Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA"

Transcrição

1 Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA Ministério da Saúde Ministro da Saúde Luís Filipe Pereira Apresentação dos Resultados dos Hospitais SA Centro Cultural de Belém, 31 de Março de 2004

2 Fonte: Ministério da Saúde 1 A REFORMA EM CURSO PROCURA ASSEGURAR UM CONJUNTO DE OBJECTIVOS ESSENCIAIS... Compromisso Assumido Objectivos da Reforma Cidadão como Referencial Reformar o Sistema de Saúde em Portugal com a preocupação de dar aos cidadãos um atendimento de qualidade; em tempo útil; com eficácia e humanidade Aumento da qualidade dos cuidados prestados Melhoria do acesso Maximização da eficiência e controlo da despesa total (responsabilização e combate ao desperdício)

3 Fonte: Ministério da Saúde 2... E ASSENTA EM QUATRO EIXOS DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO Eixos de desenvolvimento estratégico Princípio orientador Separação formal entre a função utente/cliente (pagador) e a função fornecedor (prestador) Reformar o sector da saúde com base numa lógica sujeita ao primado do cidadão Cultura de gestão empresarial em todas as unidades, orientada à meritocracia, à produtividade e à qualidade Parcerias selectivas na gestão de algumas actividades, incluindo prestação de cuidados e actividades de apoio, num quadro de total garantia de qualidade Regulação efectiva das relações entre todas as entidades por forma a assegurar um desenvolvimento equitativo do sistema

4 Fonte: Unidade de Missão Hospitais SA; IGIF 3 É NESTE CONTEXTO QUE SE ENQUADRA A REDE SA, CONSTITUÍDA POR 31 UNIDADES QUE REPRESENTAM QUASE METADE DO SECTOR HOSPITALAR PÚBLICO Indicador Valor para a Rede SA em 2003 Peso no total do sector hospitalar público Altas de internamento ~ ~47% Intervenções cirúrgicas ~ ~47% Consultas Externas ~ ~49% Episódios de Urgência ~ ~45% Camas ~ ~44% Médicos ~7.350 ~46% Localização dos 31 hospitais SA Enfermeiros ~ ~47%

5 Fonte: Ministério da Saúde 4 OS RESULTADOS DE 2003 SÃO FRANCAMENTE POSITIVOS A Rede SA alcançou durante o ano 2003 um aumento significativo da actividade hospitalar, a par de uma evolução nos custos de apenas 2,4% (numa base comparável face a 2002) Síntese dos resultados de 2003 O acesso aos cuidados de saúde aumentou substancialmente em todas as linhas em Por exemplo, realizaram-se mais intervenções cirúrgicas (+16,3%) e mais consultas externas (+9,3%) Os custos cresceram 2,4%, numa base comparável com 2002, para milhões de euros, um crescimento inferior à inflação verificada (3,3%). Em termos contabilísticos, os custos aumentaram - devido ao acréscimo de actividade verificado - apenas 3,9%, um valor muito inferior à média histórica de 14,8% Os custos unitários verificaram uma redução de 5,8% (numa base comparável), o que teria permitido, caso a actividade hospitalar se mantivesse constante, a redução dos custos para milhões de euros, concretizando uma poupança de 113 milhões de euros A demora média no internamento foi reduzida em 2,3% O peso da cirurgia do ambulatório aumentou 9,5% A produtividade dos profissionais aumentou 5,1%, considerando a actividade clínica, para 18 doentes (padrão) tratados por profissional

6 Fonte: Hospitais SA; Unidade de Missão Hospitais SA 5 EM 2003, O ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE AUMENTOU SUBSTANCIALMENTE Variação absoluta entre 2002 e 2003 Crescimento Altas de internamento ,2% Intervenções cirúrgicas ,3% Consultas externas ,3% Crescimento significativo de todas as linhas de actividade Episódios de urgências ,0% Sessões de Hospital de Dia ,8%

7 OS CUSTOS EVOLUÍRAM TAMBÉM DE FORMA FAVORÁVEL, TANTO NUMA BASE COMPARÁVEL, COMO NUMA BASE CONTABÍLISTICA Evolução dos custos numa base comparável Dezembro 2002 (Base comparável)* Dezembro 2002 (Realizado) Dezembro 2003 (Realizado) Evolução dos custos numa base contabilística Dezembro 2003 *(Realizado) Variação! 2,4 % Variação! 3,9 % Os custos cresceram apenas 2,4 %, numa base comparável*, um valor inferior à inflação verificada (3,3%) Numa base contabilística, os custos cresceram 3,9% * Incluindo os sobrecustos estimados decorrentes da empresarialização (acréscimo de 76,2 M devido a pagamentos para a Caixa Geral de Aponsentações) e o impacto estimado da alteração no pagamento dos medicamentos pelas ARSs (redução de custos de 48,0 M ) no exercício de

