TREINO. Transmissão de informações

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TREINO. Transmissão de informações"

Transcrição

1 Treino nas Organizações Recrutamento e Selecção

2 As quatro classes de mudança do comportamento Transmissão de informações Aumentar o conhecimento das pessoas Informação sobre a organização, seus produtos e serviços, políticas e directrizes, regras e regulamentos e seus clientes TREINO Desenvolvimento de aptidões Desenvolvimento de atitudes Melhorar as aptidões e destrezas Capacitar para a execução e operação de tarefas, manuseamento de equipamentos, máquinas e ferramentas Desenvolver ou modificar comportamentos Mudança de atitudes negativas em atitudes favoráveis, de tomada de consciência e sensibilidade com as pessoas. Com os clientes internos e externos Desenvolvimento de conceitos Elevar o nível de abstracção Desenvolver ideias e conceitos para ajudar as pessoas a pensar em termos globais e amplos

3 As quatro etapas do processo de 1. Necessidades de que se devem satisfazer 4. Avaliação dos resultados do 2. Desenho do programa de 3. Execução do programa de

4 O processo de Necessidades por satisfazer Desenho do Condução do Avaliação dos resultados Diagnóstico da situação Decisão sobre a estratégia Implementação ou acção Avaliação e controlo Objectivos da organização Competências necessárias Problemas de produção Problemas de pessoal Resultados da avaliação do desempenho Programação do Quem treinar? Como treinar? Que aspectos treinar? Onde treinar Quando treinar? Condução e aplicação do programa de através de: Gestor de linha Assessoria de RH Ambos Terceiros Monitorização do processo Avaliação e medição dos resultados Comparação da situação actual com a situação anterior Análise do custo - beneficio

5 Inventário das necessidades de Análise organizacional Diagnóstico organizacional. Determinação da missão e visão dos objectivos estratégicos da organização. Análise dos recursos humanos Determinação dos comportamentos, atitudes e competências necessárias para alcançar os objectivos organizacionais. Análise dos cargos Exame dos requisitos exigidos para os cargos, especificações e mudanças nos cargos. Análise do Objectivos que se devem utilizar na avaliação do programa de

6 Programação do Quem deve treinar-se Como treinar Em que treinar Quem deve treinar Funcionários a treinar Métodos de ou recursos didácticos Assunto ou conteúdo do Instrutor ou formador Onde treinar Quando treinar Para quê treinar Local de Época ou horário de Objectivos de

7 Classificação da tecnologia educativa do Orientada para o conteúdo Conferência, instrução programada, instrução assistida por computador Quanto ao uso Orientadas para o processo Dramatização, da sensibilidade, desenvolvimento de grupos TÉCNICAS DE TRE EINO Quanto do tempo (época) Mistas (conteúdo e processo) Antes de ingressar na empresa Depois de ingressar a empresa Estudos de caso, jogos e simulações, conferências e técnicas diversas no local de trabalho Programa de indução e integração na empresa Treino no local de trabalho (em serviço) ou fora do local de trabalho (fora de serviço) Quanto ao local de trabalho No local de trabalho Fora do local de trabalho Treino em tarefas, rotação de cargos, enriquecimento de cargos Classes, películas, painéis, casos, dramatização, debates, simulações, jogos

8 . Indicadores de necessidades de A priori, são eventos: Expansão da empresa e admissão de novos empregados; Redução do número de empregados; Mudança de métodos e processos de trabalho; Substituições ou movimentação de pessoal; Prémios, licenças e férias de pessoal; Mudanças nos programas de trabalho ou de produção Modernização das equipas e novas tecnologias Produção e comercialização de novos produtos ou serviços

9 . Indicadores de necessidades de A posteriori, são os problemas provocados por necessidades de : Problemas de produção Baixa produtividade Baixa qualidade de produção Avarias frequentes em equipamentos e instalações Comunicações deficientes Elevado número de acidentes de trabalho Erros excessivos e de desperdício Pouca versatilidade dos empregados Mau aproveitamento do espaço disponível. Problemas de pessoal: Relações deficiente entre o pessoal Número excessivo de reclamações Pouca atenção ao cliente Comunicação deficiente Pouco interesse no trabalho Falta de cooperação Erros na execução de ordens.

10 Dados para servir de elementos de avaliação dos resultados do DADOS CONCRETOS Redução de custos Melhoria da qualidade Diminuição do tempo Satisfação dos empregados MEDIDAS DE RESULTADOS Clientes atendidos Tarefas completadas Produtividade Processos completados Dinheiro aplicado EXEMPLOS DE REDUÇÃO DE CUSTOS Custos variáveis Custos fixos Projecto de redução de custos Custos operativos Custos administrativos EXEMPLOS DE DADOS SOBRE MELHORIA DA QUALIDADE Índices de erros e desperdícios Variação dos padrões preestabelecidos POSSIBILIDADES À VOLTA DO TEMPO Tempo para completar um projecto Tempo de supervisão Tempo de equilíbrio para novos empregados Eficiência Dias de tempo perdido

