Sistemas Distribuídos: Princípios e Algoritmos Introdução à Análise de Complexidade de Algoritmos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas Distribuídos: Princípios e Algoritmos Introdução à Análise de Complexidade de Algoritmos"

Transcrição

1 Sistemas Distribuídos: Princípios e Algoritmos Introdução à Análise de Complexidade de Algoritmos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA 20 de agosto de 2012 Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

2 Agenda 1 Medindo Tempo de Execução 2 Classes de Complexidade 3 Definição e Manipulação da Notação Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

3 Medindo Tempo de Execução Medindo Tempo de Execução Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

4 Medindo Tempo de Execução Introdução à Complexidade Este conhecimento permite identificar os algoritmos mais eficientes para resolver vários problemas encontrados com frequência; É muito importante no desenvolvimento de softwares de alta qualidade; A notação assintótica permite comparar a eficiência de algoritmos de forma independente de diferenças de hardware nos quais eles são executados ou de linguagens de programação nas quais eles são implementados. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

5 Medindo Tempo de Execução Ordenação por Seleção void selecao (int[] A) { int maxposition, temp, i, j; for (i = A.length-1; i>0; i--) { maxposition = i; for (j = 0; j < i; j++) { if (A[j] > A[maxPosition]) { maxposition = j; } } // troca A[i] com A[maxPosition] temp = A[i]; A[i] = A[maxPosition]; A[maxPosition] = temp; } } Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

6 Medindo Tempo de Execução Ordenação por Seleção: tempo de execução para 2000 inteiros (ms) Tipo de Computador Tempo microcomputador doméstico 51,915 estação de trabalho 11,508 minicomputador 2,382 mainframe 0,431 supercomputador 0,087 Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

7 Medindo Tempo de Execução Algumas Considerações... Os tempos de execução do algoritmo também variam de acordo com a linguagem de programação utilizada; Mesmo utilizando uma única linguagem, diferentes compiladores gerarão diferentes instruções em linguagem de máquina, gerando tempos de execução diferentes; Algoritmos consomem recursos (como tempo e espaço) que depende do tamanho do problema a ser resolvido; Chamemos de n o tamanho do problema. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

8 Medindo Tempo de Execução Ordenação por Seleção: variando n (ms) Tamanho vetor (n) Comp Doméstico Estação Trab ,5 2, ,3 11, ,8 43, ,3 172, ,9 690,5 Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

9 Medindo Tempo de Execução Representação Gráfica dos Resultados Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

10 Medindo Tempo de Execução Considerações As curvas possuem a forma f(n) = an 2 +bn+c e a diferença entre elas são as constantes a,b,c; Se implementarmos o mesmo algoritmo em diferentes linguagens e executarmos em outras máquinas ele continuará a ter um comportamento quadrático em função do tamanho do vetor; Na análise de complexidade procuramos descobrir a curva que caracteriza o tempo de execução em função do tamanho do problema; Desprezaremos as constantes e termos não dominantes; Para a notação-o, a função f(n) = an 2 +bn+c é dita O(n 2 ): Focamos no termo dominante (an 2 ) e ignoramos o resto (bn+c); ignora-se também a constante a. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

11 Medindo Tempo de Execução Contribuição do Termo n 2 n f(n) an 2 n 2 : % total 125 2,8 2,7 94, ,0 10,8 98, ,4 43,1 99, ,9 172,4 99, ,5 689,6 99,9 Tabela: Considerando a = 0, , b = 0,0004 e c=0,1 Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

12 Classes de Complexidade Classes de Complexidade Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

13 Classes de Complexidade Classes de Complexidade Comuns Nome Notação-O constante O(1) logaritmo O(log n) linear O(n) nlogn O(nlogn) quadrática O(n 2 ) cúbica O(n 3 ) exponencial O(2 n ) exponencial O(10 n ) Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

14 Classes de Complexidade Exemplo Dado um algoritmo A, executado um computador de 1 MIPS, quanto tempo leva para calcular uma solução para diversos tamanhos do problema? Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

15 Classes de Complexidade Convertendo os Resultados... Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

16 Classes de Complexidade Necessidade Mais Usual Que tamanho n pode assumir para que o algoritmo A possa ser executado em um ano ou uma semana ou um dia? Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

17 Classes de Complexidade Considerações sobre as Classes de Complexidade Se pudermos substituir um algoritmo linear A por um algoritmo logarítmico B, um problema que levaria uma hora para ser solucionado por A levaria apenas 31,75 micro-segundos para que B o solucionasse... Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

18 Classes de Complexidade Pior Caso, Caso Médio e Melhor Caso Nem sempre um algoritmo leva o mesmo tempo para resolver problemas de um dado tamanho, independentemente de seus dados de entrada; Isto leva à necessidade de analisarmos o melhor caso, pior caso e o caso médio da execução do algoritmo; O QuickSort, por exemplo, custa em média O(nlogn) mas seu pior caso é O(n 2 ). Pior caso do Quicksort: vetor já ordenado: particionamento gerará uma região com n 1 elementos e outra com apenas 1 elemento. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

19 Classes de Complexidade Lembrando o Funcionamento do QuickSort Dividir: O vetor A[p..r] é particionado em dois sub-vetores A[p..q] e A[q +1..r], onde cada elemento de A[p..q] é menor ou igual a qualquer elemento de A[q +1..r]. Conquistar: Os sub-vetores A[p..q] e A[q + 1..r] são ordenados por chamadas recursivas a QuickSort. Combinar: os vetores são ordenados no próprio vetor A, não é necessário trabalho adicional para combiná-los. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

20 Classes de Complexidade Alguns Exemplos: Algoritmos de Pesquisa Algoritmo Complexidade busca sequencial O(n) busca binária O(log n) tabela de espalhamento a O(1) árvore binária de busca O(log n) a sob certas condições: colisões Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

21 Classes de Complexidade Alguns Exemplos: Algoritmos de Ordenação Algoritmo Complexidade Seleção, Inserção O(n 2 ) QuickSort, HeapSort, MergeSort O(n log n) RadixSort a O(n) a ordenação sem comparações entre os elementos de entrada. Exige que os elementos estejam em uma faixa 1 a k, para algum inteiro k. Quando k = O(n), a ordenação é executada em tempo linear. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

22 Classes de Complexidade Outros Exemplos Algoritmo Complexidade problema do caixeiro viajante a exponencial jogos como xadrez exponencial algoritmo simples para a multiplicação O(n 3 ) de duas matrizes quadradas a dado um mapa com cidades e o custo para viajar entre elas (quando possível), encontrar a rota de menor custo que faça o caixeiro passar exatamente uma vez em cada cidade Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

23 Definição e Manipulação da Notação Definição e Manipulação da Notação Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

24 Definição e Manipulação da Notação Definição da Notação-O Dizemos que f(n) é O(g(n)) se existem constantes positivas K e n 0 tal que f(n) g(n) para todo n n 0. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

25 Definição e Manipulação da Notação Definição da Notação-O Figura: Θ(), O(), Ω() Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

26 Definição e Manipulação da Notação Exemplo de Prova Formal Suponha que um algoritmo A ordene uma sequência de n números, colocando-os em um vetor em ordem ascendente e que o número exato de passos que ele realiza é f(n) = n. Provemos que este algoritmo é O(n 2 ): f(n) = n = 3(1+2+ +n) = 3n(n+1) 2 Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

27 Definição e Manipulação da Notação Exemplo de Prova Formal Se escolhermos K = 3, n 0 = 1 e g(n) = n 2, substituindo na definição formal da notação-o, podemos demonstrar que f(n) g(n) para todo n n 0 e que a desigualdade vale para todo n 1: 3n(n +1) 3n 2 2 n 2 +n 2n 2 n n 2 1 n O que claramente vale para todo n 1. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

28 Definição e Manipulação da Notação Dicas Práticas Para simplificar as provas, utiliza-se atalhos que normalmente compreendem separar a expressão f(n) em um termo determinante e outros termos menores e eliminar estes últimos. Para isto, podemos classificar as funções: O(1) < O(logn) < O(n) < O(nlogn) < O(n 2 ) < O(n 3 ) < O(2 n ) < O(10 n ) Exemplo: O(6n 3 15n 2 +3nlogn) = O(6n 3 ) = O(n 3 ) Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

29 Definição e Manipulação da Notação Base de Logaritmos Não escrevemos a base de logaritmos dado que para mudar a base basta multiplica-lo por uma constante; Exemplo: para mudar um logaritmo da base 2 para a base 10 podemos utilizar a seguinte fórmula: Mas como log 10 n = log 2n log log 2 10 = 0,3010 Poderíamos ter escrito a fórmula de conversão como: log 10 n = 0,3010 log 2 n Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

30 Definição e Manipulação da Notação Considerações finais De acordo com a definição formal, se f(n) é O(n) então é também O(n 2 ),O(n 3 ),... No entanto, o limite que falamos é o mais próximo conhecido; Para problemas pequenos, as constantes podem assumir um papel determinante no desempenho do algoritmo; Portanto, a notação-o não necessariamente é válida para problemas pequenos. Francisco Silva (UFMA/LSD) SD: Princípios e Algoritmos 20 de agosto de / 30

Análise de complexidade

Análise de complexidade Introdução Algoritmo: sequência de instruções necessárias para a resolução de um problema bem formulado (passíveis de implementação em computador) Estratégia: especificar (definir propriedades) arquitectura

