REFLEXOS DA MUDANÇA NA ESTRUTURA PRODUTIVA DEVIDO À AÇÃO DO ESTADO: O CASO DO PARANÁ NO COMÉRCIO INTERNACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REFLEXOS DA MUDANÇA NA ESTRUTURA PRODUTIVA DEVIDO À AÇÃO DO ESTADO: O CASO DO PARANÁ NO COMÉRCIO INTERNACIONAL"

Transcrição

1 REFLEXOS DA MUDANÇA NA ESTRUTURA PRODUTIVA DEVIDO À AÇÃO DO ESTADO: O CASO DO PARANÁ NO COMÉRCIO INTERNACIONAL RESUMO: Objetiva-se verificar os reflexos que a ação incentivadora voltada à instalação de montadoras, realizada pelo Governo do Paraná, tem causado nas exportações paranaenses. Para tanto, far-se-á uma revisão bibliográfica sobre o assunto em questão. Enfatiza-se as mudanças que vêm ocorrendo na pauta exportadora do Paraná, tendo como destaque o sucesso de produtos não agrícolas. PALAVRAS-CHAVE: Economia internacional, política comercial, economia paranaense ABSTRACT: The objective is to check the reflections on action-oriented incentive for the installation of automakers, held by the Government of Paraná, has caused exports Paraná. For both, there will be a literature review on the subject in question. It emphasizes the changes that have occurred in the export of Paraná, with the highlight the success of non-agricultural products. KEY-WORDS: International economy, commercial policy, Economy Paraná 1 INTRODUÇÃO Durante o século XX, o Brasil sofreu consideráveis mudanças em sua pauta exportadora. A partir dos anos da década de 1930 e tendo seu auge no Plano de Metas do Governo de Juscelino Kubitschek, as políticas voltadas ao desenvolvimento industrial geraram reflexos negativos ao setor agrícola, que ficou, durante um considerável período de tempo, de fora dos principais objetivos do governo federal. O apoio à industrialização como forma de desenvolvimento, levou à implementação de políticas comercias que priorizavam exportações industriais em detrimento das exportações agrícolas, que tinham seus fluxos canalizados para o mercado interno. À exceção dos produtos voltados exclusivamente para o mercado externo, a agricultura brasileira enfrentou problemas de perdas em função dessas políticas comercias Na realidade, o potencial de crescimento do setor agrícola foi limitado pelas políticas de apoio ao processo de industrialização. Com relação ao Paraná, a partir da década de noventa, sua economia ingressou numa rota expansiva, refletindo numa elevação de sua produção e numa gradual recuperação da sua participação na geração da renda interna do país. Segundo Lourenço e Leão (1995, p. 109): [...] essa marcha ascendente da estrutura produtiva do Estado derivou da ação conjugada de fatores de natureza conjuntural e estrutural/incipiente. Dentre os aspectos conjunturais, destaca-se a reação das cotações das commodities, particularmente dos produtos agrícolas, no mercado externo, decorrente de duas quebras consecutivas da safra americana (1993 e 1994). Entretanto, apesar do grande volume de exportações, o Estado do Paraná tem seu desempenho comercial agrícola comprometido. As políticas comerciais protecionistas, realizadas, principalmente, por países desenvolvidos, trazem inúmeros problemas, tanto de ordem financeira como social. Segundo Kenen (1998,