11 Avaliação dos resultados de A NÍVEL ORGANIZACIONAL Aumento da eficácia organizacional Melhoria da imagem da empresa Melhoria do clima organizacional Melhoria da relação empresa e empregados Melhoria da atenção dos clientes Aumento da eficiência A NÍVEL DOS RH Redução da rotatividade e do absentismo Aumento da eficácia individual e grupal Aumento do conhecimento Mudança de atitudes e comportamentos das pessoas Melhoria da qualidade de vida do trabalho A NÍVEL DAS FUNÇÕES Adequação das pessoas aos requisitos exigidos pelas funções Melhoria do espírito de equipa e cooperação Aumento da produtividade Melhoria da qualidade Redução do índice de acidentes de trabalho Redução do índice de manutenção de máquinas e equipamentos A NÍVEL DO TREINO Consecução dos objectivos de Retorno das inversões realizadas no.

12 O que pode proporcionar um programa de Internamente Melhoria da eficiência dos serviços Aumento da eficácia Criatividade e inovação aos produtos e serviços oferecidos ao mercado Melhoria da qualidade de vida no trabalho Qualidade e produtividade Melhoria na atenção ao cliente. Externamente Maior competitividade organizacional Assédio de outras organizações os empregados da empresa Melhoria da imagem da organização

10/8/2011. Administração de Recursos Humanos TREINAMENTO: DESENVOLVIMENTO: Concluindo: T&D é o processo educacional aplicado de

10/8/2011. Administração de Recursos Humanos TREINAMENTO: DESENVOLVIMENTO: Concluindo: T&D é o processo educacional aplicado de TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL Administração de Recursos Humanos É o processo de desenvolver qualidades nos RHs para habilitá-los a serem mais produtivos e contribuir melhor para o alcance dos

Leia mais

.:. Aula 6.:. Levantamento de Necessidades de Treinamento. Profª Daniela Cartoni

.:. Aula 6.:. Levantamento de Necessidades de Treinamento. Profª Daniela Cartoni .:. Aula 6.:. Levantamento de Necessidades de Treinamento Profª Daniela Cartoni daniela_cartoni@yahoo.com.br T,D&D Antes: somente conceito de treinamento Hoje: ampliação para desenvolvimento e educação

Leia mais

NAGEH Pessoas. Eixo: Capacitação e Desenvolvimento de Pessoal 28/09/2015. Compromisso com a Qualidade Hospitalar

NAGEH Pessoas. Eixo: Capacitação e Desenvolvimento de Pessoal 28/09/2015. Compromisso com a Qualidade Hospitalar Eixo: Capacitação e Desenvolvimento de Pessoal 28/09/2015 Agenda: 28/09/2015 8:30 as 9:00 h Recepção dos participantes 9:00 as 11:00 h Eixo: Capacitação e Desenvolvimento 11:00 as 11:30 h Análise de Indicadores

Leia mais

AULA 13 GESTÃO DE PESSOAS III PROF. PROCÓPIO

AULA 13 GESTÃO DE PESSOAS III PROF. PROCÓPIO AULA 13 GESTÃO DE PESSOAS III PROF. PROCÓPIO ETEC SÃO MATEUS - 13-05-2016 Não fique sem o conteúdo, acesse: www.professorprocopio.com OTreinamento É um processo que promove a aquisição de habilidades,

Leia mais

Gestão baseada no desempenho

Gestão baseada no desempenho Gestão baseada no desempenho Enquadramento conceptual do modelo em aplicação no Centro Hospitalar de Lisboa Central Daniel Ferro 7.12.2007 Modelo de Gestão do desempenho Permite: aumento da produtividade

Leia mais

Treinamento e Desenvolvimento

Treinamento e Desenvolvimento Treinamento e Desenvolvimento Aprendizagem organizacional e gestão do conhecimento Resolução sistemática de problemas; Experiências realizadas por outros. Circulação de conhecimento; Garvin (1993) Experimentação;

Leia mais

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho O QUE É O MODELO O Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho é uma ferramenta de diagnóstico e auto-avaliação que propõe às indústrias brasileiras uma reflexão

Leia mais

O PROCESSO DE INTEGRAÇÃO FUNCIONÁRIO - EMPRESA

O PROCESSO DE INTEGRAÇÃO FUNCIONÁRIO - EMPRESA O PROCESSO DE INTEGRAÇÃO FUNCIONÁRIO - EMPRESA Todo mundo já passou ou irá passar, pelo drama, ansiedade, desconhecimento dos primeiros dias de trabalho em uma nova companhia e, normalmente, este novo

Leia mais

1 Conceitos da qualidade

1 Conceitos da qualidade 1 Conceitos da qualidade Modelo de excelência Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa/Escola Superior do Vale do Ave European Foundation of Quality Management 2 MODELO EFQM DE EXCELÊNCIA NA GESTÃO -Como

Leia mais

Tema 05 Treinamento e Desenvolvimento Autoria: Irma Macário

Tema 05 Treinamento e Desenvolvimento Autoria: Irma Macário Administração de Recursos Humanos Autoria: Irma Macário 6 o semestre Tema 05 Treinamento e Desenvolvimento Tema 05 Treinamento e Desenvolvimento Autoria: Irma Macário Como citar esse documento: MACÁRIO,

