Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas"

Transcrição

1 Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade, Pesquisa e Desenvolvimento da CEAGESP 24 de novembro de 2015

2 Frutas e hortaliças frescas Cadeia de valoração sem elo coordenador Sem transformação Pequenos produtores Milhares de origens Milhares de destinos Caixas abertas Volumes pequenos de comercialização Atacado e varejo Varejo e consumo Grande diferença de valor por qualidade e tamanho no mesmo dia Sazonalidade por origem por época Perecíveis Armazenamento zero ou muito curto Baixa utilização de refrigeração Tempo curto entre colheita e consumo Ausência de padronização de medidas Produto: qualidade, medida Embalagem Ausência de fiscalização da obediência às exigências legais vigentes Grande dificuldade de localização

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25 Algumas dúvidas sobre a aplicação da RDC N 24 no negócio de frutas e hortaliças frescas

26 O produtor rural, pessoa física, está sujeito às exigências da RDC N 24, de 08 de junho de 2015? E a empresa rural? E o feirante e o ambulante?

27 A maioria dos produtores rurais é pessoa física e não jurídica. O estabelecimento do produtor rural pessoa física não é considerado empresa. O CNPJ atribuído ao produtor rural pessoa física não o transforma em pessoa jurídica. A fiscalização na produção rural é prerrogativa do MAPA e Secretaria da Agricultura.

28 Como proceder ao recolhimento e armazenamento de frutas e hortaliças frescas, exigidos no recall?

29 De quem é a culpa? Como estabelecer a responsabilidade dos vários agentes na perda de segurança das frutas e hortaliças frescas? Produtor Fornecedor de insumo na produção Transportador Fornecedor de insumo na colheita e pós-colheita Beneficiador lavagem, classificação, embalamento Transportador Atacadista Varejista Serviço de Alimentação Consumidor

30 Segurança das frutas e hortaliças frescas no Brasil Resíduo de agrotóxico não permitido para a cultura ou acima do limite Programas nacionais de monitoramento e fiscalização ANVISA, MAPA Programas estaduais Ceasas como Recife, Curitiba, Porto Alegre, Santo André Programas estaduais como Santa Catarina Privados RAMAS ABRAS Grandes redes de supermercados Indústria de alimentos Desafios Falta de registro de agrotóxicos Custo da análise Demora do resultado Boas Práticas Agrícolas única solução

31 Segurança das frutas e hortaliças frescas nos EUA: contaminação microbiológica 76 milhões de pessoas doentes e hospitalizadas Frutas e hortaliças: 12% das ocorrências Contaminação maior parte fora da produção Recente - salmonella em pepinos: 4 mortos e 838 feridos U.S. Food and Drug Administration FSMA Final Rule on Produce Safety Standards for the Growing, Harvesting, Packing, and Holding of Produce for Human Consumption USDA Resíduos de pesticidas Metade das amostras Maioria dentro dos limites de tolerancia

32

33

34 Como modernizar, sem inviabilizar o pequeno, mantendo a diversidade de produtos, incentivando a concorrência, com rastreabilidade, responsabilizando o criminoso corretamente?

35 Medidas de prevenção e preparação

36 Porque a rotulagem não pegou?

37 A rotulagem já é exigida por lei desde 1969 Resolução RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, que dispõe sobre o Regulamento Técnico da Rotulagem de Alimentos Embalados Instrução Normativa Conjunta nº 9, de 12 de novembro de 2002, editada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia e Agência Nacional de Vigilância Sanitária, que dispõe sobre os requisitos que devem ser atendidos nas embalagens destinadas ao acondicionamento de produtos hortícolas in natura Lei nº , de 6 de fevereiro de Estabelece normas para a utilização de caixas descartáveis e retornáveis no acondicionamento, transporte, distribuição e venda de alimentos hortifrutícolas "in natura" no âmbito do Município de São Paulo e dá outras providências.

38 Decreto Lei n 986 de 21 de outubro de 1969 Portaria nº 470, de 24 de novembro de 1999 Resolução - RE nº 78, de 29 de dezembro de 2000 Resolução - RDC nº 13 de 2 de janeiro de 2001 Resolução - RDC nº 155, de 27 de maio de 2002 Resolução - RDC nº 340, de 13 de dezembro de 2002 Resolução - RDC nº 40, de 8 de fevereiro de 2002 Resolução - RDC nº 39, de 8 de fevereiro de 2002 Resolução - RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002 Decreto nº 4.680, de 24 de abril de 2003 Resolução - RDC nº 03, de 10 de janeiro de 2003 Resolução RDC nº 123, de 13 de maio de 2004 Resolução RDC nº 163, 17/08/2006 Resolução RE nº 2313, 26/07/2006 Fonte:

39 Campanha permanente de adoção do rótulo e melhoria de preenchimento da nota fiscal pela CEAGESP O caminhão é parado na portaria O preenchimento da nota fiscal e a existência e preenchimento do rótulo são verificados Na ocorrência de irregularidade O comprador é chamado para assinar O produtor é alertado O prefeito recebe um alerta da CEAGESP.

40

41 O RÓTULO APROXIMA O CONSUMIDOR DO PRODUTOR.

42

43 A rotulagem é o primeiro passo para a rastreabilidade!

44 Exigência de rotulagem no Paraná Resolução SESA 748/2014ma resolução da Secretaria de Saúde do Paraná SESA, de 17/12/2014 Em vigor desde 30/08/2015 Duas etapas de implantação por grupo de produtos 1ª etapa: cebola, cenoura couve-flor, laranja, maçã, morango, repolho, tomate e uva. 2ª etapa: abacaxi, abobrinha, aipim, alface, batata, chuchu, goiaba, mamão, melancia, pepino, e pimentão.