2 p. 198), os governos têm muitos instrumentos de política comercial e muitas utilidades para eles. Alguns são usados para aumentar a receita ou influenciar os termos de troca. Outros são usados para limitar a importação ou encorajar a exportação". Neste sentido, este trabalho visa verificar o desempenho do Paraná no comércio internacional nesse início de século XXI. Para atingir tal objetivo, o trabalho está organizado, além desta introdução, em três partes. A segunda caracteriza-se pela explanação do método utilizado. A terceira seção abordará os resultados obtidos, além da explanação a respeito dos mesmos. Sendo assim, o trabalho finaliza-se com a apresentação de algumas considerações. 2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Segundo Gil (2000, p. 31), [...] método significa caminho para se chegar a um fim. Neste sentido, método científico pode ser entendido como [...] o caminho para se chegar à verdade em ciência ou como o conjunto de procedimentos que ordenam o pensamento e esclarecem acerca dos meios adequados para se chegar ao conhecimento (GIL, 2000, p. 31). Além disso, Carvalho et al. (2000, p. 3) coloca que: [...] método, em ciência, não se reduz a uma apresentação dos passos de uma pesquisa. Não é, portanto, apenas a descrição dos procedimentos, dos caminhos traçados pelo pesquisador para a obtenção de determinados resultados. Quando se fala em método, busca-se explicitar quais são os motivos pelos quais o pesquisador escolheu determinados caminhos e não outros. São estes motivos que determinam a escolha de certa forma de fazer ciência. Levando em consideração a abordagem de Gil (2000) e Carvalho et al. (2000), o trabalho utiliza o método de pesquisa bibliográfica, o que é reflexo da necessidade de levantamento do histórico da estrutura produtiva do Paraná e da obtenção de dados secundários ligados à exportações recentes. 3 RESULTADOS E DISCUSSÕES No início do século XX, a população paranaense concentrava-se na região leste do Estado, tendo como principal atividade a ervateira, responsável por fortes mudanças econômicas no Paraná. Esta atividade espalhou-se para o interior, fazendo com que os colonos dividissem sua agricultura de subsistência com a colheita de folhas de erva-mate, aumentando sua renda. No início da década de trinta, o café surge como a principal atividade econômica do Paraná, refletindo na ocupação e colonização do norte do Estado. A expansão cafeeira no norte foi o marco inicial à ocupação de outras regiões do Paraná, como o oeste e sudoeste, que devido à fertilidade de seu solo, criou uma corrida de posse, elevando consideravelmente as taxas de crescimento demográfico. Junto com aumento da população, teve-se a conseqüente elevação da área cultivada. Segundo Rodrigues (1994, p.1): Em paralelo com o processo de ocupação da Região Norte, de caráter bastante dinâmico, ocorriam transformações relevantes no Oeste e no Sudoeste, onde a estrutura de produção baseada no regime latifundista de baixas produtividades (erva-mate e pecuária) cedia lugar a frentes de imigrantes gaúchos e catarinenses, que se estabeleciam em pequenas propriedades. A força da economia cafeeira, no Norte, desviou por duas ou três décadas a atenção de uma quase revolução agrária e agrícola que se processava nessas regiões, abrangendo um grande contingente

