R e l a t ó r i o d e P e s q u i s a

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "R e l a t ó r i o d e P e s q u i s a"

Transcrição

1 R e l a t ó r i o d e P e s q u i s a Pesquisa executada pela ONG Associação Ciclo Urbano Aracaju - Sergipe 22 de Setembro de 214

2 O Desafio Intermodal Qual o meio de transporte é mais eficiente nos deslocamentos urbanos em Aracaju? Para repensar a mobilidade das pessoas na cidade de Aracaju, promover e estimular o uso da bicicleta, a Organização Não Governamental Ciclo Urbano promoveu no dia 16 de setembro de 214, o VII Desafio Intermodal Aracajuano. A proposta deste desafio é analisar os diversos meios de transporte, saindo ao mesmo tempo de um mesmo local na hora do rush e devendo chegar a um destino comum. Os meios modais utilizados na sétima edição foram a pé, bicicleta (vias alternativas e vias expressas), bicicleta dobrável e ônibus, bicicleta elétrica (sistema pedal assistido), Deficiente Visual (+Ônibus), carro, ônibus e pedestre correndo. Os participantes que estavam de carro, moto e bicicleta. Saíram a pé do ponto de encontro para buscar seu veículo em estacionamento assim, como tiveram de estacioná-lo para chegar ao local da chegada como pedestre. Eles foram testados pelo tempo gasto para se chegar ao destino final, o custo financeiro que cada um gera e quantos quilos de gás carbônico emitem em seu trajeto. Ou seja, não bastava chegar em primeiro lugar, os impactos ambientais também são importantes. O Desafio Intermodal (DIM) tem como objetivo verificar qual meio de transporte mais eficiente para atravessar a cidade no horário de rush, momento em que milhares de pessoas ficam presas no trânsito na volta para casa. Para responder a esse questionamento, repensar a mobilidade urbana e estimular o uso de meios alternativos de deslocamento, a ONG Ciclo Urbano, promove há 7 anos o Desafio Intermodal, que contou, no ano de 214, com 25 participantes, representando 5 diferentes meios de transporte terrestre, sendo eles apresentados abaixo, junto ao seu número de participantes: Modalidade Quantidade de Participantes Bicicleta 7 Bicicleta Elétrica 1 Carro 2 Corredor 2 Motocicleta 2 Ônibus 4 Pedestre 1

3 O DIM pretendeu mostrar as infinitas possibilidades de se locomover pela cidade além de analisar o desempenho do transporte público em Aracaju. Este evento faz parte dos eventos que promovem o Dia Mundial Sem Carro (DMSC). A iniciativa gerou grande repercussão na mídia local e uma discussão sobre o tema através da realização de várias reportagens sobre o evento. O Desafio Intermodal inseriu-se no conjunto de ações propostas pela ONG Ciclo Urbano, que visa através de pesquisas comprovar a eficiência dos modos não motorizados como opção de mobilidade nas cidades brasileiras, contribuindo para uma cultura de mobilidade urbana mais saudável e sustentável.

4 Percurso Os participantes saíram da Praça Olímpio Campos, em frente ao Palácio Museu Olímpio Campos, com destino ao Teatro Tobias Barreto, no Distrito Industrial de Aracaju. Sempre respeitando as leis de trânsito e as regras de segurança de cada modal utilizado. Abaixo, uma imagem ilustra um dos vários percursos que foram feitos durante o VII Desafio Intermodal Aracaju. Imagem I: Google Maps, 214.

5 Regulamento Saindo do ponto inicial, todos ao mesmo tempo, cada modo de deslocamento pode usar o caminho que for mais conveniente. Todos tiveram que respeitar as leis de trânsito e as regras de segurança do meio de transporte que usaram. O Desafio Intermodal não se caracteriza como uma competição, mas sim um estudo sobre formas de deslocamento, por isso o trajeto deve ser feito na velocidade comum do cotidiano. Os desafiantes tiveram a liberdade de escolher o percurso até o Teatro Tobias Barreto Ao chegar ao ponto final, o participante teve que se encaminhar até a tenda do Ciclo Urbano, localizada em frente do Teatro Tobias Barreto, para que a equipe pudesse registrar o tempo de cada participante. Para facilitar a comunicação entre os participantes, todos receberam uma lista com os telefones de cada um dos envolvidos. Todos os desafiantes teriam que: 1. Sair ao mesmo tempo; 2. Começar a pé e se dirigir ao respectivo meio de transporte 3. Respeitar as leis de trânsito e regras de segurança do meio utilizado; 4. No ponto intermediário e final, estacionar regularmente o seu veículo; 5. No ponto intermediário e final, dirigir-se à tenda da organização para registrar o tempo; 6. No ponto final, responder a um questionário.

6 Planilha de Chegada Nessa planilha estão computados os dados estimados de poluição, bem como os dados objetivos de tempo e despesas diretas daquela viagem. Para efeitos de cálculo, a distância percorrida por todos os modais foi igualada em 6 km, que corresponde à distância do percurso do Desafio estipulada pelos organizadores, ainda que tenha havido pequenas variações para mais e para menos. TEMPO DE DESLOCAMENTO VELOCIDADE MÉDIA MODAL HORA DE SAÍDA HORA DE CHEGADA TEMPO DE DESLOCAMENTO ÍNDICE DE APROVEITAMENTO* DISTÂNCIA (m)*** VELOCIDADE MÉDIA (km/h) ÍNDICE DE APROVEITAMENTO PEDESTRE CAMINHANDO 19::3 :45: ,91 1 PEDESTRE CORRENDO 18:5:58 :35: ,1 4 CICLISTA - VIAS RÁPIDAS 18:3:27 :15: ,3 9 CICLISTA - VIAS CALMAS (M) 18:41:15 :26: ,71 6 CICLISTA - VIAS CALMAS (F) 18:15: 18:43:22 :28: ,69 5 CICLISTA - ELETRICA 18:31:28 :16: ,86 8 MOTOCICLISTA 18:37:25 :22: ,6 7 AUTOMÓVEL 18:52:21 :37: ,64 3 DEFICIENTE VISUAL + ÔNIBUS 18:54:44 :39: ,6 2 TOTAL 4:27:3 54. MÉDIA :29: , Emissão de CO² (Dióxido de Carbono) para gasolina, álcool e GNV: calculadora de emissões de 2- Os índices de poluição são nominais, medidos pelo IBAMA / PROCONVE. - Vale lembrar que os poluentes emitidos são do veículo. Ou seja, enquanto cada ônibus transporta mais de 5 passageiros, carros e motos geralmente levam apenas uma ou duas pessoas. 3 - Os índices de emissão de CO² são por passageiro por quilômetro

