QUALIDADE, ARMAZENAMENTO E COMERCIALIZAÇÃO DE PESCADO NAS CIDADES DE ANÁPOLIS E GOIÂNIA - GO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUALIDADE, ARMAZENAMENTO E COMERCIALIZAÇÃO DE PESCADO NAS CIDADES DE ANÁPOLIS E GOIÂNIA - GO"

Transcrição

1 QUALIDADE, ARMAZENAMENTO E COMERCIALIZAÇÃO DE PESCADO NAS CIDADES DE ANÁPOLIS E GOIÂNIA - GO Janni Claudia Moura Freitas Braga 1 ; Maria Madalena Rinaldi 2 1 Bolsista PBIC/UEG, graduanda do Curso de Engenharia Agrícola, UnUCET Anápolis - UEG. 2 Orientadora, docente do Curso de Engenharia Agricola e Química Industrial, UnUCET Anápolis UEG. RESUMO O trabalho objetivou obter informações quanto ao pescado comercializado nas cidades de Anápolis e Goiânia GO desde a sua qualidade, armazenamento e comercialização. O experimento foi desenvolvido nas maiores redes de supermercados e peixarias existentes nestas duas cidades no período de agosto de 2007 a julho de Primeiramente realizou-se uma amostragem para a definição de em quais supermercados e peixarias seria realizado o experimento. Em cada estabelecimento previamente definido, primeiramente realizou-se uma entrevista com os responsáveis pelo setor com o objetivo de obter informações sobre o produto comercializado desde a origem, manuseio, transporte, preço, perdas e outras informações consideradas relevantes. Em uma segunda etapa avaliou-se os produtos expostos aos consumidores em cada estabelecimento, obtendo informações quanto às características físicas, embalagens, informações fornecidas nas embalagens, vida útil do produto, temperatura e umidade de armazenamento e outras informações consideradas relevantes. Numa terceira etapa compararam-se os dados obtidos nas etapas anteriores com as exigências da Legislação Brasileira sobre o pescado. Numa quarta e última etapa realizou-se entrevistas com os consumidores de pescado no próprio local de comercialização, com a finalidade de obter informações quanto ao produto comercializado. A qualidade do pescado comercializado nas cidades de Anápolis e Goiânia ainda não corresponde totalmente ao desejado pelos consumidores. O armazenamento em sua maioria pode ser considerado adequado. A comercialização ainda pode ser melhorada em qualidade e principalmente em quantidade. As exigências da legislação brasileira para pescado estão sendo cumpridas em sua maioria. Palavras-chave: peixe, pós-colheita, conservação, vida útil. 1

2 Introdução A Organização Mundial da Saúde recomenda o consumo de 12kg de peixe por habitante ano. No Brasil o consumo médio é de 3kg de peixe por habitante ano, comparado aos demais países onde o consumo atinge 14kg de peixe por habitante ano. No estado de Goiás o consumo é de 4kg por habitante ano estando bem inferior ao recomendado pela Organização Mundial da Saúde. Segundo a FAO (2001) a carne de pescado é a fonte protéica de origem animal mais consumida no mundo, atingindo grandes índices de consumo nos países asiáticos e desenvolvidos. O pescado em geral, é um alimento muito perecível, quando comparado com outros alimentos in natura, pois apresenta uma vida útil relativamente curta. O pescado fresco é o que mais sofre deterioração post mortem do músculo nos alimentos hoje consumidos, portanto as indústrias podem ter um crescimento de mercado, se puderem manter a qualidade por mais tempo, atendendo a demanda de entressafra (Ogawa & Maia, 1999). A embalagem em atmosferas modificadas pode aumentar a vida útil do pescado, preservando a sua qualidade e inibindo o crescimento bacteriano. Isto poderia ajudar ao pescado a ser transportado a mercados situados a longa distância, incrementaria seu valor comercial e reduziria as perdas econômicas (Ogawa & Koike, 1987). As vantagens adicionais que esta tecnologia apresenta são as fáceis práticas de transporte e manuseio, a elevada disponibilidade de suprimentos e perdas físicas menores (Seafood, 1999). O trabalho objetivou obter informações quanto ao pescado comercializado nas cidades de Anápolis e Goiânia GO desde a sua qualidade, armazenamento e comercialização. Material e Métodos O experimento foi desenvolvido nas maiores redes de supermercados de Anápolis e Goiânia GO e nas maiores peixarias existentes nestas duas cidades no período de agosto de 2007 a julho de A matéria-prima analisada foi o pescado. Primeiramente realizou-se uma amostragem para a definição de em quais supermercados e peixarias seria realizado o experimento, de forma que os dados obtidos fossem estatisticamente representativos da população das duas cidades a serem estudadas. Em cada estabelecimento estudado, primeiramente realizou-se uma entrevista com os responsáveis pelo setor. O método de obtenção das informações seguiu as recomendações de 2

3 Mattar (1999) o qual afirma que a forma tradicional para coleta de dados primários (que nunca foram coletados, tabulados e analisados) é por meio da comunicação direta com o detentor dos dados, sendo a informação obtida pela declaração do próprio respondente, o que recomenda o uso de entrevistas e de questionários individuais aos detentores das informações. A aplicação de questionário e entrevistas realizadas incluiu perguntas envolvendo os seguintes aspectos: origem dos produtos (região do país, água doce, água salgada, criatório, pesque-pague e outros), variedades (espécie de peixes) comercializadas, manuseio e tratamentos realizados (peixe limpo, higienização, processamento e outros), embalagem utilizada para o transporte, transporte, sistema de comercialização, temperatura e umidade relativa de transporte, tempo decorrido entre a compra, entrega pelo fornecedor e venda do produto ao consumidor, armazenamento do produto antes de ser exposto ao consumidor, tempo de reposição de produtos nos locais de exposição ao consumidor, preço de custo do produto, variação de preço entre os fornecedores e também entre os diferentes períodos do ano a serem estudados no trabalho, perda de produto, parâmetros adotados para o descarte do produto, destino dos produtos considerados inadequados para a comercialização, quantidade de produto comercializado em cada época a ser estudada, representação (porcentagem) do comércio de pescado pelo estabelecimento em relação a outras carnes comercializadas, e em relação ao lucro total do estabelecimento, conhecimento das exigências da legislação brasileira sobre estes produtos, principais reclamações dos consumidores quanto a estes produtos, e outras informações consideradas relevantes para o trabalho. Em uma segunda etapa os produtos expostos aos consumidores em cada estabelecimento foram avaliados quanto ao peso, comprimento, diâmetro, padronização de tamanho, forma, cor, presença de defeitos, período de validade (vida útil) contido na embalagem, informações fornecidas na embalagem do produto, embalagem utilizada, quantidade de produto acondicionado em cada tipo de embalagem, alternativas de produto oferecido ao consumidor (produto inteiro, minimamente processado, congelado, refrigerado, a vácuo e outras alternativas), local no interior do estabelecimento e forma de exposição do produto ao consumidor, temperatura e umidade relativa de armazenamento, preço, variação de preço e outros dados considerados importantes para o trabalho. Numa terceira etapa realizou-se uma comparação dos dados obtidos nas etapas anteriores com as exigências da Legislação Brasileira sobre o pescado. Numa quarta e última etapa realizou-se entrevistas com consumidores de pescado no próprio local de comercialização dos mesmos, com a finalidade de obter informações quanto à qualidade visual, cor, textura, aroma, tamanho, presença de defeitos, deterioração visual, insatisfação do 3

