Qualidade do Pescado

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade do Pescado"

Transcrição

1 Qualidade do Pescado

2 A importância da qualidade do pescado para comercialização Produção pesqueira atingiu seu limite de captura Incertezas : Processadores Atacadistas

3 Pescado : Quantidade necessária Qualidade necessária Frigoríficos : Elevado custo de manutenção Escassez de matéria prima Contratos? Alto risco!

4 Aquicultura : porto seguro? colheitas programadas padronização pescados saudáveis qualidade / quantidade segurança suprimento de pescado para o consumo humano

5 Qualidade x fiscalização : Responsabilidade Agências de inspeção Serviço de Inspeção Municipal Serviço de Inspeção Estadual Serviço de Inspeção Federal Vigilância sanitária ANVISA FAO / Codex Alimentarius

6 Codex Alimentarius : fórum internacional de normalização de alimentos estabelecido pela ONU através da FAO e OMS, em 1963 proteger a saúde dos consumidores assegurar práticas eqüitativas no comércio regional e internacional de alimentos.

7 principais alimentos : processados, semi-processados crus aspectos de higiene propriedades nutricionais rotulagem classificação

8 substâncias / produtos usadas na elaboração dos alimentos aditivos alimentares pesticidas medicamentos veterinários, substâncias contaminantes amostragem e análise de riscos

9 Codex Alimentarius Brasil : INMETRO Brasília, DF Ministério da Agricultura / CENAGRI Brasília, DF Ministério da Saúde Brasília, DF Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação ABIA São Paulo, SP Instituto Adolfo Lutz IAL São Paulo, SP

10 Codex Alimentarius Brasil : Fundação Instituto Oswaldo Cruz Fiocruz / Instituto Nacional de Controle da Qualidade em Saúde INCQS Rio de Janeiro,RJ Faculdade de Engenharia de Alimentos / UNICAMP Campinas, SP Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná IPEM / PR

11 Percepção da qualidade : Peculiaridades de cada nicho de mercado / cliente Atender e superar as expectativas é fundamental Cliente / mercado é quem paga a conta

12 Diferenças sócio-econômicas e culturais Município Estado Nação Planeta

13

14

15

16

17

18

19

20

21 A qualidade do ponto de vista do produtor Aparência do pescado colhido Doença Trauma físico boa aparência = bom trabalho

22 A qualidade do ponto de vista do produtor Tamanho dos peixes Uniformidade do lote Resistência (manuseio/transporte) Tempo de recaptura do lote

23 A qualidade do ponto de vista do processador Matéria Prima : Aspectos visuais do lote Off flavor Rendimento de carcaça : Nutrição / desnutrição Gordura visceral Coloração (carne / pele) Tamanho e uniformidade do lote

24 A qualidade do ponto de vista do processador Fornecedor : Prazo de entrega Regularidade Condição de transporte Trauma físico boa aparência = bom trabalho

25 A qualidade do ponto de vista do processador Produto acabado : Uniformidade Coloração Embalagem Limpeza e higiene Contaminação Presença de resíduos

26 A qualidade do ponto de vista do intermediário / varejista Atender e ou superar às exigências do mercado e consumidores Aspectos sanitários (vigilância sanitária e saúde pública)

27 A qualidade ainda pode ser monitorada : Temperatura durante transporte Temperatura durante armazenagem Contaminação bacteriana Atendimento às normas (saúde pública) Condições de trabalho Obrigações trabalhistas Embalagem Gelo

28 A qualidade do ponto de vista do consumidor final Frescor Produto saudável Segurança alimentar Aspectos subjetivos ligados a condição sócio econômica e cultural regional

29 A qualidade do ponto de vista do consumidor final Hábito de comprar pescado fresco Ribeirinhos Desembarque de pescado fresco Feiras livres Produtos industrializados Congelados Marcas

30 A qualidade do ponto de vista do consumidor final Coloração Higiene Limpeza Embalagem Valor nutricional Ingredientes Registro no serviço de inspeção Degustação

31 A qualidade do ponto de vista do consumidor final Praticidade / preparo rápido e fácil Odor e sabor do produto Preço justo (qualidade) Benefício à saúde Presença de espinhas Inconveniência / falta de habilidade Tempo de preparo Rastro na cozinha

32 Tendências e modismos : Saúde Produtos orgânicos Fair Trade : Comércio justo Comércio ético Comércio solidário Comércio ético e solidário

33 Comércio justo : Parceria comercial: Diálogo Transparência Respeito Eqüidade no comércio internacional Desenvolvimento sustentável Produtores marginalizados com melhores condições de troca e maiores garantias de seus direitos

34 Critérios do Comércio justo : Parceria e demandas de longo prazo Preço justo Pré financiamento Boas condições de trabalho Proteção ao meio ambiente Igualdade de gênero Proteção das crianças Transparência Participação Prestação de contas Desenvolvimento local sustentável

35 Considerações finais : Produtores, processadores e comerciantes anseiam melhores preços e o reconhecimento da qualidade Consumidores buscam qualidade e preços justos Nichos de mercado pagam preço prêmio por produtos com qualidade comprovada (degustação)

36 Superar as expectativas do mercado / consumidor final Oferta contínua Qualidade Segurança alimentar Preços competitivos (preço justo)

37 Carlos Otsubo Marcelo Castagnolli # # # # Ruy Takeda Eduardo Kumagai # # # #

Codex Alimentarius. 5º módulo.