45 Exigência de rastreabilidade em Santa Catarina Portaria Conjunta SAR/SES nº 65/2015, de 13/10/2015 Define as competências, os princípios e os procedimentos para assegurar o cadastro de produtor, o caderno de campo e a rastreabilidade da origem de produtos vegetais, in natura e minimamente processados, destinados ao consumo humano no Estado de Santa Catarina. Fica estabelecida em todo o território catarinense a obrigatoriedade do cadastro do produtor primário.

46 Algumas medidas de prevenção e preparação Rotulagem Localização geográfica Nota Fiscal do Produtor Localização geográfica Código de barra de identificação do produtor Melhoria Cadastro do produtor Ceasas Boas práticas agrícolas com a parceria do comprador Manuseio Mínimo

47

48 Centro de Qualidade, Pesquisa e Desenvolvimento da CEAGESP / 3827/3890/ 3892

RÓTULO A IDENTIDADE DO ALIMENTO PROGRAMA DE ROTULAGEM

RÓTULO A IDENTIDADE DO ALIMENTO PROGRAMA DE ROTULAGEM RÓTULO A IDENTIDADE DO ALIMENTO PROGRAMA DE ROTULAGEM O RÓTULO É A IDENTIDADE DO ALIMENTO A rotulagem iden fica o produto, a sua quan dade, a sua origem e o seu responsável. A colocação do rótulo é uma

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE. ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014

ORIENTAÇÕES SOBRE. ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 www.usualetiquetas.com.br APRESENTAÇÃO A rotulagem de frutas e hortaliças in natura foi tema

Leia mais

Demanda do Consumidor por menos Pesticidas

Demanda do Consumidor por menos Pesticidas Fresh Connections: Brazil Demanda do Consumidor por menos Pesticidas Papel do Varejo Alimentar: Supermercados exigindo dos produtores e oferecendo aos consumidores hortifruti mais saudável e seguro 18/ago/2016

Leia mais

Normas de classificação

Normas de classificação Normas de classificação Situação atual 1ª Exigências legais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2ª Adesão voluntária do Programa Brasileiro para a Modernização da Horticultura A lei

Leia mais

Comercialização de hortaliças

Comercialização de hortaliças Comercialização de hortaliças Estimativa do consumo de hortaliças em países selecionados* Israel 1022 Itália 824 China 572 Austrália Bélgica Japão Dinamarca Finlândia 479 465 454 419 381 * Consumo: g/per

Leia mais

Comercialização de Folhosas na Visão do Mercado Atacadista. Engenheiro Agrônomo Paulo Roberto Ferrari Centro de Qualidade, Pesquisa & Desenvolvimento

Comercialização de Folhosas na Visão do Mercado Atacadista. Engenheiro Agrônomo Paulo Roberto Ferrari Centro de Qualidade, Pesquisa & Desenvolvimento Comercialização de Folhosas na Visão do Mercado Atacadista Engenheiro Agrônomo Paulo Roberto Ferrari Centro de Qualidade, Pesquisa & Desenvolvimento Volume comercializado ETSP de frutas, hortaliças, flores

Leia mais

48 O CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA DE 27 JULHO A 01 DE AGOSTO DE 2008

48 O CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA DE 27 JULHO A 01 DE AGOSTO DE 2008 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GERÊNCIA GERAL DE TOXICOLOGIA 48 O CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA DE 27 JULHO A 01 DE AGOSTO DE 2008 Legislação Brasileira sobre Agrotóxicos Carlos Alexandre

Leia mais

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA Exposição a agrotóxicos Dietética Ocupacional

Leia mais

Resíduos de Fungicidas em Hortaliças e Frutas. Jessica Aparecida Ferrarezi Lucas Andrade Luís Felipe da Silva Buzolin

Resíduos de Fungicidas em Hortaliças e Frutas. Jessica Aparecida Ferrarezi Lucas Andrade Luís Felipe da Silva Buzolin Resíduos de Fungicidas em Hortaliças e Frutas Jessica Aparecida Ferrarezi Lucas Andrade Luís Felipe da Silva Buzolin SUMÁRIO Introdução Importância dos agroquímicos para o setor de HF Resíduos de fungicidas

Leia mais

Os Mecanismos de Rastreabilidade na Cadeia Produtiva Brasileira Ações do MAPA

Os Mecanismos de Rastreabilidade na Cadeia Produtiva Brasileira Ações do MAPA Os Mecanismos de Rastreabilidade na Cadeia Produtiva Brasileira Ações do MAPA Caio Tibério Dornelles da Rocha Secretário de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo Ministério da Agricultura, Pecuária

Leia mais

identidade do alimento

identidade do alimento Marca do produtor identidade Rastreabilidade do alimento Garantia de recebimento destino arantia de RASTREABILIDADE recebimento Marca do produtor Garantia de recebimento destino Garantia de recebimento

Leia mais

Apoio ao Desenvolvimento das Cadeias Produtivas Agrícolas: Cadeia Produtiva do Caju

Apoio ao Desenvolvimento das Cadeias Produtivas Agrícolas: Cadeia Produtiva do Caju Apoio ao Desenvolvimento das Cadeias Produtivas Agrícolas: Cadeia Produtiva do Caju Marcus Vinícius Martins M.Sc. em Agronomia Fiscal Federal Agropecuário Coordenador de Produção Integrada da Cadeia Agrícola

Leia mais

PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS (Aula 1)

PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS (Aula 1) PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS (Aula 1) UAP UAP Profa. Rosana Rodrigues Dra. Cláudia Pombo Sudré Doutoranda: Cíntia dos Santos Bento (LMGV/P4/ salas 110 e 111) Hortaliças - Alguns aspectos econômicos O Brasil

Leia mais

11/03/2013 DADOS DA DISCIPLINA. Benefícios do consumo regular de f&h. ImportâncIa das f&h DEFINIÇÃO - FRUTAS ALGUNS PROBLEMAS. Carga horária: 80h

11/03/2013 DADOS DA DISCIPLINA. Benefícios do consumo regular de f&h. ImportâncIa das f&h DEFINIÇÃO - FRUTAS ALGUNS PROBLEMAS. Carga horária: 80h INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA RS DADOS DA DISCIPLINA Curso: Técnico em AgroindúsTriA Disciplina: Tecnologia de FruTas e HorTaliças Tema: INTRODUÇÃO AO

Leia mais

Abobrinha N O R M A S D E C L A S S I F I C A Ç Ã O. Cucurbita pepo Cucurbita moschata PROGRAMA DE ADESÃO VOLUNTÁRIA ISSN V. 15 N.

