Hormônios vegetais Prof.: Eduardo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hormônios vegetais Prof.: Eduardo"

Transcrição

1 Prof.: Eduardo

2 Fitormônios: É um composto orgânico sintetizado em alguma parte do vegetal que pode ser transportado para outra parte e assim em concentrações muito baixas causar uma resposta fisiológica

3 Os hormônios vegetais são divididos em dois grupos: 1) Promotores: Auxinas Hormônio do crescimento Giberelina Hormônio da germinação Citocinina Hormônio do anti envelhecimento 2) Inibidores: Etileno Hormônio do amadurecimento Ácido Abscísico (ABA) Hormônio do estresse

4 1) As Auxinas: (auxe = crescimento) A DESCOBERTA DA AUXINA E EXPERIMENTOS AIA (Ácido indolácetico) Foi o primeiro grupo de hormônio a ser descoberto 1880: Darwin e as auxinas: A ponta da planta produz no ápice alguma substância que controla ao crescimento modo.

5 1913: Boysen-Jensen: Usou o bloco de agare mica e descobriu que tal substância desloca-se para o lado escuro. 1926: Went: Usou blocos de 1913: Boysen-Jensen:

6 Síntese: Ápice do caule. (obs.: Raiz não) Embriões da semente. Tubos polínicos. Células das paredes do ovário Folhas jovens Transporte é polar: De célula por célula. Ação da auxina: Produção de uma enzima que degrada filamentos de celulose. Teoria do crescimento ácido: AIA: Induz a secreção de íons H para a parede celular. Diminui o Ph e assim degrada a parede celular.

7 AIA X Tropismo: Onde tem maior concentração de AIA, vai crescer mais. AIA migra para o lado não iluminado. Raiz = Cresce com muito. Caule = Cresce com pouco. Dependendo da concentração o AIA pode inibir crescimento.

8 AIA X Dominância apical: O aia produzido no ápice vai inibir o desenvolvimento de gemas laterais. A poda das árvores: Poda de produção. Na indústria: Tubérculos como batata.

9 AIA X ABSCISÃO Ocorre em folhas, flores e frutos. Folha jovem tem muito AIA e folha Velha pouco AIA O AIA cria uma região de células enfraquecidas onde ocorre a queda Obs.: Essa diferença de concentração entre a folha e o caule forma uma camada de abscisão foliar no ponto de inserção. CAMADA DE ABSCISÃO: É uma região de menor resistência mecânica, é composta de células menores e mais frágeis.

10 AIA X FORMAÇÃO DE FRUTOS Produção: Semente ou parede do ovário O AIA estimula a distensão do ovário. FRUTOS PARTENOCÁRPICOS: Possuem muita concentração de aia, isso para atuar na formação do fruto. Indução de frutos sem fecundação: Adicione aia no pistilo da flor. Ex.: Tomate, mamão

11 AIA X Floração: O aia pode induzir na floração como é o caso do abacaxi (Ananas comosus), gera a formação de frutos em mesma época. Pulverizar ANA ( ácidoalfa nafitaleno- acético) AIA X Herbicida. Auxina 2,4 D ( ácido dicloro-fenóx-acético). Em altíssima concentração grandes atua como herbicida de folhas de dicotiledôneas Onde é usado? Plantações de mono como: cereais, trigo, milho e arroz, para matar tiriricas

12 2) Giberelina ou Ácido abscísico: (A3 ou GA3) Hormônio da germinação Descoberto em 1920 por um japonês (Giberrela fugikori) Síntese: Meristema de caule e raiz. Sementes imaturas. Frutos. Folhas em crescimento TRANSPORTE: FLOEMA Ação: a) Alongamento caulinar: Usada em plantas anãs e crescimento entre-nó

13 b) Partenocarpia: Juntamente com o aia é usado na produção de frutos partenocárpicos.

14 c) Germinação de semente: Quebra de dormência de sementes e provoca a germinação Como ocorre? I-Absorve água, II-A semente libera giberelina, III- Camada de aleurona libera enzimas, IV-alimento passado para o cotiledone. PRODUÇÃO DE ENZIMAS: Amido produz -alfa amilase quebra glicose Liberando energia para formar uma planta.

15 3) Citocinina (HORMÔNIO DO ANTI-ENVELHECIMENTO) Síntese: Ápice da raiz Ação: Divisão e distensão celular Quebra de dormência de sementes Retarda o envelhecimento da folha Transporte: Xilema O : (Cinetina) Citocinina X Auxinas X Giberelina: A auxina e a giberelinaatuando no crescimento e a citocinina na divisão celular Citocinina X Auxina X Gemas laterais Mais Citocinina e menos aia brotos do caule. Menos Citocinina e mais aia cresce raiz

16 4) Etileno (C2H4) Hormônio do amadurecimento É um hormônio gasoso Síntese: Todas as partes do vegetal, exceto em sementes Muita produção em flores já polinizadas e frutos já maduros Transporte: Espaços intra-celulares e eliminado pelo ambiente Ação:Amadurecimento Envelhecimento Morte das células

17 Etileno X Amadurecimento de frutos: Quanto mais madura maior a produção de etileno Como retardar o amadurecimento? Diminui a temperatura e o O2 e aumenta o CO2 Etileno X Abscisão: Etileno provoca a produção de celulose. AIA e Etileno são inversamente proporcionais para manutenção e queda da folha.

