O que é hormônio? Qual a diferença entre os termos hormônio vegetal e regulador de crescimento?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que é hormônio? Qual a diferença entre os termos hormônio vegetal e regulador de crescimento?"

Transcrição

1 Hormônios Vegetais

2 O que é hormônio? Qual a diferença entre os termos hormônio vegetal e regulador de crescimento?

3 AUXINAS

4 Breve histórico Dos experimentos sobre fototropismo, Darwin concluiu que um estímulo de crescimento é produzido no ápice do coleóptilo e transmitido à zona de crescimento Boysen-Jensen descobriu que o estímulo de crescimento passa através de gelatina, mas não de barreiras impermeáveis à água como a mica.

5 A. Paál forneceu evidências de que o estímulo promotor de crescimento produzido no ápice era de natureza química. F. W. Went mostrou que a substância promotora de crescimento pode se difundir em um bloco de gelatina. Ele também desenvolveu um ensaio para análise quantitativa de auxinas (bioteste).

6

7 Biossíntese Triptofano ác.indol-3-pirúvico triptamina indol-3-acetaldeído AIA ác. indol-3-acetonitrila

8

9 Estrutura de algumas auxinas sintéticas. A maioria destas moléculas é usada como herbicidas na agricultura. Os mais utilizados são provavelmente o dicamba e o 2,4-D, os quais não são passíveis de quebra pela planta e são muito estáveis.

10 Transporte

11

12

13 Inibidores do transporte de auxinas

14 Efeitos fisiológicos 1. Alongamento celular (Crescimento)

15

16

17

18 Auxin works in a cell by binding specifically to a protein called TIR1. The combination of TIR1 and auxin, along with a couple of other proteins, destroys a repressor protein that stops growth genes from being expressed. Once these growth genes are activated, they are expressed and produce proteins that control plant growth. Growth genes could include those that promote cell elongation and division, or differentiation. This new understanding of how auxin works does not tell us everything about how auxin promotes root formation, branch suppression and all its other roles. It gives scientists new ways to do experiments to reveal these details.

19 2. Dominância apical

20

21 3. Desenvolvimento de frutos

22

23 4. Fototropismo e gravitropismo

24

25 Respostas dependentes da concentração

26 Aplicações comerciais 1. Enraizamento de estacas

27 Calycanthus floridus

28 2. Herbicida O 2,4-D é a auxina sintética mais utilizada como herbicida 3. Outras aplicações Uniformizar a floração do abacaxi; Retardar a queda de frutos e folhas; Indução de frutos partenocárpicos; Biotecnologia (micropropagação de plantas).

29 GIBERELINAS

30 Histórico

31 Biossíntese A partir daqui envolve plastídeo, retículo endoplasmático e citosol

32

33 A biossíntese em três estágios

34

35 Inibidores da biossíntese de giberelinas Estágio 1 Estágio 2 Figure 4 The structures of chlormequat chloride (also known as cycocel), mepiquat chloride and AMO Estágio 3 Figure 5 The structures of paclobutrazol and uniconazole-p. Figure 6 The structures of prohexadione calcium (BX-112) and daminozide.

36 Regulação da biossíntese pelo fotoperíodo Espinafre LD + AMO LD + AMO + GA3 LD

37 Transporte Efeitos fisiológicos 1. Alongamento caulinar (entrenós)

38

39 2. Floração [GA]

40 3. Determinação sexual Espécies que apresentam flores unissexuadas Milho: flores estaminadas (masculinas) são restritas ao pendão e as pistiladas (femininas) à espiga. Exposição a dias curtos e noites frias aumenta os níveis de GAs endógenas em 100X no pendão e causa afeminação de suas flores. Aplicação de GAs aos pendões tem o mesmo efeito. (supressão do desenvolvimento do estame). Dicotiledôneas (abóbora, cânhamo, espinafre): Efeito oposto. Nestas espécies a aplicação de GAs promove a formação de flores estaminadas, e inibidores da biossíntese de GAs promovem a formação de flores pistiladas.

41 4. Desenvolvimento de frutos Gibberellin induces growth in Thompson s seedless grapes. The bunch on the left is an untreated control. The bunch on the right was sprayed with GA3 during fruit development. ( Sylvan Wittwer/Visuals Unlimited.)

42 5. Germinação de sementes

43 Aplicações Comerciais GA 4 é utilizada para promover pegamento de frutos em maçã e pera.

44 Pós-colheita de flores Sem GA Com GA

45 Uso de Inibidores da síntese de giberelinas Redução do crescimento em plantas ornamentais envasadas Anti-acamamento em cereais e gramíneas Indução de florescimento em mangueira Maturador em cana-de-açúcar

46 Obrigada! Estudem sempre!!!

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo Prof.: Eduardo Fitormônios: É um composto orgânico sintetizado em alguma parte do vegetal que pode ser transportado para outra parte e assim em concentrações muito baixas causar uma resposta fisiológica

Leia mais

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Interações de fatores no desenvolvimento vegetal Genoma da planta Codificação de enzimas catalisadoras de reações bioquímicas de desenvolvimento Estímulos ambientais

