Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura."

Transcrição

1 Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura Artur Vaz 23 de Maio de 2015 To become the leading healthcare provider through the practice of medicine of excellence and innovation

2 PRODUTIVIDADE A inevitabilidade da eficiência (fazer mais com menos) 1

3 PRODUTIVIDADE A inevitabilidade da eficiência (fazer mais com menos) O imperativo da qualidade (fazer melhor) PATIENT SAFETY EXCELÊNCIA DE SERVIÇO 2

4 PRODUTIVIDADE A inevitabilidade da eficiência (fazer mais com menos) A gestão da inovação clínica e tecnológica O imperativo da qualidade (fazer melhor) EFICÁCIA PATIENT SAFETY EXCELÊNCIA DE SERVIÇO 3

5 Investir em tecnologia 4

6 Gerir a produtividade do staff Investir em tecnologia 5

7 Controlar os custos Gerir a produtividade do staff Investir em tecnologia 6

8 Aumentar a eficiência Controlar os custos Gerir a produtividade do staff Investir em tecnologia 7

9 Expandir/realocar capacidade Aumentar a eficiência Controlar os custos Gerir a produtividade do staff Investir em tecnologia 8

10 Expandir/realocar capacidade Aumentar a eficiência Controlar os custos Gerir a produtividade do staff Investir em tecnologia Competir pelo talento 9

11 Expandir/realocar capacidade Aumentar a eficiência Controlar os custos Gerir a produtividade do staff Investir em tecnologia Articular com outros prestadores Competir pelo talento 10

12 Expandir/realocar capacidade Aumentar a eficiência Controlar os custos Gerir a produtividade do staff Investir em tecnologia Gerir os riscos Articular com outros prestadores Competir pelo talento 11

13 Expandir/realocar capacidade Aumentar a eficiência Controlar os custos Gerir a produtividade do staff Investir em tecnologia Garantir um crescimento rentável Gerir os riscos Articular com outros prestadores Competir pelo talento 12

14 Expandir/realocar capacidade Aumentar a eficiência Controlar os custos Gerir a produtividade do staff Investir em tecnologia Melhorar infra-estruturas existentes Garantir um crescimento rentável Gerir os riscos Articular com outros prestadores Competir pelo talento 13

15 Expandir/realocar capacidade Aumentar a eficiência Controlar os custos Gerir a produtividade do staff Investir em tecnologia Melhorar infra-estruturas existentes Garantir um crescimento rentável Gerir os riscos Articular com outros prestadores Competir pelo talento Maximizar a captura de receitas 14

16 Expandir/realocar capacidade Aumentar a eficiência Controlar os custos Gerir a produtividade do staff Investir em tecnologia Melhorar infra-estruturas existentes Garantir um crescimento rentável Gerir os riscos Articular com outros prestadores Competir pelo talento Melhorar a retenção do pessoal Maximizar a captura de receitas 15

17 Expandir/realocar capacidade Aumentar a eficiência Controlar os custos Gerir a produtividade do staff Investir em tecnologia Melhorar infra-estruturas existentes Garantir um crescimento rentável Gerir os riscos Articular com outros prestadores Competir pelo talento Controlar a efectividade Melhorar a retenção do pessoal Maximizar a captura de receitas 16

18 Expandir/realocar capacidade Aumentar a eficiência Controlar os custos Gerir a produtividade do staff Investir em tecnologia Melhorar infra-estruturas existentes Garantir um crescimento rentável Gerir os riscos Articular com outros prestadores Competir pelo talento Manter/melhorar o nível de serviço ao cliente Controlar a efectividade Melhorar a retenção do pessoal Maximizar a captura de receitas 17

19 Expandir/realocar capacidade Aumentar a eficiência Controlar os custos Gerir a produtividade do staff Investir em tecnologia Melhorar infra-estruturas existentes Garantir um crescimento rentável Gerir os riscos Articular com outros prestadores Competir pelo talento Garantir a equidade do acesso dos doentes Manter/melhorar o nível de serviço ao cliente Controlar a efectividade Melhorar a retenção do pessoal Maximizar a captura de receitas 18

20 Emergência de Um Novo Paradigma de Gestão Hospitalar Alimentação Gestão de Limpeza Lavandaria Segurança Infra-estruturas (manutenção) Gestão Financeira Diminuição da importância das competências hoteleiras e administrativas RH Gestão Materiais 19

21 Emergência de Um Novo Paradigma de Gestão Hospitalar Alimentação Gestão de Limpeza Lavandaria Segurança Infra-estruturas (manutenção) Gestão Financeira Diminuição da importância das competências hoteleiras e administrativas RH Gestão Materiais Engenharia de processos e integração Implementação de uma disciplina de desenho e controlo de processos numa ótica end-toend vs. visão departamental: Melhoria do fluxo de produção (produtividade) Consistência dos processos (qualidade) Nível de serviço (previsibilidade) Primado das competências tecnológicas 20

22 Emergência de Um Novo Paradigma de Gestão Hospitalar Alimentação Gestão de Limpeza Lavandaria Segurança Infra-estruturas (manutenção) Gestão Financeira Diminuição da importância das competências hoteleiras e administrativas RH Gestão Materiais Engenharia de processos e integração Implementação de uma disciplina de desenho e controlo de processos numa ótica end-toend vs. visão departamental: Melhoria do fluxo de produção (produtividade) Consistência dos processos (qualidade) Nível de serviço (previsibilidade) Primado das competências tecnológicas Gestão de processos clínicos Gestão da informação clínica Estandardização de práticas clínicas (evidence based medicine, protocolos, clinical pathways) 21