7 Tabelas Tempo (mim) Deficiente visual + Ônibus Automóvel :39:44 :37:21 Motociclista Ciclista (bicicleta eletrica) Ciclista por vias calmas (feminino) Ciclista por vias calmas (masculino) Ciclista por vias rápidas Pedestre correndo Pedestre caminhando :22:25 :16:28 :28:22 :26:15 :15:27 :35:58 :45:3 Fonte: DIM ONG Ciclo Urbano Velocidade média (km/h) Deficiente visual + Ônibus Automóvel 9,6 9,64 Motociclista 16,6 Ciclista (bicicleta eletrica) 21,86 Ciclista por vias calmas (feminino) Ciclista por vias calmas (masculino) 12,69 13,71 Ciclista por vias rápidas 23,3 Pedestre correndo Pedestre caminhando 1,1 7, Fonte: DIM ONG Ciclo Urbano

8 Poluição Atmosférica (CO2) Deficiente visual + Ônibus 1,8 Automóvel 8,1 Motociclista 1,8 Ciclista (bicicleta eletrica) Ciclista por vias calmas (feminino) Ciclista por vias calmas (masculino) Ciclista por vias rápidas Pedestre correndo Pedestre caminhando Fonte: DIM ONG Ciclo Urbano Os índices de poluição são nominais, medidos pelo IBAMA / PROCONVE. Vale lembrar que os poluentes emitidos são do veículo. Ou seja, enquanto cada ônibus transporta mais de 5 passageiros, carros e motos geralmente levam apenas uma ou duas pessoas.

9 Despesas Os custos de cada modal foram calculados de acordo com que foi gasto, pelos desafiantes, com a respectiva fonte de energia. Na data do desafio, o preço das passagens de ônibus era de R$ 2,35. Os modais com gastos irrelevantes (ex: manutenção da bicicleta ou gasto com sola de calçado) foram desconsiderados. Não foram considerados gastos com estacionamento público/privado do carro/moto ou possíveis multas. Despesas (R$) Deficiente visual + Ônibus 2,35 Automóvel 6,43 Motociclista Ciclista (bicicleta eletrica) Ciclista por vias calmas (feminino) Ciclista por vias calmas (masculino) Ciclista por vias rápidas Pedestre correndo Pedestre caminhando,84, Fonte: DIM ONG Ciclo Urbano

10 Resultados METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO A avaliação foi feita de forma a ordenar todos os itens avaliados numa escala de pontos para cada um deles e ao final a pontuação de cada modal foi somada e feita uma média. Para cada item avaliado, o primeiro colocado soma o número de pontos igual ao da quantidade de participantes, que nesse desafio foi 9. Para cada posição abaixo a pontuação é obtida atribuindo o valor total de participantes menos os que chegaram antes. Ou seja, para o segundo são 8 pontos, 7 para o terceiro, 6 para o quarto, 5 para o quinto, 4 para o sexto, 3 para o sétimo, 2 para o oitavo e 1 ponto para o nono. Os dados dessa tabela são os mais importantes para este desafio já que quantificam aspectos objetivos de extrema importância para a elaboração de políticas públicas na área de transporte urbano. Por serem oito meios de transporte, a avaliação foi realiza utilizando notas de 1(pior nota) a 9(melhor nota): Para as três variáveis a maior nota(8) corresponde ao menor tempo, ao menor gasto e à menor emissão de poluentes. Quando houver empate os modais obterão a mesma nota. Neste caso, a nota do modal seguinte não será dada em função do próximo número da sequência numérica, mas descontando o número de modais que empataram. Posição Modal Resultados Objetivos Tempo (min) Despesa(R$) CO2 Ruído Soma Média 1º CICLISTA - ELETRICA ,75 2º CICLISTA - VIAS RÁPIDAS ,5 3º DEFICIENTE VISUAL + ÔNIBUS ,25 4º CICLISTA - VIAS CALMAS (M) º CICLISTA - VIAS CALMAS (F) º PEDESTRE CORRENDO º PEDESTRE CAMINHANDO º MOTOCICLISTA º AUTOMÓVEL ,75 3 7, , Os resultados subjetivos são baseados nas sensações de cada participante somente na viagem realizada durante o Desafio. Os dados contidos nesta tabela são apenas referências a serem utilizadas na avaliação de percepção dos usuários em futuras comparações semelhantes.

11 As respostas (ANEXO) foram colhidas logo após a chegada a fim de relatar ao máximo a percepção individual de todos. Posição Modal Resultados Subjetivos Praticidade Segurança Conforto Infraestrutura Trânsito Soma Média 1º CICLISTA - VIAS RÁPIDAS º CICLISTA - VIAS CALMAS (M) ,8 2º CICLISTA - ELETRICA ,8 3º PEDESTRE CAMINHANDO ,6 4º PEDESTRE CORRENDO ,2 4º CICLISTA - VIAS CALMAS (F) ,2 5º AUTOMÓVEL º MOTOCICLISTA ,8 7º DEFICIENTE VISUAL + ÔNIBUS ,2 Fonte: DIM ONG Ciclo Urbano Ao consolidar numa única tabela os resultados objetivos somados aos subjetivos temos o ranking do VII Desafio Intermodal. Esse ranking revela com clareza a praticidade e efetividade dos transportes ativos na Cidade de Aracaju. DIM - AJU -214 PEDESTRE CAMINHANDO PEDESTRE CORRENDO CICLISTA - VIAS RÁPIDAS CICLISTA - VIAS CALMAS (M) CICLISTA - VIAS CALMAS (F) CICLISTA - ELETRICA MOTOCICLISTA AUTOMÓVEL DEFICIENTE VISUAL + ÔNIBUS 3,91 3,73 4, 3,91 3,82 3,91 3,9 3, 3,36 PEDESTRE CAMINHANDO PEDESTRE CORRENDO CICLISTA - VIAS RÁPIDAS CICLISTA - VIAS CALMAS (M) CICLISTA - VIAS CALMAS (F) CICLISTA - ELETRICA MOTOCICLISTA AUTOMÓVEL DEFICIENTE VISUAL + ÔNIBUS