Abobrinha N O R M A S D E C L A S S I F I C A Ç Ã O. Cucurbita pepo Cucurbita moschata PROGRAMA DE ADESÃO VOLUNTÁRIA ISSN V. 15 N. ISSN 2237-6666 V. 15 N.1 2017 Abobrinha Cucurbita pepo Cucurbita moschata PROGRAMA DE ADESÃO VOLUNTÁRIA 9 772237 666007 > N O R M A S D E C L A S S I F I C A Ç Ã O Classificação Garantia de transparência

Leia mais

Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco - ADAGRO. Belém, Outubro de IV Conferência Nacional sobre Defesa Agropecuária

Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco - ADAGRO. Belém, Outubro de IV Conferência Nacional sobre Defesa Agropecuária Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco - ADAGRO Belém, Outubro de 2013 IV Conferência Nacional sobre Defesa Agropecuária Monitoramento de Resíduos de Agrotóxicos em Feiras Orgânicas

Leia mais

Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27

Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27 Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27 Centro de Qualidade em Horticultura CEAGESP Construção e adoção de ferramentas

Leia mais

Fórum de Nutrição e Farmácia

Fórum de Nutrição e Farmácia Fórum de Nutrição e Farmácia Aproveitamento de Alimentos Anita de Souza Dias Gutierrez O Brasil no mundo Área 8 514 977 km 2-5º População - 211 255 944 5ª População urbana 181 681 112 4ª Crescimento da

Leia mais

Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária

Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária 1 Programa de Monitoramento de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos Comercializados em Pernambuco: Uma Parceria entre o Ministério Público e Vigilância Sanitária Estadual 2 Antecedentes Ano 2001 3 1. Criação

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Produtos Hortícolas Da fazenda ao consumidor M.Sc. Gustavo Quesada Roldán Universidad de Costa Rica Doutorando em Fitotecnia ESALQ/USP

Leia mais

COMPRA DIRETA DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

COMPRA DIRETA DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR BOCAINA DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE BOCAINA DO SUL COMPRA DIRETA DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Nutricionista Giselle de O. Faccin MUNICÍPIO DE BOCAINA DO SUL LOCALIZAÇÃO: - Planalto

Leia mais

Boas Práticas Agrícolas. Felipe Vita Pedrosa Médico Veterinário Vigilância em Saúde Secretaria de Saúde Prefeitura Municipal de Campinas

Boas Práticas Agrícolas. Felipe Vita Pedrosa Médico Veterinário Vigilância em Saúde Secretaria de Saúde Prefeitura Municipal de Campinas Boas Práticas Agrícolas Felipe Vita Pedrosa Médico Veterinário Vigilância em Saúde Secretaria de Saúde Prefeitura Municipal de Campinas Conteúdo 1. Introdução 2. Regularização de Estabelecimentos de Interesse

Leia mais

N O R M A S D E C L A S S I F I C A Ç Ã O

N O R M A S D E C L A S S I F I C A Ç Ã O ISSN 2237-6666 V. 12 N.1 2014 Repolho Brassica oleracea var. capitata L. Brassica oleracea var. sabauda L. PROGRAMA DE ADESÃO VOLUNTÁRIA 9 772237 666007 > N O R M A S D E C L A S S I F I C A Ç Ã O Classificação

Leia mais

Tipo 6 A MEDIDA DAS HORTALIÇAS. Boneca. Graúda. Caixa 2 Peso BONECA. gramas. Caixa 2. Graúda Média Miúda 1A 2A 3A. Tipo 12. Peso 12 cabeças.

Tipo 6 A MEDIDA DAS HORTALIÇAS. Boneca. Graúda. Caixa 2 Peso BONECA. gramas. Caixa 2. Graúda Média Miúda 1A 2A 3A. Tipo 12. Peso 12 cabeças. 18 cabeças Classe 5 1A 2A 3A TIPO 12 NOIVA A B C Diâmetro Tipo 6 A B C Tipo 8 quilograma Peso 12 cabeças Extra A Grama Primeira 3A 2A 1A NOIVA Tipo 8 EXTRA Tipo 8 B CAIXA 2 ESPECIAL Boneca 8 cabeças Peso

Leia mais

A MEDIDA DAS HORTALIÇAS

A MEDIDA DAS HORTALIÇAS 18 cabeças Classe 5 1A 2A 3A TIPO 12 NOIVA A B C Diâmetro Tipo 6 A B C Tipo 8 quilograma Peso 12 cabeças Extra A Grama Primeira 3A 2A 1A NOIVA Tipo 8 EXTRA Tipo 8 B CAIXA 2 ESPECIAL Boneca 8 cabeças Peso

Leia mais

Política pública para os produtos hortícolas frescos

Política pública para os produtos hortícolas frescos Política pública para os produtos hortícolas frescos Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade, Pesquisa e Desenvolvimento 21 de junho de 2016 Produtor pequeno, especializado Produção sazonal por

Leia mais

Fiscalização de Produtos para Alimentação Animal

Fiscalização de Produtos para Alimentação Animal Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Superintendência Federal de Agricultura em Mato Grosso do Sul Serviço de Fiscalização de Insumos Pecuários Fiscalização de Produtos para Alimentação

Leia mais

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 Expediente: Textos: Elisangeles Souza e Marcos Andersen Revisão: Elisangeles Souza, Maria Silvia

Leia mais

Registro e Fiscalização de Agrotóxicos e Afins

Registro e Fiscalização de Agrotóxicos e Afins Registro e Fiscalização de Agrotóxicos e Afins Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins Departamento de Fiscalização de Insumos Agrícolas Secretaria de Defesa Agropecuária Luís Eduardo Pacifici Rangel

Leia mais

Rastreabilidade e Segurança Alimentar. Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP

Rastreabilidade e Segurança Alimentar. Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP Rastreabilidade e Segurança Alimentar Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP Algumas constatações O cumprimento das exigências legais é dever de cada cidadão.

