais formais e informais). Tópico: RBC e o Trabalho (questões éticas, políticas e empíricas relacionadas aos mercados laborais formais e informais). Título: MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL: EVOLUÇÃO RECENTE, DESAFIOS E COMBATE À POBREZA

Leia mais

Universalização do acesso a. A que distância estamos? Ricardo Paes de Barros - ipea

Universalização do acesso a. A que distância estamos? Ricardo Paes de Barros - ipea Universalização do acesso a serviços públicos p básicos: b A que distância estamos? Ricardo Paes de Barros - ipea Brasília, novembro de 2009 Evolução temporal da extrema pobreza: Brasil, 1990 a 2008 26

Leia mais

F.19 - Cobertura de coleta de lixo

F.19 - Cobertura de coleta de lixo Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.19 - Cobertura de coleta de lixo Limitações: Requer informações adicionais sobre as condições de funcionamento (freqüência, assiduidade, volume transportado

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

O Papel das Transferências Públicas na Queda Recente da Desigualdade de Renda Brasileira

O Papel das Transferências Públicas na Queda Recente da Desigualdade de Renda Brasileira capítulo 16 O Papel das Transferências Públicas na Queda Recente da Desigualdade de Renda Brasileira Ricardo Paes de Barros* Mirela de Carvalho* Samuel Franco* 1 INTRODUÇÃO * Os autores, pesquisadores

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 RESULTADOS DA PNAD 2011 EDUCAÇÃO Apresentação 2 Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio Gabrielli

Leia mais

Mudanças na Distribuição de Renda Individual e Familiar no Brasil *

Mudanças na Distribuição de Renda Individual e Familiar no Brasil * Mudanças na Distribuição de Renda Individual e Familiar no Brasil * Claudio Salvadori Dedecca Eliane Rosandiski Marcelo Soares de Carvalho ' Carolina Veríssimo Barbieri Resumo Os estudos sobre distribuição

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a Definição da Classe Média

Perguntas e Respostas sobre a Definição da Classe Média Perguntas e Respostas sobre a Definição da 1 Sumário Afinal, o que é classe média?... 3 Por que a SAE/PR propôs uma definição de classe média?... 3 Para que serve uma definição de classe média?... 3 O

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

Síntese de Indicadores Sociais 2003

Síntese de Indicadores Sociais 2003 Comunicação Social 13 de abril de 2004 Síntese de Indicadores Sociais 2003 Em 2030, cerca de 40% da população brasileira deverá ter entre 30 e 60 anos O estudo tem capítulos específicos sobre Educação,

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 24 de setembro de 2008 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

O impacto no Benefício de Prestação Continuada (BPC) de uma mudança no cálculo da renda do grupo familiar do idoso PNAD 2004 e 2006

O impacto no Benefício de Prestação Continuada (BPC) de uma mudança no cálculo da renda do grupo familiar do idoso PNAD 2004 e 2006 O impacto no Benefício de Prestação Continuada (BPC) de uma mudança no cálculo da renda do grupo familiar do idoso PNAD 2004 e 2006 Daniele Fernandes Carvalho Palavras-chave: Benefício de Prestação Continuada;

Leia mais

Workshop: Como usar o software estatístico DAD?

Workshop: Como usar o software estatístico DAD? Workshop: Como usar o software estatístico DAD? Medidas de Pobreza e Desigualdade: algumas aplicações teóricas Prof. Caio Piza CCSA - Depto de Economia/NPQV Medidas de Pobreza e Desigualdade O que é DAD

Leia mais

Situação Social nos. Estados. Rio de Janeiro

Situação Social nos. Estados. Rio de Janeiro Situação Social nos Estados Rio de Janeiro Situação Social nos Estados Rio de Janeiro Brasília, 2012 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro Wellington

Leia mais

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 Junho de 2010 2 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 O objetivo geral deste estudo foi investigar as percepções gerais

Leia mais

Uma análise das condições de vida da população brasileira

Uma análise das condições de vida da população brasileira Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2013 Uma análise das condições de vida da população brasileira 29 de

Leia mais

Dimensão econômica. Quadro econômico

Dimensão econômica. Quadro econômico Dimensão econômica Quadro econômico Dimensão econômica 42 Produto interno bruto per capita O Produto Interno Bruto per capita indica a renda média da população em um país ou território e sua variação é

Leia mais

Sumário Executivo PESQUISA DOMICILIAR COM OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