4 consumidor quanto ao produto, sugestões de melhora, destino do produto adquirido, motivos para a aquisição, considerações ao adquirir o produto, motivos de rejeição, constância de uniformidade do produto de acordo com os dias e época de compra e outras informações consideradas relevantes para o trabalho. Resultados e Discussão Etapa 1: Nas regiões das cidades de Anápolis e Goiânia que ofereciam mais ampla e diversificada amostragem como número de habitantes, classe social e circulação de mercadorias. Parâmetros estes, que foram utilizados para selecionar três estabelecimentos em Anápolis e seis em Goiania que melhor correspondiam às propostas do projeto. Para o objetivo da pesquisa os mesmos foram nomeados aleatoriamente como: supermercado 1, supermercado 2 e supermercado 3 de Anápolis e supermercado 1, supermercado 2 e supermercado 3, supermercado 4, supermercado 5 e supermercado 6 em Goiânia, sendo que dois supermercados pertencem a mesma rede. O mesmo foi realizado para as peixarias. Os estabelecimentos avaliados nesta etapa conferem que as espécie de peixes comercializadas são em sua maioria as mesmas: sardinha, pintado, filé de tilápia, filé de merluza, filé de mapará, piramutaba em posta, camarão grande e camarão menor. A maioria é oriunda do estado do Pará, criados em criatório. Produto vem pronto, com as informações nutricionais e exigências da legislação e carimbo da inspeção. Transporte e validade dentro das exigências da legislação. De forma que o produto fique conservado. O fornecedor, geralmente embala novamente ou utiliza para outras finalidades. Temperatura de armazenamento no supermercado é em torno de 10 a 20ºC negativos. Em alguns supermercados, o manuseio do produto é realizado em sacos plásticos. Não é realizada limpeza no produto ao ser recebido no supermercado. Para a comercialização o produto é embalado no próprio supermercado em bandejas rocobertas com filme de PVC. O produto é re-embalado quando apresenta algum problema na embalagem ou é descartado quando encontram-se em condições inadequadas de comercialização. A reclamação do consumidor geralmente é em relação ao alto preço do pescado. Etapa 2: Em Anápolis e também em Goiânia, observou-se: Balcão de congelados: -20 C. Só congelados. Há placas com informações em cima do balcão, com preços e promoção, nomes 4

5 das espécies. Etiquetas à frente das espécies, no balcão indicando preços, peso. Formas: inteiros, filés e postas. Os peixes chegam congelados em carros frigoríficos são transportados em carrinhos, em caixas de plástico (PVC), ficam na câmara de congelados: -18 a -20ºC até serem colocados à venda, o que varia de 3 a 7 dias a reposição dos mesmos. Há balança e atendimento único para pescados. Nas embalagens: Informações nutricionais, Validade. Formas: postas congeladas e frescas, com validade de 2 dias. Os peixes chegam em grandes quantidades e depois fracionados e embalados no próprio supermercado (bandejas, ou à vácuo em bandeja, ou simplesmente enrolados em insufilme) etiquetado com o devido preço. Em Goiânia encontram-se também peixes inteiros expostos em balcão com gelo, ficam frescos, período de exposição: máx. 3 dias. Peixes também cortados em postas, com as respectivas indicações de preços em placas. De acordo com o pedido do cliente o peixe pode ser escamado. Nas feiras observou-se: Feira Goiania: Os peixes estão em balcão de refrigerados e chegam congelados, ficam de manhã (08h) até ao meio dia expostos, depois são colocados novamente no congelador, duram 5 dias. Estão inteiros, com cabeça. Forma: olhos fundos, escamas normais e guelras vermelhas sem muco; Cor: normal de cada espécie; Presença de defeitos: Olhos fundos; Validade contida na embalagem: Não havia embalagem, apenas sacos plásticos; Informações na embalagem: Não encontrado; Tipo de embalagem: sacos plásticos; Quantidade de produto acondicionado em cada embalagem: quantidade que couber na sacola; Alternativas de produto oferecido ao consumidor: inteiro, refrigerado Etapa 3: A Legislação para pescado no Brasil baseia-se na Portaria Nº 185 de 13 de maio de 1997 que aprova o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Peixe Fresco (Inteiro e Eviscerado). De acordo com as informações obtidas nesse projeto de pesquisa foi possível concluir que o mercado de peixes de Anápolis e Goiânia GO estão em sua maioria adequados ou adequando-se as exigências da legislação brasileira. Etapa 4: De acordo com pesquisa realizada com consumidores de pescado nas cidades de Anápolis e Goiânia GO foi possível concluir que os mesmos são adquiridos para frituras, molhos e assados. O pescado é adquirido principalmente em supermercados e peixarias devido a qualidade, preço, proximidade e comodidade. Na cidade de Goiânia alguns consumidores ainda citam a limpeza dos locais como um influenciador. A maioria dos consumidores estão satisfeitos com a qualidade do pescado adquirido normalmente. Os insatisfeitos alegam a presença de injúrias, características de produto envelhecido, sabor ruim, 5

6 podridão e muito seco ou muito mole. No momento da compra a qualidade do pescado é observada principalmente de forma visual e visual/mecânica. A maioria dos consumidores não conhece a procedência do produto adquirido. A maior influência no momento da decisão de compra do pescado está baseada na aparência externa do produto, seguida pela cor, firmeza e uniformidade. Conclusões De acordo com os resultados obtidos no projeto foi possível concluir que a qualidade do pescado comercializado nas cidades de Anápolis e Goiânia ainda não corresponde totalmente ao desejado pelos consumidores. O armazenamento em sua maioria pode ser considerado adequado. A comercialização ainda pode ser melhorada em qualidade e principalmente em quantidade. As exigências da legislação brasileira para pescado está sendo cumprida em sua maioria. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FAO. Food and Agricultural Organization. Fisheries Index. Rome MATTAR, F.N. Pesquisa de marketing: metodologia, planejamento. Vol. 1, 5ª ed. São Paulo: Atlas, p. OGAWA, M.; KOIKE, J. Manual de Pesca. Associação dos Engenheiros de Pesca. Estado do Ceará. Fortaleza Ceará, OGAWA, M.; MAIA, E. Manual de Pesca: C & T do Pescado. Vol.1. Ed. Varela, SP p. SEAFOOD, Revista. Vacuum and atmosphere pakcaged fish and fishery.1999.http/seafood.ucdavis.edu/haccp/ compendium/chapt08.htm Agradecimentos: Aos supermercados e peixarias das cidades de Anápolis e Goiânia pela possibilidade da realização da pesquisa e a Universidade Estadual de Goiás pelo suporte. 6

Palavras-chave: Lycopersicon esculentum Mill., Lactuca sativa L., comercialização.

