Modelagem e análise de cenários de Video Game

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelagem e análise de cenários de Video Game"

Transcrição

1 Modelagem e análise de cenários de Video Game Autor: Guilherme Willian de Oliveira 1, Orientador: Stéphane Julia 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade Federal do Uberlândia (UFU) Uberlândia MG Brasil Nível: Mestrado Ano de ingresso no programa: Agosto / 2009 Época esperada de conclusão: Julho / 2011 Etapa concluída: Defesa da proposta de dissertação Resumo. Os objetivos principais desta pesquisa são de criar um modelo formal para representar as ações de jogadores de video game usando as WorkFlow nets e de usar os resultados fornecidos pela lógica linear para a análise qualitativa e quantitativa dos modelos produzidos. A sessão 1 apresenta uma introdução ao assunto. A sessão 2 mostra a fundamentação teórica para o desenvolvimento deste trabalho. Na sessão 3 são descritos os trabalhos relacionados à pesquisa desenvolvida. As sessões 4 e 5 apresentam a metodologia e os resultados esperados, respectivamente. A sessão 6 finaliza este artigo com a apresentação do cronograma de atividades a serem realizadas até a conclusão da pesquisa. Palavras-Chave. Video Game, Game Design, Level Design, WorkFlow nets, Lógica linear, Redes de Petri temporizadas

2 1. Introdução e Motivação O processo de criação de um jogo de computador do ponto de vista clássico da indústria de video games é essencialmente decomposto em duas fases: Game Design e Level Design. O Game Design é tido como a fase que define a época, estilo, contexto, objetivos a serem alcançados, principal tipo de objetos envolvidos, assim como a percepção do jogo pelos utilizadores. O Level Design consiste na definição de um espaço virtual, a criação de quebra-cabeças, a definição das principais ações e um conjunto de objetos utilizados para completar dados objetivos. A teoria das Redes de Petri foi proposta em 1962 por Carl Adam Petri, em sua tese de doutorado Kommunikation mit Automaten, na Universidade de Bonn na Alemanha. Natkin e Vega [Natkin et al. 2004] foram os primeiros a utilizar as redes de Petri para modelar a ordenação de sequências de ação em video games. A abordagem proposta no trabalho deles permite descrever em particular a estrutura lógica das missões de jogos. A vantagem de usar redes de Petri (PN) é que elas podem ser representadas tanto por diagramas visuais quanto por modelos matemáticos, dependendo da complexidade do sistema estudado e do contexto de aplicação [Peterson 1981]. Aalst afirma em [van der Aalst 1998] que existem várias razões para usar redes de Petri na modelagem de processos de workflow, as quais são: existência de uma semântica formal, natureza gráfica, poder de expressividade, existência de propriedades, técnicas de análise, etc... Aalst e Hee em [van der Aalst and van Hee 2002] acrescentam que o uso de tal formalismo tem uma série de vantagens importantes, como o fato de forçar uma definição precisa dos processos de negócios, alem de verificar que características como ambiguidade, incerteza e contradições são prevenidas em contraste com a maioria das técnicas de diagramação informais. A lógica linear foi proposta em 1987 por Girard em [Girard 1987]. Segundo [Girard 1995], a lógica linear não é uma lógica alternativa e sim uma extensão da lógica clássica, introduzindo a esta novos conectivos. De acordo com [Lincoln 1992], desde que a lógica linear foi introduzida por Girard, vários resultados têm sido obtidos e cada vez mais os cientistas da computação têm reconhecido a lógica linear como uma lógica expressiva, poderosa e com profundas ligações com os conceitos da ciência da computação, evidenciados principalmente, pela natural codificação de modelos computacionais como as redes de Petri e as máquinas de Turing, entre outros. A proposta deste trabalho é formalizar o processo de definição dos sequenciamento de ações em video games utilizando as WorkFlow net como modelo de especificação, e permitindo assim a verificação de boas propriedades. Em particular, resultados de análise baseados em cálculo de sequente da lógica linear poderão ser aproveitados para evitar a construção de grafos de marcações, os quais geram grandes números de estados discretos tanto nos processos de analise qualitativa quanto de analise quantitativa (grafos de classes). 2. Fundamentacao Téorica 2.1. WorkFlow nets Uma rede de Petri que modela um processo de workflow é uma WorkFlow net [van der Aalst and van Hee 2002], [van der Aalst 1998]. Uma WorkFlow net satisfaz as seguintes propriedades [van der Aalst 1998]: Tem apenas um lugar de início (denominado Start) e apenas um lugar de término (denominado End ), sendo estes dois lugares tratados como lugares especiais; o lugar Start tem apenas arcos de saída e o lugar End apenas arcos de entrada.