23 Emergência de Um Novo Paradigma de Gestão Hospitalar Alimentação Gestão de Limpeza Lavandaria Segurança Infra-estruturas (manutenção) Gestão Financeira Diminuição da importância das competências hoteleiras e administrativas RH Gestão Materiais Engenharia de processos e integração Implementação de uma disciplina de desenho e controlo de processos numa ótica end-toend vs. visão departamental: Melhoria do fluxo de produção (produtividade) Consistência dos processos (qualidade) Nível de serviço (previsibilidade) Primado das competências tecnológicas Gestão de processos clínicos Gestão da informação clínica Estandardização de práticas clínicas (evidence based medicine, protocolos, clinical pathways) Gestão da Inovação clínica / tecnológica Implementação de processos de avaliação de introdução de novas tecnologias/equipamentos Promoção dos melhores cuidados de saúde através da liderança clínica (i.e. atraindo, desenvolvendo e retendo talento médico e de enfermagem excecional) 22

24 Engenharia de Processos e Integração no centro dos 3 Objetivos Estratégicos Excelência de serviço A disciplina dos processos e a maior previsibilidade reduz tempos de espera desnecessários e o cancelamento de atos 23

25 Engenharia de Processos e Integração no centro dos 3 Objetivos Estratégicos Excelência de serviço A disciplina dos processos e a maior previsibilidade reduz tempos de espera desnecessários e o cancelamento de atos Produtividade O reforço da cooperação entre serviços e a eliminação de fatores de variação desnecessários melhora o fluxo de produção, reduzindo custos e necessidades de investimentos adicionais 24

26 Engenharia de Processos e Integração no centro dos 3 Objetivos Estratégicos Excelência de serviço A disciplina dos processos e a maior previsibilidade reduz tempos de espera desnecessários e o cancelamento de atos Produtividade O reforço da cooperação entre serviços e a eliminação de fatores de variação desnecessários melhora o fluxo de produção, reduzindo custos e necessidades de investimentos adicionais Qualidade A consistência dos processos e a sua aderência às práticas estabelecidas reduz a possibilidade de erros médicos 25

27 Engenharia de Processos e Integração no centro dos 3 Objetivos Estratégicos Excelência de serviço A disciplina dos processos e a maior previsibilidade reduz tempos de espera desnecessários e o cancelamento de atos Engenharia de processos e integração Produtividade O reforço da cooperação entre serviços e a eliminação de fatores de variação desnecessários melhora o fluxo de produção, reduzindo custos e necessidades de investimentos adicionais Qualidade A consistência dos processos e a sua aderência às práticas estabelecidas reduz a possibilidade de erros médicos 26

28 Otimização dos Processos: Multiplicidade de Perspetivas Admissão Fornecimento do Serviço Saída 27

29 Otimização dos Processos: Multiplicidade de Perspetivas Admissão Fornecimento do Serviço Saída Perspectivas Procura Mix de doentes Graus variabilidade 28

30 Otimização dos Processos: Multiplicidade de Perspetivas Admissão Fornecimento do Serviço Saída Perspectivas Procura Mix de doentes Graus variabilidade Recursos Recursos necessários para fornecer os serviços (n.º de camas, n.º de enfermeiros...) 29

31 Otimização dos Processos: Multiplicidade de Perspetivas Admissão Fornecimento do Serviço Saída Perspectivas Procura Recursos Eficiência Mix de doentes Graus variabilidade Recursos necessários para fornecer os serviços (n.º de camas, n.º de enfermeiros...) Tempo de processamento do serviço por caso Consumíveis e medicamentos 30

32 Otimização dos Processos: Multiplicidade de Perspetivas Admissão Fornecimento do Serviço Saída Perspectivas Procura Recursos Eficiência Níveis de serviço Mix de doentes Graus variabilidade Recursos necessários para fornecer os serviços (n.º de camas, n.º de enfermeiros...) Tempo de processamento do serviço por caso Consumíveis e medicamentos Tempo médio no sistema Outcomes (resultados) 31

33 Otimização dos Processos: Multiplicidade de Perspetivas Admissão Fornecimento do Serviço Saída Perspectivas Procura Recursos Eficiência Níveis de serviço Mix de doentes Graus variabilidade Recursos necessários para fornecer os serviços (n.º de camas, n.º de enfermeiros...) Tempo de processamento do serviço por caso Consumíveis e medicamentos Tempo médio no sistema Outcomes (resultados) Princípios orientadores Privilégio da óptica end-to-end por oposição à visão departamental Processos definidos através dos olhos do cliente (doente, médico) 32

Prêmio Valor Inovação Brasil 2017

Prêmio Valor Inovação Brasil 2017 Prêmio Valor Inovação Brasil 2017 Inovação Inovação é a geração e desenvolvimento estruturado, de maneira recorrente, de novas ideias que geram valor significativo para as empresas Critérios de participação

Leia mais

Qtime Tempo de Qualidade PRÉMIO HEALTHCARE EXCELLENCE JUNHO 2015

Qtime Tempo de Qualidade PRÉMIO HEALTHCARE EXCELLENCE JUNHO 2015 1 Qtime Tempo de Qualidade PRÉMIO HEALTHCARE EXCELLENCE 2015 01 JUNHO 2015 IPO Porto 41 anos; 10 000 novos doentes/ano; 2 000 colaboradores; Centralidade no doente; Qualidade e dimensão; Inovação em oncologia.

Leia mais

Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura.

Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura. Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura David Veloso 23 de Maio de 2015 To become the leading healthcare provider through

Leia mais

COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE. (85)

COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE. (85) COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE nucit@saude.ce.gov.br (85) 3101-5234 SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE E SAÚDE BASEADA EM EVIDÊNCIAS 5 e 6 de Maio de 2009 Fortaleza / CE Gestão

Leia mais

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Carta de Missão Ministério da Economia e do Emprego Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Diretor De de de 201. a.. de. de 201 1. Missão do organismo O Gabinete de Prevenção e

Leia mais

A. PROJETOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS

A. PROJETOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) PARTE II - CRITÉRIOS DE

Leia mais

BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM

BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM 2º Congresso APEGEL - 2011 DESAFIO PARA O 3º CONGRESSO ESTRATÉGICO Competências Enfermeiro Gestor Normas e Indicadores TÁTICO Por nível OPERACIONAL ESTRATÉGICO PRÁTICA

Leia mais

Comitê de Avaliação de Tecnologias (ATS) ) do Hospital Israelita Albert Einstein

Comitê de Avaliação de Tecnologias (ATS) ) do Hospital Israelita Albert Einstein Comitê de Avaliação de Tecnologias (ATS) ) do Hospital Israelita Albert Einstein Luiz Vicente Rizzo Diretor Superintendente Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein Avaliação de Tecnologia

Leia mais

10/8/2011. Administração de Recursos Humanos TREINAMENTO: DESENVOLVIMENTO: Concluindo: T&D é o processo educacional aplicado de

10/8/2011. Administração de Recursos Humanos TREINAMENTO: DESENVOLVIMENTO: Concluindo: T&D é o processo educacional aplicado de TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL Administração de Recursos Humanos É o processo de desenvolver qualidades nos RHs para habilitá-los a serem mais produtivos e contribuir melhor para o alcance dos

Leia mais

Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA

Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA Ministério da Saúde Ministro da Saúde Luís Filipe Pereira Apresentação dos Resultados dos Hospitais SA Centro Cultural de Belém,

Leia mais

Excelência na Gestão

Excelência na Gestão Mapa Estratégico 2012-2014 Visão Até 2014, ser referência no atendimento ao público, na fiscalização e na valorização das profissões tecnológicas, reconhecido pelos profissionais, empresas, instituições

Leia mais

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação ACREDITAÇÃO HOSPITALAR Análise Crítica da Pré e Pós Certificação A qualidade não é um conjunto de técnicas, é a maneira de pensar o seu próprio negócio e isso não da pra copiar. Fonte: hsm.com.br Hospital

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP

BALANCED SCORECARD. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP BALANCED SCORECARD Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP Gestão Estratégica e BSC Balanced Scoredcard GESTÃO ESTRATÉGICA GESTÃO

Leia mais

RH e Folha de Pagamento Soluções que agregam valor ao seu negócio. People Knowledge Technology

RH e Folha de Pagamento Soluções que agregam valor ao seu negócio. People Knowledge Technology RH e Folha de Pagamento Soluções que agregam valor ao seu negócio People Knowledge Technology Nós Trabalhamos para o seu Sucesso Há duas décadas a Datamace se dedica ao desenvolvimento de soluções integradas

Leia mais

Sistemas de Informação Hospitalares (Healthcare Information Systems)

Sistemas de Informação Hospitalares (Healthcare Information Systems) Sistemas de Informação Hospitalares (Healthcare Information Systems) Tópicos Contexto Evolução Requisitos de Informação Benefícios Funções e Componentes Futuro HCIS - Contexto Organizações de saúde são

Leia mais

Oferta Pública de Aquisição da Espírito Santo Saúde. Lisboa, 11 de Setembro de 2014

Oferta Pública de Aquisição da Espírito Santo Saúde. Lisboa, 11 de Setembro de 2014 Oferta Pública de Aquisição da Espírito Santo Saúde Lisboa, 11 de Setembro de 2014 JOSÉ DE MELLO SAÚDE OPERADOR DE REFERÊNCIA NO SECTOR DA SAÚDE EM PORTUGAL Operador com maior experiência no sector Referência

Leia mais

A Farmácia em Portugal

A Farmácia em Portugal A Farmácia em Portugal Degradação do Preço do Medicamento: Ameaça à Saúde Pública? Humberto Martins VI Reunião Anual da Revista Portuguesa de Farmacoterapia Controvérsias com Medicamentos 31 de Maio de

Leia mais

Qualidade e Acreditação x Proteção Radiológica. Diretor de Qualidade Profissional SBHCI

Qualidade e Acreditação x Proteção Radiológica. Diretor de Qualidade Profissional SBHCI Qualidade e Acreditação x Proteção Radiológica Hélio Castello Diretor de Qualidade Profissional SBHCI I Workshop Nacional sobre Proteção Radiológica em Cardiologia Intervencionista - 2012 Hemodinâmica

Leia mais

Soluções que facilitam a gestão da saúde

Soluções que facilitam a gestão da saúde Soluções que facilitam a gestão da saúde A Hospidata Mais eficiência na gestão de saúde Empresa do grupo MV, líder brasileira em soluções de tecnologia para gestão da saúde, a Hospidata oferece um portfólio

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

Contribuições do SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO para a Melhoria da Qualidade da Assistência e Segurança dos Pacientes

Contribuições do SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO para a Melhoria da Qualidade da Assistência e Segurança dos Pacientes Contribuições do SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO para a Melhoria da Qualidade da Assistência e Segurança dos Pacientes ABRIL/2011 O Universo de Atuação População 190.732.694 habitantes Fonte: IBGE 2010

Leia mais

Valorização e Desenvolvimento do Capital Humano da Saúde

Valorização e Desenvolvimento do Capital Humano da Saúde Conversas de Fim de Tarde 2016 Valorização e Desenvolvimento do Capital Humano da Saúde Valorizar o Capital de Organização: Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Hospitalar Administração Central