Codex Alimentarius. 5º módulo. Codex Alimentarius 5º módulo CCAB Comitê do Codex Alimentarius do Brasil CCAB CCAB foi criado em 1980; Coordenação e a Secretaria Executiva responsabilidade do INMETRO; Ponto de Contato MRE. Membros do

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS NORMAS E DO CODEX ALIMENTARIUS

IMPORTÂNCIA DAS NORMAS E DO CODEX ALIMENTARIUS IMPORTÂNCIA DAS NORMAS E DO CODEX ALIMENTARIUS Eng.º João Santos Gonçalves Director para a área alimentar - ARFA Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos alimentos, 07 a 09 de Novembro, 2011 - Praia

Leia mais

A importância do Codex Alimentarius para. de Alimentos

A importância do Codex Alimentarius para. de Alimentos I a Reunião Anual de Vigilância Sanitária de Alimentos 2007 A importância do Codex Alimentarius para a Vigilância Sanitária de Alimentos CODEX ALIMENTARIUS mb PROGRAMA CONJUNTO FAO/OMS SOBRE NORMAS ALIMENTARES

Leia mais

O PAPEL DA ANVISA NA ALIMENTOS NO BRASIL

O PAPEL DA ANVISA NA ALIMENTOS NO BRASIL AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA O PAPEL DA ANVISA NA FISCALIZAÇÃO DA SEGURANÇA A DOS ALIMENTOS NO BRASIL III SEMINÁRIO PRO TESTE DE DEFESA DO CONSUMIDOR Alimentos: o consumidor está seguro? Gerência

Leia mais

O Codex Alimentarius e a Inocuidade de Alimentos

O Codex Alimentarius e a Inocuidade de Alimentos O Codex Alimentarius e a Inocuidade de Alimentos M. Cecília de F. Toledo II SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE INOCUIDADE DE ALIMENTOS II Encontro da ABRAPA 21 de Novembro de 2003 Esboço da Apresentação Codex Alimentarius

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LOMBO

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LOMBO REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LOMBO 1. Alcance 1.1. Objetivo Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade que deverá apresentar o produto cárneo denominado Lombo. 1.2.

Leia mais

Impactos do uso de Produtos Veterinários e de Alimentos para Animais na produção de alimentos seguros

Impactos do uso de Produtos Veterinários e de Alimentos para Animais na produção de alimentos seguros Impactos do uso de Produtos Veterinários e de Alimentos para Animais na produção de alimentos seguros MARCOS VINÍCIUS DE S. LEANDRO Jr. Médico Veterinário Fiscal Federal Agropecuário Ministério da Agricultura,

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE PRESUNTO

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE PRESUNTO REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE PRESUNTO 1. Alcance 1.1. Objetivo Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade que deverá apresentar o produto cárneo denominado Presunto.

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE MORTADELA 1. Alcance

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE MORTADELA 1. Alcance REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE MORTADELA 1. Alcance 1.1. Objetivo Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade que deverá obedecer o produto cárneo industrializado denominado

Leia mais

Os consumidores dos maiores mercados (EUA, Europa e Japão)

Os consumidores dos maiores mercados (EUA, Europa e Japão) 1 Por: João Lorena Campos joaocampos@qualyaqua.com.br A falta de produtos registrados para uso em aqüicultura no Brasil Uma brecha para a imposição de barreiras comerciais e riscos para os consumidores

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE BACON E BARRIGA DEFUMADA

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE BACON E BARRIGA DEFUMADA REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE BACON E BARRIGA DEFUMADA 1. Alcance 1.1. Objetivo Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade que deverão apresentar os produtos cárneos

Leia mais

CARNE BOVINA SALGADA CURADA DESSECADA OU JERKED BEEF

CARNE BOVINA SALGADA CURADA DESSECADA OU JERKED BEEF ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO PRODUTO CARNE BOVINA SALGADA CURADA DESSECADA OU JERKED BEEF 1. DESCRIÇÃO DO OBJETO Entende-se por Jerked Beef ou Carne Bovina Salgada Curada Dessecada, o produto cárneo industrializado,

Leia mais

Alexandre Panov Momesso

Alexandre Panov Momesso Alexandre Panov Momesso Medico Veterinário rio pela Universidade Paulista - UNIP Mestre em Saúde Pública P Pela Universidade de Saúde Pública P USP Auditor líder l para ISO 22000 - Gestão de Segurança

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LINGÜIÇA

ANEXO III REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LINGÜIÇA ANEXO III REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LINGÜIÇA 1. Alcance 1.1. Objetivo: Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade que deverá apresentar o produto cárneo denominado

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Regulação da Produção de Alimentos no Brasil A Gerência-Geral Geral de Alimentos ANVISA Claudia Darbelly Cavalieri de Moraes Maio 2010 A transversalidade da regulação da produção de alimentos no Brasil

Leia mais

Estrutura e funcionamento do Comitê Codex Alimentarius do Brasil CCAB. André Luis de Sousa dos Santos, D.Sc. Pesquisador-Tecnologista

Estrutura e funcionamento do Comitê Codex Alimentarius do Brasil CCAB. André Luis de Sousa dos Santos, D.Sc. Pesquisador-Tecnologista Estrutura e funcionamento do Comitê Codex Alimentarius do Brasil CCAB André Luis de Sousa dos Santos, D.Sc. Pesquisador-Tecnologista O Que é o Codex? Codex é o nome comum para a Comissão do Codex Alimentarius

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA N 22, DE 11 DE JULHO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA N 22, DE 11 DE JULHO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA N 22, DE 11 DE JULHO DE 2011 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, SUBSTITUTO, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe conferem os arts.

