Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA"

Transcrição

1 Sessão pública de apresentação do Relatório de Actividade dos Hospitais SA Ministério da Saúde Ministro da Saúde Luís Filipe Pereira Apresentação dos Resultados dos Hospitais SA Centro Cultural de Belém, 31 de Março de 2004

2 Fonte: Ministério da Saúde 1 A REFORMA EM CURSO PROCURA ASSEGURAR UM CONJUNTO DE OBJECTIVOS ESSENCIAIS... Compromisso Assumido Objectivos da Reforma Cidadão como Referencial Reformar o Sistema de Saúde em Portugal com a preocupação de dar aos cidadãos um atendimento de qualidade; em tempo útil; com eficácia e humanidade Aumento da qualidade dos cuidados prestados Melhoria do acesso Maximização da eficiência e controlo da despesa total (responsabilização e combate ao desperdício)

3 Fonte: Ministério da Saúde 2... E ASSENTA EM QUATRO EIXOS DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO Eixos de desenvolvimento estratégico Princípio orientador Separação formal entre a função utente/cliente (pagador) e a função fornecedor (prestador) Reformar o sector da saúde com base numa lógica sujeita ao primado do cidadão Cultura de gestão empresarial em todas as unidades, orientada à meritocracia, à produtividade e à qualidade Parcerias selectivas na gestão de algumas actividades, incluindo prestação de cuidados e actividades de apoio, num quadro de total garantia de qualidade Regulação efectiva das relações entre todas as entidades por forma a assegurar um desenvolvimento equitativo do sistema

4 Fonte: Unidade de Missão Hospitais SA; IGIF 3 É NESTE CONTEXTO QUE SE ENQUADRA A REDE SA, CONSTITUÍDA POR 31 UNIDADES QUE REPRESENTAM QUASE METADE DO SECTOR HOSPITALAR PÚBLICO Indicador Valor para a Rede SA em 2003 Peso no total do sector hospitalar público Altas de internamento ~ ~47% Intervenções cirúrgicas ~ ~47% Consultas Externas ~ ~49% Episódios de Urgência ~ ~45% Camas ~ ~44% Médicos ~7.350 ~46% Localização dos 31 hospitais SA Enfermeiros ~ ~47%

5 Fonte: Ministério da Saúde 4 OS RESULTADOS DE 2003 SÃO FRANCAMENTE POSITIVOS A Rede SA alcançou durante o ano 2003 um aumento significativo da actividade hospitalar, a par de uma evolução nos custos de apenas 2,4% (numa base comparável face a 2002) Síntese dos resultados de 2003 O acesso aos cuidados de saúde aumentou substancialmente em todas as linhas em Por exemplo, realizaram-se mais intervenções cirúrgicas (+16,3%) e mais consultas externas (+9,3%) Os custos cresceram 2,4%, numa base comparável com 2002, para milhões de euros, um crescimento inferior à inflação verificada (3,3%). Em termos contabilísticos, os custos aumentaram - devido ao acréscimo de actividade verificado - apenas 3,9%, um valor muito inferior à média histórica de 14,8% Os custos unitários verificaram uma redução de 5,8% (numa base comparável), o que teria permitido, caso a actividade hospitalar se mantivesse constante, a redução dos custos para milhões de euros, concretizando uma poupança de 113 milhões de euros A demora média no internamento foi reduzida em 2,3% O peso da cirurgia do ambulatório aumentou 9,5% A produtividade dos profissionais aumentou 5,1%, considerando a actividade clínica, para 18 doentes (padrão) tratados por profissional

6 Fonte: Hospitais SA; Unidade de Missão Hospitais SA 5 EM 2003, O ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE AUMENTOU SUBSTANCIALMENTE Variação absoluta entre 2002 e 2003 Crescimento Altas de internamento ,2% Intervenções cirúrgicas ,3% Consultas externas ,3% Crescimento significativo de todas as linhas de actividade Episódios de urgências ,0% Sessões de Hospital de Dia ,8%

7 OS CUSTOS EVOLUÍRAM TAMBÉM DE FORMA FAVORÁVEL, TANTO NUMA BASE COMPARÁVEL, COMO NUMA BASE CONTABÍLISTICA Evolução dos custos numa base comparável Dezembro 2002 (Base comparável)* Dezembro 2002 (Realizado) Dezembro 2003 (Realizado) Evolução dos custos numa base contabilística Dezembro 2003 *(Realizado) Variação! 2,4 % Variação! 3,9 % Os custos cresceram apenas 2,4 %, numa base comparável*, um valor inferior à inflação verificada (3,3%) Numa base contabilística, os custos cresceram 3,9% * Incluindo os sobrecustos estimados decorrentes da empresarialização (acréscimo de 76,2 M devido a pagamentos para a Caixa Geral de Aponsentações) e o impacto estimado da alteração no pagamento dos medicamentos pelas ARSs (redução de custos de 48,0 M ) no exercício de

8 Nota: Por forma a assegurar a comparabilidade dos valores em termos históricos, não foram considerados hospitais que entre 1999 e 2002 verificaram crescimentos muito significativos em resultado de uma fase embrionária de actividade: Matosinhos, Cova da Beira, Feira, Médio Tejo, Barlavento Algarvio e Vale do Sousa. Caso estas unidades fossem incluídas na comparação, o crescimento histórico dos custos seria muito superior. Entre 2002 e 2003 consideraram-se todos os hospitais. Fonte: Conta Globais do SNS; Unidade de Missão Hospitais SA 7 A EVOLUÇÃO DOS CUSTOS EM 2003 INVERTE A TENDÊNCIA HISTÓRICA DE FORTE CRESCIMENTO NOS CUSTOS DE SAÚDE 14,8% 3,9% 2,4% Crescimento anual dos custos entre 1999 e 2002 Base contabilística Base comparável Crescimento dos custos entre 2002 e 2003