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DE ENERGIA NA INDÚSTRIA. Tema: Manutenção Industrial Formador: João de Jesus Ferreira

CURSO DE GESTÃO DE ENERGIA NA INDÚSTRIA. Tema: Manutenção Industrial Formador: João de Jesus Ferreira Tema: Manutenção Industrial Formador: João de Jesus Ferreira Miranda do Corvo, Junho de 2006 ÍNDICE: 1. Introdução ao tema da Gestão da Energia e da Gestão da Manutenção. 2. Conceitos sobre a metodologia

Leia mais

PLANO DE ENSINO semestre. Apresentar conceitos modernos de Gestão de Pessoas. Apresentar conceitos modernos de Gestão de.

PLANO DE ENSINO semestre. Apresentar conceitos modernos de Gestão de Pessoas. Apresentar conceitos modernos de Gestão de. PLANO DE ENSINO - 2016.2 DISCIPLINA: SU-B0065 Gestão de PROFESSOR: ANDERSON LOPES CARGA HORÁRIA: 60 HORAS TURMA: DF05-N101 SALA: 07 DATA Nº. MÓDU CONTEÚDO OBJETIVO METODOLOGIA RECURSO AULA LO 08/08/2016

Leia mais

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas;

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas; 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento de bens e serviços, visando o fortalecimento de seu poder de compra

Leia mais

Etapas do processo de Administração Estratégica. DPS aula 3 Negócios

Etapas do processo de Administração Estratégica. DPS aula 3 Negócios Etapas do processo de Administração Estratégica Aula 3 Professor Douglas Pereira da Silva 1 2 As etapas envolvidas na administração estratégica Etapa 1: Análise do ambiente O processo de administração

Leia mais

Grelha resumo da auto-avaliação por critério do modelo CAF

Grelha resumo da auto-avaliação por critério do modelo CAF Grelha resumo da auto-avaliação por critério do modelo CAF O que a liderança da organização faz para CRITÉRIO 1: LIDERANÇA Subcritérios () 1.1 Dar uma orientação à organização desenvolvendo e comunicando

Leia mais

O Perfil dos Psicólogos do Trabalho

O Perfil dos Psicólogos do Trabalho CATEGORIA AUTORIA JULHO 15 Perfis do Psicólogo Gabinete de Estudos Técnicos O Perfil dos Psicólogos do Trabalho Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses (2015). O Perfil dos Psicólogos do Trabalho.

Leia mais

1 Conceitos da qualidade

1 Conceitos da qualidade CURSOS DE NEUROFISIOLOGIA/ CARDIOPNEUMOLOGIA 1 Conceitos da qualidade Modelo de excelência Escola Superior de Saúde do Vale do Ave 2 1 Conceitos da qualidade MODELO EFQM DE EXCELÊNCIA NA GESTÃO -Como uma

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS. PROJEÇÕES DAS AULAS Professora: SIMONE

GESTÃO DE PESSOAS. PROJEÇÕES DAS AULAS Professora: SIMONE GESTÃO DE PESSOAS PROJEÇÕES DAS AULAS Professora: SIMONE BIBLIOGRAFIA BÁSICA CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Campus, 2006.

Leia mais

Gestão de pessoas e desempenho organizacional

Gestão de pessoas e desempenho organizacional Aula 12 Gestão de pessoas e desempenho organizacional Agenda 1 Seminário 2 Medindo a performance do RH 1 Seminário 5 Competing on talent analytics. Davenport, Harris & Shapiro. Harvard Business Review,

Leia mais

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana Tema 01 Apresentação do PEA. Fundamentos

Leia mais

Soluções em Recursos Humanos, Treinamento e Conhecimento

Soluções em Recursos Humanos, Treinamento e Conhecimento Soluções em Recursos Humanos, Treinamento e Conhecimento Habilidade, métodos, políticas, técnicas e práticas QUEM SOMOS Somos uma empresa jovem com a visão de valorização do recurso humano como impulso

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP

BALANCED SCORECARD. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP BALANCED SCORECARD Prof. Dr. Adilson de Oliveira Doutor em Engenharia de Computação Poli USP Mestre em Ciência da Informação PUCCAMP Gestão Estratégica e BSC Balanced Scoredcard GESTÃO ESTRATÉGICA GESTÃO

Leia mais

Gestão do Desempenho. Gestão Estratégica de RH. Reter e engajar. Capacitar. Atrair 26/10/2016. Gestão do Desempenho. Recrutamento & Seleção

Gestão do Desempenho. Gestão Estratégica de RH. Reter e engajar. Capacitar. Atrair 26/10/2016. Gestão do Desempenho. Recrutamento & Seleção Gestão do Desempenho Ref.: Livro-texto, Cap. 8 Gestão Estratégica de RH Atrair Capacitar Reter e engajar Gestão do Desempenho Recrutamento & Seleção Treinamento & Desenvolvimento Recompensa 2 1 Avaliação

