Matemática Experimental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Matemática Experimental"

Transcrição

1 Matemática Experimental Licenciatura em Matemática Aplicada e Computação 1 o Semestre de 2011/2012 Professor responsável: Juha Videman (

2 0. Introdução Matemática Experimental é uma área de matemática que utiliza ferramentas computacionais para estudar, de forma exploratória, conceitos matemáticos. Tem sido útil para identificar aspectos que devem ser melhor estudados; explorar esses aspectos através de exemplos, gráficos, etc.; descobrir padrões e relações que permitam formular hipóteses acerca do problema em estudo; explicar esses padrões utilizando ferramentas computacionais; ajudar provar ou desprovar teorias e conjecturas; proporcionar uma abordagem mais intuitiva das demonstrações; confirmar resultados anaĺıticos através de cálculo simbólico.

3 Exemplo: Teorema das quatro cores Dado um mapa plano, dividido em regiões, não são necessárias mais de quatro cores para colori-lo de forma a que regiões vizinhas não partilhem a mesma cor. O teorema foi conjecturado por Francis Guthrie em 1852 e demonstrado pela primeira vez em 1976 por Kenneth Appel e Wolfgang Haken da Universidade de Illinois com a ajuda de um computador IBM360. Apple e Haken conseguiram reduzir o número de possíveis mapas a 1936 configurações que tinham que ser verificadas uma a uma. Em 2004 Benjamin Gonthier e Georges Werner mostraram o resultado recorrendo ao sistema Coq de demonstrações assistidas por computador. Francis Guthrie ( ), um matemático e botanista sulafricano

4 Contraexemplo? (Gardner, 1975) MathWorld é uma enciclopédia online de matemática criada por Eric Weisstein e financiada por Wolfram Research Inc

5

6 WolframAlpha é um mecanismo de conhecimento computacional desenvolvido pela Wolfram Research

7 Ver a demonstração Mondrian Four-Coloring Piet Mondrian ( ), um pintor modernista holândes

8 Exemplo: Conjectura de Kepler Qual a disposição que permita colocar o maior número de esferas no menor espaço possível? Conjectura de Kepler (1611) : é empilhá-las em pirâmide como se empilham as laranjas, um empilhamento conhecido como cúbico de face centrada (CFC). Neste caso a densidade média, isto é, a razão entre os espaços ocupado e não ocupado pelas esferas é π Johannes Kepler ( ), um matemático e astrónomo alemão

9 Em 1831, Carl Friedrich Gauss ( ) mostrou que o arranjo CFC é o mais denso dos arranjos regulares. No entanto, a eliminação dos possíveis arranjos irregulares tornou-se num problema complicado. O problema fez parte da lista de 23 problemas em aberto propostos pelo matemático alemão David Hilbert ( ) no Congresso Internacional de Matemáticos em Paris em 1900.

10 Em 1992, Thomas Hales da Universidade de Michigan afirmou que a densidade máxima de todos os arranjos podia ser determinada através de minimização de uma função com 150 variáveis. Hales completou a sua demonstração em 1998, apresentando 250 páginas de notas e 3 GB de código, dados e resultados. A demonstração foi publicada nos Annals of Mathematics, 162, (2005), depois de ter sido considerada 99% correcta pelos referees. Ver também o artigo In Math, Computers Don t Lie. Or Do They?, NYT, April 6, in-math-computers-don-t-lie-or-do-they.html

11 Exemplo: Problema dos 36 oficiais Considere seis regimentos, cada um com seis oficiais e todos eles de postos diferentes. É possível alinhar os 36 oficiais numa formação quadrada (seis linhas e seis colunas) de tal modo que cada linha e cada coluna contenha exactamente um oficial de cada patente e de cada regimento? Leonhard Euler ( ) propôs este problema em 1782 e conjecturou que ele não tem solução. Em 1901, Terry confirmou o resultado (sem ajuda de computador).

12 Um quadrado latino de ordem n é uma matriz n n preenchida com n diferentes símbolos de tal modo que cada símbolo ocorre apenas uma vez em cada linha e coluna. Dois quadrados latinos dizem-se ortogonais se os pares de símbolos formados pelas entradas de cada quadrado na mesma linha e na mesma coluna aparecem sem repetição.

13 Um quadrado latino ortogonal diz-se também quadrado greco-latino ou quadrado de Euler. Por exemplo, um quadrado greco-latino de ordem 3: A solução para o problema dos 36 oficiais teria sido um quadrado greco-latino de ordem 6 com os pares (patente, regimento).

14 A conjectura de Euler sobre quadrados greco-latinos dizia na sua forma mais geral que eles não existem quando n = 4k + 2, k = 1, 2,..., isto é, para n = 6, 10, 14,.... Em , Parker, Bose, e Shrikhande mostararam que a conjectura de Euler é falsa para todo o n 10, ou seja, existem quadrados greco-latinos de todas as ordens n 3 excepto quando n = 6. Foi um dos primeiros problemas de combinatória resolvidos pelo computador. Exercício: Construir os quadrados greco-latinos de ordem 2 e 4.