9 Fonte: Contas Globais do SNS; Unidade de Missão Hospitais SA 8 O NÚMERO DE HOSPITAIS COM RESULTADO LÍQUIDO POSITIVO AUMENTOU Número de Hospitais com resultado económico positivo

10 NUMA BASE COMPARÁVEL, TER-SE-IA CONCRETIZADO UMA POUPANÇA DE 113 M CASO NÃO TIVESSE OCORRIDO UM AUMENTO NO ACESSO Variação face aos custos de 2002 (base comparável) ,4% -5,4% 8,2% +2,4% -5,8% Poupança de 113 milhões de euros Custos em 2002 (base comparável) Redução nos custos fixos Diluição dos custos unitários por aumento da actividade Aumento de custos variáveis por aumento na actividade Custos em 2003 Custos em 2003 caso a actividade hospitalar se mantivesse constante Fonte: Unidade de Missão Hospitais SA Na prática, os custos unitários verificaram uma redução de 5,8%, de para uros por doente padrão 9

11 Fonte: Hospitais SA; Unidade de Missão Hospitais SA; IGIF 10 OS RESULTADOS SÃO TAMBÉM POSITIVOS AO NÍVEL DA QUALIDADE CLÍNICA Demora média no internamento Dias (ajustada por complexidade) Peso da cirurgia do ambulatório no total de cirurgias programadas Percentagem -2,3% +9,5% 6,65 6,50 21,2 23,

12 Fonte: Hospitais SA; Unidade de Missão Hospitais SA; IGIF 11 A PRODUTIVIDADE DOS RECURSOS HUMANOS AUMENTOU SIGNIFICATIVAMENTE Recursos clínicos nos hospitais SA 0,6% Produtividade dos profissionais Doentes (padrão) por profissional +5,1% ,1 18, Reforço da equipa clínica Aumento da produtividade global dos recursos humanos

13 Ministério da Saúde

1 Órgãos Sociais Atividade Prevista e Execução Janeiro a Julho de Recursos Humanos... 7

1 Órgãos Sociais Atividade Prevista e Execução Janeiro a Julho de Recursos Humanos... 7 SUMÁRIO 1 Órgãos Sociais... 3 2 Atividade Prevista e Execução Janeiro a Julho de 2015... 4 3 Recursos Humanos... 7 4 Execução Orçamental Custos e Proveitos... 9 5 Notas Finais... 17 2- SERVIÇOS FINANCEIROS

Leia mais

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS julho

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS julho Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS julho 2015 www.acss.min-saude.pt Monitorização do Serviço Nacional de Saúde http://benchmarking.acss.min-saude.pt/benchmarking.aspx 2 Monitorização

Leia mais

Identificação da empresa. Missão. Objetivos. Políticas da Empresa. Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E.

Identificação da empresa. Missão. Objetivos. Políticas da Empresa. Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E. Identificação da empresa Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E. Missão O Hospital da Senhora da Oliveira tem como missão prestar os melhores cuidados de saúde, com elevados níveis de competência,

Leia mais

pelos CH e, por outro lado, da produção realizada tal como descrita nos Relatórios e Contas, os Contratos-Programa não estarão a refletir as

pelos CH e, por outro lado, da produção realizada tal como descrita nos Relatórios e Contas, os Contratos-Programa não estarão a refletir as Sumário executivo A Entidade Reguladora da Saúde, ao abrigo das suas atribuições tal como consagradas no Decreto-Lei n.º 127/2009, de 27 de Maio, de [ ] assegurar o cumprimento dos critérios de acesso

Leia mais

ÍNDICE DE SAÚDE SUSTENTÁVEL ª Conferência Abbvie/TSF/DN 7 de Março de 2017

ÍNDICE DE SAÚDE SUSTENTÁVEL ª Conferência Abbvie/TSF/DN 7 de Março de 2017 ÍNDICE DE SAÚDE SUSTENTÁVEL 2016 6ª Conferência Abbvie/TSF/DN 7 de Março de 2017 1 Índice 1. Enquadramento Projeto Saúde Sustentável - Passado, Presente e Futuro 2. Metodologia e Resultados do Estudo 2016

Leia mais

Apresentação do Orçamento do SNS

Apresentação do Orçamento do SNS Apresentação do Orçamento do SNS 2010 ÍNDICE 1. Evolução da Dotação Inicial do SNS 2. Execução Económico-Financeira do SNS (2008 a 2010 - Estimativa) - Apresentação Tradicional 3. Execução Económico-Financeira

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE MODELOS DE REFERENCIAÇÃO HOSPITALAR AMÉRICO AFONSO

REFLEXÃO SOBRE MODELOS DE REFERENCIAÇÃO HOSPITALAR AMÉRICO AFONSO REFLEXÃO SOBRE MODELOS DE REFERENCIAÇÃO HOSPITALAR AMÉRICO AFONSO 1 TÓPICOS A ABORDAR Conceitos gerais Redes de Referenciação Hospitalar Perspectivas actuais e futuras Apresentação de exemplo real Conclusões

Leia mais

Indicadores do Contrato Programa

Indicadores do Contrato Programa Indicadores de Acompanhamento dos s Regionais do Contrato Programa Doente padrão / Médico ETC Eficiência-Produtividade Entidade Gestora Medir a produção por médico ( com horários equiparados) Descrição

Leia mais

Relatório Final. Os cidadãos no centro do sistema Os profissionais no centro da mudança

Relatório Final. Os cidadãos no centro do sistema Os profissionais no centro da mudança Relatório Final Os cidadãos no centro do sistema Os profissionais no centro da mudança 21-Nov-2011 1 Abordagem Conceptual para a Reforma Hospitalar 1 Diagnóstico 2 Transformação 3 Implementação 2 M Eur

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO - Regular e supervisionar os sectores dos medicamentos e produtos de saúde, segundo os mais elevados padrões de protecção da saúde pública e garantir o acesso dos profissionais de saúde

Leia mais

LEGISLAÇÃO E ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

LEGISLAÇÃO E ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR 1º Regulamento do Hospital de Todos os Santos 19/1/1504 Autonomia Administrativa Superintendência por um provedor Participação dos representantes dos ofícios Casa dos 23 Associação ao ensino e investigação

Leia mais

Prestação de Cuidados de Saúde na Região de Saúde do Centro

Prestação de Cuidados de Saúde na Região de Saúde do Centro Prestação de Cuidados de Saúde na Região de Saúde do Centro Administração Regional de Saúde do Centro, I.P. www.arscentro.min-saude.pt I. ENQUADRAMENTO MISSÃO: Garantir à população o acesso à prestação

Leia mais

Orçamento do Estado 2016

Orçamento do Estado 2016 Orçamento do Estado 2016 Programa Orçamental da Saúde 25 de fevereiro de 2016 1 1. Orçamento do Estado 2016 2 ORÇAMENTO DO ESTADO 2016 RESPONSÁVEL CONSTITUCIONAL VALORIZA OS PROFISSIONAIS PROMOVE A EQUIDADE

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: 2016-2020 1. Missão do Organismo

Leia mais

Financiamento Hospitalar Cirurgia em ambulatório Vs Cirurgia em Internamento. Papel da Informática na Facturação

Financiamento Hospitalar Cirurgia em ambulatório Vs Cirurgia em Internamento. Papel da Informática na Facturação Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio Financiamento Hospitalar Cirurgia em ambulatório Vs Cirurgia em Internamento 4º Encontro Nacional dos Médicos Auditores e Codificadores Clínicos (AMACC) 2 e 3 Março

Leia mais

Programa de Financiamento dos Investimentos na Qualificação. das Unidades de Cirurgia de Ambulatório do SNS. Relatório de Acompanhamento

Programa de Financiamento dos Investimentos na Qualificação. das Unidades de Cirurgia de Ambulatório do SNS. Relatório de Acompanhamento Programa de Financiamento dos Investimentos na Qualificação das Unidades de Cirurgia de Ambulatório do SNS Junho 2010 I. Projectos objecto de financiamento No âmbito do Programa de Financiamento dos Investimentos

Leia mais

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5 A Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. (ACSS, IP) é um Instituto Público, criado em 2007, integrado na administração indireta do Estado, dotado de autonomia administrativa, financeira e patrimonial

Leia mais

Oferta Pública de Aquisição da Espírito Santo Saúde. Lisboa, 11 de Setembro de 2014

Oferta Pública de Aquisição da Espírito Santo Saúde. Lisboa, 11 de Setembro de 2014 Oferta Pública de Aquisição da Espírito Santo Saúde Lisboa, 11 de Setembro de 2014 JOSÉ DE MELLO SAÚDE OPERADOR DE REFERÊNCIA NO SECTOR DA SAÚDE EM PORTUGAL Operador com maior experiência no sector Referência

Leia mais

A Farmácia em Portugal

A Farmácia em Portugal A Farmácia em Portugal Degradação do Preço do Medicamento: Ameaça à Saúde Pública? Humberto Martins VI Reunião Anual da Revista Portuguesa de Farmacoterapia Controvérsias com Medicamentos 31 de Maio de

Leia mais

2 Conceitos da qualidade em saúde

2 Conceitos da qualidade em saúde 2 Conceitos da qualidade Avaliação da Satisfação do Utente/Cliente Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa Qualidade clínica como a articulação de 4 elementos - Desempenho profissional (qualidade técnica)

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 368/XIII/1.ª POUPAR NO FINANCIAMENTO A PRIVADOS PARA INVESTIR NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 368/XIII/1.ª POUPAR NO FINANCIAMENTO A PRIVADOS PARA INVESTIR NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE b Grupo Parlamentar PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 368/XIII/1.ª POUPAR NO FINANCIAMENTO A PRIVADOS PARA INVESTIR NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Nos últimos anos o Serviço Nacional de Saúde perdeu orçamento e profissionais;

Leia mais

MODELO ORGANIZATIVO DA REDE

MODELO ORGANIZATIVO DA REDE 2 3 MODELO ORGANIZATIVO DA REDE O modelo organizativo da Rede de Referenciação Hospitalar de Psiquiatria da Infância e da Adolescência que se apresenta procura corresponder ao preconizado no Plano Nacional

Leia mais

[Diabetes: Factos & Números] [Luís Gardete Correia Director do Observatório Nacional da Diabetes]

[Diabetes: Factos & Números] [Luís Gardete Correia Director do Observatório Nacional da Diabetes] [Diabetes: Factos & Números] [Luís Gardete Correia Director do Observatório Nacional da Diabetes] Diabetes: Factos & Números, 2014 Epidemiologia da Diabetes Controlo e Tratamento da Diabetes Regiões e

