iseries Configurar protecção de disco para os seus dados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "iseries Configurar protecção de disco para os seus dados"

Transcrição

1 iseries Configurar protecção de disco para os seus dados

2

3 iseries Configurar protecção de disco para os seus dados

4 Copyright International Business Machines Corporation 1998, Todos os direitos reserados.

5 Índice Parte 1. Configurar protecção de disco para os seus dados Capítulo 1. Seleccionar ferramentas de protecção do disco Conjuntos de memória auxiliar Decidir a configuração de ASPs do utilizador Criar um noo ASP num sistema actio Certificar-se de que o sistema tem área de trabalho suficiente Protecção por paridade de dispositios Planear a protecção por paridade de dispositios Como a protecção por paridade de dispositios afecta o rendimento Utilizar protecção por paridade de dispositios e protecção por replicação Protecção por replicação Protecção por replicação benefícios Protecção por replicação custos e limitações Planear a protecção por replicação Suporte de replicação de DASD remota Capítulo 2. Seleccionar o seu níel de protecção Comparação das opções Como o sistema gere a memória auxiliar Como os discos estão configurados Protecção total conjunto de discos único Protecção total conjuntos de discos múltiplos Protecção parcial múltiplos conjuntos de discos Atribuir unidades de discos a conjuntos de discos Copyright IBM Corp. 1998, 2001 iii

6 i iseries: Configurar protecção de disco para os seus dados

7 Parte 1. Configurar protecção de disco para os seus dados Para além de ter uma estratégia de cópia de segurança e recuperação de trabalho, também deerá utilizar qualquer forma de protecção de dados no seu sistema. A forma de o fazer é atraés da protecção do disco. A protecção do disco pode ajudar a eitar a perda de dados e pode impedir que o sistema pare se ocorrer uma falha do disco. Existem ários métodos de protecção do disco que pode utilizar para proteger melhor os dados. Pode utilizar qualquer combinação destes métodos. Poderá usar os assistentes de gestão de disco no Operations Naigator para o ajudar a gerir os seus conjuntos de memória auxiliar. Antes de continuar, se desejar, poderá reer estes tópicos: Como o sistema gere a memória auxiliar Como os discos estão configurados Não se esqueça: Embora a protecção do disco possa reduzir o tempo de paragem do sistema ou tornar a recuperação mais rápida, não é uma medida de substituição de cópias de segurança regulares. A protecção do disco não poderá ajudá-lo a recuperar de uma perda total do sistema, de uma falha de processador ou de uma falha de programa. Estes tópicos fornecem informações sobre os diferentes tipos de protecção do disco e sobre como utilizá-los em conjunto: Seleccionar ferramentas de protecção do disco Seleccionar o seu níel de protecção Utilize o Operations Naigator para gerir as unidades de disco nos conjuntos de discos A partir da V4R5, pode aproeitar a coneniência da interface gráfica do Operations Naigator para o auxiliar com algumas da tarefas de gestão de disco. A V4R5 oferece assistentes para o ajudar a adicionar unidades de disco a conjuntos de discos existentes (ASPs), criar um noo conjunto de discos e substituir uma unidade de disco com protecção de paridade em falha, uma unidade protegida por replicação ou uma unidade de disco não configurada. Depois de instalar o Operations Naigator, siga estes simples passos para utilizar os assistentes de gestão de disco: 1. Na janela do Operations Naigator, expanda As minhas Ligações (no seu ambiente actio). 2. Expanda o seridor no qual deseja trabalhar com as unidades de disco. 3. Expanda Configuração e Assistência. 4. Expanda Inentário de Hardware. 5. Expanda Unidades de Disco. 6. Para adicionar unidades de disco, faça clique com o botão direito do rato sobre Todas as Unidades de Disco e seleccione Adicionar uma Unidade de Disco. 7. Para criar um noo conjunto de unidades de disco (ASP), faça clique com o botão direito do rato sobre Conjuntos de Discos e seleccione Noo Conjunto de Disco. 8. Para substituir uma unidade de disco, faça clique sobre Todas as Unidades de Disco, faça clique com o botão direito do rato sobre a unidade que deseja substituir e seleccione Substituir Unidade de Disco. 9. Siga a instruções do assistente para completar a tarefa. Copyright IBM Corp. 1998,

8 2 iseries: Configurar protecção de disco para os seus dados

9 Capítulo 1. Seleccionar ferramentas de protecção do disco Quando pensa em proteger o seu sistema contra a perda de dados, tem de considerar o seguinte: Recuperação Pode recuperar as informações que perdeu, restaurando-as a partir de um suporte de cópia de segurança ou criando-as de noo? Disponibilidade Pode reduzir o tempo durante o qual o sistema está indisponíel após ocorrer um problema? Assistência Pode prestar-lhe assistência sem afectar o utilizador dos dados? A sua primeira defesa contra a perda de dados é uma boa estratégia de cópia de segurança e recuperação. Necessita de um plano para guardar regularmente as informações existentes no sistema. Estão disponíeis árias ferramentas de disponibilidade do disco para reduzir ou eliminar o tempo de paragem do sistema e ajudá-lo a recuperar dados após uma falha do disco: Conjuntos de Memória Auxiliares Protecção por paridade de dispositios Protecção por replicação Conjuntos de memória auxiliar Um conjunto de memória auxiliar (ASP), também denominado conjunto de discos no Operations Naigator, é uma definição de software de um grupo de unidades de discos existente no sistema. Isto significa que um ASP não corresponde necessariamente à disposição física dos discos. Conceptualmente, cada ASP do sistema é um conjunto separado de unidades de discos para memória de níel único. O sistema distribui os dados por todas as unidades de discos de um ASP. Se ocorrer uma falha do disco, só tem de recuperar os dados do ASP que continha a unidade em falha. Existem três tipos de ASPs: Conjunto de memória auxiliar do sistema Conjunto de memória auxiliar do utilizador Conjuntos de memória auxiliar independentes O seu sistema pode ter muitas unidades de discos ligadas para memória ASP. Para o sistema, as unidades são como uma única unidade de memória. O sistema distribui os dados pelas unidades de discos. Pode utilizar ASPs para separar as unidades de discos em subconjuntos lógicos. Para obter mais ideias sobre como utilizar conjuntos de memória auxiliar do utilizador no sistema, consulte Conjuntos de memória auxiliar exemplos de utilização. Quando atribui as unidades de discos num sistema a mais de uma ASP, cada ASP pode dispor de diferentes estratégias para disponibilidade, cópia de segurança e recuperação, e rendimento. As ASPs maximizam a recuperação se o sistema sofrer uma falha da unidade de discos que resulte em perda de dados. Se isso acontecer, só é necessária recuperação para os objectos da ASP contidos na unidade de discos em falha. Os objectos do sistema e os objectos do utilizador de outras ASPs ficam protegidos da falha dos discos. Também existem benefícios adicionais, bem como certos custos e limitações inerentes à utilização de ASPs. Para mais informações sobre conjuntos de memória auxiliar do utilizador, consulte os seguintes tópicos: Decidir a configuração de ASPs do utilizador Criar um noo ASP num sistema actio Certificar-se de que o sistema tem espaço suficiente Copyright IBM Corp. 1998,

10 Contrastar ASPs básicos e independentes Para obter informações sobre como implementar o conjunto de memória auxiliar na sua actiidade, consulte o manual Cópia de Segurança e Recuperação. Decidir a configuração de ASPs do utilizador Pode utilizar ASPs para diferentes finalidades, dependendo das necessidades da sua actiidade. Antes de configurar ASPs do utilizador, examine estes tópicos que descreem as diferentes utilizações. Utilizar ASPs para disponibilidade Utilizar ASPs para rendimento melhorado Utilizar ASPs com objectos da biblioteca de documentos Utilizar ASPs com registo em diário extensio Utilizar ASPs com registo em diário de caminhos de acesso Utilizar ASPs para disponibilidade As diferentes partes do sistema podem ter diferentes requisitos de disponibilidade e recuperação. Por exemplo, pode ter um grande ficheiro do histórico que só seja alterado no final de cada mês. As informações do ficheiro são úteis, mas não são essenciais. Pode colocar este ficheiro numa biblioteca distinta de um ASP do utilizador que não tenha protecção de disco (protecção por replicação ou protecção por paridade de dispositios). Pode omitir esta biblioteca das suas operações guardar diárias. Guarde-a apenas no fim do mês, quando for actualizada. Outro exemplo seriam documentos e arquiadores. Alguns são essenciais para a organização. Esses documento e arquiadores deem ser protegidos com protecção por paridade de dispositios ou protecção por replicação. Podem ser colocados num ASP do utilizador protegido. Outros são mantidos no sistema para fornecer informações, mas não são alterados com frequência. Podem estar num ASP do utilizador diferente, com uma estratégia de salaguarda e de protecção diferente. Utilizar ASPs para rendimento melhorado Se estier a utilizar ASPs de utilizador para um melhor rendimento do sistema, considere dedicar o ASP a um objecto que seja muito actio. Neste caso, pode configurar o ASP com apenas uma unidade de discos. No entanto, normalmente, a colocação de uma única unidade protegida por paridade de dispositios num ASP do utilizador não melhora o rendimento, uma ez que o rendimento dessa unidade é afectado por outras unidades de discos do conjunto de paridade de dispositios. A atribuição de um ASP do utilizador exclusiamente para receptores de diário que estejam ligados ao mesmo diário pode melhorar o rendimento do registo em diário. Colocando o diário e os objectos com alterações registadas em diário num ASP distinto dos receptores de diário ligados, não existirá nenhuma contenção para operações de escrita de receptores de diário. As unidades associadas ao ASP não têm de ser reposicionadas antes de cada operação de leitura ou de escrita. O sistema dispersa os receptores de diário por árias unidades de disco para melhorar o rendimento. O receptor de diário poderá ser dispersado por um máximo de dez unidades de disco num ASP. Se especificar as opções de diário RCVSIZOPT(*MAXOPT1) ou (*MAXOPT2), o sistema poderá dispersar o receptor de diário por um máximo de 100 unidades de disco num ASP. Se adicionar mais unidades de discos ao ASP enquanto o sistema estier actio, o sistema determinará se dee utilizar as noas unidades de discos para receptores de diário na próxima ez que for executada a função de alteração de diário. Outra maneira de aumentar o rendimento é certificar-se de que existem unidades de memória suficientes no ASP do utilizador para suportar o número de operações físicas de input e output que são feitas relatiamente aos objectos do ASP do utilizador. Poderá ter de experimentar moendo objectos para um 4 iseries: Configurar protecção de disco para os seus dados