Palavras-chave: Lycopersicon esculentum Mill., Lactuca sativa L., comercialização. PERDAS PÓS-COLHEITA DE FRUTAS E HORTALIÇAS COMERCIALIZADAS EM ANÁPOLIS GO Bruna Nascimento Oliveira 1, 4 ; Maria Madalena Rinaldi 2, 4 ; Rívia Darla Álvares Amaral 3, 4. 1 Bolsista PBIC/UEG 2 Pesquisadora

Leia mais

Anexo I Especificação de carne completa

Anexo I Especificação de carne completa Item ESPECIFICAÇÃO 1 ACEM MOIDO: Carne Bovina de 2ª Moída Magra (Acém): Carne bovina; acém; moída; resfriada; e no máximo 10% de sebo e gordura, com aspecto, cor, cheiro e sabor próprios; embalada em saco

Leia mais

CONCORRÊNCIA SRP Nº 21/2016 ATA DA REUNIÃO PARA DIVULGAÇÃO DA ANALISE DAS AMOSTRAS

CONCORRÊNCIA SRP Nº 21/2016 ATA DA REUNIÃO PARA DIVULGAÇÃO DA ANALISE DAS AMOSTRAS CONCORRÊNCIA SRP Nº 21/2016 ATA DA REUNIÃO PARA DIVULGAÇÃO DA ANALISE DAS AMOSTRAS Às dez horas e vinte minutos do dia vinte e sete do mês de setembro de dois mil e dezesseis, foi aberta no SENAC-DF, Administração

Leia mais

QUALIDADE E PADRONIZAÇÃO DE FRUTAS E HORTALIÇAS COMERCIALIZADAS EM ANÁPOLIS GO

QUALIDADE E PADRONIZAÇÃO DE FRUTAS E HORTALIÇAS COMERCIALIZADAS EM ANÁPOLIS GO QUALIDADE E PADRONIZAÇÃO DE FRUTAS E HORTALIÇAS COMERCIALIZADAS EM ANÁPOLIS GO Ruiter Lima Morais 1, 4 ; Maria Madalena Rinaldi 2, 4 ; Patricia Freitas Gois 3, 4, Drauton Danilo de Jesus Pinto 3, 4. 1

Leia mais

PARA UMA VIDA + SAUDÁVEL CONSUMA + PEIXE

PARA UMA VIDA + SAUDÁVEL CONSUMA + PEIXE PARA UMA VIDA + SAUDÁVEL CONSUMA + PEIXE Nossa Empresa Atuando no ramo de pescados há mais de 35 anos em todos os seus segmentos (captura, produção, manuseio, varejo, distribuição e frigorífico) a família

Leia mais

Qualidade do Pescado

Qualidade do Pescado Qualidade do Pescado A importância da qualidade do pescado para comercialização Produção pesqueira atingiu seu limite de captura Incertezas : Processadores Atacadistas Pescado : Quantidade necessária Qualidade

Leia mais

FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM AÇOUGUES E FIAMBRERIAS

FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM AÇOUGUES E FIAMBRERIAS Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria Estadual da Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM AÇOUGUES E FIAMBRERIAS Méd. Vet. Ayres

Leia mais

Manual de Ambiente Refrigerado Boas práticas para conservação de alimentos

Manual de Ambiente Refrigerado Boas práticas para conservação de alimentos Manual de Ambiente Refrigerado Boas práticas para conservação de alimentos 1. Introdução - Ambientes refrigerados O principal desafio do armazenamento em ambientes refrigerados é a manutenção da qualidade

Leia mais

Conservação pós-colheita de pimentas da espécie Capsicum chinense

Conservação pós-colheita de pimentas da espécie Capsicum chinense 159.doc 19/5/yyyy 1 Conservação pós-colheita de pimentas da espécie Capsicum chinense com filme de PVC em duas temperaturas. Otávio Gravina 1 ; Gilmar P. Henz 2, Sabrina I. C. de Carvalho 2 1 UFV, Viçosa-MG;

Leia mais

Comercialização e Consumo do Pescado em São Luís de Montes Belos - GO

Comercialização e Consumo do Pescado em São Luís de Montes Belos - GO Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 10 a 12 de novembro de 2010 Comercialização e Consumo do Pescado em São Luís de Montes

Leia mais

Padaria - elaboração de massas de pães salgados e doces, pães congelados atendendo à legislação vigente DANIELE LEAL

Padaria - elaboração de massas de pães salgados e doces, pães congelados atendendo à legislação vigente DANIELE LEAL Padaria - elaboração de massas de pães salgados e doces, pães congelados atendendo à legislação vigente DANIELE LEAL Nutricionista. Mestre em ciência dos alimentos e especialista em qualidade. Consultora

Leia mais

QUALIDADE PÓS-COLHEITA E VIDA ÚTIL DO MELÃO AMARELO

QUALIDADE PÓS-COLHEITA E VIDA ÚTIL DO MELÃO AMARELO QUALIDADE PÓS-COLHEITA E VIDA ÚTIL DO MELÃO AMARELO Gracielly Ribeiro de Alcântara 1,5, Maria Madalena Rinaldi 2,5, Delvio Sandri 3,4, Adriana Garcia do Amaral 4,5 ¹ Bolsista PBIC/UEG; ² Pesquisadora Orientadora;

Leia mais

AVALIAÇÃO SENSORIAL DA FRESCURA DE PESCADO

AVALIAÇÃO SENSORIAL DA FRESCURA DE PESCADO AVALIAÇÃO SENSORIAL DA FRESCURA DE PESCADO INFORMAÇÃO DE APOIO A frescura dos produtos da pesca e aquacultura, designados também por pescado (peixes, cefalópodes, crustáceos e bivalves) representa um atributo

Leia mais

CARNE BOVINA SALGADA CURADA DESSECADA OU JERKED BEEF

CARNE BOVINA SALGADA CURADA DESSECADA OU JERKED BEEF ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO PRODUTO CARNE BOVINA SALGADA CURADA DESSECADA OU JERKED BEEF 1. DESCRIÇÃO DO OBJETO Entende-se por Jerked Beef ou Carne Bovina Salgada Curada Dessecada, o produto cárneo industrializado,

Leia mais

TECNOLOGIAS TRADICIONAIS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO

TECNOLOGIAS TRADICIONAIS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO TECNOLOGIAS TRADICIONAIS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO O valor agregado em produtos de pescado não deve necessariamente estar vinculado à elaboração de produtos sofisticados

Leia mais

Panorama da Industrialização do Pescado. Arno Soares Seerig Gerente de Produção

Panorama da Industrialização do Pescado. Arno Soares Seerig Gerente de Produção Panorama da Industrialização do Pescado Arno Soares Seerig Gerente de Produção Cuiabá, 18 de outubro de 2014 Introdução O Brasil é um país que reúne excelentes condições para o desenvolvimento da Piscicultura;