3 Uma ficha em Start representa um caso que precisa ser tratado e uma ficha em End representa um caso que já foi tratado. Toda transição T e lugar P deve estar em um caminho que se encontra entre o lugar Start e o lugar End. Soundness e um critério de verificação de correção definido para WorkFlow nets. Em particular uma WorkFlow net é sound se, e somente se, as três condições a seguir são satisfeitas: Para cada ficha colocada no lugar de início, uma (e apenas uma) ficha aparecerá no lugar de término. Quando uma ficha aparece no lugar de término, todos os outros lugares estão vazios, considerando o caso em questão. Considerando uma tarefa associada à uma transição, é possível evoluir da marcação inicial até uma marcação que sensibiliza tal transição, ou seja, não deve haver nenhuma transição morta na WorkFlow net Lógica Linear Lógica Linear versus Lógica Clássica Na lógica clássica, as proposições podem assumir valores verdadeiro (true) ou falso (false). Entretanto, na lógica linear, as proposições são tratadas como recursos que podem ser produzidos ou consumidos. A principal diferença da lógica linear em relação à lógica clássica é a inexistência das regras do enfraquecimento e da contração [Pradin-Chezalviel et al. 1999]. De acordo com a regra do enfraquecimento [Gochet and Gribomont 1990], se A B então (A C) B, o que não é válido na lógica linear, uma vez que o recurso C não pode ser produzido e consumido a qualquer momento sem ter nenhuma interferência no sistema. Pela regra da contração [Gochet and Gribomont 1990], se (A A) B então A B, o que também não é válido na lógica linear pois, uma vez que as proposições representam recursos, a necessidade de consumo de dois recursos para produção de outro não pode ser substituída pela necessidade de apenas um desses recursos Tradução de uma rede de Petri em fórmulas da Lógica Linear A tradução de uma rede de Petri em regras da lógica linear é mostrada em [Pradin-Chezalviel et al. 1999], de forma de que uma fórmula lógica e associada a cada marcação e a cada transição Arvores de prova canônica Na lógica linear, uma prova é o resultado de aplicações de regras válidas através de inferências sucessivas. Um sequente linear é válido se existe uma prova sintática a partir de regras válidas da lógica linear. De acordo com [Girault 1997] há equivalência entre o conjunto de marcações acessíveis de uma rede de Petri e a prova de sequentes da lógica linear. Uma vez que na lógica linear os átomos são produzidos e consumidos, podemos calcular as datas de produção e consumo de cada átomo presente em uma arvore de prova, associando a cada um destes um par (D P, D C ), onde D P e D C representam, respectivamente, a data de produção e consumo do átomo. O processo de construção de arvores de prova canônica com cálculo de datas e mostrado em [Riviere et al. 2001].

4 3. Trabalhos Relacionados A literatura traz poucos trabalhos correlatos, dentre eles destacam-se: Game Design Perspectives [Onder 2002]. Este trabalho descreve o uso de diagramas do tipo story-beat para modelagem dos cenários do video game. Game Architecture and Design: A New Edition [Rollings and Morris 2003]. Este livro sugere o uso de matrizes de interação de tokens para a concepção de video games. Developer s Guide to Computer Game Design [Lewinski 1999]. Este livro descreve o uso de fluxogramas para mostrar como cada missão se conecta com a próxima. Automatic feature extraction for autonomous general game playing agents [Kaiser 2007]. Este trabalho demonstra a utilização da linguagem formal GDL (Game Description Language) para a definição de jogos. A new methodology for spatiotemporal game design [Natkin et al. 2004]. Este artigo representa o ponto de partida do trabalho proposto sendo que o mesmo é pioneiro no uso de Redes de Petri para modelagem de video games. Qualitative analysis of workflow nets using linear logic: soundness verification [Passos and Julia 2009]. Este trabalho demonstra a utilização da lógica linear para comprovar a propriedade soundness em uma WorkFlow net. 4. Metodologia e Estado da Pesquisa A metodologia proposta consiste em estabelecer a execução das seguintes tarefas: 1. Definir modelos de cenários de jogo usando as WorkFlow nets, em particular para o game design e o level design. 2. Utilizar técnicas baseadas na lógica linear para verificação da propriedade de soundness em jogos e para o cálculo de datas simbólicas de realização de missões em video games. 3. Realizar um estudo de caso, baseado em um jogo conhecido, colocando em prática as técnicas de modelagem e analise propostas. Como o principal objetivo da elaboração de um modelo de workflow para jogos é possibilitar a análise qualitativa e quantitativa do modelo, detalhamos abaixo como o trabalho de análise será realizado. A análise qualitativa do modelo diz respeito à prova do critério de verificação de correção definido para WorkFlow nets, denominado Soundness descrito na sessão 2.1. Para verificar tal propriedade será utilizado o trabalho apresentado em [Passos and Julia 2009] sobre a construção de árvores de provas da lógica linear. A análise quantitativa tem por objetivo determinar datas simbólicas para realização de atividades e, consequentemente, conseguir estimar datas de início e fim que correspondem a missões especificas do jogo. A análise quantitativa será realizada através da construção de árvores de prova canônica da lógica linear quando o modelo é temporizado (WorkFlow nets temporizadas). Um jogo respeitara a seguinte estrutura hierárquica: Nível 1: Jogo, Nível 2: Níveis do jogo, Nível 3: Quest dos diversos níveis de jogo, Nível 4: Transações executadas dentro das quests. Sendo cada item modelado por uma WorkFlow net onde cada transição é representada por um item diretamente abaixo na estrutura hierárquica, ou seja, um nível é modelado por uma WorkFlow net onde cada uma de suas transições é representada por uma Quest. As transações representam o nivel atômico da estrutura do jogo e serão representadas por simples transições das WorkFlow nets.

5 Um exemplo de quest simplificada do jogo Silent Hill é apresentada na figura 1. Tal WorkFlow net representa as diversas transações a serem realizadas dentro de uma mesma quest. Em particular, O jogador representado pela ficha no lugar P 0 deverá para completar a quest encontrar o primeiro mapa no carro, pegar o caminho para a cidade, lutar contra o monstro, após vencer a luta o jogador tem a possibilidade de executar as atividades, encontrar o segundo mapa sendo esta opcional, e encontrar a chave, após ter em mãos a chave devera encontrar o apartamento e abrir a porta afim de ir para o próximo nível. Eventos cíclicos de repetição de nível e/ou quest, como por exemplo perder a luta conta o monstro, levando a morte do jogador e reiniciando o nível, são descartados na construção do modelo, pois não geram benefícios para a analise. Eventos opcionais geram múltiplos caminhos na rede, possibilitando eventuais erros de modelagem: por exemplo, na figura 1 caso a ligação tracejada não estivesse presente, será detectado pelo cálculo do sequente da lógica linear uma WorkFlow net que não verifica a propriedade de soundness. De fato, caso o disparo da transição T 6 acontecer, no final da execução da WorkFlow net, uma ficha se encontrará no lugar de término P 8 e uma outra no lugar P 5, o que não verifica a propriedade de soundness das WorkFlow nets. Figura 1. Primeira Quest do Nível 1 do jogo Silent Hill 5. Resultados Esperados Com este trabalho espera-se introduzir o uso de modelos formais na criação de video games, proporcionando maior confiabilidade no design de jogos, podendo prever possíveis falhas, como travamento de missões ou missões inatingível, alem de mensurar os tempos de jogabilidade das diversas quests. 6. Cronograma do Trabalho até a Defesa O cronograma de atividades, mostrado na Tabela 1, é composto das seguintes etapas: Etapa 1 - Termino das disciplinas do Programa de Mestrado em Ciência da Computação. Etapa 2 - Estudo de artigos e livros para fundamentação teórica. Apresentação ao orientador dos resultados obtidos por meio de seminários, com a finalidade de verificar a viabilidade das propostas encontradas. Etapa 3 - Entendimento e redação das fundamentações teóricas necessárias para o desenvolvimento da pesquisa.