8 Nota: Por forma a assegurar a comparabilidade dos valores em termos históricos, não foram considerados hospitais que entre 1999 e 2002 verificaram crescimentos muito significativos em resultado de uma fase embrionária de actividade: Matosinhos, Cova da Beira, Feira, Médio Tejo, Barlavento Algarvio e Vale do Sousa. Caso estas unidades fossem incluídas na comparação, o crescimento histórico dos custos seria muito superior. Entre 2002 e 2003 consideraram-se todos os hospitais. Fonte: Conta Globais do SNS; Unidade de Missão Hospitais SA 7 A EVOLUÇÃO DOS CUSTOS EM 2003 INVERTE A TENDÊNCIA HISTÓRICA DE FORTE CRESCIMENTO NOS CUSTOS DE SAÚDE 14,8% 3,9% 2,4% Crescimento anual dos custos entre 1999 e 2002 Base contabilística Base comparável Crescimento dos custos entre 2002 e 2003

9 Fonte: Contas Globais do SNS; Unidade de Missão Hospitais SA 8 O NÚMERO DE HOSPITAIS COM RESULTADO LÍQUIDO POSITIVO AUMENTOU Número de Hospitais com resultado económico positivo

10 NUMA BASE COMPARÁVEL, TER-SE-IA CONCRETIZADO UMA POUPANÇA DE 113 M CASO NÃO TIVESSE OCORRIDO UM AUMENTO NO ACESSO Variação face aos custos de 2002 (base comparável) ,4% -5,4% 8,2% +2,4% -5,8% Poupança de 113 milhões de euros Custos em 2002 (base comparável) Redução nos custos fixos Diluição dos custos unitários por aumento da actividade Aumento de custos variáveis por aumento na actividade Custos em 2003 Custos em 2003 caso a actividade hospitalar se mantivesse constante Fonte: Unidade de Missão Hospitais SA Na prática, os custos unitários verificaram uma redução de 5,8%, de para uros por doente padrão 9

11 Fonte: Hospitais SA; Unidade de Missão Hospitais SA; IGIF 10 OS RESULTADOS SÃO TAMBÉM POSITIVOS AO NÍVEL DA QUALIDADE CLÍNICA Demora média no internamento Dias (ajustada por complexidade) Peso da cirurgia do ambulatório no total de cirurgias programadas Percentagem -2,3% +9,5% 6,65 6,50 21,2 23,

12 Fonte: Hospitais SA; Unidade de Missão Hospitais SA; IGIF 11 A PRODUTIVIDADE DOS RECURSOS HUMANOS AUMENTOU SIGNIFICATIVAMENTE Recursos clínicos nos hospitais SA 0,6% Produtividade dos profissionais Doentes (padrão) por profissional +5,1% ,1 18, Reforço da equipa clínica Aumento da produtividade global dos recursos humanos

13 Ministério da Saúde

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS julho

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS julho Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS julho 2015 www.acss.min-saude.pt Monitorização do Serviço Nacional de Saúde http://benchmarking.acss.min-saude.pt/benchmarking.aspx 2 Monitorização

Leia mais

Indicadores do Contrato Programa

Indicadores do Contrato Programa Indicadores de Acompanhamento dos s Regionais do Contrato Programa Doente padrão / Médico ETC Eficiência-Produtividade Entidade Gestora Medir a produção por médico ( com horários equiparados) Descrição

Leia mais

Identificação da empresa. Missão. Objetivos. Políticas da Empresa. Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E.

Identificação da empresa. Missão. Objetivos. Políticas da Empresa. Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E. Identificação da empresa Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E. Missão O Hospital da Senhora da Oliveira tem como missão prestar os melhores cuidados de saúde, com elevados níveis de competência,

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: 2016-2020 1. Missão do Organismo

Leia mais

Orçamento do Estado 2016

Orçamento do Estado 2016 Orçamento do Estado 2016 Programa Orçamental da Saúde 25 de fevereiro de 2016 1 1. Orçamento do Estado 2016 2 ORÇAMENTO DO ESTADO 2016 RESPONSÁVEL CONSTITUCIONAL VALORIZA OS PROFISSIONAIS PROMOVE A EQUIDADE

Leia mais

LEGISLAÇÃO E ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

LEGISLAÇÃO E ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR 1º Regulamento do Hospital de Todos os Santos 19/1/1504 Autonomia Administrativa Superintendência por um provedor Participação dos representantes dos ofícios Casa dos 23 Associação ao ensino e investigação

Leia mais

ADITAMENTO AO ACORDO ENTRE OS MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA ECONOMIA E DA SAÚDE E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

ADITAMENTO AO ACORDO ENTRE OS MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA ECONOMIA E DA SAÚDE E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA ADITAMENTO AO ACORDO ENTRE OS MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA ECONOMIA E DA SAÚDE E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Os Ministérios das Finanças, da Economia e da Saúde, e a Indústria Farmacêutica, por intermédio

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO CUIDADOS DE SAÚDE TRANSFRONTEIRIÇOS Direção Geral da Saúde Julho de 2012 Áreas de intervenção ASSISTÊNCIA MÉDICA ESPECIALIZADA

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO: regulamentar, orientar e coordenar as atividades de promoção da saúde e prevenção da doença, definir as condições técnicas para adequada prestação de cuidados de saúde, planear e programar

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 FCT

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 FCT QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Visão: Objectivos Estratégicos (OE): OE 1. Fomentar o desenvolvimento da competência científica e tecnológica