Leia mais

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DO DISTRITO FEDERAL CEASA-DF CEASA-DF

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DO DISTRITO FEDERAL CEASA-DF CEASA-DF 2013 Boletim Mensal Abril CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DO DISTRITO FEDERAL CEASA-DF CEASA-DF GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento Centrais de Abastecimento

Leia mais

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS RAMA 1 O QUE É O RAMA? Página 3 Sumário 2 PARA QUE SERVE O RAMA? 3 Página 4 COMO FUNCIONA O RAMA? Página 5 4 POR QUE PARTICIPAR Página 9 DO RAMA? 5 COMO PARTICIPAR DO RAMA? Página 9 6 QUAIS OS BENEFÍCIOS

Leia mais

Impactos do uso de Produtos Veterinários e de Alimentos para Animais na produção de alimentos seguros

Impactos do uso de Produtos Veterinários e de Alimentos para Animais na produção de alimentos seguros Impactos do uso de Produtos Veterinários e de Alimentos para Animais na produção de alimentos seguros MARCOS VINÍCIUS DE S. LEANDRO Jr. Médico Veterinário Fiscal Federal Agropecuário Ministério da Agricultura,

Leia mais

ISSN V. 12 N > Batata-doce Ipomoea batatas L. N O R M A S D E C L A S S I F I C A Ç Ã O PROGRAMA DE ADESÃO VOLUNTÁRIA

ISSN V. 12 N > Batata-doce Ipomoea batatas L. N O R M A S D E C L A S S I F I C A Ç Ã O PROGRAMA DE ADESÃO VOLUNTÁRIA ISSN 2237-6666 V. 12 N.2 2014 Batata-doce Ipomoea batatas L. PROGRAMA DE ADESÃO VOLUNTÁRIA 9 772237 666007 > N O R M A S D E C L A S S I F I C A Ç Ã O Classificação Garantia de transparência na comercialização

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL

DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL CHEFE DO DEPARTAMENTO: PROF. PEDRO CHRISTOFOLLETTI DISCIPLINA LPV 0480 FLORICULTURA E PLANTAS ORNAMENTAIS : PROF. PAULO HERCÍLIO OLERICULTURA : PROF. PAULO CESAR PROF.

Leia mais

síntese dos indicadores de segurança alimentar e nutricional brasil e regiões

síntese dos indicadores de segurança alimentar e nutricional brasil e regiões síntese dos indicadores de segurança alimentar e nutricional brasil e regiões - 2009 TABELA 1 Produção de alimentos (Volume produzido, em toneladas, dos alimentos mais consumidos pela população) 1.1Arroz

Leia mais

Estratégias e Experiência de Santa Cruz do Sul

Estratégias e Experiência de Santa Cruz do Sul Estratégias e Experiência de Santa Cruz do Sul Alunos atendidos: 11.556 Sede: 18 EMEI s 15 EMEF s 1 CEMEJA Rural: 1 EMEI 11 EMEF s Filantrópicas/ Associações: 14 entidades FONTE: CENSO 2015 Projeto Repensando

Leia mais

Arnaldo Muniz Garcia. 8º Encontro de Fiscalização e Seminário Nacional sobre Agrotóxicos

Arnaldo Muniz Garcia. 8º Encontro de Fiscalização e Seminário Nacional sobre Agrotóxicos 8º Encontro de Fiscalização e Seminário Nacional sobre Agrotóxicos Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA MA - 2010 Arnaldo Muniz Garcia Lei 8.080 de 1990 Art. 6º Estão incluídas

Leia mais

Art. 3º O PNCRC/Vegetal 2010/2011 inicia-se em julho de 2010 e tem vigência até junho de 2011.

Art. 3º O PNCRC/Vegetal 2010/2011 inicia-se em julho de 2010 e tem vigência até junho de 2011. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 2 DE SETEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO SUBSTITUTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA

Leia mais

Hortaliças Minimamente Processadas

Hortaliças Minimamente Processadas Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Hortaliças Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Iniciando um Pequeno Grande Negócio

Leia mais

2 As contribuições recebidas serão públicas e permanecerão à disposição de todos no site da Anvisa.

2 As contribuições recebidas serão públicas e permanecerão à disposição de todos no site da Anvisa. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 253, de 23 de setembro de 2016 D.O.U de 26/09/2016 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos - PARA RELATÓRIO COMPLEMENTAR

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos - PARA RELATÓRIO COMPLEMENTAR Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência-Geral de Toxicologia Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos - PARA RELATÓRIO COMPLEMENTAR - 2012 Brasília, 14 de novembro de 2014

Leia mais

Fernando Penteado Secretário Executivo

Fernando Penteado Secretário Executivo Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista O Banco do Agronegócio Familiar FEAP-BANAGRO Fernando Penteado Secretário Executivo Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista (FEAP) O que é o FEAP É um Fundo

Leia mais

AGENDA. O Programa RAMA. Introdução. Resultados Consumidores. Premiação. Desafios

AGENDA. O Programa RAMA. Introdução. Resultados Consumidores. Premiação. Desafios 22 FEVEREIRO 2017 AGENDA Introdução Resultados 2016 Consumidores Desafios O Programa RAMA Premiação INTRODUÇÃO Coordenação entre os Elos da Cadeia da Abastecimento FATURAMENTO DO VAREJO R$ 348,8 Bilhões