Leia mais

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio

Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio Hormonas vegetais Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio Em resposta a factores externos, as plantas produzem mensageiros químicos, as hormonas vegetais

Leia mais

Todos os seres vivos apresentam uma série de respostas a estímulos exteriores, tais como a luz, a temperatura, a gravidade, o fotoperíodo ou o toque

Todos os seres vivos apresentam uma série de respostas a estímulos exteriores, tais como a luz, a temperatura, a gravidade, o fotoperíodo ou o toque HORMONAS VEGETAIS Todos os seres vivos apresentam uma série de respostas a estímulos exteriores, tais como a luz, a temperatura, a gravidade, o fotoperíodo ou o toque mecânico (contacto). Apesar de não

Leia mais

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA aaa Aspectos hormonais do crescimento fitormônios e reguladores de crescimento a Prof. Leonardo Cury Bento Gonçalves/RS 1 Introdução! Hormônio: Palavra de origem grega

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PAULO R. C. CASTRO ESALQ/USP CANA-DE-AÇÚCAR: HORMÔNIOS E REGULADORES HORMÔNIOS VEGETAIS Flor AX, BR Meristema AX, GA, BR Folha jovem AX, GA Caule jovem - GA Semente imatura AX,

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO Crescimento Inibição Produção Raízes Gemas Caules Produção de Etileno 10-11 10-9 10-7 10-5 10-3 10-1 Concentração

Leia mais

HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS

HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS São substâncias ativas, em quantidades mínimas que induzem efeitos especiais crescimento e desenvolvimento vegetal ( estimulando ou inibindo ). Ex. Auxinas, Giberelinas,

Leia mais

26/6/2012. No Japão, essa doença era chamada de planta boba (bakanae);

26/6/2012. No Japão, essa doença era chamada de planta boba (bakanae); UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO PARTE II PRINCIPAIS CLASSES DE HORMÔNIOS: GIBERELINAS (REGULADORES DA ALTURA DAS PLANTAS) 1. DESCOBERTA 2. OCORRÊNCIA, METABOLISMO E TRANSPORTE 3. PAPEL

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento Aula 2: Hormônios Vegetais: Auxinas (Parte I) Prof. Marcelo C. Dornelas Hormônios Vegetais Hormônios vegetais são substâncias orgânicas, produzidas pela

Leia mais

COORDENAÇÃO HORMONAL NAS PLANTAS

COORDENAÇÃO HORMONAL NAS PLANTAS COORDENAÇÃO HORMONAL NAS PLANTAS O crescimento e o desenvolvimento normal das plantas é regulado, em grande parte, por hormonas, dependendo, no entanto, de factores genéticos e ambientais. Dos fatores

Leia mais

FISIOLOGIA VEGETAL. Prof. Tiago Vianna

FISIOLOGIA VEGETAL. Prof. Tiago Vianna Prof. Tiago Vianna FOTOSSÍNTESE : PRODUÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA OBTENÇÃO DE ÁGUA E SAIS PELA PLANTA XILEMA(LENHO) : tecido morto de condução e sustentação XILEMA(LENHO) : tecido morto de condução e sustentação

Leia mais

UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO

UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO PARTE I INFORMAÇÕES GERAIS 1. INTRODUÇÃO 2. CONCEITOS 3. IDENTIFICAÇÃO DE HORMÔNIOS 3.1. BIOENSAIOS 3.2. ANÁLISE INSTRUMENTAL 3.3. IMUNOENSAIOS 4. MECANISMO

Leia mais

ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger)

ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger) ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger) ÁCIDO ABSCÍSICO Hormônio sinalizador para a maturação de sementes e antiestresse (Taiz & Zeiger) Não induz

Leia mais

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL PARTE II- NUTRIÇÃO ORGÂNICA E HORMÔNIOS VEGETAIS Cita e explica os 4 fatores que interferem na fotossíntese. Temperatura Concentração CO2 na atmosfera Intensidade e Comprimento

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Os fitormônios, como também são chamados os hormônios vegetais, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas,

Leia mais

MOVIMENTOS DAS PLANTAS

MOVIMENTOS DAS PLANTAS MOVIMENTOS VEGETAIS MOVIMENTOS DAS PLANTAS Movimentos de plantas são muitos sutis e quase não perceptíveis São respostas a estímulos externos (ambientais): luz, gravidade, temperatura, abalo mecânico,

Leia mais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais UERJ 2016 e Hormônios Vegetais Material de Apoio para Monitoria 1. O ciclo de Krebs, que ocorre no interior das mitocôndrias, é um conjunto de reações químicas aeróbias fundamental no processo de produção

Leia mais

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS

PRINCIPAIS FITORMÔNIOS FITORMÔNIOS São substâncias orgânicas químicas que atuam em diferentes partes do vegetal, como raiz, caule, folha, flor e fruto. São sintetizados em pequenas porções. Responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento

Leia mais

O que as plantas enxergam?