18 5) Ácido Abscísico: ABA ( Hormônio do estresse) Síntese: Folhas maduras e sementes Transporte: Floema Ações: Inibidor do crescimento e desenvolvimento a) Dormência de sementes: b) Fechamento estomático. c) Previne a germinação da semente dentro do fruto. d) Aumento da raiz em condições adversas. e) Inibe o crescimento do caule.

19 Outras classes de fitormônios: 1) BRASSINOESTERÓIDES: Relacionam aos esteróides animais. Crescimento normal dos tecidos vegetais. 2) ÁCIDO SALICÍLICO: Parecido com aspirina e atua na defesa de patógenos 3) JASMONATOS: São voláteis e compõe fragância

20 Valeu galera!!! Grande abraço do Duzão!!!

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Interações de fatores no desenvolvimento vegetal Genoma da planta Codificação de enzimas catalisadoras de reações bioquímicas de desenvolvimento Estímulos ambientais

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Os fitormônios, como também são chamados os hormônios vegetais, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas,

Leia mais

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS FITORMÔNIOS São substâncias orgânicas químicas que atuam em diferentes partes do vegetal, como raiz, caule, folha, flor e fruto. São sintetizados em pequenas porções. Responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento

Leia mais

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS Cita e explica os 4 fatores que interferem na fotossíntese. Temperatura Concentração CO2 na atmosfera Intensidade e Comprimento

Leia mais

HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS

HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS São substâncias ativas, em quantidades mínimas que induzem efeitos especiais crescimento e desenvolvimento vegetal ( estimulando ou inibindo ). Ex. Auxinas, Giberelinas,

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Natália A. Paludetto

Fisiologia Vegetal. Natália A. Paludetto 0 Fisiologia Vegetal Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Fisiologia da água e dos sais minerais Solo Raízes planta! Água + SMs Absorção de água pela raiz: Zona

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PAULO R. C. CASTRO ESALQ/USP CANA-DE-AÇÚCAR: HORMÔNIOS E REGULADORES HORMÔNIOS VEGETAIS Flor AX, BR Meristema AX, GA, BR Folha jovem AX, GA Caule jovem - GA Semente imatura AX,

Leia mais

Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio

Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio Hormonas vegetais Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio Em resposta a factores externos, as plantas produzem mensageiros químicos, as hormonas vegetais

Leia mais

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA aaa Aspectos hormonais do crescimento fitormônios e reguladores de crescimento a Prof. Leonardo Cury Bento Gonçalves/RS 1 Introdução! Hormônio: Palavra de origem grega

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO Crescimento Inibição Produção Raízes Gemas Caules Produção de Etileno 10-11 10-9 10-7 10-5 10-3 10-1 Concentração

Leia mais

FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS

FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS BIOLOGIA FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS Prof. TOSCANO O que você deve saber sobre FISIOLOGIA DAS PLANTAS ANGIOSPERMAS A capacidade de responder a mudanças ambientais e a adaptação a diferentes situações são

Leia mais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais UERJ 2016 e Hormônios Vegetais Material de Apoio para Monitoria 1. O ciclo de Krebs, que ocorre no interior das mitocôndrias, é um conjunto de reações químicas aeróbias fundamental no processo de produção

Leia mais

28/10/2013. HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS

28/10/2013. HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS Vegetais são capazes de controlar seu desenvolvimento e crescimento de acordo com as condições ambientais, e de reagir a estímulos ambientais; Essas atividades são controladas

Leia mais

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL Macro e Micronutrientes: MACRONUTRIENTES: - CO2, Água e Sais Minerais - Hidrogênio, Carbono, Oxigênio, Nitrogênio, Fósforo, Potássio, Magnésio, Enxofre, Potássio, Silício, Cálcio

Leia mais

Biologia Fascículo 05 Lara Regina Parra de Lazzari

Biologia Fascículo 05 Lara Regina Parra de Lazzari Biologia Fascículo 05 Lara Regina Parra de Lazzari Índice Fisiologia Vegetal... 1 Hormônios Vegetais... 1 Floração... 6 Exercícios... 7 Gabarito... 9 Fisiologia Vegetal Hormônios Vegetais Auxina Giberelina

Leia mais

Lista de exercícios de Biologia - revisão geral - 3º ano Valor 2,0 pontos (NT) Profa Deborah

Lista de exercícios de Biologia - revisão geral - 3º ano Valor 2,0 pontos (NT) Profa Deborah Lista de exercícios de Biologia - revisão geral - 3º ano Valor 2,0 pontos (NT) Profa Deborah 1. (Unesp-SP) Um botânico tomou dois vasos, A e B, de uma determinada planta. O vaso A permaneceu como controle

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Ou fitormônios, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas, flores e frutos, responsáveis pelo crescimento

Leia mais

Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Hormônios Vegetais com Gabarito

Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Hormônios Vegetais com Gabarito Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Hormônios Vegetais com Gabarito 1) (FMTM-2001) O ácido indolacético (AIA) atua sobre o crescimento dos caules e raízes dos vegetais superiores. O efeito das diferentes

Leia mais

02 - (UFF RJ/2010) Com base nos conhecimentos sobre anatomia e fisiologia vegetal e nas figuras I e II:

02 - (UFF RJ/2010) Com base nos conhecimentos sobre anatomia e fisiologia vegetal e nas figuras I e II: REINO PLANTAE 01 - (UDESC SC/2011) Os tecidos vegetais fundamentais são aqueles encarregados de uma série de funções, como preenchimento e sustentação. A respeito destes tecidos, analise cada proposição

Leia mais

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

BOTÂNICA: TECIDOS DE SUSTENTAÇÃO E CONDUÇÃO / RAÍZ / CAULE HORMONIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS 2016

BOTÂNICA: TECIDOS DE SUSTENTAÇÃO E CONDUÇÃO / RAÍZ / CAULE HORMONIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS 2016 1. (Unisa - Medicina 2016) A figura 1 mostra uma abelha na flor de uma laranjeira e a figura 2 indica o local em que foi removido um anel completo de um ramo (cintamento ou anel de Malpighi) dessa planta.

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 9 HORMÔNIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS FOTOPERIODISMO

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 9 HORMÔNIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS FOTOPERIODISMO BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 9 HORMÔNIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS ORIENTAÇÕES FOTOPERIODISMO A lista 9 contém questões sobre hormônios e movimentos vegetais. Resolva os exercícios com foco

Leia mais

O movimento da água e dos solutos nas plantas

O movimento da água e dos solutos nas plantas O movimento da água e dos solutos nas plantas A água Princípios do movimento da Água O movimento da água em qualquer sistema é governado por 3 processos: Difusão Osmose Fluxo de massa; Osmose glicose Membrana

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Os fitormônios, como também são chamados os hormônios vegetais, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas,

Leia mais

Fitohormônios na estrutura e no desenvolvimento vegetal

Fitohormônios na estrutura e no desenvolvimento vegetal UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUC CENTR DE CIÊNCIAS BILÓGICAS DEPARTAMENT DE BTÂNICA DISCIPLINA DE ECFISILGIA Fitohormônios na estrutura e no desenvolvimento vegetal Ciclo de vida das plantas Mesmo fixas

Leia mais

ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger)

ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger) ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger) ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger) Não induz

Leia mais

AUXINAS CITOCININAS. Ciclo de vida das plantas Classes Hormonais. Primeiros Experimentos

AUXINAS CITOCININAS. Ciclo de vida das plantas Classes Hormonais. Primeiros Experimentos UIVERSIDADE FEDERAL DE PERAMBUO ETRO DE IÊIAS BIOLÓGIAS DEPARTAMETO DE BOTÂIA DISIPLIA DE EOFISIOLOGIA AUXIAS e ITOIIAS iclo de vida das plantas lasses ormonais inco classes são atualmente reconhecidas

Leia mais

26/6/2012. No Japão, essa doença era chamada de planta boba (bakanae);

26/6/2012. No Japão, essa doença era chamada de planta boba (bakanae); UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO PARTE II PRINCIPAIS CLASSES DE HORMÔNIOS: GIBERELINAS (REGULADORES DA ALTURA DAS PLANTAS) 1. DESCOBERTA 2. OCORRÊNCIA, METABOLISMO E TRANSPORTE 3. PAPEL

Leia mais

ETILENO. Katia Christina Zuffellato-Ribas

ETILENO. Katia Christina Zuffellato-Ribas ETILENO Katia Christina Zuffellato-Ribas ÚNICO HORMÔNIO GASOSO H 2 C = CH 2 1864 GIARDIN (Alemanha) Gás de iluminação desfolha de árvores 1901 NELJUBOV (Rússia) Ervilhas Tríplice reação de Neljubov Tríplice

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento Aula 2: Hormônios Vegetais: Auxinas (Parte I) Prof. Marcelo C. Dornelas Hormônios Vegetais Hormônios vegetais são substâncias orgânicas, produzidas pela

Leia mais

26/6/2012. STEWART (década de 1950) Confirmou os resultados de van Overbeek, ou seja, a água de coco continha várias cinetinas ;

26/6/2012. STEWART (década de 1950) Confirmou os resultados de van Overbeek, ou seja, a água de coco continha várias cinetinas ; UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO PARTE II PRINCIPAIS CLASSES DE HORMÔNIOS: CITOCININAS (REGULADORES DA DIVISÃO CELULAR) 1. DESCOBERTA, IDENTIFICAÇÃO E PROPRIEDADES 2. OCORRÊNCIA, METABOLISMO