15 O puzzle Sudoku é um quadrado latino de ordem 9, dividido em nove blocos 3 3, com a restrição adicional de que os números 1 a 9 ocorrem apenas uma vez em cada bloco 3 3. O número de soluções válidas de Sudoku para uma grade 9 9 é (Felgenhauer, 2005). Qual o número mínimo de casas pré-preenchidas para que o jogo tenha apenas uma solução? É um problema em aberto o número mínimo conhecido até hoje é 17.

16 Um exemplo de um Sudoku com 16 casas preenchidas com apenas duas soluções.

17 1. Noção de algoritmo problema modelo matemático algoritmo código Mathematica

18 Abū Abdallāh ibn al-khwārizmi (c ) foi um matemático e astrônomo persa. A palavra Álgebra é derivada de al-jabr, uma das duas operações que al Khawarizmi usou para resolver equações quadráticas. As palavras algarismo e algoritmo vêm de algoritmi, a forma latina de escrever o seu nome. Na sua obra Sobre a Arte Hindu de Calcular (Algoritmi de Numero Indorum), al Khawarizmi introduziu o sistema de numeração hindu, isto é, os algarismos indo-arábicos, no mundo islâmico e ocidental.

19 Algoritmo é uma sequência finita de instruções bem definidas para resolver um problema. Um bom algoritmo deve satisfazer os seguintes critérios: os dados de entrada (input) pertencem a um conjunto bem definido; para qualquer valor (admissível) do input, o algoritmo produz a resposta correcta para o problema; cada instrução é precisa e realizável; o algoritmo termina em tempo finito.

20 Instruções fundamentais para escrever um algoritmo: atribuições x = Range[5]; z = Reverse[x] testes de variáveis If[OddQ[x[[i]]], z[[i]] = z[[i]]+x[[i]], z[[i]] = 0] While[b!= 0, {a, b} = {b, Mod[a, b]}] ciclos Do[Print[x[[i]]],{i,1,5}] For[i = 1, i <= 5, i++, Print[x[[i]]]]

21 Na fase de concepção, o algoritmo é descrito em linguagem corrente ou pseudocódigo para ser posteriormente traduzido, na fase de implementação, para linguagem de programação. Em pseudocódigo: x {1, 2, 3, 4, 5}; If x(i) is odd then z(i) z(i) + x(i) else z(i) 0; While b 0 do { a b; b a (mod b); For i 0 to 5 do Print x(i);

22 As construções If, Do e While do Mathematica: If[condition,t,f ] gives t if condition evaluates to True, and f if it evaluates to False. Do[expr, {i, imin, imax, di}] evaluates expr with i taking on the values imin through imax in steps of di. While[test,body ] evaluates test, then body, repetitively, until test fails to give True.

23 Principais operadores lógicos: p not (also input as p) p&&q&& and (also input as p q ) p q or (also input as p q ) Xor p,q, exclusive or (also input as p q ) Nand p,q, and Nor p,q, nand and nor (also input as and )

24 Principais operadores relacionais: x==y equal (also input as x == y) x!=y unequal (also input as x y) x>y greater than x>=y greater than or equal to (also input as x y) x<y less than x<=y less than or equal to (also input as x y)

25 Exemplo: Determinar o maior número de uma lista de inteiros Algoritmo em linguagem corrente: Input: x = {x 1, x 2,..., x n }, com x i Z e n N. 1. Seja t = x 1 o máximo temporário e seja i = 2 o índice do elemento da lista a ser testado. 2. Compare t com x i, se x i > t então faça t = x i. 3. Seja i = i + 1. Se houver mais elementos repita o passo Pare quando o último elemento da lista tiver sido testado.

26 Algoritmo em pseudocódigo: maximo[x : x é lista de inteiros] t x 1 ; ( o máximo temporário ) k cardinal de x; ( a lista x tem k elementos ) i 2; ( a posição do elemento a ser testado ) while i k do output : t if x i > t then t x i ; i i + 1;

27 Algoritmo em código Mathematica: maximo x_list : programação imperativa Module t, k, i, t x 1 ; k Length x ; i 2; While i k, If x i t, t x i ; i i 1 ; t

28 Teste: In[33]:= maximo 1, 2, 3, 10, 0, 0, 1 maximo 1.2, 1 6, 0, 1 maximo maximo 1 maximo v, b, a, s Out[33]= 3 Out[34]= 1.2 Part::partw : Part 1 of does not exist. Out[35]= Out[36]= Out[37]= 1 maximo 1 v

29 maximo1 x_list ; Length x 1 && x Integers : programação funcional com validação dos dados Module t, s, t First x ; Map Function s, If s t, t s, x ; t Teste: In[39]:= maximo1 2, 9, 4 maximo1 2 maximo1 8, 2.0, 3 maximo1 Out[39]= 9 Out[40]= Out[41]= Out[42]= maximo1 2 maximo1 8, 2., 3 maximo1

30 Exercício: Escrever um algoritmo em pseudocódigo para determinar o primeiro elemento de uma lista de inteiros que seja igual a algum elemento anterior. {1, 4, 2, 5, 6, 1, 2} 2