Leia mais

TENDÊNCIAS NA COMERCIALIZAÇÃO DE PESCADOS NO VAREJO. Jorge Souza

TENDÊNCIAS NA COMERCIALIZAÇÃO DE PESCADOS NO VAREJO. Jorge Souza TENDÊNCIAS NA COMERCIALIZAÇÃO DE PESCADOS NO VAREJO Jorge Souza MERCADO NACIONAL E INTERNACIONAL DE PEIXES NATIVOS CULTIVADOS OPORTUNIDADES E TENDÊNCIAS FENACAM FORTALEZA 21 24 NOV/2016 JORGE SOUZA Alimentos

Leia mais

Conservação de frutos secos: resultados de ensaios experimentais. Paula Correia Cátia Almeida Raquel Guiné

Conservação de frutos secos: resultados de ensaios experimentais. Paula Correia Cátia Almeida Raquel Guiné Conservação de frutos secos: resultados de ensaios experimentais Paula Correia Cátia Almeida Raquel Guiné 31-06-2016 Introdução A qualidade dos alimentos é um conceito que tem vindo a despertar o interesse

Leia mais

A METROLOGIA NA GESTÃO DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS

A METROLOGIA NA GESTÃO DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS A METROLOGIA NA GESTÃO DA SEGURANÇA DOS ALIMENTOS PROTEÇÃO AO CONSUMIDOR Vera Ponçano IPT Setembro/08 Agradecimentos - IDEC Equipe: Sezifredo Paz Marcos Pó Maria Lumena Sampaio Murilo Diversi Vera Ponçano

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO, QUALIDADE DO CARDÁPIO E PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO, QUALIDADE DO CARDÁPIO E PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AVALIAÇÃO DO DESPERDÍCIO, QUALIDADE DO CARDÁPIO E PESQUISA DE SATISFAÇÃO DE CLIENTES EM UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA CIDADE DE SETE LAGOAS MG Anna Luiza Fernandes de SOUZA 1 Juliana Costa LIBOREDO

Leia mais

ESTUDO DAS PERDAS NO PROCESSAMENTO DE TEMPERO EM TABLETES. Ângelo Queiroz Aragão 1 ; Mariana Ferreira Oliveira²

ESTUDO DAS PERDAS NO PROCESSAMENTO DE TEMPERO EM TABLETES. Ângelo Queiroz Aragão 1 ; Mariana Ferreira Oliveira² ESTUDO DAS PERDAS NO PROCESSAMENTO DE TEMPERO EM TABLETES Ângelo Queiroz Aragão 1 ; Mariana Ferreira Oliveira² 1 Graduando do Curso de Química Industrial, UnU CET - UEG. 2 Orientadora, docente do Curso

Leia mais

Processo de Congelação De Ervilhas

Processo de Congelação De Ervilhas Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Produção Geral de Alimentos Ano Lectivo 2007/2008 Processo de Congelação De Ervilhas Ana Catarina Gaspar 20603019 Joana Catarina Ferreira

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 1 DE MARÇO DE 2004 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

PRODUÇÃO E CONSUMO DE PESCADO NO BRASIL

PRODUÇÃO E CONSUMO DE PESCADO NO BRASIL PRODUÇÃO E CONSUMO DE PESCADO NO BRASIL Bianca Schmid SEPAGRO-SP Data 24/01/2014 ABORDAGEM DO PESCADO PELO IBGE PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL PRODUTO (PIA- PRODUTO) Unidade de investigação: estabelecimento

Leia mais

"AVANÇOS EM TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO DE PESCADO PARA PEQUENAS INDÚSTRIAS QUE DESENVOLVEM PRODUTOS DE VALOR AGREGADO"

AVANÇOS EM TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO DE PESCADO PARA PEQUENAS INDÚSTRIAS QUE DESENVOLVEM PRODUTOS DE VALOR AGREGADO "AVANÇOS EM TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO DE PESCADO PARA PEQUENAS INDÚSTRIAS QUE DESENVOLVEM PRODUTOS DE VALOR AGREGADO" ANTONIO DIOGO LUSTOSA NETO Engenheiro de Pesca CREA-CE REG. NACIONAL # 060088346-9

Leia mais

RP 17 TA RP 17 FF RP 23 TAL

RP 17 TA RP 17 FF RP 23 TAL Caixas Plásticas RP 17 TA Aplicação: Transporte de produtos em geral. Cores disponíveis: azul, vermelho, amarelo, cinza, verde, laranja, branco leitoso, preto e branco natural. Medidas: 18A x 40L x 60C

Leia mais

Validação de transporte de hemocomponentes Fábio de França Martins Fundação Hemocentro de Brasília

Validação de transporte de hemocomponentes Fábio de França Martins Fundação Hemocentro de Brasília - Capacitação de agentes do SNVS - Qualificação e Validação aplicadas a estabelecimentos de Sangue, Tecidos e Células Validação de transporte de hemocomponentes Fábio de França Martins Fundação Hemocentro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO IDENTIFICAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS ITAJAÍ PLANO DE ENSINO Unidade Curricular:

Leia mais

Conservação dos Alimentos

Conservação dos Alimentos Conservação dos Alimentos Temperatura Local Adequado Higiene Data de validade Como conservar os alimentos Para que os alimentos sejam conservados da melhor maneira e não estraguem: Atenção- Temperatura

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICO QUÍMICAS, NUTRICIONAIS E VIDA ÚTIL DE JILÓ (Solanum gilo Raddi) RESUMO

CARACTERÍSTICAS FÍSICO QUÍMICAS, NUTRICIONAIS E VIDA ÚTIL DE JILÓ (Solanum gilo Raddi) RESUMO CARACTERÍSTICAS FÍSICO QUÍMICAS, NUTRICIONAIS E VIDA ÚTIL DE JILÓ (Solanum gilo Raddi) Maria Madalena Rinaldi 1 ; Marcelo Pinheiro Gonçalves 2 1 Químico Industrial, UnUCET/Anápolis - GO. 2 Docente do Curso

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB Sandra Maria de Figueiredo 1, Fernanda Fernandes de Melo

Leia mais

Direção Geral de Alimentação e Veterinária ROTULAGEM DE ORIGEM. Novas regras. Maria Teresa Carrilho DSNA-DAH

Direção Geral de Alimentação e Veterinária ROTULAGEM DE ORIGEM. Novas regras. Maria Teresa Carrilho DSNA-DAH ROTULAGEM DE ORIGEM Novas regras Maria Teresa Carrilho DSNA-DAH Congresso Nacional da Indústria Portuguesa de Carnes. Lisboa, 6 de maio de 2014 REGULAMENTO (UE) N.º 1169/2011 06-05-2014 2 Principais alterações

Leia mais

EMBALAGEM PRIMÁRIA: tipo TETRA PAK, contendo 200 ml em cada unidade. EMBALAGEM SECUNDÁRIA: caixa de papelão com até 27 unidades.