Leia mais

Novas tendências e desafios na Economia da Saúde. Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa

Novas tendências e desafios na Economia da Saúde. Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa Novas tendências e desafios na Economia da Saúde Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa Desafios metodológicos vs. de temas mundo académico vs. mundo das políticas de saúde 01/04/2016 2 Temas que

Leia mais

Prestação de Cuidados de Saúde na Região de Saúde do Centro

Prestação de Cuidados de Saúde na Região de Saúde do Centro Prestação de Cuidados de Saúde na Região de Saúde do Centro Administração Regional de Saúde do Centro, I.P. www.arscentro.min-saude.pt I. ENQUADRAMENTO MISSÃO: Garantir à população o acesso à prestação

Leia mais

Programa de Financiamento dos Investimentos na Qualificação. das Unidades de Cirurgia de Ambulatório do SNS. Relatório de Acompanhamento

Programa de Financiamento dos Investimentos na Qualificação. das Unidades de Cirurgia de Ambulatório do SNS. Relatório de Acompanhamento Programa de Financiamento dos Investimentos na Qualificação das Unidades de Cirurgia de Ambulatório do SNS Junho 2010 I. Projectos objecto de financiamento No âmbito do Programa de Financiamento dos Investimentos

Leia mais

Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde. Senhor Presidente da União das Misericórdias Portuguesas. Senhor Arcebispo Primaz de Braga

Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde. Senhor Presidente da União das Misericórdias Portuguesas. Senhor Arcebispo Primaz de Braga Cerimónia de passagem da assinatura de Protocolos com Santas Casas da Misericórdia 31 de julho de 2015 Senhor Ministro da Saúde Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde Senhor Presidente da

Leia mais

2 Conceitos da qualidade em saúde

2 Conceitos da qualidade em saúde 2 Conceitos da qualidade Avaliação da Satisfação do Utente/Cliente Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa Qualidade clínica como a articulação de 4 elementos - Desempenho profissional (qualidade técnica)

Leia mais

Diretor Dr. Mesquita IASIST, o que podemos melhorar em cirurgia de ambulatório

Diretor Dr. Mesquita IASIST, o que podemos melhorar em cirurgia de ambulatório Diretor Dr. Mesquita IASIST, o que podemos melhorar em cirurgia de ambulatório André Goulart, João Braga dos Anjos INTRODUÇÃO O que é benchmarking? é um processo sistemático e contínuo de avaliação dos

Leia mais

Revisão Anual de Preços

Revisão Anual de Preços Revisão Anual de Preços Impacto 2012 2013 2014 GABINETE DE INFORMAÇÃO E PLANEAMENTO ESTRATÉGICO 2015 Revisão Anual de Preços Impacto 2012, 2013 e 2014 Relatório final Autores: Ana Correia Cláudia Santos

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 368/XIII/1.ª POUPAR NO FINANCIAMENTO A PRIVADOS PARA INVESTIR NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 368/XIII/1.ª POUPAR NO FINANCIAMENTO A PRIVADOS PARA INVESTIR NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE b Grupo Parlamentar PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 368/XIII/1.ª POUPAR NO FINANCIAMENTO A PRIVADOS PARA INVESTIR NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Nos últimos anos o Serviço Nacional de Saúde perdeu orçamento e profissionais;

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO - Regular e supervisionar os sectores dos medicamentos e produtos de saúde, segundo os mais elevados padrões de protecção da saúde pública e garantir o acesso dos profissionais de saúde

Leia mais

QUAR 2009 Editorial do Ministério da Educação. O documento que se apresenta é uma proposta, ainda não foi objecto de decisão superior.

QUAR 2009 Editorial do Ministério da Educação. O documento que se apresenta é uma proposta, ainda não foi objecto de decisão superior. PROPOSTA N.º 2/DE/2009 2009/03/03 QUAR 2009 Editorial do Ministério da Educação O documento que se apresenta é uma proposta, ainda não foi objecto de decisão superior. MISSÃO e VISÃO A EME é um organismo

Leia mais

INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS

INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS Direção-Geral da Saúde 17/12/2014 1 INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno Plano:

Leia mais

A Anestesia em Tempos de Crise: O Impacto da Troika na Anestesiologia

A Anestesia em Tempos de Crise: O Impacto da Troika na Anestesiologia A Anestesia em Tempos de Crise: O Impacto da Troika na Anestesiologia Teresa Magalhães Tertúlias de Anestesia 29 de Outubro de 2011 Sumário ObjecCvo da Troika para a saúde Medidas da Troika com impacto

Leia mais

GOALS PASSADO PRESENTE FUTURO OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? SEGURANÇA NO TRABALHO ENCONTRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO

GOALS PASSADO PRESENTE FUTURO OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? SEGURANÇA NO TRABALHO ENCONTRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO GOALS OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? OBJECTIVOS - Passado: Evolução Histórica da SHT no SNS - Presente: Modelo de Gestão de SHT(Gestão de Risco) - O Futuro: uma abordagem estratégica INTRODUÇÃO