12 Ranking Desafio Intermodal 28 / 214 Agora consolidando numa única tabela os resultados obtidos nas sete edições temos um ranking dos Desafios Intermodais realizados até agora. Esse ranking revela com ainda mais clareza a praticidade e efetividade dos transportes ativos na Cidade de Aracaju. Modal Edições Total Média Ranking Ciclista por vias rápidas 1-9 pt 1-9pt 1-9 pt 2-8 pt 1-9 pt 1º - 9pt 1º - 9pt 62 8,85 1º Ciclista por vias calmas 2-8 pt 2-8 pt 2-8 pt 3-7 pt 2-8 pt 2º - 8 pt 2º - 8 pt 55 7,85 3º (masculino) Ciclista por vias calmas pt 3º - 7 pt 4-6 pt 2 6,66 4º (feminino) Pedestre correndo 4-6 pt 4-6 pt 4-6 pt 6-4 pt 4-6 pt 2º - 8 pt 4-6 pt º Motociclista 3-7 pt 5-5 pt 7-3 pt 1-9 pt 5-5 pt 5º - 5 pt 6º - 4 pt 38 5,42 6º Ciclista + ônibus com pt pt 6º - 4 pt ,66 7º bicicleta dobrável Ônibus 6-4 pt 3-7 pt 5-5 pt 5-5 pt 8-2 pt 8º - 2 pt 7º - 3 pt º Automóvel 5-5 pt 6-4 pt 6-4 pt 4-6 pt 8-2 pt 7º - 3 pt 5º - 5 pt 29 4,14 8º Pedestre caminhando 7-3 pt 7-3 pt 8-2 pt 7-3 pt 6-4 pt 4-6 pt 3º - 7 pt º Ciclista Elétrica º - 8 pt 8 8 2º

13 Participantes do Desafio Intermodal de Aracaju Alessandra Franco Anaísa Vieira Breno Correia Djalma Santos Djama Santos Fabiana Droppa João Henrique Kelvin Feitosa Lucas Aribé Luciano Aranha Magda Celine Marcelo Almeida Alvarenga Rafael Barbosa Roberto José Bastos do Rosário Rosana Adrião Rubens Barbosa dos Santos Sayan Caroline Alves do Rosário Thiago Massas Waldson Costa Arte Fabiana Droppa Análise e Elaboração José Waldson Costa de Andrade Luciano Aranha Para maiores informações:

14 ANEXO

15 214 Questionário Nome: Idade: Profissão: Veículo: Tempo Total: AVALIAÇÃO SUBJETIVA ÍNDICE DE SATISFAÇÃO (DE 1, MUITO INSATISFEITO, A 5, MUITO SATISFEITO) DE ACORDO COM TABELA PREENCHIDA PELO DESAFIANTE NA CHEGADA. 1. CONFORTO DA VIAGEM 1 MUITO INSATISFEITO ( ) 2 INSATISFEITO ( ) 3- POUCO SATISFEITO ( ) 4- SATISFEITO ( ) 5- MUITO SATISFEITO ( ) 2. SEGURANÇA DA VIAGEM 1 MUITO INSATISFEITO ( ) 2 INSATISFEITO ( ) 3- POUCO SATISFEITO ( ) 4- SATISFEITO ( ) 5- MUITO SATISFEITO ( ) 3. PRATICIDADE DA VIAGEM 1 MUITO INSATISFEITO ( ) 2 INSATISFEITO ( ) 3- POUCO SATISFEITO ( ) 4- SATISFEITO ( ) 5- MUITO SATISFEITO ( ) 4. INFRAESTRUTURA PARA SEU MEIO DE TRANSPORTE 1 MUITO INSATISFEITO ( ) 2 INSATISFEITO ( ) 3- POUCO SATISFEITO ( ) 4- SATISFEITO ( ) 5- MUITO SATISFEITO ( ) 5. CONDIÇÃO DO TRÂNSITO PARA SEU MEIO DE TRANSPORTE 1 MUITO INSATISFEITO ( ) 2 INSATISFEITO ( ) 3- POUCO SATISFEITO ( ) 4- SATISFEITO ( ) 5- MUITO SATISFEITO ( )

Desafio Intermodal r i o d e j a n e i r o

Desafio Intermodal r i o d e j a n e i r o Desafio Intermodal r i o d e j a n e i r o 2 0 0 8 O Desafio Intermodal. Qual será o meio de transporte mais eficiente para atravessar a cidade em um horário que milhares de cariocas ficam presos no trânsito

Leia mais

Desafio Intermodal r i o d e j a n e i r o

Desafio Intermodal r i o d e j a n e i r o Desafio Intermodal r i o d e j a n e i r o 2 1 O Desafio Intermodal. Qual será o meio de transporte mais eficiente para atravessar a cidade em um horário que milhares de cariocas ficam presos no trânsito

Leia mais

Desafio Intermodal r i o d e j a n e i r o

Desafio Intermodal r i o d e j a n e i r o Desafio Intermodal r i o d e j a n e i r o 2 0 1 2 O Desafio Intermodal. Qual será o meio de transporte mais eficiente para atravessar a cidade em um horário que milhares de cariocas ficam presos no trânsito

Leia mais

Contagem de Ciclistas

Contagem de Ciclistas Contagem de Ciclistas Cruzamento da Av. Augusto Franco com Av. Gonçalo Rollemberg Leite Aracaju Sergipe Quarta-feira, 23 de abril de 2014. Imagem:Ciclo Urbano 1- APRESENTAÇÃO A Organização Não Governamental

Leia mais

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S.

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. Duarte Objeto da pesquisa Relação entre adensamento, multifuncionalidade

Leia mais

CURITIBA VII DESAFIO INTERMODAL

CURITIBA VII DESAFIO INTERMODAL CURITIBA VII DESAFIO INTERMODAL 2013 DESAFIO REALIZAÇÃO ORGANIZAÇÃO APOIO DESIGN 2 ORGANIZAÇÃO RELATÓRIO Henrique Martins Godeny (Design Gráfico) - Aluno Marcelo de Costa (Capa)- Aluno Ken Flávio Ono Fonseca

Leia mais

Desafio Intermodal: A experiência na cidade de Curitiba, Brasil

Desafio Intermodal: A experiência na cidade de Curitiba, Brasil Desafio Intermodal: A experiência na cidade de Curitiba, Brasil JOSÉ CARLOS ASSUNÇÃO BELOTTO SILVANA NAKAMORI KEN FLAVIO ONO FONSECA NESTOR CORTEZ SAAVEDRA FILHO CONCEITO Verificar qual o meio de transporte

Leia mais

Contagem de Ciclistas Cruzamento da Av. Augusto Franco com Av. Gonçalo Rollemberg Leite Aracaju Sergipe Quarta-feira, 3 de abril de 2013.

Contagem de Ciclistas Cruzamento da Av. Augusto Franco com Av. Gonçalo Rollemberg Leite Aracaju Sergipe Quarta-feira, 3 de abril de 2013. Contagem de Ciclistas Cruzamento da Av. Augusto Franco com Av. Gonçalo Rollemberg Leite Aracaju Sergipe Quarta-feira, 3 de abril de 2013. Imagem:Ciclo Urbano 1- APRESENTAÇÃO A Organização Não Governamental

Leia mais

V Desafio Intermodal Curitiba

V Desafio Intermodal Curitiba V Desafio Intermodal Curitiba 16.SET.2011 O desafio intermodal O Desafio Intermodal tem como intenção avaliar a seguinte questão: qual será o meio de transporte mais eficiente para atravessar a cidade

Leia mais

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL.

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL. ATUALIDADE S Prof. Roberto Um desafio ATUAL. MOBILIDADE URBANA Todas as atividades dependem de um bom deslocamento na cidade! Ir a escola; Ir ao Trabalho; Frequentar uma academia; Usar um posto de saúde;

Leia mais

Mobilidade Urbana. Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos

Mobilidade Urbana. Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos Mobilidade Urbana Mobilidade Urbana Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos Aspectos Gerais LEI Nº 12.587, DE 3 DE JANEIRO DE 2012, Política Nacional de Mobilidade Urbana

Leia mais

1º DESAFIO INTERMODAL

1º DESAFIO INTERMODAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Francisco Beltrão 1º DESAFIO INTERMODAL Francisco Beltrão PR RELATÓRIO Francisco Beltrão / 2012 I DESAFIO INTERMODAL DE FRANCISCO

Leia mais

Movendo-se na cidade: Bicicleta Elétrica Híbrida.

Movendo-se na cidade: Bicicleta Elétrica Híbrida. Movendo-se na cidade: Bicicleta Elétrica Híbrida. Acadêmico: Guilherme Boff Orientador: Walter Strobel Neto Justificativa: O trânsito nas grandes cidades torna-se mais caótico cada dia. Engarrafamentos,

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Comparativo

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Comparativo Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Comparativo 2003-2012 Julho de 2014 Relatório comparativo 2003/2012 Comentários sobre o período de 10 anos considerado Este relatório apresenta os

Leia mais

Custos dos Deslocamentos (Custos para usar ônibus, moto e automóvel)

Custos dos Deslocamentos (Custos para usar ônibus, moto e automóvel) Custos dos Deslocamentos (Custos para usar ônibus, moto e automóvel) Dados de março de 2010 Sumário 1 Avaliação Geral...3 1.1 Consumo de espaço, tempo e energia por auto, ônibus e moto...3 1.2 Custos para

Leia mais

2. Todos os modais deveriam passar por um posto de controle (PC), pré-estabelecido, no centro da cidade.

2. Todos os modais deveriam passar por um posto de controle (PC), pré-estabelecido, no centro da cidade. BELO HORIZONTE/MG SETEMBRO/2007 Realização: Apoio: Desafio Intermodal O objetivo desta atividade é obter dados quantitativos e qualitativos sobre deslocamentos usando os meios de transportes disponíveis

Leia mais

para uma cidade melhor

para uma cidade melhor PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO CARLOS A participação da sociedade A participação da sociedade para uma cidade melhor Problemas urbanos Perda de tempo e dinheiro Viagens sem conforto Maior risco de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 108/09

PROJETO DE LEI Nº 108/09 PROJETO DE LEI Nº 108/09 "Dispõe sobre a criação do sistema cicloviário no Município de Santa Bárbara d Oeste e dá outras providências. Art. 1º - Fica criado o Sistema Cicloviário do Município de Santa

Leia mais

REGULAMENTO ENCONTRO MOVEDOR

REGULAMENTO ENCONTRO MOVEDOR REGULAMENTO ENCONTRO MOVEDOR No mês de setembro, entre os dias 23 e 30, o Sesc realiza a Semana Move, destinada à Promoção da Atividade Física e do Esporte, realizada no Brasil desde 2013 e que, a partir

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de Aula 22.

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de Aula 22. Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2017 Aula 22 Mobilidade urbana 22. Mobilidade urbana assuntos da aula a mobilidade urbana atualmente

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE O CONTROLE DE POLUIÇÃO CAUSADA POR MOTOCICLETAS

LEGISLAÇÃO SOBRE O CONTROLE DE POLUIÇÃO CAUSADA POR MOTOCICLETAS LEGISLAÇÃO SOBRE O CONTROLE DE POLUIÇÃO CAUSADA POR MOTOCICLETAS ILIDIA DA ASCENÇÃO GARRIDO MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA

PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA A Pesquisa de Mobilidade Urbana teve como objetivo levantar a opinião da população, para avaliar a situação da mobilidade urbana em Florianópolis, e dessa forma, auxiliar

Leia mais

Introdução ao Mundo Cicloviário. Brasília, Novembro de 2008.

Introdução ao Mundo Cicloviário. Brasília, Novembro de 2008. Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. t Brasília, Novembro de 2008. A Bicicleta hoje no Mundo: Europa Ásia África Américas PRODUÇÃO MUNDIAL DE BICICLETAS 2002 (em milhões de

Leia mais

Diretrizes da Mobilidade a Pé PlanMob- SP. Frente de Debates Temá/cos para a construção do Plan Mob SP 11 de abril de 2015

Diretrizes da Mobilidade a Pé PlanMob- SP. Frente de Debates Temá/cos para a construção do Plan Mob SP 11 de abril de 2015 Diretrizes da Mobilidade a Pé PlanMob- SP Frente de Debates Temá/cos para a construção do Plan Mob SP 11 de abril de 2015 Obje/vo Construir e fortalecer juntos as diretrizes ESSENCIAIS para garan/r o

Leia mais

Disponibilidade de carro nas grandes cidades: geralmente elevada entre os usuários potenciais da pesquisa

Disponibilidade de carro nas grandes cidades: geralmente elevada entre os usuários potenciais da pesquisa Disponibilidade de carro nas grandes cidades: geralmente elevada entre os usuários potenciais da pesquisa 19 2 15 51 2 50 50 9 2 12 Valores citados em% 0 5 Sempre Délhi 9 1 5 50 5 Ocasionalmente Nunca

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2014

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2014 Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Geral 2014 Julho/2016 Relatório Geral 2014 1 Sumário executivo... 3 2 Mobilidade... 26 2.1 Valores para Brasil (municípios acima de 60 mil habitantes)...

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2013

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2013 Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Geral 2013 Junho/2015 Relatório Geral 2013 1 Sumário executivo... 3 2 Mobilidade... 26 2.1 Valores para Brasil (municípios acima de 60 mil habitantes)...

Leia mais

Estratégia de Gestão da Demanda de Viagens no Município de Belo Horizonte

Estratégia de Gestão da Demanda de Viagens no Município de Belo Horizonte > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Documento confidencial para uso e informação do cliente > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Junho, 2016 Belo Horizonte Estratégia de Gestão da Demanda de

Leia mais

URBES RESULTADOS GERÊNCIA DE EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO GDT TRÂNSITO E TRANSPORTES

URBES RESULTADOS GERÊNCIA DE EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO GDT TRÂNSITO E TRANSPORTES RESULTADOS GERÊNCIA DE EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO GDT EQUIPE DE EXECUÇÃO EQUIPE GDT Roberta Bernardi Maria Aparecida Aline Pereira Raphael Castro Joel Miguel Pietro Mazzulli CARGO Gerente de Educação para

Leia mais

Cidades e Uso do Espaço Público.

Cidades e Uso do Espaço Público. Cidades e Uso do Espaço Público. Passado, Presente e Futuro. Jonas Hagen e José Lobo, Setembro 2009. Dia Mundial sem Carros. Rio de Janeiro, 2009. Dias Sem Carro Uma oportunidade para refletir sobre a

Leia mais

Dia Mundial sem Carro. Job Setembro / 2016

Dia Mundial sem Carro. Job Setembro / 2016 Dia Mundial sem Carro Job 60940 Setembro / 06 Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores

Leia mais

Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. São Paulo, Novembro de 2008.

Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. São Paulo, Novembro de 2008. Introdução ao Mundo Cicloviário. Parte II Dados e Infra-estrutura. São Paulo, Novembro de 2008. A Bicicleta hoje no Mundo: Europa África Ásia Américas PRODUÇÃO MUNDIAL DE BICICLETAS (em milhões de unidades

Leia mais

MOBILIDADE CORPORATIVA

MOBILIDADE CORPORATIVA MOBILIDADE CORPORATIVA Relatório final de diagnóstico da CAMG Um produto do WRI Ross Centro para Cidades Sustentáveis Guillermo Petzhold Cenário de toda manhã...... e toda tarde Quando chegamos ao trabalho

Leia mais

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL O DESAFIO DAS CIDADES BRASILEIRAS

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL O DESAFIO DAS CIDADES BRASILEIRAS MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL O DESAFIO DAS CIDADES BRASILEIRAS Renato Boareto Diretor de Mobilidade Urbana SeMob Ministério das Cidades renato.boareto@cidades.gov.br www.cidades.gov.br INTRODUÇÃO 1- Crise

Leia mais

VOCÊ SABE QUAIS SÃO AS MAIORES FONTES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO?

VOCÊ SABE QUAIS SÃO AS MAIORES FONTES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO? MEIO AMBIENTE MUDANÇA CLIMÁTICA VOCÊ SABE QUAIS SÃO AS MAIORES FONTES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO? Comparação das Emissões Totais e por Habitante de São Paulo, em GWP (t CO2 eq)

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO setembro 2014 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Documentos de referência referências Plano Municipal de Circulação Viária e de Transporte - 2003 Consolidou

Leia mais

Metodologia da Calculadora Economize o Planeta

Metodologia da Calculadora Economize o Planeta A Calculadora do Economize o Planeta é uma calculadora online que permite que pessoas físicas calculem as suas emissões de gases de efeito estufa (GEE), ou seja, a sua pegada de carbono. Este documento

Leia mais

IMPACTOS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

IMPACTOS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Transportes Laboratório de Tecnologia de Pavimentação IMPACTOS DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Profa. Dra. ROSÂNGELA MOTTA Março,

Leia mais

Como ficará a Lei 14.266/07 com as modificações do Substitutivo da Comissão de Constituição e Justiça para o PL 655/09

Como ficará a Lei 14.266/07 com as modificações do Substitutivo da Comissão de Constituição e Justiça para o PL 655/09 Como ficará a Lei 14.266/07 com as modificações do Substitutivo da Comissão de Constituição e Justiça para o PL 655/09 Texto em letra Arial Narrow: texto da lei 14.266/07 que não foi alterado Texto em

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS

CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS Compreendendo que, Por todo o mundo, o uso da bicicleta vem sendo tratado como um importante indicador de qualidade de vida, havendo um consenso crescente

Leia mais

Desafio Intermodal r i o d e j a n e i r o 2 0 0 9

Desafio Intermodal r i o d e j a n e i r o 2 0 0 9 Desafio Intermodal r i o d e j a n e i r o 2 0 0 9 O Desafio Intermodal. Qual será o meio de transporte mais eficiente para atravessar a cidade em um horário que milhares de cariocas ficam presos no trânsito

Leia mais

SALVANDO VIDAS. A importância de reduzir limites de velocidade em áreas urbanas

SALVANDO VIDAS. A importância de reduzir limites de velocidade em áreas urbanas SALVANDO VIDAS A importância de reduzir limites de velocidade em áreas urbanas MARTA OBELHEIRO COORDENADORA DE PROJETOS DE SAÚDE E SEGURANÇA VIÁRIA DO WRI BRASIL CIDADES SUSTENTÁVEIS Um produto do WRI

Leia mais

Atrasos e nervos sobre rodas

Atrasos e nervos sobre rodas Transporte Atrasos e nervos sobre rodas Atrasos, estado dos veículos e paragens a melhorar. s recebem críticas por não cumprirem horários. Quase sempre a horas, o metro deixa satisfeito quem viaja todos

Leia mais

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico 1 O que é a Eco-condução: Critérios e Importância Tiago Farias Instituto

Leia mais

H1 - Expressar a proporcionalidade direta ou inversa, como função. Q1 - A tabela a seguir informa a vazão de uma torneira aberta em relação ao tempo:

H1 - Expressar a proporcionalidade direta ou inversa, como função. Q1 - A tabela a seguir informa a vazão de uma torneira aberta em relação ao tempo: H1 - Expressar a proporcionalidade direta ou inversa, como função Q1 - A tabela a seguir informa a vazão de uma torneira aberta em relação ao tempo: A expressão que representa a vazão em função do tempo

Leia mais

Contagem de Ciclistas. Cruzamento das Avenidas Flores. da Cunha com José Brambila. Parada 59 Cachoeirinha. Rio Grande do Sul

Contagem de Ciclistas. Cruzamento das Avenidas Flores. da Cunha com José Brambila. Parada 59 Cachoeirinha. Rio Grande do Sul Contagem de Ciclistas Cruzamento das Avenidas Flores da Cunha com José Brambila Parada 59 Cachoeirinha Rio Grande do Sul Quarta-Feira, 18 de maio de 2016 1 - INTRODUÇÃO O monitoramento de tráfego atualmente

Leia mais

Análise do tempo médio gasto para travessia de uma avenida durante três horários de pico de trânsito do dia.

