Formalização de Workflow baseada na Lógica Linear: Análise Qualitativa e Quantitativa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Formalização de Workflow baseada na Lógica Linear: Análise Qualitativa e Quantitativa"

Transcrição

1 Formalização de Workflow baseada na Lógica Linear: Análise Qualitativa e Quantitativa Aluna: Lígia Maria Soares Passos 1, Orientador: Prof. Dr. Stéphane Julia 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade Federal do Uberlândia (UFU) Uberlândia MG Brasil Nível: Mestrado Data de ingresso no programa: 13 de Agosto de 2007 Previsão de conclusão: Julho de 2009 Resumo. O objetivo principal da pesquisa proposta neste artigo é prover a formalização de workflow, propiciando análises qualitativas e quantitativas de Work- Flow nets. Para tanto, utilizaremos conceitos de redes de Petri t-temporais, WorkFlow nets e Lógica Linear. A sessão 1 apresenta uma introdução ao assunto. A sessão 2 mostra a fundamentação teórica para o desenvolvimento deste trabalho. Na sessão 3 são descritos os trabalhos relacionados à pesquisa a ser desenvolvida. Já as sessões 4 e 5 apresentam a metodologia e os resultados esperados, respectivamente. A sessão 6 finaliza este artigo com a apresentação do cronograma de atividades a serem realizadas até a conclusão da pesquisa. Palavras-Chave. WorkFlow nets, Redes de Petri T-temporais, Lógica Linear.

2 1. Introdução Segundo [van der Aalst and van Hee 2002], o processo de workflow representa a sequência de atividades que precisam ser executadas em uma organização para tratar casos específicos e atingir uma meta bem definida. De acordo com [Leymann and Roller 1997], um processo de negócio é um conjunto de atividades que podem, ou não, ser executadas simultaneamente, com alguma especificação de controle e fluxo de dados entre as atividades. Para [van der Aalst 1998], a meta fundamental do gerenciamento de workflow é ter a certeza de que atividades corretas são executadas pelas pessoas certas e no tempo certo. A teoria das Redes de Petri foi proposta em 1962 por Carl Adam Petri, em sua tese de doutorado Kommunikation mit Automaten [Petri 1962], na Universidade de Bonn, Alemanha. Atualmente há muitas extensões de rede de Petri denominadas redes de Petri de alto nível a saber: redes de Petri coloridas [Jensen 1991], redes de Petri a objetos [Sibertin-Blanc 1985], redes de Petri t-temporais [Menasche 1982, Merlin 1974], redes de Petri p-temporais [Khansa 1997], redes de Petri t-temporizadas [Ramamoorthy and Ho 1990, Ramchandani 1974], redes de Petri p-temporizadas [Sifakis 1977, Tazza 1987], entre outras. [van der Aalst 1998] afirma que há várias razões para usar redes de Petri na modelagem de workflow: semântica formal, expressividade, técnicas de análise e o fato de ser fornecida de forma independente. [van der Aalst and van Hee 2002] acrescentam que o uso de tal formalismo tem uma série de vantagens importantes, como o fato de forçar uma definição precisa, características como ambigüidade, incerteza e contradições são prevenidas - em contraste com a maioria das técnicas de diagramação informais, como o uso de diagramas de atividades da UML [Dumas and ter Hofstede 2001]. A lógica linear foi proposta em 1987 por Girard [Girard 1987]. Segundo [Girard 1995], a lógica linear não é uma lógica alternativa e sim uma extensão da lógica clássica, introduzindo a esta novos conectivos. De acordo com [Lincoln 1992], desde que a lógica linear foi introduzida por Girard, vários resultados têm sido obtidos e cada vez mais os cientistas da computação têm reconhecido a lógica linear como uma lógica expressiva, poderosa e com profundas ligações com os conceitos da ciência da computação, evidenciados, principalmente, pela natural codificação de modelos computacionais como as redes de Petri, as máquinas de Turing, entre outros. Segundo [Lin and Qu 2004], um grupo significante de pesquisadores tem se dedicado a analisar e verificar processos de workflow sem levar em consideração a dimensão do tempo envolvido nas atividades. Entretanto, os processos de workflow têm um forte aspecto temporal associado ao seu desenvolvimento. Uma vez que há o aspecto temporal associado aos processos de workflow, há também a necessidade de identificar quando serão realizadas as tarefas envolvidas no processo, e consequentemente, quando devem ocorrer as alocações dos recursos (pessoas, robôs, serviços terceirizados, entre outros) envolvidos em cada atividade. Atualmente, podemos observar a crescente demanda de serviços terceirizados dentro das empresas e este fato aumenta a necessidade de identificar quando um serviço deverá estar disponibilizado para a execução de uma dada tarefa, uma vez que alocar um terceiro em momento indevido frequentemente gera gastos desnecessários para estas empresas. Além disso, há a necessidade de verificar se um processo definido chegará ou não em seu estado final, ou seja, se o processo se finalizará e quando esta finalização ocorrerá. A proposta deste trabalho é formalizar, utilizando lógica linear, o processo de workflow, permitindo tanto a análise qualitativa do processo (verificação da propriedade Soundness)