Leia mais

A Entidade Reguladora da Saúde. Porto, 6 de Março de 2012

A Entidade Reguladora da Saúde. Porto, 6 de Março de 2012 A Entidade Reguladora da Saúde Porto, 6 de Março de 2012 Agenda 1. Natureza e objectivos 2. Actividades 3. Impacto da ERS 4. Regulação adicional 2 Natureza e objectivos Regime jurídico da Entidade Reguladora

Leia mais

GOALS PASSADO PRESENTE FUTURO OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? SEGURANÇA NO TRABALHO ENCONTRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO

GOALS PASSADO PRESENTE FUTURO OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? SEGURANÇA NO TRABALHO ENCONTRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO GOALS OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? OBJECTIVOS - Passado: Evolução Histórica da SHT no SNS - Presente: Modelo de Gestão de SHT(Gestão de Risco) - O Futuro: uma abordagem estratégica INTRODUÇÃO

Leia mais

ADITAMENTO AO ACORDO ENTRE OS MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA ECONOMIA E DA SAÚDE E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

ADITAMENTO AO ACORDO ENTRE OS MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA ECONOMIA E DA SAÚDE E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA ADITAMENTO AO ACORDO ENTRE OS MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA ECONOMIA E DA SAÚDE E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Os Ministérios das Finanças, da Economia e da Saúde, e a Indústria Farmacêutica, por intermédio

Leia mais

Relatório Trimestral. Centro Hospitalar Algarve, E.P.E.

Relatório Trimestral. Centro Hospitalar Algarve, E.P.E. Relatório Trimestral Centro Hospitalar Algarve, E.P.E. de 2016 Índice 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE DA PRODUÇÃO... 1 3. ORÇAMENTAL... 3 3.1. DESPESA... 3 3.2. RECEITA... 5 4. LEI DOS COMPROMISSOS E PAGAMENTOS

Leia mais

Estudo Económico / Financeiro. Setor das Farmácias em Portugal Dados reais de 2013 e previsão para 2014

Estudo Económico / Financeiro. Setor das Farmácias em Portugal Dados reais de 2013 e previsão para 2014 Estudo Económico / Financeiro Setor das Farmácias em Portugal Dados reais de 2013 e previsão para 2014 1 Sumário Executivo Os últimos anos têm sido pautados por uma forte queda no volume de negócios das

Leia mais

Novas tendências e desafios na Economia da Saúde. Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa

Novas tendências e desafios na Economia da Saúde. Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa Novas tendências e desafios na Economia da Saúde Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa Desafios metodológicos vs. de temas mundo académico vs. mundo das políticas de saúde 01/04/2016 2 Temas que

Leia mais

Revisão Anual de Preços

Revisão Anual de Preços Revisão Anual de Preços Impacto 2012 2013 2014 GABINETE DE INFORMAÇÃO E PLANEAMENTO ESTRATÉGICO 2015 Revisão Anual de Preços Impacto 2012, 2013 e 2014 Relatório final Autores: Ana Correia Cláudia Santos

Leia mais

V Congresso Nacional de Cirurgia de Ambulatório 19 a 21 de Maio

V Congresso Nacional de Cirurgia de Ambulatório 19 a 21 de Maio V Congresso Nacional de Cirurgia de Ambulatório 19 a 1 de Maio Financiamento e contratualização da CA pela Cláudia Medeiros Borges 19 de Maio Despesa em saúde Peso da despesa total em Saúde no PIB em 005

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

Avaliação do SNS em Portugal: equidade versus eficiência

Avaliação do SNS em Portugal: equidade versus eficiência Avaliação do SNS em Portugal: equidade versus eficiência MARIA DO ROSÁRIO GIRALDES Maria do Rosário Giraldes é economista, professora universitária de Economia da Saúde, assessora principal da Direcção-Geral

Leia mais

Conferência de imprensa. 30 de Agosto de 2012

Conferência de imprensa. 30 de Agosto de 2012 Conferência de imprensa 30 de Agosto de 2012 Milhões O mercado de medicamentos em ambulatório reduziu 731,4 milhões de euros -408,3 Milhões Euros em 2011-323,1 Milhões Euros em 2012 3.363,1 3.349,9 3.485,8

Leia mais

QUAR 2009 Editorial do Ministério da Educação. O documento que se apresenta é uma proposta, ainda não foi objecto de decisão superior.

QUAR 2009 Editorial do Ministério da Educação. O documento que se apresenta é uma proposta, ainda não foi objecto de decisão superior. PROPOSTA N.º 2/DE/2009 2009/03/03 QUAR 2009 Editorial do Ministério da Educação O documento que se apresenta é uma proposta, ainda não foi objecto de decisão superior. MISSÃO e VISÃO A EME é um organismo

Leia mais

A Diabetes: que desafio?

A Diabetes: que desafio? A Diabetes: que desafio? José Manuel Boavida Director do Programa Nacional para a Diabetes Audição na Comissão Parlamentar da Saúde Assembleia da República 25 Fevº 2015 Prevalência da Diabetes Prevalência

Leia mais

Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde. Senhor Presidente da União das Misericórdias Portuguesas. Senhor Arcebispo Primaz de Braga

Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde. Senhor Presidente da União das Misericórdias Portuguesas. Senhor Arcebispo Primaz de Braga Cerimónia de passagem da assinatura de Protocolos com Santas Casas da Misericórdia 31 de julho de 2015 Senhor Ministro da Saúde Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde Senhor Presidente da

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 2015-2020 REUNIÃO PLENÁRIA DAS COMISSÕES DA QUALIDADE E SEGURANÇA 9 DE JULHO DE 2015 ENQS DQS CQS ARS ARS ARS ARS ARS DC DC DC DC DC CQS CQS CQS CQS CQS CQS

Leia mais

Diretor Dr. Mesquita IASIST, o que podemos melhorar em cirurgia de ambulatório

Diretor Dr. Mesquita IASIST, o que podemos melhorar em cirurgia de ambulatório Diretor Dr. Mesquita IASIST, o que podemos melhorar em cirurgia de ambulatório André Goulart, João Braga dos Anjos INTRODUÇÃO O que é benchmarking? é um processo sistemático e contínuo de avaliação dos

Leia mais

INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS

INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS Direção-Geral da Saúde 17/12/2014 1 INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno Plano:

Leia mais

Conta Satélite da Saúde

Conta Satélite da Saúde 3 de Setembro de 2007 Conta Satélite da Saúde 2000 2005 O RITMO DE CRESCIMENTO REAL DA DESPESA CORRENTE EM SAÚDE ABRANDOU EM 2005 Em 2004 e 2005, o total da despesa corrente em cresceu, em volume, respectivamente,

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO CUIDADOS DE SAÚDE TRANSFRONTEIRIÇOS Direção Geral da Saúde Julho de 2012 Áreas de intervenção ASSISTÊNCIA MÉDICA ESPECIALIZADA

Leia mais

Novo Hospital de Proximidade de Lamego

Novo Hospital de Proximidade de Lamego Novo Hospital de Proximidade de Lamego 1 CONCEITO O hospital de proximidade é um conceito inovador, em desenvolvimento na Europa, cujo objectivo é aproximar a prestação de cuidados de saúde diferenciados

Leia mais

VAB das empresas não financeiras aumenta 3,7%, em termos nominais, em 2014

VAB das empresas não financeiras aumenta 3,7%, em termos nominais, em 2014 Empresas em Portugal 2010-28 de setembro de 2015 VAB das empresas não financeiras aumenta 3,7%, em termos nominais, em Os dados preliminares de das estatísticas das empresas reforçam os sinais positivos

Leia mais

Que importância para os indicadores de resultado? A campanha da OMS Cirurgia Segura, salva vidas

Que importância para os indicadores de resultado? A campanha da OMS Cirurgia Segura, salva vidas Que importância para os indicadores de resultado? A campanha da OMS Cirurgia Segura, salva vidas Manuel Valente / Enfermeiro Especialista / Nov. 2013 Inquérito A taxa de mortalidade infantil, em Portugal,

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO: regulamentar, orientar e coordenar as atividades de promoção da saúde e prevenção da doença, definir as condições técnicas para adequada prestação de cuidados de saúde, planear e programar

Leia mais

Indicador de Clima - Indústria, Comércio e Construção -

Indicador de Clima - Indústria, Comércio e Construção - 3 de Junho de 24 INQUÉRITOS DE CONJUNTURA ÀS EMPRESAS E AOS CONSUMIDORES Maio de 24 INDICADOR DE CLIMA E INDICADOR DE CONFIANÇA DOS SERVIÇOS MANTÊM TENDÊNCIA RECENTE DE RECUPERAÇÃO. CONFIANÇA DOS CONSUMIDORES

Leia mais

A Anestesia em Tempos de Crise: O Impacto da Troika na Anestesiologia

A Anestesia em Tempos de Crise: O Impacto da Troika na Anestesiologia A Anestesia em Tempos de Crise: O Impacto da Troika na Anestesiologia Teresa Magalhães Tertúlias de Anestesia 29 de Outubro de 2011 Sumário ObjecCvo da Troika para a saúde Medidas da Troika com impacto

Leia mais

Observatório do Medicamento e dos Produtos de Saúde INFORMAÇÃO SOBRE O IMPACTO DAS MEDIDAS DE POLÍTICA DO MEDICAMENTO

Observatório do Medicamento e dos Produtos de Saúde INFORMAÇÃO SOBRE O IMPACTO DAS MEDIDAS DE POLÍTICA DO MEDICAMENTO Observatório do Medicamento e dos Produtos de Saúde INFORMAÇÃO SOBRE O IMPACTO DAS MEDIDAS DE POLÍTICA DO MEDICAMENTO No âmbito das responsabilidades que cabem ao INFARMED no que respeita à execução e

Leia mais

Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO

Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO (Artigo 17.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro) Organismo avaliado: ARS CENTRO 1.

Leia mais

MESA REDONDA: INDICADORES

MESA REDONDA: INDICADORES MESA REDONDA: INDICADORES INDICADORES CLÍNICOS Conceição Barata Médica Codificadora Clínica Objectivos A importância do registo no Processo Clínico. Para que serve a Codificação Clínica. Que Indicadores

Leia mais

Aumento dos preços da carne, seguros e transportes públicos

Aumento dos preços da carne, seguros e transportes públicos Informação à Comunicação Social 14 de Março de 2001 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Fevereiro de 2001 Comentário Síntese Aumento dos preços da carne, seguros e transportes públicos O Índice de Preços no

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007 INAPA INVESTIMENTOS, PARTICPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade Aberta ) Sede: Rua do Salitre, n.º 142, freguesia de São Mamede, Lisboa Capital social: 150 000 000 NIPC: 500 137 994 Matrícula n.º 36 338 da

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional.