Leia mais

Tema 5. Regulação Nervosa e Hormonal nos animais. Hormonas Vegetais. José Carlos Morais

Tema 5. Regulação Nervosa e Hormonal nos animais. Hormonas Vegetais. José Carlos Morais Regulação Nervosa e Hormonal nos animais Hormonas Vegetais José Carlos Morais Sistema Nervoso Sistema Hormonal Homeostasia Capacidade de manter o meio interno em equilíbrio Coordenação Nervosa Nervos Motores

Leia mais

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea Parede primária e secundária Lomandraceae, Monocotiledônea Lamela média Cordia trichotoma Corte transversal caule Parede primária e secundária Parede primária Constituição 65% de água 25% celulose 25%

Leia mais

Potássio, Cálcio e Magnésio

Potássio, Cálcio e Magnésio Nutrição Mineral de Plantas Potássio, Cálcio e Magnésio Josinaldo Lopes Araujo 1. POTÁSSIO 1.1 Aspectos gerais Segundo nutriente mais consumido como fertilizantes no Brasil. A sua principal fonte no solo

Leia mais

Exercícios de Biologia Hormônios Vegetais

Exercícios de Biologia Hormônios Vegetais Exercícios de Biologia Hormônios Vegetais TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufpr) Na(s) questão(ões) a seguir, escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos. 1. A fisiologia vegetal compreende as

Leia mais

DOSSIÊ TÉCNICO. Hormônios Vegetais. Danilo Oddone Universidade de São Paulo - USP

DOSSIÊ TÉCNICO. Hormônios Vegetais. Danilo Oddone Universidade de São Paulo - USP DOSSIÊ TÉCNICO Hormônios Vegetais Danilo Oddone Universidade de São Paulo - USP Janeiro/2012 Hormônios Vegetais O Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas SBRT fornece soluções de informação tecnológica

Leia mais

Por que podamos as árvores?

Por que podamos as árvores? Por que podamos as árvores? A UU L AL A Artur mora numa rua com muitas árvores frondosas. Ele notou que, numa determinada época do ano, os moradores costumam podar as árvores, ou seja, cortam seus galhos.

Leia mais

ARBORICULTURA I. Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias. Por: Augusto Peixe

ARBORICULTURA I. Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias. Por: Augusto Peixe ARBORICULTURA I Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias Por: Augusto Peixe Tipos de Estacas Estacas Caulinares Lenhosas Semi-lenhosas Herbáceas Evolução de meristemas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES Profª. Marcela Carlota Nery Formação da Semente Fonte: Daniel de Granville www.ib.usp.br/beelife www.passionflow.couk/images/nitseed DAG 503 - Fisiologia de Sementes 1 Formação

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Histologia e Morfologia Vegetal Histologia Vegetal Ramo da Botânica que se preocupa em estudar os tecidos vegetais quanto as suas características, organização,

Leia mais

É a parte da Botânica que estuda os tecidos

É a parte da Botânica que estuda os tecidos É a parte da Botânica que estuda os tecidos vegetais - Crescimento Tecidos vegetais -Adultos permanentes -Meristema primário -Meristema secundário -De revestimento -De sustentação -De condução -Parênquimas

Leia mais

CITOCININAS. Katia Christina Zuffellato-Ribas

CITOCININAS. Katia Christina Zuffellato-Ribas CITOCININAS Katia Christina Zuffellato-Ribas 1955 CINETINA (promoção da divisão celular na medula de caules de tabaco) 1964 - ZEATINA CITOCININA = HORMÔNIO DA JUVENILIDADE [0,01 A 1 µm] PRECURSOR: ISOPRENO

Leia mais

MOVIMENTOS DAS PLANTAS

MOVIMENTOS DAS PLANTAS MOVIMENTOS VEGETAIS MOVIMENTOS DAS PLANTAS Movimentos de plantas são muitos sutis e quase não perceptíveis São respostas a estímulos externos (ambientais): luz, gravidade, temperatura, abalo mecânico,

Leia mais

A vermelho: não se percebe o que está na imagem. 5. inibição alongamento hipocótilo (caule) em resposta à luz é mediada:

A vermelho: não se percebe o que está na imagem. 5. inibição alongamento hipocótilo (caule) em resposta à luz é mediada: 5. inibição alongamento hipocótilo (caule) em resposta à luz é mediada: a) em plantas estioladas, pelo fitocromo A, em resposta luz vermelha distante b) simultaneamente (no mesmo período de tempo) pelo

Leia mais

Angeion: urna; Sperma: semente. Raiz: cenoura, beterraba, batata doce, nabo, rabanete. Caule: batata inglesa, cebola e alho

Angeion: urna; Sperma: semente. Raiz: cenoura, beterraba, batata doce, nabo, rabanete. Caule: batata inglesa, cebola e alho ANGIOSPERMAS Angeion: urna; Sperma: semente Também são denominadas por antófitas (anthos = flor), espermáfitas, traqueófitas e fanerógamas É o grupo mais numeroso de todos os vegetais, com cerca de 90%

