FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA"

Transcrição

1 FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA aaa Aspectos hormonais do crescimento fitormônios e reguladores de crescimento a Prof. Leonardo Cury Bento Gonçalves/RS 1

2 Introdução! Hormônio: Palavra de origem grega que significa estímulo;! Hormônio vegetal ou fitormônio: Composto orgânico de ocorrência natural, produzido pelas plantas, atua em baixas concentrações promovendo, inibindo ou modificando processos morfológicos e fisiológicos;! Regulador de crescimento: Possui as mesmas propriedades dos fitormônios sendo porém, exógeno (externo à planta). 2

3 3

4 Fitormônios! A síntese pode ser localizada e em diferentes tecidos vegetais (difere dos animais);! Podem atuar em tecidos distantes ou em tecidos adjacentes, nem sempre o transporte é essencial;! A ação dos Fitormônios depende:! Disponibilidade da substância;! Sensibilidade do tecido (estágio fenológico, idade, órgão, tecido, etc); 4

5 Fitormônios! Grupos de Fitormônios :! Auxinas : Fitormônio do crescimento;! Citocininas: Regulador da divisão celular! Giberelinas: Regulador da altura e comprimento dos órgãos! Etileno: Fitormônio gasoso do estresse/maturação! Ácido Abscísico: Fitormônio do estresse! Outros: (Jasmonato, Brassinosteróides, etc.) - em discussão 5

6 Fitormônios! Todos os hormônios atuam em conjunto, e todo efeito hormonal observado é derivado de um balanço hormonal. 6

7 Natureza, ocorrência e efeito 7

8 Auxinas! Forma predominante: Ácido Indol-3-Acético (AIA);! Local de biossíntese: Ápices de ramos, folhas e sementes jovens;! Funções conhecidas:! Estimula o alongamento celular;! Estimula a divisão celular em células de meristemas, em combinação com citocininas;! Estimula a produção de Etileno, quando em altas concentrações (efeito herbicida);! Estimula a diferenciação de feixes vasculares (Floema e Xilema). 8

9 9

10 Auxinas Desenvolvimento de frutos Dominância apical/arquitetura Orientação do crescimento Orientação do crescimento Impede senescência 10

11 Auxinas 11

12 Auxinas Vascularização (floema e xilema) e cicatrização 12

13 Auxinas Enraizamento A 150ppm AIB/48h 13

14 Auxinas! Aplicações práticas:! Propagação de plantas, tratamentos de estacas (AIB);! Prevenção de queda de folhas, flores e frutos (pegamento de frutos) (ANA);! Partenocarpia em frutos (AIA);! Agente desfolhante (herbicida, 2,4-D);! Formação de raízes em cultura de tecidos (2,4-D, AIB, ANA, AIA);! Prevenção de brotação lateral (flores);! Controle do florescimento (flores). 14

15 ! Forma predominante: Zeatina; Citocininas! Local de biossíntese: Ápices de raízes e sementes jovens;! Funções conhecidas:! Estimula a divisão celular;! Morfogênese em cultura de tecidos (diferenciação da parte aérea);! Estimula a formação de gemas;! Estimula o crescimento de gemas laterais (inibição da dominância apical);! Estimula a expansão foliar, pelo efeito na extensão celular;! Pode estimular a abertura estomática em algumas espécies;! Promove o desenvolvimento de cloroplastos, via estímulo da síntese de clorofila. 15

16 Citocininas Auxina Citocinina Essencialidade Citocinina + Auxina Parte Aérea/Raiz Embrapa Uva e Vinho,

17 Citocininas x Auxinas Define a proporcionalidade nas plantas Auxina Citocininas 17

18 Citocininas x Auxinas Define a diferenciação de gemas na videira 18

19 Giberelinas! Forma predominante: Ácido Giberélico-1 (GA-1) (primeira forma (GA-3);! Local de biossíntese: Tecidos jovens (PA) e sementes em desenvolvimento;! Funções conhecidas:! Alongamento de ramos e frutos, pela divisão e extensão celular;! Causa partenocarpia (sem semente) durante o desenvolvimento de frutos;! Reduz o florescimento, atrasa a senescência foliar e a maturação de frutos;! Funções Fisiológicas (modificações nos níveis de Auxina do tecido alvo);! Vigor da parte aérea aumenta a produção endógena de giberelina. 19

20 Giberelinas Estimula o crescimento dos tecidos (alongamento) Disponibilidade de GA 0 GA 100 ppm GA 20

21 Giberelinas x Citocininas Atenuação de resposta ao GA Mutante Normal 21

22 Giberelinas x Citocininas! Em função de práticas de manejo:! Proporção de (PA);! Efeito da luz;! Excesso de Vigor (N, água) SEM COM Amarração / Desbaste / Desponte / Desfolha 22

23 Giberelinas Aplicações e efeitos práticos! Crescimento de raízes: Inibe o crescimento de raízes;! Expansão foliar e alongamento de ramos: Pelo aumento individual de células;! Florescimento: Em videira, altas concentrações de GA inibe a diferenciação de gavinhas em primórdios de inflorescência;! Partenocarpia: Desenvolvimento da uva sem a fecundação (bagas sem sementes);! Frutificação: Incrementa o pegamento de frutos (sem efeito para queda de frutos);! Efeitos secundários:! Previne desordens de película;! Redução de danos físicos (compactação de cachos);! Danos por fungos (aeração do cacho). 23

24 ! Forma predominante: Gás Etileno (C 2 H 4 ) Etileno! Local de biossíntese: Maioria dos tecidos sob a condição de estresse, em senescência ou em maturação;! Funções conhecidas:! Estimula a senescência de flores e folhas;! Estimula a maturação de frutos;! Estimula a queda de folhas e frutos;! Estimula a superação do processo de dormência;! Estimula o crescimento e a diferenciação de ramos e raízes (resposta tripla). 24