Leia mais

RECURSOS HUMANOS GESTÃO ESTRATÉGICA

RECURSOS HUMANOS GESTÃO ESTRATÉGICA RECURSOS HUMANOS GESTÃO ESTRATÉGICA Introdução Estudo de caso SCP/SLB Os RH s e a formulação estratégica Os RH s e a implementação estratégica A gestão estratégica de RH s Introdução Estudo de caso SCP/SLB

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

OBJETIVOS DA AREA DE RECURSOS HUMANOS. RH É a parte fundamental das organizações atuais; Interesses das Organizações x Interesses dos Funcionários;

OBJETIVOS DA AREA DE RECURSOS HUMANOS. RH É a parte fundamental das organizações atuais; Interesses das Organizações x Interesses dos Funcionários; OBJETIVOS DA AREA DE RECURSOS HUMANOS RH É a parte fundamental das organizações atuais; Interesses das Organizações x Interesses dos Funcionários; Organizações atuais - DP trabalhando em paralelo com o

Leia mais

Acompanhamento e Avaliação da Formação. Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Acompanhamento e Avaliação da Formação. Formação Pedagógica Inicial de Formadores Acompanhamento e Avaliação da Formação Formação Pedagógica Inicial de Formadores Objectivo geral Compreender a avaliação da formação como um sistema interactivo; Articular a avaliação na formação com a

Leia mais

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição.

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 1. OBJETIVOS GERAIS No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Descrever a orgânica das Instituições Sociais;

Leia mais

POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS CONHECENDO UM POUCO MAIS...

POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS CONHECENDO UM POUCO MAIS... POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS CONHECENDO UM POUCO MAIS... As avaliações e premiações são consideradas salários indiretos que tem como principal objetivo motivar, reter e consequentemente garantir bons

Leia mais

Treinamento e Desenvolvimento

Treinamento e Desenvolvimento Aula 8 Treinamento e Desenvolvimento Agenda 1 2 Seminário T&D e Estratégia de RH 3 4 Treinamento & Desenvolvimento Desenvolvimento de Lideranças 1 Seminário 3 The Young and the Clueless Bunker, K. A.;

Leia mais

Anderson Barbosa / Eleni Gentil / Telefone: /3878

Anderson Barbosa / Eleni Gentil   / Telefone: /3878 P-34 Desenvolvimento da Liderança para a Cultura da Excelência ML - Sabesp Anderson Barbosa / Eleni Gentil E-mail: andersonab@sabesp.com.br / egentil@sabesp.com.br Telefone: 2681.3796 /3878 PERFIL ML Características

Leia mais

Di a s 2, 3 e 4 Di a s 3 e 4 Di a s 7, 8, 9, 1 0 e 1 1 Di a s 1 4, 1 5 e 1 6 Di a 2 1 Di a s 2 4 e 2 5 Di a 3 1 e 1 Ju n h o

Di a s 2, 3 e 4 Di a s 3 e 4 Di a s 7, 8, 9, 1 0 e 1 1 Di a s 1 4, 1 5 e 1 6 Di a 2 1 Di a s 2 4 e 2 5 Di a 3 1 e 1 Ju n h o Di a s 2, 3 e 4 Di a s 3 e 4 Di a s 7, 8, 9, 1 0 e 1 1 Di a s 1 4, 1 5 e 1 6 Di a 2 1 Di a s 2 4 e 2 5 Di a 3 1 e 1 Ju n h o I SO 5 0 0 0 1 SI STEM A DE GESTÃ O DA ENERGI A LEA N OFFI CE TP M TOTA L P

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) 1 Índice I Disposições Legais...3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

Universidade de Aveiro 2010/02/05

Universidade de Aveiro 2010/02/05 Universidade de Aveiro 2010/02/05 Conteúdo - Apresentação da empresa - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação - Processo de implementação - Factores críticos de sucesso visão.c

Leia mais

Training Course. DESTINATÁRIOS Este curso destina-se a todos os colaboradores que pretendam desenvolver competências interpessoais.

Training Course. DESTINATÁRIOS Este curso destina-se a todos os colaboradores que pretendam desenvolver competências interpessoais. MBA ASSESSMENT & DEVELOPMENT CENTER DESCRIÇÃO O Assessment Center é uma ferramenta que ajuda a conhecer e explorar melhor as competências e habilidades dos profissionais, tratando-se de um processo de

Leia mais

Deveres do empregador no que respeita à Formação Profissional

Deveres do empregador no que respeita à Formação Profissional Formação Profissional O QUE DIZ A LEI Deveres do empregador no que respeita à Formação Profissional Contribuir para a elevação da produtividade e empregabilidade do trabalhador, nomeadamente proporcionando-lhe

Leia mais

Como desenvolver competências profissionais para a produtividade na indústria gráfica

Como desenvolver competências profissionais para a produtividade na indústria gráfica Como desenvolver competências profissionais para a produtividade na indústria gráfica Refletir sobre o impacto da capacitação no aumento da produtividade. Identificar e discutir alternativas e soluções

Leia mais

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR Quem Somos QUEM SOMOS A Bioqual é uma empresa especializada em Qualidade, Higiene e Segurança Alimentar. Presente em todo o país através de uma rede de escritórios, com consultores especializados e experiência

