Contribuições do SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO para a Melhoria da Qualidade da Assistência e Segurança dos Pacientes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contribuições do SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO para a Melhoria da Qualidade da Assistência e Segurança dos Pacientes"

Transcrição

1 Contribuições do SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO para a Melhoria da Qualidade da Assistência e Segurança dos Pacientes ABRIL/2011

2 O Universo de Atuação População habitantes Fonte: IBGE 2010 Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde CNES estabelecimentos leitos Fonte: CNES Março/2010

3 O Universo de Atuação Mais de 900 Organizações Prestadoras de Serviços de Saúde envolvidas no processo de Gestão da Qualidade pela metodologia do Sistema Brasileiro de Acreditação

4 Evolução do Sistema Brasileiro de Acreditação

5 Evolução do Sistema Brasileiro de Acreditação

6 Evolução do Sistema Brasileiro de Acreditação

7 Evolução do Sistema Brasileiro de Acreditação

8 Evolução do Sistema Brasileiro de Acreditação 150 Hospitais. 45 Laboratórios 22 Serviços de Hemoterapia Certificados válidos: Serviços Ambulatoriais e Pronto Atendimentos 11 Serviços de Nefrologia e Terapia Renal Substitutiva 9 Serviços de Diagnóstico por Imagem, Radioterapia e Medicina Nuclear. 1 Programa de Saúde e Prevenção de Risco 1 Farmácia Magistral 1 Lavanderia Hospitalar

9 Evolução do Sistema Brasileiro de Acreditação

10 Cenário para a Revisão do Manual Maturidade do Sistema Brasileiro de Acreditação Maior participação das Instituições Acreditadoras Maior contribuição das equipes de avaliadores, trazendo experiências de campo. Maior contribuição dos Serviços de Saúde já acreditados.

11 Manual Os Instrumentos Brasileiro de Acreditação de Avaliação2010 MARÇO/2011

12 Fundamentos da Acreditação Visão Sistêmica Liderança e Estratégias Orientação por Processos Desenvolvimento das Pessoas Foco no Cliente Foco na Prevenção Foco na Segurança Responsabilidade Socioambiental Cultura da Inovação Melhoria Contínua Orientação para Resultados

13 A Organização de Saúde Vista como um Sistema... e analisada sob todos os aspectos: Gestão e Liderança Atenção ao Paciente/Cliente Diagnóstico Apoio Técnico Abastecimento e Apoio Logístico Infra-Estrutura

14 Os Níveis Nível 1 Estrutura Processo Resultado Nível 2 Estrutura Processo Resultado Nível 3 Estrutura Processo Resultado

15 Princípio dos Níveis Nível 1 Segurança Nível 2 Gestão Integrada Nível 3 Excelência em Gestão Níveis

16 Resultados Possíveis

17 Vantagens em Acreditar Maximizar a segurança para os pacientes/clientes e profissionais da saúde Melhorar a qualidade da assistência Aprimorar a gestão Construção de equipe Colaborar com todos os interessados Aprender a melhorar continuamente

18 Principais Resultados Obtidos pelas Organizações de Saúde Certificadas Fonte: Pesquisa com Organizações Certificadas em ONA

19 Principais Barreiras (dificuldades e desafios) Enfrentadas pela Organização Fonte: Pesquisa com Organizações Certificadas em ONA

20 Modificações ao longo dos últimos anos Mudança no foco da segurança do paciente. POR QUÊ???

21 Erros Médicos Acidentes Auto Ca de Mama Aids Epidemiologia de Incidentes Causas de Mortes nos EUA Óbitos Fonte: The Institute of Medicine. To Err is Human: Building a Safer Health System, 1999.

22 Epidemiologia de Incidentes Uma em cada 10 admissões hospitalares resultará em um evento adverso, sendo metade deles evitáveis. Um terço dos eventos adversos vão causar algum tipo de dano ao paciente. Fonte: Compreendendo a Segurança do Paciente - Robert M. Wachter- 2010

23 Fases Conceito Clássico de Risk Management Entendimento da ONA 1ª Os programas de risk management apareceram nos EUA, nos anos 70, como resposta a uma explosão de ações nos tribunais contra médicos malpractice crisis. Nova Iorque teve um aumento de 564 novos casos/ano - de 1070 casos/ano para 1200 casos novos/ano em ª Do objetivo clássico de se evitar o risco financeiro das queixas em tribunal, passa-se para o objetivo de tornar o sistema de saúde mais seguro Patient Safety Movement

24 Entendimento da ONA Risk Management Defensivo Patient Safety Movement Preventivo Pró ativo

25 Entendimento da ONA O conceito de segurança do paciente deixa de ser algo ligado apenas ao controle do número de queixas em tribunais, cujo desempenho se apurava através do maior ou menor número, e passa a Promover a Segurança dos Pacientes Exigindo novas formas de medição da eficácia da assistência.

26 Entendimento da ONA Torna obrigatório os relatórios de análises de eventos evitáveis ( Error Repoting Systems ) 1. Educar os profissionais para disciplina; 2. Proteger os profissionais em caso de notificação dos eventos; 3. Mostrar que os relatórios servem para melhorar e corrigir falhas na prestação de cuidados aos pacientes.