11 ASP do utilizador diferente e, em seguida, superisionando o rendimento do ASP para er se as unidades de memória são utilizadas em excesso. Para mais informações sobre como trabalhar com estado do disco (comando WRKDSKSTS), para determinar se as unidades de memória têm utilização excessia, consulte o manual Work Management.. Se as unidades estierem a ser utilizadas em excesso, deerá considerar a adição de mais unidades de discos ao ASP do utilizador. Utilizar ASPs com objectos da biblioteca de documentos Pode colocar objectos da biblioteca de documentos (DLOs) em conjuntos de memória auxiliar (ASPs) do utilizador. Seguem-se as antagens possíeis da colocação de DLOs em ASPs do utilizador: A capacidade de reduzir tempos de salaguarda de DLOs e de os separar por requisitos de salaguarda. A capacidade de separar DLOs por requisitos de disponibilidade. Os DLOs essenciais podem ser colocados em ASPs do utilizador protegidos atraés da protecção por replicação ou protecção por paridade de dispositios. Os DLOs que não são alterados com frequência podem ser colocados em ASPs desprotegidos com unidades mais lentas. A capacidade de aumentar o número de documentos. Se tier uma edição actualizada do programa licenciado OS/400, poderá executar múltiplos procedimentos SAVDLO ou RSTDLO em ASPs diferentes. Também poderá executar múltiplas operações SAVDLO no mesmo ASPl. Uma possibilidade de colocar DLOs em ASPs do utilizador consiste em deixar apenas DLOs do sistema (arquiadores fornecidos pela IBM) no conjunto de memória auxiliar do sistema. Moa os outros arquiadores para conjuntos de memória auxiliar do utilizador. Os arquiadores do sistema não mudam com frequência e, por isso, podem ser guardados com pouca frequência. A secção Como Transferir um Arquiador para um ASP Diferente, no manual Cópia de Segurança e Recuperação, descree o procedimento a seguir ao moer arquiadores do conjunto de memória auxiliar do sistema para conjuntos de memória auxiliar do utilizador ou entre conjuntos de memória auxiliar do utilizador. Pode especificar um ASP no comando SAVDLO. Isso permite-lhe guardar todos os DLOs de um determinado ASP num determinado dia da semana. Por exemplo, pode guardar os DLOs do ASP 2 na Segunda-feira, os DLOs do ASP 3 na Terça-feira e assim sucessiamente. Pode guardar todos os DLOs alterados diariamente. Os passos de recuperação, caso utilize este tipo de técnica de salaguarda, dependem das informações perdidas. Se perdeu todo um ASP, dee restaurar a última cópia completa guardada dos DLOs desse ASP. Em seguida, dee restaurar os DLOs alterados a partir das cópias diárias. Quando guardar DLOs de mais do que um ASP na mesma operação, será criado na banda um ficheiro e número de sequência diferente para cada ASP. Quando restaurar, terá de especificar o número de sequência correcto. Este processo facilita o restauro de DLOs alterados apenas para o ASP perdido sem ser necessário saber os nomes de todos os arquiadores. Quando especificar DLO(*SEARCH) ou DLO(*CHG) no comando SAVDLO, especifique um ASPl, se possíel. A especificação de um ASP poupa recursos do sistema. Restrições para DLOs em ASPs do Utilizador: Estas restrições e limitações aplicam-se ao colocar DLOs em ASP do utilizador: Ao utilizar um ficheiro de salaguarda para uma operação de salaguarda, pode guardar DLOs de apenas um ASP. Se estier a guardar para um ficheiro de salaguarda e especificar SAVDLO DLO(*SEARCH) ou SAVDLO DLO(*CHG), também terá de especificar um ASPl, mesmo que saiba que os resultados da sua procura se encontram num único ASP. Capítulo 1. Seleccionar ferramentas de protecção do disco 5

12 Os documentos que não estejam em arquiadores têm de estar no conjunto de memória auxiliar do sistema. O correio pode ser arquiado num arquiador de um ASP do utilizador. O correio não arquiado encontra-se no conjunto de memória auxiliar do sistema. Utilizar ASPs com registo em diário extensio Se os diários e os ficheiros que estão a ser registados em diário estierem no mesmo conjunto de memória auxiliar que os receptores e a capacidade do ASP for excedida, terá de terminar o registo em diário de todos os objectos e recuperar da condição de capacidade excedida do ASP. O manual Cópia de Segurança e Recuperação descree como recuperar um ASP com capacidade excedida. Se o receptor de diário estier num ASP diferente do diário e o ASP de utilizador em que o receptor se encontra exceder a sua capacidade, proceda do seguinte modo: 1. Crie um noo receptor noutro ASP do utilizador. 2. Altere o diário (comando CHGJRN) para ligar o recém-criado receptor de diário. 3. Guarde o receptor desligado. 4. Elimine-o. 5. Limpe o ASP com capacidade excedida sem terminar o registo em diário. 6. Crie um noo receptor no ASP limpo. 7. Ligue o noo receptor com o comando CHGJRN. Nota: O manual Cópia de Segurança e Recuperação tem mais informações sobre como trabalhar com receptores de diário quando a capacidade de um ASP é excedida. Utilizar ASPs com registo em diário de caminhos de acesso Se pretende utilizar o registo em diário explícito de caminhos de acesso, a IBM recomenda que altere primeiro o diário para um receptor de diário no ASP do sistema (ASP 1) por alguns dias. Inicie o registo em diário de caminhos de acesso para er os requisitos de memória do receptor antes de atribuir o tamanho específico para um ASP de utilizador básico. O manual Cópia de Segurança e Recuperação fornece mais informações sobre como calcular os requisitos de memória para o registo em diário. Criar um noo ASP num sistema actio Desde a V3R6 do programa licenciado OS/400 que pode adicionar unidades de disco com o sistema actio. Quando adicionar unidades de discos a um ASP que não exista actualmente, o sistema criará um noo ASP. Se decidir criar um noo ASP do utilizador com o sistema actio, certifique-se de que compreende as seguintes considerações: Não pode iniciar a protecção por replicação enquanto o sistema estier actio. O noo ASP não estará completamente protegido, a menos que todas as unidades de discos tenham protecção por paridade de dispositios. Não pode moer unidades de discos existentes para o noo ASP enquanto o sistema estier actio. O sistema tem de moer os dados quando moe unidades de discos. Isso só pode ser feito atraés das Ferramentas de Seriço Dedicadas (DST). O sistema utiliza o tamanho de um ASP básico para determinar o limiar de memória dos receptores de diário utilizados pela protecção de caminhos de acesso gerida pelo sistema (SMAPP). Quando cria um ASP enquanto o sistema está actio, o tamanho das unidades de discos que especificar na operação que cria o ASP será considerado o tamanho do ASP para a SMAPP. Por exemplo, suponha que adiciona 2 unidades de discos a um noo ASP, o ASP 2. A capacidade total das 2 unidades de discos é 2062MB. Mais tarde, adiciona mais 2 unidades de discos para aumentar a capacidade para 4124MB. Para efeitos de SMAPP, o tamanho do ASP permanece 2062MB até à próxima ez que executar um IPL ou que actiar um ASP independente. Isso significa que o limiar de memória dos seus receptores 6 iseries: Configurar protecção de disco para os seus dados