Análise do tempo médio gasto para travessia de uma avenida durante três horários de pico de trânsito do dia. Metodologia de Planejamento e Análise de Experimentos 1 Análise do tempo médio gasto para travessia de uma avenida durante três horários de pico de trânsito do dia. Carlos Roberto Castelano Júnior Universidade

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI 27 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Mobilidade urbana Avaliação do transporte público piora de 2011 a 2014 O percentual de brasileiros que avalia o transporte público como ótimo ou bom

Leia mais

Ranking de chegada por ponto de saída:

Ranking de chegada por ponto de saída: Ranking de chegada por ponto de saída: Zona Leste - Praça Do Tropeiro por Local 1 1 Murilo Nano (Italo) Ciclista Eventual 00:07:45 24,77 Km/h 2 3 José Everaldo Brito Ciclista Frequente 00:09:08 21,02 Km/h

Leia mais

MOBILIDADE E TRANSPORTES

MOBILIDADE E TRANSPORTES Acessibilidade facilitar acesso Mobilidade facilitar deslocação Transporte Caraterização da mobilidade Indicadores Espacial Temporal Desempenho Gastos das Famílias em Transportes Compra de veículo (%)

Leia mais

Introdução à Cinemática

Introdução à Cinemática Mecânica: Cinemática Introdução à Cinemática Conceitos Iniciais Prof. Murillo Nascente I- CONCEITOS BÁSICOS DE CINEMÁTICA 1. Cinemática: É a parte da mecânica que estuda os movimentos dos corpos ou partículas

Leia mais

X Seminário Nacional Metroferroviário Projetos em implantação

X Seminário Nacional Metroferroviário Projetos em implantação X Seminário Nacional Metroferroviário Projetos em implantação Jurandir Fernandes Secretário dos Transportes Metropolitanos Estado de São Paulo ANTP Rio de Janeiro, 12/03/2014 Rede metropolitana em andamento

Leia mais

Mobilidade Humana por Bicicleta em Fortaleza

Mobilidade Humana por Bicicleta em Fortaleza Mobilidade Humana por Bicicleta em Fortaleza 03 de Dezembro de 2013 Tópicos Apresentação da Ciclovida Sistema Cicloviário Estrutura Cicloviária de Fortaleza Situação Atual Fortaleza e Outras Cidades Benefícios

Leia mais

Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Departamento de Mudanças Climáticas Gerência de Qualidade do Ar. São Paulo Novembro/2010

Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Departamento de Mudanças Climáticas Gerência de Qualidade do Ar. São Paulo Novembro/2010 Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Departamento de Mudanças Climáticas Gerência de Qualidade do Ar São Paulo Novembro/2010 Objetivos Implementação dos instrumentos previstos na Política

Leia mais

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons Programa Cidades Sustentáveis Realização O Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social é uma organização sem fins lucrativos, caracterizada como Oscip

Leia mais

15º. Encontro da Empresas de Fretamento e Turismo Eduardo A. Vasconcellos. Transporte por fretamento e mobilidade

15º. Encontro da Empresas de Fretamento e Turismo Eduardo A. Vasconcellos. Transporte por fretamento e mobilidade O fretamento hoje nas grandes cidades Participação do fretamento nas viagens, cidades selecionadas do Brasil 25,0 Participação do fretamento nas viagens 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 1,0 2,3 0,2 0,5 5,8 2,2 2,0

Leia mais

DIRETRIZES PARA A BICICLETA NO PLANO DE GOVERNO DE FERNANDO HADDAD PARA A PREFEITURA DE SÃO PAULO

DIRETRIZES PARA A BICICLETA NO PLANO DE GOVERNO DE FERNANDO HADDAD PARA A PREFEITURA DE SÃO PAULO Promover a sustentabilidade com a melhoria da qualidade de vida e do ar, reduzir os congestionamentos, democratizar o uso do espaço viário, a acessibilidade aos bens e serviços e ampliar a inserção social

Leia mais

Monot o r t iliho Um U a m a I no n v o a v ç a ã ç o ã e m e mtr T a r n a s n porte

Monot o r t iliho Um U a m a I no n v o a v ç a ã ç o ã e m e mtr T a r n a s n porte Monotrilho Uma Inovação em Transporte Estudos recentes apontam para o desperdício de 43% 43% do combustível em Automóveis devido a dificuldade no transito. (Sant Ana,2005). Com mais de 50% da população

Leia mais

Mobilidade Urbana. Luciana Ghidetti de Oliveira

Mobilidade Urbana. Luciana Ghidetti de Oliveira Mobilidade Urbana Luciana Ghidetti de Oliveira Segundo o Ministério das Cidades, mobilidade urbana é o resultado da interação dos deslocamentos de pessoas e bens entre si e com a própria cidade. A partir

Leia mais

Adaptação climática em megacidades: refletindo sobre impactos, demandas e capacidades de resposta de São Paulo

Adaptação climática em megacidades: refletindo sobre impactos, demandas e capacidades de resposta de São Paulo Adaptação climática em megacidades: refletindo sobre impactos, demandas e capacidades de resposta de São Paulo IAG/USP - OUTUBRO 2014 Mobilidade urbana: agenda ambiental LEI Nº 14.933, DE 5 DE JUNHO DE

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE VEREADOR REIZO CASTELO BRANCO

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE VEREADOR REIZO CASTELO BRANCO Projeto de Lei nº. 218 / 2013. INSTITUI A BICICLETA COMO MODALIDADE DE TRANSPORTE REGULAR NO MUNICÍPIO DE MANAUS. Art. 1. Fica instituída a bicicleta como modalidade de transporte regular na cidade de

Leia mais

ATIVIDADE DE MATEMÁTICA NÚMEROS NATURAIS. Indique às respostas a caneta. Indique as resoluções a lápis no espaço indicado.

ATIVIDADE DE MATEMÁTICA NÚMEROS NATURAIS. Indique às respostas a caneta. Indique as resoluções a lápis no espaço indicado. OSASCO, DE DE 2012 NOME: PROF. 6º ANO ATIVIDADE DE MATEMÁTICA NÚMEROS NATURAIS Indique às respostas a caneta. Indique as resoluções a lápis no espaço indicado. 1. Classifique cada sentença em verdadeira

Leia mais

Sobre ombros de gigantes EQUIPE DE FÍSICA-1º ANO/CMB Profs. Adameck, Eliete, SO Antônio Marcos & Luciano MOVIMENTO UNIFORME

Sobre ombros de gigantes EQUIPE DE FÍSICA-1º ANO/CMB Profs. Adameck, Eliete, SO Antônio Marcos & Luciano MOVIMENTO UNIFORME Sobre ombros de gigantes EQUIPE DE FÍSICA-1º ANO/CMB Profs. Adameck, Eliete, SO Antônio Marcos & Luciano MOVIMENTO UNIFORME 1) (FGV-SP) Numa corrida de Fórmula 1 a volta mais rápida foi feita em 1 min