Leia mais

3. Balanced Scorecard. 3.1 Introdução

3. Balanced Scorecard. 3.1 Introdução 3. Balanced Scorecard 3.1 Introdução 1 Utilização do BSC 60% das empresas do Fortune1000 utilizava o BSC (Silk, 1998) 30% de 163 empresas inglesas de manufactura com vendas acima de 50 milhões implementaram

Leia mais

Gestão de Pessoas MÓDULO II

Gestão de Pessoas MÓDULO II O DIFERENCIAL É O TALENTO HUMANO: Gestão de Pessoas MÓDULO II Prof. Ms. Fábio Lúcio Gomes fabiodobu@gmail.com Administração de RH Abrange o conjunto de técnicas e instrumentos que permitem às organizações

Leia mais

ESCRITORIO DE PROCESSOS

ESCRITORIO DE PROCESSOS ESCRITORIO DE PROCESSOS Vamos fazer uma breve descrição de escritório de processos e uma aplicação a um caso real numa empresa fictícia. Consuelo del Valle Campos Amanda Monteiro de Góis Luiza Milagres

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS As ações da UFAL para apoio aos funcionários, visando sua capacitação externa (participação em eventos e cursos fora da UFAL), são... Página 1141 de 1590 As ações da UFAL para assistência aos funcionários,

Leia mais

ISQC1 Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1. Encontro na Ordem

ISQC1 Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1. Encontro na Ordem Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1 Encontro na Ordem 1 Aspectos a Abordar 1. Entrada em Vigor 2. Objectivos do ISQC1 3. Elementos do Sistema de Controlo de Qualidade 4. Aspectos Práticos

Leia mais

Engineering Solutions Consulting. Consulting

Engineering Solutions Consulting. Consulting Engineering Solutions Consulting Consulting Missão e compromisso A nossa missão é proporcionar uma abordagem inovadora, diferenciadora e que aporte valor, com uma equipa jovem, dedicada, empenhada e qualificada,

Leia mais

Por José Luís Carneiro

Por José Luís Carneiro Organização, Sistemas e Métodos Introdução Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Algumas definições Organização Associação ou instituição com objetivos definidos. Sistema Disposição das partes

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ACÇÃO TIPO: Formação Pedagógica Inicial de Formadores PÚBLICO ALVO: Futuros formadores, formadores sem formação pedagógica. DURAÇÃO: 96 Horas N.º de ACÇÕES: 1

Leia mais

PROCESSOS ADMINISTRATIVOS

PROCESSOS ADMINISTRATIVOS PROCESSOS ADMINISTRATIVOS Profª. Ms. Ana Carolina Marini ana.figueira@anhanguera.com DOCENTE Experiência - 13 anos docência - Consultorias - Desenvolvimento de projetos Bacharel em Turismo com ênfase em

Leia mais

Training Course. MBA LEADERSHIP Liderança

Training Course. MBA LEADERSHIP Liderança MBA LEADERSHIP Liderança DESCRIÇÃO Cada vez mais, a liderança assume um papel preponderante no dia-a-dia das nossas empresas. O sucesso de uma equipa está dependente da capacidade de liderança do seu líder.

Leia mais

Seja bem-vindo ao nosso Portfólio Digital. A Blueway Nossos diferenciais Clientes O que fazemos Contato

Seja bem-vindo ao nosso Portfólio Digital. A Blueway Nossos diferenciais Clientes O que fazemos Contato Seja bem-vindo ao nosso Portfólio Digital 1 2 3 4 A Blueway Nossos diferenciais Clientes O que fazemos Contato 1 Blueway Nossa organização Somos a Blueway, uma consultoria que atua na transformação organizacional

Leia mais

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa Nome da prova: Autor(es): Versão: Tipo de aplicação: População: Tempo de aplicação: Objectivos: Materiais incluídos no jogo (kit) completo: Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Portuguesa

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

Six Sigma / Lean Six Sigma

Six Sigma / Lean Six Sigma Six Sigma / Lean Six Sigma Six Sigma / Lean Six Sigma Yellow Belt Six Sigma / Lean Six Sigma Green Belt Six Sigma / Lean Six Sigma Black Belt Six Sigma / Lean Six Sigma Master Black Belt 1 Qualificações

Leia mais

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área Visão por meio das atividades de valor) Preço Prazo Assistência Técnica Modelo de gestão Análise de aspectos políticos governamentais, econômicos e legais Planejamento estratégico Orçamento empresarial

Leia mais

19/07/2016. Aula 9. Gestão do Desempenho. Prof. Lucia B. Oliveira. Prof. Lucia B. Oliveira. Agenda. Seminário. Prof. Lucia B.

19/07/2016. Aula 9. Gestão do Desempenho. Prof. Lucia B. Oliveira. Prof. Lucia B. Oliveira. Agenda. Seminário. Prof. Lucia B. Aula 9 Gestão do Desempenho Agenda 1 Seminário 2 Gestão do Desempenho 1 Seminário 4 Getting 360-Degree Feedback Right Maury A. Peiperl Harvard Business Review, 2001. Gestão do Desempenho 2 Gestão Estratégica

Leia mais

1 ª sessão. Sessão com o treinador. Participantes. Treinador. Psicólogo. Motivação para o programa

1 ª sessão. Sessão com o treinador. Participantes. Treinador. Psicólogo. Motivação para o programa 1 ª sessão Sessão com o treinador Treinador Motivação para o programa Discussão sobre a importância das competências psicológicas Descrição do programa Importância do reforço Importância da colaboração

Leia mais

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores Fundamentação Este curso apresenta de uma forma clara e recorrendo a uma metodologia teórico-prática, os conhecimentos necessários para a formação de formadores

Leia mais

As fontes de informação podem ser Erp existente Folhas de excel independentes Sistemas de controlo de máquinas Aplicações auxiliares

As fontes de informação podem ser Erp existente Folhas de excel independentes Sistemas de controlo de máquinas Aplicações auxiliares Baseados em toda a informação existente numa empresa utilizando ferramentas de exploração de dados o objectivo desta metodologia é criar ferramentas simples de monitorização dos principais processos das

Leia mais

Desenho da Estratégia Sectorial para o Desenvolvimento Estatístico. stico. Por Norah Madaya

Desenho da Estratégia Sectorial para o Desenvolvimento Estatístico. stico. Por Norah Madaya Desenho da Estratégia Sectorial para o Desenvolvimento Estatístico stico Por Norah Madaya Consultora da ScanStat,, INE, 18 de Junho,, 2008 1 VISÃO GERAL Avaliação da situação actual Análise FOFA (SWOT)

Leia mais

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva Gestão da Qualidade 1 Índice Introdução... 3 Objectivo geral... 4 Objectivos específicos... 4 Qualidade... 5 Gestão da Qualidade Total (TQM)... 6 Os princípios básicos da qualidade total são:... 7 Qualidade

Leia mais

Prof. Charles Pantoja Esteves. Administrador de Empresas Analista de Sistemas Msc. PNL e Inteligência Emocional

Prof. Charles Pantoja Esteves. Administrador de Empresas Analista de Sistemas Msc. PNL e Inteligência Emocional Prof. Charles Pantoja Esteves Administrador de Empresas Analista de Sistemas Msc. PNL e Inteligência Emocional Planejamento Estratégico Idalberto Chiaventao Arão Sapiro Editora Campus Manual do Planejamento

Leia mais

A moderna Gestão de Pessoas

A moderna Gestão de Pessoas A moderna Gestão de Pessoas RH Aula 4 Professor Douglas Pereira da Silva 1 Aspectos fundamentais da moderna Gestão de Pessoas 1. As pessoas como seres humanos. Dotados de personalidade própria e profundamente

Leia mais

Administração de Recursos Humanos

Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos Material Teórico Treinamento e Desenvolvimento Responsável pelo Conteúdo: Profa. Ms Cristiane Fontana Revisão Textual: Profa. Ms Rosemary Toffoli Treinamento e Desenvolvimento

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO VIA BSC

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO VIA BSC MEDIÇÃO DE DESEMPENHO VIA BSC Quais indicadores podem ser utilizados para avaliar um sistema operacional? Alguns Exemplos de Indicadores Qualidade; Eficiência Operacional; Grau de Inovação; Superávit;

Leia mais

O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO?

O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO? O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO? É UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DOS FATORES DE PRODUÇÃO, MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS, PROCESSOS E RECURSOS HUMANOS, VOLTADOS PARA A SOBREVIVÊNCIA DA EMPRESA, ATRAVÉS DA BUSCA CONSTANTE

Leia mais

Resultados Gerais: "Inquérito de Avaliação da Satisfação dos Colaboradores"

Resultados Gerais: Inquérito de Avaliação da Satisfação dos Colaboradores Resultados Gerais: "Inquérito de Avaliação da Satisfação dos Colaboradores" número de ações que realizou até ao presente Valid nada pouco 22 7,4 8,0 8,0 44 14,8 16,1 24,1 126 42,4 46,0 70,1 65 21,9 23,7

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SECRETARIA Serviço ou Organismo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA OS DIRIGENTES DE NÍVEL INTERMÉDIO A preencher pelo avaliador Avaliador Cargo NIF Avaliado Cargo Unidade orgânica NIF Período em avaliação a 1.

Leia mais

02/12/2014. Aula 10. Gestão do Desempenho. Prof. Lucia B. Oliveira. Prof. Lucia B. Oliveira. Agenda. Seminário. Prof. Lucia B.

