Hormônios Vegetais Regulação do crescimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hormônios Vegetais Regulação do crescimento"

Transcrição

1 Hormônios Vegetais Regulação do crescimento

2 Interações de fatores no desenvolvimento vegetal Genoma da planta Codificação de enzimas catalisadoras de reações bioquímicas de desenvolvimento Estímulos ambientais Sensibilização e resposta da planta

3 Interações de fatores no desenvolvimento vegetal Receptores Captação dos estímulos ambientais Hormônios Mediação dos estímulos ambientais detectados pelos receptores

4

5 Hormônios vegetais Ácido abscísico Mantém a dormência da semente e a dormência de inverno; fecha os estômatos. Auxina Promove o alongamento do caule, a iniciação de raízes adventícias e o crescimento do fruto; inibe a expansão da gema lateral e abscisão foliar.

6 Hormônios vegetais Brassinosteróides Promovem o alongamento de caules e de tubos polínicos; promovem a diferenciação do tecido vascular. Citocininas Inibem a senescência foliar; promovem a divisão celular e a expansão da gema lateral; afetam o crescimento da raiz.

7 Hormônios vegetais Etileno Promove o amadurecimento do fruto e a abscisão foliar; inibe o alongamento do caule e o gravitropismo. Giberelinas Promovem a germinação da semente, o crescimento do caule e o desenvolvimento do fruto; quebram a dormência de inverno; mobilizam reservas de nutrientes em sementes de gramíneas.

8 Hormônios vegetais Jasmonatos Desencadeiam defesas contra patógenos e herbívoros. Oligossacarinas Desencadeiam defesas contra patógenos; limitam os efeitos de altas concentrações de auxina; regulam a diferenciação celular.

9 Hormônios vegetais Ácido salicílico Desencadeia resistência a patógenos. Sistemina Provoca a produção de jasmonato em resposta a dano no tecido.

10 Rotas de indução de sinais Sinalização celular no desenvolvimento vegetal: Receptor (para um hormônio ou para a luz) Rota de transdução de sinal Resposta celular definitiva

11

12 Desenvolvimento vegetal: uma visão geral Fatores celulares que contribuem para o desenvolvimento da planta: Divisão Expansão Diferenciação

13 Auxina Estudos sobre fototropismo: descoberta da auxina (ácido indolacético - AIA) Em gramíneas: Fotorreceptor para fototropismo no ápice do coleóptilo. Auxina: mensageiro do fotorreceptor até a região de crescimento do coleóptilo.

14 Auxina A auxina produzida pela gema apical mantém a dominância apical.

15 Auxina

16 Auxina

17 Auxina Movimento lateral de auxina respostas do sistema caulinar e da raiz: à luz (fototropismo) à gravidade (gravitropismo)

18 Auxina Fototropismo

19 Auxina Gravitropismo

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31 Auxina Influência da auxina no crescimento vegetativo: Formação de raiz. Estímulo para a abscisão foliar. Manutenção da dominância apical. Desenvolvimento de fruto partenocárpico.

32 Auxina A degradação da zona de abscisão do pecíolo causa a queda da folha.

33

34

35

36

37

38

39

40 Giberelinas Promovem : a germinação da semente; o crescimento do caule ; o desenvolvimento do fruto. Quebram a dormência de inverno. Mobilizam reservas de nutrientes em sementes de gramíneas.

41 Giberelinas Giberelina A 1 importante no crescimento do caule Giberelina A 3 disponível comercialmente

42

43

44 Giberelinas Efeito de giberelinas sobre plantas anãs.

45 Giberelinas Alongamento do sistema caulinar

46 Giberelinas Importância das giberelinas: Giberelina A 1 regula o crescimento do caule na maioria das plantas. Plantas mutantes anãs Produção de pequena quantidade de giberilina. Giberilinas regulam o crescimento de alguns frutos e causam alongamento em algumas plantas bienais.

47

48

49

50

51

52

53

54

55

56

57

58

59

60 Citocininas Importância: Germinação da semente em algumas espécies; Inibição do alongamento do caule; Promoção do crescimento lateral de caules e de raízes;

61 Citocininas Importância: Estímulo do crescimento de gemas laterais; Promoção da expansão do tecido foliar; Retardamento da senescência foliar.

62

63

64

65

66

67

68

69

70

71

72

73

74

75 Etileno Importância: Equilíbrio auxina/etileno controle da abscisão foliar; Promoção da senescência e do amadurecimento do fruto; Formação de curvatura apical protetora em plântulas ainda nãoexpostas à luz;

76 Etileno Importância: Inibição do alongamento caulinar; Estímulo do crescimento lateral; Promoção da perda da sensibilidade gravitrópica.

77

78

79

80

81

82

83

84

85

86

87

88

89

90

91

92

93

94 Ácido abscísico Importância: Inibição do alongamento do caule; Ação sobre a abertura estomática: regulação das trocas gasosa e de água entre folhas e atmosfera.

