UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI DANIEL CREJONIAS BERNARDI FLÁVIO PAULINO FONTES GILDO ARAÚJO JUSTINO IVO LINO DOS REIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI DANIEL CREJONIAS BERNARDI FLÁVIO PAULINO FONTES GILDO ARAÚJO JUSTINO IVO LINO DOS REIS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI DANIEL CREJONIAS BERNARDI FLÁVIO PAULINO FONTES GILDO ARAÚJO JUSTINO IVO LINO DOS REIS AVALIAÇÃO E PROPOSTA DE FERRAMENTA PARA CONFECÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS EM EMPRESAS DE TI São Paulo 2010

2 1 DANIEL CREJONIAS BERNARDI FLÁVIO PAULINO FONTES GILDO ARAÚJO JUSTINO IVO LINO DOS REIS AVALIAÇÃO E PROPOSTA DE FERRAMENTA PARA CONFECÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS EM EMPRESAS DE TI Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção de título de Bacharel em Sistemas de Informação pela Universidade Anhembi Morumbi Orientador: Prof. Dr. Fabiano Prado Marques São Paulo 2010

3 2 DANIEL CREJONIAS BERNARDI FLÁVIO PAULINO FONTES GILDO ARAÚJO JUSTINO IVO LINO DOS REIS AVALIAÇÃO E PROPOSTA DE FERRAMENTA PARA CONFECÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS EM EMPRESAS DE TI Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção de título de Bacharel em Sistemas de Informação pela Universidade Anhembi Morumbi Aprovado em Prof. Universidade Anhembi Morumbi Prof. Universidade Anhembi Morumbi Prof. Universidade Anhembi Morumbi

4 3 AGRADECIMENTOS Desde o início do curso nos perguntamos como seria chegar ao quarto ano e ter como último desafio a realização deste trabalho. Sinceramente ainda é difícil mensurar todo o esforço e dedicação, todo o empenho e perseverança, e todos os desafios que superamos para chegar neste ponto. Estamos convictos que tudo isso valeu a pena, e também que estas conquistas não devem ser creditadas apenas a nós, mas a todos que as tornaram possíveis. Agradecemos em primeiro lugar a Deus, que nos deu forças nos momentos difíceis e nos mostrou o melhor caminho a ser seguido. Aos nossos amigos e familiares pela compreensão, auxílio e por aceitarem nossa ausência durante vários finais de semana. Aos professores que nos apoiaram e relevaram nossas faltas em suas disciplinas para que pudéssemos dar continuidade a este trabalho. Ao professor Edson Luiz Recchia, por sua motivação e boa vontade, por compartilhar sua sabedoria e nos orientar no campo do empreendedorismo. Ao professor Fabiano Prado Marques, nosso orientador, que nos acompanhou durante todas as etapas, abrindo nossas mentes e provando que éramos capazes de nos superarmos a cada dia.

5 4 RESUMO Este trabalho tem a proposta de analisar a viabilidade do uso de softwares, doravante denominados ferramentas, para a confecção de planos de negócios no cenário mercadológico de Tecnologia da Informação, bem como as necessidades e anseios do empreendedor ligado à mesma. O estudo inicia-se com uma revisão teórica sobre os conceitos de empreendedorismo, plano de negócios, empresas e incubadoras, expondo indicativos que justificam a importância do planejamento correto anterior à abertura de um novo negócio, e como as ferramentas podem garantir um índice de acurácia maior no decorrer deste processo. A metodologia de natureza qualitativa foi escolhida para traçar o perfil do empreendedor como usuário, mesclando o uso de questões abertas e fechadas no questionário apresentado. As ferramentas selecionadas para análise foram MakeMoney, Empreenda e SP Plan. O grupo de amostragem foi analisado de forma não probabilística e constituiu-se de 26 representantes de empresas ligados direta ou indiretamente ao cenário tecnológico nacional. Por fim, com a utilização dos dados provenientes da pesquisa foi possível estabelecer parâmetros para a elaboração da proposta final da ferramenta mais adequada ao uso destes empreendedores, contemplando tanto o seu uso como software quanto sua utilização como solução automatizada para planos de negócios. Palavras-chave: Softwares.Plano de negócios.tecnologia da Informação.Empreendedorismo.

6 5 ABSTRACT This study has the purpose of analyzing the use of softwares, henceforth called tools, in the elaboration of business plans on the IT market scenario, and the needs and yearnings of the entrepreneur working on it. The study starts with a theoretical review on the concepts of entrepreneurism, business plans, companies and incubators, exposing evidence which justify the importance of correct previous planning when starting a new business, and how tools can assure a higher accuracy index along such process. Methodology of quantitative nature was chosen to delineate the entrepreneur s profile as an user, mixing the use of either open or closed questions in the presented questionnaire. The tools selected for analysis were the MakeMoney, Empreenda and SP Plan. The sample was analyzed on a non-probabilistic basis and was formed by 26 representatives of companies connected direct or indirectly to the national technological scenario. Finally, from the data provided by the survey, it was possible to establish parameters on the elaboration of the final proposition of the most suited tool for the use by such entrepreneurs, contemplating both its usage as a software and its usage as automated solution for business plans. Keywords: Softwares. Business Plan. Information Technology. Entrepreneurship.

7 6 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Fatores que influenciam no processo empreendedor Figura 2 O processo empreendedor Figura 3 Processo empreendedor e definições operacionais do GEM Figura 4 Ciclo de vida do produto Figura 5 Matriz BCG Figura 6 Processo de planejamento estratégico do negócio Figura 7 Matriz de oportunidades Figura 8 Matriz de ameaças Figura 9 Estrutura sugerida pelo MakeMoney Figura 10 Estrutura sugerida pelo SP Plan Figura 11 Estrutura sugerida pelo Empreenda... 62

8 7 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Sobrevivência e mortalidade acumulada das empresas Gráfico 2 Principal motivo que levou o empresário a abrir sua própria empresa Gráfico 3 Evolução da taxa de empreendedores iniciais (TEA) no Brasil Gráfico 4 Empresas registradas na JUCESP, entre 2000 e 2005, por setor Gráfico 5 Fator mais importante para a sobrevivência das empresas Gráfico 6 Motivos alegados pelas empresas encerradas para o fechamento do negócio Gráfico 7 Número de incubadoras em operação Gráfico 8 Incubadoras em operação por região Gráfico 9 Utilização de ferramentas para confecção de planos de negócios Gráfico 10 Relação entre não-utilização de ferramenta e confiança Gráfico 11 Relação entre utilização de ferramenta e confiança Gráfico 12 Ferramentas utilizadas Gráfico 13 Conhecimento das ferramentas por parte do empreendedor... 66