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional. CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Cargo: Vogal do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: Período de 5 anos a contar

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 FCT

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 FCT QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Visão: Objectivos Estratégicos (OE): OE 1. Fomentar o desenvolvimento da competência científica e tecnológica

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO ESTUDO

APRESENTAÇÃO DO ESTUDO APRESENTAÇÃO DO ESTUDO CONCLUSÃO CARACTERIZAÇÃO DOS HOSPITAIS PORTUGUESES SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA RECOLHA E TRATAMENTO DE RESÍDUOS LAVANDARIA HIGIENE E LIMPEZA APRESENTAÇÃO Este

Leia mais

Um Balanced Scorecard para hospitais: alguns indicadores

Um Balanced Scorecard para hospitais: alguns indicadores VIII Congresso do Instituto Internacional de Custos, Punta del Este, Uruguay, 26 a 28 de Novembro de 2003 Um Balanced Scorecard para hospitais: alguns indicadores Alvarez Hernández, Fermin Instituto Nacional

Leia mais

Auditorias à Codificação Clínica

Auditorias à Codificação Clínica Auditorias à Codificação Clínica Metodologia e apresentação de resultados A. S. Barreto, N. Amaro, T. Boto, UOFC J. Marques, Softinsa Objectivos da Auditoria Externa Desde meados dos anos 80, todos os

Leia mais

Os portugueses e a rede de farmácias

Os portugueses e a rede de farmácias Os portugueses e a rede de farmácias Acesso, satisfação, desafios e oportunidades 15 de Junho de 2016 1 Os portugueses e a rede de farmácias Apesar dos constrangimentos, as farmácias portuguesas mantêm

Leia mais

Subida de taxas moderadoras leva portugueses aos hospitais privados

Subida de taxas moderadoras leva portugueses aos hospitais privados Subida de taxas moderadoras leva portugueses aos hospitais privados No primeiro trimestre, os hospitais públicos registaram uma quebra nos atendimentos das urgências. Já o sector privado verificou um aumento

Leia mais

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Algarve, IP GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS grupotecnicodeferidas@arsalgarve.min-saude.pt Estudos Estudo realizado na Região em 2005 (CC Infecção/Centro

Leia mais

SNS Consultas Externas Hospitalares

SNS Consultas Externas Hospitalares 1. Total de Consultas Externas* 2.437.439 2.482.865 2.184.029 2.228.715 junho 2015 junho 2016 1.161.393 1.175.765 229.644 235.197 150.681 149.952 ARS Norte ARS Centro ARS Lisboa e Vale do Tejo ARS Alentejo

Leia mais

Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura.

Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura. Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura Artur Vaz 23 de Maio de 2015 To become the leading healthcare provider through

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE ANO 2006

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE ANO 2006 INAPA INVESTIMENTOS, PARTICPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade Aberta ) Sede: Rua do Salitre, n.º 142, freguesia de São Mamede, Lisboa Capital social: 150 000 000 NIPC: 500 137 994 Matrícula n.º 36 338 da

Leia mais

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando Teixeira dos Santos - 16 de Janeiro de 2008 - Senhores

Leia mais

Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS

Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS Ranking de eficiência energética e hídrica Hospitais do SNS 2013 PEBC Plano Estratégico do Baixo Carbono Eco.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública 1 de outubro de 2014 www.acss.min-saude.pt

Leia mais

INDÚSTRIA DO MOBILIÁRIO

INDÚSTRIA DO MOBILIÁRIO INDÚSTRIA DO MOBILIÁRIO AEP / GABINETE DE ESTUDOS JANEIRO DE 2005 Indústria do Mobiliário A indústria do mobiliário (CAE 361 fabricação de mobiliário e de colchões) reunia, em 2002, 6933 empresas, responsáveis

Leia mais

Melhoria nos principais indicadores das empresas não financeiras em 2016

Melhoria nos principais indicadores das empresas não financeiras em 2016 Empresas em Portugal 28-28 de setembro de 217 Melhoria nos principais indicadores das empresas não financeiras em Em, assistiu-se à melhoria generalizada dos principais indicadores das empresas não financeiras.

Leia mais

Relatório de Benchmarking hospitais EPE e PPP dados a 31 de dezembro de 2012

Relatório de Benchmarking hospitais EPE e PPP dados a 31 de dezembro de 2012 Relatório de Benchmarking hospitais EPE e PPP dados a 31 de dezembro de 2012 15 de maio de 2013 Enquadramento (1/3) De forma a orientar e apoiar a elaboração dos planos estratégicos de cada instituição

Leia mais

nº de Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) em projeto piloto 1-100,0

nº de Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) em projeto piloto 1-100,0 QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO - 2014 Ministério da Educação e Ciência Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) MISSÃO: A qualificação de alto nível dos cidadãos, a produção e difusão do

Leia mais

CRIAÇÃO DE VALOR - A FARMÁCIA DO FUTURO - A Visão do Serviço Nacional de Saúde APMGF Rui Nogueira

CRIAÇÃO DE VALOR - A FARMÁCIA DO FUTURO - A Visão do Serviço Nacional de Saúde APMGF Rui Nogueira A Visão do Serviço Nacional de Saúde APMGF Rui Nogueira A Visão do Serviço Nacional de Saúde Uma Visão de Médico de Família Rui Nogueira Médico de Família, CS Norton de Matos Coordenador do Internato MGF