Sumário Executivo PESQUISA DOMICILIAR COM OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Sumário Executivo PESQUISA DOMICILIAR COM OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Pólis Pesquisa Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

A recente queda da desigualdade de renda no Brasil: análise de dados da PNAD, do Censo Demográfico e das Contas Nacionais

A recente queda da desigualdade de renda no Brasil: análise de dados da PNAD, do Censo Demográfico e das Contas Nacionais Rodolfo Hoffmann e Marlon Gomes Ney A recente queda da desigualdade de renda no Brasil: análise de dados da PNAD, do Censo Demográfico e das Contas Nacionais Rodolfo Hoffmann * Marlon Gomes Ney ** Resumo

Leia mais

I N F O R M E S E T O R I A L

I N F O R M E S E T O R I A L ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL I N F O R M E S E T O R I A L Gerência Setorial REALIDADE SOCIAL BRASILEIRA Principais Indicadores nº 1 janeiro de 2002 No final do ano de 2001 foram divulgados os estudos

Leia mais

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões Pobreza e Prosperidade Compartilhada nas Regiões Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades Aude-Sophie Rodella Grupo Sectorial da Pobreza Brasilia, June 2015 No Brasil, a pobreza

Leia mais

Políticas Sociais no Brasil

Políticas Sociais no Brasil Políticas Sociais no Brasil José Aparecido Carlos Ribeiro Técnico da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do IPEA São Paulo, outubro/2010 Algumas características: Políticas sociais são formas mais

Leia mais

PNAD 2009 - Primeiras análises: Situação da educação brasileira - avanços e problemas

PNAD 2009 - Primeiras análises: Situação da educação brasileira - avanços e problemas Nº 66 PNAD 2009 - Primeiras análises: Situação da educação brasileira - avanços e problemas 18 de novembro de 2010 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro

Leia mais

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década João Saboia 1 1) Introdução A década de noventa foi marcada por grandes flutuações na economia brasileira. Iniciou sob forte recessão no governo

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 SEBRAE (Org.) Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 São Paulo, 2013 SEBRAE (Org.) S492a Anuário

Leia mais

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO BRASIL E SUAS CARACTERÍSTICAS NO MUNICÍPIO DE EWBANK DA CÂMARA RESUMO

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO BRASIL E SUAS CARACTERÍSTICAS NO MUNICÍPIO DE EWBANK DA CÂMARA RESUMO O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO BRASIL E SUAS CARACTERÍSTICAS NO MUNICÍPIO DE EWBANK DA CÂMARA Leonardo José de Souza Resende RESUMO O Programa Bolsa Família, é um programa social de transferência direta de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL Thaís Schmidt Salgado Vaz de Castro thaissalgado@hotmail.com; Felipe José

Leia mais

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 TEMAS SOCIAIS Diferentes histórias, diferentes cidades A evolução social brasileira entre 1996 e 1999 não comporta apenas uma mas muitas histórias. O enredo de

Leia mais

Cenários Econômicos e Demográficos

Cenários Econômicos e Demográficos 1 Cenários Econômicos e Demográficos Neste capítulo apresentamos os cenários prováveis nos quesitos que influenciam diretamente a política habitacional, em especial os cenários tendenciais de desenvolvimento

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

Eficiência dos programas de transferências de renda e o desenvolvimento sócio econômico regional

Eficiência dos programas de transferências de renda e o desenvolvimento sócio econômico regional Eficiência dos programas de transferências de renda e o desenvolvimento sócio econômico regional Damaris Bento Ortêncio de Oliveira (UNEMAT) daia_visao@hotmail.com Udilmar Carlos Zabot (UNEMAT) udi.zabot@yahoo.com.br

Leia mais

Desigualdade e Pobreza nos Domicílios Rurais e Urbanos no Brasil, 1981-2005

Desigualdade e Pobreza nos Domicílios Rurais e Urbanos no Brasil, 1981-2005 DOCUMENTOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS Desigualdade e Pobreza nos Domicílios Rurais e Urbanos no Brasil, 1981-2005 RESUMO Tem como objetivo analisar a evolução da desigualdade e da pobreza no Brasil, ressaltando

Leia mais

Sobre a Evolução Recente da Pobreza e da Desigualdade

Sobre a Evolução Recente da Pobreza e da Desigualdade Sobre a Evolução Recente da Pobreza e da Desigualdade Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Ricardo Paes de Barros Brasília, setembro de 2009 Taxa anual de crescimento da renda domiciliar

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A POBREZA NA BAHIA: TENDÊNCIAS E ESTIMATIVAS DE EFEITOS DE POLÍTICA DE TRANSFERÊNCIA DIRETA. n. 3

CONSIDERAÇÕES SOBRE A POBREZA NA BAHIA: TENDÊNCIAS E ESTIMATIVAS DE EFEITOS DE POLÍTICA DE TRANSFERÊNCIA DIRETA. n. 3 CONSIDERAÇÕES SOBRE A POBREZA NA BAHIA: TENDÊNCIAS E ESTIMATIVAS DE EFEITOS DE POLÍTICA DE TRANSFERÊNCIA DIRETA n. 3 Salvador ago. 211 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE A POBREZA NA BAHIA: TENDÊNCIAS E ESTIMATIVAS

Leia mais

setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL 15 setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL Expediente Esta é uma publicação da Fundação Perseu Abramo. Diretoria Executiva

Leia mais

Universalização de Direitos Sociais no Brasil: a experiência da previdência rural nos anos 90

Universalização de Direitos Sociais no Brasil: a experiência da previdência rural nos anos 90 Universalização de Direitos Sociais no Brasil: a experiência da previdência rural nos anos 90 Guilherme C. Delgado* e José Celso Cardoso Jr.* pelos autores (2000) Universalização de Direitos Sociais no

Leia mais

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL Ricardo Paes de Barros Mirela de Carvalho Samuel Franco 1 INTRODUÇÃO O objetivo desta nota é apresentar uma avaliação

Leia mais

A Teoria do Capital Humano no Brasil: o pioneirismo de Carlos Langoni LÉO POSTERNAK *

A Teoria do Capital Humano no Brasil: o pioneirismo de Carlos Langoni LÉO POSTERNAK * A Teoria do Capital Humano no Brasil: o pioneirismo de Carlos Langoni LÉO POSTERNAK * Nas última duas décadas, houve uma indiscutível mudança na agenda dos direitos sociais no Brasil. Passamos das garantias

Leia mais

Risco Social na Região Metropolitana do Rio de Janeiro:

Risco Social na Região Metropolitana do Rio de Janeiro: Risco Social na Região Metropolitana do Rio de Janeiro: Um quadro sobre as condições socioeconômicas das crianças e jovens 1995-2003 *. André Urani, Érica Amorim, Juliana Speranza, Mauricio Blanco - IETS

Leia mais

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela 1 Introdução O Programa Bolsa Família (PBF) é o maior programa sócio assistencial atualmente no país, que atende cerca de 11,1 milhões de famílias brasileiras. O PBF tem sido objeto de várias questões

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

CADERNOS REGIONAIS SUDESTE

CADERNOS REGIONAIS SUDESTE CADERNOS REGIONAIS SUDESTE 2015 Apresentação Neste ano de 2015 se realiza o 12º CONCUT Congresso Nacional da Central Única dos Trabalhadores -, momento de suma importância para não só eleger a nova direção

Leia mais

O Brasil e o IDH. No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o

O Brasil e o IDH. No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o O Brasil e o IDH No mês de setembro de 2005 o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) divulgou o Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH 2005), com a análise de 177 países. Com dados

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília IE - Departamento de Estatística Avaliando o Impacto do Programa Bolsa Família no Trabalho Infantil e Frequência Escolar Infantil: Uma Abordagem de Regressão Descontínua Ana Paula

Leia mais

DMI-VivaReal. Dados do Mercado Imobiliário 2013

DMI-VivaReal. Dados do Mercado Imobiliário 2013 DMI-VivaReal Dados do Mercado Imobiliário 2013 Dados do Mercado Imobiliário 2013 Sumário Metodologia 7 Contexto da Macroeconomia Brasileira 10 Dados do Mercado Imobiliário no Brasil em 2013 12 São Paulo

Leia mais

Políticas Sociais no Brasil

Políticas Sociais no Brasil Políticas Sociais no Brasil Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do IPEA Brasília, agosto/2010 Algumas características: Políticas sociais são formas mais ou menos

Leia mais

DETERMINANTES DA VIOLÊNCIA NO BRASIL

DETERMINANTES DA VIOLÊNCIA NO BRASIL ESTUDO DETERMINANTES DA VIOLÊNCIA NO BRASIL Luciana da Silva Teixeira Consultora Legislativa da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional ESTUDO NOVEMBRO/2004

Leia mais