Leia mais

Produção de Alimentos Orgânicos

Produção de Alimentos Orgânicos Curso FIC Produção de Alimentos Orgânicos Fernando Domingo Zinger fernando.zinger@ifsc.edu.br 03/08/2017 Qualidade dos Alimentos Preocupação da população com: Impactos sociais e ambientais dos sistemas

Leia mais

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS RAMA 1 O QUE É O RAMA? Página 3 Sumário 2 PARA QUE SERVE O RAMA? 3 Página 4 COMO FUNCIONA O RAMA? Página 5 4 POR QUE PARTICIPAR Página 9 DO RAMA? 5 COMO PARTICIPAR DO RAMA? Página 10 6 QUAIS OS BENEFÍCIOS

Leia mais

Programa de Rotulagem da CEAGESP

Programa de Rotulagem da CEAGESP Programa de Rotulagem da CEAGESP O RÓTULO É A IDENTIDADE DO ALIMENTO O rótulo identifica o produto, a sua quantidade, a sua origem e o seu responsável. A colocação do rótulo é uma exigência da lei que

Leia mais

A Importância de uma Central de Abastecimento. Departamento Técnico Wilson Guide da Veiga

A Importância de uma Central de Abastecimento. Departamento Técnico Wilson Guide da Veiga A Importância de uma Central de Abastecimento Departamento Técnico Wilson Guide da Veiga O QUE É UMA CEASA? Ponto de reunião de agentes de comercialização, para efeito de operações de compra e venda de

Leia mais

Anonáceas Annona cherimola Mill. Annona cherimola Mill. x Annona squamosa L. Annona muricata L. Annona squamosa L.

Anonáceas Annona cherimola Mill. Annona cherimola Mill. x Annona squamosa L. Annona muricata L. Annona squamosa L. ISSN 2237-6666 V. 11 N.1 2013 Anonáceas Annona cherimola Mill. Annona cherimola Mill. x Annona squamosa L. Annona muricata L. Annona squamosa L. PROGRAMA DE ADESÃO VOLUNTÁRIA 9 772237 666007 > N O R M

Leia mais

AGRONEGÓCIO RIO DE JANEIRO. Coordenação Cepea: Ph.D Geraldo Barros Dr. Arlei Luiz Fachinello Dra. Adriana Ferreira Silva

AGRONEGÓCIO RIO DE JANEIRO. Coordenação Cepea: Ph.D Geraldo Barros Dr. Arlei Luiz Fachinello Dra. Adriana Ferreira Silva AGRONEGÓCIO RIO DE JANEIRO Coordenação Cepea: Ph.D Geraldo Barros Dr. Arlei Luiz Fachinello Dra. Adriana Ferreira Silva PIB AGRONEGÓCIO RJ em 28 R$ 12,2 BILHÕES 6. 4.5 5.616 4.589 3. 1.5 1.688-261 Insumos

Leia mais

Programa de Capacitação de Agentes Fiscais SANTA MARIA: 14/08/2013

Programa de Capacitação de Agentes Fiscais SANTA MARIA: 14/08/2013 Programa de Capacitação de Agentes Fiscais SANTA MARIA: 14/08/2013 CONCEITOS RESÍDUO: Resíduos nos estados sólido, semi-sólido ou líquido resultantes de atividades industriais, domésticas, hospitalar,

Leia mais

AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DA BAHIA DIRETORIA DE DEFESA SANITÁRIA VEGETAL DDSV. Luís Eduardo Magalhães, BA 30 de Julho de 2013

AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DA BAHIA DIRETORIA DE DEFESA SANITÁRIA VEGETAL DDSV. Luís Eduardo Magalhães, BA 30 de Julho de 2013 AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DA BAHIA DIRETORIA DE DEFESA SANITÁRIA VEGETAL DDSV Panorama do Bicudo do Algodoeiro no Oeste da Bahia Safra 2012/2013 Luís Eduardo Magalhães, BA 30 de Julho de 2013 AGÊNCIA

Leia mais

CONSIDERANDO a Lei nº , de 21 de junho de 2002, que institui a Defesa Sanitária Animal no Estado de Pernambuco, e dá outras providências;

CONSIDERANDO a Lei nº , de 21 de junho de 2002, que institui a Defesa Sanitária Animal no Estado de Pernambuco, e dá outras providências; PORTARIA AG/ATDEFN Nº 103/2015 Ementa: Disciplina a entrada e o transporte de produtos e subprodutos de origem animal no Arquipélago de Fernando de Noronha. O Administrador Geral da AUTARQUIA TERRITORIAL

Leia mais

Padaria - elaboração de massas de pães salgados e doces, pães congelados atendendo à legislação vigente DANIELE LEAL

Padaria - elaboração de massas de pães salgados e doces, pães congelados atendendo à legislação vigente DANIELE LEAL Padaria - elaboração de massas de pães salgados e doces, pães congelados atendendo à legislação vigente DANIELE LEAL Nutricionista. Mestre em ciência dos alimentos e especialista em qualidade. Consultora

Leia mais

O que é Manuseio Mínimo? CAPA

O que é Manuseio Mínimo? CAPA CAPA Mayra Monteiro Viana e Richard Truppel Manuseio Embalado na origem dir Danos e perdas verificados em toda a cadeia de hortifrutícolas são causados, principalmente, por transporte inadequado, utilização

Leia mais

Palavras-chave: Lycopersicon esculentum Mill., Lactuca sativa L., comercialização.