O que as plantas enxergam? Fotomorfogênese O que as plantas enxergam? Como as plantas enxergam? Luz (λ=nm) Fotomorgênese A luz é um importante fator ambiental para as plantas, não somente para a fotossintese, mas também para a sua

Leia mais

HORMÔNIOS VEGETAIS. Katia Christina Zuffellato-Ribas

HORMÔNIOS VEGETAIS. Katia Christina Zuffellato-Ribas HORMÔNIOS VEGETAIS Katia Christina Zuffellato-Ribas HORMÔNIO VEGETAL COMPOSTO ORGÂNICO, NÃO NUTRIENTE, DE OCORRÊNCIA NATURAL, PRODUZIDO NA PLANTA, O QUAL, EM BAIXAS CONCENTRAÇÕES (10-4 A 10-6 M), PROMOVE,

Leia mais

Regulação do crescimento e desenvolvimento vegetal:

Regulação do crescimento e desenvolvimento vegetal: Regulação do crescimento e desenvolvimento vegetal: Fatores externos de controle LCE SLC0622- Biologia 3 2016 Tropismo Resposta de crescimento envolvendo a curvatura de uma parte da planta em resposta

Leia mais

FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL

FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL FOTOMORFOGÊNESE: A LUZ COMO SINAL AMBIENTAL Profa. Dra. Helenice Mercier Dep. de Botânica USP Laboratório de Fisilogia Vegetal FOTOMORFOGÊNESE O QUE AS PLANTAS ENXERGAM? FOTOMORFOGÊNESE DIREÇÃO INTENSIDADE

Leia mais

BIOLOGIA E FISIOLOGIA DE PLANTAS FORRAGEIRAS

BIOLOGIA E FISIOLOGIA DE PLANTAS FORRAGEIRAS BIOLOGIA E FISIOLOGIA DE PLANTAS FORRAGEIRAS A pastagem vista como um ecossistema Crescimento de uma gramínea Crescimento de uma leguminosa Do que as plantas precisam para crescer? Fotossíntese Quanto

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Fisiologia Vegetal 1. Conceito: Ramo da botânica destinado a estudar as funções vitais das plantas. Absorção; Transpiração; Condução; Fotossíntese; Fotoperíodos;

Leia mais

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea Parede primária e secundária Lomandraceae, Monocotiledônea Lamela média Cordia trichotoma Corte transversal caule Parede primária e secundária Parede primária Constituição 65% de água 25% celulose 25%

Leia mais

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

Lista de exercícios de Biologia - revisão geral - 3º ano Valor 2,0 pontos (NT) Profa Deborah

Lista de exercícios de Biologia - revisão geral - 3º ano Valor 2,0 pontos (NT) Profa Deborah Lista de exercícios de Biologia - revisão geral - 3º ano Valor 2,0 pontos (NT) Profa Deborah 1. (Unesp-SP) Um botânico tomou dois vasos, A e B, de uma determinada planta. O vaso A permaneceu como controle

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Natália A. Paludetto

Fisiologia Vegetal. Natália A. Paludetto 0 Fisiologia Vegetal Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Fisiologia da água e dos sais minerais Solo Raízes planta! Água + SMs Absorção de água pela raiz: Zona

Leia mais

28/10/2013. HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS

28/10/2013. HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS HORMÔNIOS VEGETAIS ou FITORMÔNIOS Vegetais são capazes de controlar seu desenvolvimento e crescimento de acordo com as condições ambientais, e de reagir a estímulos ambientais; Essas atividades são controladas

Leia mais

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Recuperação do 3 Bimestre disciplina :Biologia Conteúdo: Evolução Biológica II: teoria sintética ou moderna da evolução, mutação, isolamento geográfico, isolamento

Leia mais

EFEITO DE REGULADOR DE CRESCIMENTO SOBRE A GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INICIAL DO ALGODOEIRO

EFEITO DE REGULADOR DE CRESCIMENTO SOBRE A GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INICIAL DO ALGODOEIRO EFEITO DE REGULADOR DE CRESCIMENTO SOBRE A GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INICIAL DO ALGODOEIRO Celma Lidiane Diogo de Lima 1, Virgínea de Araújo Farias 1, Liv Soares Severino 2, Napoleão Esberard de Macêdo

Leia mais

Tipos de propagação de plantas. Propagação de plantas. Propagação sexuada ou seminífera. Agricultura geral. Vantagens da propagação sexuada

Tipos de propagação de plantas. Propagação de plantas. Propagação sexuada ou seminífera. Agricultura geral. Vantagens da propagação sexuada Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

Campus de Botucatu PLANO DE ENSINO. DISCIPLINA: Fisiologia Vegetal II: Desenvolvimento ( X ) OBRIGATÓRIA DO NÚCLEO COMUM

Campus de Botucatu PLANO DE ENSINO. DISCIPLINA: Fisiologia Vegetal II: Desenvolvimento ( X ) OBRIGATÓRIA DO NÚCLEO COMUM PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO CURSO: Ciências Biológicas MODALIDADE: ( X ) Bacharelado ( X ) Licenciatura DISCIPLINA: Fisiologia Vegetal II: Desenvolvimento ( X ) OBRIGATÓRIA DO NÚCLEO COMUM ÁREA COMPLEMENTAR:

Leia mais

Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Hormônios Vegetais com Gabarito

Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Hormônios Vegetais com Gabarito Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Hormônios Vegetais com Gabarito 1) (FMTM-2001) O ácido indolacético (AIA) atua sobre o crescimento dos caules e raízes dos vegetais superiores. O efeito das diferentes