25 Etileno 25

26 Etileno 26

27

28 28

29 29

30 30

31 Curvas de comportamento fisiológico pós-colheita de frutos 31

32 Etileno! Propiciar a indução da senescência e encerramento de um ciclo vegetativo;! Favorecer a brotação (ciclo seguinte); 32

33 Etileno Controle Ethephon Ethephon + 1-MCP 1-MCP 33

34 Etileno! Baixa concentração nas etapas I e II e máxima 20 dias antes da virada de cor;! O etileno é necessário para induzir o reinício do crescimento e o acúmulo de antocianinas;! A aplicação de etileno (Etephon) em 20 ppm no início da fase II adianta a virada de cor e acumula mais carboidratos e polifenóis totais; 34

35 ! Forma predominante: Ácido Abscisico;! Local de biossíntese: Raízes, folhas maduras e sementes;! Funções conhecidas:! Estimula o fechamento estomático nas folhas (estresse hídrico);! Inibe o crescimento de ramos; Ácido Abscísico! Pode estimular o crescimento de raízes;! Apresenta relação com a indução e manutenção do processo de dormência em gemas;! Induz a transcrição de genes relacionados com a maturação de frutos (ex.: cor, degradação de ácidos, etc) 35

36 Ácido Abscísico Abertura estomática (Citocininas) e fechamento estomático (Ác. Abscísico) 36

37 Ácido Abscísico Inibe o crescimento de ramos 37

38 Fitormônios e reguladores de crescimento na vitivinicultura I! Crescimento vegetativo;! Crescimento produtivo;! Qualidade da fruta. II! Brotação;! Fertilidade de gemas. III! Crescimento radical;! Vigor do Porta-enxerto. 38

39 Reguladores do crescimento! Estimulante de crescimento: Substâncias químicas que promovem o crescimento de tecidos (divisão e expansão celular), efeitos similares às auxinas, giberelinas e citocininas: Ex.: GA 3, CPPU, Tidiazuron, AIB, ANA.! Repressores de crescimento: Substâncias que reduzem ou limitam o crescimento celular ou favorecem a senescência de tecidos. Ex.: Ethrel (etileno), Cycocel (-GA), Paclobutrazol (-GA) Obs.: Os estimulantes também podem ser repressores, em função da dose. 39

40 Reguladores do crescimento! Crescimento do cacho/baga:! GA3;! CPPU; I! TDZ.! Controle do vigor vegetativo:! Cycocel! Superação da dormência: II! Dormex;! Ethrel.! Fertilidade de gemas:! Cycocel;! Paclobutrazol..! Crescimento radical: III! AIB (150 mg/l ou ppm/48h)! AIA (25 ppm misturada ao AIB)! ANA (100 ppm/48h). 40

41 Reguladores do crescimento! Superação da dormência: Cianamida hidrogenada (Dormex):! Condições sub-tropicais: 1,25-2,5 % ia;! Condições tropicais: 2,1-5,2% ia 41

42 Reguladores do crescimento! Obs.: Para melhorar a brotação de Niágara (em T<15 C):! Usar o Ethrel 240 (9 L/ha) (15 a 25 dias antes da poda);! Ethrel 720 (3 L/ha) (15 a 25 dias antes da poda). 42

43 Reguladores do crescimento! Etefon (Ethrel) em Niágara: Sem Etefom + Dormex (3,6% i.a.) Etefom (9L/ha Ethrel 240 ) + Dormex (3,6% i.a.) 43

44 Reguladores do crescimento! Fertilidade de gemas/vigor vegetativo:! Cycocel (Antagônico competitivo de GA) - aplicação (parte aérea) a 1000 mg i.a./l;! Paclobutrazol (Inibe a síntese de GA) - aplicação antes da brotação (risco de efeito residual) - 3 kg i.a./ha - Aplicações no início do ciclo, quando os ramos estão com 5 folhas Obs.: Produtos não comercializados no Brasil e com grande dificuldade de aquisição. Importantes apenas para cultivares sem sementes com alto vigor e baixa fertilidade (ex.: Thompson Seedless) -. GIBERELINA - Favorece a anlagen - inibe a inflorescência - inibe a flor (pós-brot.) CITOCININA - Produz a inflorescência - Diferencia a flor (pós-brot.) - Desenvolve o pistilo (pós-brot.) Obs.: O tempo disponível é mais importante que as quantidades. 44

45 Reguladores do crescimento! Crescimento do cacho:! Ácido Giberélico (GA3);! TDZ (Citocinina); Foram testados mas não estão registrados! CPPU (Citocinina)! Observações importantes:! Deve haver controle de carga (máx. 30 Mg/ha);! Excesso de carga do ciclo anterior afeta as respostas;! A época de aplicação é crucial para o resultado;! Todo cacho deve ser tratado (ação não sistêmica); 45

46 Reguladores do crescimento! Niágara:! GA3 (30 ppm i.a);! TDZ (10 ppm i.a.);! Aplicação única (ervilha (15-18 dpf))! Itália:! GA3 (30 ppm i.a);! TDZ* (5-10 ppm i.a);! Aplicação única (10-15mm)! Atrasa maturação! BRS Clara! GA3-60 ppm i.a! TDZ - 4 ppm + 20 ppm GA3! CPPU - 5 ppm + 10 ppm GA3! BRS Linda! GA3-10 ppm i.a.! TDZ - 4 ppm + 5 ppm GA3! CPPU - 5 ppm + 5 ppm GA3! BRS Morena! GA3-40 ppm i.a.! TDZ - 2 ppm + 5 ppm GA3! CPPU - 5 ppm + 5 ppm GA3! Aplicação única tamanho 4-5 mm 46

47 ! Tamanho da baga: Reguladores do crescimento 2x GA 3 90 ppm 4 mm e 10 dias após 1x GA 3 60 ppm 4 mm Sem GA 3 BRS CLARA/ Jales-SP 47