Leia mais

Desafios Regulatórios frente as novas Tecnologias. São Paulo- SP 7 agosto 2014 Fátima D Elia

Desafios Regulatórios frente as novas Tecnologias. São Paulo- SP 7 agosto 2014 Fátima D Elia 2014 Desafios Regulatórios frente as novas Tecnologias São Paulo- SP 7 agosto 2014 Fátima D Elia Desafios Regulatórios Cenário Brasileiro: É membro Codex É membro MERCOSUL Temos 2 órgãos regulatórios:

Leia mais

I Simpósio de Rotulagem de Alimentos CRQ-IV. Fiscalização e Monitoramento de Alimentos

I Simpósio de Rotulagem de Alimentos CRQ-IV. Fiscalização e Monitoramento de Alimentos I Simpósio de Rotulagem de Alimentos CRQ-IV Fiscalização e Monitoramento de Alimentos Deise Ap. Pinatti Marsiglia Centro de Alimentos Instituto Adolfo Lutz Laboratório Central de Saúde Pública do Estado

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE APRESUNTADO

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE APRESUNTADO REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE APRESUNTADO 1. Alcance 1.1. Objetivo Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade que deverá apresentar o produto cárneo denominado Apresuntado.

Leia mais

Codex Alimentarius. 2º Módulo.

Codex Alimentarius. 2º Módulo. Codex Alimentarius 2º Módulo Codex e o consumidor Normas que garantem: Alimento íntegro e inócuo; informações seguras sobre alimentos. Codex e a indústria Remoção de barreiras não tarifárias; ampliação

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO SALAME TIPO MILANO

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO SALAME TIPO MILANO REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO SALAME TIPO MILANO 1. Alcance 1.1. Objetivo Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade que deverá obedecer o produto cárneo denominado

Leia mais

O CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS: a atuação da SNVS

O CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS: a atuação da SNVS AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANVISA O CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS: a atuação da SNVS João Tavares Neto Superintendente de Correlatos e Alimentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE COPA.

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE COPA. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE COPA. 1. Alcance 1.1. Objetivo Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade que deverá obedecer o produto cárneo denominado Copa. 1.2. Âmbito

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 1 DE MARÇO DE 2004 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

TECNOLOGIA DE PRODUTOS CÁRNEOS CURADOS E FERMENTADOS Tecnologia de Produção da Linguiça I PROF. DR. ESTEVÃN MARTINS DE OLIVEIRA

TECNOLOGIA DE PRODUTOS CÁRNEOS CURADOS E FERMENTADOS Tecnologia de Produção da Linguiça I PROF. DR. ESTEVÃN MARTINS DE OLIVEIRA TECNOLOGIA DE PRODUTOS CÁRNEOS CURADOS E FERMENTADOS Tecnologia de Produção da Linguiça I PROF. DR. ESTEVÃN MARTINS DE OLIVEIRA DESCRIÇÃO: REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LINGÜIÇA Entende-se

Leia mais

Laboratórios de autocontrole X Redes metrológicas X Serviço de Inspeção Federal. Rui Eduardo Saldanha Vargas Porto Alegre/RS

Laboratórios de autocontrole X Redes metrológicas X Serviço de Inspeção Federal. Rui Eduardo Saldanha Vargas Porto Alegre/RS Laboratórios de autocontrole X Redes metrológicas X Serviço de Inspeção Federal. Rui Eduardo Saldanha Vargas Porto Alegre/RS Criação da OMC em 1995 Redução de barreiras tarifárias Ampliação da importância

Leia mais

Monitoramento da qualidade sanitária dos alimentos no Brasil

Monitoramento da qualidade sanitária dos alimentos no Brasil Gerência de Laboratórios de Saúde Pública GELAS Monitoramento da qualidade sanitária dos alimentos no Brasil Agosto/2016 ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO Sistema Único de Saúde (SUS) Lei 8080/90 Vigilância

Leia mais

Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas

Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade, Pesquisa e Desenvolvimento da CEAGESP 24 de novembro de 2015 Frutas e hortaliças frescas

Leia mais

Industria Legal e Segurança Alimentar. DIVISA Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado da Bahia

Industria Legal e Segurança Alimentar. DIVISA Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado da Bahia Industria Legal e Segurança Alimentar DIVISA Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado da Bahia Vigilância Sanitária Objetivo: prevenção e controle de RISCOS à saúde da população e proteção

Leia mais

Princípios e Recomendações Maio 2006 João Carlos Dória Médico Veterinário D. R. Veterinária

Princípios e Recomendações Maio 2006 João Carlos Dória Médico Veterinário D. R. Veterinária SEGURANÇA ALIMENTAR Princípios e Recomendações Maio 2006 João Carlos Dória Médico Veterinário D. R. Veterinária Princípios da segurança alimentar A política de segurança dos alimentos deve basear-se numa

Leia mais

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Fones: Profa. Gladis Ferreira Corrêa