13 de SMAPP é inferior e que o sistema terá de mudar de receptores com mais frequência. Normalmente, isso não terá consequências significatias no rendimento do sistema. O sistema determina a capacidade de cada ASP quando é executado um IPL ou quando é actiado um ASP independente. Nessa altura, o sistema faz ajustes aos seus cálculos para requisitos de tamanho de SMAPP. Consulte o manual Cópia de Segurança e Recuperação SMAPP. para mais informações sobre Certificar-se de que o sistema tem área de trabalho suficiente Quando efectua alterações à configuração do disco, o sistema poderá necessitar de área de trabalho. Isso erifica-se particularmente se pensa moer unidades de discos de um ASP para outro. O sistema precisa de moer todos os dados da unidade de discos para outras unidades de discos antes de esta ser moida. A secção Como Calcular Requisitos de Espaço para um Conjunto de Memória Auxiliar, no manual Cópia de Segurança e Recuperação, fornece exemplos de como determinar a memória de trabalho necessária para a sua situação. Também existem limites do sistema para a quantidade de memória auxiliar. Se o sistema não tier memória temporária suficiente, comece por limpar o espaço em disco. Muitas ezes, os utilizadores mantêm objectos no sistema, como, por exemplo, documentos ou ficheiros em Spool antigos, quando estes objectos já não são necessários. Considere utilizar a função de limpeza automática da Assistência à Operação para libertar algum espaço em disco no sistema. Se a remoção de objectos desnecessários da memória auxiliar não fornecer, mesmo assim, espaço temporário em disco suficiente, outra alternatia é remoer temporariamente objectos do sistema. Por exemplo, se pensa moer uma biblioteca de grandes dimensões para um noo ASP do utilizador, pode guardar a biblioteca e remoê-la do sistema. Em seguida, restaure a biblioteca após ter moido unidades de discos. Segue-se um exemplo deste processo: 1. Guarde as autoridades priadas para os objectos do sistema escreendo: SAVSECDTA DEV(unidade de bandas) 2. Guarde o objecto utilizando o comando SAVxxx correcto. Por exemplo, para guardar uma biblioteca, use o comando SAVLIB. Pode mesmo considerar a salaguarda do objecto duas ezes em 2 bandas diferentes. 3. Elimine o objecto do sistema utilizando o comando DLTxxx correcto. Por exemplo, para eliminar uma biblioteca, use o comando DLTLIB. 4. Recalcule a capacidade do disco para determinar se disponibilizou espaço temporário suficiente. 5. Se tier espaço suficiente, execute as operações de configuração do disco. 6. Restaure os objectos que eliminou. Conjuntos de memória auxiliar exemplos de utilização Os ASPs são utilizados para gerir o rendimento do sistema e os requisitos de cópia de segurança, do seguinte modo: Pode criar um ASP para fornecer recursos dedicados a objectos que são utilizados frequentemente, tais como receptores de diário. Pode criar um ASP para reter ficheiros de salaguarda. Pode fazer cópias de segurança dos objectos para ficheiros de salaguarda noutro ASP. É pouco proáel que o ASP que contém o objecto e o ASP que contém o ficheiro de salaguarda se percam. Pode criar ASPs diferentes para objectos com requisitos de recuperação e disponibilidade diferentes. Por exemplo, pode colocar ficheiros de base de dados ou documentos itais num ASP com protecção por replicação ou protecção por paridade de dispositios. Pode criar um ASP para colocar objectos frequentemente utilizados, como, por exemplo, ficheiros do histórico grandes, em unidades de discos com um rendimento inferior. Capítulo 1. Seleccionar ferramentas de protecção do disco 7

14 Pode utilizar ASPs para gerir tempos de recuperação para caminhos de acesso para ficheiros de base de dados que sejam críticos, ou não, utilizando a protecção de caminhos de acesso gerida pelo sistema. Conjuntos de memória auxiliar benefícios Colocar objectos em conjuntos de memória auxiliares, também denominados conjuntos de discos no Operations Naigator, poderá proporcionar árias antagens. Estas antagens incluem: Protecção de dados adicional. Ao separar bibliotecas, documentos ou outros objectos num ASP básico, está a protegê-los da perda de dados quando falhar uma unidade de discos do ASP do sistema ou noutro ASP básico. Por exemplo, se ocorrer uma falha da unidade de discos e os dados existentes no ASP do sistema se perderem, os objectos existentes nos ASPs básicos não serão afectados e poderão ser utilizados para recuperar objectos do ASP do sistema. Por outro lado, se ocorrer uma falha que prooque a perda dos dados existentes num ASP básico, os dados do ASP do sistema não serão afectados. Rendimento melhorado do sistema. A utilização de ASPs também pode melhorar o rendimento do sistema. Isto porque o sistema dedica as unidades de disco associadas a um ASP aos objectos nesse ASP. Por exemplo, suponha que está a trabalhar num ambiente de registo em diário extensio. A colocação de bibliotecas e objectos num ASP de utilizador básico pode reduzir a contenção entre os receptores de diário e os objectos com alterações registadas em diário, se estierem em ASPs diferentes, o que melhora o rendimento do registo em diário. No entanto, a colocação de muitos receptores de diário actios no mesmo ASP torna-se contraproducente. A contenção resultante da escrita para mais do que um receptor no ASP pode diminuir o rendimento do sistema. Para obter o máximo rendimento, coloque cada receptor de diário actio num ASP do utilizador distinto. Separação de objectos com requisitos de recuperação e disponibilidade diferentes. Pode utilizar diferentes técnicas de protecção de disco para diferentes ASPs. Também pode especificar diferentes tempos destino para a recuperação de caminhos de acesso. Pode atribuir objectos importantes ou muito utilizados a unidades de discos protegidas de eleado rendimento. Pode atribuir grandes ficheiros pouco utilizados, como ficheiros do histórico, a unidades de discos não protegidas, de baixo rendimento. Conjuntos de memória auxiliar custos e limitações Pode deparar-se com algumas limitações específicas ao utilizar conjuntos de memória auxiliar (ASPs): O sistema não consegue recuperar directamente dados perdidos numa falha de suporte de unidade de discos. Esta situação requer que execute operações de recuperação. A utilização de ASPs pode requerer unidades de discos adicionais. A utilização de ASPs ai requerer que o utilizador gira a quantidade de dados num ASP e eite um ASP com capacidade excedida. Vai ter de executar passos de recuperação especiais se a capacidade de um ASP básico for excedida. A utilização de ASPs requer que o utilizador gira objectos relacionados. Alguns objectos relacionados como, por exemplo, diários e objectos registados em diário, têm de estar no mesmo ASP básico. ASP do sistema O sistema cria automaticamente o conjunto de memória auxiliar do sistema (ASP 1), que contém a unidade de discos 1 e todos os outros discos configurados que não estão atribuídos a um ASP do utilizador. O ASP do sistema contém todos os objectos do sistema do programa licenciado OS/400 e todos os objectos de utilizador que não estejam atribuídos a um ASP básico ou independente. Nota: Pode ter unidades de discos ligadas ao sistema, mas que não estão configuradas e que não estão a ser utilizadas. Chamam-se unidades de discos não configuradas. Existem considerações adicionais que deerá ter em conta quanto à capacidade do ASP do sistema e à protecção do ASP do sistema. 8 iseries: Configurar protecção de disco para os seus dados

15 Capacidade do ASP do sistema: Se a capacidade do ASP do sistema for excedida, o sistema terminará todas as actiidades normais. Se isso acontecer, terá de executar um IPL do sistema e as acções necessárias (por exemplo, eliminar objectos) para impedir que olte a acontecer. Também pode especificar um limiar que, uma ez atingido, aise o operador do sistema de uma possíel falta de espaço. Por exemplo, se definir o alor de limiar como 80 para o ASP do sistema, a fila de mensagens do operador do sistema (QSYSOPR) e a fila de mensagens do sistema (QSYSMSG) serão notificadas quando o ASP do sistema estier 80% cheio. É eniada uma mensagem de hora a hora até o alor do limiar ser alterado ou até serem eliminados ou transferidos objectos do ASP do sistema. Se ignorar esta mensagem, o ASP do sistema atingirá a capacidade máxima e o sistema será terminado anormalmente. Pode utilizar um terceiro método para impedir que o ASP do sistema atinja a capacidade máxima utilizando os alores do sistema QSTGLOWLMT e QSTGLOWACN. Para mais informações, consulte Como Alterar o Limiar de Memória para o Conjunto de Memória Auxiliar do Sistema, no manual Cópia de Segurança e Recuperação. Proteger o seu ASP do sistema: A IBM recomenda a utilização da protecção por paridade de dispositios ou da protecção por replicação no ASP do sistema. A utilização de ferramentas de protecção do disco reduz a possibilidade de o ASP do sistema perder todos os dados. Se houer perda do ASP do sistema, também se perderá a capacidade de endereçamento aos objectos de todos os ASPs do utilizador. Pode restaurar a capacidade de endereçamento restaurando todo o sistema ou executando o comando Regenerar Memória (RCLSTG). No entanto, o comando RCLSTG não permite recuperar a propriedade dos objectos. Depois de executar o comando, o perfil do utilizador QDFTOWN fica proprietário de todos os objectos. Pode utilizar o procedimento do comando Regenerar Objecto da Biblioteca de Documentos (RCLDLO) para recuperar a propriedade dos objectos da biblioteca de documentos. ASPs do utilizador Poderá criar um ASP de utilizador agrupando um conjunto de unidades de discos e atribuindo-o a um conjunto de memória auxiliar (ASP). Os ASPs de utilizador existem em dois formatos: ASPs básicos e ASPs independentes. Pode configurar os ASPs básicos de utilizador 2 a 32. Os ASPs independentes estão numerados entre 33 e 99. Num ambiente de conjuntos de unidade, os ASPs independentes podem ser trocados entre sistemas sem ser necessário efectuar um IPL, permitindo desta forma a permanente disponibilidade dos dados. Os ASPs básicos podem conter bibliotecas, documentos e certos tipos de objectos. Os ASPs independentes suportam os sistemas de ficheiros definidos pelo utilizador (UDFS). ASPs do utilizador de biblioteca ASPs do utilizador sem ser de biblioteca Depois de configurar os ASPs, deerá protegê-los utilizando a protecção por replicação ou a protecção por paridade de dispositios. ASPs do utilizador de biblioteca: Os ASPs de utilizador de biblioteca contêm bibliotecas e sistemas de ficheiros definidos pelo utilizador (UDFS). A IBM recomenda a utilização de ASPs do utilizador de biblioteca porque os passos de recuperação são mais fáceis do que com os ASPs do utilizador sem ser de biblioteca. Existem ários factores a considerar ao utilizar ASPs do utilizador de biblioteca. O Que Dee Saber Sobre ASPs do Utilizador de Biblioteca: Não crie bibliotecas do sistema ou de produtos (bibliotecas começadas por Q ou #) ou arquiadores (arquiadores começados por Q) num ASP do utilizador. Não restaure nenhuma destas bibliotecas ou arquiadores para um ASP do utilizador. Se o fizer, pode proocar resultados impreisíeis. Capítulo 1. Seleccionar ferramentas de protecção do disco 9