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Faculdade de Computação Disciplina de Verão: Algoritmos e Programação II

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Faculdade de Computação Disciplina de Verão: Algoritmos e Programação II Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Faculdade de Computação Disciplina de Verão: Algoritmos e Programação II Professores: Liana Duenha 10 de março de 2014 Professores: Liana Duenha () Universidade

Leia mais

Complexidade de Algoritmos. Edson Prestes

Complexidade de Algoritmos. Edson Prestes Edson Prestes Um problema pode ser resolvido através de diversos algoritmos; O fato de um algoritmo resolver um dado problema não significa que seja aceitável na prática. Na maioria das vezes, a escolha

Leia mais

Pesquisa Sequencial e Binária

Pesquisa Sequencial e Binária Pesquisa Sequencial e Binária Prof. Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com Introdução à Programação Crédito de Conteúdo: Professora Ceça Moraes Agenda Pesquisa Sequencial Noções de complexidade Pesquisa

Leia mais

BCC202 - Estrutura de Dados I

BCC202 - Estrutura de Dados I BCC202 - Estrutura de Dados I Aula 04: Análise de Algoritmos (Parte 1) Reinaldo Fortes Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP Departamento de Ciência da Computação, DECOM Website: www.decom.ufop.br/reifortes

Leia mais

Figura 1 Busca Linear

Figura 1 Busca Linear ----- Evidentemente, possuir os dados não ajuda o programador ou o usuário se eles não souberem onde os dados estão. Imagine, por exemplo, uma festa de casamento com cem convidados na qual não se sabe

Leia mais

Pesquisa Sequencial e Binária. Introdução à Programação SI2

Pesquisa Sequencial e Binária. Introdução à Programação SI2 Pesquisa Sequencial e Binária Introdução à Programação SI2 3 Contexto Diferentes estratégias para pesquisa (busca) de um elemento específico em um conjunto de dados. Lista, array, coleção Operação importante,

Leia mais

Métodos de Pesquisa em Memória Primária

Métodos de Pesquisa em Memória Primária Algoritmos e Estrutura de Dados II Métodos de Pesquisa em Memória Primária Prof Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com Pesquisa Por pesquisa (procura ou busca) entende-se o ato

Leia mais

Aula 03 Custos de um algoritmo e funções de complexidade

Aula 03 Custos de um algoritmo e funções de complexidade BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I Aula 03 Custos de um algoritmo e funções de complexidade Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 1Q-2015 1 Custo de um algoritmo e funções de complexidade

Leia mais

Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos

Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos SSC0101 - ICC1 Teórica Introdução à Ciência da Computação I Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos Prof. Vanderlei Bonato Prof. Cláudio Fabiano Motta Toledo Sumário Análise e solução de

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos. Profa. Juliana Kaizer Vizzotto. Projeto e Análise de Algoritmos - Aula 1

Projeto e Análise de Algoritmos. Profa. Juliana Kaizer Vizzotto. Projeto e Análise de Algoritmos - Aula 1 Projeto e Análise de Algoritmos Profa. Juliana Kaizer Vizzotto Projeto e Análise de Algoritmos - Aula 1 Roteiro Introdução Exemplo: ordenação Introdução Análise de Algoritmos Estudo teórico da performance

Leia mais

EFICIÊNCIA DE ALGORITMOS E

EFICIÊNCIA DE ALGORITMOS E AULA 2 EFICIÊNCIA DE ALGORITMOS E PROGRAMAS Medir a eficiência de um algoritmo ou programa significa tentar predizer os recursos necessários para seu funcionamento. O recurso que temos mais interesse neste

Leia mais

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES 3.1 - IDENTIFICADORES Os objetos que usamos no nosso algoritmo são uma representação simbólica de um valor de dado. Assim, quando executamos a seguinte instrução:

Leia mais

Capítulo 19. Algoritmos de Ordenação e de Pesquisa. Rui Rossi dos Santos Programação de Computadores em Java Editora NovaTerra

Capítulo 19. Algoritmos de Ordenação e de Pesquisa. Rui Rossi dos Santos Programação de Computadores em Java Editora NovaTerra Capítulo 19 Algoritmos de Ordenação e de Pesquisa Objetivos do Capítulo Conceituar ordenação e pesquisa. Apresentar os algoritmos de ordenação por troca, por seleção e por inserção. Explorar os algoritmos

Leia mais

Árvores Binárias de Busca

Árvores Binárias de Busca Árvores Binárias de Busca Uma Árvore Binária de Busca T (ABB) ou Árvore Binária de Pesquisa é tal que ou T = 0 e a árvore é dita vazia ou seu nó contém uma chave e: 1. Todas as chaves da sub-árvore esquerda

