FAP - Faculdade de Apucarana Curso de Sistemas de Informação RESUMO EXPANDIDO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FAP - Faculdade de Apucarana Curso de Sistemas de Informação RESUMO EXPANDIDO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -"

Transcrição

1 FAP - Faculdade de Apucarana Curso de Sistemas de Informação RESUMO EXPANDIDO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO EXPANDIDO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - PLATAFORMA ARES: UMA PLATAFORMA VIRTUAL BASEADA NO PROJETO LLVM GEOVANI DE SOUZA SCOSSABIA PROFESSOR ORIENTADOR Flávio Navarro Apucarana/2013

2 RESUMO Os sistemas de informação modernos vêm aumentando em tamanho, incorporando mais dinamismo e alterando significativamente durante a execução para atender as necessidades e crescimento das organizações que os mantém. O LLVM é um conjunto de ferramentas para executar as análises e transformações, que inclui uma representação de código intermediária e uma estrutura de geração de código de máquina. Este trabalho propõe-se a demonstrar a aplicação do LLVM para construção de uma linguagem de programação independente de plataforma que usufrui da abordagem de otimização em múltiplpos passos proposta pela ferramenta..net PALAVRAS-CHAVE: Ares, LLVM, Virtual Platform, Virtual Machine, Java, JVM, ABSTRACT The modern information systems has been growing in size, incorporating more dynamism and changing significantly through executing to attend the necessity and growing of the organizations that keeping it. LLVM s a set of tools to execute analysis and transformations, including intermediate code representation and code generation structure. This work propose to demonstrate the LLVM s application to construction of a platform independent programming language that enjoy of multiple steps optimization strategy propose by the tool. KEYWORDS: Ares, LLVM, Virtual Platform, Virtual Machine, Java, JVM,.NET

3 1 INTRODUÇÃO As organizações precisam de aplicações de alto desempenho, com o menor consumo de recursos possível. Neste contexto, os desenvolvedores precisam entregar aplicações de valor para seus clientes (internos e/ou externos) e para isso, necessitam de ferramentas versáteis. 1.1 Objetivos do Sistema Proposto Como objetivo principal, tem o estudo e desenvolvimento de um protótipo, comprovando a aplicabilidade de ferramentas especialistas em otimização computacional no contexto de aplicações de negócio. O projeto tem como objetivos específicos, a pesquisa sobre construção e funcionamento de compiladores e linguagens de programação, arquitetura do framework LLVM e criação de um protótipo de compilador. 1.2 Fundamentação Teórica Linguagem de Programação é a notação utilizada para descrever computações, comumente chamada de programa de computador, para uma máquina automática e para pessoas. Antes que um programa possa ser utilizado, faz-se necessária a tradução do programa de computador para uma forma que uma máquina automática possa compreender. O software responsável pela tradução do programa de computador é chamado compilador. Na figura 1.1 há um esquema do funcionamento geral de um compilador, que recebe uma entrada na linguagem fonte, e traduz para um programa equivalente na linguagem objeto. Figura 1.1: O funcionamento de um compilador

4 O projeto LLVM 1 foi criado para resolver o problema de geração do melhor código possível 2, levando em conta as dificuldades geradas pela evolução das linguagens de programação e das arquiteturas de computador, permitindo assim maior flexibilidade na criação, desenvolvimento e estudo de linguagens de programação. 1.3 Metodologia A metodologia baseou-se na pesquisa de compiladores conforme a obra de (AHO et al., 2008) chamado O Livro do Dragão, pesquisa da arquitetura do LLVM segundo (LATTNER, 2002), e construção de um protótipo de compilador. 1.4 Resultados obtidos Foi desenvolvido um protótipo, que foi apresentado em banca com os componentes: Analisador léxico, Analisador sintático, Gerador de árvore sintática abstrata. As maiores dificuldades encontradas nestes passos, foram a resolução de conflitos da gramática ambígua, como conflitos de redução-redução e deslocamento-redução. Conflitos de redução-redução, segundo (AHO et al., 2008), ocorrem quando uma determinada sequência de não -terminais pode ser reduzida para mais de um não -terminal, ou seja, duas ou mais regras têm sequências de não -terminais semelhantes. A gramática da linguagem foi baseada em um subconjunto do padrão ECMA-334. Para demonstração do funcionamento do protótipo, alguns arquivos foram processados tendo suas AST s correspondentes produzidas em tela. 1.5 Considerações finais O projeto de um compilador por si só já é desafiador, mesmo utilizando ferramentas facilitadoras como Flex e Bison. O projeto LLVM demonstra sua maturidade por seus diversos trabalhos derivados, incluindo-se também produtos comerciais disponíveis no mercado. Muito ainda há para se estudar na disciplina de compiladores e linguagens de programacão, que proporciona ao desenvolvedor escrever programas melhores. 1 Low Level Virtual Machine. 2 O problema de gerar código ótimo é NP-completo (AHO et al., 2008).

5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AHO, Alfred V. et al. Compiladores: Princípios, Técnicas e Ferramentas. 2. ed. São Paulo, Brasil: Pearson Addison-Wesley, ISBN Disponível em: <http://www.aw.com/aho%5fbr>. LATTNER, Chris. LLVM: An Infrastructure for Multi-Stage Optimization. Dissertação (Mestrado) Computer Science Dept., University of Illinois at Urbana-Champaign, Urbana, IL, Dec See Citação traduzida por Geovani de Souza Scossabia. Disponível em: <http://llvm.org/pubs/ lattnermsthesis.html>. Acesso em: 7 out

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES 1 BRANCO; Guido Aparecido Junior, 2 TAMAE, Rodrigo Yoshio 1-Discente do Curso Sistemas de Informação FAEG/Garça 2-Docente do Curso Sistemas

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Interpretação e Compilação de Linguagens de Programação

Interpretação e Compilação de Linguagens de Programação Interpretação e Compilação de Linguagens de Programação 28 de Fevereiro de 2013 Esta unidade curricular pretende transmitir ao longo de um semestre as noções fundamentais sobre o desenho e implementação

Leia mais

Construção de Compiladores. Construção de Compiladores. Motivação. Motivação. Contexto Histórico. Classificações: Gerações 09/03/2010

Construção de Compiladores. Construção de Compiladores. Motivação. Motivação. Contexto Histórico. Classificações: Gerações 09/03/2010 Construção de Compiladores Prof. Raimundo Santos Moura (http://www.ufpi.br/rsm) Construção de Compiladores Livro-Texto: AHO, Alfred V.; ULLMAN, Jeffrey D.; SETHI, R. Compiladores: princípios, técnicas

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de:

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de: i Sumário 1 Introdução 1 1.1 Linguagens....................................... 1 1.2 O que é um Compilador?................................ 2 1.3 Processadores de Programas: Compiladores, Interpretadores

Leia mais

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Otavio Pereira Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Orientador: Ricardo Pereira e Silva Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Informática e Estatística - INE Florianópolis

Leia mais

Compiladores INTRODUÇÃO. www.pedrofreire.com

Compiladores INTRODUÇÃO. www.pedrofreire.com Compiladores INTRODUÇÃO www.pedrofreire.com Este documento tem alguns direitos reservados: Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a Obras Derivadas 2.5 Portugal http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/2.5/pt/

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores INTRODUÇÃO AOS ALGORITMOS E À PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES PARTE 1 Renato Dourado Maia Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Programas e Programação

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos

Linguagens Formais e Autômatos Linguagens Formais e Autômatos SLIDE 1 Professor Júlio Cesar da Silva juliocesar@eloquium.com.br site: http://eloquium.com.br/ twitter: @profjuliocsilva facebook: https://www.facebook.com/paginaeloquium

Leia mais

Paradigmas e Histórico de

Paradigmas e Histórico de Paradigmas e Histórico de Linguagens de Programação Linguagens de Programação Departamento de Computação Universidade Federal de Sergipe Influências sobre o projeto de linguagens Arquitetura do computador

Leia mais

LUAS Lua Unified Automatic docs generator

LUAS Lua Unified Automatic docs generator LUAS Lua Unified Automatic docs generator Fabiane Cristine Dillenburg, Mírian Bruckschen 1 1 Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) Av. Unisinos 950 93022-000 São Leopoldo RS Brasil {fabianecd,

Leia mais

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código Igor Steinmacher 1, Éderson Fernando Amorim 1, Flávio Luiz Schiavoni 1, Elisa Hatsue Moriya Huzita 1 1 Departamento de Informática

Leia mais

Refatorações para Melhoria da Legibilidade de Código Fortran

Refatorações para Melhoria da Legibilidade de Código Fortran Refatorações para Melhoria da Legibilidade de Código Fortran Dionatan K. Tietzmann 1, Gustavo Rissetti 1, Andrea S. Charão 1, Eduardo K. Piveta 1 Adriano Petry 2, Jonas R. de Souza 2 1 Universidade Federal

Leia mais

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação III Aula 02 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação Técnica de comunicação padronizada para enviar instruções a um computador. Assim

Leia mais

UFRPE Prof. Gustavo Callou gcallou@gmail.com

UFRPE Prof. Gustavo Callou gcallou@gmail.com UFRPE Prof. Gustavo Callou gcallou@gmail.com 1 Algoritmos Representação Exercícios Linguagens de Programação Compilador Interpretador Ambiente de Desenvolvimento Python Característica Para que serve Onde

Leia mais

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Licenciatura em Engenharia Informática Degree in Computer Science Engineering Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Performance analysis of large distributed

Leia mais

Software Básico (INF1018)

Software Básico (INF1018) Software Básico (INF1018) http://www.inf.puc-rio.br/~inf1018 Noemi Rodriguez (noemi@inf.puc-rio.br) Ana Lúcia de Moura (amoura@inf.puc-rio.br) 1 Objetivo do curso Entender como funciona um computador típico,

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

COMPILADORES E INTERPRETADORES

COMPILADORES E INTERPRETADORES Aula 16 Arquitetura de Computadores 12/11/2007 Universidade do Contestado UnC/Mafra Curso Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber COMPILADORES E INTERPRETADORES Um compilador transforma o código fonte

Leia mais

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico Fundamentos de Java Prof. Marcelo Cohen 1. Histórico 1990 linguagem Oak; desenvolvimento de software embutido para eletrodomésticos S.O. para o controle de uma rede de eletrodomésticos o surgimento da

Leia mais

PROGRAMAÇÃO JAVA. Parte 1

PROGRAMAÇÃO JAVA. Parte 1 PROGRAMAÇÃO JAVA Parte 1 O que é um programa? Um algoritmo (sequência de operações elementares - instruções) convertido para uma linguagem que possa ser executada por um computador Programa = Algoritmos

Leia mais

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas II/CPD025 Conceitos orientação a objetos. Evolução das técnicas de modelagem orientadas a objetos. Estrutura da linguagem UML. Conceito de processo interativo

Leia mais

Breve Tutorial de JavaCC

Breve Tutorial de JavaCC Breve Tutorial de JavaCC O que é? Instalação: http://javacc.dev.java.net Exemplos usados de: http://w3.msi.vxu.se/users/jonasl/javacc http://www.cs.nmsu.edu/~rth/cs/cs471/interpretersjavacc.html http://www.engr.mun.ca/~theo/javacc-tutorial/javacc-tutorial.pdf

Leia mais

A Linguagem Algorítmica Estrutura de Repetição. Ex. 2

A Linguagem Algorítmica Estrutura de Repetição. Ex. 2 Estrutura de Repetição. Ex. 2 A ESTRUTURA Enquanto faça{} É MELHOR UTILIZADA PARA SITUAÇÕES ONDE O TESTE DE CONDIÇÃO (V OU F) PRECISA SER VERIFICADO NO INÍCIO DA ESTRUTURA DE REPETIÇÃO.

Leia mais

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Carlos Henrique Pereira WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Florianópolis - SC 2007 / 2 Resumo O objetivo deste trabalho é especificar

Leia mais

Estimativas de software

Estimativas de software Estimativas de software Fazer boas estimativas é uma das mais desafiadoras e importantes atividades da engenharia de software. Estimativas de custos ferramentas (H/S) e infra-estrutura pessoal (salários

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE CURSO: CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMPILADORES PROFESSOR: JOHNI DOUGLAS MARANGON Back-End Compilação 1. Compilação etapa Back-end

Leia mais

Introdução ao ActionScript

Introdução ao ActionScript Introdução ao ActionScript Grupo de Estudos de Actionscript 3.0 Fábio Flatschart Fábio Flatschart Consultor da Adobe Systems do Brasil Consultor da subárea de Internet da Gerência de Desenvolvimento (GD2)

Leia mais

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO Geração de código Ivan Ricarte 2008 Sumário Geração de código intermediário Código de três endereços Notação pós-fixa Otimização de código Heurísticas de otimização Geração de código em linguagem simbólica

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Algoritmos e Programação Teoria e Prática Marco Medina Cristina Fertig Novatec Editora Capítulo 1 Introdução Neste capítulo, faremos uma introdução geral sobre algoritmos, suas aplicações e alguns exemplos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software Anna Carla Mohr Verner Helder Eugenio dos Santos Puia Florianópolis,

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel Ambiente de Desenvolvimento Ambiente Para desenvolver aplicativos utilizando a linguagem JAVA precisamos preparar nosso ambiente realizando a

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Visual COBOL é a solução líder da indústria para o desenvolvimento de aplicações COBOL e implantação em sistemas Windows, Unix e Linux. Ele combina as melhores ferramentas de desenvolvimento de sua classe

Leia mais

Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso

Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Curso de Bacharelado em Ciências da Computação Marcus Vinicius Cruz Xavier Rascunho do trabalho de conclusão de curso Título

Leia mais

Java Básico. Aula 1 por Thalles Cezar

Java Básico. Aula 1 por Thalles Cezar + Java Básico Aula 1 por Thalles Cezar + Histórico Green Project (1991) Desenvolver plataforma para eletrodomésticos inteligentes Tentaram usar C++ Mas resolveram desenvolver uma linguagem própria Oak

Leia mais

Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo.

Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo. UML - Motivação - O que é um modelo? Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo. O que é um modelo? O que é um modelo? O

Leia mais

Geração e Otimização de Código

Geração e Otimização de Código Geração e Otimização de Código Representação de código intermediária Código de três endereços, P-código Técnicas para geração de código Otimização de código Prof. Thiago A. S. Pardo 1 Estrutura geral de

Leia mais

SISTEMA PARA AUTOMATIZAR O MONITORAMENTO DE ROTEADORES DE UM PROVEDOR DE ACESSO

SISTEMA PARA AUTOMATIZAR O MONITORAMENTO DE ROTEADORES DE UM PROVEDOR DE ACESSO FURB Universidade Regional de Blumenau Bacharelado em Ciência da Computação SISTEMA PARA AUTOMATIZAR O MONITORAMENTO DE ROTEADORES DE UM PROVEDOR DE ACESSO Jean Victor Zunino Miguel Alexandre Wisintainer

Leia mais

Marco Aurélio malbarbo@din.uem.br. Uma Visão Geral Sobre Plataforma Java

Marco Aurélio malbarbo@din.uem.br. Uma Visão Geral Sobre Plataforma Java RedFoot J Dukes Uma Visão Geral Sobre Plataforma Java Marco Aurélio malbarbo@din.uem.br 1 Roteiro Objetivos Plataforma Java Linguagem de Programação Maquina Virtual Tecnologias Conclusão 2 Objetivos Geral

Leia mais

Visão Geral da Plataforma Java. Robinson Castilho - JUGMS castilho@bacarin.com.br http://www.jugms.com.br

Visão Geral da Plataforma Java. Robinson Castilho - JUGMS castilho@bacarin.com.br http://www.jugms.com.br Visão Geral da Plataforma Java Robinson Castilho - JUGMS castilho@bacarin.com.br http://www.jugms.com.br Agenda Apresentação Motivação para a palestra História do Java A máquina virtual Java (JVM) Java

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte Sintaxe e Semântica mleal@inf.puc-rio.br Fases da Compilação programa fonte tokens parse tree árvore anotada ou outra forma intermediária código intermediário código objeto código objeto otimizado scanner

Leia mais

Manual de Docência para a disciplina de Algoritmia e Programação 2005/2006 Engenharia Informática, 1º ano José Manuel Torres

Manual de Docência para a disciplina de Algoritmia e Programação 2005/2006 Engenharia Informática, 1º ano José Manuel Torres Manual de Docência para a disciplina de Algoritmia e Programação 2005/2006 Engenharia Informática, 1º ano José Manuel Torres Número de horas do programa: 60 horas Número de horas Semanal: 4 Horas Número

Leia mais

Realidade Virtual Aplicada à Educação

Realidade Virtual Aplicada à Educação Realidade Virtual Aplicada à Educação Sandra Dutra Piovesan 1, Camila Balestrin 2, Adriana Soares Pereira 2, Antonio Rodrigo Delepiane de Vit 2, Joel da Silva 2, Roberto Franciscatto 2 1 Mestrado em Informática

Leia mais

Compiladores Aula 1. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br

Compiladores Aula 1. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br Aula 1 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Tópicos da disciplina Introdução à compilação Analisador léxico Analisador sintático descendente Analisador sintático ascendente Análise semântica Geração

Leia mais

Java. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br

Java. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br Java Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br 3. Considere as instruções Java abaixo: int cont1 = 3; int cont2 = 2; int cont3 = 1; cont1 += cont3++; cont1 -= --cont2; cont3 = cont2++; Após a

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Programas e Linguagens Para executar uma tarefa

Leia mais

Curso Técnico em Redes

Curso Técnico em Redes Curso Técnico em Redes Prof. Airton Ribeiro - 2012 Histórico das Linguagens de Programação O que é? É um método padronizado para expressar instruções para um computador. É um conjunto de regras sintáticas

Leia mais

Sistema Gestor de Áreas de Transformação (SIGAT): Gerenciando áreas de transformação de concessionárias do setor elétrico

Sistema Gestor de Áreas de Transformação (SIGAT): Gerenciando áreas de transformação de concessionárias do setor elétrico Sistema Gestor de Áreas de Transformação (SIGAT): Gerenciando áreas de transformação de concessionárias do setor elétrico Wagner da Costa Araújo 1, José Flávio Gomes Barros 2 1 Bacharel em Sistemas de

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

: Administração Produção : Linguagem de : Adminstração Banco 1 :Administração Storage Sistema z/os Sistema z/vm : Melhores Práticas em Gestão de Tecnologia - IL Módulo : : Administração Produção : Linguagem

Leia mais

Geração de código intermediário. Novembro 2006

Geração de código intermediário. Novembro 2006 Geração de código intermediário Novembro 2006 Introdução Vamos agora explorar as questões envolvidas na transformação do código fonte em uma possível representação intermediária Como vimos, nas ações semânticas

Leia mais

Geração de códigos de interfaces de usuário a partir da linguagem UIML

Geração de códigos de interfaces de usuário a partir da linguagem UIML Geração de códigos de interfaces de usuário a partir da linguagem UIML Ayslan Trevizan Possebom, Antonio Mendes da Silva Filho, Sérgio Roberto Pereira da Silva Departamento de Informática Universidade

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto APRESENTAÇÃO Os computadores chegaram aos diversos níveis das organizações Nestes contexto: Que linguagem entendem? Que produtos podem usar? Dúvidas

Leia mais

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Luiz Cláudio Hogrefe Orientador: Prof. Roberto Heinzle, Doutor Roteiro Introdução Fundamentação teórica

Leia mais

ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS. Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms.

ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS. Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms. ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms. Mauricio Duarte 2 Centro Universitário Euripides de Marilia UNIVEM FATEC Faculdade de

Leia mais

Programação de Computadores III

Programação de Computadores III Programação de Computadores III Introdução a Linguagens de Programação Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.1/tcc-00.157

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização Básica B de Computadores

Leia mais

JSCity Visualização de Sistemas JavaScript em 3D

JSCity Visualização de Sistemas JavaScript em 3D JSCity Visualização de Sistemas JavaScript em 3D Marcos Viana, Estevão Moraes, Guilherme Barbosa, André Hora, Marco Tulio Valente {longuinho,estevaoma,barbosa,hora,mtov}@dcc.ufmg.br 1 Departamento de Ciência

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE IDE PARA PLATAFORMA OMAP. Larissa Lucena Vasconcelos¹, Raul Fernandes Herbster², Joseana Macêdo Fechine³

DESENVOLVIMENTO DE IDE PARA PLATAFORMA OMAP. Larissa Lucena Vasconcelos¹, Raul Fernandes Herbster², Joseana Macêdo Fechine³ DESENVOLVIMENTO DE IDE PARA PLATAFORMA OMAP Larissa Lucena Vasconcelos¹, Raul Fernandes Herbster², Joseana Macêdo Fechine³ 1 Aluna do Curso de Ciência da Computação, integrante do PET-Computação, Depto.

Leia mais

INE 5336 Banco de Dados II

INE 5336 Banco de Dados II UFSC-CTC-INE Curso de Ciências da Computação INE 5336 Banco de Dados II Ronaldo S. Mello 2008/2 http://www.inf.ufsc.br/~ronaldo/ine5336 Programa da Disciplina Objetivo Conteúdo Avaliação Bibliografia Cronograma

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Programação Orientada a Objetos (DPADF 0063)

Programação Orientada a Objetos (DPADF 0063) Programação Orientada a Objetos (DPADF 0063) Aula 2 Java como ferramenta de experimentação Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Curso Superior de Tecnologia em Sistemas

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Programação Linguagens de Programação: Ambientes de desenvolvimento Engenharia da Computação Professor: Críston Pereira de Souza Web: www.univasf.edu.br/~criston.souza/algoritmos.html email:

Leia mais

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reuso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reutilização de Software Na maioria das áreas de engenharia de software, sistemas são desenvolvidos

Leia mais

Modelos de Tradução no Projeto de Linguagens de Programação

Modelos de Tradução no Projeto de Linguagens de Programação Modelos de Tradução no Projeto de Linguagens de Programação FÁBIO FIGUEIREDO NASCIMENTO ALBERTO RÔMULO NUNES CAMPELO EsAEx Escola de Administração do Exército, Rua Território do Amapá, Nº 455, Pituba,

Leia mais

UMA FERRAMENTA DE INSPEÇÃO PARA APLICAÇÕES JAVA UTILIZANDO REFLEXÃO COMPUTACIONAL

UMA FERRAMENTA DE INSPEÇÃO PARA APLICAÇÕES JAVA UTILIZANDO REFLEXÃO COMPUTACIONAL UMA FERRAMENTA DE INSPEÇÃO PARA APLICAÇÕES JAVA UTILIZANDO REFLEXÃO COMPUTACIONAL André Luis Castro de Freitas 1,2 Ana Maria de Alencar Price 1 afreitas@inf.ufrgs.br anaprice@inf.ufrgs.br 1 UFRGS - Universidade

Leia mais

OOP - Java. Artur Duque Rossi Mestrado em Modelagem Computacional Universidade Federal de Juiz de Fora

OOP - Java. Artur Duque Rossi Mestrado em Modelagem Computacional Universidade Federal de Juiz de Fora OOP - Java Artur Duque Rossi Mestrado em Modelagem Computacional Universidade Federal de Juiz de Fora 1 Sumário Java Aviso! História do Java Programação Orientada à Objetos Os quatro pilares da OOP Abstração

Leia mais

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas Gerenciamento de Gerenciamento de Configuração Novas versões de sistemas de software são criadas quando eles: Mudam para máquinas/os diferentes; Oferecem funcionalidade diferente; São configurados para

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Unidade 4 Ambiente de desenvolvimento Java QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática SUMÁRIO A LINGUAGEM JAVA... 3 JVM, JRE, JDK... 3 BYTECODE... 3 PREPARANDO O AMBIENTE

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Java de missão crítica. Um artigo técnico da Oracle

Java de missão crítica. Um artigo técnico da Oracle Java de missão crítica Um artigo técnico da Oracle Java de missão crítica A família de produtos Oracle JRockit é um portfólio abrangente de soluções de tempo de execução de Java que aproveita a JVM básica

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL-CONTROCAR RESUMO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL-CONTROCAR RESUMO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL-CONTROCAR SOUZA, R. C. F. 1 VERONA, E. D. 2 RESUMO Este artigo mostra o desenvolvimento de um sistema computacional (CONTROCAR) voltado para gerenciamento de empresas que

Leia mais

Roteiro. Linguagens, plataformas e ambientes de Desenvolvimento. Desenvolvimento de Aplicações para DM. Java. Linguagem C

Roteiro. Linguagens, plataformas e ambientes de Desenvolvimento. Desenvolvimento de Aplicações para DM. Java. Linguagem C Desenvolvimento de Aplicações para Dispositivos Móveis José de Ribamar Martins Bringel Filho Mestre em Ciência da Computação (UFC) bringel@cenapadne.br Roteiro Overview das Plataformas e Linguagens J2ME

Leia mais

Fonte (livro-texto): Conceitos de Linguagens de Programação, 4ed. Robert W. Sebesta

Fonte (livro-texto): Conceitos de Linguagens de Programação, 4ed. Robert W. Sebesta 1 Fonte (livro-texto): Conceitos de Linguagens de Programação, 4ed. Robert W. Sebesta Agenda 1. Razões para estudar conceitos de LPs 2. Domínios de programação 3. Critérios de avaliação de linguagens 4.

Leia mais

Introdução a Linguagem

Introdução a Linguagem Introdução a Linguagem Prof. Edwar Saliba Júnior Fevereiro de 2011 Unidade 03 Introdução a Linguagem Java 1 Conteúdo Máquina Virtual (JVM) Histórico de Java Case Sensitive Tipos Primitivos Tipo String

Leia mais

Melhoria de Processos CMMi

Melhoria de Processos CMMi Melhoria de Processos CMMi Prof. Marcelo Maia 1 O que é o CMMI? Um modelo previamente comprovado de melhoria de processos na organização; Um framework para organizar e priorizar atividades de melhoria;

Leia mais

Aula teórica 3. Tema 3.Computadores e linguagens Linguagens de Programação Compilação e linkagem LP Java. Preparado por eng.

Aula teórica 3. Tema 3.Computadores e linguagens Linguagens de Programação Compilação e linkagem LP Java. Preparado por eng. Aula teórica 3 Tema 3.Computadores e linguagens Linguagens de Programação Compilação e linkagem LP Java Preparado por eng.tatiana Kovalenko Linguagens de Programação Para escrever programas é necessário

Leia mais

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura

4 Conversor EDTV Raw. 4.1 Arquitetura 4 Conversor EDTV Raw O conversor EDTV Raw é o programa que lê um documento escrito no perfil NCL EDTV e gera um documento Raw equivalente, i.e. que define a mesma apresentação. Este capítulo, apresenta

Leia mais

Introdução Dalvik Linux 2.6. Android. Diogo de Campos, João Paulo Pizani Flor, Maurício Oliveira Haensch, Pedro Covolan Bachiega

Introdução Dalvik Linux 2.6. Android. Diogo de Campos, João Paulo Pizani Flor, Maurício Oliveira Haensch, Pedro Covolan Bachiega Android Diogo de Campos, João Paulo Pizani Flor, Maurício Oliveira Haensch, Pedro Covolan Bachiega Universidade Federal de Santa Catarina November 18, 2008 Agenda 1 Introdução 2 Dalvik 3 Linux 2.6 Introdução

Leia mais

UMA ABORDAGEM COMPARATIVA ENTRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO JAVA E C#

UMA ABORDAGEM COMPARATIVA ENTRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO JAVA E C# UMA ABORDAGEM COMPARATIVA ENTRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO JAVA E C# Robson Bartelli¹, Wyllian Fressatti¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil robson_lpbartelli@yahoo.com.br,wyllian@unipar.br

Leia mais

Tradução Automática: Superando as Barreiras entre Línguas Européias e Chinesas

Tradução Automática: Superando as Barreiras entre Línguas Européias e Chinesas UFSC / PPGEP / UNL Tradução Automática: Superando as Barreiras entre Línguas Européias e Chinesas Maio, 2002 Paper 4 Irineu Theiss Automatic Translation: Overcome Barriers between European and Chinese

Leia mais

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Linguagem de Programação Orientada a Objeto Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Introdução a Orientação a Objetos No mundo real, tudo é objeto!; Os objetos se relacionam entre si

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capítulo 1 Introdução Programa: Seqüência de instruções descrevendo como executar uma determinada tarefa. Computador: Conjunto do hardware + Software Os circuitos eletrônicos de um determinado computador

Leia mais

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C#

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Linguagem de Programação 3 Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Prof. Mauro Lopes 1-31 35 Objetivos Nesta aula iremos apresentar a tecnologia.net, o ambiente de desenvolvimento

Leia mais

PIM. CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Projeto Integrado Multidisciplinar. 4º/3º Períodos 2010/2 UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO

PIM. CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Projeto Integrado Multidisciplinar. 4º/3º Períodos 2010/2 UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM Projeto Integrado Multidisciplinar 4º/3º Períodos 2010/2 PIM - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA Projeto e implementação

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

Virtualização: Conceitos e Aplicações em

Virtualização: Conceitos e Aplicações em Virtualização: Conceitos e Aplicações em Segurança Marcos Laureano e Carlos Maziero Centro Universitário Franciscano Unifae Pontíficia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Informática

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Introdução à Plataforma Eclipse. Leandro Daflon daflon@les.inf.puc-rio.br

Introdução à Plataforma Eclipse. Leandro Daflon daflon@les.inf.puc-rio.br Introdução à Plataforma Eclipse Leandro Daflon daflon@les.inf.puc-rio.br Agenda Introdução Arquitetura da Plataforma Componentes da Plataforma JDT PDE Visão Geral do Projeto Eclipse.org 2 Introdução O

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS. Hiago Borges de Oliveira

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS. Hiago Borges de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Hiago Borges de Oliveira UM COMPILADOR, UMA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO E UMA MÁQUINA VIRTUAL SIMPLES PARA

Leia mais

Alexandre Malveira, Wolflan Camilo

Alexandre Malveira, Wolflan Camilo Alexandre Malveira, Wolflan Camilo Introdução Cloud Computing Computação Móvel SaaS, PaaS e IaaS CloudBees Diariamente arquivos são acessados, informações dos mais variados tipos são armazenadas e ferramentas

Leia mais

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES Célia Hirata Aoki - celia@unisalesiano.edu.br Prof. M.Sc. Anderson Pazin - pazin@unisalesiano.edu.br RESUMO As fortes expansões

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

Programação online em Java

Programação online em Java Universidade Federal do ABC Disciplina: Processamento da Informação Assunto: Programação online em Java Programação online em Java Conteúdo Conteúdo...1 Introdução... 1 1.1.Programas necessários... 1 1.2.Visão

Leia mais

Um compilador é um programa que lê um programa escrito numa dada linguagem, a linguagem objecto (fonte), e a traduz num programa equivalente

Um compilador é um programa que lê um programa escrito numa dada linguagem, a linguagem objecto (fonte), e a traduz num programa equivalente Capítulo 1 Introdução Um compilador é um que lê um escrito numa dada linguagem, a linguagem objecto (fonte), e a traduz num equivalente numa outra linguagem, a linguagem destino Como parte importante neste

Leia mais

Arquitetura de Banco de Dados

Arquitetura de Banco de Dados Arquitetura de Banco de Dados Daniela Barreiro Claro MAT A60 DCC/IM/UFBA Arquitetura de Banco de dados Final de 1972, ANSI/X3/SPARC estabeleceram o relatório final do STUDY GROUP Objetivos do Study Group

Leia mais