02/12/2014. Aula 10. Gestão do Desempenho. Prof. Lucia B. Oliveira. Prof. Lucia B. Oliveira. Agenda. Seminário. Prof. Lucia B. Aula 10 Gestão do Desempenho Agenda 1 Seminário 2 Gestão do Desempenho 1 Seminário 4 Getting 360-Degree Feedback Right Maury A. Peiperl Harvard Business Review, 2001. Gestão do Desempenho 2 Gestão Estratégica

Leia mais

POAT/FSE QREN ( ) Critérios de Análise de Projecto

POAT/FSE QREN ( ) Critérios de Análise de Projecto POAT/FSE QREN (2007 2013) Critérios de Análise de Projecto Índice Página 1 - Critérios de análise 3 2 - Critérios comuns 4 3 - Critérios específicos 5 4 - Classificação 6 5 - Anexos 7 2 1. Critérios de

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

Graduação em Administração

Graduação em Administração Graduação em Administração Disciplina: Planejamento Estratégico Aula 7 Cadeia de Valor São José dos Campos, março de 2011 Cadeia de Valor A vantagem competitiva de uma empresa não resulta simplesmente

Leia mais

Aumento da Competitividade e

Aumento da Competitividade e data 2017-02-01 Aumento da Competitividade na Indústria Metal Mecânica na Região Metropolitana de Goiânia. Promover o aumento de produtividade com intervenções de baixo custo e foco na redução dos oito

Leia mais

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5 A Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. (ACSS, IP) é um Instituto Público, criado em 2007, integrado na administração indireta do Estado, dotado de autonomia administrativa, financeira e patrimonial

Leia mais

ROTEIRO EFICIÊNCIA, EFICÁCIA E COMPETITIVIDADE DESEMPENHO DAS ORGANIZAÇÕES EFICIÊNCIA E DESPERDÍCIO PRODUTIVIDADE PRODUTIVIDADE E QUALIDADE COMBINADAS

ROTEIRO EFICIÊNCIA, EFICÁCIA E COMPETITIVIDADE DESEMPENHO DAS ORGANIZAÇÕES EFICIÊNCIA E DESPERDÍCIO PRODUTIVIDADE PRODUTIVIDADE E QUALIDADE COMBINADAS FILIPE S. MARTINS ROTEIRO EFICIÊNCIA, EFICÁCIA E COMPETITIVIDADE DESEMPENHO DAS ORGANIZAÇÕES EFICIÊNCIA E DESPERDÍCIO PRODUTIVIDADE PRODUTIVIDADE E QUALIDADE COMBINADAS EFICÁCIA COMPETITIVIDADE DESEMPENHO

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 13 ORGANIZAÇÃO DE VENDAS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 13 ORGANIZAÇÃO DE VENDAS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 13 ORGANIZAÇÃO DE VENDAS Índice 1. Organização de vendas...3 1.1. Recrutamento e seleção de vendedores... 4 1.2. Recrutamento... 4 1.2.1. Anúncios

Leia mais

Capacitação empresarial para o Setor de Cerâmica Vermelha

Capacitação empresarial para o Setor de Cerâmica Vermelha Chamada: 1ª Chamada Edição: 2016-2019 Estado: Rio Grande do Setor: Cerâmica Capacitação empresarial para o Setor de Cerâmica Vermelha Início: 01/01/2017 Termino: 31/12/2018 Número do Projeto: 50 T erritório:

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC)

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) 1. Missão A RCRC tem por missão facilitar o acesso a informação estratégica, em vários suportes, aproximar e criar interfaces entre

Leia mais

Processos Organizacionais, Operacionais e Motivacionais

Processos Organizacionais, Operacionais e Motivacionais Processos Organizacionais, Operacionais e Motivacionais CURSO: Gestão de Pessoas nas Organizações UNIDADE: Marte PROF.: Hélio Senna TÓPICOS: Retenção de Potenciais - Remuneração - Benefícios Auditoria

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO OBJECTIVOS Nº PARTICIPANTES ENTIDADE

ACÇÃO DE FORMAÇÃO OBJECTIVOS Nº PARTICIPANTES ENTIDADE ACÇÃO DE FORMAÇÃO OBJECTIVOS Nº PARTICIPANTES ENTIDADE DURAÇÃO ANO Novo Modelo de Avaliação de Desempenho dos Funcionários Públicos Apresentar o novo modelo proposto para a administração pública. INA 8

Leia mais

Gestão de Negócios (8)

Gestão de Negócios (8) Gestão de Negócios (8) Modelo: BALANCED SCORECARD Prof. Dr. Hernan E. Contreras Alday A grande idéia O Balanced Scorecard (painel balanceado de controle) usa, essencialmente, a medição integral de desempenho

Leia mais

Planejamento estratégico. de pessoas

Planejamento estratégico. de pessoas Planejamento estratégico de pessoas PLANEJAMENTO ORGANIZACIONAL X PLANEJAMENTO DE RH O QUE É GESTÃO POR RESULTADOS? A cada nível hierárquico, o líder reúne-se com os líderes que lhe são imediatamente subordinados

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

VISÃO 2020 SER RECONHECIDO COMO A MELHOR SOLUÇÃO EM SERVIÇOS INTEGRADOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA PROPÓSITO JUNTOS PELO DESENVOLVIMENTO

VISÃO 2020 SER RECONHECIDO COMO A MELHOR SOLUÇÃO EM SERVIÇOS INTEGRADOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA PROPÓSITO JUNTOS PELO DESENVOLVIMENTO VISÃO 2020 SER RECONHECIDO COMO A MELHOR SOLUÇÃO EM SERVIÇOS INTEGRADOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA PROPÓSITO JUNTOS PELO DESENVOLVIMENTO Garantir a sustentabilidade financeira Assegurar a eficiência

