Contagem de Ciclistas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contagem de Ciclistas"

Transcrição

1 Contagem de Ciclistas Cruzamento da Av. Augusto Franco com Av. Gonçalo Rollemberg Leite Aracaju Sergipe Quarta-feira, 23 de abril de Imagem:Ciclo Urbano

2 1- APRESENTAÇÃO A Organização Não Governamental Associação Ciclo Urbano, fundada em 2007, tem por finalidade promover à utilização da bicicleta, como também o uso de outras formas de locomoção e transporte a propulsão humana, com integração ao transporte público motorizado, fiscalizando-o e propondo melhorias em sua qualidade e eficiência na cidade de Aracaju. Em março de 2013, a Associação Ciclo Urbano, participou do Workshop A Promoção da Mobilidade por Bicicletas no Brasil, promovido pela ONG Transporte Ativo e realizado na PUC-RJ (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro). Durante o workshop, foi ensinada a metodologia para realizar a contagem de ciclistas. A partir da interpretação dos dados recolhidos durante a contagem, podemos perceber a real necessidade da implantação de políticas públicas que promovam melhorias na infraestrutura cicloviária da cidade de Aracaju, juntamente com os órgãos de planejamento municipal. Para tanto, este documento pretende subsidiar a qualquer interessado dispondo informações relevantes através de dados estatísticos, baseados em metodologias científicas respaldada por pesquisadores e instituições públicas e ONG s sobre a demanda de fluxo de ciclistas e quais os caminhos percorridos pelos mesmos na esquina das Avenidas Augusto Franco com avenida Gonçalo Rolemberg Leite, Bairro Siqueira Campos.

3 2- INTRODUÇÃO A contagem de ciclistas foi realizada no cruzamento da Av. Augusto Franco com a Av. Gonçalo Rolemberg Leite, demonstrado na imagem abaixo. A ciclovia da Av. Augusto Franco (popularmente conhecida como Av. Rio de Janeiro) foi a primeira ciclofaixa construída em Aracaju, a sua construção foi motivada por esta avenida ser um importante trecho de ligação entre as várias zonas residenciais de Aracaju. Imagem I: Área de Contagem. Fonte: Mapa Cicloviário de Aracaju - Google Maps, Adaptação Associação Ciclo Urbano. Em 3 de abril de 2013, a Associação Ciclo Urbano, realizou a primeira contagem manual de ciclista e o local escolhido foi justamente esse, pelo fato de ser um trecho que possui historicamente um movimento intenso de ciclistas. Devido a essa grande circulação, se fez necessária a aplicação da segunda contagem no mesmo local para que possa ser analisado itens de fluxos, circulação, tipo de usuário e rotas utilizadas e avaliar questões importantes para os usuários de bicicleta nesta região. Assim como há um ano atrás, a metodologia de Aplicação da Contagem de Ciclistas é realizada com o preenchimento da planilha (ANEXO 1) que contém a área delimitadora das direções, sentidos de chegada e de saída do ciclista no local da pesquisa. Seguindo a metodologia, a contagem também coletou informações complementares como o tipo de

4 bicicleta (cargueira, serviço e normal), o uso de capacete, se o ciclista leva um carona e o gênero do ciclista. 3- CONTAGEM DE CICLISTAS. Para quantificar o volume de ciclistas no local, a Associação Ciclo Urbano realizou na quarta-feira, dia 23 de abril de 2014, no intervalo entre as 06:00 e as 19:00 horas, a 6ª Contagem de Ciclistas, com o objetivo de levar à Prefeitura Municipal de Aracaju (PMA), a Secretaria Municipal de Transportes (SMTT) e demais órgãos interessados os resultados e discussões deste estudo, permitindo assim, uma melhor avaliação da área para futuros projetos e intervenções no local. A metodologia de Aplicação da Contagem de Ciclistas é realizada com o preenchimento da planilha (ANEXO 1) que contém a área delimitadora das direções, sentidos de chegada e de saída do ciclista no local da pesquisa. A contagem manual nos permite quantificar e, observar vários itens correspondentes ao deslocamento por bicicletas assim como o comportamento dos ciclistas que transitam pela região, facilitando assim, a adoção de medidas e ações. 4- RESULTADOS Adotando os sentidos referenciados na planilha de contagem (ANEXO I) e conforme os dados da imagem II e da tabela de fluxo abaixo, foi constatado 23,72% do fluxo de ciclistas tiveram como destino a Av. Tancredo Neves com destino para Av. Beira Mar (21,42%) e que 31,25% do fluxo de ciclistas tiveram destino em direção ao bairro Siqueira Campos 23,60% e 23,60% ao bairro Ponto Novo. Com relação a origem, foi constatado que 23,53% do fluxo de ciclistas tiveram como destino a Av. Tancredo Neves 20,20% a Av. Beira Mar e que 56,27% do fluxo de ciclistas tiveram o destino em direção ao bairro Siqueira Campos (30,72%) ou ao bairro Ponto Novo (25,55%). Fluxo Destino Percentual 620 Av. Tancredo Neves 23,72% 817 Bairro Siqueira Campos 31,25% 560 Av. Beira Mar 21,42% 617 Bairro Ponto Novo 23,60%

5 Fluxo Origem Percentual 615 Av. Tancredo Neves 23,53% 803 Bairro Siqueira Campos 30,72% 528 Av. Beira Mar 20,20% 668 Bairro Ponto Novo Tabela I: Fluxo origem e destino e percentual. Fonte: Associação Ciclo Urbano. 25,55% Na análise de origem/destino, observa-se que a região do Bairro Siqueira Campos é o principal gerador de fluxo de bicicletas. O que interpreta-se que esta região pode ser considerada prioritária para a inserção de infraestrutura cicloviária, já que a demanda de origem e destino concentra-se nos bairros da qual mesma faz parte. Realizando um comparativo com a contagem anterior percebe-se que taxa percentual de variação entre a origem e destino é de 2% para mais ou para menos. Esta porcentagem mostra que a o fluxo de ciclistas é quase o mesmo o que comprova a inexistência de atrativos para novos ciclistas. Nas demais regiões, observa-se que há uma proximidade da porcentagem dos fluxos. Esta análise, respaldada pela observação no momento da contagem, faz constatar que grande parte dos ciclistas que transitam neste cruzamento são originários de zonas periféricas da Cidade de Aracaju com destino para as demais regiões e que a maioria utiliza a bicicleta como meio de transporte casa/trabalho e trabalho/casa..