Leia mais

MESA REDONDA: INDICADORES

MESA REDONDA: INDICADORES MESA REDONDA: INDICADORES INDICADORES CLÍNICOS Conceição Barata Médica Codificadora Clínica Objectivos A importância do registo no Processo Clínico. Para que serve a Codificação Clínica. Que Indicadores

Leia mais

Monitorização do consumo de Antidislipidémicos. no ambulatório da ARS Norte

Monitorização do consumo de Antidislipidémicos. no ambulatório da ARS Norte Monitorização do consumo de Antidislipidémicos no ambulatório da ARS Norte -2015 Comissão de Farmácia e Terapêutica Agosto 2016 As doenças cardiovasculares constituem a principal causa de morte, contando-se

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE ANO 2006

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE ANO 2006 INAPA INVESTIMENTOS, PARTICPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade Aberta ) Sede: Rua do Salitre, n.º 142, freguesia de São Mamede, Lisboa Capital social: 150 000 000 NIPC: 500 137 994 Matrícula n.º 36 338 da

Leia mais

Conferência de imprensa. 30 de Agosto de 2012

Conferência de imprensa. 30 de Agosto de 2012 Conferência de imprensa 30 de Agosto de 2012 Milhões O mercado de medicamentos em ambulatório reduziu 731,4 milhões de euros -408,3 Milhões Euros em 2011-323,1 Milhões Euros em 2012 3.363,1 3.349,9 3.485,8

Leia mais

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando Teixeira dos Santos - 16 de Janeiro de 2008 - Senhores

Leia mais

Que importância para os indicadores de resultado? A campanha da OMS Cirurgia Segura, salva vidas

Que importância para os indicadores de resultado? A campanha da OMS Cirurgia Segura, salva vidas Que importância para os indicadores de resultado? A campanha da OMS Cirurgia Segura, salva vidas Manuel Valente / Enfermeiro Especialista / Nov. 2013 Inquérito A taxa de mortalidade infantil, em Portugal,

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS

Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS 2013 PEBC Plano Estratégico do Baixo Carbono Eco.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública 1 de outubro de 2014 www.acss.min-saude.pt

Leia mais

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR:

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE FUTURO PAULA SANTANA HELENA PEIXOTO 27º Encontro Nacional de Clínica Geral, Vilamoura, Março de 2010 Objectivos do Estudo

Leia mais

Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura.

Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura. Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura Artur Vaz 23 de Maio de 2015 To become the leading healthcare provider through

Leia mais

Subida de taxas moderadoras leva portugueses aos hospitais privados

Subida de taxas moderadoras leva portugueses aos hospitais privados Subida de taxas moderadoras leva portugueses aos hospitais privados No primeiro trimestre, os hospitais públicos registaram uma quebra nos atendimentos das urgências. Já o sector privado verificou um aumento

Leia mais

Rastrear Medicamentos em Ambiente Hospitalar

Rastrear Medicamentos em Ambiente Hospitalar Rastrear Medicamentos em Ambiente Hospitalar Como melhorar as operações logísticas e garantir a segurança do paciente no circuito da Farmácia Hospitalar? Sofia Valongo Vasco Antunes Pereira 25 Junho 2015

Leia mais

Jornadas de Cuidados Continuados Integrados

Jornadas de Cuidados Continuados Integrados WWW.ACSS.MIN-SAUDE.PT 2 May 2016 Jornadas de Cuidados Continuados Integrados Para onde caminhamos? Rede de cuidados continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade, futuro e Sustentabilidade

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional.

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional. CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Cargo: Vogal do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: Período de 5 anos a contar

Leia mais

INDÚSTRIA DO MOBILIÁRIO

INDÚSTRIA DO MOBILIÁRIO INDÚSTRIA DO MOBILIÁRIO AEP / GABINETE DE ESTUDOS JANEIRO DE 2005 Indústria do Mobiliário A indústria do mobiliário (CAE 361 fabricação de mobiliário e de colchões) reunia, em 2002, 6933 empresas, responsáveis

Leia mais

Relatório de Benchmarking hospitais EPE e PPP dados a 31 de dezembro de 2012

Relatório de Benchmarking hospitais EPE e PPP dados a 31 de dezembro de 2012 Relatório de Benchmarking hospitais EPE e PPP dados a 31 de dezembro de 2012 15 de maio de 2013 Enquadramento (1/3) De forma a orientar e apoiar a elaboração dos planos estratégicos de cada instituição

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA SAÚDE 40 ANOS DO SERVIÇO NACIONAL DE SAUDE

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA SAÚDE 40 ANOS DO SERVIÇO NACIONAL DE SAUDE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA SAÚDE 40 ANOS DO SERVIÇO NACIONAL DE SAUDE Luanda, 06 Outubro de 2015 PLANO DE APRESENTAÇÃO Caracterização geográfica, demográfica e administrativa de Angola Evolução

Leia mais

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Bárbara Menezes Coordenadora do Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil Divisão de Saúde Sexual,Reprodutiva, Infantil

Leia mais

Análise de Custos. Análise da composição dos gastos do hospital

Análise de Custos. Análise da composição dos gastos do hospital Análise de Custos Maura Taveira Apresentação: Os dados apresentados referem-se aos primeiros resultados relativos à implantação do sub sistema de apuração de custos de um hospital público, localizado na