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DA QUALIDADE EM IPSS E PRIVADOS (4ª edição)

CURSO DE GESTÃO DA QUALIDADE EM IPSS E PRIVADOS (4ª edição) CURSO DE GESTÃO DA QUALIDADE EM IPSS E PRIVADOS (4ª edição) A necessidade de renovar as práticas e as metodologias de intervenção social com vista a aumentar a eficácia e a eficiência do trabalho com os

Leia mais

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 Enquadramento Na Europa, 60% dos acidentes de trabalho de que resultam mortos são acidentes rodoviários, incluindo os acidentes de trajecto para o trabalho. Acidentes

Leia mais

Por Constantino W. Nassel

Por Constantino W. Nassel NORMA ISO 9000 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 REQUISITOS E LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO Por Constantino W. Nassel CONTEÚDOS O que é a ISO? O que é a ISO 9000? Histórico Normas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 213 aprovado pela portaria Cetec nº de / / Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro

Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro Sessão de Esclarecimento e Debate sobre a Reforma da Administração Pública O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SIADAP * Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro 1 O SIADAP Portaria nº1633/2007

Leia mais

Administração e Organização II

Administração e Organização II Administração e Organização II Agregar Pessoas Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br Agregar Pessoas Recrutamento / Seleção Imagem: http://blog.acelerato.com/gestao/recrutamento-e-selecao-otimizando-o-processo-nas-organizacoes/

Leia mais

Tendências na área de Recursos Humanos

Tendências na área de Recursos Humanos Tendências na área de Recursos Humanos Confira a 6ª edição do maior censo de Recursos Humanos, realizado pelo RH Portal em 2016. Veja o que os profissionais estão falando sobre a realidade do RH no mercado

Leia mais

Twendela kumwe Capacitação Institucional da Caritas de Angola Mercedes Pinto FEC ONGD. 2º Encontro Conhecimento e Cooperação 6 de junho de 2013

Twendela kumwe Capacitação Institucional da Caritas de Angola Mercedes Pinto FEC ONGD. 2º Encontro Conhecimento e Cooperação 6 de junho de 2013 Mercedes Pinto FEC ONGD 2º Encontro Conhecimento e Cooperação Objetivo geral Melhorar a eficiência e integração das intervenções da Caritas de Angola (CA) e de outras organizações envolvidas no trabalho

Leia mais

Os Campeões de Recursos Humanos: que imagem queremos de RH? Maio 2008

Os Campeões de Recursos Humanos: que imagem queremos de RH? Maio 2008 Os Campeões de Recursos Humanos: que imagem queremos de RH? Maio 2008 Dave Ulrich Os profissionais de RH insistem que seus desafios são treinar a liderança e atrair pessoas. E eu insisto que seus maiores

Leia mais

Fórum NAGEH Pessoas. Eixo: CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Data: 14/12/2015 Horário: 13:30-14:30 Apresentação: Ma. Rita Aparecida Kietis Vivolo CQH

Fórum NAGEH Pessoas. Eixo: CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Data: 14/12/2015 Horário: 13:30-14:30 Apresentação: Ma. Rita Aparecida Kietis Vivolo CQH Fórum Pessoas Eixo: CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Data: 14/12/2015 Horário: 13:30-14:30 Apresentação: Ma. Rita Aparecida Kietis Vivolo Apresentação: Indicadores de Capacitação e Desenvolvimento de Pessoal

Leia mais

377 QUADRO nº 8 - ÁREAS ORGANIZACIONAIS DA ESCOLA, SUAS SUB-ÁREAS, ATRIBUIÇÕES E ESTRUTURAS IMPLICADAS

377 QUADRO nº 8 - ÁREAS ORGANIZACIONAIS DA ESCOLA, SUAS SUB-ÁREAS, ATRIBUIÇÕES E ESTRUTURAS IMPLICADAS 377 QUADRO nº 8 - ÁREAS ORGANIZACIONAIS DA ESCOLA, SUAS SUB-ÁREAS, ATRIBUIÇÕES E ESTRUTURAS IMPLICADAS ÁREAS ORGANI- ZACIONAIS ESCOLARESs - CURRICULAR SUB-ÁREAS ORGANIZACIONAIS Concepção e Desenho do currículo

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA DA GESTÃO. Uma visão. gestão organizacional.

MODELO DE EXCELÊNCIA DA GESTÃO. Uma visão. gestão organizacional. MODELO DE EXCELÊNCIA DA GESTÃO Uma visão sistêmica da gestão organizacional. FUNDAMENTOS DA EXCELÊNCIA Pensamento Sistêmico Aprendizado organizacional Cultura de inovação Liderança e constância de propósitos

Leia mais

Objetivos do curso. Objetivo Geral

Objetivos do curso. Objetivo Geral Objetivos do curso O Projeto Pedagógico, sempre em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs), define objetivos geral e específicos, visando propiciar o processo de tomada de decisão e

Leia mais