Departamento: Matemática Curso: Eng a Madeiras Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2006/2007. Aula prática n o 1 - Introdução ao MATLAB

Departamento: Matemática Curso: Eng a Madeiras Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2006/2007. Aula prática n o 1 - Introdução ao MATLAB Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento: Matemática Métodos Numéricos Curso: Eng a Madeiras Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2006/2007 Aula prática n o 1 - Introdução

Leia mais

Módulo Lógica Programação com aplicações em Java. Projeto khouse Profissionalizante Profª Larissa Brandão

Módulo Lógica Programação com aplicações em Java. Projeto khouse Profissionalizante Profª Larissa Brandão Educação Módulo Lógica e Ética de Programação com aplicações em Java Projeto khouse Profissionalizante Profª Larissa Brandão n

Leia mais

Números cruzados. Em algumas regiões o caminho torna-se mais simples. Nesta faltam os algarismos3,6

Números cruzados. Em algumas regiões o caminho torna-se mais simples. Nesta faltam os algarismos3,6 Números cruzados fi '.,' A tabela-base tem : - no total 81 casas,, : ',: - Está subdividida em...,.,00'_"'_. são as 'regiões' Pretende-se preencher cada casa com um algarismo, de 1 a 9, sem repetir algarismos

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores INTRODUÇÃO AOS ALGORITMOS E À PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES PARTE 1 Renato Dourado Maia Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Programas e Programação

Leia mais

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Computabilidade 2012/2013 Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Capítulo 1 Computabilidade 1.1 A noção de computabilidade Um processo de computação

Leia mais

Module Introduction. Programação. Cap. 4 Algoritmos e Programação Estruturada

Module Introduction. Programação. Cap. 4 Algoritmos e Programação Estruturada 5374 : Engenharia Informática 6638 : Tecnologias e Sistemas de Informação 9099 : Bioengenharia 10135 : Ciências Biomédicas Cap. 4 Algoritmos e Estruturada Module Introduction Algoritmos e Estruturada Objectivos:

Leia mais

e à Linguagem de Programação Python

e à Linguagem de Programação Python Introdução a Algoritmos, Computação Algébrica e à Linguagem de Programação Python Curso de Números Inteiros e Criptografia Prof. Luis Menasché Schechter Departamento de Ciência da Computação UFRJ Agosto

Leia mais

Cap.2.5: Design de Algoritmos e Programação Estruturada. Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código

Cap.2.5: Design de Algoritmos e Programação Estruturada. Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código Cap.2.5: Design de Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código 1 Sumário Problemas e algoritmos Desenho de algoritmos/programas Passos na construção de algoritmos Método

Leia mais

Prof. Dr. Abel Gomes (agomes@di.ubi.pt) Cap.4: Design de Algoritmos e Programação Estruturada. Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código

Prof. Dr. Abel Gomes (agomes@di.ubi.pt) Cap.4: Design de Algoritmos e Programação Estruturada. Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código Prof. Dr. Abel Gomes (agomes@di.ubi.pt) Cap.4: Design de Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código 1 Sumário Problemas e algoritmos Desenho de algoritmos/programas Passos

Leia mais

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá.

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá. INTRODUÇÃO A lógica de programação é extremamente necessária para as pessoas que queiram trabalhar na área de programação, seja em qualquer linguagem de programação, como por exemplo: Pascal, Visual Basic,

Leia mais

Aluísio Eustáquio da Silva

Aluísio Eustáquio da Silva 1 Aluísio Eustáquio da Silva SciLab Programável Material didático usado em aulas de Programação de Computadores, Algoritmos e Lógica de Programação Betim Maio de 2012 2 PROGRAMAÇÃO O SciLab permite que

Leia mais

A palavra ALGORITMO teve origem com um Matemático Persa, al. Khawarizmi. O seu trabalho mais famoso foi Al-jabr walmuquabalah,

A palavra ALGORITMO teve origem com um Matemático Persa, al. Khawarizmi. O seu trabalho mais famoso foi Al-jabr walmuquabalah, A palavra ALGORITMO teve origem com um Matemático Persa, al Khawarizmi. O seu trabalho mais famoso foi Al-jabr walmuquabalah, ou a ciência das Equações que, em última análise suscitaram o desenvolvimento

Leia mais

Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos

Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos SSC0101 - ICC1 Teórica Introdução à Ciência da Computação I Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos Prof. Vanderlei Bonato Prof. Cláudio Fabiano Motta Toledo Sumário Análise e solução de

Leia mais

Matemática Discreta para Computação e Informática

Matemática Discreta para Computação e Informática Matemática Discreta para Computação e Informática P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Matemática Discreta para Computação e Informática

Leia mais

Análise de complexidade

Análise de complexidade Introdução Algoritmo: sequência de instruções necessárias para a resolução de um problema bem formulado (passíveis de implementação em computador) Estratégia: especificar (definir propriedades) arquitectura

Leia mais

Apostila: Introdução ao Software Mathematica PROF. OSMAR ALÉSSIO

Apostila: Introdução ao Software Mathematica PROF. OSMAR ALÉSSIO Apostila: Introdução ao Software Mathematica PROF. OSMAR ALÉSSIO O fabricante do Mathematica é a Wolfram Research, líder em desenvolvimento de software de computação técnica. A empresa foi fundada em 1987