16 Os conjuntos de memória auxiliar do utilizador de biblioteca podem conter bibliotecas e objectos da biblioteca de documentos. A biblioteca de documentos de um ASP do utilizador chama-se QDOCnnnn, em que nnnn é o número do ASP. Os diários e os objectos que estão a ser registados em diário têm de estar obrigatoriamente no mesmo ASP. Coloque os receptores de diário num ASP diferente. Isso protege contra a perda dos objectos e dos receptores se ocorrer uma falha do suporte de disco. O registo em diário só pode ser iniciado se o diário (tipo de objecto *JRN) e o objecto a ser registado em diário estierem no mesmo ASP. Utilize os seguintes comandos para iniciar o registo em diário. Comando Iniciar Registo em Diário de Ficheiro Físico (STRJRNPF) para ficheiros físicos Comando Iniciar Registo em Diário de Caminhos de Acesso (STRJRNAP) para caminhos de acesso Comando Iniciar Diário (STRJRN) para objectos do sistema de ficheiros integrado (IFS) Comando Iniciar Registo em Diário de Objecto (STRJRNOBJ) para outros tipos de objectos O registo em diário não pode ser iniciado de noo para um objecto que seja guardado e, em seguida, restaurado para um ASP diferente que não contenha o diário. O diário e o objecto têm de estar no mesmo ASP para que o registo em diário seja automaticamente reiniciado para o objecto. Nenhuma rede de base de dados pode ultrapassar os limites do ASP.Não é possíel criar um ficheiro num ASP que dependa de um ficheiro de um ASP diferente. Todos os ficheiros físicos baseados num ficheiro lógico têm de estar no mesmo ASP que o ficheiro lógico. O sistema constrói caminhos de acesso apenas para ficheiros de base de dados no mesmo ASP que o ficheiro físico baseado (as consultas temporárias não são limitadas). Os caminhos de acesso nunca são partilhados por ficheiros de ASPs diferentes. Os formatos de registo não são partilhados entre ASPs diferentes. Em ez disso, é ignorado um pedido de formato, sendo criado um noo formato de registo. Pode colocar uma colecção de SQL num ASP do utilizador. Especifique o ASP destino quando criar a colecção. Se o conjunto de memória auxiliar de biblioteca de utilizador não contier nenhum ficheiro de base de dados, defina o tempo de recuperação de caminho de acesso de destino do ASP como *NONE. Isso erificar-se-ia, por exemplo, se o conjunto de memória auxiliar de biblioteca de utilizador contiesse apenas bibliotecas para receptores de diário. Se definir o tempo de recuperação do caminho de acesso como *NONE, eitará que o sistema tenha trabalho desnecessário para esse ASP. O manual Cópia de Segurança e Recuperação descree como definir tempos de recuperação de caminhos de acesso. ASPs do utilizador sem ser de biblioteca: Os ASPs do utilizador sem ser de biblioteca contêm diários, receptores de diário e ficheiros de salaguarda cujas bibliotecas estão no ASP do sistema. Se estier a atribuir tempos de recuperação de caminhos de acesso a ASPs indiiduais, deerá definir o tempo de recuperação destino de um conjunto de memória auxiliar de utilizador sem ser de biblioteca como *NONE. Um conjunto de memória auxiliar de utilizador sem ser de biblioteca não pode incluir ficheiros de base de dados e não pode, por isso, tirar proeito da protecção de caminhos de acesso geridos pelo sistema (SMAPP). Se definir um tempo de recuperação de caminhos de acesso para um conjunto de memória auxiliar de utilizador sem ser de biblioteca com um alor diferente de *NONE, fará com que o sistema tenha trabalho extra sem qualquer antagem possíel. O manual Cópia de Segurança e Recuperação descree como definir tempos de recuperação de caminhos de acesso. Proteger ASPs: Não se esqueça dos seguintes itens sobre a protecção de um conjunto de memória auxiliar: Todos os ASPs, incluindo o ASP do sistema, deem ter protecção por replicação ou consistir inteiramente em unidades de discos com protecção por paridade de dispositios, de modo a garantir que o sistema continua em execução após uma falha do disco num ASP. Se ocorrer uma falha de disco num ASP que não tenha protecção por replicação, o sistema poderá não continuar em execução, dependendo do tipo de unidade de discos e do erro. 10 iseries: Configurar protecção de disco para os seus dados

17 Se ocorrer uma falha de disco num ASP que tenha protecção por replicação, o sistema continuará em execução (a menos que ambas as unidades de um par replicado tenham falhado). Se falhar uma unidade de discos num ASP que tenha protecção por paridade de dispositios, o sistema continuará em execução desde que não falhe outra unidade de discos no mesmo conjunto de paridade de dispositios. Limites do sistema para memória ASP: Durante um IPL, o sistema determina a quantidade de memória auxiliar configurada no sistema. A quantidade total é a soma da capacidade das unidades configuradas e dos respectios pares replicados, caso existam. As unidades de discos não configuradas não são incluídas. A quantidade de memória em disco é comparada com o máximo suportado por um determinado modelo. Se for configurada mais do que a quantidade de memória auxiliar recomendada, será eniada uma mensagem (CPI1158) para a fila de mensagens do operador do sistema (QSYSOPR) e para a fila de mensagens QSYSMSG (caso exista no sistema). Esta mensagem indica que existe demasiada memória auxiliar no sistema. Esta mensagem é eniada uma ez durante cada IPL enquanto a quantidade de memória auxiliar no sistema for superior à quantidade máxima suportada. ASPs independentes Os termos conjunto de memória auxiliar independente e conjunto de discos independente são sinónimos. Um ASP independente é um conjunto de unidades de disco que pode ser disponibilizado online ou colocado offline de forma independente da restante memória do sistema, incluindo do ASP do sistema, dos ASPs do utilizador e de outros ASPs independentes. Os ASPs independentes são úteis tanto nos ambientes de sistema único como nos de sistemas múltiplos. Para obter informações relacionadas. consulte conjunto de memória auxiliar do sistema e conjunto de memória auxiliar do utilizador. Num ambiente de sistema único, um ASP independente pode ser desactiado de forma independente de outros ASPs porque os dados de um ASP independente estão restringidos a esse ASP. Por exemplo, todas as informações do sistema necessárias associadas com os dados do ASP independente estão contidas nesse mesmo ASP independente. O ASP independente também pode ser actiado quando o sistema estier actio (não é necessário nenhum IPL). Utilizar ASPs independentes desta forma poderá ser muito útil se, por exemplo, tier grandes quantidades de dados que não são necessários para o processamento diário da sua actiidade. Um ASP independente com todos estes dados poderá ficar desactiado até ser realmente necessário. Quando grandes quantidades de memória são mantidas desactiadas, determinadas operações como, por exemplo, um IPL ou uma recuperação de memória poderão ser mais rápidas. Num ambiente multi-sistemas, um ASP independente poder trocado entre sistemas. Um ASP independente comutáel é um conjunto de unidades de disco que pode ser trocado entre sistema de modo a que cada sistema possa aceder aos dados. Apenas um sistema poderá aceder aos dados de cada ez. Num ambiente sistema único, um ASP independente pode ser trocado porque o ASP independente é autónomo. Os ASPs independentes comutáeis poderão ajudá-lo a executar os seguintes procedimentos: Manter os dados disponíeis para uma aplicação mesmo quando um ocorrer uma falha de sistema (programada ou não programada) Eliminar o processo de replicação de dados de um sistema para outro. Em algumas situações, isolar falhas de unidades de disco no ASP independente. Conseguir uma eleada disponibilidade e escalabilidade. Quando criar um conjunto de discos utilizando o assistente Noo Conjunto de Discos disponíel atraés das funções de gestão de disco do Operations Naigator, especifique a opção Tipo de conjunto de discos como Básico ou Independente. Quando criar um conjunto de discos independente, é definido um conjunto de atributos específico: Capítulo 1. Seleccionar ferramentas de protecção do disco 11