95 Ácido abscísico Importância: Manutenção da dormência de inverno em gemas; Prevenção da germinação de sementes (enquanto estiverem ligadas à plantamãe);

96

97

98

99

100

101

102

103

104

105

106

107

108 Importância: Oligossacarinas Proteção da planta contra patógenos. Importância: Brassinosteróides Expansão celular, alongamento do tubo polínico, diferenciação do tecido vascular e alongamento da raiz.

109 Importância: Fitocromos Regulação do crescimento inicial da plântula; Regulação de fenômenos ligados ao estiolamento (processo no qual uma planta cresce na ausência de luz). Ex: Rápido alongamento do sistema caulinar Retardo da expansão foliar

110 Tabela: Alguns efeitos fisiológicos mais importantes causados por hormônios vegetais Efeito fisiológico Auxinas GA Citocininas ABA Etileno Resposta a tropismos Sim Sim Não Sim Sim Crescimento de secção de coleóptilo de aveia Sim* Sim* Sim, Ativa Inibe Inibe* Aumento de tamanho de células em C.T. Sim Sim Sim Não Não Controle da diferenciação em C.T. Sim Sim Sim Sim Sim Estimula enraizamento de estacas Sim Não Variável Sim* Sim Inibe desenvolvimento radicular Sim Não Não se sabe Sim Sim Estimula divisão de câmbio Sim Sim Sim Inibe* Não Abscisão de folhas e frutos Sim Não Sim Sim Sim Ativa crescimento de frutos Sim Sim Sim* Não Não Afeta crescimento de caules (hastes) Não Ativa Não Inibe Inibe Interrompe o repouso de gemas vegetativas Não Sim Sim Inibe Sim* Favorece a germinação de algumas sementes Não Sim Não Inibe Sim* Favorece síntese de amilase em grãos Não Sim Sim Inibe Não Manutenção da dominância apical Sim Sim Não Não se sabe Sim Inibe a degradação de proteínas e clorofila na senescência Ativa o pico climatérico no processo de maturação de frutos Sim* Sim Sim* Não, acelera Não, acelera Não se sabe Não Não Não Sim

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo Prof.: Eduardo Fitormônios: É um composto orgânico sintetizado em alguma parte do vegetal que pode ser transportado para outra parte e assim em concentrações muito baixas causar uma resposta fisiológica

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PAULO R. C. CASTRO ESALQ/USP CANA-DE-AÇÚCAR: HORMÔNIOS E REGULADORES HORMÔNIOS VEGETAIS Flor AX, BR Meristema AX, GA, BR Folha jovem AX, GA Caule jovem - GA Semente imatura AX,

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO Crescimento Inibição Produção Raízes Gemas Caules Produção de Etileno 10-11 10-9 10-7 10-5 10-3 10-1 Concentração

Leia mais

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS FITORMÔNIOS São substâncias orgânicas químicas que atuam em diferentes partes do vegetal, como raiz, caule, folha, flor e fruto. São sintetizados em pequenas porções. Responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Os fitormônios, como também são chamados os hormônios vegetais, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas,

Leia mais

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA aaa Aspectos hormonais do crescimento fitormônios e reguladores de crescimento a Prof. Leonardo Cury Bento Gonçalves/RS 1 Introdução! Hormônio: Palavra de origem grega

Leia mais

HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS

HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS São substâncias ativas, em quantidades mínimas que induzem efeitos especiais crescimento e desenvolvimento vegetal ( estimulando ou inibindo ). Ex. Auxinas, Giberelinas,

Leia mais

Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio

Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio Hormonas vegetais Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio Em resposta a factores externos, as plantas produzem mensageiros químicos, as hormonas vegetais

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Natália A. Paludetto

Fisiologia Vegetal. Natália A. Paludetto 0 Fisiologia Vegetal Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Fisiologia da água e dos sais minerais Solo Raízes planta! Água + SMs Absorção de água pela raiz: Zona

Leia mais

28/10/2013. HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS

28/10/2013. HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS Vegetais são capazes de controlar seu desenvolvimento e crescimento de acordo com as condições ambientais, e de reagir a estímulos ambientais; Essas atividades são controladas

Leia mais

Lista de exercícios de Biologia - revisão geral - 3º ano Valor 2,0 pontos (NT) Profa Deborah

Lista de exercícios de Biologia - revisão geral - 3º ano Valor 2,0 pontos (NT) Profa Deborah Lista de exercícios de Biologia - revisão geral - 3º ano Valor 2,0 pontos (NT) Profa Deborah 1. (Unesp-SP) Um botânico tomou dois vasos, A e B, de uma determinada planta. O vaso A permaneceu como controle

Leia mais

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea Parede primária e secundária Lomandraceae, Monocotiledônea Lamela média Cordia trichotoma Corte transversal caule Parede primária e secundária Parede primária Constituição 65% de água 25% celulose 25%

Leia mais

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS Cita e explica os 4 fatores que interferem na fotossíntese. Temperatura Concentração CO2 na atmosfera Intensidade e Comprimento

Leia mais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais UERJ 2016 e Hormônios Vegetais Material de Apoio para Monitoria 1. O ciclo de Krebs, que ocorre no interior das mitocôndrias, é um conjunto de reações químicas aeróbias fundamental no processo de produção