3 populacional em pequenas unidades (média de 20 ha), utilizando a tração animal e o trabalho familiar em sistemas de produção com base na policultura (milho, feijão, soja, trigo e suínos). A partir daí, o processo de substituição das áreas cultivadas por café se intensifica. O aumento da produção agrícola se dá pelo melhor aproveitamento dessas áreas, isto é, a utilização mais intensa da terra, através da plantação de culturas intercalares ao café ou de culturas em rodízios, como trigo-soja, permitindo duas colheitas ao ano. A partir da década de 70, a agricultura passa por um processo de modernização e constata-se ainda a ampliação do parque agroindustrial, formando a base para a estrutura produtiva paranaense atual. No que se refere aos anos oitenta, não é desconhecido que foi um período marcado por crises e instabilidade econômica, resultando em limitação ao crescimento produtivo brasileiro e paranaense. Apesar deste contexto, o início desta década não causou prejuízos mais graves à economia do Paraná. Segundo Rolim (1995), isso aconteceu devido ao desempenho favorável da agropecuária e de alguns ramos industriais como o de alimentos e a indústria química, não obstante a profunda crise da indústria da construção civil. Deve-se destacar que mesmo havendo a diminuição de crédito e subsídios, a agricultura do Paraná não sofreu perdas consideráveis. As culturas responsáveis pela maior geração de valor continuaram as mesmas. Além disso, nota-se o crescimento da participação da cultura da cana-de-açúcar e de outras atividades, como aves e ovos, elevando a diversificação da pauta da agropecuária paranaense (Moretto et al. 2002). A partir da década de 1960, portanto, a agricultura paranaense inicia um processo constante de transformação, impulsionada pelas medidas adotadas pelo governo federal. Logo, Iaschombek e Santos (1999, p. 11), resumem perfeitamente esta evolução: A agricultura paranaense passou por inúmeras transformações, a partir da segunda metade da década de 60 até os dias atuais, em decorrência do cenário de políticas públicas adotadas no âmbito nacional. Pode-se distinguir, até 1985, três fases distintas do processo de desenvolvimento da agricultura do Estado, a saber: (I) tradicional: que se estende até 1970, onde prevalecia a mão-de-obra em relação à mecanização; (II) modernização: década de 70 e inicio dos anos 80, marcada pela expansão da modernização agrícola, juntamente com a introdução do cultivo da soja e do trigo em grande escala, tornando-se o mais importante ciclo econômico do Estado; (III) pós-modernização: a partir da década de 80, onde a atividade agrícola passou a representar um risco maior, dada a elevação dos custos de produção e o enfraquecimento dos instrumentos de política agrícola. No entanto, fatos ocorridos, no decorrer da segunda metade da década de 1980, mostram que o desenvolvimento da agricultura paranaense foi marcado por mais uma fase, ocasionada pelo aumento da competitividade internacional. Neste sentido Iaschombek e Santos (1999, p. 12), colocam que: Após o enfraquecimento dos instrumentos de política agrícola nos anos 80, pode-se apontar o início do que se poderia chamar de quarta fase do processo de desenvolvimento da agricultura, que se caracteriza por uma maior exposição à concorrência. Esta fase é marcada, inicialmente, pelo acordo bilateral entre Brasil e Argentina, assinado em 1986 e estendido para Paraguai e Uruguai, em 1991, através da assinatura do Tratado de Assunção para formação do Mercado Comum do Sul (MERCOSUL). A década de noventa inicia-se com um fato que alteraria o cenário

4 competitivo agrícola: a abertura comercial. Esta decisão tomada pelo governo, naturalmente, elevou o grau de exposição dos produtos nacionais à concorrência internacional, gerando a necessidade de uma reestruturação no sistema produtivo. Segundo Volaco et al. (1991) nos anos noventa, os efeitos da conjuntura recessiva no Paraná foram mais significativos, devido ao predomínio da agropecuária e da agroindústria na estrutura produtiva, resultando numa retração de 6,6% do PIB. Neste período aconteceram fortes mudanças na estrutura produtiva paranaense. No setor do agronegócio, segundo Maia (2002) apud Braun et al. (2002, p. 271): [...] na década de 90, após a configuração do processo de abertura econômica, a agroindustrialização se acelerou em todo país, como parte de um processo de reestruturação produtiva que ocorreu na indústria brasileira. No Paraná, essa dinâmica se repete. A partir de 1994, aumentaram as decisões de investimentos no Estado, levando a instalação de novas empresas, ampliações e modernizações, e o Paraná deixou de ser caracterizado pela exportação de produtos básicos. Além disso, o Paraná deixou de ser um Estado apenas exportador agrícola, reflexo dos incentivos que o governo deu à instalação de indústrias com alto padrão tecnológico. Assim, segundo Rodrigues (2002) et al., apud Braun et al. (2002, p. 272): O Paraná apresentou nos últimos anos mudança no padrão de mudança da estrutura produtiva. Os setores vinculados à indústria de transformação ligada ao processamento alimentar perderam importância relativa na economia paranaense, tanto no que ser refere às ligações com os demais setores, quanto na geração dos valores de produção e adicionado. Os anos 90 foram caracterizados por um forte processo de desconcentração industrial acelerado principalmente por políticas de atração de indústrias com mais densidade tecnológica por meio de incentivos fiscais. Nesse contexto, o Paraná teve alteração na estrutura produtiva, tornando-se mais diversificada e complexa. A respeito dessa diversificação da estrutura produtiva do Paraná, a Tabela 1 mostra a composição da pauta exportadora paranaense para o período de 1996 a Tabela 1 - Composição das exportações, segundo grupos de produtos - Paraná Grupo de produtos Participação (%) Material de transporte e 3,04 4,71 5,27 6,05 19,69 21,42 21,41 19,05 17,00 24,87 21,02 componentes Complexo soja 47,31 49,51 47,58 42,39 34,34 31,27 34,25 34,60 31,35 22,89 19,73 Madeiras e manufaturas de 6,22 6,39 7,35 11,75 10,86 9,28 10,53 10,60 12,42 11,00 10,56 madeira Carnes 5,89 4,30 5,13 8,15 6,47 8,23 8,37 9,19 10,29 12,97 9,79 Máquinas, aparelhos e instrumentos 6,82 6,09 5,70 4,93 4,26 3,28 2,71 3,78 4,72 5,48 5,69 mecânicos Açúcar 2,00 3,07 4,25 4,07 3,16 3,41 2,70 2,59 1,86 2,42 4,36 Cereais 0,71 0,78 0,09 0,21 0,07 6,82 4,13 4,30 5,17 0,78 3,98 Produtos químicos 1,84 1,60 1,88 2,39 2,54 2,08 2,04 2,44 2,19 2,44 2,96 Papel e celulose 4,24 3,07 3,24 3,58 3,36 2,63 2,32 2,50 2,29 2,50 2,96 Derivados de petróleo 1,59 1,37 0,74 1,28 1,99 1,52 2,10 1,17 1,10 1,72 2,90 Outros grupos de produtos 20,33 19,10 18,76 15,18 13,27 10,07 9,44 9,79 11,59 12,93 16,05 Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Fonte: Ipardes (2007, p. 8)

5 A análise da Tabela 1 resulta na observação de como as vendas de produtos não agrícolas, ao resto do mundo, têm crescido no Paraná. Em 1996, o grupo material de transporte representava somente 3,04% do total das vendas paranaenses no mercado internacional. Em 2006, o respectivo grupo passou a ser o primeiro nas exportações deste Estado, fazendo parte de cerca de 21% do total de vendas ao exterior. A Figura 1, que pega como base os dados da Tabela 1, mostra a evolução percentual da participação das vendas agrícolas e não agrícolas realizadas pelo respectivo Estado em análise Percentual Agrícolas Não agrícolas Anos Figura 1 - Percentual de participação dos produtos agrícolas e não agrícolas nas exportações paranaenses ( ) Fonte: Dados apresentados pela Tabela 1 As informações apresentadas pela Figura 1 dão a clareza de como a pauta exportadora paranaense está em processo de alteração, deixando de ser praticamente agrícola. Produtos não-agrícolas sofreram um aumento significativo em sua participação, passando a representar cerca de 30% em 2006, número bem maior do que aquele constatado em 1996 (13,29%). Cabe ressaltar que essas informações não são precisas, pois existem produtos agrícolas e não agrícolas que não foram especificados pela Tabela 1, e que fazem parte do item denominado: outros grupos de produtos. No entanto, os produtos especificados dão a possibilidade de percepção de como as vendas paranaenses ao resto do mundo estão sofrendo reflexos da mudança da estrutura produtiva do Estado. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS O trabalho buscou apresentar aspectos ligados à estrutura produtiva do Paraná e, consequentemente, a composição de sua pauta exportadora. Através das informações levantadas, percebe-se que o Paraná, Estado esse que sempre teve nos produtos agrícolas os principais de seu ambiente exportador, começa a perceber os resultados da política de incentivo à entrada de montadoras, realizada pelo governo estadual, em meados da década de Os dados apresentados mostram a considerável evolução que o setor material de transporte sofreu, a ponto de ultrapassar o complexo soja, grupo esse que era o principal das vendas paranaense ao resto do mundo. Com isso, nota-se a importância da ação do Estado na economia, ação essa capaz de, além e gerar empregos e, consequentemente, renda, mudar a estrutura produtiva de um ambiente.