EMBALAGEM PRIMÁRIA: tipo TETRA PAK, contendo 200 ml em cada unidade. EMBALAGEM SECUNDÁRIA: caixa de papelão com até 27 unidades. EMPRESA: AIKI COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO LTDA ENDEREÇO: Av: Presidentes Vargas - BR 316 - Bairro - Ianetama - Castanhal - Pará CNPJ: 04.848.586/0001-08 FONE: (91) 3711-4042 EMAIL: licitacao@aiki.com.br PLANILHA

Leia mais

ESTUDO DA SECAGEM DE COENTRO (coriandrum sativum) NO SECADOR DE BANDEJA

ESTUDO DA SECAGEM DE COENTRO (coriandrum sativum) NO SECADOR DE BANDEJA 677 ESTUDO DA SECAGEM DE COENTRO (coriandrum sativum) NO SECADOR DE BANDEJA Gabriel Fraga Sampaio 1 ; Joaquim Vitor da Paz Neto 2 ; Renato Souza Cruz 3, José Ailton Conceição Bispo 4. 1. Bolsista PIBIT/CNPq,

Leia mais

Segurança Alimentar na Restauração. Controlo de Temperaturas na Restauração

Segurança Alimentar na Restauração. Controlo de Temperaturas na Restauração Segurança Alimentar na Restauração Controlo de Temperaturas na Restauração 1 Índice Controlo de temperaturas na restauração... 3 Controlo da temperatura na receção das matérias-primas e produtos alimentares...

Leia mais

ELABORAÇÃO Grupo Técnico Segurança Alimentar AGAS BASE LEGAL

ELABORAÇÃO Grupo Técnico Segurança Alimentar AGAS BASE LEGAL Cartilha de orientação ao comércio varejista e atacadista sobre a manipulação de produtos de origem animal em açougues e fiambrerias no Estado do Rio Grande do Sul. ELABORAÇÃO Grupo Técnico Segurança Alimentar

Leia mais

GUIA PARA ESTUFAGEM DE CARGA EM CONTÊINER REEFER

GUIA PARA ESTUFAGEM DE CARGA EM CONTÊINER REEFER GUIA PARA ESTUFAGEM DE CARGA EM CONTÊINER REEFER APRESENTAMOS UM GUIA COMPLETO QUE AUXILIE NO CARREGAMENTO DO CONTÊINER, PERMITINDO UM MELHOR ACONDICIONAMENTO DE SUA CARGA. Tratamento prévio dos produtos

Leia mais

Avaliação Escrita 1ª Etapa

Avaliação Escrita 1ª Etapa Caderno de Questões PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS Edital Nº 53/2014 Avaliação Escrita 1ª Etapa Atenção! Não abra

Leia mais

RELATÓRIO DA VERIFICAÇÃO DE CONTAMINAÇÃO MICROBIANA EM EMBALAGENS PARA TRANSPORTE DE ALIMENTOS

RELATÓRIO DA VERIFICAÇÃO DE CONTAMINAÇÃO MICROBIANA EM EMBALAGENS PARA TRANSPORTE DE ALIMENTOS RELATÓRIO DA VERIFICAÇÃO DE CONTAMINAÇÃO MICROBIANA EM EMBALAGENS PARA TRANSPORTE DE ALIMENTOS 2011 A reprodução deste documento só poderá ser feita integralmente, sem nenhuma alteração e com o conhecimento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA N 22, DE 11 DE JULHO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA N 22, DE 11 DE JULHO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA N 22, DE 11 DE JULHO DE 2011 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, SUBSTITUTO, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe conferem os arts.

Leia mais

Frutas, legumes e flores sempre frescos

Frutas, legumes e flores sempre frescos OPINIÃO Frutas, legumes e flores sempre frescos 30 set 2015 Paulo Lane* Já imaginou a vida sem a possibilidade de comer frutas e vegetais frescos, apenas porque eles não são da região ou estão fora de

Leia mais

ADVANCED PRODUCTS SOLUÇÕES PARA A QUALIDADE NO TRANSPORTE ESPECIALISTAS NA CADEIA DE FRIO RESOLVEMOS PONTOS CRÍTICOS

ADVANCED PRODUCTS SOLUÇÕES PARA A QUALIDADE NO TRANSPORTE ESPECIALISTAS NA CADEIA DE FRIO  RESOLVEMOS PONTOS CRÍTICOS ESPECIALISTAS EM SISTEMAS PARA MANUTENÇÃO DA CADEIA DE FRIO RESOLVEMOS PONTOS CRÍTICOS ADVANCED PRODUCTS SOLUÇÕES PARA A QUALIDADE NO TRANSPORTE CADEIA DE FRIO SOLUÇÕES PARA TRANSPORTE DE PRODUTOS ALIMENTARES

Leia mais

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM ESTABELECIMENTOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ALIMENTOS NA EMPASA DE JOÃO PESSOA/PB

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM ESTABELECIMENTOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ALIMENTOS NA EMPASA DE JOÃO PESSOA/PB CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM ESTABELECIMENTOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ALIMENTOS NA EMPASA DE JOÃO PESSOA/PB VIDAL, Ana Renally Cardoso 1, GOMES, Liana Santos do Nascimento 2, TEODOSIO, Albert Einstein

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DA COMERCIALIZAÇÃO DE CHEIRO VERDE ORGÂNICO E NÃO ORGÂNICO NO MUNICÍPIO DE CRATO-CE

SITUAÇÃO ATUAL DA COMERCIALIZAÇÃO DE CHEIRO VERDE ORGÂNICO E NÃO ORGÂNICO NO MUNICÍPIO DE CRATO-CE SITUAÇÃO ATUAL DA COMERCIALIZAÇÃO DE CHEIRO VERDE ORGÂNICO E NÃO ORGÂNICO NO MUNICÍPIO DE CRATO-CE João Bosco Pereira da Silva Junior 1 Renata Fernandes de Matos 2 Bruno Romão Guedes 2 Nayara Barbosa da

Leia mais

BALANÇO DE MASSA NA PRODUÇÃO DE PÃO DE QUEIJO CONGELADO NA INDÚSTRIA FRUTPRES. Camila Mendes Correa (1) ; Raquel Clasen Pich (2).