Leia mais

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Matemática - (1ª série)

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Matemática - (1ª série) Relacionar e resolver problemas que envolvem conjuntos; Reconhecer, operar e resolver problemas com conjuntos numéricos; Compreender os conceitos e propriedades aritméticas; Resolver problemas de porcentagem,

Leia mais

Circuitos Lógicos Portas Lógicas

Circuitos Lógicos Portas Lógicas Circuitos Lógicos Portas Lógicas Prof.: Daniel D. Silveira 1 Álgebra de Boole George Boole desenvolveu um sistema de análise lógica por volta de 1850 Este sistema é conhecido atualmente como álgebra de

Leia mais

Numeros felizes e sucessoes de Smarandache: digressoes com o Maple

Numeros felizes e sucessoes de Smarandache: digressoes com o Maple Numeros felizes e sucessoes de Smarandache: digressoes com o Maple by Delfim F.M. Torres Resumo Dando jus a matematica experimental, mostramos como o Maple pode ser usado na investigacao matematica de

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Professor: Renato Dourado Maia Disciplina: Programação de Computadores Curso: Engenharia de Alimentos Turma: Terceiro Período 1 Introdução

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação O que é lógica? Conjunto de regras e princípios que orientam, implícita ou explicitamente, o desenvolvimento de uma argumentação ou de um raciocínio, a resolução de um problema, etc.

Leia mais

LINGUAGENS E PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO. Ciência da Computação IFSC Lages. Prof. Wilson Castello Branco Neto

LINGUAGENS E PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO. Ciência da Computação IFSC Lages. Prof. Wilson Castello Branco Neto LINGUAGENS E PARADIGMAS DE PROGRAMAÇÃO Ciência da Computação IFSC Lages. Prof. Wilson Castello Branco Neto Conceitos de Linguagens de Roteiro: Apresentação do plano de ensino; Apresentação do plano de

Leia mais

IES-300. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br

IES-300. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br IES-300 Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br Teste de Caixa Branca 2 Teste de Componentes: Caixa Branca Teste de Caixa Branca Grafo de Fluxo de

Leia mais

TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS. Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio

TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS. Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio TERMINOLOGIA BÁSICA ALGORITMO Um algoritmo pode ser visto como uma seqüência de ações expressas em termos

Leia mais

ENIAC. Introdução aos Computadores e à Programação (Noções Básicas)

ENIAC. Introdução aos Computadores e à Programação (Noções Básicas) ENIAC Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) 1 Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) 2 O transistor foi inventado em 1947

Leia mais

3ª Lista de Exercícios Representação de dados com agregados: Arrays e Matrizes

3ª Lista de Exercícios Representação de dados com agregados: Arrays e Matrizes 1 Universidade Federal Fluminense Instituto de Computação Departamento de Ciência da Computação Programação de Computadores II Professores: Leandro A. F. Fernandes, Marcos Lage, Pedro Velloso 3ª Lista

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Introdução à Lógica de Programação Sistemas Numéricos As informações inseridas em um computador são traduzidos em dados, ou seja, em sinais que podem ser manipulados pelo computador. O computador trabalha

Leia mais

Programação com Restrições

Programação com Restrições Todos já conhecem sudoku um passatempo que consiste em completar uma coleção de números seguindo regras simples. Neste artigo veremos como, apesar de o passatempo ter regras simples,c é complicado escrever

Leia mais

Metodos de Programação

Metodos de Programação Metodos de Programação Métodos de Programação Introdução Informática, Computador, Algoritmo Informática: Ciência do processamento da informação Computador: Máquina que serve para processar informação Algoritmo:

Leia mais

Limitações dos Computadores

Limitações dos Computadores Limitações dos Computadores Baseado em Computers Ltd. What they really can t do, David Harel. Oxford University Press, 2000. Computadores e Redes de Comunicação Mestrado em Gestão de Informação, FEUP 2004/07

Leia mais

CAPITULO 5 COMANDO DE FLUXO IF

CAPITULO 5 COMANDO DE FLUXO IF CAPITULO 5 COMANDO DE FLUXO IF Sempre que for necessária a tomada de decisão dentro de um programa, você terá que utilizar um comando condicional, pois é por meio dele que o PHP decidirá que lógica deverá

Leia mais

Noções de algoritmos - Aula 1

Noções de algoritmos - Aula 1 Noções de algoritmos - Aula 1 Departamento de Física UFPel Definição de algoritmo Sequência ordenada e finita de operações para a realização de uma tarefa. Tarefa: Experimento de Física I. Passo 1: Reunir

Leia mais

1. Crie uma pasta com o seu número e nome (ex.: 99999_nnnnnn).

1. Crie uma pasta com o seu número e nome (ex.: 99999_nnnnnn). 1 Computação 2008-2009 (2.º Semestre): Exame de 21 de Julho de 2009 N.º Nome completo: Curso: Foto: Instruções: 1. Crie uma pasta com o seu número e nome (ex.: 99999_nnnnnn). 2. Guarde os ficheiros nessa