Leia mais

Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Hormônios Vegetais com Gabarito

Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Hormônios Vegetais com Gabarito Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Hormônios Vegetais com Gabarito 1) (FMTM-2001) O ácido indolacético (AIA) atua sobre o crescimento dos caules e raízes dos vegetais superiores. O efeito das diferentes

Leia mais

FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS

FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS BIOLOGIA FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS Prof. TOSCANO O que você deve saber sobre FISIOLOGIA DAS PLANTAS ANGIOSPERMAS A capacidade de responder a mudanças ambientais e a adaptação a diferentes situações são

Leia mais

2. Efeito da variação dos factores ambientais no desenvolvimento das plantas

2. Efeito da variação dos factores ambientais no desenvolvimento das plantas Fisiologia Vegetal 2014 DESENVOLVIMENTO VEGETAL 1. Sinais e receptores 1.1. Introdução: sinais, receptores e vias de transdução do sinal 1.2. Mensageiros secundários. 1.3. Vias de transdução do sinal.

Leia mais

FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL

FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL Profa. Dra. Helenice Mercier Dep. de Botânica USP Laboratório de Fisilogia Vegetal FOTOMORFOGÊNESE O QUE AS PLANTAS ENXERGAM? FOTOMORFOGÊNESE DIREÇÃO INTENSIDADE

Leia mais

ARBORICULTURA I. Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias. Por: Augusto Peixe

ARBORICULTURA I. Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias. Por: Augusto Peixe ARBORICULTURA I Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias Por: Augusto Peixe Tipos de Estacas Estacas Caulinares Lenhosas Semi-lenhosas Herbáceas Evolução de meristemas

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Ou fitormônios, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas, flores e frutos, responsáveis pelo crescimento

Leia mais

Biologia Fascículo 05 Lara Regina Parra de Lazzari

Biologia Fascículo 05 Lara Regina Parra de Lazzari Biologia Fascículo 05 Lara Regina Parra de Lazzari Índice Fisiologia Vegetal... 1 Hormônios Vegetais... 1 Floração... 6 Exercícios... 7 Gabarito... 9 Fisiologia Vegetal Hormônios Vegetais Auxina Giberelina

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento Aula 2: Hormônios Vegetais: Auxinas (Parte I) Prof. Marcelo C. Dornelas Hormônios Vegetais Hormônios vegetais são substâncias orgânicas, produzidas pela

Leia mais

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL Macro e Micronutrientes: MACRONUTRIENTES: - CO2, Água e Sais Minerais - Hidrogênio, Carbono, Oxigênio, Nitrogênio, Fósforo, Potássio, Magnésio, Enxofre, Potássio, Silício, Cálcio

Leia mais

ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger)

ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger) ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger) ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger) Não induz

Leia mais

MERISTEMA APICAL DO CAULE

MERISTEMA APICAL DO CAULE MERISTEMA APICAL DO CAULE Células iniciais (divisão lenta) Alta atividade de divisão celular Origem da porção central caulinar Originam primórdios foliares Meristema apical caulinar: Túnica - Corpo t c

Leia mais

02 - (UFF RJ/2010) Com base nos conhecimentos sobre anatomia e fisiologia vegetal e nas figuras I e II:

02 - (UFF RJ/2010) Com base nos conhecimentos sobre anatomia e fisiologia vegetal e nas figuras I e II: REINO PLANTAE 01 - (UDESC SC/2011) Os tecidos vegetais fundamentais são aqueles encarregados de uma série de funções, como preenchimento e sustentação. A respeito destes tecidos, analise cada proposição

Leia mais

Morfologia Vegetal. O corpo da planta

Morfologia Vegetal. O corpo da planta Morfologia Vegetal O corpo da planta Os sistemas da planta Meristema apical do caule Sistema caulinar Ou axial Crescimento Modular Fitômeros Plasticidade Fenotípica Sistema radicular Ou absortivo-fixador

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento Prof. Marcelo C. Dornelas Aula 12b: Propagação Vegetativa A propagação vegetativa como um processo de manutenção da diversidade Ao contrário da reprodução

Leia mais

Tema 5. Regulação Nervosa e Hormonal nos animais. Hormonas Vegetais. José Carlos Morais

Tema 5. Regulação Nervosa e Hormonal nos animais. Hormonas Vegetais. José Carlos Morais Regulação Nervosa e Hormonal nos animais Hormonas Vegetais José Carlos Morais Sistema Nervoso Sistema Hormonal Homeostasia Capacidade de manter o meio interno em equilíbrio Coordenação Nervosa Nervos Motores

Leia mais

MOVIMENTOS DAS PLANTAS

MOVIMENTOS DAS PLANTAS MOVIMENTOS VEGETAIS MOVIMENTOS DAS PLANTAS Movimentos de plantas são muitos sutis e quase não perceptíveis São respostas a estímulos externos (ambientais): luz, gravidade, temperatura, abalo mecânico,

Leia mais

FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs

FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs FISIOLOGIA VEGETAL APLICADA EM CANA-DE-AÇÚCAR Paulo Castro STAB CANAOESTE - Sertãozinho SP FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs Prof. Dr. Paulo A. M. de Figueiredo Engenheiro Agrônomo