Leia mais

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO MODELO 1:

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO MODELO 1: Distância (km) MODELO 1: 1) Sabendo que a velocidade da luz no vácuo vale 300.000 km/s, calcule quantas voltas a luz efetuaria ao redor da Terra em 1 segundo (suponha que viaje sobre o Equador, cujo comprimento

Leia mais

Matemática. Progressão Aritmética. Eduardo. Matemática Progressões

Matemática. Progressão Aritmética. Eduardo. Matemática Progressões Matemática Progressão Aritmética Eduardo Progressão Aritmética P.A. CRESCENTE r > 0 Ex: (-4, -2, 0,...) P.A. DECRESCENTE r < 0 Ex: (10, 8, 6,...) P.A. CONSTANTE r = 0 Ex: (8, 8, 8,...) Progressão Aritmética

Leia mais

Medidas de Apoio ao Uso da Bicicleta

Medidas de Apoio ao Uso da Bicicleta Estoril, 5 a 7 de Abril 2006 Medidas de Apoio ao Uso da Bicicleta Ana Bastos Silva, Dep. Engª Civil da FCTUC da Universidade de Coimbra João Pedro Silva, Dep. Engª Civil da ESTG, Instituto Politécnico

Leia mais

Movimento fev retilíneo e uniforme. 01. Resumo 02. Exercícios de Aula 03. Exercícios de Casa 04. Questão Contexto

Movimento fev retilíneo e uniforme. 01. Resumo 02. Exercícios de Aula 03. Exercícios de Casa 04. Questão Contexto 08 Movimento fev retilíneo e uniforme (MU) 01. Resumo 02. Exercícios de Aula 03. Exercícios de Casa 04. Questão Contexto RESUMO Ao estudarmos o Movimento Uniforme (ou MU) estamos nos referindo aos movimentos

Leia mais

PROJETO DE MOBILIDADE INTRACAMPUS - DIMINUIÇÃO DA EMISSÃO DE GASES POLUENTES NO CAMPUS

PROJETO DE MOBILIDADE INTRACAMPUS - DIMINUIÇÃO DA EMISSÃO DE GASES POLUENTES NO CAMPUS BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2012) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 PROJETO DE MOBILIDADE INTRACAMPUS - DIMINUIÇÃO DA EMISSÃO DE GASES POLUENTES NO

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 33/ 2017

PROJETO DE LEI N.º 33/ 2017 PROJETO DE LEI N.º 33/ 2017 (Vereadora Andresa Martins - PP) Dispõe sobre a criação de estacionamento de bicicletas em locais abertos à freqüência de público e dá outras providências. Art. 1º Fica estabelecida

Leia mais

Figura 2.1: Espaço viário ocupado por pessoas em ônibus, automóvel e motocicleta. Fonte: Vasconcellos (2008), adaptado.

Figura 2.1: Espaço viário ocupado por pessoas em ônibus, automóvel e motocicleta. Fonte: Vasconcellos (2008), adaptado. Vantagens diretas para a sociedade 2.1.1 Economia de espaço viário O uso de qualquer veículo de transporte coletivo traz vantagens na ocupação do espaço viário disponível, em relação aos automóveis e às

Leia mais

Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade

Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade 1 Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade Fernando Soares dos Santos (*) O planejamento das cidades para as próximas décadas passa, necessariamente,

Leia mais

Job Setembro / 2015

Job Setembro / 2015 Job 50904 Setembro / 205 Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 6 anos ou mais

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP

PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP 1ª Conferência - março de 2016 tema: lançamento do processo de elaboração do Plano O QUE É MOBILIDADE URBANA? Mobilidade é a forma de deslocamento

Leia mais

Projeto Urbano CIDADES PARA PESSOAS. Prof. Roberto D Alessandro e Prof.ª Elizabeth Correia

Projeto Urbano CIDADES PARA PESSOAS. Prof. Roberto D Alessandro e Prof.ª Elizabeth Correia CIDADES PARA PESSOAS Projeto Urbano Prof. Roberto D Alessandro e Prof.ª Elizabeth Correia Créditos: Prof. Msc. Estevam Vanale Otero Prof. Fernando Guedes Prof. Msc. Noemi Nagy Fritsch GEHL, Jan. Cidades

Leia mais

Com outras organizações busca difundir a Cultura das Bicicletas, defendendo e promovendo seus direitos, deveres e benefícios.

Com outras organizações busca difundir a Cultura das Bicicletas, defendendo e promovendo seus direitos, deveres e benefícios. Zé Lobo, Rio de Janeiro, 25 de agosto de 2010 1 Organização da Sociedade Civil voltada para a qualidade de vida através da utilização dos Meios de Transporte à Propulsão Humana nos Sistemas de Trânsito.

Leia mais

COLÉGIO APHONSIANO. Educando com Seriedade. Lista de MU e MUV 9º ano Profº: Luciano Dias

COLÉGIO APHONSIANO. Educando com Seriedade. Lista de MU e MUV 9º ano Profº: Luciano Dias 1 Conteúdos: - Velocidade Média - Função horária da Posição do MU - Função horária da Posição do MUV - Função horária da Velocidade do MUV - Equação de Torricelli COLÉGIO APHONSIANO Educando com Seriedade

Leia mais

Estrada de Rodagem Introdução

Estrada de Rodagem Introdução Estrada de Rodagem Introdução Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 2 Provas (individual) - Datas a serem marcadas conforme andamento da matéria 1 Trabalho

Leia mais

II Seminário dos Estudantes de Pós- Graduação

II Seminário dos Estudantes de Pós- Graduação O potencial do uso de bicicletas em governos locais como forma de mitigação das emissões de gases de efeito estufa (GEE) - Estudo de caso do Centro Administrativo da Prefeitura Municipal de Betim. Leonardo

Leia mais

Projeto BRT. Projeto BRT Porto Alegre. Rede Atual de Transporte Coletivo Desenho Conceitual do BRT. ao Transmilenio. Abril

Projeto BRT. Projeto BRT Porto Alegre. Rede Atual de Transporte Coletivo Desenho Conceitual do BRT. ao Transmilenio. Abril Projeto BRT Porto Alegre Rede Atual de Transporte Coletivo Desenho Conceitual do BRT Projeto BRT Visita Técnica T ao Transmilenio Abril - 2010 Rede Atual de Transporte Coletivo Trem Metropolitano: (Dados

Leia mais

MagLev-Cobra. Cobra: transporte urbano energeticamente eficiente e ambientalmente correto Richard Magdalena Stephan.