18 Um nome definido pelo utilizado que tem de ser único entre os ASP independentes desse conjunto. Este será o nome do recurso físico. Um número único entre 33 e 99 que será utilizado pelo seridor para identificar o ASP independente. Este será o número de ASP atribuído pelo sistema. Uma ou mais unidades de disco. Para além disso, o sistema definirá um atributo de forma a que não seja possíel exceder a capacidade do ASP. A impossibilidade de exceder a capacidade do ASP independente assegurará que o ASP se mantenha sempre independente. Permitir que a capacidade do ASP do sistema seja excedida impediria a actiação e desactiação independentes ou a troca entre sistemas. Associado a cada ASP independente está um objecto de descrição de dispositio (DEVD) do tipo ASP. Este será criado automaticamente quando utilizar o assistente de configuração de gestão do disco no sistema onde executar o assistente. Também poderá criar a descrição de dispositio de um ASP independente utilizando o comando CRTDEVASP. Quando criar uma descrição de dispositio, especifique um nome de recurso. Este terá de ser o nome definido pelo utilizador anteriormente referido. Quando o objecto de descrição de dispositio existir, poderá desactiar (Offline) ou actiar (Online) o ASP independente. Consulte Tornar um conjunto de discos disponíel e indisponíel. Também poderá utilizar o comando VRYCFG. Os ASPs independentes suportam os sistemas de ficheiros definidos pelo utilizador (UDFS) sob a forma de directórios e ficheiros de dados contínuos. Não poderá guardar objectos de biblioteca num ASP independente. Quando criar um ASP independente, o sistema dirige um UDFS assumido denominado qdefault.udfs para o ASP independente, especificando o seguinte caminho: /de/nome de ASP independente/qdefault.udfs. Poderá criar UDFSs adicionais posteriormente, se o desejar. Um ASP independente não afecta significatiamente o rendimento do seridor. O sistema necessita apenas de uma pequena quantidade de tempo de sistema para manter as estruturas do sistema e as estruturas dos ASP independente actualizadas. Conjuntos de Discos Independentes Não Comutáeis Se um ASP independente se destinar a ser utilizado apenas num ambiente de sistema único, todos os passos para definir e configurar o conjunto de discos podem ser efectuados utilizando as funções de gestão de disco disponíeis atraés do Operations Naigator. Apesar de ser possíel atribuir quaisquer discos internos ou externos suportados a um conjunto de discos independente, é recomendáel proceder a um cuidadoso planeamento. A selecção adequada de quais serão as unidades de disco que serão atribuídas ao ASP independente também poderá ajudar em algumas situações de manutenção. Por exemplo, não crie ASPs independentes diferentes com unidades de disco do mesmo conjunto de paridade. Quando correctamente configurado, poderá desactiar o ASP independente, efectuar a manutenção, e actiá-lo noamente sem afectar nenhuma aplicação por perderem o acesso a este conjunto de dados. Conjuntos de Discos Comutáeis Os conjuntos de discos comutáeis (ASPs independentes comutáeis) podem ser utilizados em ários ambientes diferentes. Num conjunto de sistemas iseries autónomos poderá comutar uma torre de I/O contendo ASPs independentes entre sistemas adjacentes. A torre de I/O e os sistemas têm de estar no mesmo Anel de HSL. Quando um iseries é diidido logicamente (LPAR), poderá comutar o IOP que contém os ASPs independentes entre partições do sistema. O IOP poderá estar no bus partilhado pelas partições ou numa torre externa partilhada por ários processadores. Também poderá utilizar uma combinação dos anteriores comutando uma torre de I/O entre partições lógicas. Note que a entidade que comuta é na realidade a torre ou o IOP que contêm o ASP independente. Quando uma torre ou IOP 12 iseries: Configurar protecção de disco para os seus dados

19 forem comutados, todo o hardware ligado à entidade comutáel é moido para o sistema de resera. Consulte o manual Physical Planning Guide exemplo.. Em seguida, são apresentados os ambientes de Existem ários pré-requisitos para utilizar um ASP independente comutáel. Primeiro, tem de ter um conjunto de unidades operacional definido. Segundo, dentro do conjunto de unidades tem de ter definido um domínio de dispositio que inclua os nós a serem enolidos na acção de comutação e de gestão de recursos de ASP independente. Terceiro, cada sistema tem de ter a descrição de dispositio do ASP independente correctamente definida. Finalmente, a colocação física do hardware que contém as unidades de disco do ASP independente e os sistemas enolidos na acção de comutação tem de ser correctamente definida. Quando comutar entre diferentes sistemas, os sistemas e a torre de I/O comutáel têm de estar no mesmo anel HSL OptiConnect. Quando estier preparado para criar um conjunto de discos independente com o Operations Naigator, consulte Criar um conjunto de discos independente comutáel. Por exemplo, a figura que se segue ilustra um conjunto de discos composto por quatro sistemas. Os sistemas denominados A, B e C estão definidos no mesmo domínio de dispositio. Existem duas torres comutáeis, uma contém o IASP33 e a outra o IASP34 e o IASP35. A torre que contém o IASP33 está num anel HSL que também contém os Sistemas A e B. Esta primeira torre pode ser comutada entre os sistemas A e B. A torre que contém o IASP34 e o IASP35 poderá estar noutro anel de HSL que também contenha os Sistemas B e C.Esta segunda torre pode ser comutada entre os Sistemas B e C. Sendo outro exemplo, a figura seguinte apresenta um conjunto de discos composto por quatro partições lógicas proenientes de um único sistema iseries. Todos os quatro nós pertencem ao mesmo domínio de dispositio. O IASP36 é composto por unidades de disco acessíeis atraés do IOP Y. O IOP Y está no bus partilhado de modo a poder ser comutado entre todos os nós identificados como SYS1, SYS2, SYS3 Capítulo 1. Seleccionar ferramentas de protecção do disco 13

20 e SYS4 nesta figura. Quando o IOP é comutado, tudo o que estier fisicamente ligado a esse IOP também será moido para o noo nó principal. O exemplo final, apresentado nesta figura, ilustra uma combinação entre os dois exemplos anteriores. O IASP36 é composto por unidades de disco contidas numa torre de I/O externa. A torre está no mesmo anel de HSL OptiConnect que os dois sistemas, apresentando um deles partições lógicas. Assumindo que os nós identificados SYS3, SYS4 e que o sistema secundário SYS5 estão definidos no mesmo domínio 14 iseries: Configurar protecção de disco para os seus dados

iseries Planear uma estratégia de cópia de segurança e recuperação

iseries Planear uma estratégia de cópia de segurança e recuperação iseries Planear uma estratégia de cópia de segurança e recuperação iseries Planear uma estratégia de cópia de segurança e recuperação Copyright International Business Machines Corporation 1998, 2001.

Leia mais

iseries Client Access Express Consola de Operações

iseries Client Access Express Consola de Operações iseries Client Access Express Consola de Operações iseries Client Access Express Consola de Operações Copyright International Business Machines Corporation 2000. Todos os direitos reserados. Índice Parte

Leia mais

iseries Criar cópia de segurança do sistema

iseries Criar cópia de segurança do sistema iseries Criar cópia de segurança do sistema iseries Criar cópia de segurança do sistema Copyright International Business Machines Corporation 2001. Todos os direitos reserados. Índice Parte 1. Criar cópia

Leia mais

Planeamento de partições lógicas

Planeamento de partições lógicas Planeamento de partições lógicas Planeamento de partições lógicas Copyright International Business Machines Corporation 1998, 2001. Todos os direitos reserados. Índice Planeamento de Partições Lógicas.........................

Leia mais

LotusLive. Manual do Utilizador do LotusLive Engage e LotusLive Connections

LotusLive. Manual do Utilizador do LotusLive Engage e LotusLive Connections LotusLie Manual do Utilizador do LotusLie Engage e LotusLie Connections LotusLie Manual do Utilizador do LotusLie Engage e LotusLie Connections Nota Antes de utilizar as informações contidas nesta publicação,

Leia mais

Consola de Operações: Manual de Configuração

Consola de Operações: Manual de Configuração iseries Consola de Operações: Manual de Configuração SC17-5362-02 iseries Consola de Operações: Manual de Configuração SC17-5362-02 Nota Antes de utilizar as instruções contidas neste manual, bem como

Leia mais

Referências sobre tarefas de reuniões do Sametime

Referências sobre tarefas de reuniões do Sametime Referências sobre tarefas de reuniões do Sametime ii Referências sobre tarefas de reuniões do Sametime Índice Referências sobre tarefas de reuniões do Sametime............ 1 iii i Referências sobre tarefas

Leia mais

Sistema de Ficheiros Integrado Introdução

Sistema de Ficheiros Integrado Introdução iseries Sistema de Ficheiros Integrado Introdução Versão 5 iseries Sistema de Ficheiros Integrado Introdução Versão 5 Copyright International Business Machines Corporation 2000, 2001. Todos os direitos

Leia mais

LotusLive. Manual de Administração do LotusLive

LotusLive. Manual de Administração do LotusLive LotusLie Manual de Administração do LotusLie LotusLie Manual de Administração do LotusLie Nota Antes de utilizar as informações contidas nesta publicação, bem como o produto a que se referem, leia as

Leia mais

Guia de Instalação do Complemento do IBM Business Process Manager para Microsoft SharePoint

Guia de Instalação do Complemento do IBM Business Process Manager para Microsoft SharePoint IBM Business Process Manager Guia de Instalação do Complemento do IBM Business Process Manager para Microsoft SharePoint Versão 7.5.0 IBM Business Process Manager Guia de Instalação do Complemento do

Leia mais

Instalação de Software

Instalação de Software iseries Instalação de Software Versão 5 SC17-5323-05 iseries Instalação de Software Versão 5 SC17-5323-05 Nota Antes de utilizar as instruções contidas neste manual, bem como o produto a que elas se referem,

Leia mais

Funcionamento em Rede do AS/400 NetServer

Funcionamento em Rede do AS/400 NetServer Funcionamento em Rede do AS/400 NetSerer Funcionamento em Rede do AS/400 NetSerer Copyright International Business Machines Corporation 1998, 2001. Todos os direitos reserados. Índice Parte 1. AS/400

Leia mais

SmartCloud Notes. Administrar o SmartCloud Notes: Ambiente híbrido Março de 2015

SmartCloud Notes. Administrar o SmartCloud Notes: Ambiente híbrido Março de 2015 SmartCloud Notes Administrar o SmartCloud Notes: Ambiente híbrido Março de 2015 SmartCloud Notes Administrar o SmartCloud Notes: Ambiente híbrido Março de 2015 Nota Antes de utilizar as informações contidas

Leia mais

iseries Funcionamento em rede do Servidor de Windows no iseries

iseries Funcionamento em rede do Servidor de Windows no iseries iseries Funcionamento em rede do Seridor de Windows no iseries iseries Funcionamento em rede do Seridor de Windows no iseries Copyright International Business Machines Corporation 1998, 2001. Todos os

Leia mais

iseries Gestão de certificados digitais

iseries Gestão de certificados digitais iseries Gestão de certificados digitais iseries Gestão de certificados digitais ii iseries: Gestão de certificados digitais Índice Parte 1. Gestão de certificados digitais.................... 1 Capítulo

Leia mais

iseries Virtual private networking

iseries Virtual private networking iseries Virtual priate networking iseries Virtual priate networking Copyright International Business Machines Corporation 1998, 2001. Todos os direitos reserados. Índice Virtual priate networking.............................