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Fones: Profa. Gladis Ferreira Corrêa Profa. Angélica Pinho Zootecnista Fones: 3243-7300 Email: angelicapinho@unipampa.edu.br Profa. Gladis Ferreira Corrêa Unidade 1. Introdução à tecnologia de alimentos: conceitos fundamentais, definições

Leia mais

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Fones: Wats: (53)

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Fones: Wats: (53) Profa. Angélica Pinho Zootecnista Fones: 3243-7300 Wats: (53) 999913331 Email: angelicapinho@unipampa.edu.br Profa. Luciane Segabinazzi Prof. Paulo Lopes Unidade 1. Introdução à tecnologia de alimentos:

Leia mais

Padaria - elaboração de massas de pães salgados e doces, pães congelados atendendo à legislação vigente DANIELE LEAL

Padaria - elaboração de massas de pães salgados e doces, pães congelados atendendo à legislação vigente DANIELE LEAL Padaria - elaboração de massas de pães salgados e doces, pães congelados atendendo à legislação vigente DANIELE LEAL Nutricionista. Mestre em ciência dos alimentos e especialista em qualidade. Consultora

Leia mais

RESISTÊNCIA AOS ANTIMICROBIANOS EM ANIMAIS. Implementação do Plano de Ação Nacional - PAN

RESISTÊNCIA AOS ANTIMICROBIANOS EM ANIMAIS. Implementação do Plano de Ação Nacional - PAN RESISTÊNCIA AOS ANTIMICROBIANOS EM ANIMAIS Implementação do Plano de Ação Nacional - PAN Taller de Resistencia a Antimicribianos OIE XXII Seminário de Hamonização de Registro e Controle de Medicamentos

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Pág 3 ISSN 1677-7042 1 Nº 179, sexta-feira, 17 de setembro de 2010 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº- 457, DE 10 DE SETEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO

Leia mais

Não conformidades de Resíduos de Medicamentos de uso permitido nas criações e drogas proibidas

Não conformidades de Resíduos de Medicamentos de uso permitido nas criações e drogas proibidas Evelise Oliveira Telles VPS 518 - Higiene e Segurança Alimentar Não conformidades de Resíduos de Medicamentos de uso permitido nas criações e drogas proibidas fonte: apresentação do Fiscal Agropecuário

Leia mais

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO CURSO: Engenharia de Alimentos ANO/SEMESTRE: 2012/1 DISCIPLINA: Higiene e Legislação de FASE: 6ª (6HGLA) Alimentos CARGA HORÁRIA 36 h/a TURNO: Vespertino PROFESSOR(A): Marlene Gomes Pereira CRÉDITOS: 02

Leia mais

Parceiro Logístico para

Parceiro Logístico para Parceiro Logístico para A logística no evento Maio de 2012 www.porlogis.pt Agenda DOCUMENTAÇÃO FACTURA/ PACKING LIST PROCURAÇÃO ADUANEIRA DOCUMENTOS ESPECIFICOS POR PRODUTOS FACTURA/ PACKING LIST CABEÇALHO

Leia mais

Mercados e Tendências para Produtos Minimamente Processados

Mercados e Tendências para Produtos Minimamente Processados Mercados e Tendências para Produtos Minimamente Processados Histórico Nos últimos 4 anos temos observado uma evolução na área de produtos minimamente processados que cresce a cada ano. O crescente interesse

Leia mais

QUALIDADE, ARMAZENAMENTO E COMERCIALIZAÇÃO DE PESCADO NAS CIDADES DE ANÁPOLIS E GOIÂNIA - GO

QUALIDADE, ARMAZENAMENTO E COMERCIALIZAÇÃO DE PESCADO NAS CIDADES DE ANÁPOLIS E GOIÂNIA - GO QUALIDADE, ARMAZENAMENTO E COMERCIALIZAÇÃO DE PESCADO NAS CIDADES DE ANÁPOLIS E GOIÂNIA - GO Janni Claudia Moura Freitas Braga 1 ; Maria Madalena Rinaldi 2 1 Bolsista PBIC/UEG, graduanda do Curso de Engenharia

Leia mais

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Assunto: COMERCIALIZAÇÃO DE REBENTOS Esclarecimento 11/2013 A presente nota de esclarecimento pretende elucidar os operadores de empresas do setor alimentar

Leia mais

PERSPECTIVAS DO GOVERNO

PERSPECTIVAS DO GOVERNO I Seminário Nacional sobre a Redução do Consumo de Açúcar - PERSPECTIVAS DO GOVERNO Antonia Maria de Aquino Gerência Geral de Alimentos Brasília, 04 de junho de 2013 O perfil de saúde da população brasileira

Leia mais

PARA UMA VIDA + SAUDÁVEL CONSUMA + PEIXE

PARA UMA VIDA + SAUDÁVEL CONSUMA + PEIXE PARA UMA VIDA + SAUDÁVEL CONSUMA + PEIXE Nossa Empresa Atuando no ramo de pescados há mais de 35 anos em todos os seus segmentos (captura, produção, manuseio, varejo, distribuição e frigorífico) a família

Leia mais

Inclusão produtiva com segurança sanitária - RDC 49/13 e a regulamentação sanitária para agricultura familiar

Inclusão produtiva com segurança sanitária - RDC 49/13 e a regulamentação sanitária para agricultura familiar Agência Nacional de Vigilância Sanitária Coordenação de Articulação Social e Cidadania COACI/GGCOF Inclusão produtiva com segurança sanitária - RDC 49/13 e a regulamentação sanitária para agricultura familiar