Leia mais

FACULDADE DE IMPERATRIZ - FACIMP BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTRUTURA DE DADOS 2. Vieira Lima Junior. Everson Santos Araujo

FACULDADE DE IMPERATRIZ - FACIMP BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTRUTURA DE DADOS 2. Vieira Lima Junior. Everson Santos Araujo 1 FACULDADE DE IMPERATRIZ - FACIMP BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTRUTURA DE DADOS 2 Vieira Lima Junior Everson Santos Araujo ALGORITMOS DE ORDENAÇÃO: estudo comparativo de diversos algoritmos

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA Relembrando a nossa matéria de Arquitetura de Computadores, a arquitetura de Computadores se divide em vários níveis como já estudamos anteriormente. Ou seja: o Nível 0

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO Capítulo 1 INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO 1.1 Histórico de Linguagens de Programação Para um computador executar uma dada tarefa é necessário que se informe a ele, de uma maneira clara, como ele

Leia mais

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008 Tabela de Símbolos Análise Semântica A Tabela de Símbolos Fabiano Baldo Após a árvore de derivação, a tabela de símbolos é o principal atributo herdado em um compilador. É possível, mas não necessário,

Leia mais

Universidade Federal de Alfenas

Universidade Federal de Alfenas Universidade Federal de Alfenas Projeto e Análise de Algoritmos Aula 04 Introdução a Análise de Algoritmos humberto@bcc.unifal-mg.edu.br Última aula Fundamentos de Matemática Exercícios: Somatórios; Logaritmos

Leia mais

INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas

INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas Listas de Prioridades e Heaps 1 Listas de Prioridades Em muitas aplicações, dados de uma coleção são acessados por ordem de prioridade A prioridade associada a um

Leia mais

ICC Introdução para JavaScript

ICC Introdução para JavaScript ICC Introdução para JavaScript Arquitetura Genérica de um Computador Máquina de Von Neumann Diagrama conhecido como Máquina de Von Neumann (grande nome da informática) A finalidade de um computador é receber,

Leia mais

2. Representação Numérica

2. Representação Numérica 2. Representação Numérica 2.1 Introdução A fim se realizarmos de maneira prática qualquer operação com números, nós precisamos representa-los em uma determinada base numérica. O que isso significa? Vamos

Leia mais

Pointer Jumping. odg(v) e idg(v): graus de saída e entrada do vértice v V. um vértice r tal que. O vértice r é dita raíz de T

Pointer Jumping. odg(v) e idg(v): graus de saída e entrada do vértice v V. um vértice r tal que. O vértice r é dita raíz de T Pointer Jumping T = (V,E) : árvore direcionada odg(v) e idg(v): graus de saída e entrada do vértice v V um vértice r tal que v V-{r}, odg(v) = 1, odg(r)=0 v V-{r}, um caminho de v a r O vértice r é dita

Leia mais

Introdução às Linguagens de Programação

Introdução às Linguagens de Programação Introdução às Linguagens de Programação Histórico de Linguagens de Programação O computador não faz nada sozinho Precisamos informar, de forma clara, como ele deve executar as tarefas Ou seja, o computador

Leia mais

3 Sistemas de Numeração:

3 Sistemas de Numeração: 3 Sistemas de Numeração: Os computadores eletrônicos têm como base para seu funcionamento a utilização de eletricidade. Diferente de outras máquinas que a presença ou ausência de eletricidade apenas significam

Leia mais

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 Prof. Osvaldo. 1. Desenvolva algoritmos para as operações abaixo e calcule a complexidade

Leia mais

Recursividade. Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br. BCC202 Aula 08 Algoritmos e Estruturas de Dados I

Recursividade. Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br. BCC202 Aula 08 Algoritmos e Estruturas de Dados I Recursividade Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br BCC202 Aula 08 Algoritmos e Estruturas de Dados I Outros Exemplos de Recursividade Factais são outros exemplos de recursividade Quando

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memória Primária Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memoria Primária Estudo de como recuperar informação a partir de uma grande massa de informação previamente armazenada. A informação é dividida

Leia mais

Estrutura de Dados Básica

Estrutura de Dados Básica Estrutura de Dados Básica Professor: Osvaldo Kotaro Takai. Aula 7: Recursividade O objetivo desta aula é apresentar o conceito de recursão para solução de problemas. A recursão é uma técnica de programação

Leia mais

2ª Lista de Exercícios

2ª Lista de Exercícios Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados II (Turmas M, N, W, F) 1º Semestre de 2012 Profs. Camilo Oliveira, Gisele Pappa, Ítalo Cunha,

Leia mais

Jorge Figueiredo, DSC/UFCG. Análise e Técnicas de Algoritmos 2005.1. Jorge Figueiredo, DSC/UFCG. Análise e Técnicas de Algoritmos 2005.

Jorge Figueiredo, DSC/UFCG. Análise e Técnicas de Algoritmos 2005.1. Jorge Figueiredo, DSC/UFCG. Análise e Técnicas de Algoritmos 2005. Agenda Análise e Técnicas de Algoritmos Introdução Informal Motivação Jorge Figueiredo Visão Geral do do Curso Introdução Informal O nosso curso é sobre técnicas e análise de de algoritmos (computacionais).

Leia mais

ALGORITMOS PARTE 01. Fabricio de Sousa Pinto

ALGORITMOS PARTE 01. Fabricio de Sousa Pinto ALGORITMOS PARTE 01 Fabricio de Sousa Pinto Algoritmos: Definição 2 É uma sequência de instruções finita e ordenada de forma lógica para a resolução de uma determinada tarefa ou problema. Algoritmos 3

Leia mais

Lição 1 Introdução à programação de computadores

Lição 1 Introdução à programação de computadores Lição Introdução à programação de computadores Introdução à Programação I Objetivos Ao final desta lição, o estudante será capaz de: Identificar os diferentes componentes de um computador Conhecer linguagens

Leia mais

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá.

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá. INTRODUÇÃO A lógica de programação é extremamente necessária para as pessoas que queiram trabalhar na área de programação, seja em qualquer linguagem de programação, como por exemplo: Pascal, Visual Basic,

Leia mais

Processamento da Informação Teoria. Algoritmos e Tipos de dados

Processamento da Informação Teoria. Algoritmos e Tipos de dados Processamento da Informação Teoria Algoritmos e Tipos de dados Semana 01 Prof. Jesús P. Mena-Chalco 24/04/2013 (*) Slides adaptados das aulas do Prof. Harlen Costa Batagelo Algumas definições de algoritmo

Leia mais

Algoritmos de Busca em Tabelas

Algoritmos de Busca em Tabelas Dentre os vários algoritmos fundamentais, os algoritmos de busca em tabelas estão entre os mais usados. Considere por exemplo um sistema de banco de dados. As operações de busca e recuperação dos dados

Leia mais

Análise de Algoritmos: Melhor caso, pior caso, caso médio

Análise de Algoritmos: Melhor caso, pior caso, caso médio Análise de Algoritmos: Melhor caso, pior caso, caso médio Fernando Lobo Algoritmos e Estrutura de Dados II 1 / 25 Sumário Rever um problema e um algoritmo que já conhecem. Descrevê-lo em pseudo-código

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Não Linear Aula 25: Programação Não-Linear - Funções de Uma única variável Mínimo; Mínimo Global; Mínimo Local; Optimização Irrestrita; Condições Óptimas; Método da Bissecção; Método de Newton.

Leia mais

Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária. Gramática Livre de Contexto

Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária. Gramática Livre de Contexto LFA - PARTE 2 Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária João Luís Garcia Rosa LFA-FEC-PUC-Campinas 2002 R. Gregory Taylor: http://starbase.cs.trincoll.edu/~rtaylor/thcomp/

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA Aula 06: Ponteiros Declarando e utilizando ponteiros Ponteiros e vetores Inicializando ponteiros Ponteiros para Ponteiros Cuidados a serem

Leia mais

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Estruturas de Dados Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Árvores Conceitos Árvores binárias Árvores binárias de pesquisa Árvores binárias balanceadas Árvores ESTRUTURAS

Leia mais

Tutorial de Matlab Francesco Franco

Tutorial de Matlab Francesco Franco Tutorial de Matlab Francesco Franco Matlab é um pacote de software que facilita a inserção de matrizes e vetores, além de facilitar a manipulação deles. A interface segue uma linguagem que é projetada

Leia mais

Algoritmos de pesquisa. Tabelas de dispersão/hash

Algoritmos de pesquisa. Tabelas de dispersão/hash Algoritmos de pesquisa Tabelas de dispersão/hash Introdução Motivação: Considerar o problema de pesquisar um determinado valor num vetor (array). Se o vetor não está ordenado, a pesquisa requer O(n) de

Leia mais

1 O que é um computador? Definição uma máquina que lê dados, efectua cálculos e fornece resultados.

1 O que é um computador? Definição uma máquina que lê dados, efectua cálculos e fornece resultados. 1 O que é um computador? Definição uma máquina que lê dados, efectua cálculos e fornece resultados. 1.1 - Processos básicos do computador Entrada de dados ler ou receber os valores iniciais ou constantes

Leia mais

Possui como idéia central a divisão de um universo de dados a ser organizado em subconjuntos mais gerenciáveis.

Possui como idéia central a divisão de um universo de dados a ser organizado em subconjuntos mais gerenciáveis. 3. Tabelas de Hash As tabelas de hash são um tipo de estruturação para o armazenamento de informação, de uma forma extremamente simples, fácil de se implementar e intuitiva de se organizar grandes quantidades

Leia mais

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Capítulo 2: Introdução à Linguagem C INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Programa Programa é um algoritmo escrito em uma linguagem de programação. No nosso

Leia mais

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS CES-11 CES-11 CES-11

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS CES-11 CES-11 CES-11 ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS Prof. Paulo André Castro pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac IECE - ITA Uma árvore binária é: uma árvore vazia; ou uma árvore onde qualquer

Leia mais

CI165 Introdução. André Vignatti. 31 de julho de 2014

CI165 Introdução. André Vignatti. 31 de julho de 2014 Introdução 31 de julho de 2014 Antes de mais nada... Os slides de 6 aulas (introdução, insertion sort, mergesort, quicksort, recorrências e limitantes de ordenação) foram originalmente feitos pelos Profs.

Leia mais

5 - Vetores e Matrizes Linguagem C CAPÍTULO 5 VETORES E MATRIZES

5 - Vetores e Matrizes Linguagem C CAPÍTULO 5 VETORES E MATRIZES CAPÍTULO 5 5 VETORES E MATRIZES 5.1 Vetores Um vetor armazena uma determinada quantidade de dados de mesmo tipo. Vamos supor o problema de encontrar a média de idade de 4 pessoas. O programa poderia ser:

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Professor: João Fábio de Oliveira jfabio@amprnet.org.br (41) 9911-3030 Objetivo: Apresentar o que são os Sistemas Operacionais, seu funcionamento, o que eles fazem,

Leia mais

OBI2014 Caderno de Tarefas

OBI2014 Caderno de Tarefas OBI2014 Caderno de Tarefas Modalidade Universitária, Fase 2 16 de agosto de 2014 A PROVA TEM DURAÇÃO DE 5 HORAS Promoção: Patrocínio: Olimpíada Brasileira de Informática OBI2014 1 Instruções LEIA ATENTAMENTE

Leia mais

Computadores de Programação (MAB353)

Computadores de Programação (MAB353) Computadores de Programação (MAB353) Aula 19: Visão geral sobre otimização de programas 06 de julho de 2010 1 2 3 Características esperadas dos programas O primeiro objetivo ao escrever programas de computador

Leia mais

Somatórias e produtórias

Somatórias e produtórias Capítulo 8 Somatórias e produtórias 8. Introdução Muitas quantidades importantes em matemática são definidas como a soma de uma quantidade variável de parcelas também variáveis, por exemplo a soma + +

Leia mais

5. EXPERIÊNCIAS E ANÁLISE DOS RESULTADOS. 5.1 - Os Programas de Avaliação

5. EXPERIÊNCIAS E ANÁLISE DOS RESULTADOS. 5.1 - Os Programas de Avaliação 36 5. EXPERIÊNCIAS E ANÁLISE DOS RESULTADOS 5.1 - Os Programas de Avaliação Programas de avaliação convencionais foram utilizados para análise de diversas configurações da arquitetura. Estes programas

Leia mais

Árvores de Suporte de Custo Mínimo

Árvores de Suporte de Custo Mínimo Árvores de Suporte de Custo Mínimo Pedro Ribeiro DCC/FCUP 2014/2015 Pedro Ribeiro (DCC/FCUP) Árvores de Suporte de Custo Mínimo 2014/2015 1 / 28 Árvore de Suporte Uma árvore de suporte ou árvore de extensão

Leia mais

Introdução. A Informação e sua Representação (Parte III) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação

Introdução. A Informação e sua Representação (Parte III) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Introdução à Computação A Informação e sua Representação (Parte III) Prof.a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br

Leia mais

COMPILADORES E INTERPRETADORES

COMPILADORES E INTERPRETADORES Aula 16 Arquitetura de Computadores 12/11/2007 Universidade do Contestado UnC/Mafra Curso Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber COMPILADORES E INTERPRETADORES Um compilador transforma o código fonte

Leia mais

Análise de Algoritmos

Análise de Algoritmos Análise de Algoritmos Estes slides são adaptações de slides do Prof. Paulo Feofiloff e do Prof. José Coelho de Pina. Algoritmos p. 1 Introdução CLRS 2.2 e 3.1 AU 3.3, 3.4 e 3.6 Essas transparências foram

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15 Bases Matemáticas Aula 2 Métodos de Demonstração Rodrigo Hausen v. 2013-7-31 1/15 Como o Conhecimento Matemático é Organizado Definições Definição: um enunciado que descreve o significado de um termo.

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Marcelo Lobosco DCC/UFJF Avaliando e Compreendendo o Desempenho Aula 09 Agenda Avaliando e Compreendendo o Desempenho Introdução Definindo Desempenho Medindo o Desempenho Desempenho

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização Básica B de Computadores

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Análise e Complexidade de Algoritmos

Análise e Complexidade de Algoritmos Análise e Complexidade de Algoritmos Uma visão de Intratabilidade, Classes P e NP - redução polinomial - NP-completos e NP-difíceis Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com

Leia mais

O modelo do computador

O modelo do computador O modelo do computador Objetivos: Mostrar como é o funcionamento dos computadores modernos Mostrar as limitações a que estamos sujeitos quando programamos Histórico Os primeiros computadores são da década

Leia mais

Árvore Binária de Busca

Árvore Binária de Busca Árvore Binária de Busca 319 Árvore Binária de Busca! construída de tal forma que, para cada nó:! nós com chaves menores estão na sub-árvore esquerda! nós com chaves maiores (ou iguais) estão na subárvore

Leia mais

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers)

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers) Arquiteturas RISC (Reduced Instructions Set Computers) 1 INOVAÇÕES DESDE O SURGIMENTO DO COMPU- TADOR DE PROGRAMA ARMAZENADO (1950)! O conceito de família: desacoplamento da arquitetura de uma máquina

Leia mais

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Introdução O computador como ferramenta indispensável: Faz parte das nossas vidas; Por si só não faz nada de útil; Grande capacidade de resolução

Leia mais

OTIMIZAÇÃO VETORIAL. Formulação do Problema

OTIMIZAÇÃO VETORIAL. Formulação do Problema OTIMIZAÇÃO VETORIAL Formulação do Problema Otimização Multiobjetivo (também chamada otimização multicritério ou otimização vetorial) pode ser definida como o problema de encontrar: um vetor de variáveis

Leia mais

A integral também é conhecida como antiderivada. Uma definição também conhecida para integral indefinida é:

A integral também é conhecida como antiderivada. Uma definição também conhecida para integral indefinida é: Integral Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. No cálculo, a integral de uma função foi criada para originalmente determinar a área sob uma curva no plano cartesiano e também surge naturalmente em dezenas

Leia mais

Algoritmo e Programação

Algoritmo e Programação Algoritmo e Programação Professor: José Valentim dos Santos Filho Colegiado: Engenharia da Computação Prof.: José Valentim dos Santos Filho 1 Ementa Noções básicas de algoritmo; Construções básicas: operadores,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Introdução à Lógica de Programação Sistemas Numéricos As informações inseridas em um computador são traduzidos em dados, ou seja, em sinais que podem ser manipulados pelo computador. O computador trabalha

Leia mais

Capítulo 3. Avaliação de Desempenho. 3.1 Definição de Desempenho

Capítulo 3. Avaliação de Desempenho. 3.1 Definição de Desempenho 20 Capítulo 3 Avaliação de Desempenho Este capítulo aborda como medir, informar e documentar aspectos relativos ao desempenho de um computador. Além disso, descreve os principais fatores que influenciam

Leia mais

Disciplina de Projetos e Análise de Algoritmos. Aula 1 - Apresentação aos Algoritmos Computacionais

Disciplina de Projetos e Análise de Algoritmos. Aula 1 - Apresentação aos Algoritmos Computacionais Aula 1 - Apresentação aos Algoritmos Computacionais O que é a Disciplina? Disciplina de Projeto e Análise de Algoritmos Esta é uma disciplina de Algoritmos em nível de Pós-Graduação! Temas a serem abordados:

Leia mais

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores 1ª Aula Introdução à Programação de Computadores

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores 1ª Aula Introdução à Programação de Computadores MC102 Algoritmos e Programação de Computadores 1ª Aula Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Situar a atividade de programação de computadores Apresentar conceitos fundamentais relativos

Leia mais

PARA A CONSTRUÇÃO DOS GRÁFICOS

PARA A CONSTRUÇÃO DOS GRÁFICOS 1 PARA A CONSTRUÇÃO DOS GRÁFICOS Apresentamos dois materiais feitos por estudantes do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde para construção de gráficos. As instruções das páginas

Leia mais

Autómatos Finitos Determinísticos

Autómatos Finitos Determinísticos Ficha 2 Autómatos Finitos Determinísticos 2.1 Introdução Se olharmos, de forma simplificada, para um computador encontramos três componentes principais: a) A unidade de processamento central b) As unidades

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Conceito de Computador Um computador digital é

Leia mais

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados)

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Os algoritmos são descritos em uma linguagem chamada pseudocódigo. Este nome é uma alusão à posterior implementação

Leia mais

Componentes da linguagem C++

Componentes da linguagem C++ Componentes da linguagem C++ C++ é uma linguagem de programação orientada a objetos (OO) que oferece suporte às características OO, além de permitir você realizar outras tarefas, similarmente a outras

Leia mais

Sobre o Professor Dr. Sylvio Barbon Junior

Sobre o Professor Dr. Sylvio Barbon Junior 5COP096 Teoria da Computação Aula 1 Apresentação da Disciplina e Revisão de Conceitos Prof. Dr. Sylvio Barbon Junior 1 Sobre o Professor Dr. Sylvio Barbon Junior 5COP096 Teoria da Computação Formação:

Leia mais

Computadores e Sistemas de Informação. Bases de Dados Relacionais (linguagem SQL)

Computadores e Sistemas de Informação. Bases de Dados Relacionais (linguagem SQL) Computadores e Sistemas de Informação Bases de Dados Relacionais (linguagem SQL) 2004/2005 Utilidade das Bases de Dados Recolha e processamento de dados que possuem um volume significativo, que são interrelacionados,

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior http://www.unifal-mg.edu.br/matematica/?q=disc jc Aula 02 ATIVIDADE 01 Para poupar esforço de digitação, você pode usar o tradicional

Leia mais

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação).

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação). 5. FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL 5.1. INTRODUÇÃO Devemos compreender função como uma lei que associa um valor x pertencente a um conjunto A a um único valor y pertencente a um conjunto B, ao que denotamos por

Leia mais

Busca. Pesquisa sequencial

Busca. Pesquisa sequencial Busca Banco de dados existem para que, de tempos em tempos, um usuário possa localizar o dado de um registro, simplesmente digitando sua chave. Uma tabela ou um arquivo é um grupo de elementos, cada um

Leia mais

Introdução ao Matlab. 1 Algumas regras e comandos do Matlab. 3 de março de 2015. Docente Responsável : Prof. Dr. Antônio C. Roque

Introdução ao Matlab. 1 Algumas regras e comandos do Matlab. 3 de março de 2015. Docente Responsável : Prof. Dr. Antônio C. Roque Introdução ao Matlab 3 de março de 2015 Docente Responsável : Prof. Dr. Antônio C. Roque Monitores : Rodrigo F. O. Pena e Renan Shimoura MATLAB (MATrix LABoratory) é um programa de alta performance e de

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA Aula 07: Funções O comando return Protótipo de funções O tipo void Arquivos-cabeçalho Escopo de variáveis Passagem de parâmetros por valor

Leia mais

Aula 03 Limite assintótico para a ordenação, Ordenação em tempo linear

Aula 03 Limite assintótico para a ordenação, Ordenação em tempo linear MC3305 Algoritmos e Estruturas de Dados II Aula 03 Limite assintótico para a ordenação, Ordenação em tempo linear Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 2Q-2015 1 2 Ordenação Ordenar corresponde

Leia mais

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções 1. INTRODUÇÃO Ao se obter uma sucessão de pontos experimentais que representados em um gráfico apresentam comportamento

Leia mais

Recursão em Listas. Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de Programação Funcional

Recursão em Listas. Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de Programação Funcional Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de Programação Funcional Recursão em Listas Dica: Resolva todos os exercícios sem utilizar o computador. Uma

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Introdução

Disciplina de Banco de Dados Introdução Disciplina de Banco de Dados Introdução Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Banco de Dados: Conceitos A empresa JJ. Gomes tem uma lista com mais ou menos 4.000 nomes de clientes bem como seus dados pessoais.

Leia mais

Política de Software Seguro da empresa Produção S.A

Política de Software Seguro da empresa Produção S.A Política de Software Seguro da empresa Produção S.A 1 Índice 1.0 - Introdução ----------------------------------------------------------------------------------3 2.0 - Objetivo -------------------------------------------------------------------------------------4

Leia mais

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS Orientando: Oliver Mário

Leia mais

Prof. Esp. Adriano Carvalho

Prof. Esp. Adriano Carvalho Prof. Esp. Adriano Carvalho O que é um Programa? Um arquivo contendo uma sequência de comandos em uma linguagem de programação especifica Esses comandosrespeitam regras de como serem escritos e quais

Leia mais

Curso: Técnico de Informática Disciplina: Redes de Computadores. 1- Apresentação Binária

Curso: Técnico de Informática Disciplina: Redes de Computadores. 1- Apresentação Binária 1- Apresentação Binária Os computadores funcionam e armazenam dados mediante a utilização de chaves eletrônicas que são LIGADAS ou DESLIGADAS. Os computadores só entendem e utilizam dados existentes neste

Leia mais