Leia mais

Agenda. Avaliação da Satisfação como Indicador de Desempenho. Apresentação do Modelo ECSI. Resultados do Estudo de Satisfação de 2005

Agenda. Avaliação da Satisfação como Indicador de Desempenho. Apresentação do Modelo ECSI. Resultados do Estudo de Satisfação de 2005 Conversas de Fim de Tarde Sessão 3 O Desempenho Organizacional Hospitalar SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE APERCEBIDA E SATISFAÇÃO DO UTENTE NOS HOSPITAIS EPE Guilherme Victorino Assessor do IGIF Caramulo,

Leia mais

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Produto Interno Bruto. Variações trimestrais homólogas

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Produto Interno Bruto. Variações trimestrais homólogas Produto Interno Bruto Variações trimestrais homólogas Mediante reformas introduzidas na economia portuguesa, entre 2011 e 2015, nomeadamente quanto á competitividade das empresas, foi possível estimular

Leia mais

A crise e a saúde em Portugal

A crise e a saúde em Portugal A crise e a saúde em Portugal Jorge Simões Lisboa, 29 de Novembro de 2013 1 Agenda 1. Contexto político, demográfico e económico 2. Política de saúde recente 3. Desempenho do sistema 2 Agenda 1. Contexto

Leia mais

O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos. CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011

O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos. CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011 O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011 O SNS Espanhol Evolução 1975-2009 Da segmentação na coordenação

Leia mais

Decreto-Lei n.º 53/2007, de 8 de Março Regula o horário de funcionamento das farmácias de oficina

Decreto-Lei n.º 53/2007, de 8 de Março Regula o horário de funcionamento das farmácias de oficina Regula o horário de funcionamento das farmácias de oficina O presente decreto-lei regula o horário de funcionamento das farmácias de oficina e define o respectivo período mínimo de funcionamento. Actualmente,

Leia mais

Competências do Enfermeiro Gest0r o caminho percorrido Enf. Ricardo Silva. Tânia Lourenço, 2013

Competências do Enfermeiro Gest0r o caminho percorrido Enf. Ricardo Silva. Tânia Lourenço, 2013 Competências do Enfermeiro Gest0r o caminho percorrido Enf. Ricardo Silva Competências do Enfermeiro Gest0r Do caminho percorrido. Regulação da Gestão em Enfermagem. ENFERMAGEM A Profissão de Enfermagem

Leia mais

Ranking de eficiência energética e hídrica dos hospitais do SNS 2015

Ranking de eficiência energética e hídrica dos hospitais do SNS 2015 WWW.ACSS.MIN-SAUDE.PT 30 setembro 2016 Ranking de eficiência energética e hídrica dos hospitais do SNS 2015 PEBC Plano Estratégico do Baixo Carbono Eco.AP Programa de Eficiência Energética na Administração

Leia mais

Síntese Mensal da Contratação Pública

Síntese Mensal da Contratação Pública SUMÁRIO EXECUTIVO Nº de anúncios de concursos publicados em Diário da República e de contratos publicados no Portal BASE aumentam em novembro Em novembro foram publicados mais 182 anúncios de concursos

Leia mais

Agendamento. QuimioProcess. Prescrição. Validação. Segurança. Manipulação. Administração. Mais que ideias... Criamos Soluções...

Agendamento. QuimioProcess. Prescrição. Validação. Segurança. Manipulação. Administração. Mais que ideias... Criamos Soluções... Agendamento Validação Segurança Manipulação Administração Saúde A ST+I tem como missão Ser uma referência Internacional de elevado valor, nos domínios da Saúde, garantindo a sustentabilidade das empresas

Leia mais

CHA-CENTRO HOSPITALAR DO ALGARVE E.P.E. PARECER

CHA-CENTRO HOSPITALAR DO ALGARVE E.P.E. PARECER CHA-CENTRO HOSPITALAR DO ALGARVE E.P.E. PARECER RELATÓRIO RELATIVO AO 3º TRIMESTRE DE 2016 Índice 1. Introdução 3 2. Tarefas desenvolvidas 3 3. Comentários à Análise da Produção 4 4. Orçamento 4 5. Lei

Leia mais

Rastrear Medicamentos em Ambiente Hospitalar

Rastrear Medicamentos em Ambiente Hospitalar Rastrear Medicamentos em Ambiente Hospitalar Como melhorar as operações logísticas e garantir a segurança do paciente no circuito da Farmácia Hospitalar? Sofia Valongo Vasco Antunes Pereira 25 Junho 2015

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Direcção de Serviços de Prestação de Cuidados de Saúde RECLAMAÇÕES. Maio de 2004

DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Direcção de Serviços de Prestação de Cuidados de Saúde RECLAMAÇÕES. Maio de 2004 DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Direcção de Serviços de Prestação de Cuidados de Saúde RECLAMAÇÕES 3 Maio de 4 I INTRODUÇÃO As reclamações como indicador da qualidade das unidades prestadoras de cuidados, quer

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

QUAR 40% 75% INDICADORES. CLASSIFICAÇÃO Ind 1 Número de acordos EA subscritos meta 2012 Tolerância

QUAR 40% 75% INDICADORES. CLASSIFICAÇÃO Ind 1 Número de acordos EA subscritos meta 2012 Tolerância QUAR ANO:2012 Ministério da Economia e do Emprego INSTITUTO PORTUGUÊS DE ACREDITAÇÃO, I.P. (IPAC) MISSÃO: Prestar serviços de acreditação, nos termos previstos no Regulamento (CE) 765/2008. VISÃO: Ser