Leia mais

Morfologia Vegetal. O corpo da planta

Morfologia Vegetal. O corpo da planta Morfologia Vegetal O corpo da planta Os sistemas da planta Meristema apical do caule Sistema caulinar Ou axial Crescimento Modular Fitômeros Plasticidade Fenotípica Sistema radicular Ou absortivo-fixador

Leia mais

CONTROLE DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO POR FATORES INTRÍNSECOS (HORMÔNIOS) INTRODUÇÃO

CONTROLE DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO POR FATORES INTRÍNSECOS (HORMÔNIOS) INTRODUÇÃO CONTROLE DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO POR FATORES INTRÍNSECOS (HORMÔNIOS) INTRODUÇÃO A planta faz muito mais que aumentar simplesmente sua massa em volume a medida que cresce. Ela se diferencia, se

Leia mais

Fototropismo. Introdução. Materiais Necessários

Fototropismo. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução As plantas, como todos os seres vivos, respondem a estímulos ambientais, mas essa resposta, na maioria das vezes, é bem lenta e quase imperceptível. A resposta de algumas plantas a

Leia mais

Tecidos de revestimentos: Epiderme e periderme

Tecidos de revestimentos: Epiderme e periderme Quais são os principais tecidos encontrados no corpo de uma planta? Vigiai, pois, porque não sabeis o dia e nem a hora em que o Filho do homem há de vir. Mateus 25:13 Temos dois grandes grupos Temos dois

Leia mais

Introdução à Fisiologia Vegetal

Introdução à Fisiologia Vegetal UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PÓLO AVANÇADO DE XERÉM GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA CURSO FISIOLOGIA VEGETAL(XBT355) TURMA 2014/2 Introdução à Fisiologia Vegetal Prof. Dr. Silas Pessini Rodrigues

Leia mais

MERISTEMA APICAL DO CAULE

MERISTEMA APICAL DO CAULE MERISTEMA APICAL DO CAULE Células iniciais (divisão lenta) Alta atividade de divisão celular Origem da porção central caulinar Originam primórdios foliares Meristema apical caulinar: Túnica - Corpo t c

Leia mais

FISIOLOGIA VEGETAL. Organização da célula vegetal e da planta

FISIOLOGIA VEGETAL. Organização da célula vegetal e da planta FISIOLOGIA VEGETAL Organização da célula vegetal e da planta cianobactéria Complexidade ipê Eucariotos: - aumento da complexidade genética - aumento da complexidade celular Woese (1987): baseado na filogenia

Leia mais

SUMÁRIO. Raven Biologia Vegetal. Amostras de páginas não sequenciais e em baixa resolução. Copyright 2014 Editora Guanabara Koogan Ltda.

SUMÁRIO. Raven Biologia Vegetal. Amostras de páginas não sequenciais e em baixa resolução. Copyright 2014 Editora Guanabara Koogan Ltda. SUMÁRIO Introdução, 1 1 Botânica Introdução, 2 Evolução das plantas, 3 Evolução das comunidades, 8 Aparecimento dos seres humanos, 10 seção 1 Biologia da Célula Vegetal, 17 2 Composição Molecular das Células

Leia mais

Raiz Morfologia Tipos de raízes MORFOLOGIA E ANATOMIA DA RAIZ

Raiz Morfologia Tipos de raízes MORFOLOGIA E ANATOMIA DA RAIZ MORFOLOGIA E ANATOMIA DA RAIZ Exemplares Características gerais e funções Exemplares Características gerais e funções Absorção e condução de água e sais minerais; Acúmulo de nutrientes; Fixação da planta

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA ESTRUTURAS DE MADEIRA CLASSIFICAÇÃO DA MADEIRA AULA 2 EDER BRITO Classificação das árvores Pela Botânica as árvores são classificadas como vegetais superiores, denominados de fanerógamas, que apresentam

Leia mais

Reprodução nas plantas. Apresentação feita por Prof. Mónica Moreira

Reprodução nas plantas. Apresentação feita por Prof. Mónica Moreira Reprodução nas plantas Apresentação feita por Como se reproduzem as plantas com flor? As plantas com flor reproduzem-se por sementes, que resultam da reprodução sexuada, que ocorre quando as células sexuais

Leia mais

HORMÔNIOS DE PLANTAS: UMA PROSPECÇÃO SOBRE SUAS DESCOBERTAS E APLICAÇÕES

HORMÔNIOS DE PLANTAS: UMA PROSPECÇÃO SOBRE SUAS DESCOBERTAS E APLICAÇÕES 1 HORMÔNIOS DE PLANTAS: UMA PROSPECÇÃO SOBRE SUAS DESCOBERTAS E APLICAÇÕES Bruna Zeny Ferreira 1 Daiane Garabeli Trojan 2 Resumo: Os hormônios vegetais são responsáveis por um dos principais efeitos fisiológicos

Leia mais

Equilíbrio fisiológico e nutricional: pilares para produtividade e qualidade do cafeeiro

