Infraestrutura cicloviária em pontes e viadutos. O (des)caso da Ponte do Bragueto em Brasília

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Infraestrutura cicloviária em pontes e viadutos. O (des)caso da Ponte do Bragueto em Brasília"

Transcrição

1 Infraestrutura cicloviária em pontes e viadutos O (des)caso da Ponte do Bragueto em Brasília

2 PLANEJAMENTO CICLOVIÁRIO DO DF Histórico BR CTB Estatuto da Cidade Min. das Cidades DF Programa Cicloviário PEDALA-DF Rodas da Paz Programa de Transporte Urbano do Distrito Federal Brasília Integrada Lei da Ciclovia nas DFs

3 PLANEJAMENTO CICLOVIÁRIO DO DF Histórico BR PNMU DF PEDALA-DF Plano de Mobilidade por Bicicleta Circula Brasília Licitação do projeto do TTN PDTU Licitação da obra do TTN Contrato da obra do TTN Avaliação do Projeto pela Rodas Recurso sendo liberado

4 Distrito Federal

5 Ponte do Bragueto

6

7 Ponte do Bragueto

8 AVALIAÇÃO DO PROJETO Concorrência nº 003/2009 (...) O projeto em questão deve contemplar, dentre outras alternativas, no mínimo, ser semelhante ao plano funcional implantado na extremidade do Eixo Rodoviário Sul (Trevo de Triagem Sul), no que tange as acessibilidades, e a possibilidade de implantação das melhorias listadas abaixo, verificando a viabilidade técnicooperacional: Implantação de pistas marginais de ambos os lados das vias existentes. Implantação de ciclovias e calçadas. Interseções nos cruzamentos com rodovias e pistas emdesnível. Implantação de paradas de ônibus e passarelas de pedestres.

9 AVALIAÇÃO DO PROJETO Concorrência nº 002/2013: Relatório do Projeto Trechos Destacados ESTUDOS DE TRÁFEGO Os elementos trabalhados foram os volumes de tráfego de todos os tipos de veículos na rodovia e seus acessos, a movimentação de pedestres e ciclistas que utilizam as mesmas vias e os dados relativos à segurança do trânsito, incluindo a análise dos acidentes ocorridos, suas possíveis causas e consequências. CICLOVIA Como não se espera um tráfego intenso de ciclistas, a ciclovia foi concebida de forma a permitir também o tráfego compartilhado de pedestres. INSPEÇÕES DE SEGURANÇA IN LOCO Por coincidência, no dia em que se realizou a contagem de pedestres e ciclistas no local ocorreu um atropelamento, exatamente em frente aos pontos de ônibus.

10 Quantidade Ponte do Bragueto CONTAGEM DE CICLISTAS DER/DF (2010) x RODAS DA PAZ (2015) 165 ciclistas: crescimento de 147% no período de 5 anos 88% entre 18 e 40 anos 94% homens 70% com capacete 64% motivo transporte 25 Ciclistas/hora 2010 vs Horários

11 AVALIAÇÃO DO PROJETO Projeto Geométrico: BRASÍLIA

12 AVALIAÇÃO DO PROJETO Projeto Geométrico: BRASÍLIA

13 AVALIAÇÃO DO PROJETO Projeto Geométrico: BRASÍLIA

14 AVALIAÇÃO DO PROJETO LOS ANGELES

15 AVALIAÇÃO DO PROJETO Projeto Geométrico: Comparativo da distância percorrida de carro e de bicicleta

16 AVALIAÇÃO DO PROJETO Projeto Geométrico: Ciclovia interrompida

17 AVALIAÇÃO DO PROJETO Projeto Geométrico: Transposições do Eixo Rodoviário Norte para ciclistas e pedestres

18 AVALIAÇÃO DO PROJETO

19 AVALIAÇÃO DO PROJETO Projeto Geométrico: Rotas naturais dos pedestres

20 AVALIAÇÃO DO PROJETO Projeto Geométrico: Rotas naturais dos pedestres x ciclovia projetada

21 AVALIAÇÃO DO PROJETO Concorrência nº 002/2013 Projeto Geométrico Surpreende que apesar das constatações de grande perigo nas travessias de pedestres e ciclistas junto aos pontos de ônibus da DF-007 e da recomendação de previsão de passarelas nestes locais, não foi encontrada qualquer indicação de passarela ou medidas moderadoras de tráfego voltadas à redução de velocidade dos veículos para minimizar os riscos já identificados, conforme preconiza o Artigo 23 da Lei Distrital nº de 2011 que dispõe sobre o PDTU/DF.

22 PROPOSTA DE HUMANIZAÇÃO DO AMBIENTE URBANO Transposições seguras e eficientes do Eixo Rodoviário Norte e da DF-007 Requalificação do entorno dessas rodovias

23 PROPOSTA DE HUMANIZAÇÃO DO AMBIENTE URBANO Transposições seguras e eficientes do Eixo Rodoviário Norte e da DF-007 Passarelas Passagens Subterrâneas Propõe-se a redução do limite de velocidade para 60 km/h, permitindo que as travessias de pedestres e ciclistas sejam em nível e semaforizadas.

24 PROPOSTA DE HUMANIZAÇÃO DO AMBIENTE URBANO Requalificação do entorno das rodovias 1. Limites de velocidade em 40 ou 50 km/h; 2. Rede de infraestrutura para pedestres contínua, eficiente e segura; 3. Rede cicloviária contínua, eficiente e segura; 4. Garantir a acessibilidade para todas as pessoas; e 5. Travessias seguras de pedestres e ciclistas em nível, com ou sem semáforo.