Leia mais

AUXINAS CITOCININAS. Ciclo de vida das plantas Classes Hormonais. Primeiros Experimentos

AUXINAS CITOCININAS. Ciclo de vida das plantas Classes Hormonais. Primeiros Experimentos UIVERSIDADE FEDERAL DE PERAMBUO ETRO DE IÊIAS BIOLÓGIAS DEPARTAMETO DE BOTÂIA DISIPLIA DE EOFISIOLOGIA AUXIAS e ITOIIAS iclo de vida das plantas lasses ormonais inco classes são atualmente reconhecidas

Leia mais

FOTOMORFOGÊNESE e MOVIMENTOS EM PLANTAS

FOTOMORFOGÊNESE e MOVIMENTOS EM PLANTAS FOTOMORFOGÊNESE e MOVIMENTOS EM PLANTAS Profa. Dra. Helenice Mercier Laboratório de Fisilogia Vegetal FOTOMORFOGÊNESE: a luz como sinal ambiental O QUE AS PLANTAS ENXERGAM? FOTOMORFOGÊNESE DIREÇÃO INTENSIDADE

Leia mais

Unidade XI Transdução de sinal. Introdução

Unidade XI Transdução de sinal. Introdução Unidade XI Transdução de sinal 1. Introdução 2. Transdução de sinal em células vegetais e animais 3. Transdução de sinal no espaço e no tempo Introdução Desde os estudos clássicos, os pesquisadores têm

Leia mais

Introdução à Fisiologia Vegetal

Introdução à Fisiologia Vegetal UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PÓLO AVANÇADO DE XERÉM GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA CURSO FISIOLOGIA VEGETAL(XBT355) TURMA 2014/2 Introdução à Fisiologia Vegetal Prof. Dr. Silas Pessini Rodrigues

Leia mais

Os sinais internos da planta

Os sinais internos da planta Os sinais internos da planta O controlo da proliferação e divisão celular ao longo do desenvolvimento depende, na maioria dos casos, da acção concertada das hormonas vegetais Auxinas e citocininas as mais

Leia mais

GIBERELINAS. Katia Christina Zuffellato-Ribas

GIBERELINAS. Katia Christina Zuffellato-Ribas GIBERELINAS Katia Christina Zuffellato-Ribas GIBERELINAS 1926 Kurosawa BAKANAE (DOENÇA DAS PLANTINHAS LOUCAS) Gibberella fujikuroi FUNGO CAUSADOR DO ALONGAMENTO EXAGERADO EM PLANTAS DE ARROZ GIBERELINAS

Leia mais

BOTÂNICA: TECIDOS DE SUSTENTAÇÃO E CONDUÇÃO / RAÍZ / CAULE HORMONIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS 2016

BOTÂNICA: TECIDOS DE SUSTENTAÇÃO E CONDUÇÃO / RAÍZ / CAULE HORMONIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS 2016 1. (Unisa - Medicina 2016) A figura 1 mostra uma abelha na flor de uma laranjeira e a figura 2 indica o local em que foi removido um anel completo de um ramo (cintamento ou anel de Malpighi) dessa planta.

Leia mais

02 - (UFF RJ/2010) Com base nos conhecimentos sobre anatomia e fisiologia vegetal e nas figuras I e II:

02 - (UFF RJ/2010) Com base nos conhecimentos sobre anatomia e fisiologia vegetal e nas figuras I e II: REINO PLANTAE 01 - (UDESC SC/2011) Os tecidos vegetais fundamentais são aqueles encarregados de uma série de funções, como preenchimento e sustentação. A respeito destes tecidos, analise cada proposição

Leia mais

AULA 3. Propagação assexuada Estaquia Tipos de estacas Coleta e Confecção do Material Desinfestação Aplicação de Reguladores Vegetais Auxinas

AULA 3. Propagação assexuada Estaquia Tipos de estacas Coleta e Confecção do Material Desinfestação Aplicação de Reguladores Vegetais Auxinas AULA 3 Propagação assexuada Estaquia Tipos de estacas Coleta e Confecção do Material Desinfestação Aplicação de Reguladores Vegetais Auxinas Katia Christina Zuffellato-Ribas ESTAQUIA TIPOS DE ESTACAS:

Leia mais

FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS

FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS BIOLOGIA FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS Prof. TOSCANO O que você deve saber sobre FISIOLOGIA DAS PLANTAS ANGIOSPERMAS A capacidade de responder a mudanças ambientais e a adaptação a diferentes situações são

Leia mais

ETILENO. Katia Christina Zuffellato-Ribas

ETILENO. Katia Christina Zuffellato-Ribas ETILENO Katia Christina Zuffellato-Ribas ÚNICO HORMÔNIO GASOSO H 2 C = CH 2 1864 GIARDIN (Alemanha) Gás de iluminação desfolha de árvores 1901 NELJUBOV (Rússia) Ervilhas Tríplice reação de Neljubov Tríplice