BALANÇO DE MASSA NA PRODUÇÃO DE PÃO DE QUEIJO CONGELADO NA INDÚSTRIA FRUTPRES. Camila Mendes Correa (1) ; Raquel Clasen Pich (2). BALANÇO DE MASSA NA PRODUÇÃO DE PÃO DE QUEIJO CONGELADO NA INDÚSTRIA FRUTPRES Camila Mendes Correa (1) ; Raquel Clasen Pich (2). (1) Graduando em Engenharia Química Centro Universitário de Patos de Minas

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE PIMENTA BIQUINHO EM ATMOSFERA NORMAL E MODIFICADA

CONSERVAÇÃO DE PIMENTA BIQUINHO EM ATMOSFERA NORMAL E MODIFICADA CONSERVAÇÃO DE PIMENTA BIQUINHO EM ATMOSFERA NORMAL E MODIFICADA Autores : Thaina Raupp DUARTE, Daniela TOMAZELLI, Catherine AMORIM, Diou Roger SPIDO, Bruno PAULUS, Bruna COSTA, Dienifer SELAU, Eduardo

Leia mais

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO COMBATE A FRAUDES DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data de Vigência: 01/08/2016. Carla Fernanda Sandri Rafael Dal RI Segatto

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO COMBATE A FRAUDES DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data de Vigência: 01/08/2016. Carla Fernanda Sandri Rafael Dal RI Segatto 0 IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO COMBATE A FRAUDES DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Páginas: 1 a 9 Código: 06 Data de Emissão: 01/07/2016 Data de Vigência: 01/08/2016 Próxima Revisão: Anual Versão n : 02 Elaborado

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE VIDA DE PRATELEIRA DA FARINHA OBTIDA A PARTIR DAS CASCAS DE ABACAXI (Ananas comosus L. Merril)

DETERMINAÇÃO DE VIDA DE PRATELEIRA DA FARINHA OBTIDA A PARTIR DAS CASCAS DE ABACAXI (Ananas comosus L. Merril) DETERMINAÇÃO DE VIDA DE PRATELEIRA DA FARINHA OBTIDA A PARTIR DAS CASCAS DE ABACAXI (Ananas comosus L. Merril) Thiago Silva Novais¹; Abraham Damian Giraldo Zuniga²; ¹ Aluno do Curso de Engenharia de Alimentos;

Leia mais

Pollachius virens: deve ser chamado de Saithe; Gadus macrocephalus: podem ser chamados de Bacalhau ou Bacalhau do Pacífico;

Pollachius virens: deve ser chamado de Saithe; Gadus macrocephalus: podem ser chamados de Bacalhau ou Bacalhau do Pacífico; Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Nem todo peixe salgado é bacalhau. Alguns insistem em dizer que bacalhau é um processo de fabricação que utiliza a salga, mas isso não é verdade. Fique

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO. Introdução

CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO. Introdução ISSN1516-4349 CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO Introdução O amendoim (Arachis hypogaea L), originário da América do Sul, é uma fonte importante de proteína para dieta do povo

Leia mais

DIVINO SABOR SALGADOS MANUAL DO CLIENTE

DIVINO SABOR SALGADOS MANUAL DO CLIENTE DIVINO SABOR SALGADOS MANUAL DO CLIENTE 2014/2015 RUA JOÃO GOMES BATISTA, 312 TELEFONE 5677-1651 PREPARO SALGADOS ASSADOS ESFIHAS; PASTÉIS; BAURU; DOGUINHO; HAMBURGÃO; TORTINHAS; TROUXINHAS, TRANCINHAS.

Leia mais

Portaria SES-RS Nº 66 DE 26/01/2017 Publicado no DOE em 31 jan 2017

Portaria SES-RS Nº 66 DE 26/01/2017 Publicado no DOE em 31 jan 2017 Portaria SES-RS Nº 66 DE 26/01/2017 Publicado no DOE em 31 jan 2017 Redação atualizada pela Portaria SES nº 146 de 23/03/2017, publicada no DOE em 29 março de 2017 Estabelece os requisitos e exigências

Leia mais

PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS (Aula 1)

PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS (Aula 1) PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS (Aula 1) UAP UAP Profa. Rosana Rodrigues Dra. Cláudia Pombo Sudré Doutoranda: Cíntia dos Santos Bento (LMGV/P4/ salas 110 e 111) Hortaliças - Alguns aspectos econômicos O Brasil

Leia mais

ASPECTOS GENÉRICOS DA TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

ASPECTOS GENÉRICOS DA TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ASPECTOS GENÉRICOS DA TECNOLOGIA DE ALIMENTOS O campo da ciência dos alimentos não é novo, estando nos dias de hoje a se desenvolver como uma importante ciência aplicada. Ela tem recebido novas dimensões

Leia mais

Avaliação da velocidade de reação do corretivo líquido na camada superficial de um Latossolo Vermelho distroférrico

Avaliação da velocidade de reação do corretivo líquido na camada superficial de um Latossolo Vermelho distroférrico Avaliação da velocidade de reação do corretivo líquido na camada superficial de um Latossolo Vermelho distroférrico Bruna de Souza SILVEIRA 1 ; André Luís XAVIER 1 ; Sheila Isabel do Carmo PINTO 2 ; Fernando

Leia mais

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Fones: Wats: (53)

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Fones: Wats: (53) Profa. Angélica Pinho Zootecnista Fones: 3243-7300 Wats: (53) 999913331 Email: angelicapinho@unipampa.edu.br Profa. Luciane Segabinazzi Prof. Paulo Lopes Unidade 1. Introdução à tecnologia de alimentos:

Leia mais

Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (1ª PARTE)

Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (1ª PARTE) Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (1ª PARTE) Introdução Deve retratar a política da empresa; produção de alimento seguro; empresas terceirizadas; Deve retratar a política da empresa

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO

DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO Patrícia da Silva Simão 1 ; Sandra Regina Pires de Moraes 2 ; André Luiz Ribas de Oliveira

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS Todas os alimentos deverão seguir o critério geral de: 1) Características microscópicas: Isento de substâncias estranhas de qualquer natureza. 2) Rotulagem:

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre os requisitos para rotulagem obrigatória dos principais alimentos que causam alergias alimentares. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

Associação dos Produtores Feirantes de Formiga. Associação dos Produtores Feirantes de Formiga. Associação dos Produtores Feirantes de Formiga

Associação dos Produtores Feirantes de Formiga. Associação dos Produtores Feirantes de Formiga. Associação dos Produtores Feirantes de Formiga AQUISIÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS Data Abertura: 25/04/2016 Horário Abertura: 12:30 h Mapa de Apuração dos Vencedores ITEM PRODUTO PRODUTOR 1 Doce de goiaba mole, de ótima qualidade, íntegro, produzido

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=375>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Enumeração de coliformes termotolerantes em pescados frescos e congelados Vera Lúcia

Leia mais

Capa PRODUÇÃO DE CAMARÕES DE ÁGUA DOCE NO ESTADO DE SÃO PAULO

Capa PRODUÇÃO DE CAMARÕES DE ÁGUA DOCE NO ESTADO DE SÃO PAULO PRODUÇÃO DE CAMARÕES DE ÁGUA DOCE NO ESTADO DE SÃO PAULO 4º Workshop do Grupo de Trabalho em Camarão de Água Doce - GTCAD helenicebarros@pesca.sp.gov.br Centro de Pesquisa do Pescado Continental Instituto

Leia mais

Está sendo exigido, devido a: - crescimento de consumo de produtos diferenciados de preparo rápido - mudanças sociais - participação crescente dos

Está sendo exigido, devido a: - crescimento de consumo de produtos diferenciados de preparo rápido - mudanças sociais - participação crescente dos !"#!$ Está sendo exigido, devido a: - crescimento de consumo de produtos diferenciados de preparo rápido - mudanças sociais - participação crescente dos produtos voltados ao atendimento de cozinhas industriais,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO TEOR DE LÍQUIDO PERDIDO POR DEGELO DE FRANGOS CONGELADOS (DRIPPING TEST) CONSUMIDOS NO CENTRO-OESTE DO BRASIL.