25 PROPOSTA DE HUMANIZAÇÃO DO AMBIENTE URBANO Proposta: infraestrutura compartilhada p/ Bike + Pedestres Requalificação do entorno das rodovias com interseções semaforizadas Projeto TTN Proposta (EXEMPLO)

26 Ponte do Bragueto Debate Como agir diante de projetos feitos com uma concepção obsoleta em fase de receber financiamento num contexto de crise fiscal e poucos recursos? - Leitura crítica do projeto? - Levar pra mídia? - Propor um novo projeto? - Denúncia no MP?

27 Obrigado! Conheça o nosso trabalho. Participe das atividades voluntárias que realizamos. Associe-se à Rodas da Paz.

Contagem de Ciclistas

Contagem de Ciclistas Contagem de Ciclistas Rua Dr. Álvaro Camargos entre R. Padre Pedro Pinto e Rua das Pedrinhas Venda Nova Belo Horizonte Quinta-feira, 13 de maio de 2010 1. Objetivo A Rua Dr. Álvaro Camargos, situada no

Leia mais

CONTAGEM DE CICLISTAS ÁGUAS CLARAS

CONTAGEM DE CICLISTAS ÁGUAS CLARAS CONTAGEM DE CICLISTAS ÁGUAS CLARAS Cruzamento Rua das Pitangueiras x Avenida das Araucárias Segunda-feira, 05 de setembro de 2016 1 INTRODUÇÃO Com o objetivo de fomentar o uso do metrô, propondo intervenções

Leia mais

Brasília - Brasil Maio de 2006

Brasília - Brasil Maio de 2006 Brasília - Brasil Maio de 2006 Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções Propostas Avanço das Atividades Tratamento Viário Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções

Leia mais

Introdução ao Mundo Cicloviário. Brasília, Novembro de 2008.

Introdução ao Mundo Cicloviário. Brasília, Novembro de 2008. Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. t Brasília, Novembro de 2008. A Bicicleta hoje no Mundo: Europa Ásia África Américas PRODUÇÃO MUNDIAL DE BICICLETAS 2002 (em milhões de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 108/09

PROJETO DE LEI Nº 108/09 PROJETO DE LEI Nº 108/09 "Dispõe sobre a criação do sistema cicloviário no Município de Santa Bárbara d Oeste e dá outras providências. Art. 1º - Fica criado o Sistema Cicloviário do Município de Santa

Leia mais

CONTAGENS DE CICLISTAS ÁGUAS CLARAS

CONTAGENS DE CICLISTAS ÁGUAS CLARAS CONTAGENS DE CICLISTAS ÁGUAS CLARAS Cruzamentos Rua das Pitangueiras x Boulevard Sul Rua das Pitangueiras x Avenida das Araucárias Segunda-feira, 05 de outubro de 2015 Estação Arniqueiras do Metrô-DF Segunda-feira,

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina ENGENHARIA DE TRÁFEGO FAMEBLU Engenharia Civil Aula 11: A Infraestrutura Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. O Código de Transito Brasileiro CTB, define no Capítulo IX DOS VEÍCULOS, Seção I

Leia mais

Mobilidade Humana por Bicicleta em Fortaleza

Mobilidade Humana por Bicicleta em Fortaleza Mobilidade Humana por Bicicleta em Fortaleza 03 de Dezembro de 2013 Tópicos Apresentação da Ciclovida Sistema Cicloviário Estrutura Cicloviária de Fortaleza Situação Atual Fortaleza e Outras Cidades Benefícios

Leia mais

Conforme Resolução 396/11 CONTRAN O preenchimento de cada item deverá seguir as instruções em vermelho. 36 ANEXO I A - ESTUDO TÉCNICO: INSTALAÇÃO DE INSTRUMENTOS OU EQUIPAMENTOS MEDIDORES DE VELOCIDADE

Leia mais

Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a).

Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a). Anexo A 96 DIRECTIVIDADE ATRATIVIDADE CONFORTO COERÊNCIA SEGURANÇA Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a). Nível de segurança social do entorno

Leia mais

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S.

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. Duarte Objeto da pesquisa Relação entre adensamento, multifuncionalidade

Leia mais

Bicicleta nas cidades. Carsten Wass

Bicicleta nas cidades. Carsten Wass Bicicleta nas cidades Carsten Wass AGOSTO - 2014 Experiência da Dinamarca Bicicletas na Dinamarca Percentual de viagens de bicicleta Bicicleta Outros EUA 1 99 Dinamarca 18 82 Holanda 27 73 Cultura ciclista

Leia mais

CAPÍTULO 04 FLUXOGRAMAS DE TRÁFEGO

CAPÍTULO 04 FLUXOGRAMAS DE TRÁFEGO APÍTULO 04 FLUXOGRAMAS DE TRÁFEGO 1. INTERSEÇÕES ONEITO A conexão entre vias diversas toma a forma de Interseção. A) Interseção em níveis diferentes ) Interseção em mesmo nível.1) Interseção Direta.2)

Leia mais

Aula 25. Segurança de trânsito (parte 4 de 4)

Aula 25. Segurança de trânsito (parte 4 de 4) Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2.013 Aula 25 Segurança de trânsito (parte 4 de 4) 25.1. Tipos de intervenções corretivas Intervenções

Leia mais

Funções de uma rodovia

Funções de uma rodovia 3. HIERARQUIA DAS RODOVIAS Funções de uma rodovia Função É o tipo de serviço que a via proporciona. É o desempenho da via para a finalidade do deslocamento. Mobilidade: atender à demanda do tráfego de

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO VIÁRIA PARA IMPLANTAÇÃO DE CICLOVIA 1. Identificação Viária Logradouro Rua Pará de Minas

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO VIÁRIA PARA IMPLANTAÇÃO DE CICLOVIA 1. Identificação Viária Logradouro Rua Pará de Minas 1. Identificação Viária Logradouro Rua Pará de Minas Trecho Encontro da Rua Pelotas com a Rua Professor Tito Novaes Bairro Padre Eustáquio Código 4.ABM Data 24/01/2015 Horário Inicial 08:30 2. Avaliação

Leia mais

Art. 61. A velocidade máxima permitida para a via será indicada por meio de sinalização, obedecidas suas características técnicas e as condições de

Art. 61. A velocidade máxima permitida para a via será indicada por meio de sinalização, obedecidas suas características técnicas e as condições de Art. 61. A velocidade máxima permitida para a via será indicada por meio de sinalização, obedecidas suas características técnicas e as condições de trânsito. 1º Onde não existir sinalização regulamentadora,

Leia mais

Contagem de Ciclistas

Contagem de Ciclistas Contagem de Ciclistas Esquina da Avenida Eliseu de Almeida com Avenida Dep. Jacob Salvador Zveibil Butantã São Paulo Sexta-feira, 31 de agosto de 2012 Av. Eliseu de Almeida esquina com Av. Dep. Jacob Salvador

Leia mais

Compromissos à Prefeitura de São Paulo com a Mobilidade Ativa

Compromissos  à Prefeitura de São Paulo com a Mobilidade Ativa Compromissos d@s candidat@s à Prefeitura de São Paulo com a Mobilidade Ativa Histórico As demandas de mobilidade ativa vêm sendo discutidas e pautadas por diversas organizações e indivíduos da sociedade

Leia mais

São Paulo, 06 de Novembro de Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema

São Paulo, 06 de Novembro de Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema São Paulo, 06 de Novembro de 2011 Ao: Departamento de Planejamento Cicloviário - CET/SMT-SP Ref: Projeto Cicloviário de Moema A Ciclocidade - Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo, entidade fundada

Leia mais

Contagem de Ciclistas em Cruzamento. Rua Figueiredo de Magalhães com Av. N. S. de Copacabana. Copacabana Rio de Janeiro

Contagem de Ciclistas em Cruzamento. Rua Figueiredo de Magalhães com Av. N. S. de Copacabana. Copacabana Rio de Janeiro Contagem de Ciclistas em Cruzamento. Rua Figueiredo de Magalhães com Av. N. S. de Copacabana. Copacabana Rio de Janeiro Quinta feira, 2 de julho de 2009. Julho de 2009, Cruzamento das ruas Figueiredo de

Leia mais

O DESENHO DE CIDADES SEGURAS. MARTA OBELHEIRO Coordenadora de Segurança Viária, WRI Brasil

O DESENHO DE CIDADES SEGURAS. MARTA OBELHEIRO Coordenadora de Segurança Viária, WRI Brasil O DESENHO DE CIDADES SEGURAS MARTA OBELHEIRO Coordenadora de Segurança Viária, WRI Brasil PROBLEMA MUNDIAL O número de carros mais que dobrará, de 1 BILHÃO hoje para 2,5 BILHÕES em 2050 QUASE METADE das

Leia mais

Prof. J. R. Setti Depto. de Engenharia de Transportes Escola de Engenharia de São Carlos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Sinalização de trânsito

Prof. J. R. Setti Depto. de Engenharia de Transportes Escola de Engenharia de São Carlos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Sinalização de trânsito Prof. J. R. Setti Depto. de Engenharia de Transportes Escola de Engenharia de São Carlos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Sinalização de trânsito Sinalização de trânsito: objetivos Organizar a circulação de veículos

Leia mais

Contagem de Ciclistas

Contagem de Ciclistas Contagem de Ciclistas Rua Itaituba entre Av. Souza Aguiar e Rua Itaité Boa Vista Belo Horizonte Quarta-feira, 14 de abril de 2010 1. Objetivo A Rua Itaituba, situada no bairro Boa Vista, município de Belo

Leia mais

Como ficará a Lei 14.266/07 com as modificações do Substitutivo da Comissão de Constituição e Justiça para o PL 655/09

Como ficará a Lei 14.266/07 com as modificações do Substitutivo da Comissão de Constituição e Justiça para o PL 655/09 Como ficará a Lei 14.266/07 com as modificações do Substitutivo da Comissão de Constituição e Justiça para o PL 655/09 Texto em letra Arial Narrow: texto da lei 14.266/07 que não foi alterado Texto em

Leia mais

Tratamento de pontos críticos em rodovias

Tratamento de pontos críticos em rodovias Por Vias Seguras 30/03/2007 Tratamento de pontos críticos em rodovias Exemplos de medidas de engenharia Extratos do Guia de Redução de Acidentes com base em medidas de engenharia de baixo custo elaborado

Leia mais

Semana Nacional do Trânsito Cidade para as pessoas: Proteção e Prioridade ao Pedestre

Semana Nacional do Trânsito Cidade para as pessoas: Proteção e Prioridade ao Pedestre DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE HABILITAÇÃO E ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Semana Nacional do Trânsito 2014 Cidade para as pessoas: Proteção e Prioridade ao Pedestre

Leia mais

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL.

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL. ATUALIDADE S Prof. Roberto Um desafio ATUAL. MOBILIDADE URBANA Todas as atividades dependem de um bom deslocamento na cidade! Ir a escola; Ir ao Trabalho; Frequentar uma academia; Usar um posto de saúde;

Leia mais

Legislação de Trânsito

Legislação de Trânsito Legislação de Trânsito Dos Pedestres e Condutores de Veículos não Motorizados Professor: leandro Macedo www.acasadoconcurseiro.com.br Legislação de Trânsito DOS PEDESTRES E CONDUTORES DE VEÍCULOS NÃO

Leia mais

Ciclovias e Mobilidade por Bicicleta no DF

Ciclovias e Mobilidade por Bicicleta no DF Ciclovias e Mobilidade por Bicicleta no DF Imagens da infraestrutura cicloviária do DF Asa Norte, via W5 Contexto da mobilidade por bicicleta Imagens: Uirá Lourenço (61) 8126-5153; uiradebelem@yahoo.com.br

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-116 SP/PR 402,6 KM SÃO PAULO SP RÉGIS BITTENCOURT SÃO PAULO - CURITIBA

RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-116 SP/PR 402,6 KM SÃO PAULO SP RÉGIS BITTENCOURT SÃO PAULO - CURITIBA RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: RÉGIS BITTENCOURT BR-116 SP/PR SÃO PAULO - CURITIBA 402,6 KM SÃO PAULO SP FEVEREIRO DE 2016 ÍNDICE ITEM DESCRIÇÃO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1

Leia mais

Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. São Paulo, Novembro de 2008.

Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. São Paulo, Novembro de 2008. Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. São Paulo, Novembro de 2008. A Bicicleta hoje no Mundo: Europa África Ásia Américas PRODUÇÃO MUNDIAL DE BICICLETAS (em milhões de unidades

Leia mais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais 1. Objetivo: O presente Procedimento, visa estabelecer critérios e diretrizes para a implantação de

Leia mais

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE Inicialmente, o que é BRT? O BRT (Bus Rapid Transit), ou Transporte Rápido por Ônibus, é um sistema de transporte coletivo de passageiros

Leia mais

Contagem de Ciclistas

Contagem de Ciclistas Contagem de Ciclistas Cruzamento da Av. Augusto Franco com Av. Gonçalo Rollemberg Leite Aracaju Sergipe Quarta-feira, 23 de abril de 2014. Imagem:Ciclo Urbano 1- APRESENTAÇÃO A Organização Não Governamental

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS E FUNDAÇÕES DEFESA DE TESE PROGRAMA DE DOUTORADO ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 0313101 APRIMORAMENTO DE UM CURSO DE ENGENHARIA INTRODUÇÃO À

Leia mais

Intervenções para melhorar mobilidade em cidade de pequeno porte: Estudo em Solânea PB.

Intervenções para melhorar mobilidade em cidade de pequeno porte: Estudo em Solânea PB. Intervenções para melhorar mobilidade em cidade de pequeno porte: Estudo em Solânea PB. Milton Paulo de Souza Filho¹; Romállia Maria Pontes da Silva Medeiros²; ¹Universidade Federal da Paraíba Campus I.

Leia mais

Art. 43. Ao regular a velocidade, o condutor deverá observar constantemente as condições físicas da via, do veículo e da carga, as condições

Art. 43. Ao regular a velocidade, o condutor deverá observar constantemente as condições físicas da via, do veículo e da carga, as condições Art. 43. Ao regular a velocidade, o condutor deverá observar constantemente as condições físicas da via, do veículo e da carga, as condições meteorológicas e a intensidade do trânsito, obedecendo aos limites

Leia mais

SUMÁRIO. - Objetivos; - Classificação; - Sinalização vertical; - Sinalização horizontal; - Sinalização semafórica; - Outros sistemas

SUMÁRIO. - Objetivos; - Classificação; - Sinalização vertical; - Sinalização horizontal; - Sinalização semafórica; - Outros sistemas Sinalização Viária SUMÁRIO - Objetivos; - Classificação; - Sinalização vertical; - Sinalização horizontal; - Sinalização semafórica; - Outros sistemas OBJETIVOS Organizar a circulação de veículos e pessoas

Leia mais

Pautas prioritárias Mobilidade Ativa

Pautas prioritárias Mobilidade Ativa Pautas prioritárias Mobilidade Ativa Reconhecimento da gravidade dos números de morte no trânsito na cidade de Salvador e a implantação de programa de monitoramento e redução das mortes no trânsito, com

Leia mais

COMPATIBILIZAÇÃO DO SISTEMA CICLOVIÁRIO DE MANAUS COM AS DIRETRIZES EXISTENTES: ESTUDO DE CASO.

COMPATIBILIZAÇÃO DO SISTEMA CICLOVIÁRIO DE MANAUS COM AS DIRETRIZES EXISTENTES: ESTUDO DE CASO. Congresso Técnico Científico da Engenharia e da Agronomia CONTECC 2016 Rafain Palace Hotel & Convention Center- Foz do Iguaçu - PR 29 de agosto a 1 de setembro de 2016 COMPATIBILIZAÇÃO DO SISTEMA CICLOVIÁRIO

Leia mais

Dicas de Trânsito. 001 P. O que significa a sigla C.T.B? R. Código de Trânsito Brasileiro.

Dicas de Trânsito. 001 P. O que significa a sigla C.T.B? R. Código de Trânsito Brasileiro. Dicas de Trânsito 001 P. O que significa a sigla C.T.B? R. Código de Trânsito Brasileiro. 002 P. Qual o dever do condutor antes de colocar o veículo em circulação nas vias públicas? R. Verificar as condições

Leia mais

ISF 221: PROJETO DE PASSAGEM EM NÍVEL. O projeto de passagem em nível será desenvolvido em duas fases:

ISF 221: PROJETO DE PASSAGEM EM NÍVEL. O projeto de passagem em nível será desenvolvido em duas fases: ISF 221: PROJETO DE PASSAGEM EM NÍVEL 1. OBJETIVO Definir os requisitos de projeto na área de abrangência da travessia, no mesmo plano horizontal, da via férrea com a via rodoviária, bem como promover

Leia mais

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE Diagnóstico Perturbações na fluidez Grandes dimensões Manobras lentas Raio de giro restrito Remoção difícil em caso de

Leia mais

Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito

Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito Elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Segurança de Trânsito Parauapebas, 11 de novembro de 2014 Apoio: Realização: Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades Caracterização

Leia mais

Companhia de Engenharia de Tráfego CET

Companhia de Engenharia de Tráfego CET Secretaria Municipal de Transporte SMT Sec e a a u cpa de a spo e S Companhia de Engenharia de Tráfego CET Anhanguera Bandeirantes Fernão Dias Presidente Dutra Ayrton Senna MAIRIPORÃ Castello Branco CAIEIRAS

Leia mais

Cálculo da Capacidade

Cálculo da Capacidade Departamento de Eng. Produção Engenharia de Tráfego Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Cálculo da 2 1 - É o máximo de veículos que podem atravessar uma

Leia mais

DIRETRIZES PARA A BICICLETA NO PLANO DE GOVERNO DE FERNANDO HADDAD PARA A PREFEITURA DE SÃO PAULO

DIRETRIZES PARA A BICICLETA NO PLANO DE GOVERNO DE FERNANDO HADDAD PARA A PREFEITURA DE SÃO PAULO Promover a sustentabilidade com a melhoria da qualidade de vida e do ar, reduzir os congestionamentos, democratizar o uso do espaço viário, a acessibilidade aos bens e serviços e ampliar a inserção social

Leia mais

Proposta de Medidas e Critérios Para Adequação da Sinalização Semafórica nos Períodos Noturno e de Tráfego Reduzido

Proposta de Medidas e Critérios Para Adequação da Sinalização Semafórica nos Períodos Noturno e de Tráfego Reduzido Proposta de Medidas e Critérios Para Adequação da Sinalização Semafórica nos Períodos Noturno e de Tráfego Reduzido José Maurício Pinto Júnior Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte S/A -

Leia mais

Aula 23. Segurança de trânsito (parte 3 de 4)

Aula 23. Segurança de trânsito (parte 3 de 4) Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2.013 Aula 23 Segurança de trânsito (parte 3 de 4) 23. Intervenções preventivas - legislação - planejamento

Leia mais

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo As Cidades mudaram População mudou A Economia mudou Os Meios de Transportes mudaram E nós? Ainda pensamos igual ao passado? Em TRANSPORTE COLETIVO chega-se ao

Leia mais

para uma cidade melhor

para uma cidade melhor PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO CARLOS A participação da sociedade A participação da sociedade para uma cidade melhor Problemas urbanos Perda de tempo e dinheiro Viagens sem conforto Maior risco de

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS DEZEMBRO 2013 DENSIDADE DE EMPREGOS ÁREA CENTRAL Plano Diretor 2013 Referências Trata da política de transporte e mobilidade urbana integrada com

Leia mais

Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Infrações referentes a ultrapassagem, retorno e conversão (Artigos 199 a 207 do CTB)

Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Infrações referentes a ultrapassagem, retorno e conversão (Artigos 199 a 207 do CTB) Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Fichas individuais dos enquadramentos Infrações referentes a ultrapassagem, retorno e conversão (Artigos 199 a 207 do CTB) Art. 199. Ultrapassar

Leia mais

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública Companhia do Metropolitano do Distrito Federal Audiência Pública Expansão da Linha I do Metrô-DF (Samambaia, Ceilândia e Asa Norte) e modernização do sistema Objetivo da Audiência Pública Dar início aos

Leia mais

A Rodas da Paz Eixo 1: Controle Social de Políticas Públicas

A Rodas da Paz Eixo 1: Controle Social de Políticas Públicas A Rodas da Paz A ONG Rodas da Paz foi instituída em 2003 com o objetivo de reagir à violência e ao crescente número de ocorrências e mortes no trânsito do Distrito Federal. Desde então, trabalha com a

Leia mais

Acessibilidade e Mobilidade ACESSIBILIDADE E MOBILIDADE

Acessibilidade e Mobilidade ACESSIBILIDADE E MOBILIDADE ACESSIBILIDADE E MOBILIDADE O Transporte começa quando você sai de Casa A Acessibilidade começa em Casa E o Transporte e a Acessibilidade se encontram ao sair de Casa BARREIRAS URBANAS Calçadas Ruas Passarelas

Leia mais

SALVANDO VIDAS. A importância de reduzir limites de velocidade em áreas urbanas

SALVANDO VIDAS. A importância de reduzir limites de velocidade em áreas urbanas SALVANDO VIDAS A importância de reduzir limites de velocidade em áreas urbanas MARTA OBELHEIRO COORDENADORA DE PROJETOS DE SAÚDE E SEGURANÇA VIÁRIA DO WRI BRASIL CIDADES SUSTENTÁVEIS Um produto do WRI

Leia mais

Contagem de Tráfego de Bicicletas Praça do Bebedouro Avenida Marechal Rondon Alegrete

Contagem de Tráfego de Bicicletas Praça do Bebedouro Avenida Marechal Rondon Alegrete Contagem de Tráfego de Bicicletas Praça do Bebedouro Avenida Marechal Rondon Alegrete Quarta feira, 17 de junho de 2015. A Transporte Ativo juntamente com as organizações locais, Grupo Charlas Urbanas