Leia mais

iseries Como começar com a resolução de problemas

iseries Como começar com a resolução de problemas iseries Como começar com a resolução de problemas iseries Como começar com a resolução de problemas Copyright International Business Machines Corporation 1998, 2001. Todos os direitos reservados. Índice

Leia mais

Power Systems. Servidor de E/S Virtual

Power Systems. Servidor de E/S Virtual Power Systems Seridor de E/S Virtual Power Systems Seridor de E/S Virtual Nota Antes de utilizar estas informações e o produto que suportam, leia as informações contidas em Aisos na página 299. Esta edição

Leia mais

Guia de Instalação do Complemento do IBM Business Process Manager para Microsoft Office

Guia de Instalação do Complemento do IBM Business Process Manager para Microsoft Office IBM Business Process Manager Guia de Instalação do Complemento do IBM Business Process Manager para Microsoft Office Versão 7.5.0 IBM Business Process Manager Guia de Instalação do Complemento do IBM

Leia mais

Power Systems. Gerir a Consola de Gestão de Hardware através da interface HMC Classic ou HMC Enhanced IBM

Power Systems. Gerir a Consola de Gestão de Hardware através da interface HMC Classic ou HMC Enhanced IBM Power Systems Gerir a Consola de Gestão de Hardware atraés da interface HMC Classic ou HMC Enhanced IBM Power Systems Gerir a Consola de Gestão de Hardware atraés da interface HMC Classic ou HMC Enhanced

Leia mais

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador Acronis Servidor de Licença Manual do Utilizador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Descrição geral... 3 1.2 Política de licenças... 3 2. SISTEMAS OPERATIVOS SUPORTADOS... 4 3. INSTALAR O SERVIDOR DE LICENÇA

Leia mais

ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 SERVER FOR LINUX

ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 SERVER FOR LINUX Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 SERVER FOR LINUX. Você vai encontrar as respostas a todas suas

Leia mais

Guia de Administração de Pagamento de Frete

Guia de Administração de Pagamento de Frete IBM Sterling Transportation Management System Guia de Administração de Pagamento de Frete Data do Documento: 1 de Janeiro de 2013 IBM Sterling Transportation Management System Guia de Administração de

Leia mais

Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux. Update 5. Guia da Instalação

Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux. Update 5. Guia da Instalação Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux Update 5 Guia da Instalação Índice 1 Antes da instalação...3 1.1 Componentes do Acronis Backup & Recovery 10... 3 1.1.1 Agente para Linux... 3 1.1.2 Consola

Leia mais

ThinkVantage System Migration Assistant 5.0. Manual do utilizador

ThinkVantage System Migration Assistant 5.0. Manual do utilizador ThinkVantage System Migration Assistant 5.0 Manual do utilizador ThinkVantage System Migration Assistant 5.0 Manual do utilizador Nota: Antes de utilizar as informações contidas neste manual, bem como

Leia mais

Power Systems. Monitorizar o ambiente de virtualização

Power Systems. Monitorizar o ambiente de virtualização Power Systems Monitorizar o ambiente de virtualização Power Systems Monitorizar o ambiente de virtualização Nota Antes de utilizar as informações contidas nesta publicação, bem como o produto a que se

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR DO BACKUP HD SERIES

MANUAL DO UTILIZADOR DO BACKUP HD SERIES MANUAL DO UTILIZADOR DO BACKUP HD SERIES OBRIGADO por ter adquirido a aplicação ClickFree Backup. Estas instruções foram reunidas para o ajudar a utilizar o produto, mas de um modo geral esperamos que

Leia mais

Manual Passo a Passo do Microsoft Windows Server Update Services 3.0 SP2

Manual Passo a Passo do Microsoft Windows Server Update Services 3.0 SP2 Manual Passo a Passo do Microsoft Windows Server Update Services 3.0 SP2 Microsoft Corporation Autor: Anita Taylor Editor: Theresa Haynie Resumo Este manual fornece instruções detalhadas para instalar

Leia mais

Software da Impressora

Software da Impressora Software da Impressora Acerca do Software da Impressora O software Epson inclui o controlador de impressão e o EPSON Status Monitor 3. O controlador de impressão é um software que permite controlar a impressora

Leia mais

IBM FAStT Storage Manager, versão 7.10, para Microsoft Windows NT e Windows 2000. Guia de Instalação e Suporte

IBM FAStT Storage Manager, versão 7.10, para Microsoft Windows NT e Windows 2000. Guia de Instalação e Suporte IBM FAStT Storage Manager, ersão 7.10, para Microsoft Windows NT e Windows 2000 Guia de Instalação e Suporte IBM FAStT Storage Manager, ersão 7.10, para Microsoft Windows NT e Windows 2000 Guia de Instalação

Leia mais

SmartCloud Notes. Administrar o SmartCloud Notes: Ambiente só de serviço Março de 2015

SmartCloud Notes. Administrar o SmartCloud Notes: Ambiente só de serviço Março de 2015 SmartCloud Notes Administrar o SmartCloud Notes: Ambiente só de seriço Março de 2015 SmartCloud Notes Administrar o SmartCloud Notes: Ambiente só de seriço Março de 2015 Nota Antes de utilizar as informações

Leia mais

Logística e Operações: Arquivos de Ajuda Online

Logística e Operações: Arquivos de Ajuda Online IBM WebSphere Commerce Logística e Operações: Arquios de Ajuda Online Versão 5.4 IBM WebSphere Commerce Logística e Operações: Arquios de Ajuda Online Versão 5.4 Nota! Antes de utilizar estas informações

Leia mais

ERserver. iseries Access para a Web. iseries. Versão 5 Edição 3

ERserver. iseries Access para a Web. iseries. Versão 5 Edição 3 ERserer iseries iseries Access para a Web Versão 5 Edição 3 ERserer iseries iseries Access para a Web Versão 5 Edição 3 Nota Antes de utilizar estas informações e o produto nelas referenciado, certifique-se

Leia mais

Segurança e recuperação Manual do utilizador

Segurança e recuperação Manual do utilizador Segurança e recuperação Manual do utilizador Copyright 2009 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca comercial registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. As informações contidas

Leia mais

IBM SmartCloud inotes. Manual do Utilizador do IBM SmartCloud inotes

IBM SmartCloud inotes. Manual do Utilizador do IBM SmartCloud inotes IBM SmartCloud inotes Manual do Utilizador do IBM SmartCloud inotes IBM SmartCloud inotes Manual do Utilizador do IBM SmartCloud inotes Nota Antes de utilizar as informações contidas nesta publicação,

Leia mais

NOVO Panda Antivirus 2007 Manual resumido sobre a instalação, registo e serviços Importante! Leia a secção de registo on-line deste manual atentamente. As informações contidas nesta secção são essenciais

Leia mais

IBM SmartCloud inotes. IBM SmartCloud inotes Guia do Usuário

IBM SmartCloud inotes. IBM SmartCloud inotes Guia do Usuário IBM SmartCloud inotes IBM SmartCloud inotes Guia do Usuário IBM SmartCloud inotes IBM SmartCloud inotes Guia do Usuário Nota Antes de utilizar estas informações e o produto suportado por elas, leia as

Leia mais

iseries Hardware do sistema

iseries Hardware do sistema iseries Hardware do sistema iseries Hardware do sistema Copyright International Business Machines Corporation 1998, 2001. Todos os direitos reservados. Índice Parte 1. Hardware do sistema.........................

Leia mais

Notas sobre o Release

Notas sobre o Release IBM Tioli Monitoring para Transaction Performance Web Transaction Performance Notas sobre o Release Versão 5.1.0 G517-7511-00 IBM Tioli Monitoring para Transaction Performance Web Transaction Performance

Leia mais

Importante! Leia atentamente a secção de Activação dos serviços deste guia. As informações contidas nesta secção são essenciais para manter o seu PC protegido. MEGA DETECTION Manual de instalação rápida

Leia mais

iseries Encaminhamento e equilíbrio do volume de trabalho do TCP/IP

iseries Encaminhamento e equilíbrio do volume de trabalho do TCP/IP iseries Encaminhamento e equilíbrio do volume de trabalho do TCP/IP iseries Encaminhamento e equilíbrio do volume de trabalho do TCP/IP Copyright International Business Machines Corporation 2000, 2001.

Leia mais

IBM SmartCloud para Social Business. Manual do Administrador do IBMSmartCloudEngageeIBM SmartCloud Connections

IBM SmartCloud para Social Business. Manual do Administrador do IBMSmartCloudEngageeIBM SmartCloud Connections IBM SmartCloud para Social Business Manual do Administrador do IBMSmartCloudEngageeIBM SmartCloud Connections IBM SmartCloud para Social Business Manual do Administrador do IBMSmartCloudEngageeIBM SmartCloud

Leia mais

IBM Tealeaf cxreveal Versão 9 Release 0.2 4 de dezembro de 2014. cxreveal: Manual do Usuário

IBM Tealeaf cxreveal Versão 9 Release 0.2 4 de dezembro de 2014. cxreveal: Manual do Usuário IBM Tealeaf cxreeal Versão 9 Release 0.2 4 de dezembro de 2014 cxreeal: Manual do Usuário Nota Antes de utilizar estas informações e o produto suportado por elas, leia as informações em Aisos na página

Leia mais

iseries Configuração de TCP/IP de Funcionamento em Rede

iseries Configuração de TCP/IP de Funcionamento em Rede iseries Configuração de TCP/IP de Funcionamento em Rede iseries Configuração de TCP/IP de Funcionamento em Rede Copyright International Business Machines Corporation 1998, 2001. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Manual de instalação para PC Suite

Manual de instalação para PC Suite Manual de instalação para PC Suite Manual do utilizador de aparelho electrónico editado em conformidade com as normas Termos e Condições dos Manuais do Utilizador Nokia, 7 de Junho de 1998. ( Nokia User

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado Manual Avançado Menus v2011 - Certificado 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 4. Menus... 4 b) Novo Produto:... 5 i. Separador Geral.... 5 ii. Separador Preços e Impostos... 7 iii.