6 Imagem II: Sistematização da contagem de ciclistas e especificação da Origem/Destino da área de contagem.

7 Sobre a relação gênero masculino e feminino, observa-se que a maior porcentagem é de ciclistas homens e que somente 4,09% do total dos transeuntes são do gênero feminino. Esta análise, sugere que seja iniciado um processo de formação educativa e de incentivos às mulheres para utilizarem a bicicleta diariamente nos seus deslocamentos. Em comparação a contagem anterior, percebe-se que percentualmente, em relação a percentual total, houve um aumento de mulheres, mas numericamente houve uma redução de 16 mulheres com relação a contagem de Mais uma vez reforça-se que o poder público, a sociedade civil organizada e as empresas possas incentivar o uso da bicicletas também para as mulheres podendo assim estabelecer uma equidade de gênero neste meio modal.

8 A relação ciclistas/hora objetiva-se na análise dos quais os horários de picos de fluxo de ciclistas e qual a relação dos mesmos no tipo de deslocamento. Observando a tabela acima, ocorre a existência de picos entre os horários entre 7h00 e 8h00 da manhã e entre as 17h00 e as 18h00. Este fluxo justifica-se pelo uso da bicicleta para o deslocamento, casa/trabalho e trabalho/casa, já que o principal indutor de mobilidade tanto para automóveis como para bicicletas na cidade de Aracaju concentra-se neste horário e para este fim. Estes dados mostram que as infraestruturas cicloviárias devem ser pensadas, projetadas e executadas com o foco neste tipo de deslocamento a fim de diminuir a relação de conflito entre o automóvel e a bicicleta, além de ações educativas que priorizem o compartilhamento das vias durante todo o dia. Realizando a análise sobre a média de ciclistas, observa-se que 201 ciclistas/hora é um número expressivo, já que calcula-se que há um fluxo médio superior a 3 ciclistas por minuto na área de contagem. Em comparativo a contagem realizada no ano anterior percebe-se uma redução, já que em 2013 a média era de 222 ciclistas/hora e nesta contagem é de 201 ciclistas/hora. Esta observação mostra que mesmo sendo realizados estudos para subsidiar o poder público na tomada de decisões não houve nenhuma ação efetiva nesta região que oferecesse uma aumento da quantidade de ciclistas.

9 Esta abordagem reforça que cada vez mais o poder Público Municipal em parceria com os demais órgãos responsáveis, deve buscar novas formas intervenção a fim de melhorar a infraestrutura cicloviária de Aracaju, já que este estudo constata que existe demanda por parte dos usuários. Sobre a análise do tipo de bicicleta, objetiva-se analisar as formas de uso e quais as relações sobre a escolha deste modal. Com esta análise, constata-se que o maior uso, 86,65% é de bicicletas convencionais. Pode-se afirmar que a bicicleta ainda não é muito utilizada nas relações de distribuição e logística de materiais nesta localidade. Em contraponto a esta afirmação, defendemos que a bicicleta tipo cargueira e de serviço possui um grande potencial na distribuição de mercadorias de pequeno e médio porte para curtas e médias distâncias, devido a sua facilidade de locomoção, baixo custo de manutenção e estacionamento. Em comparativo a contagem anterior houve um aumento do número de bicicletas cargueiras em 2013 era de 95 e em 2014 de 133 este aumento mostra que o mercado local vem aderindo a bicicleta como meio de transporte para entrega devido ao seu baixo custo e viabilidade ambiental que é agregada ao serviços que são realizados por bicicleta. Para que este quadro possa ser revertido deve-se iniciar um processo que incentive, junto a pequenas e médias empresas que atuam neste setor de distribuição de materiais, sobre as facilidades e potencialidades do uso da bicicleta como meio modal destes serviços.

10 5- INFOGRÁFICO

11 6- IMAGENS 2614 ciclistas em 13 horas Média de 201,07 ciclistas por hora homens - 95,91%

12 107 mulheres - 4,09% 349 de serviço, 12,48%

13 sendo: 215 normais, 7,60% do total 133 cargueiras, 4,84% do total

14 1 triciclo, 0,04% do total 37 ciclistas de capacete, 1,40%

15 55 com carona, 2,06%

16 7- DADOS DA CONTAGEM Turnos Fluxo Horários 1ª hora 392 ciclistas 6 às 7 2ª hora 338 ciclistas 7 às 8 3ª hora 174 ciclistas 8 às 9 4ª hora 134 ciclistas 9 às 10 5ª hora 75 ciclistas 10 às 11 6ª hora 111 ciclistas 11 às 12 7ª hora 107 ciclistas 12 às 13 8ª hora 106 ciclistas 13 às 14 9ª hora 89 ciclistas 14 às 15 10ª hora 105 ciclistas 15 às 16 11ª hora 165 ciclistas 16 às 17 12ª hora 434 ciclistas 17 às 18 13ª hora 384 ciclistas 18 às 19 TOTAL ciclistas MÉDIA 201,07 ciclistas/hora Horário de Pico Fluxo 6 às 7 e 17 às ciclistas Gênero Quantidade Percentual Homem ,91% Mulher 107 4,09% Total % Tipo Bicicletas em serviço Percentual Normal 215 7,60% Cargueira 133 4,84% Triciclo 1 0,04% Total ,48% Quantidade Percentual Com Capacete 37 1,40% Com carona 55 2,06% Dobrável 2 0,08% Elétrica 1 0,04% Fluxo Destino Percentual 620 Av. Tancredo Neves 23,72% 817 Bairro S. Campos 31,25% 560 Av. Beira Mar 21,42% 617 Bairro Ponto Novo 23,60% Fluxo Origem Percentual 615 Av. Tancredo Neves 23,53% 803 Bairro S. Campos 30,72% 528 Av. Beira Mar 20,20% 668 Bairro Ponto Novo 25,55%

17 ANEXO I

18

19 Equipe da contagem: Breno Correia Djalma Santos Luciano Aranha Marco Antônio Thiago Andrade Infográfico: Fabiana Droppa Análise e Elaboração do Relatório: Luciano Moura Feitosa José Waldson Costa de Andrade Para maiores informações: Associação Ciclo Urbano Esta contagem foi feita de acordo com metodologia desenvolvida pela Associação Transporte Ativo

Contagem de Ciclistas Cruzamento da Av. Augusto Franco com Av. Gonçalo Rollemberg Leite Aracaju Sergipe Quarta-feira, 3 de abril de 2013.