Leia mais

PAPEL DO INCQS NO CONTROLE DE MEDICAMENTOS BIOLÓGICOS E BIOTECNOLÓGICOS

PAPEL DO INCQS NO CONTROLE DE MEDICAMENTOS BIOLÓGICOS E BIOTECNOLÓGICOS www.incqs.fiocruz.br 1 PAPEL DO INCQS NO CONTROLE DE MEDICAMENTOS BIOLÓGICOS E BIOTECNOLÓGICOS Eduardo C. Leal INOVAÇÕES REGULATÓRIAS: FDA E TENDÊNCIAS DE CONFORMIDADE 09 DE SETEMBRO DE 2016 - SÃO PAULO,

Leia mais

2. PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA 2.1. Se houver contato significativo com o olho lavar com água corrente por 15 minutos e/ou procurar atendimento médico.

2. PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA 2.1. Se houver contato significativo com o olho lavar com água corrente por 15 minutos e/ou procurar atendimento médico. Regulatório Página 1 de 5 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Nome Fantasia: Fazenda da Toca. 1.2. Aparência: Avermelhada. 1.3. Aplicação: Pronto para consumo. 1.4. Certificações: Orgânica. 2. PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA

Leia mais

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE QUEIJO AZUL

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE QUEIJO AZUL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 45, DE 23 DE OUTUBRO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

O papel da DGAV na alimentação e na saúde

O papel da DGAV na alimentação e na saúde O papel da DGAV na alimentação e na saúde Fórum Nacional de Saúde Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Edifício Egas Moniz 27 junho 2014 Miguel Oliveira Cardo 2014 Acordo SPS World Trade Organization

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DA CARNE

PROGRAMA DE QUALIDADE DA CARNE PROGRAMA DE QUALIDADE DA CARNE As carnes, de um modo geral no Brasil, ainda não têm a garantia da segurança para consumo humano. Basicamente, o controle da qualidade é baseado na inspeção visual dos animais

Leia mais

Ações para o fortalecimento da Segurança Alimentar S.I.F. / MAPA

Ações para o fortalecimento da Segurança Alimentar S.I.F. / MAPA Ações para o fortalecimento da Segurança Alimentar S.I.F. / MAPA Leonardo Werlang Isolan Méd. Vet. MCV, DCV Chefe do SIPOA/DDA/SFA-RS Painel: Segurança Alimentar AVISULAT 2016 V Congresso e Feira Brasil

Leia mais

PPHO. Profª Me. Tatiane da Silva Poló

PPHO. Profª Me. Tatiane da Silva Poló PPHO Profª Me. Tatiane da Silva Poló PPHO Procedimento Padrão de Higiene Operacional SSOP ( Standard Sanitizing Operating Procedures ) Circular nº 369/2003-DCI/DIPOA Elaboração e implantação dos sistemas

Leia mais

Segurança Alimentar. abordagem integrada, considerando riscos e medidas de controlo ao longo de toda a cadeia alimentar

Segurança Alimentar. abordagem integrada, considerando riscos e medidas de controlo ao longo de toda a cadeia alimentar Segurança Alimentar Gestão da Segurança Alimentar Princípios básicos para GSA abordagem integrada, considerando riscos e medidas de controlo ao longo de toda a cadeia alimentar responsabilidade partilhada

Leia mais

Produção Orgânica: Requisitos legais para a produção, processamento, controle e informação da qualidade

Produção Orgânica: Requisitos legais para a produção, processamento, controle e informação da qualidade Produção Orgânica: Requisitos legais para a produção, processamento, controle e informação da qualidade José Cleber Dias de Souza Comissão da Produção Orgânica do RS CPOrg/RS DPDAG/SFA/RS Ministério da

Leia mais

Serviço de Inspeção Federal em Santa Catarina

Serviço de Inspeção Federal em Santa Catarina I Simpósio Brasileiro de Inspeção e Tecnologia de Produtos de Origem Animal Serviço de Inspeção Federal em Santa Catarina Michel Tavares Quinteiro Milcent Assis Médico Veterinário MSc. Auditor Fiscal Federal

Leia mais

Prêmio Jovem Cientista

Prêmio Jovem Cientista 1 Prêmio Jovem Cientista Linhas de Pesquisa: Cuidados com a saúde e nutrição nos esportes ELABORAÇÃO DE FARINHAS INTEGRAIS ENRIQUECIDA COM FRUTOS DO CERRADO (BARU) VISANDO ATENDER AS NECESSIDADES NUTRICIONAIS

Leia mais

TECNÓLOGO EM AGROINDÚSTRIA ITINERÁRIO FORMATIVO

TECNÓLOGO EM AGROINDÚSTRIA ITINERÁRIO FORMATIVO TECNÓLOGO EM AGROINDÚSTRIA Módulo Básico I 3 Módulo Específico II 365 h Beneficiamento e Industrialização de Grãos Toxicologia dos Alimentos Sistemas Agroindustriais Alimentares Sistemas de Armazenamento

Leia mais

LEITE EM PÓ INTEGRAL

LEITE EM PÓ INTEGRAL ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO PRODUTO LEITE EM PÓ INTEGRAL 1. DESCRIÇÃO DO OBJETO Entende-se por leite em pó o produto obtido por desidratação do leite de vaca integral, desnatado ou parcialmente desnatado

Leia mais

AZEITE DE OLIVA POST CRN3 JOVEM

AZEITE DE OLIVA POST CRN3 JOVEM AZEITE DE OLIVA POST CRN3 JOVEM 1. TEXTO O azeite de oliva é obtido do fruto da Oliveira (OIea europea L.), as azeitonas, por prensagem e esmagamento. A oliveira é nativa da parte oriental do mar mediterrâneo.