Leia mais

DOSSIÊ TÉCNICO. Hormônios Vegetais. Danilo Oddone Universidade de São Paulo - USP

DOSSIÊ TÉCNICO. Hormônios Vegetais. Danilo Oddone Universidade de São Paulo - USP DOSSIÊ TÉCNICO Hormônios Vegetais Danilo Oddone Universidade de São Paulo - USP Janeiro/2012 Hormônios Vegetais O Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas SBRT fornece soluções de informação tecnológica

Leia mais

ETILENO. Katia Christina Zuffellato-Ribas

ETILENO. Katia Christina Zuffellato-Ribas ETILENO Katia Christina Zuffellato-Ribas ÚNICO HORMÔNIO GASOSO H 2 C = CH 2 1864 GIARDIN (Alemanha) Gás de iluminação desfolha de árvores 1901 NELJUBOV (Rússia) Ervilhas Tríplice reação de Neljubov Tríplice

Leia mais

BOTÂNICA: TECIDOS DE SUSTENTAÇÃO E CONDUÇÃO / RAÍZ / CAULE HORMONIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS 2016

BOTÂNICA: TECIDOS DE SUSTENTAÇÃO E CONDUÇÃO / RAÍZ / CAULE HORMONIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS 2016 1. (Unisa - Medicina 2016) A figura 1 mostra uma abelha na flor de uma laranjeira e a figura 2 indica o local em que foi removido um anel completo de um ramo (cintamento ou anel de Malpighi) dessa planta.

Leia mais

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

AUXINAS CITOCININAS. Ciclo de vida das plantas Classes Hormonais. Primeiros Experimentos

AUXINAS CITOCININAS. Ciclo de vida das plantas Classes Hormonais. Primeiros Experimentos UIVERSIDADE FEDERAL DE PERAMBUO ETRO DE IÊIAS BIOLÓGIAS DEPARTAMETO DE BOTÂIA DISIPLIA DE EOFISIOLOGIA AUXIAS e ITOIIAS iclo de vida das plantas lasses ormonais inco classes são atualmente reconhecidas

Leia mais

UNIDADE XIII CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO

UNIDADE XIII CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO UNIDADE XIII CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO 1. Introdução 2. Visão geral do crescimento e desenvolvimento vegetal 3. Embriogênese: as origens da polaridade 4. Tecidos meristemáticos: bases para o crescimento

Leia mais

A vermelho: não se percebe o que está na imagem. 5. inibição alongamento hipocótilo (caule) em resposta à luz é mediada:

A vermelho: não se percebe o que está na imagem. 5. inibição alongamento hipocótilo (caule) em resposta à luz é mediada: 5. inibição alongamento hipocótilo (caule) em resposta à luz é mediada: a) em plantas estioladas, pelo fitocromo A, em resposta luz vermelha distante b) simultaneamente (no mesmo período de tempo) pelo

Leia mais

CITOCININAS. Katia Christina Zuffellato-Ribas

CITOCININAS. Katia Christina Zuffellato-Ribas CITOCININAS Katia Christina Zuffellato-Ribas 1955 CINETINA (promoção da divisão celular na medula de caules de tabaco) 1964 - ZEATINA CITOCININA = HORMÔNIO DA JUVENILIDADE [0,01 A 1 µm] PRECURSOR: ISOPRENO

Leia mais

FISIOLOGIA: BIORREGULADORES NA CULTURA DE CANA-DE-ACÚCAR

FISIOLOGIA: BIORREGULADORES NA CULTURA DE CANA-DE-ACÚCAR FISIOLOGIA: BIORREGULADORES NA CULTURA DE CANA-DE-ACÚCAR PROF. DR. JOÃO DOMINGOS RODRIGUES Professor Titular em Fisiologia Vegetal Departamento de Botânica IB, UNESP UNESP/Botucatu-SP. Como minimizar

Leia mais

Introdução Fisiologia Pós-colheita de Frutas e Hortaliças

Introdução Fisiologia Pós-colheita de Frutas e Hortaliças Introdução Fisiologia Pós-colheita de Frutas e Hortaliças Profa. Marta H. Fillet Spoto Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Piracicaba - SP PORQUÊ CONSERVAR? Para manter

Leia mais

CONTROLE GENÉTICO DA MORTE CELULAR

CONTROLE GENÉTICO DA MORTE CELULAR Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas LGN 5799 - SEMINÁRIOS EM GENÉTICA E MELHORAMENTO DE PLANTAS CONTROLE GENÉTICO DA MORTE CELULAR Aluno: João Fernando Bortoleto Orientador:

Leia mais

FISIOLOGIA DA FLORAÇÃO

FISIOLOGIA DA FLORAÇÃO UNIDADE XX Controle do florescimento 1. INTRODUÇÃO 2. MERISTEMAS FLORAIS E DESENVOLVIMENTO DE ÓRGÃOS FLORAIS 3. EVOCAÇÃO FLORAL: SINAIS INTERNOS E EXTERNOS 4. O ÁPICE DO CAULE E AS MUDANÇAS DE FASE 5.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Código Denominação DISCIPLINA Crédito(s) (*) Carga Horária Teórica Prática Total PFV 503 FISIOLOGIA

Leia mais

26/6/2012. STEWART (década de 1950) Confirmou os resultados de van Overbeek, ou seja, a água de coco continha várias cinetinas ;

26/6/2012. STEWART (década de 1950) Confirmou os resultados de van Overbeek, ou seja, a água de coco continha várias cinetinas ; UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO PARTE II PRINCIPAIS CLASSES DE HORMÔNIOS: CITOCININAS (REGULADORES DA DIVISÃO CELULAR) 1. DESCOBERTA, IDENTIFICAÇÃO E PROPRIEDADES 2. OCORRÊNCIA, METABOLISMO

Leia mais

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 9 HORMÔNIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS FOTOPERIODISMO

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 9 HORMÔNIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS FOTOPERIODISMO BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 9 HORMÔNIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS ORIENTAÇÕES FOTOPERIODISMO A lista 9 contém questões sobre hormônios e movimentos vegetais. Resolva os exercícios com foco

Leia mais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Apresentação Perdas pós-colheita Noções

Leia mais

CONTROLE DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO POR FATORES INTRÍNSECOS (HORMÔNIOS) INTRODUÇÃO

CONTROLE DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO POR FATORES INTRÍNSECOS (HORMÔNIOS) INTRODUÇÃO CONTROLE DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO POR FATORES INTRÍNSECOS (HORMÔNIOS) INTRODUÇÃO A planta faz muito mais que aumentar simplesmente sua massa em volume a medida que cresce. Ela se diferencia, se

Leia mais

MATERIAL TÉCNICO aminoácidos + micronutrientes CANA-PLANTA

MATERIAL TÉCNICO aminoácidos + micronutrientes CANA-PLANTA MATERIAL TÉCNICO aminoácidos + micronutrientes CANA-PLANTA TRATAMENTO EM CANA-PLANTA objetivos oferecer produtos que estimulem a emissão de raízes iniciais do tolete; aumentar a velocidade de brotação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA CÓDIGO AGR 026 PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA FISIOLOGIA VEGETAL CENTRO Ciências Agrárias

Leia mais

HORMÔNIOS DE PLANTAS: UMA PROSPECÇÃO SOBRE SUAS DESCOBERTAS E APLICAÇÕES

HORMÔNIOS DE PLANTAS: UMA PROSPECÇÃO SOBRE SUAS DESCOBERTAS E APLICAÇÕES 1 HORMÔNIOS DE PLANTAS: UMA PROSPECÇÃO SOBRE SUAS DESCOBERTAS E APLICAÇÕES Bruna Zeny Ferreira 1 Daiane Garabeli Trojan 2 Resumo: Os hormônios vegetais são responsáveis por um dos principais efeitos fisiológicos

Leia mais

REVISÃO AULAS ANTERIORES

REVISÃO AULAS ANTERIORES REVISÃO AULAS ANTERIORES Transporte de água através da planta A água de movimenta a favor de um gradiente de potencial hídrico entre atmosfera, planta e solo, ou seja, a água se movimenta do maior potencial

Leia mais

Equilíbrio fisiológico e nutricional: pilares para produtividade e qualidade do cafeeiro

Equilíbrio fisiológico e nutricional: pilares para produtividade e qualidade do cafeeiro I CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO CAFÉ YARA BRASIL FERTILZANTES S.A. Hotel Resort Bourbon -Atibaia MG -2016 Equilíbrio fisiológico e nutricional: pilares para produtividade e qualidade do cafeeiro Prof. José

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES Profª. Marcela Carlota Nery Formação da Semente Fonte: Daniel de Granville www.ib.usp.br/beelife www.passionflow.couk/images/nitseed DAG 503 - Fisiologia de Sementes 1 Formação

Leia mais

Introdução à Fisiologia Vegetal

Introdução à Fisiologia Vegetal UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PÓLO AVANÇADO DE XERÉM GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA CURSO FISIOLOGIA VEGETAL(XBT355) TURMA 2014/2 Introdução à Fisiologia Vegetal Prof. Dr. Silas Pessini Rodrigues

Leia mais

Potássio, Cálcio e Magnésio

Potássio, Cálcio e Magnésio Nutrição Mineral de Plantas Potássio, Cálcio e Magnésio Josinaldo Lopes Araujo 1. POTÁSSIO 1.1 Aspectos gerais Segundo nutriente mais consumido como fertilizantes no Brasil. A sua principal fonte no solo

Leia mais

Eng Agr MsC Humberto Vinicius Vescove Consultor FORBB

Eng Agr MsC Humberto Vinicius Vescove Consultor FORBB Eng Agr MsC Humberto Vinicius Vescove Consultor FORBB Atuando em aproximadamente 20 mil há (SP e MG) Estimativa de safra Manejo Fitossanitário Nutrição Irrigação Projetos Manejo de irrigação (água) e fertirrigação