6 5 REFERÊNCIAS BACHA, C. J. C. Economia e política agrícola no Brasil. Piracicaba: ESALQ/LES, BRAUN, M. B. S.; STADUTO, J. A. R.; SARACINI, T.. Política Comercial e a Inserção Brasileira e Paranaense no Mercado Agrícola Internacional. In: CUNHA, Marina Silva da; SHIKIDA, Pery Francisco Assis; ROCHA JÚNIOR, Weimar Freire da. Agronegócio Paranaense: Potencialidades e Desafios. Cascavel: Edunioeste, 2002 CARVALHO, A.; MORENO, E.; BONATTO, F. R. de O.; PEREIRA, I. Aprendendo metodologia científica: uma orientação para os alunos de graduação. São Paulo: O Nome da Rosa, Disponível em:<http://www.leffa.pro.br/textos/metodologia_pesquisa.pdf>. Acesso em: 18 abr GIL, A. C. Técnicas de Pesquisa em Economia e Elaboração de Monografia. São Paulo: Atlas, IASCHOMBEK, C.; SANTOS, C. V. dos. Fontes de Crescimento da Produção Agrícola Paranaense no Período 1980/81 a 1994/1995. In: FILHO, Francisco Casimiro; SHIKIDA, Pery Francisco Assis. Agronegócio e Desenvolvimento Regional. Cascavel: Edunioeste, IPARDES. Paraná: comércio exterior. Ipardes: Curitiba, nº 11, Disponível em: <http://www.ipardes.gov.br/pdf/comex/comex_2007.pdf> KENEN, P. B. Economia Internacional: Teoria e Política. Rio de Janeiro: Campus, LOURENÇO, G. M.; LEÃO, I. Z. Constant Carneiro. Tendências da economia brasileira e paranaense Revista Paranaense de Desenvolvimento, Curitiba, n. 86, p , set/dez MAIA, S. F. Efeitos da globalização sobre as vantagens comparativas nas exportações do Paraná: metodologias comparadas. In: Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural, n. 40, Passo Fundo, Anais. Passo Fundo, RS: SOBER, (CD-ROM). MORETTO, A. C.; RODRIGUES, R. L.; PARRÉ, J. L.. Tendências do Agronegócio no Paraná: 1980 a In: CUNHA, Marina Silva da; SHIKIDA, Pery Francisco Assis; JÚNIOR, Weimar Freire da Rocha. Agronegócio Paranaense: Potencialidades e Desafios. Cascavel: Edunioeste, RODRIGUES, A. S. Histórico da ocupação econômica do Paraná. In: IAPAR, Londrina, PR. A Produção animal na agricultura familiar do centro-sul do Paraná. Londrina, p.7-12 (IAPAR. Boletim Técnico, 42). Disponível em: <http://www.pr.gov.br/iapar/ase/074.html> Acesso em: 20 de setembro de RODRIGUES, R. L.; MORETTO, A.; GUILHOTO, J. J. M. Estrutura Produtiva, indústria alimentar e desenvolvimento regional no Paraná. Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural, 40, Passo Fundo/RS, Anais. Passo Fundo/RS: SOBER, (CD-ROM). ROLIM, C. F. C. O Paraná urbano e o Paraná do agribusiness: as dificuldades para a formulação de um projeto político. Revista Paranaense de Desenvolvimento, nº

7 86, p , set./dez VOLACO, G.; BAGGIO, E. C.; SHIBATA, E. K.; LOURENÇO, G. M. Economia paranaense: desempenho recente e cenários de curto prazo. Análise Conjuntural, v. 13, n. 4, p.1-9, abr

A agricultura brasileira no comércio internacional: o caso do Paraná

A agricultura brasileira no comércio internacional: o caso do Paraná 1 A agricultura brasileira no comércio internacional: o caso do Paraná Claucir Roberto Schmidtke CPF: 029.768.969-09 Universidade Estadual do Oeste do Paraná Unioeste Campus de Toledo Rua Alpérico Donin,

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

Estrutura Produtiva BOLETIM. Ribeirão Preto/SP. Prof. Dr. Luciano Nakabashi Rafael Lima

Estrutura Produtiva BOLETIM. Ribeirão Preto/SP. Prof. Dr. Luciano Nakabashi Rafael Lima O presente boletim trata da evolução da estrutura produtiva de regiões selecionadas, entre 2002 e 2014, a partir dos dados de empregos formais da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) e do Cadastro

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

A LOCALIZAÇÃO E AS MUDANÇAS NA DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO PIB NOS ESTADOS DA REGIÃO SUL 1970/1998

A LOCALIZAÇÃO E AS MUDANÇAS NA DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO PIB NOS ESTADOS DA REGIÃO SUL 1970/1998 A LOCALIZAÇÃO E AS MUDANÇAS NA DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DO PIB NOS ESTADOS DA REGIÃO SUL 1970/1998 Carlos Alberto Piacenti Jandir Ferrera de Lima Moacir Piffer Lucir Reinaldo Alves RESUMO: O obetivo deste

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

CAPÍTULO 5 A REGIÃO NO CONTEXTO DA ECONOMIA PARANAENSE. Maria da Piedade Araújo

CAPÍTULO 5 A REGIÃO NO CONTEXTO DA ECONOMIA PARANAENSE. Maria da Piedade Araújo CAPÍTULO 5 A REGIÃO NO CONTEXTO DA ECONOMIA PARANAENSE Maria da Piedade Araújo 170 5.1 INTRODUÇÃO Este capítulo tem por objetivo apresentar um comparativo da Mesorregião Oeste do Paraná em relação ao Estado.

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 Depenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 As exportações em junho apresentaram redução de 8,57% sobre maio após expansão por quatro meses consecutivos. Desta forma, supera a marca de US$ 1 bilhão

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR.

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR. NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR Área: ECONOMIA LOPES, Janete Leige PEREIRA, Kelli Patrícia PONTILI, Rosangela

Leia mais

CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA

CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA Al nº 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Estudar a retomada do Programa Nuclear Brasileiro, com o enfoque nos aspectos econômico e científico-tecnológico,

Leia mais

Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1

Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1 Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1 Rosana Paczyk 1 Introdução Este artigo objetiva analisar o setor sucroalcooleiro do Paraná desde o programa nacional do álcool em meados de

Leia mais

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL fevereiro 2010 NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL Paulo Roberto Delgado * Gracia Maria Viecelli Besen* Na presente década, verificou-se forte expansão do comércio externo nos países da América

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR : mudanças na estrutura produtiva e no mercado de trabalho no período 1991/2010 Paulo Delgado Liana Carleial Curitiba, 17

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E 2012 Camila Cristina Farinhaki Henrique Alves dos Santos Lucas Fruet Fialla Patricia Uille Gomes Introdução Este artigo tem como objetivo

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

ECONOMIA E AGRONEGÓCIO: A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS NO SETOR SUCROALCOOLEIRO

ECONOMIA E AGRONEGÓCIO: A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS NO SETOR SUCROALCOOLEIRO ECONOMIA E AGRONEGÓCIO: A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS NO SETOR SUCROALCOOLEIRO 61 Ana Caroline Veiga Universidade do Oeste Paulista, Curso de Administração, Presidente Prudente, SP. Email:

Leia mais

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 Julio Gomes de Almeida Mauro Thury de Vieira Sá Daniel Keller de Almeida Texto para Discussão. IE/UNICAMP n. 149, nov. 2008. ISSN

Leia mais

Palavras-chave: Desenvolvimento Regional, Quociente Locacional, Paraná.

Palavras-chave: Desenvolvimento Regional, Quociente Locacional, Paraná. QUOCIENTE LOCACIONAL: UMA ANÁLISE DOS SETORES ECONÔMICOS NAS MESORREGIÕES PARANAENSES ENTRE 1999 E 2008 Ariana Cericatto da Silva Universidade Estadual do Oeste do Paraná ariana_cericatto@hotmail.com Ronaldo

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, DEZEMBRO DE 2012 18 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA

MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA Alexandre Nunes de Almeida 1 ; Augusto Hauber Gameiro 2. (1) Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, CEPEA/ESALQ/USP,

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

A Indústria de Alimentação

A Indústria de Alimentação A Indústria de Alimentação 61 A indústria brasileira de alimentação está inserida na cadeia do agronegócio e representa parte significativa do PIB. O texto aponta as características do setor, seu desempenho

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Século XVIII e XIX / Europa

Século XVIII e XIX / Europa 1 I REVOLUÇÃO AGRÍCOLA Século XVIII e XIX / Europa! O crescimento populacional e a queda da fertilidade dos solos utilizados após anos de sucessivas culturas no continente europeu, causaram, entre outros

Leia mais

Gráfico 1: Goiás - Saldo de empregos formais, 2000 a 2013

Gráfico 1: Goiás - Saldo de empregos formais, 2000 a 2013 O perfil do mercado de trabalho no estado de Goiás reflete atualmente as mudanças iniciadas principalmente no final da década de 1990, em que se destacam o fortalecimento do setor industrial e sua maior

Leia mais

NOTAS SOBRE A POPULAÇÃO E A RUPTURA ESTRUTURAL NA ECONOMIA PARANAENSE 1

NOTAS SOBRE A POPULAÇÃO E A RUPTURA ESTRUTURAL NA ECONOMIA PARANAENSE 1 1 NOTAS SOBRE A POPULAÇÃO E A RUPTURA ESTRUTURAL NA ECONOMIA PARANAENSE 1 Ricardo Rippel UNIOESTE/Campus Toledo, PR. Jandir Ferrera de Lima UNIOESTE/Campus Toledo, PR. Lucir Reinaldo Alves UNIOESTE/Campus

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009 A crise financeira internacional continua afetando negativamente o comércio exterior paranaense: apesar das exportações terem aumentado 43,44% em março,

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹ IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, IV Jornada Científica, 06 a 09 de dezembro de 2011 Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil 1 Comunicado da Presidência nº 5 Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil Realização: Marcio Pochmann, presidente; Marcio Wohlers, diretor de Estudos Setoriais (Diset)

Leia mais

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA:

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: INFORMAÇÕES SOBRE A CORÉIA DO SUL Com a rápida recuperação da crise

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados

Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados pelo Fundopem no Período 1989/1998 Antônio Ernani Martins Lima Porto

Leia mais

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Juliano Merlotto Mestre em Administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Doutorando História das Ciências UFBA,UEFS ABA QUALYAGRO PEC NORDESTE 2013 Guilherme Augusto Vieira gavet@uol.com.br Agronegócio Contexto Pessoal Início trabalhos com Agronegócio

Leia mais

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 José Alberto Ângelo Danton Leonel de Camargo Bini Denise Viane Caser Paulo José Coelho Carlos Nabil Ghobril alberto@iea.sp.gov.br

Leia mais

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Fevereiro 2014 Um olhar da Inventta: ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Maria Carolina Rocha, Marina Loures e Otávio Vianna 1. Introdução A Lei do Bem, cujo principal objetivo é promover

Leia mais

URBANIZAÇÃO NOS MUNICÍPIOS DO OESTE DO PARANÁ NO PERÍODO DE 1991, 2000 E 2010

URBANIZAÇÃO NOS MUNICÍPIOS DO OESTE DO PARANÁ NO PERÍODO DE 1991, 2000 E 2010 URBANIZAÇÃO NOS MUNICÍPIOS DO OESTE DO PARANÁ NO PERÍODO DE 1991, 2000 E 2010 Jéssica Karoline Misael (Unioeste) jessicakmisael@hotmail.com Katia Fabiane Rodrigues (Unioeste) kafrodrigues@yahoo.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE-ETENE INFORME SETORIAL INDÚSTRIA E SERVIÇOS NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 Ano IV No 2 O nosso

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Área: ADMINISTRAÇÃO José Lindomir Pezenti EMATER, Cascavel-PR, pezenti@yahoo.com.br Geysler Rogis Flor Bertolini UNIOESTE, Cascavel-PR,

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

10º FÓRUM DE ECONOMIA. Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil

10º FÓRUM DE ECONOMIA. Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil 10º FÓRUM DE ECONOMIA Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil Eliane Araújo São Paulo, 01 de outubro de2013 Objetivos Geral:

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014.

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano C Montanhas Rochosas

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL 1) (UDESC - 2012) São exemplos da indústria de bens de consumo (ou leve): a) Indústria de autopeças e de alumínio. b) Indústria de automóveis

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Larissa Bueno Ambrosini Carlos Alberto Oliveira de Oliveira Pesquisadores Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária Porto Alegre, 21 de novembro de 2012. O debate

Leia mais

Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP

Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP Pressionado a produzir mais, trabalhador atua cerca de 12 anos, como na época da escravidão Conclusão é de pesquisadora da Unesp; usineiros dizem que estão

Leia mais

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Governo do Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Integração Contratual para Acesso a Mercado Rodolfo Osorio de Oliveira Coordenador

Leia mais

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola.