27 Entendimento da ONA O Patient Safety Movement passa a concentrar-se mais no sub-conceito de clinical risk management, ou seja, a gestão do risco em serviços de saúde. É identificado essencialmente como a gestão dos riscos clínicos.

28 Ocorrência de Falhas na Assistência à Saúde A maioria das falhas médicas pertencem a cinco categorias: Falhas de equipamento Leitura incorreta dos exames de laboratórios Engano do tipo de sangue durante a transfusão Leitura incorreta de prescrições Cirurgia em parte errada do corpo Fonte: American Academy of Orthopaedic Surgeons. Twelve steps to a safer hospital stay, 2002 citado por Antônio Quinto Neto

29 Última revisão do Manual Brasileiro de Acreditação Baseado nas atuais práticas internacionais de segurança do paciente passa-se a estimular: A definição de uma Política Institucional de Gerenciamento de Riscos. A identificação dos risco clínicos e não clínicos em cada setor, estratificação destes riscos e definição de ações preventivas sistematizadas. Mensuração dos resultados obtidos através destas melhores práticas.

30 Relação entre Produção x Proteção x Risco x Custos Custo A tecnologia em medicina nem sempre tem como objetivo o aumento da produção e diminuição de custo; seu end-point é o aumento de vida quantidade ou qualidade + Falência Falência Alta Probabilidade de Risco Baixa Probabilidade de Risco Catástrofes Serviços Ruins - + Qualidade -

31 Desafios da Acreditação DESAFIO 1: a implementação de políticas públicas que sinalizem na direção da acreditação como estratégia válida e reconhecida para a qualificação da rede hospitalar e de serviços. DESAFIO 2: desenvolver ações para atender ao crescimento da demanda em termos de capacitação de pessoas e de manter processos de avaliação altamente qualificados (credibilidade).

32 Obrigada! Dra. Maria Carolina Moreno

Acreditação. Acreditação

Acreditação. Acreditação Acreditação Acreditação 1621132 - Produzido em Abril/2011 Acreditação Rumo ao processo de Acreditação Hospitalar e gestão da melhoria contínua, é importante salientar as principais diferenças entre licenciamento,

Leia mais

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Nossa história Cenário Cenário Nossa história Setores Previsão segundo o Plano de Trabalho Quando

Leia mais

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde"

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde" QUALIHOSP São Paulo 18/04/2011 Maria Angela da Paz Gerência Geral de Tecnologia em Serviço de Saúde - GGTES - ANVISA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Leia mais

Define-se Acreditação como um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado.

Define-se Acreditação como um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado. Define-se Acreditação como um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado. Uma maneira diferente de focar a avaliação. Processo interativo,

Leia mais

A segurança do paciente na Farmacovigilância. Zenith Rosa Silvino

A segurança do paciente na Farmacovigilância. Zenith Rosa Silvino A segurança do paciente na Farmacovigilância Zenith Rosa Silvino NOTIVISA - VIGIPÓS O NOTIVISA é o sistema de informação que visa fortalecer a vigilância pós-uso/ póscomercialização, hoje conhecida como

Leia mais

Analista em ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

Analista em ACREDITAÇÃO EM SAÚDE Analista em ACREDITAÇÃO EM SAÚDE Focada na formação intelectual e no desenvolvimento de pessoas para integrarem e inovarem a nova cultura de negócios do XXI, a FAN oferece cursos para graduação e especialização

Leia mais

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos Gestão de Processos na Saúde Marcelo.Aidar@fgv.br 1 Gestão de Processos Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos 2 O Ambiente de Negócios e os Stakeholders AMBIENTE DE AÇÃO INDIRETA

Leia mais

CONTEÚDO 6 - GERENCIAMENTO DE RISCO. Profª Drª Melissa Rodrigues de Lara

CONTEÚDO 6 - GERENCIAMENTO DE RISCO. Profª Drª Melissa Rodrigues de Lara CONTEÚDO 6 - GERENCIAMENTO DE RISCO É a probabilidade de uma ocorrência afetar positiva ou negativamente a capacidade de uma organização de atingir seus objetivos. É mensurada pela combinação das consequências

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DA REDE HOSPITALAR UNIMED VITÓRIA

QUALIFICAÇÃO DA REDE HOSPITALAR UNIMED VITÓRIA QUALIFICAÇÃO DA REDE HOSPITALAR UNIMED VITÓRIA 18 de Novembro de 2016 UNIMED VITÓRIA / ES 328.000 CLIENTES, SENDO DESTES, 32.000 EM ATENÇÃO PRIMÁRIA; 2.360 MÉDICOS COOPERADOS; 260 PRESTADORES DE SERVIÇO;

Leia mais

DNV. "Como as acreditadoras estão contribuindo para a melhoria da qualidade e o aumento da segurança dos pacientes em serviços de saúde?