Contagem de Ciclistas Cruzamento da Av. Augusto Franco com Av. Gonçalo Rollemberg Leite Aracaju Sergipe Quarta-feira, 3 de abril de 2013. Contagem de Ciclistas Cruzamento da Av. Augusto Franco com Av. Gonçalo Rollemberg Leite Aracaju Sergipe Quarta-feira, 3 de abril de 2013. Imagem:Ciclo Urbano 1- APRESENTAÇÃO A Organização Não Governamental

Leia mais

II Contagem de Ciclistas no Cruzamento. Rua Figueiredo de Magalhães com Av. N. S. de Copacabana. Copacabana Rio de Janeiro

II Contagem de Ciclistas no Cruzamento. Rua Figueiredo de Magalhães com Av. N. S. de Copacabana. Copacabana Rio de Janeiro II Contagem de Ciclistas no Cruzamento. Rua Figueiredo de Magalhães com Av. N. S. de Copacabana. Copacabana Rio de Janeiro Quarta-feira, 20 de março de 2013. Março de 2013, Cruzamento das ruas Figueiredo

Leia mais

CONTAGEM DE CICLISTAS ÁGUAS CLARAS

CONTAGEM DE CICLISTAS ÁGUAS CLARAS CONTAGEM DE CICLISTAS ÁGUAS CLARAS Cruzamento Rua das Pitangueiras x Avenida das Araucárias Segunda-feira, 05 de setembro de 2016 1 INTRODUÇÃO Com o objetivo de fomentar o uso do metrô, propondo intervenções

Leia mais

Contagem de Ciclistas em Cruzamento. Rua Figueiredo de Magalhães com Av. N. S. de Copacabana. Copacabana Rio de Janeiro

Contagem de Ciclistas em Cruzamento. Rua Figueiredo de Magalhães com Av. N. S. de Copacabana. Copacabana Rio de Janeiro Contagem de Ciclistas em Cruzamento. Rua Figueiredo de Magalhães com Av. N. S. de Copacabana. Copacabana Rio de Janeiro Quinta feira, 2 de julho de 2009. Julho de 2009, Cruzamento das ruas Figueiredo de

Leia mais

Contagem de Ciclistas

Contagem de Ciclistas Contagem de Ciclistas Rua Dr. Álvaro Camargos entre R. Padre Pedro Pinto e Rua das Pedrinhas Venda Nova Belo Horizonte Quinta-feira, 13 de maio de 2010 1. Objetivo A Rua Dr. Álvaro Camargos, situada no

Leia mais

Contagem de Ciclistas

Contagem de Ciclistas Contagem de Ciclistas Rua Itaituba entre Av. Souza Aguiar e Rua Itaité Boa Vista Belo Horizonte Quarta-feira, 14 de abril de 2010 1. Objetivo A Rua Itaituba, situada no bairro Boa Vista, município de Belo

Leia mais

Contagem de Tráfego de Bicicletas Praça do Bebedouro Avenida Marechal Rondon Alegrete

Contagem de Tráfego de Bicicletas Praça do Bebedouro Avenida Marechal Rondon Alegrete Contagem de Tráfego de Bicicletas Praça do Bebedouro Avenida Marechal Rondon Alegrete Quarta feira, 17 de junho de 2015. A Transporte Ativo juntamente com as organizações locais, Grupo Charlas Urbanas

Leia mais

Contagem de Ciclistas

Contagem de Ciclistas Contagem de Ciclistas Esquina da Avenida Eliseu de Almeida com Avenida Dep. Jacob Salvador Zveibil Butantã São Paulo Sexta-feira, 31 de agosto de 2012 Av. Eliseu de Almeida esquina com Av. Dep. Jacob Salvador

Leia mais

CONTAGENS DE CICLISTAS ÁGUAS CLARAS

CONTAGENS DE CICLISTAS ÁGUAS CLARAS CONTAGENS DE CICLISTAS ÁGUAS CLARAS Cruzamentos Rua das Pitangueiras x Boulevard Sul Rua das Pitangueiras x Avenida das Araucárias Segunda-feira, 05 de outubro de 2015 Estação Arniqueiras do Metrô-DF Segunda-feira,

Leia mais

Infraestrutura cicloviária em pontes e viadutos. O (des)caso da Ponte do Bragueto em Brasília

Infraestrutura cicloviária em pontes e viadutos. O (des)caso da Ponte do Bragueto em Brasília Infraestrutura cicloviária em pontes e viadutos O (des)caso da Ponte do Bragueto em Brasília PLANEJAMENTO CICLOVIÁRIO DO DF Histórico 1997... 2001... 2003 2004 2005 2006 2007 2008 BR CTB Estatuto da Cidade

Leia mais

R e l a t ó r i o d e P e s q u i s a

R e l a t ó r i o d e P e s q u i s a R e l a t ó r i o d e P e s q u i s a Pesquisa executada pela ONG Associação Ciclo Urbano Aracaju - Sergipe 22 de Setembro de 214 O Desafio Intermodal Qual o meio de transporte é mais eficiente nos deslocamentos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 108/09

PROJETO DE LEI Nº 108/09 PROJETO DE LEI Nº 108/09 "Dispõe sobre a criação do sistema cicloviário no Município de Santa Bárbara d Oeste e dá outras providências. Art. 1º - Fica criado o Sistema Cicloviário do Município de Santa

Leia mais

DIRETRIZES PARA A BICICLETA NO PLANO DE GOVERNO DE FERNANDO HADDAD PARA A PREFEITURA DE SÃO PAULO

DIRETRIZES PARA A BICICLETA NO PLANO DE GOVERNO DE FERNANDO HADDAD PARA A PREFEITURA DE SÃO PAULO Promover a sustentabilidade com a melhoria da qualidade de vida e do ar, reduzir os congestionamentos, democratizar o uso do espaço viário, a acessibilidade aos bens e serviços e ampliar a inserção social

Leia mais

São Paulo, 06 de Novembro de Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema

São Paulo, 06 de Novembro de Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema São Paulo, 06 de Novembro de 2011 Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema A Ciclocidade - Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo, entidade fundada

Leia mais

SMART CAMPUS: UM NOVO PARADIGMA DE MOBILIDADE PARA O CAMPUS II DA UFG

SMART CAMPUS: UM NOVO PARADIGMA DE MOBILIDADE PARA O CAMPUS II DA UFG SMART CAMPUS: UM NOVO PARADIGMA DE MOBILIDADE PARA O CAMPUS II DA UFG A mobilidade urbana é um desafio crescente nas cidades brasileiras. Na metrópole goiana observa-se uma alta taxa de motorização individual.

Leia mais

PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA

PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA A Pesquisa de Mobilidade Urbana teve como objetivo levantar a opinião da população, para avaliar a situação da mobilidade urbana em Florianópolis, e dessa forma, auxiliar

Leia mais

Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a).

Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a). Anexo A 96 DIRECTIVIDADE ATRATIVIDADE CONFORTO COERÊNCIA SEGURANÇA Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a). Nível de segurança social do entorno

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

2015 #1. Contagem Manual e Fotográfica de Bicicletas. Autaz Mirim Zona Leste

2015 #1. Contagem Manual e Fotográfica de Bicicletas. Autaz Mirim Zona Leste 2015 #1 Contagem Manual e Fotográfica de Bicicletas Autaz Mirim Zona Leste 05/05/2015 SUMÁRIO 1.0 - Introdução 03 2.0 - Local da Contagem e Informações 04 3.0 Resultados em Gráficos 05 4.0 - Fotografias

Leia mais

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S.

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. Duarte Objeto da pesquisa Relação entre adensamento, multifuncionalidade

Leia mais

Pautas prioritárias Mobilidade Ativa

Pautas prioritárias Mobilidade Ativa Pautas prioritárias Mobilidade Ativa Reconhecimento da gravidade dos números de morte no trânsito na cidade de Salvador e a implantação de programa de monitoramento e redução das mortes no trânsito, com

Leia mais

Mobilidade Humana por Bicicleta em Fortaleza

Mobilidade Humana por Bicicleta em Fortaleza Mobilidade Humana por Bicicleta em Fortaleza 03 de Dezembro de 2013 Tópicos Apresentação da Ciclovida Sistema Cicloviário Estrutura Cicloviária de Fortaleza Situação Atual Fortaleza e Outras Cidades Benefícios

Leia mais

Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras. Leise Kelli de Oliveira UFMG

Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras. Leise Kelli de Oliveira UFMG Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras Leise Kelli de Oliveira UFMG Distribuição Urbana de Mercadorias n Entrega ou Coleta de mercadorias no ambiente urbano

Leia mais

ATIVIDADES

ATIVIDADES ATIVIDADES 2013 2016 1.1 FORNECIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE ABRIGOS DE ÔNIBUS Total Geral: 254 Unidades Foto: SMTT Foto: SMTT Foto: SMTT 1.2 IMPLANTAÇÃO DE NOVOS CRUZAMENTOS E MUDANÇAS GEOMÉTRICAS Proposta

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRANSPORTE NÃO MOTORIZADO

PLANEJAMENTO DO TRANSPORTE NÃO MOTORIZADO PLANEJAMENTO DO TRANSPORTE NÃO MOTORIZADO Márcio José Celeri Maisa Sanches Geogertti Universidade Federal de São Carlos Programa de Pós Graduação em Engenharia Urbana marcioceleri@yahoo.com.br; maisasg@yahoo.com.br

Leia mais

Normas de circulação

Normas de circulação Normas de circulação A bicicleta é um veículo, e por este motivo o espaço de circulação debe estar dentro do leito veicular e nunca sobre as calçadas. Os ciclistas deven circular no mesmo sentido que os

Leia mais

Análise do tempo médio gasto para travessia de uma avenida durante três horários de pico de trânsito do dia.

Análise do tempo médio gasto para travessia de uma avenida durante três horários de pico de trânsito do dia. Metodologia de Planejamento e Análise de Experimentos 1 Análise do tempo médio gasto para travessia de uma avenida durante três horários de pico de trânsito do dia. Carlos Roberto Castelano Júnior Universidade

Leia mais

Introdução ao Mundo Cicloviário. Brasília, Novembro de 2008.

Introdução ao Mundo Cicloviário. Brasília, Novembro de 2008. Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. t Brasília, Novembro de 2008. A Bicicleta hoje no Mundo: Europa Ásia África Américas PRODUÇÃO MUNDIAL DE BICICLETAS 2002 (em milhões de

Leia mais

X Seminário Nacional Metroferroviário Projetos em implantação

X Seminário Nacional Metroferroviário Projetos em implantação X Seminário Nacional Metroferroviário Projetos em implantação Jurandir Fernandes Secretário dos Transportes Metropolitanos Estado de São Paulo ANTP Rio de Janeiro, 12/03/2014 Rede metropolitana em andamento

Leia mais

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL.

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL. ATUALIDADE S Prof. Roberto Um desafio ATUAL. MOBILIDADE URBANA Todas as atividades dependem de um bom deslocamento na cidade! Ir a escola; Ir ao Trabalho; Frequentar uma academia; Usar um posto de saúde;

Leia mais

Carta de compromisso com a mobilidade por bicicletas - candidatos a prefeito

Carta de compromisso com a mobilidade por bicicletas - candidatos a prefeito Em abril de 2012 a Ciclocidade e o CicloBR iniciaram o projeto Eleições 2012 e a bicicleta em São Paulo, com objetivo de promover a discussão sobre o tema durante as eleições e garantir o compromisso dos

Leia mais

para uma cidade melhor

para uma cidade melhor PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO CARLOS A participação da sociedade A participação da sociedade para uma cidade melhor Problemas urbanos Perda de tempo e dinheiro Viagens sem conforto Maior risco de

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA PESQUISA ORIGEM E DESTINO DAS VIAGENS DE BICICLETA NO MUNICÍPIO DE ARACAJU. Aracaju/SE Abril de 2016

RELATÓRIO SÍNTESE DA PESQUISA ORIGEM E DESTINO DAS VIAGENS DE BICICLETA NO MUNICÍPIO DE ARACAJU. Aracaju/SE Abril de 2016 RELATÓRIO SÍNTESE DA PESQUISA ORIGEM E DESTINO DAS VIAGENS DE BICICLETA NO MUNICÍPIO DE ARACAJU APRESENTAÇÃO A Pesquisa Origem e Destino das viagens de bicicleta no município de Aracaju, realizada entre

Leia mais

Movendo-se na cidade: Bicicleta Elétrica Híbrida.

Movendo-se na cidade: Bicicleta Elétrica Híbrida. Movendo-se na cidade: Bicicleta Elétrica Híbrida. Acadêmico: Guilherme Boff Orientador: Walter Strobel Neto Justificativa: O trânsito nas grandes cidades torna-se mais caótico cada dia. Engarrafamentos,

Leia mais

Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo

Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo Características das Viagens de Bicicleta no Município de São Paulo Sou + De Bicicleta Viagens por Modo de Transporte Fonte: Pesquisa

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul. Cada asfalto uma CICLOfaixa

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul. Cada asfalto uma CICLOfaixa 29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul Cada asfalto uma CICLOfaixa Área Temática 05 - Meio Ambiente Maurício Couto Polidori (Coordenador da Ação de Extensão) Fernanda Tomiello 1 Hector Horácio

Leia mais

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade Seminário SINAENCO / SC Guilherme Medeiros Engenheiro Coordenador Técnico SC Participações e Parcerias S.A.

Leia mais

Como ficará a Lei 14.266/07 com as modificações do Substitutivo da Comissão de Constituição e Justiça para o PL 655/09

Como ficará a Lei 14.266/07 com as modificações do Substitutivo da Comissão de Constituição e Justiça para o PL 655/09 Como ficará a Lei 14.266/07 com as modificações do Substitutivo da Comissão de Constituição e Justiça para o PL 655/09 Texto em letra Arial Narrow: texto da lei 14.266/07 que não foi alterado Texto em

Leia mais

A importância das ciclovias para a mobilidade urbana: uma análise crítica do Plano Cicloviário da cidade de São Carlos

A importância das ciclovias para a mobilidade urbana: uma análise crítica do Plano Cicloviário da cidade de São Carlos A importância das ciclovias para a mobilidade urbana: uma análise crítica do Plano Cicloviário da cidade de São Carlos Cristiana Torres Fernanda Sakai Jéssica Ragonha Jéssica Salmaso - Uso da bicicleta

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE VEREADOR REIZO CASTELO BRANCO

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE VEREADOR REIZO CASTELO BRANCO Projeto de Lei nº. 218 / 2013. INSTITUI A BICICLETA COMO MODALIDADE DE TRANSPORTE REGULAR NO MUNICÍPIO DE MANAUS. Art. 1. Fica instituída a bicicleta como modalidade de transporte regular na cidade de

Leia mais

Rede Cicloviária de Moema uma experiência inicial.

Rede Cicloviária de Moema uma experiência inicial. Rede Cicloviária de Moema uma experiência inicial. AUTORES: Bruno Cosenza Botelho Nogueira (1) ; Edmundo José Moraes Negrão da Silva (1) ; Maria Ermelina Brosch Malatesta (1) (1) Companhia de Engenharia

Leia mais

TÍTULO: MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SOCIOAMBIENTAIS COM A IMPLANTAÇÃO DO VEICULO LEVE SOBRE TRILHOS NO SISTEMA INTEGRADO METROPOLITANO NA BAIXADA SANTISTA

TÍTULO: MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SOCIOAMBIENTAIS COM A IMPLANTAÇÃO DO VEICULO LEVE SOBRE TRILHOS NO SISTEMA INTEGRADO METROPOLITANO NA BAIXADA SANTISTA 16 TÍTULO: MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SOCIOAMBIENTAIS COM A IMPLANTAÇÃO DO VEICULO LEVE SOBRE TRILHOS NO SISTEMA INTEGRADO METROPOLITANO NA BAIXADA SANTISTA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA

Leia mais

Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia do Ambiente Perfil de Ordenamento do Território e Impactes Ambientais

Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia do Ambiente Perfil de Ordenamento do Território e Impactes Ambientais Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia do Ambiente Perfil de Ordenamento do Território e Impactes Ambientais ANA MORGADO DE BRITO NEVES Orientador: Mestre José Carlos Ribeiro Ferreira

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002

ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002 ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002 Carlos Paiva paivacardoso@yahoo.com.br 1. INTRODUÇÃO Dando continuidade ao estudo iniciado no artigo Escolha

Leia mais

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE Diagnóstico Perturbações na fluidez Grandes dimensões Manobras lentas Raio de giro restrito Remoção difícil em caso de

Leia mais

ANÁLISE DO USO DOS MOBILIÁRIOS URBANOS NAS VIAS PÚBLICAS DO SUB-BAIRRO MANGABEIRA VI, LOCALIZADO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB

ANÁLISE DO USO DOS MOBILIÁRIOS URBANOS NAS VIAS PÚBLICAS DO SUB-BAIRRO MANGABEIRA VI, LOCALIZADO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB Hawick Arnaud do Nascimento Lopes Universidade Federal da Paraíba hawickarnaud@hotmail.com Rafael de Mendonça Arruda Prefeitura Municipal de Sapé rafaelmend@ymail.com ANÁLISE DO USO DOS MOBILIÁRIOS URBANOS

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS

CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS Compreendendo que, Por todo o mundo, o uso da bicicleta vem sendo tratado como um importante indicador de qualidade de vida, havendo um consenso crescente

Leia mais

Determinação Volume Tráfego

Determinação Volume Tráfego Departamento de Eng. Produção Engenharia de Tráfego Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Determinação Volume Tráfego 2 1 - VMDa (AADT) - Volume médio diário

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP

PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP 1ª Conferência - março de 2016 tema: lançamento do processo de elaboração do Plano O QUE É MOBILIDADE URBANA? Mobilidade é a forma de deslocamento

Leia mais

LOTEAMENTO CA URBANISMO BAURU

LOTEAMENTO CA URBANISMO BAURU LOTEAMENTO CA URBANISMO BAURU RELATÓRIO DE IMPACTO VIÁRIO CA URBANISMO SPE LTDA. JUNHO / 2015 1 INDICE INTRODUÇÃO...2 1. EMPREENDIMENTO...3 1.1 ATIVIDADES E DIMENSÕES...3 1.2 TOPOGRAFIA...6 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO setembro 2014 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Documentos de referência referências Plano Municipal de Circulação Viária e de Transporte - 2003 Consolidou

Leia mais

A Regulação da Mobilidade Urbana. Mobilidade Urbana Desafios e Perspectivas para as Cidades Brasileiras Rio de Janeiro, 7 de novembro de 2014

A Regulação da Mobilidade Urbana. Mobilidade Urbana Desafios e Perspectivas para as Cidades Brasileiras Rio de Janeiro, 7 de novembro de 2014 A Regulação da Mobilidade Urbana Mobilidade Urbana Desafios e Perspectivas para as Cidades Brasileiras Rio de Janeiro, 7 de novembro de 2014 Estrutura da Apresentação Linhas Gerais da Regulação de Mobilidade

Leia mais

Estratégia de Gestão da Demanda de Viagens no Município de Belo Horizonte

Estratégia de Gestão da Demanda de Viagens no Município de Belo Horizonte > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Documento confidencial para uso e informação do cliente > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Junho, 2016 Belo Horizonte Estratégia de Gestão da Demanda de

Leia mais

A aula como forma de organização do ensino.