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola. Implicações da Expansão do cultivo da cana-deaçúcar sobre o município de Goiatuba Washington Pereira Campos8 Márcio Caliari9 Marina Aparecida da Silveira10 Resumo: A partir de 2004, ocorreu um aumento

Leia mais

ESVAZIAMENTO DE POPULAÇÃO JOVEM NO MUNICÍPIO DE CORUMBATAÍ DO SUL PR

ESVAZIAMENTO DE POPULAÇÃO JOVEM NO MUNICÍPIO DE CORUMBATAÍ DO SUL PR ESVAZIAMENTO DE POPULAÇÃO JOVEM NO MUNICÍPIO DE CORUMBATAÍ DO SUL PR Jaqueline T. Gouveia, (IC),UNESPAR/FECILCAM, gouveia.jaqueline@hotmail.com Fábio Rodrigues da Costa, (OR), UNESPAR/FECILCAM, fabiorcmestrado@bol.com.br

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO PIB PARANAENSE - 2009 A 2014

A EVOLUÇÃO DO PIB PARANAENSE - 2009 A 2014 A EVOLUÇÃO DO PIB PARANAENSE - 2009 A 2014 Marcelo Luis Montani marcelo.montani@hotmail.com Acadêmico do curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Mônica Antonowicz Muller monicamuller5@gmail.com Acadêmica

Leia mais

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Faculdade de Comunicação e Artes Habilitação em Jornalismo Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Economia Brasileira Professora Eleonora Bastos Horta Dayse dos Santos Frederico

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL DOS AGRONEGÓCIOS SOB A ÓTICA DOS GRUPOS DE CADEIAS DE PRODUÇÃO, BRASIL 1997-2004

DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL DOS AGRONEGÓCIOS SOB A ÓTICA DOS GRUPOS DE CADEIAS DE PRODUÇÃO, BRASIL 1997-2004 DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL DOS AGRONEGÓCIOS SOB A ÓTICA DOS GRUPOS DE CADEIAS DE PRODUÇÃO, BRASIL 1997-2004 JOSÉ ROBERTO VICENTE CPF 781.815.938-04 Engenheiro Agrônomo, Doutor, Pesquisador Científico

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp)

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) Objetivo Qual padrão de especialização comercial brasileiro? Ainda fortemente

Leia mais

BADESUL Agricultura Sustentável: inovação e sustentabilidade

BADESUL Agricultura Sustentável: inovação e sustentabilidade BADESUL Agricultura Sustentável: inovação e sustentabilidade 2 BADESUL PERFIL INSTITUCIONAL O BADESUL Desenvolvimento S.A. Agência de Fomento/RS é uma sociedade anônima de economia mista de capital fechado,

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

O agronegócio brasileiro: analise das principais commodities

O agronegócio brasileiro: analise das principais commodities O agronegócio brasileiro: analise das principais commodities Prof. Dr. Ludwig Einstein Agurto Plata Fatec de Itapetininga, São Paulo Brasil Ludwig@uol.com.br Adriel Vicente da Conceição Fatec de Itapetininga,

Leia mais

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo GEOGRAFIA Professores: Marcus, Ronaldo Questão que trabalha conceitos de cálculo de escala, um tema comum nas provas da UFPR. O tema foi trabalhado no Módulo 05 da apostila II de Geografia I. Para melhor

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CÓDIGO DA DISCIPLINA: 020031 PERÍODO: 8º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: ECONOMIA AGRÍCOLA

1. IDENTIFICAÇÃO 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CÓDIGO DA DISCIPLINA: 020031 PERÍODO: 8º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: ECONOMIA AGRÍCOLA 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: 020031 PERÍODO: 8º CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: ECONOMIA AGRÍCOLA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DO CURSO: ECONOMIA 2. EMENTA A agricultura

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais