Estrutura de Dados Básica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estrutura de Dados Básica"

Transcrição

1 Estrutura de Dados Básica Professor: Osvaldo Kotaro Takai. Aula 7: Recursividade O objetivo desta aula é apresentar o conceito de recursão para solução de problemas. A recursão é uma técnica de programação em que uma rotina (função) chama a si mesma. A recursão é uma das técnicas mais interessantes e surpreendentemente eficazes em programação. Ela não só funciona, mas também oferece um quadro conceitual única para resolver muitos problemas. Demonstrando a recursão com números triangulares Diz-se que os pitagóricos, um bando de matemáticos da Grécia antiga que trabalhavam com o Pitágoras (do famoso teorema de Pitágoras), sentiram uma conexão mística com a seguinte seqüência de números: 1, 3, 6, 10, 15, 21,... O termo da n-ésima seqüência é obtido acrescentando-se n ao termo anterior. Dessa forma, o segundo termo é encontrado adicionando-se 2 ao primeiro termo (que é 1), dando 3. O terceiro é 3 adicionando ao segundo termo (que é 3) dando 6, etc. Os números da seqüência são chamados números triangulares porque eles podem ser visualizados como uma organização triangular de objetos, ilustrados como pequenos quadrados como na figura a seguir: Suponha que você quisesse encontrar o valor de algum termo na seqüência; digamos o quarto termo (cujo valor é 10). Você poderá perceber que o valor de qualquer termo pode ser obtido somando todas as colunas verticais de quadrados. Veja a figura abaixo: No quarto termo, a primeira coluna tem quatro pequenos quadrados, a segunda coluna tem três, etc. Adicionando, , temos 10. A seguinte função triangular() utiliza esta técnica, baseada em colunas, para encontrar um número triangular. Ela soma todas as colunas, da altura de n até a altura 1. 1

2 É claro que você poderia resolver o problema da seguinte forma: A abordagem anterior pode parecer direta, mas há outra forma de ver este problema. O valor do n-ésimo termo pode ser pensado como uma soma de duas coisas, em vez de uma seqüência. São elas: 1. A primeira coluna (mais alta), que tem n quadrados. 2. A soma de todos os quadrados das colunas restantes. Isto é: Se conhecêssemos uma função que descobrisse a soma de todas as colunas restantes, poderíamos escrever nossa função triangulo(), que retorna o valor do n-ésimo número triangular, da seguinte forma: Note que a função somadascolunasrestantes() fará exatamente a mesma coisa que a função triangulo(). Ou seja, somando todas as colunas para algum número n passado como argumento. Então, por que não usar a própria função triangulo(), em vez de alguma outra função? Isso se pareceria com: Pode parecer surpreendente que uma função possa chamar a si mesma, mas por que ela não deveria ser capaz de fazê-lo? Uma chamada da função é (entre outras coisas) uma transferência de controle para o início da função. Tudo isso se parece como uma transferência de responsabilidade para outro, só que reduzindo o tamanho do problema. Alguém me diz para encontrar o nono número triangular. Sei que ele é 9 mais o oitavo número triangular; então eu chamo o João e lhe peço para encontrar o oitavo número triangular. Quando o João me devolver o oitavo número triangular, acrescento 9 a esse valor e devolvo o resultado. 2

3 O João sabe que o oitavo número triangular é 8 mais o sétimo número triangular; então ele chama a Maria e pede para encontrar o sétimo número triangular. Esse processo continua com cada pessoa passando a responsabilidade para o outro. Onde este processo de transferência de responsabilidade acaba? Alguém em algum ponto deve ser capaz de descobrir uma resposta sem precisar pedir a uma outra pessoa para ajudálo. Se isso não ocorresse, haveria uma cadeia infinita de pessoas transferindo responsabilidades uma para as outras. Para evitar isso, a pessoa que receber a incumbência de encontrar o primeiro número triangular da seqüência (quando n é igual a 1), deve saber, sem perguntar a qualquer pessoa, que a resposta é 1. Não há números menores para perguntar a outras pessoas, não há nada para adicionar a qualquer outra coisa, então a transferência pára aqui. A condição que leva à função recursiva retornar sem fazer outra chamada recursiva é conhecida como caso base. É importante que cada função recursiva tenha um caso base para evitar recursão infinita e a conseqüente finalização da função. Método para solução de problemas de estrutura recursiva Muitos problemas têm a seguinte propriedade: cada instância ou seja, cada exemplo concreto do problema contém uma instância menor do mesmo problema. Dizemos que esses problemas têm estrutura recursiva. Para resolver tais problemas podemos aplicar o seguinte método: 1) Se o problema é pequeno (caso base). a) Resolva-o diretamente (use força bruta se necessário); 2) Se o problema é grande, a) Reduza-o a uma versão menor do mesmo problema, b) Aplique o método ao problema menor e c) Volte ao problema original. A aplicação desse método produz um algoritmo recursivo. Para mostrar como isso funciona, considere o seguinte problema: Determinar o valor do maior elemento de um vetor v que tem n elementos. É claro que o problema só faz sentido se o vetor não é vazio, ou seja, se n > 1. Para preparar o terreno, examine uma tradicional solução iterativa do problema: 3

4 Agora vamos usar o método para encontrar soluções recursivas. Imagine que n = 8 e o vetor v contenha os seguintes valores {5, 10, 3, 7, 2, 1, 30, 25 1) Se o problema é pequeno (caso base) a) Resolva-o diretamente (use força bruta se necessário). O problema pequeno para o problema de encontrar o maior elemento de um vetor de n posições é quando o vetor tem apenas um único número (n==1). Neste caso, o máximo é v[0]. 2) Se o problema é grande, a) Reduza-o a uma versão menor do mesmo problema. Como n é grande (n==8), reduzimos o problema dividindo o vetor em duas partes. Ultima posição do vetor: v[n-1] Vetor sem a última posição (possui n-1 posições) Assim, o máximo será o maior entre o v[n-1] e o máximo do vetor que possuir n-1 posições. b) Aplique o método ao problema menor. Se n-1 == 1, então aplicamos 1a. e retornamos v[0]. Se n-1 > 1 aplicamos novamente 2a. ao vetor com n-2 posições. Esse processo é aplicado sucessivamente até que o vetor tenha apenas uma posição. maximo (8, v) maior entre 25 e maximo(7, v) maximo (7, v) maior entre 30 e maximo(6, v) maximo (6, v) maior entre 1 e maximo(5, v) maximo (5, v) maior entre 2 e maximo(4, v) maximo (4, v) maior entre 7 e maximo(3, v) maximo (3, v) maior entre 3 e maximo(2, v) maximo (2, v) maior entre 10 e maximo(1, v) maximo (1, v) 5 c) Volte ao problema original. maximo(1, v) 5 maximo(2, v) maior entre 10 e 5 maximo(3, v) maior entre 3 e 10 maximo(4, v) maior entre 7 e 10 maximo(5, v) maior entre 2 e 10 maximo(6, v) maior entre 1 e 10 maximo(7, v) maior entre 30 e 10 maximo(8, v) maior entre 25 e 30 Logo maximo(8, v) 30. 4

5 A implementação dessa solução recursiva é a seguinte: Nota: Algumas pessoas acham que funções recursivas consomem muito tempo. Mas isso é apenas uma lenda propagada por programadores que não sabem usar a recursão. As função maximo recursiva discutida acima "puxa para a esquerda" o fim do vetor, ou seja, troca v[0..n-1] pelo vetor v[0..n-2]. É possível escrever uma versão que "empurre para a direita" o início do vetor. Observe que essa nova versão da função maximo é apenas uma "embalagem": o serviço pesado é executado pela função recursiva mx. A função mx resolve um problema mais geral que o original. Isso ocorre freqüentemente na construção de algoritmos recursivos: é preciso generalizar o problema para que uma solução recursiva se torne possível. 5

6 Exercícios 1. Faça um trabalho sobre As Torres de Hanói. Apresente o problema, a análise do algoritmo que soluciona o problema e implemente a solução. 2. Considere a função iterativa maximo exemplificado anteriormente. Faz sentido trocar "x = v[0]" por "x = 0", como fazem alguns programadores descuidados? Faz sentido trocar "x = v[0]" por "x = INT_MIN"? Faz sentido trocar "x < v[j]" por "x <= v[j]"? 3. A função abaixo promete encontrar o valor de um elemento máximo de v[0..n-1]. A função cumpre a promessa? int maxi (int n, int v[]) { int j, m = v[0]; for (j = 1; j < n; j++) if (v[j-1] < v[j]) m = v[j]; return m; 4. Critique a seguinte função recursiva; ela promete encontrar o valor de um elemento máximo de v[0..n-1]. int maximo1a (int n, int v[]) { int x; if (n == 1) return v[0]; if (n == 2) { if (v[0] < v[1]) return v[1]; else return v[0]; x = maximo1a (n-1, v); if (x < v[n-1]) return v[n-1]; else return x; 5. Critique a seguinte função recursiva; ela promete encontrar o valor de um elemento máximo de v[0..n-1]. int maximo1b (int n, int v[]) { if (n == 1) return v[0]; if (maximo1b (n-1, v) < v[n-1]) return v[n-1]; else return maximo1b (n-1, v); 6. Escreva uma função recursiva maxmin que calcule o valor de um elemento máximo e o valor de um elemento mínimo de um vetor v[0..n-1]. Quantas comparações envolvendo os elementos do vetor a sua função faz? 7. Escreva uma função recursiva que calcule a soma dos elementos positivos do vetor de inteiros v[0..n-1]. O problema faz sentido quando n é igual a 0? Quanto deve valer a soma nesse caso? 8. Escreva uma função recursiva que calcule a soma dos dígitos de um inteiro positivo n. A soma dos dígitos de 132, por exemplo, é Qual o valor de X (4)? int X (int n) { if (n == 1 n == 2) return n; else return X(n-1) + n * X(n-2); 10. Qual é o valor de f (1,10)? Escreva uma função equivalente que seja mais simples. double f(double x, double y) { if (x >= y) return (x + y)/2; else return f(f(x+2, y-1), f(x+1, y-2)); 6

7 11. Qual o resultado da execução do programa abaixo? int main (void) { printf ("%d", ff(7)); return 0; int ff(int n) { if (n == 1) return 1; if (n % 2 == 0) return ff(n/2); return ff((n-1)/2) + ff((n+1)/2); 12. Execute fusc(7,0). int fusc (int n, int profund) { int i; for (i = 0; i < profund; i++) printf (" "); printf ("fusc (%d,%d)\n", n, profund); if (n <= 1) return 1; if (n % 2 == 0) return fusc (n/2, profund+1); return fusc((n-1)/2, profund+1) + fusc((n+1)/2, profund+1); 13. A função de Fibonacci é definida assim: F (0) = 0, F (1) = 1 e F (n) = F(n-1) + F(n-2) para n > 1. Descreva a função F em linguagem C. Faça uma versão iterativa e uma recursiva. 14. A seguinte função calcula o maior divisor comum dos inteiros positivos m e n. Escreva uma função recursiva equivalente. int Euclides(int m, int n) { int r; do { r = m % n; m = n; n = r; while (r!= 0); return m; 15. Escreva uma função recursiva eficiente que receba inteiros positivos k e n e calcule k n. (Suponha que k n cabe em um int.) Quantas multiplicações sua função executa aproximadamente? 16. Faça um programa recursivo, em C, que calcule o n-ésimo número: Quadrado. Fatorial. 7

Introdução à Programação. Recursão

Introdução à Programação. Recursão Introdução à Programação Recursão Recursão decoração Substantivo feminino. 1.Ato ou efeito de decorar decorar Verbo transitivo direto. 1.Guarnecer com adorno(s); dispor formas e cores em; ornamentar, embelezar;

Leia mais

Analise o código abaixo:

Analise o código abaixo: Recursão - introdução Analise o código abaixo: 1 # include 2 # include 3 int Fatorial ( int x) 4 int k, s =1; for (k =0;k

Leia mais

Algoritmos de Busca em Tabelas

Algoritmos de Busca em Tabelas Dentre os vários algoritmos fundamentais, os algoritmos de busca em tabelas estão entre os mais usados. Considere por exemplo um sistema de banco de dados. As operações de busca e recuperação dos dados

Leia mais

O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos. > Princípios de Contagem e Enumeração Computacional 0/48

O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos. > Princípios de Contagem e Enumeração Computacional 0/48 Conteúdo 1 Princípios de Contagem e Enumeração Computacional Permutações com Repetições Combinações com Repetições O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos > Princípios de Contagem e Enumeração

Leia mais

1 se n = 0 n (n 1)! se n 1

1 se n = 0 n (n 1)! se n 1 Recursão versus Iteração Problema: Cálculo de n! = n (n 1)... 1 int facti(int n) { int fac=n; while(n>0){ fac=fac*n; n--; } return fac; } [epd94, Cap. 5.13-15] Definição recursiva: n! = { 1 se n = 0 n

Leia mais

BCC202 - Estrutura de Dados I

BCC202 - Estrutura de Dados I BCC202 - Estrutura de Dados I Aula 04: Análise de Algoritmos (Parte 1) Reinaldo Fortes Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP Departamento de Ciência da Computação, DECOM Website: www.decom.ufop.br/reifortes

Leia mais

Linguagem C: agregados heterogêneos, arquivos binários, recursividade. Prof. Críston Algoritmos e Programação

Linguagem C: agregados heterogêneos, arquivos binários, recursividade. Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C: agregados heterogêneos, arquivos binários, recursividade Prof. Críston Algoritmos e Programação Agregados heterogêneos Permitem agrupar variáveis de diferentes tipos em um único registro struct

Leia mais

Recursividade. Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br. BCC202 Aula 08 Algoritmos e Estruturas de Dados I

Recursividade. Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br. BCC202 Aula 08 Algoritmos e Estruturas de Dados I Recursividade Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br BCC202 Aula 08 Algoritmos e Estruturas de Dados I Outros Exemplos de Recursividade Factais são outros exemplos de recursividade Quando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Disciplina de Algoritmos e Programação Profa: Juliana Kaizer Vizzotto Lista de Exercícios Vetores Para a implementação de programas que solucionem os problemas a seguir

Leia mais

Análise de complexidade

Análise de complexidade Introdução Algoritmo: sequência de instruções necessárias para a resolução de um problema bem formulado (passíveis de implementação em computador) Estratégia: especificar (definir propriedades) arquitectura

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA Aula 07: Funções O comando return Protótipo de funções O tipo void Arquivos-cabeçalho Escopo de variáveis Passagem de parâmetros por valor

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Nesse artigo vamos discutir algumas abordagens diferentes na Teoria dos Números, no sentido de envolverem também outras grandes áreas, como

Leia mais

Aula 06 - Funções. O que é uma Função - Comando return - Protótipos de Funções - Tipos de Funções - Escopo de Variáveis - Passagem de parâmetros

Aula 06 - Funções. O que é uma Função - Comando return - Protótipos de Funções - Tipos de Funções - Escopo de Variáveis - Passagem de parâmetros O que é uma Função - Comando return - Protótipos de Funções - Tipos de Funções - Escopo de Variáveis - Passagem de parâmetros Algoritmo e Programação Aula 06 - Funções Colegiado de Engenharia da Computação

Leia mais

Estruturas de entrada e saída

Estruturas de entrada e saída capa Estruturas de entrada e saída - A linguagem C utiliza de algumas funções para tratamento de entrada e saída de dados. - A maioria dessas funções estão presentes na biblioteca . - As funções

Leia mais

EFICIÊNCIA DE ALGORITMOS E

EFICIÊNCIA DE ALGORITMOS E AULA 2 EFICIÊNCIA DE ALGORITMOS E PROGRAMAS Medir a eficiência de um algoritmo ou programa significa tentar predizer os recursos necessários para seu funcionamento. O recurso que temos mais interesse neste

Leia mais

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas?

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas? Recorrências Muitas vezes não é possível resolver problemas de contagem diretamente combinando os princípios aditivo e multiplicativo. Para resolver esses problemas recorremos a outros recursos: as recursões

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares Chapter 2 Seqüências de Números Reais Na Análise os conceitos e resultados mais importantes se referem a limites, direto ou indiretamente. Daí, num primeiro momento, estudaremos os limites de seqüências

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti ESTRUTURAS DE DADOS I Notas de Aula 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1 Array (vetores)... 2 2. BUSCA DE ELEMENTOS... 3 2.1 Busca Seqüencial... 3 2.2 Busca Binária... 3 2.3 Busca Indexada... 3 2.4 Busca Hash...

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Algoritmos em Grafos

BC-0506: Comunicação e Redes Algoritmos em Grafos BC-0506: Comunicação e Redes Algoritmos em Grafos Santo André, 2Q2011 1 Parte 1: Algoritmos de Busca Rediscutindo: Representações em Grafos Matriz de Adjacências Matriz de Incidências Lista de Adjacências

Leia mais

Tutorial de Matlab Francesco Franco

Tutorial de Matlab Francesco Franco Tutorial de Matlab Francesco Franco Matlab é um pacote de software que facilita a inserção de matrizes e vetores, além de facilitar a manipulação deles. A interface segue uma linguagem que é projetada

Leia mais

Recursividade. Aula 9

Recursividade. Aula 9 Recursividade Aula 9 Em matemática vários objetos são definidos apresentando-se um processo que os produz. Ex PI (circunferência/diâmetro) Outra definição de um objeto por um processo é o fatorial de um

Leia mais

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M.

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Material Teórico - Módulo de FRAÇÕES COMO PORCENTAGEM E PROBABILIDADE Fração como porcentagem Sexto Ano do Ensino Fundamental Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto

Leia mais

17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular

17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular 17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular Unesp Campus de Guaratinguetá Curso de Programação Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro Ministrado por: Prof. André Amarante 17

Leia mais

Cálculo Numérico Computacional Exercícios lista 04 Raizes aproximadas

Cálculo Numérico Computacional Exercícios lista 04 Raizes aproximadas 1 Cálculo Numérico Computacional Exercícios lista 04 Raizes aproximadas Varredura, método da tangente Prof. Tarcisio Praciano-Pereira Dep. de Matemática tarcisio@member.ams.org aluno: Univ. Estadual Vale

Leia mais

Contagem I. Figura 1: Abrindo uma Porta.

Contagem I. Figura 1: Abrindo uma Porta. Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Combinatória - Nível 2 Prof. Bruno Holanda Aula 4 Contagem I De quantos modos podemos nos vestir? Quantos números menores que 1000 possuem todos os algarismos pares?

Leia mais

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores MC102 Algoritmos e Programação de Computadores Instituto de Computação UNICAMP Primeiro Semestre de 2015 Roteiro 1 Fundamentos de análise de algoritmos 2 Cálculo da função de custo 3 Exercícios Instituto

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Faculdade de Computação Disciplina de Verão: Algoritmos e Programação II

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Faculdade de Computação Disciplina de Verão: Algoritmos e Programação II Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Faculdade de Computação Disciplina de Verão: Algoritmos e Programação II Professores: Liana Duenha 10 de março de 2014 Professores: Liana Duenha () Universidade

Leia mais

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos Vetores Nos capítulos anteriores estudamos as opções disponíveis na linguagem C para representar: Números inteiros em diversos intervalos. Números fracionários com várias alternativas de precisão e magnitude.

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memória Primária Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memoria Primária Estudo de como recuperar informação a partir de uma grande massa de informação previamente armazenada. A informação é dividida

Leia mais

MC-102 Aula 17 Strings e Matrizes

MC-102 Aula 17 Strings e Matrizes MC-102 Aula 17 Strings e Matrizes Instituto de Computação Unicamp 5 de Maio de 2015 Roteiro 1 Strings Strings: Exemplos 2 Matrizes Exemplos com Matrizes 3 Exercícios (Instituto de Computação Unicamp) MC-102

Leia mais

BC0501 Linguagens de Programação

BC0501 Linguagens de Programação BC0501 Linguagens de Programação Aula Prática: 03 Assunto: Comandos de Seleção 1. Introdução Um comando de seleção define uma condição em um programa, que permite que grupos de comandos sejam executados

Leia mais

Algoritmo. Prof. Anderson Almeida Ferreira. Agradeço ao prof. Guilherme Tavares de Assis por fornecer slides que fazem parte desta apresentação

Algoritmo. Prof. Anderson Almeida Ferreira. Agradeço ao prof. Guilherme Tavares de Assis por fornecer slides que fazem parte desta apresentação 1 Algoritmo Prof. Anderson Almeida Ferreira Agradeço ao prof. Guilherme Tavares de Assis por fornecer slides que fazem parte desta apresentação Desenvolvimento de programas 2 Análise do problema Desenvolvimento

Leia mais

Como fazer para deixar firme uma estante de hastes com prateleiras que está balançando para os lados?

Como fazer para deixar firme uma estante de hastes com prateleiras que está balançando para os lados? cesse: http://fuvestibular.com.br/ o triângulo é uma das figuras mais importantes da Geometria, e também uma das mais interessantes. Na nossa vida diária, existem bons exemplos de aplicação de triângulos

Leia mais

Estruturas de repetição (Ciclos)

Estruturas de repetição (Ciclos) Introdução Vamos começar por tentar resolver os seguintes exercícios com base nos conhecimentos Que já temos até agora. Problema 1: Escreva um programa em ANSI-C que escreve os primeiros 10 números inteiros

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos Orientação a Objetos 1. Sobrecarga (Overloading) Os clientes dos bancos costumam consultar periodicamente informações relativas às suas contas. Geralmente, essas informações são obtidas através de extratos.

Leia mais

Índice. Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial

Índice. Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial Índice i Índice Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial 1. A Estrutura Abstrata de Dados Lista... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Implementação de Listas utilizando armazenamento

Leia mais

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 Prof. Osvaldo. 1. Desenvolva algoritmos para as operações abaixo e calcule a complexidade

Leia mais

casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com sala, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço.

casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com sala, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço. A UUL AL A A casa Nesta aula vamos examinar a planta de uma casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço. Introdução terreno 20 m rua 30

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Aula 03 Custos de um algoritmo e funções de complexidade

Aula 03 Custos de um algoritmo e funções de complexidade BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I Aula 03 Custos de um algoritmo e funções de complexidade Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 1Q-2015 1 Custo de um algoritmo e funções de complexidade

Leia mais

Árvores Binárias de Busca

Árvores Binárias de Busca Árvores Binárias de Busca Uma Árvore Binária de Busca T (ABB) ou Árvore Binária de Pesquisa é tal que ou T = 0 e a árvore é dita vazia ou seu nó contém uma chave e: 1. Todas as chaves da sub-árvore esquerda

Leia mais

Algoritmos e Programação Estruturada

Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos e Programação Estruturada Virgínia M. Cardoso Linguagem C Criada por Dennis M. Ritchie e Ken Thompson no Laboratório Bell em 1972. A Linguagem C foi baseada na Linguagem B criada por Thompson.

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

5 Equacionando os problemas

5 Equacionando os problemas A UA UL LA Equacionando os problemas Introdução Nossa aula começará com um quebra- cabeça de mesa de bar - para você tentar resolver agora. Observe esta figura feita com palitos de fósforo. Mova de lugar

Leia mais

Recursão. Aula 1. Liana Duenha. Faculdade de Computação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Recursão. Aula 1. Liana Duenha. Faculdade de Computação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Recursão Aula 1 Liana Duenha Faculdade de Computação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Algoritmos e Programação II, Análise de Sistemas, 2010 Martinez & Rubert (FACOM) Recursão APIIAS 1 / 25 Conteúdo

Leia mais

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s Representação numérica Cálculo numérico Professor Walter Cunha Um conjunto de ferramentas ou métodos usados para se obter a solução de problemas matemáticos de forma aproximada. Esses métodos se aplicam

Leia mais

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 3.2 O Espaço Nulo de A: Resolvendo Ax = 0 11 O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 Esta seção trata do espaço de soluções para Ax = 0. A matriz A pode ser quadrada ou retangular. Uma solução imediata

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Princípios e Algoritmos Introdução à Análise de Complexidade de Algoritmos

Sistemas Distribuídos: Princípios e Algoritmos Introdução à Análise de Complexidade de Algoritmos Sistemas Distribuídos: Princípios e Algoritmos Introdução à Análise de Complexidade de Algoritmos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

José Romildo Malaquias 2011-1

José Romildo Malaquias 2011-1 Programação de Computadores I Aula 08 Programação: Estruturas de Repetição José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/58 Motivação Como imprimir os três

Leia mais

ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++

ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++ ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++ #include { Este trecho é reservado para o corpo da função, com a declaração de suas variáveis locais, seus comandos e funções

Leia mais

Curso de Linguagem C

Curso de Linguagem C Curso de Linguagem C 1 Aula 1 - INTRODUÇÃO...4 AULA 2 - Primeiros Passos...5 O C é "Case Sensitive"...5 Dois Primeiros Programas...6 Introdução às Funções...7 Introdução Básica às Entradas e Saídas...

Leia mais

BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES

BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES ALGORITMOS DE BUSCA EM LISTAS COM ALOCAÇÃO SEQÜENCIAL Busca em Listas Lineares A operação de busca é

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1998/99. Erros

Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1998/99. Erros Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Análise Numérica 1998/99 Erros Objectivos: Arredondar um número para n dígitos significativos. Determinar os erros máximos absoluto e relativo

Leia mais

Universidade Federal de Rondônia Técnicas de Desenvolvimento de Programas Lista 4

Universidade Federal de Rondônia Técnicas de Desenvolvimento de Programas Lista 4 Universidade Federal de Rondônia Técnicas de Desenvolvimento de Programas Lista 4 WHILE 1. Faça um comando while equivalente ao descrito abaixo (que realize o mesmo tipo de procedimento e obtenha o mesmo

Leia mais

Edwar Saliba Júnior. Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C

Edwar Saliba Júnior. Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C Edwar Saliba Júnior Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C Belo Horizonte 2010 Sumário 1 Nota:... 2 2 Comandos e Palavras Reservadas:... 3 3 Dicas... 4 3.1 Strings

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) (a) Seja um TAD definido por uma lista circular implementada em um vetor.

ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) (a) Seja um TAD definido por uma lista circular implementada em um vetor. PUC-Rio Departamento de Informática Período: 2015.1 Horário: 2as-feiras e 4as-feiras de 17-19 30 de março de 2015 ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) 1 a Lista de Exercícios 1. Lista (a) Seja um TAD

Leia mais

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10 1. TIPOS DE DADOS... 3 1.1 DEFINIÇÃO DE DADOS... 3 1.2 - DEFINIÇÃO DE VARIÁVEIS... 3 1.3 - VARIÁVEIS EM C... 3 1.3.1. NOME DAS VARIÁVEIS... 3 1.3.2 - TIPOS BÁSICOS... 3 1.3.3 DECLARAÇÃO DE VARIÁVEIS...

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

Aluísio Eustáquio da Silva

Aluísio Eustáquio da Silva 1 Aluísio Eustáquio da Silva SciLab Programável Material didático usado em aulas de Programação de Computadores, Algoritmos e Lógica de Programação Betim Maio de 2012 2 PROGRAMAÇÃO O SciLab permite que

Leia mais

Aula 06 Introdução à Teste de Módulos II e Exercícios. Alessandro Garcia LES/DI/PUC-Rio Março 2014

Aula 06 Introdução à Teste de Módulos II e Exercícios. Alessandro Garcia LES/DI/PUC-Rio Março 2014 Aula 06 Introdução à Teste de Módulos II e Exercícios Alessandro Garcia LES/DI/PUC-Rio Março 2014 Princípios Discutidos até aqui Cada módulo deveria implementar uma única abstração similarmente: cada função

Leia mais

Problemas insolúveis. Um exemplo simples e concreto

Problemas insolúveis. Um exemplo simples e concreto Surge agora uma outra questão. Viemos buscando algoritmos para resolver problemas. No entanto, será que sempre seria possível achar esses algoritmos? Colocando de outra forma: será que, para todo problema,

Leia mais

Comandos Sequenciais if else, e Switch

Comandos Sequenciais if else, e Switch Introdução à Programação Comandos Sequenciais if else, e Switch 1º ano - ESI e IGE (2011/2012) Engenheiro Anilton Silva Fernandes (afernandes@unipiaget.cv) O computador pensa? Muitas vezes utiliza-se a

Leia mais

Trabalho Prático 1 Revisão de Programação, Tipos Abstratos de Dados e Combinação de Alocação Estática e Dinâmica de Memória

Trabalho Prático 1 Revisão de Programação, Tipos Abstratos de Dados e Combinação de Alocação Estática e Dinâmica de Memória Trabalho Prático 1 Revisão de Programação, Tipos Abstratos de Dados e Combinação de Alocação Estática e Dinâmica de Memória Valor: 0,5 pontos (5% da nota total) Documentação em Latex: +0,1 pontos Data

Leia mais

compreender a importância de cada estrutura de controle disponível na Linguagem C;

compreender a importância de cada estrutura de controle disponível na Linguagem C; Aula 3 Estruturas de controle Objetivos Esperamos que, ao final desta aula, você seja capaz de: compreender a importância de cada estrutura de controle disponível na Linguagem C; construir programas em

Leia mais

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Teoria dos Números 1 Noções Básicas A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Z = {..., 4, 3, 2, 1, 0, 1, 2, 3, 4...}. Ela permite resolver de

Leia mais

Algoritmo Iterativo. Dilema do Martelo x Edifício. O Martelo. O Edifício 01/06/2014. Dilema das ações x declarações

Algoritmo Iterativo. Dilema do Martelo x Edifício. O Martelo. O Edifício 01/06/2014. Dilema das ações x declarações Algoritmo Iterativo Fernando Cardeal Parece com o processo de seguir uma estrada: Como chegar à estrada? Como se manter na estrada? Como saber que chegou ao destino para sair da estrada? Como fazer tudo

Leia mais

O coeficiente angular

O coeficiente angular A UA UL LA O coeficiente angular Introdução O coeficiente angular de uma reta já apareceu na Aula 30. Agora, com os conhecimentos obtidos nas Aulas 40 e 45, vamos explorar mais esse conceito e descobrir

Leia mais

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior http://www.unifal-mg.edu.br/matematica/?q=disc jc Aula 02 ATIVIDADE 01 Para poupar esforço de digitação, você pode usar o tradicional

Leia mais

CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI

CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO APOSTILA 03 Parabéns!!! Você já é um vencedor! Voltar a estudar é uma vitória que poucos podem dizer que conseguiram. É para você, caro aluno, que desenvolvemos

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1 Módulo 1 Unidade 10 Teorema de Pitágoras Para início de conversa... Certamente, você já deve ter ouvido falar no Teorema de Pitágoras. Pois bem, nesta unidade, ele será o centro das atenções, mas vamos

Leia mais

Técnicas de Detecção de Colisão para Jogos

Técnicas de Detecção de Colisão para Jogos Técnicas de Detecção de Colisão para Jogos por Leandro Silva Técnicas de Detecção de Colisão para Jogos por: Gustavo Russo Zanardo Esse artigo visa mostrar as principais técnicas para detecção de colisão

Leia mais

5. EXPERIÊNCIAS E ANÁLISE DOS RESULTADOS. 5.1 - Os Programas de Avaliação

5. EXPERIÊNCIAS E ANÁLISE DOS RESULTADOS. 5.1 - Os Programas de Avaliação 36 5. EXPERIÊNCIAS E ANÁLISE DOS RESULTADOS 5.1 - Os Programas de Avaliação Programas de avaliação convencionais foram utilizados para análise de diversas configurações da arquitetura. Estes programas

Leia mais

Árvores Binárias e Busca. Jeane Melo

Árvores Binárias e Busca. Jeane Melo Árvores Binárias e Busca Jeane Melo Roteiro Parte 1 Árvores Relação hierárquica Definição Formal Terminologia Caminhamento em Árvores Binárias Exemplos Parte 2 Busca seqüencial Busca Binária Grafos Conjunto

Leia mais

Estruturas (Registros)

Estruturas (Registros) Estruturas (Registros) Os vetores e as matrizes, como vimos anteriormente, são estruturas capazes de armazenar diversos valores do mesmo tipo. Mas, e se quiséssemos armazenar em uma estrutura diversos

Leia mais

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação UFU-Curso de Bacharelado em Ciência da Computação - 7 0 período Profa. Sandra de Amo Exercícios de Revisão : Autômatos e Gramáticas 1. Mostre que a linguagem

Leia mais

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Computabilidade 2012/2013 Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Capítulo 1 Computabilidade 1.1 A noção de computabilidade Um processo de computação

Leia mais

Seqüências, Limite e Continuidade

Seqüências, Limite e Continuidade Módulo Seqüências, Limite e Continuidade A partir deste momento, passaremos a estudar seqüência, ites e continuidade de uma função real. Leia com atenção, caso tenha dúvidas busque indicadas e também junto

Leia mais

Após enunciar uma forma do princípio de indução e usá-lo em um exemplo, passaremos a descrever duas situações envolvendo indução:

Após enunciar uma forma do princípio de indução e usá-lo em um exemplo, passaremos a descrever duas situações envolvendo indução: Vale para 1, para 2, para 2,..., Vale Sempre? Renate Watanabe Universidade Mackenzie Neste artigo vamos fazer, inicialmente, algumas afirmações sobre números naturais que são verdadeiras para os números

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FUNÇÕES NA LINGUAGEM C

PROGRAMAÇÃO FUNÇÕES NA LINGUAGEM C PROGRAMAÇÃO FUNÇÕES NA LINGUAGEM C 1 Enunciado: a)implementar a função maior que devolve o maior de dois números inteiros passados como parâmetro; b)construir um programa em C que determine o maior de

Leia mais

XXXVI OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Primeira Fase (11 de agosto de 2012) Nível (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental)

XXXVI OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Primeira Fase (11 de agosto de 2012) Nível (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental) Instruções: XXXVI OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Primeira Fase (11 de agosto de 2012) Nível (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental) Folha de Perguntas A duração da prova é de 3h30min. O tempo

Leia mais

1. PROLOGO ==========

1. PROLOGO ========== 1997 - Hackers Iniciantes em Linguagem C 1997 - RoyalBug - thedarkage@mail.geocities.com thedarkage2@mail.geocities.com 1997 - The Black Church MANUAL C 01 ================ 1997 - http://www.pcs.usp.br/~peasilva/

Leia mais

Processamento da Informação Teoria. Algoritmos e Tipos de dados

Processamento da Informação Teoria. Algoritmos e Tipos de dados Processamento da Informação Teoria Algoritmos e Tipos de dados Semana 01 Prof. Jesús P. Mena-Chalco 24/04/2013 (*) Slides adaptados das aulas do Prof. Harlen Costa Batagelo Algumas definições de algoritmo

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS CURSO TECNICO EM INFORMATICA DISCIPLINA:

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS CURSO TECNICO EM INFORMATICA DISCIPLINA: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALAGOAS CURSO TECNICO EM INFORMATICA DISCIPLINA: PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS PROFESSOR: REINALDO GOMES ASSUNTO: REVISÃO DA INTRODUÇÃO A ORIENTAÇÃO

Leia mais

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação Lógica de Programação 3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C Caro Aluno Vamos iniciar o terceiro capítulo da nossa disciplina. Agora vamos começar a aplicar os conceitos vistos nos capítulos anteriores em uma linguagem

Leia mais

13 Números Reais - Tipo float

13 Números Reais - Tipo float 13 Números Reais - Tipo float Ronaldo F. Hashimoto e Carlos H. Morimoto Até omomentonoslimitamosaouso do tipo inteiro para variáveis e expressões aritméticas. Vamos introduzir agora o tipo real. Ao final

Leia mais

Nos capítulos anteriores considerámos alguns aspectos da programação, estudámos

Nos capítulos anteriores considerámos alguns aspectos da programação, estudámos Capítulo 7 Recursão e iteração Well, I ll eat it, said Alice, and if it makes me grow larger, I can reach the key; and if it makes me grow smaller, Icancreepunderthedoor: soeitherwayi llgetintothe garden,

Leia mais

Um jogo de preencher casas

Um jogo de preencher casas Um jogo de preencher casas 12 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: resolver um jogo com a ajuda de problemas de divisibilidade. Descrevemos nestas notas um jogo que estudamos

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9. Introdução a linguagem C Estruturas de decisão

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9. Introdução a linguagem C Estruturas de decisão CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9 Introdução a linguagem C Estruturas de decisão Introdução à Linguagem C Linguagem compilada. Desenvolvida sobre os paradigmas de programação procedural. Uma das linguagens

Leia mais

I Semana de Software Livre da USP Dojo C

I Semana de Software Livre da USP Dojo C I Semana de Software Livre da USP Dojo C CCSL PoliGNU-USP MasterMind 25 de abril de 2012 1 Introdução O MasterMind é um jogo cujo objetivo é descobrir um número de 5 dígitos em 10 tentativas. A cada tentativa,

Leia mais

Integrais Duplas e Coordenadas Polares. 3.1 Coordenadas Polares: Revisão

Integrais Duplas e Coordenadas Polares. 3.1 Coordenadas Polares: Revisão Cálculo III Departamento de Matemática - ICEx - UFMG Marcelo Terra Cunha Integrais Duplas e Coordenadas Polares Nas primeiras aulas discutimos integrais duplas em algumas regiões bem adaptadas às coordenadas

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo COMPILADORES Toda linguagem de programação

Leia mais

A pirâmide de Pascal

A pirâmide de Pascal A pirâmide de Pascal Luzitelma Maria Barbosa de Castro Tarcisio Praciano-Pereira Departamento de Matemática Universidade Estadual Vale do Acaraú Março de 2003 luzitl@hotmail.com pré-prints do Curso de

Leia mais