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO DE SOFTWARE

GUIA DE INSTALAÇÃO DE SOFTWARE GUIA DE INSTALAÇÃO DE SOFTWARE SISTEMA MULTIFUNÇÕES DIGITAL Página INTRODUÇÃO ANTES DA INSTALAÇÃO INSTALAR O DRIVER DA IMPRESSORA LIGAÇÃO A UM COMPUTADOR 9 CONFIGURAR O CONTROLADOR DA IMPRESSORA 0 COMO

Leia mais

Gestão de bases de dados e listas

Gestão de bases de dados e listas Gestão de bases de dados e listas Uma das tarefas mais comuns em que são utilizadas folhas de cálculo é a gestão de listas (listas de números de telefone, listas de clientes, listas de tarefas, listas

Leia mais

IBM SecureWay Trust Authority. Guia do Usuário. Versão 3 Release 1.2 S517-6880-01

IBM SecureWay Trust Authority. Guia do Usuário. Versão 3 Release 1.2 S517-6880-01 IBM SecureWay Trust Authority Guia do Usuário Versão 3 Release 1.2 S517-6880-01 IBM SecureWay Trust Authority Guia do Usuário Versão 3 Release 1.2 S517-6880-01 Nota! Antes de utilizar estas informações

Leia mais

Boot Camp Manual de Instalação e Configuração

Boot Camp Manual de Instalação e Configuração Boot Camp Manual de Instalação e Configuração Contéudo 3 Introdução 4 Elementos necessários 5 Descrição geral da instalação 5 Passo 1: Verificar se existem actualizações 5 Passo 2: Preparar o computador

Leia mais

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

Placa de rede local sem fios Nokia C110/C111. Manual de Instalação

Placa de rede local sem fios Nokia C110/C111. Manual de Instalação Placa de rede local sem fios Nokia C110/C111 Manual de Instalação DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE A NOKIA MOBILE PHONES Ltd declara ser a única responsável pela conformidade dos produtos DTN-10 e DTN-11 com

Leia mais

Mac OS X 10.6 Snow Leopard Manual de Instalação e Configuração

Mac OS X 10.6 Snow Leopard Manual de Instalação e Configuração Mac OS X 10.6 Snow Leopard Manual de Instalação e Configuração Leia este documento antes de instalar o Mac OS X. Ele inclui informações importantes acerca da instalação do Mac OS X. Requisitos de sistema

Leia mais

IBM Tivoli Storage Manager para Linux. Iniciação Rápida. Versão 5 Release 2 G517-7500-01

IBM Tivoli Storage Manager para Linux. Iniciação Rápida. Versão 5 Release 2 G517-7500-01 IBM Tioli Storage Manager para Linux Iniciação Rápida Versão 5 Release 2 G517-7500-01 IBM Tioli Storage Manager para Linux Iniciação Rápida Versão 5 Release 2 G517-7500-01 Nota Antes de utilizar estas

Leia mais

Seu manual do usuário ACRONIS ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 ADVANCED SERVER VIRTUAL EDITION http://pt.yourpdfguides.

Seu manual do usuário ACRONIS ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 ADVANCED SERVER VIRTUAL EDITION http://pt.yourpdfguides. Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para ACRONIS ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas

Leia mais

Guia de Rede. Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice

Guia de Rede. Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice Guia de Rede 1 2 3 4 Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice Leia este manual cuidadosamente antes de utilizar o equipamento e mantenha-o

Leia mais

Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI)

Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI) Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI) 4. Montagem do Computador Disco rígido limpeza; Disco rígido verificação de erros (modo gráfico); Disco rígido verificação de erros (linha de comandos;

Leia mais

Índice. 2 Acronis, Inc

Índice. 2 Acronis, Inc Índice 1. O que é o Acronis nap Deploy... 3 2. Componentes do Acronis nap Deploy... 3 3. Actualizar para a v 3... 4 3.1 Actualizar licenças... 4 3.2 Actualizar componentes... 4 4. Requisitos do sistema...

Leia mais

Seu manual do usuário ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 SERVER FOR WINDOWS http://pt.yourpdfguides.com/dref/3184445

Seu manual do usuário ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 SERVER FOR WINDOWS http://pt.yourpdfguides.com/dref/3184445 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 SERVER FOR WINDOWS. Você vai encontrar as respostas a todas suas

Leia mais

IBM Systems Director 6.2 Service and Support Manager (Electronic Service Agent)

IBM Systems Director 6.2 Service and Support Manager (Electronic Service Agent) IBM Systems IBM Systems Director 6.2 Serice and Support Manager (Electronic Serice Agent) Versão 6.2 IBM Systems IBM Systems Director 6.2 Serice and Support Manager (Electronic Serice Agent) Versão 6.2

Leia mais

Consulte a contra-capa para uma instalação rápida.

Consulte a contra-capa para uma instalação rápida. Manual do Utilizador Consulte a contra-capa para uma instalação rápida. Protegemos mais pessoas das crescentes ameaças on-line do que qualquer outra empresa no mundo. Preocupa-se com o nosso Ambiente,

Leia mais

NetOp Remote Control. Versão 7.65. Adenda ao Manual

NetOp Remote Control. Versão 7.65. Adenda ao Manual NetOp Remote Control Versão 7.65 Adenda ao Manual Mover a perícia - não as pessoas 2003 Danware Data A/S. Todos os direitos reservados Revisão do Documento: 2004009 Por favor, envie os seus comentários

Leia mais

IBM Cognos Express Versão 10.1.0. Novos Recursos

IBM Cognos Express Versão 10.1.0. Novos Recursos IBM Cognos Express Versão 10.1.0 Noos Recursos Nota Antes de usar estas informações e o produto suportado por elas, leia as informações em Aisos na página 5. Informações do Produto Este documento se aplica

Leia mais

IBM SPSS Modeler Advantage Enterprise Marketing Management Edition Versão 8 Release 0 25 de outubro de 2013. Guia de Instalação

IBM SPSS Modeler Advantage Enterprise Marketing Management Edition Versão 8 Release 0 25 de outubro de 2013. Guia de Instalação IBM SPSS Modeler Adantage Enterprise Marketing Management Edition Versão 8 Release 0 25 de outubro de 2013. Guia de Instalação Obseração Antes de utilizar estas informações e o produto suportado por elas,

Leia mais

Principais correcções efectuadas

Principais correcções efectuadas GIAE Versão 2.0.5 Setembro de 2010 Com o objectivo de unificar a versão em todos os módulos do GIAE, incluindo o GestorGIAE, alguns módulos passam directamente da versão 2.0.x para a versão 2.0.5. Muito

Leia mais

O Acer erecovery Management

O Acer erecovery Management O Acer erecovery Management O Acer erecovery Management constitui uma forma rápida, fiável e segura de restaurar o seu computador para as predefinições de fábrica ou para a configuração do sistema definida

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Manual do Utilizador Norton 360 Online Manual do Utilizador Documentação versão 2.0 Copyright 2008 Symantec Corporation. Todos os direitos reservados. O Software Licenciado e a Documentação são considerados

Leia mais

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviços HP Dados técnicos O Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Leia mais

Manual de Recuperação, Cópias de Segurança e Resolução de Problemas. Crie os suportes de recuperação imediatamente após a configuração.

Manual de Recuperação, Cópias de Segurança e Resolução de Problemas. Crie os suportes de recuperação imediatamente após a configuração. Manual de Recuperação, Cópias de Segurança e Resolução de Problemas Crie os suportes de recuperação imediatamente após a configuração. Conteúdo Introdução... 3 Acerca da recuperação... 3 Acerca da cópia

Leia mais

Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS

Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO III Sistema Operativo Servidor Duração: 52 tempos Conteúdos (1) Efectuar o levantamento

Leia mais

Manual de Substituição de Hardware Lenovo 3000 J Series. Tipos 7387, 7388, 7389, 7393, 7394, 7395

Manual de Substituição de Hardware Lenovo 3000 J Series. Tipos 7387, 7388, 7389, 7393, 7394, 7395 Manual de Substituição de Hardware Lenovo 3000 J Series Tipos 7387, 7388, 7389, 7393, 7394, 7395 Lenovo 3000 J Series Primeira Edição (Julho de 2006) Copyright Lenovo 2005, 2006. Portions Copyright International

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Disco rígido. com ligação USB 1.1/2.0 e IEEE 1394. Copyright 2005, Eures GmbH. Reservados todos los derechos.

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Disco rígido. com ligação USB 1.1/2.0 e IEEE 1394. Copyright 2005, Eures GmbH. Reservados todos los derechos. MANUAL DE INSTRUÇÕES Disco rígido com ligação USB 1.1/2.0 e IEEE 1394 Copyright 2005, Eures GmbH. Reservados todos los derechos. Reservado el derecho de modificación técnica. Las marcas comerciales son

Leia mais

ZS Rest. Manual de Iniciação. BackOffice

ZS Rest. Manual de Iniciação. BackOffice Manual de Iniciação BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 a) BackOffice:... 4 b) Acesso BackOffice:... 4 4. Zonas... 6 c) Criar Zona:... 7 d) Modificar Zona:... 8 e) Remover

Leia mais

Manual de Iniciação ao DB2 QMF para Windows e DB2 QMF para WebSphere

Manual de Iniciação ao DB2 QMF para Windows e DB2 QMF para WebSphere DB2 Query Management Facility Manual de Iniciação ao DB2 QMF para Windows e DB2 QMF para WebSphere Versão 8 Edição 1 SC17-5433-00 DB2 Query Management Facility Manual de Iniciação ao DB2 QMF para Windows

Leia mais

Outlook 2003. Nivel 1. Rui Camacho

Outlook 2003. Nivel 1. Rui Camacho Outlook 2003 Nivel 1 Objectivos gerais Enviar e Responder a mensagens de correio electrónico, e gestão de contactos, marcação de compromissos e trabalhar com notas. Objectivos específicos Começar a trabalhar

Leia mais

CURSO EFA 2012 / 2013

CURSO EFA 2012 / 2013 Avaliação CURSO EFA 2012 / 2013 Formando: Data: / / ÁREA/Assunto: Formando Formador / Mediador: Formador FICHA INFORMATIVA E DE TRABALHO MÓDULO: 0774 INSTALAÇÃO DE SOFTWARE BASE CONTEÚDOS Segurança no

Leia mais

Registration Authority Desktop - Guia do Programa

Registration Authority Desktop - Guia do Programa IBM SecureWay Trust Authority Registration Authority Desktop - Guia do Programa Versão 3 Release 1.2 S517-6879-01 IBM SecureWay Trust Authority Registration Authority Desktop - Guia do Programa Versão

Leia mais

Guia de actualização de firmware

Guia de actualização de firmware Modelo N.º Guia de actualização de firmware Este manual explica como actualizar o firmware do controlador da máquina e o firmware PDL. Pode descarregar estas actualizações a partir do nosso sítio Web.

Leia mais

Unidade de Disco Rígido USB 2.0 de 40 GB Portátil com Rapid Restore da IBM. Guia do Usuário

Unidade de Disco Rígido USB 2.0 de 40 GB Portátil com Rapid Restore da IBM. Guia do Usuário Unidade de Disco Rígido USB 2.0 de 40 GB Portátil com Rapid Restore da IBM Guia do Usuário Unidade de Disco Rígido USB 2.0 de 40 GB Portátil com Rapid Restore da IBM Guia do Usuário Nota: Antes de utilizar

Leia mais

Sugestões importantes

Sugestões importantes Sugestões importantes Comuns ao N91 e N91 8GB Nokia PC Suite (especialmente para o Nokia Audio Manager) O Nokia PC Suite foi optimizado para a gestão dos dados existentes na memória do telefone [C:]. O

Leia mais

Seu manual do usuário APPLE BOOT CAMP http://pt.yourpdfguides.com/dref/3677224

Seu manual do usuário APPLE BOOT CAMP http://pt.yourpdfguides.com/dref/3677224 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para APPLE BOOT CAMP. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do

Leia mais

Instalação do Aparelho Virtual Bomgar. Base 3.2

Instalação do Aparelho Virtual Bomgar. Base 3.2 Instalação do Aparelho Virtual Bomgar Base 3.2 Obrigado por utilizar a Bomgar. Na Bomgar, o atendimento ao cliente é prioridade máxima. Ajude-nos a oferecer um excelente serviço. Se tiver algum comentário

Leia mais

LACIE PRIVATE/PUBLIC MANUAL DO UTILIZADOR

LACIE PRIVATE/PUBLIC MANUAL DO UTILIZADOR LACIE PRIVATE/PUBLIC MANUAL DO UTILIZADOR CLIQUE AQUI PARA ACEDER A UMA VERSÃO ONLINE ACTUALIZADA deste documento, bem como para obter os conteúdos mais recentes e funcionalidades tais como ilustrações

Leia mais

Guia de Configuração de Transportadora

Guia de Configuração de Transportadora IBM Sterling Transportation Management System Guia de Configuração de Transportadora Document Date: 13 April 2013 IBM Sterling Transportation Management System Guia de Configuração de Transportadora Document

Leia mais

Boot Camp Manual de Instalação e Configuração

Boot Camp Manual de Instalação e Configuração Boot Camp Manual de Instalação e Configuração Conteúdo 3 Introdução 3 Elementos necessários 4 Descrição geral da instalação 4 Passo 1: Verificar se existem actualizações 4 Passo 2: Preparar o computador

Leia mais

Manual PowerPoint 2000

Manual PowerPoint 2000 Manual PowerPoint 2000 Índice 1. INTRODUÇÃO 1 2. DIRECTRIZES PARA APRESENTAÇÕES DE DIAPOSITIVOS 1 3. ECRÃ INICIAL 2 4. TIPOS DE ESQUEMA 2 5. ÁREA DE TRABALHO 3 5.1. ALTERAR O ESQUEMA AUTOMÁTICO 4 6. MODOS

Leia mais

Manual do utilizador. Aplicação de agente

Manual do utilizador. Aplicação de agente Manual do utilizador Aplicação de agente Versão 8.0 - Otubro 2010 Aviso legal: A Alcatel, a Lucent, a Alcatel-Lucent e o logótipo Alcatel-Lucent são marcas comerciais da Alcatel-Lucent. Todas as outras

Leia mais

IBM Unica Otimizar Versão 8 Release 6 25 de maio de 2012. Guia de Instalação

IBM Unica Otimizar Versão 8 Release 6 25 de maio de 2012. Guia de Instalação IBM Unica Otimizar Versão 8 Release 6 25 de maio de 2012 Guia de Instalação Nota Antes de utilizar estas informações e o produto suportado por elas, leia as informações em Aisos na página 41. Esta edição

Leia mais

Manual de instalação para PC Suite. PT 9356490 Issue 1

Manual de instalação para PC Suite. PT 9356490 Issue 1 Manual de instalação para PC Suite PT 9356490 Issue 1 Copyright 2003 Nokia. Todos os direitos reservados. É proibido reproduzir, transferir, distribuir ou armazenar a totalidade ou parte do conteúdo deste

Leia mais

Suplemento do IBM Connections para Microsoft Outlook Ajuda da Instalação

Suplemento do IBM Connections para Microsoft Outlook Ajuda da Instalação IBM Connections Versão 5 Suplemento do IBM Connections para Microsoft Outlook Ajuda da Instalação Nota de edição Nota: Antes de utilizar as informações constantes nesta publicação, bem como o produto

Leia mais

Manual Nero RescueAgent

Manual Nero RescueAgent Manual Nero RescueAgent Nero AG Informações sobre direitos de autor e marcas O manual do Nero RescueAgent e todo o respectivo conteúdo estão protegidos por direitos de autor e são propriedade da Nero AG.

Leia mais

Guia de Início Rápido Antivirus Pro 2009 Importante! Leia atentamente a secção Activação do produto neste guia. As informações contidas nesta secção são essenciais para manter o seu computador protegido.

Leia mais

Consulte a contra-capa para uma instalação rápida.

Consulte a contra-capa para uma instalação rápida. TM Norton AntiVirus Online Manual do Utilizador Consulte a contra-capa para uma instalação rápida. Preocupa-se com o nosso Ambiente, 'É o que está certo fazer.' A Symantec removeu a capa deste manual para

Leia mais

Manual de Comunicações de Rede e Internet Desktops empresariais

Manual de Comunicações de Rede e Internet Desktops empresariais Manual de Comunicações de Rede e Internet Desktops empresariais Número de peça do documento: 312968-131 Fevereiro de 2003 Este manual fornece definições e instruções para utilização das funcionalidades

Leia mais

IBM Cognos Express Versão 10.1.0. Introdução ao IBM Cognos Express

IBM Cognos Express Versão 10.1.0. Introdução ao IBM Cognos Express IBM Cognos Express Versão 10.1.0 Introdução ao IBM Cognos Express Nota Antes de usar estas informações e o produto suportado por elas, leia as informações em Aisos na página 63. Informações do Produto

Leia mais

Acronis Backup & Recovery 10 Advanced Server Virtual Edition

Acronis Backup & Recovery 10 Advanced Server Virtual Edition Acronis Backup & Recovery 10 Advanced Server Virtual Edition Manual de introdução rápido Este documento descreve a forma de instalar e começar a utilizar o Acronis Backup & Recovery 10 Advanced Server

Leia mais

Manual de actualização passo a passo do Windows 8 CONFIDENCIAL 1/53

Manual de actualização passo a passo do Windows 8 CONFIDENCIAL 1/53 Manual de passo a passo do Windows 8 CONFIDENCIAL 1/53 Índice 1. 1. Processo de configuração do Windows 8 2. Requisitos do sistema 3. Preparativos 2. Opções de 3. 4. 5. 6. 1. Personalizar 2. Sem fios 3.

Leia mais

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Ambiente Gráfico Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e que comunique com o exterior. Actualmente o Windows é

Leia mais

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27 CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27 3 - MANUAL DO UTILIZADOR Diogo Mateus 3.1. REQUISITOS MÍNIMOS * Computador Pessoal com os seguintes Programas * Microsoft Windows 95 * Microsoft Access 97 A InfoMusa

Leia mais

Unidade de Disco Rígido USB 2.0 Portátil de 40 GB com Rescue and Recovery. Manual do Utilizador

Unidade de Disco Rígido USB 2.0 Portátil de 40 GB com Rescue and Recovery. Manual do Utilizador Unidade de Disco Rígido USB 2.0 Portátil de 40 GB com Rescue and Recoery Manual do Utilizador Unidade de Disco Rígido USB 2.0 Portátil de 40 GB com Rescue and Recoery Manual do Utilizador Nota: Antes

Leia mais