AVALIAÇÃO DO TEOR DE LÍQUIDO PERDIDO POR DEGELO DE FRANGOS CONGELADOS (DRIPPING TEST) CONSUMIDOS NO CENTRO-OESTE DO BRASIL. AVALIAÇÃO DO TEOR DE LÍQUIDO PERDIDO POR DEGELO DE FRANGOS CONGELADOS (DRIPPING TEST) CONSUMIDOS NO CENTRO-OESTE DO BRASIL. A ciência tem raízes amargas, porém os frutos são muito doces. Aristóteles (384

Leia mais

1.2. Quais os principais danos que podem ocorrer nos produtos alimentares durante o transporte?

1.2. Quais os principais danos que podem ocorrer nos produtos alimentares durante o transporte? CAPÍTULO 1 1.1. Quais os principais princípios para a escolha do transporte? 1.2. Quais os principais danos que podem ocorrer nos produtos alimentares durante o transporte? 1.3. Em que medida a respiração

Leia mais

Instruções para montagem

Instruções para montagem Created by EBCCW 00:06 by EBCCW 96:05 00:06 5125244 Instruções para montagem Edição 1.0 Garra Created by EBCCW 96:05 00:06 Created by EBCCW 00:06 by EBCCW 96:05 00:06 5125244 Instruções para montagem Garra

Leia mais

Análise da qualidade no processo produtivo de leite pasteurizado do tipo C em um laticínio de pequeno porte

Análise da qualidade no processo produtivo de leite pasteurizado do tipo C em um laticínio de pequeno porte Análise da qualidade no processo produtivo de leite pasteurizado do tipo C em um laticínio de pequeno porte Alyne Resende Piassi ¹; Ana Carolina de Oliveira 1 ; Bianca Ribeiro de Moura¹; Bruna Beatriz

Leia mais

Alexandre Panov Momesso

Alexandre Panov Momesso Alexandre Panov Momesso Medico Veterinário rio pela Universidade Paulista - UNIP Mestre em Saúde Pública P Pela Universidade de Saúde Pública P USP Auditor líder l para ISO 22000 - Gestão de Segurança

Leia mais

Pisani Plásticos BR Km 146,3 - Nº C.P Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: Fax:

Pisani Plásticos BR Km 146,3 - Nº C.P Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: Fax: Pisani Plásticos BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: 55 54 2101.8700 - Fax: 55 54 2101.8740 FILIAIS: Pindamonhangaba - SP e Recife - PE www.pisani.com.br

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL INSTRUÇÕES DE USO NOME TÉCNICO: Caixa/Estojo para Instrumental Cirúrgico NOME COMERCIAL: Caixa para Instrumental Cirúrgico PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL ATENÇÃO: Ler atentamente todas as instruções

Leia mais

Figura 1 Compras do supermercado Fonte: Microsoft Office

Figura 1 Compras do supermercado Fonte: Microsoft Office CONJUNTOS NUMÉRICOS CONTEÚDOS Número naturais Números inteiros Números racionais Números irracionais Números reais AMPLIANDO SEUS CONHECIMENTOS Os números estão presentes nas mais diversas situações do

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 14/0035-PG REGISTRO DE PREÇOS ANEXO I DESCRIÇÕES DOS ITENS

PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 14/0035-PG REGISTRO DE PREÇOS ANEXO I DESCRIÇÕES DOS ITENS PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 14/0035-PG REGISTRO DE PREÇOS ANEXO I DESCRIÇÕES DOS ITENS ITE M USO INTERNO (RCMS) DESCRIÇÃO QUANTIDADE ESTIMADA Sesc Deodoro Sesc Turismo Total Estimado Unidad e de Medida

Leia mais

Conservação de alimentos

Conservação de alimentos Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia de Alimentos Conservação de alimentos Prof. Angelita Leitão 1º semestre 2017 Conservação pelo frio Método pioneiro

Leia mais

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Fones: Profa. Gladis Ferreira Corrêa

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Fones: Profa. Gladis Ferreira Corrêa Profa. Angélica Pinho Zootecnista Fones: 3243-7300 Email: angelicapinho@unipampa.edu.br Profa. Gladis Ferreira Corrêa Unidade 1. Introdução à tecnologia de alimentos: conceitos fundamentais, definições

Leia mais

Tecnicas de Amostragens para Estudos de Resíduos Eng Agr Thiago de Oliveira

Tecnicas de Amostragens para Estudos de Resíduos Eng Agr Thiago de Oliveira Tecnicas de Amostragens para Estudos de Resíduos Eng Agr Thiago de Oliveira Agenda/ Content Amostragens e Técnicas Embalagem Armazenagem Amostragem em Citros Amostragem em Goiaba Amostragem em Morango

Leia mais

Art. 3º Para fins deste regulamento considera-se camarão fresco o produto obtido de matéria- prima

Art. 3º Para fins deste regulamento considera-se camarão fresco o produto obtido de matéria- prima MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 456, DE 10 DE SETEMBRO DE 2010 Nota: Portaria em Consulta Pública O SECRETÁRIO SUBSTITUTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA

Leia mais

PROCESSAMENTO E RENDIMENTO INDUSTRIAL DA BATATA CHIPS E PALHA - CONTROLE DA QUALIDADE

PROCESSAMENTO E RENDIMENTO INDUSTRIAL DA BATATA CHIPS E PALHA - CONTROLE DA QUALIDADE Iº Seminário sobre o Processamento da Batata ABASMIG/EPAMIG PROCESSAMENTO E RENDIMENTO INDUSTRIAL DA BATATA CHIPS E PALHA - CONTROLE DA QUALIDADE Regina Kitagawa Grizotto Eng.ª de Alimentos, Drª, PqC ITAL/FRUTHOTEC

Leia mais

Defumados - 4 passos e 11 dicas para uma produção de qualidade

Defumados - 4 passos e 11 dicas para uma produção de qualidade Defumados - 4 passos e 11 dicas para uma produção de qualidade Para alcançar o verdadeiro sucesso e permanecer no mercado dedefumados é preciso, antes de mais nada, estabelecer um padrão de excelência

Leia mais

Produtos da pesca todos os alimentos provenientes de ambientes aquáticos peixes, crustáceos, bivalves, algas. Tecnologias de elaboração de alimentos

Produtos da pesca todos os alimentos provenientes de ambientes aquáticos peixes, crustáceos, bivalves, algas. Tecnologias de elaboração de alimentos 1 todos os alimentos provenientes de ambientes aquáticos peixes, crustáceos, bivalves, algas 2 pescado de água salgada pelágicos capturados em águas superficiais ou de média profundidade arenque, sarda,

Leia mais

Lab Carvalhaes. Empresa: Odebrecht Comércio e Indústria de Café Ltda. Data da Entrada: 16/09/2015

Lab Carvalhaes. Empresa: Odebrecht Comércio e Indústria de Café Ltda. Data da Entrada: 16/09/2015 FO-055 Modelo de Laudo Qualidade Global Lab Carvalhaes - Credenciado pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo - Credenciado pela ABIC Associação Brasileira da Indústria de