Leia mais

- Metrovias - Buenos Aires (gabarito estreito) - CMSP Linha 5 e Santiago Linha 4 (gabarito médio) - CMSP e CMRJ - Carros Novos (gabarito largo)

- Metrovias - Buenos Aires (gabarito estreito) - CMSP Linha 5 e Santiago Linha 4 (gabarito médio) - CMSP e CMRJ - Carros Novos (gabarito largo) CUSTOS COMPARATIVOS ENTRE SISTEMAS DE TRANSPORTE Nestor S. Tupinambá set/2004 1 COMPARAÇÃO DOS DIFERENTES MODOS Vamos usar dados dos seguintes Metrôs - Metrovias - Buenos Aires (gabarito estreito) - CMSP

Leia mais

Mobilidade Urbana. Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos

Mobilidade Urbana. Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos Mobilidade Urbana Mobilidade Urbana Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos Aspectos Gerais LEI Nº 12.587, DE 3 DE JANEIRO DE 2012, Política Nacional de Mobilidade Urbana

Leia mais

USO DE MICROSSIMULAÇÃO PARA AVALIAR BENEFÍCIOS NA REDUÇÃO DE ESTÁGIOS EM INTERSEÇÕES SEMAFORIZADAS

USO DE MICROSSIMULAÇÃO PARA AVALIAR BENEFÍCIOS NA REDUÇÃO DE ESTÁGIOS EM INTERSEÇÕES SEMAFORIZADAS USO DE MICROSSIMULAÇÃO PARA AVALIAR BENEFÍCIOS NA REDUÇÃO DE ESTÁGIOS EM INTERSEÇÕES SEMAFORIZADAS João Paulo Nascimento de Sousa Waldemiro de Aquino Pereira Neto USO DE MICROSSIMULAÇÃO PARA AVALIAR BENEFÍCIOS

Leia mais

SMART CAMPUS: UM NOVO PARADIGMA DE MOBILIDADE PARA O CAMPUS II DA UFG

SMART CAMPUS: UM NOVO PARADIGMA DE MOBILIDADE PARA O CAMPUS II DA UFG SMART CAMPUS: UM NOVO PARADIGMA DE MOBILIDADE PARA O CAMPUS II DA UFG A mobilidade urbana é um desafio crescente nas cidades brasileiras. Na metrópole goiana observa-se uma alta taxa de motorização individual.

Leia mais

COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017

COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017 COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017 A ANTP convida a todos os integrantes das entidades associadas, seus membros individuais e

Leia mais

PENSAR BRASÍLIA. TRANSPORTE COLETIVO DO DF Ações do Governo. Brasília/DF, 30 de agosto de 2012. Secretaria de Transportes - DF

PENSAR BRASÍLIA. TRANSPORTE COLETIVO DO DF Ações do Governo. Brasília/DF, 30 de agosto de 2012. Secretaria de Transportes - DF PENSAR BRASÍLIA TRANSPORTE COLETIVO DO DF Ações do Governo Brasília/DF, 30 de agosto de 2012 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL GOVERNO PARA O DISTRITO FEDERAL Postura de Estado. Visão > Eixo de Desenvolvimento

Leia mais

Fabio Villas Bôas. Jardim das Perdizes, São Paulo

Fabio Villas Bôas. Jardim das Perdizes, São Paulo Fabio Villas Bôas Jardim das Perdizes, São Paulo O que é um bairro sustentável? Sustentabilidade a partir dos bairros Conceito: escala ideal para acelerar a implantação Portland: algumas iniciativas Anos

Leia mais

Contagem de Ciclistas Cruzamento da Av. Augusto Franco com Av. Gonçalo Rollemberg Leite Aracaju Sergipe Quarta-feira, 3 de abril de 2013.

Contagem de Ciclistas Cruzamento da Av. Augusto Franco com Av. Gonçalo Rollemberg Leite Aracaju Sergipe Quarta-feira, 3 de abril de 2013. Contagem de Ciclistas Cruzamento da Av. Augusto Franco com Av. Gonçalo Rollemberg Leite Aracaju Sergipe Quarta-feira, 3 de abril de 2013. Imagem:Ciclo Urbano 1- APRESENTAÇÃO A Organização Não Governamental

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS

CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS Compreendendo que, Por todo o mundo, o uso da bicicleta vem sendo tratado como um importante indicador de qualidade de vida, havendo um consenso crescente

Leia mais

IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE

IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE 1 IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE AUDIÊNCIA PÚBLICA OUTRAS INFORMAÇÕES 2266-0369 SMTR www.rio.rj.gov.br 2589-0557 SMO Rio de Janeiro

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO setembro 2014 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Documentos de referência referências Plano Municipal de Circulação Viária e de Transporte - 2003 Consolidou

Leia mais

Guia Multilíngüe de Informações Cotidianas

Guia Multilíngüe de Informações Cotidianas 4 Regras de Trânsito 4-1 Regras de trânsito no Japão No Japão, as regras de trânsito são estabelecidas respectivamente para, automóveis e motos, bicicletas. Recomenda-se a assimilação rápida e correta

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO RIO GRANDE DO SUL DIRETORIA TÉCNICA DIVISÃO DE HABILITAÇÃO CICLISTA NO TRÂNSITO

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO RIO GRANDE DO SUL DIRETORIA TÉCNICA DIVISÃO DE HABILITAÇÃO CICLISTA NO TRÂNSITO DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO RIO GRANDE DO SUL DIRETORIA TÉCNICA DIVISÃO DE HABILITAÇÃO CICLISTA NO TRÂNSITO HISTÓRICO DA BICICLETA No ano de 1790, o francês M. de Sivrac, inventou a primeira bicicleta

Leia mais

TÍTULO: MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SOCIOAMBIENTAIS COM A IMPLANTAÇÃO DO VEICULO LEVE SOBRE TRILHOS NO SISTEMA INTEGRADO METROPOLITANO NA BAIXADA SANTISTA

TÍTULO: MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SOCIOAMBIENTAIS COM A IMPLANTAÇÃO DO VEICULO LEVE SOBRE TRILHOS NO SISTEMA INTEGRADO METROPOLITANO NA BAIXADA SANTISTA 16 TÍTULO: MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SOCIOAMBIENTAIS COM A IMPLANTAÇÃO DO VEICULO LEVE SOBRE TRILHOS NO SISTEMA INTEGRADO METROPOLITANO NA BAIXADA SANTISTA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA

Leia mais

EXCERTO A BICICLETA NO

EXCERTO A BICICLETA NO Plano Municipal de Circulação Viária e de Transportes EXCERTO A BICICLETA NO Plano Municipal de Circulação Viária e de Transportes São Paulo 2004 Rede Viária do Transporte Não Motorizado Rede Viária de

Leia mais

X - em local e horário proibidos especificamente pela sinalização (placa - Proibido Parar): Infração - média; Penalidade - multa.

X - em local e horário proibidos especificamente pela sinalização (placa - Proibido Parar): Infração - média; Penalidade - multa. IX - na contramão de direção: Penalidade - multa; X - em local e horário proibidos especificamente pela sinalização (placa - Proibido Parar): Art. 183. Parar o veículo sobre a faixa de pedestres na mudança

Leia mais

Oficina 5 Mobilidade. Diretrizes e Propostas. 17 março 2016

Oficina 5 Mobilidade. Diretrizes e Propostas. 17 março 2016 Oficina 5 Mobilidade Diretrizes e Propostas 17 março 2016 Leitura Regional Panorama da situação atual da Ilha Matriz O/D: 24.077 (27,5%) viagens internas a Itaparica 15.388 (17,6%) viagens da Ilha para

Leia mais

A ocupação urbana da RMB, sobretudo da capital, é de concentração de serviços e infraestrutura nas regiões centrais que, consequentemente, também são

A ocupação urbana da RMB, sobretudo da capital, é de concentração de serviços e infraestrutura nas regiões centrais que, consequentemente, também são A Região Metropolitana de Belém é composta por sete municípios e tem cerca de 2,1 milhões de habitantes, de acordo com o Censo 2010, sendo a maior da região Norte. Belém e Ananindeua integram a RMB desde

Leia mais

Determinação Volume Tráfego

Determinação Volume Tráfego Departamento de Eng. Produção Engenharia de Tráfego Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Determinação Volume Tráfego 2 1 - VMDa (AADT) - Volume médio diário

Leia mais

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade Seminário SINAENCO / SC Guilherme Medeiros Engenheiro Coordenador Técnico SC Participações e Parcerias S.A.

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PROJETOS DE INFRAESTRUTURA

AUDIÊNCIA PÚBLICA PROJETOS DE INFRAESTRUTURA AUDIÊNCIA PÚBLICA PROJETOS DE INFRAESTRUTURA Junho/2015 O que é BRT? O que é BRT? 1) Faixas ou vias separadas e exclusivas Guangzhou (China) O que é BRT? 2) Tratamento prioritário nas interseções Cidade

Leia mais

CALÇADAS VERDES DE CURITIBA

CALÇADAS VERDES DE CURITIBA CALÇADAS VERDES DE CURITIBA INTRODUÇÃO Daniela Medeiros Maira Oliveira Rubens Carlin Wilson Padilha Ferreira Fernando Barros Esse trabalho abordara os pontos positivos e negativos na implantação das calçadas

Leia mais

NOVO SIMULADO DE LEGISLAÇÃO/CONDUTA E CIRCULAÇÃO 2012

NOVO SIMULADO DE LEGISLAÇÃO/CONDUTA E CIRCULAÇÃO 2012 1 Órgão executivo responsável em julgar os recursos das infrações de trânsito: a) DNIT b) CONTRAN c) JARI d) DETRAN 2 São pré-requisitos para o início do processo de habilitação, exceto: a) Ser penalmente

Leia mais

EVENTO. IV Encontro de Qualidade e Tecnologia do Transporte Urbano. Palestra: Multimodalidade na Mobilidade. Data: 01/12/2009

EVENTO. IV Encontro de Qualidade e Tecnologia do Transporte Urbano. Palestra: Multimodalidade na Mobilidade. Data: 01/12/2009 EVENTO IV Encontro de Qualidade e Tecnologia do Transporte Urbano Palestra: Multimodalidade na Mobilidade Data: 01/12/2009 APRESENTAÇÃO DUPLICAÇÃ ÇÃO O DO ANEL VÁRIO V DE FORTALEZA PONTE DO COCÓ DUPLICAÇÃO

Leia mais

Frente Segura- Motocicletas e Bicicletas.

Frente Segura- Motocicletas e Bicicletas. Frente Segura- Motocicletas e Bicicletas. Antônio Sérgio Barnabé Companhia de Engenharia de Tráfego CET; Rua Senador Feijó, 143, 7º andar; CEP 01006-001; São Paulo, SP; fone (11) 3030-2269; sergiob@cetsp.com.br

Leia mais

MANUAL PERGUNTAS E RESPOSTAS ATUALIZADAS DÊ A PARA A. Contém SIMULADOS DETRAN - GO / UEG -

MANUAL PERGUNTAS E RESPOSTAS ATUALIZADAS DÊ A PARA A. Contém SIMULADOS DETRAN - GO / UEG - MANUAL PERGUNTAS E RESPOSTAS ATUALIZADAS De acordo com as questões utilizadas na prova teórica DETRAN - GO / UEG - 2016 DÊ A PREFERÊNCIA PARA A VIDA! Contém SIMULADOS www.transito21.com.br wfgoiania@gmail.com

Leia mais

Avaliação dos espaços destinados ao transporte por bicicletas nas orlas de João Pessoa-PB.

Avaliação dos espaços destinados ao transporte por bicicletas nas orlas de João Pessoa-PB. Avaliação dos espaços destinados ao transporte por bicicletas nas orlas de João Pessoa-PB. NERI, Helen Carmem Ferreira Rebouças (1) ; GOMES, Emmily Gérsica Santos (2) ; SILVEIRA, José Augusto Ribeiro da

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO E LEGISLAÇÃO DE TRANSPORTES URBANOS (PARA O CARGO DE AUXILIAR DE FISCAL DE

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO E LEGISLAÇÃO DE TRANSPORTES URBANOS (PARA O CARGO DE AUXILIAR DE FISCAL DE LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO E LEGISLAÇÃO DE TRANSPORTES URBANOS (PARA O CARGO DE AUXILIAR DE FISCAL DE TRANSPORTES URBANOS de acordo com o Edital do concurso da Secretaria Municipal de Transporte do Rio de

Leia mais

Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito

Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito As grandes cidades e áreas metropolitanas encaram o aumento da demanda nos sistemas de transportes, especialmente nas regiões

Leia mais

João Paulo Cardoso Joaquim¹ e João Fortini Albano². ¹ Acadêmico de Engenharia Civil da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

João Paulo Cardoso Joaquim¹ e João Fortini Albano². ¹ Acadêmico de Engenharia Civil da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Atropelamentos de pedestres: características dos acidentes e propostas de medidas de segurança para o trecho rodoviário da BR-290 entre Eldorado do Sul e Osório. João Paulo Cardoso Joaquim¹ e João Fortini

Leia mais

de Belo Horizonte Projeto BRT Do sistema tronco alimentado convencional aos corredores de BRT

de Belo Horizonte Projeto BRT Do sistema tronco alimentado convencional aos corredores de BRT Sistema IntegradodeTransporte de porônibus de Belo Horizonte Projeto BRT Do sistema tronco alimentado convencional aos corredores de BRT Sumário Premissas e condicionantes do Projeto Conceito e características

Leia mais

Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo

Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo Características das Viagens de Bicicleta no Município de São Paulo Sou + De Bicicleta Viagens por Modo de Transporte Fonte: Pesquisa

Leia mais

Normas de circulação

Normas de circulação Normas de circulação A bicicleta é um veículo, e por este motivo o espaço de circulação debe estar dentro do leito veicular e nunca sobre as calçadas. Os ciclistas deven circular no mesmo sentido que os

Leia mais

Nos dias 16 e 17 de junho 2010 o Instituto Cultural e a Embaixada Real da Dinamarca convidaram para um seminário sobre a cultura de ciclismo.

Nos dias 16 e 17 de junho 2010 o Instituto Cultural e a Embaixada Real da Dinamarca convidaram para um seminário sobre a cultura de ciclismo. Nos dias 16 e 17 de junho 2010 o Instituto Cultural e a Embaixada Real da Dinamarca convidaram para um seminário sobre a cultura de ciclismo. O seminário foi realizado no Centro Municipal de Arte Hélio

Leia mais

Melhores práticas de mobilidade inteligente. Simone Gallo

Melhores práticas de mobilidade inteligente. Simone Gallo Melhores práticas de mobilidade inteligente Simone Gallo Nossas causas 3 cultura educação esporte mobilidade Definimos mobilidade urbana como uma causa dentro de nossa plataforma de sustentabilidade. Bicicleta

Leia mais

Apresentação. Caros estudantes, pais, professores, funcionários e comunidade em geral,

Apresentação. Caros estudantes, pais, professores, funcionários e comunidade em geral, Apresentação Caros estudantes, pais, professores, funcionários e comunidade em geral, Sabemos que hoje os acidentes de trânsito são um problema, não só em nossa cidade, mas em todo o mundo. Diariamente,

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de Aula 4. Sinalização vertical

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de Aula 4. Sinalização vertical Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2016 Aula 4 Sinalização vertical 4.1. Sinalização Vertical - resumo SINALIZAÇÃO VERTICAL REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

Carta de compromisso com a mobilidade por bicicletas - candidatos a prefeito

Carta de compromisso com a mobilidade por bicicletas - candidatos a prefeito Em abril de 2012 a Ciclocidade e o CicloBR iniciaram o projeto Eleições 2012 e a bicicleta em São Paulo, com objetivo de promover a discussão sobre o tema durante as eleições e garantir o compromisso dos

Leia mais

Com lente seta* Figura 1 - Indicações luminosas em semáforos

Com lente seta* Figura 1 - Indicações luminosas em semáforos Capítulo 8 Semáforos (parte 1) 1. GRUPO FOCAL, ESTÁGIO E FASE Denomina-se grupo focal o conjunto de focos (lentes coloridas nas cores vermelha, amarela e verde) que controlam cada conjunto de movimentos

Leia mais