6 Ano Mês Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Etapa 6 Etapa Novembro Dezembro Janeiro Fevereiro Março 2011 Abril Maio Junho Julho Tabela 1. Cronograma de atividades Etapa 4 - Formalização e análise do modelo do jogo utilizando as teorias previamente citadas e avaliação dos resultados obtidos (estudo de caso). Etapa 5 - Elaboração de artigos para submissão em congressos científicos e periódicos, a fim de verificar a viabilidade e confiabilidade da proposta. Etapa 6 - Elaboração e revisão da dissertação. Etapa 7 - Defesa da dissertação. Referências Girard, J.-Y. (1987). Linear logic. Theor. Comput. Sci., 50: Girault, F. (1997). A logic for Petri nets, volume 31. Eddition Hermes. Gochet, P. and Gribomont, P. (1990). Logique: méthodes pour l informatique fondamentale, volume 1. Hermès. Kaiser, D. M. (2007). Automatic feature extraction for autonomous general game playing agents. In AAMAS 07: Proceedings of the 6th international joint conference on Autonomous agents and multiagent systems, pages 1 7, New York, NY, USA. ACM. Lewinski, J. S. (1999). Developer s Guide to Computer Game Design. Wordware Publishing Inc., Plano, TX, USA. Natkin, S., Vega, L., De, C., and Cnam, R. I. (2004). A new methodology for spatiotemporal game design. In Proceedings of CGAIDE, pages Onder, B. (2002). Game Design Perspectives, chapter Writing the adventure game, pages Charles River Media Game Development Series. Charles River Media. Passos, L. M. S. and Julia, S. (2009). Qualitative analysis of workflow nets using linear logic: soundness verification. In SMC 09: Proceedings of the 2009 IEEE international conference on Systems, Man and Cybernetics, pages , Piscataway, NJ, USA. IEEE Press. Peterson, J. L. (1981). Petri Net Theory and the Modeling of Systems. Prentice-Hall, Englewood Cliffs, New Jersey. Pradin-Chezalviel, B., Valette, R., and Kunzle, L. A. (1999). Scenario durations characterization of t-timed petri nets using linear logic. In Proceedings of the The 8th International Workshop on Petri Nets and Performance Models, pages 208, Washington, DC, USA. IEEE Computer Society. Riviere, N., Valette, R., Pradin-Chezalviel, B., and Ups, I. A.. (2001). Reachability and temporal conflicts in t-time petri nets. In Proceedings of the 9th international Workshop on Petri Nets and Performance Models (PNPM 01), pages 229, Washington, DC, USA. IEEE Computer Society.

7 Rollings, A. and Morris, D. (2003). Game Architecture and Design: A New Edition. New Riders Games. van der Aalst, W. M. P. (1998). The application of petri nets to workflow management. Journal of CPetri Net ircuits, Systems, and Computers, 8(1): van der Aalst, W. M. P. and van Hee, K. (2002). Workflow Management: Models, Methods, and Systems. MIT Press.

Análise qualitativa do processo de workflow da ouvidoria do IFMG campus Bambuí: um estudo de caso

Análise qualitativa do processo de workflow da ouvidoria do IFMG campus Bambuí: um estudo de caso Análise qualitativa do processo de workflow da ouvidoria do IFMG campus Bambuí: um estudo de caso Estefânia Paula da SILVA¹; Lígia Maria SOARES PASSOS² ¹ Aluna do curso de Engenharia de Produção do IFMG

Leia mais

Formalização de Workflow baseada na Lógica Linear: Análise Qualitativa e Quantitativa

Formalização de Workflow baseada na Lógica Linear: Análise Qualitativa e Quantitativa Formalização de Workflow baseada na Lógica Linear: Análise Qualitativa e Quantitativa Aluna: Lígia Maria Soares Passos 1, Orientador: Prof. Dr. Stéphane Julia 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da

Leia mais

FORMALIZAÇÃO DE WORKFLOW NETS UTILIZANDO LÓGICA LINEAR: ANÁLISE QUALITATIVA E QUANTITATIVA

FORMALIZAÇÃO DE WORKFLOW NETS UTILIZANDO LÓGICA LINEAR: ANÁLISE QUALITATIVA E QUANTITATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO FORMALIZAÇÃO DE WORKFLOW NETS UTILIZANDO LÓGICA LINEAR: ANÁLISE QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Leia mais

MODELAGEM E ANÁLISE DE VIDEO GAMES USANDO AS WORKFLOW NETS E A LÓGICA LINEAR

MODELAGEM E ANÁLISE DE VIDEO GAMES USANDO AS WORKFLOW NETS E A LÓGICA LINEAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MODELAGEM E ANÁLISE DE VIDEO GAMES USANDO AS WORKFLOW NETS E A LÓGICA LINEAR GUILHERME