Leia mais

Competências do Enfermeiro Gest0r o caminho percorrido Enf. Ricardo Silva. Tânia Lourenço, 2013

Competências do Enfermeiro Gest0r o caminho percorrido Enf. Ricardo Silva. Tânia Lourenço, 2013 Competências do Enfermeiro Gest0r o caminho percorrido Enf. Ricardo Silva Competências do Enfermeiro Gest0r Do caminho percorrido. Regulação da Gestão em Enfermagem. ENFERMAGEM A Profissão de Enfermagem

Leia mais

Estatísticas sobre o endividamento das famílias

Estatísticas sobre o endividamento das famílias Estatísticas sobre o endividamento das famílias Filipa Lima 26 de março de 2015 Conselho Superior de Estatística Reunião Conjunta SPES e SPEE Estatísticas sobre o endividamento das famílias ESQUEMA DA

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007 INAPA INVESTIMENTOS, PARTICPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade Aberta ) Sede: Rua do Salitre, n.º 142, freguesia de São Mamede, Lisboa Capital social: 150 000 000 NIPC: 500 137 994 Matrícula n.º 36 338 da

Leia mais

Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica Integrada

Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica Integrada Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica Integrada Internamento Hospitalar Francisco Sampaio Braga, 15 de outubro de 2016 Sampaio, F. (2016). Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica Integrada: Internamento

Leia mais

Agenda. Avaliação da Satisfação como Indicador de Desempenho. Apresentação do Modelo ECSI. Resultados do Estudo de Satisfação de 2005

Agenda. Avaliação da Satisfação como Indicador de Desempenho. Apresentação do Modelo ECSI. Resultados do Estudo de Satisfação de 2005 Conversas de Fim de Tarde Sessão 3 O Desempenho Organizacional Hospitalar SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE APERCEBIDA E SATISFAÇÃO DO UTENTE NOS HOSPITAIS EPE Guilherme Victorino Assessor do IGIF Caramulo,

Leia mais

nº de Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) em projeto piloto 1-100,0

nº de Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) em projeto piloto 1-100,0 QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO - 2014 Ministério da Educação e Ciência Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) MISSÃO: A qualificação de alto nível dos cidadãos, a produção e difusão do

Leia mais

A Agricultura Portuguesa e a Reforma da PAC

A Agricultura Portuguesa e a Reforma da PAC Seminário da CAP A Agricultura Portuguesa e a Reforma da PAC Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e Coordenador Científico da AGROGES) Lisboa, 10 de Março de 2009 1. Introdução Esta apresentação

Leia mais

Farmácia Circuito do Medicamento integrado no SGICM

Farmácia Circuito do Medicamento integrado no SGICM Farmácia Circuito do Medicamento integrado no SGICM 1 2 Sistema de Gestão Integrado do Circuito do Medicamento - SGICM O SGICM como parte integrante do circuito do medicamento apresenta como vantagens:

Leia mais

Orientações Programáticas

Orientações Programáticas Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e Resistências aos Antimicrobianos Orientações Programáticas 1 - Enquadramento As infeções associadas aos cuidados de saúde dificultam o tratamento adequado

Leia mais

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril

FUNDAÇÃO CASCAIS. Relatório de Contas. de Nº Contribuinte: Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Relatório de Contas de 2015 Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A 2765-266 Estoril FUNDAÇÃO CASCAIS Nº Contribuinte: 503040843 Av. Clotilde, Lj 18- A Estoril 2765-266 Estoril

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO DE ORTOPEDIA

CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO DE ORTOPEDIA CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO DE ORTOPEDIA HOSPITAL: SERVIÇO: ANO DE: 1/12 Departamento/Serviço Hospital Centro Hospitalar Endereço COLÉGIO DE ORTOPEDIA

Leia mais

ALTRAN, GLOBAL LEADER IN INNOVATION

ALTRAN, GLOBAL LEADER IN INNOVATION ALTRAN, GLOBAL LEADER IN INNOVATION Telemonitorização I n o va ç ã o, C o m unicação e A d m i n i st ração P úb l i c a A b r i l 2015 1 Telemedicina Utilização de Comunicações uma prestação de cuidados

Leia mais

PROPOSTA PARA CÁLCULO DE DOTAÇÕES DE ENFERMAGEM PARA CUIDADOS DIFERENCIADOS EM CONTEXTOS PEDIÁTRICOS

PROPOSTA PARA CÁLCULO DE DOTAÇÕES DE ENFERMAGEM PARA CUIDADOS DIFERENCIADOS EM CONTEXTOS PEDIÁTRICOS PROPOSTA PARA CÁLCULO DE DOTAÇÕES DE ENFERMAGEM PARA CUIDADOS DIFERENCIADOS EM CONTEXTOS PEDIÁTRICOS Não está demonstrado que exista um modelo para determinação de dotações de Enfermagem que considere

Leia mais

[José Manuel Boavida Director do Programa Nacional para a Diabetes]