Leia mais

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR:

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE FUTURO PAULA SANTANA HELENA PEIXOTO 27º Encontro Nacional de Clínica Geral, Vilamoura, Março de 2010 Objectivos do Estudo

Leia mais

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública. Vítor Gaspar

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública. Vítor Gaspar Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública Vítor Gaspar Lisboa, 24 de outubro 2012 Figura 1. Progressos significativos nos mercados de financiamento Taxas de juro das Obrigações do Tesouro

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ)

Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) O SGQ da Câmara Municipal segue o modelo da norma NP EN ISO 9001:2008 ilustrado pelo esquema transcrito a seguir. Melhoria contínua do Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

O desenvolvimento da Cirurgia de Ambulatório como objectivo estratégico do Hospital

O desenvolvimento da Cirurgia de Ambulatório como objectivo estratégico do Hospital O desenvolvimento da Cirurgia de Ambulatório como objectivo estratégico do Hospital Cirurgia do Ambulatório 15. 12. 2005 CIRURGIA DE AMBULATÓRIO 1 Organização. Manual de Boas práticas 1. Estrutura Organizacional

Leia mais

Centro de Estudos Aplicados. Estudo de avaliação do Value for Money da Parceria Público Privada do Hospital de Cascais

Centro de Estudos Aplicados. Estudo de avaliação do Value for Money da Parceria Público Privada do Hospital de Cascais Centro de Estudos Aplicados Estudo de avaliação do Value for Money da Parceria Público Privada do Hospital de Cascais Índice Geral 1. INTRODUÇÃO... 3 2. METODOLOGIA... 4 3. DADOS... 6 4. RESULTADOS...

Leia mais

Fundamentação Económica da Proposta Sindical

Fundamentação Económica da Proposta Sindical Fundamentação Económica da Proposta Sindical CALÇADO CCT 2008 GABINETE DE ESTUDOS DA FESETE Enquadramento macroeconómico De acordo com a informação do Banco de Portugal 1 e com a estimativa rápida das

Leia mais

Produtividade, crescimento e rendimento agrícolas em Portugal na última década. Francisco Avillez

Produtividade, crescimento e rendimento agrícolas em Portugal na última década. Francisco Avillez Produtividade, crescimento e rendimento agrícolas em Portugal na última década Francisco Avillez Maio de 2017 Produtividade, crescimento e rendimento agrícolas em Portugal na última década Francisco Avillez

Leia mais

MEIO HOSPITALAR. MONITORIZAÇÃO DO CONSUMO DE MEDICAMENTOS Abril 2017

MEIO HOSPITALAR. MONITORIZAÇÃO DO CONSUMO DE MEDICAMENTOS Abril 2017 MEIO HOSPITALAR MONITORIZAÇÃO DO CONSUMO DE MEDICAMENTOS Abril 2017 SUMÁRIO Despesa com medicamentos nos Hospitais do SNS (até abril): 384 M (+ 6,5% +23 M ) Áreas Terapêuticas com maior aumento na despesa:

Leia mais

OBSERVAÇÕES DA UGT SOBRE A ACTUALIZAÇÃO DA RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA

OBSERVAÇÕES DA UGT SOBRE A ACTUALIZAÇÃO DA RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA OBSERVAÇÕES DA UGT SOBRE A ACTUALIZAÇÃO DA RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA I. ELEMENTOS PARA A ACTUALIZAÇÃO DA RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA Documento distribuído pelo Governo em CPCS Regista-se

Leia mais

SERVIÇOS E EQUIPAMENTO DE ESCRITÓRIO RELATÓRIO DE CONJUNTURA

SERVIÇOS E EQUIPAMENTO DE ESCRITÓRIO RELATÓRIO DE CONJUNTURA SERVIÇOS E EQUIPAMENTO DE ESCRITÓRIO RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Novembro de 2006 O sector da fabricação de máquinas de escritório e de equipamento para o tratamento automático de

Leia mais

Farmácia Circuito do Medicamento integrado no SGICM

Farmácia Circuito do Medicamento integrado no SGICM Farmácia Circuito do Medicamento integrado no SGICM 1 2 Sistema de Gestão Integrado do Circuito do Medicamento - SGICM O SGICM como parte integrante do circuito do medicamento apresenta como vantagens:

Leia mais

Orientações Programáticas

Orientações Programáticas Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e Resistências aos Antimicrobianos Orientações Programáticas 1 - Enquadramento As infeções associadas aos cuidados de saúde dificultam o tratamento adequado

Leia mais

Monitorização do consumo de Antidislipidémicos. no ambulatório da ARS Norte

Monitorização do consumo de Antidislipidémicos. no ambulatório da ARS Norte Monitorização do consumo de Antidislipidémicos no ambulatório da ARS Norte -2015 Comissão de Farmácia e Terapêutica Agosto 2016 As doenças cardiovasculares constituem a principal causa de morte, contando-se

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio Ana Balcão Reis Catarina Ângelo 24 de Novembro de 2012 Inácia Pimentel Simão Arouca Duração Total: 1h45m I ( 8,1 val) Nos

Leia mais

Estatísticas sobre o endividamento das famílias

Estatísticas sobre o endividamento das famílias Estatísticas sobre o endividamento das famílias Filipa Lima 26 de março de 2015 Conselho Superior de Estatística Reunião Conjunta SPES e SPEE Estatísticas sobre o endividamento das famílias ESQUEMA DA

Leia mais