9 8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Ocupação anterior das pessoas que abriram sua empresa na JUCESP Tabela 2 Pessoas que encerraram sua participação no empreendimento Tabela 3 Perfil das empresas constituídas em 2000 e Tabela 4 Perfil do planejamento das empresas constituídas em 2000 e em Tabela 5 Segmento de atividade com maior número de registro na JUCESP Tabela 6 Característica do planejamento (empresas abertas na JUCESP) Tabela 7 Análise dos principais competidores... 42

10 9 LISTA DE SIGLAS AM Amazonas ANPROTEC Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores BCG CD-ROM CNC CNPJ CNPQ CSV FIESP GEM GERA HTML HTTP IBGE IBQP IGP-M JSP JUCESP JVM MCT ODT P&D PB PDF PEA PIB RS Boston Consulting Group Compact Disk Read-Only Memory Confederação Nacional do Comércio Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Comma-separated values Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Global Entrepreneurship Monitor Global Entrepreneurship Research Association Hypertext Markup Language Hypertext Transfer Protocol Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade Índice Geral de Preços de Mercado Java Server Pages Junta Comercial do Estado de São Paulo Java Virtual Machine Ministério da Ciência e Tecnologia Open Document Text Pesquisa e Desenvolvimento Paraíba Portable Document Format População Economicamente Ativa Produto Interno Bruto Rio Grande do Sul

11 10 RTF SC SEBRAE SELIC SP SWOT TEA TBF TI TIR VPL XLS Rich Text Format Santa Catarina Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sistema Especial de Liquidação e de Custódia São Paulo Strengths, Weaknesses, Opportunities, Threats Total Entrepreneurial Activity Taxa Básica Financeira Tecnologia da Informação Taxa Interna de Retorno Valor Presente Líquido Excel Spreadsheet

12 11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS JUSTIFICATIVA ABRANGÊNCIA ESTRUTURA DO TRABALHO EMPREENDEDORISMO TIPOS Empreendedorismo Start up Empreendedorismo Corporativo Empreendedorismo Social PROCESSO EMPREENDEDOR PERFIL EMPREENDEDOR EMPREENDEDORISMO GLOBAL Índices de Empreendedorismo PLANO DE NEGÓCIO CONFECÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS IMPORTÂNCIA ESTRUTURA Capa Sumário Sumário Executivo Conceito do Negócio Equipe de Gestão Mercado e Competidores Marketing e Vendas Estrutura e Operação Análise Estratégica Previsões dos Resultados Econômicos e Financeiros Anexos EMPRESAS INCUBADORAS História Conceito Tipos Panorama das Incubadoras FERRAMENTAS MAKEMONEY SP PLAN EMPREENDA ANÁLISE E PROPOSTA CONCLUSÃO TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A QUESTIONÁRIO... 77

13 12 1 INTRODUÇÃO O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de São Paulo (SEBRAE-SP) realizou um estudo baseando-se em dados de monitoramento por dez anos de sobrevivência e mortalidade de empresas, divulgado em outubro de 2008, e obteve um resultado que indica que 27% das empresas paulistas encerraram suas operações em seu 1º ano de atividade, 38% encerraram suas atividades até o segundo ano, 46% antes do terceiro ano, 50% não chegam ao 4º ano, 62% fecharam até o 5º ano e 64% encerraram suas atividades antes de completar o 6º ano de atividade (SEBRAE, 2008). Dentre as causas mais relevantes estão: falta de planejamento prévio e gestão deficiente do negócio. O gráfico 1 ilustra a comparação da taxa de mortalidade acumulada das empresas, com seu período de sobrevivência, bem como a porcentagem em relação às empresas em atividade. Gráfico 1 - Sobrevivência e mortalidade acumulada das empresas, Estado de São Paulo (out.06 a mar.07) (SEBRAE, 2008). Este indicativo serviu de prerrogativa para estimular o empreendedorismo responsável no Brasil. Assim, com o apoio das instituições criadas para auxiliar o empreendedor, o processo tornou-se profissionalizante, sobretudo com a boa educação, consciência na análise de gestão e uma visão prévia do mercado, que por sua vez moldam um empresário mais maduro na estruturação de seu negócio.

14 13 Nos últimos anos muitas empresas buscaram renovação com o objetivo de acompanhar o rápido desenvolvimento tecnológico e a globalização dos mercados, bem como atender a uma maior exigência dos consumidores por produtos e serviços de melhor qualidade e tecnologicamente mais avançados. Anteriormente à conscientização das vantagens que o processo empreendedor era capaz de agregar ao negócio, o modelo econômico era regido de tal forma a valorizar somente as empresas que eram detentoras de grandes ativos físicos somados à elevada quantidade de funcionários, prevalecendo, portanto, o poder dos músculos ao invés de destacar as estratégias que a empresa pretendia seguir em busca de um crescimento sustentável e planejado. Este modelo culminou na criação de barreiras para empresas de menor porte, que não possuíam recursos nem ousadia suficientes para competir com as grandes organizações do mercado. Este cenário explicitado está mudando graças a um novo modelo, no qual as empresas mais ágeis, flexíveis e com respostas mais rápidas às demandas do mercado sobreviverão. É comum observar novas empresas que não existiam há dez anos e que se tornaram líderes de mercado em um curto espaço de tempo (SEBRAE, 2008). A era dos negócios baseada no conhecimento tem trazido surpresas para grandes conglomerados, que insistem na mesma política empresarial idealizada sob os preceitos antiquados de agir estrategicamente sempre da mesma forma, tratando os clientes da mesma maneira e acreditando que o sucesso do passado garantirá o sucesso do presente ou do futuro. Empresas pequenas atualmente conseguem sua estruturação em pouco tempo, inovando não somente nos produtos e serviços que oferecem ao mercado, mas principalmente no seu modelo de negócios. A inovação e a aprendizagem fazem com que os empresários reflitam a partir de uma oportunidade, buscando planejamento e viabilidades que traçarão o futuro. O sucesso da oportunidade é determinado antes mesmo de definir o verdadeiro negócio. Através do planejamento, da busca de informações e de análises feitas de forma sistematizada é possível obter uma boa base teórica no momento de inserção no mercado. Toda empresa necessita seguir um planejamento e ditar diretrizes para o negócio, contemplando seu gerenciamento, monitoramento, identificação de pontos fracos e fortes, ameaças, oportunidades e estruturação. Enfim, torna-se pré-requisito de qualquer novo negócio a descrição detalhada de um plano que o caracterize. Há no mercado diversas ferramentas que auxiliam na confecção e definição de planos de negócios, cujo objetivo principal é gerar subsídios para os empresários desenvolverem e