Leia mais

Federación Colombiana de Productores de Mango

Federación Colombiana de Productores de Mango Federación Colombiana de Productores de Mango Por un Futuro Productivo y Sostenible para Nuestros MANGUICULTORES 1er SEMINARIO INTERNACIONAL DE NUTRICIÓN Y RIEGO PARA EL CULTIVO DE MANGO Nutrición vegetal

Leia mais

REGULADORES DE CRESCIMENTO PARA UMA FRUTICULTURA MODERNA

REGULADORES DE CRESCIMENTO PARA UMA FRUTICULTURA MODERNA REGULADRES DE CRESCIMET PARA UMA FRUTICULTURA MDERA VA ESTRATÉGIA DE MDA QUE MELRA A QUALIDADE DS FRUTS CMPSIÇÃ: 2,1% (21 g/l) 6-Benziladenina (6-BA) ÉPCA DE APLICAÇÃ: Quando o fruto central do corimbo

Leia mais

LCB 311 -Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA

LCB 311 -Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA LCB 311 -Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA Hidrófitas: vivem locais com muita disponibilidade de água Mesófitas: vivem em locais com disponibilidade

Leia mais

MECANISMOS DE ATAQUE DOS PATÓGENOS FISIOLOGIA DO PARASITISMO. Ciclo das relações patógeno/hospedeiro

MECANISMOS DE ATAQUE DOS PATÓGENOS FISIOLOGIA DO PARASITISMO. Ciclo das relações patógeno/hospedeiro MECANISMOS DE ATAQUE DOS PATÓGENOS RELAÇÕES PATÓGENO-HOSPEDEIRO: Doença: processo dinâmico Patógeno Hospedeiro Ambiente MECANISMOS DE ATAQUE DE FITOPATÓGENOS Patógenos necessitam do hospedeiro para Margarete

Leia mais

UNIDADE XVIII Etileno: O hormônio gasoso. Introdução

UNIDADE XVIII Etileno: O hormônio gasoso. Introdução UNIDADE XVIII Etileno: O hormônio gasoso 1. Introdução 2. Estrutura, biossíntese e medição do etileno 3. Rotas de transdução de sinal do etileno 4. O etileno regula a expressão gênica 5. Efeitos do etileno

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Histologia e Morfologia Vegetal Histologia Vegetal Ramo da Botânica que se preocupa em estudar os tecidos vegetais quanto as suas características, organização,

Leia mais

Efeito do Tratamento de Sementes com Fitormônio Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays)

Efeito do Tratamento de Sementes com Fitormônio Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays) Efeito do Tratamento de Sementes com Fitormônio Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays) Amadeu J. de Melo Neto 1, Ernane R. da Costa 1, Marcelo M. Pereira 1, Flávio P. dos Santos 1 e Luiz

Leia mais

Um dos sinais nos mecanismos de regulação de crescimento e desenvolvimento. Orientação das folhas (intensidade e ângulo da luz)

Um dos sinais nos mecanismos de regulação de crescimento e desenvolvimento. Orientação das folhas (intensidade e ângulo da luz) FITOCROMO 03/1 QUAL O PAPEL DA LUZ NOS VEGETAIS? Um dos sinais nos mecanismos de regulação de crescimento e desenvolvimento Orientação dos cloroplastos nas células Orientação das folhas (intensidade e

Leia mais

Outros Hormônios Vegetais: BRASSINOSTERÓIDES, POLIAMINAS, ÁCIDO JASMÔNICO E SALICÍLICO

Outros Hormônios Vegetais: BRASSINOSTERÓIDES, POLIAMINAS, ÁCIDO JASMÔNICO E SALICÍLICO 1 Outros Hormônios Vegetais: BRASSINOSTERÓIDES, POLIAMINAS, ÁCIDO JASMÔNICO E SALICÍLICO Prof.Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa 2 SUMÁRIO Assuntos Páginas INTRODUÇÃO 3 1. Os Brassinosteróides 3 1.2. Biossíntese

Leia mais

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO Morfogénese Acontecimentos estruturais e fisiológicos que participam no desenvolvimento de uma planta, desde a célula reprodutora ou vegetativa até ao indivíduo adulto. Diferenciação

Leia mais

Exercícios de Biologia Hormônios Vegetais

Exercícios de Biologia Hormônios Vegetais Exercícios de Biologia Hormônios Vegetais TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufpr) Na(s) questão(ões) a seguir, escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos. 1. A fisiologia vegetal compreende as

Leia mais

Fisiologia Endócrina

Fisiologia Endócrina Fisiologia Endócrina Profa. Letícia Lotufo Claude Bernard: pai da endocrinologia Definiu o termo milieu intérieur Endocrinologia estudo das secreções internas do organismos. 1 Sistema Endócrino e Homeostasia

Leia mais

Fitohormônios na estrutura e no desenvolvimento vegetal

Fitohormônios na estrutura e no desenvolvimento vegetal UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUC CENTR DE CIÊNCIAS BILÓGICAS DEPARTAMENT DE BTÂNICA DISCIPLINA DE ECFISILGIA Fitohormônios na estrutura e no desenvolvimento vegetal Ciclo de vida das plantas Mesmo fixas