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL AHPA (embalagem de 400 gr) DESCRIÇÃO: Produto preparado a partir das cultivares de Zea mays L. var. saccharata Koern, proveniente de sementes não trangénicas. Os grãos deverão apresentar-se frescos, limpos,

Leia mais

Caderno de Pós Colheita. Produção Integrada de Maçã - PIM. Documento aprovado junto a IN nº 1, em 14/09/2006 Válido para o cíclo

Caderno de Pós Colheita. Produção Integrada de Maçã - PIM. Documento aprovado junto a IN nº 1, em 14/09/2006 Válido para o cíclo Caderno de Pós Colheita Produção Integrada de Maçã - PIM Caderno de Pós - Colheita Produção Integrada de Maçã - PIM Identificação: Nome do produtor/empresa:-------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Evolução do Mercado de Pequenas Frutas no Brasil

Evolução do Mercado de Pequenas Frutas no Brasil Evolução do Mercado de Pequenas Frutas no Brasil Gabriel Vicente Bitencourt de Almeida Engenheiro Agrônomo, Dr. Centro de Qualidade em Horticultura - CEAGESP Centro de Qualidade em Horticultura TENDÊNCIAS

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS CALOR/FRIO

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS CALOR/FRIO CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS CALOR/FRIO PROPRIEDADES TÉRMICAS DOS ALIMENTOS CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS Objetivos Inibir ou retardar o desenvolvimento microbiano e enzimático. Proteger e destruir os microrganismos.

Leia mais

Tecnologia de Produtos de Oi Origem Animal. Eng. Agrônomo MSc. 2007

Tecnologia de Produtos de Oi Origem Animal. Eng. Agrônomo MSc. 2007 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA-UESB DEPARTAMENTO DE ENGNEHARIA AGRICOLA A E SOLOS- OS DEAS Tecnologia de Produtos de Oi Origem Animal Prof. Daniel M. Tapia T. Eng. Agrônomo MSc. 2007 Tecnologia

Leia mais

ANOVA - parte I Conceitos Básicos

ANOVA - parte I Conceitos Básicos ANOVA - parte I Conceitos Básicos Erica Castilho Rodrigues 9 de Agosto de 2011 Referências: Noções de Probabilidade e Estatística - Pedroso e Lima (Capítulo 11). Textos avulsos. Introdução 3 Introdução

Leia mais

GÊNEROS DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA O CARDÁPIO DE 2015 PRODUTO UND QNT MAR. ABR. MAIO JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ.

GÊNEROS DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA O CARDÁPIO DE 2015 PRODUTO UND QNT MAR. ABR. MAIO JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ. PRODUTO UND QNT MAR. ABR. MAIO JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ. ABACAXI, Fruta in natura, Kg 5.020 502 502 502 502 502 502 502 502 502 502 apresentando grau de ABÓBORA, in natura, kg 1.380 138 138 138

Leia mais

Tabela de formulários, taxas, croquis e análises para registro de rótulo/produto de origem animal IS 003/06

Tabela de formulários, taxas, croquis e análises para registro de rótulo/produto de origem animal IS 003/06 Iogurte Iogurte Natural Iogurte com Polpa de Iogurte com Pedaços de Iogurte com Suco de Iogurte com Polpa e Suco de Iogurte... Iogurte Natural Parcialmente Iogurte com Polpa de Parcialmente Iogurte com

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL DESCRIÇÃO: Produto preparado a partir das cultivares de Solanum tuberosum. Deverão apresentar-se frescas, limpas, sãs, no estado de maturação industrial conveniente, lavadas, peladas, cortadas, calibradas

Leia mais

Qualidade do carvão vegetal para cocção de alimentos com base no quality function deployment

Qualidade do carvão vegetal para cocção de alimentos com base no quality function deployment http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.84-279-1 Qualidade do carvão vegetal para cocção de alimentos com base no quality function deployment Ananias F. Dias Júnior 1, Carlos R. Andrade 2,

Leia mais

Utilização da eletricidade para a insensibilização de tambaqui (Colossoma macropomum) proveniente de pisciculturas

Utilização da eletricidade para a insensibilização de tambaqui (Colossoma macropomum) proveniente de pisciculturas Utilização da eletricidade para a insensibilização de tambaqui (Colossoma macropomum) proveniente de pisciculturas 3ª FEIRA IFMT DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EDITAL PROPES/IFMT Nº 021/2014 PESQUISADOR: Daniel

Leia mais

Copos e Pratos Térmicos

Copos e Pratos Térmicos Copos e Pratos Térmicos Copos e Pratos Térmicos Quente no inverno, gelado no verão. Copos e pratos térmicos, são a solução perfeita para as variações de temperatura. Bebidas e comidas quentes conservam

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Profª Esp. Mônica Suely Guimarães de Araujo Conceito Logística são os processos da cadeia de suprimentos (supply chain) que planejam, estruturam e controlam, de forma eficiente e

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES

CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES Nutricionista Especialista Tecnologia de Alimentos UFMA Consultor em Implementação de Unidades de Alimentação e Nutrição. Controle

Leia mais

Grupo de Avaliação do Café GAC FO-055 Laudo GAC Rev. 05 Laboratório credenciado pela Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo

Grupo de Avaliação do Café GAC FO-055 Laudo GAC Rev. 05 Laboratório credenciado pela Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo Página 1 de 5 Grupo de Avaliação do Café GAC FO-055 Laudo GAC Rev. 05 Laboratório credenciado pela Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo LAUDO DE AVALIAÇÃO Nº: 164/14 EMPRESA:

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 158/328/2015 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 328/2015 PROCESSO Nº /

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 158/328/2015 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 328/2015 PROCESSO Nº / SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPRAS Prédio II da Reitoria - Rua Desembargador Vitor Lima, 222 - Trindade 6º andar. CEP:

Leia mais

SOLUÇÕES COM BARREIRA PARA ALIMENTOS SECOS

SOLUÇÕES COM BARREIRA PARA ALIMENTOS SECOS SOLUÇÕES COM BARREIRA PARA ALIMENTOS SECOS SOLUÇÕES COM BARREIRA PARA ALIMENTOS SECOS Tendências Globais do Mercado de Alimentos e Bebidas A praticidade é o principal impulsionador para os usuários finais,

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 01/2011 PNAE/SEE-AL/15ª CRE ANEXO III TOTAL GERAL DA 15ª. CRE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS GÊNEROS ALIMENTÍCIOS CEREAIS

CHAMADA PÚBLICA 01/2011 PNAE/SEE-AL/15ª CRE ANEXO III TOTAL GERAL DA 15ª. CRE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS GÊNEROS ALIMENTÍCIOS CEREAIS ANEXO III TOTAL GERAL DA 15ª. CRE CEREAIS ARROZ BRANCO - Comum, classe longo fino, agulha, tipo 2, isento de matéria terrosa, pedras, fungos ou parasitas, livre de umidade, com grãos inteiros. Acondicionado

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA 1 OBJETIVO Esta norma tem

Leia mais