Leia mais

ANÁLISE DE PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO REDES DE PETRI ANALYSIS OF SOFTWARE DEVELOPMENT PROCESS USING PETRI NETS

ANÁLISE DE PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO REDES DE PETRI ANALYSIS OF SOFTWARE DEVELOPMENT PROCESS USING PETRI NETS ANÁLISE DE PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO REDES DE PETRI ANALYSIS OF SOFTWARE DEVELOPMENT PROCESS USING PETRI NETS Lucas Vinícius Rodrigues Grabert 1 Rodrigo Palucci Pantoni 2 Data

Leia mais

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Resumo. A fim de flexibilizar o fluxo de controle e o fluxo de dados em Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWf),

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia EDITAL Nº05/ PROGRAD/ DIREN/2010 ANEXO II 1 Título do Projeto: Automação de Fluxo de Trabalho Administrativo 2- Nome do Orientador: Autran Macêdo 3 Unidade: FACOM 4- Curso: Bacharelado em Ciência da Computação

Leia mais

TRADUZINDO A DEFINIÇÃO DE PROCESSO EM XPDL PARA MODELOS EM REDES DE PETRI

TRADUZINDO A DEFINIÇÃO DE PROCESSO EM XPDL PARA MODELOS EM REDES DE PETRI XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. TRADUZINDO A DEFINIÇÃO DE PROCESSO EM XPDL PARA MODELOS EM REDES DE PETRI Rosemary Francisco (PUCPR) rmaryf@gmail.com Eduardo de Freitas Rocha Loures (PUCPR)

Leia mais

Especificação de Testes Funcionais usando Redes de Petri a Objetos para Softwares Orientados a Objetos

Especificação de Testes Funcionais usando Redes de Petri a Objetos para Softwares Orientados a Objetos Especificação de Testes Funcionais usando Redes de Petri a Objetos para Softwares Orientados a Objetos Autor(a): Liliane do Nascimento Vale 1 Orientador: Stéphane Júlia 1 1 Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

2 Teste baseado em modelo

2 Teste baseado em modelo 2 Teste baseado em modelo O MBT tem-se tornado foco de estudos e experimentações práticas. Apesar das vantagens observadas, ainda há obstáculos para a adoção em grande escala de suas técnicas: Um deles

Leia mais

Redes de Petri. Redes de Petri. Redes de Petri. Redes de Petri. Introdução. Lugares, transições e arcos. Lugares. Giovanni Cordeiro Barroso

Redes de Petri. Redes de Petri. Redes de Petri. Redes de Petri. Introdução. Lugares, transições e arcos. Lugares. Giovanni Cordeiro Barroso Redes de Petri Redes de Petri Introdução Giovanni Cordeiro Barroso Ferramenta matemática e gráfica de uso geral, proposta por C. A. Petri (1962), permitindo: modelar o comportamento dos sistemas dinâmicos

Leia mais

Sistemas Digitais. Sistemas Digitais III - Ementa

Sistemas Digitais. Sistemas Digitais III - Ementa Sistemas Digitais Sistemas Digitais I - Sistemas Combinatórios As saídas atuais são determinadas diretamente a partir das entradas atuais. Portas Lógicas. Sistemas Digitais II - Sistemas Seqüenciais As

Leia mais

PROPOSTA DE MODELAGEM DE UM SISTEMA FLEXÍVEL DE MANUFATURA CENTRADO EM ROBÔ UTILIZANDO REDES DE PETRI

PROPOSTA DE MODELAGEM DE UM SISTEMA FLEXÍVEL DE MANUFATURA CENTRADO EM ROBÔ UTILIZANDO REDES DE PETRI PROPOSTA DE MODELAGEM DE UM SISTEMA FLEXÍVEL DE MANUFATURA CENTRADO EM ROBÔ UTILIZANDO REDES DE PETRI FLAVIO PIECHNICKI (PUC) fpiechnicki@gmail.com Os avanços tecnológicos e o aumento da complexidade dos

Leia mais

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br BPMN (Business Process Modeling Notation) George Valença gavs@cin.ufpe.br 31/10/2012 Introdução Modelagem de processos No ciclo de vida BPM, a etapa de modelagem de processos consiste em um conjunto de

Leia mais

Modelagem Formal de Workflow com Redes de Petri e Software Livre na Gestão de Processos de Negócio em Saúde

Modelagem Formal de Workflow com Redes de Petri e Software Livre na Gestão de Processos de Negócio em Saúde Modelagem Formal de Workflow com Redes de Petri e Software Livre na Gestão de Processos de Negócio em Saúde Pública André Gustavo Teixeira Lins 1, Tércio de Morais 2, Eliana S. Almeida 1 1 CPMAT,Instituto

Leia mais

Modelagem Flexível para Processos de Negócio. Resultados de um Estudo Experimental

Modelagem Flexível para Processos de Negócio. Resultados de um Estudo Experimental Modelagem Flexível para Processos de Negócio Resultados de um Estudo Experimental Fabiane Albino Aluna Mestrado Prof. Ricardo Massa Orientador Cenário Atual Modelagem de Processos de Negócio de maneira

Leia mais

MODELAGEM DE JOGOS: UMA ABORDAGEM BASEADA EM WORKFLOW-NETS PARA AGENTES JOGADORES

MODELAGEM DE JOGOS: UMA ABORDAGEM BASEADA EM WORKFLOW-NETS PARA AGENTES JOGADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Curso de Bacharelado em Ciências da Computação MODELAGEM DE JOGOS: UMA ABORDAGEM BASEADA EM WORKFLOW-NETS PARA AGENTES

Leia mais

Gerenciamento dos Dados e Processos de Negócio na Modelagem de um Padrão de Workflow para Inferência sobre Indicadores de Saúde Pública

Gerenciamento dos Dados e Processos de Negócio na Modelagem de um Padrão de Workflow para Inferência sobre Indicadores de Saúde Pública UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO EM MODELAGEM COMPUTACIONAL DO CONHECIMENTO Gerenciamento dos Dados e Processos de Negócio na Modelagem de um Padrão de Workflow

Leia mais

Método de avaliação do modelo de processos de negócio do Enterprise Knowledge Development

Método de avaliação do modelo de processos de negócio do Enterprise Knowledge Development Método de avaliação do modelo de processos de negócio do Enterprise Knowledge Development Resumo Sílvia Inês Dallavalle de Pádua Ricardo Yassushi Inamasu Apresenta o método de avaliação do modelo de processos

Leia mais

Trabalho de Mestrado

Trabalho de Mestrado Caracterização da carga de trabalho em sistemas de educação a distância Trabalho de Mestrado Janaína R. Penedo (Aluno),Morganna Diniz(Orientador) Programa de Pós-Graduação em Informática - PPGI 1 Universidade

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Gerenciamento de Workflows em Redes de Petri para Sequenciamento de DNA

Modelagem de Sistemas de Gerenciamento de Workflows em Redes de Petri para Sequenciamento de DNA Modelagem de Sistemas de Gerenciamento de Workflows em Redes de Petri para Sequenciamento de DNA Geise Kelly da Silva Santos, Liliane do Nascimento Vale 1 Departamento de Computação Universidade Federal

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

OUTROS PARADIGMAS: PROGRAMAÇÃO

OUTROS PARADIGMAS: PROGRAMAÇÃO OUTROS PARADIGMAS: PROGRAMAÇÃO CONCORRENTE, MODELO DE DADOS RELACIONAL (SQL), REDES DE PETRI, ORIENTAÇÃO A ASPECTOS Luenne Nailam e Uendson Teles PROGRAMAÇÃO CONCORRENTE PROGRAMA O que é um Programa? O

Leia mais

Modelagem de Sistemas

Modelagem de Sistemas Modelagem de Sistemas Em muitas áreas de estudo, um fenômeno não é estudado diretamente, mas através de um modelo. Um modelo é uma representação, freqüentemente em termos matemáticos, do que parecem ser

Leia mais

Especificação de Requisitos de Software com o Método SCR

Especificação de Requisitos de Software com o Método SCR Especificação de Requisitos de Software com o Método SCR Flávio Ricardo Carpena Tereza Gonçalves Kirner Departamento de Computação - Universidade Federal de São Carlos Rodovia Washington Luiz, Km 235 -

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Especificação de Uma Abordagem para Desenvolvimento Distribuído de Software Utilizando SPEM

Especificação de Uma Abordagem para Desenvolvimento Distribuído de Software Utilizando SPEM Especificação de Uma Abordagem para Desenvolvimento Distribuído de Software Utilizando SPEM Gislaine Camila Lapasini Leal, Elisa Hatsue Moriya Huzita Tania Fatima Calvi Tait e César Alberto da Silva Universidade

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO 18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO Autor(es) MARINA CALÇA Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS

Leia mais

A coleta de requisitos se refere ao processo de determinar, documentar e gerenciar as necessidades e requisitos das partes interessadas;

A coleta de requisitos se refere ao processo de determinar, documentar e gerenciar as necessidades e requisitos das partes interessadas; Aula 07 1 2 A coleta de requisitos se refere ao processo de determinar, documentar e gerenciar as necessidades e requisitos das partes interessadas; A principal vantagem deste processo é a criação de uma

Leia mais

TPref-SQL: uma linguagem de consultas para bancos de dados com suporte a preferências temporais

TPref-SQL: uma linguagem de consultas para bancos de dados com suporte a preferências temporais TPref-SQL: uma linguagem de consultas para bancos de dados com suporte a preferências temporais Autor: Marcos Roberto Ribeiro 1, Orientadora: Sandra Aparecida de Amo 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência

Leia mais

Projeto de Jogos Parte I PUCPR - Tutoria de Jogos - 1º Ano - 2006

Projeto de Jogos Parte I PUCPR - Tutoria de Jogos - 1º Ano - 2006 Projeto de Jogos Parte I PUCPR - Tutoria de Jogos - 1º Ano - 2006 Paulo V. W. Radtke pvwradtke@gmail.com http://www.ppgia.pucpr.br/~radtke/jogos Conteúdo Introdução Por quê projetar? Elementos do projeto

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

EQUIVALÊNCIA E A MATRIZ COMPANHEIRA P

EQUIVALÊNCIA E A MATRIZ COMPANHEIRA P Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Campus Rio Pomba Coordenação de Cursos de Pós-Graduação e Pesquisa PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

Seja uma rede de Petri definida pela tripla (L, T, A), e por sua marcação inicial M 0.

Seja uma rede de Petri definida pela tripla (L, T, A), e por sua marcação inicial M 0. AULA 22 ESTUDO E APLICAÇÕES DAS REDES DE PETRI COMO MECANISMO DE DESCRIÇÃO DE SISTEMAS. 6. Propriedades das redes Seja uma rede de Petri definida pela tripla (L, T, A), e por sua marcação inicial M 0.