Equilíbrio fisiológico e nutricional: pilares para produtividade e qualidade do cafeeiro I CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO CAFÉ YARA BRASIL FERTILZANTES S.A. Hotel Resort Bourbon -Atibaia MG -2016 Equilíbrio fisiológico e nutricional: pilares para produtividade e qualidade do cafeeiro Prof. José

Leia mais

FISIOLOGIA DA FLORAÇÃO

FISIOLOGIA DA FLORAÇÃO UNIDADE XX Controle do florescimento 1. INTRODUÇÃO 2. MERISTEMAS FLORAIS E DESENVOLVIMENTO DE ÓRGÃOS FLORAIS 3. EVOCAÇÃO FLORAL: SINAIS INTERNOS E EXTERNOS 4. O ÁPICE DO CAULE E AS MUDANÇAS DE FASE 5.

Leia mais

Tecidos Vegetais. Professor: Vitor Leite

Tecidos Vegetais. Professor: Vitor Leite Tecidos Vegetais Professor: Vitor Leite TECIDOS MERISTEMÁTICOS (MERISTEMAS) Localização: ápices de todas as raízes e caules e gemas laterais. Função: Crescimento longitudinal(comprimento). Originam tecidos

Leia mais

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO Morfogénese Acontecimentos estruturais e fisiológicos que participam no desenvolvimento de uma planta, desde a célula reprodutora ou vegetativa até ao indivíduo adulto. Diferenciação

Leia mais

UNIDADE VI TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA

UNIDADE VI TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA UNIDADE VI TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA 1 introdução 2 vias de translocação 3 padrões de translocação (fonte para o dreno) 4 material translocado pelo floema 5 carregamento do floema 6 - descarregamento

Leia mais

31. Com relação aos principais componentes orgânicos celulares, assinale a afirmativa INCORRETA.

31. Com relação aos principais componentes orgânicos celulares, assinale a afirmativa INCORRETA. PASES 1 a ETAPA TRIÊNIO 2004-2006 1 o DIA GABARITO 1 19 BIOLOGIA QUESTÕES DE 31 A 40 31. Com relação aos principais componentes orgânicos celulares, assinale a afirmativa INCORRETA. a) Proteínas, quando

Leia mais

Nome: 2º ANO A Nº Disciplina Biologia Professor: Marcelo Corte Real

Nome: 2º ANO A Nº Disciplina Biologia Professor: Marcelo Corte Real Data: Bimestre : 3º Nome: 2º ANO A Nº Disciplina Biologia Professor: Marcelo Corte Real : Valor da Prova / Atividade: 2,0 Nota: Objetivo / Instruções: Lista de Exercicios 3 Bimestre 1. (FUVEST) Com relação

Leia mais

Parte subterrânea da planta, funções:

Parte subterrânea da planta, funções: Parte subterrânea da planta, funções: Absorção (água e substâncias dissolvidas nela); Condução (até a parte aérea); Fixação da planta no solo; Reserva (cenoura, rabanete...) Primeira das partes embrionárias

Leia mais

MATERIAL TÉCNICO aminoácidos + micronutrientes CANA-PLANTA

MATERIAL TÉCNICO aminoácidos + micronutrientes CANA-PLANTA MATERIAL TÉCNICO aminoácidos + micronutrientes CANA-PLANTA TRATAMENTO EM CANA-PLANTA objetivos oferecer produtos que estimulem a emissão de raízes iniciais do tolete; aumentar a velocidade de brotação

Leia mais

PROFESSOR: FreD. ALUNO (a):

PROFESSOR: FreD. ALUNO (a): GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: FreD DISCIPLINA: Biologia SÉRIE: 2 ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem Questão 01) O coqueiro (Cocos nucifera) é uma monocotiledônea de grande porte. Suas flores,

Leia mais

Cap. 6 Citoplasma e Organelas

Cap. 6 Citoplasma e Organelas Cap. 6 Citoplasma e Organelas CITOPLASMA Características gerais: Kytos célula / Plasma Líquido Em PROCARIONTES: Líquido viscoso Citosol + DNA (nucleoide + plasmídios) + ribossomos Ausência de membranas

Leia mais

Reino Plantae. Todos os seres incluídos no Reino Plantae são: EUCARIONTES PLURICELULARES AUTÓTROFOS

Reino Plantae. Todos os seres incluídos no Reino Plantae são: EUCARIONTES PLURICELULARES AUTÓTROFOS Reino Plantae Reino Plantae Todos os seres incluídos no Reino Plantae são: EUCARIONTES PLURICELULARES AUTÓTROFOS A clorofila encontra-se dentro dos plastos (também chamados de cloroplastos). Cloroplastos

Leia mais

TECIDOS VEGETAIS BOTÂNICA

TECIDOS VEGETAIS BOTÂNICA TECIDOS VEGETAIS BOTÂNICA Histologia Vegetal Quais são os principais tecidos encontrados no corpo de uma planta? 1 Tecidos meristemáticos ou embrionários tecidos meristemáticos primários tecidos meristemáticos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA CÓDIGO AGR 026 PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA FISIOLOGIA VEGETAL CENTRO Ciências Agrárias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Código Denominação DISCIPLINA Crédito(s) (*) Carga Horária Teórica Prática Total PFV 503 FISIOLOGIA

Leia mais

DEFICIÊNCIA DE NITROGÊNIO

DEFICIÊNCIA DE NITROGÊNIO Nutrição Mineral de Plantas NITROGÊNIO 21/T DEFICIÊNCIA DE NITROGÊNIO Nutrição Mineral de Plantas NITROGÊNIO 22/T DEFICIÊNCIA DE NITROGÊNIO Nutrição Mineral de Plantas 23/T FÓSFORO P no solo + limitante

Leia mais

Prof. Dr. Miguel Angelo Mutton. Departamento de Produção Vegetal e de Tecnolo FCAV/UNESP Campus de Jaboticabal

Prof. Dr. Miguel Angelo Mutton. Departamento de Produção Vegetal e de Tecnolo FCAV/UNESP Campus de Jaboticabal Prof. Dr. Miguel Angelo Mutton Departamento de Produção Vegetal e de Tecnolo FCAV/UNESP Campus de Jaboticabal 1. INTRODUÇÃO Característica desejável para o melhorista e indesejável para o produtor Época

Leia mais

Compreender a importância do transporte das plantas na distribuição de substâncias fundamentais para o seu metabolismo celular.

Compreender a importância do transporte das plantas na distribuição de substâncias fundamentais para o seu metabolismo celular. Compreender a importância do transporte das plantas na distribuição de substâncias fundamentais para o seu metabolismo celular. Reconhecer que a complexidade os sistemas de transporte resulta de processos

Leia mais

FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs

FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs FISIOLOGIA VEGETAL APLICADA EM CANA-DE-AÇÚCAR Paulo Castro STAB CANAOESTE - Sertãozinho SP FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs Prof. Dr. Paulo A. M. de Figueiredo Engenheiro Agrônomo

Leia mais

Fitofortificante INFORME TÉCNICO

Fitofortificante INFORME TÉCNICO Fitofortificante INFORME TÉCNICO GREETNAL WIZ GREETNAL WIZ Extracto de algas GREETNAL WIZ é um extracto puro de algas (Ascophyllum nodosum) procedentes das costas do Atlântico Norte. GREETNAL WIZ proporciona

Leia mais

ANGIOSPERMAS II. 2. (Unesp 2016) Considere o seguinte experimento:

ANGIOSPERMAS II. 2. (Unesp 2016) Considere o seguinte experimento: 1. (Fmp 2016) Há mais de 300 anos, o cientista italiano Marcello Malpighi realizou um experimento no qual ele retirou um anel de casca do tronco de uma árvore. Com o passar do tempo, a casca intumesceu

Leia mais

Reprodução das Plantas

Reprodução das Plantas Reprodução das Plantas Plantas com flor Nas plantas com flor, é a flor, a responsável pela reprodução, pois é no interior das suas pétalas que se encontram os órgãos de reprodução. Tipos de flor: Flores

Leia mais

Disciplina: Ciências 8º ano Turma: CONHECENDO OS CARBOIDRATOS

Disciplina: Ciências 8º ano Turma: CONHECENDO OS CARBOIDRATOS Disciplina: Ciências Ficha nº 8º ano Turma: CONHECENDO OS CARBOIDRATOS Nesta ficha você conhecerá: O que são os carboidratos; Onde encontrar os carboidratos; A diferença entre carboidratos de alto e baixo

Leia mais

CITOPLASMA E ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Instituto Federal de Santa Catarina Curso de Biotecnologia Prof. Paulo Calixto

CITOPLASMA E ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Instituto Federal de Santa Catarina Curso de Biotecnologia Prof. Paulo Calixto CITOPLASMA E ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS Instituto Federal de Santa Catarina Curso de Biotecnologia Prof. Paulo Calixto 1943 1944 1953 1956 1961-66 1973 1975 1982 1988 1990 1996 2000-03 Biotecnologia Algumas

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Aula 11 Morfologia e anatomia da folha...1 Aula 12 Morfologia e anatomia da flor...2 Aula 13 Morfologia e anatomia da semente e do fruto...4 Aula 14 Fisiologia da absorção

Leia mais

Disciplina: Fisiologia Vegetal

Disciplina: Fisiologia Vegetal Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA) Disciplina: Fisiologia Vegetal FISIOLOGIA DA SEMENTE Professor: Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa Belém Pará 2012 GERMINAÇÃO Fonte:

Leia mais

Efeito do Tratamento de Sementes com Fitormônio Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays)

Efeito do Tratamento de Sementes com Fitormônio Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays) Efeito do Tratamento de Sementes com Fitormônio Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays) Amadeu J. de Melo Neto 1, Ernane R. da Costa 1, Marcelo M. Pereira 1, Flávio P. dos Santos 1 e Luiz