Palavras-chave: Lycopersicon esculentum Mill., Lactuca sativa L., comercialização. PERDAS PÓS-COLHEITA DE FRUTAS E HORTALIÇAS COMERCIALIZADAS EM ANÁPOLIS GO Bruna Nascimento Oliveira 1, 4 ; Maria Madalena Rinaldi 2, 4 ; Rívia Darla Álvares Amaral 3, 4. 1 Bolsista PBIC/UEG 2 Pesquisadora

Leia mais

Secretaria da Agricultura e do Abastecimento - SEAB. Departamento De Economia Rural - DERAL PROGRAMA SEGURO RURAL PSR/PR

Secretaria da Agricultura e do Abastecimento - SEAB. Departamento De Economia Rural - DERAL PROGRAMA SEGURO RURAL PSR/PR Secretaria da Agricultura e do Abastecimento - SEAB Departamento De Economia Rural - DERAL PROGRAMA SEGURO RURAL PSR/PR Fórum Nacional de Seguro Rural Curitiba Pr - Agosto de 2016 SECRETARIA DA AGRICULTURA

Leia mais

A FORÇA DO COMPRADOR E AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS

A FORÇA DO COMPRADOR E AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS A FORÇA DO COMPRADOR E AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS A produção de frutas e hortaliças para exportação obedece procedimentos estabelecidos pelos diferentes sistemas de certificação determinados pelo comprador,

Leia mais

TENDÊNCIAS DE. MERCADO Encontro ABRACEN Rio Branco 2010 Eng. Agrônomo Msc Gustavo Costa de Almeida Departamento de Operações da CeasaMinas

TENDÊNCIAS DE. MERCADO Encontro ABRACEN Rio Branco 2010 Eng. Agrônomo Msc Gustavo Costa de Almeida Departamento de Operações da CeasaMinas TENDÊNCIAS DE inistério da Agricultura, ecuária e Abastecimento. MERCADO Encontro ABRACEN Rio Branco 2010 Eng. Agrônomo Msc Gustavo Costa de Almeida Departamento de Operações da CeasaMinas Fotos: Thiago

Leia mais

Decreto de Regulamentação da Lei: DECRETO ESTADUAL n DE 03/12/02.

Decreto de Regulamentação da Lei: DECRETO ESTADUAL n DE 03/12/02. LEGISLAÇÃO VIGENTE PGRS LEI FEDERAL n o 9.795, de 27/04/99. A definição oficial de Educação Ambiental no Brasil. LEI ESTADUAL n o 12.493, de 22/01/99. Estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios

Leia mais

ISSN Junho, Análise das Violações encontradas em Alimentos nos Programas Nacionais de Monitoramento de Agrotóxicos

ISSN Junho, Análise das Violações encontradas em Alimentos nos Programas Nacionais de Monitoramento de Agrotóxicos ISSN 1517-5111 Junho, 2013 92 Análise das Violações encontradas em Alimentos nos Programas Nacionais de Monitoramento de ISSN 1516-4691 Junho, 2013 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES

ATA DE REUNIÃO DA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES 1 Ata de reunião realizada às 09:00horas do dia 19 de fevereiro de 2015, na sala de reuniões da Comissão Permanente de Licitações, junto a sede do Poder Executivo Municipal, onde estiveram presentes os

Leia mais

GIL, A. C; Métodos e técnicas de pesquisa social; 4ª Edição; São Paulo: Ed. Atlas, 1997.

GIL, A. C; Métodos e técnicas de pesquisa social; 4ª Edição; São Paulo: Ed. Atlas, 1997. O Sistema de Produção Integrada (PI-Brasil), desenvolvido pela Coordenação de Produção Integrada da Cadeia Agrícola, da Coordenação-Geral de Agregação de Valor, do Departamento de Desenvolvimento das Cadeias

Leia mais

Fresh Connections:Brazil Jose Luiz Tejon Megido

Fresh Connections:Brazil Jose Luiz Tejon Megido Fresh Connections:Brazil Jose Luiz Tejon Megido #freshconnections BR 21 August 2014 PRODUCE MARKETING ASSOCIATION O consumo de frutas e hortaliças frescas cresce com o desenvolvimento, com a riqueza. Fontes

Leia mais

Evolução do Mercado de Pequenas Frutas no Brasil

Evolução do Mercado de Pequenas Frutas no Brasil Evolução do Mercado de Pequenas Frutas no Brasil Gabriel Vicente Bitencourt de Almeida Engenheiro Agrônomo, Dr. Centro de Qualidade em Horticultura - CEAGESP Centro de Qualidade em Horticultura TENDÊNCIAS

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a implantação do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos e definição dos mecanismos para rastreamento de medicamentos, por meio de tecnologia

Leia mais

Industria Legal e Segurança Alimentar. DIVISA Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado da Bahia

Industria Legal e Segurança Alimentar. DIVISA Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado da Bahia Industria Legal e Segurança Alimentar DIVISA Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado da Bahia Vigilância Sanitária Objetivo: prevenção e controle de RISCOS à saúde da população e proteção

Leia mais

CEASAMINAS UNIDADE GRANDE BELO HORIZONTE CALENDÁRIO DA SAZONALIDADE DOS PREÇOS DE HORTIGRANJEIROS E CEREAIS /2015

CEASAMINAS UNIDADE GRANDE BELO HORIZONTE CALENDÁRIO DA SAZONALIDADE DOS PREÇOS DE HORTIGRANJEIROS E CEREAIS /2015 CEASAMINAS UNIDADE GRANDE BELO HORIZONTE CALENDÁRIO DA SAZONALIDADE DOS PREÇOS DE HORTIGRANJEIROS E CEREAIS - 2011/2015 HORT.FOLHAS,FLOR-HASTE ACELGA FO FO FO RE RE FR FR FR FR FR RE RE AGRIÃO FO FO FO

Leia mais

Logística de transporte de produtos agropecuários em caminhão pau-de-arara no município de Quixadá CE

Logística de transporte de produtos agropecuários em caminhão pau-de-arara no município de Quixadá CE Logística de transporte de produtos agropecuários em caminhão pau-de-arara no município de Quixadá CE Joselito Brilhante Silva¹, Rafael Abreu Pereira² ¹Professor do IFCE Campus Quixadá, joselito@ifce.edu.br

Leia mais

Programa de Rotulagem

Programa de Rotulagem Programa de Rotulagem O rótulo é a identidade do alimento O rótulo identifica o produto, a sua quantidade, a sua origem e o seu responsável. A colocação do rótulo é uma exigência da lei que deve ser cumprida

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº 1, DE 1º DE ABRIL DE 2004

INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº 1, DE 1º DE ABRIL DE 2004 Título: Instrução Normativa nº 1, de 01 de abril de 2004 Ementa não oficial: Ficam definido os procedimentos complementares para aplicação do Decreto n o 4.680, de 24 de abril de 2003, que dispõe sobre

Leia mais

PERDAS E QUALIDADE PÓS-COLHEITA

PERDAS E QUALIDADE PÓS-COLHEITA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL PÓS-COLHEITA DE PRODUTOS HORTÍCOLAS - LPV 660 PERDAS E QUALIDADE PÓS-COLHEITA ENG.ª AGRÔNOMA THAIS PÁDUA PERDAS PÓS-COLHEITA INTRODUÇÃO No Mundo, 1/3 dos alimentos são

Leia mais

CARDÁPIO MAIS EDUCAÇÃO ZONA RURAL - 1ª SEMANA SETEMBRO 2016

CARDÁPIO MAIS EDUCAÇÃO ZONA RURAL - 1ª SEMANA SETEMBRO 2016 CARDÁPIO MAIS EDUCAÇÃO ZONA RURAL - 1ª SEMANA SETEMBRO 2016 ESCOLAR MANHÃ OU TARDE (01/09/2016) Mingau de Creme de Milho Rosquinha de Leite Biscoito Doce Integral Frapê de Morango (02/09/2016) Biscoito

Leia mais

Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas.

Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas. Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de 2015. Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas. I. Introdução. Recentemente, a ANVISA publicou a Resolução de Diretoria Colegiada

Leia mais

Qualidade de Insumos Pecuários

Qualidade de Insumos Pecuários Qualidade de Insumos Pecuários Aspectos Legais e Boas Práticas na Fabricação e Comercialização 19/09/2016 Principais não conformidades encontradas durante a fiscalização Rogério dos Santos Lopes Auditor

Leia mais

Programa Nacional de Alimentação Escolar

Programa Nacional de Alimentação Escolar Programa Nacional de Alimentação Escolar AGRICULTURA FAMILIAR Conheça um pouco mais sobre o processo de compra da agricultura familiar para o Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE 1 - Preços

Leia mais

Caracterização Técnico-Econômica da Cultura do Milho Verde no Brasil em 2006 Alfredo Tsunechiro 1 e Maximiliano Miura 1

Caracterização Técnico-Econômica da Cultura do Milho Verde no Brasil em 2006 Alfredo Tsunechiro 1 e Maximiliano Miura 1 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Caracterização Técnico-Econômica da Cultura do Milho Verde no Brasil em 2006 Alfredo Tsunechiro 1 e Maximiliano Miura

Leia mais

Edital de Seleção de Feirantes N.º 01/16 DFA/SMIC

Edital de Seleção de Feirantes N.º 01/16 DFA/SMIC Edital de Seleção de Feirantes N.º 01/16 DFA/SMIC A Secretaria Municipal da Produção, Indústria e Comércio, através da Divisão de Fomento Agropecuário, torna público que estará recebendo inscrições para

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N 001/2017

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N 001/2017 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N 001/2017 A Prefeitura Municipal de Barra BA, pessoa jurídica de direito público, com sede à Avenida Dois de Julho, nº70, inscrita no CNPJ sob nº13.880.703/0001 01, representada

Leia mais

Melancia FERIADO. agrião

Melancia FERIADO. agrião CARDÁPIO BERÇÁRIO I 1ª FASE MATUTINO Papa de Papa de Melancia Papa de manga 8H30 mamão goiaba baroa,, Creme de sem Couve inhame e abóbora, pele e sem flor, beterraba e 11H30 chuchu e ervilha, maxixe semente

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 321, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 321, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 321, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA

Leia mais

Informações de mercado nas Ceasas. Wilson Guide da Veiga

Informações de mercado nas Ceasas. Wilson Guide da Veiga Informações de mercado nas Ceasas Wilson Guide da Veiga Maceió/AL - 2010 Mercados Atacadistas das Ceasas São espaços físicos que reunem vendedores, compradores, agentes públicos e informais. Estrutura

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Olericultura Geral Código da Disciplina: AGR 355. Semestre de oferta da disciplina: I e II

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Olericultura Geral Código da Disciplina: AGR 355. Semestre de oferta da disciplina: I e II PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Olericultura Geral Código da Disciplina: AGR 355 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: I e II Faculdade responsável: Agronomia Programa em vigência a partir

Leia mais

GÊNEROS DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA O CARDÁPIO DE 2015 PRODUTO UND QNT MAR. ABR. MAIO JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ.

GÊNEROS DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA O CARDÁPIO DE 2015 PRODUTO UND QNT MAR. ABR. MAIO JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ. PRODUTO UND QNT MAR. ABR. MAIO JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ. ABACAXI, Fruta in natura, Kg 5.020 502 502 502 502 502 502 502 502 502 502 apresentando grau de ABÓBORA, in natura, kg 1.380 138 138 138

Leia mais

Frente a Política Nacional de Resíduos Sólidos

Frente a Política Nacional de Resíduos Sólidos O desafio das CEASA S Frente a Política Nacional de Resíduos Sólidos QTC Visão Sobre a Saúde no Brasil A CLÍNICA Privilegia o indivíduo. O processo Saúde Doença tem a ver apenas com o agente e o homem.