48 ! Tamanho da baga: Reguladores do crescimento Ácido Giberélico (GA 3 ) 2 aplicações (50 ppm) (5mm e 10 dias após) 48

49 Reguladores do crescimento Registros para uva no Brasil 49

50 Observações finais! A ação hormonal depende do balanço endógeno de todos grupos hormonais;! O efeito hormonal é dependente da dose, do estágio de desenvolvimento, do tecido tratado, da genética (cultivar) e das condições edafoclimáticas;! Fitormônios e Reguladores de Crescimento atuam em doses muito baixas, deve-se ter muita atenção durante o preparo diluição (álcool), concentrações comerciais, validade, limpeza dos bicos e qualidade da água e condições climáticas no dia da aplicação (T C e Chuvas);! Nunca seguir uma recomendação, sem antes testá-la em menor escala na propriedade. 50

51 OBRIGADO PELA ATENÇÃO? 51

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Interações de fatores no desenvolvimento vegetal Genoma da planta Codificação de enzimas catalisadoras de reações bioquímicas de desenvolvimento Estímulos ambientais

Leia mais

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo Prof.: Eduardo Fitormônios: É um composto orgânico sintetizado em alguma parte do vegetal que pode ser transportado para outra parte e assim em concentrações muito baixas causar uma resposta fisiológica

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Os fitormônios, como também são chamados os hormônios vegetais, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas,

Leia mais

HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS

HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS São substâncias ativas, em quantidades mínimas que induzem efeitos especiais crescimento e desenvolvimento vegetal ( estimulando ou inibindo ). Ex. Auxinas, Giberelinas,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PAULO R. C. CASTRO ESALQ/USP CANA-DE-AÇÚCAR: HORMÔNIOS E REGULADORES HORMÔNIOS VEGETAIS Flor AX, BR Meristema AX, GA, BR Folha jovem AX, GA Caule jovem - GA Semente imatura AX,

Leia mais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais UERJ 2016 e Hormônios Vegetais Material de Apoio para Monitoria 1. O ciclo de Krebs, que ocorre no interior das mitocôndrias, é um conjunto de reações químicas aeróbias fundamental no processo de produção

Leia mais

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS Cita e explica os 4 fatores que interferem na fotossíntese. Temperatura Concentração CO2 na atmosfera Intensidade e Comprimento

Leia mais

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS FITORMÔNIOS São substâncias orgânicas químicas que atuam em diferentes partes do vegetal, como raiz, caule, folha, flor e fruto. São sintetizados em pequenas porções. Responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio

Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio Hormonas vegetais Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio Em resposta a factores externos, as plantas produzem mensageiros químicos, as hormonas vegetais

Leia mais

ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger)

ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger) ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger) ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger) Não induz

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Natália A. Paludetto

Fisiologia Vegetal. Natália A. Paludetto 0 Fisiologia Vegetal Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Fisiologia da água e dos sais minerais Solo Raízes planta! Água + SMs Absorção de água pela raiz: Zona

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO Crescimento Inibição Produção Raízes Gemas Caules Produção de Etileno 10-11 10-9 10-7 10-5 10-3 10-1 Concentração

Leia mais

ARBORICULTURA I. Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias. Por: Augusto Peixe

ARBORICULTURA I. Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias. Por: Augusto Peixe ARBORICULTURA I Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias Por: Augusto Peixe Tipos de Estacas Estacas Caulinares Lenhosas Semi-lenhosas Herbáceas Evolução de meristemas

Leia mais

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL Macro e Micronutrientes: MACRONUTRIENTES: - CO2, Água e Sais Minerais - Hidrogênio, Carbono, Oxigênio, Nitrogênio, Fósforo, Potássio, Magnésio, Enxofre, Potássio, Silício, Cálcio

Leia mais

Uso de reguladores de crescimento na fruticultura

Uso de reguladores de crescimento na fruticultura Uso de reguladores de crescimento na fruticultura Eng. Agr. MSc. Edmundo Hadlich Hadlich & Sampol Consultores Associados Fone: (41) 3264-1177 Celular: (41) 9994-4801 e-mail: ehadlich@terra.com.br MSN:

Leia mais

Eng Agr MsC Humberto Vinicius Vescove Consultor FORBB

Eng Agr MsC Humberto Vinicius Vescove Consultor FORBB Eng Agr MsC Humberto Vinicius Vescove Consultor FORBB Atuando em aproximadamente 20 mil há (SP e MG) Estimativa de safra Manejo Fitossanitário Nutrição Irrigação Projetos Manejo de irrigação (água) e fertirrigação

Leia mais

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Fisiologia Pós-colheita de Flores Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Floricultura Atividade em plena expansão; Flores de corte e vaso, folhagens e paisagismo. 200

Leia mais

Implantação dos vinhedos. culturais na cultura da videira. Formação dos vinhedos. operações 1 o ano

Implantação dos vinhedos. culturais na cultura da videira. Formação dos vinhedos. operações 1 o ano Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Produção Vegetal Implantação, condução e tratos culturais na cultura da videira Formação dos vinhedos operações

Leia mais

28/10/2013. HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS

28/10/2013. HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS Vegetais são capazes de controlar seu desenvolvimento e crescimento de acordo com as condições ambientais, e de reagir a estímulos ambientais; Essas atividades são controladas

Leia mais

Lista de exercícios de Biologia - revisão geral - 3º ano Valor 2,0 pontos (NT) Profa Deborah

Lista de exercícios de Biologia - revisão geral - 3º ano Valor 2,0 pontos (NT) Profa Deborah Lista de exercícios de Biologia - revisão geral - 3º ano Valor 2,0 pontos (NT) Profa Deborah 1. (Unesp-SP) Um botânico tomou dois vasos, A e B, de uma determinada planta. O vaso A permaneceu como controle

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Ou fitormônios, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas, flores e frutos, responsáveis pelo crescimento

Leia mais

FLORAÇÃO DO CAFEEIRO: UM ENIGMA. Alemar Braga Rena Fisiologista Vegetal Cafeicultor há 32 anos

FLORAÇÃO DO CAFEEIRO: UM ENIGMA. Alemar Braga Rena Fisiologista Vegetal Cafeicultor há 32 anos FLORAÇÃO DO CAFEEIRO: UM ENIGMA Alemar Braga Rena Fisiologista Vegetal Cafeicultor há 32 anos abrena41@gmail.com 1. Fases da floração (i) iniciação floral (ii) diferenciação floral (iii) período

Leia mais

Diagnose foliar na cultura do pimentão e pepino

Diagnose foliar na cultura do pimentão e pepino Diagnose foliar na cultura do pimentão e pepino Simone da Costa Mello Departamento de Produção Vegetal, ESALQ/USP scmello@esalq.usp.br 19-34294190 r. 204 Diagnose foliar Interpretação: Material genético

Leia mais

DOSSIÊ TÉCNICO. Hormônios Vegetais. Danilo Oddone Universidade de São Paulo - USP

DOSSIÊ TÉCNICO. Hormônios Vegetais. Danilo Oddone Universidade de São Paulo - USP DOSSIÊ TÉCNICO Hormônios Vegetais Danilo Oddone Universidade de São Paulo - USP Janeiro/2012 Hormônios Vegetais O Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas SBRT fornece soluções de informação tecnológica

Leia mais

26/6/2012. STEWART (década de 1950) Confirmou os resultados de van Overbeek, ou seja, a água de coco continha várias cinetinas ;

26/6/2012. STEWART (década de 1950) Confirmou os resultados de van Overbeek, ou seja, a água de coco continha várias cinetinas ; UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO PARTE II PRINCIPAIS CLASSES DE HORMÔNIOS: CITOCININAS (REGULADORES DA DIVISÃO CELULAR) 1. DESCOBERTA, IDENTIFICAÇÃO E PROPRIEDADES 2. OCORRÊNCIA, METABOLISMO

Leia mais

ETILENO. Katia Christina Zuffellato-Ribas

ETILENO. Katia Christina Zuffellato-Ribas ETILENO Katia Christina Zuffellato-Ribas ÚNICO HORMÔNIO GASOSO H 2 C = CH 2 1864 GIARDIN (Alemanha) Gás de iluminação desfolha de árvores 1901 NELJUBOV (Rússia) Ervilhas Tríplice reação de Neljubov Tríplice

Leia mais

Valores Corporativos DuPont

Valores Corporativos DuPont Visão DuPont Ser a Companhia científica mais dinâmica do mundo, criando soluções sustentáveis, melhores, mais seguras, mais saudáveis para as pessoas em qualquer lugar Valores Corporativos DuPont Segurança

Leia mais

Viticultura Clima. Centros de dispersão da videira. Cultivo da videira no Brasil. A videira. Fatores climáticos no cultivo da uva

Viticultura Clima. Centros de dispersão da videira. Cultivo da videira no Brasil. A videira. Fatores climáticos no cultivo da uva Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ESALQ/USP Viticultura Clima Centros de dispersão da videira Eurásia América Mar Negro Mar Cáspio A videira - Cultura de clima temperado

Leia mais

Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Hormônios Vegetais com Gabarito

Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Hormônios Vegetais com Gabarito Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Hormônios Vegetais com Gabarito 1) (FMTM-2001) O ácido indolacético (AIA) atua sobre o crescimento dos caules e raízes dos vegetais superiores. O efeito das diferentes

Leia mais

BOTÂNICA: TECIDOS DE SUSTENTAÇÃO E CONDUÇÃO / RAÍZ / CAULE HORMONIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS 2016

BOTÂNICA: TECIDOS DE SUSTENTAÇÃO E CONDUÇÃO / RAÍZ / CAULE HORMONIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS 2016 1. (Unisa - Medicina 2016) A figura 1 mostra uma abelha na flor de uma laranjeira e a figura 2 indica o local em que foi removido um anel completo de um ramo (cintamento ou anel de Malpighi) dessa planta.

Leia mais

02 - (UFF RJ/2010) Com base nos conhecimentos sobre anatomia e fisiologia vegetal e nas figuras I e II:

02 - (UFF RJ/2010) Com base nos conhecimentos sobre anatomia e fisiologia vegetal e nas figuras I e II: REINO PLANTAE 01 - (UDESC SC/2011) Os tecidos vegetais fundamentais são aqueles encarregados de uma série de funções, como preenchimento e sustentação. A respeito destes tecidos, analise cada proposição

Leia mais

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea Parede primária e secundária Lomandraceae, Monocotiledônea Lamela média Cordia trichotoma Corte transversal caule Parede primária e secundária Parede primária Constituição 65% de água 25% celulose 25%

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento Aula 2: Hormônios Vegetais: Auxinas (Parte I) Prof. Marcelo C. Dornelas Hormônios Vegetais Hormônios vegetais são substâncias orgânicas, produzidas pela

Leia mais

AUXINAS CITOCININAS. Ciclo de vida das plantas Classes Hormonais. Primeiros Experimentos

AUXINAS CITOCININAS. Ciclo de vida das plantas Classes Hormonais. Primeiros Experimentos UIVERSIDADE FEDERAL DE PERAMBUO ETRO DE IÊIAS BIOLÓGIAS DEPARTAMETO DE BOTÂIA DISIPLIA DE EOFISIOLOGIA AUXIAS e ITOIIAS iclo de vida das plantas lasses ormonais inco classes são atualmente reconhecidas

Leia mais

Biologia Fascículo 05 Lara Regina Parra de Lazzari

Biologia Fascículo 05 Lara Regina Parra de Lazzari Biologia Fascículo 05 Lara Regina Parra de Lazzari Índice Fisiologia Vegetal... 1 Hormônios Vegetais... 1 Floração... 6 Exercícios... 7 Gabarito... 9 Fisiologia Vegetal Hormônios Vegetais Auxina Giberelina