[José Manuel Boavida Director do Programa Nacional para a Diabetes] [José Manuel Boavida Director do Programa Nacional para a Diabetes] Desafio do Dr. José António Freire Soares Contributo e informação recolhida a partir da base de dados de GDH s / ACSS na elaboração dos

Leia mais

APIFARMA Associação Portuguesa da Industria Farmacêutica. Lisboa, 30 de Janeiro de 2013

APIFARMA Associação Portuguesa da Industria Farmacêutica. Lisboa, 30 de Janeiro de 2013 APIFARMA Associação Portuguesa da Industria Farmacêutica Lisboa, 30 de Janeiro de 2013 Objectivo da despesa pública em medicamentos para 2013 Em cima das poupanças já realizadas, novos cortes estão a ser

Leia mais

ANO:2011 Ministério da Justiça. Instituto de Gestão Financeira e Infra Estruturas da Justiça, IP. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais

ANO:2011 Ministério da Justiça. Instituto de Gestão Financeira e Infra Estruturas da Justiça, IP. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais ANO:211 Ministério da Justiça Instituto de Gestão Financeira e Infra Estruturas da Justiça, IP MISSÃO: Assegurar a gestão orçamental, financeira e das instalações afectas ao Ministério da Justiça. Objectivos

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde ANO: 2013 Ministério da Saúde NOME DO ORGANISMO - Secretaria-Geral do Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO A Secretaria-Geral do Ministério da Saúde (SGMS) tem por missão assegurar o apoio técnico e

Leia mais

A crise e a saúde em Portugal

A crise e a saúde em Portugal A crise e a saúde em Portugal Jorge Simões Lisboa, 29 de Novembro de 2013 1 Agenda 1. Contexto político, demográfico e económico 2. Política de saúde recente 3. Desempenho do sistema 2 Agenda 1. Contexto

Leia mais

O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos. CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011

O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos. CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011 O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011 O SNS Espanhol Evolução 1975-2009 Da segmentação na coordenação

Leia mais

ECO.AP. 29 de Março de 2011

ECO.AP. 29 de Março de 2011 ECO.AP 29 de Março de 2011 1 O SUCH como Empresa de Serviços Energéticos 2 Energia Concluído o quadro legislativo aplicável à formatação e execução de contratos de gestão de eficiência energética, a celebrar

Leia mais

Síntese do Relatório Anual de Auditoria Interna Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016

Síntese do Relatório Anual de Auditoria Interna Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016 Síntese do Relatório Anual de Auditoria Interna 2015 Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016 Agenda 1. Enquadramento 2. Abordagem Operacional 3. Execução do Plano 2015 4. Plano de Auditoria Interna 2016

Leia mais

Hospital de Proximidade de Amarante

Hospital de Proximidade de Amarante Hospital de Proximidade de Amarante Novo Hospital de Amarante: Saúde de Proximidade A funcionar desde Dezembro do ano passado, e dotado das mais avançadas tecnologias, o novo Hospital de Amarante é a concretização

Leia mais

Tendências na Assistência à Saúde: Impactos da Crise Econômica na Sáude

Tendências na Assistência à Saúde: Impactos da Crise Econômica na Sáude Tendências na Assistência à Saúde: Impactos da Crise Econômica na Sáude Fábio Sinisgalli Diretor Geral do Grupo Nossa Senhora de Lourdes Conselheiro da ANAHP Diretor do Sindhosp Apresentação Grupo Nossa

Leia mais

A perspectiva do Hospital Distrital da Figueira da Foz, EPE

A perspectiva do Hospital Distrital da Figueira da Foz, EPE A perspectiva do Hospital Distrital da Figueira da Foz, EPE Apresentação Hospital H H H H Apresentação Hospital Hospital do Grupo B Urgência Médico - Cirúrgica Lotação 154 camas 4 salas operatórias (Bloco

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio Ana Balcão Reis Catarina Ângelo 24 de Novembro de 2012 Inácia Pimentel Simão Arouca Duração Total: 1h45m I ( 8,1 val) Nos

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, reços e Taxa de Câmbio no Longo razo 6. Moeda, reços e Taxa de Câmbio no Longo razo 6.1. Introdução 6.2. O rincípio da Neutralidade da Moeda 6.4. O rincípio da aridade dos oderes de Compra Burda

Leia mais

Fundamentação Económica da Proposta Sindical

Fundamentação Económica da Proposta Sindical Fundamentação Económica da Proposta Sindical CALÇADO CCT 2008 GABINETE DE ESTUDOS DA FESETE Enquadramento macroeconómico De acordo com a informação do Banco de Portugal 1 e com a estimativa rápida das

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE APERCEBIDA E SATISFAÇÃO DO UTENTE DOS HOSPITAIS EPE. Hospital de Santa Marta, EPE

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE APERCEBIDA E SATISFAÇÃO DO UTENTE DOS HOSPITAIS EPE. Hospital de Santa Marta, EPE SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE APERCEBIDA E SATISFAÇÃO DO UTENTE DOS HOSPITAIS EPE Hospital de Santa Marta, EPE SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE APERCEBIDA E SATISFAÇÃO DO UTENTE NOS HOSPITAIS EPE