Leia mais

Resultados Gerais: "Inquérito de Avaliação da Satisfação dos Colaboradores"

Resultados Gerais: Inquérito de Avaliação da Satisfação dos Colaboradores Resultados Gerais: "Inquérito de Avaliação da Satisfação dos Colaboradores" número de ações que realizou até ao presente Valid nada pouco 22 7,4 8,0 8,0 44 14,8 16,1 24,1 126 42,4 46,0 70,1 65 21,9 23,7

Leia mais

Ricardo Augusto Bordin Guimarães Auditoria Administrativa Hospitalar ricardo@rgauditoria.com.br (51) 9841.7580 www.rgauditoria.com.br www.twitter.com/ricardorgaud Qualidade e Gestão em Saúde através da

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional.

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional. CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Cargo: Vogal do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: Período de 5 anos a contar

Leia mais

Farmácia Circuito do Medicamento integrado no SGICM

Farmácia Circuito do Medicamento integrado no SGICM Farmácia Circuito do Medicamento integrado no SGICM 1 2 Sistema de Gestão Integrado do Circuito do Medicamento - SGICM O SGICM como parte integrante do circuito do medicamento apresenta como vantagens:

Leia mais

Conjunto de regras entre o que é certo e errado; um modelo ou padrão que define o comportamento das pessoas.

Conjunto de regras entre o que é certo e errado; um modelo ou padrão que define o comportamento das pessoas. disciplina FUNDAMENTOS DE GESTÃO TERCEIRIZAÇÃO Paradigmas - Definições Conjunto de regras entre o que é certo e errado; um modelo ou padrão que define o comportamento das pessoas. Velhos Paradigmas: burocracia,

Leia mais

I WORKSHOP DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA GESTÃO DE PESSOAS DA USP

I WORKSHOP DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA GESTÃO DE PESSOAS DA USP I WORKSHOP DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA GESTÃO DE PESSOAS DA USP NOVEMBRO 2010 Propostas de MISSÃO para a Gestão de Pessoas da USP Criar condições para o engajamento pessoal e profissional dos servidores

Leia mais

UMA RAZÃO PARA EXISTIR. A DUO Financial foi fundada em 2013 com a vontade de construir um mundo melhor, ajudando as pessoas de forma genuina.

UMA RAZÃO PARA EXISTIR. A DUO Financial foi fundada em 2013 com a vontade de construir um mundo melhor, ajudando as pessoas de forma genuina. SOBRE UMA RAZÃO PARA EXISTIR. A DUO Financial foi fundada em 2013 com a vontade de construir um mundo melhor, ajudando as pessoas de forma genuina. DUO = PARCERIA Para isso, nós buscamos parcerias com

Leia mais

O desenvolvimento da Cirurgia de Ambulatório como objectivo estratégico do Hospital

O desenvolvimento da Cirurgia de Ambulatório como objectivo estratégico do Hospital O desenvolvimento da Cirurgia de Ambulatório como objectivo estratégico do Hospital Cirurgia do Ambulatório 15. 12. 2005 CIRURGIA DE AMBULATÓRIO 1 Organização. Manual de Boas práticas 1. Estrutura Organizacional

Leia mais

Planejamento estratégico. de pessoas

Planejamento estratégico. de pessoas Planejamento estratégico de pessoas PLANEJAMENTO ORGANIZACIONAL X PLANEJAMENTO DE RH O QUE É GESTÃO POR RESULTADOS? A cada nível hierárquico, o líder reúne-se com os líderes que lhe são imediatamente subordinados

Leia mais

REGISTOS de ENFERMAGEM SUA EVOLUÇÃO

REGISTOS de ENFERMAGEM SUA EVOLUÇÃO REGISTOS de ENFERMAGEM SUA EVOLUÇÃO Laurinda Miranda Março 2015 Florence Nightingale assumia a importância dos registos e a necessidade de os preservar no sentido de que essa documentação refletisse as

Leia mais

Os desafios da oncologia: a sociedade, o sistema, o doente. Gabriela Sousa Oncologia Médica IPO Coimbra

Os desafios da oncologia: a sociedade, o sistema, o doente. Gabriela Sousa Oncologia Médica IPO Coimbra Os desafios da oncologia: a sociedade, o sistema, o doente Gabriela Sousa Oncologia Médica IPO Coimbra Na União Europeia, e tendo como base apenas o envelhecimento da população, é previsto um aumento dos

Leia mais

ESTRATÉGIA COMO POTENCIAR O VALOR DO SEU NEGÓCIO SEMINÁRIO APAVT/ DELOITTE. Com uma clara Orientação Estratégica

ESTRATÉGIA COMO POTENCIAR O VALOR DO SEU NEGÓCIO SEMINÁRIO APAVT/ DELOITTE. Com uma clara Orientação Estratégica Como Potenciar o Valor do seu Negócio SEMINÁRIO APAVT/ DELOITTE Qual é o Valor da sua Agência de Viagens? COMO POTENCIAR O VALOR DO SEU NEGÓCIO Com uma clara Orientação Estratégica Com uma Vantagem Competitiva

Leia mais

Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público

Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público I SEMINÁRIO POTIGUAR SOBRE CONTABILIDADE, CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público Nelson Machado e Victor Holanda MAIO 2011, NATAL RN Ambiente e Desafios

Leia mais

Objetivo. Melhorar a Eficiência Operacional Aumentar a produtividade sem aumentar o número de leitos