Leia mais

Rastreabilidadee Alimento Seguro. Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP

Rastreabilidadee Alimento Seguro. Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP Rastreabilidadee Alimento Seguro Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP Algumas constatações O cumprimento das exigências legais édever de cada cidadão. Ninguém

Leia mais

b) comprovante de pagamento do Documento de Recolhimento de Receitas - DR, realizado em qualquer agência da rede bancária autorizada, segundo códigos

b) comprovante de pagamento do Documento de Recolhimento de Receitas - DR, realizado em qualquer agência da rede bancária autorizada, segundo códigos MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº1, DE 23 DE JANEIRO DE 2006 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

DIVISÃO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DDA/SFA-AC UNIDADES DE VIGILÂNCIA AGROPECUÁRIA UVAGRO S

DIVISÃO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DDA/SFA-AC UNIDADES DE VIGILÂNCIA AGROPECUÁRIA UVAGRO S MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA. SUPERINTENDÊNCIA FEDERAL DE AGRICULTURA NO ACRE SFA-AC. DIVISÃO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DDA/SFA-AC UNIDADES DE VIGILÂNCIA AGROPECUÁRIA UVAGRO S

Leia mais

A POLÍTICA DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DO CEARÁ AÇÕES E DESAFIOS

A POLÍTICA DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DO CEARÁ AÇÕES E DESAFIOS A POLÍTICA DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DO CEARÁ AÇÕES E DESAFIOS Petrolina Pernambuco 09 a 11/04/2013 MARCOS TEMÁTICOS 1. Plano Estadual de Ação Conjunta em Agrotóxicos 2. Marco Legal: Revisão da Lei Estadual

Leia mais

INTRODUÇÃO SITUAÇÃO NACIONAL DA PRODUÇÃO LEITEIRA. Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL

INTRODUÇÃO SITUAÇÃO NACIONAL DA PRODUÇÃO LEITEIRA. Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL 6PIV026 - Inspeção de Leite e Derivados INTRODUÇÃO SITUAÇÃO NACIONAL DA PRODUÇÃO LEITEIRA 03 de Outubro de 2017 Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL lipoa.uel@gmail.com vbeloti@uel.br www.uel.br/laboratorios/inspecao

Leia mais

CONTROLE HIGIÊNICO- SANITÁRIO DE PRODUTOS VEGETAIS

CONTROLE HIGIÊNICO- SANITÁRIO DE PRODUTOS VEGETAIS Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal CONTROLE HIGIÊNICO- SANITÁRIO DE PRODUTOS VEGETAIS Brasília/DF, 26 de novembro de 2010 LUZIA M. SOUZA FFA(ENGª AGRª,

Leia mais

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA. Minuta de Nota Técnica para divulgação dos resultados do PARA

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA. Minuta de Nota Técnica para divulgação dos resultados do PARA Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA Brasília 10 de abril de 2008 Minuta de Nota Técnica para divulgação dos resultados do PARA 1- O Sistema Nacional de Vigilância Sanitária

Leia mais

Aspectos Legais dos Produtos Artesanais no Estado do Pará

Aspectos Legais dos Produtos Artesanais no Estado do Pará GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESPECIAL DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E INCENTIVO A PRODUÇÃO AGÊNCIA ESTADUAL DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO ESTADO DO PARÁ ADEPARÁ DIRETORIA TECNICA AGROPECUARAIA

Leia mais

Sopa de mandioca, abobrinha e couve manteiga. Sopa de couve flor, espinafre e beterraba.

Sopa de mandioca, abobrinha e couve manteiga. Sopa de couve flor, espinafre e beterraba. CARDÁPIO BERÇÁRIO I 1ª FASE MATUTINO COLAÇÃO 8H30 11H30 Banana amassada Melão Papa de goiaba Papa de mamão chuchu, tomate sem pele e sem semente, beterraba e salsa mandioca, abobrinha e couve manteiga.

Leia mais

Comercialização do Tomate de Mesa no Entreposto Terminal de São Paulo

Comercialização do Tomate de Mesa no Entreposto Terminal de São Paulo Comercialização do Tomate de Mesa no Entreposto Terminal de São Paulo Engenheiro Agrônomo Paulo Roberto Ferrari Centro de Qualidade, Pesquisa & Desenvolvimento Volume comercializado ETSP de frutas, hortaliças,

Leia mais

Berçário I. Semana a DIA/REFEIÇÃO Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira. Mamão picado ou amassado

Berçário I. Semana a DIA/REFEIÇÃO Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira. Mamão picado ou amassado Berçário I Semana 05.03 a 09.03 Pêra raspada Mamão picado ou amassado Melancia picada Banana picada ou amassada Maçã raspada espaguete, frango molho de tomate. carne moída, cenoura e repolho verde músculo

Leia mais

Instrução Normativa Nº 1, de 10 de setembro de 2002

Instrução Normativa Nº 1, de 10 de setembro de 2002 Instrução Normativa Nº 1, de 10 de setembro de 2002 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 83, inciso IV,

Leia mais

Anexo I da IN 01. Proposta de mudança. CEAGESP Centro de Qualidade em Horticultura Anita de Souza Dias Gutierrez

Anexo I da IN 01. Proposta de mudança. CEAGESP Centro de Qualidade em Horticultura Anita de Souza Dias Gutierrez Anexo I da IN 01 Proposta de mudança CEAGESP Centro de Qualidade em Horticultura Anita de Souza Dias Gutierrez Solicitação encaminhada A Instrução Normativa Conjunta nº 1 de 16 de junho de 2014, estabelece

Leia mais

Produção Integrada Agropecuária como instrumento de desenvolvimento rural sustentável

Produção Integrada Agropecuária como instrumento de desenvolvimento rural sustentável Produção Integrada Agropecuária como instrumento de desenvolvimento rural sustentável Coordenação da Produção Integrada de Cadeias Agrícolas Coordenação Geral de Agregação de Valor Departamento de Desenvolvimento

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL SESC PANTANAL Nº 17/0013 PG ANEXO VI TABELA DE VALORES

PREGÃO PRESENCIAL SESC PANTANAL Nº 17/0013 PG ANEXO VI TABELA DE VALORES PREGÃO PRESENCIAL SESC PANTANAL Nº 17/0013 PG ANEXO VI TABELA DE VALORES Conforme descrito em Instrumento Convocatório, o preço de cada item estará atrelado à cotação de mercado, divulgado na tabela constante

Leia mais