Leia mais

2ºSalão das viagens de negócio INICIATIVA DE:

2ºSalão das viagens de negócio INICIATIVA DE: 2ºSalão das viagens de negócio INICIATIVA DE: OBJECTIVOS E METODOLOGIA O Barómetro de Viagens de Negócios de Angola é uma iniciativa da Travelstore American Express Global Business Travel, representadas

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013 Nota de Informação Estatística Lisboa, de fevereiro de 3 Banco de Portugal divulga estatísticas da balança de pagamentos e da posição de investimento internacional referentes a O Banco de Portugal publica

Leia mais

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais

GDH CID-9-MC A CID-9-MC é um sistema de Classificação de Doenças, que se baseia na 9ª Revisão, Modificação Clínica, da Classificação Internacional de

GDH CID-9-MC A CID-9-MC é um sistema de Classificação de Doenças, que se baseia na 9ª Revisão, Modificação Clínica, da Classificação Internacional de SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE DOENTES EM GRUPOS DE DIAGNÓSTICOS HOMOGÉNEOS GDH GDH CID-9-MC A CID-9-MC é um sistema de Classificação de Doenças, que se baseia na 9ª Revisão, Modificação Clínica, da Classificação

Leia mais

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE (Montantes expressos em euros) ÍNDICE Páginas 1. Nota introdutória 2 2. Referencial contabilístico de preparação nas demonstrações financeiras 2 3. Principais políticas contabilísticas 2 4. Políticas contabilísticas,

Leia mais

Acesso à inovação terapêutica. Política coerente ou maratona de obstáculos? Tânia Furtado

Acesso à inovação terapêutica. Política coerente ou maratona de obstáculos? Tânia Furtado Acesso à inovação terapêutica. Política coerente ou maratona de obstáculos? Tânia Furtado III Conferência VIH Portugal, Auditório Tomé Pires - INFARMED Lisboa, 22 de Novembro 2013 Agenda 1. Investimento

Leia mais

O desenvolvimento da Cirurgia de Ambulatório como objectivo estratégico do Hospital

O desenvolvimento da Cirurgia de Ambulatório como objectivo estratégico do Hospital O desenvolvimento da Cirurgia de Ambulatório como objectivo estratégico do Hospital Cirurgia do Ambulatório 15. 12. 2005 CIRURGIA DE AMBULATÓRIO 1 Organização. Manual de Boas práticas 1. Estrutura Organizacional

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI As TIC e a Saúde no Portugal de Hoje 18 março 2015 Unificação

Leia mais

1 Controle do padrão relativo aos custos indiretos de fabricação

1 Controle do padrão relativo aos custos indiretos de fabricação 1 Controle do padrão relativo aos custos indiretos de fabricação... 1 1.1 Conceitos Iniciais... 1 1.2 Exemplo... 2 1.3 Resumo... 5 1 Controle do padrão relativo aos custos indiretos de fabricação 1.1 Conceitos

Leia mais

Alto Comissariado da Saúde

Alto Comissariado da Saúde Alto Comissariado da Saúde QUAR 2010 Projecto de Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do Ministério da Saúde) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da Administração Regional de Saúde

Leia mais

Estudo Sobre a Concorrência no. Sector das Análises Clínicas

Estudo Sobre a Concorrência no. Sector das Análises Clínicas Sumário Executivo Estudo Sobre a Concorrência no Sector das Análises Clínicas Sendo uma das atribuições da Entidades Reguladora da Saúde (ERS), nos termos do art. 6.º n.º 2 al. b) do Decreto-Lei n.º 309/2003,

Leia mais

Ganhos em Saúde na Região do Algarve

Ganhos em Saúde na Região do Algarve Ganhos em Saúde na Região do Algarve Factos Governo de 15 Janeiro 1971 Ministro Dr. Baltazar Rebello de Souza Secretário de Estado Professor Gonçalves Ferreira Traziam no seu programa o projecto da reorganização

Leia mais

15º Comitê Nacional de Integração Brasília, 17 de maio de Desafios para o investimento hospitalar no Sistema Unimed

15º Comitê Nacional de Integração Brasília, 17 de maio de Desafios para o investimento hospitalar no Sistema Unimed 15º Comitê Nacional de Integração Brasília, 17 de maio de 2013 Desafios para o investimento hospitalar no Sistema Unimed Evolução da nossa visão de negócio Cooperativa de trabalho médico Operadora de planos

Leia mais

PROXIMIDADE DE CUIDADOS PARA DOENTES DE RISCO TROMBÓTICO I ENCONTRO

PROXIMIDADE DE CUIDADOS PARA DOENTES DE RISCO TROMBÓTICO I ENCONTRO PROXIMIDADE DE CUIDADOS PARA DOENTES DE RISCO TROMBÓTICO I ENCONTRO Iniciativa do Alto Comissariado da Saúde, inserida na estratégia da ARS-Norte; Objectivo geral: melhorar a acessibilidade de cuidados

Leia mais

Pelo Hospital Visconde de Salreu e pela manutenção da Cirurgia de Ambulatório

Pelo Hospital Visconde de Salreu e pela manutenção da Cirurgia de Ambulatório Pelo Hospital Visconde de Salreu e pela manutenção da Cirurgia de Ambulatório Com a criação do Centro Hospitalar do Baixo Vouga (CHBV), em Dezembro de 2010, os hospitais de Aveiro, Estarreja e Águeda passaram

Leia mais

CONTRATO-PROGRAMA HOSPITAIS E.P.E.