15 14 definirem todo o planejamento do negócio. Por outro lado, a utilização destas ferramentas não se restringe somente a caracterizar o princípio ou o nascimento do negócio, como também acompanhá-lo durante todo o período de sua vida. A escolha dentre as várias ferramentas é essencial ao negócio, cabendo ao empreendedor analisá-las, definir as mais representativas, estabelecer a sua utilização e direcionar suas funcionalidades ao ramo específico de mercado. 1.1 OBJETIVOS O trabalho tem por objetivo avaliar as ferramentas disponíveis no mercado brasileiro para a confecção e a emissão de planos de negócios. Como existe um número elevado de ferramentas que se prestam a este fim a proposta é selecionar as de maior representatividade, e com isso, apresentar apenas uma que se adeque ao cenário tecnológico, mais especificamente para as empresas focadas no ramo de Tecnologia da Informação (TI). A proposta não contempla a elaboração de uma ferramenta inédita, mas sim uma avaliação que exponha as vantagens e desvantagens no uso das ferramentas estudadas, a fim de sugerir melhorias ou customizações que garantam uma melhor adequação aos interesses dos usuários voltados ao mercado de TI, ou, caso a análise mostre-se favorável a alguma das ferramentas, indicá-la como um recurso facilitador para os empreendedores. 1.2 JUSTIFICATIVA Cabe ressaltar que, segundo estudo feito pelo SEBRAE-SP, grande parte das empresas tem período de sobrevida pequeno, tendo como causa primordial a falta de planejamento. Por conseguinte, a ferramenta de criação do plano de negócios terá um papel de suma importância na vida das empresas, tornando a gestão mais eficiente e determinando a subsistência dentro do mercado. O papel do estudo das ferramentas terá relevância no auxílio aos empreendedores de TI para a definição do negócio, indicando a ferramenta mais adequada ao modelo prédeterminado e proporcionando uma visão mais ampla e detalhada da viabilidade do empreendimento como um todo.

16 ABRANGÊNCIA Para efeitos de pesquisa serão consideradas as opiniões de empreendedores focados no ramo de TI cujas empresas estejam localizadas dentro da região do estado de São Paulo. As conclusões provenientes da pesquisa, contudo, não se restringem somente a esta região, já que o perfil do empreendedor em questão não apresenta discrepâncias relacionadas ao local onde o empreendimento foi idealizado. A escolha da região deu-se exclusivamente pela facilidade de visitação às empresas e conseqüente aplicação dos questionários. 1.4 ESTRUTURA DO TRABALHO Além do capítulo já apresentado, o trabalho está estruturado em 6 capítulos O capítulo 2 trata do conceito geral de empreendedorismo, com uma breve introdução, definição de tipos existentes, detalhes do processo empreendedor, perfil empreendedor e empreendedorismo global com indicativos de atividade empreendedora. No capítulo 3 o assunto abordado trata de planos de negócios, conceitualizando suas partes integrantes segundo uma estrutura pré-definida e relacionando sua importância no sucesso de um empreendimento. O capítulo 4 apresenta os conceitos de empresas de um modo geral, passando pelas particularidades de cada setor e analisando o papel das incubadoras no cenário empreendedor. O capítulo 5 trata da abordagem inicial das três ferramentas que são os objetos de estudo do presente trabalho, citando suas características principais sob o conceito de software. O capítulo 6 contempla a análise aprofundada das três ferramentas, que conta com a exposição dos indicativos de mercado obtidos através de pesquisa de campo, a criação de um paralelo entre a finalidade de cada ferramenta como solução ao mercado e as expectativas do mesmo em relação a ela, e posterior a isso, é apresentada a proposta da ferramenta mais indicada para o cenário de TI. Por fim, o capítulo 7 apresenta a conclusão do trabalho e a perspectiva dos trabalhos futuros.

17 16 2 EMPREENDEDORISMO O empreendedorismo é o estudo relacionado ao empreendedor, definindo-o como um indivíduo que corre riscos tanto emocionais como físicos e que dedica a maior parte do seu tempo na busca do sucesso de sua empresa. O empreendedorismo transforma idéias em oportunidades envolvendo pessoas e processos (DORNELAS, 2005). O termo empreendedor (entrepreneur) caracteriza todo e qualquer indivíduo que é capaz de assumir riscos, tendo iniciativa e capacidade de inovar. O empreendedorismo no Brasil iniciou-se devido à alta taxa de mortalidade das micro e pequenas empresas, como conseqüência direta da globalização, onde muitas empresas iniciaram a contenção de seus custos para se tornarem mais competitivas e tentar a permanência no mercado. Estas mudanças culminaram no aumento do índice de desemprego. Muitos dos extrabalhadores das empresas que declararam falência à época foram estimulados a criar o seu próprio negócio como alternativa de obtenção de receita, muitas vezes sem experiência no ramo que iriam atuar e empregando seus recursos pessoais devido à falta de crédito, impostos excessivos e taxas de juros elevadas. A maior parte das empresas criadas no Brasil é de micro e pequeno portes, e os empreendedores ligados a elas muitas vezes não possuem conhecimento na área de gestão de negócio, caminhando sem planejamento. Classifica-se esta circunstância como vital na sobrevivência da empresa, sendo possível concluir uma das causas mais representativas que alimenta o índice elevado de mortalidade das empresas. O empreendedorismo passou a ser valorizado a partir do momento em que se fez necessária a aquisição de novos conhecimentos que acompanhassem a evolução na criação e administração das empresas, já que a globalização tornou os competidores mais bem preparados e o mercado mais exigente. Para Timmons (1994), o empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a Revolução Industrial foi para o século 20.