Leia mais

Linguagens de programação

Linguagens de programação Prof. André Backes Linguagens de programação Linguagem de Máquina Computador entende apenas pulsos elétricos Presença ou não de pulso 1 ou 0 Tudo no computador deve ser descrito em termos de 1 s ou 0 s

Leia mais

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Básico de Computadores Computador: dispositivos físicos + programas Dispositivos físicos: hardware Programas: as instruções que dizem aos dispositivos

Leia mais

Linguagem Matemática e as Artes

Linguagem Matemática e as Artes Linguagem Matemática e as Artes Hermes Renato Hildebrand e José Armando Valente Sumário Introdução Matemática como linguagem Capítulo 01 Etnomatemática e os Espaços de Representação 1. Etnomatemática;

Leia mais

Introdução à Computação para o Ensino Médio. Centro Técnico Científico

Introdução à Computação para o Ensino Médio. Centro Técnico Científico Introdução à Computação para o Ensino Médio Centro Técnico Científico Abril de 2010 Algoritmo: Descrição, passo a passo, de uma metodologia que conduz à resolução de um problema ou à execução de uma tarefa.

Leia mais

Fundamentos de Programação. Turma CI-240-EST. Josiney de Souza. josineys@inf.ufpr.br

Fundamentos de Programação. Turma CI-240-EST. Josiney de Souza. josineys@inf.ufpr.br Fundamentos de Programação Turma CI-240-EST Josiney de Souza josineys@inf.ufpr.br Agenda do Dia Aula 2 (07/08/15) Introdução ao Python História Características Estrutura dos código-fonte Primeiros elementos

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0. Introdução Por método numérico entende-se um método para calcular a solução de um problema realizando apenas uma sequência finita de operações aritméticas. A obtenção

Leia mais

Geração de código intermediário. Novembro 2006

Geração de código intermediário. Novembro 2006 Geração de código intermediário Novembro 2006 Introdução Vamos agora explorar as questões envolvidas na transformação do código fonte em uma possível representação intermediária Como vimos, nas ações semânticas

Leia mais

1.1. Organização de um Sistema Computacional

1.1. Organização de um Sistema Computacional 1. INTRODUÇÃO 1.1. Organização de um Sistema Computacional Desde a antiguidade, o homem vem desenvolvendo dispositivos elétricoeletrônicos (hardware) que funciona com base em instruções e que são capazes

Leia mais

Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos.

Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos. 3 COMANDOS CONDICIONAIS E DE LAÇO Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos. 3.1 COMANDOS CONDICIONAIS 3.1.1 Comando IF Como o próprio nome já indica, estes comandos

Leia mais

Introdução ao Javascript. Parte 2 Prof. Victor Hugo Lopes

Introdução ao Javascript. Parte 2 Prof. Victor Hugo Lopes Introdução ao Javascript Parte 2 Prof. Victor Hugo Lopes agenda Estruturas de comandos Modularização A primeira estrutura de comando da linguagem é baseada na noção da estrutura sequencial, no estilo top-down:

Leia mais

Javascript 101. Parte 2

Javascript 101. Parte 2 Javascript 101 Parte 2 Recapitulando O Javascript é uma linguagem de programação funcional Os nossos scripts são executados linha a linha à medida que são carregados. O código que está dentro de uma função

Leia mais

Aula 8 Circuitos Integrados

Aula 8 Circuitos Integrados INTRODUÇÃO À ENGENHRI DE COMPUTÇÃO PONTIFÍCI UNIVERSIDDE CTÓLIC DO RIO GRNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHRI ula Circuitos Integrados Introdução Portas Lógicas em Circuitos Integrados Implementação de Funções

Leia mais

PRIMEIRO BIMESTRE MATERIAL PARA ESTUDO. Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA.

PRIMEIRO BIMESTRE MATERIAL PARA ESTUDO. Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA. Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA Sistema Binário MATERIAL PARA ESTUDO PRIMEIRO BIMESTRE Para o leigo um computador, a primeira vista, pode parecer

Leia mais

Matemática Discreta Introdução

Matemática Discreta Introdução Matemática Discreta Introdução Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Olga Nikolaevna Goussevskaia olga@dcc.ufmg.br MD Introdução 1 DISCRETE Math is Real f(u) n MD Introdução 2 Introdução

Leia mais

ESTRUTURA DE DADOS PILHA

ESTRUTURA DE DADOS PILHA ESTRUTURA DE DADOS PILHA CONCEITO DE PILHAS - Pilhas são listas lineares onde a inserção de um novo item ou a remoção de um item já existente se dá em uma única extremidade, no topo. Pilha vazia Insere(A)

Leia mais

Processamento da Informação Teoria. Algoritmos e Tipos de dados

Processamento da Informação Teoria. Algoritmos e Tipos de dados Processamento da Informação Teoria Algoritmos e Tipos de dados Semana 01 Prof. Jesús P. Mena-Chalco 24/04/2013 (*) Slides adaptados das aulas do Prof. Harlen Costa Batagelo Algumas definições de algoritmo

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores INTRODUÇÃO AOS ALGORITMOS E À PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES PARTE 2 Renato Dourado Maia Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Exemplo Inicial Uma

Leia mais

Trabalho Computacional II

Trabalho Computacional II Matemática Experimental 1 Licenciatura em Matemática Aplicada e Computação, 1 ō ano 2008/09 Departamento de Matemática Instituto Superior Técnico Lisboa Trabalho Computacional II Data limite de entrega:

Leia mais

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Leugim Corteze Romio Universidade Regional Integrada URI Campus Santiago-RS leugimcr@urisantiago.br Prof.

Leia mais

O Teorema das Quatro Cores

O Teorema das Quatro Cores 125 O Teorema das Quatro Cores LURDES SOUSA Departamento de Matemática, Escola Superior de Tecnologia de Viseu A imaginação é mais importante do que o conhecimento. Albert Einstein O poder da Matemática

Leia mais

Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO Problemas & Algoritmos Para resolver um problema através dum computador é necessário encontrar em primeiro lugar uma maneira de descrevê-lo

Leia mais

Contagem. Prof. Dr. Leandro Balby Marinho. Matemática Discreta. Fundamentos Inclusão/Exclusão Princípio da Casa dos Pombos Permutações Combinações

Contagem. Prof. Dr. Leandro Balby Marinho. Matemática Discreta. Fundamentos Inclusão/Exclusão Princípio da Casa dos Pombos Permutações Combinações Contagem Prof. Dr. Leandro Balby Marinho Matemática Discreta Prof. Dr. Leandro Balby Marinho 1 / 39 UFCG CEEI Motivação Contagem e combinatória são partes importantes da matemática discreta. Se resumem

Leia mais

Permutação. Série Matemática na Escola

Permutação. Série Matemática na Escola Permutação Série Matemática na Escola Objetivos 1. Ensinar o conceito de permutação; 2. Deduzir a fórmula para permutações; 3. Apresentar usos da permutação no cotidiano. Permutação Série Matemática na

Leia mais

Aula 10 Introdução à Algoritmos. Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www3.ifrn.edu.

Aula 10 Introdução à Algoritmos. Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www3.ifrn.edu. Aula 10 Introdução à Algoritmos Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www3.ifrn.edu.br/~brunogomes Agenda da Aula Introdução aos Algoritmos: Conceitos Iniciais; Programa

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Tema/Subtema Conteúdos Metas Nº de Aulas Previstas Org.Trat.Dados / Planeamento Estatístico Especificação do problema Recolha de dados População

Leia mais

Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo;

Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo; Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo; O tipo de dados tem por base um tipo simples (enumerável); Na verdade, um set representa o conjunto

Leia mais

A ELABORAÇÃO DE ALGORITMOS REFERENTE A SISTEMAS LINEARES ATRAVÉS DO SOFTWARE PASCALZIM

A ELABORAÇÃO DE ALGORITMOS REFERENTE A SISTEMAS LINEARES ATRAVÉS DO SOFTWARE PASCALZIM A ELABORAÇÃO DE ALGORITMOS REFERENTE A SISTEMAS LINEARES ATRAVÉS DO SOFTWARE PASCALZIM José Robyson Aggio Molinari Universidade Estadual do Centro-Oeste aggio13@hotmail.com Resumo: O presente trabalho

Leia mais

ÁLGEBRA BOOLEANA. Foi um modelo formulado por George Boole, por volta de 1850.

ÁLGEBRA BOOLEANA. Foi um modelo formulado por George Boole, por volta de 1850. ÁLGEBRA BOOLEANA Foi um modelo formulado por George Boole, por volta de 1850. Observando a lógica proposicional e a teoria de conjuntos verificamos que elas possuem propriedades em comum. Lógica Proposicional

Leia mais

FRANCA: O ENSINO DE GEOMETRIA HOJE

FRANCA: O ENSINO DE GEOMETRIA HOJE 601 FRANCA: O ENSINO DE GEOMETRIA HOJE Sócrates Eduardo Chieregato (UNI-FACEF) Sílvia R. Viel Rodrigues (Uni-FACEF) Ensino de Geometria no Brasil Em meados da década de 70, o Brasil sofreu um forte declínio

Leia mais

N umeros Felizes e Sucess6es de Smarandache:

N umeros Felizes e Sucess6es de Smarandache: N umeros Felizes e Sucess6es de Smarandache: Digress6es com 0 Maple Delfim F. M. Torres delfim@mat.ua.pt Departamento de Nlatematica U niversidade de A veiro 3810-193 Avciro, Portugal Resumo Dando jus

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Algoritmos e Programação Teoria e Prática Marco Medina Cristina Fertig Novatec Editora Capítulo 1 Introdução Neste capítulo, faremos uma introdução geral sobre algoritmos, suas aplicações e alguns exemplos

Leia mais

Aproximações e Erros de Arredondamento. introdução. exactidão e precisão. Aula 2 Métodos Numéricos Aplicados à Engenharia

Aproximações e Erros de Arredondamento. introdução. exactidão e precisão. Aula 2 Métodos Numéricos Aplicados à Engenharia Aproximações e Erros de Arredondamento Aula 2 Métodos Numéricos Aplicados à Engenharia 23/02/07 João Noronha 1 introdução Em muitos problemas de engenharia não é possível a obtenção de soluções analíticas.

Leia mais

Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Última actualização: 11/Dez/2003 ÁLGEBRA LINEAR A

Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Última actualização: 11/Dez/2003 ÁLGEBRA LINEAR A Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Última actualização: 11/Dez/2003 ÁLGEBRA LINEAR A FICHA 8 APLICAÇÕES E COMPLEMENTOS Sistemas Dinâmicos Discretos (1) (Problema

Leia mais

Técnicas de Teste de Software

Técnicas de Teste de Software Técnicas de Teste de Software Fabrício Sousa fabricio@uesb.br Projeto de Caso de Teste Conjunto de técnicas para criação de casos de testes Série de casos de testes que tem grande probabilidade de encontrar

Leia mais

Espaços vectoriais com produto interno. ALGA 2007/2008 Mest. Int. Eng. Biomédica Espaços vectoriais com produto interno 1 / 15

Espaços vectoriais com produto interno. ALGA 2007/2008 Mest. Int. Eng. Biomédica Espaços vectoriais com produto interno 1 / 15 Capítulo 6 Espaços vectoriais com produto interno ALGA 2007/2008 Mest. Int. Eng. Biomédica Espaços vectoriais com produto interno 1 / 15 Definição e propriedades Seja V um espaço vectorial real. Chama-se

Leia mais

Números Felizes e Sucessões de Smarandache: Digressões com o Maple

Números Felizes e Sucessões de Smarandache: Digressões com o Maple Números Felizes e Sucessões de Smarandache: Digressões com o Maple Delfim F. M. Torres delfim@mat.ua.pt Departamento de Matemática Universidade de Aveiro 3810-193 Aveiro, Portugal Resumo Dando jus à matemática

Leia mais

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO DANIELLA ASSEMANY DA GUIA CAp- UFRJ danyprof@bol.com.br 1.1. RESUMO Esta comunicação científica tem como objetivo tratar e apresentar a Geometria

Leia mais

Cálculo Numérico Computacional Lista 09 integral aproximada

Cálculo Numérico Computacional Lista 09 integral aproximada ORIENTAÇÃO ORIENTAÇÃO 2 Cálculo Numérico Computacional Lista 09 integral aproximada tarcisio@member.ams.org T. Praciano-Pereira Dep. de Matemática alun@: Univ. Estadual Vale do Acaraú 3 de março de 2008

Leia mais

ficha 3 espaços lineares

ficha 3 espaços lineares Exercícios de Álgebra Linear ficha 3 espaços lineares Exercícios coligidos por Jorge Almeida e Lina Oliveira Departamento de Matemática, Instituto Superior Técnico 2 o semestre 2011/12 3 Notação Sendo

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS Capítulo II INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS A Análise Factorial de Correspondências é uma técnica simples do ponto de vista matemático e computacional. Porém, devido ao elevado suporte geométrico desta

Leia mais

04 Simplificação de funções lógicas. v0.1

04 Simplificação de funções lógicas. v0.1 4 Simplificação de funções lógicas v. Introdução Funções lógicas podem ter muitas variáveis e assim ser muito complexas Podemos simplificá-las analiticamente mas poderá não ser uma tarefa fácil Existem

Leia mais

Computadores de Programação (MAB353)

Computadores de Programação (MAB353) Computadores de Programação (MAB353) Aula 6: 27 de abril de 2010 1 Recaptulando operações já estudadas Operações lógicas 2 3 Exercícios Referências bibliográficas Recaptulando operações já estudadas Operações

Leia mais

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 6ºANO CONTEÚDOS-1º TRIMESTRE Números naturais; Diferença entre número e algarismos; Posição relativa do algarismo dentro do número; Leitura do número; Sucessor e antecessor;

Leia mais

Capítulo I Portas Lógicas Básicas

Capítulo I Portas Lógicas Básicas Capítulo I Portas Lógicas Básicas 1 Introdução Em qualquer sistema digital 1 a unidade básica construtiva é o elemento denominado Porta Lógica. Este capítulo descreve as portas lógicas usuais, seu uso

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos. Profa. Juliana Kaizer Vizzotto. Projeto e Análise de Algoritmos - Aula 1

Projeto e Análise de Algoritmos. Profa. Juliana Kaizer Vizzotto. Projeto e Análise de Algoritmos - Aula 1 Projeto e Análise de Algoritmos Profa. Juliana Kaizer Vizzotto Projeto e Análise de Algoritmos - Aula 1 Roteiro Introdução Exemplo: ordenação Introdução Análise de Algoritmos Estudo teórico da performance

Leia mais

MC-102 Aula 01. Instituto de Computação Unicamp

MC-102 Aula 01. Instituto de Computação Unicamp MC-102 Aula 01 Introdução à Programação de Computadores Instituto de Computação Unicamp 2015 Roteiro 1 Por que aprender a programar? 2 Hardware e Software 3 Organização de um ambiente computacional 4 Algoritmos

Leia mais

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte Sintaxe e Semântica mleal@inf.puc-rio.br Fases da Compilação programa fonte tokens parse tree árvore anotada ou outra forma intermediária código intermediário código objeto código objeto otimizado scanner

Leia mais

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados)

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Os algoritmos são descritos em uma linguagem chamada pseudocódigo. Este nome é uma alusão à posterior implementação

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

Programação I. Introdução a Lógica de Programação

Programação I. Introdução a Lógica de Programação Engenharia de Controle e Automação Programação I Introdução a Lógica de Programação Lara Popov Zambiasi Bazzi Oberderfer Ementa Introdução a lógica de programação e algoritmos. Constantes, variáveis e

Leia mais

Compiladores. Análise léxica. Plano da aula. Vocabulário básico. Motivação para análise léxica. Estrutura de um compilador

Compiladores. Análise léxica. Plano da aula. Vocabulário básico. Motivação para análise léxica. Estrutura de um compilador Estrutura de um compilador Compiladores Análise lexical (1) Expressões Regulares 1 2 Plano da aula 1. Motivação do uso de E.R. e definições Linguagens, tokens, lexemas... 2. Regras de formação e exemplos

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

1 Lógica de Programação

1 Lógica de Programação 1 Lógica de Programação Técnicas de programação Programação Sequencial Programação Estruturada Programação Orientada a Eventos e Objectos 1.1 Lógica A lógica de programação é necessária para pessoas que

Leia mais

PHP. Hypertext Pre-Processor

PHP. Hypertext Pre-Processor PHP Hypertext Pre-Processor O que é o PHP? Uma linguagem de scripting é uma linguagem cujo código não tem de ser compilado para ser executado! O código escrito é interpretado em tempo de execução para

Leia mais

App Inventor 2 - programação divertida para Android

App Inventor 2 - programação divertida para Android App Inventor 2 - programação divertida para Android 1 APP INVENTOR 2 O App Inventor é um ambiente de programação desenvolvido pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology), especialmente desenhado para

Leia mais

Estrutura de Dados e Algoritmos em C. Roberto de Beauclair Seixas tron@impa.br

Estrutura de Dados e Algoritmos em C. Roberto de Beauclair Seixas tron@impa.br Estrutura de Dados e Algoritmos em C Roberto de Beauclair Seixas tron@impa.br Porque usar computador? É indigno de homens eminentes perder horas como escravos na tarefa desgastante de calcular. Esse trabalho

Leia mais

Teoria da Computação - Programação OCaml Ficha de exercícios

Teoria da Computação - Programação OCaml Ficha de exercícios Teoria da Computação - Programação OCaml Ficha de exercícios Simão Melo de Sousa Em parte, estes exercícios baseam-se nas fichas práticas retiradas do site OCaml Hump 1 Aritmética Exercício 1 (Fibbonacci)

Leia mais

Python: Comandos Básicos. Claudio Esperança

Python: Comandos Básicos. Claudio Esperança Python: Comandos Básicos Claudio Esperança Primeiros passos em programação Até agora só vimos como computar algumas expressões simples Expressões são escritas e computadas imediatamente Variáveis podem

Leia mais

Escola Secundária de Dona Luísa de Gusmão 10º B

Escola Secundária de Dona Luísa de Gusmão 10º B Escola Secundária de Dona Luísa de Gusmão 10º B David nº9 Ricardo Pereira nº15 Sílvia nº19 1 Introdução...3 O que é o número de ouro...4, 5 e 6 Quem foi Leonardo Fibonacci...7 Leonardo Da Vinci...8 O número

Leia mais

Grade Curricular - Engenharia de Computação

Grade Curricular - Engenharia de Computação Grade Curricular - Engenharia de Computação SEMESTRE 1 - Obrigatórias FCM0101 Física I 6 0 6 FFI0180 Laboratório de Física Geral I 2 0 2 SAP0678 Desenho 2 0 2 SAP0679 Humanidades e Ciências Sociais 2 0

Leia mais

1 Descrição do Trabalho

1 Descrição do Trabalho Departamento de Informática - UFES 1 o Trabalho Computacional de Algoritmos Numéricos - 13/2 Métodos de Runge-Kutta e Diferenças Finitas Prof. Andréa Maria Pedrosa Valli Data de entrega: Dia 23 de janeiro

Leia mais

CAPÍTULO 2. Grafos e Redes

CAPÍTULO 2. Grafos e Redes CAPÍTULO 2 1. Introdução Um grafo é uma representação visual de um determinado conjunto de dados e da ligação existente entre alguns dos elementos desse conjunto. Desta forma, em muitos dos problemas que

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

BCC202 - Estrutura de Dados I

BCC202 - Estrutura de Dados I BCC202 - Estrutura de Dados I Aula 04: Análise de Algoritmos (Parte 1) Reinaldo Fortes Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP Departamento de Ciência da Computação, DECOM Website: www.decom.ufop.br/reifortes

Leia mais

Organização e tratamento d. e dados

Organização e tratamento d. e dados Organização e tratamento d e dados Proposta de cadeia de tarefas para o 7.º ano - 3.º ciclo Equações Setembro de 2009 Equações Página 1 Índice Introdução Proposta de planificação Tarefas 1A Balanças 1B

Leia mais