Objetivo. Melhorar a Eficiência Operacional Aumentar a produtividade sem aumentar o número de leitos Gestão de Leitos Objetivo Melhorar a Eficiência Operacional Aumentar a produtividade sem aumentar o número de leitos Contextualização Leitos de Retaguarda Núcleo de Acesso e Qualidade Hospitalar e Núcleo

Leia mais

GOVERNANÇA CLÍNICA: como aumentar a efe9vidade (PRODUTIVIDADE) do uso do leito hospitalar? José Carlos Serufo Filho

GOVERNANÇA CLÍNICA: como aumentar a efe9vidade (PRODUTIVIDADE) do uso do leito hospitalar? José Carlos Serufo Filho GOVERNANÇA CLÍNICA: como aumentar a efe9vidade (PRODUTIVIDADE) do uso do leito hospitalar? José Carlos Serufo Filho Soluções Antes de propor soluções é necessário saber dimensionar o tamanho do seu problema,

Leia mais

A Farmácia no Sistema de Saúde

A Farmácia no Sistema de Saúde A Farmácia no Sistema de Saúde João Silveira 24 de Abril de 2008 A Farmácia O Farmacêutico O Medicamento O Doente Farmacêuticos - Competências 1. I&D, fabrico, qualidade, registo, distribuição e dispensa

Leia mais

Unimed 2ª Opinião ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED!

Unimed 2ª Opinião ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED! ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED! CONCEITO O Inova Unimed é um movimento de renovação que visa a modernização estrutural, operacional e administrativa da Unimed Vale do Aço. OBJETIVOS SATISFAZER

Leia mais

Ministério da Defesa Nacional. Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional. Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional

Ministério da Defesa Nacional. Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional. Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional CARTA DE MISSÃO Ministério da Defesa Nacional Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional 1. Missão do organismo As atribuições

Leia mais

Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar

Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar ANA ADALGISA DE OLIVEIRA BORGES GESTORA DE ATENÇÃO DOMICILIAR - SERVIÇOS PRÓPRIOS UNIMEB-BH Introdução Definição Conceito de

Leia mais

Atendimento Inteligente

Atendimento Inteligente Atendimento Inteligente Com a quantidade de canais de comunicação disponíveis hoje em dia, a tendência é para que o consumidor comece a comunicar com marcas e empresas através de meios menos tradicionais.

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI As TIC e a Saúde no Portugal de Hoje 18 março 2015 Unificação

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização

Quadro de Avaliação e Responsabilização ANO: Ministério da Educação e Ciência Fundação para a Ciência e Tecnologia, I.P. MISSÃO: A FCT tem por missão apoiar, financiar e avaliar o Sistema Nacional de Investigação e Inovação, desenvolver a cooperação

Leia mais

introdução ao marketing - gestão do design

introdução ao marketing - gestão do design introdução ao marketing - gestão do design Universidade Presbiteriana Mackenzie curso desenho industrial 3 pp e pv profa. dra. teresa riccetti Fevereiro 2009 A gestão de design, o management design, é

Leia mais

Gestão de pessoas e desempenho organizacional

Gestão de pessoas e desempenho organizacional Aula 12 Gestão de pessoas e desempenho organizacional Agenda 1 Seminário 2 Medindo a performance do RH 1 Seminário 5 Competing on talent analytics. Davenport, Harris & Shapiro. Harvard Business Review,

Leia mais

SofitView! Uma nova forma de fazer gestão da sua frota

SofitView! Uma nova forma de fazer gestão da sua frota SofitView! Uma nova forma de fazer gestão da sua frota ALGUNS DESAFIOS NÃO MUDAM... DESAFIOS INTERNOS Aumento da disponibilidade da frota Redução dos custos da frota Controle dos custos por KM rodado Decisões

Leia mais

F I N A L I D A D E I D E A S CLIENTES IDÉIAS/IDEAS

F I N A L I D A D E I D E A S CLIENTES IDÉIAS/IDEAS P O R Q U Ê F I N A L I D A D E I D E A S IDÉIAS/IDEAS Inovação Gera Excelência, Conquista e Economias (IDEAS Innovation Drives Excellence, Achievement and Savings) C O M O P R O P Ó S I T O Q U E M P

Leia mais

Impacto da Acreditação da Joint Commission International na Gestão Hospitalar

Impacto da Acreditação da Joint Commission International na Gestão Hospitalar Seminários de Gestão Tendências e Inovações em Saúde Tendências em Saúde e Impactos na Gestão Hospitalar FEHOSUL Impacto da Acreditação da Joint Commission International na Gestão Hospitalar Helena Barreto

Leia mais

Melhoria da eficácia da triagem de resíduos

Melhoria da eficácia da triagem de resíduos 1966-2011 45 anos Melhoria da eficácia da triagem de resíduos hospitalares ao nível do produtor Fátima Gonçalves 15 de Abril de 2011 1 SUCH Associação de natureza privada sem fins lucrativos Mais de 40

Leia mais

Gestão Integrada de Custos e Orçamentos Objetivos Gerais: A Gestão Integrada de Custos e Orçamentos permite detetar e eliminar desperdícios e otimiza ações estratégicas para o controle de gastos. Ao adotar

Leia mais

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz Perfil O Hospital Alemão Oswaldo Cruz é uma associação civil de direito privado, sem fins econômicos ou lucrativos de caráter

Leia mais

PATROCINADORES PRINCIPAIS

PATROCINADORES PRINCIPAIS PATROCINADORES PRINCIPAIS PATROCINADORES PRINCIPAIS Apoio Institucional Patrocinadores Globais APDSI Contributos para a transformação no setor da Saúde As TIC e a Saúde no Portugal de Hoje 2016 APDSI -

Leia mais

A Anestesia em Tempos de Crise: O Impacto da Troika na Anestesiologia

A Anestesia em Tempos de Crise: O Impacto da Troika na Anestesiologia A Anestesia em Tempos de Crise: O Impacto da Troika na Anestesiologia Teresa Magalhães Tertúlias de Anestesia 29 de Outubro de 2011 Sumário ObjecCvo da Troika para a saúde Medidas da Troika com impacto

Leia mais

Arezzo&Co s Investor Day

Arezzo&Co s Investor Day Arezzo&Co s Investor Day Tecnologia da informação aplicada ao varejo Kurt Richter Diretor de TI 1 Plano estratégico O plano estratégico de TI está bastante alinhado com a visão de longo prazo da Companhia

Leia mais

Acesso à inovação terapêutica. Política coerente ou maratona de obstáculos? Tânia Furtado

Acesso à inovação terapêutica. Política coerente ou maratona de obstáculos? Tânia Furtado Acesso à inovação terapêutica. Política coerente ou maratona de obstáculos? Tânia Furtado III Conferência VIH Portugal, Auditório Tomé Pires - INFARMED Lisboa, 22 de Novembro 2013 Agenda 1. Investimento

Leia mais

Case Unidade de Processamento de Roupas do Hospital Monte Sinai Juiz de Fora - MG

Case Unidade de Processamento de Roupas do Hospital Monte Sinai Juiz de Fora - MG Case Unidade de Processamento de Roupas do Hospital Monte Sinai Juiz de Fora - MG Janaína Reis ANO 2016 Hospital Monte Sinai Juiz de Fora MG Missão e Visão Missão: Prestar assistência hospitalar com qualidade,

Leia mais

10. Metas e Indicadores 1. PERSPECTIVA: SOCIEDADE. Tema: Qualidade 2. PERSPECTIVA: PROCESSOS INTERNOS. Tema: Responsabilidade socioambiental

10. Metas e Indicadores 1. PERSPECTIVA: SOCIEDADE. Tema: Qualidade 2. PERSPECTIVA: PROCESSOS INTERNOS. Tema: Responsabilidade socioambiental 10. Metas e Indicadores As metas representam os resultados a serem alcançados pelo tribunal para atingir os objetivos propostos. Elas permitem um melhor controle do desempenho da instituição, pois são

Leia mais

Aumentando a Produtividade e Reduzindo os Custos da Fábrica. Antonio Cabral

Aumentando a Produtividade e Reduzindo os Custos da Fábrica. Antonio Cabral Aumentando a Produtividade e Reduzindo os Custos da Fábrica Antonio Cabral acabral@maua.br Roteiro Desafio; Sistemas; O custo e o valor do controle de processo; Mapeamento; Principais indicadores usados

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO - LEI /07 - ÁGUA

SANEAMENTO BÁSICO - LEI /07 - ÁGUA - LEI 11.445/07 - ÁGUA 1 ESGOTO LIXO 2 CHUVA Lei nº 11.445/07, de 5/1/07 Água potável Esgoto sanitário Tratamento do lixo Drenagem da chuva 3 Lei 8.080/90 (promoção, proteção e recuperação da saúde) Art.

Leia mais

Soluções para Estruturação de Plano de Cargos

Soluções para Estruturação de Plano de Cargos Towers Watson Soluções para Estruturação de Plano de Cargos Global Grading System (GGS) e Mapas de Carreira A abordagem para estruturação de plano de cargos da Towers Watson ajuda as organizações a gerenciar

Leia mais

PORTUGAL Faça clique para editar o estilo apresentação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo!

PORTUGAL Faça clique para editar o estilo apresentação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! apresentação PORTUGAL 2020 www.in-formacao.com.pt Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! 03-02-2015 FAMALICÃO PORTO IN.03.03.00 1 INTRODUÇÃO O PORTUGAL 2020 é o Acordo de Parceria adotado

Leia mais

Terceirização de ATMs: uma realidade

Terceirização de ATMs: uma realidade Terceirização de ATMs: uma realidade Laerte H Fagundes Jr 2002 IBM Corporation Redes de Auto-Atendimento nos Estados Unidos 1969-1996 I Pré Tarifas 1996-1998 II Tarifas 1998-2000 III Transição 2001 IV

Leia mais

Gestão por competências e aprendizagem na Autoridade Tributária e Aduaneira Damasceno Dias

Gestão por competências e aprendizagem na Autoridade Tributária e Aduaneira Damasceno Dias Gestão por competências e aprendizagem na Autoridade Tributária e Aduaneira Damasceno Dias Subdiretor-Geral dos Recursos Humanos e Formação da AT Agenda Como surge o (CFW Competency Framework for the Customs

Leia mais

Oficina de Trabalho sobre Desenvolvimento de Políticas de Recursos Humanos para Países Africanos de Expressão Portuguesa

Oficina de Trabalho sobre Desenvolvimento de Políticas de Recursos Humanos para Países Africanos de Expressão Portuguesa Oficina de Trabalho sobre Desenvolvimento de Políticas de Recursos Humanos para Países Africanos de Expressão Portuguesa Joint Africa Institute World Bank Institute World Health Organization Sandton, África

Leia mais

Resultados Consolidados 1º trimestre de 2017 Informação Privilegiada 1

Resultados Consolidados 1º trimestre de 2017 Informação Privilegiada 1 Resultados Consolidados 1º trimestre de 2017 Informação Privilegiada 1 Volume de Negócios: 16 Milhões euros Resultado Operacional Bruto (EBITDA): 1,8 Milhões euros Margem EBITDA: 11,2% Resultado Líquido:

Leia mais

Boost your investment

Boost your investment Boost your investment O Valor das Pessoas em Processo de Aquisição Realidade e Desafios Desafios A importância do Capital Humano no processo de aquisição revela-se no facto comprovado de alguns dos maiores

Leia mais

Objectivos da Qualidade

Objectivos da Qualidade Objectivos da Ano: 2008 Rev: 01 Objectivo da Aumentar adesão dos utentes ao rastreio do cancro do colo do útero cobertura (exames realizados) 4699 mulheres Aumentar adesão dos utentes ao rastreio do cancro

Leia mais

MELHOR HOTELARIA Maria João Martins Gestora de Projetos & Research

MELHOR HOTELARIA Maria João Martins Gestora de Projetos & Research MELHOR HOTELARIA 2020 Maria João Martins Gestora de Projetos & Research Évora 21 de março de 2016 AGENDA 1. Desempenho do Sector Turístico Nacional 2. Balanço 2015 3. Evolução da Oferta Hoteleira 4. Programa

Leia mais

PROGRAMA DE INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS APEX-BRASIL

PROGRAMA DE INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS APEX-BRASIL PROGRAMA DE INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS APEX-BRASIL O QUE É? Um conjunto de soluções técnicas para a internacionalização de empresas, customizadas de acordo com os objetivos e interesses dos clientes.

Leia mais

Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO

Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO Congresso da Administração Pública 2015 Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO ENQUADRAMENTO Visão do INA: ser reconhecido como um serviço de referência na qualificação e

Leia mais

Capítulo 1 Informática Biomédica: Ciência e Prática. Edward H. Shortliffe e Marsden S. Blois. Apresentado por: Carmem Hara

Capítulo 1 Informática Biomédica: Ciência e Prática. Edward H. Shortliffe e Marsden S. Blois. Apresentado por: Carmem Hara Capítulo 1 Informática Biomédica: Ciência e Prática Edward H. Shortliffe e Marsden S. Blois Apresentado por: Carmem Hara Sumário 1) Registro eletrônico de pacientes 2) Impacto da Internet nos tratamentos

Leia mais

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI 2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI Gilberto Peralta GE 13 de maio de 2016 MARCO INSTITUCIONAL Emenda Constitucional nº 85 Inserção da inovação

Leia mais

Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011

Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011 Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011 Visão geral SECRETÁRIO Gabinete - Carreira de EPPGG - Gestão interna - Apoio Administrativo - Núcleo de

Leia mais

Resumo Curricular Ana Vanessa R. A. Antunes

Resumo Curricular Ana Vanessa R. A. Antunes Resumo Curricular Ana Vanessa R. A. Antunes Data de Nascimento: 16/12/1980, Lisboa, Portugal Email: vantunes@uatlantica.pt Fevereiro.2016 FORMAÇÃO Doutoramento em Saúde Pública, especialidade em Política

Leia mais

"DESENVOLVIMENTO E RETENÇÃO DE TALENTOS EM TEMPOS DE ALTA DEMANDA POR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL"

DESENVOLVIMENTO E RETENÇÃO DE TALENTOS EM TEMPOS DE ALTA DEMANDA POR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL "DESENVOLVIMENTO E RETENÇÃO DE TALENTOS EM TEMPOS DE ALTA DEMANDA POR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL" Gestão Engajamento e Retenção nas Mãos das Lideranças Pessoas: O ativo mais importante das organizações?!?!

Leia mais

Funções Básicas de uma Empresa. Antonio Marinho

Funções Básicas de uma Empresa. Antonio Marinho Funções Básicas de uma Empresa Antonio Marinho Seis Funções Técnicas Comerciais Contábeis Segurança Financeiras Administrativas» Âmbito ==> =Político / Econômico-Financeiro =Social / Cultural =Ético =Tecnológico

Leia mais

Claudia Laselva Março_2017

Claudia Laselva Março_2017 Certificação Magnet: o que aprendemos nesta trajetória Claudia Laselva Março_2017 O que é o Magnet? É um programa destinado a reconhecer organizações de saúde que oferecem o melhor cuidado de enfermagem.

Leia mais

V JORNADAS DA ANCI. Custos versus Benefícios em Controlo de Infeção. Nuno Morujão

V JORNADAS DA ANCI. Custos versus Benefícios em Controlo de Infeção. Nuno Morujão V JORNADAS DA ANCI Custos versus Benefícios em O que é a Qualidade em Saúde? Atributos dos cuidados que permitem definir qualidade em saúde Perspectiva dos Doentes Perspectiva dos Gestores Perspectiva

Leia mais

Rastrear Medicamentos em Ambiente Hospitalar

Rastrear Medicamentos em Ambiente Hospitalar Rastrear Medicamentos em Ambiente Hospitalar Como melhorar as operações logísticas e garantir a segurança do paciente no circuito da Farmácia Hospitalar? Sofia Valongo Vasco Antunes Pereira 25 Junho 2015

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: 2016-2020 1. Missão do Organismo

Leia mais

Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear

Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Missão Atuar nos mercados de energia de forma integrada rentável e sustentável. Visão Em

Leia mais

Investigação em Saúde Pública

Investigação em Saúde Pública Investigação em Saúde Pública José Pereira Miguel 2º Congresso Nacional de Saúde Pública Porto 28 10 2010 Out 2010 I&D em Saúde Pública - JPM Sumário Conceito e crise da Saúde Pública Tipologias i de investigação

Leia mais

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos Gestão de Processos na Saúde Marcelo.Aidar@fgv.br 1 Gestão de Processos Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos 2 O Ambiente de Negócios e os Stakeholders AMBIENTE DE AÇÃO INDIRETA