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento Prof. Marcelo C. Dornelas Aula 12b: Propagação Vegetativa A propagação vegetativa como um processo de manutenção da diversidade Ao contrário da reprodução

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Os fitormônios, como também são chamados os hormônios vegetais, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas,

Leia mais

MERISTEMA APICAL DO CAULE

MERISTEMA APICAL DO CAULE MERISTEMA APICAL DO CAULE Células iniciais (divisão lenta) Alta atividade de divisão celular Origem da porção central caulinar Originam primórdios foliares Meristema apical caulinar: Túnica - Corpo t c

Leia mais

FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS

FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS BIOLOGIA FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS Prof. TOSCANO O que você deve saber sobre FISIOLOGIA DAS PLANTAS ANGIOSPERMAS A capacidade de responder a mudanças ambientais e a adaptação a diferentes situações são

Leia mais

Arquitetura de plantas de soja e a aplicação de reguladores vegetais

Arquitetura de plantas de soja e a aplicação de reguladores vegetais Resumo Neste trabalho, estudou-se o efeito da aplicação de reguladores vegetais no desenvolvimento de plantas de soja (Glycine max (L.) Merrill cv. BRS-184). O experimento foi conduzido em casa de vegetação

Leia mais

Morfologia Vegetal. O corpo da planta

Morfologia Vegetal. O corpo da planta Morfologia Vegetal O corpo da planta Os sistemas da planta Meristema apical do caule Sistema caulinar Ou axial Crescimento Modular Fitômeros Plasticidade Fenotípica Sistema radicular Ou absortivo-fixador

Leia mais

FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs

FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs FISIOLOGIA VEGETAL APLICADA EM CANA-DE-AÇÚCAR Paulo Castro STAB CANAOESTE - Sertãozinho SP FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs Prof. Dr. Paulo A. M. de Figueiredo Engenheiro Agrônomo

Leia mais

Propagação de frutíferas

Propagação de frutíferas Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Ciências Agrárias Curso de Engenharia Agronômica Disciplina: Fruticultura I Propagação de frutíferas Docente responsável: Prof. Dr. Ítalo Herbert

Leia mais

Equilíbrio fisiológico e nutricional: pilares para produtividade e qualidade do cafeeiro

Equilíbrio fisiológico e nutricional: pilares para produtividade e qualidade do cafeeiro I CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO CAFÉ YARA BRASIL FERTILZANTES S.A. Hotel Resort Bourbon -Atibaia MG -2016 Equilíbrio fisiológico e nutricional: pilares para produtividade e qualidade do cafeeiro Prof. José

Leia mais

26/6/2012. No Japão, essa doença era chamada de planta boba (bakanae);

26/6/2012. No Japão, essa doença era chamada de planta boba (bakanae); UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO PARTE II PRINCIPAIS CLASSES DE HORMÔNIOS: GIBERELINAS (REGULADORES DA ALTURA DAS PLANTAS) 1. DESCOBERTA 2. OCORRÊNCIA, METABOLISMO E TRANSPORTE 3. PAPEL

Leia mais

Características da Uva Thompson Seedless no Vale do São Francisco

Características da Uva Thompson Seedless no Vale do São Francisco 124 ISSN 1808-9984 Petrolina, PE Outubro, 2005 Foto: Cícero Barbosa Filho Características da Uva Thompson Seedless no Vale do São Francisco Patrícia Coelho de Souza Leão 1 Introdução Na agricultura irrigada

Leia mais

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO Morfogénese Acontecimentos estruturais e fisiológicos que participam no desenvolvimento de uma planta, desde a célula reprodutora ou vegetativa até ao indivíduo adulto. Diferenciação

Leia mais

FISIOLOGIA: BIORREGULADORES NA CULTURA DE CANA-DE-ACÚCAR

FISIOLOGIA: BIORREGULADORES NA CULTURA DE CANA-DE-ACÚCAR FISIOLOGIA: BIORREGULADORES NA CULTURA DE CANA-DE-ACÚCAR PROF. DR. JOÃO DOMINGOS RODRIGUES Professor Titular em Fisiologia Vegetal Departamento de Botânica IB, UNESP UNESP/Botucatu-SP. Como minimizar

Leia mais

REGULADORES DE CRESCIMENTO PARA UMA FRUTICULTURA MODERNA

REGULADORES DE CRESCIMENTO PARA UMA FRUTICULTURA MODERNA REGULADRES DE CRESCIMET PARA UMA FRUTICULTURA MDERA VA ESTRATÉGIA DE MDA QUE MELRA A QUALIDADE DS FRUTS CMPSIÇÃ: 2,1% (21 g/l) 6-Benziladenina (6-BA) ÉPCA DE APLICAÇÃ: Quando o fruto central do corimbo

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

CONTROLE DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO POR FATORES INTRÍNSECOS (HORMÔNIOS) INTRODUÇÃO

CONTROLE DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO POR FATORES INTRÍNSECOS (HORMÔNIOS) INTRODUÇÃO CONTROLE DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO POR FATORES INTRÍNSECOS (HORMÔNIOS) INTRODUÇÃO A planta faz muito mais que aumentar simplesmente sua massa em volume a medida que cresce. Ela se diferencia, se

Leia mais

O movimento da água e dos solutos nas plantas

O movimento da água e dos solutos nas plantas O movimento da água e dos solutos nas plantas A água Princípios do movimento da Água O movimento da água em qualquer sistema é governado por 3 processos: Difusão Osmose Fluxo de massa; Osmose glicose Membrana

Leia mais

FISIOLOGIA VEGETAL. Organização da célula vegetal e da planta

FISIOLOGIA VEGETAL. Organização da célula vegetal e da planta FISIOLOGIA VEGETAL Organização da célula vegetal e da planta cianobactéria Complexidade ipê Eucariotos: - aumento da complexidade genética - aumento da complexidade celular Woese (1987): baseado na filogenia

Leia mais

CITOCININAS. Katia Christina Zuffellato-Ribas

CITOCININAS. Katia Christina Zuffellato-Ribas CITOCININAS Katia Christina Zuffellato-Ribas 1955 CINETINA (promoção da divisão celular na medula de caules de tabaco) 1964 - ZEATINA CITOCININA = HORMÔNIO DA JUVENILIDADE [0,01 A 1 µm] PRECURSOR: ISOPRENO

Leia mais

Vários produtos têm sido colocados no Mercado

Vários produtos têm sido colocados no Mercado Luís Américo Paseto Vários produtos têm sido colocados no Mercado Para uso desde o plantio da semente Na formação de mudas (1º par de folhas) Em pulverização na folhagem do cafeeiro Aplicados ao solo em

Leia mais

Uso de Maturadores e Desfolhantes visando fibras de qualidade

Uso de Maturadores e Desfolhantes visando fibras de qualidade Uso de Maturadores e Desfolhantes visando fibras de qualidade Juan A. Landivar e Saul Martus Delta and Pine Land-Internacional e MDM Algodão Uberlândia, Brasil Introdução O algodoeiro é uma planta perene

Leia mais

Técnicas de propagação de fruteiras

Técnicas de propagação de fruteiras Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Técnicas de propagação de fruteiras Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Método seminífero Propagação vegetativa não é

Leia mais

CONTROLE GENÉTICO DA MORTE CELULAR

CONTROLE GENÉTICO DA MORTE CELULAR Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas LGN 5799 - SEMINÁRIOS EM GENÉTICA E MELHORAMENTO DE PLANTAS CONTROLE GENÉTICO DA MORTE CELULAR Aluno: João Fernando Bortoleto Orientador:

Leia mais

Floricultura e Plantas Ornamentais

Floricultura e Plantas Ornamentais Métodos de Propagação em Ornamentais: TRADICIONAL Floricultura e Plantas Ornamentais Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues MÉTODOS PROPAGATIVOS VEGETATIVOS: ENXERTIA, ESTAQUIA, MERGULHIA E ALPORQUIA. Vantagens:

Leia mais

LEANDRO PAIOLA ALBRECHT BIORREGULADOR NO DESEMPENHO AGRONÔMICO, ECONÔMICO E NA QUALIDADE DE SEMENTE DE SOJA

LEANDRO PAIOLA ALBRECHT BIORREGULADOR NO DESEMPENHO AGRONÔMICO, ECONÔMICO E NA QUALIDADE DE SEMENTE DE SOJA LEANDRO PAIOLA ALBRECHT BIORREGULADOR NO DESEMPENHO AGRONÔMICO, ECONÔMICO E NA QUALIDADE DE SEMENTE DE SOJA MARINGÁ PARANÁ BRASIL AGOSTO 2009 Livros Grátis http://www.livrosgratis.com.br Milhares de livros

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Código Denominação DISCIPLINA Crédito(s) (*) Carga Horária Teórica Prática Total PFV 503 FISIOLOGIA

Leia mais

FISIOLOGIA DA FLORAÇÃO

FISIOLOGIA DA FLORAÇÃO UNIDADE XX Controle do florescimento 1. INTRODUÇÃO 2. MERISTEMAS FLORAIS E DESENVOLVIMENTO DE ÓRGÃOS FLORAIS 3. EVOCAÇÃO FLORAL: SINAIS INTERNOS E EXTERNOS 4. O ÁPICE DO CAULE E AS MUDANÇAS DE FASE 5.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES Profª. Marcela Carlota Nery Formação da Semente Fonte: Daniel de Granville www.ib.usp.br/beelife www.passionflow.couk/images/nitseed DAG 503 - Fisiologia de Sementes 1 Formação

Leia mais

2. Efeito da variação dos factores ambientais no desenvolvimento das plantas

2. Efeito da variação dos factores ambientais no desenvolvimento das plantas Fisiologia Vegetal 2014 DESENVOLVIMENTO VEGETAL 1. Sinais e receptores 1.1. Introdução: sinais, receptores e vias de transdução do sinal 1.2. Mensageiros secundários. 1.3. Vias de transdução do sinal.

Leia mais

Federación Colombiana de Productores de Mango

Federación Colombiana de Productores de Mango Federación Colombiana de Productores de Mango Por un Futuro Productivo y Sostenible para Nuestros MANGUICULTORES 1er SEMINARIO INTERNACIONAL DE NUTRICIÓN Y RIEGO PARA EL CULTIVO DE MANGO Nutrición vegetal

Leia mais

1. INTRODUÇÃO Vitis labrusca Vitis vinifera

1. INTRODUÇÃO Vitis labrusca Vitis vinifera 1 1. INTRODUÇÃO As uvas de mesa em cultivo no Brasil podem ser divididas em 2 grupos distintos: uvas rústicas e finas. As uvas rústicas de mesa, tem como base, variedades com características de uvas americanas

Leia mais

Por que podamos as árvores?

Por que podamos as árvores? Por que podamos as árvores? A UU L AL A Artur mora numa rua com muitas árvores frondosas. Ele notou que, numa determinada época do ano, os moradores costumam podar as árvores, ou seja, cortam seus galhos.

Leia mais

Fitofortificante INFORME TÉCNICO

Fitofortificante INFORME TÉCNICO Fitofortificante INFORME TÉCNICO GREETNAL WIZ GREETNAL WIZ Extracto de algas GREETNAL WIZ é um extracto puro de algas (Ascophyllum nodosum) procedentes das costas do Atlântico Norte. GREETNAL WIZ proporciona

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata).

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). Rezanio Martins Carvalho (bolsista do PIBIC/CNPq), Fabiano André Petter

Leia mais

Introdução à Fisiologia Vegetal

Introdução à Fisiologia Vegetal UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PÓLO AVANÇADO DE XERÉM GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA CURSO FISIOLOGIA VEGETAL(XBT355) TURMA 2014/2 Introdução à Fisiologia Vegetal Prof. Dr. Silas Pessini Rodrigues

Leia mais

Potássio, Cálcio e Magnésio

Potássio, Cálcio e Magnésio Nutrição Mineral de Plantas Potássio, Cálcio e Magnésio Josinaldo Lopes Araujo 1. POTÁSSIO 1.1 Aspectos gerais Segundo nutriente mais consumido como fertilizantes no Brasil. A sua principal fonte no solo

Leia mais

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

Biologia. Natália Aguiar Paludetto

Biologia. Natália Aguiar Paludetto Biologia Natália Aguiar Paludetto Aula de hoje: Introdução à Biologia O que é? O que estuda? Como se organiza? Referência bibliográfica: Bio Volume Único, Sônia Lopes, editora Saraiva. Biologia estudo

Leia mais

IRRIGAÇÃO EM VINHEDOS NO OESTE PAULISTA. Marco Antônio F. Conceição Embrapa Uva e Vinho Estação Experimental de Viticultura Tropical

IRRIGAÇÃO EM VINHEDOS NO OESTE PAULISTA. Marco Antônio F. Conceição Embrapa Uva e Vinho Estação Experimental de Viticultura Tropical IRRIGAÇÃO EM VINHEDOS NO OESTE PAULISTA Marco Antônio F. Conceição Embrapa Uva e Vinho Estação Experimental de Viticultura Tropical Produção de Uvas no Brasil Produção de Uvas no Brasil 16% 12% 57% 52%

Leia mais

Tecidos Vegetais. Professor: Vitor Leite

Tecidos Vegetais. Professor: Vitor Leite Tecidos Vegetais Professor: Vitor Leite TECIDOS MERISTEMÁTICOS (MERISTEMAS) Localização: ápices de todas as raízes e caules e gemas laterais. Função: Crescimento longitudinal(comprimento). Originam tecidos

Leia mais

Após análise das estratégias apresentadas, é CORRETO o que se afirma apenas em:

Após análise das estratégias apresentadas, é CORRETO o que se afirma apenas em: Questão 01 A ferrugem do cafeeiro, causada pelo fungo Hemileia vastatrix Berk et Br, é a doença mais importante da cultura, pois atinge, com gravidade, grandes áreas de lavouras. Os danos causados por

Leia mais

8º GRANDE ENCONTRO SOBRE VARIEDADES DE CANA DE AÇÚCAR 2014 GRUPO IDEA FISIOLOGIA DA ISOPORIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA CULTURA DA CANA

8º GRANDE ENCONTRO SOBRE VARIEDADES DE CANA DE AÇÚCAR 2014 GRUPO IDEA FISIOLOGIA DA ISOPORIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA CULTURA DA CANA 8º GRANDE ENCONTRO SOBRE VARIEDADES DE CANA DE AÇÚCAR 2014 GRUPO IDEA FISIOLOGIA DA ISOPORIZAÇÃO E SEUS EFEITOS NA CULTURA DA CANA Prof. Dr. Paulo Figueiredo Engenheiro Agrônomo Universidade Estadual Paulista

Leia mais

Embrapa Uva e Vinho. Produtos & Serviços. Missão Institucional. Infra-Estrutura e Recursos Humanos

Embrapa Uva e Vinho. Produtos & Serviços. Missão Institucional. Infra-Estrutura e Recursos Humanos Embrapa Uva e Vinho A vitivinicultura é uma atividade que apresenta grande importância sócio-econômica em vários Estados brasileiros, com especial destaque para o Rio Grande do Sul. Por esta razão, a Embrapa

Leia mais

Tema 5. Regulação Nervosa e Hormonal nos animais. Hormonas Vegetais. José Carlos Morais

Tema 5. Regulação Nervosa e Hormonal nos animais. Hormonas Vegetais. José Carlos Morais Regulação Nervosa e Hormonal nos animais Hormonas Vegetais José Carlos Morais Sistema Nervoso Sistema Hormonal Homeostasia Capacidade de manter o meio interno em equilíbrio Coordenação Nervosa Nervos Motores

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS. José Amarildo da Fonseca

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS. José Amarildo da Fonseca PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS José Amarildo da Fonseca jafonsec@esalq.usp.br Objetivos Quantidade Custo Qualidade Prazo Histórico Histórico Histórico Produção de Mudas Florestais Objetivo (demanda) Tipos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA CÓDIGO AGR 026 PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA FISIOLOGIA VEGETAL CENTRO Ciências Agrárias

Leia mais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Apresentação Perdas pós-colheita Noções

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA Características anatômicas e químico-bromatológicas das forrageiras x alternativas para otimizar consumo e digestão

Leia mais

Florescimento: floração e produção de sementes

Florescimento: floração e produção de sementes Florescimento: floração e produção de sementes Eng. Agr. Dra. Samira D. Carlin Cavallari Centro de Cana IAC Sertãozinho, 18 de junho de 2015 Florescimento da cana-de-açúcar Mudança da fase vegetativa para

Leia mais

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Agenda 1. Histórico Soja marca Pioneer 2. Pesquisa Soja Brasil 3. Qualidade das Sementes DuPont Pioneer 4. Cultivares

Leia mais

ACÇÃO de FORMAÇÃO em FERTILIDADE e SANIDADE do CASTANHEIRO. António Pedro Tavares Guerra ARBOREA, 13 de Fevereiro 2013

ACÇÃO de FORMAÇÃO em FERTILIDADE e SANIDADE do CASTANHEIRO. António Pedro Tavares Guerra ARBOREA, 13 de Fevereiro 2013 ACÇÃO de FORMAÇÃO em FERTILIDADE e SANIDADE do CASTANHEIRO António Pedro Tavares Guerra ARBOREA, 13 de Fevereiro 2013 SUMÁRIO SOLO NUTRIENTES PLANTA SOLO SOLO MATÉRIA ORGÂNICA ph do SOLO MATÉRIA ORGÂNICA

Leia mais

VOANDO COM RIPER. Prof. Dr. Paulo Figueiredo Engenheiro Agrônomo

VOANDO COM RIPER. Prof. Dr. Paulo Figueiredo Engenheiro Agrônomo VOANDO COM RIPER Aspectos fisiológicos da maturação da cana-de-açúcar Prof. Dr. Paulo Figueiredo Engenheiro Agrônomo Unesp - Universidade Estadual Paulista - Júlio de Mesquita Filho FCAT Faculdade de Ciências

Leia mais

Fitohormônios na estrutura e no desenvolvimento vegetal

Fitohormônios na estrutura e no desenvolvimento vegetal UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUC CENTR DE CIÊNCIAS BILÓGICAS DEPARTAMENT DE BTÂNICA DISCIPLINA DE ECFISILGIA Fitohormônios na estrutura e no desenvolvimento vegetal Ciclo de vida das plantas Mesmo fixas

Leia mais

HORMÔNIOS DE PLANTAS: UMA PROSPECÇÃO SOBRE SUAS DESCOBERTAS E APLICAÇÕES

HORMÔNIOS DE PLANTAS: UMA PROSPECÇÃO SOBRE SUAS DESCOBERTAS E APLICAÇÕES 1 HORMÔNIOS DE PLANTAS: UMA PROSPECÇÃO SOBRE SUAS DESCOBERTAS E APLICAÇÕES Bruna Zeny Ferreira 1 Daiane Garabeli Trojan 2 Resumo: Os hormônios vegetais são responsáveis por um dos principais efeitos fisiológicos

Leia mais

SINTOMAS DISTÚRBIOS CAUSADOS POR AGENTES NÃO-INFECCIOSOS

SINTOMAS DISTÚRBIOS CAUSADOS POR AGENTES NÃO-INFECCIOSOS 106 7 SINTOMAS OU DISTÚRBIOS CAUSADOS POR AGENTES NÃO-INFECCIOSOS Olavo Roberto Sônego José Carlos Fráguas Albino Grigoletti Júnior INTRODUÇÃO Na viticultura, tem-se verificado muitas semelhanças entre

Leia mais

DESCRITORES MÍNIMOS DA BATATA (Solanum tuberosum L.) Característica Descrição da característica Código para cada descrição

DESCRITORES MÍNIMOS DA BATATA (Solanum tuberosum L.) Característica Descrição da característica Código para cada descrição REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES DESCRITORES MÍNIMOS DA BATATA (Solanum

Leia mais

Efeito do Tratamento de Sementes com Fitormônio Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays)

Efeito do Tratamento de Sementes com Fitormônio Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays) Efeito do Tratamento de Sementes com Fitormônio Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays) Amadeu J. de Melo Neto 1, Ernane R. da Costa 1, Marcelo M. Pereira 1, Flávio P. dos Santos 1 e Luiz

Leia mais

MATERIAL TÉCNICO aminoácidos + micronutrientes CANA-PLANTA

MATERIAL TÉCNICO aminoácidos + micronutrientes CANA-PLANTA MATERIAL TÉCNICO aminoácidos + micronutrientes CANA-PLANTA TRATAMENTO EM CANA-PLANTA objetivos oferecer produtos que estimulem a emissão de raízes iniciais do tolete; aumentar a velocidade de brotação

Leia mais

RAIZ, CAULE E FOLHA / TECIDOS PROTETORES E MERISTEMÁTICOS TROCAS GASOSAS / TRANSPIRAÇÃO E RESPIRAÇÃO 2016

RAIZ, CAULE E FOLHA / TECIDOS PROTETORES E MERISTEMÁTICOS TROCAS GASOSAS / TRANSPIRAÇÃO E RESPIRAÇÃO 2016 1. (Unisa - Medicina 2016) A figura 1 mostra uma abelha na flor de uma laranjeira e a figura 2 indica o local em que foi removido um anel completo de um ramo (cintamento ou anel de Malpighi) dessa planta.

Leia mais

AULA 2 Propagação assexuada Micropropagação Macropropagação Enxertia Borbulhia Mergulhia Amontoa Alporquia Estaquia Katia Christina Zuffellato-Ribas

AULA 2 Propagação assexuada Micropropagação Macropropagação Enxertia Borbulhia Mergulhia Amontoa Alporquia Estaquia Katia Christina Zuffellato-Ribas AULA 2 Propagação assexuada Micropropagação Macropropagação Enxertia Borbulhia Mergulhia Amontoa Alporquia Estaquia Katia Christina Zuffellato-Ribas PROPAGAÇÃO ASSEXUADA (VEGETATIVA) MICROPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO

Leia mais

Prof. Dr. Miguel Angelo Mutton. Departamento de Produção Vegetal e de Tecnolo FCAV/UNESP Campus de Jaboticabal

Prof. Dr. Miguel Angelo Mutton. Departamento de Produção Vegetal e de Tecnolo FCAV/UNESP Campus de Jaboticabal Prof. Dr. Miguel Angelo Mutton Departamento de Produção Vegetal e de Tecnolo FCAV/UNESP Campus de Jaboticabal 1. INTRODUÇÃO Característica desejável para o melhorista e indesejável para o produtor Época

Leia mais

Introdução Fisiologia Pós-colheita de Frutas e Hortaliças

Introdução Fisiologia Pós-colheita de Frutas e Hortaliças Introdução Fisiologia Pós-colheita de Frutas e Hortaliças Profa. Marta H. Fillet Spoto Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Piracicaba - SP PORQUÊ CONSERVAR? Para manter

Leia mais

Título - Arial 44pt - Bold

Título - Arial 44pt - Bold Variedades resistentes: intersecção entre rusticidade e qualidade a experiência brasileira Título - Arial 44pt - Bold Patricia Ritschel Outras João Informações Dimas G. Maia - Arial 28pt Umberto Almeida

Leia mais