A aula como forma de organização do ensino. 27/abr 5ª feira 19h às 22h Organização da Aula: Elementos estruturantes Método e estratégias de ensino. 04/mai 5ª feira 19h às 22h Organização da Aula: Elementos estruturantes - processo de avaliação da

Leia mais

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 Teresa Almeida A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 1. O Quadro Europeu 2. O Quadro Municipal 3. As

Leia mais

Melhores práticas de mobilidade inteligente. Simone Gallo

Melhores práticas de mobilidade inteligente. Simone Gallo Melhores práticas de mobilidade inteligente Simone Gallo Nossas causas 3 cultura educação esporte mobilidade Definimos mobilidade urbana como uma causa dentro de nossa plataforma de sustentabilidade. Bicicleta

Leia mais

Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito

Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito Parauapebas, 11 de novembro de 2014 Apoio: Realização: Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades Caracterização

Leia mais

Jonas Hagen Workshop Bicicleta PUC-RJ, 30 Agosto 2010

Jonas Hagen Workshop Bicicleta PUC-RJ, 30 Agosto 2010 Jonas Hagen Workshop Bicicleta PUC-RJ, 30 Agosto 2010 1 2 Uma cidade cheia de objetos em movimento 3 Uma cidade cheia de pessoas nas ruas 4 Cidades tem dados e estadisticas sobre o trânsito e os carros

Leia mais

Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei /2012) e os Planos de Mobilidade

Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei /2012) e os Planos de Mobilidade Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei 12.587/2012) e os Planos de Mobilidade Criação da Política Nacional de Mobilidade Urbana Durante o século XX, o automóvel passou a dominar as cidades brasileiras,

Leia mais

DIRETORIA DE TRANSPORTES PÚBLICOS Grupamento Especial de Repreensão ao Transporte Irregular de Passageiros G.E.R.T.I

DIRETORIA DE TRANSPORTES PÚBLICOS Grupamento Especial de Repreensão ao Transporte Irregular de Passageiros G.E.R.T.I DIRETORIA DE TRANSPORTES PÚBLICOS Grupamento Especial de Repreensão ao Transporte Irregular de Passageiros G.E.R.T.I O presente relatório tem como objetivo apresentar as ações e locais de serviço realizado

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS E FUNDAÇÕES DEFESA DE TESE PROGRAMA DE DOUTORADO ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 0313101 APRIMORAMENTO DE UM CURSO DE ENGENHARIA INTRODUÇÃO À

Leia mais

Mobilidade Urbana. Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos

Mobilidade Urbana. Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos Mobilidade Urbana Mobilidade Urbana Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos Aspectos Gerais LEI Nº 12.587, DE 3 DE JANEIRO DE 2012, Política Nacional de Mobilidade Urbana

Leia mais

COORDENADORIA DA MULHER DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SERGIPE PROJETO INTERIOR EM REDE

COORDENADORIA DA MULHER DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SERGIPE PROJETO INTERIOR EM REDE COORDENADORIA DA MULHER DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SERGIPE PROJETO INTERIOR EM REDE Aracaju-SE Abril/2016 1. APRESENTAÇÃO A Coordenadoria da Mulher do Tribunal de Justiça de Sergipe tem como competência

Leia mais

Visita domiciliar ao recém nascido: uma prática Interdisciplinar.

Visita domiciliar ao recém nascido: uma prática Interdisciplinar. TÍTULO DA PRÁTICA: Visita domiciliar ao recém nascido: uma prática Interdisciplinar. CÓDIGO DA PRÁTICA: T23 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 a)situação problema e/ou demanda inicial que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. MODELO PARA O PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO 1. Identificação do Projeto: Nome do Curso: Área do Conhecimento: Forma de Oferta: ( ) Presencial ( ) A distância Turno:

Leia mais

mobilidade sustentável

mobilidade sustentável GALARDÃO eco XXI Cantanhede, 19 de Setembro de 2014 mobilidade sustentável requalificação urbana/mobilidade/ambiente/trânsito/sustentabilidade Micael Sousa PRINCÍPIOS E OBJECTIVOS PRINCÍPIOS GERAIS Redução

Leia mais

LOTEAMENTO GRAN FLORATTA RESIDENCIAL BAURU

LOTEAMENTO GRAN FLORATTA RESIDENCIAL BAURU LOTEAMENTO GRAN FLORATTA RESIDENCIAL BAURU ESTUDO DE IMPACTO NO TRÁFEGO Loteamento Fazenda Flores SPE Ltda ABRIL / 2015 1 INDICE INTRODUÇÃO...2 1. EMPREENDIMENTO...3 1.1 ATIVIDADES E DIMENSÕES...3 1.2

Leia mais

Recomendação de políticas Sustentabilidade ambiental

Recomendação de políticas Sustentabilidade ambiental Recomendação de políticas A oportunidade Considerando que os datacenters estarão entre os principais consumidores mundiais de energia elétrica até meados da próxima década, o desenvolvimento contínuo de

Leia mais

Unidade I. Avaliação de Desempenho. Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli

Unidade I. Avaliação de Desempenho. Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli Unidade I Avaliação de Desempenho Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli Avaliação / desempenho Avaliação: apreciação, análise Desempenho: possibilidade de atuação Conceituação de avaliação de desempenho

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA APLICADA EM FOZ DO IGUAÇU. Pricila Bevervanço Mantovani Engenheira Civil

POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA APLICADA EM FOZ DO IGUAÇU. Pricila Bevervanço Mantovani Engenheira Civil POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA APLICADA EM FOZ DO IGUAÇU Pricila Bevervanço Mantovani Engenheira Civil POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA Lei 12.587, de 3 de janeiro de 2012. Institui diretrizes

Leia mais

O Plano Diretor é o principal instrumento de política urbana do Município

O Plano Diretor é o principal instrumento de política urbana do Município O Plano Diretor é o principal instrumento de política urbana do Município É uma lei Municipal que orienta os agentes públicos e privados no crescimento e o desenvolvimento urbano em todo o Município É

Leia mais

Conferência Catarinense de Mobilidade Sustentável

Conferência Catarinense de Mobilidade Sustentável por Antonio C.M.Miranda Conferência Catarinense de Mobilidade Sustentável Florianópolis - Julho de /2004 Diagnóstico Nacional sobre o Uso da Bicicleta 5 anos depois... persiste a ausência de infra-estrutura

Leia mais

Atividade Científico-Cultural-Pedagógica Parque do Ibirapuera

Atividade Científico-Cultural-Pedagógica Parque do Ibirapuera Nomes: Bernardo Ryoichi Dias Taniguti Nº6800535 Daniel Romano Pretzel Nº 7563690 Atividade Científico-Cultural-Pedagógica Parque do Ibirapuera Universidade de São Paulo 2016 Introdução: Este trabalho tem

Leia mais

Exemplo (tabela um) distribuições marginais enquanto que. Distribuição Conjunta

Exemplo (tabela um) distribuições marginais enquanto que. Distribuição Conjunta Distribuição Conjunta Suponha que se queira analisar o comportamento conjunto das variáveis = de Instrução e = Região de procedência. Neste caso, a distribuição de freqüências é apresentada como uma tabela

Leia mais

Brasília - Brasil Maio de 2006

Brasília - Brasil Maio de 2006 Brasília - Brasil Maio de 2006 Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções Propostas Avanço das Atividades Tratamento Viário Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções

Leia mais

CARTOGRAFIA COMO POSSIBILIDADE DE METODOLOGIA INTERDISCIPLINAR

CARTOGRAFIA COMO POSSIBILIDADE DE METODOLOGIA INTERDISCIPLINAR 1 CARTOGRAFIA COMO POSSIBILIDADE DE METODOLOGIA INTERDISCIPLINAR Vinícius Biazotto Gomes Luis Eduardo de Barros 1 RESUMO: Este artigo tem como objetivo expor um trabalho no qual foram desenvolvidas ações

Leia mais

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons Programa Cidades Sustentáveis Realização O Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social é uma organização sem fins lucrativos, caracterizada como Oscip

Leia mais

ITUIUTABA MONTE ALEGRE DE MINAS MONTE CARMELO PRATA SANTA VITÓRIA MINAS GERAIS

ITUIUTABA MONTE ALEGRE DE MINAS MONTE CARMELO PRATA SANTA VITÓRIA MINAS GERAIS ITUIUTABA MONTE ALEGRE DE MINAS MONTE CARMELO PRATA SANTA VITÓRIA MINAS GERAIS A Mobilidade Urbana A Mobilidade Urbana é um tema amplo, abrange questões de desenvolvimento urbano, a saúde e a qualidade

Leia mais

Repense Mobilidade. Seminário Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados, O Futuro da Mobilidade na Metrópole

Repense Mobilidade. Seminário Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados, O Futuro da Mobilidade na Metrópole Repense Mobilidade Seminário Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados, O Futuro da Mobilidade na Metrópole Willian Alberto de Aquino Pereira Sinergia Estudos e Projetos Ltda. http://www.sinergiaestudos.com.br

Leia mais

Proposta de diretrizes para elaboração de Plano Diretor de Ocupação da Área 2 do Campus de São Carlos

Proposta de diretrizes para elaboração de Plano Diretor de Ocupação da Área 2 do Campus de São Carlos 1 Comissão de Implantação do Campus 2 USP S. Carlos Proposta de diretrizes para elaboração de Plano Diretor de Ocupação da Área 2 do Campus de São Carlos Prof. Carlos Martins, Arq. Sérgio Assumpção, Prof.

Leia mais

Análise de Desempenho do Google Mapas para Determinação de Melhor Trajeto entre O Bairro Céu Azul e a Cidade Administrativa

Análise de Desempenho do Google Mapas para Determinação de Melhor Trajeto entre O Bairro Céu Azul e a Cidade Administrativa Análise de Desempenho do Google Mapas para Determinação de Melhor Trajeto entre O Bairro Céu Azul e a Cidade Administrativa Cristiano Torres do Amaral crisweb@ig.com.br Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Leia mais

Política Nacional de Mobilidade Urbana

Política Nacional de Mobilidade Urbana Ministério das Cidades SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Política Nacional de Mobilidade Urbana Setembro 2013 A Presidência da República sancionou a Lei nº 12.587, em 3

Leia mais

PROJETO CICLOFAIXA DE DOMINGO E RUA DE LAZER CONTINENTE

PROJETO CICLOFAIXA DE DOMINGO E RUA DE LAZER CONTINENTE Sistema cicloviário de Florianópolis PROJETO CICLOFAIXA DE DOMINGO E RUA DE LAZER CONTINENTE Conceito O projeto Ciclofaixa de Domingo, ou também chamado Ciclovia Recreativa, Ciclovia de Lazer, ou Ciclovia

Leia mais

MOBILIDADE E PROJETOS URBANOS

MOBILIDADE E PROJETOS URBANOS MOBILIDADE E PROJETOS URBANOS SOMOS UMA EMPRESA DE PLANEJAMENTO URBANO QUE TRADUZ A IDENTIDADE LOCAL DO TERRITÓRIO EM SERVIÇOS COM ALTO IMPACTO SOCIAL E AMBIENTAL. PROPOMOS SOLUÇÕES TRANSVERSAIS QUE SE

Leia mais

Contagem de Ciclistas em Cruzamento. Rua Figueiredo de Magalhães com Av. N. S. de Copacabana. Copacabana Rio de Janeiro

Contagem de Ciclistas em Cruzamento. Rua Figueiredo de Magalhães com Av. N. S. de Copacabana. Copacabana Rio de Janeiro Contagem de Ciclistas em Cruzamento. Rua Figueiredo de Magalhães com Av. N. S. de Copacabana. Copacabana Rio de Janeiro Quinta feira, 2 de julho de 2009. Julho de 2009, Cruzamento das ruas Figueiredo de

Leia mais

ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 3 MATOSINHOS... 4 COMPROMISSOS... 5 INSTALAÇÃO DE COLETORES SOLARES TÉRMICOS... 7

ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 3 MATOSINHOS... 4 COMPROMISSOS... 5 INSTALAÇÃO DE COLETORES SOLARES TÉRMICOS... 7 1 BoPS Matosinhos ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 3 MATOSINHOS... 4 COMPROMISSOS... 5 Governância... 5 Pacto de Autarcas... 5 Referências de Excelência... 6 INSTALAÇÃO DE COLETORES SOLARES TÉRMICOS...

Leia mais

Mostra de Projetos Criando Identidade com Pontal do Paraná. Protegendo a Maternidade. Alimentando Vidas. Qualidade de Vida - Mulheres Coletoras

Mostra de Projetos Criando Identidade com Pontal do Paraná. Protegendo a Maternidade. Alimentando Vidas. Qualidade de Vida - Mulheres Coletoras Mostra de Projetos 2011 Criando Identidade com Pontal do Paraná Protegendo a Maternidade Alimentando Vidas Qualidade de Vida - Mulheres Coletoras Mostra Local de: Pontal do Paraná. Categoria do projeto:

Leia mais

INTERAÇÕES ESPACIAIS E A QUESTÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO: proposições nos municípios de São Luís, São José de Ribamar, Raposa e Paço do Lumiar

INTERAÇÕES ESPACIAIS E A QUESTÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO: proposições nos municípios de São Luís, São José de Ribamar, Raposa e Paço do Lumiar INTERAÇÕES ESPACIAIS E A QUESTÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO: proposições nos municípios de São Luís, São José de Ribamar, Raposa e Paço do Lumiar Juan Guilherme Costa Siqueira (UEMA) Juan_siqueira16@Hotmail.com

Leia mais

POLÍTICA DE ESTACIONAMENTO EM CIDADES BRASILEIRAS. DIEGO SILVA Coordenador de Gestão da Demanda, ITDP Brasil

POLÍTICA DE ESTACIONAMENTO EM CIDADES BRASILEIRAS. DIEGO SILVA Coordenador de Gestão da Demanda, ITDP Brasil POLÍTICA DE ESTACIONAMENTO EM CIDADES BRASILEIRAS DIEGO SILVA Coordenador de Gestão da Demanda, ITDP Brasil Objetivo da sessão e roteiro Objetivo da sessão Apresentar aspectos da política de estacionamento

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÁGIO CAIRU

PROGRAMA DE ESTÁGIO CAIRU PROGRAMA DE ESTÁGIO CAIRU O Programa de Estágio Cairu 2017 visa transformar e desenvolver o potencial de jovens universitários da região, preparando-os para desbravar novos caminhos se aperfeiçoando nas

Leia mais

mobilicidadejf.com.br

mobilicidadejf.com.br mobilicidadejf.com.br 1 O MobiliCidade JF, tem por finalidade promover a utilização da bicicleta, assim como o uso de outras formas de locomoção não motorizada com integração com o sistema de transporte

Leia mais

restricciones de camiones de carga em cuanto a sus dimensiones y lós horários em lós grandes municípios de Brasil

restricciones de camiones de carga em cuanto a sus dimensiones y lós horários em lós grandes municípios de Brasil restricciones de camiones de carga em cuanto a sus dimensiones y lós horários em lós grandes municípios de Brasil CIDADE DE SÃO PAULO 11 milhões de habitantes Cercade7milhõesdeveículos 3% da frota circulante

Leia mais

USO DE MICROSSIMULAÇÃO PARA AVALIAR BENEFÍCIOS NA REDUÇÃO DE ESTÁGIOS EM INTERSEÇÕES SEMAFORIZADAS

USO DE MICROSSIMULAÇÃO PARA AVALIAR BENEFÍCIOS NA REDUÇÃO DE ESTÁGIOS EM INTERSEÇÕES SEMAFORIZADAS USO DE MICROSSIMULAÇÃO PARA AVALIAR BENEFÍCIOS NA REDUÇÃO DE ESTÁGIOS EM INTERSEÇÕES SEMAFORIZADAS João Paulo Nascimento de Sousa Waldemiro de Aquino Pereira Neto USO DE MICROSSIMULAÇÃO PARA AVALIAR BENEFÍCIOS

Leia mais

Avaliação Quantitativa de Sistemas

Avaliação Quantitativa de Sistemas Avaliação Quantitativa de Sistemas Contexto A Avaliação Quantitativa de Sistemas permite a avaliação de sistemas antes mesmo da sua implementação física. Dessa forma, é possível avaliar um sistema projetado

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Viali, Dr. viali@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~viali/ Distribuição Conjunta Suponha que se queira analisar o comportamento conjunto das variáveis X = Grau de Instrução e Y = Região

Leia mais

A A Pesquisa Origem e Destino O O se recupera frente ao O O por segmentos da população O O ao longo do dia O O por motivos de viagem O O por regiões d

A A Pesquisa Origem e Destino O O se recupera frente ao O O por segmentos da população O O ao longo do dia O O por motivos de viagem O O por regiões d 15ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA TRANSPORTE COLETIVO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO A RECUPERAÇÃO DO MODO COLETIVO FRENTE AO MODO INDIVIDUAL A A Pesquisa Origem e Destino O O se recupera

Leia mais

Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. São Paulo, Novembro de 2008.

Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. São Paulo, Novembro de 2008. Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. São Paulo, Novembro de 2008. A Bicicleta hoje no Mundo: Europa África Ásia Américas PRODUÇÃO MUNDIAL DE BICICLETAS (em milhões de unidades

Leia mais

Câmara Municipal de Fortaleza Vereador Evaldo Lima - PCdoB EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA

Câmara Municipal de Fortaleza Vereador Evaldo Lima - PCdoB EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA REQUERIMENTO N Requer seja efetuada a transcrição, para os Anais desta Casa Legislativa Municipal, do artigo assinado pela jornalista Eduarda Talicy, publicado no jornal O Povo, em sua edição de 26/10/16,

Leia mais

PROJETO VIDA NO TRÂNSITO PARANÁ

PROJETO VIDA NO TRÂNSITO PARANÁ PROJETO VIDA NO TRÂNSITO PARANÁ PACTO NACIONAL PELA REDUÇÃO DE ACIDENTES NO TRÂNSITO Ação do Governo Federal, lançada em 11/05/2011 pelos Ministérios da Saúde e das Cidades; Resposta brasileira à demanda

Leia mais

Programa de Prevenção de Queimadas

Programa de Prevenção de Queimadas Programa de Prevenção de Queimadas O Programa de Prevenção de Queimadas tem por objetivo geral incentivar a redução das atividades de desmatamento e do uso de prática de queimadas e incêndios florestais,

Leia mais