DNV. Como as acreditadoras estão contribuindo para a melhoria da qualidade e o aumento da segurança dos pacientes em serviços de saúde? DNV "Como as acreditadoras estão contribuindo para a melhoria da qualidade e o aumento da segurança dos pacientes em serviços de saúde?" Internal Auditor ISO 9000 Why audit and what is an audit? Internal

Leia mais

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação ACREDITAÇÃO HOSPITALAR Análise Crítica da Pré e Pós Certificação A qualidade não é um conjunto de técnicas, é a maneira de pensar o seu próprio negócio e isso não da pra copiar. Fonte: hsm.com.br Hospital

Leia mais

UNIMED PAULISTANA SEDIMENTAÇÃO DA CULTURA DE NOTIFICAÇÃO DE EVENTO SENTINELA HOSPITAL UNIMED SANTA HELENA

UNIMED PAULISTANA SEDIMENTAÇÃO DA CULTURA DE NOTIFICAÇÃO DE EVENTO SENTINELA HOSPITAL UNIMED SANTA HELENA UNIMED PAULISTANA SEDIMENTAÇÃO DA CULTURA DE NOTIFICAÇÃO DE EVENTO SENTINELA HOSPITAL UNIMED SANTA HELENA Lidiana Oliveira Mendes Vanessa Esperidião da Silva Tatiane Silva Vieira UNIMED PAULISTANA 252

Leia mais

Gestão à Vista: Transparência e Produtividade na Comunicação Organizacional. Adriana Daum Machado Assessora da Qualidade

Gestão à Vista: Transparência e Produtividade na Comunicação Organizacional. Adriana Daum Machado Assessora da Qualidade Gestão à Vista: Transparência e Produtividade na Comunicação Adriana Daum Machado Assessora da Qualidade MERIDIONAL DADOS DADOS 2012 2012 HOSPITAL PRIVADO COM FINS LUCRATIVOS 169 LEITOS 62 LEITOS DE UTI

Leia mais

Gestão da Segurança Gestão por Times. Nova Visão

Gestão da Segurança Gestão por Times. Nova Visão Gestão da Segurança Gestão por Times Nova Visão Gestão da Segurança Nova Visão A qualidade do cuidado em saúde é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como: o grau em que os serviços de saúde

Leia mais

Qualidade e Acreditação x Proteção Radiológica. Diretor de Qualidade Profissional SBHCI

Qualidade e Acreditação x Proteção Radiológica. Diretor de Qualidade Profissional SBHCI Qualidade e Acreditação x Proteção Radiológica Hélio Castello Diretor de Qualidade Profissional SBHCI I Workshop Nacional sobre Proteção Radiológica em Cardiologia Intervencionista - 2012 Hemodinâmica

Leia mais

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 leitos 19 leitos de UTI 5 Salas Cirúrgicas 300 Cirurgias/mês

Leia mais

Plano de Segurança do paciente

Plano de Segurança do paciente Plano de Segurança do paciente Enfª. M e Jovana Toniato . Plano de Segurança do Paciente Documento que aponta situações de risco e descreve as estratégias e ações definidas pelos serviços de saúde visando

Leia mais

O papel do farmacêutico na segurança do paciente

O papel do farmacêutico na segurança do paciente O papel do farmacêutico na segurança do paciente Vanusa Barbosa Pinto Diretora da Divisão de Farmácia ICHC Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP Cenário Assistência Farmacêutica Hospitalar

Leia mais

Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva

Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva VI Simpósio Internacional de Enfermagem (SIEN) Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva Daniela Benevides Ortega Enfermeira da UTI

Leia mais

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde O Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES foi implantado em 29 de dezembro de 2000, através da Portaria SAS n.º 511. O CNES abrange a todos os estabelecimentos

Leia mais

Santa Casa de Misericórdia de Passos. Fragmentação ECOeficiente de Documentos

Santa Casa de Misericórdia de Passos. Fragmentação ECOeficiente de Documentos Santa Casa de Misericórdia de Passos Fragmentação ECOeficiente de Documentos Autor: Christian Junior de Brito E-mail: assepsia@scpassos.org.br, brito.christian@bol.com.br Telefone: (35) 3529-1409 (35)

Leia mais

Case Unidade de Processamento de Roupas do Hospital Monte Sinai Juiz de Fora - MG

Case Unidade de Processamento de Roupas do Hospital Monte Sinai Juiz de Fora - MG Case Unidade de Processamento de Roupas do Hospital Monte Sinai Juiz de Fora - MG Janaína Reis ANO 2016 Hospital Monte Sinai Juiz de Fora MG Missão e Visão Missão: Prestar assistência hospitalar com qualidade,

Leia mais

Tendências na Assistência à Saúde: Impactos da Crise Econômica na Sáude

Tendências na Assistência à Saúde: Impactos da Crise Econômica na Sáude Tendências na Assistência à Saúde: Impactos da Crise Econômica na Sáude Fábio Sinisgalli Diretor Geral do Grupo Nossa Senhora de Lourdes Conselheiro da ANAHP Diretor do Sindhosp Apresentação Grupo Nossa

Leia mais

Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios 2010 QUALIFICARE Programa de Qualificação de Recursos Próprios Fesp

Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios 2010 QUALIFICARE Programa de Qualificação de Recursos Próprios Fesp Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios 2010 12/5/2010 QUALIFICARE Programa de Qualificação de Recursos Próprios Unimed no Estado de São Paulo Singulares - 73 Intrafederativas - 6 Federação

Leia mais

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica.

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Enf. Ana Paula de Mattos Coelho Hemodinâmica - Hospital TotalCor E-mail: acoelho@totalcor.com.br Joint Commission Acreditação do atendimento hospitalar;

Leia mais

Rastrear Medicamentos em Ambiente Hospitalar

Rastrear Medicamentos em Ambiente Hospitalar Rastrear Medicamentos em Ambiente Hospitalar Como melhorar as operações logísticas e garantir a segurança do paciente no circuito da Farmácia Hospitalar? Sofia Valongo Vasco Antunes Pereira 25 Junho 2015

Leia mais

Gestão da Segurança em Saúde

Gestão da Segurança em Saúde Gestão da Segurança em Saúde Fernanda P. Fernandes dos Anjos Consultora de Gerenciamento e Vigilância do Risco Diretoria de Prática Assistencial, Qualidade, Segurança e Meio Ambiente 44.000-98.000 mortes

Leia mais

Santa Casa Fundada. Inaugurada em 1826

Santa Casa Fundada. Inaugurada em 1826 Santa Casa Fundada em 1803 Inaugurada em 1826 PERFIL Organização Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre Instituição de direito privado, filantrópica, de ensino e assistência social, reconhecida

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 03/2010 DATA DA ENTRADA: 25 de janeiro de 2010 INTERESSADO: Dr. C. F. G. G. CONSELHEIRO

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE: TÓPICOS ESPECIAIS PARA ACREDITAÇÃO NÍVEL I - MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO (ONA)

GESTÃO DA QUALIDADE: TÓPICOS ESPECIAIS PARA ACREDITAÇÃO NÍVEL I - MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO (ONA) GESTÃO DA QUALIDADE: TÓPICOS ESPECIAIS PARA ACREDITAÇÃO NÍVEL I - MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO (ONA) Enf. Roberto Nascimento de Albuquerque FUNDAMENTOS DA ACREDITAÇÃO Os requisitos do Manual Brasileiro

Leia mais

Unimed 2ª Opinião ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED!

Unimed 2ª Opinião ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED! ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED! CONCEITO O Inova Unimed é um movimento de renovação que visa a modernização estrutural, operacional e administrativa da Unimed Vale do Aço. OBJETIVOS SATISFAZER

Leia mais

Programa de Acreditação CBA-JCI Como estamos???

Programa de Acreditação CBA-JCI Como estamos??? QUALIHOSP Qualidade e Segurança São Paulo, 18 de Abril de 2011 Programa de Acreditação CBA-JCI Como estamos??? Heleno Costa Junior Relações Institucionais e Educação Mitos E Verdades... Mitos... 1. Acreditação

Leia mais

Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, E.P.E. Regina Dias Bento PROCESSO DE ACREDITAÇÃO

Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, E.P.E. Regina Dias Bento PROCESSO DE ACREDITAÇÃO , E.P.E. PROCESSO DE ACREDITAÇÃO Agenda Enquadramento das questões da Acreditação Razões de escolha da Joint Commission O modelo JCI PORQUÊ A ACREDITAÇÃO NOS HOSPITAIS? Mas o que é a Acreditação? Processo

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE Complexidades e paradigmas

GESTÃO DA QUALIDADE Complexidades e paradigmas Será a acreditação o melhor remédio? Motivadores para os hospitais buscarem a acreditação: 1.Melhoria dos processos; 2.Reconhecimento do hospital (imagem); 3.Avaliação mais objetiva da qualidade; 4.Pressões

Leia mais

Prof. Márcio Batista

Prof. Márcio Batista Prof. Márcio Batista OBJETIVOS DA AULA Conhecer os principais conceitos em farmácia hospitalar. Conhecer os aspectos técnicos e legais de localização, construção e instalação e estruturação da farmácia

Leia mais

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz Perfil O Hospital Alemão Oswaldo Cruz é uma associação civil de direito privado, sem fins econômicos ou lucrativos de caráter

Leia mais

INDICADORES EM RADIOTERAPIA RACIOCÍNIO CRÍTICO

INDICADORES EM RADIOTERAPIA RACIOCÍNIO CRÍTICO INDICADORES EM RADIOTERAPIA RACIOCÍNIO CRÍTICO Enfª Katia Moreira Enfª Maria Cavalcanti Enfª Fabiana Verdan INCA 74 ANOS DE HISTÓRIA INCA DE HOJE O INCA DE AMANHÃ MISSÃO Ações nacionais integradas para

Leia mais

Processo de Certificação. Grupo PMQ

Processo de Certificação. Grupo PMQ Processo de Certificação da Operadora RN 277 Grupo PMQ UNIMED São José do Rio Preto Cooperados 1391 Clínicas 137 Hospitais 27 Sendo 14 Santa Casas e 13 Hospitais privados Serviços de Diagnose 111 Laboratórios

Leia mais

Manual De Estudo Hospital Felício Rocho Educação Continuada 2 /2014

Manual De Estudo Hospital Felício Rocho Educação Continuada 2 /2014 Manual De Estudo Hospital Felício Rocho Educação Continuada 2 /2014 Prezado (a) Participante, Neste Manual estão importantes informações sobre o Planejamento Estratégico do HFR e sobre Acreditação/Certificação

Leia mais

Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles

Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles Airton Bagatini Vice-Presidente da SBA Corresponsável pelo CET do SANE Coordenador da Perspectiva Assistencial

Leia mais

GOVERNANÇA CLÍNICA: como aumentar a efe9vidade (PRODUTIVIDADE) do uso do leito hospitalar? José Carlos Serufo Filho

GOVERNANÇA CLÍNICA: como aumentar a efe9vidade (PRODUTIVIDADE) do uso do leito hospitalar? José Carlos Serufo Filho GOVERNANÇA CLÍNICA: como aumentar a efe9vidade (PRODUTIVIDADE) do uso do leito hospitalar? José Carlos Serufo Filho Soluções Antes de propor soluções é necessário saber dimensionar o tamanho do seu problema,

Leia mais

METAS INTERNACIONAIS DE SEGURANÇA DO PACIENTE VERA LUCIA DE SOUZA ALVES

METAS INTERNACIONAIS DE SEGURANÇA DO PACIENTE VERA LUCIA DE SOUZA ALVES METAS INTERNACIONAIS DE SEGURANÇA DO PACIENTE VERA LUCIA DE SOUZA ALVES Doutoranda da Universidade Federal de São Paulo Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Administração dos Serviços de Saúde e Gerenciamento

Leia mais

metas do plano de trabalho

metas do plano de trabalho Associação das Pioneiras Sociais Rede SARAH de Hospitais de Reabilitação Acompanhamento das metas do plano de trabalho 2016 Acompanhamento das metas do plano de trabalho 2016 1º semestre 2016 Conforme

Leia mais

Desafios para o Investimento Hospitalar no Sistema Unimed. Fábio Leite Gastal, MD, PhD

Desafios para o Investimento Hospitalar no Sistema Unimed. Fábio Leite Gastal, MD, PhD Desafios para o Investimento Hospitalar no Sistema Unimed Fábio Leite Gastal, MD, PhD Desafios para o Investimento Hospitalar no Sistema Unimed Fábio Leite Gastal, MD, PhD Superintendente Médico Assistencial

Leia mais

Prefeitura de Goiânia Secretaria Municipal de Saúde Processo N.º

Prefeitura de Goiânia Secretaria Municipal de Saúde Processo N.º Prefeitura de Goiânia Secretaria Municipal de Saúde Processo N.º 30.373.294 Extrato Partícipes: IDTECH e o Município de Goiânia-GO Órgão Supervisor: SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA Objeto Principal

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

08/04/2016. Click to edit Master subtitle style

08/04/2016. Click to edit Master subtitle style Click to edit Master subtitle style CHECAGEM BEIRA LEITO Hospital Unimed Recife III Autor: Dr. Fernando José Barbosa da Cruz Diretor Médico Enf Ana Paula Vasconcelos de Farias Supervisora Geral de Enfermagem

Leia mais

Acreditação - Diferentes Perspectivas para o Futuro Visão da Associação Nacional dos Hospitais Privados

Acreditação - Diferentes Perspectivas para o Futuro Visão da Associação Nacional dos Hospitais Privados Acreditação - Diferentes Perspectivas para o Futuro Visão da Associação Nacional dos Hospitais Privados Francisco Balestrin Presidente do Conselho de Administração ANAHP Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

Sistemas de Informação Hospitalares (Healthcare Information Systems)

Sistemas de Informação Hospitalares (Healthcare Information Systems) Sistemas de Informação Hospitalares (Healthcare Information Systems) Tópicos Contexto Evolução Requisitos de Informação Benefícios Funções e Componentes Futuro HCIS - Contexto Organizações de saúde são

Leia mais

Identificação Visual x Segurança do Paciente Shirley Frosi Keller

Identificação Visual x Segurança do Paciente Shirley Frosi Keller Identificação Visual x Segurança do Paciente Shirley Frosi Keller Farmacêutica pela ULBRA - 1997 Coordenadora Serviço de Farmácia do HMV 1997 - Jul/15 Coordenadora Serviço de Farmácia da Hospitalar Home

Leia mais

Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim

Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim Você sabe fazer a nova auto-avaliação? Conheça os atalhos Marcelo Kós Diretor Técnico de Assuntos Industriais - Abiquim A Estrutura do Atuação Responsável Elemento Visão Missão Valores Princípios Diretrizes

Leia mais

Programas de Acreditação

Programas de Acreditação Programas de Acreditação Diego Núñez García Director de Acreditación de Centros y Unidades Asistenciales Conteúdo Programas de Acreditação das Unidades de Saúde Processo de Acreditação Aplicação informática

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPETÊNCIA EM CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPETÊNCIA EM CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPETÊNCIA EM CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 520 h Período de Duração:

Leia mais

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Portaria MS 2.616 / 98 regulamenta as ações de controle de infecção hospitalar no país Estabelece o serviço de farmácia como membro consultor da Comissão

Leia mais

Superintendência de Gestão, Planejamento e Finanças Gerência de Contratos e Convênios ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO

Superintendência de Gestão, Planejamento e Finanças Gerência de Contratos e Convênios ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO 1. ATIVIDADES MÍNIMAS A REALIZAR 1.1. ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Produção. 1.1.1. Realizar, no mínimo, 90% da meta estabelecida no Plano de Metas de 1.1.2. O indicador de aferição

Leia mais

Coordenação-Geral de Atenção Domiciliar/DAB/SAS/MS

Coordenação-Geral de Atenção Domiciliar/DAB/SAS/MS Coordenação-Geral de Atenção Domiciliar/DAB/SAS/MS Reflexões sobre Atenção Domiciliar Causas da expansão do cuidado domiciliar mundial: Resposta a mudança do padrão demográfico e patológico Insuficiência

Leia mais

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR: Uma alternativa para a crise?

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR: Uma alternativa para a crise? ACREDITAÇÃO HOSPITALAR: Uma alternativa para a crise? Abril/2016 O que é Acreditação Hospitalar? A Acreditação Hospitalar é um método de avaliação voluntário, periódico e reservado que busca a melhoria

Leia mais

TQM Total Quality Management

TQM Total Quality Management TQM Total Quality Management Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT O que é TQM? Administração da Qualidade Total total quality management (TQM) Pode ser visto como uma extensão lógica da maneira como a

Leia mais

Exemplos Práticos de Eficiência em Instituições de Saúde: A Experiência do Hospital das Clínicas da UFMG

Exemplos Práticos de Eficiência em Instituições de Saúde: A Experiência do Hospital das Clínicas da UFMG Exemplos Práticos de Eficiência em Instituições de Saúde: A Experiência do Hospital das Clínicas da UFMG Quem somos: Hospital universitário público, geral, credenciado para atendimento a todas as especialidades

Leia mais

Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura.

Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura. Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura Artur Vaz 23 de Maio de 2015 To become the leading healthcare provider through

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO

EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO 18 de Novembro 2016 ENQUADRAMENTO Hospital gerido em regime de Parceria Público-Privada, prestador de cuidados de saúde diferenciados, integrado na rede do SNS

Leia mais

PERIGO E RISCO 29/10/2012

PERIGO E RISCO 29/10/2012 1 PERIGO E RISCO PERIGO: Sempre estará presente em qualquer lugar que se esteja, pois é inerente à atividade que se faz ou à substância que se manuseia. 2 1 PERIGO E RISCO RISCO: É a possibilidade que

Leia mais

DEPARTAMENT0 DE ECONOMIA DA SAÚDE, INVESTIMENTOS E DESENVOLVIMENTO DESID/SE/MS

DEPARTAMENT0 DE ECONOMIA DA SAÚDE, INVESTIMENTOS E DESENVOLVIMENTO DESID/SE/MS DEPARTAMENT0 DE ECONOMIA DA SAÚDE, INVESTIMENTOS E DESENVOLVIMENTO DESID/SE/MS COORDENAÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DE INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA EM SAÚDE - CQIS/DESID MARCELO SETTE GUTIERREZ Coordenador Economia

Leia mais

Material preparado e disponibilizado por: Luiz Carlos Ribeiro Lamblet Enfermeiro Epidemiologista do Serviço de. Hospital Israelita Albert Einstein SP

Material preparado e disponibilizado por: Luiz Carlos Ribeiro Lamblet Enfermeiro Epidemiologista do Serviço de. Hospital Israelita Albert Einstein SP Material preparado e disponibilizado por: Luiz Carlos Ribeiro Lamblet Enfermeiro Epidemiologista do Serviço de Controle o de Infecção Hospitalar osptaa Hospital Israelita Albert Einstein SP 2009 Manual

Leia mais

Protecção de Dados na Informação de Saúde

Protecção de Dados na Informação de Saúde Protecção de Dados na Informação de Saúde Proteção de Dados um Direito Fundamental Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973) Convenção 108 do Conselho da Europa (1981); Diretiva 95/46/CE Carta

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 0. Introdução 1 Roteiro Definição Justificativa Fontes de Requisitos Análise/Avaliação de Riscos Seleção de Controles Ponto de Partida Fatores Críticos

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS DA FARMÁCIA CLÍNICA E DA PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA S Ã O P A U L O, 2 8 D E J U L H O D E

ASPECTOS JURÍDICOS DA FARMÁCIA CLÍNICA E DA PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA S Ã O P A U L O, 2 8 D E J U L H O D E ASPECTOS JURÍDICOS DA FARMÁCIA CLÍNICA E DA PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA S Ã O P A U L O, 2 8 D E J U L H O D E 2 0 1 6 FARMÁCIA CLÍNICA Definição da Sociedade Europeia de Farmácia Clínica: "uma especialidade

Leia mais

Patrícia Santiago Carvalho Supervisora Bloco Operatório Patrícia do Carmo Lourenço Enfermeira da Central de Material e Esterilização

Patrícia Santiago Carvalho Supervisora Bloco Operatório Patrícia do Carmo Lourenço Enfermeira da Central de Material e Esterilização Patrícia Santiago Carvalho Supervisora Bloco Operatório Patrícia do Carmo Lourenço Enfermeira da Central de Material e Esterilização Unimed São José dos Campos - SP INTRODUÇÃO A origem da Campanha Cirurgias

Leia mais

Políticas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade

Políticas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade Políticas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade A Elétrica Sena Campos, empresa prestadora de serviços no ramo de manutenção elétrica tem como principal valor preservar a integridade física, mental

Leia mais

ISO 17025: POSSÍVEL DE SER IMPLANTADA EM UM LABORATÓRIO DE EMPRESA?

ISO 17025: POSSÍVEL DE SER IMPLANTADA EM UM LABORATÓRIO DE EMPRESA? ISO 17025: POSSÍVEL DE SER IMPLANTADA EM UM LABORATÓRIO DE EMPRESA? DORY WORCMAN BARNINKA GARANTIA DA QUALIDADE ALIMENTOS IX Simpósio Internacional ABRAPA de Inocuidade de Alimentos 15 de junho de 2010

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012 Altera a Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, que dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde, para tornar obrigatória a cobertura de assistência

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA. Controle de Qualidade no Laboratório de Análises Clínicas

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA. Controle de Qualidade no Laboratório de Análises Clínicas CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA Controle de Qualidade no Laboratório de Análises Clínicas Profa. Dra. Ângela Líbia M. P. Cardoso www.ufam.edu.br angelalibia@gmail.com Fone: 9254 6673 02 QUALIDADE NO LAC

Leia mais

Ricardo Augusto Bordin Guimarães Auditoria Administrativa Hospitalar ricardo@rgauditoria.com.br (51) 9841.7580 www.rgauditoria.com.br www.twitter.com/ricardorgaud Qualidade e Gestão em Saúde através da

Leia mais

ANEXO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGULARIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS SUJEITOS À VIGILÂNCIA SANITÁRIA SUMÁRIO

ANEXO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGULARIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS SUJEITOS À VIGILÂNCIA SANITÁRIA SUMÁRIO ANEXO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGULARIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS SUJEITOS À VIGILÂNCIA SANITÁRIA SUMÁRIO 1 - Laboratórios de Análises Clínicas, Pesquisa e Anatomia Patológica, Posto de Coleta de Laboratório

Leia mais

23/10/2014. DIRETRIZES BÁSICAS DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - CNEN-NN-3.01 jan/05 COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR

23/10/2014. DIRETRIZES BÁSICAS DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - CNEN-NN-3.01 jan/05 COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR Tabela 13.1 Recomendações sobre os limites de dose de radiação para IOE Ss (ou trabalhadores com radiação na nomenclatura das recomendações mais antigas). Na 1ª coluna está o ano, na 2ª coluna o país (comissão

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH. Diana Palhano Ludmila Ventilari

CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH. Diana Palhano Ludmila Ventilari CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH MITRAUD Diana Palhano Ludmila Ventilari O que é Qualidade? Conceito de gestão: Conforme Deming: é a satisfação do cliente e melhoria contínua O que

Leia mais

Dra. Sandra Abrantes Krug Seabra Abril 2014 I Congresso Internacional sobre Segurança do Paciente ISMP Brasil V Fórum Internacional sobre Segurança

Dra. Sandra Abrantes Krug Seabra Abril 2014 I Congresso Internacional sobre Segurança do Paciente ISMP Brasil V Fórum Internacional sobre Segurança Dra. Sandra Abrantes Krug Seabra Abril 2014 I Congresso Internacional sobre Segurança do Paciente ISMP Brasil V Fórum Internacional sobre Segurança do Paciente: Erros de Medicação Fatores Críticos de Sucesso

Leia mais

Cursos / Treinamentos

Cursos / Treinamentos Cursos / Treinamentos Carga Horária 1 Estatística Básica em Todos os Níveis. 16 Horas 2 Estatística Avançada. 60 Horas 3 Formação de Auditores Internos da Qualidade. 32 Horas 4 Controle Estatístico de

Leia mais

04/07/2008 Dra. Claudia Meira

04/07/2008 Dra. Claudia Meira 42º Congresso Brasileiro de Patologia Clinica / Medicina Laboratorial 04/07/2008 Não-conformidades: Como tratá-las de forma eficaz? 04/07/2008 04/07/2008 Como classificá-las? A competitividade é a palavra

Leia mais

Erros em Radioterapia: Qual o papel do técnico para minimizá-los?

Erros em Radioterapia: Qual o papel do técnico para minimizá-los? Erros em Radioterapia: Qual o papel do técnico para minimizá-los? MIRELLA LÓRA ZANGRANDI Física Médica Hospital Santa Águeda - PE Mestranda Universidade de Heidelberg - Alemanha 01 de junho de 2013 Acidentes

Leia mais

CENTRO DE PROCEDIMENTO E APOIO

CENTRO DE PROCEDIMENTO E APOIO CENTRO DE PROCEDIMENTO E APOIO Zona Norte Zona Leste Av. Água Fria, 135- Santana Av. Celso Garcia, 4974 -Tatuapé Para atender as necessidades de mercado e se tornar ainda mais competitiva, a Unimed adotou

Leia mais

GRUPO NOSSA SENHORA DE LOURDES

GRUPO NOSSA SENHORA DE LOURDES GRUPO NOSSA SENHORA DE LOURDES 2006 Apresentação GV Novos modelos de financiamento: HOSPITAL NOSSA SENHORA DE LOURDES Fundo imobiliário Dr Cicero Aurélio Sinisgalli Diretor Presidente 05.03.2007 O GRUPO

Leia mais

Programa Nacional de Segurança do Paciente e sua aplicação no campo das urgências uma compreensão do contexto.

Programa Nacional de Segurança do Paciente e sua aplicação no campo das urgências uma compreensão do contexto. Programa Nacional de Segurança do Paciente e sua aplicação no campo das urgências uma compreensão do contexto. Congresso Internacional Agosto 2014 Andréa Drumond Preocupação com a qualidade do cuidado

Leia mais

para Produtos para Saúde

para Produtos para Saúde Programas de Avaliação da Conformidade para Produtos para Saúde São Paulo, 07 de junho de 2011 Andréia Quintana Divisão de Programas de Avaliação da Conformidade Diretoria da Qualidade Inmetro Quem Somos

Leia mais

Conhecendo alguns Conceitos PERIGOS E RISCOS

Conhecendo alguns Conceitos PERIGOS E RISCOS Conhecendo alguns Conceitos PERIGOS E RISCOS O que você já ouviu falar sobre risco? RISCOS AMBIENTAIS São considerados riscos ambientais os agentes: Físicos; Químicos; Biológicos. Ergonômicos Acidentes

Leia mais

HOSPITAL SUSTENTÁVEL

HOSPITAL SUSTENTÁVEL HOSPITAL SUSTENTÁVEL QUEM SOMOS Ser uma instituição inovadora e resolutiva na assistência e promoção à saúde. Essa é a missão do Hospital Bandeirantes, que completa 70 anos em maio. Possui Centros de Referência

Leia mais

A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S

A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR Realizar procedimentos diagnósticos e terapêuticos, inclusive em Hemodinâmica; Prescrever e ministrar tratamento para as diversas afecções

Leia mais

A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas Sustentáveis

A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas Sustentáveis 06/11/12 A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas Sustentáveis A importância desta certificação para as Compras Públicas Sustentáveis Seminário Internacional A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas

Leia mais

COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE. (85)

COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE. (85) COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE nucit@saude.ce.gov.br (85) 3101-5234 SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE E SAÚDE BASEADA EM EVIDÊNCIAS 5 e 6 de Maio de 2009 Fortaleza / CE Comissão

Leia mais

Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química

Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade O Atuação Responsável é uma ética empresarial, compartilhada pelas empresas associadas à Abiquim Missão do Atuação Responsável Promover o aperfeiçoamento

Leia mais

MOVIMENTO GERAL DO HOSPITAL

MOVIMENTO GERAL DO HOSPITAL MOVIMENTO GERAL DO HOSPITAL SERVIÇOS OFERECIDOS PELO HOSPITAL OBJETIVO: Oferecer aos nossos clientes, pacientes, profissionais, médicos, enfermagem, técnicos e administrativos, dentro do possível, um hospital

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO: regulamentar, orientar e coordenar as atividades de promoção da saúde e prevenção da doença, definir as condições técnicas para adequada prestação de cuidados de saúde, planear e programar

Leia mais

7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos

7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos 7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos 1 Introdução Sub-Comitê de Gestão de Riscos (nov 2004) Motivação: O fortalecimento do Conselho

Leia mais

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar Aula Inaugural Introdução as Boas Práticas da Farmácia Hospitalar Kelly Braga Farmácia Hospitalar Unidade clínica, administrativa a e econômica,

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE: UMA DISCUSSÃO NECESSÁRIA

SEGURANÇA DO PACIENTE: UMA DISCUSSÃO NECESSÁRIA SEGURANÇA DO PACIENTE: UMA DISCUSSÃO NECESSÁRIA Gerli Elenise Gehrke Herr1 Fabiele Aozane2 Adriane Cristina Bernat Kolankiewicz3 1 Enfermeira no Hospital Unimed Noroeste/RS. Especialista em Enfermagem

Leia mais

25/09/2012 DEFINIÇÃO

25/09/2012 DEFINIÇÃO 1 DEFINIÇÃO Aplicação sistemática de políticas de gestão, procedimentos e práticas de análises, avaliação e controle dos riscos, com o objetivo de proteger os funcionários, o público em geral, o meio ambiente

Leia mais

Cirurgia Segura-TIME OUT em Sala Operatória (SO)

Cirurgia Segura-TIME OUT em Sala Operatória (SO) Enfª Débora Cabral Nunes Hospital Unimed de Sorocaba Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios e Jornadas Nacionais Unimed de Enfermagem, Nutrição e Farmácia Hospitalar 2011 Cirurgia Segura-TIME

Leia mais

DGH HFRJ CÂMARA TÉCNICA DA QUALIDADE E SEGURANÇA CTQS HFRJ/DGH

DGH HFRJ CÂMARA TÉCNICA DA QUALIDADE E SEGURANÇA CTQS HFRJ/DGH DGH HFRJ CÂMARA TÉCNICA DA QUALIDADE E SEGURANÇA CTQS HFRJ/DGH Contextualização do Projeto Avaliação Diagnóstica dos HFRJ - 2010 Resultado crítico em relação aos padrões internacionais de qualidade e segurança,

Leia mais

BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM

BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM 2º Congresso APEGEL - 2011 DESAFIO PARA O 3º CONGRESSO ESTRATÉGICO Competências Enfermeiro Gestor Normas e Indicadores TÁTICO Por nível OPERACIONAL ESTRATÉGICO PRÁTICA

Leia mais

Agenda Regulatória. Secretário Executivo da ANS. São Paulo, 05 de novembro de Debates GVSaúde João Luis Barroca

Agenda Regulatória. Secretário Executivo da ANS. São Paulo, 05 de novembro de Debates GVSaúde João Luis Barroca Agenda Regulatória ANS Debates GVSaúde João Luis Barroca Secretário Executivo da ANS São Paulo, 05 de novembro de 2012 Evolução do Processo de Regulação Até 1997 1997 1998 1999 2000 Debates no Congresso

Leia mais