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web } Com o forte crescimento do comércio eletrônico por

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015 BPMN Business Process Modeling Notation Leandro C. López Agosto - 2015 Objetivos Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos de processos Apresentar os conceitos e elementos da notação

Leia mais

ANÁLISE DE EVOLUÇÃO DE SOFTWARE PARA RECUPERAÇÃO DA RASTREABILIDADE ENTRE DOCUMENTAÇÃO E CÓDIGO FONTE BASEADA EM MODELOS DE CARACTERÍSTICAS

ANÁLISE DE EVOLUÇÃO DE SOFTWARE PARA RECUPERAÇÃO DA RASTREABILIDADE ENTRE DOCUMENTAÇÃO E CÓDIGO FONTE BASEADA EM MODELOS DE CARACTERÍSTICAS ANÁLISE DE EVOLUÇÃO DE SOFTWARE PARA RECUPERAÇÃO DA RASTREABILIDADE ENTRE DOCUMENTAÇÃO E CÓDIGO FONTE BASEADA EM MODELOS DE CARACTERÍSTICAS Autor: Allysson Costa e Silva 1, Orientador: Prof. Dr. Marcelo

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Sistema de Apoio ao Ensino de Modelagem de Software Uma extensão para o editor de programação BlueJ

Sistema de Apoio ao Ensino de Modelagem de Software Uma extensão para o editor de programação BlueJ IV Encontro de Pesquisa PUCSP/TIDD 2011 Sistema de Apoio ao Ensino de Modelagem de Software. Uma extensão para o editor de programação BlueJ Autor: Luciano Gaspar - E-mail: tigaspar@hotmail.com Orientador:

Leia mais

1.1. Organização de um Sistema Computacional

1.1. Organização de um Sistema Computacional 1. INTRODUÇÃO 1.1. Organização de um Sistema Computacional Desde a antiguidade, o homem vem desenvolvendo dispositivos elétricoeletrônicos (hardware) que funciona com base em instruções e que são capazes

Leia mais

Introdução ao Design

Introdução ao Design Introdução ao Design João Arthur e Guilherme Germoglio Coordenação de Pós-graduação em Informática - COPIN 16/10/2008 João Arthur e Guilherme Germoglio 1/ 33 Roteiro 1 Introdução Objetivos 2 Definições

Leia mais

Cronograma da Disciplina de Automação Industrial- Aulas Teóricas

Cronograma da Disciplina de Automação Industrial- Aulas Teóricas Cronograma da Disciplina de Automação Industrial- Aulas Teóricas Aula Sumário das Aulas Teóricas Sem. T1 Introdução aos objectivos e tipos da Automação Industrial Introdução à disciplina. Objectivos da

Leia mais

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 12 OBJETIVOS OBJETIVOS REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

O POTENCIAL DAS REDES DE PETRI EM MODELAGEM E ANÁLISE DE PROCESSOS DE NEGÓCIO

O POTENCIAL DAS REDES DE PETRI EM MODELAGEM E ANÁLISE DE PROCESSOS DE NEGÓCIO O POTENCIAL DAS REDES DE PETRI EM MODELAGEM E ANÁLISE DE PROCESSOS DE NEGÓCIO v.11, n.1, p.109-119, jan.-abr. 2004 Sílvia Inês Dallavalle de Pádua Andrea Ribari Yoshizawa da Silva Arthur José Vieira Porto

Leia mais

MODELAGEM E ANÁLISE DE UMA LINHA DE DECAPAGEM ATRAVÉS DE REDE DE PETRI

MODELAGEM E ANÁLISE DE UMA LINHA DE DECAPAGEM ATRAVÉS DE REDE DE PETRI doi: 10.43/tmm.00501005 MODELAGEM E ANÁLISE DE UMA LINHA DE DECAPAGEM ATRAVÉS DE REDE DE PETRI Marília Gabriela Viana Nassar 1 José Isidro Garcia Paulo Eigi Miyagi 3 Resumo Este trabalho introduz uma metodologia

Leia mais

Programação I. Introdução a Lógica de Programação

Programação I. Introdução a Lógica de Programação Engenharia de Controle e Automação Programação I Introdução a Lógica de Programação Lara Popov Zambiasi Bazzi Oberderfer Ementa Introdução a lógica de programação e algoritmos. Constantes, variáveis e

Leia mais

Jogos Eletrônicos. Apresentação da Disciplina. Edirlei Soares de Lima

Jogos Eletrônicos. Apresentação da Disciplina. Edirlei Soares de Lima <edirlei.lima@uniriotec.br> Jogos Eletrônicos Apresentação da Disciplina Edirlei Soares de Lima Objetivos da Disciplina Apresentar os fundamentos de jogos eletrônicos, game design e as técnicas para o

Leia mais

UM MODELO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE BASEADO EM REDES DE PETRI UTILIZADO NO DESENVOLVIMENTO DO GERENTE DE UMA CÉLULA FLEXí VEL DE MANUFATURA

UM MODELO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE BASEADO EM REDES DE PETRI UTILIZADO NO DESENVOLVIMENTO DO GERENTE DE UMA CÉLULA FLEXí VEL DE MANUFATURA I SBAI - UNESP - Rio Claro/SP - Brasil UM MODELO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE BASEADO EM REDES DE PETRI UTILIZADO NO DESENVOLVIMENTO DO GERENTE DE UMA CÉLULA FLEXí VEL DE MANUFATURA AUTORES Eng. Manuel

Leia mais

Avaliação de Modelos i* com o Processo AIRDoc-i*

Avaliação de Modelos i* com o Processo AIRDoc-i* Avaliação de Modelos i* com o Processo AIRDoc-i* Cleice Souza 1, Cláudia Souza 1, Fernanda Alencar 2, Jaelson Castro 1, Paulo Cavalcanti 1, Monique Soares 1, Gabriela Guedes 1, Eduardo Figueiredo 3 1 Centro

Leia mais

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO Danilo Freitas Silvas Sistemas de informação CEATEC danilofs.ti@gmail.com Resumo:

Leia mais

Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento

Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento Marco Antonio De Grandi, Valter Vieira de Camargo, Edmundo Sérgio Spoto Centro Universitário Eurípides de Marília

Leia mais

Aula 2 Modelagem de Sistemas. Introdução Modelo de Base Lógica de 1ª Ordem. Concorrentes

Aula 2 Modelagem de Sistemas. Introdução Modelo de Base Lógica de 1ª Ordem. Concorrentes Aula 2 Modelagem de Sistemas Introdução Modelo de Base Lógica de 1ª Ordem Concorrentes 1 Aula 2 Modelagem de Sistemas Introdução Modelo de Base Lógica de 1ª Ordem Concorrentes 2 Constituição dos Sistemas

Leia mais

CURSO: TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE EAD

CURSO: TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE EAD LÓGIC DE PROGRMÇÃO CURSO: TÉCNICO EM INFORMÁTIC N MODLIDDE ED Disciplina: Lógica de Programação Profa. Jaqueline F. Domenciano Meu nome é Jaqueline F. Domenciano. Sou Especialista em Educação à Distância,

Leia mais

Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação

Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação Rafael Seidi Shigueoka¹, Bruno Bogaz Zarpelão¹ 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.011 CEP 86057-970

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Carla Gomes de Faria1, Ismênia Ribeiro de Oliveira1, Rosario Girardi1 1Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Leia mais

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Autor:Thiago França Naves 1, Orientador: Carlos Roberto Lopes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Analisador e Simulador de Redes de Petri

Analisador e Simulador de Redes de Petri Analisador e Simulador de Redes de Petri Felipe G. de Oliveira Lino 1, Alexandre Sztajnberg 1,2 1 Departamento de Informática e Estatística / Instituto de Matemática e Estatística 2 Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Modelagem e vericação de programas de CLP para sistemas de instrumentados de segurança na indústria de petróleo e gás

Modelagem e vericação de programas de CLP para sistemas de instrumentados de segurança na indústria de petróleo e gás Modelagem e vericação de programas de CLP para sistemas de instrumentados de segurança na indústria de petróleo e gás Proposta de Dissertação de Mestrado Orientador: Ma Hering de Queiroz Co-Orientador:

Leia mais

Modelagem Comportamental de Sistemas Multiagentes

Modelagem Comportamental de Sistemas Multiagentes Modelagem Comportamental de Sistemas Multiagentes Marcelo Santos Linder 1, Augusto Loureiro da Costa 2 1 Colegiado de Engenharia da Computação Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF) CEP

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Proposta de abordagem de desenvolvimento de software orientado a modelos para empresas

Proposta de abordagem de desenvolvimento de software orientado a modelos para empresas Proposta de abordagem de desenvolvimento de software orientado a modelos para empresas Tânia Eiko Eishima 1, Jandira Guenka Palma 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Model Checking of Statecharts using Automatic White Box Test Generation

Model Checking of Statecharts using Automatic White Box Test Generation Model Checking of Statecharts using Automatic White Box Test Generation Um artigo de: Doron Drusinsky (Cupertino, CA) Apresentado por: Charles-Edouard Winandy Disciplina: CSE310-4 Engenharia de Software

Leia mais

Aplicação de Métodos baseado em Processos de Negócio para Desenvolvimento de Serviços

Aplicação de Métodos baseado em Processos de Negócio para Desenvolvimento de Serviços Aplicação de Métodos baseado em Processos de Negócio para Desenvolvimento de Serviços Luan Lima 1, Ricardo Diniz Sul 1,2, Leonardo Guerreiro Azevedo 1,2,3 1 Departamento de Informática Aplicada (DIA) Universidade

Leia mais

MS777 : Projeto Supervionado I

MS777 : Projeto Supervionado I MS777 : Projeto Supervionado I Aluno: Orientador: Bruno Luís Hönigmann Cereser RA:072864 Prof. Dr. Laércio Luis Vendite 1 Objetivos do Trabalho O objetivo desse trabalho é um estudo da lógica fuzzy para

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Inteligência Artificial Definição (Fonte: AAAI ): "the scientific understanding of the mechanisms

Leia mais

Integrando Requisitos Ágeis com Modelos i*

Integrando Requisitos Ágeis com Modelos i* Integrando Requisitos Ágeis com Modelos i* Aline Jaqueira, Bernardo Gurgel, Márcia Lucena Departamento de Informática e Matemática Aplicada UFRN alinejaqueira@ppgsc.ufrn.br, bernardogfilho@gmail.com, marciaj@dimap.ufrn.br

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

I CICLO ITINERANTE DE FORMAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR

I CICLO ITINERANTE DE FORMAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR I CICLO ITINERANTE DE FORMAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS: modelos, condições e experiências Jéferson Weber dos Santos Porto Alegre, 16 de agosto de 2012 1 O Projeto

Leia mais

Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD

Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD Autor: Robson da Silva Lopes 1, Orientadora: Prof a. Dr a. Márcia Aparecida Fernandes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da

Leia mais

Uso da Computação Por Intervalos para Cálculo de Ponto Fixo de um Mapa Discreto

Uso da Computação Por Intervalos para Cálculo de Ponto Fixo de um Mapa Discreto Proceeding Series of the Brazilian Society of Computational and Applied Mathematics Uso da Computação Por Intervalos para Cálculo de Ponto Fixo de um Mapa Discreto Heitor Magno Rodrigues Junior 1 Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DAS DISCIPLINAS OPTATIVAS I

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Computação e Informática EMENTAS DAS DISCIPLINAS OPTATIVAS I EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1 FACUL DADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMATICA NEGÓGIOS GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ( 68) Teóricas Etapa: 7ª ( ) Práticas Interpretação de Governança e estratégia organizacional:

Leia mais

JSARP Simulador e Analisador de Redes de Petri

JSARP Simulador e Analisador de Redes de Petri JSARP Simulador e Analisador de Redes de Petri Aluno: Felipe G. de Oliveira Lino Orientador: Alexandre Sztajnberg DICC / IME / UERJ Rio de Janeiro, RJ, Brasil felipelino44@gmail gmail.com, alexszt@ime.uerj.

Leia mais

PLANO DE ENSINO. ATIVIDADE SEG TER QUA QUI SEX Aulas 10-12 10-12 Atendimento 13-16 13-16 Preparação de aula 14-16 14-16

PLANO DE ENSINO. ATIVIDADE SEG TER QUA QUI SEX Aulas 10-12 10-12 Atendimento 13-16 13-16 Preparação de aula 14-16 14-16 PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO Disciplina: Introdução a Otimização Combinatória Código: ICC500 Turma: CB01 URL: http://ioc-ufam.weebly.com Nº de Créditos: 4.4.0 Ano: 2015 Semestre: 1 Carga horária: 60h

Leia mais

Gerenciamento dos Dados e Processos de Negócio na Modelagem de um Padrão de Workflow para Inferência sobre Indicadores de Saúde Pública

Gerenciamento dos Dados e Processos de Negócio na Modelagem de um Padrão de Workflow para Inferência sobre Indicadores de Saúde Pública Gerenciamento dos Dados e Processos de Negócio na Modelagem de um Padrão de Workflow para Inferência sobre Indicadores de Saúde Pública André Gustavo Teixeira Lins, Tércio de Morais, Eliana S. Almeida

Leia mais

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software O que é software? Software e Engenharia de Software Programas de computador Entidade abstrata. Ferramentas (mecanismos) pelas quais: exploramos os recursos do hardware. executamos determinadas tarefas

Leia mais

SIMULAÇÃO APLICADA EM PROJETOS DE LINHAS DE MONTAGEM COM PALLETS RETORNÁVEIS 1

SIMULAÇÃO APLICADA EM PROJETOS DE LINHAS DE MONTAGEM COM PALLETS RETORNÁVEIS 1 SIMULAÇÃO APLICADA EM PROJETOS DE LINHAS DE MONTAGEM COM PALLETS RETORNÁVEIS 1 Leonardo Chwif Sinopse Simulate Tecnologia de Simulação Ltda Travessa R, n o 400, sala 19, Prédio Cietec 05508-900, São Paulo,

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes funcionais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes funcionais SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes funcionais SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 8 Índice 1 Introdução... 2 2 SLAs a aplicar

Leia mais

PL-SCIENCE: CONECTANDO ONTOLOGIAS E MODELOS DE FEATURES EM UMA LINHA DE PRODUTO PARA APLICAÇÕES CIENTÍFICAS

PL-SCIENCE: CONECTANDO ONTOLOGIAS E MODELOS DE FEATURES EM UMA LINHA DE PRODUTO PARA APLICAÇÕES CIENTÍFICAS PL-SCIENCE: CONECTANDO ONTOLOGIAS E MODELOS DE FEATURES EM UMA LINHA DE PRODUTO PARA APLICAÇÕES CIENTÍFICAS Gabriella Castro Barbosa Costa gabriellacbc@gmail.com Orientadores Regina Maria Maciel Braga

Leia mais

A.G.C de Sá 1 ; B.A. de Mello 2 ; CEP: 37200-000 e-mail: alexgcsa@gmail.com. e-mail: bramlo@gmail.com

A.G.C de Sá 1 ; B.A. de Mello 2 ; CEP: 37200-000 e-mail: alexgcsa@gmail.com. e-mail: bramlo@gmail.com 1 Geração automática de um modelo para simulação do SEP A.G.C de Sá 1 ; B.A. de Mello 2 ; 1 Departamento de Ciência da Computação UFLA Lavras, MG CEP: 37200-000 e-mail: alexgcsa@gmail.com 2 Ciências da

Leia mais

Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo.

Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo. UML - Motivação - O que é um modelo? Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo. O que é um modelo? O que é um modelo? O

Leia mais

ANDRE FELIPE MOREIRA MONTEZANO MODELO EM REDE DE PETRI DE UM SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DE ELEVADOR DE PASSAGEIROS

ANDRE FELIPE MOREIRA MONTEZANO MODELO EM REDE DE PETRI DE UM SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DE ELEVADOR DE PASSAGEIROS ANDRE FELIPE MOREIRA MONTEZANO MODELO EM REDE DE PETRI DE UM SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DE ELEVADOR DE PASSAGEIROS Rio de Janeiro 2009 MODELO EM REDE DE PETRI DE UM SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DE ELEVADOR DE PASSAGEIROS

Leia mais

Uma Arquitetura de Controle Distribuída para um Sistema de Visão Computacional Propositada.

Uma Arquitetura de Controle Distribuída para um Sistema de Visão Computacional Propositada. Uma Arquitetura de Controle Distribuída para um Sistema de Visão Computacional Propositada. Reinaldo A. C. Bianchi 1 Anna H. R. C. Rillo 2 1 Divisão de Automação e Inteligência Artificial - Laboratório

Leia mais

Integrando Planejamento e Execução de Ações no Domínio de Jogos do tipo RTS

Integrando Planejamento e Execução de Ações no Domínio de Jogos do tipo RTS Integrando Planejamento e Execução de Ações no Domínio de Jogos do tipo RTS Aluno: Augusto Afonso Borges Branquinho 1 Orientador: Carlos Roberto Lopes 2 Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS

RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS Escola de Engenharia Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de

Leia mais

Modelagem de Arquiteturas Organizacionais de TI Orientadas a Serviços

Modelagem de Arquiteturas Organizacionais de TI Orientadas a Serviços Modelagem de Arquiteturas Organizacionais de TI Orientadas a Serviços João Paulo A. Almeida Núcleo de Estudos em Modelagem Conceitual e Ontologias (NEMO) Departamento de Informática Universidade Federal

Leia mais

Disciplina de Projetos e Análise de Algoritmos. Aula 1 - Apresentação aos Algoritmos Computacionais

Disciplina de Projetos e Análise de Algoritmos. Aula 1 - Apresentação aos Algoritmos Computacionais Aula 1 - Apresentação aos Algoritmos Computacionais O que é a Disciplina? Disciplina de Projeto e Análise de Algoritmos Esta é uma disciplina de Algoritmos em nível de Pós-Graduação! Temas a serem abordados:

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar? 2. Como uma empresa pode certificar-se

Leia mais