Leia mais

26/6/2012 HISTÓRICO SOBRE O ETILENO

26/6/2012 HISTÓRICO SOBRE O ETILENO UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO PARTE II PRINCIPAIS CLASSES DE HORMÔNIOS: ETILENO (O HORMÔNIO GASOSO) 1. DESCOBERTA 2. OCORRÊNCIA, METABOLISMO E TRANSPORTE 3. PAPEL FISIOLÓGICO 3.1. AMADURECIMENTO

Leia mais

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Fisiologia Pós-colheita de Flores Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Floricultura Atividade em plena expansão; Flores de corte e vaso, folhagens e paisagismo. 200

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Aula 11 Morfologia e anatomia da folha...1 Aula 12 Morfologia e anatomia da flor...2 Aula 13 Morfologia e anatomia da semente e do fruto...4 Aula 14 Fisiologia da absorção

Leia mais

Efeito do Etileno na Abcisão Foliar

Efeito do Etileno na Abcisão Foliar Efeito do Etileno na Abcisão Foliar Trabalho nº4 Daniela Costa e Sousa Filipa França de Barros Luís Manuel M. V. L. Tavares Marta Filipa P. M. Gonçalves Fisiologia Vegetal Licenciatura em Bioquímica Com

Leia mais

JUVENILIDADE, MATURIDADE E SENESCÊNCIA EM PLANTAS

JUVENILIDADE, MATURIDADE E SENESCÊNCIA EM PLANTAS JUVENILIDADE, MATURIDADE E SENESCÊNCIA EM PLANTAS As plantas, assim como todos os organismos multicelulares, passam por uma série de estádios de desenvolvimento mais ou menos definidos, com características

Leia mais

LEANDRO PAIOLA ALBRECHT BIORREGULADOR NO DESEMPENHO AGRONÔMICO, ECONÔMICO E NA QUALIDADE DE SEMENTE DE SOJA

LEANDRO PAIOLA ALBRECHT BIORREGULADOR NO DESEMPENHO AGRONÔMICO, ECONÔMICO E NA QUALIDADE DE SEMENTE DE SOJA LEANDRO PAIOLA ALBRECHT BIORREGULADOR NO DESEMPENHO AGRONÔMICO, ECONÔMICO E NA QUALIDADE DE SEMENTE DE SOJA MARINGÁ PARANÁ BRASIL AGOSTO 2009 Livros Grátis http://www.livrosgratis.com.br Milhares de livros

Leia mais

Dormência em tecidos vegetais

Dormência em tecidos vegetais Dormência em tecidos vegetais Dormência: baixa atividade metabólica permite a sobrevivência: extremos de temperatura falta de água estágio vegetativo estágio reprodutivo Desenvolvimento da semente zigoto

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Os fitormônios, como também são chamados os hormônios vegetais, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas,

Leia mais

Fototropismo. Introdução. Materiais Necessários

Fototropismo. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução As plantas, como todos os seres vivos, respondem a estímulos ambientais, mas essa resposta, na maioria das vezes, é bem lenta e quase imperceptível. A resposta de algumas plantas a

Leia mais

O movimento da água e dos solutos nas plantas

O movimento da água e dos solutos nas plantas O movimento da água e dos solutos nas plantas A água Princípios do movimento da Água O movimento da água em qualquer sistema é governado por 3 processos: Difusão Osmose Fluxo de massa; Osmose glicose Membrana

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO EMENTA

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO EMENTA PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA 15/01/2007 COORDENADORIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA Km 47 da BR 1 Bairro Presidente Costa e Silva CEP: 59625-900 C. postal 137 Telefone (084)3315.1796 Telefax

Leia mais

Prof. Dr. Miguel Angelo Mutton. Departamento de Produção Vegetal e de Tecnolo FCAV/UNESP Campus de Jaboticabal

Prof. Dr. Miguel Angelo Mutton. Departamento de Produção Vegetal e de Tecnolo FCAV/UNESP Campus de Jaboticabal Prof. Dr. Miguel Angelo Mutton Departamento de Produção Vegetal e de Tecnolo FCAV/UNESP Campus de Jaboticabal 1. INTRODUÇÃO Característica desejável para o melhorista e indesejável para o produtor Época

Leia mais

AULA 2 Propagação assexuada Micropropagação Macropropagação Enxertia Borbulhia Mergulhia Amontoa Alporquia Estaquia Katia Christina Zuffellato-Ribas

AULA 2 Propagação assexuada Micropropagação Macropropagação Enxertia Borbulhia Mergulhia Amontoa Alporquia Estaquia Katia Christina Zuffellato-Ribas AULA 2 Propagação assexuada Micropropagação Macropropagação Enxertia Borbulhia Mergulhia Amontoa Alporquia Estaquia Katia Christina Zuffellato-Ribas PROPAGAÇÃO ASSEXUADA (VEGETATIVA) MICROPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO

Leia mais

FISIOLOGIA VEGETAL. Organização da célula vegetal e da planta

FISIOLOGIA VEGETAL. Organização da célula vegetal e da planta FISIOLOGIA VEGETAL Organização da célula vegetal e da planta cianobactéria Complexidade ipê Eucariotos: - aumento da complexidade genética - aumento da complexidade celular Woese (1987): baseado na filogenia

Leia mais

Propagação de frutíferas

Propagação de frutíferas Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Ciências Agrárias Curso de Engenharia Agronômica Disciplina: Fruticultura I Propagação de frutíferas Docente responsável: Prof. Dr. Ítalo Herbert

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: ALUNO(a): No experimento ilustrado a seguir, uma planta jovem foi exposta à iluminação unilateral.