3 quanto a análise quantitativa, que definirá quando cada recurso utilizado no processo deverá estar disponível e quando a finalização deste processo irá ocorrer. 2. Fundamentação Teórica 2.1. WorkFlow nets Uma rede de Petri que modela um processo de workflow é uma WorkFlow net [van der Aalst and van Hee 2002, van der Aalst 1998]. Uma WorkFlow net satisfaz as seguintes propriedades [van der Aalst 1998]: Tem apenas um lugar de início (denominado Start) e apenas um lugar de término (denominado End). Uma ficha em Start representa um caso que precisa ser tratado e uma ficha em End representa um caso que foi tratado. Toda tarefa t (transição) e condição p (lugar) deve estar em um caminho do lugar Start para o lugar End. Soundness é um critério de verificação de correção definido para WorkFlow nets. Uma WorkFlow net é sound se, e somente se, as três condições a seguir são satisfeitas: Para cada ficha colocada no lugar de início, uma, e apenas uma, ficha eventualmente aparecerá no lugar de término. Quando uma ficha aparece no lugar de término, todos os outros lugares estão vazios. Para cada transição (tarefa), é possível evoluir da marcação inicial até a marcação que sensibiliza tal transição, ou seja, todas as transições devem ser quase-vivas, de acordo com sua marcação inicial. Caso haja a necessidade de representar restrições de tempo explícito na WorkFlow net, pode-se considerar a definição das redes de Petri t-temporais, uma vez que as tarefas são associadas às transições. Uma rede de Petri t-temporal é obtida associando-se a cada transição uma duração de sensibilização. O disparo é instantâneo, mas a transição deve estar sensibilizada durante o intervalo de tempo dado. Um intervalo [θ min, θ max ] é associado a cada transição; a duração de sensibilização deve ser maior que θ min e menor que θ max (a transição deve disparar antes de θ max ) [Merlin 1974] Lógica Linear Na lógica clássica, as proposições podem assumir valores verdadeiro (true) ou falso (false). Entretanto, na lógica linear, as proposições são tratadas como recursos que podem ser produzidos ou consumidos. A principal diferença da lógica linear em relação à lógica clássica é a inexistência das regras do enfraquecimento e da contração [Pradin-Chezalviel et al. 1999]. Pela regra do enfraquecimento [Gochet and Gribomont 1990], se A B então (A C) B, o que não é válido na lógica linear, uma vez que um recurso C não pode ser produzido e consumido a qualquer momento sem ter nenhuma interferência no sistema. Pela regra da contração [Gochet and Gribomont 1990], se (A A) B então A B, o que também não é válido na lógica linear pois, uma vez que as proposições representam recursos, a necessidade de consumo de dois recursos para produção de outro não pode ser substituída pela necessidade de apenas um desses recursos. Outra diferença entre estas duas lógicas é que, na lógica clássica, uma verdade é dita estável, ou seja se A B e A é verdadeiro, então B é deduzido e A continua sendo verdadeiro. Já na lógica linear, se A foi consumido para produzir B, A é não é mais válida após a produção de B [Soares 2004].

4 A lógica linear introduz novos conectivos, como os conectivos par ( ), times ( ), with ( ), plus ( ) e linear implies ( )(para maiores detalhes, consulte [Girard 1987, Girard 1995, Pradin-Chezalviel et al. 1999]). Neste trabalho, apenas dois conectivos da lógica linear serão utilizados, uma vez estes conectivos permitem representar tanto as marcações quanto os disparos das transições de uma rede de Petri. Estes conectivos são: O conectivo times, denotado pelo símbolo, que representa a disponibilidade simultânea de recursos. Por exemplo, A B representa a disponibilidade simultânea dos recursos A e B; e o conectivo linear implies denotado pelo símbolo, que representa uma mudança de estado. Por exemplo, A B denota que consumindo A, B é produzido (note que após a produção de B, A não estará mais disponível). Na lógica linear, uma prova é o resultado de aplicações de regras válidas através de inferências sucessivas. Um sequente linear tem a forma Γ, onde Γ e são conjuntos finitos de fórmulas, tal que Γ representa as premissas (ou antecedente) e são as conclusões (ou consequente). Um sequente linear é válido se existe uma prova sintática a partir de regras válidas da lógica linear. A tradução de uma rede de Petri em regras da lógica linear é mostrada em [Pradin-Chezalviel et al. 1999], de forma de que uma fórmula lógica é associada a cada marcação e a cada transição. De acordo com [Girault 1997], há equivalência entre o conjunto de marcações acessíveis de uma rede de Petri e a prova de sequentes da lógica linear. Uma vez que na lógica linear os átomos são produzidos e consumidos, podemos calcular as datas de produção e consumo de cada átomo presente em uma árvore de prova, associando a cada um destes um par (D P, D C ), onde D P e D C representam, respectivamente, a data de produção e consumo do átomo. O processo de construção de árvores de prova canônica com cálculo de datas é mostrado em [Riviere et al. 2001]. 3. Trabalhos Relacionados A literatura traz poucos trabalhos correlatos. Dentre eles destacam-se: Scenario duration characterization of t-timed Petri nets using linear logic [Pradin-Chezalviel et al. 1999]. Este artigo explora a equivalência entre a alcançabilidade de uma marcação M a partir de uma marcação M de uma rede de Petri e a prova de um conjunto de sequentes da lógica linear. No entanto, os autores não aplicam esta teoria para análise da propriedade soundness definida para WorkFlow nets, que é um dos objetivos desta pesquisa. Temporal inference of workflow systems based on time petri nets: Quantitative and qualitative analysis [Lin and Qu 2004]. Baseados nas redes de Petri temporais, os autores introduzem um conjunto de algoritmos de inferência linear para resolver alguns problemas de inferência quantitativa das restrições temporais dos processos de workflow e, baseados na lógica temporal estendida a intervalos (EITL), propõem modelos de workflow para qualificar relações de inferência temporal entre as tarefas do sistema de workflow. Neste artigo, os autores apresentam algoritmos, para a análise quantitativa, que realizam reduções do modelo, transformando uma sequência de atividades em apenas uma transição. Desta forma, não há como calcular os intervalos de execução de cada tarefa do processo de workflow individualmente. O que os autores determinam são intervalos de tempo para a finalização do processo de workflow, considerando-se todas as formas de finalização do mesmo. A pesquisa proposta tem por objetivo determinar os intervalos de execução para cada tarefa do processo, o que não ocorre no trabalho de [Lin and Qu 2004].

5 Reachability and Temporal Conflicts in t-time Petri Nets [Riviere et al. 2001]. Neste artigo, os autores tratam a alcançabilidade de uma rede de Petri t-temporal assim como os conflitos entre cenários, levando em consideração todas as restrições de tempo. Neste artigo também é mostrada a prova canônica da lógica linear com o uso de datas. Entretanto, os autores não aplicam a teoria definida aos processos de workflow, que é a proposta desta pesquisa. Workflow Management: Models, Methods and Systems [van der Aalst and van Hee 2002]. Neste livro os autores definem o que são os processos de workflow e como mapeá-los utilizando redes de Petri, através da definição de WorkFlow nets. Os autores apresentam, para análise do modelo, apenas algoritmos baseados na enumeração das marcações. Tais algoritmos geralmente sofrem do problema da explosão combinatória quando o número de casos aumenta. 4. Metodologia O principal objetivo da formalização de processos de workflow é possibilitar a análise qualitativa e quantitativa do modelo. A análise qualitativa do modelo diz respeito à prova do critério de verificação de correção definido para WorkFlow nets, denominado Soundness, descrito na sessão 2.1. A análise quantitativa do modelo tem como objetivo determinar datas simbólicas para realização das tarefas e, consequentemente, planejamento de recursos. Para a análise qualitativa será considerada uma WorkFlow net sem extensão de tempo. Para realizar a verificação do critério de correção Soundness para uma WorkFlow net serão construídas árvores de prova canônica da lógica linear (sem cálculo de datas), considerando cada rota alternativa da WorkFlow net. A partir da construção destas árvores de prova será realizada a análise qualitativa para a WorkFlow net. A análise quantitativa será realizada através da construção de árvores de prova canônica da lógica linear com cálculo de datas para a rede de Petri t-temporal, com conceitos de Work- Flow net embutidos, que modela o processo de workflow. A partir das datas obtidas nas árvores de prova, serão analisadas as datas de execução de cada tarefa do modelo e será estabelecido um planejamento dos recursos utilizados na execução de cada atividade. [van der Aalst and van Hee 2002] mostram detalhadamente como mapear processos de workflow em redes de Petri. [Pradin-Chezalviel et al. 1999] definem como traduzir uma rede de Petri em fórmulas da lógica linear, obtendo assim o sequente linear a ser provado através da construção de árvores de prova canônica, assim como a construção de árvores de prova canônica sem cálculo de datas (para a análise qualitativa). [Riviere et al. 2001] mostram como construir árvores de prova canônica com cálculo de datas (para análise quantitativa) para redes de Petri t-temporais. Uma vez que todos os conceitos necessários para a realização deste trabalho estão bem formalizados, iremos utilizá-los juntamente para realizar a análise qualitativa e quantitativa de WorkFlow nets, uma vez que estes conceitos não foram ainda aplicados neste contexto. 5. Resultados Esperados Com a realização deste trabalho espera-se: 1. Formalizar processos de workflow utilizando redes de Petri t-temporais e WorkFlow nets.

6 2. Realizar análises formais (qualitativa e quantitativa) de processos de workflow utilizando recursos da lógica linear. 3. Estabelecer datas simbólicas para a realização das tarefas presentes no processo de workflow e, consequentemente, das alocações de recursos associadas a estas tarefas. 4. Realizar um estudo de caso aplicado ao processo de desenvolvimento de software. Neste estudo, um ciclo de desenvolvimento de software será modelado por uma WorkFlow net t-temporal, a partir da qual o processo de análise apresentado neste trabalho será executado. 6. Cronograma de Atividades O cronograma de atividades, mostrado na Tabela 1, é composto das seguintes etapas: Etapa 1 - Estudo de artigos e livros para fundamentação teórica. Apresentação ao orientador dos resultados obtidos por meio de seminários, com a finalidade de verificar a viabilidade das propostas encontradas. Etapa 2 - Entendimento e redação das fundamentações teóricas necessárias para o desenvolvimento da pesquisa. Etapa 3 - Formalização e análise do modelo de workflow utilizando as teorias previamente citadas e avaliação dos resultados obtidos (através do estudo de caso). Etapa 4 - Elaboração de artigos para submissão em congressos científicos e periódicos, a fim de verificar a viabilidade e confiabilidade da proposta. Etapa 5 - Elaboração e revisão da dissertação. Etapa 6 - Defesa da dissertação. Ano Mês Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Etapa Novembro Dezembro Janeiro Fevereiro Março 2009 Abril Maio Junho Julho Tabela 1. Cronograma de Atividades Referências Dumas, M. and ter Hofstede, A. H. M. (2001). Uml activity diagrams as a workflow specification language. In Proceedings of the 4th International Conference on The Unified Modeling Language, Modeling Languages, Concepts, and Tools, pages 76 90, London, UK. Springer- Verlag. Girard, J.-Y. (1987). Linear logic. Theor. Comput. Sci., 50(1): Girard, J.-Y. (1995). Linear logic: its syntax and semantics. In Proceedings of the workshop on Advances in linear logic, pages 1 42, New York, NY, USA. Cambridge University Press. Girault, F. (1997). A logic for Petri nets, volume 31. Eddition Hermes. Gochet, P. and Gribomont, P. (1990). Logique: méthodes pour l informatique fondamentale, volume Vol 1. Hermès.

7 Jensen, K. (1991). Coloured petri nets: a high level language for system design and analysis. In APN 90: Proceedings on Advances in Petri nets 1990, pages , New York, NY, USA. Springer-Verlag New York, Inc. Khansa, W. (1997). Réseaux de Petri p-temporels contribution a l etude des systemes a evenements discrets. PhD thesis, Université de Savoie, France. Leymann, F. and Roller, D. (1997). Workflow-based applications. IBM Syst. J., 36(1): Lin, C. and Qu, Y. (2004). Temporal inference of workflow systems based on time petri nets: Quantitative and qualitative analysis. Int. J. Intell. Syst., 19(5): Lincoln, P. (1992). Linear logic. SIGACT News, 23(2): Menasche, M. (1982). Analyse des réseaux de Petri temporisés et aplication aus systèmes distribuès. PhD thesis, Université Paul Sabatier, Toulouse, France. Merlin, P. (1974). A study of recoverability of computer systems. PhD thesis, University of California, Irvine. Petri, C. A. (1962). Kommunikation mit Automaten. Bonn: Institut für Instrumentelle Mathematik, Schriften des IIM Nr. 2. Pradin-Chezalviel, B., Valette, R., and Kunzle, L. A. (1999). Scenario durations characterization of t-timed petri nets using linear logic. In PNPM 99: Proceedings of the The 8th International Workshop on Petri Nets and Performance Models, page 208, Washington, DC, USA. IEEE Computer Society. Ramamoorthy, C. V. and Ho, G. S. (1990). Performance evaluation of asynchronous concurrent systems using petri nets. pages Ramchandani, C. (1974). Analysis of asynchronous concurrent systems by timed petri nets. Technical report, Cambridge, MA, USA. Riviere, N., Valette, R., Pradin-Chezalviel, B., and Ups, I. A.. (2001). Reachability and temporal conflicts in t-time petri nets. In PNPM 01: Proceedings of the 9th international Workshop on Petri Nets and Performance Models (PNPM 01), page 229, Washington, DC, USA. IEEE Computer Society. Sibertin-Blanc, C. (1985). High level petri nets with data structure. In Jensen, K., editor, Proceedings of the 6th european Workshop on Application and Theory of Petri Nets, Espoo, Finland, pages Sifakis, J. (1977). Use of petri nets for performance evaluation. In Proceedings of the Third International Symposium on Measuring, Modelling and Evaluating Computer Systems, pages 75 93, Amsterdam, The Netherlands, The Netherlands. North-Holland Publishing Co. Soares, M. d. S. (2004). Uma abordagem baseada num jogador de redes de petri p-temporal e no cálculo de sequentes da lógica linear para a verificação de cenários de sistemas tempo real especificados através de diagramas dinâmicos da uml. Master s thesis, Faculdade de Computação, Universidade Federal de Uberlândia. Tazza, M. (1987). Quantitative analysis of a resource allocation problem: a net theory based proposal. pages van der Aalst, W. M. P. (1998). The aplication of petri nets to workflow management. In The Journal of Circuits,Systems and Computers, pages van der Aalst, W. M. P. and van Hee, K. (2002). Workflow Management: Models, Methods, and Systems (Cooperative Information Systems). The MIT Press.

Modelagem e análise de cenários de Video Game

Modelagem e análise de cenários de Video Game Modelagem e análise de cenários de Video Game Autor: Guilherme Willian de Oliveira 1, Orientador: Stéphane Julia 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade Federal do Uberlândia

Leia mais

Análise qualitativa do processo de workflow da ouvidoria do IFMG campus Bambuí: um estudo de caso

Análise qualitativa do processo de workflow da ouvidoria do IFMG campus Bambuí: um estudo de caso Análise qualitativa do processo de workflow da ouvidoria do IFMG campus Bambuí: um estudo de caso Estefânia Paula da SILVA¹; Lígia Maria SOARES PASSOS² ¹ Aluna do curso de Engenharia de Produção do IFMG

Leia mais

FORMALIZAÇÃO DE WORKFLOW NETS UTILIZANDO LÓGICA LINEAR: ANÁLISE QUALITATIVA E QUANTITATIVA

FORMALIZAÇÃO DE WORKFLOW NETS UTILIZANDO LÓGICA LINEAR: ANÁLISE QUALITATIVA E QUANTITATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO FORMALIZAÇÃO DE WORKFLOW NETS UTILIZANDO LÓGICA LINEAR: ANÁLISE QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Leia mais

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Resumo. A fim de flexibilizar o fluxo de controle e o fluxo de dados em Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWf),

Leia mais

Especificação de Testes Funcionais usando Redes de Petri a Objetos para Softwares Orientados a Objetos

Especificação de Testes Funcionais usando Redes de Petri a Objetos para Softwares Orientados a Objetos Especificação de Testes Funcionais usando Redes de Petri a Objetos para Softwares Orientados a Objetos Autor(a): Liliane do Nascimento Vale 1 Orientador: Stéphane Júlia 1 1 Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia EDITAL Nº05/ PROGRAD/ DIREN/2010 ANEXO II 1 Título do Projeto: Automação de Fluxo de Trabalho Administrativo 2- Nome do Orientador: Autran Macêdo 3 Unidade: FACOM 4- Curso: Bacharelado em Ciência da Computação

Leia mais

O Problema do k-servidor

O Problema do k-servidor Autor: Mário César San Felice Orientador: Orlando Lee 22 de março de 2010, IC-Unicamp Estrutura A seguir temos a estrutura geral da dissertação. Otimização combinatória Computação online Análise competitiva

Leia mais

TRADUZINDO A DEFINIÇÃO DE PROCESSO EM XPDL PARA MODELOS EM REDES DE PETRI

TRADUZINDO A DEFINIÇÃO DE PROCESSO EM XPDL PARA MODELOS EM REDES DE PETRI XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. TRADUZINDO A DEFINIÇÃO DE PROCESSO EM XPDL PARA MODELOS EM REDES DE PETRI Rosemary Francisco (PUCPR) rmaryf@gmail.com Eduardo de Freitas Rocha Loures (PUCPR)

Leia mais

ANÁLISE DE PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO REDES DE PETRI ANALYSIS OF SOFTWARE DEVELOPMENT PROCESS USING PETRI NETS

ANÁLISE DE PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO REDES DE PETRI ANALYSIS OF SOFTWARE DEVELOPMENT PROCESS USING PETRI NETS ANÁLISE DE PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO REDES DE PETRI ANALYSIS OF SOFTWARE DEVELOPMENT PROCESS USING PETRI NETS Lucas Vinícius Rodrigues Grabert 1 Rodrigo Palucci Pantoni 2 Data

Leia mais

Gerenciamento dos Dados e Processos de Negócio na Modelagem de um Padrão de Workflow para Inferência sobre Indicadores de Saúde Pública

Gerenciamento dos Dados e Processos de Negócio na Modelagem de um Padrão de Workflow para Inferência sobre Indicadores de Saúde Pública UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO EM MODELAGEM COMPUTACIONAL DO CONHECIMENTO Gerenciamento dos Dados e Processos de Negócio na Modelagem de um Padrão de Workflow

Leia mais

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Autor:Thiago França Naves 1, Orientador: Carlos Roberto Lopes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

EQUIVALÊNCIA E A MATRIZ COMPANHEIRA P

EQUIVALÊNCIA E A MATRIZ COMPANHEIRA P Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Campus Rio Pomba Coordenação de Cursos de Pós-Graduação e Pesquisa PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

TPref-SQL: uma linguagem de consultas para bancos de dados com suporte a preferências temporais

TPref-SQL: uma linguagem de consultas para bancos de dados com suporte a preferências temporais TPref-SQL: uma linguagem de consultas para bancos de dados com suporte a preferências temporais Autor: Marcos Roberto Ribeiro 1, Orientadora: Sandra Aparecida de Amo 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

TÍTULO DA TESE. Nome do Autor Sobrenome

TÍTULO DA TESE. Nome do Autor Sobrenome TÍTULO DA TESE Nome do Autor Sobrenome Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, COPPE, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos

Leia mais

PROPOSTA DE MODELAGEM DE UM SISTEMA FLEXÍVEL DE MANUFATURA CENTRADO EM ROBÔ UTILIZANDO REDES DE PETRI

PROPOSTA DE MODELAGEM DE UM SISTEMA FLEXÍVEL DE MANUFATURA CENTRADO EM ROBÔ UTILIZANDO REDES DE PETRI PROPOSTA DE MODELAGEM DE UM SISTEMA FLEXÍVEL DE MANUFATURA CENTRADO EM ROBÔ UTILIZANDO REDES DE PETRI FLAVIO PIECHNICKI (PUC) fpiechnicki@gmail.com Os avanços tecnológicos e o aumento da complexidade dos

Leia mais

de Bordas em Imagens Digitais

de Bordas em Imagens Digitais Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Avaliação Quantitativa de um Método Automático de Extração de Bordas em Imagens Digitais Inês A. Gasparotto Boaventura Departamento de Ciências de Computação e Estatística,

Leia mais

Modelagem Flexível para Processos de Negócio. Resultados de um Estudo Experimental

Modelagem Flexível para Processos de Negócio. Resultados de um Estudo Experimental Modelagem Flexível para Processos de Negócio Resultados de um Estudo Experimental Fabiane Albino Aluna Mestrado Prof. Ricardo Massa Orientador Cenário Atual Modelagem de Processos de Negócio de maneira

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO 18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO Autor(es) MARINA CALÇA Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS

Leia mais

Desenvolvimento de uma Técnica de Inspeção de Diagrama de Estados com apoio dos Diagramas de Atividades descrevendo os Casos de Uso do Software

Desenvolvimento de uma Técnica de Inspeção de Diagrama de Estados com apoio dos Diagramas de Atividades descrevendo os Casos de Uso do Software Desenvolvimento de uma Técnica de Inspeção de Diagrama de Estados com apoio dos Diagramas de Atividades descrevendo os Casos de Uso do Software Karen Miyuki Nakazato Guilherme Horta Travassos {kmn, ght}@cos.ufrj.br

Leia mais

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Discutindo a visibilidade da EaD Pública no Brasil USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Priscilla Márcia Scarpelli Bastos 1, Diogo Marcos de

Leia mais

Análise do impacto de operações de live migration em ambientes de computação em nuvem Workshop MoDCS 2012.2

Análise do impacto de operações de live migration em ambientes de computação em nuvem Workshop MoDCS 2012.2 Análise do impacto de operações de live migration em ambientes de computação em nuvem Workshop MoDCS 2012.2 Matheus D'Eça Torquato de Melo (mdetm@cin.ufpe.br) Paulo Maciel (prmm@cin.ufpe.br) 12 Roteiro

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Gerenciamento de Workflows em Redes de Petri para Sequenciamento de DNA

Modelagem de Sistemas de Gerenciamento de Workflows em Redes de Petri para Sequenciamento de DNA Modelagem de Sistemas de Gerenciamento de Workflows em Redes de Petri para Sequenciamento de DNA Geise Kelly da Silva Santos, Liliane do Nascimento Vale 1 Departamento de Computação Universidade Federal

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA UML PARA ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE TEMPO REAL

UTILIZAÇÃO DA UML PARA ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE TEMPO REAL UTILIZAÇÃO DA UML PARA ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE TEMPO REAL Airton Zancanaro Evandro de Souza Fabrício Jailson Barth Universidade Regional de Blumenau FURB Rua Antônio da Veiga, 140 Caixa Postal 1507

Leia mais

Especificação de Uma Abordagem para Desenvolvimento Distribuído de Software Utilizando SPEM

Especificação de Uma Abordagem para Desenvolvimento Distribuído de Software Utilizando SPEM Especificação de Uma Abordagem para Desenvolvimento Distribuído de Software Utilizando SPEM Gislaine Camila Lapasini Leal, Elisa Hatsue Moriya Huzita Tania Fatima Calvi Tait e César Alberto da Silva Universidade

Leia mais

Gerenciamento dos Custos

Gerenciamento dos Custos Gerenciamento dos Custos Baseado no PMBOK Guide 2000 Hermano Perrelli hermano@cin.ufpe.br Objetivos desta aula Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para gerenciar os custos de um

Leia mais

Ferramentas para Simulação e Avaliação de Processadores. de Alto Desempenho

Ferramentas para Simulação e Avaliação de Processadores. de Alto Desempenho Ferramentas para Simulação e Avaliação de Processadores de Alto Desempenho 5 de agosto de 2010 Resumo 1 Apresentação e Justificativa A tarefa de avaliar e comparar experimentalmente projetos em torno de

Leia mais

PL-SCIENCE: CONECTANDO ONTOLOGIAS E MODELOS DE FEATURES EM UMA LINHA DE PRODUTO PARA APLICAÇÕES CIENTÍFICAS

PL-SCIENCE: CONECTANDO ONTOLOGIAS E MODELOS DE FEATURES EM UMA LINHA DE PRODUTO PARA APLICAÇÕES CIENTÍFICAS PL-SCIENCE: CONECTANDO ONTOLOGIAS E MODELOS DE FEATURES EM UMA LINHA DE PRODUTO PARA APLICAÇÕES CIENTÍFICAS Gabriella Castro Barbosa Costa gabriellacbc@gmail.com Orientadores Regina Maria Maciel Braga

Leia mais

Um Arcabouço open source em Python para DBC com

Um Arcabouço open source em Python para DBC com Um Arcabouço open source em Python para DBC com Suporte à Evolução Dinâmica não Antecipada Yguaratã C. Cavacanti 1, Hyggo Oliveira de Almeida 1, Evandro Costa 2 1 Instituto de Computação Universidade Federal

Leia mais

Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br

Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br Orientadores: Márcio de Oliveira Barros e Cláudia Maria Lima Werner {marcio,

Leia mais

Trabalho de Mestrado

Trabalho de Mestrado Caracterização da carga de trabalho em sistemas de educação a distância Trabalho de Mestrado Janaína R. Penedo (Aluno),Morganna Diniz(Orientador) Programa de Pós-Graduação em Informática - PPGI 1 Universidade

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

ANÁLISE DE EVOLUÇÃO DE SOFTWARE PARA RECUPERAÇÃO DA RASTREABILIDADE ENTRE DOCUMENTAÇÃO E CÓDIGO FONTE BASEADA EM MODELOS DE CARACTERÍSTICAS

ANÁLISE DE EVOLUÇÃO DE SOFTWARE PARA RECUPERAÇÃO DA RASTREABILIDADE ENTRE DOCUMENTAÇÃO E CÓDIGO FONTE BASEADA EM MODELOS DE CARACTERÍSTICAS ANÁLISE DE EVOLUÇÃO DE SOFTWARE PARA RECUPERAÇÃO DA RASTREABILIDADE ENTRE DOCUMENTAÇÃO E CÓDIGO FONTE BASEADA EM MODELOS DE CARACTERÍSTICAS Autor: Allysson Costa e Silva 1, Orientador: Prof. Dr. Marcelo

Leia mais

Modelagem de Arquiteturas Organizacionais de TI Orientadas a Serviços

Modelagem de Arquiteturas Organizacionais de TI Orientadas a Serviços Modelagem de Arquiteturas Organizacionais de TI Orientadas a Serviços João Paulo A. Almeida Núcleo de Estudos em Modelagem Conceitual e Ontologias (NEMO) Departamento de Informática Universidade Federal

Leia mais

Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação

Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação Rafael Seidi Shigueoka¹, Bruno Bogaz Zarpelão¹ 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.011 CEP 86057-970

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Lucas A. de Oliveira, Rui A. R. B. Figueira, Expedito C. Lopes Mestrado em Sistemas e Computação Universidade de Salvador (UNIFACS)

Leia mais

Engenharia de Ontologias Seminário UPON

Engenharia de Ontologias Seminário UPON Engenharia de Ontologias Seminário UPON Núcleo de Estudos em Modelagem Conceitual e Ontologias Bruno Nandolpho Machado Vinícius Soares Fonseca Professor: Ricardo de Almeida Falbo Agenda RUP Método UPON

Leia mais

TimeNET(Timed Net Evaluation Tool)

TimeNET(Timed Net Evaluation Tool) (Timed Net Evaluation Tool) Carlos Julian Araújo cjma@cin.ufpe.br Gustavo Callou grac@cin.ufpe.br Orientador: Prof. Paulo Maciel prmm@cin.ufpe.br Programação Data: 15 de Junho2011 Local: Laboratório G1

Leia mais

Gerenciamento dos Dados e Processos de Negócio na Modelagem de um Padrão de Workflow para Inferência sobre Indicadores de Saúde Pública

Gerenciamento dos Dados e Processos de Negócio na Modelagem de um Padrão de Workflow para Inferência sobre Indicadores de Saúde Pública Gerenciamento dos Dados e Processos de Negócio na Modelagem de um Padrão de Workflow para Inferência sobre Indicadores de Saúde Pública André Gustavo Teixeira Lins, Tércio de Morais, Eliana S. Almeida

Leia mais

Método de avaliação do modelo de processos de negócio do Enterprise Knowledge Development

Método de avaliação do modelo de processos de negócio do Enterprise Knowledge Development Método de avaliação do modelo de processos de negócio do Enterprise Knowledge Development Resumo Sílvia Inês Dallavalle de Pádua Ricardo Yassushi Inamasu Apresenta o método de avaliação do modelo de processos

Leia mais

(Model Checking) Estes slides são baseados nas notas de aula da Profa. Corina

(Model Checking) Estes slides são baseados nas notas de aula da Profa. Corina Verificação de Modelos (Model Checking) Estes slides são baseados nas notas de aula da Profa. Corina Cîrstea Lista de Leitura para a Parte Teórica M. Huth and M. Ryan, Logic in Computer Science Modelling

Leia mais

FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA

FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA Karen Vassoler Martins Marta Monteiro da Costa Cruz FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA Karen Vassoler Martins

Leia mais

PLANO DE ENSINO. ATIVIDADE SEG TER QUA QUI SEX Aulas 10-12 10-12 Atendimento 13-16 13-16 Preparação de aula 14-16 14-16

PLANO DE ENSINO. ATIVIDADE SEG TER QUA QUI SEX Aulas 10-12 10-12 Atendimento 13-16 13-16 Preparação de aula 14-16 14-16 PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO Disciplina: Introdução a Otimização Combinatória Código: ICC500 Turma: CB01 URL: http://ioc-ufam.weebly.com Nº de Créditos: 4.4.0 Ano: 2015 Semestre: 1 Carga horária: 60h

Leia mais

MODELAGEM DE JOGOS: UMA ABORDAGEM BASEADA EM WORKFLOW-NETS PARA AGENTES JOGADORES

MODELAGEM DE JOGOS: UMA ABORDAGEM BASEADA EM WORKFLOW-NETS PARA AGENTES JOGADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Curso de Bacharelado em Ciências da Computação MODELAGEM DE JOGOS: UMA ABORDAGEM BASEADA EM WORKFLOW-NETS PARA AGENTES

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

Gestão de riscos operacionais utilizando diagramas bow-tie automatizados

Gestão de riscos operacionais utilizando diagramas bow-tie automatizados Copyright 2014-15 OSIsoft, LLC. 1 Gestão de riscos operacionais utilizando diagramas bow-tie automatizados Presented by Sergio Saad Copyright 2014-15 OSIsoft, LLC. Gestão de riscos operacionais utilizando

Leia mais

GESTÃO DE CONTROLE ACADÊMICO: MAPEAMENTO DO CONHECIMENTO E MODELAGEM ATRAVÉS DE REDES DE PETRI

GESTÃO DE CONTROLE ACADÊMICO: MAPEAMENTO DO CONHECIMENTO E MODELAGEM ATRAVÉS DE REDES DE PETRI GESTÃO DE CONTROLE ACADÊMICO: MAPEAMENTO DO CONHECIMENTO E MODELAGEM ATRAVÉS DE REDES DE PETRI Marcos Cezar Kujiv Müller softmuller@uniuv.edu.br Eduardo Rocha Loures eduardo.loures@pucpr.br Marco Busetti

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído

Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ana Paula Chaves 1, Jocimara Segantini Ferranti 1, Alexandre L Erário 1, Rogério

Leia mais

Introdução às Redes de Petri

Introdução às Redes de Petri Introdução às Redes de Petri Prof. Dr. Carlos Renato Lisboa Francês Laboratório de Computação Aplicada LACA Universidade Federal do Pará - UFPA rfrances@ufpa.br Agosto de 2003 1. Redes de Petri Rede de

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

2 Teste baseado em modelo

2 Teste baseado em modelo 2 Teste baseado em modelo O MBT tem-se tornado foco de estudos e experimentações práticas. Apesar das vantagens observadas, ainda há obstáculos para a adoção em grande escala de suas técnicas: Um deles

Leia mais

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Raquel Jauffret Guilhon Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

Avaliação de Modelos i* com o Processo AIRDoc-i*

Avaliação de Modelos i* com o Processo AIRDoc-i* Avaliação de Modelos i* com o Processo AIRDoc-i* Cleice Souza 1, Cláudia Souza 1, Fernanda Alencar 2, Jaelson Castro 1, Paulo Cavalcanti 1, Monique Soares 1, Gabriela Guedes 1, Eduardo Figueiredo 3 1 Centro

Leia mais

O POTENCIAL DAS REDES DE PETRI EM MODELAGEM E ANÁLISE DE PROCESSOS DE NEGÓCIO

O POTENCIAL DAS REDES DE PETRI EM MODELAGEM E ANÁLISE DE PROCESSOS DE NEGÓCIO O POTENCIAL DAS REDES DE PETRI EM MODELAGEM E ANÁLISE DE PROCESSOS DE NEGÓCIO v.11, n.1, p.109-119, jan.-abr. 2004 Sílvia Inês Dallavalle de Pádua Andrea Ribari Yoshizawa da Silva Arthur José Vieira Porto

Leia mais

Ferramenta para Gerência de Segurança Usando Análise de Tráfego em Backbones IP

Ferramenta para Gerência de Segurança Usando Análise de Tráfego em Backbones IP Ferramenta para Gerência de Segurança Usando Análise de Tráfego em Backbones IP Cláudia de Abreu Silva 1,2 claudia@dtm.mar.mil.br Luís Felipe Magalhães de Moraes 1 moraes@ravel.ufrj.br 1 Universidade Federal

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Use of UML modeling in a management system for a food franchising Richard B. N. Vital, Tatiane M. Vital.

Leia mais

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio 1. Introdução ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio Geraldo Zimbrão da Silva (IM/UFRJ) Victor Teixeira de Almeida (COPPE/UFRJ) Jano Moreira de Souza (COPPE/UFRJ) Francisco Gonçalves Pereira

Leia mais

Sergio da Silva Aguiar Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - I Seemat

Sergio da Silva Aguiar Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - I Seemat Introdução à Lógica Matemática Sergio da Silva Aguiar Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - I Seemat 1 Introdução O que é a Lógica? O que signi ca estudar Lógica? Qual a sua de nição? Ao iniciar

Leia mais

Nathalie Portugal Vargas

Nathalie Portugal Vargas Nathalie Portugal Vargas 1 Introdução Trabalhos Relacionados Recuperação da Informação com redes ART1 Mineração de Dados com Redes SOM RNA na extração da Informação Filtragem de Informação com Redes Hopfield

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular

Ficha da Unidade Curricular ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS CURSO Licenciatura em Engenharia Informática U.C. ENGENHARIA DE SOFTWARE I Ficha da Unidade Curricular Horas presenciais / Ano 56 Ano Lectivo 2010 /

Leia mais

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS)

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS) AORML uma linguagem para modelagem de uma aplicação Multiagentes: Uma Aplicação no Sistema Expertcop. Hebert de Aquino Nery, Daniel Gonçalves de Oliveira e Vasco Furtado. Universidade de Fortaleza UNIFOR

Leia mais

Computação Sensível ao Contexto

Computação Sensível ao Contexto Computação Sensível ao Contexto Percepção de Contexto em Ambientes Domiciliares Modelagem de Contexto Modelagem de Contexto + Modelagem de Usuário Fabrício J. Barth novembro de 2004 Sumário O que já foi

Leia mais

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE Tathiana da Silva Barrére Antonio Francisco do Prado Vitor César Bonafe E-mail: (tathiana,prado,bonafe)@dc.ufscar.br

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Renata Miranda Pires Boente

Renata Miranda Pires Boente Uso do Modelo Qualitativo de Análise de Risco (Karolak) na Gestão de Projetos de TI: Um estudo de caso na Justiça Federal de Primeiro Grau Seção Judiciária do Rio de Janeiro Renata Miranda Pires Boente

Leia mais

Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento

Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento Marco Antonio De Grandi, Valter Vieira de Camargo, Edmundo Sérgio Spoto Centro Universitário Eurípides de Marília

Leia mais

MODELAGEM DE UM SUBSISTEMA IMOBILIÁRIO UTILIZANDO LINHAS DE PRODUTO DE SOFTWARE MODELING A REAL ESTATE SUBSYSTEM USING SOFTWARE PRODUCT LINES

MODELAGEM DE UM SUBSISTEMA IMOBILIÁRIO UTILIZANDO LINHAS DE PRODUTO DE SOFTWARE MODELING A REAL ESTATE SUBSYSTEM USING SOFTWARE PRODUCT LINES MODELAGEM DE UM SUBSISTEMA IMOBILIÁRIO UTILIZANDO LINHAS DE PRODUTO DE SOFTWARE MODELING A REAL ESTATE SUBSYSTEM USING SOFTWARE PRODUCT LINES Silvia Ribeiro Mantuani 1 ; Fernando Henrique Campos 2 ; Vinícius

Leia mais

Especificação, Modelação e Projecto de Sistemas Embutidos

Especificação, Modelação e Projecto de Sistemas Embutidos Especificação, Modelação e Projecto de Sistemas Embutidos Petri Nets Paulo Pedreiras pbrp@ua.pt Departamento de Electrónica, Telecomunicações e Informática Universidade de Aveiro Parcialmente baseado no

Leia mais

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação DESENVOLVIMENTO DE UMA MÉTRICA DE COMPLEXIDADE DE REQUISITOS

8º Congresso de Pós-Graduação DESENVOLVIMENTO DE UMA MÉTRICA DE COMPLEXIDADE DE REQUISITOS 8º Congresso de Pós-Graduação DESENVOLVIMENTO DE UMA MÉTRICA DE COMPLEXIDADE DE REQUISITOS Autor(es) CARLOS ROBERTO PAVIOTTI Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS 1. Introdução A crescente evolução

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max

Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max Sânia da Costa Fernandes (UFG) saninha_fernandes@hotmail.com Tatiane Albuquerque Pires (UFG) tati_albuquerque_3@hotmail.com

Leia mais

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS Fabiana Fraga Ferreira Bacharelanda em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Aula 1: Introdução Felipe Campelo http://www.cpdee.ufmg.br/~fcampelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Belo Horizonte Março de 2013 Antes de

Leia mais

PROGRAMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DA APLICAÇÃO DO ALGORITMO WATERSHED PARA A SEGMENTAÇÃO DE GALÁXIAS BASEADO EM DADOS ESPECTROGRÁFICOS.

PROGRAMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DA APLICAÇÃO DO ALGORITMO WATERSHED PARA A SEGMENTAÇÃO DE GALÁXIAS BASEADO EM DADOS ESPECTROGRÁFICOS. PROGRAMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DA APLICAÇÃO DO ALGORITMO WATERSHED PARA A SEGMENTAÇÃO DE GALÁXIAS BASEADO EM DADOS ESPECTROGRÁFICOS. Murilo Moritz Parize 1 - Marcelo Massocco Cendron 2 INTRODUÇÃO A necessidade

Leia mais

Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade

Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade Usando Modelos Para Apoiar a Especificação e Verificação de Requisitos de Ubiquidade Leonardo Mota, Jobson Massollar, Guilherme Horta Travassos Federal University of Rio de Janeiro/COPPE/PESC Caixa Postal

Leia mais

ANÁLISE SOB RESTRIÇÕES BASEADA EM UM RACIOCÍNIO ENERGÉTICO PARA O PROBLEMA DE ESCALONAMENTO TEMPO REAL DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE WORKFLOW

ANÁLISE SOB RESTRIÇÕES BASEADA EM UM RACIOCÍNIO ENERGÉTICO PARA O PROBLEMA DE ESCALONAMENTO TEMPO REAL DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE WORKFLOW ANÁLISE SOB RESTRIÇÕES BASEADA EM UM RACIOCÍNIO ENERGÉTICO PARA O PROBLEMA DE ESCALONAMENTO TEMPO REAL DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE WORKFLOW Flávio Félix Medeiros, Stéphane Julia Faculdade de Computação

Leia mais

Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD

Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD Autor: Robson da Silva Lopes 1, Orientadora: Prof a. Dr a. Márcia Aparecida Fernandes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da

Leia mais

Classificação: Determinístico

Classificação: Determinístico Prof. Lorí Viali, Dr. viali@pucrs.br http://www.pucrs.br/famat/viali/ Da mesma forma que sistemas os modelos de simulação podem ser classificados de várias formas. O mais usual é classificar os modelos

Leia mais

IN0997 - Redes Neurais

IN0997 - Redes Neurais IN0997 - Redes Neurais Aluizio Fausto Ribeiro Araújo Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática - CIn Departamento de Sistemas da Computação aluizioa@cin.ufpe.br Conteúdo Objetivos Ementa

Leia mais

Sistema de Help Desk e Controle de Chamados Baseado em Workflow. Cristian Paulo Prigol Marcel Hugo

Sistema de Help Desk e Controle de Chamados Baseado em Workflow. Cristian Paulo Prigol Marcel Hugo Sistema de Help Desk e Controle de Chamados Baseado em Workflow Cristian Paulo Prigol Marcel Hugo Seqüência da Apresentação Introdução e Objetivos Workflow Sistema Antigo e Sistema implementado JBPM Especificação

Leia mais

Modelagem Formal de Workflow com Redes de Petri e Software Livre na Gestão de Processos de Negócio em Saúde

Modelagem Formal de Workflow com Redes de Petri e Software Livre na Gestão de Processos de Negócio em Saúde Modelagem Formal de Workflow com Redes de Petri e Software Livre na Gestão de Processos de Negócio em Saúde Pública André Gustavo Teixeira Lins 1, Tércio de Morais 2, Eliana S. Almeida 1 1 CPMAT,Instituto

Leia mais

F I C H A D A D I S C I P L I N A

F I C H A D A D I S C I P L I N A Pós-Graduações MBA Master em Gestão F I C H A D A D I S C I P L I N A I D E N T I F I C A Ç Ã O D A D I S C I P L I N A Curso: Disciplina: Docente: e-mail: MBA - Master em Gestão Sistemas de Informação

Leia mais

UML Visão Geral. Índice. Introdução. Diagramas. Modelos e diagramas. Elementos de modelação. Referências

UML Visão Geral. Índice. Introdução. Diagramas. Modelos e diagramas. Elementos de modelação. Referências UML Visão Geral 1 Índice Introdução O que é a UML? Valor da UML Origens da UML Parceiros da UML Modelos e diagramas Elementos de modelação Diagramas Diagrama de casos de utilização Diagrama de classes

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

Um Modelo de Virtualização em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos

Um Modelo de Virtualização em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos Um Modelo de em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos Apresentado por: Josiney de Souza e Rubens Massayuki Suguimoto CI853 - Tópicos em Redes de Computadores III Prof. Aldri Luiz dos

Leia mais

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534.

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. Bibliografia 88 8 Bibliografia ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. AMBRIOLA, V.; TORTORA, G. Advances in Software

Leia mais

FAP - Faculdade de Apucarana Curso de Sistemas de Informação RESUMO EXPANDIDO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -

FAP - Faculdade de Apucarana Curso de Sistemas de Informação RESUMO EXPANDIDO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - FAP - Faculdade de Apucarana Curso de Sistemas de Informação RESUMO EXPANDIDO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO EXPANDIDO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - PLATAFORMA ARES: UMA PLATAFORMA VIRTUAL

Leia mais

Estar apto a utilizar técnicas, ferramentas e terminologias básicas do gerenciamento de projetos após a realização do curso.

Estar apto a utilizar técnicas, ferramentas e terminologias básicas do gerenciamento de projetos após a realização do curso. Curso sobre Gerenciamento de Projetos Apresentação O Gerenciamento de Projetos evoluiu nos últimos anos, ampliando sua área de atuação dentro das organizações. Nos mais variados campos da administração,

Leia mais

Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software

Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software Alessandro Liebmam Departamento de Ciência da Computação Instituto de Ciências Exatas Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) CEP: 31270-010

Leia mais

Proposta de uma ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído

Proposta de uma ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Proposta de uma ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ana Paula Chaves, Jocimara Segantini Ferranti, Alexadre L Erário,

Leia mais

MODELAGEM E ANÁLISE DE VIDEO GAMES USANDO AS WORKFLOW NETS E A LÓGICA LINEAR

MODELAGEM E ANÁLISE DE VIDEO GAMES USANDO AS WORKFLOW NETS E A LÓGICA LINEAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MODELAGEM E ANÁLISE DE VIDEO GAMES USANDO AS WORKFLOW NETS E A LÓGICA LINEAR GUILHERME

Leia mais

Para cada fase consideramos. Tempo para um projeto típico Tempo para um projeto Complexo. Arquitetura do Processo Unificado. A meta a ser atingida

Para cada fase consideramos. Tempo para um projeto típico Tempo para um projeto Complexo. Arquitetura do Processo Unificado. A meta a ser atingida Arquitetura do Processo Unificado Tempo para um projeto típico Tempo para um projeto Complexo O tempo gasto nas fases iniciais aumentam Para cada fase consideramos A meta a ser atingida Workflows a executar

Leia mais

Gerenciamento do Escopo. PMBOK Guide 2000

Gerenciamento do Escopo. PMBOK Guide 2000 PMBOK Guide 2000 Objetivos Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para gerenciar o escopo de um projeto Hermano Perrelli CIn-UFPE 2 Ao final desta aula você será capaz de... Organizar

Leia mais

Planejamento Recursos

Planejamento Recursos UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Planejamento Recursos Prof. Régis K. Scalice DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Objetivos da

Leia mais