18 TIPOS De acordo com Dornelas (2008), há três tipos de empreendedorismo, e consequentemente, de empreendedores: Empreendedorismo Startup; Empreendedorismo Corporativo; Empreendedorismo Social Empreendedorismo Start up O termo em si evidencia o sentido de início. É característico de todo aquele que cria um novo negócio ou uma nova empresa de acordo com uma oportunidade e idéia. Para Dornelas (2008), o empreendedorismo start up traduz a busca da oportunidade na criação de um novo negócio, com a conseqüência de assumir os riscos Empreendedorismo Corporativo É definido como um processo pelo qual um indivíduo ou um grupo de indivíduos que estão ligados a uma organização já existente definem uma nova organização, ou estimulam a inovação, dentro do âmbito da organização a qual pertencem. Há duas variantes do empreendedorismo corporativo, que se distinguem de acordo com o cenário correlacionado à organização: o corporate venturing no meio externo e o intrapreneurship no meio interno. De acordo com Dornelas (2008, p.39), as duas variantes do empreendedorismo corporativo possuem as seguintes características: Corporate venturing Criação de novo negócio dentro da organização; Crescimento e spin off (tornar-se uma entidade separada da empresa mãe); Influência das core competencies (habilidades únicas para uma companhia que oferecem diferenciação frente aos concorrentes); Aprendizado; Associado com indivíduos empreendedores dentro da organização; Prática da inovação.

19 18 Intrapreneurship É o empreendedorismo aplicado dentro da organização; Criação de uma cultura e clima inovadores; Gerentes agindo como se fossem proprietários; Rearranjo da cadeia de valores do negócio; Realocação dos recursos atuais e competências em novas e diferentes maneiras. O empreendedorismo corporativo se diferencia dos demais tipos, pois as buscas pela inovação e pelas práticas empreendedoras do novo negócio ocorrem dentro da organização, com fulcro sempre nos locais em que estão organizados Empreendedorismo Social De acordo com Dees (1998), o empreendedor social é um indivíduo com perfil condizente com atitudes que visam melhorias ambientais, sociais e econômicas. São reformadores e revolucionários por natureza, com ideais sociais de estímulo às melhorias tanto locais como globais em áreas escolhidas de atuação, como saúde, educação, meio ambiente, arte, cultura ou quaisquer outras que tenham impacto benéfico na sociedade. 2.2 PROCESSO EMPREENDEDOR Posteriormente à decisão de tornar-se um empreendedor, é necessário que o profissional analise alguns pontos cruciais, tais como: Identificar e avaliar uma oportunidade. Onde são contempladas as análises de necessidade de mercado, concorrência e ciclo de vida do produto ou serviço a ser ofertado. Avaliar se as necessidades de mercado são inéditas ou não, ou seja, um nicho de mercado até então não explorado ou explorado de forma inadequada. Avaliação. Onde há a necessidade de mapear os recursos para o início do negócio, como equipe, infraestrutura, localização e cálculos sobre os custos e prazos. A idealização do plano de negócios baseia-se nestes dados para traçar estratégias e ações da empresa a ser criada.

20 19 Investimento e Acionamento. Tem início para ressaltar a habilidade de negociação do empreendedor na busca por recursos que apresentem o custo-benefício mais adequado para auxiliar na continuidade do negócio. Início da empresa. Com a identificação de uma oportunidade, a confecção do plano de negócios e a obtenção do capital para o novo negócio, o próximo passo lógico é implantar a empresa no mercado, dando continuidade e competitividade ao novo negócio. Alguns fatores ambientais e pessoais, demonstrados na figura 1, influenciam no processo empreendedor desde o momento em que se identifica a oportunidade até a etapa de crescimento do negócio. Figura 1 Fatores que influenciam no processo empreendedor (adaptado de Moore, 1986) Dornelas (2001).

21 20 A figura 2 demonstra claramente as fases do processo empreendedor. Figura 2 O processo empreendedor (adaptado de Hisrich, 1998) - Dornelas (2005). 2.3 PERFIL EMPREENDEDOR De acordo com Dornelas (2001, p.33), os empreendedores de sucesso têm algumas qualidades em comum: são visionários e independentes, sabem tomar decisões, sabem explorar ao máximo as oportunidades, são determinados, dinâmicos, dedicados, otimistas e apaixonados pelo que fazem, são independentes e constroem o próprio destino, são líderes e formadores de equipes, são bem relacionados (networking) e organizados, sabem planejar, assumem riscos calculados e criam valor para a sociedade. O perfil do indivíduo que optou por se tornar um empreendedor é relatado na tabela 1, segundo estudos feitos pelo SEBRAE (2008) em relato aos anos de 2000 a 2005, onde os empregados de empresas privadas foram os que mais se destacaram na busca por um negócio próprio.

22 21 Tabela 1 - Ocupação anterior das pessoas que abriram sua empresa na Junta Comercial do Estado de São Paulo (JUCESP), entre 2000 e 2005 (SEBRAE, 2008). O número de desempregados, com uma média de 26%, implica em um único pressuposto: a falta de colocação no mercado de trabalho serve como alternativa para criar uma nova ocupação e gerar renda. Diversos são os motivos que estimulam o indivíduo a se tornar um empreendedor. Segundo o SEBRAE (2008), como demonstra o gráfico 2, 35% englobam as pessoas que desejavam ter seu próprio negócio, seguidos pela oportunidade do negócio, pela melhoria do padrão de vida ou de renda, criação de CNPJ como exigência das grandes empresas na terceirização de serviços, e o desemprego, como opção de colocação no mercado.

23 22 Gráfico 2 Principal motivo que levou o empresário a abrir sua própria empresa, entre 2000 e 2005 (SEBRAE, 2008). 2.4 EMPREENDEDORISMO GLOBAL O Projeto GEM (Global Entrepreneurship Monitor), fundado pela instituição britânica London Business School e pelo instituto americano Babson College, é administrado pela holding GERA (Global Entrepreneurship Reserch Association), e tem por função medir a atividade empreendedora no mundo desde 1990, levantando dados das diferentes atividades e da capacidade empreendedora entre os países, inclusive do Brasil, contemplando também a medição da criação de novos negócios. O GEM trabalha sobre a óptica de três objetivos: medir o nível de atividade empreendedora entre os países (identificando os tipos e fases do empreendedorismo), descobrir o nível da atividade empreendedora e avaliar as políticas públicas em prol da atividade empreendedora. No Brasil, o IBQP é responsável, desde o ano de 2000, pelas informações coletadas e publicadas sobre o tema, sempre seguindo orientação do modelo GEM de pesquisa. O SEBRAE integra o GEM desde o ano 2000 e o interesse pela atividade empreendedora tornou-o uma das instituições mais responsáveis e competentes na preparação de empreendedores, destacando-se como instituição responsável na diminuição da mortalidade das empresas, com o aumento do nível de maturidade, e de capacitação das empresas nacionais.

24 23 Segundo o diretor-presidente do SEBRAE, Paulo Tarciso Okamotto, o empreendedorismo é visto por duas vertentes: Empreendedorismo por oportunidade: caracteriza todo o indivíduo que é capaz de criar uma oportunidade de negócio através de observações em nichos de mercado. Empreendedorismo por necessidade: característica dos empreendedores que buscam um novo negócio, estimulados pela falta de opção. Enxergam na atividade empreendedora a única maneira de captar recursos, ou seja, não possuem outra opção de trabalho. Para Okamotto, há um crescimento do empreendedorismo por necessidade e uma redução no empreendedorismo por oportunidade Índices de Empreendedorismo Segundo política do GEM há três estágios de reconhecimento do empreendedor: Empreendedores nascentes: dispõem de capital para a abertura de um novo negócio, estando, portanto, na fase de planejamento. Empreendedores novos: são indivíduos que já dispõem de um negócio estabelecido durante um período de aproximadamente 42 meses. Tal período foi fixado, visto que, a taxa de mortalidade das empresas é crescente após 3 ou 4 anos de existência. Empreendedores estabelecidos: são aqueles que ultrapassam os 42 meses a frente do negócio, com grande probabilidade de se estabelecer no mercado já que atingiram um nível aceitável de maturidade. do GEM. A figura 3 mostra o processo empreendedor de acordo com as definições operacionais

25 24 Figura 3 Processo empreendedor e definições operacionais do GEM (Reynolds et. al, 2005), citado e adaptado por Bosma e Levie (2010). Nota-se que é contemplado um estágio paralelo ao processo, definido como descontinuidade do negócio, onde os empreendedores são capazes de integrar novamente o processo empreendedor com a proposta de um novo negócio, caracterizando, portanto, um ciclo. De acordo com o GEM 2009, os países foram classificados de acordo com o desenvolvimento econômico em três categorias: Países factor-driven: economia baseada na extração e comercialização de recursos naturais. Trata-se dos setores primários da economia, englobando em sua essência o empreendedorismo de subsistência. Países efficiency-driven: economia orientada para a eficiência e a produção industrial em escala, com grande estímulo para as micro e pequenas empresas. Países innovation-driven: economia baseada na inovação e no empreendedorismo de oportunidade. A evolução da TEA (Total Entrepreneurial Activity) no Brasil, nos anos de 2001 a 2009, segundo GEM 2009, é retratada no gráfico 3:

26 25 Gráfico 3 - Evolução da taxa de empreendedores iniciais (TEA) no Brasil (2001:2009) - GEM 2001 a Conclui-se, pela análise do gráfico, que o Brasil possui uma taxa de atividade empreendedora caracterizada por uma certa estabilidade. De 2001 a 2008, houve uma alteração mínima, mantendo uma média de 13%, com uma maior taxa no ano de 2009, e com uma média de 13,01% entre 2001 a Em relação à descontinuidade do empreendedor, ou seja, aquele que encerra sua participação no negócio, a taxa é bem inferior àquela que caracteriza os que querem iniciar um negócio. Algumas circunstâncias que culminam na descontinuidade do negócio, bem como os motivos que levam os empreendedores a deixarem ou se afastarem do negócio, podem ser observados na tabela 2.

27 26 Tabela 2 Pessoas que encerraram sua participação no empreendimento nos últimos 12 meses Descontinuidade Brasil ( ) - GEM 2007 a O motivo mais significativo, alegado pelos empresários, para justificar o encerramento do negócio foi a não lucratividade do mesmo. Pode-se afirmar que um dos critérios básicos para inferir lucro ao negócio é a garantia de um planejamento financeiro eficaz no momento de confecção do plano de negócios. De forma indireta o planejamento como um todo influi diretamente no índice de continuidade do negócio. A atividade empreendedora no mundo todo depende de fatores internos e externos à vontade de empreender. A capacidade de assumir riscos, a avaliação da oportunidade, a conversão da idéia em negócio, a potencialidade, o planejamento e a análise de viabilidade são fatores que, de antemão, dependem da pessoa que irá gerir o negócio. Todavia, há fatores alheios à vontade que na maioria das vezes são determinantes na sustentabilidade do negócio. Assim, existem condições positivas e negativas que afetam diretamente a continuidade do negócio. Algumas condições são apontadas como determinísticas para o sucesso, tais como: apoio financeiro, política e programas governamentais, P&D, transferência de

28 27 tecnologia, infraestrutura comercial, mercado interno dinâmico, abertura do mercado interno, infraestrutura física, normas culturais e sociais. Em relação ao Brasil percebe-se que os fatores que contribuem negativamente para a atividade empreendedora são as políticas governamentais, tanto as que dizem respeito de forma generalizada, como as destinadas às empresas novas ou em ascensão. Já os fatores que contribuem positivamente compreendem a disponibilidade de infraestrutura física (no que tange a comunicação e Internet), versatilidade econômica do mercado, normas sociais e culturais. No processo empreendedor também é interessante observar o tipo de empresa e o ramo em que ela se enquadra, a fim de destacar os mercados mais promissores para a idealização de futuros negócios. Um quadro comparativo entre empresas individuais ou em sociedade, com os setores de atividade que mais se destacam em termos de constituição, é exibido na tabela 3, abaixo: Tabela 3 Perfil das empresas constituídas em 2000 e 2005 (SEBRAE, 2008). De acordo com o SEBRAE, em um grau comparativo, a empresa individual possui proporção semelhante à empresa em que há a presença de sócios. Todavia, segundo esse mesmo estudo, a porcentagem de empresas que fecham é maior na administração individual, visto que, na administração em sociedade os sócios possuem mais possibilidades de reunir recursos, dividindo as responsabilidades e assim aferir decisões coletivas acerca dos riscos. Em relação ao setor de atividade mais atrativo chegou-se a uma conclusão de que o setor de serviços é o que mais cresce com a diminuição de constituição do setor do comércio. Em relação à mortalidade o setor de comércio é o que mantém taxas mais altas devido ao aumento da concorrência no setor. Em matéria de planejamento o grau de mortalidade aumenta para as empresas que se constituem sem um planejamento de negócio, ou seja, as que não possuem um plano de negócio bem estruturado com avaliação de riscos e interpretação de oportunidades de mercado.

29 28 Na tabela 4, foi avaliado o período que compreende a etapa de planejamento até a abertura do negócio. Foram analisados alguns itens que fazem parte do planejamento em busca do negócio ideal, que são: condições dos fornecedores, números de concorrentes, números de clientes e hábitos de consumo, qualificação da mão-de-obra, aspectos legais do negócio, localização e valor do investimento. Tabela 4 - Perfil do planejamento das empresas constituídas em 2000 e em 2005 (SEBRAE, 2008). O tempo de planejamento entre os anos estudados cresceu de maneira significativa, impulsionado pela conscientização dos novos empreendedores que estão avaliando melhor a constituição do negócio. Em termos de registro na JUCESP, o setor que mais se destaca é o comércio, seguido pelo setor de serviços, conforme exibição no gráfico 4: Gráfico 4 - Empresas registradas na JUCESP, entre 2000 e 2005, por setor de atividade (SEBRAE, 2008).

30 29 Dentro de cada setor verificam-se os ramos que mais se destacam, conforme comparativo feito na tabela 5: Tabela 5 - Segmento de atividade com maior número de registro na JUCESP, entre 1999 a 2003 (por ordem de importância) (SEBRAE, 2008). Confecções Alimentos e bebidas Serviços pessoais Máquinas e equipamentos Móveis e iluminação Livros, jornais, revistas e papelaria O setor responsável pelo maior registro de empresas é o comércio. Contudo, há informações que incluem o setor de informática como detentor de grande significância dentro de todos os setores abordados, de tal forma a torná-lo atrativo para investimentos de futuros empreendedores interessados nesta parcela de mercado.

31 30 3 PLANO DE NEGÓCIO O plano de negócio, como instrumento inicial de definição e planejamento, possui diferentes definições de acordo com a literatura: Para Dornelas (2001, p. 96), [...] é um documento usado para descrever um empreendimento e o modelo de negócio que sustenta a empresa. Sua elaboração envolve um processo de aprendizagem e autoconhecimento, e, ainda, permite ao empreendedor situar-se no seu ambiente de negócios. Segundo Chiavenato (2008, p. 132), [...] descreve a ideia de um novo empreendimento e projeta os aspectos mercadológicos, operacionais e financeiros dos negócios propostos, geralmente para os próximos três ou cinco anos. Para Degen (1989, p. 177), [...] é a formalização das idéias, da oportunidade, do conceito, dos riscos, das experiências similares, das medidas para minimizá-los, das respostas aos prérequisitos, da estratégia competitiva, bem como do plano de marketing, de vendas, operacional e financeiro para viabilizar o novo negócio. Sua estrutura básica contempla o conceito do negócio, os riscos, os concorrentes, o perfil do cliente, as estratégias de marketing, bem como todo o plano financeiro que viabilizará o novo negócio. Segundo Felipini (2003), sua elaboração pode ter como objetivo a apresentação do empreendimento para possíveis futuros parceiros comerciais como investidores, sócios e incubadoras. Mesmo prestando-se a esse fim é válido levar em conta que o benefício real de sua elaboração encontra-se no aprendizado do empreendedor, levando a uma profunda reflexão no que tange seus potenciais pontos fortes e de melhoria, que conseqüentemente implicam em questionamentos relacionados ao seu propósito de ser, tais como: viabilidade, projeção de lucros, aceitação do público, entre outros. Sahlman (1997) apud Dornelas (1998) declara que ainda assim a grande maioria dos planos de negócios permanece ligada ao conceito equivocado de necessidade de uma estrutura rígida que dite as regras para sua confecção, sendo que seu propósito é exibir uma apresentação primariamente atrativa para os investidores. Sem fundamentação, com dados inconclusivos e por vezes errôneos, o empreendimento está fadado à incredibilidade, até mesmo por quem o idealizou.

32 CONFECÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS A confecção de um plano de negócios ocorre de forma a concretizar a idealização do negócio por parte do empreendedor. Essa prática apresenta tanta representatividade que segundo Augusto Barbosa Lima, todo pretendente a empresário deveria elaborar um plano de negócios antes de abrir uma empresa 1. Partindo do pressuposto que o tempo e os custos aplicados durante a elaboração do plano são irrisórios perante os gastos diante de um fracasso real do negócio, é muito mais compensatório buscar informações e efetuar um planejamento que ratifique o sucesso almejado pelo empreendimento, do que arcar com o dissabor da dissolução dos ideais do empreendedor. 3.2 IMPORTÂNCIA A função do plano de negócios é auxiliar o empreendedor em todas as tomadas de decisão, além de fornecer suporte para a gerência de todo o dia a dia da empresa. De acordo com Dornelas (2003, p. 97), há uma listagem dos principais motivos que corroboram a confecção de um plano de negócios: Entender e estabelecer diretrizes para o projeto ou novo negócio; Gerenciar de forma mais eficaz e tomar decisões acertadas; Monitorar o dia-a-dia do negócio e tomar ações corretivas quando necessário; Conseguir os recursos necessários internamente ou externamente; Identificar e avaliar oportunidades e transformá-la em diferencial competitivo para a organização; Estabelecer uma comunicação interna eficaz na empresa e convencer o público externo (fornecedores, parceiros, clientes, bancos, investidores, associações etc.). Destaca-se, portanto, o plano de negócios como peça essencial no início do negócio e em toda a sua trajetória, traçando projeções de como se comportará em um mercado totalmente competitivo. 1 LIMA. Augusto Barbosa. Plano de Negócio: um Instrumento Para Educação Empresarial. Disponível em: <http://www.artigosonline.com.br/plano-de-negocio/>, acesso em 05/06/2010.

33 32 Dornelas (2003, p. 98), elucida os objetivos de um plano de negócios, como sendo: testar a viabilidade de um conceito de negócio, orientar o desenvolvimento das operações e da estratégia, atrair recursos financeiros, transmitir credibilidade e desenvolver a equipe de gestão. Segundo o SEBRAE (2008), o planejamento é pressuposto de um bom negócio, e a recomendação do desenvolvimento de um plano de negócios pode evitar que o mesmo, uma vez que não planejado previamente, possa ter conseqüências que acarretem em seu fracasso. A tabela 6, que faz parte de estudos feitos pelo SEBRAE (2008), nos anos de 2000 a 2005, analisa sete itens que compõem o planejamento e o tempo do mesmo antes da abertura do empreendimento. Nas empresas que tiveram um planejamento de 4 meses antes da abertura a média de encerramento foi maior do que nas empresas que planejaram sua abertura durante 14,1 meses. No campo planejamento antes de abrir (1), consideram-se as empresas constituídas em 2005, todavia, no que se refere a índice médio de itens planejados (2), a média é de sete: qualificação de mão-de-obra, número de clientes, hábitos de consumo e número de concorrentes, localização, aspectos legais do negócio, condições dos fornecedores, e valor do investimento. Tabela 6 Característica do planejamento empresas abertas na JUCESP (2000/2005) (SEBRAE, 2008). E no gráfico 5, de acordo o SEBRAE (2008), referente às empresas encerradas, 32% citam que um bom planejamento antes da abertura é primordial para a sobrevivência. Já para as empresas em atividade, 28% expõem que uma boa gestão do negócio após a abertura mantém a sobrevivência do negócio.

PARTE VI O Plano de Negócios

PARTE VI O Plano de Negócios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Empreendedorismo: Uma Introdução Prof. Fabio Costa Ferrer,

Leia mais

O Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano de Negócios Fabiano Marques Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições. (Dornelas, 2005) O termo empreendedorismo está naturalmente

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Empreendedorismo Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. Planejar. Por quê?... 3 4. O Plano é produto do empreendedor... 4 5. Estrutura do Plano

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

PLANO DE NEGÓCIOS 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 PLANO DE NEGÓCIOS 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO O Plano de Negócios é parte fundamental do processo empreendedor, visto que os empreendedores precisam saber planejar suas ações e delinear

Leia mais

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques "Um bom plano de negócios deve mostrar claramente a competência da equipe, o potencial do mercado-alvo e uma idéia realmente inovadora; culminando em um

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO Contexto e objetivos CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO O desenvolvimento do plano de negócios, como sistematização das idéias

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES

PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES 1 PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES Angela Brasil (Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas -AEMS) E-mail:angelabrasil@ibest.com.br Cleucimar Aparecida Pereira Prudente

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Artigos de PN Como fazer Produtos e Serviços

Artigos de PN Como fazer Produtos e Serviços Artigos de PN Como fazer Produtos e Serviços Para fazer uma descrição adequada dos preços e serviços em seu plano de negócio, diga quais são os serviços da sua empresa, porque ela é capaz de fornecê-los,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. UM ESTUDO SOBRE SUA IMPORTÂNCIA E ESTRUTURA

PLANO DE NEGÓCIOS. UM ESTUDO SOBRE SUA IMPORTÂNCIA E ESTRUTURA PLANO DE NEGÓCIOS. UM ESTUDO SOBRE SUA IMPORTÂNCIA E ESTRUTURA FELIPE RABELO DE AGUIAR Graduando do Curso de Ciências Contábeis da UFPA feliperabelo11@yahoo.com.br Héber Lavor Moreira Professor Orientador

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO Bruna Carolina da Cruz Graduando em administração Unisalesiano Lins bruna-estella@hotmail.com Rafael Victor Ostetti da Silva Graduando

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Empreendedorismo, transformando idéias em negócios. (Introdução)

Empreendedorismo, transformando idéias em negócios. (Introdução) Empreendedorismo, transformando idéias em negócios (Introdução) Prof. Jose Carlos Alves Roberto, Msc. Baseado no Livro do Dr. José Dornelas, sobre Empreendedorismo Origem do Termo O termo empreendedor

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios Modelo de Plano de Negócios COLEÇÃO DEBATES EM ADMINISTRAÇÃO Empreendedorismo Modelo de Plano de Negócios Elaboração Marcelo Marinho Aidar Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) F U N

Leia mais

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA EDITAL 04/2009 IDÉIA FLUXO CONTÍNUO INCUBADORA MULTI-SETORIAL DE BASE TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO Novembro de 2009. PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

Módulo de Gestão Aplicada à TIC. Curso Técnico de Informática Aula 02 Prof. Amadeu Campos

Módulo de Gestão Aplicada à TIC. Curso Técnico de Informática Aula 02 Prof. Amadeu Campos Módulo de Gestão Aplicada à TIC Curso Técnico de Informática Aula 02 Prof. Amadeu Campos FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA EMPREENDEDORISMO NA ÁREA DE INFORMÁTICA Competências a serem trabalhadas Semana

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FORMAÇÃO DA REDE DR. MARIDO NEGÓCIOS DO PEQUENO E MÉDIO PORTE, ATRAVÉS DO MODELO HOMME OFFICE, COM RETORNO PROJETADO DE 86% A.A.

PLANO DE NEGÓCIOS FORMAÇÃO DA REDE DR. MARIDO NEGÓCIOS DO PEQUENO E MÉDIO PORTE, ATRAVÉS DO MODELO HOMME OFFICE, COM RETORNO PROJETADO DE 86% A.A. FORMAÇÃO DA REDE DR. MARIDO NEGÓCIOS DO PEQUENO E MÉDIO PORTE, ATRAVÉS DO MODELO HOMME OFFICE, COM RETORNO PROJETADO DE 86% A.A. PLANO DE NEGÓCIOS Data: Janeiro 2.013 Dr. Marido - Operacional S U M Á R

Leia mais

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo PN PLANO DE NEGÓCIOS Conceito PLANO DE NEGÓCIO É um documento que contempla a descrição do empreendimento e o modelo de gestão que sustentará a empresa É O CARTÃO DE VISITA DA EMPRESA Plano de Negócio

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor, 23 de Novembro de 2012 É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

5. Conclusões e recomendações

5. Conclusões e recomendações 5. Conclusões e recomendações Para melhor compreensão das conclusões e recomendações que serão apresentadas neste Capítulo, é necessário rever o contexto do problema e seus objetivos conforme descritos

Leia mais

GESTÃO INTEGRADA SUMÁRIO

GESTÃO INTEGRADA SUMÁRIO SUMÁRIO 1. MISSÃO... 3 2. VISÃO... 3 3. PRINCÍPIOS... 3 4. CENÁRIOS... 3 4.1. ARUJÁ... 3 5. POSICIONAMENTO ESTRATÉGICO... 5 6. ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS... 6 6.1 DIRETRIZES ESTRATÉGICAS... 6 6.2 ESTRATÉGIAS

Leia mais

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

FORMULÁRIO DE PRÉ-INSCRIÇÃO

FORMULÁRIO DE PRÉ-INSCRIÇÃO SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLOGICO DA PARAÍBA 01/2012 PROGRAMA DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA 1. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA 1.1 NOME

Leia mais

PARTE VII Criando um Plano de Negócios Eficiente I

PARTE VII Criando um Plano de Negócios Eficiente I FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Empreendedorismo: Uma Introdução Prof. Fabio Costa Ferrer,

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas

PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas Resumo. PEMPEC é um software de distribuição gratuita que visa auxiliar o gestor das micro e pequenas empresas na tomada de decisão, utilizando

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Adriano_fernandes_vianna@ymail.com cca@facesm.br Facesm João Paulo Guerreiro Gonçalves cca@facesm.br

Leia mais

Empreendedorismo e crescimento econômico

Empreendedorismo e crescimento econômico Empreendedorismo e crescimento econômico Márcio Augusto Scherma 1 O Global Entrepreneurship Monitor (GEM) é responsável por uma pesquisa mundialmente famosa por mensurar o nível de atividade empreendedora

Leia mais

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro 1 Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro Atuamos junto a estes três grupos de empresas, ajudando-os a atender da melhor maneira às necessidades do consumidor 2 Atendemos às necessidades

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

Formulário de Apresentação da Proposta Simplificada

Formulário de Apresentação da Proposta Simplificada Formulário de Apresentação da Proposta Simplificada A. Dados Cadastrais A.1. Informações para contato Endereço Completo: Bairro: Cidade: UF: CEP: Telefone: e-mail: Página na Internet: A.2. Caracterização

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Nome_da_Empresa

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Nome_da_Empresa PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Nome_da_Empresa 2008-2009-2010 Conteúdo Introdução... 3 Etapas para a elaboração do Planejamento Estratégico... 3 Análise de Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças... 5 Sugestão

Leia mais

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior A disciplina Nossa disciplina se divide em 4 unidades de aprendizagem: 1. Conceitos e contexto empresarial

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 3 - AS PERSPECTIVAS DO BSC - FINANCEIRA E CLIENTES PLANEJAMENTO E GESTÃO ESTRATÉGICA

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital Muitos empreendedores apontam como principal retardo para o crescimento das MPE s no Brasil a dificuldade em se obter financiamento, devido às exigências estabelecidas

Leia mais

CRITÉRIOS DE CREDENCIAMENTO DA SOLUÇÃO TECNOLÓGICA. Área de Operações Indiretas - AOI

CRITÉRIOS DE CREDENCIAMENTO DA SOLUÇÃO TECNOLÓGICA. Área de Operações Indiretas - AOI CRITÉRIOS DE CREDENCIAMENTO DA SOLUÇÃO TECNOLÓGICA Área de Operações Indiretas - AOI CARTA AO FORNECEDOR Classificação: Documento público Caro fornecedor, Este documento elenca os CRITÉRIOS exigidos para

Leia mais

Os Objetivos Foram Definidos de Modo a Complementar os Estudos Necessários para Responder ao Problema de Pesquisa Proposto

Os Objetivos Foram Definidos de Modo a Complementar os Estudos Necessários para Responder ao Problema de Pesquisa Proposto Gestão de Pequenas e Médias Empresas Brasileiras por Sistema de Consórcio Trabalho de Conclusão de Curso - TCC MBA Executivo Internacional - Turma 34 Fábio Mattos Fernando Alcântara Fernando Moulin Jorge

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

COMO UM CSC PODE ALAVANCAR FUSÕES E AQUISIÇÕES. Vanessa Saavedra, Manuela Dantas, Maurício Cavalieri e Rafael Pinheiro

COMO UM CSC PODE ALAVANCAR FUSÕES E AQUISIÇÕES. Vanessa Saavedra, Manuela Dantas, Maurício Cavalieri e Rafael Pinheiro COMO UM CSC PODE ALAVANCAR FUSÕES E AQUISIÇÕES Vanessa Saavedra, Manuela Dantas, Maurício Cavalieri e Rafael Pinheiro Fusão e aquisição (F&A) são termos, por vezes, tratados como sinônimos. Entretanto,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Como desenvolver o seu plano empresarial

Como desenvolver o seu plano empresarial PLANO EMPRESARIAL Como desenvolver o seu plano empresarial l Esta apresentação tem por objetivo sugerir a criação de um plano empresarial focando q Anatomia de um plano empresarial q Base para a automatização

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES Ednilson Zanini 1 O serviço logístico tornou-se uma ferramenta importante para o desenvolvimento de relacionamentos

Leia mais

Palestras Gerenciais EMPREENDEDORISMO O CAMINHO PARA O PRÓPRIO NEGÓCIO. Manual do participante

Palestras Gerenciais EMPREENDEDORISMO O CAMINHO PARA O PRÓPRIO NEGÓCIO. Manual do participante Palestras Gerenciais EMPREENDEDORISMO O CAMINHO PARA O PRÓPRIO NEGÓCIO Manual do participante Autoria: Renato Fonseca de Andrade Responsáveis pela atualização: Consultores da Unidade de Orientação Empresarial

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Empreendedorismo Transformando idéias em negócios

Empreendedorismo Transformando idéias em negócios Empreendedorismo Transformando idéias em negócios A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o

Leia mais

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA.

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. 93 SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. ¹Camila Silveira, ¹Giseli Lima ¹Silvana Massoni ²Amilto Müller RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar os estudos realizados

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições

Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições Supply Chain Finance 2011 3 Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições Autores: Vanessa Saavedra/ Manuela Dantas/ Maurício Cavalieri/ Rafael Pinheiro

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS: UMA FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUENA EMPRESA RESUMO

PLANO DE NEGÓCIOS: UMA FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUENA EMPRESA RESUMO 43 PLANO DE NEGÓCIOS: UMA FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUENA EMPRESA Vivian Silveira Ferreira Eliane Vargas de Campos RESUMO Vive-se uma nova realidade no mercado brasileiro onde as micro e pequenas

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012 2015 Controle de Revisão Ver. Natureza Data Elaborador Revisor

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais