RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28"

Transcrição

1 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças sociais. De acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), entre 2002 e 2012 a renda domiciliar per capita do brasileiro aumentou 43% em termos reais, e a porcentagem de pobres no país caiu 20 pontos percentuais (p.p.) de 38% para 18%. A desigualdade de renda, uma das principais mazelas nacionais, também diminuiu: o Coeficiente de Gini 1, que era de quase 0,59 no início do período, um dos mais elevados do mundo, correspondeu a pouco menos de 0,53 em 2012, último ano com informações disponíveis. Em trabalhos anteriores do Observatório Sebrae/RJ Os Pequenos Negócios em Foco 2, constatou-se que o Estado do Rio de Janeiro (ERJ) também vivenciou essas transformações, porém num ritmo mais lento do que o observado no restante do Brasil. Em especial, a desigualdade fluminense tem se mostrado resistente a queda enquanto a renda domiciliar per capita no ERJ figura entre as maiores do país, a pobreza atinge uma proporção da população superior à de todos os estados das regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste. Portanto, aproveitando o lançamento da última PNAD, referente ao ano de 2012, é de suma importância compreender melhor o fenômeno da desigualdade no ERJ. Para isso acompanha-se, nesta nota, a evolução da renda e da pobreza no estado em relação ao Brasil (BR), ao Sudeste (SE) e ao Estado de São Paulo (ESP). Incluem-se também informações relativas à Região Metropolitana do Rio de Janeiro 1. O Coeficiente de Gini é uma medida de desigualdade na distribuição de renda que varia de 0 a 1. Quanto mais alto o coeficiente, maior a concentração de renda, sendo 1 a desigualdade total. 2. Ver, por exemplo, a Nota Conjuntural nº 22 ( Como anda o Rio de Janeiro? ), de abril de 2013, ou o Estudo Estratégico nº 4 ( Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? ), de agosto do mesmo ano.

2 (RMRJ). Em seguida, são analisados os determinantes da desigualdade de renda e da pobreza através de simulações contrafactuais. Os dados são provenientes da PNAD/IBGE e cobrem o período de 2002 a RENDA MENSAL DOMICILIAR PER CAPITA O Estado do Rio de Janeiro tem a quarta maior renda mensal domiciliar per capita do país, de R$ 1.026, atrás do Distrito Federal (R$ 1.655), de São Paulo (R$ 1.134) e de Santa Catarina (R$ 1.080). Como pode ser visto no Gráfico 1, após cair em 2011, a renda per capita voltou a crescer no ERJ (5%) em Esse aumento, contudo, não foi capaz de impedir que, pela primeira vez na década, a renda na Região Sudeste ficasse acima da observada no estado. No último ano analisado, a renda per capita subiu 8,5% no SE, chegando a R$ No Brasil, seu valor foi de R$ 871. Desde 2003, foram verificados acréscimos sucessivos em ambas. No Estado de São Paulo, houve menos estabilidade: a renda passou a crescer somente em 2004 e se manteve constante em Já no Estado do Rio Janeiro e na sua Região Metropolitana, oscilou um pouco mais e sofreu reduções em 2007 e GRÁFICO 1 RENDA MENSAL DOMICILIAR PER CAPITA (R$ 2012) FONTE: IETS com base nos dados da PNAD / IBGE.

3 A renda mensal domiciliar per capita na RMRJ continua superior à observada no ERJ e no Sudeste: correspondeu a R$ em Porém, foi ultrapassada pela renda paulista, fato inédito desde Além disso, ao se ordenar por magnitude de renda as nove regiões metropolitanas brasileiras cobertas pela PNAD 3, observa-se que a RMRJ ocupa o quinto lugar, à frente apenas das metrópoles do Nordeste e do Norte do país. A Tabela 1 mostra as diferenças do ERJ em relação aos demais recortes territoriais em Nota-se que a renda mensal domiciliar per capita no ESP foi 11% superior à verificada no ERJ. Para levantar possíveis explicações, esse diferencial foi decomposto nos determinantes imediatos da renda: porcentagem de adultos por domicílio, renda não derivada do trabalho, taxa de ocupação e remuneração média do trabalho. Como pode ser visto na última linha da Tabela 1, a maior parte (91%) desse diferencial se deveu às diferenças na taxa de ocupação. Isso porque no ERJ essa taxa foi de apenas 56%, frente a 63% no ESP. TABELA 1 DIFERENCIAL DA RENDA MENSAL DOMICILIAR PER CAPITA DO BRASIL, DO SE E DO ESP EM RELAÇÃO À DO ERJ E SEUS DETERMINANTES (2012) FONTE: IETS com base nos dados da PNAD / IBGE. RENDA MENSAL DOMICILIAR PER CAPITA PORCENTAGEM DE ADULTOS 1 POR DOMICÍLIO RENDA NÃO DERI- VADA DO TRABALHO POR ADULTO TAXA DE OCUPAÇÃO 2 REMUNERAÇÃO DO TRABALHO POR OCUPADO ERJ R$ % R$ % R$ BR R$ % R$ % R$ SE R$ % R$ % R$ ESP R$ % R$ % R$ Diferencial em relação ao ERJ BR -16% -3% -25% 11% -18% SE 1% 0% -16% 12% -4% ESP 11% 0% -17% 13% 7% Influência no diferencial BR 100% 19% 40% -48% 89% SE 100% 53% -454% 926% -319% ESP 100% -1% -43% 91% 54% Nota 1: Foram considerados adultos pessoas com 15 anos ou mais, além do chefe do domicílio. Nota 2: Definida como a proporção de adultos ocupados por domicílio. 3. São elas: Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, São Paulo, Curitiba e Porto Alegre, além da Região Metropolitana do Rio de Janeiro.

4 Com efeito, a taxa de ocupação fluminense também é mais baixa do que a brasileira e a do Sudeste, de 62%. Assim, esse é o único fator que contribui para diminuir o diferencial de renda do Brasil em relação ao Estado do Rio de Janeiro, pois impede que a renda mensal domiciliar per capita no estado seja ainda mais alta. Da mesma forma, a taxa de ocupação é responsável pelo fato de a renda no Sudeste ser 1% mais alta do que a aferida no ERJ. Se dependesse dos outros fatores, a renda do estado seria maior 4. No entanto, na comparação com o Brasil, acabam preponderando os efeitos da remuneração do trabalho por ocupado, que é 18% mais alta no ERJ (R$ 1.709) do que no país (R$ 1.399). Além disso, a renda não derivada do trabalho por adulto é substancialmente mais alta no ERJ do que nos demais recortes territoriais considerados, o que pode ser fruto da alta proporção de idosos, que recebem aposentadoria, na população fluminense. Esse fator contribui para distanciar a renda no estado da observada no Brasil (ou seja, aumentar o diferencial) e aproximá-la da verificada no Estado de São Paulo, abrandando a diferença existente. Já o percentual de adultos por domicílio é o mesmo no ERJ, no ESP e no Sudeste (79%), mas ligeiramente inferior no Brasil (77%) 5. Portanto, apesar de a renda per capita no ERJ ainda ser alta, concedendo ao estado uma posição relativamente privilegiada, a baixa taxa de ocupação fluminense tem freado seu crescimento. Os diferenciais de renda nos estados do Rio de Janeiro e de São Paulo, considerando os 40% mais pobres e os 10% mais ricos, permitem analisar algumas diferenças relevantes para se entender a desigualdade nos dois territórios. Conforme a Tabela 2, no ERJ a renda per capita dos 40% mais pobres da população é 30% menor do que no ESP. Esse diferencial é explicado basicamente por dois fatores: a menor remuneração do trabalho no ERJ, que contribui com metade dele, e a baixa taxa de ocupação fluminense, que contribui com 45%. 4. Como a renda da Região Sudeste é muito similar à do ERJ, a análise dos determinantes do diferencial não é totalmente adequada. Qualquer variação nos outros indicadores tem forte efeito sobre uma diferença de renda tão pequena por isso as contribuições são tão elevadas. 5. Apesar de o percentual de adultos por domicílio no ERJ ser igual ao constatado no ESP e no SE, sua contribuição para o diferencial é negativa, porque seu peso na determinação da renda difere entre eles.

5 TABELA 2 DETERMINANTES DO DIFERENCIAL DA RENDA MENSAL DOMICILIAR PER CAPITA DOS 40% MAIS POBRES (2012) FONTE: IETS com base nos dados da PNAD / IBGE. DETERMINANTES ERJ ESP DIFERENCIAL INFLUÊNCIA Renda mensal domiciliar per capita R$ 290 R$ % 100% Porcentagem de adultos 1 por domicílio 67% 68% 1% 4% Renda não derivada do trabalho por adulto R$ 88 R$ 92 5% 4% Taxa de ocupação 2 45% 53% 17% 45% Remuneração do trabalho por ocupado R$ 762 R$ % 48% Nota 1: Foram considerados adultos pessoas com 15 anos ou mais, além do chefe do domicílio. Nota 2: Definida como a proporção de adultos ocupados por domicílio. Observando agora os 10% mais ricos da população, depreende-se da Tabela 3 que a renda per capita é muito parecida nos dois estados (diferença de 2%). Assim como entre os mais pobres, a taxa de ocupação no ESP é maior do que no ERJ. Porém, a renda não derivada do trabalho no ERJ é tão superior (30%) à verificada no ESP que sua contribuição mais do que compensa a da baixa taxa de ocupação fluminense. Além disso, a diferença na remuneração do trabalho deixa de existir. Nota-se, através das Tabelas 2 e 3, que o único determinante da renda domiciliar per capita favorável ao ERJ é a renda não proveniente do trabalho entre os 10% mais ricos da população (o percentual de adultos nesse mesmo grupo é mais alto no ERJ, mas muito próximo do observado no ESP), o que pode explicar, em parte, a maior desigualdade no nosso estado Esse resultado persiste quando são considerados os 20% mais pobres e os 20% mais ricos.

6 TABELA 3 DETERMINANTES DO DIFERENCIAL DA RENDA MENSAL DOMICILIAR PER CAPITA DOS 10% MAIS RICOS (2012) FONTE: IETS com base nos dados da PNAD / IBGE. DETERMINANTES ERJ ESP DIFERENCIAL CONTRIBUIÇÃO Renda mensal domiciliar per capita R$ R$ % 100% Porcentagem de adultos 1 por domicílio 91% 90% -1% -59% Renda não derivada do trabalho por adulto R$ R$ % -356% Taxa de ocupação 2 64% 74% 16% 493% Remuneração do trabalho por ocupado R$ R$ % 22% Nota 1: Foram considerados adultos pessoas com 15 anos ou mais, além do chefe do domicílio. Nota 2: Definida como a proporção de adultos ocupados por domicílio. POBREZA 7 Devido ao aumento da renda mensal domiciliar per capita, a porcentagem de pobres no ERJ, que teve um ligeiro acréscimo de 15,7% para 16% entre 2009 e 2011, caiu para 15% em Ou seja, após um breve desvio de percurso, o ERJ retomou a trajetória de redução da pobreza. Ainda assim, o estado terminou o período com uma porcentagem de pobres 5 p.p. acima da observada na Região Sudeste, que equivaleu a 10%. No Estado de São Paulo, a taxa de pobreza está com apenas um dígito (9%). De acordo com o Gráfico 2, no decorrer da década a pobreza caiu a níveis recordes em todos os recortes territoriais considerados, ainda que num ritmo mais lento no Rio de Janeiro. Isso fez com que o Sudeste se afastasse do estado, em especial a partir de Ao mesmo tempo, o Brasil foi se aproximando cada vez mais do ERJ. O percentual de pobres no ERJ é superior ao de todos os estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, porém inferior ao dos demais. Destaca-se o aumento da pobreza nos mesmos anos em que há redução na renda domiciliar per capita 2003, 2007 e 2011 no estado e na RMRJ. 7. Para o cálculo do percentual de pobres e extremamente pobres, foi construída uma linha de extrema pobreza regionalizada que varia de R$ 80, nas áreas rurais do Espírito Santo e de Minas Gerais, a R$ 149, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA). Seu valor representa os custos de uma cesta básica alimentar que contemple as necessidades de consumo calórico de um indivíduo em reais de A linha de pobreza foi definida como o dobro dessa quantia. Desse modo, uma pessoa é considerada pobre na RMPA se vive num domicílio cuja renda mensal per capita é inferior a R$ 298.

7 GRÁFICO 2 PORCENTAGEM DE POBRES FONTE: IETS com base nos dados da PNAD / IBGE. De fato, a porcentagem de pobres na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, bem como seu comportamento ao longo do tempo, é semelhante à verificada no estado. Mais uma vez, a metrópole fluminense tem desempenho aquém de suas vizinhas do Sul e do Sudeste, porém melhor do que as do Norte e do Nordeste. No Gráfico 3, é possível notar que a extrema pobreza segue o mesmo padrão da pobreza no que diz respeito à comparação do ERJ com o ESP, o SE, o país e a RMRJ. Entretanto, ela caiu em 2011 e subiu em Nesse ano, o percentual de pessoas extremamente pobres correspondeu a 6% no Brasil, 5% na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, 4% no ERJ, 3% na Região Sudeste e 2% no Estado de São Paulo.

8 GRÁFICO 3 PORCENTAGEM DE EXTREMAMENTE POBRES FONTE: IETS com base nos dados da PNAD / IBGE. A porcentagem de fluminenses em situação de pobreza e de extrema pobreza é alta para o patamar de renda do ERJ. No Paraná e no Rio Grande do Sul, estados cuja renda mensal domiciliar per capita é similar à do Rio de Janeiro, o percentual de pobres ficou em torno de 10% em 2012 e o de extremamente pobres, de 2,5%. Isso sugere que, no ERJ, a renda está mais concentrada nas mãos dos mais ricos. Desse modo, a média não é capaz de capturar as desigualdades existentes na distribuição de renda no estado, o que será abordado a seguir. DESIGUALDADE Os dados apresentados no Gráfico 4 confirmam que a coexistência de altos níveis de renda e de pobreza no Estado do Rio de Janeiro decorre da elevada desigualdade, aqui mensurada pelo Coeficiente de Gini. Em 2012, esse índice correspondeu a 0,529 no ERJ, conferindo ao estado o posto de sétimo mais desigual do país 8. Dado que a 8. Os seis primeiros são: Distrito Federal (Gini de 0,582), Bahia (0,548), Piauí (0,544), Sergipe (0,54), Amapá (0,539) e Roraima (0,53).

9 renda per capita na RMRJ é mais alta do que no ERJ, ao mesmo tempo em que seus índices de pobreza são equivalentes, não chega a surpreender que o Gini metropolitano esteja 0,01 acima do estadual. GRÁFICO 4 COEFICIENTE DE GINI FONTE: IETS com base nos dados da PNAD / IBGE. No Brasil, na Região Sudeste e no Estado de São Paulo, o Coeficiente de Gini foi inferior ao registrado no ERJ, equivalendo, respectivamente, a 0,526, 0,501 e 0,488. Nesses três recortes, o período de 2002 a 2011 foi marcado pela acentuada queda da desigualdade: houve redução de 0,06 a 0,07 na magnitude do Gini. Contudo, no último ano analisado, o índice se manteve praticamente estável no país e subiu no SE e no ESP, acendendo uma luz amarela. A desigualdade de renda também diminuiu ao longo da década no Rio de Janeiro, porém em menor escala (o Gini caiu 0,016 na RMRJ e 0,018 no estado) e de forma não tão consistente. Por conta disso, o estado tem se mostrado mais desigual do que o Brasil desde Todavia, a partir desse mesmo ano, o ERJ e, particularmente, sua Região Metropolitana passaram a acompanhar o ritmo de queda do país e do Sudeste. De 2011 a 2012, o Coeficiente de Gini caiu mais no Estado do Rio de Janeiro (0,44%)

10 e na RMRJ (0,68%) do que no Brasil (0,27%) no SE e no ESP ele cresceu. Porém, isso não foi suficiente para mudar a posição do estado de maior desigualdade. A alta desigualdade de renda brasileira e fluminense também pode ser constatada através de outros indicadores. Por exemplo, os 10% mais ricos ganham 15 vezes mais do que os 40% mais pobres no país e no ERJ. Na RMRJ, esse diferencial é ainda maior, de 16 vezes. No SE e no ESP é um pouco menor, de 13 e 12 vezes, respectivamente. DETERMINANTES DA DESIGUALDADE E DA POBREZA NO ERJ A maior parte da renda dos domicílios é proveniente do trabalho. Os objetivos desta seção são, portanto, analisar: i) o efeito dos diferenciais nos rendimentos do trabalho sobre a pobreza e a desigualdade no ERJ; ii) quais seriam elas se os diferenciais salariais do estado se igualassem aos do ESP, do SE ou do país. Sabe-se que a redução da desigualdade de renda e da pobreza no Rio de Janeiro está relacionada à diminuição dos diferenciais na remuneração do trabalho, que foi responsável por uma queda de 5% no Coeficiente de Gini e de cerca de 25% na porcentagem de pobres e de extremamente pobres no estado entre 2002 e A Tabela 4 contém os resultados da seguinte simulação contrafactual: qual seria o nível de desigualdade e de pobreza no ERJ, caso os diferenciais salariais fossem iguais aos verificados no Brasil, na Região Sudeste ou no ESP? As diferenças nos rendimentos do trabalho auferidos no Estado do Rio de Janeiro são mais concentradoras do que as existentes na Região Sudeste e, especialmente, no Estado de São Paulo. Desse modo, se a desigualdade salarial observada no ERJ fosse semelhante à verificada no ESP, haveria uma queda de 20% na pobreza e de 9% na extrema pobreza. O mesmo não pode ser dito na comparação com o Brasil. Caso o mercado de trabalho fluminense apresentasse os mesmos diferenciais do brasileiro, a desigualdade e a pobreza no estado seriam ainda maiores.

11 TABELA 4 SIMULAÇÕES DOS EFEITOS DE MUDANÇAS NOS DIFERENCIAIS SALARIAIS SOBRE A DISTRIBUIÇÃO DA RENDA MENSAL DOMICILIAR PER CAPITA NO ERJ (2012) FONTE: IETS com base nos dados da PNAD / IBGE. CASO OS DIFERENCIAIS FOSSEM IGUAIS AOS DO: DESIGUALDADE 1 POBREZA 2 EXTREMA POBREZA 3 ERJ 0,529 15,1% 4,3% SP 0,516 12,1% 3,9% SE 0,521 13,5% 4,2% BR 0,531 15,8% 4,8% Nota 1: Medida pelo Coeficiente de Gini da renda domiciliar per capita. Nota 2: Porcentagem de pobres. Nota 3: Porcentagem de extremamente pobres. A Tabela 5 apresenta quanto os diferenciais salariais por características pessoais e ocupacionais influenciam o Coeficiente de Gini, a porcentagem de pobres e a de extremamente pobres no ERJ. Os percentuais foram obtidos a partir da diferença entre o indicador observado e as simulações dos indicadores, caso fossem eliminadas as diferenças de salário existentes em função de atributos dos trabalhadores (sexo, por exemplo) e do posto de trabalho (posição na ocupação 9 e setor de atividade) A posição na ocupação é a forma de inserção do indivíduo no mercado de trabalho, como empregado com ou sem carteira, trabalhador por conta própria, empregador, etc. 10. É importante ressaltar que os resultados das simulações feitas para o Brasil, a Região Sudeste e o Estado de São Paulo se assemelham aos apresentados na Tabela 5 para o ERJ.

12 TABELA 5 CONTRIBUIÇÃO DOS DIFERENCIAIS SALARIAIS POR CARACTERÍSTICAS PESSOAIS E OCUPACIONAIS PARA A DESIGUALDADE, A POBREZA E A EXTREMA POBREZA NO ERJ (2012) FONTE: IETS com base nos dados da PNAD / IBGE. DESIGUALDADE 1 POBREZA 2 EXTREMA POBREZA 3 Educação 16% 39% 24% Sexo -1% -4% -5% Cor 1% 5% 3% Idade 2% 6% -1% Área (urbana ou rural) 0% 0% -1% Posição na ocupação 3% 9% 11% Setor de atividades 1% 4% 3% Nota 1: Medida pelo Coeficiente de Gini da renda domiciliar per capita. Nota 2: Porcentagem de pobres. Nota 3: Porcentagem de extremamente pobres. O destaque fica para o efeito da desigualdade salarial por nível educacional sobre a pobreza e a extrema pobreza no ERJ, que poderia ser 39% e 24% menor, respectivamente, caso todos tivessem a mesma escolaridade ou não existissem os diferenciais gerados pelo mercado de trabalho em função do grau de instrução. Já o Coeficiente de Gini teria queda de 16%. Como os mais pobres são, em geral, menos escolarizados do que os mais ricos, faz sentido que haja redução da desigualdade e da pobreza quando se eliminam os diferenciais salariais por educação. Vale ressaltar que a contribuição desse fator caiu ao longo da década. A pequena influência dos diferenciais por sexo, cor, idade e área de residência se deve ao fato de que estão sendo considerados os efeitos de cada fator isoladamente. Por exemplo, ao olhar para a desigualdade salarial por cor, comparam-se pessoas que diferem apenas nesse aspecto ou seja, possuem o mesmo nível educacional, o mesmo sexo, a mesma idade, o mesmo perfil ocupacional e vivem na mesma área. Por conta disso, os diferenciais de remuneração normalmente verificados no mercado de trabalho para essas características aparecem com menor intensidade. Dessa forma, o peso desses atributos na determinação da pobreza e da desigualdade é reduzido.

13 Ainda assim, a influência dos diferenciais salariais por cor, dadas as demais características dos trabalhadores, é positiva, o que pode estar ligado à maior proporção de negros (que auferem menores rendimentos no mercado de trabalho) entre os mais pobres do que entre os mais ricos. Observa-se que os diferenciais salariais por sexo contribuem para diminuir os três indicadores considerados. Ou seja, há aumento no Gini e no percentual de pobres e extremamente pobres quando se eliminam as diferenças nos rendimentos do trabalho entre homens e mulheres. É possível que isso esteja relacionado à maior proporção de ocupados do sexo masculino entre os mais pobres relativamente aos mais ricos. Merece ênfase também o peso dos diferenciais por posição na ocupação, que contribuem com 3% da desigualdade de renda, 9% da pobreza e 11% da extrema pobreza. Duas pessoas muito parecidas, no mesmo setor de atividade, podem ter remunerações diferentes simplesmente pelo posto que ocupam. A informalidade é uma candidata a explicar esse diferencial, visto que trabalhadores sem carteira de trabalho e por conta própria tendem a obter ganhos mais baixos do que os demais. Além disso, os mais pobres costumam estar sobrerrepresentados nessas posições. Os diferenciais por setores não se mostraram particularmente relevantes, ainda que reforcem a desigualdade de renda e a pobreza no estado. EM RESUMO O Estado do Rio de Janeiro tem a quarta maior renda mensal domiciliar per capita do país, de R$ Após cair em 2011, a renda aumentou 5% no ERJ em Contudo, pela primeira vez na década, a renda na Região Sudeste superou a fluminense. Ao analisar os determinantes dos diferenciais de renda do estado com relação ao Brasil, ao Sudeste e ao Estado de São Paulo, nota-se que a taxa de ocupação no ERJ, de 56%, é inferior à registrada nesses três recortes. A baixa taxa de ocupação fluminense tem freado o crescimento da renda no estado. Em 2012, o Estado do Rio de Janeiro retomou a trajetória de redução da pobreza. Todavia, o ritmo de queda da pobreza no ERJ ao longo da década foi mais lento, e o índice de pobreza é alto para os padrões de renda do estado. A porcentagem de pobres no ERJ em 2012 (15%) é superior à de todos os estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

14 A coexistência de altos níveis de renda e pobreza no Estado do Rio de Janeiro é reflexo da elevada desigualdade. O Coeficiente de Gini no estado, que corresponde a 0,529, é o sétimo maior do país. Embora a redução da desigualdade no Rio de Janeiro tenha sido menos acentuada no total do período, a boa notícia é que, em 2012, o Gini no ERJ e na RMRJ caiu mais do que no Brasil, onde se manteve praticamente constante. No SE e no ESP, a desigualdade aumentou no último ano, gerando apreensão. A diminuição dos diferenciais na remuneração do trabalho foi responsável por uma queda de 5% no Coeficiente de Gini e de cerca de 25% na porcentagem de pobres e de extremamente pobres no ERJ entre 2002 e Ainda assim, as diferenças salariais geradas pelo mercado são mais concentradoras no Rio de Janeiro do que no SE e, principalmente, no Estado de São Paulo se a desigualdade nas remunerações no ERJ fosse semelhante à existente no ESP, haveria uma queda de 20% na pobreza e de 9% na extrema pobreza. Entre as características pessoais e ocupacionais analisadas, os diferenciais de salário por escolaridade são a principal fonte de desigualdade no ERJ. Se toda a população do estado tivesse o mesmo grau de instrução ou se não existissem diferenças na remuneração de acordo com o nível educacional, o Coeficiente de Gini cairia 16%, o percentual de pobres, 39%, e o de extremamente pobres, 24%. Outro fator de destaque são os diferenciais por posição na ocupação, que contribuem com 3% da desigualdade de renda, 9% da pobreza e 11% da extrema pobreza, e podem estar relacionados à alta informalidade no estado. E MAIS... Em 2012, a taxa de desemprego das pessoas com ensino médio incompleto no ERJ, grupo educacional com maior nível de desemprego, foi de 11,4%, com queda de 4,6 pontos percentuais em relação a 2011.

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

RENDA, TRABALHO E EMPREENDEDORISMO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

RENDA, TRABALHO E EMPREENDEDORISMO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RENDA, TRABALHO E EMPREENDEDORISMO NOTA CONJUNTURAL Nº35 2015 NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL Nº35 2015 PANORAMA GERAL O ano de 2015 se inicia com grandes incertezas com relação à economia

Leia mais

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco Estudo Estratégico n o 4 Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco PANORAMA GERAL ERJ receberá investimentos recordes da ordem

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Comunicado da. Presidência

Comunicado da. Presidência Número 7, agosto de 2008 Comunicado da Presidência Pobreza e riqueza no Brasil metropolitano Realização: Assessoria Técnica da Presidência 2 1. Apresentação 1 A economia brasileira, ao longo dos últimos

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 PANORAMA GERAL Os movimentos de transição da população ocupada entre as

Leia mais

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 TEMAS SOCIAIS Diferentes histórias, diferentes cidades A evolução social brasileira entre 1996 e 1999 não comporta apenas uma mas muitas histórias. O enredo de

Leia mais

Universalização do acesso a. A que distância estamos? Ricardo Paes de Barros - ipea

Universalização do acesso a. A que distância estamos? Ricardo Paes de Barros - ipea Universalização do acesso a serviços públicos p básicos: b A que distância estamos? Ricardo Paes de Barros - ipea Brasília, novembro de 2009 Evolução temporal da extrema pobreza: Brasil, 1990 a 2008 26

Leia mais

Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil

Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IPEA) Samuel Franco (IPEA) Rosane Mendonça (UFF) Brasília, agosto de 2006 Entre 2001 e 2004 a

Leia mais

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços?

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? Nº 19 Novembro de 2011 A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

COMO ANDA O ESTUDO ESTRATÉGICO DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO? Nº 04 AGOSTO DE 2013 RIO DE JANEIRO

COMO ANDA O ESTUDO ESTRATÉGICO DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO? Nº 04 AGOSTO DE 2013 RIO DE JANEIRO COMO ANDA O DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO? ESTUDO ESTRATÉGICO Nº 04 AGOSTO DE 2013 RIO DE JANEIRO SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro Rua Santa

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década João Saboia 1 1) Introdução A década de noventa foi marcada por grandes flutuações na economia brasileira. Iniciou sob forte recessão no governo

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA

CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1. INTRODUÇÃO Ricardo Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IPEA) Samuel Franco (IPEA) Rosane Mendonça (UFF) A boa notícia

Leia mais

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões Pobreza e Prosperidade Compartilhada nas Regiões Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades Aude-Sophie Rodella Grupo Sectorial da Pobreza Brasilia, June 2015 No Brasil, a pobreza

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

F.13 Cobertura vacinal

F.13 Cobertura vacinal F.13 Cobertura vacinal Trata-se de um conjunto de 8 indicadores que avaliam a cobertura vacinal em menores de um ano para as seguintes doenças: hepatite B, sarampo, rubéola, caxumba, difteria, tétano,

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Risco Social na Região Metropolitana do Rio de Janeiro:

Risco Social na Região Metropolitana do Rio de Janeiro: Risco Social na Região Metropolitana do Rio de Janeiro: Um quadro sobre as condições socioeconômicas das crianças e jovens 1995-2003 *. André Urani, Érica Amorim, Juliana Speranza, Mauricio Blanco - IETS

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O mercado de trabalho em 2012 Dia Nacional da Consciência Negra A rota de redução de desigualdades na RMSP O crescimento

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Comparativo entre o rendimento médio dos beneficiários de planos de saúde individuais e da população não coberta por planos de saúde regional e por faixa etária Amanda Reis Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena 2010 / 2011. Empresa

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena 2010 / 2011. Empresa ANUÁRIO DO TRABALHO namicro e Pequena Empresa 2010 / 2011 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Diretor-Presidente

Leia mais

É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1.

É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1. COEFICIENTE GINI É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1. 0 = completa igualdade 1= completa desigualdade. Desigualdade

Leia mais

A desigualdade de renda parou de cair? (Parte I)

A desigualdade de renda parou de cair? (Parte I) www.brasil-economia-governo.org.br A desigualdade de renda parou de cair? (Parte I) Marcos Mendes 1 O governo tem comemorado, ano após ano, a redução da desigualdade de renda no país. O Índice de Gini,

Leia mais

Síntese de Indicadores Sociais 2003

Síntese de Indicadores Sociais 2003 Comunicação Social 13 de abril de 2004 Síntese de Indicadores Sociais 2003 Em 2030, cerca de 40% da população brasileira deverá ter entre 30 e 60 anos O estudo tem capítulos específicos sobre Educação,

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário Boletim Econômico Federação Nacional dos Portuários Agosto de 2014 Sumário Indicadores de desenvolvimento brasileiro... 2 Emprego... 2 Reajuste dos salários e do salário mínimo... 3 Desigualdade Social

Leia mais

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010 Apresentação O Mapa de Exclusão Social do Pará elaborado pelo Instituto do Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará IDESP e pela Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças

Leia mais

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Brasília, 7 A pobreza extrema no país caiu a 2,8%

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Título: Características do trabalho por conta própria no Brasil

Título: Características do trabalho por conta própria no Brasil Área 4 Economia e Movimentos Sociais: mercado de trabalho e sindicalismo; política agrária e movimentos sociais no campo; economia solidária; desigualdade étnico-racial e de gênero; movimento estudantil

Leia mais

Perfil ocupacional dos empregados do setor de energia elétrica no Brasil: 1998/2004

Perfil ocupacional dos empregados do setor de energia elétrica no Brasil: 1998/2004 Ano 3 Nº 28 dezembro de 2006 Perfil ocupacional dos empregados do setor de energia elétrica no Brasil: 1998/2004 REDE ELETRICITÁRIOS RESUMO Este estudo retrata a evolução do emprego no setor elétrico entre

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 SEBRAE (Org.) Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 São Paulo, 2013 SEBRAE (Org.) S492a Anuário

Leia mais

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO NOTA TÉCNICA EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO Maria Andréia Parente Lameiras* 1 INTRODUÇÃO Ao longo da última década, o mercado de trabalho no Brasil vem apresentando

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO

INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO Neste número apresentamos dados alentadores sobre o mercado de trabalho em nossa região metropolitana. Os dados referentes ao desemprego em

Leia mais

ESCOLARIDADE AUMENTA NA ÚLTIMA DÉCADA, MAS A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO NEGROS AINDA É BASTANTE ALTA 1

ESCOLARIDADE AUMENTA NA ÚLTIMA DÉCADA, MAS A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO NEGROS AINDA É BASTANTE ALTA 1 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS ESCOLARIDADE AUMENTA NA ÚLTIMA DÉCADA, MAS A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO NEGROS AINDA É BASTANTE ALTA 1 Nos últimos anos, o Brasil experimentou expressiva

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil***

1 INTRODUÇÃO. Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil*** BOLSA FAMÍLIA, ESCOLHA OCUPACIONAL E INFORMALIDADE NO BRASIL* Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil*** 1 INTRODUÇÃO O Bolsa Família (BF) é um programa assistencialista que visa

Leia mais

Avaliando o Trabalho Decente no Brasil Um olhar sobre o Perfil do Trabalho Decente no país

Avaliando o Trabalho Decente no Brasil Um olhar sobre o Perfil do Trabalho Decente no país Avaliando o Trabalho Decente no Brasil Um olhar sobre o Perfil Decente no país O que é Trabalho Decente? A Agenda Decente é um sistema reconhecido globalmente para redução da pobreza e desenvolvimento

Leia mais

DESIGUALDADE DE RENDA E CLASSES SOCIAIS

DESIGUALDADE DE RENDA E CLASSES SOCIAIS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES IJSN N O TA T É C N I C A 17 DESIGUALDADE DE RENDA E CLASSES SOCIAIS Economia do

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Sobre a Evolução Recente da Pobreza e da Desigualdade

Sobre a Evolução Recente da Pobreza e da Desigualdade Sobre a Evolução Recente da Pobreza e da Desigualdade Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Ricardo Paes de Barros Brasília, setembro de 2009 Taxa anual de crescimento da renda domiciliar

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena. Empresa

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena. Empresa ANUÁRIO DO TRABALHO namicro e Pequena Empresa 2013 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Diretor-Presidente Luiz

Leia mais

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO ISSN 119-968 INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número Março de APRESENTAÇÃO O Boletim apresenta uma síntese do documento Panorama Social de América Latina -1, uma publicação da Comissão Especial para a América

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Taxa de desemprego sobe para 5,7% em março

Taxa de desemprego sobe para 5,7% em março Taxa de desemprego sobe para 5,7% em março A taxa de desemprego registrou elevação para 5,7% em março ante 5, observado em fevereiro nas seis regiões metropolitanas pesquisadas na apuração da Pesquisa

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Sumário Executivo. Redistribuição à Brasileira: Ingredientes Trabalhistas

Sumário Executivo. Redistribuição à Brasileira: Ingredientes Trabalhistas Sumário Executivo Redistribuição à Brasileira: Ingredientes Trabalhistas Seguindo a analogia culinária tradicional, o bolo dos brasileiros pobres cresceu nos últimos dez anos, apesar do crescimento ter

Leia mais

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2014 Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres O mercado de trabalho metropolitano de Fortaleza,

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de trabalho

Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de trabalho RIO DE JANEIRO: TRABALHO E SOCIEDADE -Ano 1-Nº 1 JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO DO RIO DE JANEIRO* 1. Introdução DANIELLE CARUSI MACHADO** Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de

Leia mais

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ 1.0 Introdução Prof. Dr. Joilson Dias Assistente Científica: Cássia Kely Favoretto Costa Departamento de Economia Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente João Saboia 1 1. Introdução A questão do salário mínimo está na ordem do dia. Há um reconhecimento generalizado de que seu valor é muito

Leia mais

Análise Setorial de Emprego

Análise Setorial de Emprego Análise Setorial de Emprego Maio de 2015 Ficha Técnica Governador do Estado de Minas Gerais Fernando Pimentel Secretário de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social André Quintão Secretária Adjunta

Leia mais

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.7/8 Uma análise a partir da PNAD

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.7/8 Uma análise a partir da PNAD Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.7/8 Uma análise a partir da PNAD Equipe: André Urani (editor responsável) Adriana Fontes Luísa Azevedo Esta é uma edição especial do boletim Empreendedorismo

Leia mais

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CNPq/FAPERJ/CAPES ---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO COORDENAÇÃO LUIZ CÉSAR DE QUEIROZ RIBEIRO EQUIPE RESPONSÁVEL ANDRÉ RICARDO SALATA LYGIA GONÇALVES

Leia mais

SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, NOVEMBRO DE 2012 17 2012

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Censo Demográfico 2010 Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2012 As presentes publicações dão continuidade à divulgação dos resultados do Censo Demográfico 2010

Leia mais

Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional no Espírito Santo

Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional no Espírito Santo GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES IJSN NOTA TÉCNICA 31 Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional

Leia mais

EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001

EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001 BOLETIM DIEESE DIEESE EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001 Há 306 anos morria Zumbi dos Palmares, o maior líder da resistência anti-escravista nas Américas. A sua luta contra a discriminação racial permanece

Leia mais