Leia mais

PERDAS E QUALIDADE PÓS-COLHEITA

PERDAS E QUALIDADE PÓS-COLHEITA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL PÓS-COLHEITA DE PRODUTOS HORTÍCOLAS - LPV 660 PERDAS E QUALIDADE PÓS-COLHEITA ENG.ª AGRÔNOMA THAIS PÁDUA PERDAS PÓS-COLHEITA INTRODUÇÃO No Mundo, 1/3 dos alimentos são

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS UM INVESTIMENTO DAS COOPERATIVAS

CATÁLOGO DE PRODUTOS UM INVESTIMENTO DAS COOPERATIVAS CATÁLOGO DE PRODUTOS UM INVESTIMENTO DAS COOPERATIVAS CATALOGO ALEGRA FOODS2016 v002.indd 1 19/02/16 10:02 e famíli D a pr A nossa a maior alegria é levar produtos de qualidade a mesa das famílias CATALOGO

Leia mais

Monitoramento de patógenos em alimentos de origem animal em estabelecimentos com SIF. Nelmon Oliveira da Costa DIPOA/SDA/MAPA

Monitoramento de patógenos em alimentos de origem animal em estabelecimentos com SIF. Nelmon Oliveira da Costa DIPOA/SDA/MAPA Monitoramento de patógenos em alimentos de origem animal em estabelecimentos com SIF Nelmon Oliveira da Costa DIPOA/SDA/MAPA Garantia da inocuidade dos alimentos Controle do Ponto de Origem Controle do

Leia mais

Plano de Marketing ACEAQ 2015/16. Junho

Plano de Marketing ACEAQ 2015/16. Junho Plano de Marketing ACEAQ 2015/16 Junho 2015 Crescimento da População Mundial e demanda por Alimentos Fonte: http://www.ufrgs.br/redesan/demanda-mundial-de-alimentos-no-futuro-seramenor-do-que-se-pensava-diz-fao

Leia mais

Evolução do Mercado de Pequenas Frutas no Brasil

Evolução do Mercado de Pequenas Frutas no Brasil Evolução do Mercado de Pequenas Frutas no Brasil Gabriel Vicente Bitencourt de Almeida Engenheiro Agrônomo, Dr. Centro de Qualidade em Horticultura - CEAGESP Centro de Qualidade em Horticultura TENDÊNCIAS

Leia mais

21/04/2014. Saúde Pública e o papel do médico veterinário. + b) Atuar na inspeção e controle dos locais de abate e

21/04/2014. Saúde Pública e o papel do médico veterinário. + b) Atuar na inspeção e controle dos locais de abate e Implicitamente, este profissional está promovendo e preservando a Saúde Pública e o papel do médico veterinário saúde humana. A utilização de conhecimentos e técnicas da medicina veterinária quem visem

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 40-E, de 25 de fevereiro de 2000)

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. (Publicada em DOU nº 40-E, de 25 de fevereiro de 2000) RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 14, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 (Publicada em DOU nº 40-E, de 25 de fevereiro de 2000) (Revogada pela Resolução RDC nº 93, de 31 de outubro de 2000) Dispõe sobre

Leia mais

Codex Alimentarius. 1º Módulo.

Codex Alimentarius. 1º Módulo. Codex Alimentarius 1º Módulo Codex Alimentarius 1º Módulo Conceitos Objetivos Histórico Expressão latina que significa código ou lei de alimentos. O que é o Codex Alimentarius? O Codex Alimentarius é um

Leia mais

Art. 2 Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE PALETA COZIDA

Art. 2 Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE PALETA COZIDA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA N 6, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2001 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MIMSTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO,

Leia mais

Oficina Base. A Segurança Alimentar e Nutricional e o Sistema de SAN

Oficina Base. A Segurança Alimentar e Nutricional e o Sistema de SAN Oficina Base A Segurança Alimentar e Nutricional e o Sistema de SAN Programação da Oficina 10h Histórico da SAN no Brasil 10h40 Intervalo 11h Construindo o conceito de SAN 12h Almoço 14h Check-in da tarde

Leia mais

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO CURSO: Engenharia de Alimentos ANO/SEMESTRE: 2012/1 DISCIPLINA: Higiene, Legislação e FASE: 7ª (HLSA) Segurança Alimentar CARGA HORÁRIA 60 h/a TURNO: Vespertino PROFESSOR(A): Marlene Gomes Pereira CRÉDITOS:

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CONCURSO PÚBLICO AUDITOR FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO MÉDICO VETERINÁRIO CRONOGRAMA DE AULAS

CURSO PREPARATÓRIO PARA CONCURSO PÚBLICO AUDITOR FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO MÉDICO VETERINÁRIO CRONOGRAMA DE AULAS CURSO PREPARATÓRIO PARA CONCURSO PÚBLICO AUDITOR FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO MÉDICO VETERINÁRIO CRONOGRAMA DE AULAS - 2017 Data Dia Horário Disciplina Duração Instrutor 02/09 sábado 08:30 / 09:00 1ª SEMANA

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE PATÊ.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE PATÊ. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 31 DE JULHO DE 2000 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA

Leia mais

Resíduos de Fungicidas em Hortaliças e Frutas. Jessica Aparecida Ferrarezi Lucas Andrade Luís Felipe da Silva Buzolin

Resíduos de Fungicidas em Hortaliças e Frutas. Jessica Aparecida Ferrarezi Lucas Andrade Luís Felipe da Silva Buzolin Resíduos de Fungicidas em Hortaliças e Frutas Jessica Aparecida Ferrarezi Lucas Andrade Luís Felipe da Silva Buzolin SUMÁRIO Introdução Importância dos agroquímicos para o setor de HF Resíduos de fungicidas

Leia mais

Cuidados a serem tomados para que produtos apícolas tenham qualidade

Cuidados a serem tomados para que produtos apícolas tenham qualidade Cuidados a serem tomados para que produtos apícolas tenham qualidade LIDIANA SOUZA CORREIA LIMA Profa. MSc. IFCE Campus Fortaleza O QUE É QUALIDADE? Conjunto de características de todo produto e serviço,

Leia mais

TECNÓLOGO EM AGROINDÚSTRIA ITINERÁRIO FORMATIVO

TECNÓLOGO EM AGROINDÚSTRIA ITINERÁRIO FORMATIVO TECNÓLOGO EM AGROINDÚSTRIA Módulo Básico I 3 Módulo Específico II 365 h Beneficiamento e Industrialização de Grãos Toxicologia dos Alimentos Sistemas Agroindustriais Alimentares Sistemas de Armazenamento

Leia mais

Tecnologia de Produtos de Origem Animal

Tecnologia de Produtos de Origem Animal UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEAS Tecnologia de Produtos de Origem Animal Prof. Daniel M. Tapia T. Eng. Agrônomo MSc. INTRODUÇÃO Produto de qualidade Aquele que atende perfeitamente, de forma

Leia mais

A Energia que vem do campo Linha de Produtos

A Energia que vem do campo Linha de Produtos A Energia que vem do campo Linha de Produtos CASTELHANO Santa Cecília 10 anos Visão Estar entre os três maiores produtores de biodiesel no Brasil Missão Participar do desenvolvimento sustentável do planeta

Leia mais

Panorama da Industrialização do Pescado. Arno Soares Seerig Gerente de Produção

Panorama da Industrialização do Pescado. Arno Soares Seerig Gerente de Produção Panorama da Industrialização do Pescado Arno Soares Seerig Gerente de Produção Cuiabá, 18 de outubro de 2014 Introdução O Brasil é um país que reúne excelentes condições para o desenvolvimento da Piscicultura;

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E POPs. Profª Me. Tatiane da Silva Poló

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E POPs. Profª Me. Tatiane da Silva Poló BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E POPs Profª Me. Tatiane da Silva Poló BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO BPF Conjunto de medidas que devem ser adotadas pelas indústrias de alimentos Garantir a qualidade sanitária

Leia mais

ANEXO I - DAS VAGAS PARA PROFESSOR CURSOS FIC LOCAL DE ATUAÇÃO: UNIDADE REMOTA DE LUCENA

ANEXO I - DAS VAGAS PARA PROFESSOR CURSOS FIC LOCAL DE ATUAÇÃO: UNIDADE REMOTA DE LUCENA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO

Leia mais

A METROLOGIA NA GESTÃO DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS

A METROLOGIA NA GESTÃO DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS A METROLOGIA NA GESTÃO DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS PROTEÇÃO AO CONSUMIDOR Vera Ponçano IPT Setembro/08 Agradecimentos - IDEC Equipe: Sezifredo Paz Marcos Pó Maria Lumena Sampaio Murilo Diversi Vera Ponçano

Leia mais

Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA. A01 Agricultura - aspectos gerais. A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA.

Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA. A01 Agricultura - aspectos gerais. A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA. Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA A01 Agricultura - aspectos gerais A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA B10 Geografia B50 História C EDUCAÇÃO, EXTENSÃO E INFORMAÇÃO C10 Educação

Leia mais

III JORNADA Científica e Tecnológica do OESTE BAIANO. Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 19 a 22 de outubro de 2010, Barreiras Bahia

III JORNADA Científica e Tecnológica do OESTE BAIANO. Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 19 a 22 de outubro de 2010, Barreiras Bahia Condições Higiênico-Sanitárias dos açougues que comercializam carnes vermelhas no município de Barreiras BA Lília Ferreira Nunes 1 Laís Silva dos Santos 1 Kariny Emanueli Carvalho Santos 1 Dariane do Amaral

Leia mais

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO COMBATE A FRAUDES DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data de Vigência: 01/08/2016. Carla Fernanda Sandri Rafael Dal RI Segatto

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO COMBATE A FRAUDES DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data de Vigência: 01/08/2016. Carla Fernanda Sandri Rafael Dal RI Segatto 0 IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO COMBATE A FRAUDES DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Páginas: 1 a 9 Código: 06 Data de Emissão: 01/07/2016 Data de Vigência: 01/08/2016 Próxima Revisão: Anual Versão n : 02 Elaborado

Leia mais

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR O QUE SÃO RESÍDUOS QUÍMICOS? São vestígios de substâncias que podem ser encontrados nos alimentos de origem animal (carne, leite

Leia mais

ESTUDO DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DOS RESERVATÓRIOS DE ÁGUA POTÁVEL DAS ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE PALMAS

ESTUDO DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DOS RESERVATÓRIOS DE ÁGUA POTÁVEL DAS ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE PALMAS 26 a 29 de novembro de 2013 Campus de Palmas ESTUDO DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DOS RESERVATÓRIOS DE ÁGUA POTÁVEL DAS ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE PALMAS Nome dos autores: Jemima Santos Pessoa 1 ; Aurélio

Leia mais

Art. 1º Aprovar a Inclusão de Coadjuvante de Tecnologia/Elaboração no Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Leite em Pó.

Art. 1º Aprovar a Inclusão de Coadjuvante de Tecnologia/Elaboração no Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Leite em Pó. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 369, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997 O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI Nº, DE 2016 (Do Sr. Carlos Bezerra) Dispõe sobre cosméticos orgânicos e altera a Lei nº 9.782, de 26 de janeiro de 1999, para tornar competência da Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Leia mais

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR Este programa de extensão rural foi aprovado pela Câmara Setorial da Carne Bovina do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso: Farmácia Disciplina: Análise Bromatológica Professor(es): Andrea Carvalheiro Guerra Matias Isabela Rosier Olimpio Pereira Núcleo Alimentos

Leia mais

Faço saber que a Assembleia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembleia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Lei: Lei nº 15.566 DE 02/09/2015 Norma Estadual - Pernambuco Publicado no DOE em 03 set 2015 Dispõe sobre as condições sanitárias relativas à fabricação, armazenamento, transporte, distribuição e comercialização

Leia mais

CASO DE SUCESSO: Inspeção Municipal de Nossa Senhora do Livramento Gerência de Projetos e Produtos Sebrae/MT Dezembro/2016

CASO DE SUCESSO: Inspeção Municipal de Nossa Senhora do Livramento Gerência de Projetos e Produtos Sebrae/MT Dezembro/2016 CASO DE SUCESSO: Inspeção Municipal de Nossa Senhora do Livramento Gerência de Projetos e Produtos Sebrae/MT Dezembro/2016 O MUNICÍPIO DE NOSSA SENHORA DO LIVRAMENTO Municipio localizado a 49 km de Cuiabá

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina TAL448 Tecnologia de Pescado

Programa Analítico de Disciplina TAL448 Tecnologia de Pescado Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Tecnologia de Alimentos - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração

Leia mais

RÓTULO A IDENTIDADE DO ALIMENTO PROGRAMA DE ROTULAGEM

RÓTULO A IDENTIDADE DO ALIMENTO PROGRAMA DE ROTULAGEM RÓTULO A IDENTIDADE DO ALIMENTO PROGRAMA DE ROTULAGEM O RÓTULO É A IDENTIDADE DO ALIMENTO A rotulagem iden fica o produto, a sua quan dade, a sua origem e o seu responsável. A colocação do rótulo é uma

Leia mais

PANDOLFO E CARDOSO LTDA. Sabonete Líquido Bell Plus Higgie Soft

PANDOLFO E CARDOSO LTDA. Sabonete Líquido Bell Plus Higgie Soft DATAS DA ELABORAÇÃO: 04/11/09 REVISADA EM: 21.08.13 PÁGINA 1 DE 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: SABONETE LÍQUIDO BOTANIC ERVA DOCE GLICERINADO CÓDIGO INTERNO DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM AÇOUGUES E FIAMBRERIAS

FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM AÇOUGUES E FIAMBRERIAS Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria Estadual da Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM AÇOUGUES E FIAMBRERIAS Méd. Vet. Ayres

Leia mais

queremos missao os que nos movem de cuidar o que nos 9 - O cliente é sempre o nosso foco

queremos missao os que nos movem de cuidar o que nos 9 - O cliente é sempre o nosso foco A GENTE SABE: Toda mãe e todo pai querem que seus filhos cresçam fortes e saudáveis. Para tanto, é essencial que uma alimentação saudável seja introduzida já nos primeiros anos de vida. Com os produtos

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO EM AGROINDÚSTRIA. Forma Subsequente

CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO EM AGROINDÚSTRIA. Forma Subsequente CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO EM AGROINDÚSTRIA Forma Subsequente Componente Curricular: Análise Físico-Química Ementa: Permite ao aluno vivenciar o controle de qualidade físico-químico dos alimentos, através

Leia mais

COMÉRCIO JUSTO: Princípios e prática. Oficina do Grupo Geração de Trabalho e Renda

COMÉRCIO JUSTO: Princípios e prática. Oficina do Grupo Geração de Trabalho e Renda Oficina do Grupo Geração de Trabalho e Renda Setembro 2010 O que é O Comércio Justo busca o desenvolvimento sustentável, especialmente de comunidades empobrecidas, e abre oportunidades para que pequenos

Leia mais

Ministério da Saúde Organização Pan-americana da Saúde- OPAS

Ministério da Saúde Organização Pan-americana da Saúde- OPAS Ministério da Saúde Organização Pan-americana da Saúde- OPAS IV Fórum Regional Sobre o Desenvolvimento Institucional nas Direções de Saúde Ambiental e I Fórum Regional de Saúde e Ambiente Brasília, de

Leia mais