MagLev-Cobra. Cobra: transporte urbano energeticamente eficiente e ambientalmente correto Richard Magdalena Stephan. MagLev-Cobra Cobra: transporte urbano energeticamente eficiente e ambientalmente correto Richard Magdalena Stephan rms@ufrj.br 1 Roteiro 1. Tecnologia MagLev na UFRJ 2. Reduções de Custos em relação ao

Leia mais

Seminário IBRE Infraestrutura no Brasilperspectivas. nas áreas de construção, saneamento, transporte e logística

Seminário IBRE Infraestrutura no Brasilperspectivas. nas áreas de construção, saneamento, transporte e logística Seminário IBRE Infraestrutura no Brasilperspectivas e desafios nas áreas de construção, saneamento, transporte e logística Projetos e Programas de Investimentos para o Setor de Infraestrutura no Brasil

Leia mais

Aplicações em sistemas de transporte

Aplicações em sistemas de transporte LEVITAÇÃO MAGNÉTICA: Aplicações em sistemas de transporte 1. Introdução (técnicas de levitação) 2. Levitação Eletromagnética (EML) 3. Levitação Eletrodinâmicas (EDL) 4. Levitação Supercondutora (SML) R.M.

Leia mais

Desafio Intermodal r i o d e j a n e i r o 2 0 1 0

Desafio Intermodal r i o d e j a n e i r o 2 0 1 0 Desafio Intermodal r i o d e j a n e i r o 2 0 1 0 O Desafio Intermodal. Qual será o meio de transporte mais eficiente para atravessar a cidade em um horário que milhares de cariocas ficam presos no trânsito

Leia mais

2. Todos os modais deveriam passar por um posto de controle (PC), pré-estabelecido, no centro da cidade.

2. Todos os modais deveriam passar por um posto de controle (PC), pré-estabelecido, no centro da cidade. BELO HORIZONTE/MG SETEMBRO/9 Realização: Apoio: Desafio Intermodal O objetivo desta atividade é obter dados quantitativos e qualitativos sobre deslocamentos usando os meios de transportes disponíveis na

Leia mais

Design. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos:

Design. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: Design Padrão de Resposta O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: A A ideia de que desenvolvimento sustentável pode ser entendido como proposta ou processo que atende

Leia mais

Mobilidade e Meio Ambiente. 3ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte

Mobilidade e Meio Ambiente. 3ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte Mobilidade e Meio Ambiente 3ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte DESAFIO FOMENTAR O DEBATE SOBRE A TEMÁTICA MOBILIDADE E MEIO AMBIENTE A PARTIR DE ALGUMAS PERGUNTAS Plano Diretor

Leia mais

Junho/2016 v3

Junho/2016 v3 O QUE É? Semana de eventos enfocando a Mobilidade Urbana em São Paulo, com atividades de rua para participação popular Exposições Oficinas técnicas de especialistas Seminários para público selecionado

Leia mais

ANEXO SUGESTÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE MOBILIDADE TRANSPORTE COLETIVO 1 / 19

ANEXO SUGESTÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE MOBILIDADE TRANSPORTE COLETIVO 1 / 19 ANEXO SUGESTÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE MOBILIDADE TRANSPORTE COLETIVO 1 / 19 INDICADORES COMUNS TRANSPORTE COLETIVO CONVENIÊNCIA / CONFIABILIDADE ACESSIBILIDADE INFORMAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO 2ª COPA REGIONAL DE MOUNTAIN BIKE SÃO PAULO MINAS GERAIS 2017

REGULAMENTO 2ª COPA REGIONAL DE MOUNTAIN BIKE SÃO PAULO MINAS GERAIS 2017 REGULAMENTO 2ª COPA REGIONAL DE MOUNTAIN BIKE SÃO PAULO MINAS GERAIS 2017 Artigo 1º - DAS ETAPAS 1ª ETAPA 19/FEVEREIRO PANDA RACE FRANCA/SP 2ª ETAPA 23/ABRIL CÁSSIA/MG 3ª ETAPA 21/MAIO ORLÂNDIA/SP 4ª ETAPA

Leia mais

Relatório da Frota Circulante de 2016

Relatório da Frota Circulante de 2016 I Frota circulante total O Relatório da Frota Circulante, elaborado pelo Sindipeças com dados até 2015, apontou aumento de 2,5% na frota de autoveículos brasileira, em comparação com 2014, registrando

Leia mais

AMIGOS DA MONTANHA ROAD BOOK

AMIGOS DA MONTANHA ROAD BOOK AMIGOS DA MONTANHA ROAD BOOK APRESENTAÇÃO Este Road-Book vai ajuda-lo nos trajetos para as Zonas de Assistência e dar-lhe todas as informações que precisa para chegar a esses locais. O percurso atravessa

Leia mais

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo As Cidades mudaram População mudou A Economia mudou Os Meios de Transportes mudaram E nós? Ainda pensamos igual ao passado? Em TRANSPORTE COLETIVO chega-se ao

Leia mais

ENEM 2004 QUESTÕES DE FÍSICA

ENEM 2004 QUESTÕES DE FÍSICA ENEM 2004 QUESTÕES DE FÍSICA 1) Para medir o perfil de um terreno, um mestre-deobras utilizou duas varas (VI e VII), iguais e igualmente graduadas em centímetros, às quais foi acoplada uma mangueira plástica

Leia mais

Fís. fevereiro. Leonardo Gomes (Guilherme Brigagão)

Fís. fevereiro. Leonardo Gomes (Guilherme Brigagão) 06 10 fevereiro Leonardo Gomes (Guilherme Brigagão) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. CRONOGRAMA

Leia mais

O Desafio Intermodal.

O Desafio Intermodal. O Desafio Intermodal. Qual será o meio de transporte mais eficiente para atravessar a cidade em um horário que milhares de cariocas ficam presos no trânsito na volta para casa?` Para repensar a mobilidade

Leia mais

Veículos elétricos têm um custo oculto, não são assim ecológicos

Veículos elétricos têm um custo oculto, não são assim ecológicos Veículos elétricos têm um custo oculto, não são assim ecológicos Date : 22 de Novembro de 2017 A questão dos veículos elétricos (EVs) terem "emissões zero" tem sido contestada por várias instituições.

Leia mais

RALLY DE REGULARIDADE REGULAMENTO TÉCNICO

RALLY DE REGULARIDADE REGULAMENTO TÉCNICO RALLY DE REGULARIDADE REGULAMENTO TÉCNICO 1. DEFINIÇÃO Prova de rally de regularidade para automóveis, constituída por trechos variáveis e médias horárias a serem definidas em uma planilha de roteiro (Livro

Leia mais