Leia mais

Otimizar a água nos centros comerciais

Otimizar a água nos centros comerciais Otimizar a água nos centros comerciais Otimizar a água nos centros comerciais A Sonae Sierra necessita de energia, de água e de matéria-prima não renovável para que seja possível construir e operar os

Leia mais

PAINEL CEO s HOSPITAIS

PAINEL CEO s HOSPITAIS PAINEL CEO s HOSPITAIS - 2015 Top Concerns Setembro/2015 Realização Parceiros Copyright SAX todos os direitos reservados O CONTEXTO A SAX, em parceria de conteúdo com o GV Saúde e apoio e divulgação da

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 368/XIII/1.ª POUPAR NO FINANCIAMENTO A PRIVADOS PARA INVESTIR NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 368/XIII/1.ª POUPAR NO FINANCIAMENTO A PRIVADOS PARA INVESTIR NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE b Grupo Parlamentar PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 368/XIII/1.ª POUPAR NO FINANCIAMENTO A PRIVADOS PARA INVESTIR NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Nos últimos anos o Serviço Nacional de Saúde perdeu orçamento e profissionais;

Leia mais

Nº de postos de trabalho Presidente 1 Vice-Presidente 1 Vogal 1 Secretário do Conselho Diretivo 1. Área de formação académica e/ou profissional

Nº de postos de trabalho Presidente 1 Vice-Presidente 1 Vogal 1 Secretário do Conselho Diretivo 1. Área de formação académica e/ou profissional Atribuições / Competências/Atividades Cargo/Carreira/ Categoria Conselho Diretivo Área de formação académica e/ou profissional Nº de postos de trabalho Presidente 1 Vice-Presidente 1 Vogal 1 Secretário

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013

NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013 NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013 Tipologias de Intervenção 3.6, 8.3.6 e 9.3.6 Qualificação dos Profissionais da Saúde I Prioridades a considerar na seleção de candidaturas para 2013 Concurso n.º13/2013

Leia mais

Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais PROJETO DE PARECER. da Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais

Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais PROJETO DE PARECER. da Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 2016/0265(COD) 11.1.2017 PROJETO DE PARECER da Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais dirigido à Comissão dos Assuntos Económicos

Leia mais

Governação Clínica e Qualidade: a relevância da Gestão. Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa

Governação Clínica e Qualidade: a relevância da Gestão. Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Governação Clínica e Qualidade: a relevância da Gestão Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Termos de referência Governação Clínica e Qualidade A governação clínica procede

Leia mais

Por José Luís Carneiro

Por José Luís Carneiro Organização, Sistemas e Métodos Introdução Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Algumas definições Organização Associação ou instituição com objetivos definidos. Sistema Disposição das partes

Leia mais

Balanced Scorecard. Daciane de Oliveira Silva. Referências: Livro Estratégias de Empresas: Lobato et.al (Cap. 7)

Balanced Scorecard. Daciane de Oliveira Silva. Referências: Livro Estratégias de Empresas: Lobato et.al (Cap. 7) Balanced Scorecard Daciane de Oliveira Silva Referências: Livro Estratégias de Empresas: Lobato et.al (Cap. 7) Ferramenta de implementação e controle das estratégias, com enfoque financeiro e não financeiro.

Leia mais

Ações que Mudaram os Resultados e o Envolvimento. Seminários de Gestão TENDÊNCIAS E INOVAÇÃO EM SAÚDE FEHOSUL e SINDIHOSPA

Ações que Mudaram os Resultados e o Envolvimento. Seminários de Gestão TENDÊNCIAS E INOVAÇÃO EM SAÚDE FEHOSUL e SINDIHOSPA Ações que Mudaram os Resultados e o Envolvimento das Pessoas na Estratégia Seminários de Gestão TENDÊNCIAS E INOVAÇÃO EM SAÚDE FEHOSUL e SINDIHOSPA ESCOLHAS Forças Motrizes do Trabalho Necessário Relevante

Leia mais

EM ENFERMAGEM (SET 2015) - LISBOA

EM ENFERMAGEM (SET 2015) - LISBOA GESTãO EM ENFERMAGEM (SET 2015) - LISBOA Gestão em Enfermagem, curso criado com o objetivo de proporcionar uma abordagem verdadeiramente transversal das matérias de gestão mais relevantes que possa permitir

Leia mais

Pequeno-almoço com Gestão do Capital Intelectual

Pequeno-almoço com Gestão do Capital Intelectual Pequeno-almoço com Gestão do Capital Intelectual APDSI 16 de junho de 2016 http://www.icaa.pt www.pmeconsult.pt Programa do Workshop A Gestão do Capital Intelectual como driver de inovação, competitividade

Leia mais

Análise dos dados obtidos pelo APURASUS no contexto do PNGC

Análise dos dados obtidos pelo APURASUS no contexto do PNGC Potencialidades da Economia na Tomada de Decisão dos Gestores Estaduais do SUS Análise dos dados obtidos pelo APURASUS no contexto do PNGC São Paulo, 24 de junho de 2016 Departamento de Economia, Investimentos

Leia mais

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER DE DISTRIBUIÇÃO / LOGÍSTICA / TRANSPORTES PLANO DE AÇÃO DO CLUSTER CONTATOS PARCEIROS

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais

Developing your business through qualified people and efficient operations

Developing your business through qualified people and efficient operations Developing your business through qualified people and efficient operations Apresentação actualizada em 20Mar08 e mail@vnetg.com t +351 305525530 f +351 305525559 w www.vnetg.com quem somos A ValueNetworks

Leia mais