Leia mais

FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL

FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL Profa. Dra. Helenice Mercier Dep. de Botânica USP Laboratório de Fisilogia Vegetal FOTOMORFOGÊNESE O QUE AS PLANTAS ENXERGAM? FOTOMORFOGÊNESE DIREÇÃO INTENSIDADE

Leia mais

A Química da Vida. Gabriela Eckel

A Química da Vida. Gabriela Eckel A Química da Vida Gabriela Eckel Água A água é um composto químico formado por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio. Sua fórmula química é H2O. Porém, um conjunto de outras substâncias como, por

Leia mais

METABOLISMO CELULAR PROCESSOS E MOLÉCULAS ESPECÍFICAS 06/08/2015. Oxidação: ocorre a saída de um átomo H; Redução: envolve o ganho de um átomo H.

METABOLISMO CELULAR PROCESSOS E MOLÉCULAS ESPECÍFICAS 06/08/2015. Oxidação: ocorre a saída de um átomo H; Redução: envolve o ganho de um átomo H. METABOLISMO CELULAR É o conjunto de reações químicas que ocorrem na célula para que ela possa desempenhar suas atividades. + Pi + Energia As moléculas de não podem ser estocadas, desse modo, as células

Leia mais

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra Fibra alimentar - definição No Brasil, o Ministério da Saúde, pela portaria 41 de 14 de janeiro de 1998, da Agência Nacional

Leia mais

Metabolismo dos Glicídios

Metabolismo dos Glicídios QUÍMCA E BIOQUÍMICA Curso Técnico em Nutrição e Dietética Metabolismo dos Glicídios Professor: Adriano Silva Os hidratos de carbono são as biomoléculas mais abundantes do nosso planeta 100b de toneladas

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Fisiologia Vegetal Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Unidade: Fotossíntese Fase química ou de fixação/redução de carbono da fotossíntese: Todos os organismo que fotossintetizam precisam

Leia mais

Carboidrato. Curso: Farmácia 3º período Prof. Helder Braz Maia

Carboidrato. Curso: Farmácia 3º período Prof. Helder Braz Maia Carboidrato Curso: Farmácia 3º período Prof. Helder Braz Maia Introdução O que são os carboidratos? Conhecidos como hidratos de carbono, sacarídeos ou açúcares; São as biomoléculas mais abundantes na natureza.

Leia mais

RAIZ, CAULE E FOLHA / TECIDOS PROTETORES E MERISTEMÁTICOS TROCAS GASOSAS / TRANSPIRAÇÃO E RESPIRAÇÃO 2016

RAIZ, CAULE E FOLHA / TECIDOS PROTETORES E MERISTEMÁTICOS TROCAS GASOSAS / TRANSPIRAÇÃO E RESPIRAÇÃO 2016 1. (Unisa - Medicina 2016) A figura 1 mostra uma abelha na flor de uma laranjeira e a figura 2 indica o local em que foi removido um anel completo de um ramo (cintamento ou anel de Malpighi) dessa planta.

Leia mais

2. Efeito da variação dos factores ambientais no desenvolvimento das plantas

2. Efeito da variação dos factores ambientais no desenvolvimento das plantas Fisiologia Vegetal 2014 DESENVOLVIMENTO VEGETAL 1. Sinais e receptores 1.1. Introdução: sinais, receptores e vias de transdução do sinal 1.2. Mensageiros secundários. 1.3. Vias de transdução do sinal.

Leia mais

AULA 3. Propagação assexuada Estaquia Tipos de estacas Coleta e Confecção do Material Desinfestação Aplicação de Reguladores Vegetais Auxinas

AULA 3. Propagação assexuada Estaquia Tipos de estacas Coleta e Confecção do Material Desinfestação Aplicação de Reguladores Vegetais Auxinas AULA 3 Propagação assexuada Estaquia Tipos de estacas Coleta e Confecção do Material Desinfestação Aplicação de Reguladores Vegetais Auxinas Katia Christina Zuffellato-Ribas ESTAQUIA TIPOS DE ESTACAS:

Leia mais

Eng Agr MsC Humberto Vinicius Vescove Consultor FORBB

Eng Agr MsC Humberto Vinicius Vescove Consultor FORBB Eng Agr MsC Humberto Vinicius Vescove Consultor FORBB Atuando em aproximadamente 20 mil há (SP e MG) Estimativa de safra Manejo Fitossanitário Nutrição Irrigação Projetos Manejo de irrigação (água) e fertirrigação

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências da Natureza Disciplina: Biologia Série: 2ª - Ensino Médio Professor: Pascoal Belico Cária Biologia Atividades para Estudos Autônomos Data: 28 / 03 / 2016 Aluno(a):

Leia mais

Classificação LIPÍDIOS

Classificação LIPÍDIOS LIPÍDIOS DEFINIÇÃO Substâncias caracterizadas pela sua baixa solubilidade em água e alta solubilidade em solventes orgânicos. Suas propriedades físicas refletem a natureza hidrofóbica das suas estruturas

Leia mais