Leia mais

INDUÇÃO DE RAÍZES EM ESTACAS DO ALGODOEIRO ARBÓREO EM CONDIÇÕES EX VITRO

INDUÇÃO DE RAÍZES EM ESTACAS DO ALGODOEIRO ARBÓREO EM CONDIÇÕES EX VITRO INDUÇÃO DE RAÍZES EM ESTACAS DO ALGODOEIRO ARBÓREO EM CONDIÇÕES EX VITRO Julita Maria Frota Chagas Carvalho (Embrapa Algodão / julita@cnpa.embrapa.br), Francisco Pereira de Andrade (Embrapa Algodão), Cristiane

Leia mais

Hormônios Vegetais (Fitormônios)

Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais (Fitormônios) Hormônios Vegetais Ou fitormônios, são substâncias orgânicas atuantes nos diferentes órgãos das plantas: raiz, caule, folhas, flores e frutos, responsáveis pelo crescimento

Leia mais

Biologia Fascículo 05 Lara Regina Parra de Lazzari

Biologia Fascículo 05 Lara Regina Parra de Lazzari Biologia Fascículo 05 Lara Regina Parra de Lazzari Índice Fisiologia Vegetal... 1 Hormônios Vegetais... 1 Floração... 6 Exercícios... 7 Gabarito... 9 Fisiologia Vegetal Hormônios Vegetais Auxina Giberelina

Leia mais

FISIOLOGIA DA FLORAÇÃO

FISIOLOGIA DA FLORAÇÃO UNIDADE XX Controle do florescimento 1. INTRODUÇÃO 2. MERISTEMAS FLORAIS E DESENVOLVIMENTO DE ÓRGÃOS FLORAIS 3. EVOCAÇÃO FLORAL: SINAIS INTERNOS E EXTERNOS 4. O ÁPICE DO CAULE E AS MUDANÇAS DE FASE 5.

Leia mais

Valores Corporativos DuPont

Valores Corporativos DuPont Visão DuPont Ser a Companhia científica mais dinâmica do mundo, criando soluções sustentáveis, melhores, mais seguras, mais saudáveis para as pessoas em qualquer lugar Valores Corporativos DuPont Segurança

Leia mais

BIOLOGIA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2006 (cada questão desta prova vale até cinco pontos)

BIOLOGIA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2006 (cada questão desta prova vale até cinco pontos) BIOLOGIA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2006 (cada questão desta prova vale até cinco pontos) QUESTÃO 01 Leia os itens abaixo, que se referem às glândulas, e responda: a) Os hormônios, produzidos pelas glândulas

Leia mais

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL

ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL ASSUNTO: FISIOLOGIA VEGETAL Macro e Micronutrientes: MACRONUTRIENTES: - CO2, Água e Sais Minerais - Hidrogênio, Carbono, Oxigênio, Nitrogênio, Fósforo, Potássio, Magnésio, Enxofre, Potássio, Silício, Cálcio

Leia mais

Sistemas de controle da transcrição gênica. Procariotos

Sistemas de controle da transcrição gênica. Procariotos Sistemas de controle da transcrição gênica Procariotos Controle Positivo e Negativo: Há dois tipos de controle transcricional: Controle negativo: no qual uma proteína reguladora atua como um repressor

Leia mais

Eng Agr MsC Humberto Vinicius Vescove Consultor FORBB

Eng Agr MsC Humberto Vinicius Vescove Consultor FORBB Eng Agr MsC Humberto Vinicius Vescove Consultor FORBB Atuando em aproximadamente 20 mil há (SP e MG) Estimativa de safra Manejo Fitossanitário Nutrição Irrigação Projetos Manejo de irrigação (água) e fertirrigação

Leia mais

Fototropismo. Introdução. Materiais Necessários

Fototropismo. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução As plantas, como todos os seres vivos, respondem a estímulos ambientais, mas essa resposta, na maioria das vezes, é bem lenta e quase imperceptível. A resposta de algumas plantas a

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento V581 - Fisiologia Vegetal ásica - Desenvolvimento ula 11: Elaboração dos meristemas e Florescimento Prof. Marcelo. Dornelas ativação e elaboração dos meristemas produz praticamente todo o corpo da planta

Leia mais

CITOCININAS. Katia Christina Zuffellato-Ribas

CITOCININAS. Katia Christina Zuffellato-Ribas CITOCININAS Katia Christina Zuffellato-Ribas 1955 CINETINA (promoção da divisão celular na medula de caules de tabaco) 1964 - ZEATINA CITOCININA = HORMÔNIO DA JUVENILIDADE [0,01 A 1 µm] PRECURSOR: ISOPRENO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES

DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES DESENVOLVIMENTO DAS SEMENTES Profª. Marcela Carlota Nery Formação da Semente Fonte: Daniel de Granville www.ib.usp.br/beelife www.passionflow.couk/images/nitseed DAG 503 - Fisiologia de Sementes 1 Formação

Leia mais

CONTROLE DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO POR FATORES INTRÍNSECOS (HORMÔNIOS) INTRODUÇÃO

CONTROLE DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO POR FATORES INTRÍNSECOS (HORMÔNIOS) INTRODUÇÃO CONTROLE DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO POR FATORES INTRÍNSECOS (HORMÔNIOS) INTRODUÇÃO A planta faz muito mais que aumentar simplesmente sua massa em volume a medida que cresce. Ela se diferencia, se

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação Ciências 7 o ano Unidade 2 5 Unidade 2 Nome: Data: 1. As cores das flores e o período do dia em que elas abrem são duas adaptações importantes das plantas e que facilitam a sua

Leia mais

ARBORICULTURA I. Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias. Por: Augusto Peixe

ARBORICULTURA I. Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias. Por: Augusto Peixe ARBORICULTURA I Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias Por: Augusto Peixe Tipos de Estacas Estacas Caulinares Lenhosas Semi-lenhosas Herbáceas Evolução de meristemas

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências da Natureza Disciplina: Biologia Série: 2ª - Ensino Médio Professor: Pascoal Belico Cária Biologia Atividades para Estudos Autônomos Data: 28 / 03 / 2016 Aluno(a):

Leia mais

26/6/2012 HISTÓRICO SOBRE O ÁCIDO ABSCÍSICO

26/6/2012 HISTÓRICO SOBRE O ÁCIDO ABSCÍSICO UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO PARTE II PRINCIPAIS CLASSES DE HORMÔNIOS: ÁCIDO ABSCÍSICO (UM SINAL PARA A MATURAÇÃO DE SEMENTES E O ANTIESTRESSE) 1. DESCOBERTA 2. OCORRÊNCIA, METABOLISMO

Leia mais

Parede Celular. Dra. Maria Izabel Gallão

Parede Celular. Dra. Maria Izabel Gallão Parede Celular Confere proteção às células Constituição varia com o determinado tipo celular Algumas bactérias possuem parede celular com a seguinte constituição: Proteínas, lipídeos e polissacarídeos

Leia mais

A Célula. A teoria celular, postulada por Schleiden e Schwann, assenta nos seguintes pressupostos:

A Célula. A teoria celular, postulada por Schleiden e Schwann, assenta nos seguintes pressupostos: A Célula Teoria celular: A teoria celular, postulada por Schleiden e Schwann, assenta nos seguintes pressupostos: A célula é a unidade básica estrutural e funcional de todos os seres vivos (isto é, todos

Leia mais

Uso de reguladores de crescimento na fruticultura

Uso de reguladores de crescimento na fruticultura Uso de reguladores de crescimento na fruticultura Eng. Agr. MSc. Edmundo Hadlich Hadlich & Sampol Consultores Associados Fone: (41) 3264-1177 Celular: (41) 9994-4801 e-mail: ehadlich@terra.com.br MSN:

Leia mais

Hormônios Vegetais. Hormônio: palavra de origem grega que significa mensageiro químico

Hormônios Vegetais. Hormônio: palavra de origem grega que significa mensageiro químico Hormônios Vegetais Hormônios Vegetais Hormônio: palavra de origem grega que significa mensageiro químico Hormônios Vegetais Hormônio: palavra de origem grega que significa mensageiro químico Conceito de

Leia mais

DOSSIÊ TÉCNICO. Hormônios Vegetais. Danilo Oddone Universidade de São Paulo - USP

DOSSIÊ TÉCNICO. Hormônios Vegetais. Danilo Oddone Universidade de São Paulo - USP DOSSIÊ TÉCNICO Hormônios Vegetais Danilo Oddone Universidade de São Paulo - USP Janeiro/2012 Hormônios Vegetais O Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas SBRT fornece soluções de informação tecnológica

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO E ENRAIZAMENTO DE CLONES DE Lycopersicon esculentum Mill COM UTILIZAÇÃO DE ESTIMULANTE NATURAL

AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO E ENRAIZAMENTO DE CLONES DE Lycopersicon esculentum Mill COM UTILIZAÇÃO DE ESTIMULANTE NATURAL AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO E ENRAIZAMENTO DE CLONES DE Lycopersicon esculentum Mill COM UTILIZAÇÃO DE ESTIMULANTE NATURAL DANTAS, João Paulo de Sá Acadêmico da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias

Leia mais

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 9 HORMÔNIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS FOTOPERIODISMO

ORIENTAÇÕES RESUMO TEÓRICO EXERCÍCIOS RESOLVIDOS. BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 9 HORMÔNIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS FOTOPERIODISMO BIOLOGIA 3 Prof.: Vinícius (Minguado) LISTA 9 HORMÔNIOS E MOVIMENTOS VEGETAIS ORIENTAÇÕES FOTOPERIODISMO A lista 9 contém questões sobre hormônios e movimentos vegetais. Resolva os exercícios com foco

Leia mais

BIOLOGIA. Os principais carboidratos de reserva nos vegetais e animais são: Chama-se aminoácido essencial ao aminoácido que:

BIOLOGIA. Os principais carboidratos de reserva nos vegetais e animais são: Chama-se aminoácido essencial ao aminoácido que: BIOLOGIA Associe os números das estruturas celulares assinaladas no desenho com os respectivos nomes da coluna abaixo do desenho. A seguir, assinale a opção em que a seqüência coincida com o que foi marcado

Leia mais

Avaliação do Índice Apoptótico em Adenomas Pleomórficos de Glândulas Salivares

Avaliação do Índice Apoptótico em Adenomas Pleomórficos de Glândulas Salivares PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Faculdade de Odontologia Avaliação do Índice Apoptótico em Adenomas Pleomórficos de Glândulas Salivares Paulo César de Lacerda Dantas Belo Horizonte- MG

Leia mais

Efeito do Bioestimulante na Qualidade Fisiológica de Sementes Colhidas em Diferentes Épocas

Efeito do Bioestimulante na Qualidade Fisiológica de Sementes Colhidas em Diferentes Épocas Efeito do Bioestimulante na Qualidade Fisiológica de Sementes Colhidas em Diferentes Épocas Patrícia M. da Conceição 1, Camilla A. Z. Sediyama 1, Maria Lita Padinha Corrêa 1, Juliane Karsten 2, Elaine

Leia mais

Aulas 8 e 9. Morfologia Vegetal (Evolução e padrões anatômicos e fisiológicosobservados nos seres vivos). Parte I: Raiz e Caule.

Aulas 8 e 9. Morfologia Vegetal (Evolução e padrões anatômicos e fisiológicosobservados nos seres vivos). Parte I: Raiz e Caule. Aulas 8 e 9 Morfologia Vegetal (Evolução e padrões anatômicos e fisiológicosobservados nos seres vivos). Parte I: Raiz e Caule. Raiz: fixação ao solo e absorção de água e sais minerais. Regiões Meristemática:

Leia mais

Biologia Luiz Segundo

Biologia Luiz Segundo Biologia Luiz Segundo TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Desde que médicos começaram a solicitar regularmente exames de tomografia computadorizada, cientistas se preocupam que o procedimento de imageamento

Leia mais

Fitofortificante INFORME TÉCNICO

Fitofortificante INFORME TÉCNICO Fitofortificante INFORME TÉCNICO GREETNAL WIZ GREETNAL WIZ Extracto de algas GREETNAL WIZ é um extracto puro de algas (Ascophyllum nodosum) procedentes das costas do Atlântico Norte. GREETNAL WIZ proporciona

Leia mais

Efeitos de bioestimulantes, aplicados via semente, na cultura do milho (Zea mays L.)

Efeitos de bioestimulantes, aplicados via semente, na cultura do milho (Zea mays L.) 1838 Efeitos de bioestimulantes, aplicados via semente, na cultura do milho (Zea mays L.) PRADA NETO, I. 1 ; ULLMANN, B 2 ; PEREIRA, L.R. 3 ; SCUDELER, F. 1 ; VITAL, M. 1 ; FRANCO, G 1. e IOSSI, M.F. 1

Leia mais

Qualidade pós-produção de couve ornamental em função da aplicação de reguladores

Qualidade pós-produção de couve ornamental em função da aplicação de reguladores MATSUZAKI RT; CAMPAGNOL R; MELLO SC. Qualidade pós-produção de couve ornamental em função da Qualidade pós-produção de couve ornamental em função da aplicação de reguladores vegetais. aplicação de reguladores

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento Prof. Marcelo C. Dornelas Aula 12b: Propagação Vegetativa A propagação vegetativa como um processo de manutenção da diversidade Ao contrário da reprodução

Leia mais

CITOPLASMA E ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Instituto Federal de Santa Catarina Curso de Biotecnologia Prof. Paulo Calixto

CITOPLASMA E ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Instituto Federal de Santa Catarina Curso de Biotecnologia Prof. Paulo Calixto CITOPLASMA E ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS Instituto Federal de Santa Catarina Curso de Biotecnologia Prof. Paulo Calixto 1943 1944 1953 1956 1961-66 1973 1975 1982 1988 1990 1996 2000-03 Biotecnologia Algumas

Leia mais

Lipídios. 1. Importância: 2. Lipídios de armazenamento: São as gorduras e óleos 25/11/2012. Aula 2 Estrutura de. Lipídios

Lipídios. 1. Importância: 2. Lipídios de armazenamento: São as gorduras e óleos 25/11/2012. Aula 2 Estrutura de. Lipídios Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Bioquímica Lipídios Aula 2 Estrutura de Lipídios Os lipídios apesar de quimicamente diferentes entre si, exibem como característica definidora e comum a insolubilidade

Leia mais

25/08/2014 CÉLULAS. Células Procariontes. Raduan. Célula Eucarionte Vegetal. Raduan

25/08/2014 CÉLULAS. Células Procariontes. Raduan. Célula Eucarionte Vegetal. Raduan CÉLULAS Células Procariontes Célula Eucarionte Vegetal 1 Célula Eucarionte Animal Núcleo Citoplasma Célula Animal Estrutura geral Membrana citoplasmática Mitocôndrias Retículo endoplasmático Complexo de

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA Propagação vegetativa em espécies florestais: Enxertia Estaquia Microestaquia Enxertia União de partes de uma planta em outra, de forma que as duas partes de plantas diferentes passem

Leia mais

REGULAÇÃO DO MATERIAL GENÉTICO

REGULAÇÃO DO MATERIAL GENÉTICO REGULAÇÃO DO MATERIAL GENÉTICO Prof. Ana Rita Rainho Controlo da actividade celular Se todas as células de um organismo possuem a mesma informação genética, qual o mecanismo que permite às células diferenciar-se?

Leia mais

Biologia. Alexandre Bandeira (Julio Junior) Membrana e Organelas

Biologia. Alexandre Bandeira (Julio Junior) Membrana e Organelas Membrana e Organelas Membrana e Organelas 1. As funções das células estão relacionadas com sua estrutura e com sua atividade metabólica. Apresenta-se abaixo uma tabela em que estão discriminadas, em porcentagens,

Leia mais

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra.

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. Requisitos para o cultivo de algodoeiro GlyTol LibertyLink, além de boas práticas de manejo integrado de plantas daninhas. Cap 1: Descrição do Produto

Leia mais

Reprodução das Plantas

Reprodução das Plantas Reprodução das Plantas Plantas com flor Nas plantas com flor, é a flor, a responsável pela reprodução, pois é no interior das suas pétalas que se encontram os órgãos de reprodução. Tipos de flor: Flores

Leia mais

Por que podamos as árvores?

Por que podamos as árvores? Por que podamos as árvores? A UU L AL A Artur mora numa rua com muitas árvores frondosas. Ele notou que, numa determinada época do ano, os moradores costumam podar as árvores, ou seja, cortam seus galhos.

Leia mais

Morfologia floral (unissexuais ou hermafroditas) Processos de fecundação e fertilização

Morfologia floral (unissexuais ou hermafroditas) Processos de fecundação e fertilização Morfologia floral (unissexuais ou hermafroditas) Processos de fecundação e fertilização Reprodução Assexual Propagação vegetativa Sem fusão de gametas Multiplicação comercial das espécies - RÁPIDA E UNIFORME

Leia mais

Franca, Mariana Almeida Micropropagação de cana-de-açúcar cultivar RB Mariana Almeida Franca. Curitiba: f. il.

Franca, Mariana Almeida Micropropagação de cana-de-açúcar cultivar RB Mariana Almeida Franca. Curitiba: f. il. F814 Franca, Mariana Almeida Micropropagação de cana-de-açúcar cultivar RB966928. Mariana Almeida Franca. Curitiba: 2016. 64 f. il. Orientador: João Carlos Bespalhok Filho Dissertação (Mestrado) Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Código Denominação DISCIPLINA Crédito(s) (*) Carga Horária Teórica Prática Total PFV 503 FISIOLOGIA

Leia mais

Relembrando: Material genético

Relembrando: Material genético REGULAÇÃO GÉNICA Relembrando: Material genético O MATERIAL GENÉTICO é o suporte físico do conjunto de padrões de informações hereditárias, transmitidas ao longo das gerações. GENE é a unidade de informação

Leia mais

FOLHA DE PROVA. Escreva um texto dissertativo sobre o processo respiratório das raízes das plantas.

FOLHA DE PROVA. Escreva um texto dissertativo sobre o processo respiratório das raízes das plantas. Tema 01: RESPIRAÇÃO E FOTORRESPIRAÇÃO A respiração é um dos processos fundamentais para a vida em nosso planeta. Obrigatoriamente, o metabolismo da planta necessita do processo de respiração. Cada órgão

Leia mais

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra Fibra alimentar - definição No Brasil, o Ministério da Saúde, pela portaria 41 de 14 de janeiro de 1998, da Agência Nacional

Leia mais

U6 - REPRODUÇÃO ES JOSÉ AFONSO 09/10 PROFª SANDRA NASCIMENTO

U6 - REPRODUÇÃO ES JOSÉ AFONSO 09/10 PROFª SANDRA NASCIMENTO U6 - REPRODUÇÃO ES JOSÉ AFONSO 09/10 PROFª SANDRA NASCIMENTO A reprodução sexuada implica a produção de células sexuais, a promoção do seu encontro e, finalmente, a sua fusão - Fecundação Gónadas Locais

Leia mais

AUXINAS. Katia Christina Zuffellato-Ribas

AUXINAS. Katia Christina Zuffellato-Ribas AUXINAS Katia Christina Zuffellato-Ribas AUXINAS = AUXIEN = CRESCER, AUMENTAR PRIMEIRO HORMÔNIO VEGETAL FINAL DO SÉCULO XIX Charles Darwin 1881 The Power of Moviment in Plants 1926 Fritz Went HORMÔNIOS

Leia mais

PROF. CARLOS MOACIR BONATO PROF. VALDOVINO DAMASIO DOS SANTOS

PROF. CARLOS MOACIR BONATO PROF. VALDOVINO DAMASIO DOS SANTOS CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO PROF. CARLOS MOACIR BONATO PROF. VALDOVINO DAMASIO DOS SANTOS 2002 INTRODUÇÃO Crescimento é um fenômeno geral dos seres vivos, sendo entendido como aumento quantitativo irreversível

Leia mais

2. Efeito da variação dos factores ambientais no desenvolvimento das plantas

2. Efeito da variação dos factores ambientais no desenvolvimento das plantas Fisiologia Vegetal 2014 DESENVOLVIMENTO VEGETAL 1. Sinais e receptores 1.1. Introdução: sinais, receptores e vias de transdução do sinal 1.2. Mensageiros secundários. 1.3. Vias de transdução do sinal.

Leia mais