CONTRATO-PROGRAMA HOSPITAIS E.P.E. CONTRATO-PROGRAMA HOSPITAIS E.P.E. A ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE [...], representada pelo seu Presidente [...], com poderes para outorgar o acto, doravante designada de ARS e o INSTITUTO DE GESTÃO

Leia mais

A abordagem das despesas públicas em cultura no contexto europeu constitui o objecto desta Nota Estatística.

A abordagem das despesas públicas em cultura no contexto europeu constitui o objecto desta Nota Estatística. A abordagem das despesas públicas em cultura no contexto europeu constitui o objecto desta Nota Estatística. A informação apresentada pretende ser a síntese dos aspectos mais relevantes do trabalho publicado

Leia mais

Valorização da Implementação de Standards no Circuito do Medicamento

Valorização da Implementação de Standards no Circuito do Medicamento Valorização da Implementação de Standards no Circuito do Medicamento III Seminário Internacional de Saúde: Standards ao Serviço da Segurança do Doente Nelson Martins 23 Junho 2016 TÍTULO XPTO 2 Subtítulo

Leia mais

Situação Actual e Futuro do Mercado de Capitais Português 20 Propostas Estratégicas

Situação Actual e Futuro do Mercado de Capitais Português 20 Propostas Estratégicas Situação Actual e Futuro do Mercado de Capitais Português 20 Propostas Estratégicas Fórum de Bolsa Setembro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Setembro, 28, 2012 A presente apresentação

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

O PAPEL DOS GENÉRICOS E BIOSSIMILARES NA SUSTENTABILIDADE DO SNS PT-BIOS

O PAPEL DOS GENÉRICOS E BIOSSIMILARES NA SUSTENTABILIDADE DO SNS PT-BIOS O PAPEL DOS GENÉRICOS E BIOSSIMILARES NA SUSTENTABILIDADE DO SNS 1 PT-BIOS-030-15 O que é um medicamento biossimilar Um medicamento biossimilar é um medicamento biológico, similar a outro medicamento biológico

Leia mais

Economia da Saúde. Pedro Pita Barros

Economia da Saúde. Pedro Pita Barros Economia da Saúde Pedro Pita Barros Economia da saúde é um tema demasiado amplo Vamos tratar apenas de um aspecto importante, mas apenas um: Sustentabilidade financeira do Serviço Nacional de Saúde O que

Leia mais

TCU: Fiscalização e Responsabilização (accountability)

TCU: Fiscalização e Responsabilização (accountability) TCU: Fiscalização e Responsabilização (accountability) Seminário Governança e Gestão de Hospitais de Atendimento Público no Brasil Rio de Janeiro, 20/10/2014 Marcelo Chaves Secretário de Controle Externo

Leia mais

Agenda Regulatória. Secretário Executivo da ANS. São Paulo, 05 de novembro de Debates GVSaúde João Luis Barroca

Agenda Regulatória. Secretário Executivo da ANS. São Paulo, 05 de novembro de Debates GVSaúde João Luis Barroca Agenda Regulatória ANS Debates GVSaúde João Luis Barroca Secretário Executivo da ANS São Paulo, 05 de novembro de 2012 Evolução do Processo de Regulação Até 1997 1997 1998 1999 2000 Debates no Congresso

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA DOCT/1975/CSE/EM 18ª DECISÃO DA SECÇÃO PERMANENTE S MACROECONÓMICAS RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO SOBRE CONTAS NACIONAIS E REGIONAIS RELATIVO À ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE NOS OUTROS SERVIÇOS Considerando

Leia mais

Eixo II _ Competitividade da Base Económica Regional. II.1. Projectos de Investimento Empresarial Integrados e Inovadores. Tipologia de Investimento

Eixo II _ Competitividade da Base Económica Regional. II.1. Projectos de Investimento Empresarial Integrados e Inovadores. Tipologia de Investimento Eixo II _ Competitividade da Base Económica Regional II.1. Projectos de Investimento Empresarial Integrados e Inovadores Tipologia de Investimento designadamente PME s CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data

Leia mais

Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde

Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde MORBILIDADE HOSPITALAR SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE 2004 2005 DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde 2004 2005 Direcção-Geral da Saúde Lisboa Maio 2007 Portugal.

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA APROVADO POR UNANIMIDADE EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

Avaliação do impacto de políticas adoptadas no âmbito do Programa do XIX Governo Constitucional em relação ao sector da Saúde

Avaliação do impacto de políticas adoptadas no âmbito do Programa do XIX Governo Constitucional em relação ao sector da Saúde Avaliação do impacto de políticas adoptadas no âmbito do Programa do XIX Governo Constitucional em relação ao sector da Saúde Pedro Pita Barros (coordenador) Alexandre Lourenço Ana Moura Filipe Correia

Leia mais