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: ALUNO(a): No experimento ilustrado a seguir, uma planta jovem foi exposta à iluminação unilateral. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 2º ano ALUNO(a): Lista de Exercícios NOTA: No Anhanguera você é + Enem Questão 01) No experimento ilustrado a seguir, uma planta jovem foi exposta à iluminação

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES

NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES Disciplina Nutrição aplicada à Educação Física e ao Esporte Prof. Dr. Ismael Forte Freitas Júnior HISTÓRICO

Leia mais

Fitofortificante INFORME TÉCNICO

Fitofortificante INFORME TÉCNICO Fitofortificante INFORME TÉCNICO GREETNAL WIZ GREETNAL WIZ Extracto de algas GREETNAL WIZ é um extracto puro de algas (Ascophyllum nodosum) procedentes das costas do Atlântico Norte. GREETNAL WIZ proporciona

Leia mais

ÁREA 08 - FISIOLOGIA VEGETAL CHAVE DE CORREÇÃO

ÁREA 08 - FISIOLOGIA VEGETAL CHAVE DE CORREÇÃO 1 ÁREA 08 - FISIOLOGIA VEGETAL CHAVE DE CORREÇÃO Em termos de atendimento às questões, espera-se que o candidato estabeleça uma resposta atendendo ao seguinte propósito: 1ª. No solo a água flui entre suas

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

setor 1401 Aula 20 MORFOFISIOLOGIA VEGETAL. MORFOLOGIA EXTERNA DE RAIZ, CAULE E FOLHA

setor 1401 Aula 20 MORFOFISIOLOGIA VEGETAL. MORFOLOGIA EXTERNA DE RAIZ, CAULE E FOLHA setor 1401 14010509 14010509-SP Aula 20 MORFOFISIOLOGIA VEGETAL. MORFOLOGIA EXTERNA DE RAIZ, CAULE E FOLHA 1. A sobrevivência de uma planta depende da resolução de uma série de problemas. Entre eles estão:

Leia mais

Fitocromo e Movimento em Plantas

Fitocromo e Movimento em Plantas UNIVERSIDADE FEDERAL DE ERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEARTAMENTO DE BOTÂNICA DISCILINA DE FITOFISIOLOGIA Mesmo fixas as plantas reagem ao ambiente O Espectro de luz Fitocromo e Movimento em

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: ANATOMIA VEGETAL Código da Disciplina: NDC124 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 3 período Faculdade responsável: NÚCLEO DE DISCIPLINAS COMUNS Programa

Leia mais

04/09/2012. Crescimento e Desenvolvimento de Plantas Forrageiras. Base para proposição de estratégias apropriadas de manejo. 6

04/09/2012. Crescimento e Desenvolvimento de Plantas Forrageiras. Base para proposição de estratégias apropriadas de manejo. 6 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA INTERAÇÕES Crescimento e Desenvolvimento de Plantas Forrageiras Produção animal

Leia mais

26/6/2012. No Japão, essa doença era chamada de planta boba (bakanae);

26/6/2012. No Japão, essa doença era chamada de planta boba (bakanae); UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO PARTE II PRINCIPAIS CLASSES DE HORMÔNIOS: GIBERELINAS (REGULADORES DA ALTURA DAS PLANTAS) 1. DESCOBERTA 2. OCORRÊNCIA, METABOLISMO E TRANSPORTE 3. PAPEL

Leia mais

EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ

EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ Disciplina i LPV 504 PLANTAS ESTIMULANTES ANA DIONISIA L. COELHO NOVEMBRE EMBRIÃO DA SEMENTE DE CAFÉ COTILEDONES EIXO EMBRIÃO Novembre, 2003 FRUTO DE CAFÉ Novembre, 2003

Leia mais

contiver qualquer marca identificadora em um outro local deste caderno. que prejudique a leitura, peça imediatamente ao fiscal que o substitua.

contiver qualquer marca identificadora em um outro local deste caderno. que prejudique a leitura, peça imediatamente ao fiscal que o substitua. 1. Só se identifique na parte inferior desta capa. Sua prova será anulada se contiver qualquer marca identificadora em um outro local deste caderno. 2. Este caderno contém 05 questões. Se estiver incompleto

Leia mais

Outros Hormônios Vegetais: Brassinosteróides, Poliaminas, Ácido Jasmônico e Salicílico

Outros Hormônios Vegetais: Brassinosteróides, Poliaminas, Ácido Jasmônico e Salicílico UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS (ICA) Fisiologia Vegetal Outros Hormônios Vegetais: Brassinosteróides, Poliaminas, Ácido Jasmônico e Salicílico FISIOLOGIA VEGETAL

Leia mais